ais

Triamcinolona

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência no Dopping
O que é
Triamcinolona pertence ao grupo dos medicamentos chamados corticosteroides, o que significa que é um tipo de esteroide.
Usos comuns
Inflamação não-reumática, doenças respiratórias, episódios agudos de doenças reumáticas, artrite gotosa aguda, tratamento do choque, doenças alérgicas (reações anafiláticas e anafilactóides), doenças dermatológicas (dermatite, lúpus, psoríase, Síndrome de Stevens-Johnson, alopecia areata), doenças gastrintestinais e hematológicas e insuficiência adrenocortical.
Tipo
pequena molécula
História
Sem informação.
Indicações
Inflamação não-reumática, doenças respiratórias, episódios agudos de doenças reumáticas, artrite gotosa aguda, tratamento do choque, doenças alérgicas (reações anafiláticas e anafilactóides), doenças dermatológicas (dermatite, lúpus, psoríase, Síndrome de Stevens-Johnson, alopecia areata), doenças gastrintestinais e hematológicas e insuficiência adrenocortical.

Tratamento da estomatite aftosa.
Classificação CFT

6.1.1 : De aplicação tópica

15.2.1 : Corticosteroides

Mecanismo De Ação
Pensa-se que as ações anti-inflamatórias dos corticosteróides envolvam lipocortinas, proteínas inibidoras fosfolipase A2, que, através da inibição do ácido araquidônico, controlam a biossíntese de prostaglandinas e leucotrienos.

Em primeiro lugar, no entanto, estes glucocorticóides se ligam aos receptores de glicocorticóides que translocar para o núcleo e se ligam DNA (GRE) e alterar a expressão genética, tanto positiva como negativamente.

O sistema imunitário está suprimido por corticosteróides, devido a uma diminuição da função do sistema linfático, uma redução de imunoglobulina complementar e concentrações, a precipitação de linfocitopénia, e interferência com a ligação antigénio-anticorpo.
Posologia Orientativa
Injeção intra-articular (dose para adultos e adolescentes) para todas as indicações

A dose de 2-20 mg é determinada individualmente, consoante o tamanho da articulação e a quantidade de líquido articular.

Normalmente, usa-se 10-20 mg (0,5-1 ml) nas grandes articulações (como ancas, joelhos e ombros), 5-10 mg (0,25-0,5 ml) em articulações de tamanho médio e 2-6 mg (0,1-0,3 ml) em articulações mais pequenas.

Se estiver presente muito líquido articular, este pode ser aspirado antes da administração do fármaco.

A dose seguinte e o número de injeções dependem da evolução da condição clínica.

Dado que Triamcinolona tem ação prolongada, não é recomendada a administração de injeções em articulações individuais com intervalos inferiores a 3-4 semanas. A acumulação do fármaco no local da injeção deve ser evitada porque pode causar atrofia.

Dose para uso intra-articular em crianças com idades compreendidas entre os 3 e os 12 anos com Artrite Idiopática Juvenil

O regime posológico para injeção intra-articular de hexacetonido de triancinolona para AIJ em crianças é de 1 mg/kg para grandes articulações (joelhos, ancas e ombros) e de 0,5 mg/kg para articulações mais pequenas (tornozelos, pulsos e cotovelos).

Para mãos e pés, pode usar-se 1–2 mg/articulação para articulações metacarpofalângicas/metatarsofalângicas (MCP/MTP) e 0,6–1 mg/articulação para articulações interfalângicas proximais (PIP).

Injeção periarticular (dose só para adultos e adolescentes)

Bursite/Epicondilite: normalmente 10-20 mg (0,5-1 ml), dependendo do tamanho da bursa e da gravidade da doença.
Na maioria dos casos, um único tratamento é suficiente.

Sinovite/tendinite: normalmente 10-20 mg (0,5-1 ml). A necessidade de mais injeções deve ser determinada com base na resposta ao tratamento.

Estomatite aftosa:
Aplicar um comprimido em cada zona afectada, uma ou duas vezes ao dia, fazendo aderir a camada branca do comprimido à superfície da zona a tratar.

Rinite alérgica sazonal e perenal:
Doentes com 12 anos ou mais: A dose inicial recomendada é 220 microgramas em 2 pulverizações em cada narina, uma vez por dia.
Quando se atingir o controlo dos sintomas a dose de manutenção é 110 microgramas (1 pulverização em cada narina, uma vez por dia).

Doentes pediátricos de 6 a 12 anos: A dose recomendada é 110 microgramas em 1 pulverização em cada narina, uma vez por dia.
Em doentes com sintomas mais intensos, pode utilizar-se uma dose de 220 microgramas.
No entanto, logo que os sintomas estiverem controlados, os doentes devem manter a dose mínima eficaz.
Administração
Não devem ser injetadas mais de duas articulações em cada sessão de tratamento.
Não administrar em articulações instáveis.

Esta formulação destina-se ao uso intra-articular, periarticular e intrassinovial, e não pode ser usada por via intravenosa, intraocular, epidural nem intratecal.

Comprimido bucal mucoadesivo: fazer aderir a camada branca do comprimido à superfície da zona a tratar.

Aplicação nasal: deve agitar suavemente o frasco antes de cada utilização.
A bomba de aerossol nasal deve ser limpa pelo menos uma vez por semana, ou mais
frequentemente se ficar entupida.
Contraindicações
Hipersensibilidade à Triamcinolona.

Para injeção intra-articular: anterior à artroplasia articular, distúrbios da coagulação sanguínea, fratura intra-articular, antecedentes de infecção periarticular, articulação instável.

A relação risco-benefício deve ser avaliada na presença de HIV, cardiopatia, diabetes mellitus, glaucoma de ângulo aberto, herpes simples ocular, miastenia grave, osteoporose, lúpus eritematoso sistêmico, disfunção ou doença renal grave e TBC ativa.

Comprimido bucal mucoadesivo: está contra-indicado em indivíduos com hipersensibilidade conhecida á Triamcinolona e não deve ser utilizado em casos de infecção da cavidade bucal, situação onde se deverá efetuar uma medicação prévia com um agente bactericida ou fungicida.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
A administração local reduz mas não elimina o risco de efeitos sistémicos.

O risco aumenta com a duração do tratamento.

As injeções locais podem produzir reações alérgicas, lesões nos tecidos articulares, formação de escaras e osteonecroses.

Pode produzir dor ou ardor abdominal (úlcera péptica), melena, aumento de peso não-habitual, batimentos cardíacos irregulares, náuseas ou vômitos, estrias avermelhadas, hematomas não habituais, perda de apetite, hipopigmentação no local da injeção, enjôos, sensação de sufocamento no rosto, cefaléias, crescimento não-habitual de pêlos no corpo e no rosto.

Comprimido bucal mucoadesivo: Não foram descritos efeitos secundários significativos, com exceção do desenvolvimento esporádico de candidíases.
Neste caso, deverá interromper-se o tratamento e aplicar-se um fungicida adequado, até à regressão completa dos sintomas.
Advertências
Gravidez
Gravidez:É teratogénica em animais; em humanos foi referido atraso do crescimento fetal; Ver Corticosteróides (intranasais e inalados) e Corticosteróides (sistémicos). Evidência fetal em animais, mas a necessidade pode justificar o risco.
Aleitamento
Aleitamento:Ver Corticosteróides.
Dopping
Dopping:Este medicamento contém um componente (por exemplo, hexacetonido de triancinolona) que pode produzir um resultado positivo em testes antidoping.
Precauções Gerais
O medicamento não deve ser administrado por via intravenosa (na veia), via intradérmica (na pele), via subcutânea (debaixo da pele), intramuscular (no músculo), intraocular (no olho), epidural (no canal medular) nem intratecal (no cérebro ou espinal medula).

A injeção é administrada por Via intra-articular.

Recomenda-se manter em repouso a articulação após a injeção intra-articular.
Na maioria das situações recomenda-se a administração da dose mínima eficaz durante o tempo mais curto possível.

A administração oral com alimentos ou de antiácidos entre as refeições pode aliviar a indigestão ou ligeira irritação gastrintestinal.

As injeções intra-articulares repetidas com frequência podem produzir lesões nas articulações.

A relação risco-benefício deve ser avaliada durante a gravidez e durante o período de lactação.

O uso crónico de corticóides em crianças e adolescentes pode inibir o crescimento e desenvolvimento, razão pela qual devem ser empregados com precaução.

Pode aumentar a glicemia e, portanto, nos diabéticos deve-se regular a dose de insulina ou de hipoglicemiantes orais.

O álcool e os AINEs aumentam o risco de úlcera ou hemorragia gastrintestinal.

Os anticoncepcionais orais que contenham estrogénios e os estrogénios, aumentam a semi-vida de eliminação dos corticóides e produzem um aumento de seus efeitos tóxicos.

Diminui a concentração de mexiletina, aumenta a excreção dos salicilatos e reduz suas concentrações plasmáticas.

Em tratamentos a longo prazo, pode aumentar a necessidade de ácido fólico.

Comprimido bucal mucoadesivo: Não ingerir os comprimidos, pois trata-se de uma preparação tópica aderente, para aplicação na mucosa da cavidade bucal.
A aplicação incorreta pode provocar a não aderência à zona afectada.

Nsasal:
Glaucoma e/ou cataratas têm sido notificados em doentes a receber tratamento com corticosteroides nasais. Assim, em doentes com alterações na visão ou com antecedentes de aumento de pressão intraocular, glaucoma e/ou cataratas deverá ser garantido o devido acompanhamento.
Cuidados com a Dieta
Tome triancinolona com alimentos para evitar problemas de estômago.
Terapêutica Interrompida
Tome a dose assim que se lembrar.

Não tome a dose esquecida se for quase hora da sua próxima dose.

Não tome medicamento extra para compensar a dose esquecida.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Triamcinolona + Procainamida

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Medicamentos que prolongam o intervalo QT ou induzem torsades de pointes: O tratamento concomitante com Triamcinolona e agentes antiarrítmicos de classe Ia, como disopiramida, quinidina e procainamida, ou outros medicamentos antiarrítmicos de classe II, como amiodarona, bepridilo e sotalol, não é recomendado.

Triamcinolona + Amiodarona

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Medicamentos que prolongam o intervalo QT ou induzem torsades de pointes: O tratamento concomitante com Triamcinolona e agentes antiarrítmicos de classe Ia, como disopiramida, quinidina e procainamida, ou outros medicamentos antiarrítmicos de classe II, como amiodarona, bepridilo e sotalol, não é recomendado.

Triamcinolona + Bepridilo

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Medicamentos que prolongam o intervalo QT ou induzem torsades de pointes: O tratamento concomitante com Triamcinolona e agentes antiarrítmicos de classe Ia, como disopiramida, quinidina e procainamida, ou outros medicamentos antiarrítmicos de classe II, como amiodarona, bepridilo e sotalol, não é recomendado.

Triamcinolona + Sotalol

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Medicamentos que prolongam o intervalo QT ou induzem torsades de pointes: O tratamento concomitante com Triamcinolona e agentes antiarrítmicos de classe Ia, como disopiramida, quinidina e procainamida, ou outros medicamentos antiarrítmicos de classe II, como amiodarona, bepridilo e sotalol, não é recomendado.

Triamcinolona + Fenotiazidas (fenotiazinas)

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: É necessária extrema precaução nos casos de administração concomitante com fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos, terfenadina e astemizol, vincamina, eritromicina i.v., halofantrina, pentamidina e sultoprida.

Triamcinolona + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: É necessária extrema precaução nos casos de administração concomitante com fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos, terfenadina e astemizol, vincamina, eritromicina i.v., halofantrina, pentamidina e sultoprida.

Triamcinolona + Terfenadina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: É necessária extrema precaução nos casos de administração concomitante com fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos, terfenadina e astemizol, vincamina, eritromicina i.v., halofantrina, pentamidina e sultoprida.

Triamcinolona + Astemizol

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: É necessária extrema precaução nos casos de administração concomitante com fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos, terfenadina e astemizol, vincamina, eritromicina i.v., halofantrina, pentamidina e sultoprida.

Triamcinolona + Vincamina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: É necessária extrema precaução nos casos de administração concomitante com fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos, terfenadina e astemizol, vincamina, eritromicina i.v., halofantrina, pentamidina e sultoprida.

Triamcinolona + Eritromicina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: É necessária extrema precaução nos casos de administração concomitante com fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos, terfenadina e astemizol, vincamina, eritromicina i.v., halofantrina, pentamidina e sultoprida.

Triamcinolona + Halofantrina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: É necessária extrema precaução nos casos de administração concomitante com fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos, terfenadina e astemizol, vincamina, eritromicina i.v., halofantrina, pentamidina e sultoprida.

Triamcinolona + Pentamidina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: É necessária extrema precaução nos casos de administração concomitante com fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos, terfenadina e astemizol, vincamina, eritromicina i.v., halofantrina, pentamidina e sultoprida.

Triamcinolona + Sultoprida

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: É necessária extrema precaução nos casos de administração concomitante com fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos, terfenadina e astemizol, vincamina, eritromicina i.v., halofantrina, pentamidina e sultoprida.

Triamcinolona + Diuréticos poupadores de potássio

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Não é recomendada a associação com agentes que causem alterações eletrolíticas, como hipocaliemia (diuréticos depletores de potássio, anfotericina B i.v. e alguns laxantes), hipomagnesemia e hipocalcémia grave.

Triamcinolona + Laxantes

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Não é recomendada a associação com agentes que causem alterações eletrolíticas, como hipocaliemia (diuréticos depletores de potássio, anfotericina B i.v. e alguns laxantes), hipomagnesemia e hipocalcémia grave.

Triamcinolona + Testes Laboratoriais/Diagnóstico

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Interações com as análises laboratoriais: Os corticosteroides podem interferir no teste do nitroazul de tetrazólio para infeções bacterianas, produzindo resultados falsos negativos. Os atletas devem ser informados que este medicamento contém um componente (por exemplo, hexacetonido de triancinolona) que pode produzir um resultado positivo em testes antidoping.

Hidroclorotiazida + Amilorida + Triamcinolona

Observações: N.D.
Interações: Interações com hidroclorotiazida: Triamcinolona: A terapia concomitante de diurético tiazídico e corticosteroides foi relatada como resultando numa perda excessiva de potássio.

Triamcinolona + Anfotericina B

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Injeção de anfotericina B e agentes depletores de potássio: Os doentes devem ser monitorizados quanto a hipocaliemia aditiva. Não é recomendada a associação com agentes que causem alterações eletrolíticas, como hipocaliemia (diuréticos depletores de potássio, anfotericina B i.v. e alguns laxantes), hipomagnesemia e hipocalcémia grave.

Triamcinolona + Outros medicamentos

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Injeção de anfotericina B e agentes depletores de potássio: Os doentes devem ser monitorizados quanto a hipocaliemia aditiva.

Triamcinolona + Anticolinesterases

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Anticolinesterases: O efeito do anticolinesterase pode ser antagonizado.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Triamcinolona + Anticolinérgicos

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Anticolinérgicos (por exemplo, atropina): é possível o aumento adicional de pressão intraocular.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Triamcinolona + Atropina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Anticolinérgicos (por exemplo, atropina): é possível o aumento adicional de pressão intraocular.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Triamcinolona + Anticoagulantes orais

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Anticoagulantes orais: Os corticosteroides podem aumentar ou diminuir o efeito anticoagulante. Por este motivo, os doentes que estejam a tomar anticoagulantes e corticosteroides orais devem ser cuidadosamente monitorizados.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Triamcinolona + Antidiabéticos Orais

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Antidiabéticos (por exemplo, derivados de sulfonilureia) e insulina: Os corticosteroides podem aumentar os níveis de glucose no sangue. Os doentes diabéticos devem ser monitorizados, especialmente em caso de instigação e descontinuação de tratamento com corticosteroides, e se a dose sofrer alterações.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Triamcinolona + Insulinas

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Antidiabéticos (por exemplo, derivados de sulfonilureia) e insulina: Os corticosteroides podem aumentar os níveis de glucose no sangue. Os doentes diabéticos devem ser monitorizados, especialmente em caso de instigação e descontinuação de tratamento com corticosteroides, e se a dose sofrer alterações.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Triamcinolona + Antihipertensores

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Antihipertensivos, incluindo diuréticos: A redução da pressão arterial pode sofrer uma diminuição.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Triamcinolona + Diuréticos

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Antihipertensivos, incluindo diuréticos: A redução da pressão arterial pode sofrer uma diminuição.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Triamcinolona + Tuberculostáticos

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Medicamentos tuberculostáticos: As concentrações séricas de isoniazida podem ser reduzidas.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Triamcinolona + Ciclosporina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Ciclosporina: Quando usada concomitantemente, esta substância pode produzir um aumento da atividade da ciclosporina e do corticosteroide.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Triamcinolona + Glicósideos digitálicos

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Glicosidos digitálicos: A administração concomitante pode aumentar a probabilidade de toxicidade dos digitálicos.

Triamcinolona + Indutores Enzimáticos

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Indutores das enzimas hepáticas (por exemplo, barbitúricos, fenitoína, carbamazepina, rifampicina, primidona, aminoglutetimida): Pode verificar-se uma depuração metabólica aumentada de Triamcinolona. Os doentes devem ser observados cuidadosamente para verificar um possível efeito reduzido de Triamcinolona, e a dose deve ser ajustada em conformidade.

Triamcinolona + Barbitúricos

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Indutores das enzimas hepáticas (por exemplo, barbitúricos, fenitoína, carbamazepina, rifampicina, primidona, aminoglutetimida): Pode verificar-se uma depuração metabólica aumentada de Triamcinolona. Os doentes devem ser observados cuidadosamente para verificar um possível efeito reduzido de Triamcinolona, e a dose deve ser ajustada em conformidade.

Triamcinolona + Fenitoína

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Indutores das enzimas hepáticas (por exemplo, barbitúricos, fenitoína, carbamazepina, rifampicina, primidona, aminoglutetimida): Pode verificar-se uma depuração metabólica aumentada de Triamcinolona. Os doentes devem ser observados cuidadosamente para verificar um possível efeito reduzido de Triamcinolona, e a dose deve ser ajustada em conformidade.

Triamcinolona + Carbamazepina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Indutores das enzimas hepáticas (por exemplo, barbitúricos, fenitoína, carbamazepina, rifampicina, primidona, aminoglutetimida): Pode verificar-se uma depuração metabólica aumentada de Triamcinolona. Os doentes devem ser observados cuidadosamente para verificar um possível efeito reduzido de Triamcinolona, e a dose deve ser ajustada em conformidade.

Triamcinolona + Rifampicina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Indutores das enzimas hepáticas (por exemplo, barbitúricos, fenitoína, carbamazepina, rifampicina, primidona, aminoglutetimida): Pode verificar-se uma depuração metabólica aumentada de Triamcinolona. Os doentes devem ser observados cuidadosamente para verificar um possível efeito reduzido de Triamcinolona, e a dose deve ser ajustada em conformidade.

Triamcinolona + Primidona

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Indutores das enzimas hepáticas (por exemplo, barbitúricos, fenitoína, carbamazepina, rifampicina, primidona, aminoglutetimida): Pode verificar-se uma depuração metabólica aumentada de Triamcinolona. Os doentes devem ser observados cuidadosamente para verificar um possível efeito reduzido de Triamcinolona, e a dose deve ser ajustada em conformidade.

Triamcinolona + Aminoglutetimida

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Indutores das enzimas hepáticas (por exemplo, barbitúricos, fenitoína, carbamazepina, rifampicina, primidona, aminoglutetimida): Pode verificar-se uma depuração metabólica aumentada de Triamcinolona. Os doentes devem ser observados cuidadosamente para verificar um possível efeito reduzido de Triamcinolona, e a dose deve ser ajustada em conformidade.

Triamcinolona + Hormona do crescimento humana

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Hormona do crescimento humana (somatropina): O efeito estimulante do crescimento pode ser inibido durante a terapêutica a longo prazo com Triamcinolona.

Triamcinolona + Somatropina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Hormona do crescimento humana (somatropina): O efeito estimulante do crescimento pode ser inibido durante a terapêutica a longo prazo com Triamcinolona.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Triamcinolona + Cetoconazol

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Cetoconazol: A depuração de corticosteroides pode ser diminuída, resultando no aumento dos efeitos.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Triamcinolona + Relaxantes musculares

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Relaxantes musculares não despolarizantes: Os corticosteroides podem diminuir ou potenciar a ação de bloqueio neuromuscular.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Triamcinolona + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Agentes anti-inflamatórios não-esteroides (AINEs): Os corticosteroides podem aumentar a incidência e/ou gravidade de hemorragia e ulceração gastrointestinal, quando associados a AINEs. Os corticosteroides podem também reduzir os níveis séricos dos salicilatos, e, assim, diminuir a sua eficácia. De modo contrário, descontinuar os corticosteroides durante a terapêutica com doses elevadas de salicilatos pode resultar em toxicidade devido aos salicilatos. É necessária precaução durante o uso concomitante de ácido acetilsalicílico e corticosteroides em doentes com hipoprotrombinemia.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Triamcinolona + Salicilatos

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Agentes anti-inflamatórios não-esteroides (AINEs): Os corticosteroides podem aumentar a incidência e/ou gravidade de hemorragia e ulceração gastrointestinal, quando associados a AINEs. Os corticosteroides podem também reduzir os níveis séricos dos salicilatos, e, assim, diminuir a sua eficácia. De modo contrário, descontinuar os corticosteroides durante a terapêutica com doses elevadas de salicilatos pode resultar em toxicidade devido aos salicilatos. É necessária precaução durante o uso concomitante de ácido acetilsalicílico e corticosteroides em doentes com hipoprotrombinemia.

Triamcinolona + Ácido Acetilsalicílico

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Agentes anti-inflamatórios não-esteroides (AINEs): Os corticosteroides podem aumentar a incidência e/ou gravidade de hemorragia e ulceração gastrointestinal, quando associados a AINEs. Os corticosteroides podem também reduzir os níveis séricos dos salicilatos, e, assim, diminuir a sua eficácia. De modo contrário, descontinuar os corticosteroides durante a terapêutica com doses elevadas de salicilatos pode resultar em toxicidade devido aos salicilatos. É necessária precaução durante o uso concomitante de ácido acetilsalicílico e corticosteroides em doentes com hipoprotrombinemia.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Triamcinolona + Estrogénios

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Estrogénios, incluindo contracetivos orais: A semivida e a concentração do corticosteroide pode aumentar e a depuração diminuir.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Triamcinolona + Contracetivos orais

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Estrogénios, incluindo contracetivos orais: A semivida e a concentração do corticosteroide pode aumentar e a depuração diminuir.

Triamcinolona + Medicamentos para a tiróide

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Medicamentos para a tiroide: A depuração metabólica de adrenocorticoides está diminuída em doentes com hipotiroidismo e aumentada em doentes com hipertiroidismo. As alterações no estado da tiroide do doente poderão implicar ajustamentos nas doses de adrenocorticoides.

Triamcinolona + Vacinas

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Vacinas: Podem ocorrer complicações neurológicas e uma resposta reduzida dos anticorpos quando os doentes a tomar corticosteroides são vacinados.

Triamcinolona + Medicamentos que prolongam o intervalo QT

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Medicamentos que prolongam o intervalo QT ou induzem torsades de pointes: O tratamento concomitante com Triamcinolona e agentes antiarrítmicos de classe Ia, como disopiramida, quinidina e procainamida, ou outros medicamentos antiarrítmicos de classe II, como amiodarona, bepridilo e sotalol, não é recomendado.

Triamcinolona + Medicamentos potenciadores de Torsades de Pointes

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Medicamentos que prolongam o intervalo QT ou induzem torsades de pointes: O tratamento concomitante com Triamcinolona e agentes antiarrítmicos de classe Ia, como disopiramida, quinidina e procainamida, ou outros medicamentos antiarrítmicos de classe II, como amiodarona, bepridilo e sotalol, não é recomendado.

Triamcinolona + Antiarrítmicos

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Medicamentos que prolongam o intervalo QT ou induzem torsades de pointes: O tratamento concomitante com Triamcinolona e agentes antiarrítmicos de classe Ia, como disopiramida, quinidina e procainamida, ou outros medicamentos antiarrítmicos de classe II, como amiodarona, bepridilo e sotalol, não é recomendado.

Triamcinolona + Disopiramida

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Medicamentos que prolongam o intervalo QT ou induzem torsades de pointes: O tratamento concomitante com Triamcinolona e agentes antiarrítmicos de classe Ia, como disopiramida, quinidina e procainamida, ou outros medicamentos antiarrítmicos de classe II, como amiodarona, bepridilo e sotalol, não é recomendado.

Triamcinolona + Quinidina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Medicamentos que prolongam o intervalo QT ou induzem torsades de pointes: O tratamento concomitante com Triamcinolona e agentes antiarrítmicos de classe Ia, como disopiramida, quinidina e procainamida, ou outros medicamentos antiarrítmicos de classe II, como amiodarona, bepridilo e sotalol, não é recomendado.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Triamcinolona + Estrogénios

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Estrogénios, incluindo contracetivos orais: A semivida e a concentração do corticosteroide pode aumentar e a depuração diminuir.
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Não administrar durante a gravidez e amamentação.

Os atletas devem ser informados que este medicamento contém um componente (por exemplo, hexacetonido de triancinolona) que pode produzir um resultado positivo em testes antidoping.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 31 de Outubro de 2019