Ácido fusídico

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática Uso Hospitalar DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
Ácido fusídico é um antibiótico bacteriostático frequentemente usado topicamente em pomadas e gotas oftálmicas, mas pode ser também administrado de modo sistémico em comprimidos ou injeções.

O problema global do avanço da resistência a antimicrobianos renovou recentemente o interesse na sua utilização.
Usos comuns
Ácido fusídico é um antibiótico e é utilizado nas infecções bacterianas do globo ocular causadas por organismos sensíveis ao ácido fusídico, tais como: conjuntivite, blefarite, terçol, queratite, dacriocistite e infecções associadas à remoção de corpos estranhos.
Tipo
pequena molécula
História
Sem informação.
Indicações
Cutâneo:
Tratamento de infeções primárias da pele, sem gravidade, superficiais, não extensas, causadas por microorganismos sensíveis ao ácido fusídico, especialmente infeções causadas por Staphylococcus.

Oral:
Esta indicado nas infeções da pele e tecidos moles, localizadas ou generalizadas (furúnculos, piodermites, abcessos, foliculites, feridas infetadas, etc.) causadas por estafilococos.
Classificação CFT
01.01.11     Outros antibacterianos e associações 13.01.02     Antibacterianos 15.01.01     Antibacterianos
Mecanismo De Ação
Ácido fusídico pertence a um grupo único de antibióticos, os fusidaninos, que agem inibindo a síntese proteica bacteriana, bloqueando o factor de alongamento G.

A ligação do factor de alongamento G aos ribossomas e GTP é dificultada, em resultado da interrupção do processamento de energia para a síntese de proteínas.

Como é o único produto disponível na família dos fusidaninos, não existem relatos de resistência cruzada ao ácido fusídico.
Posologia Orientativa
Cutâneo:
Aplicar 2 a 3 vezes ao dia, nas zonas afectadas, durante o mínimo de oito dias.

Oral:
1 comprimido revestido duas vezes por dia durante 10 dias.
Administração
A pele descoberta deve ser tratada 3 vezes por dia para conseguir uma concentração adequada de antibiótico no local infectado.

Se a pele for envolvida com um penso (ou ligadura penso protectora), uma aplicação menos frequente, pode ser suficiente.

O creme está especialmente indicado para aplicação em zonas expostas.
Contraindicações
Hipersensibilidade ao ácido fusídico.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Cutânea:
Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos:

Pouco frequente:
– Prurido
– Irritação da pele
– Erupção cutânea
– Pele seca.

Raro:
– Sensação passageira de queimadura ou de formigueiro na pele
– Dermatite de contacto
– Eczema
– Eritema
– Urticaria
– Edema Angioneurotico
– Edema periorbital
– Doenças do sistema imunitário.

Raro: Reacções de hipersensibilidade.
Oral:
– Afeções hepatobiliares.

Frequência desconhecida:
– Colestase.
– Afeções musculoesqueléticas, do tecido conjuntivo e ósseas.

Frequência desconhecida:
– Rabdomiólise (exemplos de sinais e sintomas são: astenia e edema muscular, mialgias, escurecimento da urina, mioglobinúria, creatinina quinase sérica elevada, insuficiência renal aguda, arritmia cardíaca). A Rabdomiólise pode ser fatal.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Desconhece-se se é perigoso; usar apenas se o benefício potencial ultrapassar os riscos. Risco fetal desconhecido, por falta de estudos alargados. Pode ser administrado durante a gravidez se considerado necessário.
Aleitamento
Aleitamento:Evitar; presente no leite. Pode ser usado durante o período de aleitamento materno, se a terapêutica for de curto prazo e se o creme for aplicado em pequenas áreas.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Evitar ou reduzir a dose; excreção biliar; risco de hepatotoxicidade.
Precauções Gerais
Cutâneo:
O ácido fusídico creme não deve ser aplicado nos olhos, nem na face interna das pálpebras.

Quando o creme de ácido fusídico de 20 mg / g for aplicado no rosto, devem ser tomados cuidados para evitar o contacto com os olhos, pela possível irritação da conjuntiva por acção do ácido fusídico.

Oral:
Dado que o comprimido revestido é metabolizado no fígado e é essencialmente excretado pela bílis, devem ser efetuados testes periódicos à função hepática, nos doentes com insuficiência hepática ou perturbações das vias biliares se o produto for administrado em altas doses por longos períodos de tempo, ou se for administrado em associação com outros antibióticos que sejam excretados pela mesma via, como por exemplo a lincomicina e a rifampicina.

In vitro, o Ácido fusídico desloca a bilirrubina das ligações de albumina.
O significado clínico deste facto não é conhecido, e não foi observado nenhum caso de Kernicterus em crianças recém-nascidas que tenham utilizado Ácido fusídico.

Esta observação deve contudo, ser tomada em consideração sempre que a substância seja administrada a crianças prematuras, ou a crianças com icterícia, acidose, ou outras doenças graves.

Este medicamento contém lactose mono-hidratada.
Doentes com problemas hereditários raros de intolerância à galactose, deficiência de lactase ou malabsorção de glucose-galactose não devem tomar este medicamento.
Cuidados com a Dieta
Não relevante.
Terapêutica Interrompida
Cutânea: Logo que possa, deve aplicar a quantidade de Ácido fusídico, de acordo com o esquema estabelecido. Não aplique uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de aplicar.

Oral: Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora do alcance e da vista das crianças.
Não necessita de precauções especiais de conservação.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Ácido acetilsalisílico + Atorvastatina + Ramipril + Ácido fusídico

Observações: N.D.
Interações: Não foram realizados estudos de interação com atorvastatina e ácido fusídico. Como com outras estatinas, foram notificados na experiência pós-comercialização acontecimentos relacionados com os músculos incluindo rabdomiólise, com atorvastatina e ácido fusídico administrados simultaneamente. O mecanismo desta interação não é conhecido. Os doentes devem ser monitorizados frequentemente, podendo ser apropriada a suspensão temporária do tratamento com atorvastatina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido fusídico + Anticoagulantes orais (Derivados da Cumarina)

Observações: N.D.
Interações: Este medicamento administrado por via sistémica e concomitantemente com anticoagulantes orais, tais como os derivados cumarínicos ou anticoagulantes com ação semelhante, poderá aumentar a concentração sérica destes agentes desenvolvendo o efeito anticoagulante. Poderá ser necessário proceder ao ajuste da dose do anticoagulante oral de modo a manter o nível desejado de anticoagulação. O mecanismo desta suposta interação permanece desconhecido. As interações do metabolismo hepático deste medicamento são desconhecidas. No entanto, suspeita-se de uma interação entre este medicamento e medicamentos biotransformados pelo CYP-3A4. Presume-se que o mecanismo desta ação seja uma inibição mútua do metabolismo. O uso do comprimido revestido deve ser evitado em doentes tratados com medicamentos biotransformados pelo CYP-3A4.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido fusídico + Ciclosporina

Observações: N.D.
Interações: Existem relatos de casos em que a coadministração por via sistémica deste medicamento e de Ciclosporina causa o aumento da concentração sérica de Ciclosporina.

Ácido fusídico + Inibidores da HMG-CoA redutase (Estatinas)

Observações: N.D.
Interações: A coadministração por via sistémica deste medicamento e de inibidores da HMG-CoA Redutase, tais como as estatinas, causa o aumento significativo das concentrações séricas de ambos os agentes. Isto pode resultar no aumento da creatinina quinase e no risco de rabdomiólise, astenia muscular e mialgias. Como tal, o tratamento concomitante com estatinas está contraindicado.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido fusídico + Inibidores da Protease (IP)

Observações: N.D.
Interações: A coadministração por via sistémica deste medicamento e de inibidores da protease HIV, tais como Ritonavir e Saquinavir, causam o aumento das concentrações séricas de ambos os agentes o que pode resultar em hepatotoxicidade.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido fusídico + Ritonavir

Observações: N.D.
Interações: A coadministração por via sistémica deste medicamento e de inibidores da protease HIV, tais como Ritonavir e Saquinavir, causam o aumento das concentrações séricas de ambos os agentes o que pode resultar em hepatotoxicidade.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido fusídico + Saquinavir

Observações: N.D.
Interações: A coadministração por via sistémica deste medicamento e de inibidores da protease HIV, tais como Ritonavir e Saquinavir, causam o aumento das concentrações séricas de ambos os agentes o que pode resultar em hepatotoxicidade.

Amlodipina + Atorvastatina + Ácido fusídico

Observações: Os dados de um estudo de interação fármaco-fármaco que envolveu 10 mg de amlodipina e 80 mg de atorvastatina em indivíduos saudáveis indicam que a farmacocinética da amlodipina não é alterada quando os fármacos são coadministrados. Não foi demonstrado nenhum efeito da amlodipina na Cmáx da atorvastatina, mas a AUC da atorvastatina aumentou 18% (IC 90% [109-127%]) na presença de amlodipina. Não foi realizado nenhum estudo de interação medicamentosa com a associação fixa de amlodipina e atorvastatina e outros fármacos, embora tenham sido realizados estudos com os componentes individuais amlodipina e atorvastatina.
Interações: Interações relacionadas com a ATORVASTATINA: Ácido fusídico: Não foram realizados estudos de interação com atorvastatina e ácido fusídico. Como com outras estatinas, foram notificados eventos relacionados com os músculos, incluindo rabdomiólise, na experiência pós-comercialização com atorvastatina e ácido fusídico administrados concomitantemente. O mecanismo desta interação não é conhecido. Os doentes deverão ser alvo de uma monitorização apertada e poderá ser apropriada uma suspensão temporária do tratamento com atorvastatina.

Atorvastatina + Ácido fusídico

Observações: N.D.
Interações: Ácido Fusídico: Não foram efetuados estudos de interação entre a atorvastatina e o ácido fusídico. Assim como para outras estatinas, foram notificados, na experiência de pós-comercialização, acontecimentos relacionados com os músculos, incluindo rabdomiólise, devido à administração concomitante de atorvastatina e o ácido fusídico. O mecanismo de interação não é conhecido. Os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados e a suspensão temporária da terapêutica com atorvastatina pode ser adequada.

Atorvastatina + Ezetimiba + Ácido fusídico

Observações: N.D.
Interações: Efeitos de outros medicamentos: ATORVASTATINA: Ácido fusídico: Não foram efetuados estudos de interação entre a atorvastatina e o ácido fusídico. Assim como para outras estatinas, foram notificados acontecimentos relacionados com os músculos, incluindo rabdomiólise, na experiência de pós-comercialização com a atorvastatina e o ácido fusídico administrados concomitantemente. O mecanismo desta interação não é conhecido. Os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados e a suspensão temporária da terapêutica com este medicamento pode ser adequada.

Atorvastatina + Perindopril + Amlodipina + Ácido fusídico

Observações: Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com Atorvastatina / Perindopril / Amlodipina e outros medicamentos, embora alguns estudos tenham sido realizados com atorvastatina, perindopril e amlodipina separadamente.
Interações: Utilização concomitante que requer CUIDADOS ESPECIAIS: ATORVASTATINA: Ácido Fusídico: Não foram efetuados estudos de interação entre a atorvastatina e o ácido fusídico. Assim como para outras estatinas, foram notificados, na experiência de pós-comercialização, acontecimentos relacionados com os músculos, incluindo rabdomiólise, devido à administração concomitante de atorvastatina e o ácido fusídico. O mecanismo de interação não é conhecido. Os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados e a suspensão temporária da terapêutica com Atorvastatina / Perindopril / Amlodipina pode ser adequada.
 Potencialmente Fatal

Fenofibrato + Sinvastatina + Ácido fusídico

Observações: Não foram realizados estudos de interação com Fenofibrato / Sinvastatina. Interações relevantes para monoterapias. A sinvastatina é um substrato do citocromo P4503A4. O fenofibrato e a sinvastatina não são inibidores nem indutores do CYP3A4. Deste modo, não se espera que Fenofibrato / Sinvastatina afete as concentrações plasmáticas de substâncias metabolizadas pelo CYP3A4. O fenofibrato e a sinvastatina não são inibidores do CYP2D6, do CYP2E1 nem do CYP1A2. O fenofibrato é um inibidor ligeiro a moderado do CYP2C9 e um inibidor fraco do CYP2C19 e do CYP2A6. Devem monitorizar-se atentamente os doentes a quem são administrados concomitantemente Fenofibrato / Sinvastatina e fármacos metabolizados pelo CYP2C19, pelo CYP2A6 ou, sobretudo, pelo CYP2C9 com um índice terapêutico estreito e, se necessário, recomenda-se um ajuste da dose destes fármacos.
Interações: O risco de miopatia, incluindo rabdomiólise, pode aumentar com a administração concomitante de ácido fusídico sistémico e estatinas. A administração concomitante desta combinação pode aumentar as concentrações plasmáticas de ambos os fármacos. O mecanismo desta interação (independentemente de ser farmacodinâmica ou farmacocinética, ou ambas) ainda não é conhecido. Foram relatados casos de rabdomiólise (incluindo algumas mortes) em doentes que receberam esta combinação. Se for necessário o tratamento com ácido fusídico, o Fenofibrato / Sinvastatina deve ser descontinuado enquanto durar o tratamento com ácido fusídico.

Indinavir + Ácido fusídico

Observações: n.d.
Interações: Adicionalmente, indinavir com ritonavir não deve ser administrado com alfuzosina, meperidina, piroxicam, propoxifeno, bepridilo, encainida, flecainida, propafenona, quinidina, ácido fusídico, clozapina, clorazepato, diazepam, estazolam e flurazepam.

Lopinavir + Ritonavir + Ácido fusídico

Observações: N.D.
Interações: Os medicamentos que estão especificamente contraindicados, por se esperar interação importante e potencial para acontecimentos adversos graves: Ácido fusídico: Concentrações plasmáticas aumentadas de ácido fusídico. A administração concomitante com ácido fusídico é contraindicada nas infeções dermatológicas.

Ombitasvir + Paritaprevir + Ritonavir + Ácido fusídico

Observações: Os estudos de interação medicamentosa só foram realizados em adultos. Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir foi administrado em doses múltiplas em todos os estudos de interação medicamentosa, com exceção dos estudos de interação medicamentosa com carbamazepina, gemfibrozil e cetoconazol.
Interações: Interações entre Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir e outros medicamentos ANTIBIÓTICOS (ADMINISTRAÇÃO SISTÉMICA): Ácido Fusídico: Mecanismo: inibição de CYP3A4 pelo ritonavir. Administrado com: Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir. Não estudado. A utilização concomitante está contraindicada.

Pitavastatina + Ácido fusídico

Observações: A pitavastatina é activamente transportada para os hepatócitos humanos por diversos transportadores hepáticos (incluindo transportadores orgânicos aniónicos polipeptídicos (OATP)), os quais podem estar envolvidos nas seguintes interações. Estudos de interacção com o sumo de toranja, inibidor conhecido do CYP3A4, não tive qualquer efeito clinicamente significativo nas concentrações plasmáticas de pitavastatina.
Interações: Têm sido relatados problemas musculares graves tais como rabdomiólise atribuídos a interações entre o ácido fusídico e as estatinas. Recomenda-se uma suspensão temporária de pitavastatina durante o tratamento com ácido fusídico.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Pravastatina + Fenofibrato + Ácido fusídico

Observações: Não foram realizados estudos formais de interacção para Pravastatina/Fenofibrato; contudo, a utilização concomitante das substâncias activas em doentes em estudos clínicos não resultou em quaisquer interações inesperadas.
Interações: Interações relevantes para a pravastatina: Ácido Fusídico: A interação medicamentosa entre a pravastatina e o ácido fusídico pode levar a um aumento do risco de rabdomiólise. O risco de miopatia incluindo rabdomiólise pode ser aumentado pela administração concomitante por via sistémica de ácido fusídico e estatinas. A coadministração desta associação pode provocar o aumento das concentrações plasmáticas de ambos os agentes. O mecanismo desta interação (seja ela farmacodinâmica ou farmacocinética, ou ambas) é ainda desconhecido. Foram notificados casos de rabdomiólise (incluindo alguns casos fatais) em doentes que receberam esta associação. Se for necessário o tratamento com o ácido fusídico, o tratamento com estatinas deverá ser interrompido durante o tempo de tratamento com o ácido fusídico.

Ritonavir + Ácido fusídico

Observações: n.d.
Interações: Efeitos do Ritonavir nos Medicamentos Não Antirretrovirais Coadministrados: Anti-infeciosos: Ácido fusídico: É possível que a coadministração de ritonavir resulte em concentrações plasmáticas aumentadas tanto do ácido fusídico como do ritonavir, pelo que é contraindicada.

Rosuvastatina + Valsartan + Ácido fusídico

Observações: Não foram efetuados estudos de interação com Rosuvastatina / Valsartan e outros medicamentos. Os estudos de interação só foram realizados em adultos. A extensão das interações na população pediátrica não é conhecida.
Interações: Ácido fusídico: O risco de miopatia, incluindo rabdomiólise, pode ser aumentado pela administração concomitante de ácido fusídico sistémico com estatinas. O mecanismo desta interação (se é farmacodinâmico, farmacocinético ou ambos) ainda é desconhecido. Foram notificados casos de rabdomiólise (incluindo alguns casos fatais) em doentes medicados com esta associação. Se for necessário o tratamento com ácido fusídico, o tratamento com rosuvastatina deverá ser interrompido durante o período de duração do tratamento com ácido fusídico.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Saquinavir + Ácido fusídico

Observações: A maioria dos estudos de interação medicamentosa com saquinavir foi desenvolvida com saquinavir não potenciado ou com saquinavir cápsulas moles não potenciado. Um número reduzido de estudos foi desenvolvido com saquinavir potenciado com ritonavir ou com saquinavir cápsulas moles potenciado com ritonavir. Os dados obtidos a partir dos estudos de interação medicamentosa realizados com saquinavir não potenciado podem não ser representativos dos efeitos observados com a terapêutica de saquinavir/ritonavir. Adicionalmente, os resultados observados com saquinavir cápsulas moles podem não ser preditivos relativamente à magnitude destas interações com saquinavir/ritonavir.
Interações: Antibióticos: Ácido fusídico (saquinavir/ritonavir) Não estudada. A coadministração de ácido fusídico e saquinavir/ritonavir pode causar aumento da concentração plasmática do ácido fusídico e saquinavir/ritonavir.

Sinvastatina + Ezetimiba + Ácido fusídico

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Interações farmacocinéticas: Interações Medicamentosas Associadas com o Risco Aumentado de Miopatia/Rabdomiólise: Outros Fibratos: Ácido fusídico: Não recomendados com Sinvastatina / Ezetimiba. SINVASTATINA: Ácido fusídico: O risco de miopatia, incluindo rabdomiólise, pode ser aumentado pela administração concomitante de ácido fusídico sistémico com estatinas. A administração concomitante desta associação pode originar o aumento das concentrações plasmáticas de ambos os fármacos. O mecanismo desta interação (se é farmacodinâmico, farmacocinético ou ambos) ainda é desconhecido. Foram notificados casos de rabdomiólise (incluindo alguns casos fatais) em doentes medicados com esta associação. Se for necessário o tratamento com ácido fusídico, o tratamento com Sinvastatina / Ezetimiba deverá ser interrompido durante o período de duração do tratamento com ácido fusídico.

Sugamadex + Ácido fusídico

Observações: N.D.
Interações: A informação nesta secção baseia-se na afinidade de ligação entre sugamadex e outros fármacos, experiências não clínicas, estudos clínicos e simulações usando um modelo que tem em conta o efeito farmacodinâmico dos agentes bloqueadores neuromusculares e a interação farmacocinética entre os agentes bloqueadores neuromusculares e sugamadex. Com base nestes dados, não se preveem interações farmacodinâmicas clinicamente significativas com outros fármacos, com exceção das seguintes: Para o toremifeno e ácido fusídico não são de excluir as interações por deslocamento (não se esperam interações por captura clinicamente relevantes). Administração intravenosa de ácido fusídico: O uso de ácido fusídico no pré-operatório pode causar algum prolongamento na recuperação da relação T 4 /T 1 para 0,9. Não se prevê recorrência do bloqueio neuromuscular no pós-operatório, uma vez que a taxa de perfusão do ácido fusídico dura por um período de várias horas e os níveis sanguíneos são cumulativos por 2-3 dias.

Atorvastatina + Perindopril + Ácido fusídico

Observações: Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com este medicamento e outros medicamentos, embora alguns estudos tenham sido realizados com atorvastatina e perindopril separadamente. Os dados de estudos clínicos demonstram que o duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) através da utilização combinada de IECAs, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno está associado ao aumento da frequência de eventos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia, diminuição da função renal (incluindo insuficiência renal aguda) comparativamente com a utilização de um único medicamento que atua no SRAA.
Interações: Utilização concomitante que requer cuidados especiais: Atorvastatina Ácido Fusídico Assim como para outras estatinas, foram notificados, na experiência de pós-comercialização, acontecimentos relacionados com os músculos, incluindo rabdomiólise, devido à administração concomitante de atorvastatina e o ácido fusídico. O mecanismo de interação não é conhecido. Não é recomendada a administração concomitante de Atorvastatina + Perindopril e ácido fusídico. Quando a descontinuação do Atorvastatina + Perindopril é requerida, deve ser considerada a passagem para o componente individual, perindopril. A terapêutica com a estatina pode ser retomada 7 dias após a última dose do ácido fusídico.
Informe o Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar, tiver tomado recentemente, ou se vier a tomar outros medicamentos.

O Ácido fusídico administrado sistemicamente durante o terceiro trimestre de gravidez pode, com base na atividade farmacológica, ter um risco de hiperbilirrubinemia no recém-nascido.

Pode ser usado durante o período de aleitamento materno, se a terapêutica for de curto prazo e se o creme for aplicado em pequenas áreas.

Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017