Tolcapona

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Condução
O que é
A tolcapona é um fármaco que inibe a enzima catecol-O-metil-transferase (COMT).

É utilizado no tratamento da doença de Parkinson, como adjuvante da medicação levodopa/carbidopa.

É um composto cristalino amarelo, inodoro, não higroscópico.

A tolcapona está associada a risco de hepatotoxicidade.
Usos comuns
Tolcapona é usado juntamente com outros medicamentos (carbidopa e levodopa) para tratar os sintomas da doença de Parkinson, tais como rigidez, tremores, espasmos musculares e controle muscular pobre.

Tolcapona aumenta os níveis de levodopa no corpo.
Tipo
Molécula pequena.
História
O tolcapona foi introduzido no mercado europeu agosto de 1997 e, posteriormente, para o mercado dos Estados Unidos em março de 1998.
Indicações
Tolcapona está indicado em combinação com levodopa/benserazida ou com levodopa/carbidopa, em doentes com doença de Parkinson idiopática que respondem à levodopa e com flutuações motoras, que não respondam ou sejam intolerantes a outros inibidores da COMT catecol-O-metiltransferase.

Devido ao risco de lesão hepática aguda potencialmente fatal, Tolcapona não deve ser considerado uma terapêutica adjuvante de primeira linha da levodopa/benserazida ou levodopa/carbidopa.

Uma vez que Tolcapona só deve ser utilizado em associação com levodopa/bensarazide e levodopa/carbidopa, a informação prescrita para estas preparações de levodopa também se aplicam à sua utilização concomitante com Tolcapona.
Classificação CFT

02.05.02 : Dopaminomiméticos

Mecanismo De Acção
Tolcapona é um inibidor selectivo e reversível da catecol-O-metiltransferase (COMT), activo por via oral.

Administrado concomitantemente com levodopa e um inibidor da descarboxilase dos aminoácidos aromáticos (AADC-I), conduz a níveis plasmáticos mais estáveis de levodopa, através da redução do metabolismo da levodopa em 3-metoxi-4-hidroxi-L-fenilalanina (3-OMD).

Níveis plasmáticos elevados de 3-OMD são associados a resposta fraca à levodopa nos doentes com doença de Parkinson.

Tolcapona reduz marcadamente a formação de 3-OMD.
Posologia Orientativa
A dose recomendada de Tolcapona é de 100 mg três vezes por dia, sempre como adjuvante da terapêutica com levodopa/benserazida ou levodopa/carbidopa.

Apenas em circunstâncias excepcionais, quando o benefício clínico suplementar esperado justificar o risco acrescido de reações hepáticas, deverá a dose ser aumentada para 200 mg três vezes por dia.

Se não forem observados benefícios clínicos substanciais nas 3 semanas seguintes ao início do tratamento (independentemente da dose), Tolcapona deve ser suspenso.

Não deve ser excedida a dose terapêutica máxima de 200 mg três vezes por dia, uma vez que não há evidência de eficácia adicional com doses mais altas.

A função hepática deve ser verificada antes do início do tratamento com Tolcapona e depois monitorizada de 2 em 2 semanas durante o primeiro ano de terapêutica, de 4 em 4 semanas nos 6 meses seguintes e de 8 em 8 semanas daí em diante.

Se a dose for aumentada para 200 mg três vezes por dia, a monitorização das enzimas hepáticas deve ser realizada antes do aumento de dose e depois reiniciada, seguindo a mesma sequência de frequências acima descrita.

O tratamento com Tolcapona deverá também ser suspenso se a ALT (alanina aminotransferase) e/ou a AST (aspartato aminotransferase) excederem o limite superior do normal ou se sintomas ou sinais sugerirem desenvolvimento de insuficiência hepática.
Administração
A administração de Tasmar está restrita a prescrição e supervisão por médicos experimentados no tratamento de doença de Parkinson avançada.

Tolcapona é administrado oralmente três vezes ao dia.

Tolcapona pode ser tomado com ou sem alimentos.

Os comprimidos Tolcapona são revestidos e devem ser engolidos inteiros porque a tolcapona tem um sabor amargo.

A primeira dose de Tolcapona deve ser tomada juntamente com a primeira dose do dia de uma preparação de levodopa, e as doses subsequentes devem ser administradas aproximadamente 6 e 12 horas mais tarde.
Contra-Indicações
Hipersensibilidade à tolcapona.
Evidência de doença hepática ou aumento das enzimas hepáticas.
Disquinésia grave.
História anterior de complexo de sintomas Síndrome Maligno dos Neurolépticos (SMN) e/ou Rabdomiólise não traumática ou hipertermia.
Feocromocitoma.
Tratamento com inibidores não-selectivos da mono amino oxidase (MAO).
Tolcapona não é recomendado em crianças com idade inferior a 18 anos devido a dados insuficientes sobre segurança e eficácia.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Informe o médico ou o farmacêutico o mais rapidamente possível:
- se não se sentir bem com o tratamento com Tolcapona
- se experimentou sintomas tais como náuseas, vómitos, dor abdominal, perda de apetite, fraqueza, febre, tem urina escura ou icterícia uma vez que , com pouca frequência,observaram-se distúrbios na forma como o fígado trabalha, por vezes hepatite grave.
- se notar a urina escura isso pode ser um sinal de problema muscular ou no fígado.
Qualquer outra descoloração amarela da urina é normalmente negligenciável.
- se desenvolver diarreia persistente ou grave.

Logo após iniciar ou durante o tratamento com Tolcapona, pode ter sintomas causados pela levodopa tais como movimentos involuntários e náuseas.

Portanto, se não se sentir bem, deve contactar o médico pois pode necessitar de alterar a dose de levodopa.

Outros efeitos adversos possíveis:

Muito frequentes:
- movimentos involuntários (disquinésia),
- náuseas, perda de apetite, diarreia,
- dores de cabeça, tonturas
- distúrbios do sono, sonolência
- sentir tonturas ao levantar-se,(queixas ortostáticas), confusão mental e alucinações
- distúrbios do movimento com espasmos musculares involuntários ou má posição (distonia)
- sonhos excessivos

Frequentes:
- dor no peito
- prisão de ventre, dispepsia, dor de estômago, vómitos, boca seca,
- desmaios,
- aumento da transpiração,
- sintomas tipo gripe,
- moviments voluntários e involuntários diminuídos (hipoquinésia),
- infecções do tracto respiratório superior
- aumento das enzimas específicas do fígado
- descoloração da urina

Pouco frequentes:
- lesão no fígado, em casos raros com desfecho fatal

Raros:
- sintomas graves de rigidez muscular, febre ou confusão mental (Síndrome Neuroléptico Maligno) quando os tratamentos antiparkinsónicos são bruscamente reduzidos ou interrompidos.
- Distúrbios do controlo de impulsos (incapacidade de resistir ao impulso de uma acção que pode ser prejudicial)

Pode incluir:
Forte impulso para vício de jogo, independentemente das consequências pessoais ou familiares.

Interesse sexual alterado ou aumentado e comportamentos preocupantes para si ou para os outros como um aumento no impulso sexual.

Gastos ou compras excessivas incontroláveis.

Distúrbios alimentares (comer grandes quantidades de comida em curtos períodos de tempo) ou comer compulsivamente (comer mais comida que o normal e mais do que o necessário para satisfazer a fome).
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Tolcapona só deve ser usado durante a gravidez se o potencial benefício justificar o potencial risco para o feto.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:As mães não devem amamentar durante o tratamento com Tolcapona.
Condução
Condução
Condução:Os doentes devem ser informados da necessidade de se absterem de conduzir ou exercer actividades em que a redução da vigília acarrete risco de danos graves ou morte para eles ou outras pessoas (p.ex. utilizar máquinas), até que estes episódios recorrentes e a sonolência se resolvam.
Precauções Gerais
O médico falará consigo sobre os riscos e benefícios de tomar Tolcapona durante a gravidez.

Os efeitos de Tolcapona não foram estudados em lactentes.

Não deve amamentar durante o tratamento com Tolcapona.

Informe o médico se você ou o seu familiar/ cuidador notarem que está a desenvolver impulsos ou desejos que o levam a comportar-se de uma forma que não é usual em si, ou se não conseguir resistir a impulsos ou tentações que o levem a realizar certas actividades prejudiciais a si ou aos outros.

Estes comportamentos denominam-se distúrbios do controlo de impulsos e podem incluir vício do jogo, gastos excessivos, comer em excesso, desejo sexual anormalmente elevado ou preocupação com o aumento de pensamentos ou sentimentos sexuais.

Só deve tomar Tolcapona se a sua doença de Parkinson não estiver adequadamente controlada pela utilização de outros medicamentos.

Além disso, o médico parará o tratamento com Tolcapona se ao fim de 3 semanas não melhorar o suficiente para justificar os riscos do tratamento contínuo.

Tolcapona pode causar um problema no fígado raro mas potencialmente mortal.

O problema no fígado ocorre a maioria das vezes após 1 mês e antes de 6 meses.

Observou-se que doentes do sexo feminino têm um maior risco de problema hepático.

Portanto, devem ser consideradas as seguintes medidas preventivas.

Antes do início do tratamento:
Para reduzir o risco de problema no fígado, não deve tomar Tolcapona se
- tem doença do fígado
- no caso dos testes da função do fígado estarem elevados, nas análises ao sangue efectuadas antes do início do tratamento (testes à alanina amino transferase (ALT) e aspartato amino transferase (AST)).

Durante o tratamento:
Durante o tratamento, serão feitas análises sanguíneas nos seguintes intervalos:
- cada 2 semanas durante os primeiros 12 meses de tratamento
- cada 4 semanas durante os seguintes 6 meses
- cada 8 semanas durante o restante tratamento

O tratamento será interrompido se os resultados das análises se tornarem anormais.

O tratamento com Tolcapona pode por vezes conduzir a alterações na forma como o fígado trabalha.

Portanto, deve contactar o médico imediatamente se tiver sintomas tais como náuseas, vómitos, dor no estômago (particularmente no fígado, na zona direita superior), perda de apetite, fraqueza, febre, urina escura e icterícia (pele ou olhos amarelos) ou se se sentir cansado mais facilmente.

Se já foi tratado com Tolcapona e desenvolveu um problema agudo no fígado durante o tratamento, Tolcapona não deverá ser reintroduzido de novo.

Sintomas do Síndroma Neurolético Maligno podem ocorrer durante o tratamento com Tolcapona.

O SNM consiste em alguns ou todos os seguintes sintomas:
- rigidez muscular grave, movimentos bruscos dos músculos dos braços e pernas e sensibilidade muscular.

Problemas nos músculos podem provocar por vezes urina escura.

- outros sintomas importantes são febre alta e confusão mental.

Raramente, após redução brusca ou interrupção de Tolcapona, ou outros medicamentos antiparkinsónicos, pode ter sintomas graves de rigidez muscular, febre ou confusão mental.
Se isto lhe acontecer, informe o médico.

Devem ser consideradas as seguintes medidas preventivas.

Antes do início do tratamento:
Para reduzir o risco de SNM não deve utilizar Tolcapona se o médico lhe disser que tem disquinésia grave (movimentos involuntários) ou uma doença prévia que pode ter sido SNM.

Informe o médico sobre todos os medicamentos sujeitos a receita médica e não sujeitos a receita médica que está a tomar porque o risco de SNM pode ser aumentado se estiver a tomar alguns medicamentos específicos.

Não pare de tomar Tolcapona ou qualquer outro medicamento para o Parkinson sem consultar o médico uma vez que isso pode aumentar o risco de SNM.

Informe também o médico:
- se tiver alguma doença para além da doença de Parkinson
- se é alérgico a outros medicamentos, alimentos ou corantes
- se rapidamente após iniciar ou durante o tratamento com Tolcapona tiver sintomas que possam ser causados pela levodopa tais como movimentos involuntários (disquinésia) e náuseas.

Se não se sentir bem, deve contactar o médico porque pode necessitar de tomar menos levodopa.

Tolcapona não é recomendado para utilização em crianças com idade inferior a 18 anos devido a dados insuficientes de segurança ou eficácia.

Não há indicação relevante para utilização em crianças e adolescentes.
Cuidados com a Dieta
Tolcapona pode ser tomado com ou sem alimentos.
Tolcapona deve ser tomado com 1 copo de água.
Terapêutica Interrompida
Tome-o assim que se lembrar, e em seguida, continue a tomá-lo às horas habituais.
Contudo, se a toma da próxima dose for logo de seguida não junte a dose de que se esqueceu.
Não tome uma dose a dobrar para compensar as doses individuais que se esqueceu de tomar.
Se se esqueceu de tomar várias doses, informe o médico e siga os seus conselhos.
Cuidados no Armazenamento
Não requer condições especiais de conservação.

Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Usar com precaução

Tolcapona Levodopa (L-dopa)

Observações: n.d.
Interacções: Sabe-se que Tolcapona, sendo um inibidor da COMT, aumenta a biodisponibilidade da levodopa administrada concomitantemente. O aumento consequente da estimulação dopaminérgica pode levar a reacções adversas dopaminérgicas observadas após tratamento com inibidores da COMT. Destes efeitos, os mais comuns são o aumento de disquinésia, náuseas, vómitos, dor abdominal, síncope, queixas ortostáticas, obstipação, distúrbios do sono, sonolência, alucinações. A levodopa está associada a sonolência e a episódios de adormecimento súbito. Foi muito raramente relatado adormecimento súbito durante as actividades diárias, em alguns casos sem que tenha havido consciência disso ou sinais de aviso. Os doentes devem ser informados deste facto e aconselhados a tomarem precauções quando conduzirem ou utilizarem máquinas durante o tratamento com levodopa. Os doentes que sofreram de sonolência e/ou de um episódio de adormecimento súbito devem abster-se de conduzir ou utilizar máquinas. Além disso, deve ser considerada a redução da dose de levodopa ou a suspensão do tratamento. - Levodopa (L-dopa)
Sem efeito descrito

Tolcapona Carbidopa

Observações: n.d.
Interacções: Catecóis e outros fármacos metabolizados pela catecol-O-metiltransferase (COMT): Tolcapona pode influenciar a farmacocinética dos fármacos metabolizados pela COMT. Não foram observados efeitos na farmacocinética da carbidopa, substrato da COMT. - Carbidopa
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tolcapona Benserazida

Observações: n.d.
Interacções: Foi observada interacção com a benserazida que pode conduzir a níveis aumentados de benserazida e do seu metabólito ativo. A amplitude do efeito foi dependente da dose de benserazida. As concentrações plasmáticas de benserazida observadas após administração concomitante de tolcapon a e benserazida-25 mg/levodopa permaneceram ainda dentro do intervalo de valores observado com apenas levodopa/benserazida. Por outro lado, após administração concomitante de tolcapona e benserazida-50 mg/levodopa, as concentrações plasmáticas de benserazida podem aumentar acima dos níveis normalmente observados com apenas levodopa/benserazida. - Benserazida
Usar com precaução

Tolcapona Metildopa

Observações: n.d.
Interacções: Não foi avaliado o efeito da tolcapona na farmacocinética de outros fármacos metabolizados pela COMT, tais como a metildopa, dobutamina, apomorfina, adrenalina e isoprenalina. O médico prescritor deve estar vigilante quanto a reacções adversas causados pelo suposto aumento dos níveis plasmáticos destes fármacos quando se combinam com Tolcapona. - Metildopa
Usar com precaução

Tolcapona Dobutamina

Observações: n.d.
Interacções: Não foi avaliado o efeito da tolcapona na farmacocinética de outros fármacos metabolizados pela COMT, tais como a metildopa, dobutamina, apomorfina, adrenalina e isoprenalina. O médico prescritor deve estar vigilante quanto a reacções adversas causados pelo suposto aumento dos níveis plasmáticos destes fármacos quando se combinam com Tolcapona. - Dobutamina
Usar com precaução

Tolcapona Apomorfina

Observações: n.d.
Interacções: Não foi avaliado o efeito da tolcapona na farmacocinética de outros fármacos metabolizados pela COMT, tais como a metildopa, dobutamina, apomorfina, adrenalina e isoprenalina. O médico prescritor deve estar vigilante quanto a reacções adversas causados pelo suposto aumento dos níveis plasmáticos destes fármacos quando se combinam com Tolcapona. - Apomorfina
Usar com precaução

Tolcapona Adrenalina (epinefrina)

Observações: n.d.
Interacções: Não foi avaliado o efeito da tolcapona na farmacocinética de outros fármacos metabolizados pela COMT, tais como a metildopa, dobutamina, apomorfina, adrenalina e isoprenalina. O médico prescritor deve estar vigilante quanto a reacções adversas causados pelo suposto aumento dos níveis plasmáticos destes fármacos quando se combinam com Tolcapona. - Adrenalina (epinefrina)
Usar com precaução

Tolcapona Isoprenalina (isoproterenol)

Observações: n.d.
Interacções: Não foi avaliado o efeito da tolcapona na farmacocinética de outros fármacos metabolizados pela COMT, tais como a metildopa, dobutamina, apomorfina, adrenalina e isoprenalina. O médico prescritor deve estar vigilante quanto a reacções adversas causados pelo suposto aumento dos níveis plasmáticos destes fármacos quando se combinam com Tolcapona. - Isoprenalina (isoproterenol)
Sem efeito descrito

Tolcapona Tolbutamida

Observações: n.d.
Interacções: Devido à sua afinidade in vitro para o citocromo CYP2C9, tolcapona pode interferir com fármacos cuja depuração dependa desta via metabólica, tal como a tolbutamida e varfarina. Num estudo de interacções, tolcapona não alterou a farmacocinética da tolbutamida. Portanto, parecem improváveis interacções clinicamente relevantes envolvendo o citocromo CYP2C9. - Tolbutamida
Usar com precaução

Tolcapona Varfarina

Observações: n.d.
Interacções: Devido à sua afinidade in vitro para o citocromo CYP2C9, tolcapona pode interferir com fármacos cuja depuração dependa desta via metabólica, tal como a tolbutamida e varfarina. Sendo limitada a informação clínica relativa à combinação de varfarina e a tolcapona, os parâmetros da coagulação devem ser monitorizados quando estes fármacos são administrados concomitantemente. - Varfarina
Usar com precaução

Tolcapona Desipramina

Observações: n.d.
Interacções: Dado que a tolcapona interfere com o metabolismo das catecolaminas, são teoricamente possíveis interacções com outros fármacos que alteram os níveis de catecolaminas. Quando Tolcapona foi administrada em conjunto com levodopa/carbidopa e desipramina, não houve alteração significativa da pressão arterial, frequência do pulso e concentrações plasmáticas de desipramina. No total, a frequência de reacções adversas aumentou ligeiramente. Estes acontecimentos adversos eram previsíveis, com base nas reacções adversas conhecidas de cada um dos três fármacos individualmente. Deve haver precaução quando se administrem inibidores potentes da captação da noradrenalina, tais como desipramina, maprotilina ou venlafaxina, em doentes com doença de Parkinson em tratamento com Tolcapona e preparações de levodopa. - Desipramina
Usar com precaução

Tolcapona Inibidores da recaptação da noradrenalina

Observações: n.d.
Interacções: Deve haver precaução quando se administrem inibidores potentes da captação da noradrenalina, tais como desipramina, maprotilina ou venlafaxina, em doentes com doença de Parkinson em tratamento com Tolcapona e preparações de levodopa. - Inibidores da recaptação da noradrenalina
Usar com precaução

Tolcapona Maprotilina

Observações: n.d.
Interacções: Deve haver precaução quando se administrem inibidores potentes da captação da noradrenalina, tais como desipramina, maprotilina ou venlafaxina, em doentes com doença de Parkinson em tratamento com Tolcapona e preparações de levodopa. - Maprotilina
Usar com precaução

Tolcapona Venlafaxina

Observações: n.d.
Interacções: Deve haver precaução quando se administrem inibidores potentes da captação da noradrenalina, tais como desipramina, maprotilina ou venlafaxina, em doentes com doença de Parkinson em tratamento com Tolcapona e preparações de levodopa. - Venlafaxina
Usar com precaução

Tolcapona Selegilina

Observações: n.d.
Interacções: Nos ensaios clínicos, os doentes tratados com Tolcapona/preparações de levodopa relataram um perfil semelhante de reacções adversas, independentemente de serem ou não tratados concomitantemente com selegilina (um inibidor da MAO-B). - Selegilina
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções da Tolcapona
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Tolcapona só deve ser usado durante a gravidez se o potencial benefício justificar o potencial risco para o feto.

As mães não devem amamentar durante o tratamento com Tolcapona.

Os doentes devem ser informados da necessidade de se absterem de conduzir ou exercer actividades em que a redução da vigília acarrete risco de danos graves ou morte para eles ou outras pessoas (p.ex. utilizar máquinas), até que estes episódios recorrentes e a sonolência se resolvam
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Novembro de 2021