Zuclopentixol

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução
O que é
Zuclopentixol pertence a um grupo de medicamentos conhecidos por antipsicóticos (também chamados neurolépticos).
Estes medicamentos atuam nas vias nervosas em áreas específicas do cérebro e ajudam a corrigir certos desequilíbrios químicos no cérebro que originam os sintomas da sua doença.
Usos comuns
Zuclopentixol é utilizado para o tratamento de psicoses agudas especialmente onde um rápido início de ação é necessário e é desejada uma duração do efeito de 2-3 dias.
Tipo
Molécula pequena
História
Foi introduzido em 1962 por Lundbeck.
Indicações
Tratamento inicial de psicoses agudas incluindo mania e exacerbações de psicoses crónicas.
Classificação CFT

02.09.02 : Antipsicóticos

Mecanismo De Ação
O zuclopentixol é um neuroléptico do grupo dos tioxantenos.
O efeito antipsicótico dos neurolépticos está relacionado com o efeito bloqueador dos recetores da dopamina mas possivelmente é também devido ao bloqueio dos recetores 5-HT (5-hidroxitriptamina).
In vitro, o zuclopentixol possui alta afinidade para ambos os recetores da dopamina D1 e D2, para os adrenoreceptores a1 e para os recetores 5-HT2 mas não possui afinidade para os recetores colinérgicos muscarínicos. Possui fraca afinidade para o recetor da histamina (H1) e não possui atividade bloqueadora dos adrenoreceptores α2.
In vivo, a afinidade para os locais de ligação D2 é superior à afinidade para os recetores D1. O zuclopentixol provou ser um potente neuroléptico em todos os estudos comportamentais para a atividade neuroléptica (bloqueio do recetor da dopamina). Verificou-se uma correlação entre os modelos de ensaio in vivo, a afinidade para os locais de ligação da dopamina D2 in vitro e as doses diárias orais médias de antipsicóticos.
Tal como a maioria dos outros neurolépticos, o zuclopentixol aumenta o nível sérico de prolactina.
Estudos farmacológicos mostraram um efeito pronunciado 4 horas após administração parentérica do acetato de zuclopentixol em base oleosa. Foi registado um efeito um pouco mais marcado no período de um a três dias após a injeção. Durante os dias seguintes o efeito declinou rapidamente.
Posologia Orientativa
Adultos
A posologia deve ser ajustada individualmente de acordo com a situação clínica do doente.
A dose varia habitualmente entre 50 e 150 mg (1-3 ml) i.m., repetida, se necessário, com um intervalo de 2 a 3 dias. Em alguns doentes, pode ser necessária uma injeção adicional 24 a 48 horas após a primeira injeção.
Acetato de zuclopentixol não está destinado para utilização a longo prazo e a duração do tratamento não deverá ser superior a duas semanas. A dose máxima acumulada durante o tratamento não deverá exceder 400 mg e o número de injeções por tratamento não deverá ser superior a quatro.
Administração
Este medicamento é administrado por injeção intramuscular no quadrante superior externo da região glútea. Volumes de injeção que excedam 2 ml devem ser distribuídos por dois locais de injeção. A tolerabilidade local é boa.
Contraindicações
Hipersensibilidade ao Zuclopentixol.
Colapso circulatório, nível de consciência diminuído devido a qualquer causa (ex. intoxicação com álcool, barbitúricos ou opiáceos), coma.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Pouco frequentes (1 ou em mais do que 1 em cada 1000 e menos do que 1 em cada 100 pessoas):
- Movimentos invulgares da boca e língua; este poderá ser um sinal de uma condição conhecida por discinesia tardia.
Muito raros (em menos de 1 em cada 10000 pessoas):
- Febre alta, rigidez invulgar das músculos e perturbações do estado de consciência, especialmente se com ocorrência simultânea de sudação e frequência cardíaca rápida; estes sintomas poderão ser sinais de uma situação rara designada de síndrome maligna dos neurolépticos, a qual tem sido descrita com a utilização de diferentes antipsicóticos.
- Amarelecimento da pele e da parte branca do olho, o que significa que o seu fígado poderá estar afetado de uma condição designada de icterícia.
- Hepatite colestática

Os efeitos secundários são mais pronunciados no início do tratamento e a maior parte deles habitualmente desaparece durante o uso continuado:
Muito frequentes (em 1 ou mais em cada 10 pessoas):
- Sonolência, impossibilidade de permanecer quieto ou com ausência de movimento (acatisia), movimentos involuntários (hipercinesia), movimentos diminuídos ou lentificados (hipocinesia)
- Boca seca

Frequentes (1 ou em mais do que 1 em cada 100 pessoas e menos do que 1 em cada 10 pessoas):
- Batimento cardíaco acelerado (taquicardia), sensação de batimento cardíaco rápido, com esforço ou irregular (palpitações)
- Tremor, marcha tortuosa ou movimentos repetitivos, ou postura anormal devido a contrações musculares sustentadas (distonia), tonturas, cefaleias.
- Dificuldade em focar objetos a curta distância (perturbação da acomodação), distúrbios da visão
- Sensação de rotação ou balanço, estando o corpo parado (vertigem)
- Bloqueio dos canais nasais (congestão nasal), dificuldade em respirar ou respiração dolorosa (dispneia)
- Secreção aumentada de saliva (hipersecreção salivar), obstipação, vómitos, problemas digestivos ou sensação de desconforto centrada no abdómen superior (dispepsia), diarreia
- Distúrbios da micção, incapacidade de urinar (retenção urinária), aumento de volume de urina (poliúria)
- Sudação aumentada (hiperhidrose), comichão (prurido)
- Dores musculares (mialgia)
- Aumento do apetite, aumento de peso
- Fadiga, fraqueza muscular (astenia), sensação generalizada de desconforto, dor
- Dificuldade em adormecer (insónia), depressão, ansiedade, nervosismo, sonhos anómalos, agitação, diminuição do desejo sexual (redução da libido)
- Hipertonia, parastesia, perturbações da atenção, amnésia, distúrbios da marcha

Pouco frequentes (1ou em mais do que 1 em cada 1000 e menos do que 1 em cada 100 pessoas):
- Atividade reflexa hiperativa ou exacerbada (hiperreflexia), movimentos irregulares (discinesia), parkinsonismo, desmaio (síncope), incapacidade de coordenar a atividade muscular (ataxia), perturbações do discurso, diminuição do tónus muscular (hipotonia), convulsões, enxaqueca
- Movimentos circulares dos globos oculares, pupilas dilatadas (midríase)
- Hipersensibilidade a determinadas gamas de frequências de som ou dificuldade em tolerar os sons habituais (hiperacusia), zumbido nos ouvidos (acufeno)
- Dor abdominal, náuseas, flatulência
- Eritema, reação cutânea devida a sensibilidade perante a luz (reação de fotossensibilidade), problemas de pigmentação, pele enrugada, brilhante e amarelada devido à secreção aumentada de sebo (seborreia), eczema ou inflamação da pele (dermatite), hemorragia subcutânea visível através de manchas vermelhas ou púrpura na pele (púrpura)
- Rigidez muscular, incapacidade para abrir normalmente a boca (trismo), torção do pescoço e uma posição não natural da cabeça (torcicolo)
- Diminuição do apetite, diminuição do peso
- Pressão arterial baixa (hipotensão), afrontamentos
- Sede, temperatura corporal anormalmente baixa (hipotermia), febre (pirexia)
- Pele vermelha ou dor onde a injeção de Cisordinol Acutard foi administrada
- Testes de função hepática alterados
- Distúrbios sexuais (atraso na ejaculação, problemas na ereção (disfunção eréctil), dificuldade em atingir o orgasmo nas mulheres, secura vaginal (secura vulvovaginal))
- Indiferença pronunciada quanto aos que o rodeiam (apatia), pesadelos, aumento do desejo sexual (aumento da libido)
- Estado confusional

Raros (1 ou mais do que 1 em cada 10000 e menos de 1 em cada 1000 pessoas):
- Baixos níveis de plaquetas no sangue (trombocitopenia), baixos níveis de neutrófilos no sangue (neutropenia), baixos níveis de glóbulos brancos no sangue (leucopenia), intoxicação da medula óssea (agranulocitose)
- Níveis de prolactina aumentados no sangue (hiperprolactinemia)
- Níveis elevados de açúcar no sangue (hiperglicemia), intolerância à glucose, níveis aumentados de gordura no sangue (hiperlipidemia)
- Hipersensibilidade, reação alérgica aguda sistémica e grave (reação anafilática)
- Desenvolvimento de seios nos homens (ginecomastia), produção excessiva de leite (galactorreia), perda de períodos menstruais (amenorreia), ereção persistente e dolorosa do pénis, acompanhada de excitação sexual ou desejo (priapismo)

Tal como com outros fármacos que atuam de forma semelhante ao acetato de zuclopentixol, foram notificados casos raros dos seguintes efeitos secundários:
- Prolongamento QT (batimento cardíaco lento e alteração traduzida no ECG)
- Batimento cardíaco irregular (arritmias ventriculares, fibrilhação ventricular, taquicardia ventricular)
- Torsades de Pointes
(um tipo particular de batimento cardíaco)
Em casos raros, batimentos cardíacos irregulares (arritmias) podem ter resultado em morte súbita.
Coágulos nas veias, especialmente nas pernas (sintomas incluem inchaço, dor e vermelhidão na perna), que se podem deslocar pelos vasos sanguíneos até aos pulmões e causar dor no peito e dificuldade em respirar. Se detetar algum destes sintomas, procure aconselhamento médico de imediato.
Em idosos com demência, foi notado um pequeno aumento no número de mortes notificadas para doentes a tomar antipsicóticos, quando comparado com os que não faziam este tipo de tratamento.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Ver Antipsicóticos ; não foram localizadas referências ao uso do fármaco durante a gravidez. Risco fetal desconhecido, por falta de estudos alargados.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Ver Antipsicóticos.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Ver Antipsicóticos.
Insuf. Renal
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Ver Antipsicóticos.
Condução
Condução
Condução:Altera a capacidade de condução.
Precauções Gerais
- tiver um problema de fígado;
- tiver história de convulsões ou desmaios;
- tiver diabetes (pode precisar de um ajuste na sua terapêutica antidiabética);
- tiver um síndrome orgânica cerebral (o qual tenha resultado de intoxicação por álcool ou solventes orgânicos);
- tiver fatores de risco para AVC (ex. tabagismo, hipertensão);
- tiver hipocaliemia ou hipomagnesiemia (níveis demasiado baixos de potássio ou magnésio no sangue) ou predisposição genética para qualquer um dos casos;
- tiver história de doenças cardiovasculares;
- tomar outro medicamento antipsicótico.
- você ou alguém na sua família tem antecedentes (ou história) de coágulos no sangue, uma vez que este tipo de medicamentos estão associados à formação de coágulos sanguíneos.

Zuclopentixol não é recomendado para crianças e adolescentes..
Cuidados com a Dieta
Zuclopentixol pode ser tomado com ou sem alimentos.

Zuclopentixol pode aumentar os efeitos sedativos do álcool fazendo-o sentir mais sonolento. É recomendado não beber álcool durante o tratamento.
Terapêutica Interrompida
Se se esquecer de tomar uma dose, tome a dose seguinte no horário habitual.
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Conservar a temperatura inferior a 25ºC.
Manter a ampola dentro da embalagem exterior para proteger da luz.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Antiarrítmicos + Zuclopentixol

Observações: Aumentam a depressão do miocárdio quando são administrados com outros AA. Aumentam o risco de arritmias ventriculares quando são dados com AA que prolongam o intervalo QT
Interações: Amiodarona: aumento do risco de arritmias ventriculares em uso concomitante com: - Zuclopentixol - Zuclopentixol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Macrólidos + Zuclopentixol

Observações: Podem interferir com a absorção de outros fármacos, inibir as enzimas metabolizadoras com aumento da toxicidade de alguns fármacos e, com menos frequência, reduzir a concentração plasmática de outros, por aceleração do metabolismo. Os macrólidos envolvidos com mais frequência são a eritromicina (em particular por via parentérica) e a claritromicina. A eritromicina em aplicação tópica não origina interacções.
Interações: Por inibição enzimática, com aumento da concentração plasmática e da toxicidade respectiva interferem com: Antipsicóticos (clozapina, pimozide, quetiapina, sertindole, sulpiride e zuclopentixol) - Zuclopentixol - Zuclopentixol
Usar com precaução

Zuclopentixol + Álcool

Observações: N.D.
Interações: Combinações que requerem precauções de utilização: O acetato de zuclopentixol pode aumentar o efeito sedativo do álcool e o efeito dos barbitúricos e outros depressores do SNC. - Álcool
Usar com precaução

Zuclopentixol + Barbitúricos

Observações: N.D.
Interações: Combinações que requerem precauções de utilização: O acetato de zuclopentixol pode aumentar o efeito sedativo do álcool e o efeito dos barbitúricos e outros depressores do SNC. - Barbitúricos
Usar com precaução

Zuclopentixol + Depressores do SNC

Observações: N.D.
Interações: Combinações que requerem precauções de utilização: O acetato de zuclopentixol pode aumentar o efeito sedativo do álcool e o efeito dos barbitúricos e outros depressores do SNC. - Depressores do SNC
Usar com precaução

Zuclopentixol + Neurolépticos

Observações: N.D.
Interações: Combinações que requerem precauções de utilização: Os neurolépticos podem aumentar ou reduzir o efeito de fármacos antihipertensores; o efeito anti-hipertensor da guanetidina e de compostos de ação similar é reduzido. - Neurolépticos
Usar com precaução

Zuclopentixol + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: N.D.
Interações: Combinações que requerem precauções de utilização: Os antidepressivos tricíclicos e os neurolépticos inibem mutuamente o metabolismo uns dos outros. - Antidepressores (Tricíclicos)
Usar com precaução

Zuclopentixol + Levodopa (L-dopa)

Observações: N.D.
Interações: Combinações que requerem precauções de utilização: O acetato de zuclopentixol pode reduzir o efeito da levodopa e o efeito de fármacos adrenérgicos. - Levodopa (L-dopa)
Usar com precaução

Zuclopentixol + Metoclopramida

Observações: N.D.
Interações: Combinações que requerem precauções de utilização: O uso concomitante de metoclopramida e piperazina aumenta os riscos de perturbações extrapiramidais. - Metoclopramida
Usar com precaução

Zuclopentixol + Adrenérgicos

Observações: N.D.
Interações: Combinações que requerem precauções de utilização: O acetato de zuclopentixol pode reduzir o efeito da levodopa e o efeito de fármacos adrenérgicos. - Adrenérgicos
Usar com precaução

Zuclopentixol + Inibidores do CYP2D6

Observações: N.D.
Interações: Combinações que requerem precauções de utilização: Como o zuclopentixol é parcialmente metabolizado pelo CYP2D6, o uso concomitante de fármacos conhecidos por inibirem esta enzima pode levar à diminuição da depuração do zuclopentixol. - Inibidores do CYP2D6
Usar com precaução

Zuclopentixol + Piperazina

Observações: N.D.
Interações: Combinações que requerem precauções de utilização: O uso concomitante de metoclopramida e piperazina aumenta os riscos de perturbações extrapiramidais. - Piperazina
Não recomendado/Evitar

Zuclopentixol + Medicamentos que prolongam o intervalo QT

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio). - Medicamentos que prolongam o intervalo QT
Não recomendado/Evitar

Zuclopentixol + Antiarrítmicos

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio). - Antiarrítmicos
Não recomendado/Evitar

Zuclopentixol + Quinidina

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio). - Quinidina
Não recomendado/Evitar

Zuclopentixol + Amiodarona

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio). - Amiodarona
Não recomendado/Evitar

Zuclopentixol + Sotalol

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio). - Sotalol
Não recomendado/Evitar

Zuclopentixol + Dofetilida

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio). - Dofetilida
Não recomendado/Evitar

Zuclopentixol + Antipsicóticos

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio). - Antipsicóticos
Não recomendado/Evitar

Zuclopentixol + Tioridazina

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio). - Tioridazina
Não recomendado/Evitar

Zuclopentixol + Macrólidos

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio). - Macrólidos
Não recomendado/Evitar

Zuclopentixol + Eritromicina

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio). - Eritromicina
Não recomendado/Evitar

Zuclopentixol + Antihistamínicos

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio). - Antihistamínicos
Não recomendado/Evitar

Zuclopentixol + Terfenadina

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio). - Terfenadina
Não recomendado/Evitar

Zuclopentixol + Astemizol

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio). - Astemizol
Não recomendado/Evitar

Zuclopentixol + Gatifloxacina

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio). - Gatifloxacina
Não recomendado/Evitar

Zuclopentixol + Moxifloxacina

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio). - Moxifloxacina
Não recomendado/Evitar

Zuclopentixol + Cisaprida

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio). - Cisaprida
Não recomendado/Evitar

Zuclopentixol + Lítio

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio). - Lítio
Usar com precaução

Zuclopentixol + Diuréticos tiazídicos (Tiazidas)

Observações: N.D.
Interações: Fármacos causadores de distúrbios eletrolíticos como as tiazidas (hipocaliemia) e fármacos conhecidos por aumentarem a concentração plasmática de acetato de zuclopentixol devem ser também utilizados com precaução dado que podem aumentar o risco de prolongamento QT e arritmias malignas. - Diuréticos tiazídicos (Tiazidas)
Não recomendado/Evitar

Vandetanib + Zuclopentixol

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Combinações não recomendadas: Metadona, haloperidol, amissulprida, cloropromazina, sulpirida, zuclopentixol, halofantrina, pentamidina e lumefantrina. Se não existir terapêutica alternativa apropriada, combinações não recomendadas com vandetanib podem ser feitas com monitorização adicional do intervalo QTc do ECG, avaliação eletrolítica e controlo redobrado no início ou agravamento de diarreia. - Zuclopentixol
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Zuclopentixol
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Zuclopentixol não deve ser tomado durante a gravidez, a menos que tal seja claramente necessário.

Os seguintes sintomas podem ocorrer em recém nascidos cujas mães utilizaram Zuclopentixol no terceiro trimestre (últimos três meses de gravidez): tremor, fraqueza e/ou rigidez muscular sonolência, agitação, problemas respiratórios e dificuldades na alimentação.

Se estiver a amamentar, consulte o seu médico.

Não deverá utilizar Zuclopentixol durante a amamentação dado que pequenas quantidades do medicamento podem passar para o leite materno.

Estudos em animais demonstraram que Zuclopentixol afeta a fertilidade.

Existe o risco de se sentir sonolento e tonto enquanto tomar Zuclopentixol.

Se for o caso, não conduza ou utilize ferramentas ou máquinas até que estes efeitos desapareçam.

Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 08 de Setembro de 2020