Valsartan

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução
O que é
Valsartan é um bloqueador do recetor da angiotensina (ARB) que pode ser utilizado para tratar uma variedade de situações cardíacas, incluindo hipertensão, nefropatia diabética e insuficiência cardíaca.

Valsartan reduz a pressão arterial por antagonizar o sistema renina-angiotensina-aldosterona (RAAS), que compete com o da angiotensina II para liga-ser ao recetor de tipo 1 da angiotensina II (AT1), e impede que a pressão sanguínea sob o efeito da angiotensina II aumente.

Ao contrário da enzima de conversão da angiotensina (IECA), BRA não tem o efeito adverso da tosse seca.

Valsartan pode ser usado para tratar a hipertensão, hipertensão sistólica isolada, hipertrofia ventricular esquerda e nefropatia diabética.

Também pode ser usado como um agente alternativo para o tratamento da insuficiência cardíaca, disfunção sistólica, enfarte do miocárdio e doença coronária.
Usos comuns
Valsartan é usado isoladamente ou em associação com outros medicamentos para tratar a tensão arterial elevada (hipertensão).

A pressão arterial elevada aumenta a carga de trabalho do coração e artérias.

Se perdurar por longo tempo, o coração e as artérias podem não funcionar corretamente.

Isto pode danificar os vasos sanguíneos do cérebro, coração, rins, resultando num acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca, ou insuficiência renal.

A redução da pressão arterial pode reduzir o risco de derrames e ataques cardíacos.

Valsartan também é usado para tratar a insuficiência cardíaca e falência ventricular esquerda após um ataque cardíaco.

A insuficiência ventricular esquerda ocorre quando o lado esquerdo do coração ( a câmara de bombagem primária) torna-se rígida e alargada ou inchado.

Isto faz com que aumente a partilha de sangue nos pulmões, porque o coração não bombeia adequadamente.

O Valsartan é um bloqueador do recetor da angiotensina II ( ARB).

Funciona através do bloqueio de uma substância no organismo que provoca constrição dos vasos sanguíneos.

Valsartan relaxa os vasos sanguíneos e reduz a pressão arterial.

A pressão arterial vai aumentar o fornecimento de sangue e oxigénio para o coração.

Valsartan está disponível apenas com prescrição médica.
Tipo
Molécula pequena.
História
O Valsartan foi patenteado em 1990 e passou a ser usado na medicina em 1996. Está disponível como um medicamento genérico.
Indicações
Hipertensão:
Tratamento da hipertensão essencial em adultos, e hipertensão em crianças e adolescentes entre os 6 e os 18 anos de idade.

Enfarte do miocárdio recente:
Tratamento de doentes adultos clinicamente estáveis com insuficiência cardíaca sintomática ou disfunção ventricular sistólica esquerda assintomática após um enfarte do miocárdio recente (12 horas – 10 dias).

Insuficiência cardíaca:
Tratamento da insuficiência cardíaca sintomática em doentes adultos quando não for possível utilizar inibidores da enzima conversora da angiotensina (ECA) ou como terapêutica adicional aos inibidores da ECA quando não for possível utilizar bloqueadores-beta.
Classificação CFT

03.04.02.02 : Antagonistas dos recetores da angiotensina

Mecanismo De Ação
Valsartan é um ARB, que inibe selectivamente a ligação de angiotensina II aos recetores AT1, o qual está presente em muitos tecidos, tais como o músculo liso vascular e as glândulas supra-renais.

Isto inibe eficazmente a vasoconstritora AT1-mediada e efeitos secretores da aldosterona da angiotensina II e resulta numa diminuição da resistência vascular e da pressão sanguínea.

Valsartan é seletivo para AT1 e praticamente não tem afinidade para AT2.

A inibição da secreção de aldosterona pode inibir a reabsorção de sódio e água nos rins, excreção de potássio.

O metabólito primário de Valsartan, valeril 4-hidroxi valsartan, não tem atividade farmacológica.
Posologia Orientativa
A dose de Valsartan será diferente para diferentes pacientes. Siga as ordens do Médico.

As informações a seguir incluem apenas as doses Médias de Valsartan. Se a sua dose é diferente, não a mudar a não ser que o seu Médico lhe diga para o fazer.

A quantidade de medicamento que toma depende da potência do medicamento.

Além disso, o número de doses que toma cada dia, o intervalo entre doses , e a duração do tratamento, dependem do problema médico para o qual está usando o medicamento.

Para a forma de dosagem oral (comprimidos):
Insuficiência cardíaca:
Adultos - De início, 40 miligramas ( mg) duas vezes ao dia. O Médico assistente pode ajustar a dose conforme necessário. No entanto, a dose geralmente não excede 320 mg por dia.

Crianças - uso e dose devem ser determinadas pelo Médico.

Na pressão arterial elevada:
Adultos -Em primeiro lugar, 80 ou 160 miligramas (mg) uma vez por dia. O Médico pode ajustar a dose conforme necessário. No entanto, a dose geralmente não excede 320 mg por dia.

Crianças de 6 a 16 anos de idade - A dose é baseada no peso corporal e deve ser determinada pelo Médico.

A dose inicial é geralmente de 1,3 miligramas (mg) por quilograma ( kg) de peso corporal por dia, administrada como uma dose única. O Médico pode ajustar a dose conforme necessário. No entanto , a dose geralmente não excede 2,7 mg por kg de peso corporal, ou 160 mg por dia.

Crianças com menos de 6 anos de idade - uso não recomendado.

Na insuficiência ventricular esquerda após um ataque cardíaco:
Adultos -Em primeiro lugar, 20 miligramas ( mg) duas vezes ao dia. O Médico pode ajustar a dose conforme necessário. No entanto, a dose geralmente não excede 320 mg por dia.

Crianças - uso e dose devem ser determinadas pelo Médico.
Administração
Via oral.

Pode tomar Valsartan com ou sem alimentos.
Engula o Valsartan com um copo de água. Tomar o Valsartan todos os dias aproximadamente à mesma hora.
Contraindicações
- Hipersensibilidade ao Valsartan
- Disfunção hepática grave, cirrose biliar e colestase.
- Segundo e terceiro trimestres de gravidez
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Alguns sintomas requerem atenção médica imediata:
Sintomas de angioedema (uma reação alérgica específica), como por exemplo, inchaço da face, lábios, língua ou garganta, dificuldade em engolir ou em respirar, urticária, comichão.
Se sentir algum destes sintomas, consulte imediatamente um Médico.

Outros efeitos secundários incluem:
Frequentes: tonturas, pressão arterial baixa com ou sem sintomas como tonturas e desmaio quando está de pé, função renal diminuída (sinais de disfunção renal)

Pouco frequentes: angioedema, perda súbita de consciência (síncope), sentir-se a rodar (vertigens), função renal gravemente reduzida (sinais de insuficiência renal aguda) espasmos musculares, ritmo cardíaco anormal (sinais de hipercaliemia), falta de ar, dificuldade em respirar quando está deitado, inchaço dos pés ou das pernas (sinais de insuficiência cardíaca), dor de cabeça, tosse, dor abdominal, náuseas, diarreia, cansaço fraqueza.

Desconhecidos: podem ocorrer reações alérgicas com erupção cutânea, comichão (prurido) e urticária, sintomas de febre, inchaço das articulações, dor nas articulações, dor muscular, nódulos linfáticos inchados e/ou sintomas semelhantes aos da gripe (sinais de doença do soro), pontos de cor vermelha e púrpura, febre, comichão (sinais de inflamação dos vasos sanguíneos também denominado vasculite), hemorragias ou hematomas anormais (sinais de trombocitopenia – diminuição do número de plaquetas no sangue) dor muscular (mialgia), febre, dores de garganta ou úlceras bucais devido a infeções (sintomas de nível baixo de glóbulos brancos também denominado neutropenia), diminuição do nível de hemoglobina e diminuição da percentagem de glóbulos vermelhos no sangue (o que pode provocar anemia em casos graves) aumento do nível de potássio no sangue (o que pode desencadear espasmos musculares e ritmo cardíaco anormal em casos graves), elevação dos valores da função hepática (o que pode indicar lesões no fígado), incluindo um aumento do nível de bilirrubina no sangue (o que pode causar pele e olhos amarelos em casos graves) aumento do nível de azoto na ureia sanguínea e aumento do nível de creatinina sérica (o que, pode indicar, função renal anormal), diminuição do nível de sódio no sangue (que pode provocar cansaço, confusão, espasmos musculares e/ou convulsões em casos graves).

A frequência de determinados efeitos secundários pode variar consoante o seu estado. Por exemplo, efeitos secundários como tonturas e função renal diminuída ocorreram com menos frequência em doentes tratados com pressão arterial elevada do que em doentes tratados para insuficiência cardíaca ou depois de um ataque de coração recente.
Os efeitos secundários em crianças e adolescentes são semelhantes aos observados em adultos.
Advertências

Sem informação.

Precauções Gerais
Hipercaliemia:
Não é recomendada medicação concomitante com suplementos de potássio, diuréticos poupadores de potássio, substitutos do sal que contenham potássio ou outros medicamentos que possam aumentar os níveis de potássio (heparina, etc.).
A monitorização de potássio deve ser realizada adequadamente.

Doentes com depleção de sódio e/ou volume:
Em doentes com depleção grave de sódio e/ou volume, nomeadamente nos doentes tratados com doses elevadas de diuréticos, poderá ocorrer hipotensão sintomática em casos raros após início da terapêutica com Valsartan.
A depleção de sódio e/ou volume terá de ser corrigida antes do início do tratamento com Valsartan, por exemplo, por redução da dose de diurético.

Estenose da artéria renal:
O uso seguro de Valsartan ainda não foi estabelecido em doentes com estenose arterial renal bilateral ou estenose de rim único.

A administração a curto prazo de Valsartan em doze doentes com hipertensão renovascular secundária a estenose arterial renal unilateral não induziu quaisquer alterações significativas da hemodinâmica renal, creatinina sérica ou azoto da ureia sanguínea (BUN).
Contudo, uma vez que outros agentes com efeito sobre o sistema renina-angiotensina podem aumentar a ureia sanguínea e a creatinina sérica de doentes com estenose arterial renal unilateral, recomenda-se a monitorização da função renal em doentes tratados com Valsartan.

Transplantados renais:
Não há experiência sobre o uso seguro de Valsartan em doentes com transplante renal recente.

Hiperaldosteronismo primário:
Doentes com hiperaldosteronismo primário não devem ser tratados com Valsartan dado que o seu sistema renina-angiotensina não está ativado.

Estenose aórtica e da válvula mitral, cardiomiopatia hipertrófica obstrutiva
Tal como com todos os outros vasodilatadores, está indicado um cuidado especial nos doentes que sofram de estenose aórtica ou mitral ou de cardiomiopatia hipertrófica obstrutiva (HOCM).

Insuficiência renal:
Não existe atualmente qualquer experiência sobre a utilização segura em doentes com depuração de creatinina <10 ml/min nem em doentes a fazer diálise, por conseguinte Valsartan deve ser utilizado com precaução nestes doentes.
Não é necessário ajuste da dose em doentes com uma depuração de creatinina >10 ml/min.

Insuficiência hepática:
Em doentes com insuficiência hepática ligeira a moderada sem colestase, Valsartan deve ser usado com precaução.

Gravidez;
A terapêutica com Antagonistas dos Recetores da Angiotensina II (ARAIIs) não deve ser iniciada durante a gravidez.
A menos que a continuação da terapêutica com ARAII seja considerada essencial, doentes que planeiam engravidar devem mudar para terapêuticas anti-hipertensoras alternativas que tenham um perfil de segurança estabelecido para utilização durante a gravidez.
Quando a gravidez é comprovada, a terapêutica com ARAIIs deve ser imediatamente interrompida, e, se necessário, deve ser iniciada terapêutica alternativa.

Enfarte do miocárdio recente:
A associação dupla de Captopril e Valsartan não demonstrou qualquer benefício clínico adicional, tendo aumentado o risco de efeitos adversos em comparação com o tratamento com as respetivas terapêuticas.
Por conseguinte, a associação de Valsartan com um inibidor de ECA não é recomendada.

Deve ser tida precaução ao iniciar a terapêutica em doentes no pós-enfarte do miocárdio. A avaliação destes doentes deve incluir sempre a avaliação da função renal.

O uso de Valsartan em doentes no pós-enfarte do miocárdio resulta frequentemente em alguma redução da pressão arterial, mas a interrupção da terapêutica devido a hipotensão sintomática continuada não é geralmente necessária desde que sejam seguidas as instruções de dose.

Insuficiência cardíaca:
Em doentes com insuficiência cardíaca, a associação tripla de um inibidor da ECA, um bloqueador-beta e Valsartan Actavis não demonstrou qualquer benefício clínico
Esta associação aparentemente aumenta o risco de acontecimentos adversos pelo que não é recomendada.

Deve ser observado com precaução o início da terapêutica em doentes com insuficiência cardíaca. A avaliação destes doentes deve incluir sempre a avaliação da função renal.

O uso de Valsartan em doentes com insuficiência cardíaca resulta frequentemente em alguma redução da pressão arterial, mas a interrupção da terapêutica devido a hipotensão sintomática continuada não é geralmente necessária desde que sejam
seguidas as instruções de dose.

Em doentes cuja função renal possa depender da atividade do sistema renina-angiotensina (por ex. doentes com insuficiência cardíaca congestiva grave), o tratamento com inibidores da enzima de conversão da angiotensina tem sido associado a oligúria e/ou azotemia progressiva e, em casos raros, a insuficiência renal aguda e/ou morte.
Como o Valsartan é um antagonista da angiotensina II, não se pode excluir que o uso de Valsartan possa estar associado a insuficiência da função renal.

Enfarte do miocárdio recente:
A associação dupla de Captopril e Valsartan não demonstrou qualquer benefício clínico adicional, tendo aumentado o risco de efeitos adversos em comparação com o tratamento com as respetivas terapêuticas.
Por conseguinte, a associação de Valsartan com um inibidor de ECA não é recomendada.

Deve ser tida cautela ao iniciar a terapêutica em doentes no pós-enfarte do miocárdio. A avaliação destes doentes deve incluir sempre a avaliação da função renal.

O uso de Valsartan em doentes no pós-enfarte do miocárdio resulta
frequentemente nalguma redução da pressão arterial, mas a interrupção da terapêutica devido a hipotensão sintomática continuada não é geralmente necessária desde que sejam seguidas as instruções de dose.

Insuficiência cardíaca:
Em doentes com insuficiência cardíaca, a associação tripla de um inibidor da ECA, um bloqueador-beta e Valsartan não demonstrou qualquer benefício clínico Esta associação aparentemente aumenta o risco de acontecimentos adversos pelo que não é recomendada.

Deve ser exercida cautela ao iniciar a terapêutica em doentes com insuficiência cardíaca. A avaliação destes doentes deve incluir sempre a avaliação da função renal.

O uso de Valsartan em doentes com insuficiência cardíaca resulta frequentemente nalguma redução da pressão arterial, mas a interrupção da terapêutica devido a hipotensão sintomática continuada não é geralmente necessária desde que sejam seguidas as instruções de dose.

Em doentes cuja função renal possa depender da atividade do sistema renina-angiotensina (por ex. doentes com insuficiência cardíaca congestiva grave), o tratamento com inibidores da enzima de conversão da angiotensina tem sido associado a oligúria e/ou azotemia progressiva e, em casos raros, a insuficiência renal aguda e/ou morte.
Como o Valsartan é um antagonista da angiotensina II, não se pode excluir que o uso de Valsartan possa estar associado a insuficiência da função renal.

População pediátrica:
Disfunção renal:
A utilização em doentes pediátricos com uma depuração da creatinina <30 ml / min e em doentes pediátricos a fazer diálise não foi estudada, consequentemente Valsartan não é recomendado nestes doentes.
Não é necessário um ajuste posológico para os doentes pediátricos com uma depuração da creatinina> 30 ml / min.
A função renal e o potássio sérico devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento com Valsartan.
Isto aplica-se especialmente quando o Valsartan é administrado na presença de outras perturbações (febre, desidratação) que podem afetar a função renal.

Disfunção hepática:
Tal como nos adultos, Valsartan está contraindicado em doentes pediátricos com disfunção hepática grave, cirrose biliar e em doentes com colestase.

A experiência clínica de utilização de Valsartan em doentes pediátricos com disfunção hepática ligeira a moderada é limitada. A dose de Valsartan não deverá exceder os 80 mg nestes doentes.

Intolerância à galactose, deficiência em lactase de Lapp, má absorção glucose-galactose:
Os doentes com problemas hereditários raros de intolerância à galactose, deficiência em lactase de Lapp ou má absorção glucose-galactose não deverão tomar este medicamento.

Lecitina:
Se um doente for hipersensível a amendoins ou soja, este medicamento não deverá ser utilizado.
Cuidados com a Dieta
Pode tomar Valsartan com ou sem alimentos.
Terapêutica Interrompida
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Caso se tenha esquecido de tomar uma dose tome-a assim que se lembrar.
No entanto, se estiver quase na hora de tomar a dose seguinte, não tome a dose de que se esqueceu.
Se se esquecer de tomar o medicamento deverá tomá-lo assim que possível ou saltar uma dose caso esteja na altura da dose seguinte.
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.

Se se esqueceu de mais doses, ou pensa que se poderá ter esquecido, contate um Médico.
Cuidados no Armazenamento
Não conservar acima de 30°C.
Conservar na embalagem de origem para proteger da luz e da humidade.

Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Usar com precaução

Valsartan + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Não é recomendada utilização concomitante: Lítio: Foram descritos aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio e da toxicidade durante a utilização concomitante de inibidores da ECA. Devido à falta de experiência com a utilização concomitante de valsartan e lítio, esta associação não é recomendada. Caso esta associação seja necessária, recomenda-se a monitorização cuidadosa dos níveis séricos de lítio. - Lítio
Usar com precaução

Atalureno + Valsartan

Observações: Com base em estudos in vitro, o atalureno é um substrato da UGT1A9 e da proteína de resistência ao cancro da mama (BCRP). Com base em estudos in vitro, o atalureno é um inibidor da UGT1A9, do transportador de aniões orgânicos 1 (OAT1), do transportador de aniões orgânicos 3 (OAT3) e do polipéptido transportador de aniões orgânicos 1B3 (OATP1B3). Com base nos estudos in vitro, não se prevê que o atalureno seja um inibidor do transporte mediado pela glicoproteína P nem do metabolismo mediado pelo citocromo P450. De forma semelhante, não se prevê que, in vivo, o atalureno seja um indutor das isoenzimas do citocromo P450. Medicamentos que afetam a glicoproteína-P transportadora In vitro, o atalureno não é um substrato da glicoproteína-P transportadora. É improvável que a farmacocinética do atalureno seja afetada por medicamentos que inibem a glicoproteína-P transportadora. Desconhece-se qual é o efeito da administração concomitante do atalureno com outros medicamentos nefrotóxicos. Em alguns destes casos, a desidratação pode ser um fator contribuinte. Os doentes devem manter uma hidratação adequada durante a toma do atalureno.
Interações: É necessário ter cuidado quando o atalureno for administrado de forma concomitante com medicamentos que são substratos da UGT1A9, OAT1, OAT3 ou OATP1B3 devido ao risco de aumento da concentração destes medicamentos (por exemplo, oseltamivir, aciclovir, ciprofloxacina, captopril, furosemida, bumetanida, valsartan, pravastatina, rosuvastatina, atorvastatina e pitavastatina). - Valsartan
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tedizolida + Valsartan

Observações: O potencial de interações serotoninérgicas não foi estudado nem em doentes nem em voluntários saudáveis.
Interações: Há um potencial para o fosfato de tedizolida inibir o transportador de aniões orgânicos (OATP1B1) com base nos dados in vitro. Desconhece-se a relevância in vivo. A inibição do OATP1B1 pode resultar num aumento da exposição a medicamentos, como as estatinas (atorvastatina, fluvastatina, pitavastatina e lovastatina), repaglinida, bosentano, valsartan, olmesartan e glibenclamida. Se possível, deve considerar-se a possibilidade de suspender o medicamento administrado concomitantemente durante os seis dias de tratamento com fosfato de tedizolida. - Valsartan
Sem efeito descrito

Saxagliptina + Dapagliflozina + Valsartan

Observações: Saxagliptina: O metabolismo da saxagliptina é mediado principalmente pelo citocromo P450 3A4/5 (CYP3A4/5). Dapagliflozina: O metabolismo da dapagliflozina é feito principalmente através de conjugação do glucuronido mediado pela UDP glucuroniltransferase 1A9 (UGT1A9).
Interações: A dapagliflozina não alterou significativamente a farmacocinética de saxagliptina, metformina, pioglitazona, sitagliptina, glimepirida, voglibose, hidroclorotiazida, bumetanida, valsartan ou sinvastatina. Estes medicamentos não alteraram a farmacocinética da dapagliflozina. Em estudos de interação realizados em indivíduos saudáveis, nos quais se utilizou principalmente o esquema de dose única, a dapagliflozina não alterou a farmacocinética da metformina, pioglitazona [um substrato do CYP2C8 (major) e CYP3A4 (minor)], sitagliptina, glimepirida (um substrato do CYP2C9), hidroclorotiazida, bumetanida, valsartan, digoxina (um substrato da P-gp) ou varfarina (S-varfarina, um substrato do CYP2C9), ou os efeitos anticoagulantes da varfarina medidos pela Razão Normalizada Internacional (RNI). A associação de uma dose única de dapagliflozina 20 mg e sinvastatina (um substrato do CYP3A4) resultou num aumento de 19% na AUC de sinvastatina e num aumento de 31% na AUC do ácido de sinvastatina. O aumento da exposição de sinvastatina e do ácido de sinvastatina não foram considerados clinicamente relevantes. - Valsartan
Sem efeito descrito

Vildagliptina + Valsartan

Observações: A vildagliptina tem um fraco potencial de interação com outros medicamentos administrados em associação. Uma vez qu e a vildagliptina não é um substrato do citocromo P (CYP) 450 e não inibe nem induz as enzimas CYP 450, não é provável a interação com substâncias ativas que sejam substratos, inibidores ou indutores dessas enzimas.
Interações: Associação com amlodipina, ramipril, valsartan ou sinvastatina: Foram efetuados estudos de interação medicamentosa com amlodipina, ramipril, valsartan e sinvastatina em indivíduos saudáveis. Nestes estudos não se observaram interações farmacocinéticas clinicamente relevantes após a administração concomitante com vildagliptina. - Valsartan
Usar com precaução

Eluxadolina + Valsartan

Observações: N.D.
Interações: Substratos do OATP1B1: A eluxadolina aumenta a exposição do substrato do OATP1B1 coadministrado rosuvastatina em até 40% da exposição total, o que não é considerado normalmente como sendo clinicamente relevante. Contudo, o efeito sobre outras estatinas, que sejam substratos do OATP1B1 mais sensíveis (por exemplo, sinvastatina e atorvastatina) pode ser mais acentuado. Por conseguinte, deve ter-se precaução nos doentes que estejam a receber tais medicamentos, especialmente em doses elevadas. Outros substratos potencialmente afetados incluem, por exemplo, sartans (valsartan, olmesaran). - Valsartan
Sem efeito descrito

Dapagliflozina + Valsartan

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Efeitos de outros medicamentos na dapagliflozina: Estudos de interação realizados em indivíduos saudáveis, utilizando essencialmente um desenho de dose única, sugerem que a farmacocinética da dapagliflozina não é alterada pela metformina, pioglitazona, sitagliptina, glimepirida, voglibose, hidroclorotiazida, bumetanida, valsartan ou sinvastatina. Efeitos da dapagliflozina noutros medicamentos: Em estudos de interação realizados em indivíduos saudáveis, utilizando essencialmente um desenho de dose única, a dapagliflozina não alterou a farmacocinética da metformina, pioglitazona, sitagliptina, glimepirida, hidroclorotiazida, bumetanida, valsartan, digoxina (um substrato da P-gp) ou varfarina (S-varfarina, um substrato do CYP2C9), ou os efeitos anticoagulantes da varfarina medidos pelo INR. - Valsartan
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de cálcio + Cloreto de potássio + Cloreto de sódio + Lactato de sódio + Valsartan

Observações: População pediátrica: Não existem características especiais.
Interações: A administração desta associação de acordo com as indicações e contraindicações recomendadas não eleva as concentrações plasmáticas dos eletrólitos que a solução contém. Em caso de aumento da concentração de qualquer eletrólito devido a outras causas as seguintes interações devem ser consideradas. Relacionadas com POTÁSSIO: O suxametónio, diuréticos poupadores de potássio (amilorida, espironolactona, triamterene, isolados ou em combinação), Inibidores da ECA (p.ex. captopril, enalapril), antagonistas dos recetores da Angiotensina II (p.ex. valsartan, losartan), tacrolimus, ciclosporina podem aumentar a concentração de potássio no plasma e conduzir a hipercalemia potencialmente fatal em particular em caso de falência renal que aumenta o efeito hipercalémico. - Valsartan
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ombitasvir + Paritaprevir + Ritonavir + Valsartan

Observações: Os estudos de interação medicamentosa só foram realizados em adultos. Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir foi administrado em doses múltiplas em todos os estudos de interação medicamentosa, com exceção dos estudos de interação medicamentosa com carbamazepina, gemfibrozil e cetoconazol.
Interações: Interações farmacocinéticas: Potencial para Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir afetar a farmacocinética de outros medicamentos: Os estudos de interação medicamentosa in vivo avaliaram o efeito global do tratamento de associação, incluindo o ritonavir. Medicamentos transportados pela família OATP e OCT1: O paritaprevir é um inibidor dos transportadores de captação hepáticos OATP1B1 e OATP1B3, e paritaprevir e ritonavir são inibidores de OATP2B1. O ritonavir é um inibidor in vitro de OCT1, mas a sua relevância clínica é desconhecida. A coadministração de Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir com medicamentos que são substratos de OATP1B1, OATP1B3, OATP2B1 ou OCT1 pode aumentar as concentrações plasmáticas destes substratos de transportadores, requerendo potencialmente ajuste de dose/monitorização clínica. Tais medicamentos incluem algumas estatinas, fexofenadina, repaglinida e antagonistas dos recetores da angiotensina II (por exemplo, valsartan). Os substratos da OATP1B1/3 avaliados nos estudos de interação medicamentosa incluem pravastatina e rosuvastatina. Interações entre Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir e outros medicamentos ANTAGONISTAS DOS RECETORES DA ANGIOTENSINA: Valsartan: Mecanismo: Inibição de OATP1B pelo paritaprevir. Administrado com: Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir. Não estudado. Recomenda-se monitorização clínica e redução da dose quando Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir é coadministrado com valsartan. - Valsartan
Usar com precaução

Olaparib + Valsartan

Observações: Não foram realizados estudos de interação farmacológica formais.
Interações: Interações farmacocinéticas: Efeito de olaparib sobre outros fármacos: Desconhece-se o potencial de olaparib para induzir o CYP3A, CYP1A2, CYP2B6, CYP2C9, CYP2C19 e o P-gp e não se pode excluir que o olaparib após administração concomitante possa reduzir a exposição aos substratos destas enzimas metabólicas e proteína transportadora. A eficácia dos contracetivos hormonais pode estar reduzida se forem administrados concomitantemente com olaparib. O olaparib in vitro pode ser um inibidor do P-gp e é um inibidor do BRCP, OATP1B1, OCT1 e OCT2. Não se pode excluir que olaparib possa aumentar a exposição aos substratos do P-gp (p.ex., estatinas, digoxina, dabigatrano, colquicina), BRCP (p.ex., metotrexato, rosuvastatina e sulfassalazina), OATP1B1 (p.ex., bosentano, glibenclamida, repaglinida, estatinas e valsartan), OCT1 (p.ex., metformina) e OCT2 (p.ex., creatinina sérica). Em particular, recomenda-se precaução se olaparib for administrado em associação com qualquer estatina. - Valsartan
Sem significado Clínico

Metformina + Vildagliptina + Valsartan

Observações: Não foram efetuados estudos formais de interação com Metformina/Vildagliptina. As informações seguintes refletem a informação disponível com as substâncias ativas em monoterapia.
Interações: Vildagliptina: A vildagliptina tem um fraco potencial de interação com outros medicamentos administrados em associação. Uma vez que a vildagliptina não é um substrato do citocromo P (CYP) 450 e não inibe nem induz as enzimas CYP450, não é provável a interação com substâncias ativas que sejam substratos, inibidores ou indutores dessas enzimas. Foram efetuados estudos de interação medicamentosa com amlodipina, ramipril, valsartan e sinvastatina em indivíduos saudáveis. Nestes estudos não se observaram interações farmacocinéticas clinicamente relevantes após a administração concomitante com vildagliptina. No entanto, estas não foram determinadas na população - alvo. - Valsartan
Sem efeito descrito

Metformina + dapagliflozina + Valsartan

Observações: A administração concomitante de doses múltiplas de dapagliflozina e metformina não alterou significativamente o perfil farmacocinético quer da dapagliflozina ou da metformina em indivíduos saudáveis. Não foram realizados estudos de interação para Metformina / dapagliflozina. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: DAPAGLIFLOZINA: Interações farmacocinéticas: O metabolismo da dapagliflozina é principalmente via conjugação do glicuronídeo mediado pela UDP-glicuronosiltransferase 1A9 (UGT1A9). Em estudos in vitro, a dapagliflozina não inibiu o citocromo P450 (CYP) 1A2, CYP2A6, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, CYP2D6, CYP3A4, nem induziu o CYP1A2, CYP2B6 ou CYP3A4. Assim, não é esperado que este medicamento altere a depuração metabólica de medicamentos administrados concomitantemente e que são metabolizados por estas enzimas. Efeitos de outros medicamentos na dapagliflozina: Estudos de interação realizados em indivíduos saudáveis, utilizando essencialmente um desenho de dose única, sugerem que a farmacocinética da dapagliflozina não é alterada pela pioglitazona, sitagliptina, glimepirida, voglibose, hidroclorotiazida, bumetanida, valsartan ou sinvastatina. Efeitos da dapagliflozina noutros medicamentos: Em estudos de interação realizados em indivíduos saudáveis, utilizando essencialmente um desenho de dose única, a dapagliflozina não alterou a farmacocinética da pioglitazona, sitagliptina, glimepirida, hidroclorotiazida, bumetanida, valsartan, digoxina (um substrato da P-gp) ou varfarina (S-varfarina, um substrato do CYP2C9), ou os efeitos anticoagulantes da varfarina medidos pelo INR (Razão Internacional Normalizada). - Valsartan
Potencialmente Fatal

Cloreto de potássio + Cloreto de sódio + Glucose + Valsartan

Observações: N.D.
Interações: Interações relacionadas com a presença de potássio: A administração concomitante da solução com um dos seguintes medicamentos pode originar uma hipercalémia fatal, particularmente em doentes com insuficiência renal (adição de efeitos de hipercalémia): - Diuréticos poupadores de potássio (só ou em combinação) (amilorida, triamtereno, espironolactona, eplerenona) - Inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA) (tais como captopril, enalapril, lisinopril) - Bloqueadores dos recetores da Angiotensina II (Candesartan, telmisartan, eprosartan, irbesartan, losartan, valsartan) - Medicamentos com potássio tais como sais potássicos de penicilina - Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) (diclofenac, indometacina, piroxicam, ácido mefenâmico, celecoxib) - Heparina (inibidor da síntese de aldosterona) - Pentamidina, trimetoprim (bloqueadores dos canais de sódio) - Ciclosporina, tacrolimus (inibidores da calcineurina) - Bloqueadores β-adrenérgicos (propranolol, nadolol, atenolol) - Succinilcolina (suxametonium) (relaxante muscular) - Valsartan
Usar com precaução

Valsartan + Diuréticos poupadores de potássio

Observações: N.D.
Interações: Não é recomendada utilização concomitante: Diuréticos poupadores de potássio, suplementos de potássio, substitutos de sal contendo potássio e outras substâncias que podem aumentar os níveis de potássio: Se se considerar necessário utilizar um medicamento que afeta os níveis de potássio em associação com valsartan, aconselha-se a monitorização dos níveis de potássio. - Diuréticos poupadores de potássio
Usar com precaução

Valsartan + Suplementos de potássio

Observações: N.D.
Interações: Não é recomendada utilização concomitante: Diuréticos poupadores de potássio, suplementos de potássio, substitutos de sal contendo potássio e outras substâncias que podem aumentar os níveis de potássio: Se se considerar necessário utilizar um medicamento que afeta os níveis de potássio em associação com valsartan, aconselha-se a monitorização dos níveis de potássio. - Suplementos de potássio
Usar com precaução

Valsartan + Potássio

Observações: N.D.
Interações: Não é recomendada utilização concomitante: Diuréticos poupadores de potássio, suplementos de potássio, substitutos de sal contendo potássio e outras substâncias que podem aumentar os níveis de potássio: Se se considerar necessário utilizar um medicamento que afeta os níveis de potássio em associação com valsartan, aconselha-se a monitorização dos níveis de potássio. - Potássio
Usar com precaução

Valsartan + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: N.D.
Interações: Cuidado necessário com utilização concomitante: Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), incluindo inibidores seletivos da COX-2, ácido acetilsalicílico >3 g/dia), e AINEs não seletivos: Quando os antagonistas da angiotensina II são administrados simultaneamente com AINEs, pode ocorrer a atenuação do efeito antihipertensivo. Adicionalmente, a utilização concomitante de antagonistas da angiotensina II e AINEs pode levar a um aumento do risco de degradação da função renal e a um aumento no potássio sérico. Assim, recomenda-se a monitorização da função renal no início do tratamento, bem como a hidratação adequada do doente. - Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)
Usar com precaução

Valsartan + Inibidores da cicloxigenase (COX)

Observações: N.D.
Interações: Cuidado necessário com utilização concomitante: Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), incluindo inibidores seletivos da COX-2, ácido acetilsalicílico >3 g/dia), e AINEs não seletivos: Quando os antagonistas da angiotensina II são administrados simultaneamente com AINEs, pode ocorrer a atenuação do efeito antihipertensivo. Adicionalmente, a utilização concomitante de antagonistas da angiotensina II e AINEs pode levar a um aumento do risco de degradação da função renal e a um aumento no potássio sérico. Assim, recomenda-se a monitorização da função renal no início do tratamento, bem como a hidratação adequada do doente. - Inibidores da cicloxigenase (COX)
Usar com precaução

Valsartan + Ácido Acetilsalicílico

Observações: N.D.
Interações: Cuidado necessário com utilização concomitante: Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), incluindo inibidores seletivos da COX-2, ácido acetilsalicílico >3 g/dia), e AINEs não seletivos: Quando os antagonistas da angiotensina II são administrados simultaneamente com AINEs, pode ocorrer a atenuação do efeito antihipertensivo. Adicionalmente, a utilização concomitante de antagonistas da angiotensina II e AINEs pode levar a um aumento do risco de degradação da função renal e a um aumento no potássio sérico. Assim, recomenda-se a monitorização da função renal no início do tratamento, bem como a hidratação adequada do doente. - Ácido Acetilsalicílico
Sem efeito descrito

Valsartan + Cimetidina

Observações: N.D.
Interações: Outros: Nos estudos de interações medicamentosas com valsartan, não foram observadas quaisquer interações clinicamente significativas com valsartan ou com qualquer um dos fármacos seguintes: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida. - Cimetidina
Sem efeito descrito

Valsartan + Varfarina

Observações: N.D.
Interações: Outros: Nos estudos de interações medicamentosas com valsartan, não foram observadas quaisquer interações clinicamente significativas com valsartan ou com qualquer um dos fármacos seguintes: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida. - Varfarina
Sem efeito descrito

Valsartan + Furosemida

Observações: N.D.
Interações: Outros: Nos estudos de interações medicamentosas com valsartan, não foram observadas quaisquer interações clinicamente significativas com valsartan ou com qualquer um dos fármacos seguintes: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida. - Furosemida
Sem efeito descrito

Valsartan + Digoxina

Observações: N.D.
Interações: Outros: Nos estudos de interações medicamentosas com valsartan, não foram observadas quaisquer interações clinicamente significativas com valsartan ou com qualquer um dos fármacos seguintes: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida. - Digoxina
Sem efeito descrito

Valsartan + Atenolol

Observações: N.D.
Interações: Outros: Nos estudos de interações medicamentosas com valsartan, não foram observadas quaisquer interações clinicamente significativas com valsartan ou com qualquer um dos fármacos seguintes: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida. - Atenolol
Sem efeito descrito

Valsartan + Indometacina

Observações: N.D.
Interações: Outros: Nos estudos de interações medicamentosas com valsartan, não foram observadas quaisquer interações clinicamente significativas com valsartan ou com qualquer um dos fármacos seguintes: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida. - Indometacina
Sem efeito descrito

Valsartan + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Outros: Nos estudos de interações medicamentosas com valsartan, não foram observadas quaisquer interações clinicamente significativas com valsartan ou com qualquer um dos fármacos seguintes: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida. - Hidroclorotiazida
Sem efeito descrito

Valsartan + Amlodipina

Observações: N.D.
Interações: Outros: Nos estudos de interações medicamentosas com valsartan, não foram observadas quaisquer interações clinicamente significativas com valsartan ou com qualquer um dos fármacos seguintes: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida. - Amlodipina
Sem efeito descrito

Valsartan + Glibenclamida

Observações: N.D.
Interações: Outros: Nos estudos de interações medicamentosas com valsartan, não foram observadas quaisquer interações clinicamente significativas com valsartan ou com qualquer um dos fármacos seguintes: cimetidina, varfarina, furosemida, digoxina, atenolol, indometacina, hidroclorotiazida, amlodipina, glibenclamida. - Glibenclamida
Usar com precaução

Valsartan + Bloqueio duplo do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA)

Observações: N.D.
Interações: População pediátrica: Na hipertensão em crianças e adolescentes, onde são frequentes anomalias renais subjacentes, recomenda-se precaução com a utilização concomitante de valsartan e de outras substâncias que inibem o sistema renina angiotensina aldosterona, que podem aumentar o potássio sérico. A função renal e o potássio sérico devem ser cuidadosamente monitorizados. - Bloqueio duplo do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA)
Sem efeito descrito

Patirómero + Valsartan

Observações: N.D.
Interações: Os estudos in vitro demonstraram não haver potencial interação de Patirómero com as seguintes substâncias ativas: alopurinol, amoxicilina, apixabano, ácido acetilsalicílico, atorvastatina, cefalexina, digoxina, glipizida, lisinopril, fenitoína, riboflavina, rivaroxabano, espironolactona e valsartan. - Valsartan
Sem efeito descrito

Glecaprevir + Pibrentasvir + Valsartan

Observações: N.D.
Interações: ANTAGONISTAS DOS RECETORES DA ANGIOTENSINA II Valsartan 80 mg dose única (Inibição de OATP1B1/3) Não é necessário ajuste da dose. - Valsartan
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Amilorida + Valsartan

Observações: N.D.
Interações: Interações com amilorida: Valsartan: A co-administração de valsartan e diuréticos poupadores de potássio, como o amiloride, pode resultar num aumento no potássio sérico. Interações com hidroclorotiazida: Valsartan: A hidroclorotiazida não teve efeito perceptível na farmacocinética do valsartan em 12 voluntários saudáveis recebendo hidroclorotiazida 25mg e valsartan 160mg. A área abaixo da curva concentração plasmática – tempo, o pico da concentração plasmática, a semi-vida de eliminação, da hidroclorotiazida diminuiu em 22%, 26% e 35%, respectivamente, quando co-administrado com valsartan. Contudo, estas alterações não foram consideradas clinicamente significativas. - Valsartan
Usar com precaução

Larotrectinib + Valsartan

Observações: n.d.
Interações: Efeitos do larotrectinib sobre outros agentes Efeito do larotrectinib sobre outros substratos transportadores Estudos in vitro indicam que o larotrectinib é um inibidor da OATP1B1. Não foram realizados estudos clínicos para investigar interações com substratos da OATP1B1. Por isso, não se pode excluir a possibilidade da coadministração de larotrectinib com substratos da OATP1B1(ex.: valsartran, estatinas) aumentar a sua exposição. - Valsartan
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Valsartan
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

A utilização de ARAIIs está contraindicada durante o segundo e terceiro trimestres de gravidez.

Não se recomenda a utilização de Valsartan durante a amamentação.

Durante a condução de veículos ou utilização de máquinas, deverá ter-se em consideração a possibilidade de ocorrência de tonturas ou cansaço.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 18 de Setembro de 2020