Similares Químicos

Produtos com a mesma molécula e do mesmo Grupo Terapêutico

Similares Terapêuticos

Produtos do mesmo Grupo Terapêutico

Bisoprolol

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução DCI com Advertência no Dopping
O que é
O Bisoprolol é um agente bloqueador β1-adrenérgico cardiosselectivo utilizado para a prevenção secundária do enfarte do miocárdio (MI), insuficiência cardíaca, angina de peito e hipertensão leve a moderada.

O Bisoprolol é estruturalmente semelhante ao metoprolol, acebutolol e atenolol na medida em que tem dois substituintes na posição par do anel de benzeno.

Pensa-se que a β1-selectividade desses agentes seja devido, em parte, aos grandes substituintes na posição par. Em doses mais baixas (inferiores a 20 mg por dia), o Bisoprolol bloqueia seletivamente os receptores β1-adrenérgicos cardíacos, com pouca actividade contra os receptores β2-adrenérgicos dos pulmões e do músculo vascular liso.

A selectividade do receptor diminui com doses diárias de 20 mg ou mais. Ao contrário do propranolol e pindolol, o bisoprolol não apresenta estabilizacção de membrana ou actividade simpatomimética.

O Bisoprolol possui um único centro quiral e é administrado como uma mistura racémica. Apenas l-bisoprolol exibe actividade β-bloqueante significativa.
Usos comuns
O fumarato de Bisoprolol pertence a um grupo de medicamentos denominados bloqueadores beta. Os bloqueadores beta protegem o coração de actividade excessiva.

Este medicamento actua afetando a resposta do organismo a alguns impulsos nervosos, especialmente a nível do coração.

Como resultado, o Bisoprolol diminui a frequência cardíaca e aumenta a eficiência do coração para bombear o sangue através do corpo.

Ocorre insuficiência cardíaca quando o músculo cardíaco está enfraquecido e incapaz de bombear o sangue suficiente para assegurar as necessidades do corpo.

Os comprimidos de 2,5 mg, 5 mg e 10 mg de Bisoprolol são utilizados em associação com outros medicamentos para tratar a insuficiência cardíaca estável.

Os comprimidos de 5 mg e 10 mg de Bisoprolol são também utilizados para tratar a tensão arterial elevada (hipertensão arterial) e a angina de peito (dor no peito causada por bloqueios nas artérias que irrigam o músculo cardíaco).
Tipo
Molécula pequena.
Indicações
Tratamento da hipertensão.

Tratamento da angina crónica estável.

Tratamento da insuficiência cardíaca crónica estável com diminuição da função sistólica ventricular esquerda, em associação a inibidores da ECA, diuréticos e, opcionalmente, glicosidos cardíacos.
Classificação CFT

03.04.04.02.01 : Seletivos cardíacos

Mecanismo de ação
O Bisoprolol é um bloqueador potente dos receptores adrenérgicos beta1, altamente selectivo, desprovido de actividade estimulante intrínseca e sem uma actividade estabilizadora de membrana relevante.

Apresenta apenas uma baixa afinidade para os receptores beta2 dos músculos lisos dos brônquios e vasos e para os receptores beta2 relacionados com a regulação metabólica.

Por conseguinte, o Bisoprolol não influencia geralmente a resistência das vias respiratórias e os efeitos metabólicos mediados pelos receptores beta2.

A selectividade para os receptores beta1 do Bisoprolol prolonga-se para além do intervalo de doses terapêuticas.
Posologia orientativa
Adultos:
Dor no peito e tensão arterial elevada:
Iniciar com a dose mais baixa 5 mg por por dia.
A dose máxima recomendada é de 20 mg uma vez por dia.

Doentes com doença renal:
Um doente com doença renal grave não deverá exceder 10 mg de Bisoprolol uma vez por dia.

Doentes com doença do fígado:
Não exceder 10 mg de Bisoprolol uma vez por dia.

Insuficiência cardíaca:
O tratamento com Bisoprolol deve ser iniciado numa dose baixa que é aumentada gradualmente.

A dose diária máxima recomendada de fumarato de Bisoprolol é de 10 mg.
Administração
Via oral.
Os comprimidos devem ser tomados de manhã e podem ser tomados com alimentos. Devem ser deglutidos com o auxílio de um líquido e não devem ser mastigados.
Contraindicações
O Bisoprolol é contra-indicado em doentes com insuficiência cardíaca crónica com:
– insuficiência cardíaca aguda ou durante os episódios de descompensação da insuficiência cardíaca que requerem uma terapêutica inotrópica intravenosa
– choque cardiogénico
– bloqueio aurículo-ventricular de segundo ou terceiro grau (sem pacemaker)
– síndrome do nódulo sinusal
– bloqueio sino-auricular
– bradicardia sintomática
– hipotensão sintomática
– asma brônquica grave ou doença pulmonar obstructiva crónica grave
– fases terminais da doença oclusiva arterial periférica e síndrome de Raynaud
– feocromocitoma não tratado
– acidose metabólica
– hipersensibilidade ao bisoprolol.
Efeitos indesejáveis/adversos
Perturbações do foro psiquiátrico:
Pouco frequentes: perturbações do sono, depressão.

Raros: pesadelos, alucinações
Doenças do sistema nervoso:
Frequentes: tonturas (1), cefaleias(1)
Raros: síncope
Afecções oculares:
Raros: diminuição do fluxo lacrimal (a ter em consideracção no caso de o doente usar lentes de contacto).

Muito raros: conjuntivite.
Afecções do ouvido e do labirinto:
Raros: perturbações da audição.

Cardiopatias:
Muito frequentes: bradicardia (em doentes com insuficiência cardíaca crónica).
Frequentes: agravamento de insuficiência cardíaca anterior (em doentes com insuficiência cardíaca crónica).
Pouco frequentes: perturbações da condução AV, agravamento de insuficiência cardíaca anterior (em doentes com hipertensão ou angina de peito); bradicardia (em doentes com hipertensão ou angina de peito).

Vasculopatias:
Frequentes: sensação de frio ou adormecimento das extremidades, hipotensão especialmente em doentes com insuficiência cardíaca.
Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino:
Pouco frequentes: broncospasmo em doentes com asma brônquica ou antecedentes de doença obstructiva das vias respiratórias.
Raros: rinite alérgica.

Doenças gastrointestinais:
Frequentes: queixas gastrointestinais como náuseas, vómitos, diarreia, obstipação.

Afecções hepatobiliares:
Raros: hepatite

Afecções dos tecidos cutâneos e subcutâneos:
Raros: reacções de hipersensibilidade (como prurido, rubor, erupção cutânea).
Muito raros: os bloqueadores beta podem provocar ou agravar a psoríase ou induzir uma erupção cutânea semelhante à psoríase, alopecia.

Afecções musculosqueléticas e dos tecidos conjuntivos:
Pouco frequentes: fraqueza muscular e cãibras.

Doenças dos órgãos genitais e da mama:
Raros: perturbações da potência.

Perturbações gerais:
Frequentes: astenia (em doentes com insuficiência cardíaca crónica), fadiga (1).
Pouco frequentes: astenia (em doentes com hipertensão ou angina de peito).

Exames complementares de diagnóstico:
Raros: aumento dos triglicéridos, aumento das enzimas hepáticas (ALAT, ASAT).

Aplica-se apenas à hipertensão ou à angina de peito:
(1) – Estes sintomas ocorrem especialmente no início da terapêutica. São geralmente ligeiros e desaparecem normalmente ao fim de 1 - 2 semanas.
Advertências
Gravidez
Gravidez:
Gravidez:Ver Bloqueadores adrenérgicos beta. Evidência fetal em animais, mas a necessidade pode justificar o risco. Trimestre: 2º e 3º
Aleitamento
Aleitamento:
Aleitamento:Ver Bloqueadores adrenérgicos beta.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:
Insuf. Hepática:Não exceder 10 mg/dia na doença hepática grave.
Insuf. Renal
Insuf. Renal:
Insuf. Renal:Ver Bloqueadores adrenérgicos beta.
Condução
Condução:
Condução:Risco de hipotensão; presume-se não alterar a capacidade de condução.
Dopping
Dopping:
Dopping:Os beta-bloqueantes são proibidos somente Em Competição nos seguintes desportos, exceto se especificado de outra forma: actividades Subaquáticas (CMAS), Automobilismo (FIA), Bilhar (todas as disciplinas) (WCBS), Esqui/Snowboard (FIS), Golfe (IGF), Setas (WDF). Proibido igualmente fora de competição: Tiro (ISSF, IPC), Tiro (ISSF, IPC), Tiro com Arco (WA).
Precauções gerais
Advertências especiais:
Aplica-se apenas à insuficiência cardíaca crónica:
O tratamento da insuficiência cardíaca crónica estável com Bisoprolol tem de ser iniciado com uma fase de titulação especial.

Aplica-se a todas as indicações:
Especialmente em doentes com doença isquémica cardíaca, a cessacção da terapêutica com Bisoprolol não deve ser feita de forma abrupta a menos que claramente indicado, porque pode causar o agravamento transitório da doença cardíaca.

Precauções:
Aplica-se apenas à hipertensão ou à angina de peito:
O Bisoprolol deve ser utilizado com precaução em doentes com hipertensão ou angina de peito acompanhadas de insuficiência cardíaca associada.

Aplica-se apenas à insuficiência cardíaca crónica:
O início do tratamento com o Bisoprolol necessita de uma monitorização regular.
Para a posologia e modo de administração.

Não existe experiência terapêutica do tratamento com Bisoprolol na insuficiência cardíaca em doentes com as seguintes doenças e condições:
– diabetes mellitus insulino-dependente (tipo I)
– compromisso grave da função renal
– afecção grave da função hepática
– cardiomiopatia restritiva
– doença cardíaca congénita
– doença valvular orgânica hemodinamicamente significativa
– enfarte de miocárdio nos 3 meses precedentes

Aplica-se a todas as indicações:
O Bisoprolol deve ser utilizado com precaução em casos de:
– broncospasmo (asma brônquica, doenças obstructivas das vias respiratórias).

Na asma brônquica ou outras doenças pulmonares obstructivas crónicas que podem causar sintomas, recomenda-se administrar uma terapêutica broncodilatadora concomitante.

Ocasionalmente, pode ocorrer um aumento da resistência das vias respiratórias em doentes asmáticos e, em consequência, pode ter de ser aumentada a dose de estimulantes beta 2.
– diabetes mellitus com grandes flutuações nos valores da glicemia; os sintomas de hipoglicemia podem ser mascarados (p. ex., taquicardia, palpitações ou sudação).
– jejum rigoroso
– terapêutica em curso de dessensibilização
Como com os outros bloqueadores beta, o Bisoprolol pode aumentar a sensibilidade aos alérgenos e a gravidade das reacções anafilácticas.

O tratamento com adrenalina nem sempre produz o efeito terapêutico esperado.
– bloqueio aurículo-ventricular de primeiro grau
– angina de Prinzmetal
– doença arterial oclusiva periférica (a intensificacção das queixas pode ocorrer especialmente durante o início da terapêutica)
– anestesia geral

Em doentes submetidos a anestesia geral, o bloqueio dos receptores beta diminui a incidência de arritmias e isquemia do miocárdio durante a indução e entubação, e no período pós-operatório.

actualmente, recomenda-se que o bloqueio beta seja mantido no período peri-operatório.
O anestesista deve ser informado da utilização de bloqueadores beta devido ao potencial de interacções com outros medicamentos, o que resulta em bradiarritmias, atenuacção da taquicardia reflexa e diminuição da capacidade reflexa para compensar a perda de sangue.

Se for considerado necessário interromper a terapêutica com o bloqueador beta antes da cirurgia, esta interrupção deve ser feita gradualmente e terminada cerca de 48 horas antes da anestesia.

Doentes com psoríase ou com antecedentes de psoríase só deverão ser tratados com bloqueadores beta (p.ex., Bisoprolol) após uma avaliação cuidadosa dos benefícios em relação aos riscos.

Em doentes com feocromocitoma, o Bisoprolol só deve ser administrado depois de bloqueio dos receptores alfa.

Os sintomas da tireotoxicose podem ser mascarados com o tratamento com Bisoprolol.
Cuidados com a dieta
Não interfere com alimentos e bebidas.
Resposta à overdose
Procurar atendimento médico de emergência, ou ligue para o Centro de Intoxicações.
Os sinais mais frequentes que são de esperar com a sobredosagem de um bloqueador beta são bradicardia, hipotensão, broncospasmo, insuficiência cardíaca aguda e hipoglicemia.

Existe experiência limitada com a sobredosagem com Bisoprolol, tendo sido notificados apenas alguns casos de sobredosagem com este medicamento.
Observaram-se bradicardia e/ou hipotensão.
Todos os doentes recuperaram.
Existe uma grande variação interindividual na sensibilidade a uma dose única elevada de Bisoprolol e os doentes com insuficiência cardíaca são provavelmente muito sensíveis.

Em geral, se ocorrer uma sobredosagem, recomenda-se descontinuacção do tratamento com Bisoprolol e instituição de tratamento sintomático e de suporte.

Com base nas ações farmacológicas previstas e nas recomendações para outros bloqueadores beta, podem considerar-se as seguintes medidas gerais, quando clinicamente justificadas.

Bradicardia: administrar atropina intravenosa.
Se a resposta não for adequada, pode administrar-se com precaução isoprenalina ou outro medicamento com propriedades cronotrópicas positivas.
Em algumas circunstâncias pode ser necessário a inserção transvenosa de um pacemaker.

Hipotensão: vevem ser administrados fluidos intravenosos e vasopressores.
O glucagom administrado por via intravenosa pode ser útil.

Bloqueio aurículo-ventricular (segundo ou terceiro grau): os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados e tratados com uma perfusão de isoprenalina, ou mediante a colocação temporária de um pacemaker.

Agravamento agudo da insuficiência cardíaca: administrar diuréticos por via intravenosa, medicamentos inotrópicos e vasodilatadores.

Broncospasmo: administrar uma terapêutica broncodilatadora como, por exemplo, isoprenalina, simpaticomiméticos beta 2 e/ou aminofilina.

Hipoglicemia: administrar glucose por via intravenosa.

Dados limitados sugerem que o Bisoprolol é dificilmente dialisável.
Terapêutica interrompida
No caso de se ter esquecido de tomar uma dose, tome-a assim que se lembrar, a menos que seja quase a altura de tomar a dose seguinte.

Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no armazenamento
Manter fora da vista e do alcance das crianças.
O medicamento não deve ser conservado acima de 30°C.
Espectro de susceptibilidade e tolerância bacteriológica
Sem informação.
Não recomendado/Evitar

Bisoprolol + Antiarrítmicos

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Aplica-se apenas à insuficiência cardíaca crónica: Antiarrítmicos de classe I (p.ex., quinidina, disopiramida, lidocaína, fenitoína, flecainida, propafenona): o efeito no tempo de condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. Associações a utilizar com precaução: Aplica-se apenas à hipertensão ou à angina de peito: Antiarrítmicos de classe I (p.ex., quinidina, disopiramida, lidocaína, fenitoína, flecainida, propafenona): O efeito no tempo de condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: Antiarrítmicos de classe III (p.ex., amiodarona): O efeito no tempo de condução aurículo-ventricular pode ser potenciado. Os bloqueadores beta tópicos (p.ex., colírio para tratamento do glaucoma) podem potenciar os efeitos sistémicos do bisoprolol. - Antiarrítmicos
Usar com precaução

Amlodipina + Atorvastatina + Bisoprolol

Observações: Os dados de um estudo de interação fármaco-fármaco que envolveu 10 mg de amlodipina e 80 mg de atorvastatina em indivíduos saudáveis indicam que a farmacocinética da amlodipina não é alterada quando os fármacos são coadministrados. Não foi demonstrado nenhum efeito da amlodipina na Cmáx da atorvastatina, mas a AUC da atorvastatina aumentou 18% (IC 90% [109-127%]) na presença de amlodipina. Não foi realizado nenhum estudo de interação medicamentosa com a associação fixa de amlodipina e atorvastatina e outros fármacos, embora tenham sido realizados estudos com os componentes individuais amlodipina e atorvastatina.
Interações: interacções relacionadas com a AMLODIPINA: Associação a ter em consideração: Bloqueadores beta na insuficiência cardíaca (bisoprolol, carvedilol, metoprolol): Risco de hipotensão e insuficiência cardíaca em doentes com insuficiência cardíaca latente ou não controlada (o efeito inotrópico negativo in vitro das di-hidropiridinas, variável dependendo dos medicamentos, poderá somar-se aos efeitos inotrópicos negativos dos bloqueadores beta). A presença de um tratamento bloqueador beta pode minimizar a reação simpática reflexa iniciada em caso de repercussão hemodinâmica excessiva. - Bisoprolol
Não recomendado/Evitar

Bisoprolol + Quinidina

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Aplica-se apenas à insuficiência cardíaca crónica: Antiarrítmicos de classe I (p.ex., quinidina, disopiramida, lidocaína, fenitoína, flecainida, propafenona): o efeito no tempo de condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. Associações a utilizar com precaução: Aplica-se apenas à hipertensão ou à angina de peito: Antiarrítmicos de classe I (p.ex., quinidina, disopiramida, lidocaína, fenitoína, flecainida, propafenona): O efeito no tempo de condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. - Quinidina
Não recomendado/Evitar

Bisoprolol + Disopiramida

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Aplica-se apenas à insuficiência cardíaca crónica: Antiarrítmicos de classe I (p.ex., quinidina, disopiramida, lidocaína, fenitoína, flecainida, propafenona): o efeito no tempo de condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. Associações a utilizar com precaução: Aplica-se apenas à hipertensão ou à angina de peito: Antiarrítmicos de classe I (p.ex., quinidina, disopiramida, lidocaína, fenitoína, flecainida, propafenona): O efeito no tempo de condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. - Disopiramida
Não recomendado/Evitar

Bisoprolol + Lidocaína

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Aplica-se apenas à insuficiência cardíaca crónica: Antiarrítmicos de classe I (p.ex., quinidina, disopiramida, lidocaína, fenitoína, flecainida, propafenona): o efeito no tempo de condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. Associações a utilizar com precaução: Aplica-se apenas à hipertensão ou à angina de peito: Antiarrítmicos de classe I (p.ex., quinidina, disopiramida, lidocaína, fenitoína, flecainida, propafenona): O efeito no tempo de condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. - Lidocaína
Não recomendado/Evitar

Bisoprolol + Fenitoína

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Aplica-se apenas à insuficiência cardíaca crónica: Antiarrítmicos de classe I (p.ex., quinidina, disopiramida, lidocaína, fenitoína, flecainida, propafenona): o efeito no tempo de condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. Associações a utilizar com precaução: Aplica-se apenas à hipertensão ou à angina de peito: Antiarrítmicos de classe I (p.ex., quinidina, disopiramida, lidocaína, fenitoína, flecainida, propafenona): O efeito no tempo de condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. - Fenitoína
Não recomendado/Evitar

Bisoprolol + Flecainida

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Aplica-se apenas à insuficiência cardíaca crónica: Antiarrítmicos de classe I (p.ex., quinidina, disopiramida, lidocaína, fenitoína, flecainida, propafenona): o efeito no tempo de condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. Associações a utilizar com precaução: Aplica-se apenas à hipertensão ou à angina de peito: Antiarrítmicos de classe I (p.ex., quinidina, disopiramida, lidocaína, fenitoína, flecainida, propafenona): O efeito no tempo de condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. - Flecainida
Não recomendado/Evitar

Bisoprolol + Propafenona

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Aplica-se apenas à insuficiência cardíaca crónica: Antiarrítmicos de classe I (p.ex., quinidina, disopiramida, lidocaína, fenitoína, flecainida, propafenona): o efeito no tempo de condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. Associações a utilizar com precaução: Aplica-se apenas à hipertensão ou à angina de peito: Antiarrítmicos de classe I (p.ex., quinidina, disopiramida, lidocaína, fenitoína, flecainida, propafenona): O efeito no tempo de condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. - Propafenona
Não recomendado/Evitar

Bisoprolol + Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio)

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Aplica-se a todas as indicações: Antagonistas do cálcio do tipo verapamilo e, num menor grau, do tipo diltiazem: Influência negativa na contractilidade e condução aurículo-ventricular. A administração intravenosa de verapamilo em doentes em tratamento com bloqueadores β pode causar hipotensão profunda e bloqueio aurículo-ventricular. - Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio)
Não recomendado/Evitar

Bisoprolol + Verapamilo

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Aplica-se a todas as indicações: Antagonistas do cálcio do tipo verapamilo e, num menor grau, do tipo diltiazem: Influência negativa na contractilidade e condução aurículo-ventricular. A administração intravenosa de verapamilo em doentes em tratamento com bloqueadores β pode causar hipotensão profunda e bloqueio aurículo-ventricular. - Verapamilo
Não recomendado/Evitar

Bisoprolol + Diltiazem

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Aplica-se a todas as indicações: Antagonistas do cálcio do tipo verapamilo e, num menor grau, do tipo diltiazem: Influência negativa na contractilidade e condução aurículo-ventricular. A administração intravenosa de verapamilo em doentes em tratamento com bloqueadores β pode causar hipotensão profunda e bloqueio aurículo-ventricular. - Diltiazem
Não recomendado/Evitar

Bisoprolol + Antihipertensores

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Aplica-se a todas as indicações: Medicamentos antihipertensores com acção central, como a clonidina e outros (p.ex., metildopa, moxonodina, rilmenidina): A utilização concomitante de antihipertensores com acção central pode agravar a insuficiência cardíaca pela diminuição do tónus simpático central (diminuição da frequência e débito cardíacos, vasodilatação). A interrupção abrupta, especialmente se anterior à descontinuação do bloqueador beta, pode aumentar o risco de “hipertensão por reativação (rebound)”. - Antihipertensores
Não recomendado/Evitar

Bisoprolol + Clonidina

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Aplica-se a todas as indicações: Medicamentos antihipertensores com acção central, como a clonidina e outros (p.ex., metildopa, moxonodina, rilmenidina): A utilização concomitante de antihipertensores com acção central pode agravar a insuficiência cardíaca pela diminuição do tónus simpático central (diminuição da frequência e débito cardíacos, vasodilatação). A interrupção abrupta, especialmente se anterior à descontinuação do bloqueador beta, pode aumentar o risco de “hipertensão por reativação (rebound)”. - Clonidina
Não recomendado/Evitar

Bisoprolol + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Aplica-se a todas as indicações: Medicamentos antihipertensores com acção central, como a clonidina e outros (p.ex., metildopa, moxonodina, rilmenidina): A utilização concomitante de antihipertensores com acção central pode agravar a insuficiência cardíaca pela diminuição do tónus simpático central (diminuição da frequência e débito cardíacos, vasodilatação). A interrupção abrupta, especialmente se anterior à descontinuação do bloqueador beta, pode aumentar o risco de “hipertensão por reativação (rebound)”. - Metildopa
Não recomendado/Evitar

Bisoprolol + Rilmenidina

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Aplica-se a todas as indicações: Medicamentos antihipertensores com acção central, como a clonidina e outros (p.ex., metildopa, moxonodina, rilmenidina): A utilização concomitante de antihipertensores com acção central pode agravar a insuficiência cardíaca pela diminuição do tónus simpático central (diminuição da frequência e débito cardíacos, vasodilatação). A interrupção abrupta, especialmente se anterior à descontinuação do bloqueador beta, pode aumentar o risco de “hipertensão por reativação (rebound)”. - Rilmenidina
Não recomendado/Evitar

Bisoprolol + Moxonidina

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Aplica-se a todas as indicações: Medicamentos antihipertensores com acção central, como a clonidina e outros (p.ex., metildopa, moxonidina, rilmenidina): A utilização concomitante de antihipertensores com acção central pode agravar a insuficiência cardíaca pela diminuição do tónus simpático central (diminuição da frequência e débito cardíacos, vasodilatação). A interrupção abrupta, especialmente se anterior à descontinuação do bloqueador beta, pode aumentar o risco de “hipertensão por reativação (rebound)”. - Moxonidina
Usar com precaução

Bisoprolol + Felodipina

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: Antagonistas do cálcio do tipo di-hidropiridina, como a felodipina e a amlodipina: A utilização concomitante pode aumentar o risco de hipotensão e não se pode excluir, em doentes com insuficiência cardíaca, um aumento do risco de deterioração adicional da função de bombeamento ventricular. - Felodipina
Usar com precaução

Bisoprolol + Amlodipina

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: Antagonistas do cálcio do tipo di-hidropiridina, como a felodipina e a amlodipina: A utilização concomitante pode aumentar o risco de hipotensão e não se pode excluir, em doentes com insuficiência cardíaca, um aumento do risco de deterioração adicional da função de bombeamento ventricular. - Amlodipina
Usar com precaução

Bisoprolol + Amiodarona

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: Antiarrítmicos de classe III (p.ex., amiodarona): O efeito no tempo de condução aurículo-ventricular pode ser potenciado. Os bloqueadores beta tópicos (p.ex., colírio para tratamento do glaucoma) podem potenciar os efeitos sistémicos do bisoprolol. - Amiodarona
Usar com precaução

Bisoprolol + Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: Antiarrítmicos de classe III (p.ex., amiodarona): O efeito no tempo de condução aurículo-ventricular pode ser potenciado. Os bloqueadores beta tópicos (p.ex., colírio para tratamento do glaucoma) podem potenciar os efeitos sistémicos do bisoprolol. - Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)
Usar com precaução

Bisoprolol + Parassimpatomiméticos (ou parassimpaticomiméticos) (PSNS)

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: Parassimpaticomiméticos: A utilização concomitante pode aumentar o tempo de condução aurículo-ventricular e o risco de bradicardia. - Parassimpatomiméticos (ou parassimpaticomiméticos) (PSNS)
Usar com precaução

Bisoprolol + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: Insulina e antidiabéticos orais: Intensificação do efeito hipoglicemiante. O bloqueio dos adrenoreceptores β pode mascarar os sintomas de hipoglicemia. - Insulinas
Usar com precaução

Bisoprolol + Antidiabéticos Orais

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: Insulina e antidiabéticos orais: Intensificação do efeito hipoglicemiante. O bloqueio dos adrenoreceptores β pode mascarar os sintomas de hipoglicemia. - Antidiabéticos Orais
Usar com precaução

Bisoprolol + Anestésicos

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: Anestésicos: Atenuação da taquicardia reflexa e aumento do risco de hipotensão. - Anestésicos
Usar com precaução

Bisoprolol + Glicósideos digitálicos

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: Glicosidos digitálicos: Diminuição da frequência cardíaca, aumento do tempo de condução aurículo-ventricular. - Glicósideos digitálicos
Usar com precaução

Bisoprolol + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: Anti-inflamatórios não esteroides (AINEs): Os AINEs podem diminuir o efeito hipotensor do bisoprolol. - Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)
Usar com precaução

Bisoprolol + Simpaticomiméticos

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: β-simpaticomiméticos (p.ex., isoprenalina, dobutamina): A associação com o bisoprolol pode diminuir o efeito dos dois medicamentos. Simpaticomiméticos que ativam os adrenoreceptores β e α (p.ex., noradrenalina, adrenalina): A associação com o bisoprolol pode desmascarar os efeitos vasoconstritores mediados pelos adrenoreceptores alfa destes medicamentos, conduzindo a um aumento da tensão arterial e a uma exacerbação da claudicação intermitente. Considera-se que estas interacções ocorrem mais frequentemente com os bloqueadores β não seletivos. A utilização concomitante com antihipertensores, assim como com outros medicamentos com potencial hipotensor (p.ex., antidepressores tricíclicos, barbitúricos, fenotiazinas) pode aumentar o risco de hipotensão. Associações a ter em consideração Mefloquina: aumento do risco de bradicardia. - Simpaticomiméticos
Usar com precaução

Bisoprolol + Dobutamina

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: β-simpaticomiméticos (p.ex., isoprenalina, dobutamina): A associação com o bisoprolol pode diminuir o efeito dos dois medicamentos. - Dobutamina
Usar com precaução

Bisoprolol + Isoprenalina

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: β-simpaticomiméticos (p.ex., isoprenalina, dobutamina): A associação com o bisoprolol pode diminuir o efeito dos dois medicamentos. - Isoprenalina
Usar com precaução

Bisoprolol + Noradrenalina (Norepinefrina)

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: Simpaticomiméticos que ativam os adrenoreceptores β e α (p.ex., noradrenalina, adrenalina): A associação com o bisoprolol pode desmascarar os efeitos vasoconstritores mediados pelos adrenoreceptores alfa destes medicamentos, conduzindo a um aumento da tensão arterial e a uma exacerbação da claudicação intermitente. Considera-se que estas interacções ocorrem mais frequentemente com os bloqueadores β não seletivos. - Noradrenalina (Norepinefrina)
Usar com precaução

Bisoprolol + Adrenalina (epinefrina)

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: Simpaticomiméticos que ativam os adrenoreceptores β e α (p.ex., noradrenalina, adrenalina): A associação com o bisoprolol pode desmascarar os efeitos vasoconstritores mediados pelos adrenoreceptores alfa destes medicamentos, conduzindo a um aumento da tensão arterial e a uma exacerbação da claudicação intermitente. Considera-se que estas interacções ocorrem mais frequentemente com os bloqueadores β não seletivos. - Adrenalina (epinefrina)
Usar com precaução

Bisoprolol + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: A utilização concomitante com antihipertensores, assim como com outros medicamentos com potencial hipotensor (p.ex., antidepressores tricíclicos, barbitúricos, fenotiazinas) pode aumentar o risco de hipotensão. - Antidepressores (Tricíclicos)
Usar com precaução

Bisoprolol + Barbitúricos

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: A utilização concomitante com antihipertensores, assim como com outros medicamentos com potencial hipotensor (p.ex., antidepressores tricíclicos, barbitúricos, fenotiazinas) pode aumentar o risco de hipotensão. - Barbitúricos
Usar com precaução

Bisoprolol + Fenotiazidas (fenotiazinas)

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução: Aplica-se a todas as indicações: A utilização concomitante com antihipertensores, assim como com outros medicamentos com potencial hipotensor (p.ex., antidepressores tricíclicos, barbitúricos, fenotiazinas) pode aumentar o risco de hipotensão. - Fenotiazidas (fenotiazinas)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bisoprolol + Mefloquina

Observações: N.D.
Interações: Associações a ter em consideração: Mefloquina: aumento do risco de bradicardia. - Mefloquina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bisoprolol + Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)

Observações: N.D.
Interações: Associações a ter em consideração Inibidores da monoamino-oxidase (exceto os inibidores da MAO-B): Aumento do efeito hipotensor dos bloqueadores beta, mas também risco de crise hipertensiva. - Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bisoprolol + Rifampicina

Observações: N.D.
Interações: Associações a ter em consideração Rifampicina: Diminuição ligeira da semivida do bisoprolol devido à indução de enzimas hepáticas metabolizadoras de medicamentos. Normalmente, não são necessários ajustes posológicos. - Rifampicina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bisoprolol + Ergotamina

Observações: N.D.
Interações: Associações a ter em consideração Derivados da ergotamina: Exacerbação de perturbações circulatórias periféricas. - Ergotamina
Usar com precaução

Enzalutamida + Bisoprolol

Observações: N.D.
Interações: Potencial da enzalutamida para afetar a exposição a outros medicamentos: Indução enzimática: A enzalutamida é um potente inibidor enzimático levando ao aumento da síntese de muitas enzimas e transportadores; portanto é esperada a interacção com muitos medicamentos comuns que são substratos destas enzimas ou transportadores. A redução das concentrações plasmáticas podem ser substanciais, e levar a perda ou reduzir o efeito clínico. Existe também um risco aumentado da formação de metabolitos ativos. As enzimas que podem ser induzidas são o CYP3A no fígado e intestino, o CYP2C9, o CYP2C19, o CYP1A2 e auridina 5’ difosfato-glucuronosiltransferases (conjugação das enzimas UGTs-glucuronida). A proteína de transporte de P-gp pode também ser induzida, e provavelmente outros transportadores, como por exemplo, a proteína de resistência múltipla 2 (MRP2), proteína de resistência do cancro da mama (BCRP) e do polipéptido transportador aniónico orgânico 1B1, (OATP1B1). Estudos in vivo demonstraram que a enzalutamida é um indutor potente do CYP3A4 e um indutor moderado do CYP2C9 e do CYP2C19. A co-administração da enzalutamida (160 mg uma vez por dia) com doses únicas orais de substratos sensíveis ao CYP em doentes com cancro da próstata, resultou numa diminuição de 86% da AUC do midazolam (substrato do CYP3A4), numa diminuição de 56% na AUC da S-varfarina (substrato do CYP2C9) e numa diminuição de 70% na AUC do omeprazol (substrato do CYP2C19). A UGT1A1 pode também ter sido induzida. São esperadas interacções com alguns medicamentos que são eliminados através do metabolismo ou por transporte ativo. Se o seu efeito terapêutico é de grande importância para o doente, e se os ajustes de dose não são facilmente realizados com base na monitorização de eficácia ou da concentração plasmática, estes medicamentos devem ser evitados ou utilizados com precaução. O risco de lesão hepática após a administração de paracetamol é suspeito ser maior em doentes tratados concomitantemente com indutores de enzima. Grupos de medicamentos que podem ser afetados incluem, mas não se limitam a: Analgésicos (ex. fentanilo, tramadol) Antibióticos (ex. claritromicina, doxiciclina) Agentes antineoplásicos (ex. cabazitaxel) Anticoagulantes (ex. acenocumarol, varfarina) Antiepiléticos (ex. carbamazepina, clonazepam, fenitoína, primidona, ácido valpróico) Antipsicóticos (ex. haloperidol) Bloqueadores beta (ex. bisoprolol, propranolol) Bloqueadores da entrada do cálcio (ex. diltiazem, felodipina, nicardipina, nifedipina, verapamil) Cardiotónicos digitálicos (ex. digoxina) Corticosteróides (ex. dexametasona, prednisolona) Antirretrovirais VIH (ex. indinavir, ritonavir) Hipnóticos (ex. diazepam, midazolam, zolpidem) Estatinas metabolizadas pelo CYP3A4 (ex. atorvastatina, sinvastatina) - Bisoprolol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Halofantrina + Bisoprolol

Observações: N.D.
Interações: Beta-bloqueantes na insuficiência cardíaca (bisoprolol, carvedilol, metoprolol, nebivolol): Risco aumentado de disrritmias ventrículares, especialmente torsades de pointes. É recomendada monitorização clínica,biológica e electrocardiográfica. - Bisoprolol
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Bisoprolol
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 26 de Novembro de 2020