Tacrolímus

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática Uso Hospitalar DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
O tacrolímus é um imunossupressor altamente potente e demonstrou a sua atividade tanto em experiências in vitro como in vivo.

O tacrolímus inibe, especialmente, a formação de linfócitos citotóxicos que são responsáveis sobretudo pela rejeição de transplantes.

O tacrolímus suprime a ativação das células T e a proliferação das células B dependente das células T-Helper, assim como a formação de linfocinas (como a interleucina-2 e interleucina-3 e o interferão γ) e a expressão dos recetores da interleucina-2.


Tacrolimus é uma lactona macrolídea isolada de culturas da bactéria Streptomyces tsukubaensis
Usos comuns
O tacrolímus pertence a um grupo de medicamentos chamados imunossupressores.

Após ser submetido a um transplante de órgão (por exemplo, fígado, rim, coração), o sistema de defesa do seu organismo tentará rejeitar o novo órgão.

O tacrolímus é utilizado para prevenir a rejeição de órgãos recentemente transplantados.


O tacrolímus também pode ser prescrito para tratar a rejeição de um órgão transplantado.


Se tem tomado medicamentos para prevenir a rejeição e se estes não forem suficientemente eficazes, o seu médico mudará o seu tratamento, começando a tratá-lo com tacrolímus.
Tipo
pequena molécula
História
O tacrolimus foi descoberto em 1984, que foi um dos primeiros imunossupressores macrolídeos descobertos, precedido pela descoberta de rapamicina (Sirolimus) em Rapa Nui (Ilha de Páscoa), em 1975.

Ele é produzido por um tipo de bactéria do solo, Streptomyces tsukubaensis.

O nome do tacrolimus é derivado de 'Tsukuba macrolídeo imunossupressor.

Tacrolimus foi aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) em 1994 para uso em transplante de fígado, o que foi estendido para incluir rim, coração, intestino delgado, pâncreas, pulmão, traquéia, pele, córnea, medula óssea e transplante de limbo.
Indicações
Profilaxia da rejeição do transplante nos receptores do transplante alogénico de fígado, rim ou coração.


Tratamento da rejeição do transplante alogénico resistente às terapêuticas com outros medicamentos imunossupressores.
Classificação CFT
13.08.05     Imunomoduladores de uso tópico 16.03     IMUNOMODULADORES
Mecanismo De Ação
A nível molecular, os efeitos do tacrolímus parecem ser mediados pela ligação a uma proteína citosólica (FKBP12), responsável pela acumulação intracelular do composto.

O complexo FKBP12-tacrolímus liga-se de forma específica e competitiva à calcineurina, inibindo-a, conduzindo à inibição cálcio-dependente das vias de transdução do sinal das células T, prevenindo desse modo a transcrição de um conjunto distinto de genes de linfoquina.

O tacrolímus é um agente imunossupressor altamente potente e demonstrou a sua atividade tanto em experiências in vitro como in vivo.

Em particular, o tacrolímus inibe a formação de linfócitos citotóxicos que são principalmente responsáveis pela rejeição de transplantes.

O tacrolímus suprime a ativação das células T e a proliferação das células B induzida pelas células T-Helper, assim como a formação de linfoquinas (como as interleuquinas-2, -3 e o interferão γ) e a expressão dos receptores da interleuquina-2.

Sendo Tacrolímus uma substância de margem terapêutica estreita, ou seja, os limites entre a dose terapêutica e a tóxica ou inadequada são muito curtos e podendo advir consequências clínicas de um tratamento excessivo ou inadequado, a sua utilização ou a troca por um medicamento similar deve ser sempre acompanhada pelo médico.
Posologia Orientativa
A dose inicial de Tacrolímus para prevenir a rejeição do seu órgão transplantado será decidida pelo seu médico e estará relacionada com o seu peso corporal.


Habitualmente, a primeira dose logo após a transplantação será de 0,075 mg a 0,30 mg por kg do peso corporal por dia, dependendo do órgão transplantado.


A sua dose dependerá do seu estado geral e de outros medicamentos imunossupressores que esteja a utilizar.


O seu médico deverá efetuar análises regulares ao sangue para determinar a dose correta e, de vez em quando, para a ajustar.

Normalmente, o seu médico reduzirá a dose de Tacrolímus Accord quando a sua condição estabilizar.


O seu médico dir-lhe-á o número exato de cápsulas de tacrolímus que tem de tomar e com que frequência.



Tacrolímus é administrado duas vezes por dia, normalmente de manhã e à noite.
Administração
A terapêutica com tacrolímus requer uma monitorização cuidadosa por pessoal adequadamente equipado e qualificado.


Somente médicos com experiência na terapêutica imunossupressora e no controlo de doentes transplantados devem prescrever este medicamento, bem como fazer alterações na terapêutica imunossupressora prescrita inicialmente.


Tacrolímus é administrado duas vezes por dia, normalmente de manhã e à noite.


Geralmente, deve tomar tacrolímus com o estômago vazio ou pelo menos 1 hora antes, ou 2 a 3 horas após as refeições.


Deve engolir com um líquido (de preferência água).
Contraindicações
Hipersensibilidade ao tacrolímus ou a outros macrólidos.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Efeitos secundários muito frequentes (podem afectar mais de 1 em 10 pessoas a tomar tacrolímus):
- aumento do açúcar no sangue
- diabetes mellitus
- aumento do potássio no sangue
- dificuldade em dormir
- tremores
- dores de cabeça
- aumento da tensão arterial
- diarreia
- náuseas
- problemas renais.

Efeitos secundários frequentes (podem afectar até 1 em 10 pessoas a tomar tacrolímus):
- diminuição das contagens de células do sangue (plaquetas, glóbulos vermelhos ou brancos), aumento das contagens de glóbulos brancos, alterações nas contagens de glóbulos vermelhos
- diminuição de magnésio, fosfato, potássio, cálcio ou sódio no sangue, sobrecarga de fluidos, aumento do ácido úrico ou dos lípidos no sangue, diminuição do apetite, aumento da acidez do sangue, outras alterações nos sais sanguíneos
- sintomas de ansiedade, confusão e desorientação, alterações do humor, pesadelos, perturbações mentais
- convulsões, perturbações da consciência, formigueiros e dormência (por vezes, dolorosos) nas mãos e pés, tonturas, perturbações na capacidade de escrever, doenças do sistema nervoso
- visão pouco nítida, aumento da sensibilidade à luz
- zumbido nos ouvidos
- diminuição do fluxo de sangue nos vasos cardíacos, batimentos cardíacos mais rápidos
- hemorragia, bloqueio completo ou parcial dos vasos sanguíneos, diminuição da tensão arterial
- falta de ar, alterações do tecido pulmonar, acumulação de líquido à volta dos pulmões, inflamação da faringe, tosse, sintomas de tipo gripal
- inflamações ou úlceras que causam dor abdominal ou diarreia, hemorragia no estômago, inflamações ou úlceras na boca, acumulação de líquidos no abdómen, vómitos, dor abdominal, indigestão, prisão de ventre, flatulência, distensão abdominal, fezes moles, problemas de estômago
- alterações da função e enzimas hepáticas, cor amarelada da pele devido a problemas hepáticos, lesões do tecido hepático e inflamação do fígado
- prurido, erupções cutâneas, queda de cabelo e pêlos, acne, aumento da transpiração
- dor nas articulações, membros ou costas, cãibras musculares
- função deficiente dos rins, diminuição da produção de urina, micção dolorosa ou alterada
- fraqueza geral, febre, acumulação de fluidos no corpo, dor e desconforto, aumento da enzima fosfatase alcalina no sangue, aumento de peso, perturbação da sensação de temperatura

- função insuficiente do órgão transplantado.

Efeitos secundários pouco frequentes (podem afectar até 1 em 100 pessoas a tomar tacrolímus):
- alterações da coagulação do sangue, diminuição das contagens de todas as células do sangue
- desidratação, diminuição de proteínas ou açúcar no sangue, aumento do fosfato no sangue
- coma, hemorragias cerebrais, acidente vascular cerebral, paralisia, doenças cerebrais, perturbações da fala e comunicação, problemas de memória
- opacidade do cristalino
- audição deficiente
- batimentos cardíacos irregulares, paragem dos batimentos cardíacos, diminuição do desempenho cardíaco, perturbações do músculo cardíaco, aumento do músculo cardíaco, batimentos cardíacos mais fortes, electrocardiograma anormal, frequência cardíaca e pulso anormais
- coágulo sanguíneo numa veia de um membro, choque
- dificuldade em respirar, doenças das vias respiratórias, asma
- obstrução do intestino, aumento do nível sanguíneo da enzima amilase, refluxo do conteúdo do estômago para a garganta, atraso no esvaziamento gástrico
- dermatite, sensação de ardor à luz solar
- perturbações articulares
- incapacidade de urinar, dor menstrual e menstruações anormais
- falência de alguns órgãos, sintomas de tipo gripal, aumento da sensibilidade ao calor e ao frio, sensação de pressão no peito, sensação de agitação, sensação anormal, aumento da enzima desidrogenase láctica no sangue, perda de peso.

Efeitos secundários raros (podem afectar entre 1 e 10 em cada 10.000 pessoas a tomar tacrolímus):
- pequenas hemorragias na pele devido a coágulos sanguíneos
- aumento da rigidez muscular
- acumulação de fluidos à volta do coração
- cegueira
- surdez (audição deficiente)
- falta súbita de ar
- formação de quistos no pâncreas
- problemas com o fluxo sanguíneo no fígado
- aumento de pêlos
- doença grave com formação de bolhas na pele, boca, olhos e órgãos genitais
- sede
- sensação de aperto no peito
- diminuição da mobilidade
- úlcera

Efeitos secundários muito raros (podem afectar menos do que 1 em cada 10.000 pessoas a tomar tacrolímus):
- fraqueza muscular
- ecocardiograma anormal
- insuficiência hepática
- aperto dos canais biliares
- micção dolorosa com sangue na urina
- aumento do tecido adiposo.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Toxicidade em estudos animais; evitar. Risco fetal desconhecido, por falta de estudos alargados.
Aleitamento
Aleitamento:Evitar; excretado no leite após administração sistémica.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Redução posológica.
Precauções Gerais
Durante o período inicial pós-transplantação, a monitorização dos seguintes parâmetros deve ser efetuada por rotina: tensão arterial, ECG, estado neurológico e visual, glicemia em jejum, eletrólitos (especialmente o potássio), provas da função hepática e renal, parâmetros hematológicos, valores da coagulação e determinações das proteínas plasmáticas.

Se forem observadas alterações clinicamente relevantes, deve considerar-se o ajuste do regime imunossupressor.


Observaram-se erros de medicação, incluindo a substituição inadvertida, involuntária ou não supervisionada de formulações de tacrolímus de libertação imediata ou de libertação prolongada.

Estes causaram acontecimentos adversos graves, incluindo rejeição do transplante, ou outros efeitos secundários que podem resultar numa exposição insuficiente ou excessiva ao tacrolímus.

Os doentes devem ser mantidos apenas numa formulação de tacrolímus com o esquema posológico diário correspondente; alterações das formulações ou do esquema posológico só devem ser implementadas sob a supervisão cuidadosa de um especialista de transplantação.


Devem ser evitadas preparações à base de plantas contendo hipericão (Hypericum perforatum) ou outras preparações à base de plantas durante o tratamento com Tacrolímus, devido ao risco de interações que produzem a diminuição das concentrações sanguínea de tacrolímus e a redução do seu efeito clínico.

Como os níveis de tacrolímus no sangue podem sofrer alterações significativas durante episódios de diarreia, recomenda-se a monitorização suplementar das concentrações de tacrolímus durante episódios de diarreia.


Deve evitar-se a administração concomitante de ciclosporina e tacrolímus e devem tomar-se precauções quando o tacrolímus é administrado a doentes medicados previamente com ciclosporina.


Observaram-se casos raros de hipertrofia ventricular ou de hipertrofia do septo, que foram notificadas como cardiomiopatias.


A maioria dos casos foi reversível e ocorreram principalmente em crianças com concentrações sanguíneas mínimas de tacrolímus muito superiores aos níveis máximos recomendados.

Outros fatores, que se observou aumentarem o risco destas condições clínicas, incluíram a existência prévia de doença cardíaca, uso de corticosteroides, hipertensão, disfunção renal ou hepática, infeções, sobrecarga hídrica e edema.

Consequentemente, os doentes em alto risco, especialmente crianças pequenas e doentes submetidos a terapêutica imunossupressora substancial, devem ser monitorizados utilizando métodos como ecocardiografia ou ECG pré e pós-transplante (ex., inicialmente ao fim de três meses e depois ao fim de 9-12 meses).

No caso de se desenvolverem anomalias, deve considerar-se a diminuição da dose da terapêutica com Tacrolímus ou a mudança do tratamento para outro imunossupressor.

O tacrolímus pode prolongar o intervalo QT, no entanto, até à data, não existe evidência substancial de que cause torsades de pointes.

Devem tomar-se precauções em doentes com síndrome congénita de QT longo.


Foi notificado que doentes tratados com Tacrolímus desenvolveram doenças linfoproliferativas associadas ao vírus de Epstein-Barr (EBV).

Os doentes cuja terapêutica foi substituída pela terapêutica com Tacrolímus não devem ser medicados concomitantemente com tratamento antilinfocitário.

Foi notificado que crianças muito jovens (< 2 anos) EBV-VCA-negativas têm um risco acrescido de desenvolvimento de doenças linfoproliferativas.


Portanto, neste grupo de doentes, a serologia EBV-VCA deve ser verificada antes do início do tratamento com tacrolímus.

Durante o tratamento, recomenda-se que seja efetuada a monitorização cuidadosa com a reação em cadeia da polimerase para o EBV (EBV-PCR).

Um resultado positivo com a EBV-PCR pode persistir durante alguns meses e, por si só, não é indicativo de doença linfoproliferativa ou de linfoma.


Foi notificado que os doentes tratados com Tacrolímus desenvolveram síndrome de encefalopatia reversível posterior (PRES - Posterior Reversible Encephalopathy Syndrome).

Se os doentes medicados com tacrolímus apresentarem sintomas indicativos de PRES como cefaleias, alteração do estado mental, crises convulsivas e perturbações visuais, deve ser efetuado um exame radiológico (ex., Imagiologia de Ressonância Magnética).

Aconselha-se o controlo adequado da tensão arterial e das crises convulsivas e a interrupção imediata de tacrolímus sistémico caso seja diagnosticada a PRES.

A maioria dos doentes recuperou completamente após serem tomadas as medidas apropriadas.



Aplasia eritrocitária pura
Foram notificados casos de aplasia eritrocitária pura em doentes tratados com tacrolímus.


Todos os doentes referiram fatores de risco de aplasia eritrocitária pura como, por exemplo, infeção por parvovírus B19, doença subjacente ou medicações concomitantes associadas a aplasia eritrocitária pura.


Os doentes tratados com imunossupressores, incluindo o tacrolímus, estão em risco acrescido de infeções oportunistas (bacterianas, fúngicas, virais e protozoárias).

Entre estas afeções incluem-se a nefropatia associada ao vírus BK e a leucoencefalopatia multifocal progressiva associada ao vírus JC.

Estas infeções estão muitas vezes relacionadas com uma carga imunossupressora total elevada e podem causar condições graves ou fatais, que os médicos devem considerar no diagnóstico diferencial em doentes imunossuprimidos com deterioração da função renal ou com sintomas neurológicos.


Como com outros imunossupressores e devido ao risco potencial de alterações cutâneas malignas, a exposição à luz solar e luz UV deve ser limitada através do uso de vestuário de proteção e um protetor solar com fator de proteção elevado.


Como com outros compostos imunossupressores potentes, o risco de cancro secundário é desconhecido
Cuidados com a Dieta
Geralmente, deve tomar Tacrolímus com o estômago vazio ou pelo menos 1 hora antes, ou 2 a 3 horas após as refeições.

Não deve comer toranja ou beber sumo de toranja durante o tratamento com Tacrolímus.
Terapêutica Interrompida
Não tome uma dose a dobrar para compensar a dose que se esqueceu de tomar.


No caso de se ter esquecido de tomar as cápsulas de Tacrolímus, aguarde até ser a altura de tomar a dose seguinte, e depois continue como é habitual.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.


Conservar a temperatura inferior a 25°C.

Conservar na embalagem de origem para proteger da humidade.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Ramipril + Hidroclorotiazida + Tacrolímus

Observações: n.d.
Interações: Precauções de utilização: Sais de potássio, heparina, diuréticos poupadores de potássio e outras substâncias activas que aumentam o potássio plasmático (incluindo antagonistas da Angiotensina II, trimetoprim, tacrolimus, ciclosporina): Pode ocorrer hipercaliemia; consequentemente é necessário efectuar uma monitorização cuidada dos níveis de potássio séricos.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Corticosteroides

Observações: n.d.
Interações: Indutores do metabolismo: As substâncias a seguir indicadas demonstraram diminuir clinicamente os níveis sanguíneos de tacrolímus: Fortes interações foram observadas com rifampicina, fenitoína ou hipericão (Hypericum perforatum) o que pode requerer o aumento das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Foram reportadas interações clínicas relevantes com o fenobarbital. As doses de manutenção com corticosteróides demonstraram poder reduzir os níveis sanguíneos de tacrolímus. Doses elevadas de prednisolona ou metilprednisolona, administradas para o tratamento da rejeição aguda, têm o potencial de aumentar ou diminuir os níveis sanguíneos de tacrolímus. A carbamazepina, metamizol e isoniazida têm potencial para diminuir as concentrações de tacrolímus.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Carbamazepina

Observações: n.d.
Interações: Indutores do metabolismo: As substâncias a seguir indicadas demonstraram diminuir clinicamente os níveis sanguíneos de tacrolímus: Fortes interações foram observadas com rifampicina, fenitoína ou hipericão (Hypericum perforatum) o que pode requerer o aumento das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Foram reportadas interações clínicas relevantes com o fenobarbital. As doses de manutenção com corticosteróides demonstraram poder reduzir os níveis sanguíneos de tacrolímus. Doses elevadas de prednisolona ou metilprednisolona, administradas para o tratamento da rejeição aguda, têm o potencial de aumentar ou diminuir os níveis sanguíneos de tacrolímus. A carbamazepina, metamizol e isoniazida têm potencial para diminuir as concentrações de tacrolímus.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Metamizol sódico

Observações: n.d.
Interações: Indutores do metabolismo: As substâncias a seguir indicadas demonstraram diminuir clinicamente os níveis sanguíneos de tacrolímus: Fortes interações foram observadas com rifampicina, fenitoína ou hipericão (Hypericum perforatum) o que pode requerer o aumento das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Foram reportadas interações clínicas relevantes com o fenobarbital. As doses de manutenção com corticosteróides demonstraram poder reduzir os níveis sanguíneos de tacrolímus. Doses elevadas de prednisolona ou metilprednisolona, administradas para o tratamento da rejeição aguda, têm o potencial de aumentar ou diminuir os níveis sanguíneos de tacrolímus. A carbamazepina, metamizol e isoniazida têm potencial para diminuir as concentrações de tacrolímus.

Dronedarona + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Efeito da dronedarona nos outros medicamentos: Interação com medicamentos metabolizados pelo CYP3A4: Imunossupressores: A dronedarona poderá aumentar as concentrações plasmáticas dos Imunossupressores (tacrolimus, sirolimus, everolimus e ciclosporina). No caso de administração concomitante de dronedarona, recomenda-se a monitorização das concentrações plasmáticas e um ajuste de dose apropriado destes medicamentos.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Isoniazida

Observações: n.d.
Interações: Indutores do metabolismo: As substâncias a seguir indicadas demonstraram diminuir clinicamente os níveis sanguíneos de tacrolímus: Fortes interações foram observadas com rifampicina, fenitoína ou hipericão (Hypericum perforatum) o que pode requerer o aumento das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Foram reportadas interações clínicas relevantes com o fenobarbital. As doses de manutenção com corticosteróides demonstraram poder reduzir os níveis sanguíneos de tacrolímus. Doses elevadas de prednisolona ou metilprednisolona, administradas para o tratamento da rejeição aguda, têm o potencial de aumentar ou diminuir os níveis sanguíneos de tacrolímus. A carbamazepina, metamizol e isoniazida têm potencial para diminuir as concentrações de tacrolímus.

Bosutinib + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Deve ter-se precaução no caso de uma administração de bosutinib com medicamentos que sejam substratos da glicoproteína-P (gp-P). Um estudo in vitro sugere que o bosutinib pode aumentar as concentrações plasmáticas de medicamentos que sejam substratos da gp-P, tais como digoxina, colchicina, tacrolimus e quinidina; agentes quimioterapêuticos, tais como etoposido, doxorrubicina e vinblastina; agentes imunossupressores; glucocorticoides como a dexametasona; agentes de terapêutica antiretroviral do HIV-tipo 1 como, por exemplo, inibidores da protease e inibidores não nucleósidos da transcriptase reversa.

Saquinavir + Tacrolímus

Observações: A maioria dos estudos de interação medicamentosa com saquinavir foi desenvolvida com saquinavir não potenciado ou com saquinavir cápsulas moles não potenciado. Um número reduzido de estudos foi desenvolvido com saquinavir potenciado com ritonavir ou com saquinavir cápsulas moles potenciado com ritonavir. Os dados obtidos a partir dos estudos de interação medicamentosa realizados com saquinavir não potenciado podem não ser representativos dos efeitos observados com a terapêutica de saquinavir/ritonavir. Adicionalmente, os resultados observados com saquinavir cápsulas moles podem não ser preditivos relativamente à magnitude destas interações com saquinavir/ritonavir.
Interações: Medicamentos que são substrato da glicoproteína-P: Imunossupressores: Tacrolímus: O tacrolímus é um substrato do CYP3A4 e da glicoproteína-P. É expectável que o uso concomitante de tacrolímus e saquinavir/ritonavir aumente os níveis plasmáticos de tacrolímus. O tacrolímus pode estar associado a torsades de pointes. Contraindicado em associação com saquinavir/ritonavir devido ao risco de arritmias cardíacas potencialmente fatais.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Tacrolímus + Prednisolona

Observações: n.d.
Interações: Indutores do metabolismo: As substâncias a seguir indicadas demonstraram diminuir clinicamente os níveis sanguíneos de tacrolímus: Fortes interações foram observadas com rifampicina, fenitoína ou hipericão (Hypericum perforatum) o que pode requerer o aumento das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Foram reportadas interações clínicas relevantes com o fenobarbital. As doses de manutenção com corticosteróides demonstraram poder reduzir os níveis sanguíneos de tacrolímus. Doses elevadas de prednisolona ou metilprednisolona, administradas para o tratamento da rejeição aguda, têm o potencial de aumentar ou diminuir os níveis sanguíneos de tacrolímus. A carbamazepina, metamizol e isoniazida têm potencial para diminuir as concentrações de tacrolímus.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Tacrolímus + Metilprednisolona

Observações: n.d.
Interações: Indutores do metabolismo: As substâncias a seguir indicadas demonstraram diminuir clinicamente os níveis sanguíneos de tacrolímus: Fortes interações foram observadas com rifampicina, fenitoína ou hipericão (Hypericum perforatum) o que pode requerer o aumento das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Foram reportadas interações clínicas relevantes com o fenobarbital. As doses de manutenção com corticosteróides demonstraram poder reduzir os níveis sanguíneos de tacrolímus. Doses elevadas de prednisolona ou metilprednisolona, administradas para o tratamento da rejeição aguda, têm o potencial de aumentar ou diminuir os níveis sanguíneos de tacrolímus. A carbamazepina, metamizol e isoniazida têm potencial para diminuir as concentrações de tacrolímus.

Tacrolímus + Ciclosporina

Observações: n.d.
Interações: Efeito do tacrolímus no metabolismo de outros medicamentos: O tacrolímus é um conhecido inibidor do CYP3A4; deste modo, o uso concomitante de tacrolímus com medicamentos que sejam metabolizados pelo CYP3A4 pode afectar o metabolismo de tais medicamentos. A semi-vida da ciclosporina é prolongada quando administrada concomitantemente com tacrolímus. Além disso, podem ocorrer efeitos nefrotóxicos sinérgicos/aditivos. Por estas razões, não é recomendada a administração combinada de ciclosporina e tacrolímus devendo ser tomadas as devidas precauções aquando da administração de tacrolímus a doentes previamente submetidos a terapêutica com ciclosporina.

Hidroclorotiazida + Amilorida + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Interações com amilorida: Tacrolimus: O fabricante relata que o uso de tacrolimus resultou em hipercaliémia média a severa em ensaios clínicos. Portanto, o uso de diuréticos poupadores de potássio, como o amiloride, não deve ser usado em doentes sob terapia com tacrolimus.

Tacrolímus + Anticoncecionais

Observações: n.d.
Interações: Efeito do tacrolímus no metabolismo de outros medicamentos: Como o tacrolímus pode reduzir a depuração de contracetivos esteróides levando a um aumento da exposição à hormona, devem ser tomadas precauções especiais antes da decisão sobre qualquer medida contraceptiva.

Tacrolímus + Estatinas

Observações: n.d.
Interações: Efeito do tacrolímus no metabolismo de outros medicamentos: Os dados disponíveis sugerem que a farmacocinética das estatinas não sofre alteração pela co-administração de tacrolímus.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Tacrolímus + Pentobarbital

Observações: n.d.
Interações: Efeito do tacrolímus no metabolismo de outros medicamentos: Dados em animais demonstraram que o tacrolímus pode diminuir potencialmente a depuração e aumentar a semi-vida do pentobarbital e da fenazona.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Tacrolímus + Fenazona

Observações: n.d.
Interações: Efeito do tacrolímus no metabolismo de outros medicamentos: Dados em animais demonstraram que o tacrolímus pode diminuir potencialmente a depuração e aumentar a semi-vida do pentobarbital e da fenazona.

Clofarabina + Tacrolímus

Observações: Não foram realizados estudos formais de interação com a clofarabina até à data. No entanto, não se conhecem interações clinicamente significativas com outros medicamentos ou testes laboratoriais. A clofarabina não é metabolizada, notoriamente, pelo sistema enzimático do citocromo P450 (CYP). Por conseguinte, é improvável que interaja com substâncias ativas que inibam ou induzam as enzimas do citocromo P450. Além disso, é improvável que a clofarabina iniba qualquer uma das 5 principais isoformas humanas do CYP (1A2, 2C9, 2C19, 2D6 e 3A4) ou induza 2 destas isoformas (1A2 e 3A4), nas concentrações plasmáticas obtidas após a perfusão intravenosa de 52 mg/m2/dia. Como resultado, não é esperado que afete o metabolismo de substâncias ativas, que sejam substratos conhecidos para estas enzimas.
Interações: A clofarabina é excretada, predominantemente, pelo rim. Portanto, o uso concomitante de medicamentos, que estejam associados a toxicidade renal e os que são eliminados por secreção tubular, como AINEs, anfotericina B, metotrexato, aminosidas, organoplatinas, foscarnet, pentamidina, ciclosporina, tacrolimus, aciclovir e valganciclovir devem ser evitados particularmente durante os 5 dias do período de administração da clofarabina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Nefrotóxicos

Observações: n.d.
Interações: Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: O uso concomitante de tacrolímus com medicamentos com efeitos nefrotóxicos ou neurotóxicos conhecidos poderá aumentar os níveis de toxicidade (por exemplo, os aminoglicosidos, os inibidores da girase, a vancomicina, o sulfametoxazol / trimetoprim, os AINEs, o ganciclovir ou o aciclovir).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Neurotóxicos

Observações: n.d.
Interações: Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: O uso concomitante de tacrolímus com medicamentos com efeitos nefrotóxicos ou neurotóxicos conhecidos poderá aumentar os níveis de toxicidade (por exemplo, os aminoglicosidos, os inibidores da girase, a vancomicina, o sulfametoxazol / trimetoprim, os AINEs, o ganciclovir ou o aciclovir).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bisoprolol + Perindopril + Tacrolímus

Observações: Num estudo de interação conduzido em voluntários sãos, não foram observadas interações entre o bisoprolol e o perindopril.
Interações: Medicamentos que induzem hipercaliemia: Alguns medicamentos ou classes terapêuticas podem aumentar a ocorrência de hipercaliemia: Aliscireno, sais de potássio, diuréticos poupadores de potássio, IECAs, antagonistas dos recetores da angiotensina- II, AINEs, heparinas, imunossupressores, tais como a ciclosporina ou tacrolímus, trimetoprim. A combinação com estes medicamentos aumenta o risco de hipercaliemia.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Aminoglicosídeos

Observações: n.d.
Interações: Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: O uso concomitante de tacrolímus com medicamentos com efeitos nefrotóxicos ou neurotóxicos conhecidos poderá aumentar os níveis de toxicidade (por exemplo, os aminoglicosidos, os inibidores da girase, a vancomicina, o sulfametoxazol / trimetoprim, os AINEs, o ganciclovir ou o aciclovir).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Vancomicina

Observações: n.d.
Interações: Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: O uso concomitante de tacrolímus com medicamentos com efeitos nefrotóxicos ou neurotóxicos conhecidos poderá aumentar os níveis de toxicidade (por exemplo, os aminoglicosidos, os inibidores da girase, a vancomicina, o sulfametoxazol / trimetoprim, os AINEs, o ganciclovir ou o aciclovir).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: n.d.
Interações: Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: O uso concomitante de tacrolímus com medicamentos com efeitos nefrotóxicos ou neurotóxicos conhecidos poderá aumentar os níveis de toxicidade (por exemplo, os aminoglicosidos, os inibidores da girase, a vancomicina, o sulfametoxazol / trimetoprim, os AINEs, o ganciclovir ou o aciclovir).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de cálcio + Cloreto de potássio + Cloreto de sódio + Lactato de sódio + Tacrolímus

Observações: População pediátrica: Não existem características especiais.
Interações: A administração desta associação de acordo com as indicações e contraindicações recomendadas não eleva as concentrações plasmáticas dos eletrólitos que a solução contém. Em caso de aumento da concentração de qualquer eletrólito devido a outras causas as seguintes interações devem ser consideradas. Relacionadas com POTÁSSIO: O suxametónio, diuréticos poupadores de potássio (amilorida, espironolactona, triamterene, isolados ou em combinação), Inibidores da ECA (p.ex. captopril, enalapril), antagonistas dos recetores da Angiotensina II (p.ex. valsartan, losartan), tacrolimus, ciclosporina podem aumentar a concentração de potássio no plasma e conduzir a hipercalemia potencialmente fatal em particular em caso de falência renal que aumenta o efeito hipercalémico.

Darunavir + Tacrolímus

Observações: O perfil de interação do darunavir pode variar dependendo se é utilizado o ritonavir ou o cobicistate como fármacos potenciadores. As recomendações dadas para a utilização concomitante de darunavir e outros medicamentos podem por isso variar dependendo se darunavir é potenciado com ritonavir ou com cobicistate, e é também necessária precaução durante o primeiro tempo de tratamento, se se substituir o fármaco potenciador de ritonavir para cobicistate.
Interações: IMUNOSSUPPRESSORES: Ciclosporina, Sirolímus, Tacrolímus: Não foi estudado. A exposição a estes imunossupressores aumentará quando estes fármacos são coadministrados com Darunavir potenciado. (inibição do CYP3A). Deve proceder-se à monitorização dos níveis terapêuticos do fármaco imunossupressor quando ocorrer esta coadministração.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: n.d.
Interações: Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: O uso concomitante de tacrolímus com medicamentos com efeitos nefrotóxicos ou neurotóxicos conhecidos poderá aumentar os níveis de toxicidade (por exemplo, os aminoglicosidos, os inibidores da girase, a vancomicina, o sulfametoxazol / trimetoprim, os AINEs, o ganciclovir ou o aciclovir). Considerações relativas à ligação às proteínas: O tacrolímus liga-se fortemente às proteínas plasmáticas. Devem ter-se em consideração possíveis interações com outros medicamentos com elevada afinidade para as proteínas plasmáticas (por exemplo, os AINEs, os anticoagulantes orais ou os antidiabéticos orais).

Tiotepa + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Utilização concomitante a ser tida em conta, Ciclosporina, tacrolímus: Imunossupressão excessiva com risco de linfoproliferação.

Anidulafungina + Tacrolímus

Observações: A anidulafungina não é um substrato indutor ou inibidor clinicamente relevante das isoenzimas do citocromo P450 (1A2, 2B6, 2C8, 2C9, 2C19, 2D6, 3A). De notar que os estudos in vitro não excluem por completo a possibilidade de interações in vivo. Foram realizados estudos de interação medicamentosa com a anidulafungina e outros fármacos passíveis de serem coadministrados. Apenas foram realizados estudos de interação em adultos.
Interações: Não é recomendado o ajuste da dose de nenhum dos fármacos quando a anidulafungina é coadministrada com a ciclosporina, voriconazol ou tacrolimus, e não é recomendado ajuste da dose de anidulafungina quando é coadministrada com anfotericina B ou rifampicina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Ganciclovir

Observações: n.d.
Interações: Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: O uso concomitante de tacrolímus com medicamentos com efeitos nefrotóxicos ou neurotóxicos conhecidos poderá aumentar os níveis de toxicidade (por exemplo, os aminoglicosidos, os inibidores da girase, a vancomicina, o sulfametoxazol / trimetoprim, os AINEs, o ganciclovir ou o aciclovir).

Darunavir + Cobicistate + Emtricitabina + Tenofovir alafenamida + Tacrolímus

Observações: Não foram realizados estudos de interação farmacológica com este medicamento. As interações que foram identificadas em estudos com componentes individuais de este medicamento, isto é, com darunavir (em associação uma dose baixa de ritonavir), cobicistate, emtricitabina ou tenofovir alafenamida, determinam as interações que podem ocorrer com este medicamento. As interações esperadas entre Darunavir + Cobicistate + Emtricitabina + Tenofovir alafenamida e potenciais medicamentos concomitantes são baseadas em estudos realizados com os componentes deste medicamento, como agentes individuais ou em associação, ou são interações medicamentosas potenciais que podem ocorrer. Os ensaios de interação com os componentes de este medicamento foram realizados apenas em adultos.
Interações: IMUNOSSUPRESSORES Ciclosporina Sirolímus Tacrolímus Tendo por base considerações teóricas, é expectável que DRV/COBI aumente as concentrações plasmáticas destes imunossupressores. (inibição do CYP3A) É esperadoquea administração concomitante de ciclosporina aumente a concentração plasmática de tenofovir alafenamida. (inibição da glicoproteína-P) É necessário realizar monitorização terapêutica do agente imunossupressor quando é efetuada uma administração concomitante com este medicamento.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Aciclovir

Observações: n.d.
Interações: Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: O uso concomitante de tacrolímus com medicamentos com efeitos nefrotóxicos ou neurotóxicos conhecidos poderá aumentar os níveis de toxicidade (por exemplo, os aminoglicosidos, os inibidores da girase, a vancomicina, o sulfametoxazol / trimetoprim, os AINEs, o ganciclovir ou o aciclovir).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Indapamida + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Associações a tomar em consideração: Ciclosporina, tacrolimus: Risco de creatinina plasmática aumentada sem qualquer alteração dos níveis de ciclosporina em circulação, mesmo na ausência de depleção de água/sódio.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Anfotericina B

Observações: n.d.
Interações: Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: Foi observado aumento da nefrotoxidade após a administração de anfotericina B e ibuprofeno conjuntamente com tacrolímus.

Vinorrelbina + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Utilização concomitante a ter em consideração: Ciclosporina, tacrolimus: Imunossupressão excessiva, com risco de linfoproliferação.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Inibidores da girase

Observações: n.d.
Interações: Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: O uso concomitante de tacrolímus com medicamentos com efeitos nefrotóxicos ou neurotóxicos conhecidos poderá aumentar os níveis de toxicidade (por exemplo, os aminoglicosidos, os inibidores da girase, a vancomicina, o sulfametoxazol / trimetoprim, os AINEs, o ganciclovir ou o aciclovir).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Danazol + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Ciclosporina e tacrolimus: O Danatrol pode aumentar o nível plasmático da ciclosporina e tacrolimus, conduzindo a um aumento da toxicidade renal destes fármacos.

Tacrolímus + Vacinas vivas

Observações: n.d.
Interações: Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: Os imunossupressores podem afectar a resposta à vacinação e as vacinas poderão ter menor eficácia durante o tratamento com tacrolímus. Deve ser evitado o uso de vacinas de vírus vivos atenuados.

Tacrolímus + Potássio

Observações: n.d.
Interações: Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: Como o tratamento com tacrolímus pode estar associado com hipercaliémia, ou aumentar a hipercaliemia pré-existente, deve evitar-se a administração de doses elevadas de potássio, ou de diuréticos poupadores de potássio (por exemplo, amilorida, triamtereno e espironolactona).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atorvastatina + Perindopril + Amlodipina + Tacrolímus

Observações: Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com Atorvastatina / Perindopril / Amlodipina e outros medicamentos, embora alguns estudos tenham sido realizados com atorvastatina, perindopril e amlodipina separadamente.
Interações: Medicamentos que induzem hipercaliemia: Alguns medicamentos ou classes terapêuticas podem aumentar a ocorrência de hipercaliemia: aliscireno, sais de potássio, diuréticos poupadores de potássio, IECAs, antagonistas dos recetores da angiotensina- II, AINEs, heparinas, imunossupressores, tais como a ciclosporina ou tacrolímus, trimetoprim. A associação de Atorvastatina / Perindopril / Amlodipina com estes medicamentos aumenta o risco de hipercaliemia.

Tacrolímus + Diuréticos poupadores de potássio

Observações: n.d.
Interações: Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: Como o tratamento com tacrolímus pode estar associado com hipercaliémia, ou aumentar a hipercaliemia pré-existente, deve evitar-se a administração de doses elevadas de potássio, ou de diuréticos poupadores de potássio (por exemplo, amilorida, triamtereno e espironolactona).

Tacrolímus + Amilorida

Observações: n.d.
Interações: Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: Como o tratamento com tacrolímus pode estar associado com hipercaliémia, ou aumentar a hipercaliemia pré-existente, deve evitar-se a administração de doses elevadas de potássio, ou de diuréticos poupadores de potássio (por exemplo, amilorida, triamtereno e espironolactona).

Tacrolímus + Triamtereno

Observações: n.d.
Interações: Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: Como o tratamento com tacrolímus pode estar associado com hipercaliémia, ou aumentar a hipercaliemia pré-existente, deve evitar-se a administração de doses elevadas de potássio, ou de diuréticos poupadores de potássio (por exemplo, amilorida, triamtereno e espironolactona).

Tacrolímus + Espironolactona

Observações: n.d.
Interações: Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: Como o tratamento com tacrolímus pode estar associado com hipercaliémia, ou aumentar a hipercaliemia pré-existente, deve evitar-se a administração de doses elevadas de potássio, ou de diuréticos poupadores de potássio (por exemplo, amilorida, triamtereno e espironolactona).

Pixantrona + Tacrolímus

Observações: Não foram notificadas interações medicamentosas nos participantes e não foram realizados estudos de interações medicamentosas em seres humanos. Estudos in vitro com as isoformas humanas mais habituais do citocromo P450 (incluindo CYP1A2, 2B6, 2C8, 2C9, 2C19, 2D6 e 3A4) mostraram uma possível inibição do tipo mista do CYP1A2 e CYP2C8 que pode ter relevância clínica. Não se observaram outras interações significativas clinicamente relevantes com os CYPP450.
Interações: Com base em estudos in vitro, a pixantrona é considerada um substrato para as proteínas de transporte membranares P-gp/BRCP e OCT1 e os agentes que inibem estas transportadoras têm potencial para diminuir a captação hepática e a eficiência excretória da pixantrona. As contagens sanguíneas devem ser monitorizadas de perto na administração concomitante com agentes que inibem estas transportadoras, como ciclosporina A ou tacrolímus, habitualmente utilizados para o controlo da doença crónica de enxerto contra o hospedeiro, e os agentes anti-VIH nel, saquinavir ou nelfinavir.

Tacrolímus + Anticoagulantes orais

Observações: n.d.
Interações: Considerações relativas à ligação às proteínas: O tacrolímus liga-se fortemente às proteínas plasmáticas. Devem ter-se em consideração possíveis interações com outros medicamentos com elevada afinidade para as proteínas plasmáticas (por exemplo, os AINEs, os anticoagulantes orais ou os antidiabéticos orais).

Tacrolímus + Antidiabéticos Orais

Observações: n.d.
Interações: Considerações relativas à ligação às proteínas: O tacrolímus liga-se fortemente às proteínas plasmáticas. Devem ter-se em consideração possíveis interações com outros medicamentos com elevada afinidade para as proteínas plasmáticas (por exemplo, os AINEs, os anticoagulantes orais ou os antidiabéticos orais).

Nifedipina + Tacrolímus

Observações: n.d.
Interações: Efeitos da nifedipina sobre outros medicamentos: Tacrolimus: O tacrolimus é metabolizado através do sistema do citocromo P 450 3A4. Dados publicados indicam que a dose de tacrolimus administrada concomitantemente com nifedipina pode ser reduzida em casos individuais. Com a administração concomitante dos dois medicamentos, as concentrações plasmáticas de tacrolimus devem ser monitorizadas e, se necessário, considerar uma redução da dose de tacrolimus.

Tezacaftor + Ivacaftor + Tacrolímus

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Medicamentos que são afetados pelo tezacaftor e ivacaftor Digoxina e outros substratos da gp-P A coadministração com digoxina, um substrato sensível da gp-P, aumentou a exposição à digoxina 1,3 vezes, o que é consistente com a inibição fraca da gp-P pelo ivacaftor. A administração de Tezacaftor/Ivacaftor em associação com o ivacaftor poderá aumentar a exposição sistémica de medicamentos que são substratos sensíveis da gp-P, o que poderá aumentar ou prolongar o seu efeito terapêutico e reações adversas. Deve ter-se precaução e proceder-se a uma monitorização cuidadosa quando utilizados concomitantemente com digoxina ou com outros substratos da gp-P com um índice terapêutico estreito, tais como a ciclosporina, everolímus, sirolímus e tacrolímus.

Fluconazol + Tacrolímus

Observações: O fluconazol é um potente inibidor do citocromo P450 (CYP) isoenzima 2C9 e um inibidor moderado do CYP3A4. O fluconazol é também um inibidor da isoenzima CYP2C19. Adicionalmente às interações observadas/documentadas abaixo indicadas, existe um risco de aumento da concentração plasmática de outros compostos metabolizados pelo CYP2C9 e CYP3A4 coadministrados com fluconazol. Deste modo, deve-se ter precaução quando se utilizam estas associações e os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados. O efeito inibidor da enzima pelo fluconazol persiste 4-5 dias após a descontinuação do tratamento com fluconazol devido à sua longa semivida.
Interações: A utilização concomitante dos seguintes fámacos leva a precauções e ajustes de dose: O efeito de fluconazol noutros fármacos: Imunossupressores (i.e. ciclosporina, everolímus, sirolímus e tacrolímus): Tacrolímus: O fluconazol pode aumentar as concentrações séricas do tacrolímus administrado oralmente até 5 vezes devido à inibição do metabolismo do tacrolímus através do CYP3A4 nos intestinos. Não se observaram alterações farmacocinéticas significativas quando o tacrolímus é administrado intravenosamente. Os níveis elevados de tacrolímus têm sido associados a nefrotoxicidade. Deve ser reduzida a dose de tacrolímus administrado oralmente em função da sua concentração.

Adefovir + Tacrolímus

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos. Tendo como base os resultados das experiências in vitro, nas quais o adefovir não influenciou nenhuma das isoformas comuns do sistema CYP, que se sabe estarem envolvidas no metabolismo de fármacos nos seres humanos e com base no mecanismo de eliminação conhecido do adefovir, a possibilidade de ocorrência de interações entre o adefovir e outros medicamentos, mediadas pelo sistema CYP450, é baixa. O adefovir é excretado por via renal, através de uma combinação de filtração glomerular e secreção tubular ativa. A administração concomitante de 10 mg de adefovir dipivoxil com outros medicamentos que são eliminados por secreção tubular ou que alteram a função tubular pode aumentar as concentrações séricas do adefovir ou do medicamento co-administrado.
Interações: Um estudo clínico em doentes com transplante hepático demonstrou que não ocorre interação farmacocinética quando o adefovir dipivoxil 10 mg uma vez ao dia é administrado concomitantemente com o tacrolímus, um imunossupressor que é predominantemente metabolizado via o sistema CYP450. No entanto, dado que o tacrolímus e a ciclosporina podem afectar a função renal, recomenda-se a monitorização cuidadosa quando qualquer um destes fármacos é co-administrado com o adefovir dipivoxil.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Antagonistas dos Receptores da Angiotensina II (ARA II) + Tacrolímus

Observações: Por aumento do risco de hipercaliemia
Interações: Aumentam o risco de hipercaliemia quando associados a ARA II: - Tacrolímus

Cefazolina + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Agentes nefrotóxicos: Não pode ser excluído que a nefrotoxicidade de antibióticos (por ex. aminoglicosídeos, colistina e polimixina B), agentes de contraste iodados, organoplasticos, metotrexato usado em elevadas doses, alguns fármacos antivirais, pentamidina, ciclosporina, tacrólimus e diuréticos (por ex. Furosemida) é aumentada. Quando administrados com cefazolina, a função renal deve ser cuidadosamente monitorizada.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Parecoxib + Tacrolímus

Observações: O parecoxib é rapidamente hidrolisado no metabolito activo, valdecoxib. Os doentes sob terapêutica com anticoagulantes orais deverão ser monitorizados cuidadosamente em relação ao tempo de protrombina INR, em especial nos primeiros dias de tratamento com parecoxib ou quando a dose de parecoxib é alterada. No ser humano, estudos demonstraram que o metabolismo do valdecoxib é predominantemente mediado pela via das isoenzimas CYP3A4 e 2C9. O efeito da indução enzimática não foi estudado. Não foram realizados estudos formais de interações com Anestésicos inalados.
Interações: Tem sido sugerido que a administração concomitante de anti-inflamatórios não esteróides e ciclosporina ou tacrolimus aumenta o efeito nefrotóxico da ciclosporina e do tacrolimus. Recomenda-se a monitorização da função renal quando o parecoxib for administrado concomitantemente com um destes medicamentos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Estreptomicina + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Associação a ter em conta: Cidofovir, Ciclosporina e Tacrolimus: aumento do risco de nefrotoxicidade.

Crizotinib + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacocinéticas: Agentes cujas concentrações plasmáticas podem ser alteradas pelo crizotinib: Após 28 dias de crizotinib administrado na dosagem de 250 mg duas vezes por dia em doentes com cancro, a AUC do midazolam oral foi 3,7 vezes a observada quando o midazolam foi administrado isolado, sugerindo que o crizotinib é um inibidor moderado do CYP3A. Como tal, deve evitar-se a coadministração de crizotinib com substratos do CYP3A, com índices terapêuticos estreitos, incluindo, mas não limitado a, alfentanilo, cisaprida, ciclosporina, derivados da ergotamina, fentanilo, pimozida, quinidina, sirolímus e tacrolímus. Se a associação for necessária, deve ser feita uma monitorização clínica cuidadosa.

Nilotinib + Tacrolímus

Observações: O nilotinib é principalmente metabolizado no fígado e é também substrato para a bomba de efluxo multifármacos, glicoproteína-P (gp-P). Assim, a absorção e subsequente eliminação do nilotinib absorvido sistemicamente podem ser influenciadas por substâncias que afetem a CYP3A4 e/ou a gp-P.
Interações: Substâncias que podem ter a sua concentração sistémica alterada pelo nilotinib: Em doentes com LMC, o nilotinib administrado na dose de 400 mg duas vezes por dia durante 12 dias aumentou respetivamente 2,6 vezes e 2,0 vezes a exposição sistémica (AUC e Cmax) do midazolam administrado por via oral (um substrato da CYP3A4). Nilotinib é um inibidor moderado da CYP3A4. Consequentemente, a exposição sistémica de outros medicamentos metabolizados principalmente pela CYP3A4 (por exemplo, certos inibidores da HMG CoA redutase) pode aumentar quando administrados concomitantemente com nilotinib. Pode ser necessária monitorização adequada e ajuste de dose para fármacos que são substratos da CYP3A4 e com um índice terapêutico estreito (incluindo mas não limitado a alfentanil, ciclosporina, dihidroergotamina, ergotamina, fentanil, sirolímus e tacrolímus), quando co-administrados com nilotinib.

Ritonavir + Tacrolímus

Observações: n.d.
Interações: Efeitos do Ritonavir nos Medicamentos Não Antirretrovirais Coadministrados: Imunosupressores: Ciclosporina, tacrolimus, everolimus: Ritonavir administrado como potenciador farmacocinético ou como medicamento antirretroviral inibe a CYP3A4, pelo que se prevê que aumente as concentrações plasmáticas de ciclosporina, tacrolimus ou everolimus. Recomenda-se monitorização cuidadosa dos efeitos terapêuticos e efeitos adversos quando estes medicamentos são administrados concomitantemente com ritonavir.

Sofosbuvir + Velpatasvir + Voxilaprevir + Tacrolímus

Observações: n.d.
Interações: Interações entre Sofosbuvir / Velpatasvir / Voxilaprevir e outros medicamentos: IMUNOSSUPRESSORES Tacrolímus A coadministração de Sofosbuvir / Velpatasvir / Voxilaprevir com ciclosporina não é recomendada. Tacrolímus (dose única de 5 mg)e + sofosbuvir (dose única de 400 mg) Não são necessários ajustes da dose de Sofosbuvir / Velpatasvir / Voxilaprevir ou de tacrolímus.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Indapamida + Amlodipina + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Associações a ter em consideração: Ciclosporina, tacrolímus: Risco de aumento da creatinemia sem qualquer alteração dos níveis circulantes de ciclosporina, mesmo na ausência de depleção hidrossódica.

Tipranavir + Tacrolímus

Observações: Os estudos de interação apenas foram realizados em adultos.
Interações: IMUNOMODULADORES Ciclosporina, Tacrolimus, Sirolimus Não foi realizado qualquer estudo de interação. Não se conseguem prever as concentrações de ciclosporina, tacrolimus e sirolimus, quando coadministradas com tipranavir, coadministrado com ritonavir em dose baixa, devido a um efeito conflituoso do tipranavir coadministrado com ritonavir em dose baixa no CYP 3A e na P-gp.Recomenda-se uma monitorização mais frequente das concentrações destes fármacos até que os níveis sanguíneos estabilizem.

Lumacaftor + Ivacaftor + Tacrolímus

Observações: O lumacaftor é um indutor potente das CYP3A e o ivacaftor é um inibidor fraco das CYP3A, quando administrados em monoterapia. Existe a possibilidade de outros medicamentos afetarem lumacaftor/ivacaftor quando administrados concomitantemente, assim como de lumacaftor/ivacaftor afetar outros medicamentos.
Interações: Ciclosporina, everolímus, sirolímus, tacrolímus (utilizados após transplante de órgãos): A utilização concomitante de lumacaftor/ivacaftor com estes imunossupressores não é recomendada. Lumacaftor/ivacaftor diminuirá a exposição destes imunossupressores, o que pode reduzir a eficácia destes imunossupressores. A utilização de lumacaftor/ivacaftor em doentes com transplante de órgãos não foi estudada.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Carbamazepina + Tacrolímus

Observações: Indução das enzimas microssomais hepáticas metabolizadoras de fármacos. Susceptível à inibição do metabolismo, principalmente pelo CYP3A4
Interações: Fármacos com metabolismo aumentado pela carbamazepina: - Tacrolímus

Afatinib + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se que na administração de fortes inibidores da gp-P (incluindo, mas não limitados a, ritonavir, ciclosporina A, cetoconazol, itraconazol, eritromicina, verapamilo, quinidina, tacrolimus, nelfinavir, saquinavir e amiodarona) sejam usadas doses escalonadas, preferencialmente, 6 a 12 horas afastadas da toma do afatinib.

Ivacaftor + Tacrolímus

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos. O ivacaftor é um substrato da CYP3A4 e da CYP3A5. É um inibidor fraco das CYP3A e da P-gp e um inibidor potencial da CYP2C9. O ivacaftor é um substrato sensível das CYP3A.
Interações: Utilizar com precaução e monitorizar de forma apropriada durante a utilização concomitante com digoxina, ciclosporina ou tacrolímus.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Etodolac + Tacrolímus

Observações: Dada a forte ligação dos AINEs às proteínas plasmáticas pode haver necessidade de alterar a dose de outros medicamentos com forte ligação às proteínas plasmáticas.
Interações: Possível aumento do risco de nefrotoxicidade quando os AINE são dados com tacrolimus.

Imatinib + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: O imatinib aumenta a Cmax e a AUC da sinvastatina (substrato da CYP3A4 ) em 2 e 3,5 vezes, respetivamente, indicando uma inibição da CYP3A4 pelo imatinib. Como tal, é recomendada precaução quando se administra imatinib com substratos da CYP3A4 com uma janela terapêutica estreita (por ex. ciclosporina, pimozida, tacrolímus, sirolímus, ergotamina, diergotamina, fentanil, alfentanil, terfenadina, bortezomib, docetaxel e quinidina).

Amiodarona + Tacrolímus

Observações: Devido à semi-vida de eliminação longa e variável da amiodarona, podem ocorrer interações não só quando se administram outros fármacos concomitantemente, mas também com fármacos administrados após interrupção do tratamento com amiodarona.
Interações: Os seguintes fármacos devem ser utilizados com precaução quando em associação com a amiodarona: Fármacos metabolizados pelo citocromo P450 3A4: Quando estes fármacos são co-administrados com a amiodarona, que é um inibidor do CYP3A4, a associação pode resultar em aumento das suas concentrações plasmáticas, que poderá levar a um possível aumento da sua toxicidade. Outros fármacos metabolizados pelo CYP3A4: Lidocaína, tacrolimus, sildenafil, midazolam, triazolam, dihidroergotamina, ergotamina.

Ombitasvir + Paritaprevir + Ritonavir + Tacrolímus

Observações: Os estudos de interação medicamentosa só foram realizados em adultos. Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir foi administrado em doses múltiplas em todos os estudos de interação medicamentosa, com exceção dos estudos de interação medicamentosa com carbamazepina, gemfibrozil e cetoconazol.
Interações: Interações farmacocinéticas: Potencial para Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir afetar a farmacocinética de outros medicamentos: Os estudos de interação medicamentosa in vivo avaliaram o efeito global do tratamento de associação, incluindo o ritonavir. Medicamentos metabolizados pelo CYP3A4: O ritonavir é um inibidor forte do CYP3A. A coadministração de Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir com medicamentos principalmente metabolizados pelo CYP3A pode resultar num aumento das concentrações plasmáticas destes medicamentos. Os medicamentos cuja depuração é altamente dependente do CYP3A e cujos níveis plasmáticos elevados estão associados a acontecimentos graves estão contraindicados. Os substratos do CYP3A avaliados nos estudos de interação medicamentosa que podem requerer um ajuste de dose e/ou monitorização clínica incluem ciclosporina, tacrolimus, amlodipina, rilpivirina e alprazolam. Exemplos de outros substratos do CYP3A4 que podem requerer um ajuste de dose e/ou monitorização clínica incluem bloqueadores dos canais de cálcio (por exemplo nifedipina), e trazodona. Apesar da buprenorfina e zolpidem serem também metabolizados pelo CYP3A, os estudos de interação medicamentosa indicam que não é necessário ajuste de dose quando coadministrados com Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir. Interações entre Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir e outros medicamentos IMUNOSSUPRESSORES: Tacrolímus 2 mg dose única: Mecanismo: o efeito no tacrolímus deve-se à inibição do CYP3A4 Pelo ritonavir. Administrado com: Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir + dasabuvir Administrado com: Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir sem dasabuvir Quando se iniciar a coadministração com Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir deverá ser administrado 0,5 mg de tacrolímus uma vez por semana. Monitorizar os níveis do tacrolímus e ajustar a dose e/ou a frequência da administração conforme necessário. Não é necessário ajuste da dose para Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir.

Bleomicina + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Ciclosporina, Tacrolimus: Existe o risco de imunossupressão excessiva com linfoproliferação.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lornoxicam + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Administração de lornoxicam em simultâneo com: Tacrolimus: Aumento do risco de nefrotoxicidade em virtude da redução da síntese da prostaciclina nos rins. Durante o tratamento combinado, a função renal deverá ser vigiada.

Micafungina + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: A micafungina tem um baixo potencial de interação com medicamentos metabolizados pelas vias mediadas pelo CYP3A. Foram realizados estudos de interação medicamentosa em seres humanos saudáveis para avaliar o potencial de interação entre a micafungina e micofenolato de mofetil, ciclosporina, tacrolímus, prednisolona, sirolímus, nifedipina, fluconazol, ritonavir, rifampicina, itraconazol, voriconazol e anfotericina B. Nestes estudos, não foi observada prova de alteração da farmacocinética da micafungina. Não são necessários ajustes da dose quando estes medicamentos são administrados concomitantemente.

Cetoconazol + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Estão igualmente descritas interações com outros fármacos nomeadamente rifabutina, carbamazepina, fenitoína, ritonavir, inibidores das proteases, tacrolimus, sirolimus, digoxina, buspirona, alfentanil, sildenafil, metilprednisolona, dihidropiridinas e eventualmente o verapamil e alguns antineoplásicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Perindopril + Indapamida + Amlodipina + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos indutores de hipercaliemia: Alguns medicamentos ou classes terapêuticas podem aumentar a ocorrência de hipercaliemia: aliscireno, substitutos do sal contendo potássio, diuréticos poupadores de potássio, IECAs, antagonistas dos recetores da angiotensina II, AINS, heparinas, fármacos imunossupressores como a ciclosporina ou tacrolimus, trimetroprim. A combinação destes três medicamentos aumenta o risco de hipercaliemia.

Ibrutinib + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Agentes que podem apresentar alteração da concentração plasmática devida a ibrutinib: Com base em dados in vitro, o ibrutinib é um inibidor reversível fraco do CYP3A4 a nível intestinal e pode portanto aumentar a exposição a substratos do CYP3A4 dependentes do metabolismo do CYP3A intestinal. Não estão disponíveis dados clínicos sobre esta interação. Recomenda-se precaução na coadministração de ibrutinib com substratos CYP3A4, administrados oralmente, de janela terapêutica estreita (tais como a dihidroergotamina, a ergotamina, o fentanilo, a ciclosporina, o tacrolímus e o sirolímus).

Cloreto de potássio + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos contendo ciclosporina, tacrolimus, AINE ́s, produtos derivados do sangue com potássio e soluções de penicilina com potássio podem também provocar hipercaliémia, se administrados concomitantemente com Cloreto de Potássio.

Fosamprenavir + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Ciclosporina, Rapamicina e Tacrolimus: É recomendada uma monitorização frequente dos níveis das concentrações terapêuticas do imunossupressor até que estes estabilizem.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido mefenâmico + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Existe um aumento do risco de nefrotoxicidade quando se administra AINEs concomitantemente com tacrolimus.

Lumiracoxib + Tacrolímus

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos. Com base nos estudos in vitro, não é expectável que as interações envolvendo ligação às proteínas plasmáticas tenham efeitos clinicamente relevantes no que concerne o lumiracoxib ou fármacos administrados concomitantemente.
Interações: Apesar de esta interacção não ter sido estudada em relação ao lumiracoxib, a administração concomitante de ciclosporina ou tacrolimus e qualquer AINE poderá potenciar o efeito nefrotóxico da ciclosporina ou do tacrolimus. Caso se utilize lumiracoxib e qualquer destes fármacos em associação, deverá monitorizar-se a função renal.

Clonixina + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Utilizar Clonixina com precaução em associação com: Ciclosporina e tacrolimus – risco de efeitos nefrotóxicos, particularmente em idosos.

Efavirenz + Tacrolímus

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: IMUNOSSUPRESSORES: Imunossupressores metabolizados pelo CYP3A4 (por ex., ciclosporina, tacrolímus, sirolímus)/Efavirenz: Interação não estudada. Pode esperar-se uma diminuição da exposição do imunossupressor (indução do CYP3A4). Não se espera que estes imunossupressores afetem a exposição do efavirenz. Podem ser necessários ajustes posológicos dos imunossupressores. É recomendada a monitorização cuidadosa das concentrações dos imunossupressores durante pelo menos 2 semanas (até que sejam atingidas concentrações estáveis) quando se inicia ou para o tratamento com efavirenz.

Ledipasvir + Sofosbuvir + Tacrolímus

Observações: Quaisquer interações que tenham sido identificadas com cada uma destas substâncias ativas individualmente podem ocorrer com a associação de Ledipasvir/Sofosbuvir.
Interações: Interações entre Ledipasvir/sofosbuvir e outros medicamentos IMUNOSSUPRESSORES Tacrolímus Tacrolímus (dose única de 5 mg)/sofosbuvir (dose única de 400 mg) Não são necessários ajustes da dose de Ledipasvir/sofosbuvir ou de tacrolímus.

Ácido acetilsalisílico + Atorvastatina + Ramipril + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Precauções de utilização: Sais de potássio, heparina, diuréticos poupadores de potássio e outras substâncias ativas que aumentam o potássio plasmático (incluindo antagonistas da angiotensina II, trimetoprim, tacrolímus): como pode ocorrer hipercaliemia, é necessária a monitorização frequente do potássio sérico.

Micofenolato de mofetil + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Tacrolímus: Em doentes com transplante hepático a iniciarem Micofenolato de Mofetil e tacrolímus, a AUC e Cmax do AMF, o metabolito activo de Micofenolato de Mofetil, não foram afectados significativamente pela co-administração com tacrolímus. Por outro lado, verificou-se um aumento de aproximadamente 20% na 6 AUC do tacrolímus quando doses múltiplas de Micofenolato de Mofetil (1,5 g duas vezes por dia) foram administradas a doentes em tratamento com tacrolímus. No entanto, em doentes com transplante renal, a concentração de tacrolímus não parece ser alterada por Micofenolato de Mofetil.

Ácido micofenólico + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Tacrolímus: Num estudo cruzado com inibidores da calcineurina em doentes transplantados renais estáveis, a farmacocinética de Ácido micofenólico no estado estacionário foi medida durante os tratamentos quer com ciclosporina quer com tacrolímus. A AUC média do AMF foi 19% superior (IC 90%: -3, +47) enquanto a AUC média do AMFG foi cerca de 30% inferior (IC 90%: 16, 42) com o tacrolímus, comparativamente com o tratamento com ciclosporina. Para além da AUC do AMF, a variabilidade intraindividual duplicou quando se mudou do tratamento com ciclosporina para tacrolímus. Os clínicos devem notar este aumento quer na AUC do AMF, quer na variabilidade e ajustes à posologia de Ácido micofenólico devem ser ditados pela situação clínica. Deve efetuar-se uma monitorização clínica cuidadosa quando se planeia mudar o tratamento com um inibidor da calcineurina para um outro.

Dasabuvir + Tacrolímus

Observações: Os estudos de interação medicamentosa só foram realizados em adultos. Dasabuvir deve ser sempre administrado em conjunto com ombitasvir/paritaprevir/ritonavir. Quando coadministrados, exercem efeitos recíprocos um sobre o outro. Por conseguinte, o perfil de interação dos compostos tem de ser considerado como uma associação.
Interações: Interações entre Dasabuvir com ombitasvir/paritaprevir/ritonavir e outros medicamentos: IMUNOSSUPRESSORES: Tacrolímus 2 mg dose única: Administrado com: Dasabuvir+ombitasvir/paritaprevir/ritonavir Mecanismo: O efeito no tacrolímus deve-se à inibição do CYP3A4 pelo ritonavir. Quando se iniciar a coadministração com dasabuvir e ombitasvir/paritaprevir/ritonavir deverá ser administrado 0,5 mg de tacrolímus uma vez por semana. Monitorizar os níveis de tacrolímus e ajustar a dose e/ou a frequência da administração conforme necessário. Não é necessário ajuste da dose para Dasabuvir + ombitasvir/paritaprevir/ritonavir.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ranolazina + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: A ranolazina é um inibidor moderado a potente da P-gp e um inibidor ligeiro do CYP3A4, podendo aumentar as concentrações plasmáticas dos substratos da P-gp o do CYP3A4. A distribuição tecidular dos fármacos transportados pela P-gp pode aumentar. Podem ser necessários ajustamentos de dose se substratos do CYP3A4 sensíveis (ex., sinvastatina, lovastatina ) e substratos do CYP3A4 com um intervalo terapêutico estreito (ex., ciclosporina, tacrolimus, sirolimus, everolimus) pois a Ranolazina pode aumentar as concentrações plasmáticas destes fármacos. Foram observadas concentrações plasmáticas aumentadas de tacrolimus, um substrato do CYP3A4, em doentes após a administração de ranolazina. Recomenda-se a monitorização dos níveis sanguíneos de tacrolimus aquando da coadministração de Ranolazina e tacrolimus e que a posologia do tacrolimus seja ajustada em conformidade.

Cloreto de potássio + Cloreto de sódio + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: As soluções contendo potássio devem ser usadas com precaução em doentes tratados com medicamentos que aumentem as concentrações plasmáticas de potássio (por exemplo, diuréticos poupadores de potássio, inibidores ECA (IECA), antagonistas dos recetores de angiotensina II, ciclosporina, tacrolímus, e medicamentos que contenham potássio).

Esomeprazol + Tacrolímus

Observações: Os estudos de interação foram realizados apenas em adultos.
Interações: Efeitos de esomeprazol sobre a farmacocinética de outros medicamentos Tacrolimus Foi notificado que a administração concomitante de esomeprazol aumenta os níveis séricos de tacrolimus. Deve ser efetuada uma monitorização reforçada das concentrações de tacrolimus bem com da função renal (depuração da creatina) e, se necessário, ajustar a dose de tacrolimus.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio) + Tacrolímus

Observações: Verapamilo, diltiazem e talvez a nicardipina (mas não a nifedipina) inibem as enzimas hepáticas metabolizadoras de fármacos. O metabolismo do diltiazem, nifedipina, verapamilo e provavelmente outros bloqueadores da entrada de cálcio estão sujeitos a indução e inibição.
Interações: Tacrolímus: redução do metabolismo da tacrolímus com diltiazem, nicardipina, verapamilo - Tacrolímus

Fosaprepitant + Tacrolímus

Observações: Quando administrado por via intravenosa o fosaprepitant é rapidamente convertido em aprepitant. As interações medicamentosas decorrentes da administração de intravenosa de fosaprepitant são passíveis de ocorrer com substâncias ativas que interagem com o aprepitant administrado por via oral. A informação seguinte resultou de dados obtidos com o aprepitant por via oral e de estudos realizados com fosaprepitant por via intravenosa coadministrados com dexametasona, midazolam ou diltiazem. O fosaprepitant 150 mg, em dose única, é um inibidor fraco do CYP3A4. O fosaprepitant não parece interagir com a glicoproteína-P transportadora, tal como demonstrado pela ausência de interação entre o aprepitant por via oral com a digoxina. Antevê-se que, quando comparado com a administração de aprepitant oral, o fosaprepitant provoque indução menor ou não superior do CYP2C9, do CYP3A4 e da glucuronidação. Não há dados sobre os efeitos no CYP2C8 e CYP2C19.
Interações: Efeito do aprepitant na farmacocinética de outras substâncias ativas: Inibição do CYP3A4: Como inibidor fraco do CYP3A4, o fosaprepitant 150 mg em dose única, pode aumentar transitoriamente as concentrações plasmáticas das substâncias ativas coadministradas por via oral que são metabolizadas via CYP3A4. A exposição total dos substratos do CYP3A4 pode aumentar até ao dobro durante os Dias 1 e 2, após coadministração com uma dose única de fosaprepitant. Fosaprepitant não pode ser usado concomitantemente com pimozida, terfenadina, astemizol ou cisaprida. A inibição do CYP3A4 pelo fosaprepitant pode resultar num aumento das concentrações plasmáticas destas substâncias ativas podendo causar reações graves ou ameaçadoras da vida. É aconselhável precaução durante a administração concomitante de fosaprepitant e de substâncias ativas que são principalmente metabolizadas através do CYP3A4 e com um intervalo terapêutico estreito, tais como ciclosporina, tacrolímus, sirolímus, everolímus, alfentanilo, diergotamina, ergotamina, fentanilo, e quinidina. Efeito do aprepitant na farmacocinética de outras substâncias ativas: Imunossupressores: Após uma dose de fosaprepitant 150 mg, é esperado, durante o regime terapêutico de 2 dias de NVIQ, um aumento transitório moderado, seguido de uma diminuição ligeira na exposição ao agente imunossupressor metabolizado pelo CYP3A4 (ex., ciclosporina, tacrolímus, everolímus e sirolímus). Com base na curta duração da exposição aumentada, não é recomendada uma redução da dose de agente imunossupressor no dia e dia após a administração de Fosaprepitant.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Citrato de tofacitinib + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: O tacrolímus, a ciclosporina e a rifampicina diminuíram a Cmax de Citrato de tofacitinib.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Tacrolímus

Observações: O ibuprofeno é um substrato do CYP2C9.
Interações: Possível risco aumentado de nefrotoxicidade quando um AINE é administrado com tacrolímus.

Netilmicina + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Tal como para outros aminoglicosídeos, deve evitar-se o uso sistémico ou tópico concomitante e/ou sequencial de outros fármacos potencialmente neurotóxicos e/ou nefrotóxicos. A utilização concomitante de Netilmicina com outros fármacos potencialmente nefrotóxicos aumenta o risco de nefrotoxicidade. Estes fármacos incluem aminoglicosídeos, vancomicina, polimixina B, colistina, organoplatinas, metotrexato em doses elevadas, “ifosfamida pentamidina”, foscarnet, alguns agentes antivíricos (aciclovir, ganciclovir, adefovir, ciclovir, terovir), anfotericina B, imunossupressores, tais como a ciclosporina ou tacrolimus, e meios de contraste com iodo. Se a utilização de tal associação for necessária, a função renal deve ser rigorosamente monitorizada com testes laboratoriais apropriados.

Darbepoetina alfa + Tacrolímus

Observações: Os resultados clínicos obtidos até agora não indicam nenhuma interação de darbepoetina alfa com outras substâncias.
Interações: Uma vez que existe um potencial risco de interação com substâncias que se liguem fortemente aos glóbulos vermelhos p.e. ciclosporina, tacrolímus. Se for administrado Darbepoetina alfa concomitantemente com algum destes tratamentos, as concentrações plasmáticas destas substâncias devem ser monitorizadas e a dose deverá ser ajustada dependendo do aumento de hemoglobina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurbiprofeno + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Possível risco aumentado de nefrotoxicidade quando um AINE é administrado com tacrolímus.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cetoprofeno + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Risco aditivo de efeitos nefrotóxicos, particularmente em idosos. Determinados grupos farmacoterapêuticos de medicamentos podem causar hipercaliemia, por exemplo: sais de potássio, diuréticos poupadores de potássio, inibidores de enzimas de conversão, antagonistas do recetor da angiotensina II, AINEs, heparinas (de baixo peso molecular ou não fracionadas), ciclosporinas, tacrolimus e trimetoprim. A ocorrência de hipercaliemia pode depender da presença de vários fatores coexistentes. O risco é aumentado quando as substâncias mencionadas são administradas em simultâneo.

Cinacalcet + Tacrolímus

Observações: Cinacalcet é metabolizado em parte pela enzima CYP3A4. Dados in vitro indicam que o cinacalcet é em parte metabolizado pela CYP1A2. Cinacalcet é um potente inibidor da CYP2D6.
Interações: Dados sugerem que o cinacalcet não deve alterar a farmacocinética das classes de medicamentos metabolizados pelas CYP3A4 e CYP3A5, entre os quais alguns imunossupressores, como a ciclosporina e o tacrolimus.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Verapamilo + Tacrolímus

Observações: n.d.
Interações: Possíveis interacções medicamentosas associadas com o verapamilo, devido a razões de farmacocinética: Imunomoduladores Ciclosporina - Aumento da AUC, Css, Cmax da ciclosporina em 45%, Everolímus - Possível aumento dos níveis de everolímus; Sirolímus - Possível aumento dos níveis de sirolímus, Tacrolímus - Possível aumento dos níveis de tacrolímus.

Felodipina + Ramipril + Tacrolímus

Observações: A felodipina é um substrato do CYP3A4. Os dados de ensaios clínicos têm demonstrado que o duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) através do uso combinado de inibidores da ECA, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno está associado a uma maior frequência de acontecimentos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia e função renal diminuída (incluindo insuficiência renal aguda) em comparação com o uso de um único fármaco com ação no SRAA.
Interações: A felodipina pode aumentar a concentração do tacrolímus. Quando usados em conjunto, a concentração sérica de tacrolímus deve ser monitorizada e a dose de tacro límus pode necessitar de ser ajustada.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Darunavir + Cobicistate + Tacrolímus

Observações: Não foram realizados estudos de interação farmacológica com Darunavir / Cobicistate. Uma vez que Darunavir / Cobicistate contém darunavir e cobicistate, as interações que foram identificadas com darunavir (em associação uma dose baixa de ritonavir) e com cobicistate determinam as interações que podem ocorrer com Darunavir / Cobicistate. Os ensaios de interação com darunavir/ritonavir e com cobicistate apenas foram realizados em adultos.
Interações: IMUNOSSUPRESSORES: Ciclosporina, Sirolímus, Tacrolímus: Tendo por base considerações teóricas, é expectável que Darunavir / Cobicistate aumente as concentrações plasmáticas destes imunossupressores. (inibição do CYP3A) É necessário realizar monitorização terapêutica do agente imunossupressor quando é efetuada uma administração concomitante.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Etoricoxib + Tacrolímus

Observações: Com base em estudos in vitro, não é de se esperar que o etoricoxib iniba os citocromos P450 (CYP) 1A2, 2C9, 2C19, 2D6, 2E1 ou 3A4. Num estudo com indivíduos saudáveis, a administração diária de etoricoxib 120 mg não alterou a atividade hepática da CYP3A4, conforme avaliado pelo teste respiratório da eritromicina. A via principal do metabolismo do etoricoxib depende das enzimas CYP. A CYP3A4 parece contribuir para o metabolismo do etoricoxib in vivo. Estudos in vitro indicam que a CYP2D6, CYP2C9, CYP1A2 e CYP2C19 também conseguem catalisar a via metabólica principal, mas os seus papéis quantitativos não foram estudados in vivo.
Interações: Embora esta interação não tenha sido estudada com etoricoxib, a coadministração de ciclosporina ou de tacrolimus com quaisquer AINEs pode aumentar o efeito nefrotóxico da ciclosporina ou do tacrolimus. A função renal deve ser monitorizada ao utilizar-se etoricoxib e qualquer um destes fármacos em associação.

Valaciclovir + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: A associação do valaciclovir com medicamentos nefrotóxicos, sobretudo imunossupressores como ciclosporina, tacrolímus, micofenolato de mofetil, deve ser tomada em linha de conta, sobretudo no caso de insuficiência renal, implicando uma monitorização regular. Isto aplica-se também aos aminoglicosídeos, organoplatinas, meios de contraste iodados, metotrexato, pentamidina e foscarneto.

Ribociclib + Tacrolímus

Observações: n.d.
Interações: Substâncias que podem ter as concentrações plasmáticas alteradas por Ribociclib: Recomenda-se precaução em caso de utilização concomitante com substratos da CYP3A4 sensíveis com uma margem terapêutica estreita. A dose de um substrato da CYP3A4 sensível com uma margem terapêutica estreita, incluindo mas não limitado a alfentanilo, ciclosporina, everolímus, fentanilo, sirolímus e tacrolímus, pode necessitar de ser reduzido uma vez que ribociclib pode aumentar a sua exposição.

Telaprevir + Tacrolímus

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: IMUNOSSUPRESSORES: Ciclosporina, tacrolimus, sirolimus: Serão necessárias reduções acentuadas das doses dos imunossupressores com ou sem prolongamento dos intervalos entre dose. Recomenda-se uma monitorização rigorosa dos níveis sanguíneos de imunossupressores, função renal, e efeitos secundários relacionados com imunossupressores aquando da administração concomitante com telaprevir. Tacrolimus pode prologar o intervalo QT.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Dexcetoprofeno + Tacrolímus

Observações: As seguintes interações aplicam-se a medicamentos anti-inflamatórios não-esteroides (AINEs) em geral.
Interações: A nefrotoxicidade pode ser incrementada pelos AINEs devido aos efeitos mediadores da prostaglandina renal. Durante o tratamento concomitante, a função renal tem de ser avaliada.
 Potencialmente Grave

Diclofenac + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: As interações potencialmente perigosas ocorrem com: Ciclosporina e tacrolimus: O diclofenac, como os outros AINEs, pode provocar um aumento da nefrotoxicidade da ciclosporina e do tacrolimus devido ao efeito nas prostaglandinas renais. Assim, o diclofenac deve ser administrado em doses inferiores às doses utilizadas em doentes que não estão em tratamento com ciclosporina ou tacrolimus.

Losartan + Amlodipina + Tacrolímus

Observações: Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com o Losartan / Amlodipina e outros medicamentos. Não foram realizados estudos de interação medicamentosa na população pediátrica.
Interações: Interações relacionadas com a amlodipina Efeitos da amlodipina em outros medicamentos: Os efeitos de redução da pressão arterial da amlodipina somam-se aos efeitos de redução da pressão arterial de outros medicamentos com efeito anti-hipertensor. Tacrolimus: Existe um risco de aumento dos níveis sanguíneos de tacrolimus quando coadministrado com amlodipina mas o mecanismo farmacocinético desta interação não se encontra completamente esclarecido. Para evitar a toxicidade do tacrolimus, a administração de amlodipina em doentes tratados com tacrolimus exige uma monitorização dos níveis sanguíneos de tacrolimus e ajuste posológico do tacrolimus quando apropriado.

Cetoprofeno + Omeprazol + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Ligadas ao componente CETOPROFENO: Certas substâncias ou classes terapêuticas têm um potencial de contribuir para a ocorrência de hipercalémia: Sais de potássio, diuréticos poupadores de potássio, inibidores do enzima de conversão da angiotensina, anti-inflamatórios não esteróides (AINEs), heparinas (de baixo peso molecular ou não fraccionados), ciclosporina, tacrolímus e trimetoprim. A ocorrência de hipercalémia pode depender da existência duma combinação de factores. Este risco está aumentado pela administração combinada das substâncias acima referidas. A administração concomitante de Cetoprofeno com os seguintes produtos requer uma monitorização apertada. Se a associação não puder ser evitada, é necessária uma observação clínica cuidadosa bem como monitorização dos valores laboratoriais. Combinações que podem ser administradas com precaução: Ciclosporina, tacrolímus: Risco de efeito nefrotóxico aditivo, particularmente nos idosos.

Olaparib + Tacrolímus

Observações: Não foram realizados estudos de interação farmacológica formais.
Interações: Interações farmacocinéticas: Efeito de olaparib sobre outros fármacos: In vitro o olaparib pode inibir o CYP3A4 e não se pode excluir que olaparib possa incrementar as exposições a substratos desta enzima in vivo. Portanto, recomenda-se precaução quando se associam substratos do CYP3A4 com olaparib, em particular os que têm uma margem terapêutica estreita (p.ex., sinvastatina, cisaprida, ciclosporina, alcaloides ergóticos, fentanilo, pimozida, sirolímus, tacrolímus e quetiapina).

Ramipril + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Precauções de utilização: Sais de potássio, heparina, diuréticos poupadores de potássio e outras substâncias ativas que aumentam o potássio plasmático (incluindo antagonistas da Angiotensina II, trimetoprim, tacrolimus, ciclosporina): Pode ocorrer hipercaliemia, consequentemente é necessário efetuar uma monitorização cuidadosa dos níveis de potássio séricos.

Posaconazol + Tacrolímus

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Efeitos de posaconazol sobre outros medicamentos: Posaconazol é um potente inibidor do CYP3A4. A administração concomitante de posaconazol com substratos do CYP3A4 pode resultar num grande aumento da exposição aos substratos do CYP3A4 como exemplificado abaixo pelo efeito sobre tacrolimus, sirolimus, atazanavir e midazolam. Recomenda-se precaução durante a administração concomitante de posaconazol com substratos do CYP3A4 administrados por via intravenosa e poderá ser necessário reduzir a dose do substrato do CYP3A4. Se posaconazol for administrado concomitantemente com substratos do CYP3A4 administrados por via oral, e para os quais um aumento das concentrações plasmáticas poderá estar associado a reações adversas inaceitáveis, deve-se monitorizar cuidadosamente as concentrações plasmáticas do substrato de CYP3A4 e/ou as reações adversas, e ajustar a dose conforme necessário. Vários dos estudos de interação foram conduzidos em voluntários saudáveis nos quais ocorre uma exposição superior a posaconazol em comparação com os doentes administrados com a mesma dose. O efeito de posaconazol sobre os substratos de CYP3A4 em doentes pode ser inferior nalguns casos aos observados em voluntários saudáveis, e é expectável que seja variável entre os doentes devido à variável exposição de pos aconazol nos doentes. O efeito da administração concomitante com posaconazol nos níveis plasmáticos dos substratos CYP3A4 também pode ser variável no mesmo doente, exceto se posaconazol for administrado de um modo rigorosamente padronizado com a alimentação, dado o grande efeito da alimentação na exposição de posaconazol. Efeitos de posaconazol sobre outros medicamentos: Tacrolimus: Posaconazol aumentou a Cmax e a AUC do tacrolimus (dose única de 0,05 mg/kg de peso corporal) em 121% e 358%, respetivamente. Nos estudos sobre eficácia clínica foram notificadas interações clinicamente significativas, que resultaram em hospitalização e/ou em interrupção do tratamento com posaconazol. Quando se inicia o tratamento com posaconazol em doentes já em tratamento com tacrolimus, a dose de tacrolimus deve ser reduzida (por exemplo para cerca de um terço da dose atual). A partir desse momento os níveis sanguíneos de tacrolimus devem ser cuidadosamente monitorizados durante a administração concomitante e à altura da interrupção do tratamento com posaconazol, procedendo-se ao ajuste da dose de tacrolimus conforme necessário.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Barbitúricos + Tacrolímus

Observações: Indução das enzimas microssomais hepáticas metabolizadoras de fármacos. Efeito depressor no SNC aditivo com outros depressores do sistema nervoso central.
Interações: Fármacos cujo metabolismo é aumentado: Tacrolímus: redução do efeito - Tacrolímus
 Potencialmente Fatal

Cloreto de potássio + Cloreto de sódio + Glucose + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Interações relacionadas com a presença de potássio: A administração concomitante da solução com um dos seguintes medicamentos pode originar uma hipercalémia fatal, particularmente em doentes com insuficiência renal (adição de efeitos de hipercalémia): - Diuréticos poupadores de potássio (só ou em combinação) (amilorida, triamtereno, espironolactona, eplerenona) - Inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA) (tais como captopril, enalapril, lisinopril) - Bloqueadores dos recetores da Angiotensina II (Candesartan, telmisartan, eprosartan, irbesartan, losartan, valsartan) - Medicamentos com potássio tais como sais potássicos de penicilina - Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) (diclofenac, indometacina, piroxicam, ácido mefenâmico, celecoxib) - Heparina (inibidor da síntese de aldosterona) - Pentamidina, trimetoprim (bloqueadores dos canais de sódio) - Ciclosporina, tacrolimus (inibidores da calcineurina) - Bloqueadores β-adrenérgicos (propranolol, nadolol, atenolol) - Succinilcolina (suxametonium) (relaxante muscular)

Diltiazem + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: COMBINAÇÕES QUE REQUEREM PRECAUÇÃO: Imunossupressores (ciclosporina, tacrolímus, sirolímus, everolímus): Aumento nos níveis de imunossupressores em circulação. Recomenda-se que a posologia dos imunossupressores seja reduzida, que a função renal seja monitorizada, que os níveis de imunossupressores em circulação sejam analisados e que a posologia seja ajustada durante uma terapêutica combinada e após a interrupção desta.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Brotizolam + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Brotizolam é metabolizado principalmente pela isoenzima CYP3A4 do citocromo P450. Os medicamentos que competem como substrato do CYP3A4 (inibição competitiva) e medicamentos que inibem a CYP3A4 podem, deste modo, aumentar o efeito de brotizolam. Os substratos conhecidos da CYP3A4 são astemizol, antimicóticos azóis (ex. itraconazol e cetoconazol), imunossupressores (ex. ciclosporina A, sirolimus e tacrolimus), antagonistas do cálcio, antibióticos macrólidos (ex. claritromicina e eritromicina), antimaláricos (ex. halofantrine e mefloquina), midazolam, pimozida, inibidores da protease (indinavir, nelfinavir e ritonavir), sildenafil, estatinas (ex. atorvastatina, lovastatina e sinvastatina), esteroides (ex. etinilestradiol), tamoxifeno e terfenadina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Diclofenac + Misoprostol + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Existe um possível aumento do risco de nefrotoxicidade quando os AINEs são administrados com tacrolimus.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Palbociclib + Tacrolímus

Observações: Palbociclib é metabolizado principalmente pela CYP3A e pela SULT2A1, uma enzima da família das sulfotransferases (SULT). In vivo, palbociclib é um inibidor fraco e dependente do tempo da CYP3A.
Interações: A dose de substratos sensíveis da CYP3A com um índice terapêutico estreito (por ex., alfentanilo, ciclosporina, di-hidroergotamina, ergotamina, everolímus, fentanilo, pimozida, quinidina, sirolímus e tacrolímus) poderá ter de ser reduzida quando coadministrada com Palbociclib, pois Palbociclib pode aumentar a sua exposição.

Ibuprofeno + Paracetamol + Tacrolímus

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode também interferir com tacrolímus, ciclosporina, sulfonilureias, antibióticos pertencentes à família das quinolonas e inibidores da CYP2C9 (voriconazol, fluconazol).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Anticoagulantes orais + Tacrolímus

Observações: Intensamente ligados às proteínas plasmáticas. O metabolismo pode ser induzido. Susceptível à inibição do metabolismo pelo CYP2C9. A resposta anticoagulante pode ser alterada por fármacos que afectam a síntese ou o catabolismo de factores da coagulação.
Interações: Dabigatrano: Aumentam o risco de hemorragia por exposição aumentada ao dabigatrano: (devendo reduzir-se a dosagem do anticoagulante) - Tacrolímus

Baricitinib + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos imunossupressores: A associação com DMARDs biológicos ou outros inibidores da JAK não foi estudada. A utilização de baricitinib com medicamentos imunossupressores potentes, como azatioprina, tacrolimus ou ciclosporina foi limitada nos estudos clínicos de baricitinb, não sendo possível excluir o risco de um efeito aditivo de imunossupressão.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tobramicina + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Outros medicamentos que foram relatados como aumentando a potencial toxicidade dos aminoglicosidos administrados por via parentérica, incluem: Anfotericina B, cefalotina, ciclosporina, tacrolimus, polimixinas (risco de nefrotoxicidade aumentada); Compostos de platina (risco de nefrotoxicidade e ototoxicidade aumentado); Anticolinesterases, toxina botulínica (efeitos neuromusculares).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Tacrolímus

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações podem causar interações: Ciclosporina, tacrolimus: Mesmo com equilíbrio sódio-água normal, risco aumentado dos níveis de creatinina no soro sem alteração dos níveis circulatórios de ciclosporina.

Eritromicina + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: O uso de Eritromicina em doentes recebendo tratamento com fármacos metabolizados pelo citocromo P450 pode estar associado a elevações nos níveis séricos desses fármacos. Foram descritas interações da Eritromicina com carbamazepina, ciclosporina, hexobarbital, fenitoína, alfentanil, disopiramida, bromocriptina, valproato, tacrolimus, quinidina, metilprednisolona, cilostazol, vinblastina, sildenafil, terfenadina, astemizole e rifabutina. As concentrações séricas destes fármacos devem ser rigorosamente monitorizadas nos doentes recebendo tratamento concomitante com Eritromicina.

Indinavir + Tacrolímus

Observações: n.d.
Interações: INDINAVIR POTENCIADO COM RITONAVIR. IMUNOSSUPRESSORES: Tacrolímus: Interação com indinavir/ritonavir não estudada. O indinavir e ritonavir inibem o CYP3A4, logo espera-se que aumentem as concentrações plasmáticas de tacrolímus. É recomendada uma monitorização cuidada da terapêutica e dos efeitos adversos quando o tacrolímus é administrado concomitantemente com indinavir/ritonavir.

Telitromicina + Tacrolímus

Observações: Os estudos de interação foram apenas realizados em adultos.
Interações: Efeito do Telitromicina nos outros medicamentos: Ciclosporinas, tacrolimus, sirolimus: Devido à sua potencial inibição do CYP3A4, a telitromicina pode aumentar a concentração no sangue dos substratos CYP3A4. Assim, ao iniciar a telitromicina em doentes já a receber qualquer destes agentes imunossupressores, os níveis de ciclosporina, tacrolimus ou sirolimus devem ser cuidadosamente monitorizados e as suas doses diminuídas se necessário. Quando a telitromicina é descontinuada, os níveis de ciclosporina, tacrolimus ou sirolimus devem ser outra vez cuidadosamente monitorizados e, se necessário a dose aumentada.

Ácido niflúmico + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Risco de efeitos nefrotóxicos aditivos, especialmente no doente idoso.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Celecoxib + Tacrolímus

Observações: O celecoxib é um inibidor do CYP2D6.
Interações: A administração concomitante de ciclosporina ou tacrolimus e AINE tem sido relacionada com um aumento do efeito nefrotóxico da ciclosporina e do tacrolimus. A função renal deve ser monitorizada sempre que o celecoxib for administrado com um destes fármacos.

Dexibuprofeno + Tacrolímus

Observações: A informação desta secção é baseada na experiência já existente com o ibuprofeno racémico e com outros AINEs. Em geral, os AINEs devem ser usados com precaução, quando são administrados simultaneamente com outros fármacos que podem aumentar o risco de ulceração gastrointestinal, ou de hemorragia gastrointestinal, ou de insuficiência renal.
Interações: Precauções: Ciclosporina, tacrolimus, sirolimus, antibióticos aminoglicósidos: A administração concomitante com AINEs pode aumentar o risco de nefrotoxicidade, devido à síntese reduzida de prostaglandinas no rim. Durante a terapêutica combinada, a função renal deve ser cuidadosamente monitorizada, principalmente nos idosos. Medicamentos que aumentam os níveis de potássio plasmático: Os AINEs têm sido notificados por aumentarem os níveis séricos de potássio. Portanto, recomenda-se precaução durante o uso concomitante com fármacos que aumentam os níveis de potássio plasmático, tais como os diuréticos poupadores de potássio, inibidores da ECA, antagonistas dos recetores da angiotensina II, imunossupressores como a ciclosporina ou tacrolimus, timetoprim e heparinas, devendo os níveis séricos de potássio ser monitorizados.

Claritromicina + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da Claritromicina em outros medicamentos: Sabe-se ou suspeita-se que os fármacos ou classes seguintes são metabolizados pela isoenzima CYP3A: Alprazolam, astemizol, carbamazepina, cilostazol, cisaprida, ciclosporina, disopiramida, alcaloides da cravagem do centeio, lovastatina, metilprednisolona, midazolam, omeprazol, anticoagulantes orais (por ex. varfarina), pimozida, quinidina, rifabutina, sildenafil, sinvastatina, tacrolímus, terfenadina, triazolam e vimblastina. Fármacos com interação por mecanismos semelhantes através de outras isoenzimas no sistema do citocromo P450 incluem a fenitoína, teofilina e valproato.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido acetilsalicílico + Esomeprazol + Tacrolímus

Observações: A supressão do ácido gástrico durante o tratamento com esomeprazol e outros IBPs poderá reduzir ou aumentar a absorção de medicamentos com uma absorção gástrica pH-dependente. O esomeprazol inibe o CYP2C19, a principal enzima metabolizadora do esomeprazol. O omeprazol tal como o esomeprazol atuam como inibidores do CYP2C19. O esomeprazol é metabolizado pelo CYP2C19 e CYP3A4.
Interações: Tem sido notificado que a administração concomitante de esomeprazol aumenta os níveis séricos de tacrolímus.

Fenbufeno + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Da interacção entre este medicamento e o AINE poderá ocorrer anúria ou oligúria em pacientes submetidos a transplante hepático, possivelmente pela inibição das prostaglandinas renais, podendo ocorrer com qualquer AINE. A toma de AINE nestes doentes sob tacrolímus deve assim ser evitada. A realizar-se, devem monitorizar-se os níveis séricos de creatinina e o débito urinário.

Ramipril + Amlodipina + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Associadas ao ramipril Precauções de utilização Sais de potássio, heparina, diuréticos poupadores de potássio e outras substâncias ativas que aumentam o potássio plasmático (incluindo antagonistas da Angiotensina II, trimetoprim, tacrolimus, ciclosporina): Pode ocorrer hipercaliemia, sendo, por conseguinte, necessário efetuar uma monitorização cuidadosa dos níveis de potássio séricos. Associadas à amlodipina Efeitos da amlodipina sobre outros medicamentos Tacrolímus: Quando coadministrado com a amlodipina existe um risco de elevação dos níveis séricos de tacrolímus, embora o mecanismo farmacocinético desta interação não esteja totalmente compreendido. De forma a evitar a toxicidade associada ao tacrolímus, há necessidade de monitorização dos níveis séricos de tacrolímus e ajuste de dose de tacrolímus quando apropriado.

Bosentano + Tacrolímus

Observações: Bosentano é um indutor dos isoenzimas do citocromo P450 (CYP), CYP2C9 e CYP3A4. Dados in vitro sugerem também a indução de CYP2C19. Consequentemente, as concentrações plasmáticas das substâncias metabolizadas por estes isoenzimas estarão diminuídas com a administração concomitante de Bosentano. Deve ser considerada a possibilidade de uma alteração na eficácia dos medicamentos metabolizados por estes isoenzimas. A posologia destes produtos poderá ter de ser ajustada após o início do tratamento, uma alteração da dose de Bosentano ou interrupção do tratamento concomitante de Bosentano. Bosentano é metabolizado por CYP2C9 e CYP3A4. A inibição destes isoenzimas pode aumentar a concentração plasmática de bosentano.
Interações: A administração concomitante de tacrolimus ou sirolimus e Bosentano não foi estudada em humanos mas a administração concomitante de tacrolimus ou sirolimus e Bosentano pode resultar no aumento das concentrações plasmáticas de bosentano, tal como acontece na administração concomitante com ciclosporina A. O uso concomitante de Bosentano pode reduzir as concentrações plasmáticas de tacrolimus e sirolimus. Assim, o uso concomitante de Bosentano e tacrolimus ou sirolimus não é aconselhável. Os doentes que requerem esta combinação devem ser estreitamente monitorizados no que respeita a acontecimentos adversos relacionados com Bosentano e concentrações plasmáticas de tacrolimus e sirolimus.

Niraparib + Tacrolímus

Observações: Os estudos clínicos só foram realizados em adultos.
Interações: Efeitos de niraparib sobre outros medicamentos Inibição de CYP (CYP1A2, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, CYP2D6 e CYP3A4) Nem niraparib nem M1 são inibidores de enzimas CYP metabolizantes de substâncias ativas, designadamente CYP1A1/2, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, CYP2D6 e CYP3A4/5. Embora não seja de esperar uma inibição da CYP3A4 no fígado, o potencial para inibir CYP3A4 ao nível intestinal não foi estabelecido em concentrações relevantes de niraparib. Portanto, recomenda-se precaução quando niraparib é combinado com substâncias ativas cujo metabolismo depende de CYP3A4 e, em particular, aquelas com uma margem terapêutica estreita (por exemplo, ciclosporina, tacrolímus, alfentanilo, ergotamina, pimozida, quetiapina e halofantrina).

Perindopril + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Alguns medicamentos ou classes terapêuticas podem aumentar a ocorrência de hipercaliemia: aliscireno, sais de potássio, diuréticos poupadores de potássio, IECAs, antagonistas dos recetores da angiotensina II, AINEs, heparinas, medicamentos imunossupressores tal como ciclosporina ou tacrolímus, trimetoprim. A associação destes medicamentos aumenta o risco de hipercaliemia.

Midostaurina + Tacrolímus

Observações: A midostaurina sofre uma extensa metabolização hepática principalmente através das enzimas CYP3A4 que são induzidas ou inibidas por alguns medicamentos concomitantes.
Interações: Efeito de Midostaurina sobre outros medicamentos Midostaurina não é um inibidor da CYP3A4 in vivo. A farmacocinética de midazolam (sonda CYP3A4 sensíveis) não foi afetada após três dias de administração de midostaurina a indivíduos saudáveis. Com base em dados in vitro, a midostaurina e/ou os seus metabolitos têm o potencial de inibir as enzimas CYP1A2, CYP2D6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2E1 e CYP3A4/5. Com base em dados in vitro, a midostaurina e/ou os seus metabolitos têm o potencial de induzir as enzimas CYP1A2, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19 e CYP3A4. A midostaurina inibiu OATP1B1, BCRP e glicoproteína-p (P-gp) in vitro. A combinação dos dados de auto indução de midostaurina in vivo após administração repetida e o aumento dos níveis de colesterol 4β-OH no plasma sugerem que a midostaurina pode ser pelo menos um indutor moderado da CYP3A4 in vivo. Não foram realizados estudo in vivo para investigar a indução e inibição de enzimas e transportadores pela midostaurina e pelos metabolitos ativos. Os medicamentos com uma margem terapêutica estreita que são substratos da CYP1A2 (p.ex. tizanidina), CYP2D6 (p. ex. codeína) CYP2C8 (p.ex. paclitaxel), CYP2C9 (p.ex. varfarina), CYP2C19 (e.g. omeprazol), CYP2E1 (p.ex. clorzoxazona), CYP3A4/5 (p.ex. tacrolímus), CYP2B6 (p.ex. efavirenz), Gp-p (p.ex. paclitaxel), BCRP (p.ex. atorvastatina) ou OATP1B1 (p. ex. digoxina) devem ser utilizados com precaução quando administrados concomitantemente com midostaurina, e podem necessitar de ajuste de dose para manter uma exposição ótima. Atualmente desconhece-se se a midostaurina pode reduzir a eficácia de contracetivos hormonais e portanto as mulheres a utilizar contracetivos hormonais devem também utilizar um método anticoncecional de barreira.

Tenofovir + Tacrolímus

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Administração concomitante não recomendada: Medicamentos eliminados por via renal: Uma vez que o tenofovir é excretado principalmente pelos rins, a coadministração de tenofovir disoproxil com medicamentos que reduzem a função renal ou competem pela secreção tubular ativa via proteínas de transporte hOAT 1, hOAT 3 ou MRP 4 (ex. cidofovir) poderá aumentar as concentrações séricas do tenofovir e/ou dos medicamentos administrados concomitantemente. A utilização de tenofovir disoproxil deve ser evitada concomitantemente ou pouco tempo após a utilização de um medicamento nefrotóxico. Alguns exemplos destes medicamentos incluem, mas não se limitam a aminoglicósidos, anfotericina B, foscarneto, ganciclovir, pentamidina, vancomicina, cidofovir ou interleucina-2. Tendo em conta que o tacrolímus pode afetar a função renal, recomenda-se uma monitorização cuidadosa quando este é administrado com tenofovir disoproxil. Estudos realizados com outros medicamentos: Não se observaram quaisquer interações farmacocinéticas clinicamente significativas quando o tenofovir disoproxil foi coadministrado com emtricitabina, lamivudina, indinavir, efavirenz, nelfinavir, saquinavir (potenciado com ritonavir), metadona, ribavirina, rifampicina, tacrolimus ou o contracetivo hormonal norgestimato/etinilestradiol.

Cloreto de potássio + Glucose + Tacrolímus

Observações: Não são conhecidas outras interações medicamentosas farmacológicas clinicamente relevantes.
Interações: Deve ter-se cuidado com a utilização concomitante de fármacos que contenham potássio e fármacos com o potencial para induzir uma hipercaliémia, tais como: - diuréticos poupadores de potássio, p.ex. espironolactona, triamtereno - inibidores da ECA antagonistas dos recetores da angiotensina II - tacrolímus - ciclosporina - suxametónio
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atorvastatina + Perindopril + Tacrolímus

Observações: Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com este medicamento e outros medicamentos, embora alguns estudos tenham sido realizados com atorvastatina e perindopril separadamente. Os dados de estudos clínicos demonstram que o duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) através da utilização combinada de IECAs, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno está associado ao aumento da frequência de eventos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia, diminuição da função renal (incluindo insuficiência renal aguda) comparativamente com a utilização de um único medicamento que atua no SRAA.
Interações: Medicamentos que induzem hipercaliemia Alguns medicamentos ou classes terapêuticas podem aumentar a ocorrência de hipercaliemia: aliscireno, sais de potássio, diuréticos poupadores de potássio, IECAs, antagonistas dos recetores da angiotensina-II, AINEs, heparinas, imunossupressores, tais como a ciclosporina ou tacrolímus, trimetoprim. A associação de Atorvastatina + Perindopril com estes medicamentos aumenta o risco de hipercaliemia.

Naproxeno + Esomeprazol + Tacrolímus

Observações: n.d.
Interações: Utilização concomitante com precaução: Tacrolimus: Como acontece com todos os AINEs, existe um possível risco de nefrotoxicidade quando naproxeno é administrado conjuntamente com tacrolimus. Foi notificado que a administração concomitante de esomeprazol aumenta os níveis séricos de tacrolimus. Durante o tratamento com Naproxeno/Esomeprazol, deve ser realizado um reforço da monitorização das concentrações de tacrolimus bem como da função renal (depuração da creatinina), e ajuste posológico de tacrolimus se necessário.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Fosfato monopotássico + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Diuréticos poupadores de potássio, antagonistas da aldosterona, inibidores da ECA, tacrolímus, ciclosporinas, anti-inflamatórios não esteroides, analgésicos periféricos e heparinas usadas durante longos períodos: Estes medicamentos reduzem a excreção renal de potássio. A administração simultânea de potássio com estes medicamentos pode resultar em hipercaliemia grave.

Tocofersolano + Tacrolímus

Observações: Não foram realizados estudos de interação.
Interações: Devido à inibição do transportador P - Glicoproteína, o tocofersolano pode também reforçar a absorção intestinal de outras vitaminas lipossolúveis concomitantes (A, D, E, K) ou de outros medicamentos altamente lipofílicos (como esteróides, antibióticos, antihistamínicos, a ciclosporina, o tacrolimus). Por conseguinte, há que efetuar a devida monitorização e, quando necessário, ajustar a dose.

Dabrafenib + Tacrolímus

Observações: O dabrafenib é um indutor enzimático e aumenta a síntese das enzimas metabolizadoras de fármacos incluindo CYP3A4, CYP2Cs e CYP2B6 e pode aumentar a síntese dos transportadores. Tal resulta em níveis plasmáticos reduzidos dos medicamentos metabolizados por estas enzimas e pode afetar alguns medicamentos transportados. A redução nas concentrações plasmáticas pode levar a perda ou a redução dos efeitos clínicos destes medicamentos. Também existe um risco aumentado de formação de metabolitos ativos destes medicamentos. As enzimas que podem ser induzidas incluem CYP3A no fígado e no intestino, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, e UGTs (enzimas conjugadas pelo glucoronido). A proteína de transporte gp-P pode também ser induzida assim como outros transportadores, por ex. MRP-2, BC RP e OATP1B1/1B3. In vitro, o dabrafenib produziu aumentos dependentes da dose no CYP2B6 e CYP3A4. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Efeitos de dabrafenib noutros medicamentos: O dabrafenib é um indutor enzimático e aumenta a síntese das enzimas metabolizadoras de fármacos incluindo CYP3A4, CYP2Cs e CYP2B6 e pode aumentar a síntese dos transportadores. Tal resulta em níveis plasmáticos reduzidos dos medicamentos metabolizados por estas enzimas e pode afetar alguns medicamentos transportados. A redução nas concentrações plasmáticas pode levar a perda ou a redução dos efeitos clínicos destes medicamentos. Também existe um risco aumentado de formação de metabolitos ativos destes medicamentos. As enzimas que podem ser induzidas incluem CYP3A no fígado e no intestino, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, e UGTs (enzimas conjugadas pelo glucoronido). A proteína de transporte gp-P pode também ser induzida assim como outros transportadores, por ex. MRP-2, BC RP e OATP1B1/1B3. In vitro, o dabrafenib produziu aumentos dependentes da dose no CYP2B6 e CYP3A4. Num estudo clínico de interação medicamentosa, a Cmax e AUC do midazolam oral (um substrato do CYP3A4) diminuiu 61% e 74% respetivamente com a coadministração de doses repetidas de dabrafenib utilizando uma formulação com uma biodisponibilidade mais baixa do que a formulação de dabrafenib. A administração de 150 mg de dabrafenib duas vezes por dia e varfarina resultou numa diminuição da AUC de S-e R-varfarina em 37% e 33% em comparação com a administração de varfarina em monoterapia. A Cmax de S-e R-varfarina aumentou 18% e 19%. São esperadas interações com muitos medicamentos eliminados através do metabolismo ou transporte ativo. Se o seu efeito terapêutico for de grande importância para o doente, e os ajustes posológicos não forem facilmente realizáveis com base na monitorização da eficácia ou concentrações plasmáticas, estes medicamentos devem ser evitados ou utilizados com precaução. Suspeita-se que o risco de lesão hepática após a administração de paracetamol é superior nos doentes tratados concomitantemente com indutores enzimáticos. Espera-se que o número de medicamentos afetados seja grande; embora a magnitude da interação possa variar. Os grupos de medicamentos que podem ser afetados incluem, mas não estão limitados a: - Analgésicos (por ex. fentanilo, metadona) - Antibióticos (por ex., claritromicina, doxiciclina) - Agentes anticancerígenos (por ex., cabazitaxel) - Anticoagulantes (por ex. acenocumarol, varfarina) - Antiepiléticos (por ex., carbamazepina, fenitoína, primidona, ácido valpróico) - Antipsicóticos (por ex., haloperidol) - Bloqueadores dos canais de cálcio (por ex., diltiazem, felodipina, nicardipina, nifedipina, verapamil) - Glicosidos cardíacos (por ex., digoxina) - Corticosteroides (por ex., dexametasona, metilprednisolona) - Antivíricos para o VIH (por ex., amprenavir, atazanavir, darunavir, delavirdina, efavirenz, fosamprenavir, indinavir, lopinavir, nelfinavir, saquinavir, tipranavir) - Contracetivos hormonais - Hipnóticos (por ex., diazepam, midazolam, zolpidem) - Imunossupressores (por ex., ciclosporina, tacrolimus, sirolímus) - Estatinas metabolizadas pelo CYP3A4 (por ex., atorvastatina, sinvastatina) É provável que o início da indução ocorra após 3 dias de administração repetida com dabrafenib. Aquando da descontinuação de dabrafenib, o equilibro da indução é gradual, as concentrações dos CYP3A4, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9 e CYP2C19, UDP-glucuronosil transferases (UGT) e substratos transportadores podem aumentar e os doentes devem ser monitorizados para toxicidade e a posologia destes agentes pode necessitar de ser ajustada. In vitro, o dabrafenib é um inibidor do mecanismo do CYP3A4. Como tal, a inibição transitória do CYP3A4 pode ser vista durante os primeiros dias do tratamento.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bendamustina + Tacrolímus

Observações: Não foram realizados estudos de interacção in vivo. Qualquer tratamento que reduza a capacidade de desempenho do doente ou afecte o funcionamento da medula óssea pode aumentar a toxicidade de Bendamustina. O metabolismo da bendamustina envolve a isoenzima 1A2 do citocromo P450 (CYP).
Interações: A associação de Bendamustina com ciclosporina ou tacrolimus pode resultar numa imunossupressão excessiva, com risco de linfoproliferação.

Enalapril + Lercanidipina + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: MALEATO DE ENALAPRIL: Os dados de ensaios clínicos têm demonstrado que o duplo bloqueio do sistema renina- angiotensina-aldosterona (SRAA) através do uso combinado de inibidores da ECA, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno está associado a uma maior frequência de acontecimentos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia e função renal diminuída (incluindo insuficiência renal aguda) em comparação com o uso de um único fármaco com ação no SRAA. Algumas substâncias ativas ou classes terapêuticas podem favorecer o desenvolvimento de hipercaliemia: Sais de potássio, diuréticos poupadores de potássio, inibidores da ECA, inibidores da angiotensina II, anti-inflamatórios não esteroides, heparinas (baixo peso molecular ou não fracionadas), ciclosporina, tacrolimus, trimetoprim. A ocorrência de hipercaliemia pode depender da existência de fatores de risco associados. O risco é aumentado em combinação com os medicamentos acima referidos.

Voriconazol + Tacrolímus

Observações: n.d.
Interações: Imunossupressores: [substratos do CYP3A4] Tacrolimus (dose única de 0,1 mg/kg) Quando se inicia o tratamento com voriconazol em doentes sob terapêutica com tacrolimus, recomenda-se a redução da dose de tacrolimus para um terço da dose inicial e a monitorização cuidadosa dos seus níveis. Níveis de tacrolimus aumentados foram associados a nefrotoxicidade. Quando o voriconazol é descontinuado, os níveis de tacrolimus devem ser cuidadosamente monitorizados e a dose aumentada, se necessário.

Estiripentol + Tacrolímus

Observações: Não se encontra devidamente esclarecida a influência de outros medicamentos antiepilépticos na farmacocinética do estiripentol. Estudos in vitro sugeriram que o metabolismo de fase 1 do estiripentol é catalizado pela CYP1A2, CYP2C19 e CYP3A4 e possivelmente outras enzimas. É aconselhada precaução ao associar o estiripentol com outras substâncias que inibem ou induzem uma ou mais destas enzimas.
Interações: Combinações indesejáveis (a evitar salvo se estritamente necessário): Imunossupressores (tacrolímus, ciclosporina, sirolímus): Aumento dos níveis sanguíneos de imunosupressores (diminuição do metabolismo hepático).
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Tacrolímus + Inibidores do CYP3A4

Observações: n.d.
Interações: Interações metabólicas: O tacrolímus disponível sistemicamente é metabolizado por via hepática pelo CYP3A4. Existe também evidência de metabolismo gastrintestinal pelo CYP3A4 na parede intestinal. O uso concomitante de medicamentos ou fitoterapêuticos reconhecidamente inibidores ou indutores do CYP3A4 pode afectar o metabolismo do tacrolímus e, consequentemente, aumentar ou diminuir os níveis sanguíneos de tacrolímus. Deste modo, é recomendada a monitorização dos níveis sanguíneos de tacrolímus sempre que substâncias com potencial para alterar o metabolismo da CYP3A são usadas concomitantemente, e ajustar de modo apropriado a dose de tacrolímus de modo a manter uma exposição semelhante de tacrolímus.

Doravirina + Tacrolímus

Observações: n.d.
Interações: Efeitos da doravirina noutros medicamentos Não é provável que a doravirina na dose de 100 mg uma vez por dia tenha um efeito clinicamente relevante nas concentrações plasmáticas de medicamentos que são dependentes de proteínas de transporte para absorção e/ou eliminação ou que são metabolizados pelas enzimas CYP. No entanto, a administração concomitante de doravirina e do substrato sensível ao CYP3A, midazolam, resultou numa diminuição de 18% na exposição ao midazolam, sugerindo que a doravirina pode ser um indutor fraco do CYP3A. Por conseguinte, deve ter-se precaução ao administrar concomitantemente doravirina com medicamentos que sejam substratos sensíveis ao CYP3A que também tenham uma janela terapêutica estreita (por exemplo, tacrolímus e sirolímus).
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Tacrolímus + Indutores do CYP3A4

Observações: n.d.
Interações: Interações metabólicas: O tacrolímus disponível sistemicamente é metabolizado por via hepática pelo CYP3A4. Existe também evidência de metabolismo gastrintestinal pelo CYP3A4 na parede intestinal. O uso concomitante de medicamentos ou fitoterapêuticos reconhecidamente inibidores ou indutores do CYP3A4 pode afectar o metabolismo do tacrolímus e, consequentemente, aumentar ou diminuir os níveis sanguíneos de tacrolímus. Deste modo, é recomendada a monitorização dos níveis sanguíneos de tacrolímus sempre que substâncias com potencial para alterar o metabolismo da CYP3A são usadas concomitantemente, e ajustar de modo apropriado a dose de tacrolímus de modo a manter uma exposição semelhante de tacrolímus.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Cetoconazol

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Fluconazol

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Itraconazol

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona. Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: Foi observado aumento da nefrotoxidade após a administração de anfotericina B e ibuprofeno conjuntamente com tacrolímus.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Voriconazol

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.

Sevelâmero + Tacrolímus

Observações: Diálise: Não foram realizados estudos de interação em doentes submetidos a diálise.
Interações: Ciclosporina, micofenolato de mofetil e tacrolimus em doentes transplantados: Foi comunicada uma diminuição dos níveis de ciclosporina, de micofenolato mofetil e de tacrolimus em doentes transplantados em tratamento concomita nte com cloridrato de sevelâmero, sem quaisquer consequências clínicas (i.e. rejeição do enxerto). Não se pode excluir a possibilidade de uma interação, pelo que a monitorização cuidadosa das concentrações séricas de micofenolato mofetil, de ciclosporina e de tacrolimus durante o tratamento combinado e após a sua suspensão deve ser considerada.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Eritromicina

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Inibidores da bomba de protões (IBP) + Tacrolímus

Observações: A redução da acidez gástrica pode alterar a absorção de fármacos para os quais a acidez gástrica afecta a biodisponibilidade; Todos são metabolizados pelo cit. P450, incluindo o CYP2C19 e o CYP3A4; São raras as interacções clinicamente significativas.
Interações: Aumentam a concentração plasmática de: - Tacrolímus
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Ritonavir

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Pseudoefedrina + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Tacrolímus: O risco de nefrotoxicidade é potenciado se os dois medicamentos forem administrados concomitantemente.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Antifúngicos

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Omeprazol + Tacrolímus

Observações: A diminuição da acidez intragástrica durante o tratamento com omeprazol pode aumentar ou diminuir a absorção de substâncias activas com uma absorção dependente do pH gástrico.
Interações: Tem sido relatado que a administração concomitante de omeprazol aumenta os níveis séricos de tacrolimus. Deve ser efectuada uma monitorização reforçada das concentrações de tacrolimus, bem como da função renal (clearance de creatinina), e a dose de tacrolimus ajustada, se necessário.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Inibidores da Protease (IP)

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Dexlansoprazol + Tacrolímus

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos. Foi demonstrado que o CYP2C19 e o CYP3A4 estão envolvidos no metabolismo do dexlansoprazol. O dexlansoprazol pode interferir com a absorção de medicamentos para os quais o pH gástrico é crítico em termos de biodisponibilidade. Estudos in vitro demonstraram que não é provável que Dexlansoprazol iniba as isoformas do CYP 1A1, 1A2, 2A6, 2B6, 2C8, 2C9, 2D6, 2E1 ou 3A4. Assim sendo, não são de esperar interações clinicamente relevantes com fármacos metabolizados por estas enzimas do CYP. Medicamentos transportados pela glicoproteína P: Observou-se que o lansoprazol inibe a proteína transportadora, P-gp in vitro. Podem esperar-se efeitos semelhantes com o dexlansoprazol. A relevância clínica deste facto é desconhecida.
Interações: A administração concomitante do dexlansoprazol pode aumentar as concentrações plasmáticas do tacrolímus (um substrato do CYP3A e da P-glicoproteína [P-gp]), especialmente nos doentes transplantados que são metabolizadores intermédios ou fracos do CYP2C19. Aconselha-se a monitorização das concentrações plasmáticas do tacrolímus quando se inicia ou termina o tratamento concomitante com dexlansoprazol.

Itraconazol + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Efeito do itraconazol no metabolismo de outros medicamentos: Os seguintes medicamentos devem ser utilizados com precaução e as suas concentrações plasmáticas, efeitos e efeitos secundários monitorizados. As suas posologias, se coadministrado com itraconazol, deverão ser reduzidas: Digoxina, ciclosporina A, metilprednisolona sistémica, alcaloides da vinca e possivelmente o Tacrolímus. Efeito do itraconazol no metabolismo de outros medicamentos: Os seguintes medicamentos devem ser utilizados com precaução e as suas concentrações plasmáticas, efeitos e efeitos secundários monitorizados. Pode ser necessária a diminuição da dose destes fármacos se se administram conjuntamente com itraconazol. - Certos agentes imunodepressores: ciclosporina, tacrolimus, rapamicina (também conhecidos como sirolimus).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Macrólidos

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.

Eluxadolina + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Substratos do CYP3A: A eluxadolina pode aumentar a exposição de medicamentos coadministrados metabolizados pelo citocromo CYP3A4. Deve ter-se precaução quando se administrar tais fármacos (por exemplo, midazolam, eritromicina, nifedipina), especialmente para aqueles com índice terapêutico estreito (por exemplo, alfentanilo, di-hidroergotamina, ergotamina, fentanilo, pimozida, quinidina, sirolimus, tacrolimus). A concentração destes medicamentos com índice terapêutico estreito coadministrados ou dos seus outros marcadores farmacodinâmicos deve de ser monitorizada, quando o uso concomitante de eluxadolina for iniciado ou descontinuado.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Rifabutina + Tacrolímus

Observações: n.d.
Interações: Tacrolimus: Efeito na rifabutina: ND Efeito no fármaco coadministrado: ND Autores referem que a rifabutina diminui tacrolimus através dos níveis sanguíneos. ND – Não há dados
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Clotrimazol

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Claritromicina

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.

Cetorolac + Tacrolímus

Observações: O cetorolac tem uma elevada ligação às proteínas plasmáticas humanas (média de 99,2%) e a ligação não depende da concentração. Não existe evidência em estudos humanos ou animais que cetorolac induza ou iniba as enzimas hepáticas capazes de o metabolizar a ele ou a outros fármacos. Como tal, não se espera que Cetorolac altere a farmacocinética de outros fármacos devido a mecanismos de indução ou inibição enzimática.
Interações: Há um potencial risco de nefrotoxicidade quando os AINEs são administrados com tacrolímus.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Josamicina

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Caspofungina + Tacrolímus

Observações: Estudos in vitro mostram que a caspofungina não é um inibidor de qualquer das enzimas do sistema do citocromo P450 (CYP). Em estudos clínicos, a caspofungina não induziu o metabolismo de outras substâncias pelo CYP3A4. A caspofungina não é um substrato para a glicoproteína - P e é um substrato pobre para as enzimas do citocromo P450. No entanto, em estudos farmacológicos e clínicos, foi demonstrado que a caspofungina interage com outros medicamentos. Todos os estudos de interação em adultos supracitados foram conduzidos com doses diárias de 50 ou 70 mg de caspofungina. A interação de doses mais elevadas de caspofungina com outros medicamentos não foi formalmente estudada.
Interações: A caspofungina reduziu a concentração de vale do tacrolímus em cerca de 26% em voluntários adultos saudáveis. Em doentes que estejam a receber ambas as terapêuticas, é exigida a monitorização de rotina das concentrações sanguíneas do tacrolímus e instituídos ajustamentos posológicos adequados do tacrolímus. Os estudos clínicos em voluntários adultos saudáveis mostram que a farmacocinética da caspofungina não é alterada de modo clinicamente relevante pelo tacrolímus.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Nifedipina

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.

Amlodipina + Telmisartan + Tacrolímus

Observações: Os efeitos hipotensores da amlodipina são aditivos a efeitos de outros medicamentos com propriedades hipotensoras
Interações: Tal como outros produtos medicinais que atuam no sistema renina-angiotensina-aldosterona, o telmisartan pode provocar hipercaliemia. O risco pode aumentar no caso de tratamento em combinação com outros produtos medicinais que também podem provocar hipercaliemia (substitutos do sal contendo potássio, diuréticos poupadores de potássio, inibidores da ECA, antagonistas dos recetores da angiotensina II, produtos medicinais anti-inflamatórios não esteroides (AINEs, incluindo inibidores seletivos da COX-2), heparina, imunossupressores (ciclosporina ou tacrolimus), e trimetoprim). A ocorrência de hipercaliemia depende de fatores de risco associados. O risco é mais elevado no caso das combinações de tratamento acima indicadas. O risco é particularmente elevado em combinação com diuréticos poupadores de potássio, e quando combinados com substitutos do sal contendo potássio. Por exemplo, a combinação com inibidores da ECA ou AINEs, apresenta um risco menor caso as precauções de utilização sejam estritamente seguidas. Quando coadministrado com a amlodipina existe um risco de elevação dos níveis séricos de tacrolimus, embora o mecanismo farmacocinético desta interação não esteja totalmente compreendido. De forma a evitar a toxicidade associada ao tacrolimus, há necessidade de monitorização dos níveis séricos de tacrolimus e ajuste de dose de tacrolimus em doentes aos quais seja administrada amlodipina e que estejam a ser tratados com tacrolimus.

Eplerenona + Tacrolímus

Observações: Estudos in vitro indicam que a eplerenona não é um inibidor das isoenzimas CYP1A2, CYP2C19, CYP2C9, CYP2D6 ou CYP3A4. A eplerenona não é um substrato nem um inibidor da glicoproteína-P.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Ciclosporina, tacrolimus: A ciclosporina e o tacrolimus podem dar origem a um compromisso da função renal e aumentar o risco de hipercaliemia. O uso concomitante da eplerenona e ciclosporina ou tacrolimus deve ser evitado. Se for necessário, recomenda-se uma monitorização cuidada do potássio sérico e da função renal quando a ciclosporina e o tacrolimus têm de ser administrados durante o tratamento com a eplerenona.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Nicardipina

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Diltiazem

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Verapamilo

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Danazol

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.

Colestilano + Tacrolímus

Observações: Os estudos de interação for am realizados em voluntários saudáveis. Não foram realizados estudos de interação a doses diárias >9 g, não sendo por isso possível excluir a ocorrência de efeitos de interação mais significativos a doses mais elevadas de Colestilano.
Interações: Não estão disponíveis quaisquer dados in vivo sobre a possível interação de Colestilano na absorção dos medicamentos imunossupressores mofetil, ciclosporina ou tacrolimus. No entanto, foram relatadas diminuições nas concentrações sanguíneas de medicamentos com um mecanismo de ação similar ao Colestilano. Deverá ter-se precaução ao prescrever Colestilano a doentes que se encontrem a receber imunossupressores.

Hipericão + Tacrolímus

Observações: Além disto, os pacientes devem estar informados que interacções com outros medicamentos não podem ser excluídas e devem ser tidas em consideração durante a toma de Hipericão.
Interações: Hipericão é contra-indicado (interacções farmacocinéticas) em associação com: - Certos imunossupressores tais como a ciclosporina e o tacrolimo (risco de rejeição de transplantes), - Os anticoagulantes orais, varfarina e o acenocoumarol (risco de trombose), - Os antiretrovirais inibidores da protease como o indinavir, nelfinavir, ritonavir e saquinavir, e os inibidores não-nucleósidos da transcriptase reversa como o efavirenz e nevirapina (risco de redução da concentração plasmática com diminuição possível da resposta virológica), - Os anticancerosos, irinotecan e mesilato de imatinib (risco de falha terapêutica), - Os seguintes anticonvulsivantes (exceto a gabapentina e a vigabatrina): carbamazepina, etosuximida, felbamate, fosfenitoína, lamotrigina, fenobarbital, fenitoína, primidona, tiagabina, topiramato, ácido valpróico, valpromida (risco de diminuição do efeito terapêutico).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Etinilestradiol

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Omeprazol

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.

Bexaroteno + Tacrolímus

Observações: Não se efectuaram quaisquer estudos formais para avaliar as interações medicamentosas com bexaroteno.
Interações: Aconselha-se cuidado em caso de conjugação com substratos do CYP3A4 com intervalo terapêutico estreito, tais como, agentes imunossupressores (ciclosporina, tacrolimus, sirolimus) bem como agentes citotóxicos metabolizados pelo CYP3A4, tais como, ciclofosfamida, etoposido, finasterida, ifosfamida, tamoxifeno e alcalóides da vinca.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Nefazodona

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Foi demonstrado clinicamente que as seguintes substâncias aumentam os níveis sanguíneos de tacrolímus: Foram observadas interações fortes com os antifúngicos cetoconazol, fluconazol, itraconazol e voriconazol, com o antibiótico macrólido eritromicina ou inibidores da protease VIH (por exemplo, ritonavir). O uso concomitante destas substâncias pode requerer a diminuição das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Interações mais fracas foram observadas com clotrimazol, claritromicina, josamicina, nifedipina, nicardipina, diltiazem, verapamilo, danazol, etinilestradiol, omeprazol e nefazodona.

Azatioprina + Tacrolímus

Observações: Os doentes devem ser aconselhados no sentido de informar o seu anestesiologista do tratamento com Azatioprina antes de uma cirurgia.
Interações: Se azatioprina for combinado com outros imunossupressores, como por exemplo ciclosporina ou tacrolimus, terá de ter-se em consideração o maior risco de imunossupressão excessiva.

Tacrolímus + Bromocriptina

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Estudos in vitro, demonstram que as substâncias a seguir indicadas são potenciais inibidores do metabolismo do tacrolímus: Bromocriptina, cortisona, dapsona, ergotamina, gestodeno, lidocaína, fenitoína, miconazol, midazolam, nilvadipina, noretisterona, quinidina, tamoxifeno, troleandomicina. O sumo de toranja tem sido relacionado com o aumento dos níveis sanguíneos de tacrolímus pelo que deverá ser evitado.

Tacrolímus + Cortisona

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Estudos in vitro, demonstram que as substâncias a seguir indicadas são potenciais inibidores do metabolismo do tacrolímus: Bromocriptina, cortisona, dapsona, ergotamina, gestodeno, lidocaína, fenitoína, miconazol, midazolam, nilvadipina, noretisterona, quinidina, tamoxifeno, troleandomicina. O sumo de toranja tem sido relacionado com o aumento dos níveis sanguíneos de tacrolímus pelo que deverá ser evitado.

Doravirina + Lamivudina + Tenofovir + Tacrolímus

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Efeitos da doravirina, lamivudina e tenofovir disoproxil noutros medicamentos Doravirina Não é provável que a doravirina na dose de 100 mg uma vez por dia tenha um efeito clinicamente relevante nas concentrações plasmáticas de medicamentos que são dependentes de proteínas de transporte para absorção e/ou eliminação ou que são metabolizados pelas enzimas CYP. No entanto, a administração concomitante de doravirina e do substrato sensível ao CYP3A, midazolam, resultou numa diminuição de 18% na exposição ao midazolam, sugerindo que a doravirina pode ser um indutor fraco do CYP3A. Por conseguinte, deve ter-se precaução ao administrar concomitantemente doravirina com medicamentos que sejam substratos sensíveis ao CYP3A que também tenham uma janela terapêutica estreita (por exemplo, tacrolímus e sirolímus). Imunossupressores Tacrolímus sirolímus: Monitorização das concentrações sanguíneas de tacrolímus e sirolímus, pois a dose destes agentes pode precisar de ser ajustada.

Efavirenz + Emtricitabina + Tenofovir + Tacrolímus

Observações: As interações que foram identificadas com Efavirenz, Emtricitabina e Tenofovir individualmente podem ocorrer com esta associação. Os estudos de interação com estes medicamentos só foram realizados em adultos.
Interações: IMUNOSSUPRESSORES: Imunossupressores metabolizados pelo CYP3A4 (por ex., ciclosporina, tacrolímus, sirolímus)/Efavirenz: Interação não estudada. Pode esperar-se uma ↓ exposição do imunossupressor (indução CYP3A4). Não se antecipa que estes imunossupressores tenham impacto na exposição do efavirenz. Tacrolimus/Emtricitabina/Tenofovir disoproxil fumarato: (0,1 mg/kg q.d./200 mg/ 300 mg q.d.) Podem ser necessários ajustes de dose do imunossupressor. Recomenda-se uma cuidadosa monitorização das concentrações de imunossupressor quando se inicia ou interrompe o tratamento com Efavirenz / Emtricitabina / Tenofovir, durante pelo menos duas semanas (até se atingirem concentrações estáveis).

Tacrolímus + Dapsona

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Estudos in vitro, demonstram que as substâncias a seguir indicadas são potenciais inibidores do metabolismo do tacrolímus: Bromocriptina, cortisona, dapsona, ergotamina, gestodeno, lidocaína, fenitoína, miconazol, midazolam, nilvadipina, noretisterona, quinidina, tamoxifeno, troleandomicina. O sumo de toranja tem sido relacionado com o aumento dos níveis sanguíneos de tacrolímus pelo que deverá ser evitado.

Glecaprevir + Pibrentasvir + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: IMUNOSSUPRESSORES Tacrolímus 1 mg dose única (CYP3A4 e inibição da P-gp) A combinação de Glecaprevir / Pibrentasvir com tacrolímus deve ser utilizada com precaução. É esperado um aumento da exposição de tacrolímus. Portanto, recomenda-se uma monitorização terapêutica do tacrolímus e um ajuste da dose de tacrolímus apropriado.

Tacrolímus + Ergotamina

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Estudos in vitro, demonstram que as substâncias a seguir indicadas são potenciais inibidores do metabolismo do tacrolímus: Bromocriptina, cortisona, dapsona, ergotamina, gestodeno, lidocaína, fenitoína, miconazol, midazolam, nilvadipina, noretisterona, quinidina, tamoxifeno, troleandomicina. O sumo de toranja tem sido relacionado com o aumento dos níveis sanguíneos de tacrolímus pelo que deverá ser evitado.

Tacrolímus + Gestodeno

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Estudos in vitro, demonstram que as substâncias a seguir indicadas são potenciais inibidores do metabolismo do tacrolímus: Bromocriptina, cortisona, dapsona, ergotamina, gestodeno, lidocaína, fenitoína, miconazol, midazolam, nilvadipina, noretisterona, quinidina, tamoxifeno, troleandomicina. O sumo de toranja tem sido relacionado com o aumento dos níveis sanguíneos de tacrolímus pelo que deverá ser evitado.

Tacrolímus + Lidocaína

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Estudos in vitro, demonstram que as substâncias a seguir indicadas são potenciais inibidores do metabolismo do tacrolímus: Bromocriptina, cortisona, dapsona, ergotamina, gestodeno, lidocaína, fenitoína, miconazol, midazolam, nilvadipina, noretisterona, quinidina, tamoxifeno, troleandomicina. O sumo de toranja tem sido relacionado com o aumento dos níveis sanguíneos de tacrolímus pelo que deverá ser evitado.

Tacrolímus + Fenitoína

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Estudos in vitro, demonstram que as substâncias a seguir indicadas são potenciais inibidores do metabolismo do tacrolímus: Bromocriptina, cortisona, dapsona, ergotamina, gestodeno, lidocaína, fenitoína, miconazol, midazolam, nilvadipina, noretisterona, quinidina, tamoxifeno, troleandomicina. O sumo de toranja tem sido relacionado com o aumento dos níveis sanguíneos de tacrolímus pelo que deverá ser evitado. Indutores do metabolismo: As substâncias a seguir indicadas demonstraram diminuir clinicamente os níveis sanguíneos de tacrolímus: Fortes interações foram observadas com rifampicina, fenitoína ou hipericão (Hypericum perforatum) o que pode requerer o aumento das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Foram reportadas interações clínicas relevantes com o fenobarbital. As doses de manutenção com corticosteróides demonstraram poder reduzir os níveis sanguíneos de tacrolímus. Doses elevadas de prednisolona ou metilprednisolona, administradas para o tratamento da rejeição aguda, têm o potencial de aumentar ou diminuir os níveis sanguíneos de tacrolímus. A carbamazepina, metamizol e isoniazida têm potencial para diminuir as concentrações de tacrolímus. Efeito do tacrolímus no metabolismo de outros medicamentos: O tacrolímus demonstrou aumentar os níveis sanguíneos de fenitoína.

Tacrolímus + Miconazol

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Estudos in vitro, demonstram que as substâncias a seguir indicadas são potenciais inibidores do metabolismo do tacrolímus: Bromocriptina, cortisona, dapsona, ergotamina, gestodeno, lidocaína, fenitoína, miconazol, midazolam, nilvadipina, noretisterona, quinidina, tamoxifeno, troleandomicina. O sumo de toranja tem sido relacionado com o aumento dos níveis sanguíneos de tacrolímus pelo que deverá ser evitado.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tedizolida + Tacrolímus

Observações: O potencial de interações serotoninérgicas não foi estudado nem em doentes nem em voluntários saudáveis.
Interações: Baseado nos resultados in vitro, há um risco de indução enzimática pelo fosfato de tedizolida. Isto pode resultar numa redução da eficácia de medicamentos administrados concomitantemente que sejam substratos da CYP3A4 com um índice terapêutico estreito (tais como midazolam oral, triazolam, alfentanilo, ciclosporina, fentanilo, pimozida, quinidina, sirolimus e tacrolimus), da CYP2B6 (efavirenz), da CYP2C9 (varfarina) e P-gp (digoxina).

Tacrolímus + Midazolam

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Estudos in vitro, demonstram que as substâncias a seguir indicadas são potenciais inibidores do metabolismo do tacrolímus: Bromocriptina, cortisona, dapsona, ergotamina, gestodeno, lidocaína, fenitoína, miconazol, midazolam, nilvadipina, noretisterona, quinidina, tamoxifeno, troleandomicina. O sumo de toranja tem sido relacionado com o aumento dos níveis sanguíneos de tacrolímus pelo que deverá ser evitado.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Dexrazoxano + Tacrolímus

Observações: O dexrazoxano pode aumentar a toxicidade induzida pelo ciclo de quimioterapia no qual ocorreu o acidente, os parâmetros hematológicos devem ser monitorizados cuidadosamente. Quando testado em cinco das principais isoenzimas do citocromo P450 CYP1A, CYP2C9, CYP2C19, CYP2D6 e CYP3A4, nenhuma destas foi inibida pelo dexrazoxano.
Interações: Imunossupressão excessiva com risco de doença linfoproliferativa.

Tacrolímus + Nilvadipina

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Estudos in vitro, demonstram que as substâncias a seguir indicadas são potenciais inibidores do metabolismo do tacrolímus: Bromocriptina, cortisona, dapsona, ergotamina, gestodeno, lidocaína, fenitoína, miconazol, midazolam, nilvadipina, noretisterona, quinidina, tamoxifeno, troleandomicina. O sumo de toranja tem sido relacionado com o aumento dos níveis sanguíneos de tacrolímus pelo que deverá ser evitado.

Tacrolímus + Noretisterona

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Estudos in vitro, demonstram que as substâncias a seguir indicadas são potenciais inibidores do metabolismo do tacrolímus: Bromocriptina, cortisona, dapsona, ergotamina, gestodeno, lidocaína, fenitoína, miconazol, midazolam, nilvadipina, noretisterona, quinidina, tamoxifeno, troleandomicina. O sumo de toranja tem sido relacionado com o aumento dos níveis sanguíneos de tacrolímus pelo que deverá ser evitado.

Letermovir + Tacrolímus

Observações: Informação geral sobre as diferenças na exposição entre os diferentes regimes de tratamento com letermovir - A exposição plasmática esperada de letermovir difere consoante o regime terapêutico utilizado. Desta forma, as consequências clínicas das interações medicamentosas do letermovir vão depender do regime de letermovir utilizado, e se o letermovir está ou não associado à ciclosporina. - A associação de ciclosporina e letermovir pode levar a efeitos potenciados ou adicionais dos medicamentos concomitantes quando comparado com letermovir isoladamente.
Interações: Medicamentos metabolizados pelo CYP3A O letermovir é um inibidor moderado in vivo do CYP3A. A administração concomitante de Letermovir com midazolam oral (um substrato do CYP3A) resulta num aumento de 2-3 vezes das concentrações plasmáticas de midazolam. A administração concomitante de Letermovir pode resultar em aumentos clinicamente relevantes das concentrações plasmáticas de substratos CYP3A administrados concomitantemente. - Exemplos destes medicamentos incluem imunossupressores (por ex.: ciclosporina, tacrolimus e sirolimus), inibidores da HMG-CoA redutase e amiodarona. Pimozida e alcaloides ergotamínicos são contraindicados. A magnitude do efeito inibitório do CYP3A é dependente da via de administração de letermovir e da administração concomitante de ciclosporina. Devido à inibição dependente do tempo e simultânea indução, o efeito inibitório enzimático real pode não ser atingido até aos 10-14 dias. O tempo necessário para atingir o estado estacionário de um medicamento específico afetado, irá também influenciar o tempo necessário para atingir o efeito total na concentração plasmática. Após terminar o tratamento, demora cerca de 10-14 dias para que o efeito inibitório desapareça. Se for feita monitorização recomenda-se que seja feita nas 2 primeiras semanas após iniciar e depois de terminar letermovir, bem como após alterar a via de administração de letermovir. Imunosupressores Tacrolimus (5 mg dose única)/ letermovir (480 mg por dia): Devem ser monitorizadas frequentemente as concentrações de tacrolimus no sangue total, durante o tratamento, quando se altera a via de administração de Letermovir e ao descontinuar Letermovir, e a dose de tacrolimus deve ser ajustada. Tacrolimus (5 mg dose única)/ letermovir (80 mg duas vezes por dia): Devem ser monitorizadas frequentemente as concentrações de tacrolimus no sangue total, durante o tratamento, quando se altera a via de administração de Letermovir e ao descontinuar Letermovir, e a dose de tacrolimus deve ser ajustada.

Tacrolímus + Quinidina

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Estudos in vitro, demonstram que as substâncias a seguir indicadas são potenciais inibidores do metabolismo do tacrolímus: Bromocriptina, cortisona, dapsona, ergotamina, gestodeno, lidocaína, fenitoína, miconazol, midazolam, nilvadipina, noretisterona, quinidina, tamoxifeno, troleandomicina. O sumo de toranja tem sido relacionado com o aumento dos níveis sanguíneos de tacrolímus pelo que deverá ser evitado.

Tramadol + Dexcetoprofeno + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: A administração requer cuidado com tacrolimus, utilizado para tratar doenças do sistema imune e no transplante de órgãos.

Tacrolímus + Tamoxifeno

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Estudos in vitro, demonstram que as substâncias a seguir indicadas são potenciais inibidores do metabolismo do tacrolímus: Bromocriptina, cortisona, dapsona, ergotamina, gestodeno, lidocaína, fenitoína, miconazol, midazolam, nilvadipina, noretisterona, quinidina, tamoxifeno, troleandomicina. O sumo de toranja tem sido relacionado com o aumento dos níveis sanguíneos de tacrolímus pelo que deverá ser evitado.

Ceritinib + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Agentes cuja concentração plasmática pode ser alterada por ceritinib: Com base nos dados in vitro, ceritinib inibe de forma competitiva o metabolismo de midazolam, um substrato da CYP3A, e diclofenac, um substrato da CYP2C9. Observou-se também inibição da CYP3A dependente do tempo. O valor de Cmax no estado de equilíbrio de ceritinib na dose clínica recomendada de 750 mg por dia pode exceder os valores Ki para CYP3A e CYP2C9, sugerindo que ceritinib possa inibir a eliminação de outros medicamentos metabolizados por estas enzimas em concentrações clinicamente relevantes. Pode ser necessária redução da dose com coadministração de medicamentos que são predominantemente metabolizados pela CYP3A e CYP2C9. A co-administração de ceritinib com substratos da CYP3A conhecidos por terem indíces terapêuticos estreitos (p. ex: astemizol, cisaprida, ciclosporina, ergotamina, fentanil, pimozida, quinidina, tacrolímus, alfentanil e sirolímus) e substratos da CYP2C9 conhecidos por terem indíces terapêuticos estreitos (p.ex: fenitoína e varfarina) devem ser evitadas.

Tacrolímus + Troleandomicina

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Estudos in vitro, demonstram que as substâncias a seguir indicadas são potenciais inibidores do metabolismo do tacrolímus: Bromocriptina, cortisona, dapsona, ergotamina, gestodeno, lidocaína, fenitoína, miconazol, midazolam, nilvadipina, noretisterona, quinidina, tamoxifeno, troleandomicina. O sumo de toranja tem sido relacionado com o aumento dos níveis sanguíneos de tacrolímus pelo que deverá ser evitado.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Macrólidos + Tacrolímus

Observações: Podem interferir com a absorção de outros fármacos, inibir as enzimas metabolizadoras com aumento da toxicidade de alguns fármacos e, com menos frequência, reduzir a concentração plasmática de outros, por aceleração do metabolismo. Os macrólidos envolvidos com mais frequência são a eritromicina (em particular por via parentérica) e a claritromicina. A eritromicina em aplicação tópica não origina interacções.
Interações: Por inibição enzimática, com aumento da concentração plasmática e da toxicidade respectiva interferem com - Tacrolímus

Tacrolímus + Sumo de toranja

Observações: n.d.
Interações: Inibidores do metabolismo: Estudos in vitro, demonstram que as substâncias a seguir indicadas são potenciais inibidores do metabolismo do tacrolímus: Bromocriptina, cortisona, dapsona, ergotamina, gestodeno, lidocaína, fenitoína, miconazol, midazolam, nilvadipina, noretisterona, quinidina, tamoxifeno, troleandomicina. O sumo de toranja tem sido relacionado com o aumento dos níveis sanguíneos de tacrolímus pelo que deverá ser evitado.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Rifampicina

Observações: n.d.
Interações: Indutores do metabolismo: As substâncias a seguir indicadas demonstraram diminuir clinicamente os níveis sanguíneos de tacrolímus: Fortes interações foram observadas com rifampicina, fenitoína ou hipericão (Hypericum perforatum) o que pode requerer o aumento das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Foram reportadas interações clínicas relevantes com o fenobarbital. As doses de manutenção com corticosteróides demonstraram poder reduzir os níveis sanguíneos de tacrolímus. Doses elevadas de prednisolona ou metilprednisolona, administradas para o tratamento da rejeição aguda, têm o potencial de aumentar ou diminuir os níveis sanguíneos de tacrolímus. A carbamazepina, metamizol e isoniazida têm potencial para diminuir as concentrações de tacrolímus.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lansoprazol + Tacrolímus

Observações: O lansoprazol pode interferir com a absorção de medicamentos para os quais o pH gástrico é crítico em termos de biodisponibilidade. O lansoprazol pode aumentar as concentrações plasmáticas de medicamentos metabolizados através do CYP3A4. Aconselha-se cuidado ao combinar o lansoprazol com fármacos metabolizados por esta enzima e que tenham uma janela terapêutica estreita. Observou-se que o lansoprazol inibe a proteína de transporte, glicoproteína P (P-gp) in vitro. A relevância clínica deste facto é desconhecida.
Interações: A coadministração do lansoprazol aumenta as concentrações plasmáticas do tacrolímus (um substrato do CYP3A e da P-gp). A exposição do lansoprazol aumenta a exposição média do tacrolímus até 81%. Aconselha-se a monitorização das concentrações plasmáticas do tacrolímus quando se inicia ou termina o tratamento concomitante com lansoprazol.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Hipericão

Observações: n.d.
Interações: Indutores do metabolismo: As substâncias a seguir indicadas demonstraram diminuir clinicamente os níveis sanguíneos de tacrolímus: Fortes interações foram observadas com rifampicina, fenitoína ou hipericão (Hypericum perforatum) o que pode requerer o aumento das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Foram reportadas interações clínicas relevantes com o fenobarbital. As doses de manutenção com corticosteróides demonstraram poder reduzir os níveis sanguíneos de tacrolímus. Doses elevadas de prednisolona ou metilprednisolona, administradas para o tratamento da rejeição aguda, têm o potencial de aumentar ou diminuir os níveis sanguíneos de tacrolímus. A carbamazepina, metamizol e isoniazida têm potencial para diminuir as concentrações de tacrolímus.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Fenobarbital

Observações: n.d.
Interações: Indutores do metabolismo: As substâncias a seguir indicadas demonstraram diminuir clinicamente os níveis sanguíneos de tacrolímus: Fortes interações foram observadas com rifampicina, fenitoína ou hipericão (Hypericum perforatum) o que pode requerer o aumento das doses de tacrolímus em praticamente todos os doentes. Foram reportadas interações clínicas relevantes com o fenobarbital. As doses de manutenção com corticosteróides demonstraram poder reduzir os níveis sanguíneos de tacrolímus. Doses elevadas de prednisolona ou metilprednisolona, administradas para o tratamento da rejeição aguda, têm o potencial de aumentar ou diminuir os níveis sanguíneos de tacrolímus. A carbamazepina, metamizol e isoniazida têm potencial para diminuir as concentrações de tacrolímus.

Telmisartan + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Digoxina: Quando o telmisartan foi coadministrado com digoxina, foram observados aumentos médios no pico de concentração plasmática (49%) e na concentração mínima (20%) de digoxina. Ao iniciar, ajustar e suspender o telmisartan, devem ser monitorizados os níveis de digoxina de modo a manter os níveis dentro da janela terapêutica. Tal como com outros medicamentos que atuam no sistema renina-angiotensina-aldosterona, o telmisartan pode induzir hipercaliemia. O risco pode aumentar em caso de associação com outros fármacos que possam também induzir hipercaliemia (substitutos do sal contendo potássio, diuréticos poupadores de potássio, inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECAs), antagonistas do recetor da angiotensina II, fármacos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs, incluindo os inibidores seletivos da COX-2), heparina, imunossupressores (ciclosporina ou tacrolimus) e trimetropim). A ocorrência de hipercaliemia vai depender dos fatores de risco associados. O risco encontra-se aumentado no caso das associações terapêuticas acima mencionadas. O risco é particularmente elevado na associação com diuréticos poupadores de potássio e quando associado com substitutos do sal contendo potássio. Uma associação com inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECAs) ou fármacos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), por exemplo, acarreta um risco menor, desde que as precauções de uso sejam rigorosamente seguidas.
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Nos casos em que o tratamento é necessário, o tacrolímus pode ser considerado em mulheres grávidas quando não existir uma alternativa segura e quando o benefício observado justificar o potencial risco para o feto.

As mulheres medicadas com Tacrolímus não devem amamentar.

O tacrolímus pode causar perturbações visuais e neurológicas.

Este efeito pode ser intensificado se Tacrolímus for administrado em associação com álcool.

Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017