Tetraciclina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
A Tetraciclina é um antibiótico de largo espectro policetídeo produzido pelo género Streptomyces de actinobactérias.

Exerce um efeito bacteriostático em bactérias por ligação reversível da subunidade ribossomal 30S bacterianas e bloqueando aminoacil tRNA de entrada de ligação para o local aceitador de ribossoma.

Também se liga em certa medida para o 50S bacterianas subunidade ribossômica e pode alterar a membrana citoplasmática causando componentes intracelulares a fuga de células bacterianas.
Usos comuns
Tratamento de:
- Acne vulgaris: como adjuvante de tratamento.

- Actinomicoses causadas por Actinomyces israelii.

- Antrax causada por Bacillus anthracis.

- Infecção geniturinária causada por N.

gonorrhoeae e porChlamydia trachomatis.

- Gengivoestomatite causada por Fusobacterium fusiformisans.

- Granuloma inguinal causada por Calymmatobacterium granulomatis.

- Linfogranuloma venéreo por Chlamydia sp.

- Otite média, faringite, pneumonia e sinusite causadas por H.

influenzae e Klebsiella sp.

- Tifo causada por Rickettsias.

- Sífilis causada por Treponema pallidum.

- Infecção bacteriana do aparelho urinário causada por Escherichia coli e Klebsiella sp.

- Infecção retal menor causada por Chlamydia trachomatis.

- Amebíase extra intestinal causada por Entamoeba histolytica, usado junto com metronidazol.

- Enterocolites causadas por Shigella sp.
Tipo
pequena molécula
História
As tetraciclinas, uma grande família de antibióticos, foram descobertos como produtos naturais por Benjamin Minge Duggar em 1945 e prescritos pela primeira vez em 1948.

Sob Yellapragada Subbarao, Benjamin Duggar fez sua descoberta do primeiro antibiótico tetraciclina, clorotetraciclina ( aureomicina ), no Lederle Laboratories em 1945.

Em 1950, o professor da Universidade de Harvard Robert Burns Woodward determinou a estrutura química da substância relacionada, oxitetraciclina (Terramicina), a proteção de patente para a sua fermentação e produção também foi emitido pela primeira vez em 1950.

Uma equipa de sete cientistas ( KJ Brunings, Francis A. Hochstein, CR Stephens, Lloyd Hillyard Conover, Abraham Bavley, Richard Pasternack, e Peter P. Regna ) a Pfizer de investigação, em colaboração com Woodward, participou da de dois anos de pesquisa principais para a descoberta.

Pfizer foi de opinião que merecia o direito à patente em tetraciclina e apresentou o seu pedido Conover em outubro de 1952.

Cyanamid apresentou o seu pedido Boothe -Morton pelos direitos semelhantes março de 1953, enquanto Heyden Chemicals apresentou o seu pedido Minieri em setembro de 1953, em homenagem a cientista Paul P. Minieri, para obter uma patente sobre tetraciclina e seu processo de fermentação.

Isto resultou em litígio tetraciclina em que o vencedor teria que provar além de qualquer dúvida razoável de invenção prioridade e o estado natural da tetraciclina.

Nas Múmias Nubian estudados na década de 1990 foram encontrados conter níveis significativos de tetraciclina, a cerveja fabricada na época poderia ter sido a fonte.

Tetraciclina desencadeou o desenvolvimento de muitos antibióticos quimicamente alterados, de modo provou ser um dos mais importantes descobertas feitas no campo de antibióticos.

É usado para tratar muitas bactérias Gram-positivas e Gram-negativas.

Como alguns outros antibióticos, é também usado no tratamento da acne.
Indicações
Tratamento de:
- Acne vulgaris: como adjuvante de tratamento.

- Actinomicoses causadas por Actinomyces israelii.

- Antrax causada por Bacillus anthracis.

- Infecção geniturinária causada por N.

gonorrhoeae e porChlamydia trachomatis.

- Gengivoestomatite causada por Fusobacterium fusiformisans.

- Granuloma inguinal causada por Calymmatobacterium granulomatis.

- Linfogranuloma venéreo por Chlamydia sp.

- Otite média, faringite, pneumonia e sinusite causadas por H.

influenzae e Klebsiella sp.

- Tifo causada por Rickettsias.

- Sífilis causada por Treponema pallidum.

- Infecção bacteriana do aparelho urinário causada por Escherichia coli e Klebsiella sp.

- Infecção retal menor causada por Chlamydia trachomatis.

- Amebíase extra intestinal causada por Entamoeba histolytica, usado junto com metronidazol.

- Enterocolites causadas por Shigella sp.
Classificação CFT
n.d.     n.d.
Mecanismo De Ação
O cloridrato de Tetraciclina pertence à classe das Tetraciclinas, agentes bacteriostáticos de largo espectro, que agem inibindo a síntese proteica de bactérias sensíveis, bloqueando a ligação do RNA-t (RNA transportador) ao RNA-m (RNA mensageiro) do complexo ribossômico 30S desses microrganismos.

O espectro de ação do cloridrato de Tetraciclina abrange microrganismos Gram-positivos (aeróbicos e anaeróbicos), Gram-negativos, protozoários, micoplasma, clamídias, riquetsias e espiroquetas.

Microrganismos comumente sensíveis à Tetraciclina incluem Actynomices; Chlamydia; Mycoplasma sp.; Ureaplasma urealytcum, Riquetsias incluindo Coxiella burnettii e espiroquetas,incluindo Borrelia, Leptospira e Treponema sp..

Gram-negativos aeróbicos incluem Bordetella pertussis, Brucella sp., Calymmato bacterium granulomatis,Campylobacter sp., algumas enterobactérias incluindo Yersinia pestis,Francisella tularensis, Haemophillus, Neisseria, Pasteurella, Pseudomonas mallei e Víbrio sp.

Gram-positivos aeróbicos incluem Bacillus anthracis, Listeria monocytogenes, vários estafilococos e estreptococos.

Organismos aeróbicos incluem Bacteroides, Fusobacterium e Clostridium sp.

Alguns protozoários também são sensíveis, incluindo o Plasmodium falciparum.
Posologia Orientativa
Antibacteriano (sistémico); antiprotozoário: 500mg a cada 6 horas ou 500mg a 1g a cada 12 horas.

Na acne: Inicialmente, 500mg a 2g ao dia, em doses divididas, nos casos moderados a graves como adjuvante terapêutico.

Quando for notada melhorias (geralmente após 3 semanas), a dose deve ser reduzida gradualmente para uma dose de manutenção diária de até 1.

Adequada remissão da lesão pode também ser possível com terapia em dias alternados.

Na brucelose: 500mg a cada 6 horas, durante 3 semanas, administrado concomitantemente com 1g de estreptomicina por via intramuscular a cada 12 horas, na primeira semana e uma vez ao dia na segunda semana.

Na Gonorreia: 500mg a cada 6 horas, durante 5 dias.

Na sífilis: 500mg a cada 6 horas por 15 dias ou por 30 dias (sífilis tardia).

Obs.: Indica-se na sífilis como alternativa quando a penicilina estiver contraindicada.

Nas infecções uretrais não complicadas, endocervicites ou infecções retais causadas por Chlamydia trachomatis: 500mg, 4 vezes ao dia, durante pelo menos 7 dias.

Limite máximo de ingestão diária: 4 gramas.
Administração
Via ora, cutânea, injetável.
Contraindicações
Este medicamento não deve ser administrado a pessoas com hipersensibilidade às Tetraciclinas.

É também contraindicado durante a gravidez e amamentação.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Grávidas, pacientes que receberem altas doses de Tetraciclina por via intravenosa, e pacientes com a função renal comprometida apresentam uma predisposição de adquirir hepatotoxicidade induzida pelo uso de Tetraciclinas.

No entanto, a hepatotoxicidade também pode ocorrer em pacientes sem essa predisposição.

Em ambos os casos, a incidência deste efeito adverso é raro.

As reações alérgicas às Tetraciclinas são comumente cruzadas e se manifestam como alterações da pele, descoloração do dente e hipoplasia do esmalte.

Efeitos gastrintestinais como náuseas, vómitos e diarreias são comuns, especialmente com altas doses, acompanhados ou não de dor e queimação epigástrica.

Pode ainda ocorrer: candidíase oral, vulvovaginite e prurido anal, escurecimento ou descoloração da língua; colite pseudomembranosa, fotossensibilidade da pele e pigmentação da pele e membrana mucosa.

Pancreatite tem sido relatada raramente.
Advertências
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Ver Tetraciclinas.
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: D - Há evidências de risco em fetos humanos. Só usar se o benefício justificar o risco potencial. Em situação de risco de vida ou em caso de doenças graves para as quais não se possa utilizar drogas mais seguras, ou se estas drogas não forem eficazes.
Aleitamento
Aleitamento:Não utilizar durante a amamentação.
Precauções Gerais
As Tetraciclinas depositam-se nos dentes em formação, causando descoloração do dente e hipoplasia do esmalte.

Também são depositadas nos ossos e unhas onde formam um complexo estável com o íon cálcio.

Portanto, não devem ser administradas a crianças menores de 8 anos de idade, porque afeta o seu crescimento ósseo.

Uso na gravidez: As Tetraciclinas atravessam a barreira placentária; portanto, o seu uso não é recomendado durante a segunda metade da gestação.

As Tetraciclinas podem causar descoloração e hipoplasia do esmalte do dente e inibição do crescimento linear do esqueleto do feto.

Uso na amamentação: As Tetraciclinas são encontradas no leite materno; portanto, seu uso não é recomendado durante a lactação pela possibilidade de causarem descoloração do dente, hipoplasia do esmalte, inibição do crescimento linear do esqueleto, reações fotossensitivas e afta oral e vaginal em bebés.

Com o uso inadequado das Tetraciclinas pode ocorrer resistência aos microrganismos sensíveis.

Deve-se evitar a exposição excessiva ao sol durante o tratamento com cloridrato de Tetraciclina, pois pode haver fotossensibilização da pele.


Influência em Exames Laboratoriais: As Tetraciclinas podem produzir falsas elevações das catecolaminas urinárias; podem alterar a concentração de ureia sérica por seu efeito antianabólico.

Concentrações séricas de transaminase glutâmico-pirúvica (TGP), fosfatase alcalina, amilase, transaminase glutâmico-oxalacético e bilirrubinas podem estar aumentadas, com a administração de Tetraciclinas.
Cuidados com a Dieta
Este medicamento deve ser ingerido com água.

Não ingerir leite ou outros produtos lácteos durante 1 ou 2 horas antes ou depois de tomar Tetraciclina, pois pode diminuir a eficácia do medicamento.

Evitar antiácidos, suplementos de cálcio, salicilato de magnésio e colina, suplementos de ferro, salicilato de magnésio, laxantes contendo magnésio, bicarbonato de sódio, 1 a 3 horas do uso de Tetraciclina oral.
Terapêutica Interrompida
Caso esqueça-se de tomar uma dose do medicamento, administre-a imediatamente porque servirá para manter níveis constantes da droga no sangue.

Mas, se a administração da dose esquecida estiver muito próxima a dose regular seguinte, deve-se tomar somente a dose regular; não duplicar as doses.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Ativa contra Chlamydia sp., Neisseria gonorrhoeae, Mycoplasma pneumoniae, Ureaplasma urealyticum, Campylobacter sp., Yersinia sp., Pasteurella multocida, Actinomyces sp. e Brucella sp.

Também efetiva contra Rickettsia sp., Francisella tularensis, Vibrio cholerae e Borrelia burgdorferi.

Não deve ser usada para tratar infecções causadas por estafilococos, estreptococos do grupo A e pneumococos, devido à existência de cepas resistentes.

Ativa contra Mycobacterium marinum.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Ananás ou abacaxi + Tetraciclina

Observações: Tem sido documentada potenciação de amoxicilina e tetraciclina devido ao aumento do volume de distribuição por bromelina.
Interações: N.D.

Tetraciclina + Alimentos/Bebidas (Soja, fitinas, fitatos, oxalatos, taninos, pectinas)

Observações: N.D.
Interações: Antiácidos, preparações com ferro e produtos lácteos: A absorção da tetraciclina é comprometida pelos antiácidos que contenham alumínio, cálcio ou magnésio, pelas preparações com ferro, zinco ou bicarbonato de sódio, ou por produtos lácteos. Desconhece-se a importância clínica da exposição sistémica reduzida à tetraciclina, uma vez que a contribuição relativa da atividade antimicrobiana sistémica versus a atividade antimicrobiana local contra o Helicobacter pylori não foi estabelecida. Por conseguinte, estes medicamentos não devem ser utilizados concomitantemente com esta associação.

Cefadroxil + Tetraciclina

Observações: A ocorrência de diarreia pode prejudicar a absorção de outros medicamentos ficando assim a sua eficácia comprometida. Uma diurese forçada leva a uma diminuição dos níveis sanguíneos de cefadroxil.
Interações: O cefadroxil não deve ser combinado com antibacterianos bacteriostáticos (ex. tetraciclina, eritromicina, sulfonamidas e cloranfenicol) uma vez que é possível um efeito antagonista.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Tetraciclina

Observações: N.D.
Interações: Tetraciclina e outros medicamentos que interagem com os sais de magnésio: A administração concomitante de tetraciclina e quinapril reduziu a absorção da tetraciclina em cerca de 28- 37% nos indivíduos expostos. A redução observada deve-se à presença de carbonato de magnésio como excipiente na composição de quinapril. Por este motivo deve ser evitada a administração concomitante de quinapril e tetraciclina.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Hidroclorotiazida + Tetraciclina

Observações: N.D.
Interações: Tetraciclina e outros medicamentos que interagem com magnésio: A administração concomitante de tetraciclina e quinapril reduziu a absorção da tetraciclina em cerca de 28% a 37% nos indivíduos expostos. A redução observada deve-se à presença de carbonato de magnésio como excipiente na composição de quinapril. Em caso de prescrição concomitante de quinapril e tetraciclina, a interacção deve ser ponderada.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Dienogest + Etinilestradiol + Tetraciclina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos. As interações do etinilestradiol e o dienogest, com outros medicamentos podem aumentar ou diminuir ou ambas, as concentrações séricas das hormonas esteroides. A redução das concentrações séricas de etinilestradiol/dienogest pode levar a um aumento das hemorragias intercorrentes e dos distúrbios menstruais e reduzir a eficácia do contracetivo do Dienogest / Etinilestradiol; o aumento de etinilestradiol/dienogest nos níveis séricos pode levar a um aumento de incidência e aumento da expressão de efeitos secundários.
Interações: Os seguintes medicamentos podem diminuir as concentrações séricas das hormonas esteroides contidas no Dienogest / Etinilestradiol: - todos os agentes que aumentam o risco de motilidade gastrointestinal, tais como a metoclopramida, - Medicamentos indutores, as enzimas microssomais hepáticas, tais como a rifampicina, rifabutina, barbitúricos, anticonvulsivantes (como barbexaclona, carbamazepina, oxcarbazepina, fenitoína, primidona, topiramato e felbamato), griseofulvina, modafinil, Erva de São João (Hypericum perforatum). Foi notificado que tanto os inibidores da protease do VIH (por exemplo, ritonavir) como os inibidores não-nucleósidos da transcriptase reversa (por exemplo, nevirapina), bem como a combinação de ambos, podem influenciar o metabolismo hepático. - Certos antibióticos (por exemplo, ampicilina, tetraciclina) em algumas mulheres, possivelmente através de uma redução da circulação entero-hepática dos estrogénios. Deve ser utilizado um método não hormonal contracetivo adicional quando existir terapia concomitante com estes medicamentos e a toma de Dienogest / Etinilestradiol, durante o tratamento e nos primeiros 7 dias. As mulheres a fazerem um tratamento a curto prazo (até uma semana) com um medicamento dos grupos acima referidos, ou com qualquer uma das substâncias ativas para além da rifampicina devem utilizar temporariamente um método de barreira juntamente com as COCs, ou seja, durante o período de tempo de administração concomitante, bem como durante 14 dias após a descontinuação do mesmo. As mulheres tratadas com rifampicina devem utilizar para além do COC um método de barreira adicional durante o período de tempo de administração da rifampicina, assim como durante 28 dias após a sua descontinuação. Em mulheres com tratamento crónico com fármacos indutores das enzimas hepáticas, recomenda-se a utilização de outro método contracetivo não hormonal fiável. Se existir utilização concomitante de medicamentos com essas substâncias durante o último comprimido da embalagem deve iniciar-se imediatamente o novo blister após o último comprimido do primeiro blister sem fazer o habitual intervalo sem toma de comprimidos. Se for necessário um tratamento a longo prazo com estes medicamentos, deve-se utilizar de preferência métodos contracetivos não hormonais.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Norgestrel + Valerato de estradiol + Tetraciclina

Observações: A contracepção hormonal deve ser interrompida quando a THS é iniciada e a doente deve ser aconselhada a tomar medidas contraceptivas não-hormonais, se necessário.
Interações: Interações medicamentosas: Em casos raros, têm sido observados níveis reduzidos de estradiol sob a utilização simultânea de certos antibióticos (por ex. penicilinas e tetraciclina).

Benzilpenicilina benzatínica (benzilpenicilina benzatina) + Tetraciclina

Observações: N.D.
Interações: Os antibióticos bacteriostáticos, como a tetraciclina, eritromicina ou cloranfenicol, podem antagonizar o efeito bactericida da benzilpenicilina, pois interferem com o crescimento bacteriano ativo necessário ao efeito da benzilpenicilina.

Benzilpenicilina benzatínica + Benzilpenicilina potássica + Benzilpenicilina procaínica + Tetraciclina

Observações: N.D.
Interações: Os antibióticos bacteriostáticos, como a tetraciclina, eritromicina ou cloranfenicol, podem antagonizar o efeito bactericida da benzilpenicilina, pois interferem com o crescimento bacteriano ativo necessário ao efeito da benzilpenicilina.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atovaquona + Tetraciclina

Observações: Dada a experiência ser limitada, deve tomar-se precaução ao associar outros fármacos com Atovaquona. A atovaquona liga-se fortemente às proteínas plasmáticas, devendo tomar-se precaução ao administrar Atovaquona simultaneamente com outros fármacos com elevada taxa de ligação às proteínas e com baixos índices terapêuticos. A atovaquona não afeta a farmacocinética, metabolismo ou extensão de ligação às proteínas da fenitoína in vivo.
Interações: O tratamento concomitante com tetraciclina tem sido associado a diminuições nas concentrações plasmáticas de atovaquona.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Besilato de atracúrio + Tetraciclina

Observações: N.D.
Interações: Do mesmo modo que outros agentes de bloqueio neuromuscular não despolarizantes, a magnitude e/ou duração do bloqueio neuromuscular despolarizante do Besilato de Atracúrio pode aumentar como resultado da interacção com: Antibióticos, incluindo aminoglicosidos, polimixinas, espectinomicina, tetraciclina, lincomicina e clindamicina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Digoxina + Tetraciclina

Observações: N.D.
Interações: As concentrações séricas da digoxina podem AUMENTAR com administração concomitante dos seguintes fármacos: amiodarona, flecainida, prazosina, propafenona, quinidina, espironolactona, antibióticos macrólidos por ex.: eritromicina e claritromicina, tetraciclina (e possivelmente outros antibióticos), gentamicina, itraconazol, quinina, trimetoprim, alprazolam, indometacina, propantelina, nefazodona, atorvastatina, ciclosporina, epoprostenol (transitório) e carvedilol.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atovaquona + Proguanilo + Tetraciclina

Observações: N.D.
Interações: O tratamento concomitante com a tetraciclina foi associado com o decréscimo das concentrações plasmática de atovaquona.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Ácido nalidíxico + Tetraciclina

Observações: N.D.
Interações: Visto que a proliferação activa de organismos é uma condição necessária para a sua actividade antibacteriana, a acção do ácido nalidíxico pode ser inibida pela presença de outras substâncias antibacterianas, especialmente agentes bacteriostáticos, tais como tetraciclina, cloranfenicol ou nitrofurantoína, que é antagonista ao ácido nalidíxico in vitro.

Colecalciferol + Carbonato de sódio + Tetraciclina

Observações: N.D.
Interações: O carbonato de cálcio pode interferir com a absorção de preparações com tetraciclina administradas concomitantemente. Por esta razão, as preparações com tetraciclina devem ser administradas pelo menos duas horas antes ou quatro a seis horas depois da ingestão oral de cálcio.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Oxibutinina + Tetraciclina

Observações: N.D.
Interações: Pelo contrário, a oxibutinina pode diminuir o grau de absorção da lidocaína, do paracetamol, do lítio, das aminopenicilinas, da tetraciclina, da fenilbutazona, do sulfametoxazol, do cotrimoxazol e das preparações de libertação lenta.

Carbonato de lantânio + Tetraciclina

Observações: N.D.
Interações: Todavia, interações com fármacos tais como tetraciclina e doxiciclina são teoricamente possíveis, e caso se pretenda administrar concomitantemente estes compostos, recomenda-se que não sejam tomados nas 2 horas seguintes à administração de Carbonato de lantânio.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Colestiramina + Tetraciclina

Observações: N.D.
Interações: Colestiramina pode retardar ou reduzir a absorção de medicamentos administrados concomitantemente por via oral, tais como, fenilbutazona, varfarina, clorotiazida, tetraciclina, penicilina G, fenobarbital, preparações da tiroide e tiroxina e digitálicos.
 Potencialmente Fatal

Tetraciclina + Metoxiflurano

Observações: N.D.
Interações: Foi notificado que a utilização concomitante de tetraciclina e metoxiflurano resultou numa toxicidade renal fatal.

Tetraciclina + Anticoagulantes orais

Observações: N.D.
Interações: Foi demonstrado que a tetraciclina diminui a atividade da protrombina plasmática. Por conseguinte, é necessária uma monitorização frequente da terapêutica anticoagulante com o ajuste adequado da dose de anticoagulante, aquando do início do tratamento com este medicamento.

Tetraciclina + Penicilinas

Observações: N.D.
Interações: Como os medicamentos bacteriostáticos, de que faz parte a classe de antibióticos das tetraciclinas, podem interferir com a ação bactericida da penicilina, não é aconselhável administrar concomitantemente estes medicamentos.

Tetraciclina + Antiácidos

Observações: N.D.
Interações: Antiácidos, preparações com ferro e produtos lácteos: A absorção da tetraciclina é comprometida pelos antiácidos que contenham alumínio, cálcio ou magnésio, pelas preparações com ferro, zinco ou bicarbonato de sódio, ou por produtos lácteos. Desconhece-se a importância clínica da exposição sistémica reduzida à tetraciclina, uma vez que a contribuição relativa da atividade antimicrobiana sistémica versus a atividade antimicrobiana local contra o Helicobacter pylori não foi estabelecida. Por conseguinte, estes medicamentos não devem ser utilizados concomitantemente com esta associação.

Tetraciclina + Ferro

Observações: N.D.
Interações: Antiácidos, preparações com ferro e produtos lácteos: A absorção da tetraciclina é comprometida pelos antiácidos que contenham alumínio, cálcio ou magnésio, pelas preparações com ferro, zinco ou bicarbonato de sódio, ou por produtos lácteos. Desconhece-se a importância clínica da exposição sistémica reduzida à tetraciclina, uma vez que a contribuição relativa da atividade antimicrobiana sistémica versus a atividade antimicrobiana local contra o Helicobacter pylori não foi estabelecida. Por conseguinte, estes medicamentos não devem ser utilizados concomitantemente com esta associação.

Tetraciclina + Zinco

Observações: N.D.
Interações: Antiácidos, preparações com ferro e produtos lácteos: A absorção da tetraciclina é comprometida pelos antiácidos que contenham alumínio, cálcio ou magnésio, pelas preparações com ferro, zinco ou bicarbonato de sódio, ou por produtos lácteos. Desconhece-se a importância clínica da exposição sistémica reduzida à tetraciclina, uma vez que a contribuição relativa da atividade antimicrobiana sistémica versus a atividade antimicrobiana local contra o Helicobacter pylori não foi estabelecida. Por conseguinte, estes medicamentos não devem ser utilizados concomitantemente com esta associação.

Tetraciclina + Bicarbonato de sódio

Observações: N.D.
Interações: Antiácidos, preparações com ferro e produtos lácteos: A absorção da tetraciclina é comprometida pelos antiácidos que contenham alumínio, cálcio ou magnésio, pelas preparações com ferro, zinco ou bicarbonato de sódio, ou por produtos lácteos. Desconhece-se a importância clínica da exposição sistémica reduzida à tetraciclina, uma vez que a contribuição relativa da atividade antimicrobiana sistémica versus a atividade antimicrobiana local contra o Helicobacter pylori não foi estabelecida. Por conseguinte, estes medicamentos não devem ser utilizados concomitantemente com esta associação.

Tetraciclina + Retinóides

Observações: N.D.
Interações: Foi notificada uma incidência acrescida de hipertensão intracraniana benigna, quando os retinoides e as tetraciclinas foram administrados concomitantemente, portanto, tal utilização deve ser evitada. Deve considerar-se a descontinuação da terapêutica com retinoides durante a breve duração do tratamento com esta associação.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tetraciclina + Atovaquona

Observações: N.D.
Interações: A tetraciclina pode diminuir as concentrações plasmáticas de atovaquona.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Não utilizar durante a gravidez e amamentação.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017