Similares Químicos

Produtos com a mesma molécula e do mesmo Grupo Terapêutico

Similares Terapêuticos

Produtos do mesmo Grupo Terapêutico

Bromazepam

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução
O que é
Bromazepam é uma das benzodiazepinas utilizada no tratamento de perturbações de ansiedade.

É um fármaco da Classe IV, nos EUA e Canadá, e no âmbito da Convenção Internacional sobre Substâncias Psicotrópicas.

É um benzodiazepínico de acção intermédia.
Usos comuns
O Bromazepam pertence ao grupo das benzodiazepinas.

Esta molécula atua, geralmente, como depressor do SNC em todos os seus níveis, dependendo da dose.

Em doses baixas, reduz selectivamente a tensão e a ansiedade; em doses altas, promove efeito sedativo e relaxante muscular.
Tipo
Molécula pequena.
Indicações
- Ansiedade, tensão e outras queixas somáticas ou psicológicas associadas ao síndroma de ansiedade.

- Adjuvante no tratamento da ansiedade ou excitacção associadas a perturbações psiquiátricas, tais como alterações do humor ou esquizofrenia.

- As benzodiazepinas só são indicadas quando a perturbação é grave, incapacitante ou o indivíduo está sujeito a uma ansiedade extrema.
Classificação CFT

02.09.01 : Ansiolíticos, sedativos e hipnóticos

Mecanismo de ação
Administrado em baixas doses, o bromazepam diminui selectivamente a tensão e ansiedade.

Em doses mais altas, tem propriedades sedativas e miorelaxantes.
Posologia orientativa
Dose padrão:
Dose média para terapia ambulatória: 1,5 – 3 mg até 3 vezes ao dia.

Casos graves, principalmente em doentes hospitalizados: 6-12 mg, 2 ou 3 vezes ao dia.
Administração
Em geral, o tratamento completo não deve durar mais de 8 – 12 semanas, incluindo a redução gradual da dose.
Contraindicações
- Hipersensibilidade ao bromazepam;
- Hipersensibilidade às benzodiazepinas;
- Insuficiência respiratória grave;
- Miastenia gravis;
- Insuficiência hepática grave (as benzodiazepinas não são indicadas no tratamento de doentes com insuficiência hepática grave porque podem causar encefalopatia);
- Síndroma de apneia no sono.
Efeitos indesejáveis/adversos
O bromazepam é bem tolerado em doses terapêuticas.

Podem ocorrer os seguintes efeitos indesejáveis: fadiga, sonolência, fraqueza muscular, vigília reduzida, perturbações emocionais, confusão, cefaleias, tonturas, ataxia ou visão dupla.

Estes fenómenos ocorrem predominantemente no início do tratamento e geralmente desaparecem com a administração prolongada.

Foram ocasionalmente registadas perturbações gastrointestinais, alterações da líbido e reacções cutâneas.

Amnésia:
Pode ocorrer amnésia anterógrada com doses terapêuticas, aumentando o risco com doses mais altas.

Efeitos amnésicos podem estar associados a comportamento desajustado.

Depressão:
Durante o uso de benzodiazepinas pode revelar-se uma depressão pré-existente.

reacções psiquiátricas e paradoxais
reacções tais como ansiedade, agitação, irritabilidade, agressividade, delírio, raiva, pesadelos, alucinações, psicoses, comportamento desajustado e outros efeitos comportamentais adversos são conhecidos por ocorrerem quando se usam benzodiazepinas ou fármacos do tipo das benzodiazepinas.

Estes efeitos podem ser graves, caso ocorram o tratamento deve ser suspenso.

Esta ocorrência é mais provável em crianças e idosos.

Dependência:
O uso crónico (mesmo em doses terapêuticas) pode levar ao desenvolvimento de dependência física: a suspensão da terapêutica pode originar fenómenos de privacção e recorrência.

Pode ocorrer dependência psicológica.

Foi relatado abuso de benzodiazepinas.
Advertências
Gravidez
Gravidez:
Gravidez:Evitar o uso regular; Ver Benzodiazepinas. Evidência fetal em animais, mas a necessidade pode justificar o risco.
Aleitamento
Aleitamento:
Aleitamento:Ver Benzodiazepinas.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:
Insuf. Hepática:Ver Benzodiazepinas.
Insuf. Renal
Insuf. Renal:
Insuf. Renal:Ver Ansiolíticos e Hipnóticos.
Condução
Condução:
Condução:Altera significativamente a capacidade de condução.
Precauções gerais
Dependência:
O uso de benzodiazepinas pode gerar a dependência física e psicológica.

O risco de dependência aumenta com a dose e duração do tratamento; é também maior em doentes com antecedentes de alcoolismo ou abuso de fármacos.

Síndrome de privação
Uma vez desenvolvida dependência física, a suspensão do tratamento é acompanhada de sintomas de privação.

Estes podem consistir em cefaleias, dores musculares, ansiedade extrema, tensão, agitação, confusão e irritabilidade.

Em casos graves podem surgir os seguintes sintomas: despersonificação, hiperacusia, torpor e formigueiro nas extremidades, hipersensibilidade à luz, ao ruído e contacto físico, alucinações ou convulsões epilépticas.

Ao suspender-se o tratamento, pode surgir ansiedade recorrente, síndrome transitório em que os sintomas que levaram ao tratamento recorrem de forma acentuada.

Pode ser acompanhada de outras reacções tais como alteração de humor, ansiedade ou perturbação do sono e agitação.

Como o risco de surgirem fenómenos de privacção e de recorrência é maior após a suspensão abrupta do tratamento, recomenda-se a redução gradual da dose.

Amnésia:
As benzodiazepinas podem induzir amnésia anterógrada, cuja probabilidade de ocorrência aumenta com o aumento da dose.

Uma vez que esta situação se verifica com maior frequência várias horas após a ingestão do medicamento, o doente deve assegurar a possibilidade de dormir um sono ininterrupto de 7 a 8 horas.

duração do tratamento:
A duração do tratamento deve ser a mais curta possível, não devendo exceder as oito a doze semanas para a ansiedade incluindo o tempo de diminuição gradual da dose.

O prolongamento da terapêutica para além deste período não deverá ocorrer sem que seja feita uma reavaliacção da situação.

Quando se inicia o tratamento, é aconselhável informar o doente de que o tratamento será de duração limitada e de como a dose deve ser progressivamente reduzida.

É importante que o doente saiba da possibilidade de ocorrência de fenómenos de recorrência quando se interrompe o fármaco.

reacções psiquiátricas e paradoxais:
As reacções de inquietação, agitação, irritabilidade, agressividade, ilusão, ataques de raiva, pesadelos, alucinações, psicoses, comportamento inadequado, e outros efeitos adversos comportamentais estão associadas ao tratamento com benzodiazepinas.

Se isto ocorrer o tratamento deve ser interrompido.

Grupos de doentes especiais:
Devem ser tomadas precauções em doentes com miastenia gravis, devido à fraqueza muscular pré-existente.

É exigido um cuidado especial em doentes com insuficiência respiratória crónica devido ao risco de depressão respiratória.

As benzodiazepinas não estão indicadas no tratamento de doentes com insuficiência hepática grave podendo provocar encefalopatia.

Precauções de carácter geral:
O doente deve ser observado regularmente no início do tratamento, de modo a minimizar a dose e/ou a frequência de administração e prevenir a sobredosagem causada por acumulação.

Podem ocorrer sintomas de privacção quando se muda para uma benzodiazepina com semi-vida consideravelmente menor.

As benzodiazepinas não devem ser usadas isoladamente para tratar a depressão ou ansiedade associadas a depressão (o suicídio pode ser precipitado nestes doentes).

As benzodiazepinas não estão indicadas no tratamento primário da doença psicótica.

As benzodiazepinas devem ser usadas com extrema precaução em doentes com antecedentes de alcoolismo ou toxicodependência.

Este medicamento contém lactose.

Doentes com raros problemas hereditários de intolerância à galactose, deficiência da lactase de Lapp ou má absorção da glucose-galactose não devem tomar este medicamento.
Cuidados com a dieta
O efeito sedativo pode estar aumentado quando o medicamento é utilizado em simultâneo com álcool.
Resposta à overdose
Procurar atendimento médico de emergência, ou ligar para o Centro de intoxicações.

Tal como com outras benzodiazepinas, a sobredosagem intencional ou acidental do bromazepam raramente tem risco de vida, excepto quando combinada com outros depressores do SNC (incluindo o álcool).

No tratamento de qualquer sobredosagem, deve ter-se em conta que podem ter sido tomados múltiplos fármacos.

A sobredosagem com benzodiazepinas manifesta-se geralmente por diferentes graus de depressão do sistema nervoso central, desde sonolência ao coma.

Em casos ligeiros, os sintomas incluem sonolência, confusão mental e letargia.

Na maioria dos casos é suficiente monitorizar as funções vitais e aguardar a recuperação.

Sobredoses mais elevadas, especialmente em combinação com outros fármacos que actuam centralmente, podem causar ataxia, hipotonia, hipotensão, depressão respiratória, raramente coma e muito raramente morte.

Após sobredosagem com benzodiazepinas orais, deve induzir-se o vómito (no espaço de 1 hora) se o doente estiver consciente ou fazer-se uma lavagem gástrica com protecção das vias aéreas, se o doente estiver inconsciente.

Não sendo vantajoso esvaziar o estômago, deve dar-se carvão activado para reduzir a absorção.

Deve prestar-se especial atenção à função respiratória e cardíaca nos cuidados intensivos.

O flumazenil pode ser usado como antagonista.

A utilização do flumazenil não está indicado nos doentes epilépticos tratados com benzodiazepinas pois o antagonismo do efeito das benzodiazepinas pode provocar convulsões.
Terapêutica interrompida
Tentar tomar diariamente o medicamento conforme indicado pelo médico.

No entanto, se se esquecer de tomar uma dose, deverá tomá-la assim que se lembrar.

Contudo, se faltar pouco tempo para a próxima toma, não tomar a dose esquecida.

Não tomar uma dose a dobrar para compensar a dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no armazenamento
Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e tolerância bacteriológica
Sem informação.
Não recomendado/Evitar

Bromazepam + Álcool

Observações: Os fármacos que inibem certos enzimas hepáticos podem intensificar a atividade das benzodiazepinas que são metabolizadas por estes enzimas.
Interações: Pode ocorrer uma intensificação do efeito sedativo na respiração e hemodinâmica quando Bromazepam é administrado com qualquer depressor de acção central, incluindo álcool. Deve evitar-se a ingestão de álcool em doentes a tomar Bromazepam. No caso dos analgésicos narcóticos pode ocorrer a intensificação de euforia, aumentando a dependência psíquica do fármaco. - Álcool
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bromazepam + Depressores do SNC

Observações: Os fármacos que inibem certos enzimas hepáticos podem intensificar a atividade das benzodiazepinas que são metabolizadas por estes enzimas.
Interações: Pode ocorrer uma intensificação do efeito sedativo na respiração e hemodinâmica quando Bromazepam é administrado com qualquer depressor de acção central, incluindo álcool. No caso dos analgésicos narcóticos pode ocorrer a intensificação de euforia, aumentando a dependência psíquica do fármaco. - Depressores do SNC
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bromazepam + Cimetidina

Observações: Os fármacos que inibem certos enzimas hepáticos podem intensificar a atividade das benzodiazepinas que são metabolizadas por estes enzimas.
Interações: A administração concomitante de cimetidina pode prolongar o tempo de semivida do bromazepam. - Cimetidina
Não recomendado/Evitar

Etcorvinol + Bromazepam

Observações: N.D.
Interações: Usando etclorvinol com qualquer um dos seguintes medicamentos normalmente não é recomendada, mas pode não ser necessária em alguns casos. Se ambos os medicamentos são prescritos em conjunto, o médico pode alterar a dose. - Adinazolam - Alfentanil - Alprazolam - Amobarbital - Anileridina - Aprobarbital - Brofaromina - Bromazepam - Brotizolam - Buprenorfina - Butabarbital - Butalbital - Carbinoxamina - Carisoprodol - Clorodiazepóxido - Clorzoxazona - Clobazam - Clonazepam - Clorazepato - Clorgilina - Codeína - Dantroleno - Diazepam - Estazolam - Fentanilo - Flunitrazepam - Flurazepam - Furazolidona - Halazepam - Hidrocodona - Hidromorfona - Iproniazida - Isocarboxazida - Cetazolam - Lazabemida - Levorfanol - Linezolida - lorazepam - lormetazepam - Meclizina - Medazepam - meperidina - mefenesina - meprobamato - metaxalone - metadona - Metocarbamol - Metoexital - Midazolam - Moclobemida - Morfina - Nialamida - Nitrazepam - Nordazepam - Oxazepam - Oxicodona - Oximorfona - Pargilina - Pentobarbital - Fenelzina - Fenobarbital - Prazepam - Primidona - Procarbazina - Propoxifeno - Quazepam - Rasagilina - Remifentanil - Secobarbital - Selegilina - Sufentanil - Suvorexanto - Tapentadol - Temazepam - Tiopental - Toloxatona - Tranilcipromina - Triazolam - Zolpidem - Bromazepam
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cinarizina + Piracetam + Bromazepam

Observações: n.d.
Interações: Medicamentos que deprimem o sistema nervoso central (fenobarbital, tiopental, diazepam, bromazepam), antidepressivos tricíclicos (amitriptilina, nortriptilina, clomipramina, imipramina, desipramina, doxepina, maprotilina) e o álcool, quando ingeridos concomitantemente com este medicamento, podem ter potencializados os efeitos sedativos. - Bromazepam
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Bromazepam
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 26 de Novembro de 2020