Tretinoína (ou Ácido retinóico)

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
Tretinoína (ou ácido retinoico), é um derivado de ocorrência natural da vitamina A (retinol).

Os retinoides, tais como a tretinoína são reguladores importantes da reprodução celular, proliferação e diferenciação e são utilizados para tratar a acne e pele fotodanificada e para lidar com perturbações de queratinização tais como ictiose e queratose folicular.

A Tretinoína também representa a classe de fármacos anticancerígenos chamados agentes de diferenciação e é utilizada no tratamento de leucemia promielocítica aguda (APL).
Usos comuns
Acne vulgaris e psoríase.
Tipo
pequena molécula
História
A tretinoína foi co-desenvolvida pelo Dr. James Fulton e Dr. Albert Kligman em 1969.
Indicações
Para a indução de remissão em pacientes com leucemia promielocítica aguda (APL), francês-Americana-Britânica (FAB) M3 (incluindo a variante M3); Para o tratamento tópico de acne vulgaris, verrugas planas e outras doenças de pele (psoriase, congénita ictiose, ictiose vulgar, ictiose lamelar, queratose palmar e plantar, hiperqueratose epidermolítico, comedões senis, queratose senil, ceratose folicular (doença de Darier) e carcinomas basocelulares); para a terapia paliativa para melhorar rugas finas, hiperpigmentação malhada, rugosidade associada com fotoenvelhecimento.
Classificação CFT
13.03.01     De aplicação tópica 13.04.02.01     De aplicação tópica 16.01.09     Outros citotóxicos
Mecanismo De Ação
Tretinoína liga-se a alfa, beta, e os recetores de ácido retinóico (RAR gama).

RAR - alfa e RAR - beta têm sido associados com o desenvolvimento de cancros de leucemia promielocítica e células escamosas agudas, respectivamente.

RAR - gama está associado com os efeitos de retinóides nos tecidos mucocutânea e osso.

Embora o mecanismo exato de ação da tretinoína é desconhecida, a evidência atual sugere que a eficácia do ácido retinóico em acne é devido, principalmente, à sua capacidade de modificar a queratinização folicular anormal.

Formar comedões em folículos com um excesso de células epiteliais queratinizadas.

Tretinoína promove o deslocamento das células cornificadas e o derramamento de corneócitos reforçada a partir do folículo.

Ao aumentar a atividade mitótica do epitélio folicular, tretinoína também aumenta a taxa de rotatividade de finos, corneócitos frouxamente aderentes.

Através destas ações, os conteúdos comedo são extrudidos e a formação do microcomedo, a lesão precursora de acne vulgar, é reduzida.

A tretinoína é um agente não citolítica, mas em vez disso induz a citodiferenciação e diminuição da proliferação de células em cultura de APL e in vivo.

Quando tretinoína é dada sistemicamente a doentes com APL, tretinoína tratamento produz uma maturação inicial dos promielócitos primitivas derivadas a partir do clone de leucemia, seguido de um repovoamento da medula óssea e do sangue periférico por meio de células hematopoiéticas normais, policlonais em doentes que atingiram remissão completa (CR).

O mecanismo exato de ação da tretinoína em APL é desconhecida.
Posologia Orientativa
Aplicar 1 a 2 vezes/dia.
Administração
Sem informação.
Contraindicações
Gravidez e aleitamento, eczema, queimadura solar e história familiar de epitelioma cutâneo.

Evitar o contacto com os olhos, narinas, boca e mucosas; evitar radiação ultravioleta (UV).
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Secura e irritação cutânea, eritema e alterações da pigmentação; fotossensibilidade.
Advertências
Aleitamento
Aleitamento:Evitar; não há informação útil.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Redução posológica.
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Reduzir dose (administração por via oral).
Gravidez
Gravidez:Tretinoína (sistémica): Teratogénico; deve usar-se contracepção eficaz, pelo menos 1 mês antes do tratamento oral, durante e pelo menos 1 mês após suspensão. Nocivo para o feto; o risco ultrapassa o benefício e, portanto, está contra-indicado na gravidez. Trimestre: 1º, 2º e 3º. Tretinoína (tópica): Se não forem usados pensos oclusivos, a absorção cutânea é reduzida; têm sido, no entanto, referidas malformações congénitas após uso tópico, provavelmente por maior absorção. Evidência fetal em animais, mas a necessidade pode justificar o risco. Trimestre: 1º, 2º e 3º.
Precauções Gerais
O seu médico deve acompanhar o seu progresso em visitas regulares para certificar-se de que o medicamento está a funcionar corretamente e para verificar se há efeitos indesejáveis.

Tretinoína causa febre, dor de cabeça, cansaço e fraqueza na maioria das pessoas que o tomam.

É muito importante que continue a tomar o medicamento, mesmo que o faça sentir mal.

O seu médico pode ser capaz de sugerir maneiras de aliviar alguns destes efeitos.

No entanto, se desenvolver uma dor de cabeça muito grave ou uma dor de cabeça que ocorre juntamente com náuseas, vómitos, ou problemas de visão, consulte o seu médico imediatamente.

Tretinoína, por vezes, provoca uma reação grave que afeta os pulmões no início, mas mais tarde pode se espalhar para outras partes do corpo.

Sinais desta reação incluem problemas respiratórios, dor nos ossos, dor no peito e febre.

Fale com o seu médico imediatamente se algum destes efeitos ocorrer durante o tratamento.
Cuidados com a Dieta
Tome tretinoína por via oral com ou sem alimentos. Se ocorrerem dores de estômago, tome com alimentos para reduzir a irritação do estômago.
Terapêutica Interrompida
Se falhar uma dose de tretinoína, tome-a assim que possível.

No entanto, se estiver quase na hora da sua próxima dose, ignore essa dose e volte ao seu esquema posológico regular.

Não duplique doses.

Se for quase altura da sua próxima dose, consulte o seu profissional de saúde para descobrir a quantidade de medicamento a tomar para a próxima dose.
Cuidados no Armazenamento
Guarde o medicamento num recipiente fechado à temperatura ambiente, longe do calor, humidade e luz direta.

Evite congelamento.

Manter fora do alcance das crianças.

Não guarde medicamentos desatualizados ou medicamento não mais necessários.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Alimentos/Bebidas (Soja, fitinas, fitatos, oxalatos, taninos, pectinas)

Observações: N.D.
Interações: Não está inteiramente esclarecido o efeito dos alimentos na biodisponibilidade da tretinoína. No entanto, uma vez que a biodisponibilidade dos retinóides, como grupo, aumenta em presença de alimentos, recomenda-se que a tretinoína seja administrada às refeições ou imediatamente após as refeições.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Tetraciclinas

Observações: N.D.
Interações: Tetraciclinas: O tratamento sistémico com retinóides pode provocar aumento da pressão intracraniana. Uma vez que as tetraciclinas também podem provocar uma elevação da pressão intracraniana, os doentes não devem ser tratados simultaneamente com tretinoína e com tetraciclinas.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Retinol (ou vitamina A)

Observações: N.D.
Interações: Vitamina A: Tal como acontece com outros retinóides, a tretinoína não deve ser administrada em associação com a vitamina A, uma vez que os sintomas de hipervitaminose A podem ser agravados.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Inibidores CYP450

Observações: N.D.
Interações: Uma vez que a tretinoína é metabolizada pelo sistema P450 hepático, existe a possibilidade de alteração dos parâmetros farmacocinéticos nos doentes a receber concomitantemente medicamentos indutores ou inibidores deste sistema. Os medicamentos que habitualmente induzem as enzimas P450 hepáticas são rifampicina, glucocorticoides, fenobarbital e pentobarbital. Os medicamentos que habitualmente inibem as enzimas P450 hepáticas são cetoconazol, cimetidina, eritromicina, verapamil, diltiazem e ciclosporina. Não existem dados que sugiram que a utilização concomitante destes medicamentos aumente ou diminua quer a eficácia quer a toxicidade da tretinoína.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Indutores CYP450

Observações: N.D.
Interações: Uma vez que a tretinoína é metabolizada pelo sistema P450 hepático, existe a possibilidade de alteração dos parâmetros farmacocinéticos nos doentes a receber concomitantemente medicamentos indutores ou inibidores deste sistema. Os medicamentos que habitualmente induzem as enzimas P450 hepáticas são rifampicina, glucocorticoides, fenobarbital e pentobarbital. Os medicamentos que habitualmente inibem as enzimas P450 hepáticas são cetoconazol, cimetidina, eritromicina, verapamil, diltiazem e ciclosporina. Não existem dados que sugiram que a utilização concomitante destes medicamentos aumente ou diminua quer a eficácia quer a toxicidade da tretinoína.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Rifampicina

Observações: N.D.
Interações: Uma vez que a tretinoína é metabolizada pelo sistema P450 hepático, existe a possibilidade de alteração dos parâmetros farmacocinéticos nos doentes a receber concomitantemente medicamentos indutores ou inibidores deste sistema. Os medicamentos que habitualmente induzem as enzimas P450 hepáticas são rifampicina, glucocorticoides, fenobarbital e pentobarbital. Os medicamentos que habitualmente inibem as enzimas P450 hepáticas são cetoconazol, cimetidina, eritromicina, verapamil, diltiazem e ciclosporina. Não existem dados que sugiram que a utilização concomitante destes medicamentos aumente ou diminua quer a eficácia quer a toxicidade da tretinoína.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Glucocorticoides

Observações: N.D.
Interações: Uma vez que a tretinoína é metabolizada pelo sistema P450 hepático, existe a possibilidade de alteração dos parâmetros farmacocinéticos nos doentes a receber concomitantemente medicamentos indutores ou inibidores deste sistema. Os medicamentos que habitualmente induzem as enzimas P450 hepáticas são rifampicina, glucocorticoides, fenobarbital e pentobarbital. Os medicamentos que habitualmente inibem as enzimas P450 hepáticas são cetoconazol, cimetidina, eritromicina, verapamil, diltiazem e ciclosporina. Não existem dados que sugiram que a utilização concomitante destes medicamentos aumente ou diminua quer a eficácia quer a toxicidade da tretinoína.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Fenitoína

Observações: N.D.
Interações: Uma vez que a tretinoína é metabolizada pelo sistema P450 hepático, existe a possibilidade de alteração dos parâmetros farmacocinéticos nos doentes a receber concomitantemente medicamentos indutores ou inibidores deste sistema. Os medicamentos que habitualmente induzem as enzimas P450 hepáticas são rifampicina, glucocorticoides, fenobarbital e pentobarbital. Os medicamentos que habitualmente inibem as enzimas P450 hepáticas são cetoconazol, cimetidina, eritromicina, verapamil, diltiazem e ciclosporina. Não existem dados que sugiram que a utilização concomitante destes medicamentos aumente ou diminua quer a eficácia quer a toxicidade da tretinoína.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Pentobarbital

Observações: N.D.
Interações: Uma vez que a tretinoína é metabolizada pelo sistema P450 hepático, existe a possibilidade de alteração dos parâmetros farmacocinéticos nos doentes a receber concomitantemente medicamentos indutores ou inibidores deste sistema. Os medicamentos que habitualmente induzem as enzimas P450 hepáticas são rifampicina, glucocorticoides, fenobarbital e pentobarbital. Os medicamentos que habitualmente inibem as enzimas P450 hepáticas são cetoconazol, cimetidina, eritromicina, verapamil, diltiazem e ciclosporina. Não existem dados que sugiram que a utilização concomitante destes medicamentos aumente ou diminua quer a eficácia quer a toxicidade da tretinoína.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Cetoconazol

Observações: N.D.
Interações: Uma vez que a tretinoína é metabolizada pelo sistema P450 hepático, existe a possibilidade de alteração dos parâmetros farmacocinéticos nos doentes a receber concomitantemente medicamentos indutores ou inibidores deste sistema. Os medicamentos que habitualmente induzem as enzimas P450 hepáticas são rifampicina, glucocorticoides, fenobarbital e pentobarbital. Os medicamentos que habitualmente inibem as enzimas P450 hepáticas são cetoconazol, cimetidina, eritromicina, verapamil, diltiazem e ciclosporina. Não existem dados que sugiram que a utilização concomitante destes medicamentos aumente ou diminua quer a eficácia quer a toxicidade da tretinoína.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Cimetidina

Observações: N.D.
Interações: Uma vez que a tretinoína é metabolizada pelo sistema P450 hepático, existe a possibilidade de alteração dos parâmetros farmacocinéticos nos doentes a receber concomitantemente medicamentos indutores ou inibidores deste sistema. Os medicamentos que habitualmente induzem as enzimas P450 hepáticas são rifampicina, glucocorticoides, fenobarbital e pentobarbital. Os medicamentos que habitualmente inibem as enzimas P450 hepáticas são cetoconazol, cimetidina, eritromicina, verapamil, diltiazem e ciclosporina. Não existem dados que sugiram que a utilização concomitante destes medicamentos aumente ou diminua quer a eficácia quer a toxicidade da tretinoína.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Eritromicina

Observações: N.D.
Interações: Uma vez que a tretinoína é metabolizada pelo sistema P450 hepático, existe a possibilidade de alteração dos parâmetros farmacocinéticos nos doentes a receber concomitantemente medicamentos indutores ou inibidores deste sistema. Os medicamentos que habitualmente induzem as enzimas P450 hepáticas são rifampicina, glucocorticoides, fenobarbital e pentobarbital. Os medicamentos que habitualmente inibem as enzimas P450 hepáticas são cetoconazol, cimetidina, eritromicina, verapamil, diltiazem e ciclosporina. Não existem dados que sugiram que a utilização concomitante destes medicamentos aumente ou diminua quer a eficácia quer a toxicidade da tretinoína.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Verapamilo

Observações: N.D.
Interações: Uma vez que a tretinoína é metabolizada pelo sistema P450 hepático, existe a possibilidade de alteração dos parâmetros farmacocinéticos nos doentes a receber concomitantemente medicamentos indutores ou inibidores deste sistema. Os medicamentos que habitualmente induzem as enzimas P450 hepáticas são rifampicina, glucocorticoides, fenobarbital e pentobarbital. Os medicamentos que habitualmente inibem as enzimas P450 hepáticas são cetoconazol, cimetidina, eritromicina, verapamil, diltiazem e ciclosporina. Não existem dados que sugiram que a utilização concomitante destes medicamentos aumente ou diminua quer a eficácia quer a toxicidade da tretinoína.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Diltiazem

Observações: N.D.
Interações: Uma vez que a tretinoína é metabolizada pelo sistema P450 hepático, existe a possibilidade de alteração dos parâmetros farmacocinéticos nos doentes a receber concomitantemente medicamentos indutores ou inibidores deste sistema. Os medicamentos que habitualmente induzem as enzimas P450 hepáticas são rifampicina, glucocorticoides, fenobarbital e pentobarbital. Os medicamentos que habitualmente inibem as enzimas P450 hepáticas são cetoconazol, cimetidina, eritromicina, verapamil, diltiazem e ciclosporina. Não existem dados que sugiram que a utilização concomitante destes medicamentos aumente ou diminua quer a eficácia quer a toxicidade da tretinoína.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Ciclosporina

Observações: N.D.
Interações: Uma vez que a tretinoína é metabolizada pelo sistema P450 hepático, existe a possibilidade de alteração dos parâmetros farmacocinéticos nos doentes a receber concomitantemente medicamentos indutores ou inibidores deste sistema. Os medicamentos que habitualmente induzem as enzimas P450 hepáticas são rifampicina, glucocorticoides, fenobarbital e pentobarbital. Os medicamentos que habitualmente inibem as enzimas P450 hepáticas são cetoconazol, cimetidina, eritromicina, verapamil, diltiazem e ciclosporina. Não existem dados que sugiram que a utilização concomitante destes medicamentos aumente ou diminua quer a eficácia quer a toxicidade da tretinoína.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Antifibrinolíticos

Observações: N.D.
Interações: Raramente, foram notificados casos de complicações trombóticas fatais em doentes tratados concomitantemente com ácido all-trans retinóico e fármacos antifibrinolíticos, como o ácido tranexâmico, ácido aminocapróico e a aprotinina. Por conseguinte, a administração concomitantemente do ácido all-trans retinóico com estes fármacos deve ser efetuada com precaução.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Ácido tranexâmico

Observações: N.D.
Interações: Raramente, foram notificados casos de complicações trombóticas fatais em doentes tratados concomitantemente com ácido all-trans retinóico e fármacos antifibrinolíticos, como o ácido tranexâmico, ácido aminocapróico e a aprotinina. Por conseguinte, a administração concomitantemente do ácido all-trans retinóico com estes fármacos deve ser efetuada com precaução.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Ácido aminocapróico

Observações: N.D.
Interações: Raramente, foram notificados casos de complicações trombóticas fatais em doentes tratados concomitantemente com ácido all-trans retinóico e fármacos antifibrinolíticos, como o ácido tranexâmico, ácido aminocapróico e a aprotinina. Por conseguinte, a administração concomitantemente do ácido all-trans retinóico com estes fármacos deve ser efetuada com precaução.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Aprotinina

Observações: N.D.
Interações: Raramente, foram notificados casos de complicações trombóticas fatais em doentes tratados concomitantemente com ácido all-trans retinóico e fármacos antifibrinolíticos, como o ácido tranexâmico, ácido aminocapróico e a aprotinina. Por conseguinte, a administração concomitantemente do ácido all-trans retinóico com estes fármacos deve ser efetuada com precaução.

Tretinoína (ou Ácido retinóico) + Daunorrubicina

Observações: N.D.
Interações: Não existem dados sobre a possível interação farmacocinética entre a tretinoína e a daunorrubicina ou o AraC.

Clindamicina + Peróxido de benzoílo + Tretinoína (ou Ácido retinóico)

Observações: Não foram realizados estudos formais de interação fármaco-fármaco com Clindamicina/Peróxido de benzoílo.
Interações: A aplicação concomitante de Clindamicina/Peróxido de benzoílo com tretinoína, isotretinoína e tazaroteno deve ser evitada uma vez que o peróxido de benzoílo pode reduzir a sua eficácia e aumentar a irritação. Se for necessário tratamento de combinação, os medicamentos devem ser aplicados em diferentes horas do dia (ex. um de manhã e o outro à noite).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clindamicina + Tretinoína + Tretinoína (ou Ácido retinóico)

Observações: N.D.
Interações: Tretinoína provoca um aumento da permeabilidade a outras drogas aplicadas topicamente.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico
É muito importante que tome apenas tretinoína como indicado pelo seu médico.

Não tome mais medicamento ou por mais tempo do que o indicado. Ao fazê-lo pode aumentar a possibilidade de efeitos adversos.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017