Teofilina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática
O que é
Teofilina é um derivado da metilxantina de chá com diurético, relaxante do músculo liso, a dilatação dos brônquios, cardíaco e actividades estimulantes do sistema nervoso central.

Mecanicamente, a teofilina actua como um inibidor da fosfodiesterase, bloqueador do receptor de adenosina e a histona deacetilase activador.
Usos comuns
Para o tratamento dos sintomas e obstrução ao fluxo aéreo reversível associados à asma crónica e outras doenças pulmonares crónicas, como enfisema e bronquite crónica.
Tipo
Molécula pequena.
História
A teofilina foi extraída primeiro de folhas de chá e quimicamente identificado por volta de 1888 pelo biólogo alemão Albrecht Kossel.

Apenas sete anos após a sua descoberta, de uma síntese química começando com ácido 1,3-dimethyluric foi descrito por Emil Fischer e Lorenz Ach.

A síntese Traube, um método alternativo para sintetizar teofilina, foi introduzido em 1900 por outro cientista alemão, Wilhelm Traube.

Primeiro uso clínico da teofilina veio em 1902 como diurético.

Demorou mais 20 anos até que sua primeira descrição no tratamento da asma.

A droga foi prescrita em um xarope líquido na década de 1970 como Theostat 20 e Theostat 80 e no início dos anos 1980 em forma de comprimido chamado Quibron.
Indicações
Prevenção das crises e tratamento do ataque agudo de asma; obstrução reversível das vias aéreas.
Classificação CFT

05.01.04 : Xantinas

Mecanismo De Ação
A teofilina relaxa o músculo liso das vias aéreas brônquicas e vasos sanguíneos pulmonares e reduz a capacidade de resposta das vias aéreas a histamina, metacolina, adenosina e alérgeno.

Teofilina inibe competitivamente fosfodiesterase tipo III e tipo IV (PDE), a enzima responsável pela quebra do AMP cíclico em células de músculo liso, resultando possivelmente na broncodilatação.

A teofilina também liga-se ao receptor A2B de adenosina e adenosina bloqueia a broncoconstrição mediada.

Em estados inflamatórios, teofilina activa histona deacetilase para evitar a transcrição de genes inflamatórios que requerem a acetilação das histonas para a transcrição começar.
Posologia Orientativa
Adultos - Via oral: 125-250 mg, 3 a 4 vezes/dia (depois das refeições).

Crianças - Via oral: 7-12 anos: 62,5-125 mg, 3 a 4 vezes/dia.
Via oral - fórmulas de libertação prolongada:

Adultos - 175-500 mg, cada 12 horas.

Crianças - 2-6 anos: 60-120 mg, cada 12 horas; 7-12 anos: 125-250 mg, cada 12 horas.
Administração
Via oral.
Contraindicações
Hipersensibilidade às xantinas, enfarte agudo do miocárdio, doença cardíaca grave, hipertensão, cor pulmonale, hipertiroidismo, hipocaliemia, úlcera péptica, IH e IR, alcoolismo crónico, epilepsia, doença aguda febril, idosos e RNs, gravidez e aleitamento.

As xantinas podem potenciar a hipocaliemia associada à administração de simpaticomiméticos beta-2, corticosteróides e diuréticos.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
A nível cardiovascular - taquicardia, palpitações, arritmia ventricular.

A nível do SNC - tremor, insónia, irritabilidade, cefaleias e convulsões (via IV rápida).

A nível gastrointestinal - náuseas, vómitos, diarreia, hemorragia, dispepsia.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Têm sido referidas irritabilidade neonatal e apneia; há alguma preocupação quanto aos efeitos depressores das xantinas na síntese de lípidos e dos sistemas neuronais em desenvolvimento. Risco fetal desconhecido, por falta de estudos alargados. Trimestre: 3º
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Irritabilidade; são preferidas as preparações de libertação gradual.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Redução posológica.
Precauções Gerais
É muito importante que o médico acompanhe o tratamento em visitas regulares, especialmente nas primeiras semanas depois de começar a usar a teofilina.

Podem ser necessários exames de sangue para verificar se há efeitos indesejáveis.

Uma mudança no seu comportamento habitual ou o bem-estar físico pode afectar a forma como a teofilina reage no corpo.

Informe o médico se:

- Teve febre de 39°C ou superior durante pelo menos 24 horas ou mais.

- Se iniciou ou parou de fumar tabaco ou marijuana nas últimas semanas.

- Se iniciou ou parou de tomar outro medicamento nas últimas semanas.

- Se mudou a sua dieta nas últimas semanas.

Suspenda o uso de teofilina e fale com o médico imediatamente se tiver os seguintes sintomas durante o uso da teofilina: náuseas ou vómitos, que continua, dores de cabeça, problemas com o sono, convulsões ou batimentos cardíacos irregulares.

Não tente interromper ou alterar a dose de teofilina sem falar primeiro com o médico.

Antes de fazer qualquer exame médico, informar o médico responsável que está a tomar teofilina. Os resultados de alguns testes podem ser afectados pela teofilina.

Teofilina pode adicionar ao sistema nervoso central (SNC) efeitos estimulantes de alimentos que contêm cafeína ou bebidas como chocolate, cacau, chá, café e refrigerantes.

Evite comer ou beber grandes quantidades destes alimentos ou bebidas durante o uso da teofilina. Se tiver dúvidas sobre isto, consulte o médico.

Não tome outros medicamentos que não tenham sido falados com o médico.

Isso inclui medicamentos de prescrição médica, medicamentos de venda livre, medicamentos para controle do apetite, asma, resfriados, tosse, febre do feno ou problemas de sinusite e ervas (por exemplo, erva de São João) ou suplementos vitamínicos.
Cuidados com a Dieta
Evite o álcool.
Evite quantidades excessivas de café ou chá (cafeína).
Tome com alimentos.
Terapêutica Interrompida
Tome a dose assim que se lembrar.

Ignorar a dose esquecida se estiver quase hora da sua próxima dose.

Não tome medicamento extra para compensar a dose esquecida.
Cuidados no Armazenamento
Armazenar à temperatura ambiente longe da humidade, calor e luz.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Antiarrítmicos + Teofilina

Observações: Aumentam a depressão do miocárdio quando são administrados com outros AA. Aumentam o risco de arritmias ventriculares quando são dados com AA que prolongam o intervalo QT
Interações: Antagoniza o efeito antiarrítmico da adenosina: - Teofilina - Teofilina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + XANTINAS (Derivados da Metilxantina)

Observações: N.D.
Interações: A teofilina actua sinergicamente com: - outros medicamentos contendo xantinas - bloqueadores beta com actividade simpaticomimética, - cafeína, e substâncias idênticas. A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - XANTINAS (Derivados da Metilxantina)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Macrólidos + Teofilina

Observações: Podem interferir com a absorção de outros fármacos, inibir as enzimas metabolizadoras com aumento da toxicidade de alguns fármacos e, com menos frequência, reduzir a concentração plasmática de outros, por aceleração do metabolismo. Os macrólidos envolvidos com mais frequência são a eritromicina (em particular por via parentérica) e a claritromicina. A eritromicina em aplicação tópica não origina interacções.
Interações: Por inibição enzimática, com aumento da concentração plasmática e da toxicidade respectiva interferem com - Teofilina - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Inibidores da bomba de protões (IBP) + Teofilina

Observações: A redução da acidez gástrica pode alterar a absorção de fármacos para os quais a acidez gástrica afecta a biodisponibilidade; Todos são metabolizados pelo cit. P450, incluindo o CYP2C19 e o CYP3A4; São raras as interacções clinicamente significativas.
Interações: Aumentam a excreção de: - Teofilina - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Barbitúricos + Teofilina

Observações: Indução das enzimas microssomais hepáticas metabolizadoras de fármacos. Efeito depressor no SNC aditivo com outros depressores do sistema nervoso central.
Interações: Fármacos cujo metabolismo é aumentado: Teofilina: diminuição dos níveis plasmáticos e da actividade ao fim de 10-12 dias - Teofilina - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bloqueadores beta-adrenérgicos + Teofilina

Observações: Os bloqueadores adrenérgicos beta (em especial os não selectivos como o propranolol) alteram a resposta aos simpaticomiméticos com actividade agonista-beta (ex.: adrenalina). Os bloqueadores que sofrem um metabolismo de primeira passagem extenso, podem ser afectados por fármacos capazes de alterar este processo. Estes bloqueadores podem reduzir o fluxo sanguíneo hepático.
Interações: Ver também: Teofilina - Teofilina - Teofilina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio) + Teofilina

Observações: Verapamilo, diltiazem e talvez a nicardipina (mas não a nifedipina) inibem as enzimas hepáticas metabolizadoras de fármacos. O metabolismo do diltiazem, nifedipina, verapamilo e provavelmente outros bloqueadores da entrada de cálcio estão sujeitos a indução e inibição.
Interações: Ver também: Teofilina - Teofilina - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Carbamazepina + Teofilina

Observações: Indução das enzimas microssomais hepáticas metabolizadoras de fármacos. Susceptível à inibição do metabolismo, principalmente pelo CYP3A4
Interações: Fármacos com metabolismo aumentado pela carbamazepina: - Teofilina - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido pipemídico + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Xantinas (cafeína, teofilina) estudos que não está registado diminuiu eliminação das xantinas, com possível aumento de toxicidade, inibindo o seu metabolismo hepático. - Teofilina
Não recomendado/Evitar

Adenosina + Teofilina

Observações: A adenosina pode interferir com medicamentos com tendência para interferir com a condução cardíaca.
Interações: A aminofilina, a teofilina e as outras xantinas, como a cafeína, são antagonistas competitivos da adenosina e devem ser evitadas durante as 24 horas anteriores ao uso de Adenosina. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Zafirlucaste + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Nos estudos clínicos, a co-administração com teofilina resultou numa diminuição dos níveis plasmáticos de Zafirlucaste em aproximadamente 30%, sem que os níveis plasmáticos de teofilina tenham sido alterados. No entanto, durante a fase de pós-comercialização, ocorreram casos raros de doentes cujos níveis de teofilina aumentaram quando tratados concomitantemente com Zafirlucaste. - Teofilina
Sem efeito descrito

Donepezilo + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: O cloridrato de donepezilo e/ou qualquer dos seus metabolitos não inibem o metabolismo da teofilina, varfarina, cimetidina ou digoxina no ser humano. - Teofilina
Sem efeito descrito

Isradipina + Teofilina

Observações: A isradipina não parece inibir as enzimas do citocromo P450, em particular CYP3A4, numa extensão clínica significativa. A ingestão concomitante de sumo de toranja pode aumentar a biodisponibilidade da isradipina.
Interações: A isradipina não afeta a farmacocinética da digoxina, varfarina, hidroclorotiazida, diclofenac, teofilina, triazolam ou ciclosporina. A isradipina não afeta a farmacocinética da digoxina, varfarina, hidroclorotiazida, diclofenac, teofilina, triazolam ou ciclosporina. - Teofilina
Usar com precaução

Lansoprazol + Teofilina

Observações: O lansoprazol pode interferir com a absorção de medicamentos para os quais o pH gástrico é crítico em termos de biodisponibilidade. O lansoprazol pode aumentar as concentrações plasmáticas de medicamentos metabolizados através do CYP3A4. Aconselha-se cuidado ao combinar o lansoprazol com fármacos metabolizados por esta enzima e que tenham uma janela terapêutica estreita. Observou-se que o lansoprazol inibe a proteína de transporte, glicoproteína P (P-gp) in vitro. A relevância clínica deste facto é desconhecida.
Interações: O lansoprazol reduz a concentração plasmática da teofilina, o que pode reduzir o efeito clínico esperado para a dose. Aconselha-se cuidado ao combinar os dois medicamentos. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Dipiridamol + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: O efeito do dipiridamol pode diminuir em presença de xantinas, o que deve ser tido em consideração aquando da administração de teofilina I.V. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bambuterol + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante de bambuterol com corticosteróides, diuréticos e derivados de xantina (tais como teofilina) aumenta o risco de hipocalemia (diminuição dos níveis de potássio no sangue). - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Carbonato de di-hidróxido de alumínio e sódio + Teofilina

Observações: O uso concomitante de carbonato de di-hidróxido de alumínio e sódio com outros medicamentos pode alterar a absorção destes últimos. O uso concomitante de antiácidos contendo alumínio e o ácido contido em algumas bebidas (sumo de fruta, vinho, etc) pode aumentar a absorção intestinal de alumínio. Devido à grande variedade de interações medicamentosas é recomendado, exceto indicação contrária do médico, um intervalo de 2 horas entre a administração do antiácido e outros medicamentos.
Interações: Foram encontradas pequenas diminuições na absorção de digoxina, captopril, cimetidina, ranitidina, famotidina, teofilina, propranolol, atenolol, sulfato de ferro e clorpromazina. Estas diminuições não são clinicamente relevantes. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Carbonato de di-hidróxido de alumínio e sódio + Dimeticone + Teofilina

Observações: Carbonato de di-hidróxido de alumínio e sódio/ Dimeticone pode interferir com a biodisponibilidade oral de vários fármacos. O uso concomitante de antiácidos contendo alumínio com outros fármacos pode alterar a absorção destes últimos. O uso concomitante de antiácidos contendo alumínio e o ácido contido em algumas bebidas (sumo de fruta, vinho, etc) pode aumentar a absorção intestinal de alumínio.
Interações: Foram encontradas pequenas diminuições na absorção de digoxina, captopril, cimetidina, ranitidina, famotidina, teofilina, propranolol, atenolol, sulfato de ferro e clorpromazina. Estas diminuições não são clinicamente relevantes. Tendo em conta uma possível diminuição da absorção, deve considerar-se um intervalo de uma a duas horas entre a administração de antiácidos e de outros fármacos. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Levocetirizina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Foi observada uma pequena diminuição na depuração da cetirizina (16%), num estudo de dose múltipla com teofilina (400 mg, uma vez por dia); enquanto que a biodisponibilidade da teofilina não foi alterada pela administração concomitante de cetirizina. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Brometo de ipratrópio + Fenoterol + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Outros beta-adrenérgicos e anticolinérgicos e derivados xantínicos (tais como a teofilina) podem potenciar o efeito broncodilatador. A administração conjunta com outros beta-miméticos, anticolinérgicos de absorção sistémica e derivados xantínicos (p.ex. teofilina) pode aumentar as reações adversas. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Isoniazida + Teofilina

Observações: A isoniazida é um inibidor do metabolismo hepático de vários fármacos, o que pode potenciar a toxicidade de alguns fármacos tomados concomitantemente. Alimentos ricos em tiramina (queijo e peixe): A isoniazida com o consumo destes alimentos, pode causar elevação dos valores tensionais, taquicardia e rubor facial.
Interações: A isoniazida pode aumentar a concentração plasmática de teofilina. - Teofilina
Sem efeito descrito

Espiramicina + Teofilina

Observações: A espiramicina é conhecida por ter pouco ou nenhum efeito nas isoenzimas hepáticas do citocromo P450 e pode por isso, produzir menos interacções do que os macrólidos metabolizados por este sistema enzimático.
Interações: A falta de interacções entre a espiramicina e a teofilina, e a espiramicina e a ciclosporina, parece suportar esta afirmação. - Teofilina
Consultar informação actualizada

Imipenem + Cilastatina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Foram notificados alguns casos de convulsões com a utilização concomitante de teofilina e imipenem. Teoricamente o mecanismo de interacção pode ser a maior sensibilidade aos efeitos adversos no SNC. - Teofilina
Usar com precaução

Pefloxacina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: A pefloxacina inibe o CYP1A2 o que pode determinar o aumento das concentrações séricas de outras substâncias administradas concomitantemente e também metabolizadas por esta enzima (ex. teofilina, clozapina, tacrina, ropinirol, tizanidina). Os doentes que tomam estas substâncias concomitantemente com a pefloxacina deverão ser cuidadosamente vigiados relativamente aos sinais clínicos de sobredosagem, podendo revelar-se necessária a monitorização sérica, especialmente no caso da teofilina. Existe uma interacção farmacocinética com a teofilina, no entanto não foi detectado nenhum aumento significativo dos níveis de teofilina. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Pentoxifilina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante da pentoxifilina e teofilina pode elevar os níveis de teofilina nalguns doentes, o que, pode levar a um aumento ou intensificação dos efeitos adversos da teofilina. - Teofilina
Sem efeito descrito

Ebastina + Teofilina

Observações: Quando a ebastina é administrada em simultâneo com alimentos, verifica-se um aumento do principal metabolito ativo da ebastina de 1,5 a 2,0 vezes nos níveis plasmáticos e na AUC. Este aumento não altera o Tmax. A administração concomitante de ebastina com alimentos não altera a sua eficácia clínica.
Interações: Não se verificam interacções entre ebastina e teofilina, varfarina, cimetidina, diazepam ou álcool. - Teofilina
Sem efeito descrito

Erdosteína + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Não foram notificadas interacções com outros medicamentos e, portanto, Erdosteína pode ser associado a antibióticos e broncodilatadores (teofilina ou beta-2-miméticos, antitússicos, etc...). - Teofilina
Sem efeito descrito

Ceftibuteno + Teofilina

Observações: A ingestão concomitante de alimentos não interfere com a eficácia de Ceftibuteno cápsulas.
Interações: Hidróxido de alumínio/magnésio em alta dose, ranitidina e teofilina intravenosa em dose única. Não se registaram quaisquer interacções farmacológicas significativas. O efeito de Ceftibuteno nos níveis plasmáticos ou na farmacocinética da teofilina administrada por via oral não é conhecido. - Teofilina
Usar com precaução

Eritromicina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Poderá ser necessário diminuir as doses de teofilina, quando esta é administrada concomitantemente com Eritromicina uma vez que pode verificar-se um aumento nos níveis séricos da teofilina e uma potencial toxicidade desta. Foram descritos casos de diminuição nas concentrações de Eritromicina quando esta foi administrada simultaneamente com teofilina. Esta diminuição pode resultar em concentrações subterapêuticas de Eritromicina. - Teofilina
Sem efeito descrito

Cetirizina + Teofilina

Observações: Dados os perfis farmacocinéticos, farmacodinâmicos e de tolerância da cetirizina, não são esperadas interacções com este anti-histamínico. A extensão da absorção da cetirizina não é reduzida pela administração de alimentos, apesar da velocidade de absorção diminuir.
Interações: Não foram descritas interacções significativas nos estudos de interacção medicamento-medicamento realizados, nomeadamente com a teofilina (400 mg/dia). Estudos de cetirizina com teofilina não revelaram evidência de interacções clinicamente adversas. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Interferão alfa-2a + Teofilina

Observações: Como os interferões alfa alteram o metabolismo celular, este medicamento possui potencial para modificar a atividade de outros fármacos. Num pequeno estudo, Interferão alfa-2a demonstrou atuar sobre sistemas enzimáticos microssomais específicos. Desconhece-se a importância clínica destes factos. Os interferões alfa podem afetar o processo metabólico oxidativo; este facto deve ser tido em consideração ao prescrever-se uma terapêutica concomitante com fármacos metabolizados por esta via. Contudo, atualmente não existe disponível informação específica sobre o assunto.
Interações: Foi demonstrado que Interferão alfa-2a reduz a depuração da teofilina. - Teofilina
Não recomendado/Evitar

Cafeína + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Em recém-nascidos prematuros, ocorre introversão entre a cafeína e a teofilina. Estas substâncias ativas não devem ser usadas concomitantemente. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Miocamicina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: A diacetil-midecamicina poderá diminuir os níveis plasmáticos de teofilina, mas não altera de forma clínica significativa a depuração da mesma. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Prulifloxacina + Teofilina

Observações: A administração concomitante de prulifloxacina e leite resulta numa redução da curva de absorção (AUC) e redução da recuperação urinária da prulifloxacina, enquanto a ingestão de alimentos retarda e reduz os níveis plasmáticos. Nenhuma interacção clinicamente significativa foi observada no decurso do desenvolvimento clínico do Prulifloxacina quando administrado com outros produtos comummente usados no tratamento de doentes com patologias.
Interações: A administração concomitante de Prulifloxacina e teofilina pode causar uma ligeira diminuição da depuração da teofilina sem qualquer relevância clínica. No entanto, como para as outras quinolonas, é aconselhável a monitorização dos níveis plasmáticos de teofilina nos doentes com perturbações metabólicas ou que apresentem factores de risco. - Teofilina
Usar com precaução

Pixantrona + Teofilina

Observações: Não foram notificadas interações medicamentosas nos participantes e não foram realizados estudos de interações medicamentosas em seres humanos. Estudos in vitro com as isoformas humanas mais habituais do citocromo P450 (incluindo CYP1A2, 2B6, 2C8, 2C9, 2C19, 2D6 e 3A4) mostraram uma possível inibição do tipo mista do CYP1A2 e CYP2C8 que pode ter relevância clínica. Não se observaram outras interações significativas clinicamente relevantes com os CYPP450.
Interações: Com a administração concomitante de teofilina, um medicamento de índice terapêutico estreito essencialmente metabolizada pelo CYP1A2, existe uma preocupação teórica de que possa haver um aumento na concentração deste substrato, resultando numa toxicidade da teofilina. Os níveis da teofilina devem ser cuidadosamente monitorizados nas semanas que se seguem ao início da terapêutica concomitante com o Pixantrona. - Teofilina
Usar com precaução

Carbonato de lítio + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos que baixam o limiar convulsivante tais como teofilina. - Teofilina
Sem efeito descrito

Ropinirol + Teofilina

Observações: O ropinirol é metabolizado principalmente pelo isoenzima CYP1A2 do citocromo P450. O tabagismo é conhecido por induzir o metabolismo pela CYP1A2, consequentemente se os doentes deixarem de ou começarem a fumar durante o tratamento com ropinirol, poderá ser necessário um ajuste da dose.
Interações: Um estudo de interacção farmacocinética em doentes com doença de Parkinson entre o ropinirol (com uma dose de comprimidos revestidos por película (de libertação imediata) de ropinirol de 2 mg, três vezes por dia) e teofilina, um substrato da CYP1A2, não revelou nenhuma alteração da farmacocinética do ropinirol ou da teofilina. - Teofilina
Sem efeito descrito

Dexlansoprazol + Teofilina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos. Foi demonstrado que o CYP2C19 e o CYP3A4 estão envolvidos no metabolismo do dexlansoprazol. O dexlansoprazol pode interferir com a absorção de medicamentos para os quais o pH gástrico é crítico em termos de biodisponibilidade. Estudos in vitro demonstraram que não é provável que Dexlansoprazol iniba as isoformas do CYP 1A1, 1A2, 2A6, 2B6, 2C8, 2C9, 2D6, 2E1 ou 3A4. Assim sendo, não são de esperar interações clinicamente relevantes com fármacos metabolizados por estas enzimas do CYP. Medicamentos transportados pela glicoproteína P: Observou-se que o lansoprazol inibe a proteína transportadora, P-gp in vitro. Podem esperar-se efeitos semelhantes com o dexlansoprazol. A relevância clínica deste facto é desconhecida.
Interações: Os genótipos do CYP1A2 dos indivíduos no estudo de interacção medicamentosa com teofilina não foram determinados. Estudos in vivo demonstraram que Dexlansoprazol não teve impacto na farmacocinética da fenitoína (substrato do CYP2C9) ou teofilina (substrato do CYP1A2) administradas concomitantemente. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido acetilsalicílico + Codeína + Cafeína + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: A cafeína reduz a excreção de teofilina e aumenta o potencial de dependência de substâncias do tipo da efedrina. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido acetilsalicílico + Paracetamol + Cafeína + Teofilina

Observações: Não existem interações de segurança relevantes entre o ácido acetilsalicílico e o paracetamol.
Interações: Cafeína e Teofilina: O uso concomitante pode reduzir a excreção da teofilina. - Teofilina
Não recomendado/Evitar

Desferrasirox + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Num estudo com voluntários saudáveis, a administração concomitante de Desferrasirox como um inbidor do CYP1A2 (dose repetida de 30 mg/kg/dia) e o substrato de teofilina do CYP1A2 (dose única de 120 mg), resultou num aumento de 84% da AUC da teofilina (90% IC: 73%-95%). A Cmax da dose única não foi afetada, mas deverá ocorrer um aumento da Cmax de teofilina com a administração crónica. Portanto, não é recomendada a utilização concomitante de Desferrasirox com teofilina. Se Desferrasirox e teofilina são utilizadas concomitantemente, devem ser consideradas a monitorização da concentração de teofilina e a redução da dose de teofilina. Não pode ser excluída uma interacção entre Desferrasirox e outros substratos de CYP1A2. Para substâncias que são predominantemente metabolizadas pelo CYP1A2 e que têm um índice terapêutico estreito (ex. clozapina, tizanidina) aplicam-se as mesmas recomendações que para a teofilina. - Teofilina
Sem efeito descrito

Montelucaste + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Em estudos de interacções medicamentosas, a posologia clínica recomendada de montelucaste, não teve efeitos clinicamente importantes na farmacocinética dos seguintes medicamentos: teofilina, prednisona, prednisolona, Contraceptivos orais (etinilestradiol/noretindrona 35/1), terfenadina, digoxina e varfarina. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Estiripentol + Teofilina

Observações: Não se encontra devidamente esclarecida a influência de outros medicamentos antiepilépticos na farmacocinética do estiripentol. Estudos in vitro sugeriram que o metabolismo de fase 1 do estiripentol é catalizado pela CYP1A2, CYP2C19 e CYP3A4 e possivelmente outras enzimas. É aconselhada precaução ao associar o estiripentol com outras substâncias que inibem ou induzem uma ou mais destas enzimas.
Interações: Os dados sobre o potencial inibitório de CYP1A2 são limitados e, como tal, as interacções com teofilina e cafeína não podem ser excluídas devido ao aumento dos níveis plasmáticos de teofilina e cafeína que pode ocorrer através da inibição do metabolismo hepático, o que pode conduzir a toxicidade. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Etinilestradiol + Norgestimato + Teofilina

Observações: Aconselha-se que os médicos consultem a rotulagem dos medicamentos utilizados concomitantemente, para obter mais informações acerca das interações com contracetivos hormonais e da possível necessidade de ajustar as dosagens.
Interações: Fármacos cujos níveis plasmáticos podem estar aumentos (devido a inibição do CYP). Exemplos incluem: Ciclosporina; Prednisolona; Teofilina. - Teofilina
Usar com precaução

Felodipina + Ramipril + Teofilina

Observações: A felodipina é um substrato do CYP3A4. Os dados de ensaios clínicos têm demonstrado que o duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) através do uso combinado de inibidores da ECA, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno está associado a uma maior frequência de acontecimentos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia e função renal diminuída (incluindo insuficiência renal aguda) em comparação com o uso de um único fármaco com ação no SRAA.
Interações: Administração concomitante de felodipina e teofilina oral reduz a absorção da teofilina em cerca de 20%. Isto tem, provavelmente, uma importância clínica pequena. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lorazepam + Teofilina

Observações: As substâncias que inibem certas enzimas hepáticas (particularmente o citocromo P450) podem intensificar a actividade das benzodiazepinas. Este efeito também se aplica as benzodiazepinas que são metabolizadas apenas por conjugação ainda que em menor grau.
Interações: A administração de teofilina ou aminofilina pode reduzir os efeitos sedativos das benzodiazepinas, incluindo o Lorazepam. - Teofilina
Sem significado Clínico

Pantoprazol + Teofilina

Observações: O pantoprazol é metabolizado no fígado pelo sistema enzimático do citocromo P450. Não se pode excluir a interacção com outros fármacos ou compostos que são metabolizados utilizando o mesmo sistema enzimático.
Interações: Não se observaram interacções clinicamente significativas em testes específicos com vários fármacos ou compostos, nomeadamente carbamazepina, cafeína, diazepam, diclofenac, digoxina, etanol, glibenclamida, metoprolol, naproxeno, nifedipina, fenitoína, piroxicam, teofilina e um contraceptivo oral. - Teofilina
Sem efeito descrito

Nimesulida + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Foram também estudadas in vivo as potenciais interacções farmacocinéticas com a glibenclamida, teofilina, varfarina, digoxina, cimetidina e um antiácido (i.e. uma associação de hidróxido de alumínio e hidróxido de magnésio). Não foram observadas interacções clinicamente significativas. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol + Cafeína + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: A cafeína reduz a excreção de teofilina. - Teofilina
Consultar informação actualizada

Vardenafil + Teofilina

Observações: Estudos in vitro Vardenafil é metabolizado predominantemente por enzimas hepáticas através da isoforma 3A4 do citocromo P450 (CYP), com alguma contribuição das isoformas CYP3A5 e CYP2C. Assim, os inibidores destas isoenzimas podem reduzir a taxa de depuração do vardenafil.
Interações: Não existem dados sobre a interacção do vardenafil e de inibidores não específicos da fosfodiesterase, tais como a teofilina ou o dipiridamol. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Alopurinol + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Aumento da acção da teofilina. - Teofilina
Usar com precaução

Interferão alfa-2b + Teofilina

Observações: Só foram realizados estudos de interação em adultos.
Interações: Deve ter-se precaução ao administrar Interferão alfa-2b em associação com outros agentes potencialmente mielossupressores. Os interferões podem afetar o processo metabólico oxidativo. Este facto deve ser tido em consideração durante a terapêutica concomitante com medicamentos que são metabolizados através desta via, tal como os derivados da xantina, teofilina ou aminofilina. Durante a terapêutica concomitante com agentes xantínicos, deve proceder-se à monitorização dos níveis de teofilina e efetuar os ajustes posológicos, se necessário. - Teofilina
Sem significado Clínico

Interferão gama-1b + Teofilina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos. As interações medicamentosas verificadas com o Interferão gama-1b são semelhantes às verificadas com outros interferões em experiências realizadas com animais. O Interferão gama-1b pode prolongar as semividas de fármacos metabolizados pelo sistema do citocromo P-450, quando administrados simultaneamente.
Interações: Além disso, não se conhecem os efeitos dos medicamentos anti-inflamatórios, AINEs, teofilina, imunossupressores e citostáticos sobre os efeitos celulares agudos do Interferão gama-1b e os seus efeitos terapêuticos em doentes com DGC ou com osteopetrose maligna grave quando se utilizam estes fármacos concomitantemente em condições crónicas. - Teofilina
Sem efeito descrito

Omalizumab + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Omalizumab foi frequentemente utilizado em ensaios clínicos conjuntamente com corticoesteróides orais e inalados, agonistas beta de longa e curta duração inalados, modificadores dos leucotrienos, teofilinas e Anti-histamínicos orais. Não existiu nenhuma indicação que a segurança de Omalizumab tenha sido alterada com estes medicamentos antiasmáticos de uso comum. - Teofilina
Usar com precaução

Adrenalina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que produzem perda de potássio incluindo corticosteróides, diuréticos que diminuem o potássio, aminofilina ou teofilina: Existe uma potenciação do efeito hipocaliémico de adrenalina pelo que se recomenda que a monitorização das concentrações plasmáticas de potássio dos doentes. - Teofilina
Sem efeito descrito

Agomelatina + Teofilina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interações: Nos ensaios clínicos de fase I não existiu evidência de interacção farmacocinética ou farmacodinâmica com medicamentos que possam ser prescritos concomitantemente com agomelatina na população alvo: benzodiazepinas, lítio e paroxetina, fluconazol e teofilina. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nilutamida + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: A nilutamida actuando sobre certos mecanismos enzimáticos microssomais, pode reduzir o metabolismo hepático de certas substâncias, tais como: antivitaminas K, fenitoína, propranolol, clordiazepóxido, diazepam e teofilina, cuja eliminação pode ser retardada e os seus níveis plasmáticos aumentados. A posologia destes medicamentos ou de outros com metabolismo semelhante, pode necessitar de um ajustamento, quando administrados com a nilutamida. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Teofilina + Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)

Observações: N.D.
Interações: A teofilina actua sinergicamente com: - outros medicamentos contendo xantinas - bloqueadores beta com actividade simpaticomimética, - cafeína, e substâncias idênticas. Quando a teofilina é administrada simultaneamente pode reduzir o efeito dos seguintes medicamentos: - Carbonato de lítio - Bloqueadores beta - Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)
Sem efeito descrito

Teofilina + Cafeína

Observações: N.D.
Interações: A teofilina actua sinergicamente com: - outros medicamentos contendo xantinas - bloqueadores beta com actividade simpaticomimética, - cafeína, e substâncias idênticas. - Cafeína
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Barbitúricos

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas em casos de administração concomitante com as substâncias seguintes: - Barbiturícos, por exemplo fenobarbital, pentobarbital e primidona, - Carbamazepina, - Fenitoína e fosfenitoína, - Rifampicina e rifapentina, - Sulfinpirazona, - Preparações contendo hipericão (medicamentos à base de Erva de São João) Nos fumadores, a depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas. Em alguns casos, poderá ser necessário um aumento da dose de teofilina. - Barbitúricos
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Fenitoína

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas em casos de administração concomitante com as substâncias seguintes: - Barbiturícos, por exemplo fenobarbital, pentobarbital e primidona, - Carbamazepina, - Fenitoína e fosfenitoína, - Rifampicina e rifapentina, - Sulfinpirazona, - Preparações contendo hipericão (medicamentos à base de Erva de São João) Nos fumadores, a depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas. Em alguns casos, poderá ser necessário um aumento da dose de teofilina. - Fenitoína
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Pentobarbital

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas em casos de administração concomitante com as substâncias seguintes: - Barbiturícos, por exemplo fenobarbital, pentobarbital e primidona, - Carbamazepina, - Fenitoína e fosfenitoína, - Rifampicina e rifapentina, - Sulfinpirazona, - Preparações contendo hipericão (medicamentos à base de Erva de São João) Nos fumadores, a depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas. Em alguns casos, poderá ser necessário um aumento da dose de teofilina. - Pentobarbital
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Primidona

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas em casos de administração concomitante com as substâncias seguintes: - Barbiturícos, por exemplo fenobarbital, pentobarbital e primidona, - Carbamazepina, - Fenitoína e fosfenitoína, - Rifampicina e rifapentina, - Sulfinpirazona, - Preparações contendo hipericão (medicamentos à base de Erva de São João) Nos fumadores, a depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas. Em alguns casos, poderá ser necessário um aumento da dose de teofilina. - Primidona
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Carbamazepina

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas em casos de administração concomitante com as substâncias seguintes: - Barbiturícos, por exemplo fenobarbital, pentobarbital e primidona, - Carbamazepina, - Fenitoína e fosfenitoína, - Rifampicina e rifapentina, - Sulfinpirazona, - Preparações contendo hipericão (medicamentos à base de Erva de São João) Nos fumadores, a depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas. Em alguns casos, poderá ser necessário um aumento da dose de teofilina. - Carbamazepina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Fenobarbital

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas em casos de administração concomitante com as substâncias seguintes: - Barbiturícos, por exemplo fenobarbital, pentobarbital e primidona, - Carbamazepina, - Fenitoína e fosfenitoína, - Rifampicina e rifapentina, - Sulfinpirazona, - Preparações contendo hipericão (medicamentos à base de Erva de São João) Nos fumadores, a depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas. Em alguns casos, poderá ser necessário um aumento da dose de teofilina. - Fenobarbital
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Fosfenitoína

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas em casos de administração concomitante com as substâncias seguintes: - Barbiturícos, por exemplo fenobarbital, pentobarbital e primidona, - Carbamazepina, - Fenitoína e fosfenitoína, - Rifampicina e rifapentina, - Sulfinpirazona, - Preparações contendo hipericão (medicamentos à base de Erva de São João) Nos fumadores, a depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas. Em alguns casos, poderá ser necessário um aumento da dose de teofilina. - Fosfenitoína
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Rifampicina

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas em casos de administração concomitante com as substâncias seguintes: - Barbiturícos, por exemplo fenobarbital, pentobarbital e primidona, - Carbamazepina, - Fenitoína e fosfenitoína, - Rifampicina e rifapentina, - Sulfinpirazona, - Preparações contendo hipericão (medicamentos à base de Erva de São João) Nos fumadores, a depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas. Em alguns casos, poderá ser necessário um aumento da dose de teofilina. - Rifampicina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Rifapentina

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas em casos de administração concomitante com as substâncias seguintes: - Barbiturícos, por exemplo fenobarbital, pentobarbital e primidona, - Carbamazepina, - Fenitoína e fosfenitoína, - Rifampicina e rifapentina, - Sulfinpirazona, - Preparações contendo hipericão (medicamentos à base de Erva de São João) Nos fumadores, a depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas. Em alguns casos, poderá ser necessário um aumento da dose de teofilina. - Rifapentina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Sulfinpirazona

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas em casos de administração concomitante com as substâncias seguintes: - Barbiturícos, por exemplo fenobarbital, pentobarbital e primidona, - Carbamazepina, - Fenitoína e fosfenitoína, - Rifampicina e rifapentina, - Sulfinpirazona, - Preparações contendo hipericão (medicamentos à base de Erva de São João) Nos fumadores, a depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas. Em alguns casos, poderá ser necessário um aumento da dose de teofilina. - Sulfinpirazona
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Hipericão (Erva de S. João)

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas em casos de administração concomitante com as substâncias seguintes: - Barbiturícos, por exemplo fenobarbital, pentobarbital e primidona, - Carbamazepina, - Fenitoína e fosfenitoína, - Rifampicina e rifapentina, - Sulfinpirazona, - Preparações contendo hipericão (medicamentos à base de Erva de São João) Nos fumadores, a depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas. Em alguns casos, poderá ser necessário um aumento da dose de teofilina. - Hipericão (Erva de S. João)
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Tabaco (fumadores, Tabagismo)

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas em casos de administração concomitante com as substâncias seguintes: - Barbiturícos, por exemplo fenobarbital, pentobarbital e primidona, - Carbamazepina, - Fenitoína e fosfenitoína, - Rifampicina e rifapentina, - Sulfinpirazona, - Preparações contendo hipericão (medicamentos à base de Erva de São João) Nos fumadores, a depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas. Em alguns casos, poderá ser necessário um aumento da dose de teofilina. - Tabaco (fumadores, Tabagismo)
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Contracetivos orais

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Contracetivos orais
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Macrólidos

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Macrólidos
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Eritromicina

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Eritromicina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Troleandomicina

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Troleandomicina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Quinolonas

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Quinolonas
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Ciprofloxacina

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Ciprofloxacina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Enoxacina

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Enoxacina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Imipenem

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Imipenem
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Isoniazida

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Isoniazida
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Tiabendazol

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Tiabendazol
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio)

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio)
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Diltiazem

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Diltiazem
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Verapamilo

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Verapamilo
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Propranolol (propanolol)

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Propranolol (propanolol)
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Propafenona

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Propafenona
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Ticlopidina

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Ticlopidina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Cimetidina

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Cimetidina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Ranitidina

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Ranitidina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Alopurinol

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Alopurinol
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Febuxostate

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Febuxostate
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Fluvoxamina

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Fluvoxamina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Interferão alfa-2a

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Interferão alfa-2a
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Interferão alfa-2b

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Interferão alfa-2b
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Peginterferão alfa-2a

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Peginterferão alfa-2a
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Peginterferão alfa-2b

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Peginterferão alfa-2b
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Zafirlucaste

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Zafirlucaste
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Vacina contra a gripe

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Vacina contra a gripe
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Etintidina

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Etintidina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Idrocilamida

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Idrocilamida
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Zileuton

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: peploxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Zileuton
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Pefloxacina

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: pefloxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Pefloxacina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Inibidores da girase

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: pefloxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Inibidores da girase
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Teofilina + Carbonato de lítio

Observações: N.D.
Interações: Quando a teofilina é administrada simultaneamente pode reduzir o efeito dos seguintes medicamentos: - Carbonato de lítio - Bloqueadores beta - Carbonato de lítio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Teofilina + Diuréticos

Observações: N.D.
Interações: Quando a teofilina é administrada simultaneamente potencia a acção e os efeitos dos seguintes medicamentos: - Diuréticos, ex. furosemida. Os efeitos de redução do potássio da teofilina e da furosemida são aditivos. - Diuréticos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Teofilina + Furosemida

Observações: N.D.
Interações: Quando a teofilina é administrada simultaneamente potencia a acção e os efeitos dos seguintes medicamentos: - Diuréticos, ex. furosemida. Os efeitos de redução do potássio da teofilina e da furosemida são aditivos. - Furosemida
Potencialmente Grave

Teofilina + Halotano

Observações: N.D.
Interações: A administração de halotano em doentes que recebam teofilina pode originar perturbações graves no ritmo cardíaco. - Halotano
Usar com precaução

Rifampicina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: A rifampicina tem propriedades indutoras de enzimas hepáticas e pode acelerar a metabolização e, portanto, reduzir a actividade de vários fármacos, tais como: Antiepilépticos, anticoagulantes orais, antiestrogéneos, antipsicóticos, antifúngicos, anti-retrovirais, barbitúricos, benzodiazepinas, bloqueadores da entrada de cálcio, cloranfenicol, claritromicina, clorofibrato, beta-bloqueantes, corticosteróides, agentes imunomoduladores (ciclosporina), digitálicos, antiarrítmicos (quinidina), contraceptivos, hipoglicemiantes orais, dapsona, doxiciclina, estrogéneos, fluoroquinolonas, gestrinona, levotiroxina, irinotecano, metadona, praziquantel, progestina, riluzol, antagonistas do receptores 5-HT3, estatinas metabolizadas pelo CYP3A4, telitromicina, teofilina, tiazoledinedionas, losartan, antidepressivos triciclicos enarcóticos analgésicos. Pode tornar-se necessário ajustar a dosagem destes fármacos, no início e no fim do tratamento com rifampicina. - Teofilina
Usar com precaução

Ticlopidina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Associações que necessitam de precauções especiais de utilização: Teofilina: Aumento dos níveis plasmáticos de teofilina com risco de sobredosagem (diminuição da depuração plasmática da teofilina). Vigilância clínica e, eventualmente, da teofilinémia. Se necessário deve-se efectuar a adaptação posológica da teofilina durante e após o tratamento com Ticlopidina. - Teofilina
Sem efeito descrito

Tansulosina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Não foram observadas interacções quando a tansulosina foi administrada concomitantemente com atenolol, enalapril, nifedipina ou teofilina. - Teofilina
Sem efeito descrito

Tiagabina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Tiagabina não tem qualquer efeito clinicamente significativo nas concentrações plasmáticas de fenitoína, carbamazepina, fenobarbital, valproato, varfarina, digoxina, teofilina e das hormonas contidas nos Contraceptivos orais. - Teofilina
Usar com precaução

Tocilizumab + Teofilina

Observações: Os estudos de interação foram apenas realizados em adultos.
Interações: Ao iniciar ou interromper tratamento com tocilizumab, os doentes que tomam medicamentos ajustados individualmente e metabolizados via CYP450 3A 4, 1A2 ou 2C9 (por exemplo atorvastatina, bloqueadores dos canais de cálcio, teofilina, varfarina, fenprocoumon, fenitoína, ciclosporina ou benzodiazepinas) devem ser monitorizados, pois pode haver necessidade de aumento de doses para manter o efeito terapêutico. Dada a longa semi-vida (t 1/2 ) de eliminação, o efeito de tocilizumab na actividade enzimática do CYP450 pode persistir durante várias semanas após a interrupção da terapêutica. - Teofilina
Usar com precaução

Viloxazina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Existe a probabilidade de ocorrência de uma interacção medicamentosa ao administrar-se Viloxazina simultaneamente com fármacos sujeitos a metabolismo hepático envolvendo reacções de oxidação. Pode, por conseguinte, ser necessário ajustar as doses de fármacos tais como, por exemplo, fenitoína, carbamazepina, teofilina e outros anticoagulantes orais (tais como, fluindiona, nicoumalona e varfarina) que possuem estreitas margens de segurança. - Teofilina
Usar com precaução

Anagrelida + Teofilina

Observações: Foram conduzidos estudos farmacocinéticos e/ou farmacodinâmicos limitados para investigar possíveis interações entre o anagrelida e outros medicamentos. Só foram realizados estudos de interacção em adultos.
Interações: O anagrelida demonstra ter uma actividade inibitória limitada em relação ao CYP1A2, o que poderá constituir um potencial teórico para interacção com outros medicamentos co-administrados que partilhem o referido mecanismo de depuração, por exemplo, a teofilina. - Teofilina
Risco Moderado

Sucralfato + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Estudos em animais mostraram que a administração simultânea de sucralfato com tetraciclina, fenitoína, digoxina, cimetidina, ranitidina, ciprofloxacina, norfloxacina e teofilina originou uma redução estatisticamente significativa na biodisponibilidade destes agentes. O mecanismo destas interacções é de natureza não sistémica, resultante da ligação do sucralfato ao fármaco administrado concomitantemente, no tracto gastrointestinal. A biodisponibilidade destes fármacos poderá ser restabelecida fazendo a sua administração duas horas antes da toma de Sucralfato. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido obeticólico + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que são afetados pelo ácido obeticólico interacção com substratos da CYP1A2 com índice terapêutico estreito: O ácido obeticólico pode aumentar a exposição a medicamentos administrados concomitantemente que sejam substratos da CYP1A2. Recomenda-se a monitorização terapêutica dos substratos da CYP1A2 com índice terapêutico estreito (p. ex., teofilina e tizanidina). - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Riluzol + Teofilina

Observações: Não se realizaram estudos clínicos para avaliar as interações de riluzol com outros medicamentos.
Interações: Estudos in vitro com preparados de microssomas hepáticos humanos sugerem que o CYP1A2 é o isoenzima principal envolvido no metabolismo oxidativo inicial do riluzol. Inibidores do Citocromo CYP1A2 (p.ex. cafeína, diclofenac, diazepam, nicergolina, clomipramina, imipramina, fluvoxamina, fenacetina, teofilina, amitriptilina, e quinolonas) podem em princípio diminuir a taxa de eliminação do riluzol. - Teofilina
Sem efeito descrito

Famotidina + Teofilina

Observações: Não foram identificadas quaisquer interações de importância clínica.
Interações: A Famotidina não interage com o sistema enzimática biotransformador de fármacos dependente do citocromo P-450. Foram ensaiados no homem compostos metabolizados por este sistema tais como: varfarina, teofilina, fenitoína, diazepam, propranolol, aminopirina e antipirina. - Teofilina
Usar com precaução

Febuxostate + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Teofilina: Ainda que não tenham sido efetuados estudos de interacção com febuxostate, a inibição da XO pode causar um aumento no nível de teofilina (foi notificada inibição do metabolismo de teofilina com outros inibidores da XO). Daí que seja aconselhada cautela caso estas substâncias ativas sejam administradas em simultâneo, devendo ser vigiados os níveis de teofilina em doentes que iniciem terapêutica com febuxostate. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Estriol + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Na prática clínica, não foram registados casos de interacção entre o Estriol e outros medicamentos. Embora os dados sejam limitados, podem ocorrer interacções entre Estriol e outros medicamentos. Foram descritas as seguintes interacções com o uso de Contraceptivos orais combinados, que podem ser também relevantes para o Estriol. Possivelmente, o estriol pode aumentar os efeitos dos corticosteróides, succinilcolina, teofilinas e troleandomicina. - Teofilina
Sem efeito descrito

Finasterida + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Não foram identificadas interacções medicamentosas clinicamente significativas. A finasterida parece não afetar de forma significativa o sistema enzimático metabolizador de medicamentos associado ao citocromo P450. Embora se estime que o risco da finasterida afetar a farmacocinética de outros medicamentos seja baixo, é provável que os inibidores e indutores do citocromo P450 3A4 afetem a concentração plasmática da finasterida. No entanto, com base nas margens de segurança estabelecidas, qualquer aumento devido à utilização concomitante de tais inibidores é pouco provável que tenha significância clínica. Os seguintes medicamentos foram investigados no homem não tendo sido detetadas interacções clinicamente significativas: propranolol, digoxina, glibenclamida, varfarina, teofilina, fenazona e antipirina, não tendo sido encontradas quaisquer interacções significativas do ponto de vista clínico. - Teofilina
Sem significado Clínico

Lomefloxacina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Comparativamente a outras quinolonas, a Lomefloxacina tem menor interferência com o metabolismo da teofilina. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bendroflumetiazida + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Teofilina: A administração concomitante de teofilina e bendroflumetiazida aumenta o risco de hipocalemia. - Teofilina
Usar com precaução

Roxitromicina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Teofilina: A utilização concomitante dos dois fármacos pode resultar no aumento da concentração sérica de teofilina, a qual deve ser monitorizada. - Teofilina
Usar com precaução

Artenimol + Piperaquina + Teofilina

Observações: Não se realizaram estudos farmacocinéticos de interacção medicamentosa com Artenimol / Piperaquina. A avaliação do potencial de ocorrência de interações medicamentosas baseia-se em estudos in vitro.
Interações: A piperaquina tem o potencial de aumentar a velocidade do metabolismo de substratos da CYP2E1 produzindo uma diminuição das concentrações plasmáticas de substratos como o paracetamol ou a teofilina e os gases anestésicos enflurano, halotano e isoflurano. A principal consequência desta interacção poderá consistir numa diminuição da eficácia dos medicamentos administrados concomitantemente. A administração da DHA pode resultar numa ligeira diminuição da actividade da CYP1A2. Consequentemente, aconselha-se precaução quando Artenimol / Piperaquina é administrado concomitantemente com medicamentos metabolizados por esta enzima que têm um índice terapêutico estreito, como a teofilina. É pouco provável que os efeitos persistam para além de 24 horas após a última toma de DHA. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Axitinib + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Dados in vitro indicam que o axitinib é metabolizado principalmente pelo CYP3A4/5 e, em menor grau, pelo CYP1A2, CYP2C19 e pela uridina difosfato glucuronosiltransferase (UGT) 1A1. Estudos in vitro da inibição e indução do CYP e UGT: Estudos in vitro indicaram que o axitinib nas concentrações plasmáticas terapêuticas não inibe o CYP2A6, CYP2C9, CYP2C19, CYP2D6, CYP2E1, CYP3A4/5 ou UGT1A1. Estudos in vitro indicaram que o axitinib tem potencial para inibir o CYP1A2. Como tal, a co-administração do axitinib com substratos do CYP1A2 pode resultar em concentrações plasmáticas aumentadas dos substratos do CYP1A2 (por exemplo, teofilina). Estudos in vitro indicaram também que o axitinib tem potencial para inibir o CYP2C8. Contudo, a co-administração do axitinib com paclitaxel, um conhecido substrato do CYP2C8, não resultou no aumento das concentrações plasmáticas do paclitaxel em doentes com cancro avançado, indicando a falta de inibição clínica do CYP2C8. Estudos in vitro em hepatócitos humanos indicaram também que o axitinib não induz o CYP1A1, CYP1A2, ou CYP3A4/5. Como tal, não se espera que a co-administração de axitinib reduza a concentração plasmática de substratos do CY P1A1, CYP1A2 ou do CYP3A44/5 co-administrados in vivo. - Teofilina
Usar com precaução

Azitromicina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Teofilina: Não existem evidências da ocorrência de uma interacção farmacocinética clinicamente significativa quando a azitromicina e a teofilina são coadministradas em voluntários saudáveis. Dado que existem relatos de interacções de outros macrólidos com a teofilina, recomenda-se uma observação atenta de sinais que possam indicar um aumento dos níveis de teofilina. - Teofilina
Usar com precaução

Beclometasona + Formoterol + Teofilina

Observações: O dipropionato de beclometasona sofre um metabolismo rápido via enzimas estearase sem envolvimento do sistema citocrómio P450.
Interações: Por outro lado, o uso concomitante de outros fármacos beta adrenérgicos pode ter, potencialmente, efeitos aditivos, pelo que é requerida precaução quando são prescritos concomitantemente com formoterol, teofilina ou outros fármacos beta-adrenérgicos. - Teofilina
Usar com precaução

Cetamina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Quando a cetamina e a teofilina são administradas simultaneamente, verifica-se uma significativa diminuição do limiar das convulsões. Foram notificadas convulsões de tipo e extensão inesperadas com a administração concomitante destes fármacos. Reação de delírio de emergência. - Teofilina
Sem significado Clínico

Cetirizina + Pseudoefedrina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: CETIRIZINA: Num estudo de dose múltipla de teofilina (400 mg uma vez por dia) e cetirizina, verificou-se um pequeno decréscimo (16%) na depuração da cetirizina, enquanto que a disponibilidade da teofilina não foi alterada pela administração concomitante da cetirizina. Estudos de cetirizina com azitromicina, eritromicina, cetoconazol, teofilina e pseudoefedrina não revelaram evidência de interacções clínicas adversas. - Teofilina
Sem efeito descrito

Cetoprofeno + Omeprazol + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Não há evidência de interacção do omeprazol com cafeína, propranolol, teofilina, metoprolol, lidocaína, quinidina, fenacetina, estradiol, amoxicilina, budesonida, diclofenac, metronidazol, naproxeno, piroxicam ou antiácidos. - Teofilina
Usar com precaução

Cimetidina + Teofilina

Observações: Aparentemente, através de uma acção nos sistemas enzimáticos microssómicos, Cimetidina pode causar alterações significativas no metabolismo de certos fármacos, causando um atraso na sua eliminação e provocando, por consequência, um prolongamento ou um aumento das suas concentrações sanguíneas.
Interações: Estão descritas interacções com anticoagulantes do tipo da varfarina, fenitoína, teofilina e nifedipina. É necessário fazer um ajuste da dose da fenitoína e da teofilina quando do início ou suspensão da terapêutica concomitante com cimetidina. - Teofilina
Usar com precaução

Peginterferão alfa-2a + Teofilina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interações: No mesmo estudo, observou-se um aumento de 25% na AUC da teofilina (marcador da actividade do citocromo P450 1A2), o que demonstra que Peginterferão alfa-2a é um inibidor da actividade do citocromo P450 1A2. Devem monitorizar-se as concentrações séricas da teofilina e devem fazer-se ajustes adequados da dose de teofilina para doentes a tomar teofilina e Peginterferão alfa-2a concomitantemente. É provável que a interacção entre a teofilina e Peginterferão alfa-2a seja máxima após mais de 4 semanas de terapêutica com Peginterferão alfa-2a. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Peginterferão alfa-2b + Teofilina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Teofilina: A administração concomitante de teofilina com o medicamento pode aumentar a concentração sanguínea de teofilina. É recomendada precaução na administração concomitante com o Peginterferão alfa-2b. Deve ser consultado o folheto informativo da teofilina quando administrado concomitantemente com o Peginterferão alfa-2b. O metabolismo da teofilina é suprimido por acção inibitória do Peginterferão alfa-2b no CYP1A2. Teofilina, Antipirina, Varfarina: Tem sido notificado o aumento da concentração sanguínea destes medicamentos quando administrados em combinação com outras preparações de interferão, pelo que deve ser tida precaução. O metabolismo hepático dos outros medicamentos pode estar suprimido. - Teofilina
Potencialmente Fatal

Ciprofloxacina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da ciprofloxacina noutros medicamentos: Teofilina: A administração concomitante de ciprofloxacina e teofilina pode provocar um aumento indesejável na concentração sérica de teofilina. Tal pode conduzir a efeitos secundários induzidos pela teofilina, que podem raramente pôr a vida em perigo ou serem fatais. Durante o uso concomitante, as concentrações séricas de teofilina devem ser monitorizadas e a dose de teofilina reduzida como necessário. - Teofilina
Usar com precaução

Procaterol + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Derivados da xantina (ex.: teofilina, hidrato de aminofilina e diprofilina): O uso concomitante de Procaterol com derivados da xantina pode agravar a hipocaliémia e as reacções adversas cardiovasculares (ex.: taquicardia, arritmias) devido à estimulação adrenérgica. Se se observar algum destes sintomas, a dose deve ser reduzida ou o tratamento interrompido de imediato. Os derivados da xantina potenciam a acção estimulante dos adrenoreceptores deste fármaco, podendo resultar numa diminuição dos níveis séricos de potássio (e originar hipocaliémias graves e potencialmente fatais), e, causar reacções adversas vasculares ou cardíacas. O mecanismo responsável pela indução da hipocaliémia não é conhecido. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Propafenona + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Foram reportados aumentos da concentração plasmática ou níveis sanguíneos de propranolol, metoprolol, desipramina, ciclosporina, teofilina e digoxina durante o tratamento com cloridrato de propafenona. Caso se verifiquem sintomas de sobredosagem, devem determinar-se as concentrações plasmáticas e reduzir as doses, se necessário. - Teofilina
Sem significado Clínico

Citalopram + Teofilina

Observações: Interações farmacocinéticas: A biotransformação do citalopram para desmetilcitalopram é mediada pelas isoenzimas do sistema citocromo P450 CYP2C19 (aproximadamente 38%), CYP3A4 (aproximadamente 31%) e CYP2D6 (aproximadamente 31%). O facto do citalopram ser metabolizado por mais de um CYP significa que a inibição da sua biotransformação é menos provável, uma vez que a inibição de uma enzima pode ser compensada por outra. Consequentemente, a administração concomitante de citalopram com outros medicamentos na prática clínica tem uma probabilidade muito baixa de originar interações farmacocinéticas medicamentosas.
Interações: Influência do citalopram na farmacocinética de outros medicamentos: O citalopram e o desmetilcitalopram são inibidores negligenciáveis do CYP2C9, CYP2E1 e CYP3A4, e apenas inibidores fracos do CYP1A2, CYP2D6 e CYP2C19, em comparação com outros ISRSs estabelecidos como inibidores significativos. Assim, não foi observada nenhuma alteração ou apenas foram observadas alterações muito pequenas sem importância clínica quando o citalopram foi administrado com substratos do CYP1A2 (clozapina e teofilina), CYP2C9 (varfarina), CYP2C19 (imipramina e mefenitoina), CYP2D6 (esparteina, imipramina, amitriptilina, a risperidona) e CYP3A4 (varfarina, carbamazepina (e o seu metabólito epóxido da carbamazepina) e triazolam). - Teofilina
Usar com precaução

Claritromicina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da Claritromicina em outros medicamentos: Sabe-se ou suspeita-se que os fármacos ou classes seguintes são metabolizados pela isoenzima CYP3A: Alprazolam, astemizol, carbamazepina, cilostazol, cisaprida, ciclosporina, disopiramida, alcaloides da cravagem do centeio, lovastatina, metilprednisolona, midazolam, omeprazol, anticoagulantes orais (por ex. varfarina), pimozida, quinidina, rifabutina, sildenafil, sinvastatina, tacrolímus, terfenadina, triazolam e vimblastina. Fármacos com interacção por mecanismos semelhantes através de outras isoenzimas no sistema do citocromo P450 incluem a fenitoína, teofilina e valproato. Efeitos da Claritromicina em outros medicamentos: Teofilina, carbamazepina: Resultados de estudos clínicos indicam que existiu um moderado mas estatisticamente significativo (p<0,05) aumento dos níveis circulantes de teofilina ou carbamazepina quando cada um dos fármacos foi administrado concomitantemente com claritromicina. Pode ser necessário considerar uma redução de dose. - Teofilina
Sem efeito descrito

Clopidogrel + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Foram efectuados outros estudos clínicos com o clopidogrel e outras terapêuticas concomitantes, para investigar potenciais interacções farmacocinéticas e farmacodinâmicas. As farmacocinéticas da digoxina ou da teofilina não foram alteradas pela administração concomitante do clopidogrel. - Teofilina
Sem efeito descrito

Olanzapina + Teofilina

Observações: Só foram efectuados estudos de interacção em adultos. Interações potenciais que afectam a olanzapina: Dado que a olanzapina é metabolizada pela CYP1A2, as substâncias que podem induzir ou inibir dum modo específico esta isoenzima podem afectar a farmacocinética da olanzapina.
Interações: Assim, não é esperada nenhuma interacção especial, tal como comprovado nos estudos in vivo, onde não se verificou nenhuma inibição do metabolismo das seguintes substâncias activas: Antidepressivos tricíclicos (que representam maioritariamente a via CYP2D6), varfarina (CYP2C9), teofilina (CYP1A2) ou diazepam (CYP3A4 e 2C19). - Teofilina
Sem significado Clínico

Ofloxacina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Teofilina, fenbufeno ou anti-inflamatórios não esteróides similares: Não foram encontradas interacções farmacocinéticas entre a ofloxacina e a teofilina num ensaio clínico. No entanto, pode ocorrer um abaixamento pronunciado do limiar cerebral convulsivo quando as quinolonas são administradas simultaneamente com teofilina, medicamentos anti-inflamatórios não esteróides, ou outros agentes que diminuam o limiar convulsivo. - Teofilina
Usar com precaução

Norfloxacina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Foram referidos níveis plasmáticos elevados de teofilina com o uso concomitante de quinolonas. Houve raras referências de efeitos colaterais relacionados com a teofilina em doentes a fazerem terapêutica concomitante com norfloxacina e teofilina. Portanto, deverá ser considerada a necessidade de vigiar os níveis plasmáticos de teofilina e de ajustar a posologia da teofilina. A norfloxacina inibe o CYP1A2 o que pode determinar o aumento das concentrações séricas de outras substâncias administradas concomitantemente e também metabolizadas por esta enzima (por exemplo, teofilina, clozapina, tacrina, ropinirol, tizanidina). Os doentes que tomam estas substâncias concomitantemente com a norfloxacina deverão ser cuidadosamente vigiados relativamente aos sinais clínicos de sobredosagem, podendo revelar-se necessária a monitorização sérica, especialmente no caso da teofilina. - Teofilina
Sem efeito descrito

Clopidogrel + Ácido acetilsalicílico + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Outros medicamentos: As farmacocinéticas da digoxina ou da teofilina não foram alteradas pela adminstração concomitante do clopidogrel. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloromadinona + Etinilestradiol + Teofilina

Observações: A interação do etinilestradiol, com outros medicamentos, pode aumentar ou reduzir as concentrações séricas de etinilestradiol. Em caso de necessidade de tratamento prolongado com essas subtâncias ativas, devem ser utilizados métodos contracetivos não hormonais. Concentrações séricas reduzidas de etinilestradiol podem aumentar as hemorragias intracíclicas e as perturbações dos ciclos, e reduzir a eficácia contracetiva de Cloromadinona / Etinilestradiol; concentrações séricas aumentadas de etinilestradiol podem aumentar a frequência e a gravidade dos efeitos indesejáveis.
Interações: Os seguintes medicamentos/substâncias ativas podem aumentar as concentrações séricas de etinilestradiol: O etinilestradiol pode afetar o metabolismo de outras substâncias: Por inibir as enzimas microssomais hepáticas e, por esse motivo, aumentar as concentrações séricas de substâncias ativas, tais como diazepam (e outras benzodiazepinas metabolizadas por hidroxilação), ciclosporina, teofilina e prednisolona. Por induzir a glucuronização hepática e, por esse motivo, reduzir as concentrações séricas de por exemplo clofibrato, paracetamol, morfina e lorazepam. As necessidades de insulina ou de antidiabéticos orais (agentes que diminuem a glucose sanguínea) podem alterar-se em consequência da influência na tolerência à glucose. O mesmo pode ser válido para os medicamentos tomados pouco tempo antes. O Resumo das Características do Medicamento dos medicamentos prescritos devem ser consultados tendo em atenção as possíveis interacções com Cloromadinona / Etinilestradiol. - Teofilina
Sem efeito descrito

Roflumilaste + Teofilina

Observações: Os estudos de interacção foram apenas realizados em adultos.
Interações: Estudos clínicos de interacção com inibidores de CYP3A4 eritromicina e cetoconazol demonstraram aumentos de 9% na actividade inibitória de PDE4 total. A administração conjunta de teofilina provocou um aumento de 8% na actividade inibitória de PDE4 total. Num estudo de interacção com um contraceptivo oral contendo gestodeno e etinilestradiol, a actividade inibitória de PDE4 total aumentou 17%. Não é necessário o ajuste da dose em doentes a receber estas substâncias ativas. - Teofilina
Sem efeito descrito

Solifenacina + Tansulosina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: TANSULOSINA: Não foram observadas interacções quando se administrou a tansulosina concomitantemente com atenolol, enalapril, ou teofilina. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Dobutamina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Num estudo clínico, o uso concomitante de teofilina com dobutamina resultou num aumento da frequência cardíaca. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cobimetinib + Teofilina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos. Efeitos do cobimetinib nos sistemas transportadores de fármacos: Estudos in vitro demonstraram que o cobimetinib não é um substrato dos transportadores de captação hepáticos OATP1B1, OATP1B3 e OCT1, sendo, contudo, um inibidor fraco destes transportadores. A relevância clínica festes resultados não foi investigada.
Interações: Efeito do cobimetinib noutros medicamentos: Substratos do CYP1A2: In vitro, o cobimetinib é um potencial indutor do CYP1A2 e poderá portanto reduzir a exposição de substratos desta enzima, e.g., teofilina. Não foram efetuados estudos de DDI para avaliar a relevância clínica deste resultado. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metotrexato + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Tratamento com mais de um DMARD em diferentes esquemas está sendo testado, no entanto, há pouca evidência disponível para avaliar o benefício. Uma meta-análise de cinco diferentes combinações de DMARD demonstraram, que embora a eficácia seja superior do que DMARDs individuais, a toxicidade também foi aumentada. A administração de metotrexato com teofilina pode reduzir a depuração da teofilina. - Teofilina
Usar com precaução

Ranitidina + Teofilina

Observações: A ranitidina pode afectar a absorção, metabolismo ou a eliminação renal de outros medicamentos. A farmacocinética alterada do medicamento afectado, pode levar a um ajuste da dose do mesmo ou à descontinuação do tratamento.
Interações: As interacções podem ocorrer devido a vários mecanismos tais como: Inibição do sistema oxigenase com função mista citocromo P450-ligado: A ranitidina, em doses terapêuticas habituais, não potencia a acção de medicamentos que são inactivados por este sistema tais como o diazepam (CYP2C19), lidocaína e propanolol. Têm havido notificações de tempos de protrombina alterados com anticoagulantes cumarínicos (ex. varfarina) quando o tratamento com ranitidina foi iniciado. Devido à estreita janela terapêutica, recomenda-se uma monitorização apertada do aumento ou diminuição do tempo de protrombina, durante o tratamento com a ranitidina. Há relatos de vários casos de aumento das concentrações plasmáticas de teofilina. Embora, a interacção não tenha sido observada em vários estudos clínicos, as informações disponíveis não podem excluir a possibilidade de que pode ocorrer uma interacção em alguns indivíduos. Também têm havido notificações de um aumento das concentrações plasmáticas de fenitoína. - Teofilina
Sem efeito descrito

Dasabuvir + Teofilina

Observações: Os estudos de interacção medicamentosa só foram realizados em adultos. Dasabuvir deve ser sempre administrado em conjunto com ombitasvir/paritaprevir/ritonavir. Quando coadministrados, exercem efeitos recíprocos um sobre o outro. Por conseguinte, o perfil de interacção dos compostos tem de ser considerado como uma associação.
Interações: interacções farmacocinéticas: Potencial para Dasabuvir afetar a farmacocinética de outros medicamentos: Os estudos de interacção medicamentosa in vivo avaliaram o efeito global do tratamento de associação, incluindo o ritonavir. Transportadores específicos e as enzimas metabolizadoras que são afetados pelo dasabuvir quando associado a ombitasvir/paritaprevir/ritonavir. Medicamentos metabolizados pelos CYP2D6 ou CYP1A2: Dasabuvir administrado com ombitasvir/paritaprevir/ritonavir não afetou as exposições ao substrato do CYP2D6/CYP1A2, a duloxetina. Não são expectáveis ajustes de dose para outros substratos do CYP1A2 (por exemplo ciprofloxacina, teofilina e cafeína) e substratos da CYP2D6 (por exemplo desipramina, metoprolol e dextrometorfano). - Teofilina
Sem efeito descrito

Ombitasvir + Paritaprevir + Ritonavir + Teofilina

Observações: Os estudos de interacção medicamentosa só foram realizados em adultos. Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir foi administrado em doses múltiplas em todos os estudos de interacção medicamentosa, com exceção dos estudos de interacção medicamentosa com carbamazepina, gemfibrozil e cetoconazol.
Interações: interacções farmacocinéticas: Potencial para Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir afetar a farmacocinética de outros medicamentos: Os estudos de interacção medicamentosa in vivo avaliaram o efeito global do tratamento de associação, incluindo o ritonavir. Medicamentos metabolizados pelos CYP2D6 ou CYP1A2: Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir administrado com ou sem dasabuvir não afetou as exposições do substrato do CYP2D6/CYP1A2, a duloxetina. Não são expectáveis ajustes de dose para outros substratos do CYP1A2 (por exemplo ciprofloxacina, teofilina e cafeína) e substratos da CYP2D6 (por exemplo desipramina, metoprolol e dextrometorfano). - Teofilina
Não recomendado/Evitar

Regadenosona + Teofilina

Observações: Não foram realizados estudos de interação com outros medicamentos.
Interações: Metilxantinas: As metilxantinas (por ex. cafeína e teofilina) são antagonistas não específicos dos receptores da adenosina e podem interferir com a actividade vasodilatadora da regadenosona. Os doentes devem evitar o consumo de medicamentos que contenham metilxantinas assim como de medicamentos que contenham teofilina durante, pelo menos, 12 horas antes da administração de Regadenosona. - Teofilina
Usar com precaução

Rasagilina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Estudos de metabolismo in vitro indicaram o citocromo P450 1A2 (CYP1A2) como a principal enzima responsável pelo metabolismo da rasagilina. A co-administração da rasagilina e ciprofloxacina (um inibidor do CYP1A2) aumentou 83% a AUC da rasagilina. A co-administração da rasagilina e teofilina (um substrato do CYP1A2) não afetou a farmacocinética de qualquer das substâncias. Assim, inibidores potentes do CYP1A2 podem alterar os níveis plasmáticos da rasagilina e devem ser administrados com precaução. Em doentes fumadores, há risco dos níveis plasmáticos de rasagilina poderem diminuir, devido à indução da enzima metabolizadora CYP1A2. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Primidona + Teofilina

Observações: Tanto a primidona como o seu principal metabolito, o fenobarbital, induzem a actividade enzimática hepática, principalmente o sistema enzimático CYP4503A4. Isto pode provocar alterações na farmacocinética de fármacos administrados simultaneamente.
Interações: Os fármacos cujo metabolismo possa ser aumentado e levar a uma diminuição da concentração plasmática e/ou diminuição do tempo de semi-vida, devido a uma terapêutica concomitante são: Androgéneos, beta-antagonistas, carbamazepina, ciclosporina, clonazepam, cloranfenicol, corticosteróides/glucocorticóides, ciclofosfamida, dicumarinas, digitoxina, doxiciclina, etosuxamida, etoposido, felbamato, granissetrom, lamotrigina, losartan, metadona, metronidazol, mianserina, Montelucaste, nelfinavir, nimodipina, Contraceptivos orais, oxcarbazepina, fentoína, quinidina, rocurónio, valproato de sódio, tiagabina, teofilinas, topiramato, antidepressores tricíclicos, vecurónio, varfarina e zonisamida. A ligação da teofilina às proteínas pode afectar a ligação do fenobarbital e alterar os seus níveis plasmáticos. - Teofilina
Usar com precaução

Propranolol + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução, com as quais pode ser necessário ajuste posológico: Teofilina: O propranolol diminui a depuração metabólica da teofilina em cerca de 30% numa dose de 120 mg por dia e de 50% em doses de 720 mg por dia. - Teofilina
Usar com precaução

Bupropiom + Naltrexona + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Aconselha-se precaução quando se prescrever naltrexona/bupropiom a doentes com fatores de predisposição que podem aumentar o risco de convulsões, incluindo: - como o tratamento com naltrexona/bupropiom pode resultar numa diminuição da glucose em doentes com diabetes, a dose de insulina e/ou de medicação oral para a diabetes deve ser avaliada para minimizar o risco de hipoglicemia, que pode predispor os doentes a convulsões. - a administração concomitante de medicamentos que podem reduzir o limiar convulsivo, incluindo antipsicóticos, antidepressivos, antimaláricos, tramadol, teofilina, esteroides sistémicos, quinolonas e anti-histamínicos sedativos. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de potássio + Cloreto de sódio + Glucose + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: interacções relacionadas com a presença de potássio: Doentes que recebem administração concomitante de soluções contendo potássio e um dos seguintes medicamentos, que reduzem os níveis séricos de potássio, podem necessitar de doses mais elevadas de potássio: - Corticosteróides - Diuréticos (diuréticos da ansa, tiazidas e análogos, diuréticos osmóticos, inibidores da anidrase carbónica) - Elevadas doses de penicilinas - Aminoglicosídeos - Cisplatina - Foscarnet - Anfotericina B - Teofilina - Insulina - Ácido fólico e vitamina B12 - Agonistas β 2 -adrenérgicos - Teofilina
Usar com precaução

Teriflunomida + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: interacções farmacocinéticas da teriflunomida sobre outras substâncias: Efeito da teriflunomida sobre o substrato do CYP1A2: Cafeína: A administração de doses repetidas de teriflunomida diminuiu a Cmax média e AUC da cafeína (substrato do CYP1A2) em 18% e 55%, respectivamente, sugerindo que a teriflunomida pode ser um indutor fraco do CYP1A2 in vivo. Por este motivo, os medicamentos metabolizados pela CYP1A2 (p.ex., duloxetina, alosetron, teofilina e tizanidina) devem ser utilizados com precaução durante o tratamento com teriflunomida, uma vez que esta pode reduzir a eficácia destes produtos. - Teofilina
Sem efeito descrito

Dutasterida + Tansulosina + Teofilina

Observações: Não foram realizados estudos de interacção fármaco-fármaco com Dutasterida / Tansulosina.
Interações: TANSULOSINA: A administração concomitante do cloridrato de tansulosina com fármacos que possam reduzir a pressão arterial, incluindo anestésicos, inibidores PDE5 e outros bloqueadores adrenérgicos alfa-1, poderá levar à potenciação dos efeitos hipotensores. Dutasterida-tansulosina não deverá ser utilizada em associação com outros bloqueadores adrenérgicos alfa-1. A administração concomitante de cloridrato de tansulosina e cetoconazol (um inibidor forte do CYP3A4) resultou num aumento da Cmáx e AUC do cloridrato de tansulosina num fator de 2,2 e 2,8 respectivamente. A administração concomitante de cloridrato de tansulosina e paroxetina (um inibidor forte do CYP2D6) resultou num aumento da Cmáx e AUC do cloridrato de tansulosina num fator de 1,3 e 1,6 respectivamente. Quando administrado concomitantemente com um inibidor forte do CYP3A4, é esperado um aumento semelhante na exposição dos metabolizadores fracos do CYP2D6 quando comparados com os metabolisadores extensos. Os efeitos da administração concomitante de inibidores do CYP3A4 e CYP2D6 com cloridrato de tansulosina não foram avaliados clinicamente, contudo existe um potencial para aumento significativo da exposição à tansulosina. A administração concomitante de cloridrato de tansulosina (0,4 mg) e cimetidina (400 mg de seis em seis horas durante seis dias) resultou na diminuição da depuração (26%) e no aumento na AUC (44%) do cloridrato de tansulosina. Deverá ser tida precaução na utilização de dutasterida-tansulosina em associação com cimetidina. Não foi realizado um estudo de interacção de fármacos entre o cloridrato de tansulosina e a varfarina. Os resultados de estudos limitados in vitro e in vivo são inconclusivos. Deverá ser tida precaução na administração concomitante de varfarina e cloridrato de tansulosina. Não foram observadas interacções quando o cloridrato de tansulosina foi administrado concomitantemente com atenolol, enalapril, nifedipina ou teofilina. A administração concomitante de furosemida origina a diminuição dos níveis plasmáticos da tansulosina, no entanto não são necessários ajustes posológicos uma vez que os níveis permanecem dentro do intervalo normal. In vitro, nem o diazepam ou propanolol, triclorometiazida, clormadinona, amitriptilina, diclofenac, glibenclamida e sinvastatina alteram a fração livre da tansulosina no plasma humano. A tansulosina também não altera as frações livres de diazepam, propanolol, triclormetiazida e clormadinona. Não foram observadas interacções ao nível do metabolismo hepático durante os estudos in vitro com frações microssomais de fígado (representativas do sistema metabolizador enzimático de fármacos associado ao citocromo P450), envolvendo amitriptilina, salbutamol e glibenclamida. No entanto, o diclofenac pode aumentar a taxa de eliminação da tansulosina. - Teofilina
Usar com precaução

Efedrina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem cuidados na utilização: Teofilina: A administração em simultâneo de efedrina e teofilina poderá resultar em insónia, nervosismo e queixas gastrointestinais. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: A administração de teofilina ou aminofilina pode reduzir os efeitos sedativos das benzodiazepinas. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Teofilina

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: O uso simultâneo de formoterol e teofilina pode resultar numa potenciação mútua dos efeitos, sendo igualmente provável observar-se o aumento dos efeitos indesejáveis, tais como as disrritmias cardíacas. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Furosemida + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: A furosemida pode às vezes diminuir a acção de certos medicamentos como os antidiabéticos e as aminas vasopressoras ou intensificar a acção de outros como os miorrelaxantes do tipo curare, os salicilatos, o lítio e a teofilina. - Teofilina
Não recomendado/Evitar

Hipericão + Teofilina

Observações: Além disto, os pacientes devem estar informados que interacções com outros medicamentos não podem ser excluídas e devem ser tidas em consideração durante a toma de Hipericão.
Interações: Devido à uma redução da eficácia terapêutica, a utilização de Hipericão é desaconselhada em associação com: - Digoxina, - Teofilina, - Contraceptivos orais (risco de hemorragias intermenstruais com risco de gravidez não desejada). As mulheres não devem interromper a toma de contraceptivos se hemorragias irregulares aparecerem durante a utilização concomitante de Hipericão, - Verapamil (um estudo clínico mostrou a diminuição da bio-disponibilidade deste antihipertensivo). - Teofilina
Sem significado Clínico

Levofloxacina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Efeito de outros medicamentos sobre a levofloxacina: Teofilina, fenbufeno ou anti-inflamatórios não esteróides similares: Num estudo clínico, não se observaram interacções farmacocinéticas da levofloxacina com a teofilina. Contudo, pode ocorrer uma diminuição marcada do limiar convulsivo cerebral quando as quinolonas são administradas simultaneamente com a teofilina, anti-inflamatórios não esteróides ou com outros medicamentos que diminuem o limiar convulsivo cerebral. As concentrações da levofloxacina tinham valores de cerca de 13% mais elevados na presença de fenbufeno do que em monoterapia. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Dienogest + Etinilestradiol + Teofilina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos. As interacções do etinilestradiol e o dienogest, com outros medicamentos podem aumentar ou diminuir ou ambas, as concentrações séricas das hormonas esteroides. A redução das concentrações séricas de etinilestradiol/dienogest pode levar a um aumento das hemorragias intercorrentes e dos distúrbios menstruais e reduzir a eficácia do contracetivo do Dienogest / Etinilestradiol; o aumento de etinilestradiol/dienogest nos níveis séricos pode levar a um aumento de incidência e aumento da expressão de efeitos secundários.
Interações: Dienogest / Etinilestradiol contidos nas hormonas esteroides podem influenciar o metabolismo de outros medicamentos: - Inibindo as enzimas microssomais hepáticas, resultando num aumento das concentrações séricas de medicamentos, tais como o diazepam (e algumas outras benzodiazepinas), teofilina, ciclosporina e glucocorticoides, - Através da indução da glucuronidação hepática, resultando na diminuição das concentrações séricas de clofibrato por exemplo, paracetamol, morfina, lorazepam (e algumas outras benzodiazepinas) e lamotrigina. Estudos in vitro mostraram que o dienogest em concentrações relevantes não inibe as enzimas do citocromo P-450, pelo que a este nível não se esperam interacções medicamentosas. Adicionalmente devem ser verificadas as informações técnicas dos medicamentos prescritos para verificar possíveis interacções com Dienogest / Etinilestradiol. A necessidade de insulina ou de agentes hipoglicemiantes orais pode ser alterada em função da influência da tolerância à glicose. - Teofilina
Usar com precaução

Diltiazem + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: COMBINAÇÕES QUE REQUEREM PRECAUÇÃO: Teofilina: Aumento nos níveis de teofilina em circulação. - Teofilina
Sem efeito descrito

Dronedarona + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Efeito da dronedarona nos outros medicamentos: interacção com a teofilina (substratos do CYP1A2): A administração de 400 mg de dronedarona duas vezes ao dia não provocou um aumento no estado estacionário da exposição à teofilina. - Teofilina
Sem efeito descrito

Tadalafil + Teofilina

Observações: Estudos de interacção foram efetuados com 10 e/ou 20 mg de tadalafil, tal como abaixo indicado. No que respeita aqueles estudos de interacção onde apenas foi utilizada a dose de 10 mg de tadalafil, não se podem ignorar completamente possíveis interações clínicas relevantes com doses mais altas.
Interações: Efeitos do tadalafil sobre outros medicamentos: Substratos do CYP1A2 (p-ex. teofilina) Num ensaio de farmacologia clínica, quando tadalafil 10 mg foi administrado com teofilina (um inibidor não-seletivo da fosfodiesterase), não se verificou interacção farmacocinética. O único efeito farmacodinâmico foi um pequeno aumento (3,5 bpm) da frequência cardíaca. Embora este efeito seja pouco pronunciado e não tivesse sido clinicamente significativo neste estudo, a co-administração destes medicamentos deverá ser ponderada. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Isoniazida + Pirazinamida + Rifampicina + Teofilina

Observações: A rifampicina possui propriedades indutoras enzimáticas, incluindo a indução da delta aminoácido levulínico sintetase. Têm sido registados casos isolados de exacerbação de porfíria com a administração de rifampicina.
Interações: O Isoniazida/Pirazinamida/Rifampicina possui propriedades indutoras das enzimas hepáticas e pode reduzir a actividade de um certo número de fármacos, incluindo anticoagulantes, anticonvulsivantes, anti-estrogénios, antipsicóticos, antiarrítmicos (quinidina), antifúngicos, antirretrovirais, barbitúricos, benzodiazepinas e seus derivados, betabloqueantes, bloqueadores da entrada de cálcio, cloranfenicol, claritromicina, corticosteróides, agentes imunossupressores (ciclosporina) digitálicos, clofibrato, doxiciclina, estrogéneos, fluoroquinolonas, gestrinona, irinotecano, losartan, metadona, praziquantel, progestina, riluzol, antagonistas selectivos dos receptores 5- HT3, estatinas metabolizadas pelo citocromo CYP3A4, telitromicina, tiazolidinedionas, antidepressivos tricíclicos, Contraceptivos orais, hipoglicemiantes orais, antipsicóticos (haloperidol), levotiroxina, teofilina, dapsona, narcóticos e analgésicos. Pode ser necessário ajustar a dose destes fármacos se forem administrados concomitantemente com Isoniazida/Pirazinamida/Rifampicina. As doentes a fazer Contraceptivos orais devem ser aconselhadas a mudar o método contraceptivo para um método não-hormonal durante a terapêutica com Isoniazida/Pirazinamida/Rifampicina. A diabetes pode também tornar-se mais difícil de controlar. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Isoniazida + Rifampicina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: RIFAMPICINA: A rifampicina possui propriedades indutoras das enzimas hepáticas e pode reduzir a actividade de um certo número de fármacos, incluíndo os anticoagulantes orais, anticonvulsivos, anti-estrogénios, antipsicóticos, corticosteróides, agentes imunomoduladores (ciclosporina), digitálicos, Contraceptivos orais, hipoglicemiantes orais, dapsona, analgésicos narcóticos, metadona, barbitúricos, losartan, bloqueadores beta-adrenérgicos, clorofibrato, progestina, teofilina, cloranfenicol, claritromicina, antiarrítmicos (ex. disopiramida, mexiletina, quinidina), bloqueadores da entrada de cálcio, antifúngicos, benzodiazepinas, antidepressivos tricíclicos, antirretrovirais, estrogéneos, gestrinona, fluoroquinolonas, levotiroxina, irinotecano, praziquantel, riluzol, antagonistas selectivos dos receptores 5-HT3, estatinas metabolizadas pelo citocromo CYP3A4, telitromicina, tiazolidinedionas e doxiciclina. Pode ser necessário ajustar a dose destes fármacos se forem administrados concomitantemente com a rifampicina. - Teofilina
Usar com precaução

Fluconazol + Teofilina

Observações: O fluconazol é um potente inibidor do citocromo P450 (CYP) isoenzima 2C9 e um inibidor moderado do CYP3A4. O fluconazol é também um inibidor da isoenzima CYP2C19. Adicionalmente às interações observadas/documentadas abaixo indicadas, existe um risco de aumento da concentração plasmática de outros compostos metabolizados pelo CYP2C9 e CYP3A4 coadministrados com fluconazol. Deste modo, deve-se ter precaução quando se utilizam estas associações e os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados. O efeito inibidor da enzima pelo fluconazol persiste 4-5 dias após a descontinuação do tratamento com fluconazol devido à sua longa semivida.
Interações: A utilização concomitante dos seguintes fámacos leva a precauções e ajustes de dose: O efeito de fluconazol noutros fármacos: Teofilina: Num estudo de interacção, controlado por placebo, a administração de 200 mg diários de fluconazol, durante 14 dias, resultou numa diminuição de 18% na depuração plasmática média da teofilina. Os doentes que estejam a ser medicados com doses elevadas de teofilina ou que, por outros motivos, estejam em risco elevado de toxicidade pela teofilina, deverão ser observados no que se refere a sinais de toxicidade devidos à teofilina enquanto medicados com fluconazol. O tratamento deve ser modificado se surgirem sinais de toxicidade. - Teofilina
Sem efeito descrito

Indinavir + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: INDINAVIR NÃO POTENCIADO ANTIASMÁTICOS: Teofilina 250 mg SD (Indinavir 800 mg TID) Indinavir e teofilina podem ser administrados concomitantemente sem ajuste posológico. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lítio + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: Os níveis séricos de lítio podem diminuir devido ao aumento da depuração do lítio no caso de administração concomitante de um dos seguintes fármacos: - Diuréticos osmóticos e inibidores da anidrase carbónica - Xantinas (teofilina, cafeína) - Bicarbonato de sódio - Calcitonina Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos que baixam o limiar convulsivante, tais como, antidepressivos tricíclicos, antipsicóticos, anestésicos, teofilina. - Teofilina
Sem efeito descrito

Moxifloxacina + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: interacções com medicamentos: Estudos clínicos demonstraram que não existem interacções após a administração concomitante de moxifloxacina com: Ranitidina, probenecide, Contraceptivos orais, suplementos de cálcio, morfina administrada por via parentérica, teofilina, ciclosporina ou itraconazol. Os estudos in vitro com enzimas do citocromo P450 humano apoiam estes dados. Considerando estes resultados é improvável a ocorrência de uma interacção metabólica mediada por enzimas do citocromo P450. - Teofilina
Sem efeito descrito

Rifabutina + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: As doses múltiplas de rifabutina têm vindo a ser associadas à indução das enzimas metabólicas hepáticas da subfamília CYP450 IIIA. O principal metabolito da rifabutina (25-desacetil rifabutina; LM 565) também pode contribuir para este efeito. A indução metabólica provocada pela rifabutina vai produzir provavelmente uma diminuição dos níveis circulantes dos fármacos administrados concomitantemente (em particular os metabolizados pela via do CYP450 IIIA). Dados cinéticos sugerem que a indução enzimática originada pela rifabutina é completa ao fim de 5 dias e é independente da dose no intervalo de dose 300 a 600 mg. Do mesmo modo, fármacos administrados concomitantemente que inibam competitivamente a actividade do CYP450 IIIA podem aumentar os níveis circulantes de rifabutina. De modo similar, a Rifabutina pode reduzir a actividade de analgésicos, anticoagulantes, corticosteróides, ciclosporina, digitálicos (embora não a digoxina), dapsona, hipoglicemiantes orais, analgésicos narcóticos, fenitoina e quinidina. Com base nas considerações metabólicas acima referidas não são esperadas interacções significativas com o etambutol, teofilina, sulfonamidas, pirazinamida e zalcitabina (DDC). Teofilina: Efeito na rifabutina: ND Efeito no fármaco co-administrado: Sem alterações significativas na AUC ou Cmax em relação à linha de base. ND – Não há dados AUC - área sob a concentrações vs. Curva do tempo Cmax – Concentrações sérica máxima - Teofilina
Consultar informação actualizada

Sildenafil + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: Efeitos do sildenafil sobre outros medicamentos: Estudos in vitro: O sildenafil é um inibidor fraco das isoformas 1A2, 2C9, 2C19, 2D6, 2E1 e 3A4 do citocromo P450 (CI50> 150 μM). Dadas as concentrações plasmáticas máximas de sildenafil de aproximadamente 1 μM após as doses recomendadas, é pouco provável que Sildenafil comprimidos altere a depuração de substratos destas isoenzimas. Não existem dados sobre a interacção do sildenafil e de inibidores não específicos das fosfodiestearases, como a teofilina ou o dipiridamol. - Teofilina
Sem significado Clínico

Repaglinida + Teofilina

Observações: Não foram efetuados estudos de interação em crianças.
Interações: Repaglinida não teve efeito clínico relevante nas propriedades farmacocinéticas da digoxina, teofilina ou varfarina em estado de equilíbrio, quando administrado regularmente a voluntários saudáveis. Portanto, não parece ser necessário o ajuste da dosagem destes compostos na sua administração concomitante com repaglinida. - Teofilina
Usar com precaução

Ritonavir + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: Efeitos do Ritonavir nos Medicamentos Não Antirretrovirais co-administrados: Antiasmáticos: Teofilina: Quando coadministrada com ritonavir pode ser necessária uma dose aumentada de teofilina, devido à indução da CYP1A2. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Trandolapril + Verapamilo + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: Associações a ter em consideração Verapamilo pode aumentar as concentrações plasmáticas de carbamazepina, ciclosporina e teofilina, e portanto aumentar o risco de toxicidade destes fármacos. - Teofilina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Ácido Pipemídico

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser retardada e/ou a sua concentração plasmática poderá ser aumentada – com risco acrescido de sobredosagem e efeitos adversos – em casos de administração simultânea das substâncias seguintes: - Contraceptivos orais, - Antibióticos macrólidos (especialmente eritromicina e troleandomicina), - Quinolonas (inibidores da girase, especialmente ciprofloxacina, enoxacina e pefloxacina - Imipenem, especialmente efeitos secundários do SNC, tal como convulsões. - Isoniazida, - Tiabendazol, - Bloqueadores dos canais de cálcio (ex. verapamil ou diltiazem), - Propranolol, - Metilxantina, - Propafenona, - Ticlopidina, - Cimetidina, ranitidina, - Alopurinol, febuxostate, - Fluvoxamina, - Alfa-interferão e peginterferão alfa-2, - Zafirlucaste, - Vacinas da gripe, - Etintidina, - Idrocilamida e - Zileuton Nestes casos poderá ser necessária uma redução da dose. Quando a teofilina é administrada simultaneamente com a ciprofloxacina e com a enoxacina, a dose de teofilina deve ser reduzida para no máximo 60% e 30% da dose recomendada, respectivamente. Outras quinolonas (ex: pefloxacina ou ácido pipemidico) podem também potenciar a acção de medicamentos contendo teofilina. Consequentemente, recomenda-se fortemente o controlo frequente das concentrações de teofilina durante a terapêutica concomitante com quinolonas. - Ácido Pipemídico
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Verapamilo + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: Possíveis interacções medicamentosas associadas com o verapamilo, devido a razões de farmacocinética: Antiasmáticos Teofilina - Diminuição da depuração sistémica e oral em 20%; Teofilina, ciclosporina, prazosina e midazolam Aumento dos níveis plasmáticos. - Teofilina
Sem significado Clínico

Telitromicina + Teofilina

Observações: Os estudos de interação foram apenas realizados em adultos.
Interações: Efeito do Telitromicina nos outros medicamentos: Teofilina: Não existem interacções farmacocinéticas clinicamente relevantes entre o Telitromicina e a teofilina administrada como formulação de libertação prolongada. No entanto, a administração conjunta dos dois medicamentos deve ser separada de uma hora, de modo a evitar possíveis efeitos laterais digestivos, tais como náuseas e vómitos. - Teofilina
Usar com precaução

Tipranavir + Teofilina

Observações: Os estudos de interacção apenas foram realizados em adultos.
Interações: Teofilina Não foi realizado qualquer estudo de interacção Com base nos dados fornecidos pelo estudo cocktail, onde a AUC da cafeína (substracto do CYP1A2) foi reduzida em 43%, prevê-se que tipranavir com ritonavir diminua as concentrações de teofilina. Inducção do CYP1A2 por tipranavir/r As concentrações plasmáticas de teofilina devem ser monitorizadas durante as duas primeiras semanas de administração concomitante com Tipranavir, co-administrado com ritonavir em dose baixa, e a dose de teofilina deverá ser aumentada se necessário. - Teofilina
Usar com precaução

Fluvoxamina + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: CYP1A2: Doentes a quem se administra concomitantemente fluvoxamina e drogas com margem terapêutica estreita metabolizadas pelo CYP1A2 (tais como tacrina, teofilina, metadona e mexiletina) devem ser cuidadosamente monitorizados e, se necessário, recomenda-se o ajustamento da dose dessas drogas. - Teofilina
Usar com precaução

Niraparib + Teofilina

Observações: Os estudos clínicos só foram realizados em adultos.
Interações: Efeitos de niraparib sobre outros medicamentos Indução de CYP (CYP1A2 e CYP3A4) Nem niraparib nem M1 são indutores de CYP3A4 in vitro. In vitro, niraparib induz ligeiramente a CYP1A2 em altas concentrações e a relevância clínica deste efeito não pode ser completamente excluída. M1 não é indutor de CYP1A2. Portanto, recomenda-se precaução quando niraparib é associado com substâncias ativas cujo metabolismo depende de CYP1A2 e, em particular, aquelas com uma margem terapêutica estreita (por exemplo, clozapina, teofilina e ropinirol). - Teofilina
Usar com precaução

Metreleptina + Teofilina

Observações: Não foram realizados estudos de interação em humanos.
Interações: O efeito de metreleptina nas enzimas CYP450 pode ser clinicamente relevante em relação aos substratos CYP450 com índice terapêutico estreito, onde a dose é individualmente ajustada. Após início ou descontinuação de metreleptina, nos doentes a serem tratados com estes tipos de agentes, deverá realizar-se monitorização terapêutica sobre o efeito (por exemplo, varfarina) ou concentrações de medicamento (por exemplo, ciclosporina ou teofilina) e a dose individual do agente deverá ser ajustada conforme necessário. - Teofilina
Usar com precaução

Alopurinol + Lesinurad + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: Utilização concomitante que necessita de ser tomada em consideração: Teofilina Há relatos da inibição do metabolismo da teofilina pelo alopurinol. O mecanismo de interacção pode ser explicado pelo facto de, em seres humanos, a xantina oxidase estar envolvida na biotransformação da teofilina. Os valores de teofilina devem ser monitorizados nos doentes sob terapêutica com Alopurinol + Lesinurad. - Teofilina
Sem efeito descrito

Acetonido de fluocinolona + Ciprofloxacina + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: Foi demonstrado que a administração por via oral de ciprofloxacina inibe as isoenzimas CYP1A2 e CYP3A4 do citocromo P450 e altera o metabolismo dos compostos da metilxantina (cafeína, teofilina). Após a administração ótica tópica de Acetonido de fluocinolona / Ciprofloxacina, as concentrações plasmáticas de ciprofloxacina são baixas e é pouco provável que uma interacção envolvendo o metabolismo do P450 com medicação concomitante resulte em alterações clinicamente relevantes nos níveis plasmáticos dos compostos da metilxantina. - Teofilina
Usar com precaução

Binimetinib + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: Efeitos do binimetinib noutros medicamentos Binimetinib é um indutor potencial do CYP1A2 e deve ser tomada precaução quando é utilizado com substratos sensíveis (tais como duloxetina ou teofilina). - Teofilina
Usar com precaução

Tezacaftor + Ivacaftor + Teofilina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Medicamentos que são afetados pelo tezacaftor e ivacaftor Substratos da CYP1A2 e CYP2B6 O potencial dos metabolitos do tezacaftor para induzir a CYP1A2 e a CYP2B6 e para reduzir as exposições aos medicamentos que são metabolizados por estas enzimas não foi totalmente avaliado. Deve utilizar-se precaução e monitorização apropriada quando Tezacaftor/Ivacaftor é administrado concomitantemente com substratos com um indíce terapêutico estreito da CYP1A2 (tais como a teofilina) ou com outros substratos da CYP2B6 (tais como a bupropiona). - Teofilina
Usar com precaução

Dexametasona + Ofloxacina + Teofilina

Observações: Não foram realizados estudos de interacção farmacocinética dos medicamentos com o cemiplimab.
Interações: Ofloxacina Deve ser considerada a possibilidade de interacção com fármacos para os quais foi reportada interacção após administração sistémica de algumas fluoroquinolonas (por exemplo, interacção com teofilina, cafeína, anticoagulantes orais como a varfarina, ciclosporina). - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Pazufloxacina + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: A pazufloxacina pode aumentar os níveis sanguíneos de medicamentos como ciclosporina, teofilina e o medicamento anticoagulante varfarina. - Teofilina
Usar com precaução

Metronidazol + Miconazol + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: Foi observada interferência com as concentrações sanguíneas das enzimas do fígado, da glicose (método da hexoquinase), da teofilina (medicamento utilizado para doenças pulmonares) e da procainamida (medicamento utilizado no tratamento da arritmia cardíaca). - Teofilina
Usar com precaução

Canabidiol + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: Potencial de canabidiol afetar outros medicamentos Substratos de CYP1A2, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, UGT1A9 e UGT2B7 Os dados in vitro preveem interacções medicamentosas com substratos de CYP1A2 (por exemplo, teofilina, cafeína), substratos de CYP2B6 (por exemplo, bupropiona, efavirenz), uridina 5'-difosfato glucuronosiltransferase 1A9 (UGT1A9) (por exemplo, diflunisal, propofol, fenofibrato) e UGT2B (por exemplo, gemfibrozil, morfina, lorazepam) quando co-administrados com canabidiol. Também se prevê que a co-administração de canabidiol provoque interacções clinicamente significativas com substratos de CYP2C8 (repaglinida) e CYP2C9 (por exemplo, varfarina). Os dados in vitro demonstraram que o canabidiol inibe o CYP2C19, o que poderá provocar o aumento de concentrações plasmáticas de medicamentos que são metabolizados por esta isoenzima, como clobazam e omeprazol. A redução da dose deverá ser considerada para os medicamentos concomitantes que sejam substratos de CYP2C19 sensíveis ou que tenham um índice terapêutico estreito. Devido ao potencial de inibição de actividade enzimática, a redução da dose de substratos de UGT1A9, UGT2B7, CYP2C8, e CYP2C9 deverá ser considerada, conforme clinicamente relevante, caso sejam observadas reações adversas quando administrados concomitantemente com canabidiol. Devido ao potencial da indução e da inibição de actividade enzimática, deverá considerar-se o ajuste da dose de substratos de CYP1A2 e CYP2B6, conforme clinicamente adequado. - Teofilina
Usar com precaução

Rifampicina + Trimetoprim + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: interacção com a enzima citocromo P-450: levando em consideração que a rifampicina possui propriedades indutoras de certas enzimas do citocromo P-450, a administração concomitante de Rifampicina / Trimetoprim com outros medicamentos que são metabolizados por essas enzimas do citocromo P-450 pode acelerar o metabolismo e reduzir a actividade desses medicamentos. Portanto, deve ser usado com cautela quando Rifampicina / Trimetoprim é prescrito com medicamentos metabolizados pelo citocromo P-450. Para manter níveis terapêuticos adequados no sangue, a dosagem do medicamento metabolizado por essas enzimas pode exigir um ajuste da dose, tanto no início quanto no final do tratamento concomitante com Rifampicina / Trimetoprim. Exemplos de drogas metabolizadas pelas enzimas do citocromo P-450 são: anticonvulsivantes (por exemplo, fenitoína), antiarrítmicos (por exemplo, disopiramida, mexiletina, quinidina, propafenona, tocainida), estrógenos (por exemplo, tamoxifeno, toremifeno), antipsicóticos (por por exemplo, haloperidol), anticoagulantes orais (por exemplo, varfarina), antifúngicos (por exemplo, fluconazol, itraconazol, cetoconazol), medicamentos antirretrovirais (por exemplo, zidovudina, saquinavir, indinavir, efavirenz), barbitúricos, bloqueadores beta-adrenérgicos, benzodiazepínicos por exemplo, diazepam), medicamentos relacionados à benzodiazepina (por exemplo, zopiclona, zolpidem), bloqueadores dos canais de cálcio (por exemplo, diltiazem, nifedipina, verapamil), cloranfenicol, claritromicina, corticosteróides, glicosídeos cardíacos, clofibrato, contraceptivos hormonais, dapsona, doxiciclina, estrogénios, fluoroquinolonas, gestrinona, agentes hipoglicémicos orais (sulfonilureias), agentes imunossupressores (por exemplo, ciclosporina, tacrolimus), irinotecano, levotiroxina, losartan, analgésicos narcóticos, metadona, praziquantel, progestinas, quinina, riluzol, receptor antagonista seletivo de 5-HT3 (por exemplo, ondansetrona) estatinas metabolizadas pelo CYP 3A4, telitromicina, teofilina, tiazolidonas (por exemplo, rosiglitazona), antidepressivos tricíclicos (por exemplo, amitriptilina, nortriptilina). - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Diazepam + Fenitoína + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: Drogas que podem ter o seu efeito diminuído pela fenitoína: contraceptivos contendo estrógenos, corticosteróides, corticotropina (ACTH), estrógenos, teofilina, digoxina, furosemida, vitamina A. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Mebendazol + Tiabendazol + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: Devido a presença do tiabendazol na fórmula de Mebendazol + Tiabendazol (substâncias ativas), o seu uso concomitante com teofilina potencializa os efeitos desta. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cambendazol + Mebendazol + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: Derivados xantínicos (aminofilina, teobromina, teofilina): O uso concomitante com o cambendazol pode aumentar os níveis séricos dos xantínicos e consequentemente a acção tóxica destas substâncias. - Teofilina
Usar com precaução

Cloreto de potássio + Furosemida + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: Medicamento – Medicamento Associações a considerar Teofilina ou relaxantes musculares do tipo curare. Os efeitos destes fármacos podem aumentar quando administrados com furosemida. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Propranolol + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: O clearance de teofilina é reduzido quando usada concomitantemente com propranolol. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Propranolol + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: O clearance de teofilina é reduzido quando usada concomitantemente com propranolol. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ciclobenzaprina + Cafeína + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: A cafeína aumenta a concentração e toxicidade da teofilina, podendo gerar náuseas, vómitos, taquicardia e convulsões. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Cafeína + Dimenidrinato + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: interacções devidas à cafeína: Reduz a excreção de teofilina e aumenta o potencial de dependência de substâncias semelhantes à efedrina. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Prednisolona + Clorfenamina + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: Prednisolona com: Teofilina: Aumento dos níveis sanguíneos de teofilina, permitindo intoxicação pela teofilina. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Dextrometorfano + Fenilpropanolamina + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: Cafeína / teofilina A fenilpropanolamina pode aumentar a concentração plasmática de cafeína e teofilina, aumentando a seus efeitos estimulantes (nervosismo, irritabilidade, insónia, tremor). - Teofilina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Guaraná + Teofilina

Observações: Devido ao elevado teor de cafeína, guaraná poderá potencialmente interagir com o lítio, clozapina e teofilina.
Interações: Indicações/Ações terapêuticas: astenia e como estimulante do Sistema Nervoso Central. Padronização/Marcador: trimetilxantinas (Cafeína) [dose diária: 15 a 70 mg de cafeína].

Interações medicamentosas: Potencia a ação de analgésicos e, quando administrado com anticoagulantes, poderá inibir a agregação de plaquetas aumentando o risco de sangramento.
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Teofilina + Tabaco (fumadores, Tabagismo)

Observações: N.D.
Interações: A depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas em casos de administração concomitante com as substâncias seguintes: - Barbiturícos, por exemplo fenobarbital, pentobarbital e primidona, - Carbamazepina, - Fenitoína e fosfenitoína, - Rifampicina e rifapentina, - Sulfinpirazona, - Preparações contendo hipericão (medicamentos à base de Erva de São João) Nos fumadores, a depuração da teofilina poderá ser aumentada e/ou a sua biodisponibilidade e eficácia reduzidas. Em alguns casos, poderá ser necessário um aumento da dose de teofilina. - Tabaco (fumadores, Tabagismo)
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações da Teofilina
Siga as instruções na etiqueta da prescrição.

Não tome teofilina em quantidades maiores ou menores ou por mais tempo do que o recomendado.

O seu médico poderá alterar a sua dose para ter certeza que obtém os melhores resultados.

Não use teofilina para tratar um ataque de asma ou broncoespasmo.

Use apenas um inalador de acção rápida.

A sua dose e o número de vezes que toma teofilina diária vai depender do motivo que está a tomar este medicamento.

As suas necessidades de dosagem pode mudar se estiver doente ou se o seu médico mudar a sua marca, a força ou o tipo de teofilina.

Vai precisar de exames médicos regulares para ter certeza de que está a usar a dose certa.

Não altere a sua dose de medicação ou horário sem consultar o seu médico.

Tome este medicamento com um copo cheio de água.

Siga as instruções do seu médico sobre a possibilidade de tomar a sua medicação com alimentos ou com o estômago vazio.

Tome sempre a medicação da mesma forma.

Não esmague, mastigue, quebre ou abra um comprimido de libertação prolongada ou cápsula. Engula-o inteiro.

Romper ou abrir a cápsula pode muita quantidade de substância ser libertada de uma só vez.

Doseie o medicamento líquido com um copo doseador próprio ou colher e não com uma colher de mesa normal.

Se não tiver um doseador próprio peça ao seu farmacêutico.

Este medicamento pode afectar os resultados de certos exames médicos.

Informe qualquer médico que o trata de que está a tomar teofilina.

Não iniciar ou pare de fumar sem primeiro falar com o seu médico.

Fumar muda a forma como o corpo reage a teofilina, e poderá precisar de usar uma dose diferente.

Armazenar à temperatura ambiente longe da humidade, calor e luz.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 26 de Novembro de 2020