Ácido para-aminosalicílico

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Renal
O que é
Ácido 4-amino-salicílico, vulgarmente conhecido como o PAS, é um antibiótico utilizado para tratar a tuberculose.

Este composto orgânico também tem sido utilizada desde a década de 1940 para o tratamento de doenças inflamatórias do intestino (IBD), onde ele tem mostrado maior potência no ulcerativa colite e doença de Crohn.

Acredita-se que actua via NF-kB (fator nuclear kappa B) por inibição e eliminação de radicais livres.

O ácido 5-aminossalicílico, vendido sob o nome de mesalazina, é um composto intimamente relacionado, que também tem utilizações médicas.
Usos comuns
O ácido para-aminosalicílico é usado em associação com outros fármacos no tratamento da tuberculose multirresistente.
Tipo
Molécula pequena.
História
PAS foi descoberto pelo químico sueco Jörgen Lehmann segundo relatório de que a bactéria da tuberculose metabolizava avidamente o ácido salicílico.

Lehmann primeiro tentou PAS como uma terapia oral TB no final de 1944. O primeiro paciente teve uma recuperacção rápida.

O fármacon resultou melhor do que a estreptomicina, que tem uma toxicidade nervosa a que a tuberculose poderia facilmente desenvolver resistência.

Em 1948, pesquisadores do Conselho de Pesquisa Médica da Grã-Bretanha demonstraram que o tratamento combinado com estreptomicina e PAS foi superior a uma ou outra droga isoladamente.
Indicações
O ácido para-aminosalicílico é usado em associação com outros fármacos no tratamento da tuberculose multirresistente.
Classificação CFT

01.01.12 : Antituberculosos

Mecanismo De Ação
O mecanismo de acção do ácido para-aminosalicílico assemelha-se ao das sulfonamidas, competindo com o ácido paraminobenzóico (PABA) pela dihidropteroato sintetase (DHPS), uma enzima chave na biossíntese dos folatos.

No entanto, ao contrário das sulfonamidas, o ácido para-aminosalicílico aparenta ser um fraco inibidor da DHPS in vitro, levantando a possibilidade de que possa ter um alvo diferente.

O ácido para-aminosalicílico é sujeito a um processo de acetilação a nível hepático, que o converte em metabólitos inactivos, sendo os principais os ácidos N-acetil-p-aminosalicílico e o para-aminosalicilúrico, desprovidos de actividade bacteriostática.

A semi-vida plasmática deste agente é de cerca de 1 hora, não sendo as suas concentrações substancialmente alteradas por disfunção renal ou hepática.

Os seus metabólicos apresentam uma maior sobrevida podendo ser prolongada em caso de insuficiência renal.
Posologia Orientativa
A dose diária recomendada é de 8 a 12 g nos adultos e de 150 mg/kg nas crianças, divididos em duas a três tomas diárias.

Estas dosagens permitem atingir concentrações plasmáticas cerca de 40 a 100 vezes superiores à concentracção inibitória mínima (CIM: 1 μg/ml) para a maioria das estirpes de M.Tuberculosis, incluindo algumas multi-resistentes, sendo em todo o caso superior noutra ordem de grandeza à CMI de estirpes multirresistentes mais agressivas (CIM: 4-8 μg/ml).
Administração
Os comprimidos revestidos de ácido para-aminosalicílico são administrados por via oral.

O ácido para-aminosalicílico pode ser administrado com alimentos.
Contraindicações
Hipersensibilidade à substância activa ou a qualquer um dos excipientes.
Hipersensibilidade a produtos derivados do ácido salicílico.
Insuficiência renal grave.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Doenças gastrointestinais:
– Tonturas: Frequente;
– Náuseas e vómitos: Frequente;
– Dor abdominal, diarreia: Frequente;
– Anorexia, emagrecimento: Pouco frequente;
– Síndrome de mal-absorção: Raro;
– Úlcera péptica, hemorragia digestiva: Raro.

A reacção adversa do ácido para-aminosalicílico mais frequente é do foro gastrointestinal (cerca de 11%), maioritariamente na forma de náuseas e vómitos ou diarreia.

Estas são habitualmente pouco graves e cessam com a interrupção da administração do medicamento.

Existem alguns casos descritos na literatura que indicam que o ácido para-aminosalicílico pode ter um efeito na absorção intestinal do qual resulta um emagrecimento, diminuição do colesterol e do ácido fólico séricos, e esteatorreia.

Também foi descrita uma interferência do ácido para-aminosalicílico com a absorção da vitamina B12, o que leva à precaução de administrar suplemento vitamínico em doentes sob terapia prolongada com ácido para-aminosalicílico.

Afecções hepatobiliares:
Hepatoxicidade: Rara.

Uma taxa de mortalidade de até 0,21% por hepatotoxicidade ocorreu em pacientes que continuaram sob terapêutica com ácido para-aminosalicílico após aparecimento de sinais de hepatite, habitualmente na quarta semana de tratamento.

Pode existir elevacção das transaminases mesmo na ausência de icterícia, pelo que o ácido para-aminosalicílico deve ser descontinuado assim que surgir disfunção hepática, já que este processo de toxicidade hepática pode progredir até causar a morte.

Uma monitorizacção apertada dos valores das provas hepáticas deve, assim, ser programada.

Cardiopatias:
– Insuficiência cardíaca congestiva: Raro;
– Miocardite, pericardite: Muito raro.

O aporte extra de sódio do ácido para-aminosalicílico pode fazer descompensar uma insuficiência cardíaca pré-existente, com retenção hidrossalina importante, pelo que se aconselha que este fármaco seja administrado com precaução a estes doentes, com monitorizacção clínica frequente.

Casos isolados de estudos relatam episódios de miocardite e pericardite em doentes sob terapêutica com ácido para-aminosalicílico para Tuberculose pulmonar activa.

Embora a relação causal mereça melhor esclarecimento, atendendo à gravidade dos episódios relatados, opta-se por incluir nos efeitos adversos.

Afecções dos tecidos cutâneos e subcutâneos:
– Rash cutâneo: Frequente;
– Dermatite exfoliativa: Muito raro.

Cerca de 5% dos adultos que receberam ácido para-aminosalicílico apresentaram rashes cutâneos.

Este efeito surge normalmente entre a segunda e sexta semana de tratamento.

Os rashes são maioritariamente do género macular ou morbiliforme e estão frequentemente associados a febre.

Quando se conjugam com linfadenopatias ou esplenomegalia, mimetizam uma mononucleose infecciosa.

Os casos de dermatite exfoliativa podem ser severos.

Doenças endócrinas:
– Hipoglicémia: Muito raro;
– Hipotiroidismo: Raro.

Em doentes diabéticos sob ácido para-aminosalicílico foram relatados casos raros de hipoglicémias que não se resolveram após remoção de antidiabéticos usuais, mas só após descontinuacção do ácido para-aminosalicílico.

A administração prolongada do ácido para-aminosalicílico está associada a inibição da síntese de tiroxina, induzindo hipotiroidismo.

Este efeito pode ser prevenido pela administração desta hormona durante o tratamento.

Doenças do sangue e sistema linfático:
– Agranulocitose: Muito raro;
– Metahemoglobinémia: Muito raro;
– Trombocitopenia, Púrpura trombocitopénica: Muito raro.

Casos isolados na literatura relatam episódios de agranulocitose e metahemoglobinémia.

Acredita-se que o mecanismo de indução de trombocitopenia seja do tipo de reacção de hipersensibilidade, mas não está completamente esclarecido.

Os casos de Púrpura trombocitopénica resultam duma reacção de hipersensibilidade com formação de um anticorpo dirigido ao metabólito acetilado e não ao composto em si.

Doenças do sistema nervoso:
– Psicose, nervite óptica: Muito raro.

Doenças renais e urinárias:
– Cristalúria: Muito raro;
– Alteração da coloração da urina: Muito raro.

A cristalúria pode ser prevenida pela administração de salicilato de sódio ou mantendo a urina com pH alcalino ou neutro.

O ácido para-aminosalicílico pode provocar alteração da coloração da urina para um tom escuro.
Advertências
Insuf. Renal
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Reduzir posologia; não recomendado na IR grave.
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Se está grávida não deve tomar este medicamento.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:O Médico deverá avaliar uma alternativa a este medicamento ou descontinuar a amamentação.
Precauções Gerais
– Insuficiência hepática ou doença hepática activa.

– Úlcera péptica.

– Insuficiência renal.

– Insuficiência cardíaca congestiva.

– Kwashiorkor.

Os doentes devem ser monitorizados cuidadosamente nos primeiros três meses de tratamento com avaliação clínica e laboratorial.
Os pacientes devem ser aconselhados a descontinuar o fármaco aos primeiros sinais de hipersensibilidade.
A dessensibilização pode ser uma forma de contornar a toxicidade do ácido para-aminosalicílico.

Os doentes com doença hepática podem não tolerar tão bem este fármaco, embora se reconheça que o metabolismo hepático do fármaco nestes doentes é comparável ao de indivíduos sem patologia hepática.

Na insuficiência renal grave ocorre acumulação de ácido para amino-salicílico e dos seus metabólitos.
Cuidados com a Dieta
O ácido para-aminosalicílico pode ser administrado com os alimentos.
Terapêutica Interrompida
Caso se tenha esquecido de tomar uma dose tome-a assim que se lembrar, contudo se a altura da próxima toma estiver próxima não tome a dose esquecida.

Não tome uma dose a dobrar para compensar a dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.
Conservar no frigorífico (2ºC - 8ºC). Conservar na embalagem de origem para proteger da luz.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido para-aminosalicílico + Probenecida

Observações: N.D.
Interações: A probenecida parece induzir ao aumento das concentrações plasmáticas do ácido aminosalicilico, todavia este efeito não se encontra comprovado. - Probenecida
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido para-aminosalicílico + Digoxina

Observações: N.D.
Interações: O ácido para-aminosalicílico pode diminuir a absorção gastrointestinal da digoxina, aparentemente por inibir a função de absorção das células intestinais. Doentes sob esta terapia concomitante devem ser sujeitos a monitorização dos valores séricos de digoxina. - Digoxina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido para-aminosalicílico + Etionamida

Observações: N.D.
Interações: A co-administração de ácido para-aminosalicílico e etionamida pode intensificar os efeitos adversos do ácido para-aminosalicílico, maioritariamente os gastrointestinais incluindo icterícia, hepatite, náuseas, vómitos, diarreia, dor abdominal ou anorexia. Estes doentes devem ser monitorizados quanto a estes efeitos e esta associação medicamentosa só deve ser efectuada em doentes com valores basais de provas hepáticas normais, com controlo regular dos mesmos. A etionamida deve ser retirada se estes efeitos surgirem de forma significativa. - Etionamida
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido para-aminosalicílico + Difenidramina

Observações: N.D.
Interações: Este fármaco diminui a absorção gastrointestinal do ácido para-aminosalicílico, não devendo, por isso, ser administrado concomitantemente. - Difenidramina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Isoniazida + Ácido para-aminosalicílico

Observações: A isoniazida é um inibidor do metabolismo hepático de vários fármacos, o que pode potenciar a toxicidade de alguns fármacos tomados concomitantemente. Alimentos ricos em tiramina (queijo e peixe): A isoniazida com o consumo destes alimentos, pode causar elevação dos valores tensionais, taquicardia e rubor facial.
Interações: O ácido para-aminosalicílico (PAS) pode aumentar os níveis séricos de isoniazida, com risco acrescido de toxicidade. - Ácido para-aminosalicílico
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cianocobalamina (Cobalamina, Vitamina B12) + Ácido para-aminosalicílico

Observações: N.D.
Interações: Biguanidinas, ácido p-aminosalicílico, suplementos em potássio, colestiramina, colchicina, neomicina, etanol e fármacos anticonvulsiovantes têm interferido, diminuindo a absorção da cobalamina. Não há evidências de que tenham um efeito significativo na cobalamina dada como terapia. - Ácido para-aminosalicílico
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cianocobalamina (57Co) + Ácido para-aminosalicílico

Observações: N.D.
Interações: Biguanidinas, ácido p-aminosalicílico, suplementos em potássio, colestiramina, colchicina, neomicina, etanol e fármacos Anticonvulsivantes têm interferido, diminuindo a absorção da cobalamina. Não há evidências de que tenham um efeito significativo na cobalamina dada como terapia. - Ácido para-aminosalicílico
Sem efeito descrito

Ácido para-aminosalicílico + Antirretrovirais

Observações: N.D.
Interações: Estudos efectuados em doentes com infecção pelo HIV a tomar antiretrovirais não revelaram interacção medicamentosa relevante entre estes e o ácido para-aminosalicílico. - Antirretrovirais
Usar com precaução

Rifampicina + Ácido para-aminosalicílico

Observações: N.D.
Interações: Quando a rifampicina é tomada juntamente com ácido para-aminosalicílico (PAS), os níveis séricos de rifampicina podem ser mais baixos; portanto, os dois fármacos devem ser tomados separadamente, a intervalos de, pelo menos, quatro horas. - Ácido para-aminosalicílico
Usar com precaução

Tetracaína + Ácido para-aminosalicílico

Observações: N.D.
Interações: O metabolito resultante da hidrólise da tetracaína (ácido para-aminobenzóico) pode antagonizar o efeito do ácido aminosalicílico e das sulfonamidas. - Ácido para-aminosalicílico
Usar com precaução

Bacilo Calmette-Guérin + Ácido para-aminosalicílico

Observações: N.D.
Interações: As bactérias BCG são sensíveis a fármacos antituberculosos (p. ex. etambutol, estreptomicina, ácido p-aminosalicílico, isoniazida e rifampicina), antibióticos, anti-sépticos e lubrificantes. - Ácido para-aminosalicílico
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Ácido para-aminosalicílico

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interacções: toxicidade aumentada do cotrimoxazol com a administração de ácido p-aminosalicílico, barbitúricos ou primidona; - Ácido para-aminosalicílico
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Isoniazida + Pirazinamida + Rifampicina + Ácido para-aminosalicílico

Observações: A rifampicina possui propriedades indutoras enzimáticas, incluindo a indução da delta aminoácido levulínico sintetase. Têm sido registados casos isolados de exacerbação de porfíria com a administração de rifampicina.
Interações: Quando se administra rifampicina em simultâneo com o ácido para-aminosalicílico (PAS), os níveis séricos de rifampicina podem diminuir. Por conseguinte, estes fármacos devem ser tomados com um desfasamento de pelo menos 8 horas. - Ácido para-aminosalicílico
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Isoniazida + Rifampicina + Ácido para-aminosalicílico

Observações: N.D.
Interações: RIFAMPICINA: Quando a rifampicina é tomada com ácido para-aminosalicílico (PAS), os níveis séricos de rifampicina podem baixar. Portanto, estes medicamentos devem ser tomados com um intervalo de pelo menos 8 horas. ISONIAZIDA: Por outro lado, o ácido para-aminosalicílico pode aumentar a concentração plasmática e a semi-vida de eliminação de isoniazida ao competir com as enzimas acetilantes. - Ácido para-aminosalicílico
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Glimepirida + Ácido para-aminosalicílico

Observações: N.D.
Interações: Pode ocorrer uma potenciação do efeito hipoglicemiante e portanto, em alguns casos, hipoglicemia quando um dos seguintes medicamentos é administrado em simultâneo com glimepirida, por exemplo: - fenilbutazona, azapropazona e oxifenobutazona; - insulina e produtos antidiabéticos orais, tal como a metformina; - ácido p-amino-salicílico; - esteroides anabolizantes e hormonas sexuais masculinas; - cloranfenicol, algumas sulfonamidas de acção longa, tetraciclinas, antibióticos da classe das quinolonas e claritromicina; - anticoagulantes cumarínicos; - fenfluramina; - disopiramida; - fibratos; - inibidores da ECA; - fluoxetina, inibidores da MAO; - alopurinol, probenecida, sulfinpirazona; - simpaticolíticos; - ciclofosfamida, trofosfamida e ifosfamidas; - miconazol, fluconazol; - pentoxifilina (doses elevadas por via parentérica); - tritoqualina. - Ácido para-aminosalicílico
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Glimepirida + Pioglitazona + Ácido para-aminosalicílico

Observações: Não existem estudos formais de interação para o Glimepirida / Pioglitazona, contudo, a utilização concomitante das substâncias ativas em doentes em utilização clínica não teve como resultado interações inesperadas. As informações disponíveis são sobre as substâncias ativas individualmente (pioglitazona e glimepirida).
Interações: GLIMEPIRIDA: Potenciação do efeito hipoglicemiante e como tal, em alguns casos, poderá ocorrer hipoglicemia quando uma das seguintes substâncias ativas é tomada, por exemplo: Fenilbutazona, azapropazona e oxifenbutazona; Insulina e outros produtos orais antidiabéticos; Metformina; Salicilatos e ácido p-amino salicílico; Esteróides anabolizantes e hormonas sexuais masculinas; Cloranfenicol; Claritromicina; Anticoagulantes cumarínicos; Disopiramida; Fenfluramina; Fibratos; Inibidores da ECA; Fluoxetina; Alopurinol; Simpatolíticos; Ciclo-, tro e ifosfamidas; Sulfinpirazona; Determinadas sulfonamidas de acção prolongada; tetraciclinas; Inibidores da MAO; Antibióticos que contêm quinolonas; Probenecida; Miconazol; Pentoxifilina (dose elevada, via parentérica); Tritoqualina; Fluconazol. - Ácido para-aminosalicílico
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Glimepirida + Rosiglitazona + Ácido para-aminosalicílico

Observações: Não existem estudos formais de interacção para este medicamento, no entanto o uso concomitante das substâncias activas em doentes em estudos clínicos e na sua vasta utilização clínica não originou interacções inesperadas. Anformação disponível é acerca das substâncias activas individualmente (rosiglitazona e glimepirida).
Interações: GLIMEPIRIDA: Com base na experiência com glimepirida e outras sulfonilureias, deverão ser mencionadas as seguintes interacções. Potenciação do efeito de redução de glucose no sangue, pelo que em alguns casos poderá ocorrer hipoglicemia quando um dos seguintes fármacos é administrado, por exemplo: Fenilbutazona, azapropazona e oxifenbutazona, sulfinpirazona, insulina e medicamentos antidiabéticos, algumas sulfamidas de longa duração, metformina, tetraciclinas, salicilatos e ácido p-amino-salicílico, inibidores da MAO, esteróides anabolizantes e hormonas masculinas, antibióticos quinolonas, cloranfenicol, probenecide, anticoagulantes cumarínicos, miconazol, fenfluramina, pentoxifilina (dose parentérica elevada), fibratos, tritoqualina, inibidores da ECA, fluconazol, fluoxetina, alopurinol, simpaticolíticos, ciclo-, tro- e ifosfamidas. - Ácido para-aminosalicílico
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Ácido para-aminosalicílico
Informe o Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Se está grávida não deve tomar este medicamento.

O Médico deverá avaliar uma alternativa a este medicamento ou descontinuar a amamentação.

Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 26 de Novembro de 2020