Tiagabina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Condução
O que é
A Tiagabina é um medicamento anticonvulsivo.

Também é utilizado no tratamento do transtorno de pânico como alguns outros anticonvulsivantes.

Embora o mecanismo exato pelo qual a tiagabina exerce o seu efeito sobre o corpo humano seja desconhecido, parece funcionar como um Inibidores da recaptação seletiva de GABA
Usos comuns
Para o tratamento de convulsões parciais.
Tipo
pequena molécula
História
A substância foi descoberta por uma equipa de químicos e farmacêuticos, sob a direção geral do Dr. Claus Braestrup, no Novo Nordisk, na Dinamarca, em 1988.

Um artigo de autoria do Dr. Lars JS Knutsen que descreveu o projeto, seleção, farmacologia e síntese da tiagabina foi publicado no Journal of Medicinal Chemistry em 1993, onde se reunia o trabalho da equipa do Novo Nordisk.

A substância foi co-desenvolvida com a Abbott.
Indicações
Tratamento adjuvante das crises epiléticas parciais.
Classificação CFT

2.6 : Antiepiléticos e anticonvulsivantes

Mecanismo De Ação
Embora o mecanismo exato pelo qual a Tiagabina exerce o seu efeito sobre o corpo humano seja desconhecido, parece funcionar como um inibidor da recaptação seletiva de GABA.
Posologia Orientativa
A tiagabina deve ser administrada com alimentos.

Adultos - Dose inicial: 4 mg/dia (1 administração).

Titulação: aumentos de 4-8 mg/dia cada semana até a dose máxima de 56 mg/dia.

A dose de manutenção deve ser administrada em 2 a 4 administrações diárias.

Adolescentes - mais de 12 anos: O mesmo esquema que nos adultos mas a dose máxima tolerada é 32 mg/dia.

A dose deve ser reduzida no caso de IH.
Administração
Sem Informação.
Contraindicações
Há efeitos adversos embrio-fetais e teratogénicos nos estudos animais.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Tonturas, astenia, sonolência, tremor, ansiedade, alteração da cognição, ataxia, insónia, confusão, amnésia, parestesias, depressão e agressividade são relativamente frequentes.

Também o são a dor abdominal, náuseas e vómitos, diarreia e faringite.

Raramente ocorrem exantemas e o síndrome de Stevens-Johnson é excecional.

Raramente ocorreram casos de fraqueza generalizada.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:O produtor recomenda evitar a menos que o benefício potencial seja superior aos riscos. Evidência fetal em animais, mas a necessidade pode justificar o risco.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Evitar, a menos que o benefício seja superior ao risco.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:5 a 10 mg 1 a 2 vezes/dia na IH ligeira.
Condução
Condução
Condução:Altera significativamente a capacidade de condução.
Precauções Gerais
A Tiagabina pode causar tonturas, sonolência, problemas de pensamento, problemas com as capacidades motoras, ou problemas de visão.

Certifique-se de que sabe como reage à tiagabina antes de conduzir, utilizar máquinas, ou fazer qualquer outra coisa que possa ser perigoso se não estiver alerta, bem coordenado, ou capaz de pensar ou ver.

A tiagabina irá exacerbar os efeitos do álcool e de outros depressores do SNC (medicamentos que provocam sonolência ou um estado menos alerta).

Alguns exemplos de depressores do SNC são os anti-histamínicos ou medicamentos para a febre do feno, outras alergias ou constipações, sedativos, tranquilizantes, ou medicamentos para dormir, medicamentos para a dor e narcóticos mediante prescrição; barbitúricos, outros medicamentos anti-convulsivos, relaxantes musculares, ou anestésicos, incluindo alguns anestésicos dentários.

Avise o seu médico ou dentista antes de tomar qualquer um dos mencionados acima enquanto estiver a tomar tiagabina.

Não pare de tomar tiagabina sem primeiro consultar o seu médico.

Parar o medicamento de repente pode aumentar o risco de as convulsões voltarem ou ocorrerem com mais frequência.

O seu médico pode querer reduzir gradualmente a dose que está a tomar antes de parar completamente.
Cuidados com a Dieta
Tome tiagabina com alimentos.
Terapêutica Interrompida
Tome a dose assim que se lembrar.

Se for quase altura da próxima dose, saltar a dose e tomar o medicamento no horário programado.

Não tome medicamento extra para compensar a dose esquecida.
Cuidados no Armazenamento
Guarde o medicamento num recipiente fechado à temperatura ambiente, longe do calor, humidade e luz direta.

Evite o congelamento.

Manter fora do alcance das crianças.

Não guarde medicamentos fora de prazo ou que já não são necessários.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Contraindicado

Hipericão + Tiagabina

Observações: Além disto, os pacientes devem estar informados que interacções com outros medicamentos não podem ser excluídas e devem ser tidas em consideração durante a toma de Hipericão.
Interações: Hipericão é contra-indicado (interacções farmacocinéticas) em associação com: - Certos imunossupressores tais como a ciclosporina e o tacrolimo (risco de rejeição de transplantes), - Os anticoagulantes orais, varfarina e o acenocoumarol (risco de trombose), - Os antiretrovirais inibidores da protease como o indinavir, nelfinavir, ritonavir e saquinavir, e os inibidores não-nucleósidos da transcriptase reversa como o efavirenz e nevirapina (risco de redução da concentração plasmática com diminuição possível da resposta virológica), - Os anticancerosos, irinotecan e mesilato de imatinib (risco de falha terapêutica), - Os seguintes anticonvulsivantes (exceto a gabapentina e a vigabatrina): carbamazepina, etosuximida, felbamate, fosfenitoína, lamotrigina, fenobarbital, fenitoína, primidona, tiagabina, topiramato, ácido valpróico, valpromida (risco de diminuição do efeito terapêutico).
Usar com precaução

Tiagabina + Antiepilépticos (AEs)

Observações: N.D.
Interações: Uso concomitante com fármacos que envolvem metabolismo CYP3A4/5: Os agentes antiepiléticos que induzem as enzimas hepáticas (CYP P450) tais como fenitoína, carbamazepina, fenobarbital e primidona aceleram o metabolismo de tiagabina. A rifampicina (indutor CYP) acelera o metabolismo da tiagabina. Em caso de associação com um ou vários destes fármacos (agentes antiepiléticos, rifampicina), a dose de tiagabina pode ser ajustada: aumento da dose diária e/ou a uma maior frequência de administração, de forma a obter-se resposta clínica.
Usar com precaução

Tiagabina + Fenitoína

Observações: N.D.
Interações: Uso concomitante com fármacos que envolvem metabolismo CYP3A4/5: Os agentes antiepiléticos que induzem as enzimas hepáticas (CYP P450) tais como fenitoína, carbamazepina, fenobarbital e primidona aceleram o metabolismo de tiagabina. A rifampicina (indutor CYP) acelera o metabolismo da tiagabina. Em caso de associação com um ou vários destes fármacos (agentes antiepiléticos, rifampicina), a dose de tiagabina pode ser ajustada: aumento da dose diária e/ou a uma maior frequência de administração, de forma a obter-se resposta clínica. Tiagabina não tem qualquer efeito clinicamente significativo nas concentrações plasmáticas de fenitoína, carbamazepina, fenobarbital, valproato, varfarina, digoxina, teofilina e das hormonas contidas nos contracetivos orais.
Usar com precaução

Tiagabina + Carbamazepina

Observações: N.D.
Interações: Uso concomitante com fármacos que envolvem metabolismo CYP3A4/5: Os agentes antiepiléticos que induzem as enzimas hepáticas (CYP P450) tais como fenitoína, carbamazepina, fenobarbital e primidona aceleram o metabolismo de tiagabina. A rifampicina (indutor CYP) acelera o metabolismo da tiagabina. Em caso de associação com um ou vários destes fármacos (agentes antiepiléticos, rifampicina), a dose de tiagabina pode ser ajustada: aumento da dose diária e/ou a uma maior frequência de administração, de forma a obter-se resposta clínica. Tiagabina não tem qualquer efeito clinicamente significativo nas concentrações plasmáticas de fenitoína, carbamazepina, fenobarbital, valproato, varfarina, digoxina, teofilina e das hormonas contidas nos contracetivos orais.
Usar com precaução

Tiagabina + Fenobarbital

Observações: N.D.
Interações: Uso concomitante com fármacos que envolvem metabolismo CYP3A4/5: Os agentes antiepiléticos que induzem as enzimas hepáticas (CYP P450) tais como fenitoína, carbamazepina, fenobarbital e primidona aceleram o metabolismo de tiagabina. A rifampicina (indutor CYP) acelera o metabolismo da tiagabina. Em caso de associação com um ou vários destes fármacos (agentes antiepiléticos, rifampicina), a dose de tiagabina pode ser ajustada: aumento da dose diária e/ou a uma maior frequência de administração, de forma a obter-se resposta clínica. Tiagabina não tem qualquer efeito clinicamente significativo nas concentrações plasmáticas de fenitoína, carbamazepina, fenobarbital, valproato, varfarina, digoxina, teofilina e das hormonas contidas nos contracetivos orais.
Usar com precaução

Tiagabina + Primidona

Observações: N.D.
Interações: Uso concomitante com fármacos que envolvem metabolismo CYP3A4/5: Os agentes antiepiléticos que induzem as enzimas hepáticas (CYP P450) tais como fenitoína, carbamazepina, fenobarbital e primidona aceleram o metabolismo de tiagabina. A rifampicina (indutor CYP) acelera o metabolismo da tiagabina. Em caso de associação com um ou vários destes fármacos (agentes antiepiléticos, rifampicina), a dose de tiagabina pode ser ajustada: aumento da dose diária e/ou a uma maior frequência de administração, de forma a obter-se resposta clínica.
Usar com precaução

Tiagabina + Rifampicina

Observações: N.D.
Interações: Uso concomitante com fármacos que envolvem metabolismo CYP3A4/5: Os agentes antiepiléticos que induzem as enzimas hepáticas (CYP P450) tais como fenitoína, carbamazepina, fenobarbital e primidona aceleram o metabolismo de tiagabina. A rifampicina (indutor CYP) acelera o metabolismo da tiagabina. Em caso de associação com um ou vários destes fármacos (agentes antiepiléticos, rifampicina), a dose de tiagabina pode ser ajustada: aumento da dose diária e/ou a uma maior frequência de administração, de forma a obter-se resposta clínica.
Sem efeito descrito

Tiagabina + Cimetidina

Observações: N.D.
Interações: Uso concomitante com fármacos não indutores: Após uma dose de tiagabina, a concentração plasmática esperada em doentes não induzidos é mais do que 2 vezes maior do que em doentes a receber agentes indutores enzimáticos. Para se alcançar similar exposição sistémica à tiagabina, doentes não induzidos necessitam de doses menores ou menos frequentes do que os doentes induzidos. Estes doentes podem também necessitar de uma titulação da tiagabina mais lenta quando comparados com os doentes induzidos. Tiagabina não tem qualquer efeito clinicamente significativo nas concentrações plasmáticas de fenitoína, carbamazepina, fenobarbital, valproato, varfarina, digoxina, teofilina e das hormonas contidas nos contracetivos orais. A cimetidina não tem efeito clinicamente significativo nos níveis plasmáticos de tiagabina.
Sem efeito descrito

Tiagabina + Valproato semisódico (ácido valpróico)

Observações: N.D.
Interações: Tiagabina não tem qualquer efeito clinicamente significativo nas concentrações plasmáticas de fenitoína, carbamazepina, fenobarbital, valproato, varfarina, digoxina, teofilina e das hormonas contidas nos contracetivos orais.
Sem efeito descrito

Tiagabina + Varfarina

Observações: N.D.
Interações: Tiagabina não tem qualquer efeito clinicamente significativo nas concentrações plasmáticas de fenitoína, carbamazepina, fenobarbital, valproato, varfarina, digoxina, teofilina e das hormonas contidas nos contracetivos orais.
Sem efeito descrito

Tiagabina + Digoxina

Observações: N.D.
Interações: Tiagabina não tem qualquer efeito clinicamente significativo nas concentrações plasmáticas de fenitoína, carbamazepina, fenobarbital, valproato, varfarina, digoxina, teofilina e das hormonas contidas nos contracetivos orais.
Sem efeito descrito

Tiagabina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Tiagabina não tem qualquer efeito clinicamente significativo nas concentrações plasmáticas de fenitoína, carbamazepina, fenobarbital, valproato, varfarina, digoxina, teofilina e das hormonas contidas nos contracetivos orais.
Sem efeito descrito

Tiagabina + Contracetivos orais

Observações: N.D.
Interações: Tiagabina não tem qualquer efeito clinicamente significativo nas concentrações plasmáticas de fenitoína, carbamazepina, fenobarbital, valproato, varfarina, digoxina, teofilina e das hormonas contidas nos contracetivos orais.
Usar com precaução

Estiripentol + Tiagabina

Observações: Não se encontra devidamente esclarecida a influência de outros medicamentos antiepilépticos na farmacocinética do estiripentol. Estudos in vitro sugeriram que o metabolismo de fase 1 do estiripentol é catalizado pela CYP1A2, CYP2C19 e CYP3A4 e possivelmente outras enzimas. É aconselhada precaução ao associar o estiripentol com outras substâncias que inibem ou induzem uma ou mais destas enzimas.
Interações: Efeitos noutros antiepiléticos: A inibição de CYP450 isoenzima CYP2C19 e CYP3A4 pode provocar interações farmacocinéticas (inibição do seu metabolismo hepático) com fenobarbital, primidona, fenitoína, carbamazepina, clobazam, valproato, diazepam (aumento do miorrelaxamento), etossuximida e tiagabina. As consequências são o aumento dos níveis plasmáticos destes anticonvulsivantes, com potencial risco de sobredosagem. Recomenda-se a monitorização clínica dos níveis plasmáticos de outros anticonvulsivantes, quando combinados com estiripentol, com possíveis ajustes posológicos.
Sem efeito descrito

Pregabalina + Tiagabina

Observações: Como a pregabalina é predominantemente excretada na urina na forma inalterada, sofre uma metabolização negligenciável no ser humano (< 2% da dose recuperada na urina na forma de metabolitos), não inibe o metabolismo dos fármacos in vitro e não se fixa às proteínas plasmáticas, é improvável que produza ou esteja sujeita a interações farmacocinéticas. Não foram conduzidos estudos específicos de interação farmacodinâmica em voluntários idosos. Os estudos de interação foram apenas realizados em adultos.
Interações: A análise farmacocinética populacional revelou que os antidiabéticos orais, os diuréticos, a insulina, o fenobarbital, a tiagabina e o topiramato não tiveram efeitos clinicamente significativos na depuração de pregabalina.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Primidona + Tiagabina

Observações: Tanto a primidona como o seu principal metabolito, o fenobarbital, induzem a actividade enzimática hepática, principalmente o sistema enzimático CYP4503A4. Isto pode provocar alterações na farmacocinética de fármacos administrados simultaneamente.
Interações: Os fármacos cujo metabolismo possa ser aumentado e levar a uma diminuição da concentração plasmática e/ou diminuição do tempo de semi-vida, devido a uma terapêutica concomitante são: Androgéneos, beta-antagonistas, carbamazepina, ciclosporina, clonazepam, cloranfenicol, corticosteróides/glucocorticóides, ciclofosfamida, dicumarinas, digitoxina, doxiciclina, etosuxamida, etoposido, felbamato, granissetrom, lamotrigina, losartan, metadona, metronidazol, mianserina, Montelucaste, nelfinavir, nimodipina, contracetivos orais, oxcarbazepina, fentoína, quinidina, rocurónio, valproato de sódio, tiagabina, teofilinas, topiramato, antidepressores tricíclicos, vecurónio, varfarina e zonisamida.
Usar com precaução

Tiagabina + Antiepilépticos (AEs)

Observações: N.D.
Interações: Uso concomitante com fármacos que envolvem metabolismo CYP3A4/5: Os agentes antiepiléticos que induzem as enzimas hepáticas (CYP P450) tais como fenitoína, carbamazepina, fenobarbital e primidona aceleram o metabolismo de tiagabina. A rifampicina (indutor CYP) acelera o metabolismo da tiagabina. Em caso de associação com um ou vários destes fármacos (agentes antiepiléticos, rifampicina), a dose de tiagabina pode ser ajustada: aumento da dose diária e/ou a uma maior frequência de administração, de forma a obter-se resposta clínica.
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações da Tiagabina
Tome este medicamento exatamente como lhe foi receitado.

Não tome o medicamento em doses maiores, ou durante mais tempo do que o recomendado pelo seu médico.

Siga as instruções na etiqueta do medicamento.

Tome a tiagabina com alimentos.

Para se certificar de que está a tomar a dose certa de tiagabina, pode ser necessário fazer testes sanguíneos com regularidade.

Não falte a nenhuma das consultas marcadas com o seu médico.

O seu médico poderá ocasionalmente alterar a dose durante várias semanas para ter a certeza de obter os melhores resultados do medicamento.

Não pare de tomar tiagabina sem primeiro falar com o seu médico, mesmo que se sinta melhor.

Pode ter aumentado as convulsões, se parar de tomar tiagabina repente.

Vai ser necessário ir reduzindo a dose aos poucos antes de parar completamente a medicação.

Contacte o seu médico se as convulsões piorarem ou se passou a tê-las com maior frequência enquanto toma a tiagabina.

Tenha sempre consigo um cartão de identificação ou use uma pulseira de alerta médico informando que está a tomar tiagabina, em caso de emergência.

Qualquer médico, dentista, ou profissional de emergência médica que o trate deve saber que está a tomar medicamentos para as convulsões.

É importante o uso regular da tiagabina para obter o máximo benefício.

Avie uma nova receita com a medicação antes que fique sem medicamento.

Conserve o medicamento à temperatura ambiente longe da humidade, calor e luz.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 31 de Outubro de 2019