Barbexaclona

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência na Condução
O que é
A barbexaclona, ​​um composto de sal de propilhexedrina e fenobarbital, é um antiepiléptico potente.
Por peso, a barbexaclona é 40% de propilhexedrina e 60% de fenobarbital.

Embora a barbexaclona tenha propriedades sedativas, a propilhexedrina tem propriedades psicoestimulantes destinadas a compensar esses efeitos sedativos.

Estudos farmacocinéticos demonstraram que a farmacocinética do fenobarbital administrada como barbexaclona não é afetada pela propilhexedrina.
Usos comuns
Criado para o tratamento da epilepsia, com a intenção de criar um antiepiléptico com propriedades menos sedativas que o fenobarbital.
Tipo
Molécula pequena.
História
Barbexaclona é um composto salino de fenobarbital e levopropilhexedrina. Foi introduzido em 1983. Foi relatado ser tão eficaz quanto o fenobarbital, mas melhor tolerado; No entanto, a partir de 2004, esses "resultados promissores" ainda não foram confirmados nem negados em testes controlados.
Indicações
Criado para o tratamento da epilepsia, com a intenção de criar um antiepiléptico com propriedades menos sedativas que o fenobarbital.
Classificação CFT
Mecanismo De Ação
Sem informação.
Posologia Orientativa
Crianças: 5 a 8 mg/kg/dia.

Adultos e adolescentes acima de 12 anos: 200 a 400 mg/dia.

Dose máxima: 800 mg.
Administração
Via oral.
Contraindicações
Hipersensibilidade à Barbexaclona.

Intoxicações agudas com substâncias que deprimem o SNC (álcool, tranquilizantes, analgésicos, etc.), porfirias hepáticas, cardiopatias, nefropatias e hepatopatias graves, tireotoxicoses, feocromocitoma, glaucoma agudo, adenoma de próstata com retenção urinária residual, arritmias cardíacas, angina pectoris grave, psicose com agitação.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
No início do tratamento podem surgir sintomas passageiros de adaptação como irritação, inquietação, astenia e, em raros casos, perda de peso.
Esses efeitos desaparecem em 1 ou no máximo em 6 semanas.
Na sobredosagem podem surgir alucinações visuais.
Quando a ingestão de alimentos estiver reduzida (inapetência ou doença consumptiva) ou na presença de obnubilação, ataxia, nistagmo, vertigem e vómito deve-se pensar em reduzir a dose.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Não administrar durante a gravidez.
Conducao
Conducao:Pela possível limitação da capacidade de reação, Barbexaclona deve ser administrado com cuidado quando se necessitar manipular máquinas ou conduzir veículos motorizados.
Precauções Gerais
Os barbitúricos estão associados a malformações cardíacas congénitas, fissuras faciais e outras malformações.

Não há dados disponíveis sobre o uso de barbexaclone na gravidez.

Recomenda-se reduzir a dose no tratamento de pessoas idosas.
Cuidados com a Dieta
Sem informação.
Terapêutica Interrompida
Não utilizar uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.

Conservar o frasco em lugar fresco, ao abrigo da luz e humidade.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Dienogest + Etinilestradiol + Barbexaclona

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos. As interações do etinilestradiol e o dienogest, com outros medicamentos podem aumentar ou diminuir ou ambas, as concentrações séricas das hormonas esteroides. A redução das concentrações séricas de etinilestradiol/dienogest pode levar a um aumento das hemorragias intercorrentes e dos distúrbios menstruais e reduzir a eficácia do contracetivo do Dienogest / Etinilestradiol; o aumento de etinilestradiol/dienogest nos níveis séricos pode levar a um aumento de incidência e aumento da expressão de efeitos secundários.
Interações: Os seguintes medicamentos podem diminuir as concentrações séricas das hormonas esteroides contidas no Dienogest / Etinilestradiol: - todos os agentes que aumentam o risco de motilidade gastrointestinal, tais como a metoclopramida, - Medicamentos indutores, as enzimas microssomais hepáticas, tais como a rifampicina, rifabutina, barbitúricos, anticonvulsivantes (como barbexaclona, carbamazepina, oxcarbazepina, fenitoína, primidona, topiramato e felbamato), griseofulvina, modafinil, Erva de São João (Hypericum perforatum). Foi notificado que tanto os inibidores da protease do VIH (por exemplo, ritonavir) como os inibidores não-nucleósidos da transcriptase reversa (por exemplo, nevirapina), bem como a combinação de ambos, podem influenciar o metabolismo hepático. - Certos antibióticos (por exemplo, ampicilina, tetraciclina) em algumas mulheres, possivelmente através de uma redução da circulação entero-hepática dos estrogénios. Deve ser utilizado um método não hormonal contracetivo adicional quando existir terapia concomitante com estes medicamentos e a toma de Dienogest / Etinilestradiol, durante o tratamento e nos primeiros 7 dias. As mulheres a fazerem um tratamento a curto prazo (até uma semana) com um medicamento dos grupos acima referidos, ou com qualquer uma das substâncias ativas para além da rifampicina devem utilizar temporariamente um método de barreira juntamente com as COCs, ou seja, durante o período de tempo de administração concomitante, bem como durante 14 dias após a descontinuação do mesmo. As mulheres tratadas com rifampicina devem utilizar para além do COC um método de barreira adicional durante o período de tempo de administração da rifampicina, assim como durante 28 dias após a sua descontinuação. Em mulheres com tratamento crónico com fármacos indutores das enzimas hepáticas, recomenda-se a utilização de outro método contracetivo não hormonal fiável. Se existir utilização concomitante de medicamentos com essas substâncias durante o último comprimido da embalagem deve iniciar-se imediatamente o novo blister após o último comprimido do primeiro blister sem fazer o habitual intervalo sem toma de comprimidos. Se for necessário um tratamento a longo prazo com estes medicamentos, deve-se utilizar de preferência métodos contracetivos não hormonais.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Barbexaclona + Anticoagulantes orais (Derivados da Cumarina)

Observações: N.D.
Interações: Pode ocorrer uma redução do efeito dos medicamentos administrados simultaneamente, principalmente derivados cumarínicos, griseofulvina, contraceptivos orais, guanetidina e glicocorticóides.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Barbexaclona + Griseofulvina

Observações: N.D.
Interações: Pode ocorrer uma redução do efeito dos medicamentos administrados simultaneamente, principalmente derivados cumarínicos, griseofulvina, contraceptivos orais, guanetidina e glicocorticóides.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Barbexaclona + Contracetivos orais

Observações: N.D.
Interações: Pode ocorrer uma redução do efeito dos medicamentos administrados simultaneamente, principalmente derivados cumarínicos, griseofulvina, contraceptivos orais, guanetidina e glicocorticóides.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Barbexaclona + Guanetidina

Observações: N.D.
Interações: Pode ocorrer uma redução do efeito dos medicamentos administrados simultaneamente, principalmente derivados cumarínicos, griseofulvina, contraceptivos orais, guanetidina e glicocorticóides.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Barbexaclona + Glucocorticoides

Observações: N.D.
Interações: Pode ocorrer uma redução do efeito dos medicamentos administrados simultaneamente, principalmente derivados cumarínicos, griseofulvina, contraceptivos orais, guanetidina e glicocorticóides.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Barbexaclona + Antiepilépticos (AEs)

Observações: N.D.
Interações: Um efeito sedativo intenso, ocasionado pela ingestão de outros antiepilépticos e fármacos de ação sedativa sobre o sistema nervoso central (sobretudo o ácido valpróico), pode ser compensado pela redução da dose.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Barbexaclona + Ácido Valpróico (Valproato de sódio)

Observações: N.D.
Interações: Um efeito sedativo intenso, ocasionado pela ingestão de outros antiepilépticos e fármacos de ação sedativa sobre o sistema nervoso central (sobretudo o ácido valpróico), pode ser compensado pela redução da dose.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Barbexaclona + Sedativos

Observações: N.D.
Interações: Um efeito sedativo intenso, ocasionado pela ingestão de outros antiepilépticos e fármacos de ação sedativa sobre o sistema nervoso central (sobretudo o ácido valpróico), pode ser compensado pela redução da dose.

Barbexaclona + Álcool

Observações: N.D.
Interações: Como ocorre com todos os fármacos de ação central, deve-se evitar o consumo de bebidas alcoólicas durante o tratamento com Barbexaclona.
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Não administrar durante a gravidez.

Pela possível limitação da capacidade de reação, Barbexaclona deve ser administrado com cuidado quando se necessitar manipular máquinas ou conduzir veículos motorizados.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017