Xipamida

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução
O que é
Um análogo de sulfamoylbenzamide clopamida.

É um diurético e salurética com atividade anti-hipertensiva.

Está ligado às proteínas plasmáticas, portanto, tem um início tardio e ação prolongada.
Usos comuns
Tratamento da hipertensão e edema cardíaco.
Tipo
Sem informação.
História
Sem informação.
Indicações
Hipertensão:
Todos os graus de gravidade de hipertensão, administrado isoladamente ou em combinação com outras substâncias anti-hipertensivas.


Edema:
Edema cardíaco, renal, hepático e reumático.

Edema periférico resultante de insuficiência venosa.
Classificação CFT

03.04.01.01 : Tiazidas e análogos

Mecanismo De Ação
A xipamida é um diurético que inibe a reabsorção de cloreto de sódio na parte proximal do túbulo distal e conduz primeiramente a cloruresis e natriuresis e secundariamente a um aumento do fluxo urinário devido a água osmoticamente ligada.

O aumento do fluxo na parte terminal do túbulo distal conduz a uma estimulação da secreção de potássio.

Além disso, há um aumento agudo do bicarbonato, cálcio e magnésio.


A xipamida atinge o seu local de ação do lado peritubular (sangue) de forma que o seu mecanismo de ação difere do das tiazidas apesar de a estrutura ser semelhante.


A xipamida não afeta a hemodinâmica renal ou taxa de filtração glomérular e é ativa mesmo na insuficiência renal terminal.
Posologia Orientativa
Hipertensão:
A dose diária média é de 1 comprimido após o pequeno-almoço.

Em casos graves, a dose pode ser aumentada para 2 comprimidos e noutros casos pode ser reduzida para meio comprimido.


Edema:
O tratamento pode ser iniciado com 2 comprimidos diários após o pequeno-almoço, podendo ser reduzido para 1 comprimido diário conforme a reação do doente.

No caso de insuficiência renal grave, a dose pode ser aumentada até 80 mg de xipamida por dia.


O aumento acima de 80 mg de xipamida por dia, não é recomendado.
Administração
Via oral.
Contraindicações
A xipamida não deve ser utilizada nas seguintes situações:

Insuficiência hepática grave

Hipersensibilidade à xipamida, outros derivados das sulfonamidas ou tiazidas.

Hipocalémia resistente à terapêutica.

Gota

Hiponatrémia grave

Hipovolémia

Hipercalcémia

Gravidez

Lactação
Efeitos Indesejáveis/Adversos
No caso de diurese excessiva, pode ocorrer hemoconcentração como resultado da
hipovolémia bem como convulsões, sonolência, estado confusicional e colapso
circulatório em casos raros.

Raramente podem ocorrer reações anafilactoides
Uma diabetes mellitus latente pode tornar-se evidente. Em doentes com diabetes
mellitus, os níveis de glucose podem ser aumentados.

Com altas doses o risco de tromboses e embolias pode aumentar, particularmente se
existem alterações venosas prévias.

Doenças do sangue e do sistema linfático
Muito raros, incluindo casos isolados: Trombocitopénia, leucopénia, agranulocitose, anemia aplásica (descontinuar tratamento )

Doenças do metabolismo e da nutrição
Raros: Hiperlipidémia

Perturbações do foro psiquiátrico
Frequentes: Impulsão diminuída, letargia, ansiedade, agitação

Doenças do sistema nervoso
Frequentes: Cefaleias, tonturas, boca seca, fadiga, sudação

Afeções oculares
Raros: Alterações menores da visão, agravamento de miopia existente (descontinuar tratamento)

Cardiopatias
Frequentes: Palpitações

Vasculopatias
Frequentes: Hipotensão ortostática

Doenças gastrointestinais
Frequentes: Desconforto no abdómen superior, dor abdominal, diarreia, obstipação
Raros: Pancreatite hemorrágica (descontinuar o tratamento)

Afeções hepatobiliares
Raros: Colecistite aguda no caso de colelitíase pré existente (descontinuar o tratamento)
Muito raros, Incluindo casos isolados: Icterícia

Afeções dos tecidos cutâneos subcutâneos
Pouco frequentes: Reações de fotossensibilidade
Raros: Reações alérgicas cutâneas (prurido, eritema, urticária) (descontinuar o tratamento)

Afeções musculoesqueléticas e dos tecidos conjuntivos
Frequentes: Espasmos musculares /cãibras

Doenças renais e urinárias
Muito frequentes: Hipocalémia que pode manifestar-se com sintomas como náuseas, vómitos, alterações do ECG, aumento da sensibilidade aos glicosidos, arritmia ou hipotonia dos músculos esqueléticos.
Hipermagnesúria que apenas ocasionalmente se manifesta como hipomagnesémia uma vez que o magnésio é mobilizado dos ossos.

Frequentes: Distúrbios no equilíbrio eletrolítico e da água, tais como desidratação, hiponatrémia, hipomagnesémia, alcalose hipoclorémica. Aumento reversível do azoto, substâncias excretadas pela urina (ureia, creatinina), particularmente no início do tratamento. Aumento dos níveis séricos de ácido úrico e ataques agudos de gota em doentes predispostos.

Muito raros, incluindo casos isolados: Nefrite aguda intersticial.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Ver Diuréticos e V. Tiazidas. Evidência fetal em animais, mas a necessidade pode justificar o risco.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:O produtor recomenda evitar; não há informação útil.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Ver Tiazidas.
Insuf. Renal
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Ver Tiazidas e análogos.
Condução
Condução
Condução:Risco de hipotensão; pode alterar a capacidade de condução.
Precauções Gerais
Em doentes com doenças hepáticas, a terapêutica com diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas pode causar encefalopatia hepática.

Nesse caso, o tratamento com este medicamento deve ser descontinuado de imediato.


Foram notificados alguns casos de fotossensibilidade durante o tratamento com diuréticos tiazidas.

Se ocorrer uma reação de fotossensibilidade durante o tratamento, este deve ser descontinuado.

Se a re administração do tratamento não puder ser evitada, a área da pele exposta à luz do sol ou a UVA artificial deve ser protegida.


No caso de abuso crónico de agentes diuréticos (abuso de diuréticos), pode ocorrer síndrome de Batter que conduz a acumulação de água no organismo (edema).

Esta acumulação de água (edema) é a expressão de um aumento da renina daí resultando hiperaldosteronismo secundário.


Este medicamento contém lactose.

Doentes com problemas hereditários raros de intolerância à galactose, deficiência de lactase ou malabsorção de glucose-galactose não devem tomar este medicamento.


Precauções de utilização do medicamento
Equilíbrio eletrolítico e da água
Níveis plasmáticos de sódio:
O nível plasmático de sódio deve ser controlado antes de iniciar a terapêutica e a intervalos regulares durante o tratamento.

Em princípio, pode ocorrer com qualquer diurético, hiponatrémia com complicações graves.

Uma vez que a diminuição do nível plasmático de sódio pode no início ser assintomático, é indispensável um controlo regular.

Doentes idosos e doentes com cirrose hepática devem ser cuidadosamente monitorizados.


Níveis de potássio:
Tal como com outros diuréticos, pode ocorrer hipocalémia durante a terapêutica prolongada com xipamida.

Os eletrólitos séricos (em particular potássio, sódio, cálcio), bicarbonato, creatinina, ureia, ácido úrico e açúcar no sangue devem ser regularmente controlados.

A substituição do potássio pode ser necessária, particularmente em doentes idosos com insuficiente ingestão de potássio.


A descida dos níveis de potássio até uma situação de hipocalémia representa o principal risco do tratamento com diuréticos tiazidas e medicamentos aparentados.

A ocorrência de hipocalémia (níveis plasmáticos de potássio <3,4 mmol/l) deve ser evitada em particular no caso de uma perda grande de fluído (ex: devido a vómitos, diarreia ou sudação intensa) e em grupos de risco, isto é idosos e/ou doentes subnutridos e/ou doentes polimedicados, bem como doentes com cirrose hepática e formação de edemas ou ascite, doentes com doença coronária e com insuficiência cardíaca.

Neste grupo de doentes, a hipocalémia também aumenta a cardiotoxicidade dos glicosidos cardíacos e o risco de disritmía cardíaca.


A hipovolémia ou desidratação bem como alterações eletrolíticas importantes ou distúrbios no equilíbrio ácido-base devem ser ajustados.

Isto pode exigir uma interrupção temporária do tratamento com xipamida.


Indivíduos com prolongamento do intervalo QT congénito ou iatrogénico adquirido constituem o grupo de maior risco.

A presença de hipocalémia e bradicárdia promovem a ocorrência de arritmia grave, em particular a possível “torsade de pointes” letal (taquicardia ventricular polimórfica).


Todas as situações acima mencionadas, exigem um controlo frequente dos níveis de potássio, iniciando-se o primeiro controlo durante a primeira semana após iniciar a terapêutica.

A hipocalémia deve ser ajustada.


Níveis plasmáticos de cálcio:
O tratamento com diuréticos tiazidas e fármacos aparentados pode causar uma diminuição da excreção do cálcio na urina e um aumento temporário dos níveis plasmáticos de cálcio.

Uma hipercalcémia manifesta pode provavelmente ocorrer devido a um hiperparatiroidismo prévio desconhecido.


Antes de um possível exame à função das paratiroides, a terapêutica deve ser descontinuada.


Níveis sanguíneos de açúcar:
Especialmente em doentes diabéticos com hipocalémia concomitante os níveis sanguíneos de açúcar devem ser cuidadosamente monitorizados.


Níveis de ácido úrico:
Doentes com hiperuricémia podem apresentar uma tendência em aumentar os episódios agudos de gota.


Função renal e diuréticos:
Os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas só são completamente eficazes numa função renal normal ou com uma ligeira insuficiência (níveis séricos de creatinina <25 mg/l ou <220 micromol/l em adultos).

Nos doentes idosos, este valor da creatinina deve ser ajustado conforme a idade, peso e sexo do doente.


A hipovolémia causada por perda de sódio e água relacionada com diuréticos no início do tratamento resulta numa diminuição da filtração glomérular.

Isto pode causar um aumento do azoto ureico no sangue (BUN) e creatinina sérica.

Esta insuficiência funcional renal temporária mantém-se sem consequências em indivíduos com a função renal normal, mas pode agravar uma insuficiência renal pré existente.


No caso de uma terapêutica resistente à descompensação do equilíbrio eletrolítico, o tratamento deve ser descontinuado
Cuidados com a Dieta
Tomar após o pequeno-almoço.
Terapêutica Interrompida
Deverá evitar o esquecimento.

Quando tal acontecer, deve recomeçar o tratamento logo que se lembrar e informar o seu médico do sucedido.

Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças


Conservar a temperatura inferior a 25ºC.


Guarde em local seco e fresco.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Usar com precaução

Xipamida + Diuréticos

Observações: n.d.
Interações: As seguintes interações foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Se a deficiência em sódio foi causada pelo tratamento prévio com um diurético anti-hipertensivo, é necessário: Interromper o diurético três dias antes de iniciar o tratamento com inibidores da ECA e, se necessário, utilizar uma substância caliurética adicional ou iniciar o inibidor da ECA com uma dose baixa e ir aumentando subsequentemente a dose. Em doentes com descompensação cardíaca, a dose inicial do inibidor da ECA deve ser muito baixa, se possível após a redução da dose da substância caliurética administrada concomitantemente. Em qualquer grau a função renal (determinação da creatinina sérica) deve ser controlada nas primeiras semanas de tratamento com um inibidor da ECA. Outras substâncias com diminuição do efeito nos níveis de potássio: Anfotericina B (I.V.) Gluco- e mineralocorticóides (sistémicos) Tetracosactide Laxantes estimulantes Risco aumentado de hipocalémia (efeito aditivo) Controlar e se necessário corrigir os níveis plasmáticos de potássio; tem de ser seguido em particular em doentes tratados com glicosidos cardíacos. As seguintes associações podem causar interações: Diuréticos caliuréticos (ex: furosemida), glucocorticoides, ACTH, carbenoxolone, penicilina G, anfotericina B ou laxantes: A utilização concomitante de xipamida pode conduzir a um aumento da perda de potássio. - Diuréticos
Não recomendado/Evitar

Indapamida + Xipamida

Observações: N.D.
Interações: Associações que não são recomendadas: Diuréticos: A co-administração de indapamida com diuréticos que podem causar hipocaliemia (bumetanida, furosemida, piretanida, tiazidas e xipamida) não é recomendada. - Xipamida
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Antihipertensores

Observações: n.d.
Interações: As seguintes interações foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. As seguintes associações podem causar interações: Alfa bloqueadores urológicos (alfuzosina, doxazosina, prazosina, tansulosina, terazosina) e anti-hipertensivos alfa-bloqueadores. Aumentam o efeito anti-hipertensivo. Risco de hipotensão ortostática grave. - Antihipertensores
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)

Observações: n.d.
Interações: As seguintes interações foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. - Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Nitratos

Observações: n.d.
Interações: As seguintes interações foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. - Nitratos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Vasodilatadores

Observações: n.d.
Interações: As seguintes interações foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. - Vasodilatadores
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Barbitúricos

Observações: n.d.
Interações: As seguintes interações foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. - Barbitúricos
Usar com precaução

Xipamida + Fenotiazidas (fenotiazinas)

Observações: n.d.
Interações: As seguintes interações foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Fenotiazidas (fenotiazinas)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: n.d.
Interações: As seguintes interações foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. As seguintes associações podem causar interações: Antidepressivos tricíclicos (tipo imipramine), neurolépticos: Efeito antidepressivo e risco aumentado de hipotensão ortostática (efeito aditivo). - Antidepressores (Tricíclicos)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Álcool

Observações: n.d.
Interações: As seguintes interações foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. - Álcool
Usar com precaução

Xipamida + Diuréticos da ansa

Observações: n.d.
Interações: A utilização concomitante de Xipamida e de diuréticos da ansa aumenta o risco de alterações no metabolismo eletrolítico e no equilíbrio da água. Portanto, é necessário um controlo apertado apropriado. - Diuréticos da ansa
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Salicilatos

Observações: n.d.
Interações: O efeito anti-hipertensivo e diurético do Xipamida pode ser reduzido pela administração concomitante de salicilatos ou outros agentes antiflogísticos não esteroides (ex: indometacina). - Salicilatos
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Anti-inflamatórios

Observações: n.d.
Interações: O efeito anti-hipertensivo e diurético do Xipamida pode ser reduzido pela administração concomitante de salicilatos ou outros agentes antiflogísticos não esteroides (ex: indometacina). - Anti-inflamatórios
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Indometacina

Observações: n.d.
Interações: O efeito anti-hipertensivo e diurético do Xipamida pode ser reduzido pela administração concomitante de salicilatos ou outros agentes antiflogísticos não esteroides (ex: indometacina). - Indometacina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Hipoglicemiantes

Observações: n.d.
Interações: A ação de agentes antidiabéticos, agentes que diminuem os níveis de ácido úrico, noradrenalina e adrenalina pode ser reduzida. - Hipoglicemiantes
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Noradrenalina (Norepinefrina)

Observações: n.d.
Interações: A ação de agentes antidiabéticos, agentes que diminuem os níveis de ácido úrico, noradrenalina e adrenalina pode ser reduzida. - Noradrenalina (Norepinefrina)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Uricosúricos (gota) (Antigotosos)

Observações: n.d.
Interações: A ação de agentes antidiabéticos, agentes que diminuem os níveis de ácido úrico, noradrenalina e adrenalina pode ser reduzida. - Uricosúricos (gota) (Antigotosos)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Adrenalina (epinefrina)

Observações: n.d.
Interações: A ação de agentes antidiabéticos, agentes que diminuem os níveis de ácido úrico, noradrenalina e adrenalina pode ser reduzida. - Adrenalina (epinefrina)
Não recomendado/Evitar

Xipamida + Lítio

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações não são recomendadas: Lítio: No caso de terapêutica concomitante com lítio, a cardiotoxicidade e efeitos neurotóxicos do lítio serão intensificados. Se o tratamento diurético for inevitável é necessária uma monitorização adequada dos níveis de lítio e um ajuste da dose. - Lítio
Não recomendado/Evitar

Xipamida + Sultoprida

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações não são recomendadas: Sultopride: Aumenta o risco de arritmias ventriculares, especialmente “torsade de pointes” (hipocalémia é um fator de predisposição). Fazer monitorização clínica, eletrolítica e eletrocardiográfica. Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Sultoprida
Usar com precaução

Xipamida + Medicamentos potenciadores de Torsades de Pointes

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Medicamentos potenciadores de Torsades de Pointes
Usar com precaução

Xipamida + Antiarrítmicos

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Antiarrítmicos
Usar com precaução

Xipamida + Disopiramida

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Disopiramida
Usar com precaução

Xipamida + Quinidina

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. As seguintes associações podem causar interações: Quinidina: Excreção pode estar reduzida. - Quinidina
Usar com precaução

Xipamida + Hidroquinidina

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Hidroquinidina
Usar com precaução

Xipamida + Amiodarona

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Amiodarona
Usar com precaução

Xipamida + Sotalol

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Sotalol
Usar com precaução

Xipamida + Dofetilida

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Dofetilida
Usar com precaução

Xipamida + Ibutilida

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Ibutilida
Usar com precaução

Xipamida + Antipsicóticos

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Antipsicóticos
Usar com precaução

Xipamida + Ciamemazina

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Ciamemazina
Usar com precaução

Xipamida + Levomepromazina

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Levomepromazina
Usar com precaução

Xipamida + Clorpromazina

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Clorpromazina
Usar com precaução

Xipamida + Trifluoperazina

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Trifluoperazina
Usar com precaução

Xipamida + Tioridazina

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Tioridazina
Usar com precaução

Xipamida + Benzamidas

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Benzamidas
Usar com precaução

Xipamida + Amissulprida

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Amissulprida
Usar com precaução

Xipamida + Sulpirida

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Sulpirida
Usar com precaução

Xipamida + Tiaprida

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Tiaprida
Usar com precaução

Xipamida + Butirofenonas

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Butirofenonas
Usar com precaução

Xipamida + Droperidol

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Droperidol
Usar com precaução

Xipamida + Haloperidol

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Haloperidol
Usar com precaução

Xipamida + Cisaprida

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Cisaprida
Usar com precaução

Xipamida + Bepridilo

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Bepridilo
Usar com precaução

Xipamida + Metilsulfato de difemanila

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Metilsulfato de difemanila
Usar com precaução

Xipamida + Eritromicina

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Eritromicina
Usar com precaução

Xipamida + Mizolastina

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Mizolastina
Usar com precaução

Xipamida + Pentamidina

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Pentamidina
Usar com precaução

Xipamida + Halofantrina

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Halofantrina
Usar com precaução

Xipamida + Esparfloxacina

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Esparfloxacina
Usar com precaução

Xipamida + Vincamina

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Vincamina
Usar com precaução

Xipamida + Moxifloxacina

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Moxifloxacina
Usar com precaução

Xipamida + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Anti-inflamatórios não esteroides (sistémicos) incluindo inibidores seletivos COX2, altas doses de ácido salicílico (>3 g/dia): Possível redução do efeito anti-hipertensivo da xipamida. O risco de insuficiência renal aguda no caso de desidratação (diminuição da filtração glomérular). Um suficiente aporte de fluído tem de ser assegurado e a função renal deve ser controlada no início da terapêutica. A ingestão de altas doses de salicilato pode intensificar o efeito tóxico do salicilato no sistema nervoso central. - Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)
Usar com precaução

Xipamida + Inibidores da cicloxigenase (COX)

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Anti-inflamatórios não esteroides (sistémicos) incluindo inibidores seletivos COX2, altas doses de ácido salicílico (>3 g/dia): Possível redução do efeito anti-hipertensivo da xipamida. O risco de insuficiência renal aguda no caso de desidratação (diminuição da filtração glomérular). Um suficiente aporte de fluído tem de ser assegurado e a função renal deve ser controlada no início da terapêutica. A ingestão de altas doses de salicilato pode intensificar o efeito tóxico do salicilato no sistema nervoso central. - Inibidores da cicloxigenase (COX)
Usar com precaução

Xipamida + Ácido Acetilsalicílico

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Anti-inflamatórios não esteroides (sistémicos) incluindo inibidores seletivos COX2, altas doses de ácido salicílico (>3 g/dia): Possível redução do efeito anti-hipertensivo da xipamida. O risco de insuficiência renal aguda no caso de desidratação (diminuição da filtração glomérular). Um suficiente aporte de fluído tem de ser assegurado e a função renal deve ser controlada no início da terapêutica. A ingestão de altas doses de salicilato pode intensificar o efeito tóxico do salicilato no sistema nervoso central. - Ácido Acetilsalicílico
Usar com precaução

Xipamida + Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECAS)

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Inibidores ECA: Risco duma quebra acentuada da pressão sanguínea e/ou insuficiência renal aguda no início da terapêutica com inibidores da ECA em doentes com deficiência pré existente em cálcio (em particular com estenose da artéria renal). - Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECAS)
Usar com precaução

Xipamida + Anfotericina B

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Se a deficiência em sódio foi causada pelo tratamento prévio com um diurético anti-hipertensivo, é necessário: Interromper o diurético três dias antes de iniciar o tratamento com inibidores da ECA e, se necessário, utilizar uma substância caliurética adicional ou iniciar o inibidor da ECA com uma dose baixa e ir aumentando subsequentemente a dose. Em doentes com descompensação cardíaca, a dose inicial do inibidor da ECA deve ser muito baixa, se possível após a redução da dose da substância caliurética administrada concomitantemente. Em qualquer grau a função renal (determinação da creatinina sérica) deve ser controlada nas primeiras semanas de tratamento com um inibidor da ECA. Outras substâncias com diminuição do efeito nos níveis de potássio: Anfotericina B (I.V.) Gluco- e mineralocorticóides (sistémicos) Tetracosactide Laxantes estimulantes Risco aumentado de hipocalémia (efeito aditivo) Controlar e se necessário corrigir os níveis plasmáticos de potássio; tem de ser seguido em particular em doentes tratados com glicosidos cardíacos. As seguintes associações podem causar interações: Diuréticos caliuréticos (ex: furosemida), glucocorticoides, ACTH, carbenoxolone, penicilina G, anfotericina B ou laxantes: A utilização concomitante de xipamida pode conduzir a um aumento da perda de potássio. - Anfotericina B
Usar com precaução

Xipamida + Mineralocorticoides

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Se a deficiência em sódio foi causada pelo tratamento prévio com um diurético anti-hipertensivo, é necessário: Interromper o diurético três dias antes de iniciar o tratamento com inibidores da ECA e, se necessário, utilizar uma substância caliurética adicional ou iniciar o inibidor da ECA com uma dose baixa e ir aumentando subsequentemente a dose. Em doentes com descompensação cardíaca, a dose inicial do inibidor da ECA deve ser muito baixa, se possível após a redução da dose da substância caliurética administrada concomitantemente. Em qualquer grau a função renal (determinação da creatinina sérica) deve ser controlada nas primeiras semanas de tratamento com um inibidor da ECA. Outras substâncias com diminuição do efeito nos níveis de potássio: Anfotericina B (I.V.) Gluco- e mineralocorticóides (sistémicos) Tetracosactide Laxantes estimulantes Risco aumentado de hipocalémia (efeito aditivo) Controlar e se necessário corrigir os níveis plasmáticos de potássio; tem de ser seguido em particular em doentes tratados com glicosidos cardíacos. - Mineralocorticoides
Usar com precaução

Xipamida + Tetracosactido

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Se a deficiência em sódio foi causada pelo tratamento prévio com um diurético anti-hipertensivo, é necessário: Interromper o diurético três dias antes de iniciar o tratamento com inibidores da ECA e, se necessário, utilizar uma substância caliurética adicional ou iniciar o inibidor da ECA com uma dose baixa e ir aumentando subsequentemente a dose. Em doentes com descompensação cardíaca, a dose inicial do inibidor da ECA deve ser muito baixa, se possível após a redução da dose da substância caliurética administrada concomitantemente. Em qualquer grau a função renal (determinação da creatinina sérica) deve ser controlada nas primeiras semanas de tratamento com um inibidor da ECA. Outras substâncias com diminuição do efeito nos níveis de potássio: Anfotericina B (I.V.) Gluco- e mineralocorticóides (sistémicos) Tetracosactide Laxantes estimulantes Risco aumentado de hipocalémia (efeito aditivo) Controlar e se necessário corrigir os níveis plasmáticos de potássio; tem de ser seguido em particular em doentes tratados com glicosidos cardíacos. As seguintes associações podem causar interações: Corticoides, tetracosactide (sistémico): Redução do efeito antihipertensivo (retenção de sódio e água pelos corticóides). - Tetracosactido
Usar com precaução

Xipamida + Laxantes

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Se a deficiência em sódio foi causada pelo tratamento prévio com um diurético anti-hipertensivo, é necessário: Interromper o diurético três dias antes de iniciar o tratamento com inibidores da ECA e, se necessário, utilizar uma substância caliurética adicional ou iniciar o inibidor da ECA com uma dose baixa e ir aumentando subsequentemente a dose. Em doentes com descompensação cardíaca, a dose inicial do inibidor da ECA deve ser muito baixa, se possível após a redução da dose da substância caliurética administrada concomitantemente. Em qualquer grau a função renal (determinação da creatinina sérica) deve ser controlada nas primeiras semanas de tratamento com um inibidor da ECA. Outras substâncias com diminuição do efeito nos níveis de potássio: Anfotericina B (I.V.) Gluco- e mineralocorticóides (sistémicos) Tetracosactide Laxantes estimulantes Risco aumentado de hipocalémia (efeito aditivo) Controlar e se necessário corrigir os níveis plasmáticos de potássio; tem de ser seguido em particular em doentes tratados com glicosidos cardíacos. As seguintes associações podem causar interações: Diuréticos caliuréticos (ex: furosemida), glucocorticoides, ACTH, carbenoxolone, penicilina G, anfotericina B ou laxantes: A utilização concomitante de xipamida pode conduzir a um aumento da perda de potássio. - Laxantes
Usar com precaução

Xipamida + Baclofeno

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Baclofeno: Intensificação do efeito anti-hipertensivo. Um aporte suficiente de fluído tem de ser assegurado e a função renal deve ser controlada no início do tratamento. - Baclofeno
Usar com precaução

Xipamida + Glicosídeos cardiotónicos (cardíacos)

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Glicosidos cardíacos: Hipocalémia e/ou hipomagnesémia que intensificam os efeitos tóxicos dos glicosidos digitálicos; controlar os níveis plasmáticos de potássio e monitorizar o ECG. Se necessário ajustar a terapêutica. - Glicosídeos cardiotónicos (cardíacos)
Usar com precaução

Xipamida + Aminoglicosídeos

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Aminoglicosidos (parental): Risco aumentado de ototoxicidade e nefrotoxicidade dos aminoglicisidos (insuficiência renal funcional relacionada com desidratação induzida por diuréticos). Tratamento concomitante é possível com monitorização do estado de hidratação e funções renal e cocleovestibular e possíveis concentrações plasmáticas de aminoglicosidos. - Aminoglicosídeos
Usar com precaução

Xipamida + Fenitoína

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Fenitoína (por extrapolação da fosfenitoína): Até 50% de redução do efeito diurético. Podem ser necessárias doses mais altas do diurético. - Fenitoína
Usar com precaução

Xipamida + Carbamazepina

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Carbamazepina: Risco de hiponatrémia sintomática. - Carbamazepina
Usar com precaução

Xipamida + Diuréticos poupadores de potássio

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Diuréticos poupadores de potássio (amiloride, espirolactona, triamtereno): Embora estas associações possam ser apropriadas para certos doentes, pode ocorrer hipocalémia ou hipercalémia (particularmente em doentes com insuficiência renal ou diabetes). Controlar dos níveis plasmáticos de potássio e ECG, se necessário ajustar a dose. - Diuréticos poupadores de potássio
Usar com precaução

Xipamida + Amilorida

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Diuréticos poupadores de potássio (amiloride, espirolactona, triamtereno): Embora estas associações possam ser apropriadas para certos doentes, pode ocorrer hipocalémia ou hipercalémia (particularmente em doentes com insuficiência renal ou diabetes). Controlar dos níveis plasmáticos de potássio e ECG, se necessário ajustar a dose. - Amilorida
Usar com precaução

Xipamida + Triamtereno

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Diuréticos poupadores de potássio (amiloride, espirolactona, triamtereno): Embora estas associações possam ser apropriadas para certos doentes, pode ocorrer hipocalémia ou hipercalémia (particularmente em doentes com insuficiência renal ou diabetes). Controlar dos níveis plasmáticos de potássio e ECG, se necessário ajustar a dose. - Triamtereno
Usar com precaução

Xipamida + Espironolactona

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Diuréticos poupadores de potássio (amiloride, espirolactona, triamtereno): Embora estas associações possam ser apropriadas para certos doentes, pode ocorrer hipocalémia ou hipercalémia (particularmente em doentes com insuficiência renal ou diabetes). Controlar dos níveis plasmáticos de potássio e ECG, se necessário ajustar a dose. - Espironolactona
Usar com precaução

Xipamida + Metformina

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Metformina: Risco aumentado de acidose láctica induzida pela metformina, devido a uma possível insuficiência renal relacionada com a terapêutica diurética, particularmente com diuréticos da ansa. Portanto, a metformina não deve ser utilizada se os níveis séricos de creatinina excedem 15 mg/l (135 micromol/l) no homem e 12 mg/l (110 micromol/l) na mulher. - Metformina
Usar com precaução

Xipamida + Agentes/Meios de Contraste

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Meios de contraste contendo iodo: A utilização de meios de contraste contendo iodo (particularmente em altas doses) aumenta o risco de insuficiência renal aguda nos casos de desidratação causada por diuréticos. Re-hidratar antes da administração de meios de contraste com iodo. - Agentes/Meios de Contraste
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Furosemida

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Diuréticos caliuréticos (ex: furosemida), glucocorticoides, ACTH, carbenoxolone, penicilina G, anfotericina B ou laxantes: A utilização concomitante de xipamida pode conduzir a um aumento da perda de potássio. - Furosemida
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Glucocorticoides

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Diuréticos caliuréticos (ex: furosemida), glucocorticoides, ACTH, carbenoxolone, penicilina G, anfotericina B ou laxantes: A utilização concomitante de xipamida pode conduzir a um aumento da perda de potássio. - Glucocorticoides
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Hormona adrenocorticotrófica (ACTH)

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Diuréticos caliuréticos (ex: furosemida), glucocorticoides, ACTH, carbenoxolone, penicilina G, anfotericina B ou laxantes: A utilização concomitante de xipamida pode conduzir a um aumento da perda de potássio. - Hormona adrenocorticotrófica (ACTH)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Carbenoxolona

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Diuréticos caliuréticos (ex: furosemida), glucocorticoides, ACTH, carbenoxolone, penicilina G, anfotericina B ou laxantes: A utilização concomitante de xipamida pode conduzir a um aumento da perda de potássio. - Carbenoxolona
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Benzilpenicilina

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Diuréticos caliuréticos (ex: furosemida), glucocorticoides, ACTH, carbenoxolone, penicilina G, anfotericina B ou laxantes: A utilização concomitante de xipamida pode conduzir a um aumento da perda de potássio. - Benzilpenicilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Imipramina

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Antidepressivos tricíclicos (tipo imipramine), neurolépticos: Efeito antidepressivo e risco aumentado de hipotensão ortostática (efeito aditivo). - Imipramina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Neurolépticos

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Antidepressivos tricíclicos (tipo imipramine), neurolépticos: Efeito antidepressivo e risco aumentado de hipotensão ortostática (efeito aditivo). - Neurolépticos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Amifostina

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Amifostine: Potencia o efeito anti-hipertensivo. - Amifostina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Medicamentos usados na retenção urinária

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Alfa bloqueadores urológicos (alfuzosina, doxazosina, prazosina, tansulosina, terazosina) e anti-hipertensivos alfa-bloqueadores. Aumentam o efeito anti-hipertensivo. Risco de hipotensão ortostática grave. - Medicamentos usados na retenção urinária
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Alfuzosina

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Alfa bloqueadores urológicos (alfuzosina, doxazosina, prazosina, tansulosina, terazosina) e anti-hipertensivos alfa-bloqueadores. Aumentam o efeito anti-hipertensivo. Risco de hipotensão ortostática grave. - Alfuzosina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Doxazosina

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Alfa bloqueadores urológicos (alfuzosina, doxazosina, prazosina, tansulosina, terazosina) e anti-hipertensivos alfa-bloqueadores. Aumentam o efeito anti-hipertensivo. Risco de hipotensão ortostática grave. - Doxazosina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Tansulosina

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Alfa bloqueadores urológicos (alfuzosina, doxazosina, prazosina, tansulosina, terazosina) e anti-hipertensivos alfa-bloqueadores. Aumentam o efeito anti-hipertensivo. Risco de hipotensão ortostática grave. - Tansulosina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Terazosina

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Alfa bloqueadores urológicos (alfuzosina, doxazosina, prazosina, tansulosina, terazosina) e anti-hipertensivos alfa-bloqueadores. Aumentam o efeito anti-hipertensivo. Risco de hipotensão ortostática grave. - Terazosina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Prazosina

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Alfa bloqueadores urológicos (alfuzosina, doxazosina, prazosina, tansulosina, terazosina) e anti-hipertensivos alfa-bloqueadores. Aumentam o efeito anti-hipertensivo. Risco de hipotensão ortostática grave. - Prazosina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Platina

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Sais de platina: Risco aditivo de ototoxicidade e efeitos nefrotóxicos. - Platina
Usar com precaução

Xipamida + Cálcio

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Cálcio (sais): Risco de hipercalcémia por redução da excreção de cálcio pela urina. - Cálcio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Ciclosporina

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Ciclosporina, tacrolimus: Mesmo com equilíbrio sódio-água normal, risco aumentado dos níveis de creatinina no soro sem alteração dos níveis circulatórios de ciclosporina. - Ciclosporina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Tacrolímus

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Ciclosporina, tacrolimus: Mesmo com equilíbrio sódio-água normal, risco aumentado dos níveis de creatinina no soro sem alteração dos níveis circulatórios de ciclosporina. - Tacrolímus
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Corticosteroides

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Corticoides, tetracosactide (sistémico): Redução do efeito antihipertensivo (retenção de sódio e água pelos corticóides). - Corticosteroides
Usar com precaução

Xipamida + Citotóxicos

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Citostáticos (ex: ciclofosfamida, fluorouracilo, metotrexato): Risco de toxicidade medular aumentada, particularmente a redução dos granulócitos. - Citotóxicos
Usar com precaução

Xipamida + Ciclofosfamida

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Citostáticos (ex: ciclofosfamida, fluorouracilo, metotrexato): Risco de toxicidade medular aumentada, particularmente a redução dos granulócitos. - Ciclofosfamida
Usar com precaução

Xipamida + Fluorouracilo

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Citostáticos (ex: ciclofosfamida, fluorouracilo, metotrexato): Risco de toxicidade medular aumentada, particularmente a redução dos granulócitos. - Fluorouracilo
Usar com precaução

Xipamida + Metotrexato

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Citostáticos (ex: ciclofosfamida, fluorouracilo, metotrexato): Risco de toxicidade medular aumentada, particularmente a redução dos granulócitos. - Metotrexato
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Colestipol

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Colestipol e colestiramina: A absorção da xipamida é presumivelmente reduzida. - Colestipol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Relaxantes musculares

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Relaxantes musculares tipo curare: Efeito intensificado e prolongado. - Relaxantes musculares
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Colestiramina

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Colestipol e colestiramina: A absorção da xipamida é presumivelmente reduzida. - Colestiramina
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações da Xipamida
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

A Xipamida não deve ser utilizado durante a gravidez.

A Xipamida não deve ser utilizado durante o período de aleitamento.

O tratamento com este medicamento exige um controlo médico regular.

As reações do doente podem ser afetadas ao ponto da capacidade de conduzir e utilizar máquinas estarem diminuídas.

Isto aplica-se particularmente quando se inicia o tratamento, quando a dose é aumentada, quando se administra um fármaco diferente ou na presença do consumo de álcool.

Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 08 de Setembro de 2020