Similares Químicos

Produtos com a mesma molécula e do mesmo Grupo Terapêutico

Similares Terapêuticos

Produtos do mesmo Grupo Terapêutico

RISPERDAL®

Risperidona

JANSSEN
Medicamento com Advertência na Gravidez Medicamento com Advertência no Aleitamento Medicamento com Advertência na Insuficiência Hepática Medicamento com Advertência na Insuficiência Renal Medicamento com Advertência na Condução Medicamento Sujeito a Receita Médica (MSRM) Clique para ver o Folheto Informativo:  RISPERDAL®
O que é
Risperidona é um derivado de benzisoxazole, um fármaco antipsicótico atípico com elevada afinidade para recetores 5-hidrotriptamina (5-HT) e os recetores da dopamina D2.

É usado principalmente no tratamento da esquizofrenia, comportamento inapropriado na demência grave e episódios maníacos associados com transtorno bipolar I.

A Risperidona é eficaz para tratar os sintomas positivos e negativos da esquizofrenia, devido à sua afinidade para a sua afinidade de ligação "solta" para os recetores da dopamina D2, e o antagonismo de 5-HT adicional em comparação com os antipsicóticos de primeira geração, que são fortes, antagonistas do recetor de dopamina D2 não específicos.
Usos comuns
Risperidona é utilizado para tratar as seguintes condições:
Esquizofrenia, na qual pode ver, ouvir ou sentir coisas que não existem, acreditar em coisas que não são verdade, sentir uma desconfiança que não é habitual ou sentir-se confuso.


Mania, na qual pode sentir-se muito excitado, eufórico, agitado, cheio de entusiasmo ou hiperativo.

A mania ocorre numa doença chamada “doença bipolar”.


Tratamento de curta duração (até 6 semanas) na agressão prolongada em pessoas com demência de Alzheimer, que se lesam a si próprias ou outros.

Devem ter sido utilizados previamente tratamentos alternativos (não medicamentosos).


Tratamento de curta duração (até 6 semanas) na agressão prolongada em crianças (pelo menos com 5 anos de idade) e adolescentes intelectualmente incapacitados, com perturbações da conduta.
Tipo
pequena molécula
Indicações
Risperidona é indicado para o tratamento da esquizofrenia.


Risperidona é indicado para o tratamento de episódios maníacos moderados a graves associados a doenças bipolares.


Risperidona é indicado para o tratamento de curta duração (até 6 semanas) da agressão persistente em doentes com demência de Alzheimer moderada a grave que não respondem a abordagens não farmacológicas e nos casos em que existe um risco de lesão dos próprios ou de outros.


Risperidona é indicado no tratamento sintomático de curta duração (até 6 semanas) da agressão persistente na perturbação da conduta em crianças a partir dos 5 anos de idade e em adolescentes com função intelectual abaixo da média ou com atraso mental diagnosticados de acordo com os critérios do DSM-IV, nos quais a gravidade dos comportamentos agressivos ou disruptivos exige tratamento farmacológico.

O tratamento farmacológico deve constituir uma parte integrante de um programa terapêutico mais abrangente, incluindo intervenção psicossocial e educacional.

Recomenda-se que a risperidona seja prescrita por um especialista em Neurologia Infantil e em Psiquiatria da Infância e Adolescência ou por médicos que estejam familiarizados com o tratamento de perturbações da conduta em crianças e adolescentes.
Classificação CFT
02.09.02 : Antipsicóticos
Mecanismo de ação
A risperidona é um antagonista seletivo monoaminérgico com propriedades únicas.

Tem uma alta afinidade para os recetores serotoninérgicos 5-HT2 e dopaminérgicos D2.

A risperidona liga-se também aos recetores adrenérgicos alfa1 e, com menor afinidade, aos recetores histaminérgicos H1 e adrenérgicos alfa2.

A risperidona não possui afinidade para os recetores colinérgicos.

Embora a risperidona seja um antagonista potente dos recetores D2, o que é considerado melhorar os sintomas positivos da esquizofrenia, causa menos depressão da atividade motora e indução da catalepsia do que os antipsicóticos clássicos.

O equilíbrio do antagonismo da serotonina e da dopamina a nível central pode diminuir a tendência para efeitos secundários extrapiramidais e ampliar a atividade terapêutica para os sintomas negativos e afetivos da esquizofrenia.
Posologia orientativa
Esquizofrenia
Adultos
Risperidona pode ser administrado uma ou duas vezes por dia.
Os doentes devem iniciar o tratamento com 2 mg por dia de Risperidona. A posologia pode ser aumentada no segundo dia para 4 mg.

Idosos
Recomenda-se uma dose inicial de 0,5 mg duas vezes por dia. Esta posologia pode ser ajustada individualmente com incrementos de 0,5 mg duas vezes por dia até 1 mg a 2 mg duas vezes por dia.

População pediátrica
Risperidona não é recomendado em crianças com idade inferior a 18 anos com
esquizofrenia devido à ausência de dados de segurança e eficácia.


Episódios maníacos na doença bipolar
Adultos
Risperidona deve ser administrado uma vez por dia, com uma dose inicial de 2 mg de risperidona.

Idosos
Recomenda-se uma dose inicial de 0,5 mg duas vezes por dia. Esta posologia pode ser ajustada individualmente com incrementos de 0,5 mg duas vezes por dia até 1 mg a 2 mg duas vezes por dia.

População pediátrica
Risperidona não é recomendado em crianças com idade inferior a 18 anos com mania bipolar devido à ausência de dados de eficácia.


Agressão persistente em doentes com demência de Alzheimer moderada a grave
Recomenda-se uma dose inicial de 0,25 mg duas vezes por dia. Se necessário, esta posologia pode ser ajustada individualmente em incrementos de 0,25 mg duas vezes por dia, com uma frequência não superior a dias alternados. A dose ótima é de 0,5 mg duas vezes por dia na maioria dos doentes.


Perturbação da conduta
Crianças e adolescentes com idade entre os 5 e 18 anos
Em indivíduos com um peso igual ou superior a 50 kg, recomenda-se uma dose inicial de 0,5 mg uma vez por dia. Se necessário, esta posologia pode ser ajustada individualmente em incrementos de 0,5 mg uma vez por dia, com uma frequência não superior a dias alternados. A dose ótima é de 1 mg uma vez por dia para a maioria dos doentes.
Administração
Risperidona é para ser administrado por via oral.

Deve engolir o comprimido com água.

Os alimentos não afetam a absorção de Risperidona.

Aconselha-se o desmame gradual na altura da interrupção.
Contraindicações
Hipersensibilidade à risperidona.
Efeitos indesejáveis/adversos
Muito frequente (afeta mais do que 1 utilizador em 10)
- Parkinsonismo.

Este é um termo médico que inclui muitos sintomas.

Cada sintoma pode ocorrer numa frequência inferior a 1 em 10 pessoas.

Parkinsonismo inclui: aumento da secreção da saliva ou boca molhada, rigidez musculoesquelética, babar, apresentar contrações involuntárias aquando a flexão dos membros, atraso, diminuição ou compromisso dos movimentos corporais, ausência de expressão facial, contração muscular, rigidez do pescoço, rigidez muscular, passos pequenos, arrastados ou precipitados e ausência de movimentos normais dos braços ao caminhar, pestanejar persistente em resposta a estímulo da testa (um reflexo anormal).


- Dores de cabeça, dificuldades em adormecer ou em dormir.


Frequentes (afeta 1 a 10 utilizadores em 100):
- Sonolência cansaço, inquietação, incapacidade de permanecer quieto, irritabilidade, ansiedade, vontade de dormir, tonturas, falta de atenção, sensação de exaustão, alterações do sono, tremor;
- Vómitos, diarreia, obstipação, náuseas, aumento do apetite, dor abdominal ou desconforto, garganta irritada, boca seca;
- Aumento de peso, aumento da temperatura corporal, diminuição do apetite;
- Dificuldade em respirar, infeção pulmonar (pneumonia), gripe, infeção das vias respiratórias, visão turva, congestão nasal, sangramento do nariz, tosse;
- Infeção do trato urinário, incontinência urinária durante a noite;
- Espasmo muscular, movimentos involuntários da face, braços e pernas, dores das articulações, dores de costas, inchaço dos braços e pernas, dor dos braços e pernas;
- Erupção cutânea e vermelhidão da pele;
- Batimentos cardíacos rápidos e dores no peito;
- Aumento dos níveis da hormona prolactina no sangue.


Pouco frequentes (afeta 1 a 10 utilizadores em 1.000):
- Beber água em excesso, sede, incontinência fecal, fezes muito duras, agravamento de perturbações da voz;
- Infeção dos pulmões provocada por inalação de alimentos para as vias respiratórias, infeção da bexiga, olho vermelho, infeção do canal sinusoidal, infeção viral, infeção do ouvido, infeção da amígdala, infeção subcutânea, infeção ocular, infeção do estômago, corrimento ocular, infeção das unhas por fungos;
- Condução elétrica anormal do coração, descida da pressão arterial ao levantar-se, pressão arterial baixa, sensação de tontura após mudança da posição do corpo, registo anormal da atividade elétrica do coração (ECG), alteração dos batimentos cardíacos, sensação dos batimentos do coração, aumento ou diminuição do ritmo cardíaco;
- Incontinência urinária, dor ao urinar, urinar com frequência;
- Confusão, perturbações da atenção, baixo nível de consciência, sono em demasia, nervosismo, humor exultante (mania), falta de energia e de interesse;
- Aumento do açúcar do sangue, diminuição das enzimas do fígado, diminuição da contagem de glóbulos brancos, hemoglobina e contagem de glóbulos vermelhos baixa (anemia), aumento dos eosinófilos (um tipo de glóbulos brancos), diminuição da creatinina fosfocinase do sangue, diminuição das plaquetas (células do sangue que ajudam a parar as hemorragias);
- Fraqueza muscular, dor muscular, dor de ouvidos, dor de pescoço, inchaço das
articulações, postura anormal, rigidez das articulações, dor musculoesquelética do peito, desconforto no peito, rouquidão;
- Lesão da pele, alteração da pele, pele seca, comichão intensa da pele, acne, perda de cabelo, inflamação da pele provocada por ácaros, descoloração da pele, espessamento da pele, rubor, redução da sensibilidade da pele à dor ou ao toque, inflamação da pele oleosa;
- Falta de menstruação, disfunção sexual, disfunção erétil, alterações da ejaculação, corrimento da mama, aumento da mama no homem, diminuição do desejo sexual, menstruação irregular, corrimento vaginal;
- Desmaio, alterações do modo de andar, apatia, diminuição do apetite resultando em má nutrição e baixo peso corporal, sentir-se mal, alterações do equilíbrio, alergia, edema, alterações do discurso, arrepios, coordenação anormal;
Sensibilidade dolorosa à luz, aumento da circulação sanguínea no olho, inchaço do olho, aumento das lágrimas;
- Alteração das vias respiratórias, congestão pulmonar, ruído do pulmão, congestão das vias respiratórias, dificuldades no discurso, dificuldades em engolir, tosse com expetoração, ruído durante a respiração, síndrome gripal, congestão sinusoidal;
- Não resposta a estímulo, perda de consciência, inchaço repentino dos lábios e olhos em simultâneo com dificuldades em respirar, fraqueza repentina ou perda de sensibilidade da face, braços ou pernas, especialmente num dos lados, instantes de discurso sem sentido, que duram menos de 24 horas (chamado acidente vascular cerebral menor ou acidente vascular cerebral), movimentos involuntários da face, braços, pernas, zumbidos nos ouvidos, edema da face.


Raros (afeta 1 a 10 utilizadores em 10.000):
- Incapacidade de atingir o orgasmo, alterações menstruais;
Caspa;
- Alergia a fármacos, arrefecimento dos braços e pernas, inchaço dos lábios, inflamação dos lábios;
- Glaucoma, redução da claridade visual, formação de crostas nas extremidades dos olhos, rotação ocular;
- Perda de emoções;
- Alteração do estado de consciência com diminuição da temperatura corporal e rigidez muscular, edema generalizado, síndrome de abstinência, diminuição da temperatura corporal;
- Respiração rápida e pouco profunda, dificuldades em respirar durante o sono;
- Obstrução do intestino;
- Redução do fluxo sanguíneo no cérebro;
- Diminuição dos glóbulos brancos, secreção inapropriada da hormona que controla o volume da urina;
- Quebra das fibras musculares e dores musculares (rabdomiólise), alterações do movimento;
- Coma devido a diabetes não controlada;
- Amarelecimento da pele e dos olhos (icterícia);
- Inflamação do pâncreas.


Muito raros (afeta menos de 1 utilizador em 10.000):
- Complicações que podem colocar a vida em risco devido a diabetes não controlada.


Frequência desconhecida (frequência não pode ser calculada a partir dos dados disponíveis)
- Reação alérgica grave resultando em dificuldade de respiração e choque;
- Inexistência de granulócitos (um tipo de glóbulos brancos que o ajuda contra as infeções);
- Ereção prolongada e dolorosa;
- Ingestão de água excessiva e prejudicial.


- Coágulos nas veias, especialmente nas pernas (sintomas incluem inchaço, dor e vermelhidão na perna), que se podem deslocar pelos vasos sanguíneos até aos pulmões e causar dor no peito e dificuldade em respirar.

Se detetar algum destes sintomas, procure aconselhamento médico de imediato.


RISPERIDONA INJETÁVEL
Os seguintes efeitos secundários foram rcomunicados com risperidona injetável, uma injeção de longa duração.

Fale com o seu médico se sentir algum dos seguintes efeitos secundários, mesmo que não esteja a tomar risperidona injetável, uma injeção de longa duração.


- Infeção do intestino;
- Abcesso sob a pele, formigueiro pontadas e dormência da pele, inflamação da pele;
- Diminuição da contagem dos glóbulos brancos que o ajudam a proteger contra as infeções bacterianas;
- Depressão;
- Convulsão;
- Pestanejar incontrolável dos olhos;
- Sensação de andar à roda;
- Diminuição dos batimentos cardíacos e aumento da pressão arterial;
- Dores de dentes e espasmo da língua;
- Dores nas nádegas;
- Aumento de peso.
Advertências
Gravidez
Gravidez:
Gravidez:Não existem estudos apropriados que documentem o risco destes fármacos na gravidez; a utilização terá em conta a natureza e gravidade da doença de base. Risco fetal desconhecido, por falta de estudos alargados.
Aleitamento
Aleitamento:
Aleitamento:Evitar; Ver Antipsicóticos; presente no leite.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:
Insuf. Hepática:Iniciar com 500 mcg, 2 vezes/dia; não exceder 2 mg/dia.
Insuf. Renal
Insuf. Renal:
Insuf. Renal:Dose inicial – 0,5 mg, 2 vezes/dia; aumentar a intervalos regulares até 1 a 2 mg, 2 vezes/dia.
Conducao
Conducao:
Conducao:Altera a capacidade de condução.
Precauções gerais
Doentes idosos com demência
Aumento da mortalidade em idosos com demência
Numa meta-análise envolvendo 17 ensaios controlados com fármacos psicóticos atípicos, incluindo a Risperidona, observou-se que os doentes idosos com demência tratados com antipsicóticos atípicos apresentam uma mortalidade aumentada em comparação com o placebo.

Em ensaios controlados com placebo com Risperidona oral nesta população, a incidência de mortalidade foi de 4,0% para os doentes tratados com Risperidona em comparação com 3,1% para os doentes tratados com placebo.

A razão da probabilidade (intervalo de confiança exato de 95%) foi de 1,21 (0,71; 2,1).

A idade média (intervalo) dos doentes que morreram foi de 86 anos (intervalo de 67-100).

Dados de dois estudos observacionais de grandes dimensões mostraram que os idosos com demência tratados com antispicóticos convencionais também apresentam um pequeno risco de morte em comparação com aqueles que não são tratados.

Os dados existentes são insuficientes para dar uma estimativa firme da magnitude precisa do risco e desconhece-se qual a causa do risco aumentado.

Não é clara a extensão em que os dados de mortalidade aumentada verificados nos estudos observacionais podem ser atribuídos ao fármaco antipsicótico por oposição a alguma(s) característica(s) dos doentes.



Utilização concomitante com furosemida
Nos ensaios com Risperidona, controlados com placebo, realizados em doentes idosos com demência, observou-se uma incidência mais elevada de mortalidade em doentes tratados com furosemida mais risperidona (7,3%; idade média: 89 anos, intervalo: 75-97) quando comparada com a incidência em doentes tratados com risperidona isolada (3,1%;
idade média: 84 anos, intervalo: 70-96) ou com furosemida isolada (4,1%; idade média:
80 anos, intervalo: 67-90).

O aumento da mortalidade em doentes tratados com furosemida mais risperidona foi observado em dois dos quatro ensaios clínicos.

A utilização concomitante de risperidona com outros diuréticos (principalmente diuréticos tiazídicos utilizados em dose baixa) não foi associada a observações semelhantes.


Não se identificou um mecanismo fisiopatológico que explicasse este resultado e não se observou um padrão consistente relacionado com a causa de morte.

Contudo, devem tomar-se precauções e ter-se em consideração os riscos e benefícios desta associação ou do tratamento concomitante com outros diuréticos potentes antes de se tomar a decisão de os utilizar.

Não se observou um aumento da incidência de mortalidade em doentes medicados com outros diuréticos concomitantemente com risperidona.


Independentemente do tratamento, a desidratação constituiu um fator de risco global de mortalidade e deve ser cuidadosamente evitada em doentes idosos com demência.



Acontecimentos adversos vasculares cerebrais (AAVC)
Observou-se um aumento aproximadamente 3 vezes superior dos acontecimentos adversos vasculares cerebrais em ensaios clínicos aleatorizados e controlados com placebo na população com demência, com alguns antipsicóticos atípicos.

Os dados combinados de seis estudos controlados com placebo, com Risperidona, realizados principalmente em doentes idosos (>65 anos) com demência, indicaram que os AAVC (graves e não graves combinados) ocorreram em 3,3% (33/1009) dos doentes tratados com risperidona e em 1,2% (8/712) dos doentes tratados com placebo.

A razão de probabilidades (intervalo de confiança exato de 95%) foi de 2,96 (1,34; 7,50).


Desconhece-se qual é o mecanismo deste risco acrescido.

Não se pode excluir um risco acrescido com outros antipsicóticos ou noutras populações de doentes.

Risperidona deve ser utilizada com precaução em doentes com fatores de risco de acidentes vasculares cerebrais.


O risco de AAVC foi significativamente mais elevado em doentes com demência de tipo misto ou vascular quando comparado com o risco na demência de Alzheimer Portanto, doentes com outros tipos de demência que não seja a demência de Alzheimer não devem ser tratados com risperidona.


Os médicos são aconselhados a avaliar os riscos e benefícios da utilização de risperidona em doentes idosos com demência, tendo em consideração os preditores de risco de acidentes vasculares cerebrais em cada doente individual.

Os doentes e prestadores de cuidados devem ser aconselhados a comunicar imediatamente sinais e sintomas de potenciais AAVC, como aparecimento súbito de fraqueza ou dormência na face, braços ou pernas e problemas da fala ou visão.

Todas as opções de tratamento devem ser imediatamente consideradas, incluindo interrupção da risperidona.


Risperidona deve ser utilizado apenas a curto prazo no caso de agressão persistente em doentes com demência de Alzheimer moderada ou grave, como suplemento de abordagens não farmacológicas que tiveram eficácia limitada ou nenhuma eficácia, e quando existe um risco potencial de lesão do próprio ou de outros.


Os doentes devem ser avaliados regularmente e a necessidade de continuação do tratamento deve ser reavaliada.



Hipotensão ortostática
Devido à atividade alfa-bloqueante da risperidona, pode ocorrer hipotensão ortostática, especialmente durante o período inicial de titulação da dose.

Após a comercialização, observou-se hipotensão clinicamente significativa com a utilização concomitante de risperidona e tratamento anti-hipertensor.

A risperidona deve ser utilizada com precaução em doentes com doença cardiovascular conhecida (ex., insuficiência cardíaca, enfarte do miocárdio, anomalias da condução, desidratação, hipovolemia ou doença vascular cerebral), e a posologia deve ser titulada gradualmente como recomendado.

Deve considerar-se uma diminuição da dose se ocorrer hipotensão.



Discinesia tardia/Sintomas extrapiramidais (DT/SE)
Os medicamentos com propriedades antagonistas dos recetores da dopamina foram associados à indução de discinesia tardia, caracterizada por movimentos rítmicos involuntários, principalmente da língua e/ou da face.


O aparecimento de sintomas extrapiramidais é um fator de risco de discinesia tardia.

Se surgirem sinais e sintomas de discinesia tardia, deve considerar-se a interrupção de todos os antipsicóticos.



Síndrome neuroléptica maligna (SNM)
A ocorrência de síndrome neuroléptica maligna, caracterizada por hipertermia, rigidez muscular, instabilidade do sistema autónomo, alteração da consciência e níveis séricos elevados da creatina fosfoquinase, foi comunicada com antipsicóticos.

Sinais adicionais podem incluir mioglobinúria (rabdomiólise) e insuficiência renal aguda.

Nesta eventualidade, todos os antipsicóticos incluindo Risperidona devem ser interrompidos.



Doença de Parkinson e demência com corpos de Lewy
Os médicos devem avaliar cuidadosamente os riscos em relação aos benefícios ao prescreverem antipsicóticos, incluindo a risperidona, a doentes com doença de Parkinson ou com Demência com Corpos de Lewy.

A doença de Parkinson pode agravar com a risperidona.

Os dois grupos podem estar em risco acrescido de Síndrome Neuroléptica Maligna, assim como podem ter uma maior sensibilidade a medicamentos antipsicóticos;
estes doentes foram excluídos dos ensaios clínicos.

A manifestação desta maior sensibilidade pode incluir confusão, obnubilação, instabilidade postural com quedas frequentes, além de sintomas extrapiramidais.



Hiperglicemia e diabetes mellitus
Foram relatadas hiperglicemia, diabetes mellitus e exacerbação de diabetes pré-existente durante o tratamento com Risperidona.

Em alguns casos, foi referido um aumento de peso corporal anterior o qual poderá ser um fator de predisposição.

A associação com cetoacidose foi referida muito raramente e raramente com coma diabético.

É aconselhável uma monitorização clínica apropriada de acordo com as diretrizes utilizadas com os antipsicóticos.

Os doentes tratados com quaisquer antipsicóticos atípicos, incluindo a Risperidona, devem ser monitorizados em termos de sintomas de hiperglicemia (tais como, polidipsia, poliúria, polifagia e fraqueza) e os doentes com diabetes mellitus devem ser monitorizados regularmente para ver se há um agravamento do controlo da glucose.



Aumento de peso
Foi referido aumento de peso significativo com a utilização de Risperidona.

O peso deve ser monitorizado regularmente.



Hiperprolactinemia
Estudos com culturas de tecidos sugerem que o crescimento celular em tumores mamários humanos pode ser estimulado pela prolactina.

Embora, até à data, não se tenha demonstrado uma associação clara com a administração de antipsicóticos em estudos clínicos e epidemiológicos, recomenda-se precaução em doentes com antecedentes médicos relevantes.

A risperidona deve ser utilizada com precaução em doentes com hiperprolactinemia preexistente e em doentes com possíveis tumores dependentes da prolactina.



Prolongamento do intervalo QT
O prolongamento do intervalo QT foi notificado muito raramente após comercialização.


Como com outros antipsicóticos, devem tomar-se precauções quando a risperidona é prescrita em doentes com doença cardiovascular conhecida, antecedentes familiares de prolongamento de QT, bradicardia ou desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), porque pode aumentar o risco de efeitos arritmogénicos, e também quando é utilizada em concomitância com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT.



Convulsões
A risperidona deve ser utilizada com precaução em doentes com antecedentes de convulsões ou de outras afeções com o potencial para diminuir o limiar convulsivo.



Priapismo
Pode ocorrer priapismo com o tratamento com Risperidona devido aos seus efeitos de bloqueio alfa-adrenérgico.



Tromboembolia venosa:
Casos de tromboembolia venosa (TEV) foram notificados com antipsicóticos.

Como os doentes tratados com antipsicóticos apresentam frequentemente fatores de risco adquiridos de TEV, todos os possíveis fatores de risco de TEV devem ser identificados antes e durante o tratamento com Risperidona Accord e tomadas as medidas preventivas.



Regulação da temperatura corporal
A perturbação da capacidade do organismo para diminuir a temperatura corporal central foi atribuída a medicamentos antipsicóticos.

Aconselham-se os cuidados apropriados ao prescrever-se Risperidona a doentes que estarão sujeitos a condições que podem contribuir para uma elevação da temperatura corporal central, como por exemplo, exercícios físicos intensos, exposição a calor extremo, administração concomitante de medicamentos com atividade anticolinérgica ou que estarão sujeitos a desidratação.



Crianças e adolescentes
Antes de se prescrever risperidona a uma criança ou a um adolescente com perturbações da conduta, deverão ser submetidos a uma avaliação completa das causas físicas e sociais do comportamento agressivo, como dor ou exigências ambientais inapropriadas.


O efeito sedativo da risperidona deve ser monitorizado frequentemente nesta população devido às possíveis consequências na capacidade de aprendizagem.

Uma mudança da hora de administração da risperidona pode melhorar o impacto da sedação na capacidade de atenção das crianças e adolescentes.


A risperidona foi associada a aumentos médios do peso corporal e do índice de massa corporal (IMC).

As alterações da altura, observadas nos estudos de prolongamento aberto a longo prazo, estavam dentro dos valores previstos apropriados para a idade.

O efeito do tratamento prolongado com risperidona na maturação sexual e na altura não foi devidamente estudado.


Devido aos efeitos potenciais da hiperprolactinemia prolongada sobre o crescimento e a maturação sexual em crianças e adolescentes, deve considerar-se a avaliação clínica regular do estado endocrinológico, incluindo medições da altura, peso, maturação sexual, monitorização da função menstrual, e de outros efeitos relacionados com a prolactina.


Durante o tratamento com risperidona também se devem efetuar exames regulares para deteção de sintomas extrapiramidais e de outras perturbações do movimento.


Relativamente às recomendações posológicas específicas em crianças e adolescentes.

Os doentes com problemas hereditários raros de intolerância à galactose, deficiência de lactase de Lapp ou malabsorção de glucose-galactose não devem tomar este medicamento.

Os comprimidos de 2 mg e de 6 mg contêm o corante amarelo sunset FCF (E110), que pode causar reações alérgicas.
Cuidados com a dieta
Pode tomar este medicamento com ou sem alimentos.

Deve evitar beber álcool quando estiver a tomar Risperidona.
Resposta à overdose
Procurar atendimento médico de emergência, ou ligue para o Centro de intoxicações.

Sintomas
Em geral, os sinais e sintomas descritos são aqueles resultantes de uma exacerbação dos efeitos farmacológicos conhecidos da risperidona.

Estes incluem sonolência e sedação, taquicardia e hipotensão, e sintomas extrapiramidais.

Em caso de sobredosagem, foi notificado prolongamento do intervalo QT e convulsões.

Casos de Torsade de Pointes foram notificados em associação com sobredosagem combinada de Risperidona e paroxetina.

Em casos de sobredosagem aguda deve ser considerada a possibilidade de envolvimento de múltiplos fármacos.


Tratamento
Devem ser estabelecidas e mantidas desimpedidas as vias aéreas assegurando uma oxigenação e ventilação adequadas.

Recomenda-se lavagem gástrica (após entubação, se o doente estiver inconsciente) e administração de carvão ativado juntamente com um laxante, apenas quando o fármaco tiver sido ingerido há menos de uma hora.

Deve iniciar-se de imediato monitorização cardiovascular e deverá incluir monitorização eletrocardiográfica contínua para detetar possíveis arritmias.

Não existe nenhum antídoto específico para Risperidona.

Assim, recomenda-se o uso de medidas de suporte adequadas.

A hipotensão e colapso circulatório devem ser tratados com medidas adequadas tais como administração intravenosa de fluidos e/ou agentes simpaticomiméticos.

No caso de sintomas extrapiramidais graves, deve ser administrado um medicamento anticolinérgico.

Recomenda-se supervisão e monitorização clínica contínuas até que o doente recupere.
Terapêutica interrompida
Caso se tenha esquecido de uma dose, tome-a assim que se lembrar.

No entanto, se for quase hora de tomar a próxima dose, não tome a dose em falta e continue o tratamento como habitual.

Se falhar duas ou mais doses, contacte o seu médico.

Não tome uma dose a dobrar (duas doses ao mesmo tempo) para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no armazenamento
Conservar a temperatura inferior a 25ºC.

Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.
Espectro de susceptibilidade e tolerância bacteriológica
Sem informação.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Opipramol + Risperidona

Observações: N.D.
Interações: A co-administração de neurolépticos (exemplo - haloperidol, risperidona) pode aumentar a concentração plasmática.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Maprotilina + Risperidona

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante com antipsicóticos (por exemplo, fenotiazinas, risperidona) pode provocar um aumento das concentrações plasmáticas de maprotilina, uma redução do limiar convulsivante e convulsões. A associação com o inibidor da CYP2D6 tioridazina pode causar arritmias cardíacas graves. Podem, assim ser necessário proceder a ajustes de dose.

Ritonavir + Risperidona

Observações: n.d.
Interações: Efeitos do Ritonavir nos Medicamentos Não Antirretrovirais Coadministrados: Antipsicóticos/Neurolépticos: Haloperidol, risperidona, tioridazina: É possível que o ritonavir administrado como medicamento antirretroviral iniba a CYP2D6, pelo que se prevê aumento nas concentrações de haloperidol, risperidona e tioridazina. Recomenda-se monitorização cuidadosa dos efeitos terapêuticos e efeitos adversos quando estes medicamentos são administrados concomitantemente com doses antirretrovirais de ritonavir.

Bupropiom (Bupropiona) + Risperidona

Observações: N.D.
Interações: A terapêutica concomitante com medicamentos de estreito índice terapêutico, predominantemente metabolizados pela CYP2D6, deve ser iniciada pela dose terapêutica mais baixa do medicamento concomitante. Tais medicamentos incluem certos antidepressivos (por ex.: desipramina, imipramina), antipsicóticos (por ex.: risperidona, tioridazina), bloqueantes beta (por ex.: metoprolol), inibidores seletivos de recaptação da serotonina (SSRIs) e antiarrítmicos Tipo 1C (por ex.: propafenona, flecainida). Se Bupropiom for adicionado a um esquema terapêutico que já inclua algum destes medicamentos, deve considerar-se a necessidade de redução da dose do medicamento inicial. Nestes casos, o benefício esperado do tratamento com Bupropiom deverá ser cuidadosamente ponderado relativamente aos potenciais riscos.

Abiraterona + Risperidona

Observações: N.D.
Interações: Num estudo para determinar os efeitos do acetato de abiraterona (mais prednisona) numa dose única de dextrometorfano, substrato do CYP2D6, a exposição sistémica (AUC) ao dextrometorfano aumentou aproximadamente 2,9 vezes. A AUC24 do dextrorfano, o metabolito ativo do dextrometorfano, aumentou em aproximadamente 33%. Recomenda-se precaução quando Abiraterona é administrado com medicamentos ativa dos ou metabolizados pelo CYP2D6, especialmente com medicamentos com um índice terapêutico estreito. Deve considerar-se uma redução da dose em medicamentos com índice terapêutico estreito, que sejam metabolizados pelo CYP2D6. Exemplos de medicamentos metabolizados pelo CYP2D6 incluem metoprolol, propranolol, desipramina, venlafaxina, haloperidol, risperidona, propafenona, flecainida, codeína, oxicodona e tramadol (os três últimos medicamentos requerem CYP2D6 para formar os seus metabolitos analgésicos ativos).

Mirtazapina + Risperidona

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacocinéticas: Os estudos de interação não indicaram qualquer efeito farmacocinético relevante na administração concomitante de mirtazapina com paroxetina, amitriptilina, risperidona e lítio.

Escitalopram + Risperidona

Observações: N.D.
Interações: Efeito do escitalopram na farmacocinética de outros medicamentos: Escitalopram é um inibidor da enzima CYP2D6. Recomenda-se precaução durante a administração concomitante de escitalopram com medicamentos que são metabolizados principalmente por esta enzima e que têm um índice terapêutico estreito, p.ex., flecaínida, propafenona e metoprolol (quando utilizados na insuficiência cardíaca) ou com alguns medicamentos com acção sobre o SNC que são metabolizados principalmente pela CYP2D6, p.ex., antidepressores como a desipramina, clomipramina e nortriptilina ou antipsicóticos como a risperidona, tioridazina e haloperidol. Poderão ser necessários ajustes posológicos. A administração concomitante com desipramina ou metoprolol resultou em ambos os casos na duplicação dos níveis plasmáticos destes dois substratos da CYP2D6. Estudos in vitro demonstraram que o escitalopram pode também causar uma inibição fraca da CYP2C19. Recomenda-se precaução com a utilização concomitante de medicamentos que são metabolizados pela CYP2C19.

Venlafaxina + Risperidona

Observações: n.d.
Interações: Efeitos da venlafaxina sobre outros medicamentos: Risperidona: A venlafaxina provocou um aumento de 50% na AUC mas não alterou significativamente o perfil farmacocinético de fármaco activo total (risperidona e 9-hidroxirisperidona). Desconhece-se o significado clínico desta interacção.
Sem significado Clínico

Citalopram + Risperidona

Observações: Interações farmacocinéticas: A biotransformação do citalopram para desmetilcitalopram é mediada pelas isoenzimas do sistema citocromo P450 CYP2C19 (aproximadamente 38%), CYP3A4 (aproximadamente 31%) e CYP2D6 (aproximadamente 31%). O facto do citalopram ser metabolizado por mais de um CYP significa que a inibição da sua biotransformação é menos provável, uma vez que a inibição de uma enzima pode ser compensada por outra. Consequentemente, a administração concomitante de citalopram com outros medicamentos na prática clínica tem uma probabilidade muito baixa de originar interações farmacocinéticas medicamentosas.
Interações: Influência do citalopram na farmacocinética de outros medicamentos: O citalopram e o desmetilcitalopram são inibidores negligenciáveis do CYP2C9, CYP2E1 e CYP3A4, e apenas inibidores fracos do CYP1A2, CYP2D6 e CYP2C19, em comparação com outros ISRSs estabelecidos como inibidores significativos. Assim, não foi observada nenhuma alteração ou apenas foram observadas alterações muito pequenas sem importância clínica quando o citalopram foi administrado com substratos do CYP1A2 (clozapina e teofilina), CYP2C9 (varfarina), CYP2C19 (imipramina e mefenitoina), CYP2D6 (esparteina, imipramina, amitriptilina, a risperidona) e CYP3A4 (varfarina, carbamazepina (e o seu metabólito epóxido da carbamazepina) e triazolam).
Sem significado Clínico

Topiramato + Risperidona

Observações: N.D.
Interações: Outras interações medicamentosas: Risperidona: Os estudos de interacção medicamentosa conduzidos em condições de dose única em voluntários saudáveis e de doses múltiplas em doentes com doença bipolar produziram resultados semelhantes. Quando administrada concomitantemente com topiramato em doses crescentes de 100, 250 e 400 mg/dia, observou-se que a exposição sistémica à risperidona (administrada em doses entre 1 mg/dia e 6 mg/dia) diminuiu (diminuição da AUC no estado de equilíbrio de 16% e 33%, respectivamente, nas doses de 250 mg/dia e de 400 mg/dia). Contudo, as diferenças da AUC da fracção activa total observadas entre o tratamento com risperidona em monoterapia e o tratamento de associação com topiramato não foram estatisticamente significativas. Observaram-se alterações mínimas na farmacocinética da fracção activa total (risperidona mais 9-hidróxi-risperidona), mas não se observou qualquer alteração no que respeita à farmacocinética da 9-hidróxi-risperidona. Não se observaram alterações significativas na exposição sistémica da fracção activa total de risperidona ou do topiramato. Quando o topiramato foi adicionado ao tratamento com risperidona (1-6 mg/dia), foram notificados acontecimentos adversos com mais frequência do que antes da introdução do topiramato (250-400 mg/dia) (respectivamente 90% e 54%). Os acontecimentos adversos notificados com mais frequência quando o topiramato foi adicionado ao tratamento com risperidona foram: sonolência (27% e 12%), parestesia (22% e 0%) e náuseas (18% e 9% respectivamente).

Darunavir + Cobicistate + Risperidona

Observações: Não foram realizados estudos de interação farmacológica com Darunavir / Cobicistate. Uma vez que Darunavir / Cobicistate contém darunavir e cobicistate, as interações que foram identificadas com darunavir (em associação uma dose baixa de ritonavir) e com cobicistate determinam as interações que podem ocorrer com Darunavir / Cobicistate. Os ensaios de interação com darunavir/ritonavir e com cobicistate apenas foram realizados em adultos.
Interações: ANTIPSICÓTICOS/NEUROLÉPTICOS: Perfenazina, Risperidona, Tioridazina: Tendo por base considerações teóricas, é expectável que Darunavir / Cobicistate aumente as concentrações plasmáticas destes neurolépticos. (inibição do CYP2D6) Recomenda-se monitorização clínica quando se administra Darunavir / Cobicistate concomitantemente com perfenazina, risperidona ou tioridazina. Deve ser considerada uma redução da dose destes neurolépticos quando administrados concomitantemente com Darunavir / Cobicistate.

Paroxetina + Risperidona

Observações: n.d.
Interações: Potência inibitória da paroxetina sobre o CYP2D6: Tal como com outros antidepressivos, incluindo outros ISRS, a paroxetina inibe a enzima CYP2D6 do citocromo P450 hepático. A inibição da CYP2D6 pode provocar o aumento das concentrações plasmáticas de fármacos metabolizados por esta enzima administrados concomitantemente. Estes incluem alguns antidepressivos tricíclicos (por exemplo: clomipramina, nortriptilina e desipramina), neurolépticos do grupo da fenotiazina (por exemplo: perfenazina e tioridazina), risperidona, alguns antiarrítmicos Tipo 1c (por exemplo: propafenona e flecainida) e metoprolol. Não se recomenda a utilização de paroxetina em combinação com metoprolol quando usado na insuficiência cardíaca, devido à estreita margem terapêutica do metoprolol nesta indicação.

Bupropiom + Naltrexona + Risperidona

Observações: N.D.
Interações: Substratos da CYPD26: Num estudo clínico, a associação naltrexona/bupropiom (32 mg de cloridrato de naltrexona/360 mg de cloridrato de bupropiom diariamente) foi coadministrada com uma dose de 50 mg de metoprolol (um substrato da CYPD26). A associação naltrexona/bupropiom aumentou a AUC e Cmax do metoprolol em aproximadamente 4 e 2 vezes, respetivamente, relativamente à administração do metoprolol administrado em monoterapia. Com a administração do bupropiom como fármaco único com a desipramina e venlafaxina, também foram observadas interações medicamentosas clínicas semelhantes que resultaram num aumento da exposição farmacocinética dos substratos da CYP2D6. A coadministração de bupropiom com fármacos que são metabolizados pela isoenzima CYP2D6, incluindo alguns antidepressivos inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRS) e muitos antidepressivos tricíclicos, como por exemplo, desipramina, imipramina, paroxetina), antipsicóticos (por exemplo, haloperidol, risperidona e tioridazina), beta-bloqueadores (por exemplo, metopropol) e antiarrítmicos de Tipo 1C (por exemplo, propafenona e flecainida), deve ser abordada com precaução e deve ser iniciada no limite mais baixo do intervalo posológico do medicamento concomitante. Apesar de o citalopram não ser metabolizado principalmente pela CYP2D6, num estudo, o bupropiom aumentou a Cmax e a AUC do citalopram em 30% e 40%, respetivamente. Os fármacos que requerem ativação metabólica pela CYPD26, de modo a serem eficazes (por exemplo, tamoxifeno), podem ter uma eficácia reduzida quando administrados concomitantemente com inibidores da CYP2D6, como o bupropiom. Se a associação naltrexona/bupropiom for adicionada ao regime terapêutico de um doente que já esteja a ser tratado com um fármaco metabolizado pela CYP2D6, a necessidade de reduzir a dose do medicamento original deve ser considerada, especialmente para aqueles fármacos concomitantes com um índice terapêutico estreito. Quando exequível, a opção de monitorização do tratamento terapêutico deve ser considerada para os medicamentos com um índice terapêutico estreito, como os antidepressivos tricíclicos.

Levodopa + Carbidopa + Risperidona

Observações: N.D.
Interações: Deve-se ter cuidado quando se administram concomitantemente Levodopa / Carbidopa e os fármacos a seguir indicados: Outros medicamentos: Os antagonistas dos recetores D2 da dopamina (por exemplo, fenotiazinas, butirofenonas e risperidona) e a isoniazida poderão reduzir os efeitos terapêuticos da levodopa.

Duloxetina + Risperidona

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Medicamentos metabolizados pelo CYP2D6: A duloxetina é um inibidor moderado do CYP2D6. Quando se administrou uma dose de 60 mg de duloxetina duas vezes por dia com uma dose única de desipramina, um substrato do CYP2D6, a AUC da desipramina aumentou 3 vezes. A coadministração de duloxetina (40 mg duas vezes por dia) aumentou em 71%, a AUC no estado estacionário da tolterodina (2 mg duas vezes por dia), mas não afetou a farmacocinética do seu metabolito ativo 5-hidroxil, não sendo por isso necessário ajuste posológico. Recomenda-se precaução nos casos em que se verifique a administração concomitante de Duloxetina com medicamentos predominantemente metabolizados pelo CYP2D6 (risperidona e antidepressivos tricíclicos, tais como, a nortriptilina, amitriptilina e imipramina), particularmente se tiverem uma estreita margem terapêutica (tais como a flecainida, a propafenona e o metoprolol).

Risperidona + Medicamentos que prolongam o intervalo QT

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona.

Risperidona + Antiarrítmicos

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona.

Risperidona + Disopiramida

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona.

Risperidona + Quinidina

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona. Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: A fluoxetina e a paroxetina, inibidores da CYP2D6, aumentam a concentração plasmática da risperidona e, em menor grau, a concentração da fração antipsicótica ativa. É de prever que outros inibidores da CYP2D6, como a quinidina, possam afetar as concentrações plasmáticas da risperidona de maneira semelhante. Quando se inicia ou interrompe a administração concomitante de fluoxetina ou de paroxetina, o médico deve reavaliar a posologia de Risperidona.

Risperidona + Procainamida

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona.

Risperidona + Amiodarona

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona.

Risperidona + Sotalol

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona.

Risperidona + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona. Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: As fenotiazinas, os antidepressores tricíclicos e alguns bloqueadores beta podem aumentar as concentrações plasmáticas de risperidona mas não as da fração antipsicótica ativa.

Risperidona + Amitriptilina

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona. Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: A amitriptilina não afeta a farmacocinética da risperidona ou da sua fração antipsicótica ativa.

Risperidona + Antidepressivos tetracíclicos (ADTC)

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona.

Risperidona + Maprotilina

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona.

Risperidona + Antihistamínicos

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona. Potencial para Risperidona afetar outros medicamentos: A risperidona deve ser utilizada com precaução em associação com outras substâncias com ação central, especialmente as que incluem álcool, opiáceos, anti-histamínicos e benzodiazepinas, devido ao aumento de risco de sedação.

Risperidona + Antipsicóticos

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona.

Risperidona + Antimaláricos (antipalúdicos)

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona.

Risperidona + Quinina

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona.

Risperidona + Mefloquina

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona.

Risperidona + Outros medicamentos

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona.

Risperidona + Álcool

Observações: n.d.
Interações: Potencial para Risperidona afetar outros medicamentos: A risperidona deve ser utilizada com precaução em associação com outras substâncias com ação central, especialmente as que incluem álcool, opiáceos, anti-histamínicos e benzodiazepinas, devido ao aumento de risco de sedação.

Risperidona + Opiáceos

Observações: n.d.
Interações: Potencial para Risperidona afetar outros medicamentos: A risperidona deve ser utilizada com precaução em associação com outras substâncias com ação central, especialmente as que incluem álcool, opiáceos, anti-histamínicos e benzodiazepinas, devido ao aumento de risco de sedação.

Risperidona + Benzodiazepinas

Observações: n.d.
Interações: Potencial para Risperidona afetar outros medicamentos: A risperidona deve ser utilizada com precaução em associação com outras substâncias com ação central, especialmente as que incluem álcool, opiáceos, anti-histamínicos e benzodiazepinas, devido ao aumento de risco de sedação.

Risperidona + Levodopa

Observações: n.d.
Interações: Potencial para Risperidona afetar outros medicamentos: Risperidona pode antagonizar o efeito da levodopa e de outros agonistas da dopamina. Se esta associação for considerada necessária, especialmente na fase terminal da doença de Parkinson, deve ser prescrita a dose eficaz mais baixa de cada tratamento.

Risperidona + Antagonistas da dopamina

Observações: n.d.
Interações: Potencial para Risperidona afetar outros medicamentos: Risperidona pode antagonizar o efeito da levodopa e de outros agonistas da dopamina. Se esta associação for considerada necessária, especialmente na fase terminal da doença de Parkinson, deve ser prescrita a dose eficaz mais baixa de cada tratamento.

Risperidona + Antihipertensores

Observações: n.d.
Interações: Potencial para Risperidona afetar outros medicamentos: Observou-se hipotensão clinicamente significativa após comercialização com a utilização concomitante de risperidona e de tratamento antihipertensor.

Risperidona + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Potencial para Risperidona afetar outros medicamentos: Risperidona não demonstrou possuir um efeito clinicamente relevante na farmacocinética do lítio, valproato, digoxina ou topiramato.

Risperidona + Ácido Valpróico (Valproato de sódio)

Observações: n.d.
Interações: Potencial para Risperidona afetar outros medicamentos: Risperidona não demonstrou possuir um efeito clinicamente relevante na farmacocinética do lítio, valproato, digoxina ou topiramato.

Risperidona + Digoxina

Observações: n.d.
Interações: Potencial para Risperidona afetar outros medicamentos: Risperidona não demonstrou possuir um efeito clinicamente relevante na farmacocinética do lítio, valproato, digoxina ou topiramato.

Risperidona + Topiramato

Observações: n.d.
Interações: Potencial para Risperidona afetar outros medicamentos: Risperidona não demonstrou possuir um efeito clinicamente relevante na farmacocinética do lítio, valproato, digoxina ou topiramato.

Paliperidona + Risperidona

Observações: N.D.
Interações: Utilização concomitante de Paliperidona com risperidona: Não é recomendada a utilização concomitante de Paliperidona com risperidona oral, uma vez que a paliperidona é o metabolito ativo da risperidona e a combinação dos dois fármacos pode conduzir a uma exposição adicional de paliperidona.
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Risperidona + Carbamazepina

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: Demonstrou-se que a carbamazepina diminui os níveis plasmáticos da fração antipsicótica ativa da risperidona. Podem observar-se efeitos semelhantes com, por exemplo, a rifampicina, a fenitoína e o fenobarbital que também induzem a enzima hepática CYP3A4 assim como a glicoproteína P. O médico deve reavaliar a posologia de Risperidona quando a carbamazepina ou outros indutores da enzima hepática CYP3A4 e da glicoproteína P são iniciados ou interrompidos.
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Risperidona + Rifampicina

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: Demonstrou-se que a carbamazepina diminui os níveis plasmáticos da fração antipsicótica ativa da risperidona. Podem observar-se efeitos semelhantes com, por exemplo, a rifampicina, a fenitoína e o fenobarbital que também induzem a enzima hepática CYP3A4 assim como a glicoproteína P. O médico deve reavaliar a posologia de Risperidona quando a carbamazepina ou outros indutores da enzima hepática CYP3A4 e da glicoproteína P são iniciados ou interrompidos.
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Risperidona + Fenitoína

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: Demonstrou-se que a carbamazepina diminui os níveis plasmáticos da fração antipsicótica ativa da risperidona. Podem observar-se efeitos semelhantes com, por exemplo, a rifampicina, a fenitoína e o fenobarbital que também induzem a enzima hepática CYP3A4 assim como a glicoproteína P. O médico deve reavaliar a posologia de Risperidona quando a carbamazepina ou outros indutores da enzima hepática CYP3A4 e da glicoproteína P são iniciados ou interrompidos.
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Risperidona + Fenobarbital

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: Demonstrou-se que a carbamazepina diminui os níveis plasmáticos da fração antipsicótica ativa da risperidona. Podem observar-se efeitos semelhantes com, por exemplo, a rifampicina, a fenitoína e o fenobarbital que também induzem a enzima hepática CYP3A4 assim como a glicoproteína P. O médico deve reavaliar a posologia de Risperidona quando a carbamazepina ou outros indutores da enzima hepática CYP3A4 e da glicoproteína P são iniciados ou interrompidos.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Risperidona + Fluoxetina

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: A fluoxetina e a paroxetina, inibidores da CYP2D6, aumentam a concentração plasmática da risperidona e, em menor grau, a concentração da fração antipsicótica ativa. É de prever que outros inibidores da CYP2D6, como a quinidina, possam afetar as concentrações plasmáticas da risperidona de maneira semelhante. Quando se inicia ou interrompe a administração concomitante de fluoxetina ou de paroxetina, o médico deve reavaliar a posologia de Risperidona.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Risperidona + Paroxetina

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: A fluoxetina e a paroxetina, inibidores da CYP2D6, aumentam a concentração plasmática da risperidona e, em menor grau, a concentração da fração antipsicótica ativa. É de prever que outros inibidores da CYP2D6, como a quinidina, possam afetar as concentrações plasmáticas da risperidona de maneira semelhante. Quando se inicia ou interrompe a administração concomitante de fluoxetina ou de paroxetina, o médico deve reavaliar a posologia de Risperidona.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Risperidona + Inibidores do CYP2D6

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: A fluoxetina e a paroxetina, inibidores da CYP2D6, aumentam a concentração plasmática da risperidona e, em menor grau, a concentração da fração antipsicótica ativa. É de prever que outros inibidores da CYP2D6, como a quinidina, possam afetar as concentrações plasmáticas da risperidona de maneira semelhante. Quando se inicia ou interrompe a administração concomitante de fluoxetina ou de paroxetina, o médico deve reavaliar a posologia de Risperidona.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Risperidona + Verapamilo

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: O verapamil, um inibidor da CYP3A4 e da glicoproteína P, aumenta as concentrações plasmáticas de risperidona.
Sem significado Clínico

Risperidona + Donepezilo

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: A galantamina e o donepezil não apresentam efeitos clinicamente relevantes sobre a farmacocinética da risperidona e da fração antipsicótica ativa.
Sem significado Clínico

Risperidona + Galantamina

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: A galantamina e o donepezil não apresentam efeitos clinicamente relevantes sobre a farmacocinética da risperidona e da fração antipsicótica ativa.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Risperidona + Fenotiazidas (fenotiazinas)

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: As fenotiazinas, os antidepressores tricíclicos e alguns bloqueadores beta podem aumentar as concentrações plasmáticas de risperidona mas não as da fração antipsicótica ativa. A amitriptilina não afeta a farmacocinética da risperidona ou da sua fração antipsicótica ativa. A cimetidina e a ranitidina aumentam a biodisponibilidade da risperidona, no entanto aumentam apenas ligeiramente a biodisponibilidade da fração antipsicótica ativa. A eritromicina, um inibidor da CYP 3A4, não altera a farmacocinética da risperidona, nem a da fração antipsicótica ativa.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Risperidona + Bloqueadores beta-adrenérgicos

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: As fenotiazinas, os antidepressores tricíclicos e alguns bloqueadores beta podem aumentar as concentrações plasmáticas de risperidona mas não as da fração antipsicótica ativa.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Risperidona + Cimetidina

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: A cimetidina e a ranitidina aumentam a biodisponibilidade da risperidona, no entanto aumentam apenas ligeiramente a biodisponibilidade da fração antipsicótica ativa.

Lamotrigina + Risperidona

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Interações envolvendo outros agentes psicoativos: Doses orais múltiplas de lamotrigina 400 mg por dia, não tiveram efeitos clinicamente significativos na farmacocinética de dose única de 2 mg da risperidona em 14 adultos voluntários saudáveis. Após a administração concomitante de 2 mg de risperidona com lamotrigina, 12 dos 14 voluntários notificaram sonolência, comparado com 1 em 20 quando a risperidona foi administrada isoladamente, e nenhum quando a lamotrigina foi administrada isoladamente. Interações envolvendo outros agentes psicoativos: Estas experiências também sugerem que é improvável que o metabolismo da lamotrigina seja afetado pela clozapina, fluoxetina, fenelzina, risperidona, sertralina ou trazodona. Adicionalmente, um estudo sobre o metabolismo do bufuralol em microssomas hepáticos humanos sugere que a lamotrigina não reduz a depuração de medicamentos eliminados predominantemente pelo CYP2D6.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Risperidona + Ranitidina

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: A cimetidina e a ranitidina aumentam a biodisponibilidade da risperidona, no entanto aumentam apenas ligeiramente a biodisponibilidade da fração antipsicótica ativa.

Risperidona + Eritromicina

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: A eritromicina, um inibidor da CYP3A4, não altera a farmacocinética da risperidona, nem a da fração antipsicótica ativa.

Risperidona + Psicoestimulantes

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: A utilização associada de psicoestimulantes (ex., metilfenidato) com risperidona em crianças e adolescentes não alterou a farmacocinética e a eficácia de Risperidona.

Risperidona + Metilfenidato

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: A utilização associada de psicoestimulantes (ex., metilfenidato) com risperidona em crianças e adolescentes não alterou a farmacocinética e a eficácia de Risperidona. No que respeita ao aumento de mortalidade em doentes idosos com demência medicados concomitantemente com furosemida.

Risperidona + Furosemida

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: Uso concomitante com Furosemida Nos estudos clínicos controlados com placebo, realizados em doentes idosos com demência, foi observada uma incidência superior da mortalidade em doentes tratados concomitantemente com furosemida e risperidona (7,3%; média de idades 89 anos, limites: 75-97), quando comparados com doentes tratados com risperidona em monoterapia (3,1%; média de idades 84 anos, limites: 70-96) ou apenas com furosemida (4,1%; média de idades 80 anos, limites: 67-90). O aumento da mortalidade em doentes tratados concomitantemente com furosemida e risperidona foi observado em dois dos quatro estudos clínicos. A utilização concomitante de risperidona e outros diuréticos (principalmente diuréticos tiazídicos, em baixas doses) não foi associada a efeitos semelhantes. Não foi identificado nenhum mecanismo fisiopatológico que explique estes acontecimentos nem foi observado qualquer padrão consistente de causa de morte. No entanto, devem ser tomadas precauções especiais e o risco/benefício desta combinação ou cotratamento com outros diuréticos potentes deve ser considerado antes de se decidir utilizá-la. Não houve aumento da incidência da mortalidade doentes tratados com outros diuréticos concomitantemente com risperidona. Independentemente da terapêutica, a desidratação foi um fator de risco para a mortalidade e deve ser cuidadosamente evitada, em doentes idosos com demência.

Risperidona + Paliperidona

Observações: n.d.
Interações: Potencial para outros medicamentos afetarem Risperidona: A utilização concomitante de Risperidona oral com paliperidona não é recomendada porque a paliperidona é um metabolito ativo da risperidona e a associação dos dois medicamentos pode conduzir a exposição aditiva à fração antipsicótica ativa.

Darunavir + Cobicistate + Emtricitabina + Tenofovir alafenamida + Risperidona

Observações: Não foram realizados estudos de interação farmacológica com este medicamento. As interações que foram identificadas em estudos com componentes individuais de este medicamento, isto é, com darunavir (em associação uma dose baixa de ritonavir), cobicistate, emtricitabina ou tenofovir alafenamida, determinam as interações que podem ocorrer com este medicamento. As interações esperadas entre Darunavir + Cobicistate + Emtricitabina + Tenofovir alafenamida e potenciais medicamentos concomitantes são baseadas em estudos realizados com os componentes deste medicamento, como agentes individuais ou em associação, ou são interações medicamentosas potenciais que podem ocorrer. Os ensaios de interação com os componentes de este medicamento foram realizados apenas em adultos.
Interações: ANTIPSICÓTICOS/NEUROLÉPTICOS Perfenazina Risperidona Tioridazina Tendo por base considerações teóricas, é expectável que DRV/COBI aumente as concentrações plasmáticas destes neurolépticos. (inibição do CYP2D6) Recomenda-se monitorização clínica quando se administra este medicamento concomitantemente com perfenazina, risperidona ou tioridazina. Deve ser considerada uma redução da dose destes neurolépticos quando administrados concomitantemente com este medicamento.
Sem significado Clínico

Quetiapina + Risperidona

Observações: N.D.
Interações: Risperidona, haloperidol e tioridazina: A farmacocinética da quetiapina não foi significativamente alterada pela coadministração dos antipsicóticos risperidona ou haloperidol. No entanto, a coadministração de quetiapina e tioridazina causou um aumento da depuração da quetiapina de aproximadamente 70%.

Darunavir + Risperidona

Observações: O perfil de interação do darunavir pode variar dependendo se é utilizado o ritonavir ou o cobicistate como fármacos potenciadores. As recomendações dadas para a utilização concomitante de darunavir e outros medicamentos podem por isso variar dependendo se darunavir é potenciado com ritonavir ou com cobicistate, e é também necessária precaução durante o primeiro tempo de tratamento, se se substituir o fármaco potenciador de ritonavir para cobicistate.
Interações: ANTIPSICÓTICOS/NEUROLÉPTICOS: Perfenazina, Risperidona, Tioridazina, Pimozida, Sertindol: Não foi estudado. É expectável que Darunavir potenciado aumente as concentrações plasmáticas destes antipsicóticos. (inibição do CYP2D6 e/ou da gp-P). Pode ser necessária uma redução de dose destes medicamentos, quando coadministrado com Darunavir potenciado. A administração concomitante de Darunavir potenciado com sertindol é contraindicada.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017