Ácido salicílico

DCI com Advertência na Gravidez
O que é
O Ácido salicílico é um beta-hidroxiácido (ß-Hidroxiácido) com propriedades queratolíticas (esfoliantes) e antimicrobianas, o que significa que afina a camada espessa da pele e age evitando a contaminação por bactérias e fungos oportunistas.

É um Ácido utilizado no tratamento de pele hiperqueratólica, isto é, super espessada, em condições de descamação como: caspa, dermatite seborreica, ictiose, psoríase e acne, problemas que atingem facilmente a ala masculina.

É caracterizado ainda por ser um regularizador da oleosidade e também um anti-inflamatório potencial.

A grande vantagem deste Ácido é que apresenta um bom poder esfoliativo e também uma acção hidratante, cuja característica principal é a capacidade de penetração nos poros ajudando na remoção da camada queratinizada com uma acção irritante muito menor que outros ingredientes.

Diversos trabalhos têm referido a acção favorável do Ácido salicílico na acne, especialmente em suas formas iniciais, não-inflamatórias, por seu efeito comedolítico e esfoliante, com resultados superiores aos do peróxido de benzoíla.

É solúvel no álcool e parcialmente na água fria.

Contra a acne, tem sido utilizado em sabões, detergentes, loções tónicas, compressas, géis e emulsões fluidas, em concentrações que variam de 0,5 a 2,%.

É considerado um hidroxiácido de fundamental importância para o melhoramento da aparência da pele envelhecida.

Num Congresso de Dermatologia da Academia Americana de Dermatologia realizado em São Francisco, ficou confirmado que o beta-hidroxiácido - Ácido salicílico - representa a próxima geração de produtos para o tratamento do envelhecimento cutâneo, pois melhora a aparência da pele foto-envelhecida, com baixa irritação, quando comparado com o Ácido glicólico.

O Ácido salicílico foi originalmente descoberto devido às suas acções antipirética e analgésica.

Desde 400 a.C, que se sabe que a casca do salgueiro possuía estas propriedades. Em 1827, o seu princípio activo, a salicilina, foi isolado. Dele se extrai o álcool salicílico, que pode ser oxidado para o Ácido salicílico.

Porém, descobriu-se depois que este Ácido pode ter uma acção corrosiva nas paredes do estômago.

Para contornar isto foi adicionado um radical acetil à hidroxila ligada directamente ao anel aromático, dando origem a um éster de acetato, chamado de Ácido acetil-salicílico (AAS), menos corrosivo mas também menos potente.
Usos comuns
O Ácido salicílico é usado para o tratamento de muitas doenças de pele, tais como acne, caspa, psoriase, dermatite seborreica da pele e do couro cabeludo, calos, calosidades, verrugas comuns, verrugas plantares, dependendo da forma de dosagem e da força da preparação.
Tipo
Molécula pequena.
História
O médico grego Hipócrates escreveu no século 5 aC sobre um pó amargo extraído da casca do salgueiro que poderia aliviar dores e reduzir febres.
Este remédio também foi mencionado em textos da antiga Suméria, no Líbano, e Assíria. Os Cherokee e outros nativos americanos usaram uma infusão da casca para a febre e outros fins medicinais durante séculos.
A parte medicinal da planta é a casca interna e foi usado como um analgésico para uma variedade de doenças. O reverendo Edward Stone, um vigário de Chipping Norton, Oxfordshire, Inglaterra, notou em 1763 que a casca do salgueiro foi eficaz na redução da febre.

O extrato activo da casca, chamado salicina, após o nome em latim para o salgueiro branco ( Salix alba), foi isolado e nomeado pelo químico alemão Johann Andreas Buchner em 1826. A maior quantidade da substância foi isolada em 1828 por Henri Leroux, um Farmacêutico francês. Raffaele Piria, um químico italiano teve a capacidade de converter a substância num açúcar, e um segundo componente, resultante da oxidação do Ácido salicílico.

O Ácido salicílico também foi isolado das ulmeira ervas ( Filipendula ulmaria, anteriormente classificada como Spiraea ulmaria ) por pesquisadores alemães em 1839. Embora o seu extracto fosse um pouco eficaz, também causou problemas digestivos, tais como irritação gástrica, hemorragia, diarreia, e até mesmo a morte, quando consumido em doses elevadas.
Indicações
Aditivo chave em muitos produtos de cuidados da pele para o tratamento da acne, psoríase, calos, calosidades, verrugas e queratose pilar.
Classificação CFT

13.08.03 : Preparações para verrugas, calos e condilomas

Mecanismo De Ação
O Ácido salicílico inibe directa e irreversivelmente a actividade de ambos os tipos de ciclo-oxigenases (COX - 1 e COX - 2) diminuindo a formação de precursores de prostaglandinas e tromboxanos a partir do Ácido araquidónico. O salicilato pode inibir competitivamente a formação de prostaglandina.

Nos reumáticos as acções do salicilato (anti-inflamatórios) são resultado do seu mecanismo analgésico e anti-inflamatório.

O Ácido salicílico é um ingrediente chave em muitos produtos de cuidados da pele para o tratamento da acne, psoríase, calos, calosidades, queratose pilar, e verrugas. Funciona fazendo com que as células da epiderme se soltem mais facilmente, evitando o entupimento dos poros, e criando espaço para crescimento de novas células. Por causa do seu efeito sobre as células da pele, o Ácido salicílico é usado em vários champôs utilizados para tratar a caspa.

O Ácido salicílico também é usado como um ingrediente activo em géis que removem verrugas (verrugas plantares). O Ácido salicílico inibe a oxidação de uridina - 5 - diphosphoglucose (UDPG) competitivamente com dinucleótido de nicotinamida- adenosina (NAD) e não competitivamente com UDPG. Também inibe competitivamente a transferência do grupo glucuronilo do Ácido uridina - 5 - fosfoglucurónico (UDPGA) para o acetor fenólico.

A acção retardada de cicatrização dos salicilatos é, provavelmente, devida sobretudo à sua acção inibitória sobre a síntese de mucopolissacarídeos.
Posologia Orientativa
A dose de Ácido salicílico será diferente para diferentes pacientes e situações.
Siga as ordens do Médico.
Administração
Uso cutâneo.
Contraindicações
Hipersensibilidade ao ácido salicílico, a salicilatos;
Não aplique no rosto ou nos olhos ou membranas mucosas, como os genitais, ou em outras lesões de pele que não as refletidas na secção de indicações;
com problemas de circulação;
diabéticos;
áreas avermelhadas, inflamadas, infectadas, irritadas ou feridas;
crianças <2 anos.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Embora nem todos os efeitos colaterais possam ocorrer, se ocorrerem podem precisar de atenção médica.

Entre em contacto com o Médico assim que possível, no caso de surgir algum dos seguintes efeitos secundários:

Menos comuns ou raros:
– irritação da pele não presente antes do uso de Ácido salicílico (moderada ou grave).

Frequência desconhecida:
– ressecamento e descamação da pele
– rubor
– vermelhidão da pele
– pele invulgarmente quente.

Os sintomas de envenenamento Ácido salicílico:
– confusão
– diarreia
– tontura
– respiração rápida ou profunda
– dor de cabeça (grave ou contínua)
– perda de audição
– vertigens
– náusea
– respiração rápida
– ruido ou zumbido nos ouvidos (continuado)
– sonolência grave
– dor de estômago
– vómitos.

Podem ocorrer alguns efeitos secundários que normalmente não necessitam de atenção médica.

Estes efeitos secundários podem desaparecer durante o tratamento à medida que o corpo se adapta ao medicamento.

Além disso, o Profissional de Saúde informa-lo-à sobre as formas de prevenir ou reduzir alguns desses efeitos colaterais.

Fale com o Médico se algum dos seguintes efeitos secundários persistirem ou forem incómodos ou se existirem quaisquer dúvidas sobre eles:

Mais comum:
– irritação da pele não presente antes do uso de Ácido salicílico (leve)
– picadas.
Advertências

Sem informação.

Precauções Gerais
Ao usar o Ácido salicílico, não use qualquer uma das seguintes preparações na mesma área afectada, salvo indicado pelo médico:
– Sabonetes abrasivos ou solventes
– Preparações contendo álcool
– Qualquer outra forma de preparação tópica para a acne ou preparação contendo um agente de descamação (por exemplo, peróxido de benzoílo, resorcinol, enxofre, ou tretinoína.
– Cosméticos ou sabonetes que ressecam a pele
– Cosméticos medicamentosos
– Outro medicamento tópico para a pele
Usar qualquer uma das preparações acima na mesma área tartada com Ácido salicílico pode causar irritação grave da pele.

Converse com o médico imediatamente se tiver náuseas, vómitos, tonturas, perda de audição, zumbido, letargia, hiperpneia, diarreia e distúrbios psíquicos.

Estes podem ser sintomas de uma doença grave chamada toxicidade ao salicilato, especialmente em crianças com menos de 12 anos de idade e Pacientes com problemas renais ou hepáticos.
Cuidados com a Dieta
Não aplicável.
Terapêutica Interrompida
Se esquecer de uma dose de Ácido salicílico, aplique-a assim que possível.
No entanto, se estiver quase na hora da sua próxima dose, salte a dose e volte ao seu esquema posológico regular.
Cuidados no Armazenamento
Guarde o medicamento num recipiente fechado à temperatura ambiente, longe do calor, humidade e luz directa. Evite congelamento.

Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Usar com precaução

Salicilato de glicol + Mentol + Ácido salicílico

Observações: N.D.
Interações: Em doentes medicados com antagonistas da vitamina K, varfarina, não se pode excluir um potencial efeito do ácido salicílico no aumento da anticoagulação, pelo que o INR deve ser monitorizado. - Ácido salicílico
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Glucoronamida + Ácido ascórbico + Cafeína + Ácido salicílico

Observações: N.D.
Interações: A administração simultânea de ácido ascórbico e ácido salicílico aumenta a excreção urinária do primeiro e diminui a excreção do segundo. A acidificação da urina que se verifica após a adminstração de ácido ascórbico pode alterar a excreção de outras substâncias. - Ácido salicílico
Sem significado Clínico

Nimesulida + Ácido salicílico

Observações: N.D.
Interações: Estudos in vitro mostraram que a tolbutamida, o ácido salicílico e o ácido valpróico deslocaram a nimesulida dos locais de ligação. Contudo, apesar de um possível efeito nos níveis plasmáticos, estas interacções não demonstraram significado clínico. - Ácido salicílico
Usar com precaução

Aliscireno + Amlodipina + Hidroclorotiazida + Ácido salicílico

Observações: A análise farmacocinética populacional de doentes com hipertensão não revelou quaisquer alterações clinicamente relevantes durante a exposição no estado de equilíbrio (AUC) e Cmax de aliscireno, amlodipina e hidroclorotiazida comparativamente com as terapêuticas duplas correspondentes.
Interações: Medicamentos que afetam os níveis de potássio sérico: O efeito de depleção de potássio da hidroclorotiazida é atenuado pelo efeito poupador de potássio do aliscireno. No entanto, seria de esperar que este efeito da hidroclorotiazida sobre o potássio sérico fosse potenciado por outros medicamentos associados a perdas de potássio e hipocaliemia (p. ex. outros diuréticos caliuréticos, corticosteróides, laxantes, hormona adrenocorticotrófica (ACTH), anfotericina, carbenoxolona, penicilina G, derivados de ácido salicílico). Por outro lado, o uso concomitante de outros agentes que afetam o SRAA, de AINE ou de agentes que aumentam os níveis de potássio sérico (p. ex.: diuréticos poupadores de potássio, suplementos de potássio, substitutos do sal contendo potássio, heparina) podem levar a aumentos da caliemia. Aconselha-se prudência, caso a comedicação com um agente que afete o nível de potássio sérico seja considerada necessária. O uso concomitante de aliscireno com ARA ou IECA é contra-indicado em doentes com diabetes mellitus ou compromisso renal (TFG <60 ml/min/1,73 m2) e não é recomendado noutros doentes. - Ácido salicílico
Usar com precaução

Aliscireno + Hidroclorotiazida + Ácido salicílico

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que afectam os níveis de potássio sérico: O efeito de depleção de potássio da hidroclorotiazida é atenuado pelo efeito poupador de potássio do aliscireno. No entanto, seria de esperar que este efeito da hidroclorotiazida sobre o potássio sérico fosse potenciado por outros medicamentos associados a perdas de potássio e hipocaliemia (ex. outros diuréticos caliuréticos, corticosteróides, laxantes, hormona adrenocorticotrófica (ACTH), anfotericina, carbenoxolona, penicilina G, derivados de ácido salicílico). Por outro lado, o uso concomitante de outros agentes que afectam o SRAA, de AINE ou de agentes que aumentam os níveis de potássio sérico (p. ex.: diuréticos poupadores de potássio, suplementos de potássio, substitutos do sal contendo potássio, heparina) podem levar a aumentos da caliemia. Aconselha-se prudência, caso a co-medicação com um agente que afecte o nível de potássio sérico seja considerada necessária. O uso concomitante de aliscireno com ARA ou IECA é contra-indicado em doentes com diabetes mellitus ou compromisso renal (TFG <60 ml/min/1,73 m2) e não é recomendado noutros doentes. - Ácido salicílico
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ditranol + Ácido salicílico

Observações: N.D.
Interações: A utilização concomitante de preparações tópicas contendo ácido salicílico ou ureia intensifica o efeito de Ditranol creme. - Ácido salicílico
Não recomendado/Evitar

Amlodipina + Olmesartan medoxomilo + Hidroclorotiazida + Ácido salicílico

Observações: N.D.
Interações: interacções potenciais relacionadas com HIDROCLOROTIAZIDA: Uso concomitante não recomendado: Medicamentos que alteram os níveis de potássio: O efeito depletor de potássio da hidroclorotiazida pode ser potenciado pela administração concomitante de outros fármacos associados à diminuição de potássio e hipocaliemia (por exemplo, outros diuréticos caliuréticos, laxantes, corticosteróides, ACTH, anfotericina, carbenoxolona, penicilina G sódica ou derivados de ácido salicílico). Não se recomenda, portanto, o uso concomitante destes fármacos. - Ácido salicílico
Usar com precaução

Amlodipina + Valsartan + Hidroclorotiazida + Ácido salicílico

Observações: N.D.
Interações: Requerida PRECAUÇÃO com a utilização concomitante: HIDROCLOROTIAZIDA: Medicamentos que afetam o nível de potássio sérico: O efeito hipocalémico da hidroclorotiazida pode ser aumentado por administração concomitante de diuréticos caliuréticos, corticosteróides, laxantes, hormona adrenocorticotrófica (ACTH), anfotericina, carbenoxolona, penicilina G e derivados do ácido salicílico ou antiarrítmicos. Se estes medicamentos forem prescritos juntamente com a associação amlodipina /valsartan /hidroclorotiazida, é aconselhável a monitorização dos níveis plasmáticos de potássio. - Ácido salicílico
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Candesartan + Hidroclorotiazida + Ácido salicílico

Observações: N.D.
Interações: É previsível que o efeito de depleção de potássio da hidroclorotiazida seja potenciado por outros medicamentos associados à perda de potássio e hipocaliemia (por ex., outros diuréticos caliuréticos, laxantes, anfotericina, carbenoxolona, penicilina G sódica, derivados do ácido salicílico, esteroides, ACTH). - Ácido salicílico
Sem efeito descrito

Diacereína + Ácido salicílico

Observações: N.D.
Interações: Não foram descritas interacções farmacológicas com varfarina, fenitoína, indometacina, ácido salicílico, glibenclamida e hidroclorotiazida. - Ácido salicílico
Usar com precaução

Cloreto de cálcio + Cloreto de potássio + Cloreto de sódio + Lactato de sódio + Ácido salicílico

Observações: População pediátrica: Não existem características especiais.
Interações: A administração desta associação de acordo com as indicações e contraindicações recomendadas não eleva as concentrações plasmáticas dos eletrólitos que a solução contém. Em caso de aumento da concentração de qualquer eletrólito devido a outras causas as seguintes interacções devem ser consideradas. Relacionadas com LACTATO: A administração de bicarbonato ou de um precursor do bicarbonato tal como o lactato conduz à alcalinização da urina com depuração renal aumentada de medicamentos acídicos (p.ex. ácido salicílico). A semivida de medicamentos básicos – em especial de simpaticomiméticos (p.ex. efedrina, pseudoefedrina) e de estimulantes (p.ex. sulfato de dexanfetamina, cloridrato de fenfluramina) será prolongada se forem administradas em simultâneo soluções contendo lactato. - Ácido salicílico
Sem efeito descrito

Vortioxetina + Ácido salicílico

Observações: A vortioxetina é extensamente metabolizada no fígado, principalmente por oxidação catalisada pelo CYP2D6, e numa menor extensão pelo CYP3A4/5 e CYP2C9.
Interações: Potencial da vortioxetina para afetar outros medicamentos: Medicamentos anticoagulantes e antiplaquetários: Não foram observados efeitos significativos, comparativamente ao placebo, nos valores de INR, protrombina ou varfarina R-/S- plasmática após co-administração de doses múltiplas de vortioxetina com doses estáveis de varfarina em indivíduos saudáveis. Adicionalmente, não foi observado nenhum efeito inibitório significativo, comparativamente ao placebo, na agregação plaquetária ou farmacocinética do ácido acetilsalicílico ou ácido salicílico quando o ácido acetilsalicílico 150 mg/ml foi co-administrado após administração de doses múltiplas de vortioxetina em indivíduos saudáveis. No entanto, no que diz respeito a outros medicamentos serotoninérgicos, deve ser tida precaução quando a vortioxetina é utilizada em combinação com anticoagulantes orais ou medicamentos antiplaquetários, devido a um potencial aumento do risco de hemorragia atribuído a uma interacção farmacodinâmica. - Ácido salicílico
Não recomendado/Evitar

Eprosartan + Hidroclorotiazida + Ácido salicílico

Observações: N.D.
Interações: interacções potenciais relacionadas com a HIDROCLOROTIAZIDA: Administração concomitante não recomendada: Medicamentos que afetam os níveis de potássio: O efeito espoliador de potássio da hidroclorotiazida pode estar potenciado pela co-administração com outros medicamentos associados a perda de potássio e hipocaliemia (por ex. outros diuréticos espoliadores de potássio, laxantes, corticosteróides, corticotrofina, anfotericina, carbenoxolona, penicilina G sódica ou derivados do ácido salicílico). Assim, o uso concomitante não é recomendado. - Ácido salicílico
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Hidroclorotiazida + Ácido salicílico

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: HIDROCLOROTIAZIDA: Potenciais interacções relacionadas com a hidroclorotiazida: Associação não recomendada: Medicamentos que afetam os níveis de potássio: O efeito depletor de potássio da hidroclorotiazida pode ser potenciado pela administração concomitante de outros medicamentos associados à diminuição de potássio e hipolicaliemia (por exemplo, diuréticos caliuréticos, laxantes, corticosteróides, ACTH, anfotericina, carbenoxolona, penicilina G sódica ou derivados do ácido salicílico). Não se recomenda, portanto, o uso concomitante destes medicamentos. - Ácido salicílico
Não recomendado/Evitar

Olmesartan medoxomilo + Hidroclorotiazida + Ácido salicílico

Observações: n.d.
Interações: interacções potenciais relacionadas com HIDROCLOROTIAZIDA: Uso concomitante não recomendado: Fármacos que afetam os níveis de potássio: O efeito depletor de potássio da hidroclorotiazida pode ser potenciado pela administração concomitante de outros fármacos associados à diminuição de potássio e hipocaliemia (por exemplo, outros diuréticos caliuréticos, laxantes, corticosteróides, ACTH, anfotericina, carbenoxolona, penicilina G sódica ou derivados de ácido salicílico). Não se recomenda, portanto, o uso concomitante destes fármacos. - Ácido salicílico
Usar com precaução

Telmisartan + Hidroclorotiazida + Ácido salicílico

Observações: n.d.
Interações: Medicamentos associados a diminuição de potássio e hipocaliemia (como, por exemplo, outros diuréticos caliuréticos, laxantes, corticosteróides, ACTH, anfotericina, carbenoxolona, penicilina G sódica, ácido salicílico e derivados): Se estes fármacos forem prescritos com a combinação telmisartan / hidroclorotiazida, é aconselhável proceder-se à monitorização dos níveis séricos de potássio. Estes fármacos podem potenciar o efeito da hidroclorotiazida no potássio sérico. - Ácido salicílico
Usar com precaução

Valsartan + Hidroclorotiazida + Ácido salicílico

Observações: n.d.
Interações: interacções relacionadas com HIDROCLOROTIAZIDA: Utilização concomitante com precaução: Medicamentos associados a perda de potássio e hipocaliemia (ex. diuréticos caliuréticos, corticosteróides, laxantes, ACTH, anfotericina, carbenoxolona, penicilina G, ácido salicílico e derivados). Se estes medicamentos forem prescritos juntamente com a associação hidroclorotiazida-valsartan é aconselhável a monitorização dos níveis plasmáticos de potássio. Estes medicamentos podem potenciar o efeito da hidroclorotiazida sobre o potássio sérico. - Ácido salicílico
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Alumínio glicinato + Metamizol + Ácido salicílico

Observações: n.d.
Interações: Devido ao alumínio: Aumenta a excreção de: ac. salicílico. - Ácido salicílico
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Ácido salicílico
Informe o Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Não foi feito nenhum teste em humanos; no entanto, o ácido salicílico pode ser absorvido sistemicamente, portanto, não deve ser usado durante a gravidez, porque a sua segurança não foi estabelecida.

Não foi feito nenhum teste em humanos; no entanto, o ácido salicílico pode ser absorvido sistemicamente, portanto, não deve ser utilizado durante a amamentação, porque a sua segurança não foi estabelecida.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 24 de Março de 2021