Similares Químicos

Produtos com a mesma molécula e do mesmo Grupo Terapêutico

Similares Terapêuticos

Produtos do mesmo Grupo Terapêutico

Duloxetina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Renal
O que é
A Duloxetina é um medicamento que tem como alvo principal o transtorno depressivo maior (MDD), transtorno de ansiedade generalizada (TAG), dor relacionada à neuropatia periférica diabética e em alguns países incontinência urinária de esforço (IUE).

A Duloxetina ainda não foi aprovado pela FDA para a incontinência urinária de esforço ou para a fibromialgia.

É um IRSN seletivo (inibidor seletivo da recaptação da serotonina, noradrenalina).

A Duloxetina é um fármaco para terapia sistémica, que afeta o corpo como um todo.

Conhecido também sob o nome de código de LY248686, que é um potente inibidor da recaptação dupla da serotonina (5-hidroxitriptamina, 5-HT) e da noradrenalina (NA), que possuem afinidades comparáveis ​​na ligação aos locais do transportador de NE e 5-HT.

É um inibidor menos potente da recaptação da dopamina.
Usos comuns
A Duloxetina é usada para tratar transtorno depressivo maior e transtorno de ansiedade em geral.

A Duloxetina é também usada para tratar a fibromialgia (uma doença de dor crónica), ou muscular crónica ou dores nas articulações (como dor lombar e dor da osteoartrite).

A Duloxetina é também utilizada para tratar a dor causada por lesão do nervo em pessoas com diabetes (neuropatia diabética).
Tipo
Molécula pequena.
Indicações
Para o tratamento agudo e de manutenção do transtorno depressivo major (MDD), assim como a gestão do transtorno de ansiedade generalizada agudo.

Também é usado para o tratamento da dor neuropática associada à neuropatia periférica diabética, e fibromialgia.

Tem sido usado no tratamento de incontinência urinária de esforço (IUE) ou de stress moderado a grave em mulheres.
Classificação CFT

02.09.03 : Antidepressores

Mecanismo de ação
A Duloxetina é um inibidor potente da serotonina e norepinefrina neuronal e um inibidor menos potente da recaptação da dopamina.

A Duloxetina não tem nenhuma afinidade significativa com dopaminérgicos, adrenérgicos, colinérgicos, histaminérgicos, opioides, glutamato, e os recetores GABA.

Acredita-se que as ações inibidoras da dor e antidepressivas da Duloxetina estarem relacionadas com a sua potenciação da atividade da serotoninérgica e noradrenérgica no SNC.

O mecanismo de ação da Duloxetina em IUE não foi determinada, mas pensa-se estar associada com a potenciação da atividade da serotonina e da norepinefrina na atividade da medula espinal, o que aumenta as forças de fechamento da uretra e, portanto, reduz a perda involuntária de urina.
Posologia orientativa
Dose adulta usual para a dor:
Para uso no tratamento da dor neuropática associada à neuropatia periférica diabética e para a gestão da dor musculoesquelética crónica em pacientes com dor lombar crónica e dor crónica devido a osteoartrite:
Dose usual: 60 mg uma vez por dia, independentemente das refeições.

Para pacientes nos quais a tolerabilidade é uma preocupação, uma dose inicial mais baixa deve ser considerada. Embora 120 mg por dose / dia, ter demonstrado ser segura e eficaz, não há nenhuma evidência de que doses superiores a 60 mg tenham qualquer benefício adicional. Além disso, a dose mais elevada foi claramente menos bem tolerado.

A eficácia para além de 12 semanas não foi estudada sistematicamente em estudos controlados com placebo, mas tem sido conduzido um estudo aberto de um ano de segurança.

Dose adulta usual para a depressão:
Dose inicial: 40 mg por dia (administradas em doses de 20 mg duas vezes por dia) e 60 mg por dia (uma vez ou uma vez por dia, ou até 30 mg duas vezes por dia), independentemente das refeições.

Dose habitual para a ansiedade:
Dose inicial: 60 mg por via oral uma vez por dia, se necessário, a dose pode ser aumentada em incrementos de não mais do que 30 mg por dia.
Dose máxima: 120 mg por dia para pacientes nos quais a tolerabilidade é uma preocupação, uma dose inicial mais baixa de 30 mg, por via oral, uma vez por dia pode ser considerado.
Depois de uma semana de tratamento, a dose pode ser aumentada para 60 mg por via oral uma vez por dia, nesta população de pacientes.

Embora 120 mg por dose, dia, ter demonstrado ser segura e eficaz, não há nenhuma evidência de que doses superiores a 60 mg tenham qualquer benefício adicional.

É geralmente aceite que os episódios de transtorno de ansiedade generalizada requerem vários meses ou mais de terapia farmacológica sustentada. A manutenção da eficácia no transtorno de ansiedade generalizada tem sido demonstrada com a Duloxetina como monoterapia.

A Duloxetina deve ser administrada em uma gama de dosagens de 60 a 120 mg, uma vez por dia. Os pacientes devem ser periodicamente reavaliados para determinar a necessidade de continuar a manutenção do tratamento e a dose adequada para tal tratamento.

Dose adulta usual para a fibromialgia:
Dose inicial: 30 mg uma vez por dia, independentemente das refeições, durante uma semana.

Dose usual: 60 mg uma vez por dia, independentemente das refeições. O tratamento deve começar com 30 mg uma vez por dia durante 1 semana, para permitir que os pacientes a ajustar-se a medicação antes de aumentar para 60 mg uma vez por dia.
Alguns doentes podem responder à dose inicial.

Não há provas de que as doses superiores a 60 mg/dia, conferem benefício adicional, mesmo em doentes que não respondem a uma dose de 60 mg, e as doses mais elevadas estão associadas a uma taxa mais elevada de reações adversas.

A fibromialgia é reconhecida como uma condição crónica. A eficácia de Duloxetina no tratamento de fibromialgia tem sido demonstrada em estudos controlados com placebo de até três meses.

A eficácia da Duloxetina não foi demonstrada em estudos de maior duração, no entanto, o tratamento deve ser continuado com base na resposta individual do doente.
Administração
Via oral.
Pode-se ingerir as cápsulas com ou sem alimentos. Não as mastigar ou partir.
Contraindicações
Terapia concomitante ou recente (ou seja, dentro de 2 semanas) com um inibidor da MAO.

Glaucoma de ângulo fechado não controlado.

Hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer outro componente da formulação.
Efeitos indesejáveis/adversos
Obtenha ajuda médica de emergência se tiver algum destes sinais de reação alérgica: – – erupções cutâneas ou urticária, dificuldade em respirar, inchaço do rosto, lábios, língua ou garganta.
Relatar quaisquer novos sintomas ou agravamento para o seu médico, tais como:
– mudanças de humor ou comportamento, ansiedade, ataques de pânico, problemas para dormir, ou se sentir impulsivo, irritável, agitado, hostil, agressivo, inquieto, hiperativo (mentalmente ou fisicamente), mais deprimidas, ou tem pensamentos suicidas ou autoflagelação.

Chame o seu médico imediatamente se tem:
– Náuseas, dor de estômago superior, comichão, perda de apetite, urina escura, fezes cor de barro, icterícia (amarelecimento da pele ou dos olhos);
– Sensação de desfalecimento;
– Agitação, alucinações, febre, ritmo cardíaco acelerado, reflexos hiperativos, vómitos, diarréia, perda de coordenação;
– Músculos muito duras (rígidas), febre alta, sudorese, confusão, tremores;
– Nódoas negras, hemorragias;
– Dor ou dificuldade para urinar;
– Dores de cabeça, dificuldade de concentração, problemas de memória, fraqueza, convulsões, respiração superficial instável sentindo ou respiração que pára, ou
– Reação cutânea grave
– Febre, dor de garganta, inchaço no rosto ou língua, ardor nos olhos, dor na pele, seguida por uma erupção avermelhada ou roxa da pele que se espalha (especialmente no rosto ou parte superior do corpo) e provoca bolhas e descamação.

Outros efeitos colaterais comuns podem incluir:
– Boca seca;
– Sonolência;
– Sensação de cansaço;
– Náusea leve ou perda de apetite; ou
– Prisão de ventre.

Esta não é uma lista completa dos efeitos secundários e outros podem ocorrer.
Peça aconselhamento médico sobre os efeitos secundários.
Advertências
Gravidez
Gravidez:
Gravidez:O produtor recomenda evitar por toxicidade em estudos animais; evitar em doentes com incontinência urinária. Ver Antidepressores inibidores da recaptação da serotonina. Risco fetal desconhecido, por falta de estudos alargados. Trimestre: 3º
Aleitamento
Aleitamento:
Aleitamento:Presente no leite; o produtor recomenda evitar.
Insuf. Renal
Insuf. Renal:
Insuf. Renal:Iniciar terapêutica com doses mais baixas e aumentar gradualmente na IR ligeira a moderada. Não recomendado para Cl cr < 30 ml/minuto.
Precauções gerais
É importante que o médico verificar o seu progresso em visitas regulares para permitir mudanças na sua dose e para ajudar a prevenir quaisquer efeitos indesejados.

É importante informar o médico se estiver grávida ou a tentar engravidar. o médico pode querer que se inscreva a um registro de gravidez para pacientes a tomar Duloxetina.

Vai precisar de ter a sua pressão arterial avaliada antes de iniciar a toma de Duloxetina e enquanto estiver a usá-la. Se notar qualquer alteração em sua pressão arterial recomendada, contate o médico imediatamente. Se tiver dúvidas sobre isso, fale com o médico.

Não foi demostrado que a Duloxetina potencie os efeitos do álcool. Entretanto, o uso de álcool não é recomendado em doentes que estão a tomar Duloxetina. A Duloxetina pode causar agitação, estados irritadiços, ou provocar outros comportamentos anormais em alguns adolescentes e jovens adultos. Também pode levar algumas pessoas a ter pensamentos e tendências suicidas ou tornarem-se mais deprimidas.

Algumas pessoas podem ter problemas para dormir, ficar irritadas com facilidade, ter um grande aumento de energia, ou começar a agir imprudente. Se perceber algum destes efeitos indesejáveis, informe o médico imediatamente. Informe também o médico teve ou alguém da sua família tem transtorno bipolar (maníaco-depressiva) ou tentou cometer suicídio.

A Duloxetina pode causar graves problemas no fígado. Se tiver sintomas como urina escura, cansaço e fraqueza, fezes de cor clara, náuseas e vómitos, dor de estômago superior direito, ou olhos amarelecidos e pele, contate o médico imediatamente.

Não de repente parar de tomar Duloxetina sem verificar primeiro com o médico. Se foi instruído a parar de tomar Duloxetina, pergunte ao médico como diminuir a dose lentamente. Isto irá diminuir possibilidade de ter sintomas de abstinência, tais como tonturas, náuseas, dores de cabeça, vómitos, aumento da sudorese, irritabilidade, pesadelos ou sensação de formigueiro.

Não tome Duloxetina se tiver tomado uma monoamina oxidase (MAO) (por exemplo, isocarboxazide, fenelzina, selegilina, ou tranilcipromina) nos últimos 2 semanas. Não inicie a toma de um inibidor da MAO nos 5 dias seguintes a parar a Duloxetina.

Se fizer isso, pode desenvolver confusão, agitação, inquietação, trasntornos do estômago ou intestinais, súbita elevação da temperatura corporal, pressão arterial extremamente alta ou convulsões graves.
Certifique-se de que o médico sabe de todos os outros medicamentos que está a usar.

A Duloxetina pode causar doenças graves, chamadas síndrome de reações da serotonina ou síndrome neuroléptica maligna (NMS), qaundo tomada com determinados medicamentos, como a linezolida, lítio, triptofano, erva de São João, ou alguns medicamentos para a dor (por exemplo, tramadol, sumatriptano, zolmitriptano, ou rizatriptano). Fale com o médico antes de tomar outros medicamentos.

Reações cutâneas graves podem ocorrer durante o tratamento com Duloxetina, incluindo eritema multiforme e síndrome de Stevens- Johnson (SJS).

Suspenda o uso de Duloxetina e fale com o médico imediatamente se tem bolhas, descamação ou enrugamento e lesões vermelhas na pele; acne grave ou erupção cutânea; feridas ou úlceras na pele, ou febre ou arrepios, enquanto estiver a usar Duloxetina.

A Duloxetina pode afetar os níveis de açúcar no sangue. Se é diabético e notar uma mudança nos resultados de seus testes de sangue ou urina de açúcar, consulte o médico.

A Duloxetina pode levar algumas pessoas a se tornar sonolento ou ter visão turva. Certifique-se que sabe como reagir aos efeitos da Duloxetina antes de conduzir, utilizar máquinas, ou executar tarefas que possa ser perigosas se não estiver alerta ou capaz de ver claramente.

Também pode sentir tonturas ao levantar-se subitamente de uma posição deitada ou sentada, devendo fazê-lo lentamente. Se estes sintomas o incomodam ou impedem de executar as suas atividades diárias, informe o médico de imediato.

Duloxetina pode aumentar o risco de problemas de hemorragias. Informe o médico estiver a tomar outros medicamentos que diluem o sangue, como a aspirina, os agentes anti-inflamatórios não-esteroides também chamados de AINEs (por exemplo, ibuprofeno, naproxeno).

A hiponatremia (baixa de sódio no sangue) pode ocorrer com Duloxetina.

Pare de usar o medicamento e consulte o médico imediatamente se sente confusão, dificuldade de concentração, dores de cabeça, problemas de memória, fraqueza e instabilidade.
Cuidados com a dieta
Os alimentos não afetam níveis máximos alcançados, mas atrasam-no (de 6 a 10 horas) e a exposição total do produto parece ser reduzida em apenas 10%.

As pessoas que tomam este produto e que bebem grandes quantidades de álcool são expostos a um maior risco de toxicidade hepática.

Tome, independentemente das refeições.
Resposta à overdose
Procurar atendimento médico de emergência, ou ligue para o Centro de Intoxicações.
Terapêutica interrompida
Tome a dose assim que se lembrar. Não tome a dose esquecida se for quase hora da sua próxima dose. Não tome medicamento extra para compensar a dose esquecida.
Cuidados no armazenamento
Guarde o medicamento num recipiente fechado à temperatura ambiente, longe do calor, umidade e luz direta.
Evite congelamento.
Manter fora do alcance das crianças.
Não guarde medicamentos desatualizados ou medicamento não mais necessários.
Pergunte ao seu profissional de saúde como você deve dispor de qualquer medicamento que não use.
Espectro de susceptibilidade e tolerância bacteriológica
Sem informação.
Não recomendado/Evitar

Duloxetina + Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)

Observações: N.D.
Interações: Inibidores da monoaminoxidase (IMAO): Devido ao risco de síndrome da serotonina, a duloxetina não deve ser usada em combinação com inibidores da monoaminoxidase não seletivos irreversíveis (IMAO) ou pelo menos, nos 14 dias após a interrupção do tratamento com um IMAO. Dada a semivida da duloxetina, devem passar pelo menos 5 dias após a interrupção do tratamento com Duloxetina, antes de começar o tratamento com um IMAO. Não se recomenda o uso concomitante de Duloxetina com IMAO seletivos reversíveis, como a moclobemida. O antibiótico linezolida é um IMAO reversível não seletivo e não deve ser administrado a doentes tratados com Duloxetina. Agentes serotoninérgicos: Em casos raros foi notificado a síndrome da serotonina em doentes a tomar ISRS/ISRN concomitantemente com agentes serotoninérgicos. Recomenda-se precaução ao utilizar concomitantemente Duloxetina com agentes serotoninérgicos tais como os ISRS, ISRN antidepressivos tricíclicos tais como a clomipramina ou a amitriptilina, IMAO, tais como a moclobemida ou linezolida, hipericão (Hypericum perforatum), ou triptanos, tramadol, petidina e triptofano. - Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)
Usar com precaução

Pitolisant + Duloxetina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Inibidores da CYP2D6: A administração concomitante de pitolisant com paroxetina aumenta significativamente a Cmax média e o rácio da AUC0-72h do pitolisant, em cerca de 47% e 105%, respetivamente. Considerando a exposição duas vezes superior ao pitolisant, a sua administração concomitante com inibidores da CYP2D6 (por exemplo, paroxetina, fluoxetina, venlafaxina, duloxetina, bupropiona, quinidina, terbinafina, cinacalcet) deve ser feita com precaução. Pode eventualmente ser considerado um ajuste da dosagem durante a associação. - Duloxetina
Sem significado Clínico

Oxibato de sódio + Duloxetina

Observações: N.D.
Interações: Antidepressivos: Um estudo de interação medicamentosa em adultos saudáveis não evidenciou interações farmacocinéticas entre oxibato de sódio (dose única de 2,25 g) e os antidepressivos cloridrato de protriptilina (dose única de 10 mg) e duloxetina (60 mg em estado estacionário). Não foram observados efeitos adicionais no sono aquando da comparação de doses únicas de oxibato de sódio apenas (2,25 g) e oxibato de sódio (2,25 g) em associação com duloxetina (60 mg em estado estacionário). Antidepressivos têm sido utilizados no tratamento da cataplexia. Não pode ser excluído um possível efeito aditivo de antidepressivos e oxibato de sódio. A taxa de reações adversas aumentou quando o oxibato de sódio é coadministrado com antidepressivos tricíclicos. - Duloxetina
Não recomendado/Evitar

Mequitazina + Duloxetina

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Como o Mequitazina é, principalmente, metabolizado pelo CYP2D6, a utilização concomitante de medicamentos conhecidos como inibidores potentes deste enzima, tais como paroxetina, fluoxetina, duloxetina ou bupropiona, não está recomendada. - Duloxetina
Sem efeito descrito

Dasabuvir + Duloxetina

Observações: Os estudos de interação medicamentosa só foram realizados em adultos. Dasabuvir deve ser sempre administrado em conjunto com ombitasvir/paritaprevir/ritonavir. Quando coadministrados, exercem efeitos recíprocos um sobre o outro. Por conseguinte, o perfil de interação dos compostos tem de ser considerado como uma associação.
Interações: Interações farmacocinéticas: Potencial para Dasabuvir afetar a farmacocinética de outros medicamentos: Os estudos de interação medicamentosa in vivo avaliaram o efeito global do tratamento de associação, incluindo o ritonavir. Transportadores específicos e as enzimas metabolizadoras que são afetados pelo dasabuvir quando associado a ombitasvir/paritaprevir/ritonavir. Medicamentos metabolizados pelos CYP2D6 ou CYP1A2: Dasabuvir administrado com ombitasvir/paritaprevir/ritonavir não afetou as exposições ao substrato do CYP2D6/CYP1A2, a duloxetina. Não são expectáveis ajustes de dose para outros substratos do CYP1A2 (por exemplo ciprofloxacina, teofilina e cafeína) e substratos da CYP2D6 (por exemplo desipramina, metoprolol e dextrometorfano). - Duloxetina
Sem efeito descrito

Ombitasvir + Paritaprevir + Ritonavir + Duloxetina

Observações: Os estudos de interação medicamentosa só foram realizados em adultos. Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir foi administrado em doses múltiplas em todos os estudos de interação medicamentosa, com exceção dos estudos de interação medicamentosa com carbamazepina, gemfibrozil e cetoconazol.
Interações: Interações farmacocinéticas: Potencial para Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir afetar a farmacocinética de outros medicamentos: Os estudos de interação medicamentosa in vivo avaliaram o efeito global do tratamento de associação, incluindo o ritonavir. Medicamentos metabolizados pelos CYP2D6 ou CYP1A2: Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir administrado com ou sem dasabuvir não afetou as exposições do substrato do CYP2D6/CYP1A2, a duloxetina. Não são expectáveis ajustes de dose para outros substratos do CYP1A2 (por exemplo ciprofloxacina, teofilina e cafeína) e substratos da CYP2D6 (por exemplo desipramina, metoprolol e dextrometorfano). Interações entre Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir e outros medicamentos ANTIDEPRESSIVOS: Duloxetina 60 mg dose única: Administrado com: Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir + dasabuvir Administrado com: Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir sem dasabuvir Não é necessário ajuste da dose para duloxetina. Não é necessário ajuste da dose para Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir. - Duloxetina
Contraindicado

Eliglustato + Duloxetina

Observações: N.D.
Interações: Inibidores da CYP2D6: Em metabolizadores intermédios (MI) e extensivos (ME): Após doses repetidas de 84 mg de eliglustato duas vezes por dia em doentes não-MF, a administração concomitante de doses repetidas de 30 mg de paroxetina, um inibidor potente da CYP2D6, uma vez por dia resultou num aumento da Cmax e da AUC0-12 do eliglustato de 7,3 e 8,9 vezes, respetivamente. Em MI e ME, deve ser considerada a dose de 84 mg de eliglustato uma vez por dia quando se utiliza concomitantemente com um inibidor potente da CYP2D6 (p.ex., paroxetina, fluoxetina, quinidina, bupropiona). Para uma dosagem de 84 mg duas vezes por dia em doentes não-MF, é de prever que a utilização concomitante de inibidores moderados da CYP2D6 (p.ex., duloxetina, terbinafina, moclobemida, mirabegrom, cinacalcet, dronedarona) iria aumentar aproximadamente até 4 vezes a exposição ao eliglustato. Em MI e ME, deve proceder-se com cuidado relativamente aos inibidores moderados da CYP2D6. - Duloxetina
Usar com precaução

Teriflunomida + Duloxetina

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacocinéticas da teriflunomida sobre outras substâncias: Efeito da teriflunomida sobre o substrato do CYP1A2: Cafeína: A administração de doses repetidas de teriflunomida diminuiu a Cmax média e AUC da cafeína (substrato do CYP1A2) em 18% e 55%, respetivamente, sugerindo que a teriflunomida pode ser um indutor fraco do CYP1A2 in vivo. Por este motivo, os medicamentos metabolizados pela CYP1A2 (p.ex., duloxetina, alosetron, teofilina e tizanidina) devem ser utilizados com precaução durante o tratamento com teriflunomida, uma vez que esta pode reduzir a eficácia destes produtos. - Duloxetina
Não recomendado/Evitar

Duloxetina + Linezolida

Observações: N.D.
Interações: Inibidores da monoaminoxidase (IMAO): Devido ao risco de síndrome da serotonina, a duloxetina não deve ser usada em combinação com inibidores da monoaminoxidase não seletivos irreversíveis (IMAO) ou pelo menos, nos 14 dias após a interrupção do tratamento com um IMAO. Dada a semivida da duloxetina, devem passar pelo menos 5 dias após a interrupção do tratamento com Duloxetina, antes de começar o tratamento com um IMAO. Não se recomenda o uso concomitante de Duloxetina com IMAO seletivos reversíveis, como a moclobemida. O antibiótico linezolida é um IMAO reversível não seletivo e não deve ser administrado a doentes tratados com Duloxetina. Agentes serotoninérgicos: Em casos raros foi notificado a síndrome da serotonina em doentes a tomar ISRS/ISRN concomitantemente com agentes serotoninérgicos. Recomenda-se precaução ao utilizar concomitantemente Duloxetina com agentes serotoninérgicos tais como os ISRS, ISRN antidepressivos tricíclicos tais como a clomipramina ou a amitriptilina, IMAO, tais como a moclobemida ou linezolida, hipericão (Hypericum perforatum), ou triptanos, tramadol, petidina e triptofano. - Linezolida
Não recomendado/Evitar

Duloxetina + Indutores do CYP1A2

Observações: N.D.
Interações: Inibidores do CYP1A2: Uma vez que o CYP1A2 está envolvido no metabolismo da duloxetina, o uso concomitante de duloxetina com inibidores potentes do CYP1A2 pode resultar num aumento das concentrações da duloxetina. A fluvoxamina (100 mg uma vez por dia), um potente inibidor do CYP1A2, diminuiu a depuração plasmática aparente da duloxetina em cerca de 77% e aumentou 6 vezes a AUC 0-t. Assim, não se deve administrar Duloxetina em combinação com inibidores potentes do CYP1A2, tais como a fluvoxamina. Efeitos de outros medicamentos na duloxetina: Indutores do CYP1A2: Análises populacionais de farmacocinética demonstraram que os fumadores possuem concentrações de duloxetina no plasma quase 50% inferiores às dos não fumadores. - Indutores do CYP1A2
Não recomendado/Evitar

Duloxetina + Fluvoxamina

Observações: N.D.
Interações: Inibidores do CYP1A2: Uma vez que o CYP1A2 está envolvido no metabolismo da duloxetina, o uso concomitante de duloxetina com inibidores potentes do CYP1A2 pode resultar num aumento das concentrações da duloxetina. A fluvoxamina (100 mg uma vez por dia), um potente inibidor do CYP1A2, diminuiu a depuração plasmática aparente da duloxetina em cerca de 77% e aumentou 6 vezes a AUC 0-t. Assim, não se deve administrar Duloxetina em combinação com inibidores potentes do CYP1A2, tais como a fluvoxamina. - Fluvoxamina
Usar com precaução

Duloxetina + Depressores do SNC

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que atuam no Sistema Nervoso Central (SNC): O risco da utilização de duloxetina em combinação com outros medicamentos ativos no SNC não foi sistematicamente avaliado, com exceção dos casos descritos nesta secção. Consequentemente, recomenda-se precaução na administração simultânea de Duloxetina com outros medicamentos ou substâncias que atuem a nível central, incluindo álcool e sedativos (benzodiazepinas, morfinomiméticos, antipsicóticos, fenobarbital, antihistamínicos sedativos). - Depressores do SNC
Usar com precaução

Duloxetina + Álcool

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que atuam no Sistema Nervoso Central (SNC): O risco da utilização de duloxetina em combinação com outros medicamentos ativos no SNC não foi sistematicamente avaliado, com exceção dos casos descritos nesta secção. Consequentemente, recomenda-se precaução na administração simultânea de Duloxetina com outros medicamentos ou substâncias que atuem a nível central, incluindo álcool e sedativos (benzodiazepinas, morfinomiméticos, antipsicóticos, fenobarbital, antihistamínicos sedativos). - Álcool
Usar com precaução

Duloxetina + Sedativos

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que atuam no Sistema Nervoso Central (SNC): O risco da utilização de duloxetina em combinação com outros medicamentos ativos no SNC não foi sistematicamente avaliado, com exceção dos casos descritos nesta secção. Consequentemente, recomenda-se precaução na administração simultânea de Duloxetina com outros medicamentos ou substâncias que atuem a nível central, incluindo álcool e sedativos (benzodiazepinas, morfinomiméticos, antipsicóticos, fenobarbital, antihistamínicos sedativos). - Sedativos
Usar com precaução

Duloxetina + Benzodiazepinas

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que atuam no Sistema Nervoso Central (SNC): O risco da utilização de duloxetina em combinação com outros medicamentos ativos no SNC não foi sistematicamente avaliado, com exceção dos casos descritos nesta secção. Consequentemente, recomenda-se precaução na administração simultânea de Duloxetina com outros medicamentos ou substâncias que atuem a nível central, incluindo álcool e sedativos (benzodiazepinas, morfinomiméticos, antipsicóticos, fenobarbital, antihistamínicos sedativos). - Benzodiazepinas
Usar com precaução

Duloxetina + Morfinomiméticos (derivados sintéticos da morfina)

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que atuam no Sistema Nervoso Central (SNC): O risco da utilização de duloxetina em combinação com outros medicamentos ativos no SNC não foi sistematicamente avaliado, com exceção dos casos descritos nesta secção. Consequentemente, recomenda-se precaução na administração simultânea de Duloxetina com outros medicamentos ou substâncias que atuem a nível central, incluindo álcool e sedativos (benzodiazepinas, morfinomiméticos, antipsicóticos, fenobarbital, antihistamínicos sedativos). - Morfinomiméticos (derivados sintéticos da morfina)
Usar com precaução

Duloxetina + Antipsicóticos

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que atuam no Sistema Nervoso Central (SNC): O risco da utilização de duloxetina em combinação com outros medicamentos ativos no SNC não foi sistematicamente avaliado, com exceção dos casos descritos nesta secção. Consequentemente, recomenda-se precaução na administração simultânea de Duloxetina com outros medicamentos ou substâncias que atuem a nível central, incluindo álcool e sedativos (benzodiazepinas, morfinomiméticos, antipsicóticos, fenobarbital, antihistamínicos sedativos). - Antipsicóticos
Usar com precaução

Duloxetina + Fenitoína

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que atuam no Sistema Nervoso Central (SNC): O risco da utilização de duloxetina em combinação com outros medicamentos ativos no SNC não foi sistematicamente avaliado, com exceção dos casos descritos nesta secção. Consequentemente, recomenda-se precaução na administração simultânea de Duloxetina com outros medicamentos ou substâncias que atuem a nível central, incluindo álcool e sedativos (benzodiazepinas, morfinomiméticos, antipsicóticos, fenobarbital, antihistamínicos sedativos). - Fenitoína
Usar com precaução

Duloxetina + Antihistamínicos

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que atuam no Sistema Nervoso Central (SNC): O risco da utilização de duloxetina em combinação com outros medicamentos ativos no SNC não foi sistematicamente avaliado, com exceção dos casos descritos nesta secção. Consequentemente, recomenda-se precaução na administração simultânea de Duloxetina com outros medicamentos ou substâncias que atuem a nível central, incluindo álcool e sedativos (benzodiazepinas, morfinomiméticos, antipsicóticos, fenobarbital, antihistamínicos sedativos). - Antihistamínicos
Usar com precaução

Duloxetina + Medicamentos serotoninérgicos

Observações: N.D.
Interações: Agentes serotoninérgicos: Em casos raros foi notificado a síndrome da serotonina em doentes a tomar ISRS/ISRN concomitantemente com agentes serotoninérgicos. Recomenda-se precaução ao utilizar concomitantemente Duloxetina com agentes serotoninérgicos tais como os ISRS, ISRN antidepressivos tricíclicos tais como a clomipramina ou a amitriptilina, IMAO, tais como a moclobemida ou linezolida, hipericão (Hypericum perforatum), ou triptanos, tramadol, petidina e triptofano. - Medicamentos serotoninérgicos
Usar com precaução

Duloxetina + Inibidores Selectivos da Recaptação da Serotonina (ISRS) (SSRIs)

Observações: N.D.
Interações: Agentes serotoninérgicos: Em casos raros foi notificado a síndrome da serotonina em doentes a tomar ISRS/ISRN concomitantemente com agentes serotoninérgicos. Recomenda-se precaução ao utilizar concomitantemente Duloxetina com agentes serotoninérgicos tais como os ISRS, ISRN antidepressivos tricíclicos tais como a clomipramina ou a amitriptilina, IMAO, tais como a moclobemida ou linezolida, hipericão (Hypericum perforatum), ou triptanos, tramadol, petidina e triptofano. - Inibidores Selectivos da Recaptação da Serotonina (ISRS) (SSRIs)
Usar com precaução

Duloxetina + Inibidores da recaptação da serotonina e da noradrenalina (IRSN)

Observações: N.D.
Interações: Agentes serotoninérgicos: Em casos raros foi notificado a síndrome da serotonina em doentes a tomar ISRS/ISRN concomitantemente com agentes serotoninérgicos. Recomenda-se precaução ao utilizar concomitantemente Duloxetina com agentes serotoninérgicos tais como os ISRS, ISRN antidepressivos tricíclicos tais como a clomipramina ou a amitriptilina, IMAO, tais como a moclobemida ou linezolida, hipericão (Hypericum perforatum), ou triptanos, tramadol, petidina e triptofano. - Inibidores da recaptação da serotonina e da noradrenalina (IRSN)
Usar com precaução

Duloxetina + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: N.D.
Interações: Agentes serotoninérgicos: Em casos raros foi notificado a síndrome da serotonina em doentes a tomar ISRS/ISRN concomitantemente com agentes serotoninérgicos. Recomenda-se precaução ao utilizar concomitantemente Duloxetina com agentes serotoninérgicos tais como os ISRS, ISRN antidepressivos tricíclicos tais como a clomipramina ou a amitriptilina, IMAO, tais como a moclobemida ou linezolida, hipericão (Hypericum perforatum), ou triptanos, tramadol, petidina e triptofano. Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Medicamentos metabolizados pelo CYP2D6: A duloxetina é um inibidor moderado do CYP2D6. Quando se administrou uma dose de 60 mg de duloxetina duas vezes por dia com uma dose única de desipramina, um substrato do CYP2D6, a AUC da desipramina aumentou 3 vezes. A coadministração de duloxetina (40 mg duas vezes por dia) aumentou em 71%, a AUC no estado estacionário da tolterodina (2 mg duas vezes por dia), mas não afetou a farmacocinética do seu metabolito ativo 5-hidroxil, não sendo por isso necessário ajuste posológico. Recomenda-se precaução nos casos em que se verifique a administração concomitante de Duloxetina com medicamentos predominantemente metabolizados pelo CYP2D6 (risperidona e antidepressivos tricíclicos, tais como, a nortriptilina, amitriptilina e imipramina), particularmente se tiverem uma estreita margem terapêutica (tais como a flecainida, a propafenona e o metoprolol). - Antidepressores (Tricíclicos)
Usar com precaução

Duloxetina + Clomipramina

Observações: N.D.
Interações: Agentes serotoninérgicos: Em casos raros foi notificado a síndrome da serotonina em doentes a tomar ISRS/ISRN concomitantemente com agentes serotoninérgicos. Recomenda-se precaução ao utilizar concomitantemente Duloxetina com agentes serotoninérgicos tais como os ISRS, ISRN antidepressivos tricíclicos tais como a clomipramina ou a amitriptilina, IMAO, tais como a moclobemida ou linezolida, hipericão (Hypericum perforatum), ou triptanos, tramadol, petidina e triptofano. - Clomipramina
Usar com precaução

Duloxetina + Amitriptilina

Observações: N.D.
Interações: Agentes serotoninérgicos: Em casos raros foi notificado a síndrome da serotonina em doentes a tomar ISRS/ISRN concomitantemente com agentes serotoninérgicos. Recomenda-se precaução ao utilizar concomitantemente Duloxetina com agentes serotoninérgicos tais como os ISRS, ISRN antidepressivos tricíclicos tais como a clomipramina ou a amitriptilina, IMAO, tais como a moclobemida ou linezolida, hipericão (Hypericum perforatum), ou triptanos, tramadol, petidina e triptofano. Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Medicamentos metabolizados pelo CYP2D6: A duloxetina é um inibidor moderado do CYP2D6. Quando se administrou uma dose de 60 mg de duloxetina duas vezes por dia com uma dose única de desipramina, um substrato do CYP2D6, a AUC da desipramina aumentou 3 vezes. A coadministração de duloxetina (40 mg duas vezes por dia) aumentou em 71%, a AUC no estado estacionário da tolterodina (2 mg duas vezes por dia), mas não afetou a farmacocinética do seu metabolito ativo 5-hidroxil, não sendo por isso necessário ajuste posológico. Recomenda-se precaução nos casos em que se verifique a administração concomitante de Duloxetina com medicamentos predominantemente metabolizados pelo CYP2D6 (risperidona e antidepressivos tricíclicos, tais como, a nortriptilina, amitriptilina e imipramina), particularmente se tiverem uma estreita margem terapêutica (tais como a flecainida, a propafenona e o metoprolol). - Amitriptilina
Usar com precaução

Duloxetina + Moclobemida

Observações: N.D.
Interações: Agentes serotoninérgicos: Em casos raros foi notificado a síndrome da serotonina em doentes a tomar ISRS/ISRN concomitantemente com agentes serotoninérgicos. Recomenda-se precaução ao utilizar concomitantemente Duloxetina com agentes serotoninérgicos tais como os ISRS, ISRN antidepressivos tricíclicos tais como a clomipramina ou a amitriptilina, IMAO, tais como a moclobemida ou linezolida, hipericão (Hypericum perforatum), ou triptanos, tramadol, petidina e triptofano. - Moclobemida
Usar com precaução

Duloxetina + Hipericão (Erva de S. João)

Observações: N.D.
Interações: Agentes serotoninérgicos: Em casos raros foi notificado a síndrome da serotonina em doentes a tomar ISRS/ISRN concomitantemente com agentes serotoninérgicos. Recomenda-se precaução ao utilizar concomitantemente Duloxetina com agentes serotoninérgicos tais como os ISRS, ISRN antidepressivos tricíclicos tais como a clomipramina ou a amitriptilina, IMAO, tais como a moclobemida ou linezolida, hipericão (Hypericum perforatum), ou triptanos, tramadol, petidina e triptofano. - Hipericão (Erva de S. João)
Usar com precaução

Duloxetina + Triptanos

Observações: N.D.
Interações: Agentes serotoninérgicos: Em casos raros foi notificado a síndrome da serotonina em doentes a tomar ISRS/ISRN concomitantemente com agentes serotoninérgicos. Recomenda-se precaução ao utilizar concomitantemente Duloxetina com agentes serotoninérgicos tais como os ISRS, ISRN antidepressivos tricíclicos tais como a clomipramina ou a amitriptilina, IMAO, tais como a moclobemida ou linezolida, hipericão (Hypericum perforatum), ou triptanos, tramadol, petidina e triptofano. - Triptanos
Usar com precaução

Duloxetina + Tramadol

Observações: N.D.
Interações: Agentes serotoninérgicos: Em casos raros foi notificado a síndrome da serotonina em doentes a tomar ISRS/ISRN concomitantemente com agentes serotoninérgicos. Recomenda-se precaução ao utilizar concomitantemente Duloxetina com agentes serotoninérgicos tais como os ISRS, ISRN antidepressivos tricíclicos tais como a clomipramina ou a amitriptilina, IMAO, tais como a moclobemida ou linezolida, hipericão (Hypericum perforatum), ou triptanos, tramadol, petidina e triptofano. - Tramadol
Usar com precaução

Duloxetina + Petidina (meperidina, piperosal, dolosal ou demerol)

Observações: N.D.
Interações: Agentes serotoninérgicos: Em casos raros foi notificado a síndrome da serotonina em doentes a tomar ISRS/ISRN concomitantemente com agentes serotoninérgicos. Recomenda-se precaução ao utilizar concomitantemente Duloxetina com agentes serotoninérgicos tais como os ISRS, ISRN antidepressivos tricíclicos tais como a clomipramina ou a amitriptilina, IMAO, tais como a moclobemida ou linezolida, hipericão (Hypericum perforatum), ou triptanos, tramadol, petidina e triptofano. - Petidina (meperidina, piperosal, dolosal ou demerol)
Usar com precaução

Duloxetina + Triptófano

Observações: N.D.
Interações: Agentes serotoninérgicos: Em casos raros foi notificado a síndrome da serotonina em doentes a tomar ISRS/ISRN concomitantemente com agentes serotoninérgicos. Recomenda-se precaução ao utilizar concomitantemente Duloxetina com agentes serotoninérgicos tais como os ISRS, ISRN antidepressivos tricíclicos tais como a clomipramina ou a amitriptilina, IMAO, tais como a moclobemida ou linezolida, hipericão (Hypericum perforatum), ou triptanos, tramadol, petidina e triptofano. - Triptófano
Sem significado Clínico

Duloxetina + Substratos do CYP1A2

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Medicamentos metabolizados pelo CYP1A2: A farmacocinética da teofilina, um substrato do CYP1A2, não foi significativamente afetada pela administração concomitante da duloxetina (60 mg duas vezes por dia). - Substratos do CYP1A2
Usar com precaução

Duloxetina + Desipramina

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Medicamentos metabolizados pelo CYP2D6: A duloxetina é um inibidor moderado do CYP2D6. Quando se administrou uma dose de 60 mg de duloxetina duas vezes por dia com uma dose única de desipramina, um substrato do CYP2D6, a AUC da desipramina aumentou 3 vezes. A coadministração de duloxetina (40 mg duas vezes por dia) aumentou em 71%, a AUC no estado estacionário da tolterodina (2 mg duas vezes por dia), mas não afetou a farmacocinética do seu metabolito ativo 5-hidroxil, não sendo por isso necessário ajuste posológico. Recomenda-se precaução nos casos em que se verifique a administração concomitante de Duloxetina com medicamentos predominantemente metabolizados pelo CYP2D6 (risperidona e antidepressivos tricíclicos, tais como, a nortriptilina, amitriptilina e imipramina), particularmente se tiverem uma estreita margem terapêutica (tais como a flecainida, a propafenona e o metoprolol). - Desipramina
Usar com precaução

Duloxetina + Substratos do CYP2D6

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Medicamentos metabolizados pelo CYP2D6: A duloxetina é um inibidor moderado do CYP2D6. Quando se administrou uma dose de 60 mg de duloxetina duas vezes por dia com uma dose única de desipramina, um substrato do CYP2D6, a AUC da desipramina aumentou 3 vezes. A coadministração de duloxetina (40 mg duas vezes por dia) aumentou em 71%, a AUC no estado estacionário da tolterodina (2 mg duas vezes por dia), mas não afetou a farmacocinética do seu metabolito ativo 5-hidroxil, não sendo por isso necessário ajuste posológico. Recomenda-se precaução nos casos em que se verifique a administração concomitante de Duloxetina com medicamentos predominantemente metabolizados pelo CYP2D6 (risperidona e antidepressivos tricíclicos, tais como, a nortriptilina, amitriptilina e imipramina), particularmente se tiverem uma estreita margem terapêutica (tais como a flecainida, a propafenona e o metoprolol). - Substratos do CYP2D6
Usar com precaução

Duloxetina + Risperidona

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Medicamentos metabolizados pelo CYP2D6: A duloxetina é um inibidor moderado do CYP2D6. Quando se administrou uma dose de 60 mg de duloxetina duas vezes por dia com uma dose única de desipramina, um substrato do CYP2D6, a AUC da desipramina aumentou 3 vezes. A coadministração de duloxetina (40 mg duas vezes por dia) aumentou em 71%, a AUC no estado estacionário da tolterodina (2 mg duas vezes por dia), mas não afetou a farmacocinética do seu metabolito ativo 5-hidroxil, não sendo por isso necessário ajuste posológico. Recomenda-se precaução nos casos em que se verifique a administração concomitante de Duloxetina com medicamentos predominantemente metabolizados pelo CYP2D6 (risperidona e antidepressivos tricíclicos, tais como, a nortriptilina, amitriptilina e imipramina), particularmente se tiverem uma estreita margem terapêutica (tais como a flecainida, a propafenona e o metoprolol). - Risperidona
Usar com precaução

Duloxetina + Nortriptilina

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Medicamentos metabolizados pelo CYP2D6: A duloxetina é um inibidor moderado do CYP2D6. Quando se administrou uma dose de 60 mg de duloxetina duas vezes por dia com uma dose única de desipramina, um substrato do CYP2D6, a AUC da desipramina aumentou 3 vezes. A coadministração de duloxetina (40 mg duas vezes por dia) aumentou em 71%, a AUC no estado estacionário da tolterodina (2 mg duas vezes por dia), mas não afetou a farmacocinética do seu metabolito ativo 5-hidroxil, não sendo por isso necessário ajuste posológico. Recomenda-se precaução nos casos em que se verifique a administração concomitante de Duloxetina com medicamentos predominantemente metabolizados pelo CYP2D6 (risperidona e antidepressivos tricíclicos, tais como, a nortriptilina, amitriptilina e imipramina), particularmente se tiverem uma estreita margem terapêutica (tais como a flecainida, a propafenona e o metoprolol). - Nortriptilina
Usar com precaução

Duloxetina + Imipramina

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Medicamentos metabolizados pelo CYP2D6: A duloxetina é um inibidor moderado do CYP2D6. Quando se administrou uma dose de 60 mg de duloxetina duas vezes por dia com uma dose única de desipramina, um substrato do CYP2D6, a AUC da desipramina aumentou 3 vezes. A coadministração de duloxetina (40 mg duas vezes por dia) aumentou em 71%, a AUC no estado estacionário da tolterodina (2 mg duas vezes por dia), mas não afetou a farmacocinética do seu metabolito ativo 5-hidroxil, não sendo por isso necessário ajuste posológico. Recomenda-se precaução nos casos em que se verifique a administração concomitante de Duloxetina com medicamentos predominantemente metabolizados pelo CYP2D6 (risperidona e antidepressivos tricíclicos, tais como, a nortriptilina, amitriptilina e imipramina), particularmente se tiverem uma estreita margem terapêutica (tais como a flecainida, a propafenona e o metoprolol). - Imipramina
Usar com precaução

Duloxetina + Flecainida

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Medicamentos metabolizados pelo CYP2D6: A duloxetina é um inibidor moderado do CYP2D6. Quando se administrou uma dose de 60 mg de duloxetina duas vezes por dia com uma dose única de desipramina, um substrato do CYP2D6, a AUC da desipramina aumentou 3 vezes. A coadministração de duloxetina (40 mg duas vezes por dia) aumentou em 71%, a AUC no estado estacionário da tolterodina (2 mg duas vezes por dia), mas não afetou a farmacocinética do seu metabolito ativo 5-hidroxil, não sendo por isso necessário ajuste posológico. Recomenda-se precaução nos casos em que se verifique a administração concomitante de Duloxetina com medicamentos predominantemente metabolizados pelo CYP2D6 (risperidona e antidepressivos tricíclicos, tais como, a nortriptilina, amitriptilina e imipramina), particularmente se tiverem uma estreita margem terapêutica (tais como a flecainida, a propafenona e o metoprolol). - Flecainida
Usar com precaução

Duloxetina + Propafenona

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Medicamentos metabolizados pelo CYP2D6: A duloxetina é um inibidor moderado do CYP2D6. Quando se administrou uma dose de 60 mg de duloxetina duas vezes por dia com uma dose única de desipramina, um substrato do CYP2D6, a AUC da desipramina aumentou 3 vezes. A coadministração de duloxetina (40 mg duas vezes por dia) aumentou em 71%, a AUC no estado estacionário da tolterodina (2 mg duas vezes por dia), mas não afetou a farmacocinética do seu metabolito ativo 5-hidroxil, não sendo por isso necessário ajuste posológico. Recomenda-se precaução nos casos em que se verifique a administração concomitante de Duloxetina com medicamentos predominantemente metabolizados pelo CYP2D6 (risperidona e antidepressivos tricíclicos, tais como, a nortriptilina, amitriptilina e imipramina), particularmente se tiverem uma estreita margem terapêutica (tais como a flecainida, a propafenona e o metoprolol). - Propafenona
Usar com precaução

Duloxetina + Metoprolol

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Medicamentos metabolizados pelo CYP2D6: A duloxetina é um inibidor moderado do CYP2D6. Quando se administrou uma dose de 60 mg de duloxetina duas vezes por dia com uma dose única de desipramina, um substrato do CYP2D6, a AUC da desipramina aumentou 3 vezes. A coadministração de duloxetina (40 mg duas vezes por dia) aumentou em 71%, a AUC no estado estacionário da tolterodina (2 mg duas vezes por dia), mas não afetou a farmacocinética do seu metabolito ativo 5-hidroxil, não sendo por isso necessário ajuste posológico. Recomenda-se precaução nos casos em que se verifique a administração concomitante de Duloxetina com medicamentos predominantemente metabolizados pelo CYP2D6 (risperidona e antidepressivos tricíclicos, tais como, a nortriptilina, amitriptilina e imipramina), particularmente se tiverem uma estreita margem terapêutica (tais como a flecainida, a propafenona e o metoprolol). - Metoprolol
Sem efeito descrito

Duloxetina + Contracetivos orais

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Contracetivos orais e outros agentes esteroides: Resultados de estudos in vitro demonstraram que a duloxetina não induz a atividade catalítica do CYP3A. Não foram efetuados estudos in vivo específicos de interação com outros medicamentos. - Contracetivos orais
Sem efeito descrito

Duloxetina + Esteróides

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Contracetivos orais e outros agentes esteroides: Resultados de estudos in vitro demonstraram que a duloxetina não induz a atividade catalítica do CYP3A. Não foram efetuados estudos in vivo específicos de interação com outros medicamentos. - Esteróides
Usar com precaução

Duloxetina + Anticoagulantes orais

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Anticoagulantes e antiplaquetários: Deve ter-se cuidado quando se administra duloxetina em combinação com anticoagulantes ou antiplaquetários devido a um possível risco aumentado de hemorragia, atribuível a uma interação farmacodinâmica. Além disso, foram notificados aumentos nos valores de INR quando se coadministrou duloxetina a doentes tratados com varfarina. No entanto, em voluntários saudáveis, a administração concomitante de duloxetina com varfarina em condições de estado de equilíbrio, como parte de um estudo de farmacologia clínica, não resultou numa alteração clinicamente significativa do INR inicial ou na farmacocinética da R- varfarina ou S-varfarina. - Anticoagulantes orais
Usar com precaução

Duloxetina + Antiplaquetários

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Anticoagulantes e antiplaquetários: Deve ter-se cuidado quando se administra duloxetina em combinação com anticoagulantes ou antiplaquetários devido a um possível risco aumentado de hemorragia, atribuível a uma interação farmacodinâmica. Além disso, foram notificados aumentos nos valores de INR quando se coadministrou duloxetina a doentes tratados com varfarina. No entanto, em voluntários saudáveis, a administração concomitante de duloxetina com varfarina em condições de estado de equilíbrio, como parte de um estudo de farmacologia clínica, não resultou numa alteração clinicamente significativa do INR inicial ou na farmacocinética da R- varfarina ou S-varfarina. - Antiplaquetários
Usar com precaução

Duloxetina + Varfarina

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Anticoagulantes e antiplaquetários: Deve ter-se cuidado quando se administra duloxetina em combinação com anticoagulantes ou antiplaquetários devido a um possível risco aumentado de hemorragia, atribuível a uma interação farmacodinâmica. Além disso, foram notificados aumentos nos valores de INR quando se coadministrou duloxetina a doentes tratados com varfarina. No entanto, em voluntários saudáveis, a administração concomitante de duloxetina com varfarina em condições de estado de equilíbrio, como parte de um estudo de farmacologia clínica, não resultou numa alteração clinicamente significativa do INR inicial ou na farmacocinética da R- varfarina ou S-varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Duloxetina + Antiácidos

Observações: N.D.
Interações: Efeitos de outros medicamentos na duloxetina: Antiácidos e antagonistas H2: A coadministração de duloxetina com antiácidos que incluam na sua composição alumínio e magnésio ou a coadministração de duloxetina com famotidina não exerceu qualquer efeito significativo na taxa ou na extensão da absorção da duloxetina após a administração de uma dose oral de 40 mg. - Antiácidos
Sem efeito descrito

Duloxetina + Antagonistas dos Receptores H2 da Histamina

Observações: N.D.
Interações: Efeitos de outros medicamentos na duloxetina: Antiácidos e antagonistas H2: A coadministração de duloxetina com antiácidos que incluam na sua composição alumínio e magnésio ou a coadministração de duloxetina com famotidina não exerceu qualquer efeito significativo na taxa ou na extensão da absorção da duloxetina após a administração de uma dose oral de 40 mg. - Antagonistas dos Receptores H2 da Histamina
Sem efeito descrito

Duloxetina + Hidróxido de Alumínio

Observações: N.D.
Interações: Efeitos de outros medicamentos na duloxetina: Antiácidos e antagonistas H2: A coadministração de duloxetina com antiácidos que incluam na sua composição alumínio e magnésio ou a coadministração de duloxetina com famotidina não exerceu qualquer efeito significativo na taxa ou na extensão da absorção da duloxetina após a administração de uma dose oral de 40 mg. - Hidróxido de Alumínio
Sem efeito descrito

Duloxetina + Hidróxido de magnésio

Observações: N.D.
Interações: Efeitos de outros medicamentos na duloxetina: Antiácidos e antagonistas H2: A coadministração de duloxetina com antiácidos que incluam na sua composição alumínio e magnésio ou a coadministração de duloxetina com famotidina não exerceu qualquer efeito significativo na taxa ou na extensão da absorção da duloxetina após a administração de uma dose oral de 40 mg. - Hidróxido de magnésio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Duloxetina + Tabaco (fumadores, Tabagismo)

Observações: N.D.
Interações: Efeitos de outros medicamentos na duloxetina: Indutores do CYP1A2: Análises populacionais de farmacocinética demonstraram que os fumadores possuem concentrações de duloxetina no plasma quase 50% inferiores às dos não fumadores. - Tabaco (fumadores, Tabagismo)
Usar com precaução

Binimetinib + Duloxetina

Observações: n.d.
Interações: Efeitos do binimetinib noutros medicamentos Binimetinib é um indutor potencial do CYP1A2 e deve ser tomada precaução quando é utilizado com substratos sensíveis (tais como duloxetina ou teofilina). - Duloxetina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Codeína + Diclofenac de sódio + Duloxetina

Observações: As seguintes interações incluem as observadas com Codeína + Diclofenac de sódio e/ou outras formas farmacêuticas de diclofenac.
Interações: Codeína Enzimas metabólicas: Pacientes utilizando inibidores das enzimas CYP2D6 e CYP3A4 podem apresentar uma resposta reduzida à codeína. Fármacos que são inibidores fortes da O-desmetilação da codeína (CYP2D6), como quinidina e paroxetina, ou inibidores moderados da CYP2D6, como duloxetina e terbinafina, podem diminuir a concentração plasmática dos metabólitos da codeína, morfina e morfina-6-glicuronídeo. Indutores enzimáticos, como fenobarbital e rifampicina podem induzir as enzimas metabólicas e, assim, reduzir os níveis plasmáticos de codeína. O uso concomitante de medicamentos que induzam preferencialmente a N-desmetilação da codeína (CYP3A4) pode aumentar a concentração plasmática do metabólito inativo norcodeína. - Duloxetina
Usar com precaução

Fosnetupitant + Palonossetrom + Duloxetina

Observações: n.d.
Interações: Medicamentos serotoninérgicos (p. ex., ISRS e IRSN) Tem havido notificações de síndrome da serotonina após a utilização concomitante de antagonistas do 5-HT3 e de outros medicamentos serotoninérgicos (incluindo ISRS, tais como a fluoxetina, paroxetina, sertralina, fluvoxamina, citalopram ou escitalopram e IRSN, tais como a venlafaxina ou a duloxetina). - Duloxetina
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações da Duloxetina
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 08 de Setembro de 2020