Similares Químicos

Produtos com a mesma molécula e do mesmo Grupo Terapêutico

Similares Terapêuticos

Produtos do mesmo Grupo Terapêutico

Alprostadilo

DCI com Advertência na Gravidez
O que é
Alprostadil ou prostaglandina E1 é um fármaco vasodilatador, usado provisoriamente em cirurgias de neonatos com deficiências cardíacas do nascimento e no tratamento da disfunção eréctil.
Usos comuns
Tratar problemas de erecção nos homens.

O Alprostadil é uma prostaglandina (PGE-1).

Actua relaxando os músculos certos no pénis e provocando a dilatação dos vasos sanguíneos, o que aumenta o fluxo sanguíneo para o pénis e ajuda a causar uma erecção.

Quando o efeito do Alprostadilo desaparece, o fluxo de sangue normaliza e a erecção desaparece.
Tipo
Molécula pequena.
Indicações
Tratamento da disfunção eréctil com origem neurogénica, vascular, psicogénica ou de etiologia mista.

No diagnóstico da disfunção eréctil, como adjuvante de outros testes.
Classificação CFT

04.03.01.03 : Antiagregantes plaquetários

07.04.03 : Medicamentos usados na disfunção erétil

Mecanismo de ação
O Alprostadilo é a forma natural da prostaglandina E1 (PGE1). O Alprostadilo apresenta um perfil farmacológico diversificado, sendo de destacar os seguintes efeitos: vasodilatação e inibição da agregação plaquetária.

Na maioria das espécies animais testadas, o Alprostadilo relaxou o retrator do pénis e os corpos cavernosos in vitro.

O Alprostadilo também relaxou preparações isoladas dos corpos cavernoso e esponjoso humanos, bem como segmentos arteriais cavernosos contraídos tanto pela noradrenalina como pela PGF2 in vitro.

Em macacos (Macaca nemestrina), o Alprostadilo aumentou, in vivo, o fluxo de sangue arterial a nível cavernoso.

O grau e duração do relaxamento do músculo liso cavernoso neste modelo animal foi dependente da dose.

O Alprostadilo induz a erecção pelo relaxamento da musculatura lisa cavernosa e dilatação das artérias cavernosas.

Este facto origina a expansão dos espaços lacunares e a acumulação de sangue por compressão das vénulas contra a tunica albuginea, num processo denominado mecanismo veno-oclusivo.
Posologia orientativa
Conforme prescrição médica.
Administração
Vias Intracavernosa; Cutâneo; Uretral.
Contraindicações
Não deve ser administrado em:
– Doentes que apresentem hipersensibilidade à substância activa (Alprostadilo);
– Doentes cujo estado de saúde possa predispor ao priapismo, como é o caso dos doentes sofrendo de anemia falciforme, ou traço falciforme, mieloma múltiplo ou leucemia;
– Doentes com deformações anatómicas do pénis, tais como curvatura, fibrose cavernosa ou doença de Peyronie;
– Doentes com próteses penianas;
– Doentes a quem não se aconselha, ou está contra-indicada, a atividade sexual.
Efeitos indesejáveis/adversos
O efeito secundário muito frequente (afeta mais de 1 em cada 10 doentes) foi: dor no pénis.

Os efeitos secundários frequentes (afectam menos de 1 em cada 10 doentes) foram: hematoma, espasmos musculares, ereções prolongadas, doença de Peyronie (encurvamento do pénis durante a erecção), anomalia do pénis, hematoma no local de injecção, hematoma, equimose (mancha escura ou azulada na pele).

Os efeitos secundários pouco frequentes (afectam menos de 1 em cada 100 doentes): infecção por fungos, obstipação, alteração da sensibilidade, pré-síncope, mídriase (dilatação da pupila), extrassístole supraventricular (contracção cardíaca anormal), alterações venosas, diminuição da tensão arterial, alterações vasculares periféricas, aumento do diâmetro dos vasos sanguíneos, náuseas, boca seca, eritema, hiperidrose (transpiracção muito aumentada), erupção na pele, comichão, eritema no escroto, dificuldade em urinar, sangue na urina, aumento da frequência urinária, urgência urinária, hemorragia da uretra, disfunção eréctil, ejaculações anormais, balanite (inflamação da mucosa da glande), erecção dolorosa, fimose (aperto do anel cutâneo do prepúcio), priapismo (ereção prolongada e dolorosa), dor nos testículos, alterações do escroto, eritema no escroto, dor no escroto, espermatocelo (dilatação do epidídimo e dos testículos por acumulação de esperma), inchaço do escroto, inchaço dos testículos, alteração dos testículos, massa nos testículos, dor pélvica, cansaço, sangramento no local de injecção, inflamação no local de injecção, comichão no local de injecção, inchaço no local de injecção, calor no local da injecção, irritação no local de injecção, hemorragia, inflamação, inchaço periférico (nos pés, pernas, abdómen e braços), inchaço, anestesia no local de injecção, dor no local de injecção, tensão arterial diminuída, aumento da frequência cardíaca, aumento da creatinina sérica.
Precauções gerais
Pode registar-se a ocorrência de erecção prolongada e/ou priapismo (ereção com duração superior a seis horas), após administração intracavernosa de Alprostadilo.

Para minimizar este risco, o médico deverá prescrever-lhe a dose eficaz mais baixa.

Caso tenha uma erecção que se prolongue por mais de 4 horas deverá procurar assistência médica.

Durante a administração intracavernosa de Alprostadilo podem ocorrer os seguintes sintomas: fibrose do pénis, incluindo curvatura, fibrose cavernosa, nódulos fibrosos e doença de Peyronie.

Contacte o médico se lhe ocorrer alguma destas situações, pois poderá ser necessário suspender a terapêutica.

O uso de Alprostadilo intracavernoso não exerce qualquer protecção relativamente ao contágio das doenças sexualmente transmissíveis.

Uma vez que pode ocorrer uma pequena hemorragia no local de injecção, deverá tomar as medidas de protecção usuais relativamente ao contágio das doenças sexualmente transmissíveis, incluindo o vírus da imunodeficiência humana (HIV) e outras doenças transmissíveis pelo sangue.

Se estiver a fazer tratamento com anticoagulantes (medicamentos que alteram a fluidez do sangue), tais como a varfarina ou a heparina, pode ocorrer maior predisposição para hemorragia após injecção intracavernosa.

A administração simultânea com outros medicamentos, tais como diuréticos, antidiabéticos (incluindo a insulina) ou anti-inflamatórios não esteróides, não teve efeito na segurança ou eficácia de Alprostadilo.

Não deve ser administrado juntamente com quaisquer outros medicamentos para o tratamento da disfunção eréctil ou que induzam a erecção.

Alprostadilo aumenta o efeito dos anti-hipertensores (medicamentos que ajudam a controlar a tensão arterial), vasodilatadores (medicamentos que alteram o diâmetro dos vasos sanguíneos), anticoagulantes (medicamentos que alteram a fluidez do sangue) e medicamentos que diminuem a agregação das plaquetas.

Os medicamentos simpaticomiméticos podem reduzir o efeito do Alprostadilo.
Cuidados com a dieta
Não interfere com alimentos e bebidas.
Resposta à overdose
Procurar atendimento médico de emergência, ou ligue para o Centro de Intoxicações.

Não ocorreram casos de sobredosagem durante os ensaios clínicos com Alprostadilo.

Se existir sobredosagem intracavernosa de Alprostadilo, deve-se colocar o doente sob supervisão médica, até desaparecerem os efeitos sistémicos e/ou até desaparecer por completo o entumescimento.

Deve ser feito o tratamento sintomático dos efeitos sistémicos.

O tratamento do priapismo (ereção prolongada) deve ser efectuado no prazo máximo de 6 horas.

A terapêutica inicial deve ser aspiração peniana.

Usando técnicas assépticas, introduzir uma agulha borboleta de calibre compreendido entre 19 e 21 Gauge no corpo cavernoso e aspirar 20 a 50 ml de sangue.

Esta técnica pode detumescer o pénis.

Se necessário, este procedimento pode ser repetido no lado oposto do pénis, até ser aspirado um total de 100 ml de sangue.

Se continuar a revelar-se ineficaz, recomenda-se proceder à injecção intracavernosa de um fármaco alfa-adrenérgico.

Embora a contra-indicacção convencional à administração intrapeniana de um vasoconstritor não se aplique ao tratamento do priapismo, recomenda-se cuidado caso se recorra a tal opção.

A pressão arterial e a pulsação devem ser monitorizadas continuamente durante o procedimento.

É necessário o máximo cuidado nos doentes com doença cardíaca coronária, hipertensão não controlada, isquemia cerebral e nos indivíduos tratados com inibidores da monoamino-oxidase.

Neste último caso, deverá dispor-se de condições adequadas para o tratamento de uma eventual crise hipertensiva.

Dever-se-á preparar uma solução de 200 microgramas/ml de fenilefrina e 0,5 a 1,0 ml da solução deverão ser injetados em intervalos de 5 a 10 minutos.

Como alternativa, poder-se-á utilizar uma solução de 20 microgramas/ml de epinefrina.

Se necessário, este procedimento poderá ser seguido por aspiração adicional de sangue usando a mesma agulha borboleta.

A dose máxima de fenilefrina não deve ultrapassar 1 mg, enquanto a de epinefrina não deve ultrapassar 100 microgramas (5 ml da solução).

Como alternativa, pode utilizar-se metaraminol, embora seja de salientar que foram notificadas crises hipertensivas fatais.

Se após este tratamento o priapismo se mantiver, o doente deve ser imediatamente tratado por via cirúrgica, o que poderá incluir um shunt cirúrgico.
Terapêutica interrompida
Desde que o Alprostadilo é usado apenas quando necessário, não vai ser instituído um esquema de administração.
Cuidados no armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

O medicamento não necessita de quaisquer condições especiais de conservação.

O medicamento deve ser utilizado imediatamente após a reconstituição.

Caso não seja utilizado de imediato, as condições e tempo de armazenamento anteriores ao seu uso são da responsabilidade do utilizador.

A solução reconstituída deve ser conservada no frigorífico (2ºC -8ºC), durante um período máximo de 24h.
Não congelar.
Espectro de susceptibilidade e tolerância bacteriológica
Sem informação.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Antagonistas dos Receptores da Angiotensina II (ARA II) + Alprostadilo

Observações: Por aumento do risco de hipercaliemia
Interações: Aumentam o efeito hipotensor quando associados a ARA II - Alprostadil - Alprostadilo
Sem efeito descrito

Alprostadilo + Diuréticos

Observações: Não foram estudadas formalmente as potenciais interações farmacocinéticas entre o Alprostadilo e outros fármacos.
Interações: Durante os ensaios clínicos, a administração concomitante de outros fármacos, tais como diuréticos, antidiabéticos (incluindo a insulina) ou anti-inflamatórios não esteroides, não teve efeito na segurança ou eficácia do Alprostadilo. - Diuréticos
Sem efeito descrito

Alprostadilo + Antidiabéticos Orais

Observações: Não foram estudadas formalmente as potenciais interações farmacocinéticas entre o Alprostadilo e outros fármacos.
Interações: Durante os ensaios clínicos, a administração concomitante de outros fármacos, tais como diuréticos, antidiabéticos (incluindo a insulina) ou anti-inflamatórios não esteroides, não teve efeito na segurança ou eficácia do Alprostadilo. - Antidiabéticos Orais
Sem efeito descrito

Alprostadilo + Insulinas

Observações: Não foram estudadas formalmente as potenciais interações farmacocinéticas entre o Alprostadilo e outros fármacos.
Interações: Durante os ensaios clínicos, a administração concomitante de outros fármacos, tais como diuréticos, antidiabéticos (incluindo a insulina) ou anti-inflamatórios não esteroides, não teve efeito na segurança ou eficácia do Alprostadilo. - Insulinas
Sem efeito descrito

Alprostadilo + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: Não foram estudadas formalmente as potenciais interações farmacocinéticas entre o Alprostadilo e outros fármacos.
Interações: Durante os ensaios clínicos, a administração concomitante de outros fármacos, tais como diuréticos, antidiabéticos (incluindo a insulina) ou anti-inflamatórios não esteroides, não teve efeito na segurança ou eficácia do Alprostadilo. - Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Alprostadilo + Sildenafil

Observações: Não foram estudadas formalmente as potenciais interações farmacocinéticas entre o Alprostadilo e outros fármacos.
Interações: Não foram estudados formalmente os efeitos da associação de Alprostadilo com outros tratamentos para a disfunção (por ex. sildenafil). Estes medicamentos não devem ser utilizados em associação com alprostadilo devido à possibilidade de ocorrência de ereção prolongada. - Sildenafil
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Alprostadilo + Papaverina

Observações: Não foram estudadas formalmente as potenciais interações farmacocinéticas entre o Alprostadilo e outros fármacos.
Interações: Não foram estudados formalmente os efeitos da associação de Alprostadilo com fármacos que induzem a ereção (por ex. papaverina). Estes medicamentos não devem ser utilizados em associação com alprostadilo devido à possibilidade de ocorrência de ereção prolongada. - Papaverina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Alprostadilo + Simpaticomiméticos

Observações: Não foram estudadas formalmente as potenciais interações farmacocinéticas entre o Alprostadilo e outros fármacos.
Interações: Os Simpaticomiméticos podem reduzir o efeito do alprostadilo. - Simpaticomiméticos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Alprostadilo + Antihipertensores

Observações: Não foram estudadas formalmente as potenciais interações farmacocinéticas entre o Alprostadilo e outros fármacos.
Interações: O alprostadilo pode potenciar os efeitos dos antihipertensores, agentes vasodilatadores, anticoagulantes e inibidores da agregação plaquetária. - Antihipertensores
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Alprostadilo + Anticoagulantes orais

Observações: Não foram estudadas formalmente as potenciais interações farmacocinéticas entre o Alprostadilo e outros fármacos.
Interações: O alprostadilo pode potenciar os efeitos dos antihipertensores, agentes vasodilatadores, anticoagulantes e inibidores da agregação plaquetária. - Anticoagulantes orais
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Alprostadilo + Vasodilatadores

Observações: Não foram estudadas formalmente as potenciais interações farmacocinéticas entre o Alprostadilo e outros fármacos.
Interações: O alprostadilo pode potenciar os efeitos dos antihipertensores, agentes vasodilatadores, anticoagulantes e inibidores da agregação plaquetária. - Vasodilatadores
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Alprostadilo + Antiagregantes plaquetários

Observações: Não foram estudadas formalmente as potenciais interações farmacocinéticas entre o Alprostadilo e outros fármacos.
Interações: O alprostadilo pode potenciar os efeitos dos antihipertensores, agentes vasodilatadores, anticoagulantes e inibidores da agregação plaquetária. - Antiagregantes plaquetários
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Alprostadilo
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 26 de Novembro de 2020