Vacina contra a encefalite japonesa

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento
O que é
É uma vacina contra o vírus da encefalite japonesa.

A vacina leva o organismo a produzir a sua própria proteção (anticorpos) contra esta doença.

É utilizada para prevenir a infeção pelo vírus da encefalite japonesa (VEJ).

Este vírus está presente sobretudo na Ásia e é transmitido aos seres humanos por mosquitos que picaram um animal infetado (por exemplo, porcos).

Muitas pessoas infetadas desenvolvem sintomas ligeiros ou nenhuns sintomas.

Nas pessoas que desenvolvem a doença grave, a EJ começa geralmente como uma doença semelhante à gripe, com febre, arrepios, cansaço, dores de cabeça, náuseas e vómitos.

Confusão e agitação também ocorrem na primeira fase da doença.

Deve ser administrado apenas em adultos, adolescentes, crianças e bebés com mais de 2 meses de idade que viajem para países onde o VEJ é endémico ou que correm riscos através da sua profissão.
Usos comuns
É indicado para a imunização ativa contra a encefalite japonesa em adultos, adolescentes, crianças e bebés a partir dos 2 meses.

Deve ser considerado para utilização nos indivíduos em risco de exposição devido a viagem ou à sua atividade profissional.
Tipo
Sem informação.
História
As vacinas da encefalite japonesa surgiram inicialmente em 1950.

Uma delas era uma vacina inactivada derivada do cérebro de rato (o Nakayama e / ou Pequim-1 tensão), por BIKEN e comercializada pela Sanofi Pasteur como JE-VAX, até que a produção cessou em 2005.

A outra foi uma vacina inactivada cultivada em células de rim de hamster primária (a estirpe Pequim-3).

O Beijing-3 tensão foi a principal variante da vacina utilizada na República Popular da China a partir de 1968 até 2005.
Indicações
É indicado para a imunização ativa contra a encefalite japonesa em adultos, adolescentes, crianças e bebés a partir dos 2 meses.

Deve ser considerada para utilização nos indivíduos em risco de exposição devido a viagem ou à sua atividade profissional.
Classificação CFT

18.1 : Vacinas (simples e conjugadas)

Mecanismo De Ação
O mecanismo de ação das vacinas da encefalite japonesa (EJ) não é devidamente compreendido.

Os estudos em animais mostraram que a vacina desencadeia a produção pelo sistema imunitário de anticorpos contra o vírus da encefalite japonesa que, na maior parte das vezes, conferem proteção.

Foram realizados estudos de estimulação em ratinhos que foram tratados com antisoros humanos desta vacina.

Estes estudos revelaram que praticamente todos os ratinhos que apresentavam um título de pelo menos 1:10 no PRNT (Plaque Reduction Neutralization Test–Teste de Neutralização por Redução de Placas) estavam protegidos contra uma estimulação letal com o vírus da encefalite japonesa.
Posologia Orientativa
A posologia recomendada para adultos, adolescentes e crianças com mais de 3 anos é de um total de 2 injeções de 0,5 ml cada:
- a primeira injeção no Dia 0
- a segunda injeção 28 dias depois da primeira (Dia 28)

Adultos com idades compreendidas entre 18 e 65 anos também podem ser vacinados da seguinte forma:
- a primeira injeção no Dia 0
- a segunda injeção 7 dias após a primeira injeção (Dia 7).

Bebés e crianças entre 2 meses e < 3 anos de idade

A posologia recomendada para bebés e crianças entre 2 meses e < 3 anos de idade é de um total de 2 injeções de 0,25 ml cada:
- a primeira injeção no Dia 0
- a segunda injeção 28 dias depois da primeira (Dia 28)
Administração
A vacina deve ser administrada por injeção intramuscular no músculo deltoide.

Nas crianças, pode ser usada a zona ântero-lateral da coxa como local da injeção.

A vacina nunca deve ser injetada por via intravascular.

Quando a vacina é administrado de forma concomitantecom outras vacinas injetáveis, estas devem ser administradas em seringas individuais e em lados opostos.

Excecionalmente, pode também ser administrado por via subcutânea a doentes com trombocitopenia ou doenças hemorrágicas, dada a possibilidade de ocorrência de hemorragia após uma administração intramuscular.

A administração subcutânea pode levar a uma resposta subótima à vacina.

Contudo, é necessário ter em conta que não existem dados de eficácia clínica que corroborem a administração pela via subcutânea.
Contraindicações
As contra-indicações usuais para todas as vacinas: em caso de febre, doença aguda ou doença crónica progressiva, é preferível adiar a vacinação.

Hipersensibilidade à vacina ou aos resíduos de sulfato de protamina, formaldeído, albumina de soro bovino, ADN das células do hospedeiro, metabissulfito de sódio, proteína das células do hospedeiro.

Os indivíduos que apresentem reações de hipersensibilidade depois de receberem a primeira dose da vacina não devem receber a segunda dose.

A administração tem de ser adiada nas pessoas com estados febris graves agudos.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
A maioria dos efeitos secundários abaixo enumerados foi observada durante ensaios clínicos.

Ocorrem, habitualmente, nos três primeiros dias após a vacinação, são ligeiros e desaparecem no espaço de poucos dias.

Muito frequentes (afeta mais de 1 doente em 10):
Dores de cabeça, dores musculares, dores no local de injeção, sensibilidade no local de injeção, cansaço

Frequentes (afeta entre 1 e 10 doentes em 100):
Náuseas, doença tipo gripal, febre, outras reações no local da injeção (vermelhidão, endurecimento, inchaço, comichão)

Pouco frequentes (afeta entre 1 e 10 doentes em 1.000):
Vómitos, erupção na pele, alterações dos gânglios linfáticos, enxaquecas (dor de cabeça latejante, muitas vezes acompanhada por náuseas, vómitos e sensibilidade à luz), tonturas, vertigens (sensação de ter a cabeça a andar à roda), diarreia, dores de barriga, excesso de transpiração, comichão, arrepios, sensação de mal-estar geral, rigidez músculo-esquelética, dores articulares, fraqueza, resultados laboratoriais anormais nos testes hepáticos (aumento das enzimas hepáticas)

Raros (afeta entre 1 e 10 utilizadores em 10.000):
Palpitações, batimentos cardíacos rápidos, dificuldades em respirar, sensação anómala na pele (por exemplo, picadas e formigueiros), urticária, vermelhidão na pele, dores nas pernas ou braços, défice de plaquetas, inflamação dos nervos, inchaço dos membros e tornozelos, perturbações no paladar, inchaço da pálpebra

Efeitos secundários adicionais em crianças entre 2 meses e < 3 anos de idade
Em crianças entre 2 meses e < 3 anos de idade, foram observados os seguintes efeitos secundários com uma frequência maior em comparação com crianças entre 3 e < 12 anos de idade, adolescentes e adultos:

Muito frequentes: febre (28,9%), diarreia (11,8%), doença tipo gripal (11,2%), irritabilidade (11,0%)
Frequentes: perda do apetite, vómitos, erupção cutânea
Pouco frequentes: tosse

Advertências
Gravidez
Gravidez:Não administrar durante a gravidez
Aleitamento
Aleitamento:Como medida de precaução a utilização desta vacina durante o aleitamento deve ser evitada.
Precauções Gerais
Tal como sucede com todas as vacinas injetáveis, deve estar sempre disponível supervisão e tratamento médicos adequados para tratar casos raros de reações anafiláticas após a administração da vacina.

A vacina não deve, em circunstância alguma, ser administrado por via intravascular.

Tal como sucede com qualquer outra vacina, a vacinação contra a encefalite japonesa pode não resultar em proteção em todos os casos.

A vacina não confere proteção contra a encefalite causada por outros microrganismos.

Tal como outras injeções intramusculares, esta vacina não deve ser administrada por via intramuscular a pessoas com trombocitopenia, hemofilia ou outras doenças hemorrágicas.

Nos adultos, observou-se uma taxa de seroconversão de 29,4% dez dias após a primeira vacinação por via intramuscular e de 97,3% uma semana após a segunda vacinação por via intramuscular no esquema de vacinação convencional.

Após a imunização com o esquema rápido, observou-se uma taxa de seroconversão de 99% sete dias após a segunda vacinação por via intramuscular.

Consequentemente, a imunização primária deve ser concluída pelo menos uma semana antes da exposição potencial ao vírus da encefalite japonesa (VEJ).

A proteção contra a encefalite japonesa não está garantida até que seja administrada a segunda dose.
Cuidados com a Dieta
Não aplicável.
Terapêutica Interrompida
Se você e/ou o seu filho faltou a uma marcação para injeção, fale com o seu médico e marque uma outra consulta para receber a segunda injeção.

Sem a segunda injeção você e/ou o seu filho não ficará totalmente protegido contra a doença.

Existem dados que indicam que a segunda injeção pode ser administrada até 11 meses depois da primeira.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Conservar no frigorífico (2°C –8°C).

Não congelar.

Se tiver sido congelada, a vacina não deve ser utilizada.

Conservar na embalagem de origem para proteger da luz.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Vacina contra a encefalite japonesa + Vacina contra a hepatite A

Observações: Não foram realizados estudos de interação em crianças e adolescentes.
Interações: A administração concomitante de Vacina contra a encefalite japonesa com a vacina inativada da hepatite A e com a vacina inativada antirrábica nos dois esquemas de vacinação foi avaliada em estudos clínicos. Não se observou qualquer interferência com a resposta imunitária às vacinas do vírus da encefalite japonesa (VEJ) ou às vacinas do vírus da hepatite A ou antirrábica. Os perfis de segurança de Vacina contra a encefalite japonesa e outras vacinas estudadas não ficaram comprometidos quando estas foram administradas de forma concomitante.

Vacina contra a encefalite japonesa + Vacina inactivada contra a raiva

Observações: Não foram realizados estudos de interação em crianças e adolescentes.
Interações: A administração concomitante de Vacina contra a encefalite japonesa com a vacina inativada da hepatite A e com a vacina inativada antirrábica nos dois esquemas de vacinação foi avaliada em estudos clínicos. Não se observou qualquer interferência com a resposta imunitária às vacinas do vírus da encefalite japonesa (VEJ) ou às vacinas do vírus da hepatite A ou antirrábica. Os perfis de segurança de Vacina contra a encefalite japonesa e outras vacinas estudadas não ficaram comprometidos quando estas foram administradas de forma concomitante.

Vacina contra a encefalite japonesa + Vacinas vivas

Observações: Não foram realizados estudos de interação em crianças e adolescentes.
Interações: Os perfis de segurança de Vacina contra a encefalite japonesa e outras vacinas estudadas não ficaram comprometidos quando estas foram administradas de forma concomitante.

Vacina contra a encefalite japonesa + Vacinas inativadas

Observações: Não foram realizados estudos de interação em crianças e adolescentes.
Interações: Os perfis de segurança de Vacina contra a encefalite japonesa e outras vacinas estudadas não ficaram comprometidos quando estas foram administradas de forma concomitante.

Vacina contra a encefalite japonesa + Imunossupressores

Observações: Não foram realizados estudos de interação em crianças e adolescentes.
Interações: Nos doentes a receberem terapêutica imunossupressora e nos doentes com imunodeficiência, é possível que não se obtenha uma resposta imunitária adequada.
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Como medida de precaução, a utilização desta vacinadurante a gravidez deve ser evitada.

Como medida de precaução a utilização desta vacina durante o aleitamento deve ser evitada.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 31 de Outubro de 2019