Atenolol + Clorotalidona

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Renal
O que é
O Atenolol pertence a um grupo de medicamentos designados por beta-bloqueadores.

Os beta-bloqueadores afectam o coração e a circulação (fluxo sanguíneo através das artérias e veias).

A Clortalidona é um diurético tiazídico (comprimido da água) que ajuda a impedir que o organismo absorva demasiado sal, o que pode causar retenção de líquidos.

A combinação de Atenolol e Clortalidona é usada para tratar a hipertensão (pressão arterial elevada).

Atenolol e Clortalidona também pode ser usado para outros fins médicos aqui não mencionados.
Usos comuns
A combinação Atenolol e Clortalidona é utilizado para tratar a pressão arterial elevada (hipertensão).

A hipertensão aumenta a carga de trabalho do coração e artérias. Se a mantiver por um longo período, o coração e as artérias podem deixar de funcionar corretamente. Pode danificar os vasos sanguíneos do cérebro, coração, rins e pode resultar num acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca, ou insuficiência renal.

A pressão arterial elevada também pode aumentar o risco de ataques cardíacos. Estes problemas podem tornar-se menos prováveis de ocorrer se a pressão arterial estiver controlada.

O Atenolol é um beta-bloqueador. Funciona afetando a resposta a alguns impulsos nervosos em certas partes do organismo, como o coração. Como resultado, o coração bate mais lentamente e diminui a pressão sanguínea.
Quando a pressão sanguínea é reduzida, a quantidade de sangue e de oxigénio é aumentada para o coração.

A Clortalidona é um diurético (pílula de água). Reduz a quantidade de água no corpo, aumentando o fluxo de urina, o que ajuda a reduzir a pressão arterial.

Atenolol e Clortalidona está disponível apenas com prescrição médica.
Tipo
Sem informação.
História
Sem informação.
Indicações
Está indicado na terapêutica da hipertensão arterial em doentes cuja pressão arterial não seja adequadamente controlada por Atenolol ou Clorotalidona isoladamente.
Classificação CFT

03.04.04.02.01 : Seletivos cardíacos

Mecanismo De Ação
Atenolol, Clorotalidona associa os efeitos anti-hipertensores de um bloqueador β-adrenérgico (atenolol) e de um diurético (clorotalidona).

O atenolol é um bloqueador selectivo dos receptores β1 - adrenérgicos (i.e actua preferencialmente sobre os receptores β1 - adrenérgicos existentes no coração).

A sua selectividade é dose-dependente, diminui quando se aumenta a dose.

Não possui actividade simpaticomimética intrínseca (agonismo parcial) nem efeito estabilizador de membrana e, tal como outros bloqueadores β-adrenérgicos tem um efeito inotrópico negativo (pelo que é contra-indicado a sua utilização em doentes com insuficiência cardíaca não controlada).

O mecanismo do efeito anti-hipertensor do Atenolol não se encontra ainda bem estabelecido.

A Clorotalidona é um diurético monosulfamídico que aumenta a excreção de sódio e cloretos.

A natriurese é acompanhada de expoliacção de potássio.

O mecanismo pelo qual a clorotalidona reduz a pressão arterial não é totalmente conhecido mas pode estar relacionado com a excreção e a redistribuição do sódio no organismo.

Geralmente, a Clorotalidona não reduz a pressão arterial normal.

O Atenolol é eficaz e bem tolerado na maioria das populações étnicas.

Os doentes de raça negra respondem melhor ao tratamento com a associação atenolol, clorotalidona do que ao tratamento com atenolol isoladamente.

Está demonstrado que a combinação de atenolol com os diuréticos tiazídicos é compatível e, geralmente, mais eficaz do que qualquer dos fármacos usados isoladamente no tratamento da hipertensão.
Posologia Orientativa
Adultos: A dose habitual de manutenção é um comprimido uma vez por dia.
Administração
Via oral.
Contraindicações
– hipersensibilidade conhecida ao atenolol e clorotalidona (ou a derivados da sulfonamida);
– bloqueio aurículo-ventricular do 2º ou 3º graus;
– choque cardiogénico;
– insuficiência cardíaca não controlada;
– bradicardia;
– hipotensão;
– acidose metabólica;
– perturbações graves da circulação arterial periférica;
– insuficiência renal grave;
– síndrome do nódulo sinusal;
– feocromocitoma não tratado;
– gravidez e aleitamento.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Doenças do sangue e do sistema linfático
Raros: Púrpura, trombocitopenia, leucopenia (relacionada com a clorotalidona).

Perturbações do foro psiquiátrico
Pouco frequentes: Perturbações do sono do tipo das observadas com outros bloqueadores beta.

Raros: Alterações de humor, pesadelos, confusão, psicoses e alucinações.

Doenças do sistema nervoso
Raros: Tonturas, cefaleias, parestesias.

Afecções oculares
Raros: Secura dos olhos, perturbações da visão.

Cardiopatias
Frequentes: Bradicardia.

Raros: deterioração da insuficiência cardíaca, precipitacção do bloqueio cardíaco.

Vasculopatias
Frequentes: Extremidades frias.

Raros: Hipotensão postural que pode estar associada a síncope, agravamento de claudicacção intermitente pré-existente, em doentes susceptíveis com fenómeno de Raynaud.

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino
Raros: Pode ocorrer broncospasmo em doentes com asma brônquica ou história de queixas asmáticas.

Doenças gastrointestinais
Frequentes: Perturbações gastrointestinais (incluindo náuseas relacionadas com a clorotalidona).

Raros: Boca seca.

Desconhecido: Obstipação.

Afecções hepatobiliares
Raros: Toxicidade hepática incluindo colestase intra-hepática, pancreatite (relacionada com a clorotalidona).

Afecções dos tecidos cutâneos e subcutâneas
Raros: Alopécia, reacções cutâneas do tipo da psoríase, exacerbação da psoríase, erupções cutâneas.

Doenças dos órgãos genitais e da mama
Raros: Impotência.

Perturbações gerais e alterações no local de administração
Frequentes: Fadiga.

Exames complementares de diagnóstico
Frequentes: Relacionados com a clorotalidona: Hiperuricemia, hiponatremia, hipocaliemia, tolerância diminuída à glucose.

Pouco frequentes: Elevacção dos níveis das transaminases.

Muito raros: Foi observado um aumento dos A.N.A. (anticorpos anti-nucleares).
No entanto, a relevância clínica deste facto não está esclarecida.

Deve ser considerada a suspensão da terapêutica com este medicamento se, do ponto de vista clínico, o bem-estar do doente for seriamente afectado por quaisquer dos efeitos acima descritos.
Advertências
Insuf. Renal
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Ver Bloqueadores adrenérgicos beta, Tiazidas e análogos.
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: D - Há evidências de risco em fetos humanos. Só usar se o benefício justificar o risco potencial. Em situação de risco de vida ou em caso de doenças graves para as quais não se possa utilizar drogas mais seguras, ou se estas drogas não forem eficazes.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Não devem ser administrados durante e o aleitamento.
Precauções Gerais
Devido ao componente beta-bloqueante:
Apesar de contra-indicado na insuficiência cardíaca não controlada pode ser utilizado em doentes cujos sinais de insuficiência cardíaca estejam controlados.
Recomenda-se precaução em doentes com fraca reserva cardíaca.

Pode aumentar o número e duração dos ataques anginosos em doentes com angina de Prinzmetal devido à não oposição à vasoconstrição arterial coronária mediada por receptores alfa.
O Atenolol é um bloqueador selectivo dos receptores β1-adrenérgicos; assim a utilização de Tenoretic/ Tenoretic Mite pode ser considerada ainda que devam tomar-se as devidas precauções.

Apesar de contra-indicado nas perturbações graves da circulação arterial periférica este medicamento pode também agravar alterações menos graves na circulação arterial periférica.

Devido aos efeitos negativos sobre o tempo de condução, devem tomar-se precauções quando se administra este medicamento a doentes com bloqueio cardíaco de primeiro grau.

Pode modificar os sinais da hipoglicémia como taquicardia, palpitações e sudorese.

Pode mascarar os sinais cardiovasculares de tirotoxicose.

Reduz a frequência cardíaca, como resultado da sua acção farmacológica.
Nos casos raros, em que o doente desenvolva sintomas que possam ser atribuídos à diminuição da frequência cardíaca pode reduzir-se a dose.

Em doentes que sofrem de isquémia cardíaca, a terapêutica não deve ser bruscamente interrompida.

Pode provocar uma reacção mais grave à exposição a vários alergenos quando administrado a doentes com história de reacções anafilácticas a esses alérgenos.
Tais doentes podem não responder às doses habituais de adrenalina usadas no tratamento de reacções alérgicas.

Doentes com patologia broncospástica não devem em geral tomar beta-bloqueantes devido ao aumento da resistência das vias respiratórias.
O Atenolol é um bloqueador beta1-adrenérgico cardioselectivo, no entanto esta selectividade não é absoluta.

Assim deve administrar-se a dose mais baixa possível, com a máxima precaução.
Em caso de ocorrer um aumento da resistência das vias respiratórias, deve descontinuar-se o tratamento com este medicamento, e administrar-se terapêutica broncodilatadora, se necessário (ex.sabutamol).

Em doentes com feocromocitoma este medicamento deve ser administrado apenas depois do bloqueio dos receptores alfa. A pressão arterial deve ser cuidadosamente monitorizada.

Recomenda-se precaução no uso de anestésicos com este medicamento.
O médico anestesista deve ser informado e o anestésico a utilizar deverá ter o menor efeito inotrópico negativo possível.
A utilização de bloqueadores beta-adrenérgicos com anestésicos podem resultar numa atenuacção da taquicardia reflexa e aumentar o risco de hipotensão.
Deve-se evitar o uso de agentes anestésicos que causem depressão miocárdica.

Devido ao componente Clorotalidona:
Deve fazer-se a determinação periódica dos electrólitos do plasma, em intervalos apropriados, para detectar possíveis desequilíbrios electrolíticos, em especial hipocaliémia e hiponatrémia.

Pode ocorrer hipocaliémia e hiponatrémia.
É recomendada a medição dos electrólitos, particularmente nos doentes idosos, nos que estejam a receber digitálicos para a insuficiência cardíaca e nos que tenham dietas especiais (pobres em potássio) ou que tenham perturbações gastrointestinais.
A hipocaliémia pode predispor para arritmias em doentes medicados com digitálicos.

Como a Clorotalidona pode diminuir a tolerância à glucose os doentes diabéticos devem ser alertados dum aumento potencial dos níveis de glicémia.
Recomenda-se uma monitorização cuidadosa da glicémia na fase inicial do tratamento, e o controlo da glicosúria em intervalos regulares durante o tratamento prolongado.

Em doentes com compromisso da função hepática ou doença hepática progressiva, alterações menores do equilíbrio hidroelectrolítico podem desencadear coma hepático.

Pode ocorrer hiperuricémia.
Normalmente observa-se apenas um ligeiro aumento no ácido úrico sérico, mas no caso deste aumento se prolongar, a administração simultânea de um uricosúrico pode reverter a hiperuricémia
Cuidados com a Dieta
Não interfere com alimentos e bebidas.
Terapêutica Interrompida
Se esquecer a toma de uma dose faça-o assim que se lembrar.
No entanto, se já não faltar muito tempo para a próxima dose, ignore a dose esquecida.
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar
Cuidados no Armazenamento
Manter o seu medicamento num local seguro, fora do alcance e da vista das crianças.
Não conservar acima de 30ºC.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Verapamilo

Observações: N.D.
Interações: Devidas ao ATENOLOL: O uso concomitante de bloqueadores beta-adrenérgicos e antagonistas dos canais de cálcio que possuam efeitos inotrópicos negativos (ex. verapamil, diltiazem) pode levar a um aumento destes efeitos particularmente em doentes com compromisso da função ventricular e/ou anomalias da condução sino auricular ou aurículo-ventricular. Deste facto podem resultar hipotensão grave, bradicardia e insuficiência cardíaca. Nenhum destes fármacos, bloqueadores beta-adrenérgicos ou bloqueadores dos canais de cálcio, deverá ser administrado por via intravenosa senão 48 horas após a interrupção do outro. - Verapamilo
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Diltiazem

Observações: N.D.
Interações: Devidas ao ATENOLOL: O uso concomitante de bloqueadores beta-adrenérgicos e antagonistas dos canais de cálcio que possuam efeitos inotrópicos negativos (ex. verapamil, diltiazem) pode levar a um aumento destes efeitos particularmente em doentes com compromisso da função ventricular e/ou anomalias da condução sino auricular ou aurículo-ventricular. Deste facto podem resultar hipotensão grave, bradicardia e insuficiência cardíaca. Nenhum destes fármacos, bloqueadores beta-adrenérgicos ou bloqueadores dos canais de cálcio, deverá ser administrado por via intravenosa senão 48 horas após a interrupção do outro. - Diltiazem
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio)

Observações: N.D.
Interações: Devidas ao ATENOLOL: O uso concomitante de bloqueadores beta-adrenérgicos e antagonistas dos canais de cálcio que possuam efeitos inotrópicos negativos (ex. verapamil, diltiazem) pode levar a um aumento destes efeitos particularmente em doentes com compromisso da função ventricular e/ou anomalias da condução sino auricular ou aurículo-ventricular. Deste facto podem resultar hipotensão grave, bradicardia e insuficiência cardíaca. Nenhum destes fármacos, bloqueadores beta-adrenérgicos ou bloqueadores dos canais de cálcio, deverá ser administrado por via intravenosa senão 48 horas após a interrupção do outro. - Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Antiarrítmicos

Observações: N.D.
Interações: Devidas ao ATENOLOL: Os medicamentos antiarrítmicos da classe I (ex. disopiramida) e a amiodarona podem ter um efeito potenciador sobre o tempo de condução auricular e induzir um efeito inotrópico negativo. - Antiarrítmicos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Disopiramida

Observações: N.D.
Interações: Devidas ao ATENOLOL: Os medicamentos antiarrítmicos da classe I (ex. disopiramida) e a amiodarona podem ter um efeito potenciador sobre o tempo de condução auricular e induzir um efeito inotrópico negativo. - Disopiramida
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Amiodarona

Observações: N.D.
Interações: Devidas ao ATENOLOL: Os medicamentos antiarrítmicos da classe I (ex. disopiramida) e a amiodarona podem ter um efeito potenciador sobre o tempo de condução auricular e induzir um efeito inotrópico negativo. - Amiodarona
Usar com precaução

Atenolol + Clorotalidona + Clonidina

Observações: N.D.
Interações: Devidas ao ATENOLOL: Os bloqueadores beta-adrenérgicos podem provocar hipertensão de supressão resultante da suspensão da terapêutica com clonidina. Se se administrarem simultaneamente os dois fármacos, o bloqueador beta-adrenérgico deve ser suprimido alguns dias antes da suspensão da terapêutica com clonidina. Quando se substituir a terapêutica com clonidina por um bloqueador beta-adrenérgico, a sua administração só deve iniciar-se alguns dias após ter terminado a administração de clonidina. - Clonidina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Atenolol + Clorotalidona + Simpaticomiméticos

Observações: N.D.
Interações: Devidas ao ATENOLOL: O uso concomitante de agentes simpaticomiméticos (ex. adrenalina) pode contrariar o efeito dos bloqueadores beta-adrenérgicos. - Simpaticomiméticos
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Atenolol + Clorotalidona + Adrenalina (epinefrina)

Observações: N.D.
Interações: Devidas ao ATENOLOL: O uso concomitante de agentes simpaticomiméticos (ex. adrenalina) pode contrariar o efeito dos bloqueadores beta-adrenérgicos. - Adrenalina (epinefrina)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Ibuprofeno

Observações: N.D.
Interações: Devidas ao ATENOLOL: O uso concomitante de fármacos inibidores da prostaglandina síntetase (ex. ibuprofeno e indometacina) pode diminuir os efeitos hipotensores dos bloqueadores beta-adrenérgicos. - Ibuprofeno
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Indometacina

Observações: N.D.
Interações: Devidas ao ATENOLOL: O uso concomitante de fármacos inibidores da prostaglandina síntetase (ex. ibuprofeno e indometacina) pode diminuir os efeitos hipotensores dos bloqueadores beta-adrenérgicos. - Indometacina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Devidas ao CLOROTALIDONA: A clorotalidona pode reduzir a depuração renal do lítio provocando um aumento nas suas concentrações séricas. Portanto, podem ser necessários ajustes da dose de lítio. - Lítio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Nifedipina

Observações: N.D.
Interações: Devidas à ASSOCIAÇÃO: A terapêutica concomitante com dihidropiridinas (ex.: nifedipina) pode aumentar o risco de hipotensão e pode ocorrer insuficiência cardíaca em doentes com insuficiência cardíaca latente. - Nifedipina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Baclofeno

Observações: N.D.
Interações: Devidas à ASSOCIAÇÃO: A terapêutica concomitante com baclofeno pode aumentar o efeito anti-hipertensivo, sendo por isso necessário um ajuste da dose. - Baclofeno
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Devidas à ASSOCIAÇÃO: A administração concomitante de insulina e antidiabéticos orais pode conduzir à intensificação da hipoglicemia resultante da actividade destes medicamentos. - Insulinas
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Antidiabéticos Orais

Observações: N.D.
Interações: Devidas à ASSOCIAÇÃO: A administração concomitante de insulina e antidiabéticos orais pode conduzir à intensificação da hipoglicemia resultante da actividade destes medicamentos. - Antidiabéticos Orais
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Inibidores das Prostaglandinas

Observações: N.D.
Interações: Devidas ao ATENOLOL: O uso concomitante de fármacos inibidores da prostaglandina síntetase (ex. ibuprofeno e indometacina) pode diminuir os efeitos hipotensores dos bloqueadores beta-adrenérgicos. - Inibidores das Prostaglandinas
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Glicósideos digitálicos

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante de glicosidos digitálicos e bloqueadores beta-adrenérgicos pode aumentar o tempo de condução aurículo-ventricular. - Glicósideos digitálicos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Dihidropiridinas

Observações: N.D.
Interações: Devidas à ASSOCIAÇÃO: A terapêutica concomitante com dihidropiridinas (ex.: nifedipina) pode aumentar o risco de hipotensão e pode ocorrer insuficiência cardíaca em doentes com insuficiência cardíaca latente. - Dihidropiridinas
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Atenolol + Clorotalidona
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Não devem ser administrados durante a gravidez e o aleitamento.

Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 26 de Novembro de 2020