Vacina viva contra a varicela

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento
O que é
A Varicela (vulgarmente conhecida como bexigas) é uma doença comum na infância que causa febre, erupções cutâneas, e bolhas cheias de líquido na pele.

A maioria das pessoas que recebem esta vacina não terá varicela, ou vai ficar só um caso ligeiro e vai recuperar mais rápido.

A Varicela é geralmente leve, mas pode ser grave ou mesmo fatal em crianças jovens e adultos.

Pode levar a infeções graves da pele, problemas respiratórios, danos cerebrais ou morte.

A pessoa que tenha tido Varicela pode desenvolver herpes zoster (também chamado de zona) mais tarde na vida, o que causa bolhas dolorosas, infeções cutâneas e problemas de audição ou de visão, que podem perdurar por meses ou anos.

A Varicela é transmitida de pessoa para pessoa através do ar, ou ao se entrar em contacto com o fluido de uma bolha da Varicela.

Vacina de vírus Varicela é usado para ajudar a prevenir estas doenças em adultos e crianças com pelo menos 12 meses de idade.

Esta vacina atua por exposição a uma pequena dose do vírus ou a uma sua proteína, o que faz com que o corpo desenvolva imunidade contra a doença.

Esta vacina não irá tratar uma infeção ativa que já se desenvolveu no corpo.

Como qualquer outra, a vacina contra o vírus da Varicela não pode fornecer proteção contra a doença em todas as pessoas.
Usos comuns
A Vacina de vírus da Varicela é um agente de imunização ativo que é dado para proteger contra a infeção causada pelo vírus da varicela - zoster (VZV). A vacina funciona fazendo com que o organismo produza a sua própria proteção (anticorpos) contra o vírus.

A Varicela (vulgarmente conhecida como bexigas) é uma infeção que é facilmente transmitida de uma pessoa para outra.

A Varicela é geralmente uma infeção ligeira, mas às vezes pode causar problemas graves, como pneumonia, inflamação do cérebro, e uma doença rara chamada síndrome de Reye.

A imunização contra a Varicela é recomendada para qualquer pessoa com 12 meses ou mais de idade ou que não tenha tido varicela. A imunização contra a Varicela não é recomendado para crianças menores de 12 meses de idade.

Pode ser considerado imune quem tiver recebido a dose certa da vacina contra a varicela (´1 dose entre 12 meses e 12 anos de idade, ou duas doses a partir dos 13 anos de idade ou mais).

Também são consideradas imunes, as pessoas com diagnóstico médico de uma infeção por Varicela anterior ou quem já fez um exame de sangue que mostre que se mantém imune.

A Vacina de Vírus da Varicela também é utilizada para a prevenção do herpes zoster (vulgarmente conhecida como herpes zoster) em pessoas com 50 anos de idade e mais velhos.

Esta vacina deve ser administrada apenas por ou sob a supervisão médica ou outro Profissional de Saúde autorizado.
Tipo
Sem informação.
História
Sem informação.
Indicações
Imunização ativa contra o vírus da Varicela em indivíduos saudáveis e com idade igual ou superior a 12 meses.
Classificação CFT

18.01 : Vacinas (simples e conjugadas)

Mecanismo De Ação
Em indivíduos suscetíveis, esta vacina produz uma infeção por Varicela inaparente, clinicamente atenuada.

Por um período de tempo até 72 horas após a exposição ao vírus da Varicela natural pode obter-se alguma proteção através da imunização.

A presença de anticorpos é aceite como sendo um indicador de proteção.

Indivíduos saudáveis:
Em crianças entre os 11 meses e os 21 meses de idade, a taxa de seroconversão, quando medida por ELISA (50 mUI/ml) 6 semanas após a vacinação, foi de 89,6% após uma dose de vacina e de 100% após a segunda dose de vacina.

Em crianças entre os 9 meses e os 12 anos de idade, a taxa global de seroconversão, quando medida por Immunofluorescence Assay (IFA) 6 semanas após a vacinação, foi de > 98% após uma dose de vacina.
Em crianças dos 12-15 meses de idade, os anticorpos permaneceram pelo menos 7 anos após a vacinação com uma dose.

Em crianças dos 9 meses aos 6 anos de idade, a taxa de seroconversão, quando medida por IFA 6 semanas após a vacinação, foi de 100% após uma segunda dose de vacina.
Um aumento acentuado dos títulos de anticorpos foi observado após a administração de uma segunda dose (aumento de 5 a 26 vezes de GMT).

Em indivíduos com 13 anos de idade e superior, a taxa de seroconversão, quando medida por IFA 6 semanas após a vacinação, foi de 100% após a segunda dose de vacina.
Um ano após a vacinação, todos os indivíduos avaliados continuavam seropositivos.

Em ensaios clínicos, a maioria dos indivíduos vacinados que foram expostos ao vírus do tipo selvagem estiveram completamente protegidos da Varicela clínica ou desenvolveram uma forma ligeira da doença (isto é, baixo número de vesículas, ausência de febre).
Num estudo especificamente desenhado para avaliar a eficácia da vacina após uma dose, crianças dos 10-30 meses de idade foram acompanhadas por um período de 29,3 meses.

A eficácia protetora foi de 100% contra casos clínicos de Varicela comum (³ 30 vesículas), contra qualquer caso de Varicela (pelo menos 1 vesícula ou pápula) a eficácia protetora foi de 88%.

Os dados de efetividade sugerem um nível de proteção superior e diminuição dos casos de Varicela por perda imunológica após a administração de duas doses de vacina, comparativamente a após uma dose.

Os dados disponíveis são insuficientes para definir uma taxa de proteção contra complicações da Varicela, tais como encefalite, hepatite ou pneumonia.

Doentes de alto risco:
Existem apenas dados muito limitados disponíveis de ensaios clínicos em indivíduos de alto risco para a Varicela.
A taxa de seroconversão total nestes doentes foi 80%.

Em doentes de alto risco, a medição periódica dos anticorpos da Varicela após imunização pode ser utilizada como indicador para verificar se necessitam ou não de nova imunização.
Posologia Orientativa
Indivíduos saudáveis:
Crianças dos 12 meses até aos 12 anos de idade, adolescentes (a partir dos 13 anos de idade) e adultos.

Devem ser administradas duas doses de vacina para assegurar uma proteção ótima contra a Varicela.

Preferencialmente, a segunda dose deve ser administrada pelo menos 6 semanas após a primeira dose, mas em nenhuma circunstância com um intervalo entre as doses inferior a 4 semanas.

Doentes de alto risco
Em doentes de alto risco podem ser necessárias doses adicionais de vacina.

Permutabilidade
– pode ser administrada uma única dose de Vacina aos indivíduos a quem foi administrada uma única dose de outra vacina contra a Varicela.

– pode ser administrada uma única dose de vacina seguida de uma única dose de outra vacina contra a Varicela.
Administração
Destina-se a administração por via subcutânea.
A parte superior do braço (região deltoide) é o melhor local para a injeção
Contraindicações
As contraindicações usuais para todas as vacinas: em caso de febre, doença aguda ou doença crónica progressiva, é preferível adiar a vacinação.

História de hipersensibilidade a qualquer componente da vacina, incluindo gelatina.

Uma história de reação anafilática à neomicina (cada dose da vacina reconstituída contém traços de neomicina).

Indivíduos com discrasias sanguíneas, leucemia, linfomas de qualquer tipo, ou outras neoplasias malignas que afetam a medula óssea ou o sistema linfático.

Pessoas que recebem terapia imunossupressora. Indivíduos que usam drogas imunossupressoras são mais suscetíveis a infeções do que indivíduos saudáveis.

A vacinação com a vacina contra Varicela vivo atenuada pode resultar numa erupção mais extensa associada à vacina ou doença disseminada em indivíduos usando doses imunossupressoras de corticosteroides.

Indivíduos com estados de imunodeficiência primária e adquirida, incluindo aqueles que são imunossuprimidos em associação com SIDA ou outras manifestações clínicas da infeção pelo vírus da imunodeficiência humana; deficiências imunológicas celulares, e estados hipogamaglobulinémicos e disgamaglobulinémicos.

História familiar de imunodeficiência congénita ou hereditária, a menos que a competência imunitária do potencial receptor da vacina seja demonstrada.

Tuberculose ativa não tratada. Qualquer doença respiratória febril ou outra infeção febril ativa.

Gravidez: os possíveis efeitos da vacina sobre o desenvolvimento fetal são desconhecidos neste momento. No entanto, a Varicela natural é conhecida por causar por vezes dano fetal.

Se a vacinação de mulheres na pós-puberdade for realizada, a gravidez deve ser evitada nos três meses seguintes.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Obtenha ajuda médica de emergência se tiver algum destes sinais de reação alérgica: tonturas, fraqueza, batimentos cardíacos rápidos; urticária; respiração difícil, inchaço do rosto, lábios, língua ou garganta.

Não deve receber uma vacina de reforço, se já teve uma reação alérgica com risco de vida após a primeira aplicação.

Mantenha o controlo de todos e quaisquer efeitos secundários que tenha depois de receber a vacina. Quando receber uma dose de reforço, terá de informar o Médico se a aplicação anterior causou quaisquer efeitos secundários.

Tornar-se infetado com a Varicela é muito mais perigoso para a sua saúde do que receber esta vacina. No entanto, como qualquer medicamento, esta pode causar efeitos colaterais, mas o risco de efeitos secundários graves é extremamente baixo.

Contacte o Médico imediatamente se tem:
– febre;
– apreensão (lapsos de memória ou convulsões; podem ocorrer até 12 dias após a vacinação);
– tosse, dor ou sensação de aperto no peito, problemas respiratórios, ou
– hematomas ou hemorragias, fraqueza incomum.

Efeitos colaterais comuns incluem:
– vermelhidão, comichão, sensibilidade, inchaço, nódoas negras, ou um caroço onde foi inoculada a vacina;
– febre baixa, ou
– erupção cutânea ligeira que se parece com varicela (pode ocorrer até 1 mês após a vacinação).
Advertências

Sem informação.

Precauções Gerais
Em circunstâncias raras é possível apanhar varicela, incluindo varicela grave, através de uma pessoa vacinada com esta vacina.

Isto pode ocorrer em pessoas que não foram vacinadas previamente contra a varicela ou que não tiveram varicela, bem como pessoas que se enquadram numa das seguintes categorias:
- indivíduos com um sistema imunitário enfraquecido
- mulheres grávidas que nunca tenham tido varicela
- recém-nascidos cujas mães nunca tenham tido varicela

Sempre que possível, os indivíduos que foram vacinados com esta vacina devem tentar evitar contacto próximo, durante 6 semanas após a vacinação, com qualquer pessoa que se enquadre numa das categorias acima.

Informe o médico se espera que uma pessoa de qualquer das categorias acima esteja em contacto próximo com a pessoa a ser vacinada.

Fale com o médico ou farmacêutico antes de você ou o seu filho receberem esta vacina:
- se você ou o seu filho têm o sistema imunitário debilitado (p. ex., infeção por VIH). Você ou o seu filho devem ser cuidadosamente monitorizados uma vez que as respostas às vacinas podem não ser suficientes para assegurar uma proteção contra a doença.

Informe o médico ou farmacêutico se você ou o seu filho estiverem a tomar ou tiverem tomado recentemente, ou se vierem a tomar outros medicamentos (ou outras vacinas).

Se tiver que ser administrado algum tipo de vacina ao mesmo tempo que esta vacina, o médico ou profissional de saúde informará se esta pode ou não ser administrada.

Esta vacina pode ser administrado ao mesmo tempo que as seguintes vacinas pediátricas de rotina: vacina contra o sarampo, papeira e rubéola (VASPR), vacinas contra o Haemophilus influenzae tipo b, hepatite B, difteria, tétano, tosse convulsa e vacina contra a poliomielite que é administrada na boca.

A vacinação deve ser adiada, durante um mínimo de 5 meses, após transfusões de plasma ou sangue, ou administração de imunoglobulina humana normal (uma solução estéril de anticorpos produzidos naturalmente, obtidos a partir de sangue humano doado) ou imunoglobulina contra a varicela zoster (IGVZ).

Após a administração desta vacona, não deve ser administrada a si ou ao seu filho, qualquer imunoglobulina, incluindo IGVZ, no mês seguinte, exceto se o seu médico decidir que é necessário.

Os indivíduos vacinados devem evitar medicamentos que contenham aspirina (salicilatos) durante 6 semanas após a vacinação com esta vacina, dado que pode provocar uma condição grave chamada síndrome de Reye, que pode afetar todos os órgãos do corpo.
Cuidados com a Dieta
Não aplicável.
Terapêutica Interrompida
Contacte o médico se não fizer uma dose de reforço.
Certifique-se que completa o esquema de vacinação.
Caso contrário poderá não ficar completamente protegida contra as doenças.
Cuidados no Armazenamento
Durante o transporte, para assegurar que não há qualquer perda de potência, a Vacina deve ser mantida a uma temperatura de -20°C ou menos.

Antes da reconstituição, armazenar a Vacina liofilizada num congelador a uma temperatura média de - 15°C ou menos. Qualquer congelador que mantenha, de forma confiável, uma temperatura média de -15°C e tenha uma porta separada selada é aceitável para armazenar a vacina.

Esta vacina pode ser armazenada à temperatura do frigorífico (2 a 8°C) durante até 72 horas contínuas antes da reconstituição.

A Vacina armazenada a 2-8°C, que não seja usada nas próximas 72 horas após a ter sido retirada do armazenamento a -15°C deve ser inutilizada.

Antes da reconstituição, proteger da luz.
O diluente deve ser armazenado separadamente à temperatura ambiente (20-25°C, 68-77°C), ou no frigorífico.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Imunoglobulina humana contra a hepatite B + Vacina viva contra a varicela

Observações: N.D.
Interações: A administração de imunoglobulinas pode diminuir a eficácia de vacinas de vírus vivos atenuados, tais como as vacinas contra o sarampo, rubéola, papeira e varicela, durante um período de tempo até três meses. A imunoglobulina humana contra a hepatite B deve ser administrada, no mínimo, três a quatro semanas após a vacinação com uma destas vacinas vivas atenuadas; caso seja essencial a administração da imunoglobulina humana contra a hepatite B no espaço de três ou quatro semanas após a vacinação, deverá então efectuar-se uma nova vacinação três meses após a administração da imunoglobulina humana contra a hepatite B. - Vacina viva contra a varicela
Não recomendado/Evitar

Vacina viva contra a varicela + Salicilatos

Observações: N.D.
Interações: Os salicilatos devem ser evitados durante um período de 6 semanas após a administração da vacina contra a varicela, dado que têm sido referidos casos de Síndrome de Reye com o uso de salicilatos durante a infeção natural de varicela. - Salicilatos
Usar com precaução

Imunoglobulina humana contra o tétano + Vacina viva contra a varicela

Observações: N.D.
Interações: Após a administração de imunoglobulinas, deve ser dado um intervalo de, pelo menos, três meses antes da vacinação parentérica com vacinas de vírus vivos (ex. papeira, sarampo, rubéola e as vacinas combinadas mais importantes, assim como a vacina contra a varicela). Tal deve-se ao facto dos anticorpos existentes neste medicamento poderem inibir a multiplicação viral, a qual é necessária para o sucesso da vacinação. - Vacina viva contra a varicela
Usar com precaução

Imunoglobulina humana normal + Vacina viva contra a varicela

Observações: É expectável que a população pediátrica possa apresentar as mesmas interações que as mencionadas para os adultos.
Interações: Vacinas de vírus vivos atenuados: A administração de imunoglobulina pode diminuir, por um período mínimo de 6 semanas e de até 3 meses, a eficácia de vacinas de vírus vivos atenuados como as do sarampo, rubéola, parotidite (papeira) e varicela. Depois da administração deste medicamento, deve decorrer um intervalo de 3 meses antes da vacinação com vacinas de vírus vivos atenuados. No caso do sarampo, a diminuição pode persistir até 1 ano. Assim sendo, os doentes que recebem vacinas contra o sarampo devem testar o seu nível de anticorpos. - Vacina viva contra a varicela
Não recomendado/Evitar

Vacina viva contra a varicela + Imunoglobulinas

Observações: N.D.
Interações: Em doentes que fizeram imunogobulinas ou transfusão sanguínea, a vacinação deve ser adiada, no mínimo, por um período de três meses, devido à probabilidade de falha da vacina devido à presença de anticorpos contra a varicela adquiridos passivamente. - Imunoglobulinas
Sem efeito descrito

Vacina viva contra a varicela + Vacinas

Observações: N.D.
Interações: Indivíduos saudáveis: A Vacina viva contra a varicela pode ser administrada concomitantemente com outras vacinas. Vacinas injetáveis diferentes devem ser sempre administradas em locais de injeção diferentes. - Vacinas
Usar com precaução

Vacina viva contra a varicela + Vacina viva contra o sarampo

Observações: N.D.
Interações: Indivíduos saudáveis: Se a vacina do sarampo não for administrada na mesma altura que a Vacina viva contra a varicela; recomenda-se que seja respeitado, pelo menos, um mês de intervalo, dado ser do conhecimento geral que a vacina contra o sarampo pode contribuir para uma supressão de curta duração da resposta imunológica mediada por células. - Vacina viva contra o sarampo
Não recomendado/Evitar

Vacina viva contra a varicela + Vacinas de vírus atenuados

Observações: N.D.
Interações: Doentes de alto risco: A Vacina viva contra a varicela não deve ser administrada concomitantemente com outras vacinas vivas atenuadas. Contudo, as vacinas injetáveis diferentes devem ser sempre administradas em locais de injeção diferentes. - Vacinas de vírus atenuados
Sem efeito descrito

Vacina viva contra a varicela + Vacinas inativadas

Observações: N.D.
Interações: Doentes de alto risco: As vacinas inativadas podem ser administradas simultaneamente com a Vacina viva contra a varicela ou com qualquer relação temporal para esta vacina, dado que não se estabeleceu qualquer contraindicação específica. Contudo, as vacinas injetáveis diferentes devem ser sempre administradas em locais de injeção diferentes. - Vacinas inativadas
Não recomendado/Evitar

Everolímus + Vacina viva contra a varicela

Observações: O everolímus é um substrato da CYP3A4, e também é um substrato e inibidor modera do da gp-P. Por esta razão, a absorção e eliminação subsequente do everolímus pode ser influenciada por produtos que afetem a CYP3A4 e/ou a gp - P. In vitro, o everolímus é um inibidor competitivo da CYP3A4 e um inibidor misto da CYP2D6.
Interações: Vacinação: A resposta imunitária à vacinação pode ser afetada e, por esta razão, a vacina pode ser menos eficaz durante o tratamento com everolímus. A utilização de vacinas vivas deve ser evitada durante o tratamento com everolímus. Alguns exemplos de vacinas vivas são: vacina intranasal contra a gripe, vacina contra o sarampo, vacina contra a parotidite infeciosa, vacina contra a rubéola, vacina oral contra a poliomielite, vacina BCG (Bacilo Calmette - Guérin), vacina contra a febre amarela, vacina contra a varicela e vacina tifoide TY21a. - Vacina viva contra a varicela
Não recomendado/Evitar

Fosaprepitant + Vacina viva contra a varicela

Observações: Quando administrado por via intravenosa o fosaprepitant é rapidamente convertido em aprepitant. As interações medicamentosas decorrentes da administração de intravenosa de fosaprepitant são passíveis de ocorrer com substâncias ativas que interagem com o aprepitant administrado por via oral. A informação seguinte resultou de dados obtidos com o aprepitant por via oral e de estudos realizados com fosaprepitant por via intravenosa coadministrados com dexametasona, midazolam ou diltiazem. O fosaprepitant 150 mg, em dose única, é um inibidor fraco do CYP3A4. O fosaprepitant não parece interagir com a glicoproteína-P transportadora, tal como demonstrado pela ausência de interação entre o aprepitant por via oral com a digoxina. Antevê-se que, quando comparado com a administração de aprepitant oral, o fosaprepitant provoque indução menor ou não superior do CYP2C9, do CYP3A4 e da glucuronidação. Não há dados sobre os efeitos no CYP2C8 e CYP2C19.
Interações: Efeito do aprepitant na farmacocinética de outras substâncias ativas: Imunossupressores: Após uma dose de fosaprepitant 150 mg, é esperado, durante o regime terapêutico de 2 dias de NVIQ, um aumento transitório moderado, seguido de uma diminuição ligeira na exposição ao agente imunossupressor metabolizado pelo CYP3A4 (ex., ciclosporina, tacrolímus, everolímus e sirolímus). Com base na curta duração da exposição aumentada, não é recomendada uma redução da dose de agente imunossupressor no dia e dia após a administração de Fosaprepitant. - Vacina viva contra a varicela
Contraindicado

Onasemnogene abeparvovec + Vacina viva contra a varicela

Observações: Não foram realizados estudos de interação.
Interações: Vacinas Quando possível, o plano de vacinação do doente deve ser ajustado para acomodar o tratamento concomitante com corticosteroides antes e após a perfusão de onasemnogene abeparvovec. É recomendada uma profilaxia sazonal do VSR. As vacinas vivas, como a VASPR e a da varicela, não devem ser administradas a doentes tratados com uma dose de esteroides imunossupressora (isto é, ≥ 2 semanas de receção diária de 20 mg ou de 2 mg/kg de peso corporal de prednisolona ou equivalente). - Vacina viva contra a varicela
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações da Vacina viva contra a varicela
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Não se sabe se esta Vacina irá prejudicar o feto. Contudo, a varicela pode causar defeitos de nascimento, baixo peso ao nascer, ou uma infeção grave no recém-nascido; esta Vacina expõe o paciente a uma pequena quantidade de vírus. Informe o Médico se estiver grávida antes de receber esta vacina. Use um método contracetivo eficaz para evitar a gravidez por pelo menos 3 meses depois de inocular a Vacina contra a varicela.

Não se sabe se a Vacina contra a varicela passa para o leite materno e se ele poderia prejudicar o bebé a amamentar. Informe o Médico estiver a amamentar um bebé.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 18 de Setembro de 2020