Alopurinol

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução
O que é
Ao contrário dos agentes uricosúricos, o alopurinol é um inibidor selectivo das etapas terminais da biossíntese de ácido úrico. É eficaz no tratamento da hiperuricemia primária da gota e secundária aos distúrbios hematológicos ou terapia antineoplásica.

O alopurinol e seu metabólito principal, a aloxantina (oxipurinol), são inibidores da xantina oxidase. A inibição dessa enzima é responsável pelos principais efeitos farmacológicos do alopurinol.

Em seres humanos, o ácido úrico é produzido principalmente pela oxidação da hipoxantina e da xantina, catalisada pela xantina oxidase.

Em concentrações reduzidas, o alopurinol é um substrato e inibidor competitivo desta enzima. A inibição da biossíntese do ácido úrico reduz sua concentração plasmática e a excreção renal dos precursores mais solúveis das oxipurinas.

Na ausência do alopurinol, o teor urinário das purinas é constituído quase unicamente pelo ácido úrico. Durante o tratamento com este medicamento, as purinas urinárias são divididas entre hipoxantinas, xantina e ácido úrico. Como cada um deles tem sua solubilidade independente, a concentração do ácido úrico no plasma é reduzida sem expor o aparelho urinário a uma carga excessiva de ácido úrico e aumentar a probabilidade de formação dos cálculos.
Usos comuns
Tratamento da Gota.

É usado para tratar níveis elevados de ácido úrico no sangue ou na urina causada por certos tipos de quimioterapia.

É também utilizado para tratar alguns pacientes com um determinado tipo de pedras nos rins e grandes quantidades de ácido úrico na urina.

O Alopurinol é um inibidor da xantina oxidase.

Funciona através da redução da produção do corpo de ácido úrico.
Tipo
Molécula pequena.
História
O Alopurinol foi sintetizado e relatado em 1956 primeiro por Roland K.Robins (1926-1992), numa pesquisa de agentes antineoplásicos.
Indicações
Níveis de ácido úrico demasiado elevados, gota, cálculos renais e sua profilaxia, hiperuricemia secundária (por exemplo, por síntese nucleoproteica demasiado elevada na quimio ou radioterapia).
Classificação CFT

09.03 : Medicamentos usados para o tratamento da gota

Mecanismo De Acção
O Alopurinol e o seu metabólito activo, oxipurinol, inibe a enzima xantina-oxidase, bloqueando a conversão da hipoxantina oxipurinas e xantina em ácido úrico.

As concentrações elevadas de oxipurina e inibição da xantina oxidase oxipurina através de resultados de feedback negativo em uma diminuição nas concentrações de ácido úrico no soro e urina.

Alopurinol também facilita a incorporação de hipoxantina e xantina em ADN e ARN, conduzindo a uma retro-inibição da síntese de novo de purina e uma diminuição nas concentrações de ácido úrico de soro como resultado de um aumento na concentração de nucleótidos.
Posologia Orientativa
Dependendo da gravidade da doença, os adultos devem ingerir 1 comprimido de Alopurinol 300mg comprimidos diariamente após uma refeição principal, com bastantes líquidos.

Em casos graves podem ser administrados no início da terapêutica com Alopurinol 300mg comprimidos, 2 comprimidos.

A dose máxima corresponde a 800 mg/dia.

Nas crianças a administração de Alopurinol 300mg comprimidos faz-se conforme o seu peso, devendo seguir-se a dosagem de 8 mg/kg.
Administração
Via oral.

Tomar diariamente após uma refeição principal com bastantes líquidos.
Em caso de estômago sensível, a tolerância pode ser melhorada através de ingestão suficiente de líquidos (água, leite).

A deposição de ácido úrico nas vias urinárias pode ser talvez apenas diminuída ou evitada, se a urina for diluída (quantidade de urina de pelo menos 2 litros por dia) e alcalinizada (ph 6,4 até 6,8).
Contra-Indicações
Hipersensibilidade ao Alopurinol.
Durante a gravidez e período de aleitamento não deve ser administrado Alopurinol.

Alerta: Cuidado com a posologia em caso de perturbações renais.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
De forma geral, o Alopurinol é bem tolerado.
Em alguns casos podem surgir, principalmente no início da terapêutica, reacções alérgicas com eritema e prurido.
Registou-se igualmente uma ligeira subida de temperatura, náuseas ou vómitos, bem como alteração da fórmula hematológica e um ligeiro aumento das transaminases.

Mais raramente observaram-se casos de perturbações do sistema nervoso central como tonturas e cefaleias.

Estes sintomas são reversíveis.
Numa segunda tentativa podem ser evitados através de uma dosagem crescente.

Em alguns casos o alopurinol pode provocar reacções alérgicas generalizadas, apresentando-se sob forma de erupções exfoliativas (Síndroma de Lyell) linfoadenopatias, artralgias ou eosinofilia.
Em tais casos deve interromper-se imediatamente a ingestão do medicamento e consultar o médico.

Em casos extremamente raros podem verificar-se dores musculares, nevrites, queda do cabelo e cálculos de xantina.

Distúrbios do sistema imunitário:
Um distúrbio de hipersensibilidade multi-órgãos retardada (conhecida como síndrome de hipersensibilidade ou DRESS) com febre, erupção cutânea, vasculite, linfoadenopatias, pseudolinfoma, artralgias, leucopenia, eosinofilia, hepatoesplenomegalia, alterações das provas de função hepática e síndrome do desaparecimento dos ductos biliares intra-hepáticos) pode ocorrer em variadas combinações.
Outros órgãos podem também ser afectados (ex.: fígado, pulmões, rins, pâncreas, miocárdio e cólon).

Se ocorrerem, tais reacções podem surgir a qualquer altura durante o tratamento, devendo o Alopurinol ser retirado imediata e permanentemente.

Quando ocorreram reacções de hipersensibilidade, estas incluíram distúrbios renais e/ou hepáticos, particularmente nos casos em que o desfecho foi fatal.

Afecções dos tecidos cutâneos e subcutâneos:
Muito raro: reacções adversas cutâneas graves – foram notificados casos de síndrome de Stevens-Johnson (SSJ) e de necrólise epidérmica tóxica (NET) .
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:O alopurinol deve ser utilizado na gravidez apenas se não existir uma alternativa mais segura e quando a doença em si apresenta riscos para a mãe ou para a criança.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:O alopurinol e o seu metabolito oxipurinol são excretados no leite materno humano. O alopurinol não é recomendado durante a amamentação.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Reduzir a dose.
Insuf. Renal
Insuf. Renal
Insuf. Renal:100 a 200 mg/dia na IR moderada e 100 mg em dias alternados na IR grave; aumento do risco de toxicidade (erupções cutâneas).
Condução
Condução
Condução:Os efeitos de alopurinol sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas são moderados.
Precauções Gerais
A dosagem em caso de insuficiência renal depende da depuração renal, deve contudo corresponder em caso de ligeira insuficiência renal a ½ até 1 comprimido de Alopurinol e em caso de grave insuficiência renal a no máximo ½ comprimido de Alopurinol.

No início da terapêutica podem surgir em alguns doentes casos agudos de gota.
Devem ser controlados através de administração simultânea e profiláctica de colquicina em dose subclínica (todos os dias ou em dias alternados 0,5 mg de colquicina).

Síndrome de hipersensibilidade, Síndrome de Stevens-Johnson (SSJ) e Necrólise Epidérmica Tóxica (NET).
As reacções de hipersensibilidade ao Alopurinol podem manifestar-se de diferentes formas, incluindo exantema maculopapular, síndrome de hipersensibilidade (DRESS) e SSJ/NET.
Estas reacções são diagnósticos clínicos e as suas apresentações clínicas são a base do processo de decisão.

Se estas reacções ocorrerem a qualquer altura durante o tratamento, o alopurinol deve ser imediatamente retirado.
O medicamento não deve ser re-introduzido no tratamento de doentes com síndrome de hipersensibilidade (DRESS) e SSJ/NET.
Foram notificadas reacções cutâneas graves e potencialmente fatais de síndrome de Stevens-Johnson (SSJ) ou de necrólise epidérmica tóxica (NET) com o uso de alopurinol.
Os corticosteróides podem apresentar benefícios no tratamento das reacções de hipersensibilidade cutâneas.

O diagnóstico precoce e a descontinuação imediata do medicamento suspeito permitem a obtenção de melhores resultados na abordagem de SSJ e de NET.

A descontinuação precoce está associada a um melhor prognóstico.

Os doentes devem ser alertados para os sinais e sintomas das reacções cutâneas e devem ser atentamente monitorizados.
O risco de ocorrência de síndrome de Stevens-Johnson (SSJ) ou de necrólise epidérmica tóxica (NET) é maior durante as primeiras semanas de tratamento.

O alelo HLA-B*5801 está demonstradamente associado ao risco de desenvolvimento da síndrome de hipersensibilidade (DRESS) e de SSJ/NET com o Alopurinol.
A frequência do alelo HLA-B*5801 varia bastante com a etnia das populações: até 20% na população chinesa Han, cerca de 12% na população coreana e 1-2% nos indivíduos de origem japonesa ou europeia.

A utilização de genotipagem como ferramenta de rastreio para a tomada de decisão acerca do tratamento com alopurinol ainda não foi estabelecida.
Se o doente for portador conhecido do alelo HLA-B*5801, a utilização de Alopurinol pode ser considerada se os benefícios forem superiores aos riscos.

É necessária vigilância acrescida para sinais de síndrome de hipersensibilidade (DRESS) ou de SSJ/NET e o doente deve ser informado acerca da necessidade de parar imediatamente o tratamento ao aparecimento dos primeiros sintomas.
Cuidados com a Dieta
Tomar os comprimidos após as refeições.
Terapêutica Interrompida
Não tomar uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Conservar a temperatura inferior a 25°C, ao abrigo da humidade.

Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Alopurinol + Anticoagulantes orais (Derivados da Cumarina)

Observações: N.D.
Interacções: Derivados da Cumarina: Aumento da acção dos anticoagulantes. - Anticoagulantes orais (Derivados da Cumarina)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Alopurinol + Azatioprina

Observações: N.D.
Interacções: Aumento da toxicidade da Azatioprina. - Azatioprina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Alopurinol + Mercaptopurina

Observações: N.D.
Interacções: Aumento da toxicidade da Mercaptopurina - Mercaptopurina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Anticoagulantes orais + Alopurinol

Observações: Intensamente ligados às proteínas plasmáticas. O metabolismo pode ser induzido. Susceptível à inibição do metabolismo pelo CYP2C9. A resposta anticoagulante pode ser alterada por fármacos que afectam a síntese ou o catabolismo de factores da coagulação.
Interacções: Ver também - Alopurinol - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Benzbromarona + Alopurinol

Observações: Salicilatos: Reduz o efeito da benzbromarona. Anticoagulantes: Aumenta a atividade de coagulantes. Alopurinol: Aumento da eliminação renal de ácido úrico e das concentrações séricas de alopurinol (aproximadamente 50%). Ácido Acetilsalicílico: Redução da eficácia da benzbromarona em até 50%. Outros salicilatos também antagonizam o efeito da benzbromarona. Oxipurinol: Ligeira redução da meia-vida da benzbromarona (em doses de 20mg). Esta interação não é significativa com doses maiores de benzbromarona. Pirazinamida: Redução da atividade uricosúrica da benzbromarona. Perda da eficácia deste fármaco. Álcool: Observou-se cristalúria (uratos) seguida de nefropatia aguda por ácido úrico; esta interação provavelmente ocorre frente a consumo excessivo de álcool.
Interacções: Aumento da eliminação renal de ácido úrico e das concentrações séricas de alopurinol (aproximadamente 50%). - Alopurinol
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Mercaptopurina + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Quando o alopurinol e mercaptopurina são administrados de forma concomitante, é fundamental administrar apenas um quarto da dose habitual de mercaptopurina, dado que o alopurinol diminui a velocidade de metabolismo da 6–mercaptopurina através da xantina oxidase. - Alopurinol
Não recomendado/Evitar

Ampicilina + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Não se recomenda o uso concomitante com Alopurinol. Doentes medicados com alopurinol para o tratamento de hiperuricemia parecem apresentar maior predisposição para o desenvolvimento de exantema cutâneo alérgico quando medicados simultaneamente com ampicilina. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ampicilina + Ampicilina benzatínica + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: A administração concomitante de ampicilina e alopurinol aumenta substancialmente a incidência de rash cutâneo, não se sabendo se tal facto se deve ao alopurinol ou à hiperuricemia habitualmente presente nestes doentes. - Alopurinol
Usar com precaução

Azatioprina + Alopurinol

Observações: Os doentes devem ser aconselhados no sentido de informar o seu anestesiologista do tratamento com Azatioprina antes de uma cirurgia.
Interacções: Alopurinol, oxipurinol e tiopurinol têm um efeito inibitório no metabolismo de azatioprina, ao bloquear a enzima xantinoxidase. Caso se administrem alopurinol, oxipurinol e/ou tiopurinol concomitantemente com azatioprina, a dose de azatioprina tem de ser reduzida para um quarto da dose original. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Femprocumona + Alopurinol

Observações: Femprocumona é metabolizado principalmente pelo CYP450 2C9 e isoenzimas 3A4 Medicamentos comumente prescritos podem potencializar ou antagonizar o efeito dos cumarínicos. Portanto, é importante a monitoração dos parâmetros da coagulação após o início ou retirada de outras drogas em pacientes em uso de anticoagulantes orais.
Interacções: Substâncias que podem intensificar o efeito dos anticoagulantes orais: Alopurinol, amiodarona, esteróides anabólicos, fibratos, dissulfiram, drogas anti-inflamatórias (salicilatos e alguns anti-inflamatórios não hormonais, incluindo inibidores da COX-2), tamoxifeno, drogas tireoideanas, antidepressivos tricíclicos, e alguns antimicrobianos (várias cefalosporinas, cloranfenicol, cloxacilina, sulfonamidas, derivados da eritromicina e derivados triazólicos e imidazólicos). - Alopurinol
Usar com precaução

Bendroflumetiazida + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Alopurinol: A bendroflumetiazida pode antagonizar a acção do alopurinol, ao causar retenção de urato no rim. É necessária precaução quando se utiliza esta associação. - Alopurinol
Não recomendado/Evitar

Capecitabina + Alopurinol

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interacções: Observaram-se interacções do alopurinol com o 5-FU, com uma possível diminuição da eficácia do 5-FU. A utilização concomitante de alopurinol e capecitabina deve ser evitada. - Alopurinol
Usar com precaução

Enalapril + Nitrendipina + Alopurinol

Observações: O sumo de toranja inibe o metabolismo oxidativo da nitrendipina. A sua ingestão simultânea com sumo de toranja aumenta a concentração plasmática de nitrendipina, o que pode aumentar o efeito hipotensor do medicamento.
Interacções: Alopurinol pode provocar leucopenia. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sultamicilina + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Eventuais interacções deverão ser investigadas exclusivamente no âmbito daquelas conhecidas para a ampicilina. No caso da administração concomitante de ampicilina e alopurinol, deve-se considerar uma frequência no aumento de reacções cutâneas, tais como tipo exantémico. - Alopurinol
Sem significado Clínico

Pentostatina + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Alopurinol: Tanto o alopurinol como a Pentostatina são associados a erupções cutâneas. Com base nos estudos clínicos efectuados em 25 doentes refractários tratados com Pentostatina e alopurinol, a administração associada de Pentostatina e alopurinol não parece ter produzido uma incidência de erupções cutâneas superior à observada apenas com a Pentostatina. Registou-se o caso de um doente que recebeu ambos os fármacos, tendo ocorrido vasculite alérgica que resultou em morte. Não ficou esclarecido se a reacção adversa e a morte subsequente resultaram da associação farmacológica. - Alopurinol
Sem efeito descrito

Aliscireno + Alopurinol

Observações: O aliscireno não inibe as isoenzimas CYP450 (CYP1A2, 2C8, 2C9, 2C19, 2D6, 2E1 e 3A). O aliscireno não induz a CYP3A4. Assim não se espera que o aliscireno afete a exposição sistémica de substâncias que inibam, induzam ou sejam metabolizadas por estas enzimas. O aliscireno é pouco metabolizado pelas enzimas do citocromo P450. Assim, não são de esperar interacções devidas a inibição ou indução das isoenzimas do citocromo CYP450.
Interacções: Substâncias que foram investigadas em estudos clínicos de farmacocinética incluíram acenocumarol, atenolol, celecoxib, pioglitazona, alopurinol, mononitrato-5-isossorbido, e hidroclorotiazida. Não foram identificadas interacções. - Alopurinol
Sem efeito descrito

Aliscireno + Amlodipina + Alopurinol

Observações: Não foram realizados estudos de interação de Aliscireno + Amlodipina com outros medicamentos. Apresenta-se a informação conhecida sobre interacções com outros medicamentos para as substâncias ativas individualmente. A administração conjunta de aliscireno e amlodipina não provoca alterações significativas na exposição farmacocinética no estado estacionário (AUC) e na concentração máxima (Cmax) de ambos os componentes em voluntários saudáveis.
Interacções: Substâncias que foram investigadas em estudos clínicos de farmacocinética com aliscireno incluíram acenocumarol, atenolol, celecoxib, pioglitazona, alopurinol, mononitrato-5- isossorbido, e hidroclorotiazida. Não foram identificadas interacções. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Captopril + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Alopurinol, procainamida, citostáticos ou fármacos imunossupressores: A administração concomitante com inibidores da ECA pode conduzir a um risco aumentado de leucopenia, especialmente quando os inibidores da ECA são utilizados em doses superiores às recomendadas. - Alopurinol
Usar com precaução

Felodipina + Ramipril + Alopurinol

Observações: A felodipina é um substrato do CYP3A4. Os dados de ensaios clínicos têm demonstrado que o duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) através do uso combinado de inibidores da ECA, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno está associado a uma maior frequência de acontecimentos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia e função renal diminuída (incluindo insuficiência renal aguda) em comparação com o uso de um único fármaco com ação no SRAA.
Interacções: Alopurinol, imunossupressores, corticosteróides, procainamida, citostáticos e outras substâncias que podem alterar o hemograma: Probabilidades aumentadas de reações hematológicas. - Alopurinol
Usar com precaução

Ramipril + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Precauções de utilização: Alopurinol, imunosupressores, corticosteróides, procainamida, citostáticos e outras substâncias que possam alterar o hemograma: Existe uma maior probabilidade de reações hematológicas. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Alopurinol + Clorpropamida

Observações: N.D.
Interacções: Clorpropamida (Antidiabético): Aumento da acção da diminuição da glicémia. - Clorpropamida
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Alopurinol + Ciclofosfamida

Observações: N.D.
Interacções: Ciclofosfamida (Citostático): Aumento dos efeitos secundários no sistema hematológico. - Ciclofosfamida
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Alopurinol + Ácido úrico

Observações: N.D.
Interacções: Salidiuréticos: Diminuição da acção do ácido úrico. - Ácido úrico
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Alopurinol + Teofilina

Observações: N.D.
Interacções: Aumento da acção da teofilina. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Amoxicilina + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: A administração de alopurinol durante o tratamento com amoxicilina pode aumentar o risco de reacções cutâneas alérgicas. - Alopurinol
Usar com precaução

Ácido acetilsalisílico + Atorvastatina + Ramipril + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Precauções de utilização: Alopurinol, imunossupressores, corticosteróides, procainamida, citostáticos e outras substâncias que podem alterar o hemograma: maior probabilidade de reações hematológicas. - Alopurinol
Usar com precaução

Aliscireno + Amlodipina + Hidroclorotiazida + Alopurinol

Observações: A análise farmacocinética populacional de doentes com hipertensão não revelou quaisquer alterações clinicamente relevantes durante a exposição no estado de equilíbrio (AUC) e Cmax de aliscireno, amlodipina e hidroclorotiazida comparativamente com as terapêuticas duplas correspondentes.
Interacções: Substâncias que foram investigadas em estudos clínicos de farmacocinética com aliscireno incluíram acenocumarol, atenolol, celecoxib, pioglitazona, alopurinol, mononitrato-5-isossorbido e hidroclorotiazida. Não foram identificadas interacções. Precauções com utilização concomitante: Medicamentos usados no tratamento da gota: Pode ser necessário o ajuste posológico dos medicamentos uricosúricos uma vez que a hidroclorotiazida pode elevar o nível de ácido úrico sérico. Pode ser necessário o aumento da posologia de probenecida ou da sulfimpirazona. A administração concomitante de diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, pode aumentar a incidência de reações de hipersensibilidade ao alopurinol. - Alopurinol
Usar com precaução

Aliscireno + Hidroclorotiazida + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Substâncias que foram investigadas em estudos clínicos de farmacocinética com aliscireno incluíram acenocumarol, atenolol, celecoxib, fenofibrato, pioglitazona, alopurinol, mononitrato-5-isossorbido, digoxina, metformina, amlodipina, atorvastatina, cimetidina e hidroclorotiazida. Não foram identificadas interacções clinicamente relevantes. Consequentemente não é necessário ajuste posológico do aliscireno ou destes medicamentos administrados concomitantemente. Medicamentos usados no tratamento da gota: Pode ser necessário o ajuste posológico dos medicamentos uricosúricos uma vez que a hidroclorotiazida pode elevar o nível de ácido úrico sérico. Pode ser necessário o aumento da posologia do probenecida e ou da sulfimpirazona. A administração concomitante de diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, pode aumentar a incidência de reacções de hipersensibilidade ao alopurinol. - Alopurinol
Usar com precaução

Altizida + Espironolactona + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Medicamentos utilizados no tratamento da gota (alopurinol, uricosúricos, inibidores da xantina oxidase): A hiperuricemia induzida por tiazidas pode comprometer o efeito do alopurinol e do probenecide no controlo da gota. A administração concomitante de hidroclorotiazida e alopurinol pode aumentar a incidência de reações de hipersensibilidade ao alopurinol. - Alopurinol
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Alopurinol
Não recomendado/Evitar

Tegafur + Gimeracilo + Oteracilo + Alopurinol

Observações: Não foram realizados estudos de interacção em doentes adultos ou pediátricos.
Interacções: Com base nos dados não clínicos, o alopurinol pode diminuir a a ctividade antitumorígena, devido à supressão da fosforilação do 5-FU. Por conseguinte, a administração concomitante com Tegafur/Gimeracilo/Oteracilo deve ser evitada. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Triclorometiazida + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: O risco de uma reacção de hipersensibilidade ao alopurinol é aumentada quando é combinado com Triclormetiazida. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Glisentida (glipentida) + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: O alopurinol pode aumentar a semivida das sulfonilureias, provavelmente devido à concorrência na eliminação renal. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Aminofilina + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: A degradação retardada e/ou o aumento dos níveis plasmáticos de Aminofilina (Teofilina Etilenodiamina), acompanhados de um risco aumentado de sobredosagem ou de uma incidência aumentada de efeitos secundários, pode ser provocada por medicação concomitante com Contraceptivos orais, antibióticos macrólidos (ex. eritromicina, iosamicina e lincomicina), bloqueadores dos canais de cálcio (ex. diltiazem, verapamil), inibidores da girase, cimetidina, ranitidina, ácido isonicótico hidrazida, alopurinol, propranolol, e interferão. Em tais casos, pode-se tornar necessária uma redução da dose. - Alopurinol
Usar com precaução

Amlodipina + Olmesartan medoxomilo + Hidroclorotiazida + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: interacções potenciais relacionadas com HIDROCLOROTIAZIDA: Uso concomitante que requer precaução: Medicamentos utilizados no tratamento da gota (por exemplo, probenecida, sulfimpirazona e alopurinol): Poderá ser necessário proceder a um ajuste de dose dos fármacos uricosúricos uma vez que a hidroclorotiazida pode aumentar os níveis séricos de ácido úrico. Poderá ser necessário aumentar a dosagem de probenecida ou sulfimpirazona. A administração concomitante de tiazídicos pode aumentar a incidência de reações de hipersensibilidade ao alopurinol. - Alopurinol
Sem significado Clínico

Lesinurad + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Efeitos do lesinurad noutros medicamentos: Com base em estudos de interacção em indivíduos saudáveis ou doentes com gota, Lesinurad não apresenta interacções clinicamente significativas com AINEs (naproxeno e indometacina), colchicina, repaglinida, tolbutamida, febuxostate ou alopurinol. Lesinurad diminui ligeiramente a exposição de oxipurinol (um substrato URATI), o principal metabolito do alopurinol; contudo o efeito de redução de ácido úrico da combinação com alopurinol foi significativamente superior ao de qualquer das substância isoladas. - Alopurinol
Usar com precaução

Amlodipina + Valsartan + Hidroclorotiazida + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Requerida PRECAUÇÃO com a utilização concomitante: HIDROCLOROTIAZIDA: Medicamentos usados no tratamento da gota (probenecida, sulfimpirazona e alopurinol): Pode ser necessário o ajuste posológico dos medicamentos uricosúricos uma vez que a hidroclorotiazida pode elevar o nível de ácido úrico sérico. Pode ser necessário o aumento da posologia do probenecida e ou da sulfimpirazona. A administração concomitante de diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, pode aumentar a incidência de reações de hipersensibilidade ao alopurinol. - Alopurinol
Usar com precaução

Fluindiona + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Associações que requerem precauções de utilização: Alopurinol: Efeito do anticoagulante e risco de sangramento (diminuição do seu metabolismo hepático) aumentado. Monitorização mais frequente do INR. Ajustar a dosagem do anticoagulante oral durante o tratamento com alopurinol e 8 dias após a interrupção. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Benazepril + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Alopurinol, procainamida, citostáticos, agentes imunossupressores, corticosteróides sistémicos e outros medicamentos que alterem o sistema sanguíneo: Aumento do risco de reacções hematológicas, especialmente leucocitose, leucopénia. - Alopurinol
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Benazepril + Hidroclorotiazida + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Alopurinol, agentes citostáticos, imunossupressores, corticóides sistémicos, procainamida: Redução do número de leucócitos no sangue, leucopenia. Alopurinol ou amantadina: Aumento da reacção de hipersensibilidade ou do risco de efeitos adversos. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Captopril + Hidroclorotiazida + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: CAPTOPRIL: Alopurinol, procainamida, citostáticos ou fármacos imunossupressores: A administração concomitante com inibidores ECA pode conduzir a um risco aumentado de leucopenia, especialmente quando os últimos são usados em doses mais altas do que as doses recomendadas. - Alopurinol
Usar com precaução

Ramipril + Amlodipina + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Associadas ao ramipril Precauções de utilização Alopurinol, imunosupressores, corticosteróides, procainamida, citostáticos e outras substâncias que possam alterar o hemograma: Aumento da probabilidade de ocorrência de reações hematológicas. - Alopurinol
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ciclofosfamida + Alopurinol

Observações: A coadministração planeada ou a administração sequencial de outras substâncias ou tratamentos que podem aumentar os efeitos semelhantes ou a gravidade da toxicidade (através de interacções farmacodinâmicas ou farmacocinéticas) exigem uma avaliação individual cuidada dos benefícios e dos riscos esperados. Os doentes que recebem tais combinações devem ser monitorizados cuidadosamente quanto a sinais de toxicidade para permitir uma intervenção atempada. Os doentes em tratamento com ciclofosfamida e agentes que reduzem a sua ativação devem ser monitorizados quanto a uma possível redução da eficácia terapêutica e a necessidade de um ajuste de dose.
Interacções: interacções que afetam a farmacocinética da ciclofosfamida e dos seus metabolitos - A reduzida ativação da ciclofosfamida pode alterar a eficácia do tratamento com ciclofosfamida. Um aumento da concentração do metabolito citotóxico pode ocorrer com: – Alopurinol – Hidrato de cloral – Cimetidina – Dissulfiram – Gliceraldeído – Indutores das enzimas microssomais hepáticas e extrahepáticas humanas (por ex. Enzimas do citocromo P450): A capacidade de indução das enzimas microssomais hepáticas e extrahepáticas tem de ser considerada no caso de tratamento anterior ou concomitante com substâncias conhecidas por induzirem uma actividade aumentada de tais enzimas como rifampina,fenobarbital, carbamazepina, fenitoina, hipericão e corticosteróides. – Inibidores da protease: a utilização concomitante de inibidores da protease pode aumentar a concentração de metabolitos citotóxicos. A utilização de regimes com base em inibidores da protease foi determinado estar associado com uma incidência mais elevada de infecções e neutropenia em doentes a receber ciclofosfamida, doxorubicina e etoposido (CDE) do que o uso de um regime com base NNRTI. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ciclosporina + Alopurinol

Observações: Interações medicamentosas: Encontram-se descritos de seguida os vários fármacos para os quais há relatos de interações com a ciclosporina, devidamente fundamentadas e consideradas como tendo implicações clínicas. São conhecidos vários fármacos que aumentam ou diminuem os níveis plasmáticos ou sanguíneos de ciclosporina habitualmente pela inibição ou indução de enzimas envolvidos no metabolismo da ciclosporina, em particular as enzimas do citocromo P450.
Interacções: Fármacos que aumentam os níveis de ciclosporina: Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e claritromicina), cetoconazol, fluconazol, itraconazol, diltiazem, nicardipina, verapamil, metoclopramida, Contraceptivos orais, danazol, metilprednisolona (dose elevada), alopurinol, amiodarona, ácido cólico e derivados, colchicina e bromocriptina. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cisplatina + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Pode ser necessário ajustar a dose de alopurinol, colchicina, probenecida, ou sulfimpirazona se utilizados juntamente com a cisplatina, uma vez que esta provoca um aumento da concentração sérica de ácido úrico. - Alopurinol
Usar com precaução

Moexipril + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Precauções para o uso: Alopurinol, agentes citostáticos ou imunossupressores, corticosteróides sistémicos ou procainamida: A administração concomitante com Moexipril pode conduzir a um risco aumentado para a leucopénia. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clorotalidona + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: A administração concomitante de diuréticos tiazídicos pode aumentar a incidência de reacções de hipersensibilidade ao alopurinol, aumentar o risco de efeitos adversos causados pela amantadina, aumentar o efeito hiperglicémico do diazóxido e reduzir a excreção renal de agentes citotóxicos (por exemplo, ciclofosfamida, metotrexato) e potenciar os seus efeitos mielossupressores. - Alopurinol
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Porfímero sódico + Alopurinol

Observações: Não foram realizados estudos formais com o Porfímero sódico e outros fármacos.
Interacções: A Terapêutica fotodinâmica (TFD) com Porfímero sódico origina lesão intracelular directa ao iniciar reacções em cadeia de radicais que danificam as membranas intracelulares e as mitocôndrias. Ocorre também lesão dos tecidos devido à isquemia secundária a vasoconstrição, activação das plaquetas, agregação e coagulação. A investigação em animais e em culturas de células sugere que muitos fármacos podem influenciar os efeitos da TFD, apresentando-se a seguir possíveis exemplos. Não existem dados em humanos que apoiem ou rejeitem estas possibilidades. Espera-se que os compostos que extinguem as espécies de oxigénio activo ou radicais scavenge, tais como o dimetilsulfóxido, β-caroteno, etanol, formato e manitol diminuam a acção da TFD. Os dados pré-clínicos sugerem também que a isquemia tecidular, o alopurinol, os bloqueadores dos canais de cálcio e alguns inibidores da síntese de prostaglandinas possam interferir com a Terapêutica fotodinâmica (TFD) com Porfímero sódico. Os fármacos que diminuem a coagulação, a vasoconstrição ou a agregação plaquetária, p.ex. inibidores do tromboxano A2, podem diminuir a eficácia da TFD. As hormonas glucocorticóides administradas antes ou concomitantemente com a TFD podem diminuir a eficácia do tratamento. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Alopurinol, citostáticos e imunossupressores, corticosteróides sistémicos ou procainamida: A administração concomitante com IECA’s pode levar a um aumento do risco de leucopénia. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interacções com Clortalidona: Alopurinol: A administração concomitante de diuréticos tiazídicos pode aumentar a incidência de reações de hipersensibilidade ao alopurinol. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Azilsartan medoxomil + Clorotalidona + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Alopurinol: A co-administração de clorotalidona pode aumentar a incidência de reações de hipersensibilidade ao alopurinol. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Perindopril + Indapamida + Amlodipina + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Uso concomitante a considerar: PERINDOPRIL: Alopurinol, fármacos imunossupressores ou citostáticos, corticosteróides sistémicos ou procainamida: A administração concomitante com IECAs pode conduzir a um risco acrescido de leucopenia. - Alopurinol
Não recomendado/Evitar

Didanosina + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Quando a didanosina e o alopurinol foram administrados concomitantemente (14 voluntários saudáveis), a AUC e a Cmax da didanosina aumentaram significativamente, 105% e 71%, respectivamente. Consequentemente, não é recomendada a administração concomitante do alopurinol (inibidor da xantina oxidase) com a didanosina. Os doentes tratados com didanosina, que necessitem da administração de alopurinol, devem ser mudados para um regime de tratamento alternativo. - Alopurinol
Usar com precaução

Zofenopril + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Associações que requerem precauções de uso: Alopurinol, procainamida, citostáticos ou imunossupressores: Aumento do risco de reacções de hipersensibilidade quando os inibidores da ECA são usados concomitantemente. Os dados de outros inibidores da ECA indicam um risco aumentado de Leucopénia quando usados concomitantemente. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Trandolapril + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: A utilização concomitante de inibidores ECA com alopurinol, citostáticos, ou com agentes imunossupressores, corticosteróides sistémicos ou procainamida, pode aumentar o risco de leucopenia. - Alopurinol
Usar com precaução

Irbesartan + Hidroclorotiazida + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Informações adicionais sobre as interacções da HIDROCLOROTIAZIDA: Quando são administrados concomitantemente, os medicamentos seguintes podem ter interacções com os diuréticos tiazídicos: A co-administração de diuréticos tiazídicos pode aumentar a incidência de reacções de hipersensibilidade ao alopurinol. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Enalapril + Lercanidipina + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: MALEATO DE ENALAPRIL: Associações a ter em conta: Alopurinol, citostáticos ou agentes imunossupressores, corticosteróides sistémicos ou procainamida: A administração concomitante com inibidores da ECA podem levar a um aumento do risco de leucopenia. - Alopurinol
Usar com precaução

Eprosartan + Hidroclorotiazida + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: interacções potenciais relacionadas com a HIDROCLOROTIAZIDA: Administração concomitante requerendo precaução: Medicação para o tratamento da gota (probenecida, sulfinpirazona e alopurinol): Pode ser necessário um ajuste da dose dos fármacos uricosúricos uma vez que a hidroclorotiazida pode aumentar os níveis de ácido úrico sérico. Pode ser necessário aumentar a dose do probenecida ou da sulfinpirazona. A administração concomitante de uma tiazida pode aumentar a incidência de reações de hipersensibilidade ao alopurinol. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Glimepirida + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Pode ocorrer uma potenciação do efeito hipoglicemiante e portanto, em alguns casos, hipoglicemia quando um dos seguintes medicamentos é administrado em simultâneo com glimepirida, por exemplo: - fenilbutazona, azapropazona e oxifenobutazona; - insulina e produtos antidiabéticos orais, tal como a metformina; - ácido p-amino-salicílico; - esteroides anabolizantes e hormonas sexuais masculinas; - cloranfenicol, algumas sulfonamidas de acção longa, tetraciclinas, antibióticos da classe das quinolonas e claritromicina; - anticoagulantes cumarínicos; - fenfluramina; - disopiramida; - fibratos; - inibidores da ECA; - fluoxetina, inibidores da MAO; - alopurinol, probenecida, sulfinpirazona; - simpaticolíticos; - ciclofosfamida, trofosfamida e ifosfamidas; - miconazol, fluconazol; - pentoxifilina (doses elevadas por via parentérica); - tritoqualina. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Glimepirida + Pioglitazona + Alopurinol

Observações: Não existem estudos formais de interação para o Glimepirida / Pioglitazona, contudo, a utilização concomitante das substâncias ativas em doentes em utilização clínica não teve como resultado interações inesperadas. As informações disponíveis são sobre as substâncias ativas individualmente (pioglitazona e glimepirida).
Interacções: GLIMEPIRIDA: Potenciação do efeito hipoglicemiante e como tal, em alguns casos, poderá ocorrer hipoglicemia quando uma das seguintes substâncias ativas é tomada, por exemplo: Fenilbutazona, azapropazona e oxifenbutazona; Insulina e outros produtos orais antidiabéticos; Metformina; Salicilatos e ácido p-amino salicílico; Esteróides anabolizantes e hormonas sexuais masculinas; Cloranfenicol; Claritromicina; Anticoagulantes cumarínicos; Disopiramida; Fenfluramina; Fibratos; Inibidores da ECA; Fluoxetina; Alopurinol; Simpatolíticos; Ciclo-, tro e ifosfamidas; Sulfinpirazona; Determinadas sulfonamidas de acção prolongada; tetraciclinas; Inibidores da MAO; Antibióticos que contêm quinolonas; Probenecida; Miconazol; Pentoxifilina (dose elevada, via parentérica); Tritoqualina; Fluconazol. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Glimepirida + Rosiglitazona + Alopurinol

Observações: Não existem estudos formais de interacção para este medicamento, no entanto o uso concomitante das substâncias activas em doentes em estudos clínicos e na sua vasta utilização clínica não originou interacções inesperadas. Anformação disponível é acerca das substâncias activas individualmente (rosiglitazona e glimepirida).
Interacções: GLIMEPIRIDA: Com base na experiência com glimepirida e outras sulfonilureias, deverão ser mencionadas as seguintes interacções. Potenciação do efeito de redução de glucose no sangue, pelo que em alguns casos poderá ocorrer hipoglicemia quando um dos seguintes fármacos é administrado, por exemplo: Fenilbutazona, azapropazona e oxifenbutazona, sulfinpirazona, insulina e medicamentos antidiabéticos, algumas sulfamidas de longa duração, metformina, tetraciclinas, salicilatos e ácido p-amino-salicílico, inibidores da MAO, esteróides anabolizantes e hormonas masculinas, antibióticos quinolonas, cloranfenicol, probenecide, anticoagulantes cumarínicos, miconazol, fenfluramina, pentoxifilina (dose parentérica elevada), fibratos, tritoqualina, inibidores da ECA, fluconazol, fluoxetina, alopurinol, simpaticolíticos, ciclo-, tro- e ifosfamidas. - Alopurinol
Sem efeito descrito

Patirómero + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Os estudos in vitro demonstraram não haver potencial interacção de Patirómero com as seguintes substâncias ativas: alopurinol, amoxicilina, apixabano, ácido acetilsalicílico, atorvastatina, cefalexina, digoxina, glipizida, lisinopril, fenitoína, riboflavina, rivaroxabano, espironolactona e valsartan. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Alopurinol

Observações: N.D.
Interacções: Medicamentos usados no tratamento da gota: Pode ser necessário o ajuste posológico dos medicamentos uricosúricos uma vez que a hidroclorotiazida pode elevar o nível de ácido úrico sérico. Pode ser necessário o aumento da posologia do probenecida e ou da sulfimpirazona. A administração concomitante de diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, pode aumentar a incidência de reações de hipersensibilidade ao alopurinol. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ifosfamida + Alopurinol

Observações: A administração sequencial ou a coadministração planeada de outras substâncias ou tratamentos que possam aumentar a probabilidade ou a gravidade dos efeitos tóxicos (por meio de interacções farmacodinâmicas ou farmacocinéticas) requer uma avaliação individual cuidadosa do benefício esperado e dos riscos. Os doentes que recebem tais combinações devem ser cuidadosamente monitorizados para sinais de toxicidade de forma a permitir a intervenção atempada. Doentes tratados com ifosfamida e agentes que reduzem a sua ativação devem ser monitorizados para uma potencial redução de eficácia terapêutica e da necessidade de ajuste de dose.
Interacções: As interacções seguintes são concebíveis em analogia com a ciclofosfamida: O efeito terapêutico e a toxicidade da ifosfamida podem ser aumentados pela administração simultânea de clorpromazina, triiodotironina ou inibidores do aldeído desidrogenase, tais como dissulfiram (Antabus). Potenciação do efeito musculo-relaxante do suxametónio. A administração concomitante de agentes antidiabéticos, tais como sulfonilureias e ifosfamida pode aumentar os efeitos de hipoglicemia dos medicamentos anteriores. interacções teóricas da ifosfamida e alopurinol resultam num aumento da gravidade da depressão da medula óssea. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lisinopril + Hidroclorotiazida + Alopurinol

Observações: n.d.
Interacções: Alopurinol: A administração concomitante de inibidores da ECA e alopurinol aumenta o risco de lesão renal e pode levar a um aumento do risco de leucopenia. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Losartan + Hidroclorotiazida + Alopurinol

Observações: n.d.
Interacções: HIDROCLOROTIAZIDA: Quando administrados concomitantemente, os seguintes fármacos podem interferir com os medicamentos diuréticos tiazídicos. Medicamentos utilizados no tratamento da gota (probenecida, sulfinpirazona e alopurinol): Pode ser necessário um ajustamento posológico dos medicamentos uricosúricos, uma vez que a hidroclorotiazida pode aumentar o nível sérico de ácido úrico. Pode ser necessário um aumento posológico da probenecida ou da sulfinpirazona. A co-administração de uma tiazida pode aumentar a incidência de reacções de hipersensibilidade ao alopurinol. - Alopurinol
Usar com precaução

Nebivolol + Hidroclorotiazida + Alopurinol

Observações: n.d.
Interacções: interacções farmacodinâmicas: HIDROCLOROTIAZIDA: Potenciais interacções relacionadas com a hidroclorotiazida: Precauções necessárias em caso de uso concomitante com: Medicamentos usados no tratamento da gota (probenecida, sulfinpirazona e alopurinol): Poderá ser necessário proceder a um ajuste da posologia dos medicamentos uricosúricos uma vez que a hidroclorotiazida pode aumentar os níveis séricos de ácido úrico. Poderá ser necessário o aumento da dose de probenecida ou sulfinpirazona. A administração concomitante de uma tiazida pode aumentar a incidência de reações de hipersensibilidade ao alopurinol. - Alopurinol
Usar com precaução

Olmesartan medoxomilo + Hidroclorotiazida + Alopurinol

Observações: n.d.
Interacções: interacções potenciais relacionadas com HIDROCLOROTIAZIDA: Uso concomitante com precaução: Medicamentos utilizados no tratamento da gota (por exemplo, probenecida, sulfimpirazona e alopurinol): Poderá ser necessário proceder a um ajuste da dosagem dos fármacos uricosúricos uma vez que a hidroclorotiazida pode aumentar os níveis séricos de ácido úrico. Poderá ser necessário aumentar a dosagem de probenecida ou sulfimpirazona. A administração concomitante de tiazídicos pode aumentar a incidência de reações de hipersensibilidade ao alopurinol. - Alopurinol
Usar com precaução

Perindopril + Indapamida + Alopurinol

Observações: n.d.
Interacções: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Alopurinol, citostáticos ou imunossupressores, corticosteróides sistémicos ou procainamida: administração concomitante com IECAs pode aumentar o risco de leucopenia. - Alopurinol
Usar com precaução

Ramipril + Hidroclorotiazida + Alopurinol

Observações: n.d.
Interacções: Precauções de utilização: Alopurinol, Imunossupressores, corticosteróides, procainamida, citostáticos e outras substâncias que podem alterar o hemograma. Existe uma maior probabilidade de reacções hematológicas. - Alopurinol
Usar com precaução

Trandolapril + Verapamilo + Alopurinol

Observações: n.d.
Interacções: Associações com precauções de utilização: Alopurinol, citostáticos ou imunossupressores, corticóides sistémicos ou procainamida: A administração simultânea com inibidores ECA pode aumentar o risco de leucopenia. - Alopurinol
Usar com precaução

Varfarina + Alopurinol

Observações: n.d.
Interacções: Existem muitos compostos que interactuam com a varfarina, resultando da interacção, quer de um aumento, quer de uma diminuição do efeito anticoagulante. Há também a considerar alterações da absorção, nomeadamente as induzidas pela colestiramina. Para além dos anticoagulantes, existem outros fármacos capazes de alterar o processo de coagulação e de causar hemorragia. São exemplos destes fármacos as hormonas tiroideias, o clofibrato, Ácido Acetilsalicílico, AINEs e trombolíticos. A administração concomitante destes fármacos com varfarina favorece a hemorragia. Mesmo que não tenham sido descritas interacções da varfarina com certos compostos com acção a nível hematológico, o médico deve estar alertado para a possibilidade de um risco acrescido de hemorragia ao fazer a prescrição simultânea de varfarina com estes fármacos. Existe igualmente um risco acrescido de hemorragia nos doentes medicados com varfarina, quando são expostos a certos produtos, nomeadamente colaspase, alguns meios de contraste, epoprostenol. Quando há um sério risco de hemorragia resultante da interacção, deve evitar-se a administração concomitante dos dois fármacos. Noutros casos, a actividade anticoagulante deve ser cuidadosamente monitorizada e proceder-se ao ajuste posológico de acordo com as necessidades. Os períodos considerados críticos correspondem, quer à introdução, quer à suspensão do fármaco interactuante, num doente com o regime de anticoagulação controlado. Os problemas decorrentes da administração concomitante da varfarina com alopurinol, Contraceptivos orais ou disopiramida, resultam do facto de serem imprevisíveis os efeitos que estes fármacos produzem na actividade anticoagulante, já que umas vezes as diminuem e outras a aumentam. A administração de dipiridamol a doentes medicados com varfarina pode causar hemorragia, com a particularidade de não alterar os parâmetros de avaliação de actividade anticoagulante. Os compostos que reconhecidamente potenciam a acção da varfarina ou que habitualmente são referidos como exercendo esse efeito são: Ácido etacrínico, ácido mefenâmico, ácido tielínico, álcool (ingestão aguda), alopurinol, amiodarona, Ácido Acetilsalicílico, azapropazona, cefamandol, ciprofloxacina, claritromicina, cloranfenicol, cimetidina, clofibrato, cotrimoxazol, danazol, dextropropoxifeno, dipiramidol, dissulfiram, eritromicina, estanozolol, etiloestrenol, fenilbutazona, fibratos, fluconazol, glucagão, halofenato, hormonas tiroideias, cetoconazol, latamofex, meclofenamato de sódio, metronidazol, miconazol, noretandrolona, omeprazol, oxifenbutazona, oximetolona, paracetamol, piroxicam, propafenona, quetoquenazol, quinidina, quinina, sinvastatina, ISRS antidepressivos, sulfinpirazona, sulfonamidas, sulindac, tetraciclina, valproato, vitamina E. - Alopurinol
Usar com precaução

Telmisartan + Hidroclorotiazida + Alopurinol

Observações: n.d.
Interacções: Medicamentos utilizados na terapêutica da gota (por exemplo, probenecida, sulfinpirazona e alopurinol): Poderá ser necessário proceder a um ajuste posológico dos medicamentos uricosúricos, dado que hidroclorotiazida pode aumentar os níveis séricos de ácido úrico. Pode ser necessário um aumento da posologia de probenecida ou de sulfinpirazona. A administração simultânea de tiazídicos pode aumentar a incidência de reações de hipersensibilidade ao alopurinol. - Alopurinol
Usar com precaução

Valsartan + Hidroclorotiazida + Alopurinol

Observações: n.d.
Interacções: interacções relacionadas com HIDROCLOROTIAZIDA: Utilização concomitante com precaução: Medicamentos usados no tratamento da gota (probenecida, sulfinpirazona e alopurinol): Pode ser necessário o ajuste posológico das medicações uricosúricas uma vez que a hidroclorotiazida pode elevar o nível de ácido úrico sérico. Pode ser necessário o aumento da posologia do probenecida ou da sulfinpirazona. A administração concomitante de diuréticos tiazídicos, incluindo a hidroclorotiazida, pode aumentar a incidência de reacções de hipersensibilidade ao alopurinol. - Alopurinol
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida + Alopurinol

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com perindopril Uso concomitante que requer alguns cuidados: Alopurinol, citostáticos ou agentes imunossupressores, corticosteróides sistémicos ou procainamida: Administração concomitante com inibidores do ECA pode aumentar o risco de leucopenia. - Alopurinol
Usar com precaução

Doxofilina + Alopurinol

Observações: n.d.
Interacções: A terapia concomitante com eritromicina, troleandomicina, lincomicina, clindamicina, alopurinol, cimetidina, propanolol pode diminuir a depuração hepática das xantinas, causando aumento dos níveis sanguíneos. - Alopurinol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Espironolactona + Hidroflumetiazida + Alopurinol

Observações: n.d.
Interacções: Medicamentos para a gota (alopurinol, uricosúricos, inibidores da xantina oxidase) A hiperuricemia induzida por tiazida pode comprometer o controle da gota por alopurinol e probenecide. A administração concomitante de hidroclorotiazida e alopurinol pode aumentar a incidência de reações de hipersensibilidade ao alopurinol. - Alopurinol
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Acefilina piperazina + Fenobarbital + Alopurinol

Observações: n.d.
Interacções: A acefilina piperazina / fenobarbital requer uma redução da dose se administrada concomitantemente com drogas que podem reduzir sua depuração, por exemplo alopurinol, pílulas contraceptivas, cimetidina, macrolídeos, quinolonas ou propranolol. - Alopurinol
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Alumínio glicinato + Metamizol + Alopurinol

Observações: n.d.
Interacções: Devido ao alumínio: Reduz a absorção de: ac. tiludrónico, alopurinol, AINEs, atorvastatina, betabloqueadores, captopril, carbenoxolona, digoxina, digitoxina, clorpromazina, epoetina, cetoconazol, levotiroxina, prednisona, etambutol, gabapentina, isoniazida, metronidazol, penicilamina, ciprofloxacina, norfloxacina, ranitidina, sais de Fe, tetraciclinas, cloroquina, ciclinas, diflunisal, bifosfonatos, fluoreto de Na, glicocorticoides, kayexalato, lincosamidas, fenotiazinas e neuroléticos. Administração separada 2-3 h (fluorquinolonas 4 h). - Alopurinol
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções do Alopurinol
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

A evidência de segurança do alopurinol na gravidez humana é inadequada. Os estudos em animais relevaram toxicidade reprodutiva. Uma vez que o alopurinol interfere com o metabolismo das purinas e o potencial risco para os humanos ainda não foi definido, o alopurinol deve ser utilizado na gravidez apenas se não existir uma alternativa mais segura e quando a doença em si apresenta riscos para a mãe ou para a criança.
Deve realizar-se uma ecografia durante o primeiro trimestre de uma gravidez acidental para confirmar o desenvolvimento fetal normal.

O alopurinol e o seu metabolito oxipurinol são excretados no leite materno humano.
O alopurinol não é recomendado durante a amamentação. Tem que ser tomada uma decisão sobre a descontinuação da amamentação ou a descontinuação/abstenção da terapêutica com alopurinol tendo em conta o benefício da amamentação para a criança e o benefício da terapêutica para a mulher.

Os efeitos de alopurinol sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas são moderados. Uma vez que foram notificadas reacções adversas como sonolência, vertigens e ataxia em doentes em tratamento com alopurinol, os doentes devem ter cuidado antes de conduzir, utilizar máquinas ou participar em actividades perigosas, até estarem razoavelmente seguros de que o alopurinol não afecta negativamente o desempenho.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Novembro de 2021