Similares Químicos

Produtos com a mesma molécula e do mesmo Grupo Terapêutico

Similares Terapêuticos

Produtos do mesmo Grupo Terapêutico

TREVICTA®

Paliperidona

JANSSEN
Medicamento com Advertência na Gravidez Medicamento com Advertência no Aleitamento Medicamento com Advertência na Insuficiência Renal Medicamento com Advertência na Condução Medicamento Sujeito a Receita Médica (MSRM) Clique para ver o Folheto Informativo:  TREVICTA®
O que é
A Paliperidona é o metabolito ativo principal da risperidona, um dos antipsicóticos mais antigos.

Embora o seu mecanismo específico de ação seja desconhecido, acredita-se que a Paliperidona e risperidona atuam através caminhos semelhantes, se não os mesmos.

Tem sido proposto que a atividade terapêutica do fàrmaco na esquizofrenia é mediada através de um centro de combinação de dopamina tipo 2 (D2) e do tipo 2 da serotonina (5HT2A) o antagonismo do recetor.

A paliperidona também é ativa como um antagonista de alfa 1 e alfa 2 adrenérgicos e histaminérgicos H1, o que pode explicar alguns dos outros efeitos da substância.
Usos comuns
A Paliperidona é utilizado para tratar os sintomas de distúrbios psicóticos, tais como esquizofrenia.

Pode ser usado isoladamente ou em conjunto com outros medicamentos para o tratamento de doentes com transtorno esquizoafetivo.

Paliperidona não deve ser utilizado para o tratamento de problemas comportamentais em doentes adultos mais velhos que têm demência ou doença de Alzheimer.

Paliperidona está disponível apenas com prescrição médica.
Tipo
pequena molécula
Indicações
É indicado para o tratamento da esquizofrenia em adultos.

É indicado para o tratamento de sintomas psicóticos ou maníacos da perturbação esquizoafetiva em adultos.

O efeito nos sintomas depressivos não foi demonstrado.
Classificação CFT
02.09.02 : Antipsicóticos
Mecanismo de ação
A paliperidona é o principal metabólito ativo da risperidona.

O mecanismo de ação da paliperidona, como com outras substâncias que possuem eficácia na esquizofrenia, é desconhecida, mas tem sido proposto que a atividade terapêutica da substância na esquizofrenia é mediada através de uma combinação de dopamina central de Tipo 2 (D2) e do tipo de serotonina 2 (5HT2A antagonismo do recetor).
Posologia orientativa
A dose de paliperidona será diferente para diferentes pacientes.
Siga as ordens do seu médico ou as instruções da etiqueta.

As informações a seguir inclui apenas as doses médias de paliperidona.
Se a sua dose é diferente, não mude a não ser que o seu médico lhe diga para o fazer.

A quantidade de medicamento que toma depende da força do medicamento.
Além disso, o número de doses que toma a cada dia, o intervalo entre doses, e a duração do tratamento com o medicamento depende do problema médico para o qual está a usá-lo.

Para forma de dosagem oral (comprimidos de liberação prolongada):
Para a esquizofrenia:
Adultos - 6 miligramas (mg) uma vez por dia, todas as manhãs.
Alguns pacientes podem necessitar de 3 mg por dia.
O seu médico pode ajustar a dose se necessário.
No entanto, a dose geralmente não é mais do que 12 mg por dia.

Adolescentes de 12 a 17 anos de idade, pesando 51 kg (112 libras) ou mais - 3 mg uma vez por dia, todas as manhãs.

O seu médico pode aumentar a dose se necessário.
No entanto, a dose geralmente não é mais do que 12 mg por dia.

Adolescentes de 12 a 17 anos de idade com peso inferior a 51 kg (112 libras) - 3 mg uma vez por dia, todas as manhãs.

O seu médico pode aumentar a dose se necessário.
No entanto, a dose é geralmente não mais do que 6 mg por dia.

Crianças com menos de 12 anos de idade - uso e dose deve ser determinada pelo seu médico.

Para transtorno esquizoafetivo:
Adultos - 6 miligramas (mg) uma vez por dia, todas as manhãs.

Alguns pacientes podem necessitar de 3 mg por dia.
O seu médico pode ajustar a dose se necessário.
No entanto, a dose geralmente não é mais do que 12 mg por dia.

Crianças - uso e dose deve ser determinada pelo médico.
Administração
É administrado por via oral.

Deve ser engolido inteiro com líquido, e não pode ser mastigado, dividido ou esmagado.

A substância ativa encontra-se dentro de uma cápsula não absorvível, concebida para libertar a substância ativa de forma controlada.

O revestimento do comprimido, em conjunto com os componentes insolúveis do núcleo, é eliminado pelo organismo; os doentes não devem ficar preocupados se ocasionalmente notarem a presença de algo que se assemelhe a um comprimido nas suas fezes.

A administração deve ser padronizada em relação à ingestão de alimentos.

O doente deve ser instruído a tomar sempre em jejum ou em conjunto com o pequeno-almoço, e a nunca alternar a forma da toma do medicamento com ou sem alimentos.
Contraindicações
Hipersensibilidade à substância ativa, à risperidona
Efeitos indesejáveis/adversos
Obtenha ajuda médica de emergência se tiver algum destes sinais de reação alérgica: urticária, dificuldade em respirar, inchaço do rosto, lábios, língua ou garganta.

Pare de usar a paliperidona e chame seu médico imediatamente se tiver um efeito adverso grave, tais como:
– músculos muito duros (rígidos), febre alta, sudorese, confusão, batimentos cardíacos rápidos ou irregulares, com a sensação de que vai desmaiar;
– movimentos musculares inquietos nos olhos, língua, mandíbula ou no pescoço;
– tremor (agitação descontrolada);
– dificuldade em engolir;
– dormência ou fraqueza súbita, especialmente em um lado do corpo;
– dor de cabeça súbita e severa ou problemas com a visão, discurso ou o equilíbrio;
– febre, calafrios, dores no corpo, sintomas de gripe, ou
– manchas brancas ou feridas dentro de sua boca ou nos lábios.

Efeitos secundários menos graves podem incluir:
– inchaço da mama ou a descarga;
– mudanças nos períodos menstruais;
– agitação leve, sonolência ou tremores;
– visão turva;
– tontura ou dor de cabeça;
– ganho de peso;
– náuseas, boca seca, dor de estômago, ou
– diminuição do desejo sexual, impotência ou dificuldade de ter um orgasmo.

Esta não é uma lista completa dos efeitos secundários e outros podem ocorrer.
Advertências
Gravidez
Gravidez:
Gravidez:Evitar. Toxicidade em estudos animais; usar apenas se o benefício potencial for superior ao risco. Risco fetal desconhecido, por falta de estudos alargados.
Aleitamento
Aleitamento:
Aleitamento:Presente no leite; o produtor recomenda evitar.
Insuf. Renal
Insuf. Renal:
Insuf. Renal:Dose inicial – 3 mg, 1 vez/dia (dose máxima – 6 mg , 1 vez/dia) para 50 ≤ Cl cr < 80 ml/minuto. Dose inicial – 1,5 mg, 1 vez/dia (dose máxima – 3 mg , 1 vez/dia) para 10 ≤ Cl cr < 50 ml/minuto. Não recomendado para Cl cr < 10 ml/min (não há informação).
Conducao
Conducao:
Conducao:Pode alterar a capacidade de condução.
Precauções gerais
É muito importante que o seu médico verifique o progresso do tratamento em visitas regulares para certificar-se que a paliperidona está a funcionar corretamente.

Podem ser necessários exames de sangue para verificar se há efeitos indesejáveis.

Pare de tomar paliperidona e fale com o seu médico imediatamente se ocorrer algum dos seguintes sintomas durante a utilização de paliperidona: crises (convulsões), dificuldade de respiração, um batimento cardíaco rápido, febre alta, pressão arterial alta ou baixa, aumento da transpiração, perda de controle da bexiga, rigidez severa do músculo, pele pálida ou cansaço.

Estes podem ser sintomas de uma doença grave chamada síndrome maligno dos neurolépticos (SMN).

Paliperidona pode causar discinesia tardia (um distúrbio de movimento).

Fale com o seu médico imediatamente se ocorrer algum dos seguintes sintomas enquanto estiver a tomar paliperidona: estalar ou franzir os lábios, soprar das bochechas, movimentos rápidos ou vermiforme da língua, movimentos de mastigação não controlados ou movimentos descontrolados dos braços e pernas.

Para os pacientes diabéticos: paliperidona pode afetar os níveis de açúcar no sangue.

Fale com o médico imediatamente se tiver aumento da sede ou aumento da frequência urinária.

Se notar uma mudança nos resultados dos testes de urina ou de açúcar no sangue ou se tiver alguma dúvida, consulte o seu médico.

Tonturas, vertigens ou desmaios podem ocorrer, especialmente quando se levantar de uma posição deitada ou sentada de repente.
Levantar-se lentamente pode ajudar.
Se o problema persistir ou piorar, consulte o seu médico.

A paliperidona pode reduzir temporariamente o número de glóbulos brancos no sangue, aumentando a hipótese de contrair uma infeção.
Se puder, evite o contacto com pessoas com infeções.

Fale com o médico imediatamente se suspeitar uma infeção ou se tiver febre ou calafrios, tosse ou rouquidão, dor na parte inferior das costas ou de lado, dificuldades ou dor ao urinar.

Paliperidona pode causar tonturas, sonolência, problemas com o pensamento, ou dificuldade em controlar os movimentos do corpo.

Certifique-se de como reage a paliperidona antes de conduzir, utilizar máquinas ou fazer qualquer outra coisa que exija estado de vigilância, bem coordenado ou capaz de pensar ou ver também.

A paliperidona pode levar algumas pessoas a agitação, irritação ou apresentar outros comportamentos anormais.

Também pode causar pensamentos e tendências suicidas ou tornar-se mais deprimido.
Informe o seu médico imediatamente se estes efeitos surgirem.

Paliperidone irá adicionar aos efeitos do álcool e outros depressores do SNC (medicamentos que provocam sonolência e estar menos alerta).
Alguns exemplos de depressores do SNC são anti-histamínicos ou medicamentos para alergias ou constipações; sedativos, tranquilizantes, medicamentos para dormir; medicamentos prescritos para a dor, incluindo outros narcóticos; medicamentos para convulsões (por exemplo, barbitúricos); relaxantes musculares ou anestésicos, incluindo alguns anestésicos dentários.
Fale com seu médico antes de tomar qualquer um dos acima enquanto estiver a tomar paliperidona.

Paliperidona pode reduzir a transpiração.
Seu corpo pode ficar muito quente, se não houver bastante transpiração.
Se o corpo ficar muito quente, pode sentir tonturas, fraqueza, cansaço e confusão.
Pode causar vómitos ou ter dores de estômago.
Não é recomendado ficar muito quente enquanto pratica exercício.
Evite locais quentes.
Fale com o seu médico imediatamente se ficar muito quente e não conseguir baixar a temperatura.

Paliperidona pode aumentar o peso.
O médico poderá necessitar de verificar o seu peso regularmente enquanto estiver a tomar paliperidona.

Se os sintomas não melhorarem ou se piorar, consulte o médico.

Não tome outros medicamentos que não tenham sido discutidos com o médico.
Isso inclui medicamentos de venda livre, medicamentos e ervas ou suplementos vitamínicos.
Cuidados com a dieta
Nunca alternar a forma da toma do medicamento com ou sem alimentos.

O álcool deve ser evitado quando tomar este medicamento.
Resposta à overdose
Procurar atendimento médico de emergência ou ligar para o Centro de intoxicações.

Não existe um antídoto específico para a paliperidona.

Devem ser utilizadas medidas de apoio gerais.

Estabelecer e manter a via respiratória desimpedida e assegurar uma oxigenação e ventilação adequadas.

A monitorização cardiovascular deve ser iniciada imediatamente e deve incluir uma monitorização eletrocardiográfica contínua para detetar possíveis arritmias.

A hipotensão e colapso circulatório devem ser tratados através de medidas apropriadas, tais como, fluído intravenoso e/ou agentes simpatomiméticos.

A lavagem gástrica (após intubação caso o doente se encontre inconsciente) e a administração de carvão ativado em conjunto com um laxante devem ser consideradas.

Em caso de sintomas extrapiramidais graves, deve ser administrado um agente anticolinérgico.

A supervisão e monitorização cuidadosa devem continuar até à recuperação do doente.
Terapêutica interrompida
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.

Se falhar uma dose, tome a próxima dose no dia seguinte ao da dose que falhou.

Se falhar duas ou mais doses, contacte o seu médico.
Cuidados no armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Frascos: Não conservar acima dos 30°C.

Manter o frasco bem fechado para proteger da humidade.

Blisters: Não conservar acima dos 30°C.

Conservar na embalagem de origem para proteger da humidade.
Espectro de susceptibilidade e tolerância bacteriológica
Sem informação.

Paliperidona + Antiarrítmicos

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se precaução ao prescrever Paliperidona com medicamentos que prolonguem o intervalo QT, como por exemplo antiarrítmicos de classe IA (p.ex. quinidina, disopiramida) e antiarrítmicos de classe III (p.ex. amiodarona, sotalol), alguns antihistamínicos, outros antipsicóticos e alguns antimaláricos (p.ex., mefloquina).

Paliperidona + Medicamentos que prolongam o intervalo QT

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se precaução ao prescrever Paliperidona com medicamentos que prolonguem o intervalo QT, como por exemplo antiarrítmicos de classe IA (p.ex. quinidina, disopiramida) e antiarrítmicos de classe III (p.ex. amiodarona, sotalol), alguns antihistamínicos, outros antipsicóticos e alguns antimaláricos (p.ex., mefloquina).

Paliperidona + Quinidina

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se precaução ao prescrever Paliperidona com medicamentos que prolonguem o intervalo QT, como por exemplo antiarrítmicos de classe IA (p.ex. quinidina, disopiramida) e antiarrítmicos de classe III (p.ex. amiodarona, sotalol), alguns antihistamínicos, outros antipsicóticos e alguns antimaláricos (p.ex., mefloquina).

Paliperidona + Disopiramida

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se precaução ao prescrever Paliperidona com medicamentos que prolonguem o intervalo QT, como por exemplo antiarrítmicos de classe IA (p.ex. quinidina, disopiramida) e antiarrítmicos de classe III (p.ex. amiodarona, sotalol), alguns antihistamínicos, outros antipsicóticos e alguns antimaláricos (p.ex., mefloquina).

Paliperidona + Amiodarona

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se precaução ao prescrever Paliperidona com medicamentos que prolonguem o intervalo QT, como por exemplo antiarrítmicos de classe IA (p.ex. quinidina, disopiramida) e antiarrítmicos de classe III (p.ex. amiodarona, sotalol), alguns antihistamínicos, outros antipsicóticos e alguns antimaláricos (p.ex., mefloquina).

Paliperidona + Sotalol

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se precaução ao prescrever Paliperidona com medicamentos que prolonguem o intervalo QT, como por exemplo antiarrítmicos de classe IA (p.ex. quinidina, disopiramida) e antiarrítmicos de classe III (p.ex. amiodarona, sotalol), alguns antihistamínicos, outros antipsicóticos e alguns antimaláricos (p.ex., mefloquina).

Paliperidona + Antihistamínicos

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se precaução ao prescrever Paliperidona com medicamentos que prolonguem o intervalo QT, como por exemplo antiarrítmicos de classe IA (p.ex. quinidina, disopiramida) e antiarrítmicos de classe III (p.ex. amiodarona, sotalol), alguns antihistamínicos, outros antipsicóticos e alguns antimaláricos (p.ex., mefloquina).

Paliperidona + Antipsicóticos

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se precaução ao prescrever Paliperidona com medicamentos que prolonguem o intervalo QT, como por exemplo antiarrítmicos de classe IA (p.ex. quinidina, disopiramida) e antiarrítmicos de classe III (p.ex. amiodarona, sotalol), alguns antihistamínicos, outros antipsicóticos e alguns antimaláricos (p.ex., mefloquina). Tendo em conta os efeitos primários no SNC da paliperidona, Paliperidona deve ser utilizado com precaução quando combinado com outros medicamentos de ação central, como por exemplo ansiolíticos, a maioria dos antipsicóticos, hipnóticos, opiáceos, etc. ou álcool. Devido ao seu potencial para induzir hipotensão ortostática, pode ser observado um efeito aditivo quando Paliperidona é administrado com outros agentes terapêuticos que apresentem o mesmo potencial, p.ex. Outros antipsicóticos, tricíclicos.

Paliperidona + Antimaláricos (antipalúdicos)

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se precaução ao prescrever Paliperidona com medicamentos que prolonguem o intervalo QT, como por exemplo antiarrítmicos de classe IA (p.ex. quinidina, disopiramida) e antiarrítmicos de classe III (p.ex. amiodarona, sotalol), alguns antihistamínicos, outros antipsicóticos e alguns antimaláricos (p.ex., mefloquina).

Paliperidona + Mefloquina

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se precaução ao prescrever Paliperidona com medicamentos que prolonguem o intervalo QT, como por exemplo antiarrítmicos de classe IA (p.ex. quinidina, disopiramida) e antiarrítmicos de classe III (p.ex. amiodarona, sotalol), alguns antihistamínicos, outros antipsicóticos e alguns antimaláricos (p.ex., mefloquina). Recomenda-se precaução quando paliperidona é associada com outros medicamentos conhecidos por baixarem o limiar de convulsões (ex: fenotiazinas ou butirofenonas, clozapina, tricíclicos ou ISRS, tramadol, mefloquina, etc.).
Sem significado Clínico

Paliperidona + Citocromo P450

Observações: N.D.
Interações: Potencial da interação de Paliperidona com outros medicamentos: Pensa-se que a paliperidona não causa interações farmacocinéticas clinicamente importantes em relação a medicamentos que são metabolizados por isoenzimas do citocromo P-450. Os estudos in vitro indicam que a paliperidona não é um indutor da atividade de CYP1A2.

Paliperidona + Ansiolíticos

Observações: N.D.
Interações: Tendo em conta os efeitos primários no SNC da paliperidona, Paliperidona deve ser utilizado com precaução quando combinado com outros medicamentos de ação central, como por exemplo ansiolíticos, a maioria dos antipsicóticos, hipnóticos, opiáceos, etc. ou álcool.

Paliperidona + Hipnóticos

Observações: N.D.
Interações: Tendo em conta os efeitos primários no SNC da paliperidona, Paliperidona deve ser utilizado com precaução quando combinado com outros medicamentos de ação central, como por exemplo ansiolíticos, a maioria dos antipsicóticos, hipnóticos, opiáceos, etc. ou álcool.

Paliperidona + Opiáceos

Observações: N.D.
Interações: Tendo em conta os efeitos primários no SNC da paliperidona, Paliperidona deve ser utilizado com precaução quando combinado com outros medicamentos de ação central, como por exemplo ansiolíticos, a maioria dos antipsicóticos, hipnóticos, opiáceos, etc. ou álcool.

Paliperidona + Álcool

Observações: N.D.
Interações: Tendo em conta os efeitos primários no SNC da paliperidona, Paliperidona deve ser utilizado com precaução quando combinado com outros medicamentos de ação central, como por exemplo ansiolíticos, a maioria dos antipsicóticos, hipnóticos, opiáceos, etc. ou álcool.

Paliperidona + Levodopa

Observações: N.D.
Interações: A paliperidona pode antagonizar o efeito da levodopa e de outros agonistas da dopamina. Caso esta combinação seja considerada necessária, especialmente no caso da doença de Parkinson em fase terminal, deverá ser prescrita a dose mínima eficaz de cada tratamento.

Paliperidona + Dopamina

Observações: N.D.
Interações: A paliperidona pode antagonizar o efeito da levodopa e de outros agonistas da dopamina. Caso esta combinação seja considerada necessária, especialmente no caso da doença de Parkinson em fase terminal, deverá ser prescrita a dose mínima eficaz de cada tratamento.

Paliperidona + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: N.D.
Interações: Devido ao seu potencial para induzir hipotensão ortostática, pode ser observado um efeito aditivo quando Paliperidona é administrado com outros agentes terapêuticos que apresentem o mesmo potencial, p.ex. Outros antipsicóticos, tricíclicos. Recomenda-se precaução quando paliperidona é associada com outros medicamentos conhecidos por baixarem o limiar de convulsões (ex: fenotiazinas ou butirofenonas, clozapina, tricíclicos ou ISRS, tramadol, mefloquina, etc.).

Paliperidona + Fenotiazidas (fenotiazinas)

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se precaução quando paliperidona é associada com outros medicamentos conhecidos por baixarem o limiar de convulsões (ex: fenotiazinas ou butirofenonas, clozapina, tricíclicos ou ISRS, tramadol, mefloquina, etc.).

Paliperidona + Butirofenonas

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se precaução quando paliperidona é associada com outros medicamentos conhecidos por baixarem o limiar de convulsões (ex: fenotiazinas ou butirofenonas, clozapina, tricíclicos ou ISRS, tramadol, mefloquina, etc.).

Paliperidona + Clozapina

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se precaução quando paliperidona é associada com outros medicamentos conhecidos por baixarem o limiar de convulsões (ex: fenotiazinas ou butirofenonas, clozapina, tricíclicos ou ISRS, tramadol, mefloquina, etc.).

Paliperidona + Inibidores Selectivos da Recaptação da Serotonina (ISRS) (SSRIs)

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se precaução quando paliperidona é associada com outros medicamentos conhecidos por baixarem o limiar de convulsões (ex: fenotiazinas ou butirofenonas, clozapina, tricíclicos ou ISRS, tramadol, mefloquina, etc.).

Paliperidona + Tramadol

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se precaução quando paliperidona é associada com outros medicamentos conhecidos por baixarem o limiar de convulsões (ex: fenotiazinas ou butirofenonas, clozapina, tricíclicos ou ISRS, tramadol, mefloquina, etc.).

Paliperidona + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Não foram realizados estudos de interação entre o Paliperidona e o lítio. No entanto, é improvável que ocorra uma interação farmacocinética.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paliperidona + Ácido Valpróico (Valproato de sódio)

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante de Paliperidona 12 mg, uma vez ao dia, com comprimidos de libertação prolongada de divalproato de sódio (500 mg a 2000 mg uma vez ao dia) não afetou a farmacocinética no estado estacionário do valproato. A administração concomitante de Paliperidona com comprimidos de libertação prolongada de divalproato de sódio aumentou a exposição à paliperidona. A administração concomitante de uma única dose de Paliperidona 12 mg com comprimidos de libertação prolongada de divalproato de sódio (dois comprimidos de 500 mg uma vez ao dia) resultou num aumento de aproximadamente 50% na Cmax e AUC da paliperidona. Deve considerar-se uma redução da posologia de Paliperidona quando este é administrado de forma concomitante com valproato após avaliação clínica.

Paliperidona + Paroxetina

Observações: N.D.
Interações: Potencial da interação de outros medicamentos com Paliperidona: Os estudos in vitro indicam que a CYP2D6 e a CYP3A4 podem estar envolvidas de forma mínima no metabolismo da paliperidona, no entanto, não existem indicações in vitro ou in vivo de que estas isoenzimas desempenham um papel significativo no metabolismo da paliperidona. A administração concomitante de Paliperidona com paroxetina, um inibidor potente de CYP2D6, não apresentou qualquer efeito clínico significativo na farmacocinética da paliperidona.

Paliperidona + Inibidores do CYP2D6

Observações: N.D.
Interações: Potencial da interação de outros medicamentos com Paliperidona: Os estudos in vitro indicam que a CYP2D6 e a CYP3A4 podem estar envolvidas de forma mínima no metabolismo da paliperidona, no entanto, não existem indicações in vitro ou in vivo de que estas isoenzimas desempenham um papel significativo no metabolismo da paliperidona. A administração concomitante de Paliperidona com paroxetina, um inibidor potente de CYP2D6, não apresentou qualquer efeito clínico significativo na farmacocinética da paliperidona.
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paliperidona + Carbamazepina

Observações: N.D.
Interações: Potencial da interação de outros medicamentos com Paliperidona: Os estudos in vitro demonstraram que a paliperidona é um substrato da P-glicoproteína (P-gp). A administração concomitante de Paliperidona, uma vez por dia, com 200 mg de carbamazepina, duas vezes por dia, causou uma diminuição de aproximadamente 37% na média da Cmáx no estado estacionário e da AUC da paliperidona. Esta diminuição é causada em grande parte por um aumento de 35% na depuração renal de paliperidona, provavelmente como um resultado da indução da P-gp renal pela carbamazepina. Uma diminuição pouco significativa na excreção da substância ativa na forma inalterada na urina sugere que houve pouco efeito no metabolismo do citocromo ou na biodisponibilidade da paliperidona durante a administração concomitante com carbamazepina. No entanto podem ocorrer diminuições maiores nas concentrações plasmáticas de paliperidona com doses mais elevadas de carbamazepina. No início da administração da carbamazepina, a dose de Paliperidona deve ser reavaliada e aumentada, se necessário. Da mesma forma, na suspensão da administração da carbamazepina a dose de Paliperidona deve ser reavaliada e diminuída, se necessário.

Paliperidona + Hipericão

Observações: N.D.
Interações: Potencial da interação de outros medicamentos com Paliperidona: Demora 2-3 semanas a ser alcançada uma indução completa e depois da suspensão do indutor o efeito desaparece após um período de tempo semelhante. Outros medicamentos indutores ou medicamentos indutores à base de plantas, como por exemplo rifampicina e hipericão (Hipericum perforatum) poderão ter efeitos semelhantes sobre a paliperidona.

Paliperidona + Rifampicina

Observações: N.D.
Interações: Potencial da interação de outros medicamentos com Paliperidona: Demora 2-3 semanas a ser alcançada uma indução completa e depois da suspensão do indutor o efeito desaparece após um período de tempo semelhante. Outros medicamentos indutores ou medicamentos indutores à base de plantas, como por exemplo rifampicina e hipericão (Hipericum perforatum) poderão ter efeitos semelhantes sobre a paliperidona.

Paliperidona + Metoclopramida

Observações: N.D.
Interações: Potencial da interação de outros medicamentos com Paliperidona: Medicamentos que afetam o tempo de trânsito intestinal podem afetar a absorção de paliperidona, como por exemplo a metoclopramida.

Paliperidona + Risperidona

Observações: N.D.
Interações: Utilização concomitante de Paliperidona com risperidona: Não é recomendada a utilização concomitante de Paliperidona com risperidona oral, uma vez que a paliperidona é o metabolito ativo da risperidona e a combinação dos dois fármacos pode conduzir a uma exposição adicional de paliperidona.

Risperidona + Paliperidona

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: A utilização concomitante de Risperidona oral com paliperidona não é recomendada porque a paliperidona é um metabolito ativo da risperidona e a associação dos dois medicamentos pode conduzir a exposição aditiva à fração antipsicótica ativa.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017