Similares Químicos

Produtos com a mesma molécula e do mesmo Grupo Terapêutico

Similares Terapêuticos

Produtos do mesmo Grupo Terapêutico

Escitalopram

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução
O que é
O Escitalopram, o S - enantiómero do citalopram, pertence a uma classe de agentes antidepressivos conhecidos como inibidores da recaptação da serotonina (SSRIs). Apesar das diferenças estruturais distintas entre compostos dessa classe, os ISRS possuem atividade farmacológica similar.

Tal como acontece com outros agentes antidepressivos, várias semanas de terapia pode ser necessário antes de que o efeito clínico seja observado. Os SSRIs são potentes inibidores da recaptação da serotonina neuronal. Têm pouco ou nenhum efeito sobre a recaptação da norepinefrina ou a dopamina e não antagoniza os recetores dopamina D2 da histamina H1 e o - α ou β -adrenérgico.

Durante o uso intensivo os SSRIs de recaptação da serotonina bloqueiam e aumentam a estimulação de serotonina somatodendrítica 5-HT1A e os autorecetores terminais. O uso crónico conduz à dessensibilização dos somatodendrítico 5-HT1A e autorecetores terminais.

Pensa-se que o efeito clínico geral de aumento do humor e redução da ansiedade seja devido a mudanças de adaptação na função neuronal que conduz a uma melhoria da neurotransmissão serotonérgica.

Os efeitos colaterais incluem boca seca, náuseas, tonturas, sonolência, disfunção sexual e dor de cabeça. Os efeitos secundários ocorrem, geralmente, dentro das primeiras duas semanas de tratamento e são geralmente menos graves e frequentes do que os observados com antidepressivos tricíclicos.

O Escitalopram pode ser usado para tratar o transtorno depressivo maior (MDD) e o transtorno de ansiedade generalizada (TAG).
Usos comuns
O Escitalopram é usado no tratamento da depressão e distúrbios de ansiedade generalizada (TAG).

É um antidepressivo que pertence a um grupo de medicamentos conhecidos como inibidores da recaptação da serotonina (SSRIs).

Estes medicamentos atuam por aumento da atividade da serotonina no cérebro.

O Escitalopram está disponível apenas sob prescrição médica.
Tipo
Molécula pequena.
Indicações
O Escitalopram está indicado para tramento da depressão e ansiedade generalizada, perturbação do pânico com ou sem agorafobia.
Classificação CFT

02.09.03 : Antidepressores

Mecanismo de ação
Presume-se que o efeito antidepressivo, antiobsessivo-compulsivo e ações antibulímicas do Escitalopram estejam ligadas a sua inibição de recaptação neuronal do CNS da serotonina.

O Escitalopram bloqueia a recaptação de serotonina na bomba de recaptação da membrana neuronal da serotonina, melhorando as ações de serotonina sobre os autorecetores 5HT1A. Ligam os SSRIs com afinidade significativamente inferior aos recetores histamina, acetilcolina e noradrenalina que os fármacos antidepressivos tricíclicos.
Posologia orientativa
Na depressão: 10 mg/dia em dose única, podendo subir até 20 mg/dia ao fim de 1 semana.

Na ansiedade: inicialmente 10 mg, pode ser titulada lentamente até 20 mg/dia após 4 semanas.

Na perturbação do pânico: dose inicial 5 mg/dia.
Administração
Por viia oral.

Os comprimidos podem ser ingeridos com ou sem alimentos, a qualquer hora do dia.
Contraindicações
Fase maníaca, alterações hepáticas e renais, gravidez e aleitamento; doença cardíaca e epilepsia.

Recentemente a utilização dos ISRS foi associada a um aumento do risco de suicídio.

Esta eventualidade deve ser considerada e vigilância apropriada deve ser instituida.
Efeitos indesejáveis/adversos
Alterações gastrintestinais são muito comuns (náuseas, vómitos), reações de hipersensibilidade de todos os tipos incluindo anafilaxia, xerostomia, ansiedade e irritabilidade, disfunção sexual; convulsões, doenças do movimento e síndrome maligno dos neurolépticos.
Advertências
Gravidez
Gravidez:
Gravidez:Ver Antidepressores inibidores selectivos da recaptação da serotonina; toxicidade em estudos animais. Evidência fetal em animais, mas a necessidade pode justificar o risco.
Aleitamento
Aleitamento:
Aleitamento:Evitar; presente no leite.
Insuf. Renal
Insuf. Renal:
Insuf. Renal:Usar com precaução para Cl cr < 30 ml/minuto.
Condução
Condução:
Condução:Risco de deficiência psicomotora: Importância de usar cautela ao operar máquinas perigosas, incluindo condução automóvel, até que os pacientes ganham experiência com os efeitos da droga.
Precauções gerais
Informe o médico se tem qualquer outra condição ou doença, dado que o médico poderá ter necessidade de ter isto em consideração.

Informe o médico, especialmente, se tem epilepsia.
O tratamento com Escitalopram deve ser interrompido se ocorrerem convulsões ou se houver um aumento da frequência de crises convulsivas. Se sofre de diminuição da função do fígado ou dos rins.

o médico pode necessitar de ajustar a sua dose.
Se tem diabetes. O tratamento com Escitalopram pode alterar o controlo da glicemia.

Pode ser necessário ajustar a dose de insulina e/ou de hipoglicemiantes (medicamentos utilizados para baixar o açúcar no sangue) orais.
Se tem um nível diminuído de sódio no sangue.
Se tem tendência para desenvolver facilmente hemorragias ou nódoas negras.
Se está a ser submetido a tratamento electroconvulsivante.
Se tem uma doença cardíaca coronária.

Atenção! Alguns doentes com doença maníaco-depressiva podem entrar numa fase maníaca. Esta é caracterizada por uma mudança anormal e rápida de ideias, alegria inapropriada e atividade física excessiva. Se tiver estes sintomas, contacte o médico.

Sintomas como agitação ou dificuldade em se sentar ou estar de pé mantendo-se quieto também podem ocorrer durante as primeiras semanas de tratamento. Informe imediatamente o médico se tiver estes sintomas.

Pensamentos suicidas e agravamento da sua depressão ou perturbação da ansiedade
Se estiver deprimido e/ou tiver perturbações da ansiedade pode por vezes ter pensamentos de auto-agressão ou de suicídio. Estes pensamentos podem ser mais intensos no início quando começa a tomar os antidepressores, porque todos estes medicamentos demoram tempo a actuar, geralmente cerca de duas semanas, embora por vezes demorem mais tempo.

Há uma maior probabilidade de pensar desta maneira:
Se já teve antes pensamentos de suicídio ou de autoagressão.

Se é um adulto jovem.
A informação obtida de ensaios clínicos demonstra um maior risco de comportamento suicida em adultos com menos de 25 anos de idade com perturbações psiquiátricas que foram tratadas com um antidepressor.

Se, em qualquer altura, tiver pensamentos suicidas ou de autoagressão, contacte imediatamente o médico ou dirija-se a um hospital.

Poderá achar que é útil dizer a um familiar ou a um amigo íntimo que está deprimido ou que tem uma perturbação de ansiedade, e pedir-lhes para ler a bula do medicamento.

Pode pedir para lhe dizerem se pensarem que a sua depressão ou ansiedade estão a agravar-se ou se estão preocupados com alterações no seu comportamento.
Cuidados com a dieta
O Escitalopram pode ser tomado com ou sem alimentos.
Não é aconselhável combinar Escitalopram e álcool.
Resposta à overdose
Procurar atendimento médico de emergência, ou ligue para o Centro de Intoxicações.

Toxicidade:
Os dados clínicos sobre sobredosagem com Escitalopram são limitados e muitos casos envolvem sobredosagens concomitantes com outros medicamentos.
Na maioria dos casos foram notificados sintomas ligeiros ou ausência de sintomas.
Casos fatais de sobredosagem de Escitalopram foram notificados raramente com Escitalopram em monoterapia; a maioria dos casos envolveu sobredosagens com medicações concomitantes.
Foram tomadas doses entre 400 e 800 mg de Escitalopram em monoterapia sem sintomas graves.

Sintomas:
Os sintomas observados em sobredosagens notificadas com Escitalopram incluem sintomas principalmente relacionados com o sistema nervoso central (variando desde tonturas, tremores e agitação até casos raros de síndrome serotoninérgica, convulsões e coma), sistema gastrointestinal (náuseas/vómitos) e sistema cardiovascular (hipotensão, taquicardia, prolongamento de QT e arritmia) e alterações do equilíbrio hidroelectrolítico (hipocaliemia, hiponatremia).

Tratamento:
Não existe um antídoto específico.
Estabelecer e manter uma via aérea, assegurar a oxigenação adequada e a função respiratória.
Devem ser consideradas a lavagem gástrica e a utilização de carvão ativado.
A lavagem gástrica deve ser realizada o mais cedo possível após a ingestão oral.
É recomendada a monitorização cardíaca e dos sinais vitais, juntamente com medidas gerais de suporte sintomático.
Terapêutica interrompida
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Caso se tenha esquecido de tomar uma dose, e se se lembrar antes de se ir deitar, tome-a imediatamente.
Continue como normalmente no dia seguinte.
Se apenas se lembrar durante a noite, ou no dia seguinte, ignore a dose esquecida e continue como normalmente.
Cuidados no armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.
Não conservar acima de 30°C.
Espectro de susceptibilidade e tolerância bacteriológica
Sem informação.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Inibidores da bomba de protões (IBP) + Escitalopram

Observações: A redução da acidez gástrica pode alterar a absorção de fármacos para os quais a acidez gástrica afecta a biodisponibilidade; Todos são metabolizados pelo cit. P450, incluindo o CYP2C19 e o CYP3A4; São raras as interacções clinicamente significativas.
Interações: Aumentam a concentração plasmática de: - Escitalopram - Escitalopram
Contraindicado

Escitalopram + Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações contraindicadas: IMAOs irreversíveis não selectivos: Foram notificados casos de reacções graves em doentes medicados com um ISRS em associação com um inibidor da monoamino oxidase (IMAO) irreversível não selectivo, e em doentes que interromperam recentemente o tratamento com um ISRS e começaram o tratamento com um IMAO. Em alguns casos, os doentes desenvolveram síndrome serotoninérgica. O escitalopram é contraindicado em associação com IMAOs irreversíveis não selectivos. O escitalopram pode ser iniciado 14 dias após a interrupção do tratamento com um IMAO irreversível. Devem decorrer, pelo menos, 7 dias após a descontinuação do tratamento com escitalopram antes de se iniciar o tratamento com um IMAO irreversível, não selectivo. Inibidor selectivo e reversível da MAO-A (moclobemida): Devido ao risco de síndrome serotoninérgica, a associação de escitalopram com um inibidor da MAO-A como a moclobemida é contraindicada. Se a associação provar ser necessária, deverá ser iniciada na posologia mínima recomendada, devendo reforçar-se a monitorização clínica. Inibidor reversível não selectivo da MAO (linezolida): O antibiótico linezolida é um inibidor reversível não selectivo da MAO e não deve ser administrado a doentes tratados com escitalopram. Se a associação provar ser necessária, deve ser administrado em doses mínimas e sob monitorização clínica rigorosa. Inibidor irreversível selectivo da MAO-B (selegilina): É necessário tomarem-se precauções na associação com selegilina (inibidor irreversível da MAO-B) devido ao risco de desenvolvimento de síndrome serotoninérgica. Doses de selegilina até 10 mg/dia foram co-administradas com segurança com citalopram racémico. - Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Aripiprazol + Escitalopram

Observações: Deverá ter-se precaução se o aripiprazol for administrado concomitantemente com medicamentos que se sabe que causam intervalo QT prolongado ou desequilíbrio eletrolítico.
Interações: Quando inibidores fracos da CYP3A4 (por ex. diltiazem ou escitalopram) ou da CYP2D6 são utilizados concomitantemente com Aripiprazol, podem ser esperados pequenos aumentos nas concentrações de aripiprazol. - Escitalopram
Contraindicado

Pimozida + Escitalopram

Observações: N.D.
Interações: Está contraindicada a utilização concomitante de pimozida com inibidores da recaptação de serotonina, tal como, sertralina, paroxetina, citalopram e escitalopram. - Escitalopram
Não recomendado/Evitar

Furazolidona + Escitalopram

Observações: N.D.
Interações: Não se recomenda a utilização de furazolidona com qualquer um dos seguintes medicamentos. - Amitriptilina - Apraclonidina - Atomoxetina - Benzefetamina - Brimonidina - Bupropiona - Carbamazepina - Carbidopa - Carbinoxamina - Citalopram - Clomipramina - Ciclobenzaprina - Cipro-heptadina - Desipramina - Desvenlafaxina - Dexmetilfenidato - Dextroanfetamina - Anfepramona (Dietilpropiona) - Doxilamina - Entacapona - Escitalopram - Femoxetina - Fluoxetina - Fluvoxamina - Guanedrel - Guanetidina - Hidroxitriptofano - Imipramina - Isocarboxazida - Levodopa - Levacetilmetadol - Levomilnacipran - Maprotilina - Mazindol - Metadona - Metanfetamina - Metildopa - Metilfenidato - Milnaciprano - Mirtazapina - Nefazodona - Nefopam - Nortriptilina - Opipramol - Paroxetina - Fendimetrazina - Fenmetrazina - Fentermina - Fenilalanina - Pseudoefedrina - Reserpina - Safinamida - Selegilina - Sertralina - Sibutramina - Sumatriptano - Tapentadol - Tetrabenazina - Tranilcipromina - Trazodona - Trimipramina - Triptofano - Venlafaxina - Vilazodona - Vortioxetina - Zimeldina - Escitalopram
Usar com precaução

Fluindiona + Escitalopram

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precauções de utilização: Antidepressivos inibidores selectivos da recaptação da serotonina (citalopram, escitalopram, fluoxetina, fluvoxamina, paroxetina, sertralina): Efeito aumentado de anticoagulantes orais e risco de hemorragia. Monitorização mais frequente do INR. Ajustar a dosagem de anticoagulante oral durante a vida da associação e após a sua interrupção. - Escitalopram
Usar com precaução

Lumacaftor + Ivacaftor + Escitalopram

Observações: O lumacaftor é um indutor potente das CYP3A e o ivacaftor é um inibidor fraco das CYP3A, quando administrados em monoterapia. Existe a possibilidade de outros medicamentos afetarem lumacaftor/ivacaftor quando administrados concomitantemente, assim como de lumacaftor/ivacaftor afetar outros medicamentos.
Interações: Citalopram, escitalopram, sertralina: Pode ser necessária uma dose mais elevada destes antidepressivos para se obter o efeito clínico desejado. Lumacaftor/ivacaftor pode diminuir as exposições destes antidepressivos, o que pode reduzir a sua eficácia. - Escitalopram
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Dasabuvir + Escitalopram

Observações: Os estudos de interação medicamentosa só foram realizados em adultos. Dasabuvir deve ser sempre administrado em conjunto com ombitasvir/paritaprevir/ritonavir. Quando coadministrados, exercem efeitos recíprocos um sobre o outro. Por conseguinte, o perfil de interação dos compostos tem de ser considerado como uma associação.
Interações: Interações farmacocinéticas: Potencial para Dasabuvir afetar a farmacocinética de outros medicamentos: Os estudos de interação medicamentosa in vivo avaliaram o efeito global do tratamento de associação, incluindo o ritonavir. Transportadores específicos e as enzimas metabolizadoras que são afetados pelo dasabuvir quando associado a ombitasvir/paritaprevir/ritonavir. Medicamentos metabolizados pelo CYP2C19: A coadministração de dasabuvir com ombitasvir/paritaprevir/ritonavir pode diminuir a exposição a medicamentos que são metabolizados pelo CYP2C19 (por exemplo lansoprazol, esomeprazol, s-mefenitoína), o que pode requerer ajuste da dose/monitorização clínica. Os substratos do CP2C19 avaliados nos estudos de interação medicamentosa incluem omeprazol e escitalopram. Interações entre Dasabuvir com ombitasvir/paritaprevir/ritonavir e outros medicamentos: ANTIDEPRESSIVOS: Escitalopram 10 mg dose única: Administrado com: Dasabuvir+ombitasvir/paritaprevir/ritonavir Não é necessário ajuste da dose para escitalopram. Duloxetina 60 mg dose única: Administrado com: Dasabuvir+ombitasvir/paritaprevir/ritonavir Não é necessário ajuste da dose para duloxetina. Não é necessário ajuste da dose para Dasabuvir + ombitasvir/paritaprevir/ritonavir. - Escitalopram
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ombitasvir + Paritaprevir + Ritonavir + Escitalopram

Observações: Os estudos de interação medicamentosa só foram realizados em adultos. Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir foi administrado em doses múltiplas em todos os estudos de interação medicamentosa, com exceção dos estudos de interação medicamentosa com carbamazepina, gemfibrozil e cetoconazol.
Interações: Interações farmacocinéticas: Potencial para Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir afetar a farmacocinética de outros medicamentos: Os estudos de interação medicamentosa in vivo avaliaram o efeito global do tratamento de associação, incluindo o ritonavir. Medicamentos metabolizados pelo CYP2C19: A coadministração de Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir pode diminuir a exposição a medicamentos que são metabolizados pelo CYP2C19 (por exemplo lansoprazol, esomeprazol, s-mefenitoína) o que pode requerer ajuste da dose/monitorização clínica. Os substratos do CYP2C19 avaliados nos estudos de interação medicamentosa incluem omeprazol e escitalopram. Interações entre Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir e outros medicamentos ANTIDEPRESSIVOS: Escitalopram 10 mg dose única: Administrado com: Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir + dasabuvir Administrado com: Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir sem dasabuvir Não é necessário ajuste da dose para escitalopram. - Escitalopram
Contraindicado

Domperidona + Escitalopram

Observações: N.D.
Interações: A utilização concomitante das seguintes substâncias é contraindicada: Medicamentos que prolonguem o intervalo QTc: - antiarrítmicos de classe IA (por exemplo, disopiramida, hidroquinidina e quinidina) - antiarrítmicos de classe III (por exemplo, amiodarona, dofetilida, dronedarona, ibutilida e sotalol) - determinados antipsicóticos (por exemplo, haloperidol, pimozida e sertindol) - determinados antidepressivos (por exemplo, citalopram e escitalopram) - determinados antibióticos (por exemplo, eritromicina, levofloxacina, moxifloxacina e espiramicina) - determinados agentes antifúngicos (por exemplo, pentamidina) - determinados agentes antimaláricos (sobretudo halofantrina e lumefantrina) - determinados medicamentos gastrointestinais (por exemplo, cisaprida, dolasetron e prucaloprida) - determinados antihistamínicos (por exemplo, mequitazina e mizolastina) - determinados medicamentos utilizados no cancro (por exemplo, toremifeno, vandetanib e vincamina) - alguns outros medicamentos (por exemplo, bepridilo, difemanil e metadona). - Escitalopram
Contraindicado

Escitalopram + Moclobemida

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações contraindicadas: Inibidor selectivo e reversível da MAO-A (moclobemida): Devido ao risco de síndrome serotoninérgica, a associação de escitalopram com um inibidor da MAO-A como a moclobemida é contraindicada. Se a associação provar ser necessária, deverá ser iniciada na posologia mínima recomendada, devendo reforçar-se a monitorização clínica. - Moclobemida
Contraindicado

Escitalopram + Linezolida

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações contraindicadas: Inibidor reversível não selectivo da MAO (linezolida): O antibiótico linezolida é um inibidor reversível não selectivo da MAO e não deve ser administrado a doentes tratados com escitalopram. Se a associação provar ser necessária, deve ser administrado em doses mínimas e sob monitorização clínica rigorosa. - Linezolida
Contraindicado

Escitalopram + Selegilina

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações contraindicadas: Inibidor irreversível selectivo da MAO-B (selegilina): É necessário tomarem-se precauções na associação com selegilina (inibidor irreversível da MAO-B) devido ao risco de desenvolvimento de síndrome serotoninérgica. Doses de selegilina até 10 mg/dia foram co-administradas com segurança com citalopram racémico. - Selegilina
Usar com precaução

Escitalopram + Medicamentos serotoninérgicos

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Medicamentos serotoninérgicos: A administração concomitante com medicamentos serotoninérgicos (p.ex., tramadol, sumatriptano e outros triptanos) pode causar a síndrome serotoninérgica. - Medicamentos serotoninérgicos
Usar com precaução

Escitalopram + Tramadol

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Medicamentos serotoninérgicos: A administração concomitante com medicamentos serotoninérgicos (p.ex., tramadol, sumatriptano e outros triptanos) pode causar a síndrome serotoninérgica. Medicamentos que diminuem o limiar convulsivo: Os ISRS podem diminuir o limiar convulsivo. Aconselha-se precaução durante a utilização concomitante de outros medicamentos capazes de diminuir o limiar convulsivo [p.ex., antidepressores (tricíclicos, ISRS), neurolépticos (fenotiazinas, tioxantenos e butirofenonas), mefloquina, bupropiona e tramadol]. - Tramadol
Usar com precaução

Escitalopram + Sumatriptano

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Medicamentos serotoninérgicos: A administração concomitante com medicamentos serotoninérgicos (p.ex., tramadol, sumatriptano e outros triptanos) pode causar a síndrome serotoninérgica. - Sumatriptano
Usar com precaução

Escitalopram + Triptanos

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Medicamentos serotoninérgicos: A administração concomitante com medicamentos serotoninérgicos (p.ex., tramadol, sumatriptano e outros triptanos) pode causar a síndrome serotoninérgica. - Triptanos
Usar com precaução

Escitalopram + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Medicamentos que diminuem o limiar convulsivo: Os ISRS podem diminuir o limiar convulsivo. Aconselha-se precaução durante a utilização concomitante de outros medicamentos capazes de diminuir o limiar convulsivo [p.ex., antidepressores (tricíclicos, ISRS), neurolépticos (fenotiazinas, tioxantenos e butirofenonas), mefloquina, bupropiona e tramadol]. - Antidepressores (Tricíclicos)
Usar com precaução

Escitalopram + Inibidores Selectivos da Recaptação da Serotonina (ISRS) (SSRIs)

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Medicamentos que diminuem o limiar convulsivo: Os ISRS podem diminuir o limiar convulsivo. Aconselha-se precaução durante a utilização concomitante de outros medicamentos capazes de diminuir o limiar convulsivo [p.ex., antidepressores (tricíclicos, ISRS), neurolépticos (fenotiazinas, tioxantenos e butirofenonas), mefloquina, bupropiona e tramadol]. - Inibidores Selectivos da Recaptação da Serotonina (ISRS) (SSRIs)
Usar com precaução

Escitalopram + Neurolépticos

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Medicamentos que diminuem o limiar convulsivo: Os ISRS podem diminuir o limiar convulsivo. Aconselha-se precaução durante a utilização concomitante de outros medicamentos capazes de diminuir o limiar convulsivo [p.ex., antidepressores (tricíclicos, ISRS), neurolépticos (fenotiazinas, tioxantenos e butirofenonas), mefloquina, bupropiona e tramadol]. - Neurolépticos
Usar com precaução

Escitalopram + Fenotiazidas (fenotiazinas)

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Medicamentos que diminuem o limiar convulsivo: Os ISRS podem diminuir o limiar convulsivo. Aconselha-se precaução durante a utilização concomitante de outros medicamentos capazes de diminuir o limiar convulsivo [p.ex., antidepressores (tricíclicos, ISRS), neurolépticos (fenotiazinas, tioxantenos e butirofenonas), mefloquina, bupropiona e tramadol]. - Fenotiazidas (fenotiazinas)
Usar com precaução

Escitalopram + Tioxantenos

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Medicamentos que diminuem o limiar convulsivo: Os ISRS podem diminuir o limiar convulsivo. Aconselha-se precaução durante a utilização concomitante de outros medicamentos capazes de diminuir o limiar convulsivo [p.ex., antidepressores (tricíclicos, ISRS), neurolépticos (fenotiazinas, tioxantenos e butirofenonas), mefloquina, bupropiona e tramadol]. - Tioxantenos
Usar com precaução

Escitalopram + Butirofenonas

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Medicamentos que diminuem o limiar convulsivo: Os ISRS podem diminuir o limiar convulsivo. Aconselha-se precaução durante a utilização concomitante de outros medicamentos capazes de diminuir o limiar convulsivo [p.ex., antidepressores (tricíclicos, ISRS), neurolépticos (fenotiazinas, tioxantenos e butirofenonas), mefloquina, bupropiona e tramadol]. - Butirofenonas
Usar com precaução

Escitalopram + Mefloquina

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Medicamentos que diminuem o limiar convulsivo: Os ISRS podem diminuir o limiar convulsivo. Aconselha-se precaução durante a utilização concomitante de outros medicamentos capazes de diminuir o limiar convulsivo [p.ex., antidepressores (tricíclicos, ISRS), neurolépticos (fenotiazinas, tioxantenos e butirofenonas), mefloquina, bupropiona e tramadol]. - Mefloquina
Usar com precaução

Escitalopram + Bupropiom (Bupropiona)

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Medicamentos que diminuem o limiar convulsivo: Os ISRS podem diminuir o limiar convulsivo. Aconselha-se precaução durante a utilização concomitante de outros medicamentos capazes de diminuir o limiar convulsivo [p.ex., antidepressores (tricíclicos, ISRS), neurolépticos (fenotiazinas, tioxantenos e butirofenonas), mefloquina, bupropiona e tramadol]. - Bupropiom (Bupropiona)
Usar com precaução

Escitalopram + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Lítio, triptofano: Foi notificado aumento dos efeitos quando os ISRS foram administrados juntamente com lítio ou triptofano; portanto, a utilização concomitante de ISRS com estes medicamentos deve ser efectuada com precaução. - Lítio
Usar com precaução

Escitalopram + Triptófano

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Lítio, triptofano: Foi notificado aumento dos efeitos quando os ISRS foram administrados juntamente com lítio ou triptofano; portanto, a utilização concomitante de ISRS com estes medicamentos deve ser efectuada com precaução. - Triptófano
Usar com precaução

Escitalopram + Hipericão (Erva de S. João)

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Hipericão: A utilização concomitante de ISRS e de produtos à base de plantas contendo hipericão (Hypericum perforatum) pode resultar num aumento da incidência de reacções adversas. - Hipericão (Erva de S. João)
Usar com precaução

Escitalopram + Anticoagulantes orais

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Hemorragia: Pode ocorrer alteração dos efeitos anticoagulantes quando o escitalopram é associado a anticoagulantes orais. Os doentes medicados com terapêutica anticoagulante oral devem ser submetidos a uma monitorização cuidadosa da coagulação quando o escitalopram é iniciado ou interrompido. - Anticoagulantes orais
Usar com precaução

Escitalopram + Álcool

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Álcool: Não se prevêem interações farmacodinâmicas ou farmacocinéticas entre o escitalopram e o álcool. Contudo, como com outros medicamentos psicotrópicos, não é aconselhada a combinação com o álcool. - Álcool
Usar com precaução

Escitalopram + Omeprazol

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacocinéticas: Influência de outros medicamentos na farmacocinética do escitalopram: O metabolismo do escitalopram é mediado principalmente pela CYP2C19. A CYP3A4 e a CYP2D6 também podem contribuir para o metabolismo embora num menor grau. O metabolismo do metabolito principal S-DCT (escitalopram desmetilado) parece ser parcialmente catalisado pela CYP2D6. A co-administração de escitalopram com 30 mg de omeprazol uma vez por dia (um inibidor da CYP2C19) resultou num aumento moderado (aproximadamente 50%) das concentrações plasmáticas de escitalopram. A co-administração de escitalopram com 400 mg de cimetidina duas vezes por dia (inibidor enzimático geral moderadamente potente) resultou num aumento moderado (aproximadamente 70%) das concentrações plasmáticas de escitalopram. Portanto, devem tomar-se precauções durante a sua utilização concomitante com inibidores da CYP2C19 (p. ex., omeprazol, esomeprazol, fluvoxamina, lansoprazol, ticlopidina) ou com cimetidina. Pode ser necessária uma diminuição da dose de escitalopram baseada na monitorização de efeitos secundários durante o tratamento concomitante. - Omeprazol
Usar com precaução

Escitalopram + Inibidores do CYP2C19

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacocinéticas: Influência de outros medicamentos na farmacocinética do escitalopram: O metabolismo do escitalopram é mediado principalmente pela CYP2C19. A CYP3A4 e a CYP2D6 também podem contribuir para o metabolismo embora num menor grau. O metabolismo do metabolito principal S-DCT (escitalopram desmetilado) parece ser parcialmente catalisado pela CYP2D6. A co-administração de escitalopram com 30 mg de omeprazol uma vez por dia (um inibidor da CYP2C19) resultou num aumento moderado (aproximadamente 50%) das concentrações plasmáticas de escitalopram. A co-administração de escitalopram com 400 mg de cimetidina duas vezes por dia (inibidor enzimático geral moderadamente potente) resultou num aumento moderado (aproximadamente 70%) das concentrações plasmáticas de escitalopram. Portanto, devem tomar-se precauções durante a sua utilização concomitante com inibidores da CYP2C19 (p. ex., omeprazol, esomeprazol, fluvoxamina, lansoprazol, ticlopidina) ou com cimetidina. Pode ser necessária uma diminuição da dose de escitalopram baseada na monitorização de efeitos secundários durante o tratamento concomitante. - Inibidores do CYP2C19
Usar com precaução

Escitalopram + Cimetidina

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacocinéticas: Influência de outros medicamentos na farmacocinética do escitalopram: O metabolismo do escitalopram é mediado principalmente pela CYP2C19. A CYP3A4 e a CYP2D6 também podem contribuir para o metabolismo embora num menor grau. O metabolismo do metabolito principal S-DCT (escitalopram desmetilado) parece ser parcialmente catalisado pela CYP2D6. A co-administração de escitalopram com 30 mg de omeprazol uma vez por dia (um inibidor da CYP2C19) resultou num aumento moderado (aproximadamente 50%) das concentrações plasmáticas de escitalopram. A co-administração de escitalopram com 400 mg de cimetidina duas vezes por dia (inibidor enzimático geral moderadamente potente) resultou num aumento moderado (aproximadamente 70%) das concentrações plasmáticas de escitalopram. Portanto, devem tomar-se precauções durante a sua utilização concomitante com inibidores da CYP2C19 (p. ex., omeprazol, esomeprazol, fluvoxamina, lansoprazol, ticlopidina) ou com cimetidina. Pode ser necessária uma diminuição da dose de escitalopram baseada na monitorização de efeitos secundários durante o tratamento concomitante. - Cimetidina
Usar com precaução

Escitalopram + Esomeprazol

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacocinéticas: Influência de outros medicamentos na farmacocinética do escitalopram: O metabolismo do escitalopram é mediado principalmente pela CYP2C19. A CYP3A4 e a CYP2D6 também podem contribuir para o metabolismo embora num menor grau. O metabolismo do metabolito principal S-DCT (escitalopram desmetilado) parece ser parcialmente catalisado pela CYP2D6. A co-administração de escitalopram com 30 mg de omeprazol uma vez por dia (um inibidor da CYP2C19) resultou num aumento moderado (aproximadamente 50%) das concentrações plasmáticas de escitalopram. A co-administração de escitalopram com 400 mg de cimetidina duas vezes por dia (inibidor enzimático geral moderadamente potente) resultou num aumento moderado (aproximadamente 70%) das concentrações plasmáticas de escitalopram. Portanto, devem tomar-se precauções durante a sua utilização concomitante com inibidores da CYP2C19 (p. ex., omeprazol, esomeprazol, fluvoxamina, lansoprazol, ticlopidina) ou com cimetidina. Pode ser necessária uma diminuição da dose de escitalopram baseada na monitorização de efeitos secundários durante o tratamento concomitante. - Esomeprazol
Usar com precaução

Escitalopram + Fluvoxamina

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacocinéticas: Influência de outros medicamentos na farmacocinética do escitalopram: O metabolismo do escitalopram é mediado principalmente pela CYP2C19. A CYP3A4 e a CYP2D6 também podem contribuir para o metabolismo embora num menor grau. O metabolismo do metabolito principal S-DCT (escitalopram desmetilado) parece ser parcialmente catalisado pela CYP2D6. A co-administração de escitalopram com 30 mg de omeprazol uma vez por dia (um inibidor da CYP2C19) resultou num aumento moderado (aproximadamente 50%) das concentrações plasmáticas de escitalopram. A co-administração de escitalopram com 400 mg de cimetidina duas vezes por dia (inibidor enzimático geral moderadamente potente) resultou num aumento moderado (aproximadamente 70%) das concentrações plasmáticas de escitalopram. Portanto, devem tomar-se precauções durante a sua utilização concomitante com inibidores da CYP2C19 (p. ex., omeprazol, esomeprazol, fluvoxamina, lansoprazol, ticlopidina) ou com cimetidina. Pode ser necessária uma diminuição da dose de escitalopram baseada na monitorização de efeitos secundários durante o tratamento concomitante. - Fluvoxamina
Usar com precaução

Escitalopram + Lansoprazol

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacocinéticas: Influência de outros medicamentos na farmacocinética do escitalopram: O metabolismo do escitalopram é mediado principalmente pela CYP2C19. A CYP3A4 e a CYP2D6 também podem contribuir para o metabolismo embora num menor grau. O metabolismo do metabolito principal S-DCT (escitalopram desmetilado) parece ser parcialmente catalisado pela CYP2D6. A co-administração de escitalopram com 30 mg de omeprazol uma vez por dia (um inibidor da CYP2C19) resultou num aumento moderado (aproximadamente 50%) das concentrações plasmáticas de escitalopram. A co-administração de escitalopram com 400 mg de cimetidina duas vezes por dia (inibidor enzimático geral moderadamente potente) resultou num aumento moderado (aproximadamente 70%) das concentrações plasmáticas de escitalopram. Portanto, devem tomar-se precauções durante a sua utilização concomitante com inibidores da CYP2C19 (p. ex., omeprazol, esomeprazol, fluvoxamina, lansoprazol, ticlopidina) ou com cimetidina. Pode ser necessária uma diminuição da dose de escitalopram baseada na monitorização de efeitos secundários durante o tratamento concomitante. - Lansoprazol
Usar com precaução

Escitalopram + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacocinéticas: Influência de outros medicamentos na farmacocinética do escitalopram: O metabolismo do escitalopram é mediado principalmente pela CYP2C19. A CYP3A4 e a CYP2D6 também podem contribuir para o metabolismo embora num menor grau. O metabolismo do metabolito principal S-DCT (escitalopram desmetilado) parece ser parcialmente catalisado pela CYP2D6. A co-administração de escitalopram com 30 mg de omeprazol uma vez por dia (um inibidor da CYP2C19) resultou num aumento moderado (aproximadamente 50%) das concentrações plasmáticas de escitalopram. A co-administração de escitalopram com 400 mg de cimetidina duas vezes por dia (inibidor enzimático geral moderadamente potente) resultou num aumento moderado (aproximadamente 70%) das concentrações plasmáticas de escitalopram. Portanto, devem tomar-se precauções durante a sua utilização concomitante com inibidores da CYP2C19 (p. ex., omeprazol, esomeprazol, fluvoxamina, lansoprazol, ticlopidina) ou com cimetidina. Pode ser necessária uma diminuição da dose de escitalopram baseada na monitorização de efeitos secundários durante o tratamento concomitante. - Ticlopidina
Usar com precaução

Escitalopram + Flecainida

Observações: N.D.
Interações: Efeito do escitalopram na farmacocinética de outros medicamentos: Escitalopram é um inibidor da enzima CYP2D6. Recomenda-se precaução durante a administração concomitante de escitalopram com medicamentos que são metabolizados principalmente por esta enzima e que têm um índice terapêutico estreito, p.ex., flecaínida, propafenona e metoprolol (quando utilizados na insuficiência cardíaca) ou com alguns medicamentos com acção sobre o SNC que são metabolizados principalmente pela CYP2D6, p.ex., antidepressores como a desipramina, clomipramina e nortriptilina ou antipsicóticos como a risperidona, tioridazina e haloperidol. Poderão ser necessários ajustes posológicos. A administração concomitante com desipramina ou metoprolol resultou em ambos os casos na duplicação dos níveis plasmáticos destes dois substratos da CYP2D6. Estudos in vitro demonstraram que o escitalopram pode também causar uma inibição fraca da CYP2C19. Recomenda-se precaução com a utilização concomitante de medicamentos que são metabolizados pela CYP2C19. - Flecainida
Usar com precaução

Escitalopram + Propafenona

Observações: N.D.
Interações: Efeito do escitalopram na farmacocinética de outros medicamentos: Escitalopram é um inibidor da enzima CYP2D6. Recomenda-se precaução durante a administração concomitante de escitalopram com medicamentos que são metabolizados principalmente por esta enzima e que têm um índice terapêutico estreito, p.ex., flecaínida, propafenona e metoprolol (quando utilizados na insuficiência cardíaca) ou com alguns medicamentos com acção sobre o SNC que são metabolizados principalmente pela CYP2D6, p.ex., antidepressores como a desipramina, clomipramina e nortriptilina ou antipsicóticos como a risperidona, tioridazina e haloperidol. Poderão ser necessários ajustes posológicos. A administração concomitante com desipramina ou metoprolol resultou em ambos os casos na duplicação dos níveis plasmáticos destes dois substratos da CYP2D6. Estudos in vitro demonstraram que o escitalopram pode também causar uma inibição fraca da CYP2C19. Recomenda-se precaução com a utilização concomitante de medicamentos que são metabolizados pela CYP2C19. - Propafenona
Usar com precaução

Escitalopram + Metoprolol

Observações: N.D.
Interações: Efeito do escitalopram na farmacocinética de outros medicamentos: Escitalopram é um inibidor da enzima CYP2D6. Recomenda-se precaução durante a administração concomitante de escitalopram com medicamentos que são metabolizados principalmente por esta enzima e que têm um índice terapêutico estreito, p.ex., flecaínida, propafenona e metoprolol (quando utilizados na insuficiência cardíaca) ou com alguns medicamentos com acção sobre o SNC que são metabolizados principalmente pela CYP2D6, p.ex., antidepressores como a desipramina, clomipramina e nortriptilina ou antipsicóticos como a risperidona, tioridazina e haloperidol. Poderão ser necessários ajustes posológicos. A administração concomitante com desipramina ou metoprolol resultou em ambos os casos na duplicação dos níveis plasmáticos destes dois substratos da CYP2D6. Estudos in vitro demonstraram que o escitalopram pode também causar uma inibição fraca da CYP2C19. Recomenda-se precaução com a utilização concomitante de medicamentos que são metabolizados pela CYP2C19. - Metoprolol
Usar com precaução

Escitalopram + Antidepressores

Observações: N.D.
Interações: Efeito do escitalopram na farmacocinética de outros medicamentos: Escitalopram é um inibidor da enzima CYP2D6. Recomenda-se precaução durante a administração concomitante de escitalopram com medicamentos que são metabolizados principalmente por esta enzima e que têm um índice terapêutico estreito, p.ex., flecaínida, propafenona e metoprolol (quando utilizados na insuficiência cardíaca) ou com alguns medicamentos com acção sobre o SNC que são metabolizados principalmente pela CYP2D6, p.ex., antidepressores como a desipramina, clomipramina e nortriptilina ou antipsicóticos como a risperidona, tioridazina e haloperidol. Poderão ser necessários ajustes posológicos. A administração concomitante com desipramina ou metoprolol resultou em ambos os casos na duplicação dos níveis plasmáticos destes dois substratos da CYP2D6. Estudos in vitro demonstraram que o escitalopram pode também causar uma inibição fraca da CYP2C19. Recomenda-se precaução com a utilização concomitante de medicamentos que são metabolizados pela CYP2C19. - Antidepressores
Usar com precaução

Escitalopram + Desipramina

Observações: N.D.
Interações: Efeito do escitalopram na farmacocinética de outros medicamentos: Escitalopram é um inibidor da enzima CYP2D6. Recomenda-se precaução durante a administração concomitante de escitalopram com medicamentos que são metabolizados principalmente por esta enzima e que têm um índice terapêutico estreito, p.ex., flecaínida, propafenona e metoprolol (quando utilizados na insuficiência cardíaca) ou com alguns medicamentos com acção sobre o SNC que são metabolizados principalmente pela CYP2D6, p.ex., antidepressores como a desipramina, clomipramina e nortriptilina ou antipsicóticos como a risperidona, tioridazina e haloperidol. Poderão ser necessários ajustes posológicos. A administração concomitante com desipramina ou metoprolol resultou em ambos os casos na duplicação dos níveis plasmáticos destes dois substratos da CYP2D6. Estudos in vitro demonstraram que o escitalopram pode também causar uma inibição fraca da CYP2C19. Recomenda-se precaução com a utilização concomitante de medicamentos que são metabolizados pela CYP2C19. - Desipramina
Usar com precaução

Escitalopram + Clomipramina

Observações: N.D.
Interações: Efeito do escitalopram na farmacocinética de outros medicamentos: Escitalopram é um inibidor da enzima CYP2D6. Recomenda-se precaução durante a administração concomitante de escitalopram com medicamentos que são metabolizados principalmente por esta enzima e que têm um índice terapêutico estreito, p.ex., flecaínida, propafenona e metoprolol (quando utilizados na insuficiência cardíaca) ou com alguns medicamentos com acção sobre o SNC que são metabolizados principalmente pela CYP2D6, p.ex., antidepressores como a desipramina, clomipramina e nortriptilina ou antipsicóticos como a risperidona, tioridazina e haloperidol. Poderão ser necessários ajustes posológicos. A administração concomitante com desipramina ou metoprolol resultou em ambos os casos na duplicação dos níveis plasmáticos destes dois substratos da CYP2D6. Estudos in vitro demonstraram que o escitalopram pode também causar uma inibição fraca da CYP2C19. Recomenda-se precaução com a utilização concomitante de medicamentos que são metabolizados pela CYP2C19. - Clomipramina
Usar com precaução

Escitalopram + Nortriptilina

Observações: N.D.
Interações: Efeito do escitalopram na farmacocinética de outros medicamentos: Escitalopram é um inibidor da enzima CYP2D6. Recomenda-se precaução durante a administração concomitante de escitalopram com medicamentos que são metabolizados principalmente por esta enzima e que têm um índice terapêutico estreito, p.ex., flecaínida, propafenona e metoprolol (quando utilizados na insuficiência cardíaca) ou com alguns medicamentos com acção sobre o SNC que são metabolizados principalmente pela CYP2D6, p.ex., antidepressores como a desipramina, clomipramina e nortriptilina ou antipsicóticos como a risperidona, tioridazina e haloperidol. Poderão ser necessários ajustes posológicos. A administração concomitante com desipramina ou metoprolol resultou em ambos os casos na duplicação dos níveis plasmáticos destes dois substratos da CYP2D6. Estudos in vitro demonstraram que o escitalopram pode também causar uma inibição fraca da CYP2C19. Recomenda-se precaução com a utilização concomitante de medicamentos que são metabolizados pela CYP2C19. - Nortriptilina
Usar com precaução

Escitalopram + Antipsicóticos

Observações: N.D.
Interações: Efeito do escitalopram na farmacocinética de outros medicamentos: Escitalopram é um inibidor da enzima CYP2D6. Recomenda-se precaução durante a administração concomitante de escitalopram com medicamentos que são metabolizados principalmente por esta enzima e que têm um índice terapêutico estreito, p.ex., flecaínida, propafenona e metoprolol (quando utilizados na insuficiência cardíaca) ou com alguns medicamentos com acção sobre o SNC que são metabolizados principalmente pela CYP2D6, p.ex., antidepressores como a desipramina, clomipramina e nortriptilina ou antipsicóticos como a risperidona, tioridazina e haloperidol. Poderão ser necessários ajustes posológicos. A administração concomitante com desipramina ou metoprolol resultou em ambos os casos na duplicação dos níveis plasmáticos destes dois substratos da CYP2D6. Estudos in vitro demonstraram que o escitalopram pode também causar uma inibição fraca da CYP2C19. Recomenda-se precaução com a utilização concomitante de medicamentos que são metabolizados pela CYP2C19. - Antipsicóticos
Usar com precaução

Escitalopram + Risperidona

Observações: N.D.
Interações: Efeito do escitalopram na farmacocinética de outros medicamentos: Escitalopram é um inibidor da enzima CYP2D6. Recomenda-se precaução durante a administração concomitante de escitalopram com medicamentos que são metabolizados principalmente por esta enzima e que têm um índice terapêutico estreito, p.ex., flecaínida, propafenona e metoprolol (quando utilizados na insuficiência cardíaca) ou com alguns medicamentos com acção sobre o SNC que são metabolizados principalmente pela CYP2D6, p.ex., antidepressores como a desipramina, clomipramina e nortriptilina ou antipsicóticos como a risperidona, tioridazina e haloperidol. Poderão ser necessários ajustes posológicos. A administração concomitante com desipramina ou metoprolol resultou em ambos os casos na duplicação dos níveis plasmáticos destes dois substratos da CYP2D6. Estudos in vitro demonstraram que o escitalopram pode também causar uma inibição fraca da CYP2C19. Recomenda-se precaução com a utilização concomitante de medicamentos que são metabolizados pela CYP2C19. - Risperidona
Usar com precaução

Escitalopram + Tioridazina

Observações: N.D.
Interações: Efeito do escitalopram na farmacocinética de outros medicamentos: Escitalopram é um inibidor da enzima CYP2D6. Recomenda-se precaução durante a administração concomitante de escitalopram com medicamentos que são metabolizados principalmente por esta enzima e que têm um índice terapêutico estreito, p.ex., flecaínida, propafenona e metoprolol (quando utilizados na insuficiência cardíaca) ou com alguns medicamentos com acção sobre o SNC que são metabolizados principalmente pela CYP2D6, p.ex., antidepressores como a desipramina, clomipramina e nortriptilina ou antipsicóticos como a risperidona, tioridazina e haloperidol. Poderão ser necessários ajustes posológicos. A administração concomitante com desipramina ou metoprolol resultou em ambos os casos na duplicação dos níveis plasmáticos destes dois substratos da CYP2D6. Estudos in vitro demonstraram que o escitalopram pode também causar uma inibição fraca da CYP2C19. Recomenda-se precaução com a utilização concomitante de medicamentos que são metabolizados pela CYP2C19. - Tioridazina
Usar com precaução

Escitalopram + Haloperidol

Observações: N.D.
Interações: Efeito do escitalopram na farmacocinética de outros medicamentos: Escitalopram é um inibidor da enzima CYP2D6. Recomenda-se precaução durante a administração concomitante de escitalopram com medicamentos que são metabolizados principalmente por esta enzima e que têm um índice terapêutico estreito, p.ex., flecaínida, propafenona e metoprolol (quando utilizados na insuficiência cardíaca) ou com alguns medicamentos com acção sobre o SNC que são metabolizados principalmente pela CYP2D6, p.ex., antidepressores como a desipramina, clomipramina e nortriptilina ou antipsicóticos como a risperidona, tioridazina e haloperidol. Poderão ser necessários ajustes posológicos. A administração concomitante com desipramina ou metoprolol resultou em ambos os casos na duplicação dos níveis plasmáticos destes dois substratos da CYP2D6. Estudos in vitro demonstraram que o escitalopram pode também causar uma inibição fraca da CYP2C19. Recomenda-se precaução com a utilização concomitante de medicamentos que são metabolizados pela CYP2C19. - Haloperidol
Contraindicado

Hidroxizina + Escitalopram

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: A coadministração de hidroxizina com fármacos conhecidos por prolongarem o intervalo QT e/ou induzirem Torsade de Pointes, p.e. fármacos antiarrítmicos da classe IA (p.e. quinidina, disopiramida) e da classe III (p.e. amiodarona, sotalol), alguns antihistamínicos, alguns antipsicóticos (p.e. haloperidol), alguns antidepressivos (p.e. citalopram, escitalopram), alguns antimaláricos (p.e. mefloquina), alguns antibióticos (p.e. eritromicina, levofloxacina, moxifloxacina), alguns fármacos antifúngicos (p.e. pentamidina), alguns medicamentos gastrointestinais (p.e. prucaloprida), alguns medicamentos utilizados no tratamento do cancro (p.e. toremifeno, vandetanib), metadona, aumentam o risco de arritmia cardíaca. Deste modo, a combinação é contraindicada. - Escitalopram
Usar com precaução

Telaprevir + Escitalopram

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Telaprevir é parcialmente metabolizado no fígado pelo CYP3A e é um substrato da glicoproteína-P (P-gp). Outras enzimas estão também envolvidas no metabolismo. A administração concomitante de Telaprevir e de medicamentos que induzem o CYP3A e/ou a P-gp podem diminuir acentuadamente as concentrações plasmáticas de telaprevir. A administração concomitante de Telaprevir e de medicamentos que inibem o CYP3A e/ou a P-gp pode aumentar as concentrações plasmáticas de telaprevir. Telaprevir é um forte inibidor do CYP3A4, dependente do tempo, que também inibe acentuadamente a P-gp. A dependência de tempo indica que a inibição do CYP3A4 pode ser intensificada durante as primeiras duas semanas de tratamento. Após o fim do tratamento, poderá ser necessário cerca de uma semana para a inibição desaparecer completamente. A administração de Telaprevir pode aumentar a exposição sistémica a medicamentos que são substratos do CYP3A ou da P-gp, o que pode aumentar ou prolongar o seu efeito terapêutico e reações adversas. Com base nos resultados dos estudos clínicos de interação medicamentosa (escitalopram, zolpidem, etinilestradiol), não pode ser excluída a indução de enzimas metabólicas pelo telaprevir. ANTIDEPRESSIVOS: Escitalopram: Relevância clínica desconhecida. As doses podem necessitar de ser aumentadas aquando da combinação com telaprevir. - Escitalopram
Não recomendado/Evitar

Gilteritinib + Escitalopram

Observações: Gilteritinib é principalmente metabolizado pelas enzimas do CYP3A, que podem ser induzidas ou inibidas por diversos medicamentos concomitantes.
Interações: Efeitos de Gilteritinib noutros medicamentos Recetor 5HT2B ou recetor sigma não específico Com base nos dados in vitro, gilteritinib pode reduzir os efeitos dos medicamentos dirigidos ao recetor 5HT2B ou recetores sigma não específicos (por ex., escitalopram, fluoxetina, sertralina). Evitar a utilização concomitante destes medicamentos com Gilteritinib salvo se a utilização for considerada essencial para o cuidado do doente. - Escitalopram
Usar com precaução

Fosnetupitant + Palonossetrom + Escitalopram

Observações: n.d.
Interações: Medicamentos serotoninérgicos (p. ex., ISRS e IRSN) Tem havido notificações de síndrome da serotonina após a utilização concomitante de antagonistas do 5-HT3 e de outros medicamentos serotoninérgicos (incluindo ISRS, tais como a fluoxetina, paroxetina, sertralina, fluvoxamina, citalopram ou escitalopram e IRSN, tais como a venlafaxina ou a duloxetina). - Escitalopram
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Escitalopram
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 08 de Setembro de 2020