Varfarina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal
O que é
A varfarina ou warfarina é um fármaco do grupo dos anticoagulantes, que é usado na prevenção das tromboses.
É usada também em altas doses como veneno para roedores.
Usos comuns
Para o tratamento da oclusão vascular da retina, embolia pulmonar, cardiomiopatia, fibrilhação atrial e flutter atrial, embolia cerebral, isquemia cerebral transitória, embolia arterial e trombose.
Tipo
Molécula pequena.
História
A varfarina começou a ser usada comercialmente em larga escala em 1948 como veneno para ratos.
Foi formalmente aprovado como medicamento para tratar coágulos sanguíneos em humanos pela Food and Drug Administration dos EUA em 1954.
Em 1955, a reputação da varfarina como um tratamento seguro e aceitável foi reforçada quando o Presidente Dwight D. Eisenhower foi tratado com varfarina após um ataque cardíaco massivo e altamente divulgado.
O tratamento de Eisenhower deu início a uma transformação na medicina, por meio da qual doenças arteriais coronarianas, placas arteriais e acidentes vasculares cerebrais isquêmicos foram tratados e protegidos pelo uso de anticoagulantes como a varfarina.
Está na Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial da Saúde.
Indicações
Profilaxia e tratamento das afecções tromboembólicas venosas e pulmonares, profilaxia do embolismo na doença cardíaca reumática e fibrilhação auricular, profilaxia após inserção de prótese valvular cardíaca e ataques isquémicos transitórios.
Classificação CFT

4.3.1.2 : Antivitamínicos K

Mecanismo De Acção
A Varfarina inibe a vitamina K-redutase, resultando na destruição da forma reduzida de vitamina K (vitamina KH2).

Como vitamina a K é um cofactor para a carboxilação de resíduos de glutamato nas regiões N-terminais das proteínas dependentes da vitamina K, isto limita a gama-carboxilação e a subsequente activação das proteínas coagulantes dependentes da vitamina K. A síntese da vitamina K-dependente os factores de coagulação II, VII, IX e X e as proteínas anticoagulantes C e S são inibidas.

A depressão de três dos quatro factores de coagulação dependentes da vitamina K (factores II, VII e X) resulta na diminuição dos níveis de protrombina e numa diminuição na quantidade de trombina gerada e ligada à fibrina. Isto reduz a trombogenicidade de coágulos.
Posologia Orientativa
Adultos - Via oral (sempre à mesma hora):
Dose inicial - 5 a 10 mg/dia, 2 dias, seguida de 4 a 5 mg/dia, devendo atingir-se um efeito anticoagulante estabilizado ao fim de 5 a 7 dias;
dose de manutenção - 3 a 9 mg/dia, dependendo do valor de INR.
Administração
Via oral.
Pode ser administrada com ou sem alimentos.
Tomar sempre à mesma hora do dia.
Contra-Indicações
Úlcera péptica, alterações cerebrovasculares, endocardite bacteriana, IR ou IH, hipertensão grave e doentes que consomem álcool.

As alterações da dosagem devem ser acompanhadas de um controlo regular da coagulação (TP ou INR) e do estado clínico.

Não usar durante a gravidez por ser um teratogénio reconhecido, causando embriopatia característica, aumento da frequência de abortos, nado-mortos e hemorragias fetais.

O aparecimento de hemorragias impõe a suspensão da Varfarina durante 1 ou 2 dias e a administração de 5 mg de vitamina K1 IV lenta ou 0,5 a 2 mg por via oral se a hemorragia for ligeira.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Hemorragias de qualquer órgão com anemia consecutiva.

As hemorragias podem ocorrer não obstante os valores normais do INR.

Podem ainda surgir, ocasionalmente, necrose cutânea, cor arroxeada dos dedos dos pés, alopécia, náuseas e diarreia, icterícia e IH.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:A varfarina é comprovadamente teratogénica. Por isso, a gravidez constitui, na maior parte dos casos, uma contra-indicação para a sua administração.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:A varfarina activa não é detectada no leite materno; no entanto, só deve proceder-se à administração do fármaco durante o período de aleitamento, e for estritamente necessário.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Ver Anticoagulantes orais.
Insuf. Renal
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Ver Anticoagulantes orais.
Precauções Gerais
É muito importante que o médico verifique o seu progresso em visitas regulares para ver se o medicamento está funcionando correctamente. Os exames de sangue , tais como INR , são necessários para verificar se a dose é adequada e efeitos colaterais indesejados. Certifique-se de que se mantém todos os cuidados.

Não pare de tomar qualquer medicamento ou inicie qualquer nova prescrição ou medicamentos OTC, a menos que tenham sido discutidos com o médico.

Mantenha uma lista dos seus medicamentos em todos os momentos. Isto inclui medicamentos de prescrição, sem receita (OTC), e ervas ou suplementos vitamínicos e de saúde.
Não tome outros medicamentos que também contenham Varfarina. O uso excessivo de Varfarina pode causar sérios problemas de hemorrágicos.

Certifique-se de qualquer Médico ou dentista que o trata sabe que está a tomar Varfarina.

Pode precisar de parar de usar varfarina vários dias antes de uma cirurgia ou exames médicos.

Converse com o médico imediatamente se começar a ter diarréia, febre ou qualquer sinal de infecção. A Varfarina pode causar necrose da pele ou gangrena.

Contacte o médico imediatamente se surgir dor, mudança de cor ou de temperatura em qualquer área do seu corpo. Além disso, consulte o médico imediatamente se surgir uma dor nos seus dedos do pé e ficarem roxos ou de cor escura. Estes podem ser sinais de um problema médico sério.

A Varfarina pode aumentar seus riscos de hemorragia. Consulte o médico imediatamente se notar qualquer sangramento incomum ou contusão; fezes negras, sangue na urina, ou manchas vermelhas na pele. Evite assoar-se e se precisar de fazê-lo faça-o com cuidado.

Tenha cuidado também ao usar uma escova normal, fio dental, ou palito. o médico , Dentista ou Enfermeiro podem recomendar outras maneiras de limpar os seus dentes e gengivas. Converse com o Médico antes de qualquer tratamento dentário.

Tenha cuidado para não se cortar quando estiver a usar objectos pontiagudos , como o aparelho de barbear ou cortadores de unhas. Evite desportos de contacto ou outras situações em que podem ocorrer contusões ou lesões.

Recomenda-se que transporte identificação que informe que está usando Varfarina. Se tiver alguma dúvida sobre o tipo de identificação a transportar, certifique-se com o médico.
Cuidados com a Dieta
Evite o álcool.
Evite mudanças drásticas no hábito alimentar.
Evite o hipericão.

Consulte o Médico antes de ingerir grandes quantidades de vitamina K na dieta (por exemplo, a partir de vegetais de folhas verdes ).
Limite alho, gengibre, gingko e castanha.

Alguns medicamentos não devem ser usados ​​com a ingestão de certos tipos de alimentos, pois podem ocorrer interacções. O uso de álcool ou tabaco com certos medicamentos também pode causar interacções. As seguintes interacções foram seleccionadas com base no seu significado potencial e não necessariamente com todos os elementos incluídos.

O uso de Varfarina com qualquer destes alimentos geralmente não é recomendado, mas pode ser inevitável em alguns casos. Se usado em conjunto , o seu Médico pode alterar a dose ou dar-lhe instruções especiais sobre o uso de alimentos, álcool ou tabaco.
– Sumo de mirtilo
– Romã
O uso de Varfarina com qualquer dos seguintes produtos pode causar um aumento do risco de certos efeitos colaterais, mas pode ser inevitável em alguns casos. Se usado em conjunto, o o médico pode alterar a dose ou dar-lhe instruções especiais sobre o uso de alimentos, álcool ou tabaco.
– Nutrição Enteral
– Alta Proteína Alimentar
– Sumo de Anona
– Alimentos contendo Vitamina K
Terapêutica Interrompida
Se falhar uma dose de Varfarina, tome-a assim que possível. No entanto, se estiver quase na hora da sua próxima dose, não a tome e volte ao seu esquema posológico regular. Não duplique doses.
Cuidados no Armazenamento
Guarde o medicamento num recipiente fechado à temperatura ambiente, longe do calor, humidade e luz directa.
Evite congelamento.

Oral: Comprimidos, 15-30 ° C.
Parenteral: Pó para solução injectável, 15-30 ° C.

Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Usar com precaução

Acetato de Eslicarbazepina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Varfarina: A co-administração de acetato de eslicarbazepina 1200 mg uma vez por dia com varfarina mostrou uma pequena (23%), mas significativa redução da exposição à S-varfarina. Não houve qualquer efeito sobre a farmacocinética da R-varfarina ou na coagulação. Porém, devido à variabilidade interindividual da interacção, recomenda-se especial atenção à monitorização do INR (coeficiente internacional normalizado) nas primeiras semanas após o início ou o fim do tratamento concomitante de varfarina e acetato de eslicarbazepina. - Varfarina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Antiarrítmicos Varfarina

Observações: Aumentam a depressão do miocárdio quando são administrados com outros AA. Aumentam o risco de arritmias ventriculares quando são dados com AA que prolongam o intervalo QT
Interacções: Disopiramido: Reduz o efeito anticoagulante da: - Varfarina - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Anticoagulantes orais Varfarina

Observações: Intensamente ligados às proteínas plasmáticas. O metabolismo pode ser induzido. Susceptível à inibição do metabolismo pelo CYP2C9. A resposta anticoagulante pode ser alterada por fármacos que afectam a síntese ou o catabolismo de factores da coagulação.
Interacções: Acenocumarol: Ver Varfarina - Varfarina - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Inibidores da bomba de protões (IBP) Varfarina

Observações: A redução da acidez gástrica pode alterar a absorção de fármacos para os quais a acidez gástrica afecta a biodisponibilidade; Todos são metabolizados pelo cit. P450, incluindo o CYP2C19 e o CYP3A4; São raras as interacções clinicamente significativas.
Interacções: Potenciam os efeitos por inibição do metabolismo: - Varfarina - Varfarina
Usar com precaução

Cimetidina Varfarina

Observações: Aparentemente, através de uma acção nos sistemas enzimáticos microssómicos, Cimetidina pode causar alterações significativas no metabolismo de certos fármacos, causando um atraso na sua eliminação e provocando, por consequência, um prolongamento ou um aumento das suas concentrações sanguíneas.
Interacções: Estão descritas interacções com anticoagulantes do tipo da varfarina, fenitoína, teofilina e nifedipina. No caso da medicação concomitante de Cimetidina com anticoagulantes do tipo da varfarina, recomenda-se o ajustamento da posologia do anticoagulante oral e um controlo regular do tempo de protrombina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Abciximab Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Anticoagulantes (por exemplo, varfarina, heparina), dipiridamol, anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) (por exemplo, ibuprofeno), ticlopidina, ou trombolíticos (activadores do plasminogénio tecidual), pois o risco de hemorragia pode ser aumentado. - Varfarina
Contraindicado

Ácido acetilsalicílico + Ácido ascórbico + Cafeína Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Associações contra-indicadas: Anticoagulantes, como a varfarina: Ossalicilatos em elevadas doses podem aumentar os efeitos dos anticoagulantes. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido acetilsalicílico + Cafeína Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os salicilatos podem aumentar os efeitos dos anticoagulantes, tais como a varfarina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido salicílico + Salicilato de metilo Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Absorção através da pele dos salicilatos pode potenciar a acção dos anticoagulantes orais tais como varfarina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Afamelanotido Varfarina

Observações: Não foram realizados estudos de interacção específicos com este medicamento. Os dados farmacocinéticos para o afamelanotido ou qualquer um dos seus metabolitos são muito limitados. Na qualidade de um oligopéptido com uma semivida curta, prevê-se que o afamelanotido seja rapidamente hidrolisado em fragmentos peptídicos mais curtos e nos respetivos aminoácidos individuais. No entanto, devido à falta de dados, aconselha-se precaução.
Interacções: Os doentes que tomam substâncias que reduzem a coagulação, como os antagonistas da vitamina K (por exemplo, varfarina), o ácido acetilsalicílico e os anti-inflamatórios não esteróides (AINE), podem registar um aumento de hematomas (nódoas negras) ou hemorragias no local do implante. - Varfarina
Usar com precaução

Oritavancina Varfarina

Observações: Realizou-se um estudo de interações utilizando uma mistura de medicamentos em voluntários saudáveis (n=16) para avaliar a administração concomitante de uma dose única de 1.200 mg de oritavancina com substratos sonda para várias enzimas do CYP450. Verificou-se que a oritavancina é um inibidor fraco, não específico (CYP2C9 e CYP2C19) ou um indutor fraco (CYP3A4 e CYP2D6) de várias isoformas CYP.
Interacções: Devem tomar-se precauções quando se administra oritavancina concomitantemente com medicamentos com uma janela terapêutica estreita que são predominantemente metabolizados por uma das enzimas do CYP450 afetadas (p. ex., varfarina), dado que a co-administração pode aumentar (p. ex., no caso de substratos da CYP2C9) ou diminuir (p. ex., no caso de substratos da CYP2D6) as concentrações do medicamento com um intervalo terapêutico estreito. Os doentes devem ser frequentemente monitorizados quanto a sinais de toxicidade ou de falta de eficácia se lhes tiver sido administrada oritavancina durante o tratamento com um composto potencialmente afectado (p. ex., os doentes devem ser monitorizados para detecção de hemorragias se estiverem a receber concomitantemente oritavancina e varfarina). - Varfarina
Usar com precaução

Secucinumab Varfarina

Observações: Não foram realizados estudos de interacção em humanos. Não existe evidência direta para o papel da IL-17A na expressão de enzimas CYP 450. A formação de algumas enzimas CYP450 é suprimida pelo aumento dos níveis de citocinas durante a inflamação crónica.
Interacções: Assim, não pode ser excluído um efeito clinicamente relevante nos substratos CYP450 com um índice terapêutico estreito, onde a dose é ajustada individualmente (p. ex. varfarina). No início da terapêutica com secucinumab em doentes tratados com esse tipo de medicamentos, deve ser considerada a monitorização terapêutica. - Varfarina
Sem significado Clínico

Albiglutido Varfarina

Observações: Albiglutido retarda o esvaziamento gástrico e poderá ter impacto na absorção de medicamentos orais administrados concomitantemente. Quando foi administrado como uma dose única de 100 mg em indivíduos saudáveis, albiglutido retardou o esvaziamento gástrico, comparativamente com o placebo, tanto de sólidos como de líquidos. Recomenda-se precaução nos doentes a administrar medicamentos com um índice terapêutico estreito ou medicamentos que necessitem de monitorização clínica cuidadosa.
Interacções: Não foram observados efeitos clínicos relevantes na farmacocinética dos enantiomeros R- e S- da varfarina, quando uma dose única davarfarina racémica (25 mg) foi administrada no estado estacionário de albiglutido (50 mg semanalmente). Adicionalmente, albiglutido não alterou significativamente os efeitos farmacodinâmicos da varfarina, conforme medidos pela relação normalizada internacional. - Varfarina
Usar com precaução

Pomalidomida Varfarina

Observações: Não se prevê que a pomalidomida cause interações medicamentosas farmacocinéticas clinicamente relevantes devido à inibição ou indução da isoenzima P450 ou inibição de transportadores quando coadministrada com substratos destas enzimas ou transportadores.
Interacções: A co-administração de doses múltiplas de até 4mg de pomalidomida com 20 mg a 40 mg de dexametasona (um indutor fraco a moderado de várias enzimas do CYP incluindo a CYP3A) a doentes com mieloma múltiplo não teve qualquer efeito sobre a farmacocinética da pomalidomida em comparação com a administração isolada de pomalidomida. O efeito da dexametasona sobre a varfarina é desconhecido. Aconselha-se a monitorização atenta da concentração da varfarina durante o tratamento. - Varfarina
Usar com precaução

Zafirlucaste Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: A co-administração com varfarina resulta num aumento do tempo máximo de protrombina em aproximadamente 35%. Assim, recomenda-se a monitorização cuidadosa do tempo de protrombina se Zafirlucaste for administrado conjuntamente com varfarina. A interacção é provavelmente devida a uma inibição da isoenzima 2C9 do citocromo P450 pelo Zafirlucaste. - Varfarina
Sem efeito descrito

Anastrozol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: O anastrozol inibe o citocromo P450 1A2, 2C8/9 e o 3A4 in vitro, mas um estudo de interacção clínica com a varfarina, evidencia que o anastrozol em doses de 1 mg não inibe significativamente o metabolismo das substâncias que são metabolizadas via citocromo P450. - Varfarina
Consultar informação actualizada

Rifapentina Varfarina

Observações: Rifapentina induz o metabolismo por enzimas CYP3A4, CYP2C8 e CYP2C9. Pode ser necessário ajustar a dosagem dos medicamentos metabolizadas por estas enzimas, se forem tomadas com rifapentina.
Interacções: Medicamentos que podem ser afectados pela rifapentina incluem varfarina, propranolol, digoxina, inibidores de protease e Contraceptivos orais. - Varfarina
Usar com precaução

Cânfora + Mentol + Salicilato de metilo e outras associações Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Pode causar hemorragias, quando aplicado num doente a tomar um anticoagulante oral, como por exemplo, varfarina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Heparina sódica + Salicilato de dietilamina + Mentol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Em doentes medicados com antagonistas da vitamina K, varfarina, não se pode excluir um potencial efeito do ácido salicílico no aumento da anticoagulação, pelo que o INR deve ser monitorizado. - Varfarina
Usar com precaução

Salicilato de glicol + Mentol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Em doentes medicados com antagonistas da vitamina K, varfarina, não se pode excluir um potencial efeito do ácido salicílico no aumento da anticoagulação, pelo que o INR deve ser monitorizado. - Varfarina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Mercaptopurina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Foi notificada a inibição do efeito anticoagulante da varfarina, quando administrada com a 6-mercaptopurina. Recomenda-se a monitorização do valor INR (International Normalised Ratio- Relação Internacional Normalizada) durante a administração concomitante de anticoagulantes orais. - Varfarina
Usar com precaução

Nitazoxanida Varfarina

Observações: Não existem interações com o citocromo CYP 450, não havendo, portanto, contra-indicação de uso concomitante com outros medicamentos.
Interacções: O uso de Nitazoxanida com anticoagulantes do tipo cumarínicos como a varfarina e com o anticonvulsivante fenitoína deve ser avaliado com cautela. - Varfarina
Sem efeito descrito

Lacidipina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: A administração concomitante de lacidipina com outros fármacos antihipertensores, como por ex. diuréticos, bloqueadores beta ou IECAs pode resultar em adição dos efeitos hipotensivos. No entanto, em estudos efetuados com fármacos antihipertensores vulgarmente utilizados, por ex.beta-bloqueadores e diuréticos, ou com digoxina, tolbutamida ou varfarina, não foram identificadas interacções específicas. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Etoricoxib Varfarina

Observações: Com base em estudos in vitro, não é de se esperar que o etoricoxib iniba os citocromos P450 (CYP) 1A2, 2C9, 2C19, 2D6, 2E1 ou 3A4. Num estudo com indivíduos saudáveis, a administração diária de etoricoxib 120 mg não alterou a atividade hepática da CYP3A4, conforme avaliado pelo teste respiratório da eritromicina. A via principal do metabolismo do etoricoxib depende das enzimas CYP. A CYP3A4 parece contribuir para o metabolismo do etoricoxib in vivo. Estudos in vitro indicam que a CYP2D6, CYP2C9, CYP1A2 e CYP2C19 também conseguem catalisar a via metabólica principal, mas os seus papéis quantitativos não foram estudados in vivo.
Interacções: Em indivíduos estabilizados com terapêutica com varfarina, a administração de etoricoxib 120 mg por dia foi associada a um aumento de aproximadamente 13% do tempo de protrombina, razão normalizada internacional (INR). Portanto, o tempo de protrombina INR deve ser cuidadosamente monitorizado em doentes a receberem anticoagulantes orais, em particular durante os primeiros dias depois de se iniciar a terapêutica com etoricoxib ou se a dose de etoricoxib for alterada. - Varfarina
Sem efeito descrito

Famotidina Varfarina

Observações: Não foram identificadas quaisquer interações de importância clínica.
Interacções: A Famotidina não interage com o sistema enzimática biotransformador de fármacos dependente do citocromo P-450. Foram ensaiados no homem compostos metabolizados por este sistema tais como: varfarina, teofilina, fenitoína, diazepam, propranolol, aminopirina e antipirina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno Varfarina

Observações: O ibuprofeno é um substrato do CYP2C9.
Interacções: Os AINE podem aumentar os efeitos dos anticoagulantes, tais como a varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Irbesartan Varfarina

Observações: O irbesartan é principalmente metabolizado pelo CYP2C9 e em menor extensão pela glucuronidação.
Interacções: Não foram observadas interacções farmacodinâmicas ou farmacocinéticas significativas quando o irbesartan foi administrado concomitantemente com a varfarina, um medicamento metabolizado pelo CYP2C9. - Varfarina
Sem efeito descrito

Isradipina Varfarina

Observações: A isradipina não parece inibir as enzimas do citocromo P450, em particular CYP3A4, numa extensão clínica significativa. A ingestão concomitante de sumo de toranja pode aumentar a biodisponibilidade da isradipina.
Interacções: A farmacocinética da isradipina não é modificada pela administração concomitante de digoxina, propranolol, varfarina, hidroclorotiazida ou ciclosporina. A isradipina não afecta a farmacocinética da digoxina, varfarina, hidroclorotiazida, diclofenac, teofilina, triazolam ou ciclosporina. - Varfarina
Usar com precaução

Tirofibano Varfarina

Observações: Estudos interativos só foram realizados em adultos.
Interacções: A utilização de vários inibidores da agregação plaquetária aumenta o risco de hemorragia, assim como a sua associação com a heparina, a varfarina, e os trombolíticos. Os parâmetros clínicos e biológicos de hemostase devem ser monitorizados regularmente. A utilização concomitante de varfarina com Tirofibano e heparina foi associada a um risco aumentado de hemorragia. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Etodolac Varfarina

Observações: Dada a forte ligação dos AINEs às proteínas plasmáticas pode haver necessidade de alterar a dose de outros medicamentos com forte ligação às proteínas plasmáticas.
Interacções: Os AINE podem aumentar os efeitos dos anticoagulantes, tais como a varfarina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Etoposido Varfarina

Observações: A utilização prévia ou concomitante de fármacos com ação mielossupressora semelhante à do etoposido/fosfato de etoposido é expectável que tenha efeitos aditivos ou sinergéticos. A ligação às proteínas plasmáticas in vitro é de 97%.
Interacções: A terapêutica concomitante com varfarina pode resultar num índice normalizado internacional (INR) elevado. É aconselhada uma monitorização cuidadosa do INR. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Glucagom Varfarina

Observações: Não foram reportadas interações entre Glucagom e outros fármacos, sempre que este foi usado nas indicações aprovadas.
Interacções: Glucagom pode aumentar o efeito anticoagulante da varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Dipiridamol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Quando o Dipiridamol foi administrado concomitantemente com a varfarina, a incidência de hemorragias não foi mais elevada, nem em frequência nem em gravidade, do que a observada quando a varfarina foi administrada isoladamente. - Varfarina
Sem efeito descrito

Doxazosina Varfarina

Observações: Não foram realizados estudos com formulações de doxazosina de libertação prolongada. A maior parte da doxazosina plasmática (98%) está ligada às proteínas.
Interacções: Dados obtidos in vitro com o plasma humano indicam que a doxazosina não interfere com a ligação da digoxina, da varfarina, da fenitoína ou da indometacina às proteínas. - Varfarina
Usar com precaução

Econazol Varfarina

Observações: O econazol é um inibidor conhecido do CYP3A4/2C9.
Interacções: Em doentes a administrar anticoagulantes, tais como varfarina ou acenocumarol é necessário precaução e monitorização. - Varfarina
Usar com precaução

Miconazol Varfarina

Observações: A administração sistémica de miconazol inibe o CYP3A4/2C9. Devido à baixa disponibilidade sistémica após aplicação tópica, é muito rara a ocorrência de interações clinicamente relevantes.
Interacções: Em doentes em tratamento com anticoagulantes orais, como a varfarina, é recomendada precaução e o efeito anticoagulante deve ser monitorizado. - Varfarina
Sem efeito descrito

Fesoterodina Varfarina

Observações: Dados in vitro demonstram que o metabolito ativo da fesoterodina não inibe o CYP 1A2, 2B6, 2C8, 2C9, 2C19, 2D6, 2E1, ou 3A4, ou induz o CYP 1A2, 2B6, 2C9, 2C19 ou 3A4 em concentrações plasmáticas clinicamente relevantes. Assim, é pouco provável que a fesoterodina altere a depuração dos medicamentos que são metabolizados por estas enzimas. Não são recomendados ajustes de dose na presença de inibidores moderados do CYP3A4 (p.ex.sumo de toranja).
Interacções: Um estudo clínico em voluntários saudáveis demonstrou que 8 mg de fesoterodina uma vez por dia não tem efeito significativo na farmacocinética ou na actividade anticoagulante de uma dose única de varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Flutamida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Após se iniciar uma monoterapia com flutamida têm sido referidos aumentos do tempo de protrombina em doentes submetidos a uma terapêutica prolongada com varfarina. Recomenda-se, consequentemente, uma cuidadosa monitorização do tempo de protrombina. Poderá ser necessário proceder-se ao ajustamento da dose de anticoagulante quando a flutamida é administrada concomitantemente com varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Bazedoxifeno Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Com base nas características da ligação do bazedoxifeno às proteínas plasmáticas in vitro, não são prováveis as interacções medicamentosas com varfarina, digoxina e diazepam. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bivalirudina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Do conhecimento existente sobre o respectivo mecanismo de ação, a utilização combinada de medicamentos anticoagulantes (heparina, varfarina, trombolíticos ou antiagregantes plaquetários) poderá aumentar o risco de hemorragia. Em qualquer dos casos, quando a bivalirudina se combina com um inibidor da agregação plaquetária ou um medicamento anticoagulante, os parâmetros clínicos e biológicos de hemostase devem ser regularmente monitorizados. - Varfarina
Sem efeito descrito

Oseltamivir Varfarina

Observações: As propriedades farmacocinéticas do oseltamivir, tais como a reduzida ligação às proteínas e o metabolismo independente dos sistemas de metabolização com intervenção do CYP450 e da glucuronidase, sugerem que é improvável a ocorrência de interacções medicamentosas clinicamente relevantes, por estes mecanismos. É improvável a ocorrência de interacções medicamentosas clinicamente importantes que envolvam a competição para a secreção tubular renal, devido às margens de segurança conhecidas para a maior parte destas substâncias, às características de eliminação do metabolito ativo (filtração glomerular e secreção tubular aniónica) e à capacidade de excreção destas vias.
Interacções: Não se observaram interacções farmacocinéticas entre o oseltamivir ou os seus principais metabólitos ao coadministrar oseltamivir e paracetamol, ácido acetilsalicílico, cimetidina, antiácidos (hidróxidos de magnésio e alumínio e carbonatos de cálcio), rimantadina ou varfarina (em indivíduos estáveis a tomar varfarina e sem gripe). - Varfarina
Sem significado Clínico

Candesartan + Hidroclorotiazida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os compostos investigados nos estudos de farmacocinética clínica incluem varfarina, digoxina, Contraceptivos orais (isto é, etinilestradiol/levonorgestrel), glibenclamida e nifedipina. Não foram identificadas interacções farmacocinéticas clinicamente significativas nestes estudos. - Varfarina
Sem efeito descrito

Candesartan Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os compostos investigados nos estudos de farmacocinética clínica incluem a hidroclorotiazida, varfarina, digoxina, Contraceptivos orais (nomeadamente, etinilestradiol/levonorgestrel), glibenclamida, nifedipina e enalapril. Não foram identificadas quaisquer interacções farmacocinéticas clinicamente significativas com estes medicamentos. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cefaclor Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Foi raramente reportado aumento do efeito anticoagulante quando se administraram concomitantemente varfarina e cefaclor. - Varfarina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Isoniazida Varfarina

Observações: A isoniazida é um inibidor do metabolismo hepático de vários fármacos, o que pode potenciar a toxicidade de alguns fármacos tomados concomitantemente. Alimentos ricos em tiramina (queijo e peixe): A isoniazida com o consumo destes alimentos, pode causar elevação dos valores tensionais, taquicardia e rubor facial.
Interacções: Varfarina, diminuição do efeito anticoagulante. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Retinol (ou vitamina A) Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Doses elevadas de vitamina A podem aumentar o efeito hipoprotrombinémico da varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Etanercept Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Não foram observadas interacções medicamentosas farmacocinéticas clinicamente significativas em estudos com metotrexato, digoxina ou varfarina. - Varfarina
Consultar informação actualizada

Blinatumomab Varfarina

Observações: Não foram realizados estudos de interações medicamentosas. Os resultados de um teste in vitro realizado em hepatócitos humanos sugerem que o blinatumomab não afeta a atividade das enzimas do CYP450. O início do tratamento com Blinatumomab provoca a libertação temporária de citocinas durante os primeiros dias de tratamento, as quais podem suprimir as enzimas do CYP450. A dose do medicamento concomitante deve ser ajustada em conformidade.
Interacções: Os doentes tratados com medicamentos substratos do CYP450 ou do transportador e que apresentem um índice terapêutico estreito devem ser monitorizados relativamente a efeitos adversos (p.ex. varfarina) ou às concentrações do medicamento (p.ex. ciclosporina) durante esse período. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cefepima Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Administração simultânea de antibióticos com varfarina pode aumentar o efeito anticoagulante. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Proguanilo Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Proguanil pode potenciar o efeito anticoagulante da varfarina e de anticoagulantes relacionados por provável interferência com as suas vias metabólicas. - Varfarina
Sem efeito descrito

Ebastina Varfarina

Observações: Quando a ebastina é administrada em simultâneo com alimentos, verifica-se um aumento do principal metabolito ativo da ebastina de 1,5 a 2,0 vezes nos níveis plasmáticos e na AUC. Este aumento não altera o Tmax. A administração concomitante de ebastina com alimentos não altera a sua eficácia clínica.
Interacções: Não se verificam interacções entre ebastina e teofilina, varfarina, cimetidina, diazepam ou álcool. - Varfarina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bosentano Varfarina

Observações: Bosentano é um indutor dos isoenzimas do citocromo P450 (CYP), CYP2C9 e CYP3A4. Dados in vitro sugerem também a indução de CYP2C19. Consequentemente, as concentrações plasmáticas das substâncias metabolizadas por estes isoenzimas estarão diminuídas com a administração concomitante de Bosentano. Deve ser considerada a possibilidade de uma alteração na eficácia dos medicamentos metabolizados por estes isoenzimas. A posologia destes produtos poderá ter de ser ajustada após o início do tratamento, uma alteração da dose de Bosentano ou interrupção do tratamento concomitante de Bosentano. Bosentano é metabolizado por CYP2C9 e CYP3A4. A inibição destes isoenzimas pode aumentar a concentração plasmática de bosentano.
Interacções: A administração concomitante de bosentano em duas doses diárias de 500 mg durante 6 dias reduziu as concentrações plasmáticas tanto de S-varfarina (um substrato de CYP2C9) como de R-varfarina (um substrato de CYP3A4) em 29% e 38% respectivamente. De acordo com a experiência clínica, a administração concomitante de bosentano com varfarina em doentes com hipertensão arterial pulmonar não causou alterações clinicamente relevantes no INR (International Normalized Ratio) ou na dose de varfarina (início vs. final dos estudos clínicos). Além disso, a frequência das alterações da dose de varfarina devidas a alterações no INR ou devidas a acontecimentos adversos durante os estudos, foi semelhante em doentes tratados com bosentano e com placebo. Não é necessário ajustar a dose de varfarina nem de agentes anticoagulantes orais semelhantes, quando se inicia a administração de bosentano, mas recomenda-se a intensificação da monitorização do INR, especialmente durante o período inicial e o de aumento da titulação. - Varfarina
Usar com precaução

Capecitabina Varfarina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: Para além da varfarina, não foram realizados estudos formais de interacção fármaco-fármaco entre a capecitabina e outros substratos CYP2C9. Deve-se ter precaução quando a capecitabina é coadministrada com substratos 2C9 (p.ex., fenitoína). Foi relatada a ocorrência de alteração nos parâmetros da coagulação e/ou hemorragia em doentes submetidos a tratamento concomitante com capecitabina e anticoagulantes derivados da cumarina, como por exemplo a varfarina e o fenprocumon. Estas reacções manifestaram-se entre alguns dias depois e até vários meses após o início da terapêutica com capecitabina, tendo, nalguns casos ocorrido num período de um mês após a suspensão da terapêutica com capecitabina. Num estudo de interacção farmacocinética clínica, após administração de uma dose única de 20mg de varfarina, o tratamento com capecitabina aumentou a AUC da S-varfarina em 57%, com um aumento de 91% no valor da INR (Taxa Internacional Normalizada). Uma vez que o metabolismo da R-varfarina não foi afectado, estes resultados indicam que a capecitabina faz a retro-regulação da isoenzima 2C9, mas não tem efeito nas isoenzimas 1A2 e 3A4. Os doentes em tratamento concomitante com anticoagulantes derivados da cumarina e capecitabina devem ser regularmente monitorizados quanto à ocorrência de alterações nos parâmetros da coagulação (TP ou INR) e a dose de anticoagulante ajustada em conformidade. - Varfarina
Sem efeito descrito

Eptifibatida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Eptifibatida não pareceu aumentar o risco de hemorragias graves e ligeiras associadas ao uso concomitante de varfarina e de dipiridamol. O risco de hemorragia não pareceu aumentar em doentes tratados com Eptifibatida que apresentavam um tempo de protrombina (TP) >14,5 segundos e que se encontravam também a ser medicados com varfarina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Trimetoprim Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: O trimetoprim pode aumentar o efeito anticoagulante da varfarina, devendo por isso o médico assistente monitorizar o doente (INR) para que se obtenha a dose correcta de varfarina. - Varfarina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ubidecarenona Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Em doentes nos quais esteja instituído um esquema terapêutico com a varfarina, a administração de Ubidecarenona pode promover a redução anticoagulante desta substância, dado a semelhança estrutural que a ubidecarenona apresenta com a Vitamina K2 sugerindo a possibilidade de uma interacção farmacodinâmica. - Varfarina
Usar com precaução

Varfarina Colestiramina

Observações: n.d.
Interacções: Existem muitos compostos que interactuam com a varfarina, resultando da interacção, quer de um aumento, quer de uma diminuição do efeito anticoagulante. Há também a considerar alterações da absorção, nomeadamente as induzidas pela colestiramina. Para além dos anticoagulantes, existem outros fármacos capazes de alterar o processo de coagulação e de causar hemorragia. São exemplos destes fármacos as hormonas tiroideias, o clofibrato, Ácido Acetilsalicílico, AINEs e trombolíticos. A administração concomitante destes fármacos com varfarina favorece a hemorragia. Mesmo que não tenham sido descritas interacções da varfarina com certos compostos com acção a nível hematológico, o médico deve estar alertado para a possibilidade de um risco acrescido de hemorragia ao fazer a prescrição simultânea de varfarina com estes fármacos. Existe igualmente um risco acrescido de hemorragia nos doentes medicados com varfarina, quando são expostos a certos produtos, nomeadamente colaspase, alguns meios de contraste, epoprostenol. Quando há um sério risco de hemorragia resultante da interacção, deve evitar-se a administração concomitante dos dois fármacos. Noutros casos, a actividade anticoagulante deve ser cuidadosamente monitorizada e proceder-se ao ajuste posológico de acordo com as necessidades. Os períodos considerados críticos correspondem, quer à introdução, quer à suspensão do fármaco interactuante, num doente com o regime de anticoagulação controlado. Os problemas decorrentes da administração concomitante da varfarina com alopurinol, Contraceptivos orais ou disopiramida, resultam do facto de serem imprevisíveis os efeitos que estes fármacos produzem na actividade anticoagulante, já que umas vezes as diminuem e outras a aumentam. A administração de dipiridamol a doentes medicados com varfarina pode causar hemorragia, com a particularidade de não alterar os parâmetros de avaliação de actividade anticoagulante. - Colestiramina
Sem efeito descrito

Dulaglutido Varfarina

Observações: O dulaglutido torna o esvaziamento gástrico mais lento e, por isso, pode afetar a taxa de absorção de outros medicamentos orais administrados concomitantemente. O dulaglutido deve ser utilizado com precaução em doentes tratados com medicamentos orais que careçam de uma rápida absorção gastrointestinal. Em algumas formulações de libertação prolongada, o aumento da libertação devido a um período maior de estase gástrica pode aumentar ligeiramente a exposição ao fármaco.
Interacções: Após a administração concomitante de dulaglutido, a exposição à varfarina-S e -R e a Cmax da varfarina-R não foram afetadas, e a Cmax da varfarina–S diminuiu em 22%. A AUCINR aumentou 2%, sendo improvável que este aumento seja clinicamente significativo, e não se verificou qualquer efeito sobre a resposta máxima do rácio internacional normalizado (INRmax). O tempo de resposta do rácio internacional normalizado (tINRmax) foi retardado em 6 horas, em linha com o retardamento observado na tmax de cerca de 4 e 6 horas na varfarina-S e -R, respectivamente. Estas alterações não são clinicamente relevantes. Não é necessário ajustar a dose de varfarina, quando administrada concomitantemente com dulaglutido. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cetoconazol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: O Cetoconazol pode potenciar o efeito anticoagulante dos fármacos de tipo cumarínico como a varfarina, essencialmente por diminuição do catabolismo hepático. Por isso, em caso de tratamento concomitante, deve-se monitorizar cuidadosamente o efeito anticoagulante. - Varfarina
Sem efeito descrito

Cinacalcet Varfarina

Observações: Cinacalcet é metabolizado em parte pela enzima CYP3A4. Dados in vitro indicam que o cinacalcet é em parte metabolizado pela CYP1A2. Cinacalcet é um potente inibidor da CYP2D6.
Interacções: Doses orais múltiplas de cinacalcet não afetaram a farmacocinética ou farmacodinâmica (medida pelo tempo de protrombina e pelo fator de coagulação VII) da varfarina. A ausência de efeito de cinacalcet na farmacocinética da varfarina R e S e a ausência de autoindução em doentes com administrações múltiplas indicam que o cinacalcet não é indutor da CYP3A4, CYP1A2 ou CYP2C9 em seres humanos. - Varfarina
Usar com precaução

Ciprofibrato Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Requer precaução. O ciprofibrato liga-se fortemente às proteínas plasmáticas, podendo deslocar outros fármacos dos locais de ligação às proteínas plasmáticas. O ciprofibrato tem mostrado potenciar o efeito da varfarina, indicando que a terapêutica anticoagulante oral concomitante deve ser administrada em doses reduzidas e ajustada de acordo com o INR. - Varfarina
Usar com precaução

Defibrotido Varfarina

Observações: O Defibrotido não inibe nem induz CYP450.
Interacções: Potenciais interacções com agentes antitrombóticos/fibrinolíticos: O defibrotido tem um efeito profibrinolítico, passível de aumentar potencialmente a actividade dos medicamentos antitrombóticos/fibrinolíticos. Atualmente, não existe notificação de experiência em doentes no tratamento concomitante com heparinas de baixo peso molecular (LMWH), varfarina ou no tratamento concomitante com inibidores diretos da trombina (por exemplo, dabigatrano) ou inibidores diretos do Fator Xa (por exemplo, rivaroxabano e apixabano). Por conseguinte, não se recomenda a utilização de defibrotido com medicamentos antitrombóticos/fibrinolíticos. Contudo, no caso da sua utilização em casos excecionais, é aconselhada precaução através de uma monitorização cuidadosa dos parâmetros de coagulação. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Meropenem Varfarina

Observações: Não foram conduzidos estudos específicos de interacção de medicamentos excepto com probenecid. Não foi estudado o potencial efeito de meropenem na ligação às proteínas ou no metabolismo de outros medicamentos. Contudo, a ligação às proteínas é tão baixa que não se esperam interações com outros compostos com base neste mecanismo.
Interacções: A administração simultânea de antibióticos com varfarina pode aumentar os seus efeitos anticoagulantes. - Varfarina
Usar com precaução

Tamoxifeno Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Verifica-se que o tamoxifeno potencia o efeito da varfarina, com riscos de hemorragia. Assim, é aconselhável prudência na administração concomitante de tamoxifeno com anticoagulantes derivados cumarínicos devendo realizar-se monitorização do tempo de protrombina da doente, e consequente o ajuste da dose do anticoagulante. - Varfarina
Sem efeito descrito

Nateglinida Varfarina

Observações: Alguns medicamentos influenciam o metabolismo da glucose e, portanto, devem ser consideradas pelo médico possíveis interações. Quando os medicamentos - que aumentam ou reduzem o efeito hipoglicémico da nateglinida - são administrados ou retirados a doentes medicados com nateglinida, o doente deve ser cuidadosamente vigiado quanto a alterações no controlo da glicemia. Dados disponíveis de estudos in vitro e in vivo indicam que a nateglinida é metabolizada principalmente pela CYP2C9, com envolvimento da CYP3A4 em menor extensão. Não foram realizados estudos de interacção in vivo com um inibidor da 3A4. In vivo, a nateglinida não tem efeito clinicamente relevante na farmacocinética de medicamentos metabolizados pela CYP2C9 e CYP3A4. Em estudos in vitro, a nateglinida demonstrou um baixo potencial para deslocar as proteínas.
Interacções: A farmacocinética da varfarina (um substrato da CYP3A4 e CYP2C9), diclofenac (um substrato da CYP2C9), e digoxina não foi afetada pela administração concomitante com nateglinida. Inversamente, estes medicamentos não tiveram efeito na farmacocinética da nateglinida. Por conseguinte, não é necessário o ajuste posológico da digoxina, varfarina ou outros fármacos que são substratos da CYP2C9 ou CYP3A4 em consequência da administração concomitante com Nateglinida. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Triflusal Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Estudos in vitro, de ligação a proteínas, mostraram um aumento da fracção livre de HTB (principal metabólito activo de triflusal) na presença de AINEs. Por outro lado, concentrações elevadas de HTB fazem aumentar as fracções livres, e por consequência, possivelmente o efeito dos AINEs, glisentida e varfarina. Pode ser necessário ajustar a dose destes fármacos se se administrarem juntamente com triflusal. - Varfarina
Sem efeito descrito

Daptomicina Varfarina

Observações: A daptomicina sofre pouco a nenhum metabolismo mediado pelo Citocromo P450 (CYP450). É pouco provável que a daptomicina vá inibir ou induzir o metabolismo de medicamentos metabolizados pelo sistema P450.
Interacções: Foram realizados estudos de interacção para Daptomicina com aztreonam, tobramicina, varfarina e probenecida. A daptomicina não teve nenhum efeito na farmacocinética da varfarina ou probenecida, nem estes medicamentos alteraram a farmaco cinética da daptomicina. A experiência com a administração concomitante de Daptomicina com varfarina é limitada. Não foram realizados estudos de Daptomicina com outros anticoagulantes para além da varfarina. A actividade anticoagulante em doentes a receber Daptomicina e varfarina deve ser monitorizada durante os primeiros dias após se ter iniciado a terapêutica com Daptomicina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Pitavastatina Varfarina

Observações: A pitavastatina é activamente transportada para os hepatócitos humanos por diversos transportadores hepáticos (incluindo transportadores orgânicos aniónicos polipeptídicos (OATP)), os quais podem estar envolvidos nas seguintes interações. Estudos de interacção com o sumo de toranja, inibidor conhecido do CYP3A4, não tive qualquer efeito clinicamente significativo nas concentrações plasmáticas de pitavastatina.
Interacções: A farmacocinética e a farmacodinâmica (International Normalized Ratio - INR e tempo de protrombina -TP) da varfarina, no estado estacionário, em voluntários saudáveis não foram afectadas pela administração concomitante diária de Pitavastatina 4mg e varfarina. No entanto, tal como com outras estatinas, os doentes a tomar varfarina devem ter os seus tempos de protrombina ou RIN monitorizados ao adicionar-se pitavastatina à sua terapêutica. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Exenatido Varfarina

Observações: Os estudos de interacção com exenatido só foram realizados em adultos.
Interacções: Observou- se um atraso na tmax de cerca de 2 horas quando se administrou varfarina 35 minutos após o exenatido de libertação imediata. Não se observaram efeitos clínicos significativos na Cmax ou na AUC. Foi notificado espontaneamente um aumento na INR durante a utilização concomitante de varfarina e exenatido de libertação prolongada. Deve monitorizar-se a INR durante o início da terapêutica com exenatido de libertação prolongada em doentes a tomarem varfarina e/ou derivados do cumarol - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ezetimiba Varfarina

Observações: Só foram efetuados estudos de interacção em adultos. Nos estudos pré-clínicos, demonstrou-se que a ezetimiba não induz as enzimas metabolizadoras de fármacos do citocromo P450. Não se observaram interações farmacocinéticas clinicamente significativas entre a ezetimiba e os fármacos metabolizados pelos citocromos P450 1A2, 2D6, 2C8, 2C9 e 3A4, ou pela N-acetiltransferase.
Interacções: Num estudo em doze indivíduos adultos saudáveis do sexo masculino, a administração concomitante de ezetimiba (10 mg uma vez por dia) não teve efeito significativo na biodisponibilidade da varfarina e no tempo de protrombina. No entanto, houve notificações pós-comercialização do aumento do Quociente Normalizado Internacional (INR) em doentes em que o Ezetimiba foi adicionado à varfarina ou fluindiona. Se o Ezetimiba for adicionado à varfarina, a outro anticoagulante cumarínico ou à fluindiona, o INR deve ser monitorizado de forma apropriada. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurbiprofeno Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Aumento dos efeitos dos anticoagulantes. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Parecoxib Varfarina

Observações: O parecoxib é rapidamente hidrolisado no metabolito activo, valdecoxib. Os doentes sob terapêutica com anticoagulantes orais deverão ser monitorizados cuidadosamente em relação ao tempo de protrombina INR, em especial nos primeiros dias de tratamento com parecoxib ou quando a dose de parecoxib é alterada. No ser humano, estudos demonstraram que o metabolismo do valdecoxib é predominantemente mediado pela via das isoenzimas CYP3A4 e 2C9. O efeito da indução enzimática não foi estudado. Não foram realizados estudos formais de interações com Anestésicos inalados.
Interacções: Recomenda-se monitorização do tratamento com anticoagulantes, particularmente durante os primeiros dias após o início do tratamento com Parecoxib nos doentes a receber varfarina ou outros anticoagulantes, uma vez que estes doentes apresentam um risco aumentado de complicações hemorrágicas. - Varfarina
Sem efeito descrito

Macitentano Varfarina

Observações: Estudos in vitro: As enzimas do citocromo P450 CYP3A4, CYP2C8, CYP2C9 e CYP2C19 estão envolvidas no metabolismo do macitentano e na formação dos seus metabolitos. Macitentano e o seu metabolito activo não têm efeitos inibitórios ou indutores clinicamente relevantes nas enzimas do citocromo P450. Macitentano e o seu metabolito activo não inibem os transportadores de captação hepáticos ou renais em concentrações clinicamente relevantes, incluindo os polipétidos transportadores de aniões orgânicos (OATP1B1 e OATP1B3). Macitentano e o seu metabolito activo não são substratos relevantes de OATP1B1 e OATP1B3, mas entram no fígado por difusão passiva. Macitentano e o seu metabolito activo não são inibidores das bombas de efluxo hepáticas ou renais em concentrações clinicamente relevantes, incluindo a proteína de multirresistência a fármacos ou p - glicoproteína (P - gp, MDR - 1) e transportadores de extrusão de múltiplos fármacos e toxinas (MATE1 e MATE2 - K). Macitentano inibe a proteína de resistência do cancro de mama (BCRP) em concentrações intestinais clinicamente relevantes. Macitentano não é um substrato para P - gp/MDR - 1. Em concentrações clinicamente relevantes, o macitentano e o seu metabolito activo não interagem com proteínas envolvidas no transporte hepático de sais biliares, por ex., a bomba de saída de sais biliares (BSEP) e o polipéptido sódio - dependente cotransportador de taurocolato (NTCP). Estudos in vivo: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: Varfarina: A administração de macitentano em doses repetidas de 10 mg uma vez por dia, não teve efeito na exposição à S - varfarina (um substrato de CYP2C9) ou à R - varfarina (um substrato de CYP3A4) após uma dose única de 25 mg de varfarina. O efeito farmacodinâmico da varfarina no International Normalized Ratio (INR) não foi afectado pelo macitentano. A farmacocinética do macitentano e do seu metabólito activo não foi afetada pela varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Econazol + Triamcinolona Varfarina

Observações: O econazol é um conhecido inibidor do CYP3A4/2C9. Contudo, devido à limitada disponibilidade sistémica após aplicação cutânea, é pouco frequente a ocorrência de interações clinicamente relevantes.
Interacções: Em doentes a tomarem anticoagulantes orais, tais como varfarina e acenocumarol, deve ser tida precaução e deve ser monitorizado o efeito anticoagulante. - Varfarina
Sem efeito descrito

Ésteres etílicos 90 do ácido omega-3 Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os Ésteres etílicos 90 do ácido omega-3 tem sido administrado em conjunto com varfarina sem complicações hemorrágicas. Porém, o tempo de protrombina deve ser verificado quando Ésteres etílicos 90 do ácido omega-3 é combinado com varfarina ou quando o tratamento com Ésteres etílicos 90 do ácido omega-3 é interrompido. - Varfarina
Usar com precaução

Miconazol + Hidrocortisona Varfarina

Observações: O miconazol, quando administrado por via sistémica, inibe o CYP3A4/2C9. No entanto, após aplicação tópica a disponibilidade sistémica é limitada, pelo que a ocorrência de interações clínicas relevantes pode suceder muito raramente.
Interacções: Em doentes a tomar anticoagulantes orais, como varfarina, recomenda-se precaução e a monitorização do efeito anticoagulante. - Varfarina
Consultar informação actualizada

Proteína C humana Varfarina

Observações: Atualmente não são conhecidas interações com outros medicamentos.
Interacções: Em doentes a iniciar tratamento com anticoagulantes orais pertencentes à classe dos antagonistas da vitamina K (p.ex. varfarina), pode surgir um estado hipercoagulável temporário antes de se verificar o efeito anticoagulante desejado. Este efeito temporário pode ser explicado pelo facto de a proteína C, sendo uma proteína plasmática dependente da vitamina K, ter um tempo de semi-vida inferior à maioria das proteínas dependentes da vitamina K ( i.e. II, IX e X). Subsequentemente, na fase inicial do tratamento, a actividade da proteína C é mais rapidamente suprimida do que a dos fatores de procoagulação. Por esta razão, se o doente for mudado para anticoagulantes orais, a terapêutica substitutiva com proteína C deverá ser continua da até ser obtida a anticoagulação estável. Apesar da necrose da pele induzida pela varfarina poder ocorrer em qualquer doente durante o início da terapêutica anticoagulante oral, os indivíduos com de ficiência congénita em proteína C encontram-se particularmente em risco. - Varfarina
Sem efeito descrito

Prucaloprida Varfarina

Observações: A prucaloprida tem um baixo potencial de interacção farmacocinética. É extensivamente excretada inalterada na urina (aproximadamente 60% da dose) e o metabolismo in vitro é muito lento. A prucaloprida não demonstrou inibir atividades específicas do CYP450 em estudos in vitro em microssomas de fígado humano em concentrações terapeuticamente relevantes. Embora a prucaloprida possa ser um fraco substrato para a glicoproteína - P (P - gp), não é um inibidor da P - gp em concentrações clinicamente relevantes.
Interacções: A prucaloprida não teve efeitos clinicamente relevantes na farmacocinética da varfarina, digoxina, álcool, paroxetina ou Contraceptivos orais. - Varfarina
Sem efeito descrito

Raltitrexedo Varfarina

Observações: A leucovorina (ácido folínico), o ácido fólico ou as preparações vitamínicas contendo estes agentes não deverão ser dados imediatamente antes ou durante a administração de Raltitrexedo, dado que poderão interferir com a sua acção. Os estudos clínicos não encontraram evidência significativa de interacções farmacocineticas entre o Raltitrexedo e a Oxaliplatina. Oxaliplatina liga-se às proteínas em 93% e, apesar de existir uma potencial interacção com fármacos que se liguem de forma semelhante às proteínas, não se observaram interacções in vitro com a varfarina. Os dados sugerem que a secreção tubular activa poderá contribuir para a excreção renal de raltitrexedo, indicando a potencial interacção com outros fármacos secretados activamente, tais como fármacos anti-inflamatórios não esteroides (AINE’s). No entanto, uma revisão da base de dados do estudo clínico sobre a segurança não revelou nenhuma evidência de interacção clinicamente significativa em doentes tratados com Raltitrexedo que também receberam concomitantemente AINEs, varfarina e outros fármacos normalmente prescritos.
Interacções: Os estudos clínicos não encontraram evidência significativa de interacções farmacocineticas entre o Raltitrexedo e a Oxaliplatina. Oxaliplatina liga-se às proteínas em 93% e, apesar de existir uma potencial interacção com fármacos que se liguem de forma semelhante às proteínas, não se observaram interacções in vitro com a varfarina. Uma revisão da base de dados do estudo clínico sobre a segurança não revelou nenhuma evidência de interacção clinicamente significativa em doentes tratados com Raltitrexedo que também receberam concomitantemente AINEs, varfarina e outros fármacos normalmente prescritos. - Varfarina
Sem efeito descrito

Rifaximina Varfarina

Observações: Os dados in vitro mostram que a rifaximina não inibiu as principais enzimas do citocromo P450 (CYP) metabolizadoras de fármacos (CYP1A2, 2A6, 2B6, 2C8, 2C9, 2C19, 2D6, 2E1 e 3A4). Em estudos in vitro, a rifaximina não induziu a CYP1A2 e a CYP 2B6, embora tenha constituído um indutor fraco da CYP3A4. Um estudo in vitro sugeriu que a rifaximina é um substrato moderado da P-glicoproteína (P-gp) e que é metabolizado pela CYP3A4. Não se sabe se fármacos concomitantes que inibem a P-gp e/ou a CYP3A4 podem aumentar a exposição sistémica da rifaximina. O potencial de ocorrência de interações medicamentosas ao nível dos sistemas transportadores foi avaliado in vitro, sugerindo estes estudos que a interacção clínica entre a rifaximina e outros compostos cujo efluxo se dá através da P-gp e outras proteínas transportadoras (MDR1, MRP2, MRP4, BCRP e BSEP) é improvável.
Interacções: Em indivíduos saudáveis, os estudos clínicos de interacção medicamentosa demonstraram que a rifaximina não afetava significativamente a farmacocinética dos substratos da CYP3A4; contudo, em doentes com compromisso hepático, não se pode excluir a possibilidade de a rifaximina diminuir a exposição de substratos concomitantes da CYP3A4 administrados (p. ex., varfarina, antiepiléticos, antiarrítmicos), devido à maior exposição sistémica relativamente a indivíduos saudáveis. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Salicilato de metilo Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: A absorção do salicilato de metilo pode ocorrer se for aplicada topicamente uma dose excessiva, podendo potenciar a acção dos anticoagulantes orais, como a Varfarina. - Varfarina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Linezolida Varfarina

Observações: Linezolida é um inibidor reversível, não seletivo da monoaminoxidase (IMAO). Linezolida não é metabolizado de forma detetável pelo sistema enzimático do citocromo P450 (CYP) e não inibe nenhuma das isoformas CYP humanas clinicamente significativas (1A2, 2C9, 2C19, 2D6, 2E1, 3A4). Da mesma forma, linezolida não induz as isoenzimas P450 em ratos. Assim, não se espera que linezolida induza interações farmacológicas a nível do CYP450.
Interacções: Após adição da varfarina à terapêutica com linezolida em estado estacionário, houve uma redução de 10% da média máxima da “International Normalized Ratio” (INR) na co-administração, com uma redução da AUC INR de 5%. Não existem dados suficientes de doentes que receberam varfarina e linezolida, de modo a avaliar o significado clínico, caso exista, destes resultados. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tegafur + Uramustina Varfarina

Observações: As interações farmacocinéticas de Tegafur/Uramustina com outros medicamentos administrados concomitantemente não foram formalmente investigadas. Nem o tegafur nem o uracilo inibem de forma significativa a actividade in vitro da CYP3A4 ou da CYP2D6. Além disso, in vitro, o tegafur não é metabolizado pela CYP1A1, -1A2, -2B6, -2C8, -2C9, -2C19, -2D6, 2E1 ou - 3A4, o que sugere ser improvável a ocorrência de interações com medicamentos metabolizados por estas enzimas.
Interacções: Foram referidos aumentos marcados nos tempos de protrombina ou INR (Relação Internacional Normalizada) em doentes estabilizados com varfarina após a instituição da terapêutica com o UFT. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Prulifloxacina Varfarina

Observações: A administração concomitante de prulifloxacina e leite resulta numa redução da curva de absorção (AUC) e redução da recuperação urinária da prulifloxacina, enquanto a ingestão de alimentos retarda e reduz os níveis plasmáticos. Nenhuma interacção clinicamente significativa foi observada no decurso do desenvolvimento clínico do Prulifloxacina quando administrado com outros produtos comummente usados no tratamento de doentes com patologias.
Interacções: As quinolonas podem aumentar os efeitos dos anticoagulantes orais como a varfarina e os seus derivados; quando estes produtos forem administrados concomitantemente com o Prulifloxacina recomenda-se uma estreita monitorização do tempo de protrombina ou outros testes fiáveis da coagulação. - Varfarina
Usar com precaução

Rilonacept Varfarina

Observações: Não foram realizados estudos de interacção.
Interacções: A formação de enzimas do CYP450 é suprimida por níveis crescentes de citocinas durante a inflamação crónica. Portanto, é de prever que, com uma molécula que se liga à IL-1 como o rilonacept, a formação de enzimas do CYP450 possa ser normalizada. Este aspecto é clinicamente relevante no caso de substratos do CYP450 com um índice terapêutico estreito, nos quais a dose tem de ser individualmente ajustada (p. ex., varfarina). Ao iniciar-se Rilonacept em doentes que estão a ser tratados com este tipo de medicamentos, deve efectuar-se a monitorização terapêutica dos efeitos ou dos níveis plasmáticos e a dose individual do medicamento pode ter de ser ajustada, se necessário. - Varfarina
Sem efeito descrito

Lixisenatido Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Após administração concomitante de 25 mg de varfarina com dosagem repetida de 20 mcg de lixisenatido, não houve qualquer efeito sobre a AUC ou o INR (Razão Normalizada Internacional), enquanto a Cmax diminuiu 19% e o tmax sofreu um atraso de 7 horas. Em função destes resultados, não é necessário um ajuste de dose da varfarina quando administrada concomitantemente com lixisenatido; no entanto, recomenda-se monitorizar o INR com frequência em doentes sob terapêutica com varfarina e/ou derivados da cumarina ao se iniciar ou terminar o tratamento com lixisenatido. - Varfarina
Sem significado Clínico

Tigeciclina Varfarina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos. A tigeciclina não é extensamente metabolizada. Assim, não é previsível que a depuração da tigeciclina seja afetada por substâncias inibidoras ou indutoras da atividade das isoformas do CYP450. In vitro, a tigeciclina não é um inibidor competitivo nem um inibidor irreversível das enzimas do CYP450.
Interacções: A administração concomitante de tigeciclina e varfarina (25 mg e m dose única) a indivíduos saudáveis resultou na diminuição da depuração da R - varfarina e da S - varfarina em 40% e 23%, e no aumento da área sob a curva (AUC) em 68% e 29%, respectivamente. O mecanismo desta interacção ainda não é conhecido. Os dados disponíveis não sugerem que esta interacção possa originar alterações significativas da razão normalizada internacional (INR). No entanto, uma vez que a tigeciclina pode prolongar o tempo de protrombina (TP) e o tempo de tromboplastina parcial activada (TTPa), os testes relevantes de coagulação devem ser cuidadosamente monitorizados quando a tigeciclina é administrada concomitantemente com anticoagulantes. A varfarina não afetou o perfil farmacocinético da tigeciclina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol + Fenilefrina + Guaifenesina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: PARACETAMOL: O efeito anticoagulante da varfarina e de outras cumarinas pode ser potenciado pela utilização regular prolongada de paracetamol, com aumento do risco de hemorragia. O uso ocasional de paracetamol não apresenta efeitos significativos. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Conivaptan Varfarina

Observações: O Conivaptan é um substrato sensível do CYP3A. Conivaptan é um inibidor com base em mecanismo potente do CYP3A. O efeito de conivaptan na farmacocinética de substratos CYP3A co-administrada foi avaliada com a co-administração de conivaptan com midazolam, simvastatina, e amlodipina.
Interacções: Conivaptan (40 mg / dia por 4 dias), administrado com uma dose única de 25 mg de varfarina, que sofre grande metabolismo, CYP2C9 e metabolismo menor por CYP3A, aumentou a média S-varfarina AUC e S-varfarina C max em 14% e 17%, respectivamente. O tempo de protrombina correspondente e os valores do índice de normalização internacionais mantiveram-se inalterados. - Varfarina
Consultar informação actualizada

Ácido fenofíbrico Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Este medicamento pode interagir com a varfarina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metandienona Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Varfarina pode potenciar o efeito anticoagulante. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Oxandrolona Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Um estudo multidose de oxandrolona, ​​dado como 5 ou 10 mg duas vezes em 15 indivíduos saudáveis ​​concomitantemente tratados com varfarina, resultou num aumento médio de meia-vida de S-varfarina de 26 a 48 horas e AUC de 4,55-12,08 ng * h / mL ; aumentos semelhantes em meia-vida a R-varfarina e AUC foram também detectados. Também foram observadas hematúria microscópica (9/15) e sangramento gengival (1/15). Uma redução de 5,5 vezes na dose média de varfarina a partir de 6,13 mg / dia a 1,13 mg / dia (cerca de redução de 80-85% da dose de warfarina), foi necessário para manter uma INR alvo de 1,5. Quando a terapia oxandrolona é iniciado num doente que já esteja a receber tratamento com varfarina, o tempo de INR ou protrombina (PT) deve ser cuidadosamente monitorizada e a dose de varfarina ajustada conforme necessário até que um INR-alvo estável ou PT foi alcançado. Além disso, em doentes a receber ambas os medicamentos, a monitorização cuidadosa do INR ou PT, e o ajuste da dose de varfarinaé indicado. Os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados para sinais e sintomas de hemorragia oculta. - Varfarina
Não recomendado/Evitar

Tramadol + Dexcetoprofeno Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Não é recomendado com varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Oxerrutinas (rutosídeo) Varfarina

Observações: Não foram referidas quaisquer interações com outros fármacos. Verificou-se que as Oxerrutinas não interferem com os anticoagulantes varfarínicos. Os componentes do Oxerrutinas são derivados da rutina e quercetina (presentes em quantidades vestigiais). A quercetina demonstrou inibir o CYP3A hepático humano e a sulfotransferase in vitro, mas não in vivo. Não foi demonstrada qualquer ação inibitória da rutina sobre as enzimas hepáticas. Deste modo, considera-se que as Oxerrutinas orais não exercem efeito inibitório nem interferem com o metabolismo de outras substâncias ativas.
Interacções: Verificou-se que as Oxerrutinas não interferem com os anticoagulantes varfarínicos. - Varfarina
Sem efeito descrito

Pioglitazona Varfarina

Observações: Os estudos efetuados no ser humano não sugerem indução do citocromo indutível principal P450, 1A, 2C8/9 e 3A4. Os estudos in vitro não demonstraram uma inibição de qualquer subtipo do citocromo P450.
Interacções: Os estudos de interacção demonstraram que a pioglitazona não possui efeitos relevantes quer sobre a farmacocinética quer sobre a farmacodinâmica da digoxina, varfarina, femprocumom e metformina. - Varfarina
Não recomendado/Evitar

Dexcetoprofeno Varfarina

Observações: As seguintes interações aplicam-se a medicamentos anti-inflamatórios não-esteroides (AINEs) em geral.
Interacções: Não aconselhável a associação com varfarina: Os AINEs podem potenciar o efeito dos anticoagulantes, tais como a varfarina (devido à elevada ligação do dexcetoprofeno às proteínas plasmáticas, à inibição da função plaquetária e à lesão da mucosa gastroduodenal). Se a associação não puder ser evitada, deve ser instituída uma vigilância clínica rigorosa e a monitorização dos parâmetros laboratoriais. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Fenbufeno Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os AINE podem aumentar os efeitos dos anticoagulantes, tais como a varfarina. Há também um risco aumentado de hemorragia digestiva. - Varfarina
Usar com precaução

Celecoxib Varfarina

Observações: O celecoxib é um inibidor do CYP2D6.
Interacções: Foram notificados casos de hemorragias em associação com um aumento do tempo de protrombina alguns dos quais fatais, especialmente em doentes idosos e em doentes sob terapêutica concomitante com varfarina. - Varfarina
Não recomendado/Evitar

Cetoprofeno Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Uso não recomendado. Anticoagulantes (heparina e varfarina): os AINEs podem aumentar os efeitos dos anticoagulantes, tais como a varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Selexipag Varfarina

Observações: Selexipag é hidrolisado no seu metabolito activo pela carboxilesterase hepática 1 (CES1). Selexipag e o seu metabolito activo sofrem ambos metabolismo oxidativo, mediado pelo CYP2C8 e CYP3A4. A glucoronidação do metabolito activo é catalisada através da UGT1A3 e UGT2B7. Selexipag e o seu metabolito activo são substratos do OATP1B1 e OATP1B3. Selexipag é um substrato fraco da bomba de efluxo P-gp. O metabolito activo é um substrato fraco da proteína de resistência do cancro da mama (BCRP). Terapêuticas específicas para a HAP: Na Fase 3 do ensaio controlado por placebo em doentes com HAP, a utilização do selexipag em associação com um ARE e um inibidor da PDE-5 resultou numa exposição 30% inferior ao metabolito ativo. Efeito do selexipag em outros medicamentos: Selexipag e o seu metabolito activo não inibem as enzimas do citocromo P450 em concentrações clinicamente relevantes. Selexipag e o seu metabolito activo não inibem as proteínas transportadoras. Não é esperado que selexipag e o seu metabolito activo induzam as enzimas do citocromo P450 no fígado e rim em concentrações clinicamente relevantes. Dados in vitro indicam que selexipag pode ser um indutor de ambos CYP3A4 e CYP2C9 no intestino.
Interacções: A farmacocinética do selexipag e do seu metabólito activo não é afetada pela varfarina. Num estudo em indivíduos saudáveis, selexipag (400 microgramas duas vezes por dia) não alterou a exposição à S-varfarina (substrato do CYP2C9) ou R-varfarina (substrato do CYP3A4) após uma dose única de 20 mg de varfarina. Selexipag não influenciou o efeito farmacodinâmico da varfarina na razão normalizada internacional. - Varfarina
Usar com precaução

Ixecizumab Varfarina

Observações: A segurança de Ixecizumab em associação com outros agentes imunomoduladores ou fototerapia não foi avaliada. Não foram efetuados estudos formais de interacção farmacológica in vivo.
Interacções: Não existe evidência para o papel da IL-17 na regulação de enzimas CYP450. No entanto, a formação de algumas enzimas CYP450 é suprimida pelos níveis aumentados de citocinas durante a inflamação crónica. Por isso, os tratamentos anti-inflamatórios, tais como com o inibidor da IL-17A ixecizumab, podem originar a normalização dos níveis de CYP450 com a correspondente menor exposição aos medicamentos concomitantes metabolizados por CYP450. Não pode, por isso, excluir-se um efeito clinicamente relevante nos substratos CYP450 com um índice terapêutico estreito, cuja dose é ajustada individualmente (p. ex. varfarina). Ao iniciar o tratamento com ixecizumab em doentes tratados com este tipo de medicamentos, deve ser considerada a monitorização terapêutica. - Varfarina
Sem efeito descrito

Bazedoxifeno + Estrogénios conjugados Varfarina

Observações: O bazedoxifeno é sujeito a metabolismo pelas enzimas uridina difosfato glucuronil transferase (UGT) no trato intestinal e no fígado. O bazedoxifeno é sujeito a pouco, ou nenhum, metabolismo mediado pelo citocromo P450 (CYP). O bazedoxifeno não induz nem inibe as atividades das principais isoenzimas do CYP e é pouco provável que interaja com medicamentos coadministrados através do metabolismo mediado pelo CYP.
Interacções: Com base nas características de ligação às proteínas plasmáticas do bazedoxifeno in vitro, as interacções com varfarina, digoxina ou diazepam são pouco prováveis. - Varfarina
Usar com precaução

Insulina degludec + Liraglutido Varfarina

Observações: Não foram realizados estudos de interacção com Insulina degludec/Liraglutido. Os dados in vitro sugerem que o potencial para as interações medicamentosas farmacocinéticas relacionadas com a interacção de CYP e a ligação às proteínas é reduzido para o liraglutido e a insulina degludec. O pequeno atraso do esvaziamento gástrico com liraglutido poderá influenciar a absorção de medicamentos administrados concomitantemente por via oral. Os estudos de interacção não mostraram qualquer atraso clinicamente relevante da absorção.
Interacções: Varfarina e outros derivados da cumarina: Não foi realizado qualquer estudo de interacção. Não é de excluir uma interacção clinicamente relevante com substâncias activas com baixa solubilidade ou com um índice terapêutico estreito como, por exemplo, a varfarina. Após o início do tratamento com Insulina degludec/Liraglutido em doentes a tomarem varfarina ou outros derivados da cumarina, é recomendada a monitorização mais frequente da RNI (Razão Normalizada Internacional). - Varfarina
Usar com precaução

Dexlansoprazol Varfarina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos. Foi demonstrado que o CYP2C19 e o CYP3A4 estão envolvidos no metabolismo do dexlansoprazol. O dexlansoprazol pode interferir com a absorção de medicamentos para os quais o pH gástrico é crítico em termos de biodisponibilidade. Estudos in vitro demonstraram que não é provável que Dexlansoprazol iniba as isoformas do CYP 1A1, 1A2, 2A6, 2B6, 2C8, 2C9, 2D6, 2E1 ou 3A4. Assim sendo, não são de esperar interações clinicamente relevantes com fármacos metabolizados por estas enzimas do CYP. Medicamentos transportados pela glicoproteína P: Observou-se que o lansoprazol inibe a proteína transportadora, P-gp in vitro. Podem esperar-se efeitos semelhantes com o dexlansoprazol. A relevância clínica deste facto é desconhecida.
Interacções: Num estudo, a administração concomitante de Dexlansoprazol e varfarina não resultou em diferenças significativas na farmacocinética da varfarina ou na Razão Normalizada Internacional (RNI) em comparação com a administração de varfarina com placebo. No entanto, houve relatos de aumento da RNI e do tempo de protrombina em doentes a receberem IBP e varfarina concomitantemente. Os doentes tratados com IBP e varfarina concomitantemente podem precisar de ser monitorizados relativamente aos aumentos da RNI e do tempo de protrombina. - Varfarina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tedizolida Varfarina

Observações: O potencial de interações serotoninérgicas não foi estudado nem em doentes nem em voluntários saudáveis.
Interacções: Baseado nos resultados in vitro, há um risco de indução enzimática pelo fosfato de tedizolida. Isto pode resultar numa redução da eficácia de medicamentos administrados concomitantemente que sejam substratos da CYP3A4 com um índice terapêutico estreito (tais como midazolam oral, triazolam, alfentanilo, ciclosporina, fentanilo, pimozida, quinidina, sirolimus e tacrolimus), da CYP2B6 (efavirenz), da CYP2C9 (varfarina) e P-gp (digoxina). - Varfarina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Elvitegravir Varfarina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos. O elvitegravir é metabolizado principalmente pelo CYP3A. Prevê-se que os medicamentos que são indutores potentes (causam um aumento >5 vezes na depuração do substrato) ou moderados (causam um aumento de 2-5 vezes na depuração do substrato) do CYP3A diminuam as concentrações plasmáticas de elvitegravir. O elvitegravir é um indutor modesto e pode ter o potencial de induzir o CYP2C9 e/ou as enzimas induzíveis da UGT. Além disso, estudos in vitro demonstraram que o elvitegravir é um indutor fraco a modesto das enzimas CYP1A2, CYP2C19 e CYP3A. O elvitegravir terá também o potencial de ser um indutor fraco a modesto das enzimas CYP2B6 e CYP2C8, visto que estas enzimas são reguladas de maneira semelhante ao CYP2C9 e ao CYP3A. O elvitegravir é um substrato do OATP1B1 e do OATP1B3 (OATP – polipéptidos transportadores de aniões orgânicos) e um inibidor do OATP1B3 in vitro. A relevância in vivo destas interações não é clara.
Interacções: Elvitegravir pode diminuir a concentração plasmática de substratos do CYP2C9 (como a varfarina) ou da UGT (como o etinilestradiol). - Varfarina
Usar com precaução

Ácido acetilsalicílico + Ácido ascórbico Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Requer precaução: Aumento do risco de hemorragias através da inibição da função plaquetária, lesão da mucosa gastroduodenal e deslocação dos anticoagulantes orais dos seus locais de ligação às proteínas plasmáticas. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido acetilsalicílico + Esomeprazol Varfarina

Observações: A supressão do ácido gástrico durante o tratamento com esomeprazol e outros IBPs poderá reduzir ou aumentar a absorção de medicamentos com uma absorção gástrica pH-dependente. O esomeprazol inibe o CYP2C19, a principal enzima metabolizadora do esomeprazol. O omeprazol tal como o esomeprazol atuam como inibidores do CYP2C19. O esomeprazol é metabolizado pelo CYP2C19 e CYP3A4.
Interacções: Terapêutica anticoagulante/Outros inibidores da agregação plaquetária além do ácido acetilsalicílico: Doentes em terapêutica anticoagulante apresentam risco aumentado de hemorragia devido às interacções fármaco-fármaco e efeito nas plaquetas. O ácido acetilsalicílico pode deslocar a varfarina dos locais de ligação às proteínas, originando prolongamento tanto do tempo de protrombina como do tempo de hemorragia. A associação da terapêutica anticoagulante e o ácido acetilsalicílico deve ser utilizada com precaução devido a um risco aumentado de hemorragia. Existe um risco de hemorragia aumentado com a associação do ácido acetilsalicílico e outros antiplaquetários. A administração concomitante de 40 mg de esomeprazol em doentes tratados com varfarina, num ensaio clínico, mostrou que os tempos de coagulação estavam dentro dos limites aceitáveis. No entanto, durante o período de comercialização, foram notificados alguns casos isolados de elevação do INR com significado clínico durante o tratamento concomitante. Recomenda-se a monitorização no início e no final do tratamento com esomeprazol, durante o tratamento com varfarina ou outros derivados cumarínicos. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido acetilsalicílico + Paracetamol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: O ácido acetilsalicílico (A.A.S.) pode conduzir a aumento dos efeitos dos anticoagulantes, tais como a varfarina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido mefenâmico Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Anticoagulantes: os AINE podem aumentar os efeitos dos anticoagulantes, tais como a varfarina. Recomenda-se, portanto, a monitorização frequente do tempo de protrombina quando se administra em concomitância ácido mefenâmico e anticoagulantes orais. - Varfarina
Consultar informação actualizada

Aliscireno Varfarina

Observações: O aliscireno não inibe as isoenzimas CYP450 (CYP1A2, 2C8, 2C9, 2C19, 2D6, 2E1 e 3A). O aliscireno não induz a CYP3A4. Assim não se espera que o aliscireno afete a exposição sistémica de substâncias que inibam, induzam ou sejam metabolizadas por estas enzimas. O aliscireno é pouco metabolizado pelas enzimas do citocromo P450. Assim, não são de esperar interações devidas a inibição ou indução das isoenzimas do citocromo CYP450.
Interacções: Os efeitos de Aliscireno sobre a farmacocinética da varfarina não foram avaliados. - Varfarina
Sem efeito descrito

Aliscireno + Amlodipina Varfarina

Observações: Não foram realizados estudos de interacção de Aliscireno + Amlodipina com outros medicamentos. Apresenta-se a informação conhecida sobre interações com outros medicamentos para as substâncias ativas individualmente. A administração conjunta de aliscireno e amlodipina não provoca alterações significativas na exposição farmacocinética no estado estacionário (AUC) e na concentração máxima (Cmax) de ambos os componentes em voluntários saudáveis.
Interacções: Os efeitos de aliscireno sobre a farmacocinética da varfarina não foram avaliados. Em estudos clínicos de interacção a amlodipina não afetou a farmacocinética da atorvastatina, digoxina, varfarina ou ciclosporina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Alprazolam Varfarina

Observações: As interações farmacocinéticas podem ocorrer quando o alprazolam é administrado concomitantemente com compostos que inibem a enzima hepática CYP3A4, aumentando os níveis plasmáticos de alprazolam.
Interacções: Não foi possível determinar se houve qualquer efeito sobre os tempos de protrombina e os níveis plasmáticos de varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Amiodarona Varfarina

Observações: Devido à semi-vida de eliminação longa e variável da amiodarona, podem ocorrer interações não só quando se administram outros fármacos concomitantemente, mas também com fármacos administrados após interrupção do tratamento com amiodarona.
Interacções: Os seguintes fármacos devem ser utilizados com precaução quando em associação com a amiodarona: Anticoagulantes orais: A amiodarona aumenta as concentrações de varfarina pela inibição do citocromo (CY) P450 2C9. A associação da varfarina com a amiodarona pode exacerbar o efeito dos anticoagulantes orais, aumentando o risco de hemorragia. É necessário vigiar regularmente os níveis de protrombina e ajustar as doses orais de anticoagulantes, durante o tratamento com amiodarona e após a sua interrupção. - Varfarina
Sem efeito descrito

Amlodipina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: O efeito de diminuição da pressão arterial da amlodipina adiciona-se ao efeito de diminuição da pressão arterial de outros agentes antihipertensores. Em estudos de interacção clínica, a amlodipina não alterou a farmacocinética da atorvastatina, digoxina, varfarina ou ciclosporina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Amlodipina + Telmisartan Varfarina

Observações: Os efeitos hipotensores da amlodipina são aditivos a efeitos de outros medicamentos com propriedades hipotensoras
Interacções: Nos estudos de interacção clínica, a amlodipina não afetou a farmacocinética da atorvastatina, da digoxina ou da varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Amprenavir Varfarina

Observações: Foram realizados estudos de interacção com amprenavir como único inibidor da protease.
Interacções: Poderá interagir com Amprenavir, quando administrados concomitantemente. Não se conhece, nem foi investigado, o significado clínico destas possíveis interacções. Portanto, os doentes devem ser monitorizados relativamente a reacções tóxicas associadas a estes medicamentos, quando os mesmos forem administrados em associação com Amprenavir. Em caso de administração de Amprenavir com varfarina ou outro anticoagulante oral recomenda-se uma monitorização reforçada do International Normalised Ratio, devido ao possível aumento ou decréscimo do efeito antitrombótico. - Varfarina
Sem efeito descrito

Aripiprazol Varfarina

Observações: Deverá ter-se precaução se o aripiprazol for administrado concomitantemente com medicamentos que se sabe que causam intervalo QT prolongado ou desequilíbrio eletrolítico.
Interacções: Em estudos clínicos, doses de 10-30 mg/dia de aripiprazol não tiveram efeito significativo no metabolismo de substratos das CYP2D6 (razão dextrometorfano/3-metoximorfinano), 2C9 (varfarina), 2C19 (omeprazol) e 3A4 (dextrometorfano). Adicionalmente, o aripiprazol e o dehidro-aripiprazol não mostraram potencial para alterar in vitro o metabolismo mediado pela CYP1A2. Consequentemente, não é provável que o aripiprazol cause interacções medicamentosas clinicamente importantes mediadas por estas enzimas. - Varfarina
Sem efeito descrito

Atovaquona Varfarina

Observações: Dada a experiência ser limitada, deve tomar-se precaução ao associar outros fármacos com Atovaquona. A atovaquona liga-se fortemente às proteínas plasmáticas, devendo tomar-se precaução ao administrar Atovaquona simultaneamente com outros fármacos com elevada taxa de ligação às proteínas e com baixos índices terapêuticos. A atovaquona não afeta a farmacocinética, metabolismo ou extensão de ligação às proteínas da fenitoína in vivo.
Interacções: In vitro não se verifica interacção de ligação às proteínas plasmáticas entre a atovaquona e quinino, fenitoína, varfarina, sulfametoxazol, indometacina ou diazepam. - Varfarina
Usar com precaução

Atovaquona + Proguanilo Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: O proguanilo pode potenciar o efeito da varfarina e dos outros anticoagulantes derivados da cumarina, o que pode originar um aumento do risco de hemorragia. O mecanismo desta potencial interacção medicamentosa não foi estabelecido. Recomenda-se precaução no início ou no fim da profilaxia ou do tratamento da malária com atovaquona e proguanilo em doentes sob tratamento contínuo com anticoagulantes orais. A dose de anticoagulante oral pode necessitar de ser ajustada durante o tratamento com Atovaquona + Proguanilo ou no seu final, tendo como base os resultados de INR. - Varfarina
Sem efeito descrito

Azilsartan medoxomilo Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Não foram notificadas interacções clinicamente significativas em estudos do azilsartan medoxomilo ou do azilsartan administrado com amlodipina, antiácidos, clorotalidona, digoxina, fluconazol, gliburida, cetoconazol, metformina e varfarina. O azilsartan medoxomilo é rapidamente hidrolizado na sua fracção activa pelas estearases do tracto gastrointestinal e/ou durante a absorção do fármaco. Estudos in vitro indicaram que é improvável a ocorrência de interacções baseadas na inibição das estearases. - Varfarina
Contraindicado

Cetorolac Varfarina

Observações: Não se espera que Cetorolac altere a farmacocinética de outros fármacos devido a mecanismos de indução ou inibição enzimática.
Interacções: Os medicamentos seguintes não devem ser co-administrados com Cetorolac: Cetorolac está contra-indicado em combinação com anticoagulantes, tais como a varfarina, visto que a co-administração de AINE e anticoagulantes pode causar um efeito anticoagulante aumentado. Embora os estudos clínicos não indiquem uma interacção significativa entre cetorolac e a varfarina ou heparina, a utilização concomitante de cetorolac e terapia que afecta a hemostase, incluindo doses terapêuticas de anticoagulantes (varfarina), baixas doses profilácticas de heparina (2500-5000 unidades, de 12 em 12 horas) e dextranos, pode estar associada a um maior risco hemorrágico. Em concentrações terapêuticas, a digoxina, varfarina, ibuprofeno, naproxeno, piroxicam, acetaminofeno, fenitoína e tolbutamida não alteraram a ligação de cetorolac às proteínas. - Varfarina
Usar com precaução

Cilostazol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Num estudo clínico de dose única, não foi observada a inibição do metabolismo de varfarina nem um efeito nos parâmetros de coagulação (TP, TTPa, tempo de hemorragia). No entanto, aconselha-se precaução nos doentes a receber cilostazol e um medicamento anticoagulante, bem como a monitorização contínua para reduzir a possibilidade de hemorragia. Está contra-indicado o tratamento com cilostazol nos doentes a receber dois ou mais medicamentos antiplaquetários/anticoagulantes adicionais. - Varfarina
Sem efeito descrito

Dutasterida Varfarina

Observações: In vitro, a dutasterida não é metabolizada pelas isoenzimas do citocromo humano P450: CYP1A2, CYP2A6, CYP2E1, CYP2C8, CY P2C9, CYP2C19, CYP2B6 e CYP2D6.
Interacções: A dutasterida não tem qualquer efeito sobre a farmacocinética da varfarina ou da digoxina. Isto indica que a dutasterida não inibe/induz o CYP2C9 ou a proteína de transporte glicoproteína-P. Os estudos de interacção in vitro indicam que a dutasterida não inibe as enzimas CYP1A2, CYP2A6, CYP2E1, CYP2C8, CYP2D6, CYP2C9, CYP2C19, CYP2B6 ou CYP3A4. - Varfarina
Consultar informação actualizada

Flupirtina Varfarina

Observações: A utilização concomitante de flupirtina com outros fármacos conhecidos por causar lesões hepáticas induzidas por fármacos deve ser evitada.
Interacções: Devido à grande ligação da flupirtina às proteínas, é de esperar que na administração concomitante de outro fármaco também com grande ligação às proteínas, ocorra deslocação da ligação às proteínas. Foram realizados testes correspondentes in-vitro, com diazepam, varfarina, ácido acetilsalicílico, benzilpenicilina, digitoxina, glibenclamida, propranolol e clonidina. Apenas com varfarina e diazepam, o deslocamento da ligação à albumina atingiu um valor em que a intensificação destes medicamentos não pode ser desprezada no caso de administração concomitante com maleato de flupirtina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Colessevelam Varfarina

Observações: O Colessevelam pode afetar a biodisponibilidade de outros medicamentos. Por conseguinte, quando não é possível excluir a ocorrência de uma interacção medicamentosa com um medicamento administrado concomitantemente para o qual seriam clinicam ente importantes pequenas variações no nível terapêutico, Colessevelam deve ser administrado pelo menos quatro horas antes ou pelo menos quatro horas após a administração da medicação concomitante para minimizar o risco de redução da absorção dessa medicação. Para medicamentos concomitantes que exijam administração através de doses divididas, deve referir-se que a dose necessária de Colessevelam pode ser tomada uma vez por dia. Quando são administrados medicamentos nos quais as alterações nos níveis sanguíneos podem ter um impacto clinicamente significativo na segurança ou na eficácia, os médicos devem considerar a monitorização dos respetivos níveis séricos ou dos efeitos. Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: Em estudos de interacção efetuados em voluntários saudáveis, verificou-se que Colessevelam não teve efeito sobre a biodisponibilidade da digoxina, do metoprolol, da quinidina, do ácido valpróico e da varfarina. A terapêutica anticoagulante deve ser atentamente monitorizada em doentes que estejam a receber varfarina ou agentes semelhantes, visto que os sequestrantes dos ácidos biliares, como o Colessevelam, demonstraram reduzir a absorção da vitamina K e, como tal, interferir com o efeito anticoagulante da varfarina. Não foram efetuados estudos clínicos específicos de interacção entre o colessevelam e a vitamina K. - Varfarina
Sem efeito descrito

Eprosartan Varfarina

Observações: Foi demonstrado in vitro que o eprosartan não inibe as isoenzimas CYP1A, 2A6, 2C9/8, 2C19, 2D6, 2E e 3A do citocromo P450 humano.
Interacções: Não foram demonstrados efeitos na farmacocinética da digoxina nem na farmacodinâmica da varfarina ou gliburida (glibenclamida) com eprosartan. - Varfarina
Sem efeito descrito

Ivabradina Varfarina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: Estudos específicos de interacção medicamentosa demonstraram que não existe efeito clinicamente significativo dos seguintes medicamentos na farmacocinética e farmacodinâmica da ivabradina: Inibidores da bomba de protões (omeprazol, lansoprazol), sildenafil, inibidores da redutase HMG CoA (sinvastatina), bloqueadores dos canais de cálcio dihidropiridinicos (amlodipina, lacidipina), digoxina e varfarina. Adicionalmente não houve qualquer efeito clinicamente significativo da ivabradina sobre a farmacocinética da sinvastatina, amlodipina, lacidipina, sobre a farmacocinética e farmacodinâmica da digoxina, varfarina e sobre a farmacodinâmica do Ácido Acetilsalicílico. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Diclofenac + Misoprostol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os AINEs podem aumentar os efeitos dos anticoagulantes, como a varfarina, agentes anti-plaquetários, como a aspirina, e inibidores da recaptação da serotonina (ISRSs) aumentando assim o risco de hemorragia gastrointestinal. - Varfarina
Sem efeito descrito

Montelucaste Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Em estudos de interacções medicamentosas, a posologia clínica recomendada de montelucaste, não teve efeitos clinicamente importantes na farmacocinética dos seguintes medicamentos: teofilina, prednisona, prednisolona, Contraceptivos orais (etinilestradiol/noretindrona 35/1), terfenadina, digoxina e varfarina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol + Fenilefrina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: O efeito anticoagulante da varfarina e de outras cumarinas pode ser aumentado pelo uso diário regular prolongado de paracetamol com aumento do risco de sangramento; não tem efeito significativo a administração de doses ocasionais. - Varfarina
Sem efeito descrito

Pravastatina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os parâmetros da biodisponibilidade em estado de equilíbrio da pravastatina não foram alterados após administração com varfarina. A administração crónica dos dois medicamentos não produziu alterações na acção anticoagulante da varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Maprotilina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Alguns antidepressivos tricíclicos podem potenciar o efeito anticoagulante da cumarina, possivelmente pela inibição do seu metabolismo ou diminuindo a motilidade intestinal. Não existe evidência da capacidade de Maprotilina inibir o metabolismo de anticoagulantes, tais como a varfarina (enantiómero-S activo libertado pela CYP2C9) mas recomenda-se monitorização cuidadosa da protrombina plasmática para esta classe de substâncias. - Varfarina
Usar com precaução

Lumiracoxib Varfarina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos. Com base nos estudos in vitro, não é expectável que as interacções envolvendo ligação às proteínas plasmáticas tenham efeitos clinicamente relevantes no que concerne o lumiracoxib ou fármacos administrados concomitantemente.
Interacções: Anticoagulantes orais: Num estudo de interacções medicamentosas realizado em indivíduos saudáveis sob terapêutica estabilizada com varfarina, a administração de lumiracoxib em doses de 400 mg por dia, durante cinco dias, foi associada com um aumento de aproximadamente 15% no tempo de protrombina. Portanto, a actividade anticoagulante deve ser monitorizada em doentes tratados com varfarina ou fármacos similares, particularmente nos primeiros dias após início da terapêutica ou alteração da dose de lumiracoxib. Num estudo com varfarina, que é considerada um substrato da CYP2C9 sensível a interacções medicamentosas, a administração concomitante de lumiracoxib numa dose de 400 mg não teve efeito na AUC plasmática, C max ou T max da R-varfarina ou S-varfarina. A recuperação do metabólito urinário S-7-OH da varfarina foi cerca de 25% inferior em doentes tratados com lumiracoxib, comparativamente ao placebo. Os estudos in vivo indicam que o lumiracoxib tem baixo potencial para interacções com os substratos da CYP2C9. No entanto, recomenda-se precaução na administração concomitante de lumiracoxib com substratos da CYP2C9 com uma estreita margem terapêutica, tais com fenitoína e varfarina. Os estudos in vitro indicam que o lumiracoxib não inibe significativamente as outras isoformas do citocromo P450, incluindo a CYP1A2, CYP2C8, CYP2C19, CYP2D6, CYP2E1 e CYP3A4. - Varfarina
Sem efeito descrito

Linagliptina Varfarina

Observações: A linagliptina é um inibidor competitivo fraco da CYP3A4 e um inibidor fraco a moderado do mecanismo desta isoenzima, mas não inibe outras isoenzimas do CYP. Não é um indutor de isoenzimas do CYP. A linagliptina é um substrato da glicoproteína-P e inibe com baixa potência o transporte de digoxina mediado pela glicoproteína-P. Com base nestes resultados e nos estudos de interacções in vivo, considera-se pouco provável que a linagliptina cause interacções com outros substratos da glicoproteína-P.
Interacções: Em estudos clínicos, conforme adiante se descreve, a linagliptina não teve qualquer efeito clinicamente relevante sobre a farmacocinética da metformina, da gliburida, da sinvastatina, da varfarina, da digoxina ou dos Contraceptivos orais, fornecendo evidências in vivo de uma baixa tendência para causar interacções medicamentosas com substratos da CYP3A4, CYP2C9, CYP2C8, da glicoproteína-P e do transportador catiónico orgânico (OCT). A linagliptina não é um inibidor do transporte mediado pelo OCT. A administração de múltiplas doses diárias de 5 mg de linagliptina não alterou a farmacocinética da varfarina S(-) ou R(+), um substrato da CYP2C9, administrada numa única dose. - Varfarina
Usar com precaução

Ivacaftor Varfarina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos. O ivacaftor é um substrato da CYP3A4 e da CYP3A5. É um inibidor fraco das CYP3A e da P-gp e um inibidor potencial da CYP2C9. O ivacaftor é um substrato sensível das CYP3A.
Interacções: O ivacaftor pode inibir a CYP2C9. Por conseguinte, recomenda-se a monitorização da INR (Razão Normalizada Internacional) durante a co-administração com varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Liraglutido Varfarina

Observações: In vitro, liraglutido apresentou um potencial muito reduzido para envolvimento em interações farmacocinéticas com outras substâncias ativas relacionadas com o citocromo P450 e a ligação às proteínas plasmáticas. O pequeno atraso do esvaziamento gástrico com liraglutido poderá influenciar a absorção de medicamentos administrados concomitantemente por via oral. Os estudos de interacção não mostraram qualquer atraso clinicamente relevante da absorção, pelo que não é necessário o ajuste da dose. Alguns doentes tratados com liraglutido comunicaram pelo menos um episódio de diarreia aguda. A diarreia pode afetar a absorção de medicamentos administrados concomitantemente por via oral.
Interacções: Varfarina e outros derivados da cumarina: Não foi realizado qualquer estudo de interacção. Não é de excluir uma interacção clinicamente relevante com substâncias activas com baixa solubilidade ou com um índice terapêutico estreito como, por exemplo, a varfarina. Após o início do tratamento com liraglutido em doentes a tomarem varfarina ou outros derivados da cumarina, é recomendada a monitorização mais frequente da RNI (Razão Normalizada Internacional). - Varfarina
Sem efeito descrito

Pravastatina + Ácido acetilsalicílico Varfarina

Observações: Não há evidência de interações farmacocinéticas clinicamente significativas na co-administração da pravastatina com o ácido acetilsalicílico.
Interacções: Varfarina e outros anticoagulantes orais: Os parâmetros de biodisponibilidade para a pravastatina no estado estacionário não foram alterados após a administração com a varfarina. A administração crónica dos dois medicamentos não causou quaisquer alterações na acção anticoagulante da varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Saxagliptina + Dapagliflozina Varfarina

Observações: Saxagliptina: O metabolismo da saxagliptina é mediado principalmente pelo citocromo P450 3A4/5 (CYP3A4/5). Dapagliflozina: O metabolismo da dapagliflozina é feito principalmente através de conjugação do glucuronido mediado pela UDP glucuroniltransferase 1A9 (UGT1A9).
Interacções: Em estudos de interacção realizados em indivíduos saudáveis, nos quais se utilizou principalmente o esquema de dose única, a dapagliflozina não alterou a farmacocinética da metformina, pioglitazona [um substrato do CYP2C8 (major) e CYP3A4 (minor)], sitagliptina, glimepirida (um substrato do CYP2C9), hidroclorotiazida, bumetanida, valsartan, digoxina (um substrato da P-gp) ou varfarina (S-varfarina, um substrato do CYP2C9), ou os efeitos anticoagulantes da varfarina medidos pela Razão Normalizada Internacional (RNI). A associação de uma dose única de dapagliflozina 20 mg e sinvastatina (um substrato do CYP3A4) resultou num aumento de 19% na AUC de sinvastatina e num aumento de 31% na AUC do ácido de sinvastatina. O aumento da exposição de sinvastatina e do ácido de sinvastatina não foram considerados clinicamente relevantes. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Fluvoxamina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: CYP2C: Varfarina: Quando administrada com fluvoxamina, as concentrações plasmáticas de varfarina foram significativamente aumentadas e os tempos de protrombina prolongados. As isoenzimas do citocromo P450 envolvidas no metabolismo da varfarina incluem 2C9, 2C19, 2C8, 2C18, 1A2 e 3A4. O 2C9 é provavelmente a forma principal humana do citocromo P450 hepático que modula a actividade anticoagulante in vivo da varfarina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Gefitinib Varfarina

Observações: O metabolismo de gefitinib faz-se via citocromo P450 isoenzima CYP3A4 (predominantemente) e via CYP2D6. Substâncias ativas que podem aumentar as concentrações plasmáticas de gefitinib Estudos in vitro demonstraram que gefitinib é um substrato da glicoproteína-p (gpP). Os dados disponíveis não sugerem qualquer consequência clínica em relação a este efeito in vitro. As substâncias que inibem o CYP3A4 podem diminuir a depuração de gefitinib.
Interacções: Foram notificadas elevações do INR e/ou acontecimentos hemorrágicos em alguns doentes a tomar concomitantemente varfarina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Imatinib Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Devido ao risco aumentado de sangramento associado com a utilização de imatinib (por ex. hemorragia), doentes que necessitem de terapêutica anticoagulante deverão ser tratados com heparinas de baixo peso molecular ou heparinas padrão, em vez de derivados cumarínicos tais como a varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Lacosamida Varfarina

Observações: Os dados disponíveis sugerem que a lacosamida possui um potencial de interacção baixo. Estudos in vitro indicam que os enzimas CYP1A2, 2B6 e 2C9 não são induzidos e que os CYP1A1, 1A2, 2A6, 2B6, 2C8, 2C9, 2D6 e 2E1 não são inibidos pela lacosamida, nas concentrações plasmáticas observadas durante os ensaio s clínicos. Um estudo in vitro indicou que a lacosamida não é transportada por glicoproteína - P no intestino. Dados in vitro demonstram que o CYP2C9, CYP2C19 e CYP3A4 têm a capacidade de catalizar a formação do metabolito O - desmetil. A lacosamida tem um perfil de ligação às proteínas inferior a 15%, pelo que são consideradas pouco provaveis interações de competição pelo recetor proteico, com outros medicamentos.
Interacções: A co-administração de varfarina com lacosamida não resulta numa alteração clinicamente significativa da farmacocinética e farmacodinâmicas da varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Levetiracetam Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Levetiracetam 2.000 mg por dia não influenciou a farmacocinética da digoxina e da varfarina; os tempos de protrombina não sofreram alteração. A co-administração com digoxina, Contraceptivos orais e varfarina não influenciou a farmacocinética do levetiracetam. - Varfarina
Sem efeito descrito

Metformina + Rosiglitazona Varfarina

Observações: Não existem estudos formais de interacção para Metformina + Rosiglitazona, no entanto o uso concomitante das substâncias activas em doentes em estudos clínicos e na sua vasta utilização clínica não originou interacções inesperadas.
Interacções: Não foram observadas interacções clinicamente relevantes com a digoxina, com o substrato de CYP2C9 varfarina, com os substratos de CYP3A4 nifedipina, etinilestradiol ou noretindrona, após administração concomitante com a rosiglitazona. - Varfarina
Sem efeito descrito

Vildagliptina Varfarina

Observações: A vildagliptina tem um fraco potencial de interacção com outros medicamentos administrados em associação. Uma vez qu e a vildagliptina não é um substrato do citocromo P (CYP) 450 e não inibe nem induz as enzimas CYP 450, não é provável a interacção com substâncias ativas que sejam substratos, inibidores ou indutores dessas enzimas.
Interacções: Digoxina (substrato da glicoproteína P), varfarina (substrato CYP2C9): Os ensaios clínicos efetuados em indivíduos saudáveis revelaram não existir interacções farmacocinéticas clinicamente relevantes, no entanto, estas não foram determinadas na população - alvo. - Varfarina
Sem significado Clínico

Mirabegrom Varfarina

Observações: Dados in vitro Mirabegrom é transportado e metabolizado por inúmeras vias. Mirabegrom é um substrato do citocromo P450 3A4 (CYP), do CYP 2D6, da butirilcolinesterase, da uridina difosfato glucuronil transferase (UGT), do transportador de efluxo glicoproteína P (P - gp) e dos transportadores de influxo de catiões orgânicos (OCT) OCT1, OCT2 e OCT3. Estudos com Mirabegrom que usaram microssomas hepáticos humanos e enzimas CYP humanas recombinantes mostraram que o Mirabegrom é um inibidor moderado e dependente do tempo do CYP 2D6 e um inibidor fraco do CYP 3A. Em altas concentrações, mirabegrom inibe o transporte de fármacos mediado pela P - gp. O efeito da coadministração de medicamentos sobre a farmacocinética do Mirabegrom e o efeito do Mirabegrom na farmacocinética de outros medicamentos foram estudados em ensaios com dose única e em ensaios com múltiplas doses. A maior parte das interacções medicamentosas foram estudadas usando uma dose de 100 mg de Mirabegrom em comprimidos com sistema de absorção oral controlada ( Oral Controlled Absorption System, OCAS).
Interacções: Não foram observadas interacções clinicamente significativas quando o Mirabegrom foi co-administrado com doses terapêuticas de solifenacina, tansulosina, varfarina, metformina ou um contraceptivo oral combinado contendo etinilestradiol e levonorgestrel. Não é recomendado ajuste de dose. Os aumentos na exposição do Mirabegrom devido a interacções medicamentosas podem estar associados a aumentos da frequência cardíaca. - Varfarina
Sem significado Clínico

Pantoprazol Varfarina

Observações: O pantoprazol é metabolizado no fígado pelo sistema enzimático do citocromo P450. Não se pode excluir a interacção com outros fármacos ou compostos que são metabolizados utilizando o mesmo sistema enzimático.
Interacções: Embora não tenha sido observada qualquer interacção durante a administração concomitante de fenprocoumon ou varfarina em estudos clínicos farmacocinéticos, foram relatados alguns casos isolados de alterações no INR durante o tratamento concomitante no período pós-comercialização. Como tal, em doentes tratados com anticoagulantes cumarínicos, é recomendada a monitorização do tempo de protrombina após o início, interrupção ou durante a utilização irregular de pantoprazol. - Varfarina
Usar com precaução

Paracetamol + Codeína Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: A relevância clínica de eventuais interacções entre o paracetamol e a varfarina ou com os derivados cumarínicos, não está ainda estabelecida, pelo que, a administração prolongada de paracetamol a doentes sujeitos a terapêutica anticoagulante oral, deverá ser feita mediante monitorização clínica. - Varfarina
Não recomendado/Evitar

Piroxicam Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Têm sido relatados casos raros de hemorragia com a administração de piroxicam a doentes recebendo tratamento concomitante com anticoagulantes cumarínicos. Estes doentes deverão ser sujeitos a uma monitorização apertada, caso seja necessária a administração de piroxicam e anticoagulantes orais. O piroxicam, tal como os outros AINEs, diminui a agregação plaquetária e prolonga o tempo de hemorragia. Este efeito deve ser tomado em consideração quando se determina o tempo de hemorragia. Os AINEs, incluindo o piroxicam, podem aumentar os efeitos dos anticoagulantes, tais como a varfarina. Portanto, a utilização concomitante de piroxicam com anticoagulantes, como a varfarina, deve ser evitada. - Varfarina
Usar com precaução

Vitaminas do complexo B + Ácido ascórbico Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Este medicamento pode ter interacção com outros medicamentos nomeadamente tetraciclinas, aminoglicosídeos, varfarina, antiácido com alumínio, colchicina, isoniazida, fenitoína, fenobarbital e carbamazepina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nabumetona Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os AINE podem aumentar os efeitos dos anticoagulantes, tais como a varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Naproxeno Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Não foram relatadas interacções significativas em estudos clínicos com naproxeno e anticoagulantes cumarínicos; contudo, recomenda-se precaução uma vez que se verificaram interacções com outros medicamentos não esteróides deste tipo, a fracção livre da varfarina pode aumentar substancialmente em alguns indivíduos e o naproxeno interfere com a função plaquetária. Os AINE podem aumentar os efeitos dos anticoagulantes, tais como a varfarina. - Varfarina
Não recomendado/Evitar

Nimesulida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os AINEs podem aumentar os efeitos dos anticoagulantes, tais como a varfarina. Os doentes a tomarem varfarina ou agentes anticoagulantes semelhantes apresentam risco acrescido de complicações hemorrágicas quando tratados com Nimesulida. Por isso, estas associações não são recomendadas e estão contra-indicadas em doentes com alterações graves da coagulação. Se a associação não puder ser evitada, a actividade anticoagulante deve ser cuidadosamente monitorizada. Foram também estudadas in vivo as potenciais interacções farmacocinéticas com a glibenclamida, teofilina, varfarina, digoxina, cimetidina e um antiácido (i.e. uma associação de hidróxido de alumínio e hidróxido de magnésio). Não foram observadas interacções clinicamente significativas. - Varfarina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Omeprazol Varfarina

Observações: A diminuição da acidez intragástrica durante o tratamento com omeprazol pode aumentar ou diminuir a absorção de substâncias activas com uma absorção dependente do pH gástrico.
Interacções: O omeprazol é um inibidor moderado da CYP2C19, a principal enzima que metaboliza omeprazol. Assim, o metabolismo concomitante de substâncias activas também metabolizadas pela CYP2C19 pode ser diminuída e a exposição sistémica a essas substâncias aumentada. Exemplos de tais substâncias são R-varfarina e outros antagonistas da vitamina K, cilostazol, diazepam e fenitoína. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Foi observada a potenciação dos efeitos da varfarina com a toma continuada de doses elevadas de paracetamol. - Varfarina
Usar com precaução

Pixantrona Varfarina

Observações: Não foram notificadas interações medicamentosas nos participantes e não foram realizados estudos de interações medicamentosas em seres humanos. Estudos in vitro com as isoformas humanas mais habituais do citocromo P450 (incluindo CYP1A2, 2B6, 2C8, 2C9, 2C19, 2D6 e 3A4) mostraram uma possível inibição do tipo mista do CYP1A2 e CYP2C8 que pode ter relevância clínica. Não se observaram outras interações significativas clinicamente relevantes com os CYPP450.
Interacções: A varfarina é parcialmente metabolizada pelo CYP1A2; por conseguinte, existe uma preocupação teórica relativamente à administração concomitante deste medicamento e o efeito que a inibição do seu metabolismo pode ter na sua acção prevista. Os parâmetros de coagulação, mais especificamente a INR (International Normalised Ratio - Razão Normalizada Internacional), devem ser monitorizados nos dias imediatamente a seguir ao início da terapêutica concomitante com o Pixantrona. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Propifenazona + Cafeína Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os AINE podem aumentar os efeitos dos anticoagulantes tais como a varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Rimonabant Varfarina

Observações: O efeito inibitório in vivo no CYP2C8 não foi estudado. Contudo, in vitro, o rimonabant demonstrou um efeito inibitório ligeiro no CYP2C8. O potencial para inibição do CYP2C8 in vivo é aparentemente baixo.
Interacções: Rimonabant não inibe ou induz outras enzimas do CYP ou P-glicoproteína (P-gp) in vitro. Isto foi confirmado clinicamente com estudos de sonda específica utilizando midazolam (substrato CYP3A4), varfarina (substrato CYP2C9) e digoxina (substrato P-gp). - Varfarina
Sem significado Clínico

Rivaroxabano Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: A passagem de doentes da varfarina, um antagonista da vitamina K (INR 2,0 a 3,0) para rivaroxabano (20 mg) ou de rivaroxabano (20 mg) para varfarina (INR 2,0 a 3,0) aumentou o tempo de protrombina/INR de forma mais do que aditiva (podem observar-se valores individuais do INR até 12), enquanto que os efeitos sobre o aPTT, a inibição da actividade do fator Xa e o potencial da trombina endógena foram aditivos. Se se desejar testar os efeitos farmacodinâmicos do rivaroxabano durante o período de passagem, podem utilizar-se a actividade antifator Xa, PiCT e Heptest dado que estes testes não foram afectados pela varfarina. No quarto dia após a última dose de varfarina, todos os testes (incluindo TP, aPTT, inibição da actividade do fatorXa e PTE) refletiram apenas o efeito do rivaroxabano. Se se desejar testar os efeitos farmacodinâmicos da varfarina durante o período de passagem, pode utilizar-se a determinação do INR na Cmin do rivaroxabano (24 horas após a toma anterior de rivaroxabano) dado que este teste é minimamente afectado pelo rivaroxabano neste ponto. Não se observaram interacções farmacocinéticas entre a varfarina e o rivaroxabano. - Varfarina
Sem significado Clínico

Vardenafil Varfarina

Observações: Estudos in vitro Vardenafil é metabolizado predominantemente por enzimas hepáticas através da isoforma 3A4 do citocromo P450 (CYP), com alguma contribuição das isoformas CYP3A5 e CYP2C. Assim, os inibidores destas isoenzimas podem reduzir a taxa de depuração do vardenafil.
Interacções: A farmacocinética do vardenafil (20 mg) não foi afetada pela administração concomitante do antagonista-H2 ranitidina (150 mg duas vezes ao dia), digoxina, varfarina, glibenclamida, álcool (nível sanguíneo máximo médio de álcool de 73 mg/dl) ou doses únicas de antiácido (hidróxido de magnésio/hidróxido de alumínio). Não foram demonstradas interacções significativas quando foi concomitantemente administrada varfarina (25 mg), a qual é metabolizada pelo CYP2C9, ou digoxina (0,375 mg) com vardenafil (20 mg). - Varfarina
Sem significado Clínico

Pioglitazona + Alogliptina Varfarina

Observações: A coadministração de 25 mg de alogliptina uma vez ao dia e 45 mg de pioglitazona uma vez ao dia, durante 12 dias, em indivíduos saudáveis, não teve quaisquer efeitos clinicamente relevantes na farmacocinética da alogliptina, da pioglitazona ou dos seus metabolitos ativos. Não foram realizados estudos farmacocinéticos específicos de interacção medicamentosa com este medicamento. A alogliptina é principalmente excretada sob a forma inalterada na urina e o metabolismo pelo sistema enzimático do citocromo (CYP) P450 é desprezável. Por conseguinte, não são esperadas nem foram observadas interações com os inibidores do CYP. Estudos realizados no ser humano não sugerem qualquer indução do principal citocromo induzível, o P450 (1A, 2C8/9 e 3A4). Estudos in vitro não demonstraram qualquer inibição de qualquer subtipo de citocromo P450. Não são esperadas interações com substâncias metabolizadas por estas enzimas p. ex., contraceptivos orais, ciclosporina, bloqueadores do canal de cálcio e inibidores da HMGCoA redutase.
Interacções: Em estudos clínicos, a alogliptina não teve qualquer efeito clinicamente relevante na farmacocinética da cafeína, (R)-varfarina, pioglitazona, gliburida, tolbutamida, (S)-varfarina, dextrometorfano, atorvastatina, midazolam, um contraceptivo oral (noretindrona e etinilestradiol), digoxina, fexofenadina, metformina ou cimetidina, proporcionando assim provas in vivo de uma baixa tendência para causar interacção com substratos do CYP1A2, CYP3A4, CYP2D6, CYP2C9, da glicoproteína-P e do OCT2. Em indivíduos saudáveis, a alogliptina não tem qualquer efeito no tempo da protrombina ou Razão Normalizada Internacional (INR) quando administrada concomitantemente com a varfarina. Estudos de interacção demonstraram que a pioglitazona não tem qualquer efeito relevante na farmacocinética nem na farmacodinâmica da digoxina, varfarina, femprocumom ou metformina. - Varfarina
Usar com precaução

Vemurafenib Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Quando uma dose única de varfarina foi administrada concomitantemente após doses repetidas de vemurafenib durante 15 dias, alguns doentes exibiram aumento da exposição da varfarina (em média 20%). Deve-se ter cuidado quando vemurafenib é administrado concomitantemente com varfarina (CYP2C9) em doentes com melanoma. - Varfarina
Sem significado Clínico

Vitaminas do complexo B + Ácido ascórbico + Biotina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Pode interagir com outros medicamentos nomeadamente tetraciclinas, aminoglicosídeos, varfarina, antiácido com aluminio, colchicina, isoniazida e carbamazepina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Zaleplom Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: O Zaleplom não afecta os perfis farmacocinético e farmacodinâmico da digoxina e varfarina, duas substâncias com uma estreita margem de segurança. - Varfarina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Dabrafenib Varfarina

Observações: O dabrafenib é um indutor enzimático e aumenta a síntese das enzimas metabolizadoras de fármacos incluindo CYP3A4, CYP2Cs e CYP2B6 e pode aumentar a síntese dos transportadores. Tal resulta em níveis plasmáticos reduzidos dos medicamentos metabolizados por estas enzimas e pode afetar alguns medicamentos transportados. A redução nas concentrações plasmáticas pode levar a perda ou a redução dos efeitos clínicos destes medicamentos. Também existe um risco aumentado de formação de metabolitos ativos destes medicamentos. As enzimas que podem ser induzidas incluem CYP3A no fígado e no intestino, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, e UGTs (enzimas conjugadas pelo glucoronido). A proteína de transporte gp-P pode também ser induzida assim como outros transportadores, por ex. MRP-2, BC RP e OATP1B1/1B3. In vitro, o dabrafenib produziu aumentos dependentes da dose no CYP2B6 e CYP3A4. Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: Efeitos de dabrafenib noutros medicamentos: O dabrafenib é um indutor enzimático e aumenta a síntese das enzimas metabolizadoras de fármacos incluindo CYP3A4, CYP2Cs e CYP2B6 e pode aumentar a síntese dos transportadores. Tal resulta em níveis plasmáticos reduzidos dos medicamentos metabolizados por estas enzimas e pode afectar alguns medicamentos transportados. A redução nas concentrações plasmáticas pode levar a perda ou a redução dos efeitos clínicos destes medicamentos. Também existe um risco aumentado de formação de metabólitos ativos destes medicamentos. As enzimas que podem ser induzidas incluem CYP3A no fígado e no intestino, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, e UGTs (enzimas conjugadas pelo glucoronido). A proteína de transporte gp-P pode também ser induzida assim como outros transportadores, por ex. MRP-2, BC RP e OATP1B1/1B3. In vitro, o dabrafenib produziu aumentos dependentes da dose no CYP2B6 e CYP3A4. Num estudo clínico de interacção medicamentosa, a Cmax e AUC do midazolam oral (um substrato do CYP3A4) diminuiu 61% e 74% respectivamente com a co-administração de doses repetidas de dabrafenib utilizando uma formulação com uma biodisponibilidade mais baixa do que a formulação de dabrafenib. A administração de 150 mg de dabrafenib duas vezes por dia e varfarina resultou numa diminuição da AUC de S-e R-varfarina em 37% e 33% em comparação com a administração de varfarina em monoterapia. A Cmax de S-e R-varfarina aumentou 18% e 19%. São esperadas interacções com muitos medicamentos eliminados através do metabolismo ou transporte ativo. Se o seu efeito terapêutico for de grande importância para o doente, e os ajustes posológicos não forem facilmente realizáveis com base na monitorização da eficácia ou concentrações plasmáticas, estes medicamentos devem ser evitados ou utilizados com precaução. Suspeita-se que o risco de lesão hepática após a administração de paracetamol é superior nos doentes tratados concomitantemente com indutores enzimáticos. Espera-se que o número de medicamentos afectados seja grande; embora a magnitude da interacção possa variar. Os grupos de medicamentos que podem ser afectados incluem, mas não estão limitados a: - Analgésicos (por ex. fentanilo, metadona) - Antibióticos (por ex., claritromicina, doxiciclina) - Agentes anticancerígenos (por ex., cabazitaxel) - Anticoagulantes (por ex. acenocumarol, varfarina) - Antiepiléticos (por ex., carbamazepina, fenitoína, primidona, ácido valpróico) - Antipsicóticos (por ex., haloperidol) - Bloqueadores dos canais de cálcio (por ex., diltiazem, felodipina, nicardipina, nifedipina, verapamil) - Glicosidos cardíacos (por ex., digoxina) - Corticosteróides (por ex., dexametasona, metilprednisolona) - Antivíricos para o VIH (por ex., amprenavir, atazanavir, darunavir, delavirdina, efavirenz, fosamprenavir, indinavir, lopinavir, nelfinavir, saquinavir, tipranavir) - Contraceptivos hormonais - Hipnóticos (por ex., diazepam, midazolam, zolpidem) - Imunossupressores (por ex., ciclosporina, tacrolimus, sirolímus) - Estatinas metabolizadas pelo CYP3A4 (por ex., atorvastatina, sinvastatina) É provável que o início da indução ocorra após 3 dias de administração repetida com dabrafenib. Aquando da descontinuação de dabrafenib, o equilibro da indução é gradual, as concentrações dos CYP3A4, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9 e CYP2C19, UDP-glucuronosil transferases (UGT) e substratos transportadores podem aumentar e os doentes devem ser monitorizados para toxicidade e a posologia destes agentes pode necessitar de ser ajustada. In vitro, o dabrafenib é um inibidor do mecanismo do CYP3A4. Como tal, a inibição transitória do CYP3A4 pode ser vista durante os primeiros dias do tratamento. - Varfarina
Sem efeito descrito

Amlodipina + Candesartan Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os efeitos de diminuição da pressão arterial da amlodipina aumentam os efeitos redutores da pressão arterial de outros medicamentos com propriedades anti-hipertensoras. Em estudos de interacção clínica, a amlodipina não afetou a farmacocinética da atorvastatina, digoxina, varfarina ou ciclosporina. A utilização concomitante de diuréticos poupadores de potássio, suplementos de potássio, substitutos do sal contendo potássio ou outros medicamentos (por ex., heparina) pode aumentar os níveis de potássio. A monitorização do potássio deve ser realizada quando apropriado. As substâncias activas investigadas nos estudos de farmacocinética clínica incluem a hidroclorotiazida, varfarina, digoxina, Contraceptivos orais (i.e., etinilestradiol/levonorgestrel), glibenclamida, nifedipina e enalapril. Não foram identificadas interacções farmacocinéticas clinicamente significativas com estes medicamentos. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido nalidíxico Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: O ácido nalidíxico pode aumentar o efeito dos anticoagulantes orais, tais como a Varfarina ou a bis-hidroxicumarina, deslocando quantidades significativas dos locais de ligação da albumina sérica. Por conseguinte, deve efectuar-se uma adequada monitorização do tempo de protrombina ou do International Normalised Ratio (INR) e proceder-se a um ajuste da dose de anticoagulante, se necessário. - Varfarina
Sem significado Clínico

Ácido acetilsalisílico + Atorvastatina + Ramipril Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Num estudo clínico em doentes submetidos a terapêutica crónica com varfarina, a co-administração de atorvastatina na dose de 80 mg por dia com varfarina causou uma pequena diminuição de cerca de 1,7 segundos no tempo de protrombina durante os primeiros 4 dias de administração, o qual normalizou no período de 15 dias de tratamento com atorvastatina. Apesar de só terem sido notificados casos muito raros de interacções clinicamente significativas com anticoagulantes, o tempo de protrombina deverá ser determinado antes de se iniciar a atorvastatina em doentes medicados com anticoagulantes cumarínicos e com uma frequência suficiente durante a fase inicial da terapêutica para assegurar que não ocorre nenhuma alteração significativa do tempo de protrombina. Assim que tiver sido documentado um tempo de protrombina estável, a monitorização dos tempos de protrombina pode ser efetuada nos intervalos geralmente recomendados em doentes medicados com anticoagulantes cumarínicos. O mesmo procedimento deve ser repetido caso se descontinue Trinomia. A terapêutica com atorvastatina não foi associada a hemorragia ou a alterações do tempo de protrombina em doentes que não estão a tomar anticoagulantes. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Aceclofenac Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os AINE podem aumentar os efeitos de dos anticoagulantes, tais como a varfarina. Deve realizar-se uma monitorização estreita dos doentes sujeitos a tratamentos os combinados de anticoagulantes e Aceclofenac. - Varfarina
Usar com precaução

Lenalidomida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: A co-administração de doses múltiplas de 10 mg de lenalidomida não teve qualquer efeito na farmacocinética de dose única de R - e S - varfarina. A co-administração de uma dose única de 25 mg de varfarina não teve qualquer efeito na farmacocinética da lenalidomida. Contudo, não se sabe se existe uma interacção durante a utilização clínica (tratamento concomitante com dexametasona). A dexametasona é um indutor enzimático fraco a moderado e o seu efeito sobre a varfarina é desconhecido. Aconselha-se a monitorização atenta da concentração da varfarina durante o tratamento. - Varfarina
Sem significado Clínico

Ácido nicotínico + Laropiprant Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Nos estudos de interacção, o laropiprant não exerceu efeitos clinicamente significativos na farmacocinética dos seguintes medicamentos: sinvastatina, varfarina, Contraceptivos orais, rosiglitazona e digoxina. Com base nestes dados, não se espera que o laropiprant provoque interacções medicamentosas com substratos das isoenzimas do CYP 3A4, 2C9, 2C8 e com a glicoproteína -P (gp-P) humana. Nos estudos in vitro, o laropiprant não inibiu as reacções mediadas pelo CYP1A2, CYP2B6, CYP2C19, CYP2D6 ou CYP2E1. - Varfarina
Usar com precaução

Entacapona Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Devido à sua afinidade in vitro para o citocromo P450 2C9, a entacapona pode potencialmente interferir com medicamentos com metabolismo dependente desta isoenzima, tais como a S-varfarina. No entanto, num estudo de interacção em voluntários saudáveis, a entacapona não alterou os níveis plasmáticos da S-varfarina, enquanto que os valores de AUC para a R-varfarina aumentaram em média 18% [IC90 11-26%]. Os valores INR aumentaram em média 13% [IC90 6-19%]. Assim, recomenda-se a monitorização dos valores INR quando se inicia o tratamento com entacapona em doentes a receber varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Levodopa + Carbidopa + Entacapona Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Devido à afinidade da entacapona in vitro para o citocromo P450 2C9, Levodopa / Carbidopa / Entacapona pode potencialmente interferir com substâncias activas cujo metabolismo dependa desta isoenzima, tais como a S-varfarina. No entanto, num estudo de interacção em voluntários saudáveis, a entacapona não alterou os níveis plasmáticos da S-varfarina, enquanto os valores da área sob a curva (AUC) para a R- varfarina aumentaram em média 18% [IC 90 11-26%]. Os valores da relação internacional normalizada (INR) aumentaram em média 13% [IC 90 6-19%]. Assim, recomenda-se a monitorização dos valores INR quando se inicia o tratamento com Levodopa / Carbidopa / Entacapona em doentes a receber varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Tolcapona Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Devido à sua afinidade in vitro para o citocromo CYP2C9, tolcapona pode interferir com fármacos cuja depuração dependa desta via metabólica, tal como a tolbutamida e varfarina. Sendo limitada a informação clínica relativa à combinação de varfarina e a tolcapona, os parâmetros da coagulação devem ser monitorizados quando estes fármacos são administrados concomitantemente. - Varfarina
Usar com precaução

Azatioprina Varfarina

Observações: Os doentes devem ser aconselhados no sentido de informar o seu anestesiologista do tratamento com Azatioprina antes de uma cirurgia.
Interacções: Foi relatada inibição do efeito anticoagulante de varfarina e fenprocoumon se administrados concomitantemente com azatioprina, pelo que a coagulação deve ser atentamente monitorizada. - Varfarina
Sem efeito descrito

Aliscireno + Amlodipina + Hidroclorotiazida Varfarina

Observações: A análise farmacocinética populacional de doentes com hipertensão não revelou quaisquer alterações clinicamente relevantes durante a exposição no estado de equilíbrio (AUC) e Cmax de aliscireno, amlodipina e hidroclorotiazida comparativamente com as terapêuticas duplas correspondentes.
Interacções: Os efeitos de aliscireno sobre a farmacocinética da varfarina não foram avaliados. Em estudos clínicos de interacção a amlodipina não afetou a farmacocinética da atorvastatina, digoxina, varfarina ou ciclosporina. - Varfarina
Consultar informação actualizada

Aliscireno + Hidroclorotiazida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Varfarina: Não foram avaliados os efeitos de aliscireno sobre a farmacocinética da varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Ambrisentano Varfarina

Observações: O ambrisentano não inibe ou induz as enzimas metabolizadoras de fármacos de fase I ou II em concentrações clinicamente relevantes nos estudos não clínicos in vitro e in vivo, sugerindo um baixo potencial do ambrisentano para alterar o perfil dos fármacos metabolizados por estas vias. O potencial do ambrisentano para induzir a actividade CYP3A4 foi explorado em voluntários saudáveis com resultados que sugerem uma ausência de efeito indutor do ambrisentano na isoenzima CYP3A4.
Interacções: Varfarina: O ambrisentano não teve efeitos na farmacocinética do estado estacionário e na actividade anticoagulante da varfarina num estudo com voluntários saudáveis. A varfarina também não teve efeitos clinicamente significativos na farmacocinética do ambrisentano. Adicionalmente, em doentes, o ambrisentano não teve efeito generalizado na dose semanal de anticoagulantes tipo-varfarina, tempo de protrombina (TP) e INR (Razão Normalizada Internacional). - Varfarina
Sem efeito descrito

Ticagrelor Varfarina

Observações: Ticagrelor é principalmente um substrato do CYP3A4 e um inibidor ligeiro do CYP3A4. O ticagrelor é igualmente um substrato da glicoproteína-P ( P-gp) e um inibidor fraco da P-gp e pode aumentar a exposição de substratos P-gp.
Interacções: Medicamentos metabolizados pelo CYP2C9: A administração conjunta de ticagrelor com tolbutamida não resultou em alterações nos níveis plasmáticos de qualquer um dos medicamentos, o que sugere que ticagrelor não é um inibidor do CYP2C9 e não é provável que altere o metabolismo de medicamentos mediados pelo CYP2C9, como varfarina e tolbutamida. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tansulosina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: O Diclofenac e a Varfarina podem aumentar a velocidade de eliminação da tansulosina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Tiagabina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Tiagabina não tem qualquer efeito clinicamente significativo nas concentrações plasmáticas de fenitoína, carbamazepina, fenobarbital, valproato, varfarina, digoxina, teofilina e das hormonas contidas nos Contraceptivos orais. - Varfarina
Usar com precaução

Tibolona Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Uma vez que a tibolona pode aumentar a actividade fibrinolítica, ela pode intensificar os efeitos de anticoagulantes. Este efeito foi observado com a utilização de varfarina. Consequentemente, as mulheres que tomem em simultâneo Tibolona e varfarina devem ser vigiadas de perto, especialmente no início ou no final do tratamento com Tibolona. Se necessário, deve ser ajustada a dose de varfarina. Dados de metabolismo in vitro sugerem que a tibolona e os seus metabólitos podem inibir o CYP2C9, uma enzima P450. É preciso ter muito cuidado se se combinar tibolona com outros medicamentos metabolizados pelo CYP2C9. Isto aplica-se sobretudo aos medicamentos com intervalo terapêutico estreito, como a varfarina, a fenitoína e a tolbutamida. - Varfarina
Usar com precaução

Tocilizumab Varfarina

Observações: Os estudos de interacção foram apenas realizados em adultos.
Interacções: Ao iniciar ou interromper tratamento com tocilizumab, os doentes que tomam medicamentos ajustados individualmente e metabolizados via CYP450 3A 4, 1A2 ou 2C9 (por exemplo atorvastatina, bloqueadores dos canais de cálcio, teofilina, varfarina, fenprocoumon, fenitoína, ciclosporina ou benzodiazepinas) devem ser monitorizados, pois pode haver necessidade de aumento de doses para manter o efeito terapêutico. Dada a longa semi-vida (t 1/2 ) de eliminação, o efeito de tocilizumab na actividade enzimática do CYP450 pode persistir durante várias semanas após a interrupção da terapêutica. - Varfarina
Usar com precaução

Siltuximab Varfarina

Observações: Não foram realizados estudos de interacção nesta população.
Interacções: Após iniciação ou descontinuação de siltuximab em doentes em tratamento concomitante com medicamentos que sejam substratos do CYP450 e com janela terapêutica estreita, recomenda-se a monitorização do efeito (ex.: varfarina) ou da concentração do fármaco (ex.: ciclosporina ou teofilina). A dose da medicação concomitante deve ser ajustada conforme necessário. - Varfarina
Usar com precaução

Viloxazina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Existe a probabilidade de ocorrência de uma interacção medicamentosa ao administrar-se Viloxazina simultaneamente com fármacos sujeitos a metabolismo hepático envolvendo reacções de oxidação. Pode, por conseguinte, ser necessário ajustar as doses de fármacos tais como, por exemplo, fenitoína, carbamazepina, teofilina e outros anticoagulantes orais (tais como, fluindiona, nicoumalona e varfarina) que possuem estreitas margens de segurança. - Varfarina
Usar com precaução

Anacinra Varfarina

Observações: Não foram formalmente estudadas as interações entre o Anacinra e outros fármacos.
Interacções: Substratos do citocromo P450: A formação de enzimas CYP450 é suprimida pelo aumento dos níveis de citocinas (por exemplo, IL-1) durante a inflamação crónica. Assim, poderá presumir-se que, para um antagonista do receptor da IL-1, tal como o anacinra, a formação de enzimas CYP450 poderá ser normalizada durante o tratamento. Isto seria clinicamente relevante para substratos do CYP450 com um índice terapêutico estreito (por exemplo, varfarina e fenitoína). Após o início ou o fim do tratamento com Anacinra em doentes a receber estes tipos de medicamentos, poderá ser relevante considerar a monitorização terapêutica do efeito ou concentração destes produtos, podendo ser necessário ajustar a dose individual do medicamento. - Varfarina
Sem efeito descrito

Anagrelida Varfarina

Observações: Foram conduzidos estudos farmacocinéticos e/ou farmacodinâmicos limitados para investigar possíveis interações entre o anagrelida e outros medicamentos. Só foram realizados estudos de interacção em adultos.
Interacções: Anagrelida é principalmente metabolizado pelo CYP1A2. Sabe-se que o CYP1A2 é inibido por vários medicamentos, incluindo a fluvoxamina e enoxacina, e os referidos medicamentos poderão, teoricamente, influenciar de forma adversa a depuração do anagrelida. Estudos de interacção in vivo efetuados em seres humanos demonstraram que a digoxina e a varfarina não afectam as propriedades farmacocinéticas do anagrelida. Estudos de interacção in vivo efetuados em seres humanos demonstraram que o anagrelida não afecta as propriedades farmacocinéticas da digoxina ou da varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Bicalutamida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Estudos in vitro demonstraram que Bicalutamida pode deslocar o anticoagulante cumarínico varfarina dos seus locais de ligação às proteínas. Recomenda-se, portanto, que o tempo de protrombina seja monitorizado com frequência se Bicalutamida for iniciado em doentes que já estão a ser medicados com anticoagulantes cumarínicos. - Varfarina
Sem significado Clínico

Glisentida (glipentida) Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Acenocumarol e varfarina pode potenciar os efeitos das sulfonilureias provavelmente devido a um deslocamento de sulfonilureia a partir dos seus locais de ligação às proteínas plasmáticas. Parece desnecessário para tomar qualquer acção farmacológica. - Varfarina
Sem efeito descrito

Rosuvastatina + Valsartan Varfarina

Observações: Não foram efetuados estudos de interacção com Rosuvastatina / Valsartan e outros medicamentos. Os estudos de interacção só foram realizados em adultos. A extensão das interacções na população pediátrica não é conhecida.
Interacções: Precaução recomendada no uso concomitante: Nos estudos de interacções medicamentosas com valsartan, não foram observadas quaisquer interacções clinicamente significativas com valsartan ou com qualquer um dos fármacos seguintes: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida. Antagonistas da Vitamina K: À semelhança dos outros inibidores da redutase da HMG-CoA, o início da terapêutica ou o aumento da dose de Rosuvastatina / Valsartan em doentes tratados concomitantemente com antagonistas da vitamina K (p. ex. varfarina ou outro anticoagulante cumarínico) pode originar um aumento da Razão Internacional Normalizada (INR). A interrupção ou redução da dose de Rosuvastatina / Valsartan pode resultar num decréscimo da INR. Nestas situações, é desejável a monitorização apropriada da INR. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Levomilnacipran Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Medicamentos que interferem com hemostasia (por exemplo, AINEs, Aspirina e Varfarina): A libertação de serotonina por plaquetas desempenha um papel importante na hemostasia. Estudos epidemiológicos de caso-controle e desenho de coorte demonstraram associação entre o uso de drogas psicotrópicas que interferem com uma reabsorção de serotonina e uma ocorrência de sangramento gastrointestinal superior. Estes estudos também mostram que o uso concomitante de um AINE ou aspirina pode potenciar este risco de hemorragia. Foram notificados efeitos anticoagulantes alterados, com aumento do sangramento, quando os ISRS e os IRSN são co-administrados com varfarina. Os tratamentos médicos com varfarina devem ser monitorizados quando Levomilnacipran for iniciado ou descontinuado. - Varfarina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido obeticólico Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Medicamentos que são afectados pelo ácido obeticólico Varfarina: A razão normalizada internacional (INR) diminui após a co-administração de varfarina e ácido obeticólico. A INR deve ser monitorizada e a dose de varfarina ajustada, se necessário, para manter o intervalo de INR pretendido aquando da co-administração de ácido obeticólico e varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Venetoclax Varfarina

Observações: Venetoclax é metabolizado predominantemente pelo CYP3A.
Interacções: Agentes que podem ter as concentrações plasmáticas alteradas por venetoclax: Varfarina: Num estudo de interacção fármaco-fármaco em três voluntários saudáveis, a administração de uma dose única de 400 mg de venetoclax com 5 mg de varfarina resultou num aumento de 18% a 28% na Cmax e AUC∞ de varfarina-R e varfarina-S. Uma vez que venetoclax não foi doseado até atingir o estado estacionário, recomenda-se que a razão normalizada internacional (INR) seja cuidadosamente monitorizada em doentes que estão a receber varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Empagliflozina + Linagliptina Varfarina

Observações: Não foram realizados estudos de interacção medicamentosa com Empagliflozina / Linagliptinae outros medicamentos; contudo, foram realizados estudos desta natureza com as substâncias ativas individuais. Com base nos resultados dos estudos farmacocinéticos, não é recomendado qualquer ajuste posológico de Empagliflozina / Linagliptinaquando coadministrado com medicamentos habitualmente prescritos, excepto os mencionados à frente.
Interacções: interacções farmacocinéticas: Efeitos de outros medicamentos sobre a empagliflozina: A empagliflozina é maioritariamente excretada na forma inalterada. Estudos de interacção, realizados com voluntários saudáveis, sugerem que a farmacocinética da empagliflozina não foi influenciada pela administração concomitante com metformina, glimepirida, pioglitazona, sitagliptina, linagliptina, varfarina, verapamilo, ramipril, sinvastatina, torasemida e hidroclorotiazida. Efeitos da empagliflozina sobre outros medicamentos: Estudos de interacção, realizados com voluntários saudáveis, sugerem que a empagliflozina não teve qualquer efeito clinicamente relevante na farmacocinética da metformina, glimepirida, pioglitazona, sitagliptina, linagliptina, sinvastatina, varfarina, ramipril, digoxina, diuréticos e Contraceptivos orais. Efeitos da linagliptina sobre outros medicamentos: A linagliptina é um inibidor competitivo fraco da isoenzima CYP3A4 e um inibidor fraco a moderado do mecanismo desta isoenzima, mas não inibe outras isoenzimas do CYP. Não é um indutor de isoenzimas do CYP. A linagliptina é um substrato da glicoproteína-P e inibe com baixa potência o transporte de digoxina mediado pela glicoproteína-P. A linagliptina não teve qualquer efeito clinicamente relevante sobre a farmacocinética da metformina, glibenclamida, sinvastatina, pioglitazona, varfarina, digoxina, empagliflozina ou dos Contraceptivos orais, apresentando provas in vivo de uma baixa tendência para causar interacções medicamentosas com substratos da CYP3A4, CYP2C9, CYP2C8, gp-P e do transportador catiónico orgânico (OCT). - Varfarina
Sem significado Clínico

Carvedilol + Ivabradina Varfarina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: Estudos específicos de interacção medicamentosa demonstraram que não existe efeito clinicamente significativo dos seguintes medicamentos na farmacocinética e farmacodinâmica da ivabradina: Inibidores da bomba de protões (omeprazol, lansoprazol), sildenafil, inibidores da redutase HMG CoA (sinvastatina), bloqueadores dos canais de cálcio dihidropiridinicos (amlodipina,lacidipina), digoxina e varfarina. Adicionalmente não houve qualquer efeito clinicamente significativo da ivabradina sobre a farmacocinética da sinvastatina, amlodipina, lacidipina, sobre a farmacocinética e farmacodinâmica da digoxina e da varfarina e sobre a farmacodinâmica do ácido acetilsalicílico. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tolazamida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Inibidores da enzima conversora da angiotensina (por exemplo, enalapril), anticoagulantes (por exemplo, varfarina), antifúngicos azóis (por exemplo, miconazol, cetoconazol), cloranfenicol, clofibrato, fenfluramina, insulina, inibidores da monoamina oxidase (por exemplo, fenelzina) (Por exemplo, ibuprofeno), fenilbutazona, probenecida, antibióticos quinolona (por exemplo, ciprofloxacina), salicilatos (por exemplo, aspirina) ou sulfonamidas (por exemplo, sulfametoxazol) porque o risco de baixo nível de açúcar no sangue pode ser aumentado. - Varfarina
Usar com precaução

Pitolisant Varfarina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: Medicamentos cujo metabolismo pode ser afectado pelo pitolisant: Substratos da CYP3A4 e da CYP2B6: Com base nos dados in vitro, o pitolisant e os seus metabólitos principais podem induzir a CYP3A4 e a CYP2B6 em concentrações terapêuticas, e a CYP2C, UGT e glicoproteína-P por extrapolação. Não existem dados clínicos disponíveis sobre a magnitude desta interacção. Por conseguinte, a associação de pitolisant com substratos da CYP3A4 com uma margem terapêutica estreita (por exemplo, imunossupressores, docetaxel, inibidores das quinases, cisaprida, pimozida, halofantrina), deve ser evitada. Medicamentos cujo metabolismo pode ser afectado pelo pitolisant: Com outros substratos da CYP3A4, CYP2B6 (por exemplo, efavirenz, bupropiona), CYP2C (por exemplo, repaglinida, fenitoína, varfarina), glicoproteína-P (por exemplo, dabigatrano, digoxina) e UGT (por exemplo, morfina, paracetamol, irinotecano), é necessária precaução quanto à monitorização clínica da sua eficácia. - Varfarina
Usar com precaução

Carboplatina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Devem tomar-se precauções quando a carboplatina é utilizada em concomitância com varfarina porque foram notificados casos de aumento da INR (Razão Normalizada Internacional). - Varfarina
Usar com precaução

Cânfora + Eucaliptol + Mentol Varfarina

Observações: O Eucaliptol é metabolizado pelo citocromo CYP450. Não foi observada até ao momento, qualquer interacção farmacocinética com Cânfora/Eucaliptol/Mentol. No entanto essa possibilidade não pode ser completamente descartada.
Interacções: Foi descrita uma possível interacção do mentol com Varfarina, que conduziu a uma redução do INR. - Varfarina
Sem efeito descrito

Fenitoína Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Fármacos cujos efeitos são melhorados pela fenitoína incluem a varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Amlodipina + Atorvastatina Varfarina

Observações: Os dados de um estudo de interacção fármaco-fármaco que envolveu 10 mg de amlodipina e 80 mg de atorvastatina em indivíduos saudáveis indicam que a farmacocinética da amlodipina não é alterada quando os fármacos são co-administrados. Não foi demonstrado nenhum efeito da amlodipina na Cmáx da atorvastatina, mas a AUC da atorvastatina aumentou 18% (IC 90% [109-127%]) na presença de amlodipina. Não foi realizado nenhum estudo de interacção medicamentosa com a associação fixa de amlodipina e atorvastatina e outros fármacos, embora tenham sido realizados estudos com os componentes individuais amlodipina e atorvastatina.
Interacções: Efeito da atorvastatina nos medicamentos co-administrados: Varfarina: Num estudo clínico em doentes que estavam a efetuar terapêutica crónica com varfarina, a co-administração de 80 mg de atorvastatina por dia com varfarina originou uma pequena diminuição de cerca de 1,7 segundos do tempo de protrombina durante os primeiros 4 dias de toma que regressaram ao normal após 15 dias de tratamento com atorvastatina. Embora apenas tenham sido notificados casos muito raros de interacções clinicamente significativas com o anticoagulante, o tempo de protrombina deverá ser determinado antes de iniciar a atorvastatina nos doentes que se encontrem a tomar anticoagulantes cumarínicos e com uma frequência suficiente durante o início do tratamento para garantir que não ocorre nenhuma alteração significativa do tempo de protrombina. Assim que tiver sido documentado um tempo de protrombina estável, os tempos de protrombina podem ser monitorizados nos intervalos geralmente recomendados para doentes sob tratamento com anticoagulantes cumarínicos. Se a dose de atorvastatina for alterada ou se a atorvastatina for descontinuada, deverá repetir-se o mesmo procedimento. A terapêutica com atorvastatina não foi associada com hemorragias nem com alterações do tempo de protrombina em doentes que não se encontrem a tomar anticoagulantes. - Varfarina
Usar com precaução

Leflunomida Varfarina

Observações: Os estudos de interacção só foram efetuados em adultos.
Interacções: Estudos in vitro indicam que o A771726 inibe a actividade do citocromo P4502C9 (CYP2C9). Em ensaios clínicos, não foram observados problemas de segurança quando a leflunomida e AINE metabolizados pelo CYP2C9, foram administrados concomitantemente. Recomenda-se precaução quando a leflunomida é administrada em conjunto com medicamentos (para além dos AINE) metabolizados pelo CYP2C9, como a fenitoína, a varfarina, fenprocumon e a tolbutamida. - Varfarina
Sem efeito descrito

Febuxostate Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Colquicina/indometacina/hidroclorotiazida/varfarina: O febuxostate pode ser co-administrado com colquicina ou indometacina sem que seja necessário qualquer ajuste do febuxostate ou da substância activa administrada concomitantemente. Não é necessário ajuste da dose do febuxostate quando administrado com hidroclorotiazida. Não é necessário ajuste da dose da varfarina quando administrada com febuxostate. A administração de febuxostate (80 mg ou 120 mg uma vez por dia) com varfarina não teve qualquer efeito na farmacocinética da varfarina em indivíduos saudáveis. O INR e a actividade do Fator VII também não foram afectados pela administração concomitante de febuxostate. - Varfarina
Sem efeito descrito

Amlodipina + Olmesartan medoxomilo Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: interacções potenciais relacionadas com o componente olmesartan medoxomilo: Informação adicional: O olmesartan medoxomilo não teve efeito significativo na farmacocinética ou na farmacodinâmica da varfarina nem na farmacocinética da digoxina. Efeitos da amlodipina noutros medicamentos: Em estudos clínicos de interacção, a amlodipina não afetou a farmacocinética da atorvastatina, digoxina, varfarina ou ciclosporina. - Varfarina
Não recomendado/Evitar

Metronidazol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: O metronidazol pode potenciar o efeito anticoagulante da varfarina, resultando num aumento do tempo de protrombina, pelo que a administração concomitante deve ser evitada. - Varfarina
Usar com precaução

Amlodipina + Olmesartan medoxomilo + Hidroclorotiazida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: interacções potenciais relacionadas com OLMESARTAN MEDOXOMILO: Informação adicional: O olmesartan medoxomilo não teve efeito significativo na farmacocinética ou na farmacodinâmica da varfarina nem na farmacocinética da digoxina. interacções potenciais relacionadas com AMLODIPINA: Uso concomitante que requer precaução: Efeitos da amlodipina noutros medicamentos: O efeito de diminuição da tensão arterial da amlodipina adiciona-se aos efeitos de diminuição da tensão arterial de outros agentes antihipertensores. Em estudos clínicos de interacção, a amlodipina não afetou a farmacocinética da atorvastatina, digoxina, varfarina ou ciclosporina. - Varfarina
Usar com precaução

Gadofosveset Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Uma vez que o gadofosveset se liga à albumina, é possível uma interacção com outras substâncias activas que se ligam às proteínas plasmáticas (por exemplo, ibuprofeno e varfarina), ou seja, pode dar-se uma competição pelo local de ligação das proteínas. Porém, em vários estudos in vitro de interacção farmacológica (em 4,5% de albumina sérica humana e plasma humano), o gadofosveset não demonstrou qualquer interacção adversa com digitoxina, propranolol, verapamil, varfarina, fenprocoumon, ibuprofeno, diazepam, cetoprofeno, naproxeno, diclofenac e piroxicam em concentrações clinicamente relevantes. Estudos in vitro com microssomas hepáticos humanos não indicaram qualquer potencial de inibição do sistema enzimático do citocromo P450. Num estudo clínico, ficou demonstrado que o Gadofosveset não afecta a fracção não-ligada da varfarina no plasma. A actividade anticoagulante da varfarina não foi alterada e a eficácia do medicamento não foi influenciada. - Varfarina
Sem efeito descrito

Lasofoxifeno Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Em estudos clínicos o lasofoxifeno não alterou o metabolismo do dextrometorfano (substrato do CYP2D6) e clorozoxazona (substrato do CYP2E1) ou a farmacocinética da varfarina (substrato do CYP2C9), metilprednisolona (substrato do CYP3A4 ) ou digoxina (substrato da glicoproteina-P MDR1). Deste modo é pouco provável que lasofoxifeno altere a farmacocinética de medicamentos que são eliminados por via do metabolismo destas isoformas do citocromo P450, ou são transportados pela glicoproteína-P MDR1. Varfarina: O lasofoxifeno não teve efeito na farmacocinética da varfarina – R e -S. A AUC média do INR ( international normalized ratio ) e o valor máximo do INR após uma administração única de varfarina com lasofoxifeno foram, aproximadamente, 8% e 16% inferiores, respectivamente, do que após a administração de varfarina isolada. Estas alterações não foram consideradas clinicamente significativas. - Varfarina
Sem efeito descrito

Levodropropizina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Nos estudos realizados em animais, verificou-se que o fármaco não modifica a actividade dos anticoagulantes orais como a varfarina, e não interfere na acção hipoglicemiante da insulina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Mitotano Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Anticoagulantes de tipo varfarina e cumarina: Foi descrito que o mitotano acelera o metabolismo da varfarina através da indução enzimática de microssomas hepáticos, o que leva a um aumento na dose de varfarina necessária. Por isso, os doentes deverão ser controlados de perto por forma a ser deteta da a necessidade de uma alteração na dose de anticoagulante, ao ser administra do mitotano a doentes sob o efeito de anticoagulantes de tipo cumarina. - Varfarina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lesinurad Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Efeitos do lesinurad noutros medicamentos: Varfarina: Num estudo de interacção realizado em indivíduos saudáveis com doses múltiplas de Lesinurad 400 mg e uma dose única de varfarina (25 mg), o lesinurad originou uma diminuição da exposição da R-varfarina (o enantiomero menos ativo) e não teve qualquer efeito sobre a exposição da S-varfarina (o enantiomero mais ativo). Adicionalmente o lesinurad originou uma diminuição de 6-8% da Razão Internacional Normalizada (INR) e do Tempo de Protrombina (TP). Deve ser aplicado o calendário de monitorização padrão da INR e não são necessárias mais ações. - Varfarina
Usar com precaução

Amlodipina + Valsartan Varfarina

Observações: Não foram realizados estudos de interacção medicamentosa com Amlodipina / Valsartan e outros medicamentos.
Interacções: interacções associadas à AMLODIPINA: A ter em consideração aquando da utilização concomitante: Outras: Em estudos de interacção clínica, a amlodipina não alterou a farmacocinética da atorvastatina, digoxina, varfarina ou ciclosporina. interacções associadas ao VALSARTAN: Outras: Em monoterapia com valsartan não se verificaram interacções clinicamente significativas com as seguintes substâncias: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida. - Varfarina
Sem efeito descrito

Finasterida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Não foram identificadas interacções medicamentosas clinicamente significativas. A finasterida parece não afectar de forma significativa o sistema enzimático metabolizador de medicamentos associado ao citocromo P450. Embora se estime que o risco da finasterida afectar a farmacocinética de outros medicamentos seja baixo, é provável que os inibidores e indutores do citocromo P450 3A4 afetem a concentração plasmática da finasterida. No entanto, com base nas margens de segurança estabelecidas, qualquer aumento devido à utilização concomitante de tais inibidores é pouco provável que tenha significância clínica. Os seguintes medicamentos foram investigados no homem não tendo sido detetadas interacções clinicamente significativas: propranolol, digoxina, glibenclamida, varfarina, teofilina, fenazona e antipirina, não tendo sido encontradas quaisquer interacções significativas do ponto de vista clínico. - Varfarina
Usar com precaução

Fluoxetina Varfarina

Observações: Estudos de interacção só foram efectuados em adultos.
Interacções: Combinações que requerem precauções na utilização: Anticoagulantes orais: A alteração dos efeitos anticoagulantes (valores laboratoriais e/ou sinais e sintomas clínicos), sem um padrão consistente, mas incluindo um aumento de hemorragia, foi registada com pouca frequência quando a fluoxetina foi administrada concomitantemente com anticoagulantes orais. Os doentes submetidos a terapêutica com varfarina, devem ser objecto de monitorização cuidadosa da coagulação quando iniciarem ou descontinuarem a fluoxetina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lomefloxacina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: As quinolonas podem aumentar os efeitos dos anticoagulantes orais, varfarina ou seus derivados. Apesar da administração simultânea de varfarina e lomefloxacina não demonstrar diferenças clinicamente significativas no tempo de protrombina, este deve ser monitorizado e devem efectuar-se outros testes de coagulação. - Varfarina
Sem efeito descrito

Metformina + Pioglitazona Varfarina

Observações: Não existem estudos formais de interacção para Metformina/Pioglitazona. Os parágrafos seguintes refletem a informação disponível acerca das substâncias ativas individualmente (pioglitazona e metformina).
Interacções: PIOGLITAZONA: Os estudos de interacção demonstraram que a pioglitazona não possui efeitos relevantes quer sobre a farmacocinética quer sobre a farmacodinâmica da digoxina, varfarina, femprocumom e metformina. - Varfarina
Usar com precaução

Mianserina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Tal como com outros antidepressores, Mianserina pode afectar o metabolismo dos derivados cumarínicos, tal como a varfarina, necessitando de vigilância clínica. - Varfarina
Sem efeito descrito

Colestilano Varfarina

Observações: Os estudos de interacção for am realizados em voluntários saudáveis. Não foram realizados estudos de interacção a doses diárias >9 g, não sendo por isso possível excluir a ocorrência de efeitos de interacção mais significativos a doses mais elevadas de Colestilano.
Interacções: Estudos de interacção de uma única dose demonstraram que a biodisponibilidade de ciprofloxacina, varfarina e enalapril não foi afectada quando co-administrados com Colestilano (6-9 g/dia). - Varfarina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Colestiramina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Colestiramina pode retardar ou reduzir a absorção de medicamentos administrados concomitantemente por via oral, tais como, fenilbutazona, varfarina, clorotiazida, tetraciclina, penicilina G, fenobarbital, preparações da tiroide e tiroxina e digitálicos. - Varfarina
Sem efeito descrito

Encainida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Em estudos de possíveis desplazamietos de proteínas de plasma de várias drogas que podem ser administradas concomitantemente não foi observada qualquer alteração significativa na proteína de ligação da encainida, ODE ou MODO "in vitro"; nem altas concentrações de encainida e dos seus metabólitos alteram a ligação de outros medicamentos, incluindo medicamentos que se ligam extensivamente ás proteínas tais como varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Fondaparinux sódico Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os anticoagulantes orais (varfarina), antiagregantes plaquetários (ácido acetilsalicílico), AINEs (piroxicam) e digoxina não interagem com a farmacocinética de fondaparinux. A dose de fondaparinux (10 mg) nos estudos de interacção foi superior à dose recomendada nas presentes indicações. Fondaparinux não influencia o INR da varfarina nem o tempo de hemorragia sob tratamento com ácido acetilsalicílico ou piroxicam, nem a farmacocinética da digoxina no estado de equilíbrio. - Varfarina
Usar com precaução

Atorvastatina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Varfarina: Num estudo clínico em doentes a receber terapêutica crónica com varfarina, a administração concomitante de atorvastatina 80 mg por dia com varfarina causou uma ligeira diminuição de cerca de 1,7 segundos no tempo de protrombina durante os primeiros 4 dias de tratamento, o qual normalizou após 15 dias de tratamento com atorvastatina. Apesar de serem muito raros os casos notificados de interacção clinicamente significativa com anticoagulantes, nos doentes a tomar anticoagulantes cumarínicos, o tempo de protrombina deve ser determinado antes de iniciar a atorvastatina e de modo frequente durante a terapêutica inicial, de modo a garantir que não ocorrem alterações significativas no tempo de protrombina. Depois de alcançado um tempo de protombina estável, os tempos de protrombina podem ser monitorizados em intervalos geralmente recomendados para doentes com anticoagulantes cumarínicos. Se a dose de atorvastatina for alterada ou descontinuada, o mesmo procedimento deverá ser repetido. A terapêutica com atorvastatina não foi associada a hemorragias ou a alterações no tempo de protrombina em doentes que não tomam anticoagulantes. - Varfarina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Aprepitant Varfarina

Observações: O aprepitant é um substrato e um inibidor, dependente da dose e um indutor do CYP3A4. O aprepitant é também um indutor do CYP2C9. Durante o tratamento, o aprepitant na dose única de 40 mg recomendada para a náusea e vómito no pós-operatório resulta numa inibição fraca do CYP3A4. Após o tratamento, o Aprepitant causa uma indução ligeira transitória do CYP2C9, CYP3A4 e da glucuronidação. O aprepitant também foi estudado em doses superiores. Durante o tratamento da náusea e vómito induzidos pela quimioterapia (NVIQ), o aprepitant no esquema terapêutico de 3 dias de 125 mg/80 mg é um inibidor moderado do CYP3A4. O aprepitant não parece interagir com a glicoproteína-P transportadora, tal como demonstrado pela ausência de interacção entre o aprepitant por via oral com a digoxina.
Interacções: A co-administração de Aprepitant com substâncias activas que se sabe serem metabolizadas pelo CYP2C9 (ex. fenitoína, varfarina), pode resultar em concentrações plasmáticas mais baixas destas substâncias activas. - Varfarina
Usar com precaução

Lumacaftor + Ivacaftor Varfarina

Observações: O lumacaftor é um indutor potente das CYP3A e o ivacaftor é um inibidor fraco das CYP3A, quando administrados em monoterapia. Existe a possibilidade de outros medicamentos afetarem lumacaftor/ivacaftor quando administrados concomitantemente, assim como de lumacaftor/ivacaftor afetar outros medicamentos.
Interacções: Varfarina: É necessário monitorizar a Razão Normalizada Internacional (INR) quando a varfarina é coadministrada com lumacaftor/ivacaftor. Lumacaftor/ivacaftor pode alterar a exposição da varfarina. - Varfarina
Sem significado Clínico

Rosiglitazona Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Não foram observadas interacções clinicamente relevantes com a digoxina, com o substrato de CYP2C9 varfarina, nem com os substratos de CYP3A4 nifedipina, etinilestradiol ou noretindrona, após administração concomitante com a rosiglitazona. - Varfarina
Usar com precaução

Rosuvastatina Varfarina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos. A extensão das interações na população pediátrica não é conhecida.
Interacções: Antagonistas da vitamina K: À semelhança dos outros inibidores da HMG-CoA redutase, o início do tratamento ou o aumento da dose de rosuvastatina em doentes tratados concomitantemente com antagonistas da vitamina K (ex.: varfarina ou outro anticoagulante cumarínico) poderá originar um aumento da Relação Internacional Normalizada (INR). A descontinuação ou a redução da dose de rosuvastatina poderão resultar num decréscimo do INR. Nessas situações, é desejável uma monitorização apropriada da INR. - Varfarina
Usar com precaução

Rufinamida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Não é de excluir que a rufinamida possa também diminuir a exposição de substâncias metabolizadas por outras enzimas ou transportados por outras proteínas transportadoras tais como a glicoproteína P. Recomenda-se que os doentes tratados com substâncias que são metabolizadas pelo complexo enzimático CYP3A4 sejam cuidadosamente monitorizados durante duas semanas no início ou após o fim do tratamento com rufinamida, ou após qualquer alteração significativa da dose. Pode ser necessário considerar um ajuste na dose do medicamento concomitantemente administrado. Estas recomendações devem também ser consideradas quando a rufinamida é utilizada concomitantemente com substâncias com um intervalo terapêutico estreito como a varfarina e a digoxina. Um estudo específico de interacção em indivíduos saudáveis não revelou qualquer influência da rufinamida numa dose de 400 mg b.i.d. na farmacocinética da olanzapina, um substrato da CYP1A2. - Varfarina
Sem efeito descrito

Atomoxetina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Fármacos com elevada ligação às proteínas do plasma: Foram efetuados estudos sobre o deslocamento de fármacos in vitro com atomoxetina e fármacos de elevada ligação em concentrações terapêuticas. Varfarina, ácido acetilsalicílico, fenitoína ou diazepam não afetaram a ligação de atomoxetina à albumina humana. De modo semelhante, a atomoxetina não afetou a ligação destes compostos à albumina humana. - Varfarina
Usar com precaução

Drotrecogina alfa Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Deve ter-se cuidado quando se utilizar Drotrecogina alfa com outros fármacos que afectam a hemostase incluindo Proteína C, trombolíticos (por ex. estreptoquinase, tPA, rPA e uroquinase), anticoagulantes orais (por ex. varfarina), hirudinas, antitrombina, Ácido Acetilsalicílico e outros agentes antiplaquetários (por ex. anti-inflamatórios não esteróides, ticlopidina e clopidogrel), antagonistas da glicoproteína IIb/IIIa (como o abciximab, eptifibatide e tirofibano) e prostaciclinas como o iloprost. - Varfarina
Usar com precaução

Butilescopolamina + Paracetamol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: A relevância clínica das interacções entre o paracetamol e a varfarina, assim como com os derivados cumarínicos, não pôde ser ainda avaliada. Como tal, o uso de paracetamol a longo prazo em doentes tratados com anticoagulantes orais só é aconselhável sob vigilância médica. - Varfarina
Sem significado Clínico

Carbonato de lantânio Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Estudos efetuados em voluntários humanos saudáveis mostraram que a administração concomitante de Carbonato de lantânio com digoxina, varfarina ou metoprolol, não produz alterações clinicamente significativas nos perfis farmacocinéticos destes fármacos. Num modelo de simulação do suco gástrico, o carbonato de lantânio hidratado não formou complexos insolúveis com a varfarina, digoxina, furosemida, fenitoína, metoprolol ou enalapril, o que sugere que o seu potencial para afectar a absorção destes fármacos é reduzido. - Varfarina
Usar com precaução

Cefazolina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Anticoagulantes: Cefalosporinas podem muito raramente causar doenças do sangue. Durante a utilização concomitante com anticoagulantes (por ex. varfarina ou heparina) em doses elevadas, os parâmetros de coagulação devem ser monitorizados. Têm sido relatados em pacientes recebendo antibióticos, um largo número de casos que mostra um aumento da actividade de anticoagulantes orais, Contextos infeciosos e inflamatórios, idade e o estado geral do doente, aparecem como fatores de risco. Nestas circunstâncias é difícil de estimar a parte da responsabilidade entre a doença infeciosa e o seu tratamento na ocorrência de distúrbios de rácio normalizado internacional. No entanto, algumas classes de antibióticos estão mais envolvidos, nomeadamente fluoroquinolonas, macrólitos, ciclinas, cotrimoxazol e algumas cefalosporinas. - Varfarina
Não recomendado/Evitar

Cetoprofeno + Omeprazol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Ligadas ao componente CETOPROFENO: Utilização concomitante não recomendada: Anticoagulantes: Os AINEs podem potenciar os efeitos de anticoagulantes como a varfarina ou heparina. Ligadas ao componente OMEPRAZOL: Combinações que podem ser administradas com precaução: Medicamentos metabolizados pelo citocromo P450: O Omeprazol é metabolizdo no fígado através do citocromo P450 (principalmente CYP 2C19, S-mefenitoína hidroxilase) e inibe enzimas da sub família CYP2C (CYP 2C19 e CYP 2C9) e pode retardar a eliminação de outras substâncias activas metabolizadas por estes enzimas. Isto foi observado para a fenitoína, varfarina e benzodiazepinas como o diazepam, triazolam e flurazepam. Recomenda-se a monitorização periódica dos doentes tratados com varfarina ou fenitoína, podendo ser necessário a redução da dose. Outras substâncias activas que podem ser afectadas são hexabarbital, citalopram, imipramina e clomipramina. O Omeprazol pode inibir o metabolismo hepático do disulfiram sendo possível a ocorrência de alguns casos de rigidez muscular. - Varfarina
Sem significado Clínico

Insulina glargina + Lixisenatido Varfarina

Observações: Não foram realizados estudos de interacção com Insulina glargina + Lixisenatido. A informação fornecida a seguir baseia-se em estudos com os componentes individuais. Algumas substâncias afetam o metabolismo da glicose e podem exigir o ajuste posológico de Insulina glargina + Lixisenatido
Interacções: Varfarina e outros derivados cumarínicos Após a administração concomitante de 25 mg de varfarina com doses repetidas de 20 µg de lixisenatido, não houve qualquer efeito sobre a AUC ou o INR (International Normalised Ratio), ao passo que a Cmáx. diminuiu em 19% e o tmáx. sofreu um atraso de 7 horas. Com base nestes resultados, não é necessário um ajuste posológico da varfarina quando coadministrada com lixisenatido; no entanto, recomenda-se monitorizar o INR com frequência em doentes a fazer terapêutica com varfarina e/ou derivados cumarínicos ao se iniciar ou terminar o tratamento com lixisenatido. - Varfarina
Sem efeito descrito

Ramipril + Amlodipina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Associadas à amlodipina Efeitos da amlodipina sobre outros medicamentos Nos estudos de interacção clínica, a amlodipina não afetou a farmacocinética da atorvastatina, da digoxina ou da varfarina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Rosuvastatina + Ezetimiba Varfarina

Observações: Se for a um hospital ou receber tratamento para outra condição, informe a equipa médica que está a tomar Rosuvastatina / Ezetimiba.
Interacções: Fármacos para diluir o sangue, por ex., varfarina, acenocumarol ou fluindiona (o seu efeito de diluição do sangue e o risco de hemorragia podem ser aumentados durante a utilização concomitante com Rosuvastatina / Ezetimiba). - Varfarina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Ciclofosfamida Varfarina

Observações: A coadministração planeada ou a administração sequencial de outras substâncias ou tratamentos que podem aumentar os efeitos semelhantes ou a gravidade da toxicidade (através de interacções farmacodinâmicas ou farmacocinéticas) exigem uma avaliação individual cuidada dos benefícios e dos riscos esperados. Os doentes que recebem tais combinações devem ser monitorizados cuidadosamente quanto a sinais de toxicidade para permitir uma intervenção atempada. Os doentes em tratamento com ciclofosfamida e agentes que reduzem a sua ativação devem ser monitorizados quanto a uma possível redução da eficácia terapêutica e a necessidade de um ajuste de dose.
Interacções: interacções que afectam a farmacocinética e/ou ações de outros medicamentos: - Cumarinas Ambos os efeitos, de aumento ou diminuição, da varfarina foram notificados em doentes a receber varfarina e ciclofosfamida. - Varfarina
Usar com precaução

Clindamicina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Antagonistas da vitamina k: Aumento dos valores de referência dos testes de coagulação (TP/INR) e/ou hemorragia têm sido relatados em doentes tratados com clindamicina em combinação com um antagonista da vitamina K (ex. varfarina, acenocumarol, fluindiona). Por conseguinte, a monitorização frequente dos testes de coagulação (TP/INR) deverá ser efetuada em doentes tratados com antagonistas da vitamina K. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloranfenicol Varfarina

Observações: O cloranfenicol é metabolizado no fígado e, como tal, pode interagir com os fármacos metabolizados pelas enzimas microssomais hepáticas.
Interacções: O cloranfenicol potencia o efeito dos anticoagulantes cumarínicos como o dicumarol e varfarina sódica, de alguns agentes hipoglicemiantes como a clorpropamida e tolbutamida. - Varfarina
Sem efeito descrito

Diacereína Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Não foram descritas interacções farmacológicas com varfarina, fenitoína, indometacina, ácido salicílico, glibenclamida e hidroclorotiazida. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol + Pseudoefedrina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: O efeito anticoagulante da varfarina e de outras cumarinas pode ser potenciado pelo uso diário prolongado de Paracetamol / Pseudoefedrina, com aumento do risco de hemorragia. Doses pontuais não terão efeitos significativos. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol + Tiocolquicosido Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: O paracetamol contido neste medicamento pode potenciar o efeito dos anticoagulantes derivados da cumarina ou da indandiona, tais como o acenocumarol, a fenprocumona e a varfarina, possivelmente por uma diminuição da velocidade de síntese hepática dos factores plasmáticos da coagulação, produzidos pelo fígado. Este efeito está associado a uma administração reiterada de doses superiores a 2 g de paracetamol por dia. No entanto, em caso de tratamento com anticoagulantes orais, pode administrar-se, ocasionalmente, como analgésico de eleição. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Peginterferão alfa-2b Varfarina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: Teofilina, Antipirina, Varfarina: Tem sido notificado o aumento da concentração sanguínea destes medicamentos quando administrados em combinação com outras preparações de interferão, pelo que deve ser tida precaução. O metabolismo hepático dos outros medicamentos pode estar suprimido. - Varfarina
Usar com precaução

Pergolida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Não há estudos que envolvam a administração concomitante de pergolida e varfarina. Quando estes dois fármacos forem prescritos em conjunto, deverá haver cuidadosa monitorização da anticoagulação com ajustamentos das doses quando necessário. Devido ao risco de hipotensão postural e/ou hipotensão continuada em doentes que tomem pergolida, deverá haver cuidado se for co-administrado com agentes antihipertensores. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ciprofloxacina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Efeitos da ciprofloxacina noutros medicamentos: Anticoagulantes orais: A administração simultânea de ciprofloxacina com varfarina pode aumentar os seus efeitos anticoagulantes. Foi notificado um número elevado de casos de aumento da actividade anticoagulante oral em doentes a receberem agentes antibacterianos, incluindo fluoroquinolonas. O risco pode variar com a infecção subjacente, idade e estado geral do doente, pelo que a contribuição das fluoroquinolonas para o aumento no INR (índice normalizado internacional) é difícil de avaliar. Recomenda-se que o INR seja frequentemente monitorizado durante e imediatamente após a co-administração de ciprofloxacina com um agente anticoagulante oral. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Danazol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Anticoagulantes orais: O Danatrol pode potenciar a acção da varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Dapagliflozina Varfarina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: Efeitos da dapagliflozina noutros medicamentos: Em estudos de interacção realizados em indivíduos saudáveis, utilizando essencialmente um desenho de dose única, a dapagliflozina não alterou a farmacocinética da metformina, pioglitazona, sitagliptina, glimepirida, hidroclorotiazida, bumetanida, valsartan, digoxina (um substrato da P-gp) ou varfarina (S-varfarina, um substrato do CYP2C9), ou os efeitos anticoagulantes da varfarina medidos pelo INR. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Proglumetacina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Anticoagulantes: Os AINE podem aumentar os efeitos dos anticoagulantes, tais como a varfarina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Propafenona Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Tendo em conta que o cloridrato de propafenona pode aumentar os níveis plasmáticos dos anticoagulantes orais (ex. fenprocoumon, varfarina), resultando num aumento do tempo de protrombina, recomenda-se uma monitorização cuidadosa da coagulação nos doentes tratados concomitantemente com estes fármacos, devendo ser realizados ajustamentos de dose, se necessário. - Varfarina
Usar com precaução

Secnidazol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Ao potencializar o efeito anticoagulante da varfarina, a administração conjunta deve ser feita sob rigoroso controlo médico. O tempo de protrombina deve ser cuidadosamente monitorizado e deverão ser feitos ajustes de dose sempre que necessário. - Varfarina
Usar com precaução

Sertralina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Precauções especiais: Varfarina: A co-administração de sertralina, na dose diária de 200 mg, com varfarina, resultou num pequeno, mas estatisticamente significativo, aumento no tempo de protrombina, o que pode em alguns casos raros desequilibrar o valor de INR. Assim, o tempo de protrombina deve ser cuidadosamente monitorizado quando se inicia ou interrompe a terapêutica com a sertralina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Sevelâmero Varfarina

Observações: Diálise: Não foram realizados estudos de interacção em doentes submetidos a diálise.
Interacções: Digoxina, varfarina, enalapril ou metoprolol: Em estudos de interacção em voluntários saudáveis, o Sevelâmero não teve qualquer efeito sobre a biodisponibilidade da digoxina, varfarina, enalapril ou metoprolol. - Varfarina
Usar com precaução

Citalopram Varfarina

Observações: Interações farmacocinéticas: A biotransformação do citalopram para desmetilcitalopram é mediada pelas isoenzimas do sistema citocromo P450 CYP2C19 (aproximadamente 38%), CYP3A4 (aproximadamente 31%) e CYP2D6 (aproximadamente 31%). O facto do citalopram ser metabolizado por mais de um CYP significa que a inibição da sua biotransformação é menos provável, uma vez que a inibição de uma enzima pode ser compensada por outra. Consequentemente, a administração concomitante de citalopram com outros medicamentos na prática clínica tem uma probabilidade muito baixa de originar interações farmacocinéticas medicamentosas.
Interacções: Hemorragias: É necessária precaução em doentes que estão a ser tratados simultaneamente com anticoagulantes (como a varfarina), medicamentos que afectam a função dos trombócitos, como medicamentos anti-inflamatórios não esteróides (AINE), ácido acetilsalicílico, dipiridamol e ticlopidina ou outros medicamentos (p.ex. antipsicóticos atípicos)que podem aumentar o risco de hemorragia. Influência do citalopram na farmacocinética de outros medicamentos: O citalopram e o desmetilcitalopram são inibidores negligenciáveis do CYP2C9, CYP2E1 e CYP3A4, e apenas inibidores fracos do CYP1A2, CYP2D6 e CYP2C19, em comparação com outros ISRSs estabelecidos como inibidores significativos. Assim, não foi observada nenhuma alteração ou apenas foram observadas alterações muito pequenas sem importância clínica quando o citalopram foi administrado com substratos do CYP1A2 (clozapina e teofilina), CYP2C9 (varfarina), CYP2C19 (imipramina e mefenitoina), CYP2D6 (esparteina, imipramina, amitriptilina, a risperidona) e CYP3A4 (varfarina, carbamazepina (e o seu metabólito epóxido da carbamazepina) e triazolam). - Varfarina
Usar com precaução

Claritromicina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Efeitos da Claritromicina em outros medicamentos: Sabe-se ou suspeita-se que os fármacos ou classes seguintes são metabolizados pela isoenzima CYP3A: Alprazolam, astemizol, carbamazepina, cilostazol, cisaprida, ciclosporina, disopiramida, alcaloides da cravagem do centeio, lovastatina, metilprednisolona, midazolam, omeprazol, anticoagulantes orais (por ex. varfarina), pimozida, quinidina, rifabutina, sildenafil, sinvastatina, tacrolímus, terfenadina, triazolam e vimblastina. Fármacos com interacção por mecanismos semelhantes através de outras isoenzimas no sistema do citocromo P450 incluem a fenitoína, teofilina e valproato. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clomipramina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: interacções farmacocinéticas: Alguns antidepressivos tricíclicos podem potenciar o efeito anticoagulante dos medicamentos cumarínicos, tais como a varfarina, e isto pode acontecer através da inibição do seu metabolismo (CYP2C19). Não existe evidência da capacidade da clomipramina para inibir o metabolismo dos anticoagulantes, tais como varfarina, no entanto, para esta classe de medicamentos, recomenda-se a monitorização cuidadosa da protrombina plasmática. - Varfarina
Sem efeito descrito

Olanzapina Varfarina

Observações: Só foram efectuados estudos de interacção em adultos. Interações potenciais que afectam a olanzapina: Dado que a olanzapina é metabolizada pela CYP1A2, as substâncias que podem induzir ou inibir dum modo específico esta isoenzima podem afectar a farmacocinética da olanzapina.
Interacções: Assim, não é esperada nenhuma interacção especial, tal como comprovado nos estudos in vivo, onde não se verificou nenhuma inibição do metabolismo das seguintes substâncias activas: Antidepressivos tricíclicos (que representam maioritariamente a via CYP2D6), varfarina (CYP2C9), teofilina (CYP1A2) ou diazepam (CYP3A4 e 2C19). - Varfarina
Sem efeito descrito

Olmesartan medoxomilo Varfarina

Observações: Os estudos de interacção foram apenas realizados em adultos.
Interacções: Efeitos de outros fármacos no olmesartan medoxomilo: Outros compostos: A administração concomitante de varfarina e de digoxina não teve efeito na farmacocinética do olmesartan. Efeitos do olmesartan medoxomilo noutros fármacos: Outros compostos: Substâncias que foram investigadas em estudos clínicos específicos em voluntários saudáveis incluem a varfarina, a digoxina, um antiácido (hidróxido de alumínio e magnésio), a hidroclorotiazida e a pravastatina. Não foram observadas interacções clinicamente relevantes e, em particular, o olmesartan medoxomilo não teve efeito significativo na farmacocinética ou na farmacodinâmica da varfarina nem na farmacocinética da digoxina. - Varfarina
Usar com precaução

Norfloxacina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: As quinolonas, incluindo a norfloxacina, podem realçar os efeitos do anticoagulante oral varfarina ou dos seus derivados. Quando estes produtos são administrados concomitantemente, os testes do tempo de protrombina ou outros sobre a coagulação devem ser vigiados de perto. - Varfarina
Sem efeito descrito

Nimodipina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: interacções que se comprovou não existirem: A administração concomitante de nimodipina oral e diazepam, digoxina, glibenclamida, indometacina, ranitidina e varfarina não revelou qualquer potencial para interacção mútua. - Varfarina
Sem efeito descrito

Galantamina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Efeito da galantamina no metabolismo de outros medicamentos: Doses terapêuticas de galantamina (24 mg/dia) não têm efeito sobre a cinética da digoxina, embora possam ocorrer interacções farmacodinâmicas. Doses terapêuticas de galantamina (24 mg/dia) não têm efeito sobre a cinética e o tempo de protrombina da varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Losartan + Amlodipina Varfarina

Observações: Não foram realizados estudos de interacção medicamentosa com o Losartan / Amlodipina e outros medicamentos. Não foram realizados estudos de interacção medicamentosa na população pediátrica.
Interacções: interacções relacionadas com a amlodipina Efeitos da amlodipina em outros medicamentos: Os efeitos de redução da pressão arterial da amlodipina somam-se aos efeitos de redução da pressão arterial de outros medicamentos com efeito anti-hipertensor. Em estudos clínicos de interacção, a amlodipina não afetou a farmacocinética de atorvastatina, digoxina e varfarina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clozapina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Fármacos com elevada ligação às proteínas (ex: varfarina e digoxina): A clozapina pode provocar um aumento na concentração plasmática destes fármacos devido à deslocação das proteínas plasmáticas. Os doentes devem ser monitorizados quanto à ocorrência de efeitos indesejáveis associados a estes fármacos, e as doses do fármaco ligado às proteínas devem ser ajustadas, se necessário. - Varfarina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Oxcarbazepina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os resultados com varfarina não evidenciaram interacção quer com doses únicas quer com doses repetidas de oxcarbazepina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Tolvaptano Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Efeito de tolvaptano na farmacocinética de outros medicamentos: Substratos do CYP3A: Em indivíduos saudáveis, tolvaptano, um substrato do CYP3A, não teve efeito sobre as concentrações plasmáticas de alguns outros substratos do CYP3A (por exemplo, varfarina ou amiodarona). Tolvaptano aumentou os níveis plasmáticos da lovastatina em 1,3 a 1,5 vezes. Ainda que este aumento não tenha relevância clínica, indica que tolvaptano pode aumentar potencialmente a exposição a substratos do CYP3A4. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol + Bromofeniramina + Cafeína + Ácido ascórbico Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: O paracetamol pode potenciar ligeiramente o efeito anticoagulante da varfarina e derivados cumarínicos. No entanto, a relevância clínica ainda não foi avaliada. - Varfarina
Usar com precaução

Pirimetamina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: A elevada ligação às proteínas exibida pela pirimetamina pode prevenir a ligação proteica por outros compostos (ex.: quinina ou varfarina). Isto pode afectar a eficácia ou toxicidade do fármaco concomitante dependendo dos níveis de fármaco não ligado. - Varfarina
Sem efeito descrito

Rivastigmina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Não se observou qualquer interacção farmacocinética da rivastigmina com digoxina, varfarina, diazepam ou fluoxetina nos estudosem voluntários saudáveis. O aumento do tempo de protrombina induzido pela varfarina não é afectado pela administração de rivastigmina. Não se observaram quaisquer efeitos indesejáveis sobre a condução cardíaca após a administração concomitante de digoxina e rivastigmina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Roflumilaste Varfarina

Observações: Os estudos de interacção foram apenas realizados em adultos.
Interacções: Não foram observadas interacções com salbutamol inalado, formoterol, budesonida, montelucaste oral, digoxina, varfarina, sildenafil e midazolam. - Varfarina
Sem significado Clínico

Sitagliptina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os estudos in vitro sugerem que a sitagliptina não inibe nem induz as isoenzimas do CYP450. Nos estudos clínicos, a sitagliptina não alterou de forma significativa a farmacocinética da metformina, gliburida, sinvastatina, rosiglitazona, varfarina ou dos Contraceptivos orais, evidenciando in vivo uma baixa propensão para causar interacções com substratos do CYP3A4, CYP2C8, CYP2C9 e transportador catiónico orgânico (OCT). A sitagliptina pode ser um fraco inibidor da glicoproteína-p in vivo. - Varfarina
Sem efeito descrito

Solifenacina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Efeito da solifenacina na farmacocinética de outros medicamentos: Varfarina: A ingestão de Solifenacina não alterou a farmacocinética da R-varfarina ou S- varfarina ou o seu efeito no tempo de protrombina. - Varfarina
Usar com precaução

Talidomida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Varfarina: Uma administração de dose múltipla de 200 mg de talidomida por dia durante 4 dias não teve qualquer efeito sobre o valor da Razão Normalizada Internacional (RNI) em voluntários saudáveis. Contudo, devido ao risco acrescido de trombose em doentes com cancro e ao metabolismo potencialmente acelerado da varfarina com corticosteróides, é aconselhada uma monitorização apertada dos valores de RNI durante o tratamento em combinação com talidomida-prednisona, bem como durante as primeiras semanas após a conclusão destes tratamentos. - Varfarina
Usar com precaução

Subcitrato de bismuto potássico + Metronidazol + Tetraciclina Varfarina

Observações: Não foram realizados estudos formais de interacção com esta associação. Antes do tratamento, deve ser verificada a necessidade de outra medicação concomitante em doentes que estejam a tomar este medicamento. Apesar de não ter sido detetada qualquer interacção específica com a associação, os doentes que tomem um grande número de medicamentos concomitantes têm geralmente um risco mais elevado de sofrerem efeitos indesejáveis e, por conseguinte, devem ser tratados com cuidado.
Interacções: interacções com o metronidazol: Anticoagulantes: Foi notificado que o metronidazol potencia o efeito anticoagulante da varfarina e de outros anticoagulantes orais com cumarina, resultando num prolongamento do tempo da protrombina. Por conseguinte, é necessária uma monitorização com o ajuste adequado da dose de anticoagulantes durante o tratamento com este medicamento. - Varfarina
Usar com precaução

Metoxsaleno Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Sendo um derivado cumarínico, é de crer que o metoxsaleno se ligue ao local de ligação da varfarina na albumina, o que poderá ser clinicamente importante quando se coadministram os dois medicamentos. - Varfarina
Usar com precaução

Modafinil Varfarina

Observações: Modafinil pode aumentar o seu próprio metabolismo através da indução da atividade do CYP3A4/5 mas o efeito é modesto, sendo improvável que tenha consequências clínicas significativas.
Interacções: Anticoagulantes: Devido à possível supressão do CYP2C9 pelo modafinil, a depuração da varfarina pode diminuir quando o modafinil é concomitantemente administrado. Os tempos de protrombina devem ser regularmente monitorizados durante os primeiros 2 meses de utilização do modafinil e após alterações na posologia do modafinil. - Varfarina
Sem efeito descrito

Quinapril + Hidroclorotiazida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Outros agentes: Não se registaram interacções farmacocinéticas clinicamente importantes quando se administrou quinapril em associação a Propranolol, hidroclorotiazida, digoxina ou cimetidina. O efeito anticoagulante de uma dose única de varfarina (medida pelo tempo de protrombina) não foi significativamente alterado pela administração combinada de quinapril, duas vezes ao dia. Quando administrados em concomitância, as seguintes drogas podem interagir com diuréticos tiazídicos. - Varfarina
Usar com precaução

Dabigatrano etexilato Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: AINE: Os AINE utilizados em analgesia peri-operatória de curta duração mostraram não estar associados a risco aumentado de hemorragia, quando administrados em conjunto com dabigatrano etexilato. Com a utilização crónica, os AINE aumentaram o risco de hemorragia em aproximadamente 50%, tanto com o dabigatrano como com a varfarina. Consequentemente, devido ao risco de hemorragia, particularmente para os AINE com semividas de eliminação > 12 horas, recomenda-se uma observação apertada em relação aos sinais de hemorragia. - Varfarina
Sem efeito descrito

Sacubitril + Valsartan Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Sem interacção significativa: Não foi observada nenhuma interacção medicamentosa clinicamente significativa quando Sacubitril / Valsartan foi co-administrado com digoxina, varfarina, hidroclorotiazida, amlodipina, omeprazol, carvedilol ou com a associação de levonorgestrel/etinilestradiol. - Varfarina
Sem efeito descrito

Ospemifeno Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Efeitos do ospemifeno sobre outros medicamentos: Foram realizados estudos de interacção medicamentosa com substratos de prova para o CYP2C9 (varfarina), CYP2C19 e CYP3A4 (omeprazol) e CYP2B6 (bupropiona). O ospemifeno não causou uma alteração clinicamente significativa na exposição aos substratos, indicando que o ospemifeno não afecta a actividade destas enzimas in vivo de forma clinicamente significativa. - Varfarina
Sem significado Clínico

Alogliptina Varfarina

Observações: A alogliptina é principalmente excretada sob a forma inalterada na urina e o metabolismo pelo sistema enzimático do citocromo (CYP) P450 é desprezável. Por conseguinte, não são esperadas nem foram observadas interacções com os inibidores do CYP. Estudos in vitro sugerem que a alogliptina não inibe nem induz as isoformas do CYP 450 em concentrações obtidas com a dose recomendada de 25 mg de alogliptina. Por conseguinte, não é esperada nem foi observada interacção com substratos das isoformas do CYP 450. Em estudos in vitro, constatou-se que a alogliptina não é um substrato nem um inibidor dos principais transportadores associados à disposição do fármaco no rim: transportador aniónico orgânico 1, transportador aniónico orgânico 3 ou transportador catiónico orgânico 2 (OCT2).
Interacções: Efeitos da alogliptina sobre outros medicamentos: Em estudos clínicos, a alogliptina não teve qualquer efeito clinicamente relevante na farmacocinética da cafeína, (R)-varfarina, pioglitazona, gliburida, tolbutamida, (S)-varfarina, dextrometorfano, atorvastatina, midazolam, um contraceptivo oral (noretindrona e etinilestradiol), digoxina, fexofenadina, metformina ou cimetidina, proporcionando assim provas in vivo de uma baixa tendência para causar interacção com substratos do CYP1A2, CYP3A4, CYP2D6, CYP2C9, da glicoproteína-P e do OCT2. Em indivíduos saudáveis, a alogliptina não tem qualquer efeito no tempo da protrombina ou Razão Normalizada Internacional (INR) quando administrada concomitantemente com a varfarina. Efeitos de outros medicamentos sobre a alogliptina: Os resultados dos estudos de interacção clínica também demonstraram que não há efeitos clinicamente relevantes do gemfibrozil (um inibidor do CYP2C8/9), fluconazol (um inibidor do CYP2C9), cetoconazol (um inibidor do CYP3A4), ciclosporina (um inibidor da glicoproteína-P), voglibose (um inibidor da alfa-glucosidase), digoxina, metformina, cimetidina, pioglitazona ou atorvastatina na farmacocinética da alogliptina. Associação com outros medicamentos antidiabéticos: Os resultados dos estudos com metformina, pioglitazona (tiazolidinediona), voglibose (inibidor da alfa-glucosidase) e gliburida (sulfonilureia) não demonstraram quaisquer interacções farmacocinéticas clinicamente relevantes. - Varfarina
Não recomendado/Evitar

Vorapaxar Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Efeitos de vorapaxar noutros medicamentos: Anticoagulantes: Quando Vorapaxar foi administrado concomitante com varfarina, não houve alterações na farmacocinética ou farmacodinâmica da varfarina. A experiência clínica envolvendo a administração concomitante de anticoagulantes orais com vorapaxar é limitada e não há experiência com inibidores orais do Fator Xa ou do Fator IIa no programa de Fase 3 de vorapaxar. A administração concomitante de Vorapaxar com anticoagulantes p.ex., varfarina e novos anticoagulantes orais, deve ser evitada. - Varfarina
Sem efeito descrito

Oxihidróxido sucroférrico Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os estudos de interacções medicamentosas foram realizados apenas em voluntários saudáveis. Estes foram conduzidos em indivíduos saudáveis do sexo masculino e feminino com losartan, furosemida, digoxina, varfarina e omeprazol. A administração concomitante deste medicamento não afetou a biodisponibilidade desses medicamentos, conforme os resultados da área sob a curva (AUC). - Varfarina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Solifenacina + Tansulosina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: SOLIFENACINA: A solifenacina pode reduzir o efeito dos medicamentos que estimulam a motilidade gastrointestinal, como a metoclopramida e a cisaprida. Estudos in vitro com a solifenacina demonstraram que, em concentrações terapêuticas, a solifenacina não inibe os CYP1A1/2, 2B6, 2C8, 2C9, 2C19, 2D6, 2E1 ou 3A4. Assim, é improvável a ocorrência de interacções da solifenacina com fármacos metabolizados por estas enzimas CYP. A administração da solifenacina não alterou a farmacocinética da R-varfarina ou da S-varfarina ou o seu efeito sobre o tempo de protrombina. A administração de solifenacina não mostrou qualquer efeito sobre a farmacocinética da digoxina. TANSULOSINA: A co-administração com outros antagonistas dos receptores alfa1-adrenérgicos pode originar efeitos hipotensores. In vitro, a fração livre da tansulosina no plasma humano não foi alterada pelo diazepam, propranolol, triclormetiazida, clormadinona, amitriptilina, diclofenac, glibenclamida, sinvastatina ou varfarina. Por sua vez, a tansulosina não altera as frações livres do diazepam, propranolol, triclormetiazida ou clormadinona. Contudo, o diclofenac e a varfarina podem aumentar a taxa de eliminação da tansulosina. Estudos in vitro com a tansulosina demonstraram que, em concentrações terapêuticas, a tansulosina não inibe CYP1A2, 2C9, 2C19, 2D6, 2E1 ou 3A4. Assim, é improvável a ocorrência de interacções da tansulosina com fármacos metabolizados por estas enzimas CYP. - Varfarina
Sem efeito descrito

Empagliflozina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: interacções farmacocinéticas: Efeitos de outros medicamentos sobre a empagliflozina: Os dados in vitro sugerem que a via metabólica primária da empagliflozina em seres humanos é a glucuronidação, pelas uridina-5'-difosfato-glucuronil-transferases UGT1A3, UGT1A8, UGT1A9 e UGT2B7. A empagliflozina é um substrato dos transportadores de recaptação humanos OAT3, OATP1B1 e OATP1B3, mas não dos OAT1 e OCT2. A empagliflozina é um substrato da glicoproteína-P (P-gp) e da proteína de resistência ao cancro da mama (BCRP). Estudos de interacção, realizados com voluntários saudáveis, sugerem que a farmacocinética da empagliflozina não foi influenciada pela administração concomitante com metformina, glimepirida, pioglitazona, sitagliptina, linagliptina, varfarina, verapamilo, Ramipril, sinvastatina, torasemida e hidroclorotiazida. Efeitos da empagliflozina sobre outros medicamentos: In vitro, a empagliflozina não inibe transportadores da recaptação humanos, tais como o OAT3, OATP1B1 e OATP1B3, em concentrações plasmáticas clinicamente relevantes e, como tal, consideram-se pouco prováveis as interacções medicamentosas com substratos destes transportadores da recaptação. Estudos de interacção, realizados com voluntários saudáveis, sugerem que a empagliflozina não teve qualquer efeito clinicamente relevante na farmacocinética da metformina, glimepirida, pioglitazona, sitagliptina, linagliptina, sinvastatina, varfarina, Ramipril, digoxina, diuréticos e Contraceptivos orais. - Varfarina
Sem efeito descrito

Donepezilo Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: O cloridrato de donepezilo e/ou qualquer dos seus metabólitos não inibem o metabolismo da teofilina, varfarina, cimetidina ou digoxina no ser humano. - Varfarina
Sem efeito descrito

Azilsartan medoxomil + Clorotalidona Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Azilsartan medoxomilo: Não foram notificadas interacções clinicamente significativas em estudos do azilsartan medoxomilo ou do azilsartan administrado com amlodipina, antiácidos, clorotalidona, digoxina, fluconazol, gliburida, cetoconazol, metformina e varfarina. O azilsartan medoxomilo é um profármaco, que é rapidamente hidrolisado na sua fração activa azilsartan por esterases no tracto gastrointestinal e/ou durante a absorção do fármaco. Estudos in vitro indicaram que é improvável a ocorrência de interacções baseadas na inibição das estearases. - Varfarina
Usar com precaução

Atorvastatina + Perindopril + Amlodipina Varfarina

Observações: Não foram realizados estudos de interacção medicamentosa com Atorvastatina / Perindopril / Amlodipina e outros medicamentos, embora alguns estudos tenham sido realizados com atorvastatina, perindopril e amlodipina separadamente.
Interacções: Utilização concomitante que requer CUIDADOS ESPECIAIS: ATORVASTATINA: Varfarina: Num estudo clínico em doentes a receber terapêutica crónica com varfarina, a administração concomitante de atorvastatina 80 mg por dia com varfarina causou uma ligeira diminuição de cerca de 1,7 segundos no tempo de protrombina durante os primeiros 4 dias de tratamento, o qual normalizou após 15 dias de tratamento com atorvastatina. Apesar de serem muito raros os casos notificados de interacção clinicamente significativa com anticoagulantes, nos doentes a tomar anticoagulantes cumarínicos, o tempo de protrombina deve ser determinado antes de iniciar o Atorvastatina / Perindopril / Amlodipina e de modo frequente durante a terapêutica inicial, de modo a garantir que não ocorrem alterações significativas no tempo de protrombina. Depois de alcançado um tempo de protombina estável, os tempos de protrombina podem ser monitorizados nos intervalos geralmente recomendados para doentes com anticoagulantes cumarínicos. Se a dose de atorvastatina for alterada ou descontinuada, o mesmo procedimento deverá ser repetido. A terapêutica com atorvastatina não foi associada a hemorragias ou a alterações no tempo de protrombina em doentes que não tomam anticoagulantes. Utilização concomitante que requer ALGUNS CUIDADOS: AMLODIPINA: Digoxina, atorvastatina, varfarina ou ciclosporina: Nos estudos de interacção clínica, a amlodipina não alterou a farmacocinética da atorvastatina, digoxina, varfarina ou ciclosporina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Memantina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Devido aos efeitos farmacológicos e ao mecanismo de acção da memantina, poderão ocorrer as seguintes interacções: No âmbito da experiência pós-comercialização foram notificados casos isolados de aumento do quociente normalizado internacional (INR) em doentes tratados concomitantemente com varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Raloxifeno Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: A administração concomitante de raloxifeno e varfarina não altera a farmacocinética de nenhum destes compostos. No entanto, observaram-se ligeiras diminuições no tempo da protrombina e se o raloxifeno for administrado concomitantemente com a varfarina ou outros derivados cumarínicos, o tempo de protrombina deve ser monitorizado. In vitro, não se produziram interacções de raloxifeno com a varfarina, fenitoína ou tamoxifeno. - Varfarina
Usar com precaução

Ranitidina Varfarina

Observações: A ranitidina pode afectar a absorção, metabolismo ou a eliminação renal de outros medicamentos. A farmacocinética alterada do medicamento afectado, pode levar a um ajuste da dose do mesmo ou à descontinuação do tratamento.
Interacções: As interacções podem ocorrer devido a vários mecanismos tais como: Inibição do sistema oxigenase com função mista citocromo P450-ligado: A ranitidina, em doses terapêuticas habituais, não potencia a acção de medicamentos que são inactivados por este sistema tais como o diazepam (CYP2C19), lidocaína e propanolol. Têm havido notificações de tempos de protrombina alterados com anticoagulantes cumarínicos (ex. varfarina) quando o tratamento com ranitidina foi iniciado. Devido à estreita janela terapêutica, recomenda-se uma monitorização apertada do aumento ou diminuição do tempo de protrombina, durante o tratamento com a ranitidina. Há relatos de vários casos de aumento das concentrações plasmáticas de teofilina. Embora, a interacção não tenha sido observada em vários estudos clínicos, as informações disponíveis não podem excluir a possibilidade de que pode ocorrer uma interacção em alguns indivíduos. Também têm havido notificações de um aumento das concentrações plasmáticas de fenitoína. - Varfarina
Não recomendado/Evitar

Sonidegib Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Efeitos de sonidegib em outros medicamentos: O sonidegib é um inibidor competitivo da CYP2B6 e CYP2C9 in vitro, aumentando potencialmente as concentrações de substâncias metabolizadas por estas enzimas. O sonidegib é também um inibidor (IC50 ~1,5µM) da proteína de resistência ao cancro da mama (breast cancer resistance protein - BCRP). Os doentes que utilizem concomitantemente substratos das enzimas CYP2B6 e CYP2C9 ou transportadores, devem ser cuidadosamente monitorizados para reacções adversas. Substâncias que sejam substratos das enzimas CYP2B6 e CYP2C9 com margem terapêutica estreita (por ex.: varfarina, acenocumarol, efavirenz, metadona) ou substratos BCRP com margem terapêutica estreita (por ex.: metotrexato, mitoxantrona, irinotecano, topotecano) devem ser evitados. - Varfarina
Usar com precaução

Darunavir Varfarina

Observações: O perfil de interacção do darunavir pode variar dependendo se é utilizado o ritonavir ou o cobicistate como fármacos potenciadores. As recomendações dadas para a utilização concomitante de darunavir e outros medicamentos podem por isso variar dependendo se darunavir é potenciado com ritonavir ou com cobicistate, e é também necessária precaução durante o primeiro tempo de tratamento, se se substituir o fármaco potenciador de ritonavir para cobicistate.
Interacções: Medicamentos que podem ser afectados por darunavir potenciado com ritonavir: O darunavir e o ritonavir são inibidores do CYP3A, do CYP2D6 e da gp-P. A co-administração de darunavir/ritonavir com fármacos que são principalmente metabolizados pelo CYP3A e/ou CYP2D6 ou transportados pela gp-P poderá induzir o aumento da exposição sistémica aos referidos fármacos, o que poderá potenciar ou prolongar os respectivos efeitos terapêuticos e reacções adversas. O darunavir, co-administrado com uma dose baixa de ritonavir não deve ser associado com medicamentos cuja depuração seja altamente dependente do CYP3A e para os quais a elevação das concentrações plasmáticas está associada a acontecimentos graves e/ou potencialmente fatais (margem terapêutica estreita). O efeito global da potenciação farmacocinética pelo ritonavir foi de aproximadamente 14 vezes na exposição sistémica de darunavir quando foi administrada, por via oral, uma dose única de 600 mg de darunavir em associação com 100 mg de ritonavir duas vezes por dia. Portanto, darunavir só pode ser administrado em associação com um potenciador farmacocinético. Um estudo clínico que utilizou vários medicamentos metabolizados pelos citocromos CYP2C9, CYP2C19 e CYP2D6 demonstrou um aumento na actividade dos CYP2C9 e CYP2C19 e inibição da actividade do CYP2D6 na presença de darunavir/ritonavir, o que pode ser atribuído à presença de dose baixa de ritonavir. A administração concomitante de darunavir e ritonavir e medicamentos que são principalmente metabolizados pelo CYP2C9 (como a varfarina) e CYP2C19 (como a metadona), pode resultar numa diminuição da exposição sistémica a esses medicamentos, que pode diminuir ou encurtar os seus efeitos terapêuticos. ANTICOAGULANTES: Varfarina: Não foi estudado. As concentrações de varfarina poderão ser afetadas quando coadministrada com Darunavir potenciado. Recomenda-se monitorização do Quociente Internacional Normalizado (INR) quando a varfarina é associada ao Darunavir potenciado. - Varfarina
Usar com precaução

Darunavir + Cobicistate Varfarina

Observações: Não foram realizados estudos de interacção farmacológica com Darunavir / Cobicistate. Uma vez que Darunavir / Cobicistate contém darunavir e cobicistate, as interações que foram identificadas com darunavir (em associação uma dose baixa de ritonavir) e com cobicistate determinam as interações que podem ocorrer com Darunavir / Cobicistate. Os ensaios de interacção com darunavir/ritonavir e com cobicistate apenas foram realizados em adultos.
Interacções: ANTICOAGULANTES/INIBIDOR DA AGREGAÇÃO PLAQUETAR: Varfarina: Tendo por base considerações teóricas, Darunavir / Cobicistate pode alterar as concentrações plasmáticas de varfarina. Recomenda-se monitorização do Quociente Internacional Normalizado (INR) quando a varfarina é administrada concomitantemente com Darunavir / Cobicistate. - Varfarina
Usar com precaução

Dasabuvir Varfarina

Observações: Os estudos de interacção medicamentosa só foram realizados em adultos. Dasabuvir deve ser sempre administrado em conjunto com ombitasvir/paritaprevir/ritonavir. Quando coadministrados, exercem efeitos recíprocos um sobre o outro. Por conseguinte, o perfil de interacção dos compostos tem de ser considerado como uma associação.
Interacções: interacções farmacocinéticas: Potencial para Dasabuvir afectar a farmacocinética de outros medicamentos: Os estudos de interacção medicamentosa in vivo avaliaram o efeito global do tratamento de associação, incluindo o ritonavir. Transportadores específicos e as enzimas metabolizadoras que são afectados pelo dasabuvir quando associado a ombitasvir/paritaprevir/ritonavir. Medicamentos metabolizados pelo CYP2C9: Dasabuvir administrado com ombitasvir/paritaprevir/ritonavir não afetou as exposições ao substrato CYP2C9 a varfarina. Não são expectáveis ajustes de dose para outros substratos do CYP2C9 (AINEs (por exemplo ibuprofeno), antidiabéticos (por exemplo glimepirida, glipizida). interacções entre Dasabuvir com ombitasvir/paritaprevir/ritonavir e outros medicamentos: ANTICOAGULANTES: Varfarina 5 mg dose única: Administrado com: Dasabuvir+ombitasvir/paritaprevir/ritonavir Embora não seja necessário um ajuste da dose de varfarina, recomenda-se uma monitorização adequada da razão normalizada internacional (RNI). - Varfarina
Usar com precaução

Ombitasvir + Paritaprevir + Ritonavir Varfarina

Observações: Os estudos de interacção medicamentosa só foram realizados em adultos. Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir foi administrado em doses múltiplas em todos os estudos de interacção medicamentosa, com exceção dos estudos de interacção medicamentosa com carbamazepina, gemfibrozil e cetoconazol.
Interacções: interacções farmacocinéticas: Potencial para Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir afectar a farmacocinética de outros medicamentos: Os estudos de interacção medicamentosa in vivo avaliaram o efeito global do tratamento de associação, incluindo o ritonavir. Medicamentos metabolizados pelo CYP2C9: Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir administrado com ou sem dasabuvir não afetou as exposições do substrato CYP2C9, a varfarina. Não são expectáveis ajustes de dose para outros substratos do CYP2C9 (AINEs (por exemplo ibuprofeno), antidiabéticos (por exemplo glimepirida, glipizida). interacções entre Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir e outros medicamentos MEDICAMENTOS ANTICANCERÍGENOS: Varfarina 5 mg dose única: Administrado com: Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir + dasabuvir Administrado com: Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir sem dasabuvir Embora não seja necessário um ajuste da dose de varfarina, recomenda-se uma monitorização adequada da razão normalizada internacional (RNI). - Varfarina
Usar com precaução

Dapoxetina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Efeitos da dapoxetina na farmacocinética de medicamentos administrados concomitantemente: Varfarina e medicamentos conhecidos por afectar a coagulação e/ou a função plaquetar: Não existem dados que avaliem o efeito da utilização crónica de varfarina com dapoxetina; consequentemente, é aconselhada precaução quando a dapoxetina é utilizada em doentes que tomam varfarina cronicamente. Num estudo farmacocinético, a dapoxetina (60 mg/dia durante 6 dias) não afetou a farmacocinética ou a farmacodinâmica (TP ou INR) da varfarina após uma dose única de 25 mg. Existem relatos de alterações hemorrágicas associadas com ISRS. - Varfarina
Sem efeito descrito

Empagliflozina + Metformina Varfarina

Observações: A administração concomitante de doses múltiplas de empagliflozina e metformina não altera significativamente a farmacocinética da empagliflozina ou da metformina em indivíduos saudáveis. Não foram realizados estudos de interacção com Empagliflozina/Metformina.
Interacções: EMPAGLIFLOZINA: interacções farmacocinéticas: Efeitos de outros medicamentos sobre a empagliflozina: Estudos de interacção, realizados com voluntários saudáveis, sugerem que a farmacocinética da empagliflozina não foi influenciada pela administração concomitante com metformina, glimepirida, pioglitazona, sitagliptina, linagliptina, varfarina, verapamilo, ramipril, sinvastatina, torasemida e hidroclorotiazida. Efeitos da empagliflozina sobre outros medicamentos: Com base nos estudos in vitro, a empagliflozina não inibe, inativa ou induz as isoformas do CYP450. A empagliflozina não inibe as isoformas UGT1A1, UGT1A3, UGT1A8, UGT1A9, ou UGT2B7. Por conseguinte, são consideradas pouco prováveis interacções medicamentosas envolvendo as principais isoformas do CYP450 e da UGT com a empagliflozina e substratos destas enzimas administrados concomitantemente. A empagliflozina não inibe a P-gp em doses terapêuticas. Com base em estudos in vitro, considera-se pouco provável que a empagliflozina cause interacções com medicamentos que sejam substratos da glicoproteína-P. A administração concomitante de digoxina, um substrato da P-gp, com empagliflozina resultou num aumento de 6% da AUC e de 14% da Cmax da digoxina. Estas alterações não foram consideradas clinicamente significativas. In vitro, a empagliflozina não inibe transportadores da recaptação humanos, tais como o OAT3, OATP1B1 e OATP1B3, em concentrações plasmáticas clinicamente relevantes e, como tal, consideram-se pouco prováveis as interacções medicamentosas com substratos destes transportadores da recaptação. Estudos de interacção, realizados com voluntários saudáveis, sugerem que a empagliflozina não teve qualquer efeito clinicamente relevante na farmacocinética da metformina, glimepirida, pioglitazona, sitagliptina, linagliptina, sinvastatina, varfarina, ramipril, digoxina, diuréticos e Contraceptivos orais. - Varfarina
Não recomendado/Evitar

Ceritinib Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Agentes cuja concentração plasmática pode ser alterada por ceritinib: Com base nos dados in vitro, ceritinib inibe de forma competitiva o metabolismo de midazolam, um substrato da CYP3A, e diclofenac, um substrato da CYP2C9. Observou-se também inibição da CYP3A dependente do tempo. O valor de Cmax no estado de equilíbrio de ceritinib na dose clínica recomendada de 750 mg por dia pode exceder os valores Ki para CYP3A e CYP2C9, sugerindo que ceritinib possa inibir a eliminação de outros medicamentos metabolizados por estas enzimas em concentrações clinicamente relevantes. Pode ser necessária redução da dose com co-administração de medicamentos que são predominantemente metabolizados pela CYP3A e CYP2C9. A co-administração de ceritinib com substratos da CYP3A conhecidos por terem indíces terapêuticos estreitos (p. ex: astemizol, cisaprida, ciclosporina, ergotamina, fentanil, pimozida, quinidina, tacrolímus, alfentanil e sirolímus) e substratos da CYP2C9 conhecidos por terem indíces terapêuticos estreitos (p.ex: fenitoína e varfarina) devem ser evitadas. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Primidona Varfarina

Observações: Tanto a primidona como o seu principal metabolito, o fenobarbital, induzem a actividade enzimática hepática, principalmente o sistema enzimático CYP4503A4. Isto pode provocar alterações na farmacocinética de fármacos administrados simultaneamente.
Interacções: Os fármacos cujo metabolismo possa ser aumentado e levar a uma diminuição da concentração plasmática e/ou diminuição do tempo de semi-vida, devido a uma terapêutica concomitante são: Androgéneos, beta-antagonistas, carbamazepina, ciclosporina, clonazepam, cloranfenicol, corticosteróides/glucocorticóides, ciclofosfamida, dicumarinas, digitoxina, doxiciclina, etosuxamida, etoposido, felbamato, granissetrom, lamotrigina, losartan, metadona, metronidazol, mianserina, Montelucaste, nelfinavir, nimodipina, Contraceptivos orais, oxcarbazepina, fentoína, quinidina, rocurónio, valproato de sódio, tiagabina, teofilinas, topiramato, antidepressores tricíclicos, vecurónio, varfarina e zonisamida. - Varfarina
Usar com precaução

Atorvastatina + Ezetimiba Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Efeitos desta associação na farmacocinética de outros medicamentos: EZETIMIBA: Nos estudos pré-clínicos, demonstrou-se que a ezetimiba não induz as enzimas metabolizadoras de fármacos do citocromo P450. Não se observaram interacções farmacocinéticas clinicamente significativas entre a ezetimiba e os fármacos metabolizados pelos citocromos P450 1A2, 2D6, 2C8, 2C9 e 3A4, ou pela N-acetiltransferase. Anticoagulantes: Num estudo em doze indivíduos adultos saudáveis do sexo masculino, a administração concomitante de ezetimiba (10 mg uma vez por dia) não teve efeito significativo na biodisponibilidade da varfarina e no tempo de protrombina. No entanto, houve notificações pós-comercialização do aumento do Quociente Normalizado Internacional (INR) em doentes em que a ezetimiba foi adicionada à varfarina ou à fluindiona. Se este medicamento for adicionado à varfarina, a outro anticoagulante cumarínico ou à fluindiona, o INR deve ser monitorizado de forma apropriada. Efeitos desta associação na farmacocinética de outros medicamentos: ATORVASTATINA: Varfarina: Num estudo clínico em doentes a receber terapêutica crónica com varfarina, a administração concomitante de atorvastatina 80 mg por dia com varfarina causou uma ligeira diminuição, de cerca de 1,7 segundos, no tempo de protrombina durante os primeiros 4 dias de tratamento, o qual normalizou após 15 dias de tratamento com atorvastatina. Apesar de serem muito raros os casos notificados de interacções clinicamente significativas com anticoagulantes, nos doentes a tomar anticoagulantes cumarínicos, o tempo de protrombina deve ser determinado antes de iniciarem este medicamento e com a frequência necessária durante o início do tratamento, de modo a garantir que não ocorrem alterações significativas no tempo de protrombina. Depois de alcançado um tempo de protrombina estável, os tempos de protrombina podem ser monitorizados em intervalos geralmente recomendados para doentes com anticoagulantes cumarínicos. Se a dose deste medicamento for alterada ou descontinuada, o mesmo procedimento deverá ser repetido. A terapêutica com atorvastatina não foi associada a hemorragias ou a alterações no tempo de protrombina em doentes que não tomam anticoagulantes. - Varfarina
Sem efeito descrito

Metformina + Alogliptina Varfarina

Observações: A coadministração de 100 mg de alogliptina uma vez ao dia e 1.000 mg de cloridrato de metformina duas vezes ao dia, durante 6 dias, em indivíduos saudáveis, não teve quaisquer efeitos clinicamente relevantes na farmacocinética da alogliptina ou da metformina. Não foram realizados estudos farmacocinéticos específicos de interacção medicamentosa com este medicamento.
Interacções: Efeitos da alogliptina sobre outros medicamentos: Em estudos in vitro, constatou-se que a alogliptina não é um substrato nem um inibidor dos principais transportadores associados à disposição do fármaco no rim: transportador aniónico orgânico 1, transportador aniónico orgânico 3 ou transportador catiónico orgânico 2 (OCT2). Além disso, os dados clínicos não sugerem interacção com os inibidores ou substratos da glicoproteína-P. Em estudos clínicos, a alogliptina não teve qualquer efeito clinicamente relevante na farmacocinética da cafeína, (R)-varfarina, pioglitazona, gliburida, tolbutamida, (S)-varfarina, dextrometorfano, atorvastatina, midazolam, um contraceptivo oral (noretindrona e etinilestradiol), digoxina, fexofenadina, metformina ou cimetidina, proporcionando assim provas in vivo de uma baixa tendência para causar interacção com substratos do CYP1A2, CYP3A4, CYP2D6, CYP2C9, da glicoproteína-P e do OCT2. Em indivíduos saudáveis, a alogliptina não tem qualquer efeito no tempo da protrombina ou Razão Normalizada Internacional (INR) quando administrada concomitantemente com a varfarina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Armodafinil Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Anticoagulantes (por exemplo, varfarina), benzodiazepínicos (por exemplo, diazepam), clomipramina, hidantoínas (por exemplo, fenitoína), omeprazol ou propranolol porque o risco de seus efeitos secundários pode ser aumentado pelo armodafinil - Varfarina
Sem efeito descrito

Perindopril + Indapamida + Amlodipina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Uso concomitante a considerar: AMLODIPINA: Atorvastatina, digoxina, varfarina ou ciclosporina: Nos estudos clínicos de interacção, a amlodipina não afetou a farmacocinética da atorvastatina, digoxina, varfarina ou ciclosporina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Metformina + Canagliflozina Varfarina

Observações: Não foram realizados estudos de interacção farmacológica farmacocinética com este medicamento. Contudo, tais estudos foram realizados com as substâncias ativas individuais (canagliflozina e metformina). A administração concomitante de canagliflozina (300 mg uma vez por dia) e metformina (2000 mg uma vez por dia) não teve um efeito clínico relevante sobre a farmacocinética quer da canagliflozina, quer da metformina.
Interacções: CANAGLIFLOZINA Efeitos da canagliflozina noutros medicamentos: Em estudos de interacção, a canagliflozina no estado estacionário não teve um efeito clinicamente relevante na farmacocinética da metformina, Contraceptivos orais (etinilestradiol e levonorgestrol), glibenclamida, paracetamol, hidroclorotiazida ou varfarina. - Varfarina
Sem significado Clínico

Metformina + Sitagliptina Varfarina

Observações: A coadministração de doses múltiplas de sitagliptina (50 mg duas vezes por dia) e metformina (1.000 mg duas vezes por dia) não alterou significativamente o perfil farmacocinético da sitagliptina nem da metformina em doentes com diabetes tipo 2. Embora não tenham sido realizados estudos farmacocinéticos de interacção medicamentosa com Metformina/Sitagliptina, foram efetuados estudos com as substâncias ativas individuais, a sitagliptina e a metformina. Existe um risco aumentado de acidose láctica na intoxicação alcoólica aguda (em particular nas situações de jejum, desnutrição ou insuficiência hepática) devido à metformina.
Interacções: Efeitos da sitagliptina noutros medicamentos: Os dados in vitro sugerem que a sitagliptina não inibe nem induz as isoenzimas do CYP450. Em estudos clínicos a sitagliptina não alterou de forma significativa a farmacocinética da metformina, gliburida, sinvastatina, rosiglitazona, varfarina ou dos Contraceptivos orais, evidenciando in vivo uma baixa propensão para causar interacções com substratos do CYP3A4, CYP2C8, CYP2C9 e transportador catiónico orgânico (OCT). A sitagliptina pode ser um fraco inibidor da glicoproteína-p in vivo. - Varfarina
Sem significado Clínico

Metformina + Vildagliptina Varfarina

Observações: Não foram efetuados estudos formais de interacção com Metformina/Vildagliptina. As informações seguintes refletem a informação disponível com as substâncias ativas em monoterapia.
Interacções: Vildagliptina: A vildagliptina tem um fraco potencial de interacção com outros medicamentos administrados em associação. Uma vez que a vildagliptina não é um substrato do citocromo P (CYP) 450 e não inibe nem induz as enzimas CYP450, não é provável a interacção com substâncias activas que sejam substratos, inibidores ou indutores dessas enzimas. Estudos de interacção medicamentosa com digoxina (substrato da glicoproteína - P) e varfarina (substrato CYP2C9) em indivíduos saudáveis revelaram não existir interacções farmacocinéticas clinicamente relevantes, após co-administração com vildagliptina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Metformina + dapagliflozina Varfarina

Observações: A administração concomitante de doses múltiplas de dapagliflozina e metformina não alterou significativamente o perfil farmacocinético quer da dapagliflozina ou da metformina em indivíduos saudáveis. Não foram realizados estudos de interacção para Metformina / dapagliflozina. Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: DAPAGLIFLOZINA: interacções farmacocinéticas: O metabolismo da dapagliflozina é principalmente via conjugação do glicuronídeo mediado pela UDP-glicuronosiltransferase 1A9 (UGT1A9). Em estudos in vitro, a dapagliflozina não inibiu o citocromo P450 (CYP) 1A2, CYP2A6, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, CYP2D6, CYP3A4, nem induziu o CYP1A2, CYP2B6 ou CYP3A4. Assim, não é esperado que este medicamento altere a depuração metabólica de medicamentos administrados concomitantemente e que são metabolizados por estas enzimas. Efeitos da dapagliflozina noutros medicamentos: Em estudos de interacção realizados em indivíduos saudáveis, utilizando essencialmente um desenho de dose única, a dapagliflozina não alterou a farmacocinética da pioglitazona, sitagliptina, glimepirida, hidroclorotiazida, bumetanida, valsartan, digoxina (um substrato da P-gp) ou varfarina (S-varfarina, um substrato do CYP2C9), ou os efeitos anticoagulantes da varfarina medidos pelo INR (Razão Internacional Normalizada). - Varfarina
Sem efeito descrito

Riociguat Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: interacções farmacodinâmicas: Varfarina/fenprocumom: O tratamento concomitante de riociguat e varfarina não alterou o tempo de protrombina induzido pelo anticoagulante. Também não é de prever que a utilização concomitante de riociguat com outros derivados cumarínicos (p.ex., fenprocumom) altere o tempo de protrombina. A ausência de interacções farmacocinéticas entre o riociguat e o substrato da CYP2C9, varfarina, foi demonstrada in vivo. - Varfarina
Sem efeito descrito

Indapamida + Amlodipina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Ligadas à AMLODIPINA: Efeitos da amlodipina com outros medicamentos: O efeito de diminuição da pressão arterial da amlodipina adiciona-se ao efeito de diminuição da pressão arterial de outros agentes antihipertensores. Em estudos de interacção clínica, a amlodipina não alterou a farmacocinética da atorvastatina, digoxina, varfarina ou ciclosporina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Vortioxetina Varfarina

Observações: A vortioxetina é extensamente metabolizada no fígado, principalmente por oxidação catalisada pelo CYP2D6, e numa menor extensão pelo CYP3A4/5 e CYP2C9.
Interacções: Potencial da vortioxetina para afectar outros medicamentos: Medicamentos anticoagulantes e antiplaquetários: Não foram observados efeitos significativos, comparativamente ao placebo, nos valores de INR, protrombina ou varfarina R-/S- plasmática após co-administração de doses múltiplas de vortioxetina com doses estáveis de varfarina em indivíduos saudáveis. Adicionalmente, não foi observado nenhum efeito inibitório significativo, comparativamente ao placebo, na agregação plaquetária ou farmacocinética do ácido acetilsalicílico ou ácido salicílico quando o ácido acetilsalicílico 150 mg/ml foi co-administrado após administração de doses múltiplas de vortioxetina em indivíduos saudáveis. No entanto, no que diz respeito a outros medicamentos serotoninérgicos, deve ser tida precaução quando a vortioxetina é utilizada em combinação com anticoagulantes orais ou medicamentos antiplaquetários, devido a um potencial aumento do risco de hemorragia atribuído a uma interacção farmacodinâmica. Potencial da vortioxetina para afectar outros medicamentos: Substratos do citocromo P450: In vitro, a vortioxetina não demonstrou nenhum potencial relevante de inibição ou indução das isoenzimas do citocromo P450. Após doses múltiplas de vortioxetina, não foi observado nenhum efeito inibitório em indivíduos saudáveis relativamente às isoenzimas do citocromo P450, CYP2C19 (omeprazol, diazepam), CYP3A4/5 (etinilestradiol, midazolam), CYP2B6 (bupropiom), CYP2C9 (tolbutamida, varfarina S-), CYP1A2 (cafeína) ou CYP2D6 (dextrometorfano). Não foram observadas interacções farmacodinâmicas. Não foi observado nenhum compromisso significativo da função cognitiva, comparativamente ao placebo, após co-administração de vortioxetina com uma dose única de 10 mg de diazepam. Não foram observados efeitos significativos, comparativamente ao placebo, nos níveis de hormonas sexuais após co-administração da vortioxetina com um contraceptivo oral combinado (etinilestradiol 30 μg/levonorgestrel150 μg). - Varfarina
Sem significado Clínico

Canagliflozina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Efeitos da canagliflozina noutros medicamentos: Em estudos de interacção, a canagliflozina no estado estacionário não teve um efeito clinicamente relevante na farmacocinética da metformina, Contraceptivos orais (etinilestradiol e levonorgestrol), glibenclamida, paracetamol, hidroclorotiazida, ou varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Enzalutamida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Potencial da enzalutamida para afectar a exposição a outros medicamentos: Indução enzimática: A enzalutamida é um potente inibidor enzimático levando ao aumento da síntese de muitas enzimas e transportadores; portanto é esperada a interacção com muitos medicamentos comuns que são substratos destas enzimas ou transportadores. A redução das concentrações plasmáticas podem ser substanciais, e levar a perda ou reduzir o efeito clínico. Existe também um risco aumentado da formação de metabólitos ativos. As enzimas que podem ser induzidas são o CYP3A no fígado e intestino, o CYP2C9, o CYP2C19, o CYP1A2 e auridina 5’ difosfato-glucuronosiltransferases (conjugação das enzimas UGTs-glucuronida). A proteína de transporte de P-gp pode também ser induzida, e provavelmente outros transportadores, como por exemplo, a proteína de resistência múltipla 2 (MRP2), proteína de resistência do cancro da mama (BCRP) e do polipéptido transportador aniónico orgânico 1B1, (OATP1B1). Estudos in vivo demonstraram que a enzalutamida é um indutor potente do CYP3A4 e um indutor moderado do CYP2C9 e do CYP2C19. A co-administração da enzalutamida (160 mg uma vez por dia) com doses únicas orais de substratos sensíveis ao CYP em doentes com cancro da próstata, resultou numa diminuição de 86% da AUC do midazolam (substrato do CYP3A4), numa diminuição de 56% na AUC da S-varfarina (substrato do CYP2C9) e numa diminuição de 70% na AUC do omeprazol (substrato do CYP2C19). A UGT1A1 pode também ter sido induzida. São esperadas interacções com alguns medicamentos que são eliminados através do metabolismo ou por transporte ativo. Se o seu efeito terapêutico é de grande importância para o doente, e se os ajustes de dose não são facilmente realizados com base na monitorização de eficácia ou da concentração plasmática, estes medicamentos devem ser evitados ou utilizados com precaução. O risco de lesão hepática após a administração de paracetamol é suspeito ser maior em doentes tratados concomitantemente com indutores de enzima. Grupos de medicamentos que podem ser afectados incluem, mas não se limitam a: Analgésicos (ex. fentanilo, tramadol) Antibióticos (ex. claritromicina, doxiciclina) Agentes antineoplásicos (ex. cabazitaxel) Anticoagulantes (ex. acenocumarol, varfarina) Antiepiléticos (ex. carbamazepina, clonazepam, fenitoína, primidona, ácido valpróico) Antipsicóticos (ex. haloperidol) Bloqueadores beta (ex. bisoprolol, propranolol) Bloqueadores da entrada do cálcio (ex. diltiazem, felodipina, nicardipina, nifedipina, verapamil) Cardiotónicos digitálicos (ex. digoxina) Corticosteróides (ex. dexametasona, prednisolona) Antirretrovirais VIH (ex. indinavir, ritonavir) Hipnóticos (ex. diazepam, midazolam, zolpidem) Estatinas metabolizadas pelo CYP3A4 (ex. atorvastatina, sinvastatina) - Varfarina
Sem efeito descrito

Regorafenib Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Substratos seletivos de isoformas CYP: Dados in vitro indicam que o regorafenib é um inibidor competitivo dos citocromos CYP2C8 (valor de Ki de 0,6 micromolar), CYP2C9 (valor de Ki de 4,7 micromolar), CYP2B6 (valor de Ki de 5,2 micromolar) em concentrações que são atingidas in vivo no estado estacionário (concentração plasmática máxima de 8,1 micromolar). A potência inibidora in vitro do CYP3A4 (valor de Ki de 11,1 micromolar) e do CYP2C19 (valor de Ki de 16,4 micromolar) foi menos pronunciada. Foi realizado um estudo de substratos sonda para avaliar o efeito de um tratamento de 14 dias com 160 mg de regorafenib na farmacocinética de substratos sonda do CYP2C8 (rosiglitazona), CYP2C9 (S-varfarina), CYP2C19 (omeprazol) e CYP3A4 (midazolam). Dados farmacocinéticos indicam que o regorafenib pode ser administrado concomitantemente com substratos do CYP2C8, CYP2C9, CYP3A4 e CYP2C19 sem uma interacção medicamentosa clinicamente significativa. - Varfarina
Usar com precaução

Teriflunomida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: interacções farmacocinéticas da teriflunomida sobre outras substâncias: Efeito da teriflunomida sobre a varfarina: A administração de doses repetidas de teriflunomida não teve efeito na farmacocinética da S-varfarina, indicando que a teriflunomida não é um inibidor nem um indutor do CYP2C9. No entanto, foi observada uma redução de 25% na relação normalizada internacional (INR) máxima quando a teriflunomida foi coadministrada com varfarina, em comparação com a administração individual de varfarina. Por este motivo, quando a varfarina é coadministrada com teriflunomida, recomenda-se um acompanhamento e monitorização da INR. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lomitapida Varfarina

Observações: Avaliação in vitro das interações medicamentosas: A lomitapida inibe o CYP3A4. A lomitapida não induz os CYP 1A2, 3A4 ou 2B6, e também não inibe os CYP 1A2, 2B6, 2C9, 2C19, 2D6 ou 2E1. A lomitapida não é um substrato da glicoproteína P, mas inibe a glicoproteína P. A lomitapida não inibe a proteína de resistência ao cancro da mama (BCRP).
Interacções: Efeitos da lomitapida noutros medicamentos: Anticoagulantes da cumarina: Quando se administrou lomitapida 60 mg em estado de equilíbrio e 6 dias após varfarina 10 mg, a INR aumentou 1,26 vezes. As AUC para R(+)-varfarina e S(-)-varfarina aumentaram 25% e 30%, respectivamente. As Cmax para R(+)-varfarina e S(-)-varfarina aumentaram 14% e 15%, respectivamente. Nos doentes a tomarem cumarinas (como a varfarina) e Lomitapida de forma concomitante, a INR deve ser determinada antes do início da toma do Lomitapida e monitorizada de forma regular com a dosagem de cumarinas ajustada conforme clinicamente indicado. - Varfarina
Sem efeito descrito

Dutasterida + Tansulosina Varfarina

Observações: Não foram realizados estudos de interacção fármaco-fármaco com Dutasterida / Tansulosina.
Interacções: DUTASTERIDA: Efeitos da dutasterida na farmacocinética de outros fármacos: Num pequeno estudo (N=24) de duas semanas de duração em indivíduos saudáveis, a dutasterida (0,5 mg diários) não teve qualquer efeito sobre a farmacocinética da tansulosina ou terazosina. Não houve também qualquer indicação de interacção farmacodinâmica neste estudo. A dutasterida não tem efeito na farmacocinética da varfarina ou digoxina. Isto indica que a dutasterida não inibe nem induz o CYP2C9 ou o transportador glicoproteína P. Estudos de interacção in vitro indicam que a dutasterida não inibe as enzimas CYP1A2, CYP2D6, CYP2C9, CYP2C19 ou CYP3A4. TANSULOSINA: A administração concomitante do cloridrato de tansulosina com fármacos que possam reduzir a pressão arterial, incluindo anestésicos, inibidores PDE5 e outros bloqueadores adrenérgicos alfa-1, poderá levar à potenciação dos efeitos hipotensores. Dutasterida-tansulosina não deverá ser utilizada em associação com outros bloqueadores adrenérgicos alfa-1. A administração concomitante de cloridrato de tansulosina e cetoconazol (um inibidor forte do CYP3A4) resultou num aumento da Cmáx e AUC do cloridrato de tansulosina num fator de 2,2 e 2,8 respectivamente. A administração concomitante de cloridrato de tansulosina e paroxetina (um inibidor forte do CYP2D6) resultou num aumento da Cmáx e AUC do cloridrato de tansulosina num fator de 1,3 e 1,6 respectivamente. Quando administrado concomitantemente com um inibidor forte do CYP3A4, é esperado um aumento semelhante na exposição dos metabolizadores fracos do CYP2D6 quando comparados com os metabolisadores extensos. Os efeitos da administração concomitante de inibidores do CYP3A4 e CYP2D6 com cloridrato de tansulosina não foram avaliados clinicamente, contudo existe um potencial para aumento significativo da exposição à tansulosina. A administração concomitante de cloridrato de tansulosina (0,4 mg) e cimetidina (400 mg de seis em seis horas durante seis dias) resultou na diminuição da depuração (26%) e no aumento na AUC (44%) do cloridrato de tansulosina. Deverá ser tida precaução na utilização de dutasterida-tansulosina em associação com cimetidina. Não foi realizado um estudo de interacção de fármacos entre o cloridrato de tansulosina e a varfarina. Os resultados de estudos limitados in vitro e in vivo são inconclusivos. Deverá ser tida precaução na administração concomitante de varfarina e cloridrato de tansulosina. Não foram observadas interacções quando o cloridrato de tansulosina foi administrado concomitantemente com atenolol, enalapril, nifedipina ou teofilina. A administração concomitante de furosemida origina a diminuição dos níveis plasmáticos da tansulosina, no entanto não são necessários ajustes posológicos uma vez que os níveis permanecem dentro do intervalo normal. In vitro, nem o diazepam ou propanolol, triclorometiazida, clormadinona, amitriptilina, diclofenac, glibenclamida e sinvastatina alteram a fração livre da tansulosina no plasma humano. A tansulosina também não altera as frações livres de diazepam, propanolol, triclormetiazida e clormadinona. Não foram observadas interacções ao nível do metabolismo hepático durante os estudos in vitro com frações microssomais de fígado (representativas do sistema metabolizador enzimático de fármacos associado ao citocromo P450), envolvendo amitriptilina, salbutamol e glibenclamida. No entanto, o diclofenac pode aumentar a taxa de eliminação da tansulosina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Gliclazida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os seguintes medicamentos podem provocar um aumento da glicémia: Associações a ter em consideração: Terapia anticoagulante (varfarina): As sulfonilureias podem potencializar a anticoagulação durante o tratamento concomitante. Poderá ser necessário ajustar o anticoagulante. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Fluorouracilo Varfarina

Observações: Vários agentes têm sido referidos como moduladores bioquímicos da eficácia antitumoral ou a toxicidade do fluorouracilo. Entre os medicamentos comuns incluem-se o metotrexato, o metronidazol, a leucovorina, o interferão alfa e o alopurinol.
Interacções: Foram notificadas elevações marcadas do tempo de protrombina e da INR (Razão Normalizada Internacional) em alguns doentes estabilizados numa terapêutica com varfarina após o início de regimes à base de fluorouracilo. - Varfarina
Sem efeito descrito

Fosinopril Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Outros: A biodisponibilidade do fosinopril não sofre alteração quando é administrado com ácido acetilsalicílico, clortalidona, cimetidina, digoxina, hidroclorotiazida, metoclopramida, nifedipina, propranolol, propantelina ou varfarina. - Varfarina
Contraindicado

Hipericão Varfarina

Observações: Além disto, os pacientes devem estar informados que interacções com outros medicamentos não podem ser excluídas e devem ser tidas em consideração durante a toma de Hipericão.
Interacções: Hipericão é contra-indicado (interacções farmacocinéticas) em associação com: - Certos imunossupressores tais como a ciclosporina e o tacrolimo (risco de rejeição de transplantes), - Os anticoagulantes orais, varfarina e o acenocoumarol (risco de trombose), - Os antiretrovirais inibidores da protease como o indinavir, nelfinavir, ritonavir e saquinavir, e os inibidores não-nucleósidos da transcriptase reversa como o efavirenz e nevirapina (risco de redução da concentração plasmática com diminuição possível da resposta virológica), - Os anticancerosos, irinotecan e mesilato de imatinib (risco de falha terapêutica), - Os seguintes anticonvulsivantes (exceto a gabapentina e a vigabatrina): carbamazepina, etosuximida, felbamate, fosfenitoína, lamotrigina, fenobarbital, fenitoína, primidona, tiagabina, topiramato, ácido valpróico, valpromida (risco de diminuição do efeito terapêutico). - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Pseudoefedrina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Anticoagulantes: (por exemplo, varfarina, ticlopidina, clopidogrel, tirofibano, eptifibatida, abciximab, iloprost) Os AINE, como o ibuprofeno, podem potenciar os efeitos dos anticoagulantes. - Varfarina
Usar com precaução

Lornoxicam Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Administração de lornoxicam em simultâneo com: Anticoagulantes: Os AINEs poderão potenciar os efeitos dos anticoagulantes tais como a varfarina. O INR deverá ser cuidadosamente monitorizado. - Varfarina
Sem efeito descrito

Darifenacina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Efeitos da darifenacina sobre outros medicamentos: Varfarina: A monitorização terapêutica padrão do tempo de protrombina deve ser continuada. O efeito da varfarina no tempo de protrombina não foi alterado quando administrada concomitantemente com a darifenacina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Lercanidipina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: interacções metabólicas: Sabe-se que a lercanidipina é metabolizada pela enzima CYP3A4 e, portanto, os inibidores e os indutores da CYP3A4 administrados concomitantemente poderão interferir com o metabolismo e a eliminação da lercanidipina. A co-administração de 20 mg de lercanidipina a voluntários saudáveis em jejum não alterou a farmacocinética da varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Metformina + Linagliptina Varfarina

Observações: Embora não tenham sido realizados estudos farmacocinéticos de interacção medicamentosa com Metformina/Linagliptina, estes estudos foram efetuados com as substâncias ativas individuais, i.e.linagliptin a e metformina. A administração concomitante de doses múltiplas de linagliptina e metformina não alterou significativamente o perfil farmacocinético da linagliptina nem da metformina em voluntários saudáveis e doentes.
Interacções: LINAGLIPTINA: Efeitos da linagliptina sobre outros medicamentos: Em estudos clínicos, conforme adiante se descreve, a linagliptina não teve qualquer efeito clinicamente relevante sobre a farmacocinética da metformina, da gliburida, da sinvastatina, da varfarina, da digoxina ou dos Contraceptivos orais, fornecendo evidências in vivo de uma baixa tendência para causar interacções medicamentosas com substratos da CYP3A4, CYP2C9, CYP2C8, da glicoproteína-P e do transportador catiónico orgânico (OCT). Varfarina: A administração de múltiplas doses diárias de 5 mg de linagliptina não altero u a farmacocinética da varfarina S(-) ou R(+), um substrato da CYP2C9, administrada numa única dose. - Varfarina
Usar com precaução

Mirtazapina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: interacções farmacodinâmicas: Em indivíduos medicados com varfarina, a toma de 30 mg mirtazapina, uma vez por dia, provocou um pequeno, mas estatisticamente significativo, aumento da razão normalizada internacional (INR). Como para doses mais elevadas de mirtazapina não pode ser excluído um efeito mais pronunciado, é aconselhável a monitorização dos valores da INR em caso de tratamento concomitante de varfarina e mirtazapina. - Varfarina
Usar com precaução

Orlistato Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Anticoagulantes orais: Quando a varfarina ou outros anticoagulantes orais forem administrados em associação com orlistato, os valores dos quocientes normalizados internacionais (INR) devem ser monitorizados. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sitaxentano Varfarina

Observações: O sitaxentano sódico é metabolizado no fígado pelas isoenzimas CYP2C9 e CYP3A4/5 do citocromo P450. O sitaxentano sódico é um inibidor da CYP2C9 e, em menor grau, CYP2C19, CYP3A4/5 e CYP 2C8. As concentrações plasmáticas dos fármacos metabolizados pela CYP2C9, podem aumentar durante a co-administração de sitaxentano sódico. Não se espera que a co-administração com fármacos metabolizados pela CYP2C19 ou CYP3A4/5 resulte em interações medicamentosas clinicamente significativas. O Sitaxentano sódico não afecta o transportador de p-glicoproteína, mas está estabelecido que o sitaxentano sódico é um substrato das proteínas transportadoras PTAO.
Interacções: Efeitos do sitaxentano sódico noutros medicamentos: Varfarina (antagonista da vitamina K, substrato da CYP2C9): O tratamento concomitante com sitaxentan o sódico resultou num aumento de 2,4 vezes da exposição à S-Varfarina. Os indivíduos que recebem varfarina atingem a anticoagulação terapêutica [ INR ( International Normalised Ratio, razão normalizada internacional ) alvo] com doses mais baixas do anticoagulante na presença de sitaxentano sódico. Espera-se verificar um aumento semelhante no efeito anticoagulante com análogos de varfarina, incluindo o acenocumarol, o fenprocumon e a fluindiona. Quando se inicia a terapêutica com antagonistas da vitamina K num doente que toma sitaxentano sódico, recomenda-se que se comece pela dose mais baixa disponível. Nos doentes que já tomam antagonistas da vitamina K, recomenda-se que a dose do antagonista da vitamina K seja reduzida quando se inicia o sitaxentano sódico. Em todos os casos, o INR deve ser monitorizada regularmente. Os aumentos da dose do antagonista da vitamina K devem ser feitos em pequenos incrementos para se alcançar um INR alvo apropriado. Se o INR não for correctamente monitorizado e se o aumento da exposição aos antagonistas da vitamina K não for detectado, podem ocorrer episódios hemorrágicos graves ou com perigo de vida. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tenoxicam Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Anticoagulantes: Os AINE podem aumentar os efeitos dos anticoagulantes, tais como a varfarina. - Varfarina
Não recomendado/Evitar

Dexibuprofeno Varfarina

Observações: A informação desta secção é baseada na experiência já existente com o ibuprofeno racémico e com outros AINEs. Em geral, os AINEs devem ser usados com precaução, quando são administrados simultaneamente com outros fármacos que podem aumentar o risco de ulceração gastrointestinal, ou de hemorragia gastrointestinal, ou de insuficiência renal.
Interacções: Uso concomitante não recomendado: Anticoagulantes: Os AINEs podem potenciar o efeito dos anticoagulantes, tais como a varfarina. Se o tratamento concomitante não poder ser evitado devem ser realizados testes de coagulação (INR, tempo de hemorragia) durante o início do tratamento com dexibuprofeno e a dose do anticoagulante deve ser ajustada se necessário. - Varfarina
Sem efeito descrito

Tolterrodina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Os estudos de interacção medicamentosa demonstraram não existirem interacções com a varfarina ou com Contraceptivos orais combinados (etinilestradiol/levonorgestrel). - Varfarina
Sem efeito descrito

Torasemida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Efeito da torasemida sobre outros medicamentos: A torasemida não afecta a ligação proteica da glibenclamida nem a da varfarina nem o efeito anticoagulante da fenprocumona (derivado cumarínico próximo), nem a farmacocinética da digoxina ou do carvedilol (vasodilatador / bloqueador beta). Nos indivíduos saudáveis, a co-administração de torasemida foi associada a uma redução significativa na excreção renal de espironolactona, com aumentos correspondentes na área sob curva (AUC). No entanto, a experiência clínica sugere que não será necessário o ajuste posológico de qualquer destes fármacos. - Varfarina
Usar com precaução

Tramadol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Derivados cumarínicos: A administração concomitante de tramadol e derivados cumarínicos (p.ex.: varfarina) deve ser efetuada com cuidado, uma vez que foram relatados casos de aumento do INR com hemorragia grave e equimoses em alguns doentes. - Varfarina
Sem efeito descrito

Vareniclina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Varfarina: A vareniclina não alterou a farmacocinética da varfarina. O tempo de protrombina (INR) não foi afectado pela vareniclina. A própria cessação tabágica pode levar a alterações na farmacocinética da varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Valsartan Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Outros: Nos estudos de interacções medicamentosas com valsartan, não foram observadas quaisquer interacções clinicamente significativas com valsartan ou com qualquer um dos fármacos seguintes: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida. - Varfarina
Usar com precaução

Valproato semisódico (ácido valpróico) Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Recomenda-se precaução quando o Valproato é administrado concomitantemente com fármacos com efeitos sobre a coagulação (por exemplo a Ácido acetilsalicílico e a Varfarina). - Varfarina
Usar com precaução

Dronedarona Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Efeito da dronedarona nos outros medicamentos: interacção com a varfarina e o losartan (substratos do CYP2C9): Varfarina e outros antagonistas da vitamina K: A dronedarona (600 mg duas vezes ao dia) provocou um aumento de 1,2-vezes da S-varfarina sem provocar qualquer alteração na R-varfarina e apenas um aumento de 1,07 na Razão Normalizada Internacional (INR). No entanto, nos doentes que tomam anticoagulantes orais foram notificados aumentos clinicamente significativos da INR (  5) normalmente na 1ª semana após o início da dronedarona. Consequentemente, nos doentes que tomam antagonistas da vitamina K, conforme está na sua rotulagem, a INR deve ser cuidadosamente monitorizada após o início da dronedarona. - Varfarina
Usar com precaução

Duloxetina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Anticoagulantes e antiplaquetários: Deve ter-se cuidado quando se administra duloxetina em combinação com anticoagulantes ou antiplaquetários devido a um possível risco aumentado de hemorragia, atribuível a uma interacção farmacodinâmica. Além disso, foram notificados aumentos nos valores de INR quando se coadministrou duloxetina a doentes tratados com varfarina. No entanto, em voluntários saudáveis, a administração concomitante de duloxetina com varfarina em condições de estado de equilíbrio, como parte de um estudo de farmacologia clínica, não resultou numa alteração clinicamente significativa do INR inicial ou na farmacocinética da R- varfarina ou S-varfarina. - Varfarina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Efavirenz Varfarina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: ANTICOAGULANTES: Varfarina/Efavirenz Acenocumarol/Efavirenz interacção não estudada. As concentrações plasmáticas e os efeitos da varfarina ou acenocumarol são potencialmente aumentados ou diminuídos pelo efavirenz. Pode ser necessário ajuste posológico de varfarina ou acenocumarol. - Varfarina
Sem efeito descrito

Ziprasidona Varfarina

Observações: Não existem estudos realizados em crianças sobre a interacção da ziprasidona com outros medicamentos.
Interacções: Efeitos de outros fármacos sobre a ziprasidona: Ligação às proteínas: A ziprasidona liga-se extensivamente às proteínas plasmáicas. A ligação da ziprasidona às proteínas plasmáticas in vitro não foi alterada pela varfarina ou propanolol, dois fármacos altamente ligados às proteínas plasmáticas, nem a ziprasidona altera a ligação destes fármacos no plasma humano. Pelo que, o potencial para interagir com a ziprasidona devido a deslocamentos é improvável. - Varfarina
Não recomendado/Evitar

Toremifeno Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Existe uma interacção reconhecida entre os antiestrogénicos e os anticoagulantes de tipo varfarina, conducente a um grave aumento do tempo de hemorragia. Consequentemente, deve ser evitada a utilização concomitante de toremifeno com esses fármacos. - Varfarina
Sem efeito descrito

Tadalafil Varfarina

Observações: Estudos de interacção foram efetuados com 10 e/ou 20 mg de tadalafil, tal como abaixo indicado. No que respeita aqueles estudos de interacção onde apenas foi utilizada a dose de 10 mg de tadalafil, não se podem ignorar completamente possíveis interações clínicas relevantes com doses mais altas.
Interacções: Efeitos do tadalafil sobre outros medicamentos: Substratos do CYP2C9 (p-ex. R-varfarina): O tadalafil (10 mg e 20 mg) não teve efeito clinicamente significativo na exposição (AUC) à S- varfarina ou R-varfarina (substrato do CYP2C9), nem afetou as alterações no tempo de protrombina induzido pela varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Efavirenz + Emtricitabina + Tenofovir Varfarina

Observações: As interações que foram identificadas com Efavirenz, Emtricitabina e Tenofovir individualmente podem ocorrer com esta associação. Os estudos de interacção com estes medicamentos só foram realizados em adultos.
Interacções: ANTICOAGULANTES: Varfarina/Efavirenz; Acenocumarol/Efavirenz: interacção não estudada. As concentrações plasmáticas e os efeitos da varfarina ou do acenocumarol são potencialmente aumentados ou diminuídos pelo efavirenz. Podem ser necessários ajustes da dose da varfarina ou do acenocumarol quando coadministrada com Efavirenz / Emtricitabina / Tenofovir. - Varfarina
Sem efeito descrito

Irbesartan + Hidroclorotiazida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Informações adicionais sobre as interacções do IRBESARTAN: O irbesartan é principalmente metabolizado pela CYP2C9 e em menor extensão pela glucuronidação. Não foram observadas interacções farmacodinâmicas ou farmacocinéticas significativas quando o irbesartan foi co-administrado com a varfarina, um medicamento metabolizado pela CYP2C9. - Varfarina
Sem efeito descrito

Enalapril + Lercanidipina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: LERCANIDIPINA: Associações que devem ser tidas em consideração: Varfarina: A co-administração de 20 mg de lercanidipina a voluntários saudáveis em jejum não alterou a farmacocinética da varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Eplerenona Varfarina

Observações: Estudos in vitro indicam que a eplerenona não é um inibidor das isoenzimas CYP1A2, CYP2C19, CYP2C9, CYP2D6 ou CYP3A4. A eplerenona não é um substrato nem um inibidor da glicoproteína-P.
Interacções: interacções farmacocinéticas: Varfarina: Não foram observadas interacções farmacocinéticas clinicamente significativas com a varfarina. É necessária precaução quando a varfarina é administrada em doses próximas do limite superior da janela terapêutica. - Varfarina
Potencialmente Grave

Erlotinib Varfarina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: Erlotinib e anticoagulantes derivados da cumarina: Foi notificado um aumento do Quociente Normalizado Internacional (INR) e de episódios hemorrágicos, que em alguns casos foram fatais, em doentes tratados com Erlotinib, devido a interacção com anticoagulantes derivados da cumarina, incluindo a varfarina. Os doentes em tratamento com anticoagulantes derivados da cumarina devem ser monitorizados regularmente relativamente a quaisquer alterações no tempo de protrombina ou do INR. - Varfarina
Usar com precaução

Esmolol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Dados de um estudo de interacção entre Esmolol e varfarina demonstraram que a administração concomitante de Esmolol e varfarina não altera os níveis plasmáticos de varfarina. As concentrações de Esmolol, contudo, foram paradoxalmente mais elevadas quando administradas com varfarina. O efeito de Esmolol na duração do bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio, foi estudado em doentes submetidos a cirurgia. O início do bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio não foi afectado pelo Esmolol, mas a duração do bloqueio neuromuscular foi prolongada de 5 para 8 minutos. Ainda que as interacções observadas em estudos com varfarina, digoxina, morfina ou cloreto de suxametónio não sejam de importância clínica relevante, o Esmolol deve ser titulado com cuidado em doentes a receber tratamento simultâneo com varfarina, digoxina, morfina ou cloreto de suxametónio. - Varfarina
Usar com precaução

Fluconazol Varfarina

Observações: O fluconazol é um potente inibidor do citocromo P450 (CYP) isoenzima 2C9 e um inibidor moderado do CYP3A4. O fluconazol é também um inibidor da isoenzima CYP2C19. Adicionalmente às interações observadas/documentadas abaixo indicadas, existe um risco de aumento da concentração plasmática de outros compostos metabolizados pelo CYP2C9 e CYP3A4 coadministrados com fluconazol. Deste modo, deve-se ter precaução quando se utilizam estas associações e os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados. O efeito inibidor da enzima pelo fluconazol persiste 4-5 dias após a descontinuação do tratamento com fluconazol devido à sua longa semivida.
Interacções: A utilização concomitante dos seguintes fámacos leva a precauções e ajustes de dose: O efeito de fluconazol noutros fármacos: Anticoagulantes: Na experiência de pós-comercialização, e tal como acontece com outros antifúngicos azólicos foram notificados alguns acontecimentos hemorrágicos (equimoses, epistaxis, hemorragias gastrointestinais, hematúria e melenas) associados ao aumento do tempo de protrombina em doentes a receber terapêutica concomitante de fluconazol e varfarina. Durante o tratamento concomitante com fluconazol e varfarina o tempo de protrombina duplicou, provalvelmente devido a uma inibição do metabolismo da varfarina através do CYP2C9. Em doentes em tratamento com anticoagulantes do tipo cumarínico concomitantemente com fluconazol o tempo de protrombina deve ser cuidadosamente monitorizado. Pode ser necessário ajuste de dose da varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Fluvastatina Varfarina

Observações: n.d
Interacções: interacções farmacológicas: Varfarina e outros derivados cumarínicos: Em voluntários saudáveis, a utilização de fluvastatina e varfarina (dose única) não influenciou adversamente os níveis plasmáticos de varfarina e os tempos de protrombina em comparação com a varfarina isoladamente. Contudo, foram notificados casos isolados de episódios hemorrágicos e/ou tempos de protrombina aumentados muito raramente em doentes sob tratamento com fluvastatina que estavam a receber concomitantemente varfarina ou outros derivados cumarínicos. É recomendada a monitorização dos tempos de protrombina quando o tratamento com fluvastatina é iniciado, descontinuado, ou quando a posologia é alterada em doentes que estão a receber varfarina ou outros derivados cumarínicos. - Varfarina
Usar com precaução

Fosamprenavir Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Varfarina e Outros anticoagulantes orais: É recomendada uma monitorização reforçada do Rácio Internacional Normalizado. - Varfarina
Usar com precaução

Fosaprepitant Varfarina

Observações: Quando administrado por via intravenosa o fosaprepitant é rapidamente convertido em aprepitant. As interações medicamentosas decorrentes da administração de intravenosa de fosaprepitant são passíveis de ocorrer com substâncias ativas que interagem com o aprepitant administrado por via oral. A informação seguinte resultou de dados obtidos com o aprepitant por via oral e de estudos realizados com fosaprepitant por via intravenosa coadministrados com dexametasona, midazolam ou diltiazem. O fosaprepitant 150 mg, em dose única, é um inibidor fraco do CYP3A4. O fosaprepitant não parece interagir com a glicoproteína-P transportadora, tal como demonstrado pela ausência de interacção entre o aprepitant por via oral com a digoxina. Antevê-se que, quando comparado com a administração de aprepitant oral, o fosaprepitant provoque indução menor ou não superior do CYP2C9, do CYP3A4 e da glucuronidação. Não há dados sobre os efeitos no CYP2C8 e CYP2C19.
Interacções: Efeito do aprepitant na farmacocinética de outras substâncias activas: Varfarina: Nos doentes em tratamento crónico com varfarina, o tempo de protrombina (INR) deverá ser cuidadosamente monitorizado durante o tratamento com aprepitant e nos 14 dias após a administração de Fosaprepitant para a prevenção de náuseas e vómitos induzidos pela quimioterapia. - Varfarina
Sem efeito descrito

Fosinopril + Hidroclorotiazida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Outros fármacos: a biodisponibilidade do fosinopril não ligado não é alterada pela co-administração com ácido acetilsalicílico, clortolidona, cimetidina, digoxina, metoclopramida, nifedipina, propanolol, propantelina ou varfarina. Fosinopril / Hidroclorotiazida tem sido usado concomitantemente com paracetamol, outros anti-inflamatórios não- esteróides, anti-histamínicos, antilipémicos, estrogénios, sem evidência de eventos adversos clinicamente importantes. - Varfarina
Sem significado Clínico

Glimepirida + Pioglitazona Varfarina

Observações: Não existem estudos formais de interacção para o Glimepirida / Pioglitazona, contudo, a utilização concomitante das substâncias ativas em doentes em utilização clínica não teve como resultado interações inesperadas. As informações disponíveis são sobre as substâncias ativas individualmente (pioglitazona e glimepirida).
Interacções: PIOGLITAZONA: Os estudos de interacção demonstraram que a pioglitazona não exerce efeitos relevantes quer sobre a farmacocinética quer sobre a farmacodinâmica da digoxina, varfarina, femprocumom e metformina. - Varfarina
Sem significado Clínico

Glimepirida + Rosiglitazona Varfarina

Observações: Não existem estudos formais de interacção para este medicamento, no entanto o uso concomitante das substâncias activas em doentes em estudos clínicos e na sua vasta utilização clínica não originou interacções inesperadas. Anformação disponível é acerca das substâncias activas individualmente (rosiglitazona e glimepirida).
Interacções: ROSIGLITAZONA: Não foram observadas interacções clinicamente relevantes com a digoxina, com o substrato de CYP2C9 varfarina, com os substratos de CYP3A4 nifedipina, etinilestradiol ou noretindrona, após administração concomitante com a rosiglitazona. - Varfarina
Sem efeito descrito

Patirómero Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: A administração concomitante de Patirómero não afetou, porém, a biodisponibilidade, conforme medida pela área sob a curva (AUC), de amlodipina, cinacalcet, clopidogrel, furosemida, lítio, metoprolol, trimetoprim, verapamilo e varfarina. - Varfarina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ifosfamida Varfarina

Observações: A administração sequencial ou a coadministração planeada de outras substâncias ou tratamentos que possam aumentar a probabilidade ou a gravidade dos efeitos tóxicos (por meio de interações farmacodinâmicas ou farmacocinéticas) requer uma avaliação individual cuidadosa do benefício esperado e dos riscos. Os doentes que recebem tais combinações devem ser cuidadosamente monitorizados para sinais de toxicidade de forma a permitir a intervenção atempada. Doentes tratados com ifosfamida e agentes que reduzem a sua ativação devem ser monitorizados para uma potencial redução de eficácia terapêutica e da necessidade de ajuste de dose.
Interacções: Derivados cumarínicos: Aumento da INR (aumento da taxa normalizada internacional) tem sido notificada em doentes que receberam ifosfamida e varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Indinavir Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: INDINAVIR NÃO POTENCIADO ANTICOAGULANTES: Varfarina: Não estudada; administração em associação pode resultar num aumento dos níveis de varfarina. Pode ser necessário um ajuste da dose de varfarina. INDINAVIR POTENCIADO COM RITONAVIR. ANTICOAGULANTES: Varfarina Ritonavir 400 mg BID interacção com indinavir/ritonavir não estudada. Os níveis de R-varfarina podem diminuir, levando a uma redução da anticoagulação devida à indução do CYP1A2 e do CYP2C9 pelo ritonavir. Os parâmetros de anticoagulação devem ser monitorizados quando a varfarina é administrada concomitantemente com indinavir/ritonavir. - Varfarina
Sem efeito descrito

Lisinopril + Amlodipina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: interacções relacionadas com a AMLODIPINA: Efeitos da amlodipina sobre outros medicamentos: O efeito de diminuição da tensão arterial da amlodipina contribui para os efeitos de diminuição da tensão arterial de outros medicamentos com propriedades anti-hipertensoras. Em estudos clínicos de interacção, a amlodipina não afetou a farmacocinética da atorvastatina, digoxina, varfarina ou ciclosporina. - Varfarina
Usar com precaução

Voriconazol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Anticoagulantes: Varfarina (dose única de 30 mg, coadministrada com 300 mg BID de voriconazol) [substrato do CYP2C9] O aumento máximo do tempo de protrombina foi de, aproximadamente, 2 vezes. Recomenda-se a monitorização cuidadosa do tempo de protrombina ou outros testes adequados de anticoagulação, e a dose dos anticoagulantes deve ser ajustada em conformidade. - Varfarina
Usar com precaução

Naproxeno + Esomeprazol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Utilização concomitante com precaução: Anticoagulantes e inibidores da agregação trombótica: Os AINEs podem aumentar os efeitos de anticoagulantes orais (p.ex. varfarina, dicumarol), heparinas e inibidores da agregação trombótica. A administração concomitante de 40 mg de esomeprazol a doentes tratados com varfarina demonstrou que, apesar do ligeiro aumento da concentração plasmática do isómero-R menos potente da varfarina, os tempos de coagulação ficaram dentro do intervalo aceitável. Contudo, foi notificado um aumento clinicamente significativo do INR em casos pós-comercialização, durante tratamento concomitante com varfarina. É recomendada monitorização rigorosa no início e no final do tratamento com varfarina ou outros derivados cumarínicos. - Varfarina
Sem efeito descrito

Nebivolol Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: interacções farmacocinéticas: O nebivolol não tem efeito sobre a farmacocinética e a farmacodinamia da varfarina. - Varfarina
Sem efeito descrito

Nebivolol + Hidroclorotiazida Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: interacções farmacocinéticas: NEBIVOLOL: O nebivolol não tem efeito sobre a farmacocinética e a farmacodinâmica da varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Nelfinavir Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: A administração conjunta de varfarina e nelfinavir pode afectar as concentrações de varfarina. Recomenda-se que a relação internacional normalizada (RIN) seja monitorizada atentamente durante o tratamento com nelfinavir, especialmente no início do tratamento. - Varfarina
Usar com precaução

Nevirapina Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: ANTITROMBÓTICOS: Varfarina: A interacção entre a Nevirapina e o agente antitrombótico varfarina é complexa, com possibilidade tanto de aumento como de decréscimo do tempo de coagulação quando usados concomitantemente. É necessária uma monitorização apertada dos níveis de anticoagulação. - Varfarina
Usar com precaução

Nilotinib Varfarina

Observações: O nilotinib é principalmente metabolizado no fígado e é também substrato para a bomba de efluxo multifármacos, glicoproteína-P (gp-P). Assim, a absorção e subsequente eliminação do nilotinib absorvido sistemicamente podem ser influenciadas por substâncias que afetem a CYP3A4 e/ou a gp-P.
Interacções: Substâncias que podem ter a sua concentração sistémica alterada pelo nilotinib: In vitro, o nilotinib é um inibidor relativamente forte da CYP3A4, CYP2C8, CYP2C9, CYP2D6 e UGT1A1, sendo o valor de Ki menor para a CYP2C9 (Ki=0,13 micr oM). Um estudo de interacção entre fármacos da dose única, em voluntários saudáveis, com 25 mg de varfarina – um substrato suscetível da CYP2C9, e 800 mg de nilotinib, não resultou em quaisquer alterações nos parâmetros farmacocinéticos da varfarina nem na farmacodinâmica da varfarina medidos através do tempo de protrombina (TP) e da razão normalizada internacional ( international normalised ratio, INR). Não existem dados no estado estacionário. Este estudo sugere que entre o nilotinib e a varfarina, até uma dose de 25 mg de varfarina, é pouco provável que ocorra uma interacção entre fármacos clinicamente significativa. Devido à falta de dados no estado estacionário, recomenda-se a monitorização dos marcadores farmacodinâmicos da varfarina (INR ou TP) após o início do tratamento com nilotinib (pelo menos durante as primeiras duas semanas). - Varfarina
Sem efeito descrito

Sildenafil Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Efeitos de outros medicamentos sobre o sildenafil: Estudos in vivo: Embora não se tenham realizado estudos específicos de interacção com todos os medicamentos, a análise farmacocinética populacional não revelou qualquer efeito da medicação concomitante sobre a farmacocinética do sildenafil quando associado com inibidores da CYP2C9 (como a tolbutamida, varfarina, fenitoína), inibidores da CYP2D6 (como os inibidores selectivos da recaptação da serotonina, antidepressores tricíclicos), tiazida e diuréticos relacionados, diuréticos da ansa e poupadores de potássio, inibidores da enzima de conversão da angiotensina, bloqueadores dos canais do cálcio, antagonistas dos receptores beta-adrenérgicos ou com indutores do metabolismo associado ao CYP450 (como a rifampicina, barbituratos). - Varfarina
Sem efeito descrito