Sevoflurano

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Condução
O que é
O Sevoflurano (2,2,2-trifluoro-1-[trifluorometil] éter etílico fluorometilo), também chamado fluorometilo, é um éter isopropílico não inflamável com odor adocicado, altamente fluorado, usado para indução e manutenção da anestesia geral.

Juntamente com o desflurano, tem vindo a substituir o isoflurano e o halotano na anestesiologia moderna.
Usos comuns
Causando anestesia geral (perda de consciência) antes e durante a cirurgia.

O sevoflurano é um anestésico.

Ele funciona por atividade deprimente no sistema nervoso central, o que provoca a perda de consciência.
Tipo
Molécula pequena.
História
Os primeiros relatórios de sevoflurano apareceu na literatura em 1971.

O agente foi desenvolvido por Ross Terrell, PhD.

Foi introduzida na prática clínica no Japão inicialmente em 1990.

Seu nome vem de ter sete átomos de flúor.

Os direitos de sevoflurano em os EUA e outros países foram realizadas pela Abbott Laboratories.

Ela agora está disponível como um medicamento genérico.
Indicações
Indução e manutenção da anestesia geral em adultos e crianças.
Classificação CFT

02.01 : Anestésicos gerais

Mecanismo De Ação
O sevoflurano é um anestésico por inalação de metil-isopropil-éter halogenado que provoca uma indução e uma fase de recuperação rápidas.

A CAM (concentração alveolar mínima) é específica da idade.


O sevoflurano provoca a perda de consciência, abolição reversível da dor e da atividade motora, diminuição dos reflexos autonómicos, depressão respiratória e cardiovascular.

Estes efeitos dependem da dosagem.


O sevoflurano apresenta um baixo coeficiente de partição sangue/gás (0,65), levando a uma recuperação rápida da anestesia.


Efeitos cardiovasculares: o sevoflurano pode provocar uma diminuição da pressão sanguínea associada à concentração.

O sevoflurano provoca a sensibilização do miocárdio ao efeito arritmogénico da epinefrina administrada por via exógena.

Esta sensibilização é similar àquela provocada pelo isoflurano.
Posologia Orientativa
A dose deve ser individualizada e titulada para o efeito desejado, de acordo com a idade do doente e o seu estado clínico.


Pode ser administrado um barbitúrico de ação curta ou outro agente de indução intravenoso, seguidos de inalação com sevoflurano.


A indução com sevoflurano pode ser conseguida pela inalação de sevoflurano a 0,5-1,0% em oxigénio (O2) com ou sem óxido nitroso (N2O), com aumentos por incrementos de 0,5-1,0% de sevoflurano, até ao máximo de 8% em adultos e crianças, até que seja alcançada a profundidade de anestesia necessária.


Em adultos, as concentrações inspiradas até 5% de sevoflurano produzem geralmente anestesia cirúrgica em menos de dois minutos.

Em crianças, as concentrações inspiradas até 7% de sevoflurano produzem geralmente anestesia cirúrgica em menos de dois minutos.
Administração
Sevoflurano ser-lhe-á administrado por um anestesista.

O anestesista irá decidir a dose necessária e o momento em que esta vai ser administrada.

A dose varia de acordo com a idade, peso tipo de cirurgia e outros medicamentos dados durante a cirurgia.
Contraindicações
Sevoflurano não deve ser usado em doentes com hipersensibilidade conhecida ou suspeita ao sevoflurano ou a outros anestésicos halogenados (p.ex., histórico de alterações da função hepática, febre ou leucocitose de causa desconhecida após anestesia com um destes agentes).


Sevoflurano não deve ser usado em doentes com uma história de hepatite devida a um anestésico inalatório halogenado confirmada ou uma história clínica não explicada de disfunção hepática moderada a grave, com icterícia, febre e eosinofilia depois da anestesia com sevoflurano.


Sevoflurano não deve ser usado em doentes com suscetibilidade genética conhecida ou suspeita de hipertermia maligna.


Sevoflurano está contraindicado em doentes para os quais a anestesia geral está contraindicada.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Efeitos secundários muito frequentes (afetam mais de 1 utilizador em 10)

agitação (sensação de inquietação e desorientação) ritmo cardíaco lento tensão arterial baixa tosse náuseas (sensação de enjoo) e vómitos (enjoo).

Efeitos secundários frequentes (afetam 1 a 10 utilizadores em 100)

sonolência ou sensação de muito sono cefaleias tonturas ritmo cardíaco rápido tensão arterial alta perturbações respiratórias obstrução das vias respiratórias respiração lenta e superficial contrações na garganta salivação aumentada febre arrepios aumento ou redução do número dos glóbulos brancos, o que pode afetar o sistema imunitário, ou seja, aumento da suscetibilidade a infeções aumento do nível de glucose (açúcar) no sangue, detetado por um teste sanguíneo aumento das enzimas do fígado, detetado por um teste sanguíneo aumento do nível de fósforo no sangue, detetado por um teste sanguíneo temperatura corporal reduzida.

Efeitos secundários pouco frequentes (afetam 1 a 10 utilizadores em 1 000)

Confusão palpitações ou batimento cardíaco irregular bloqueio AV (uma perturbação na condução elétrica do coração) apneia (paragem respiratória asma hipoxia (nível baixo de oxigénio no sangue) aumento dos níveis de creatinina no sangue (um indicador de função renal reduzida), detetado por um teste sanguíneo

Desconhecidos (a frequência não pode ser calculada a partir dos dados disponíveis) reações alérgicas, como por exemplo:
erupções cutâneas vermelhidão da pele erupção da pele com comichão (urticária) comichão pálpebras inchadas dificuldades respiratórias anafilaxia e reações anafilatoides.

Estas reações alérgicas podem ocorrer rapidamente e são potencialmente fatais.

Os sintomas de anafilaxia incluem: angioedema (inchaço da pele do rosto, membros, lábios, língua ou garganta) dificuldades respiratórias tensão arterial baixa erupção da pele com comichão (urticária).

convulsões semelhantes a epilepsia movimentos de contração súbitos paragem cardíaca espasmo das vias aéreas dificuldade em respirar ou respiração sibilante respiração presa falta de ar função hepática diminuída ou hepatite (inflamação do fígado), caracterizada por exemplo por perda de apetite, febre, vómitos, desconforto abdominal icterícia e urina escura.


Temperatura corporal perigosamente elevada
Desconforto torácico
Um aumento da pressão no interior do crânio
Batimentos cardíacos irregulares ou palpitações
Inflamação do pâncreas
Aumento dos níveis de potássio no sangue como detetado por um teste de amostra de sangue
Rigidez muscular
Pele amarelada
Inflamação dos rins (os sintomas podem incluir febre, confusão ou sonolência, erupção cutânea, inchaço, mais ou menos do que o normal de urina e sangue na urina)
Inchaço
Por vezes, ocorrem convulsões (crises).

Estas podem ocorrer durante a administração de
Sevoflurano ou até um dia depois, durante a recuperação.

Ocorrem com mais frequência em crianças e jovens adultos.


Em crianças com Síndrome de Down que recebem sevoflurano, podem ocorrer um abrandamento do ritmo cardíaco.


Os níveis de flúor no sangue podem estar um pouco aumentados durante e imediatamente após a anestesia, mas estes níveis não parecem ser prejudiciais e rapidamente voltam ao normal.


Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detetar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.


Se observar alterações na forma como se sente após ter recebido sevoflurano, informe o seu médico ou farmacêutico.

Alguns efeitos secundários podem necessitar de tratamento.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: B - Não há estudos adequados em mulheres. Em experiência em animais não foram encontrados riscos, mas foram encontrados efeitos colaterais que não foram confirmado nas mulheres, especialmente durante o último trimestre de gravidez.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Deve-se ter cuidado na administração de sevoflurano a mulheres a amamentar.
Condução
Condução
Condução:O Sevoflurano influencia gravemente a sua capacidade para conduzir veículos.
Precauções Gerais
Sevoflurano só deve ser administrado por pessoas treinadas na administração de anestesia geral.

Os meios necessários para a manutenção das vias aéreas, ventilação artificial, enriquecimento de oxigénio e ressuscitação circulatória devem estar disponíveis para uso imediato.

Todos os doentes anestesiados com sevoflurano devem ser constantemente monitorizados, incluindo eletrocardiograma (ECG), pressão sanguínea (PS), saturação de oxigénio e volume final de expiração de dióxido de carbono (CO2).

A concentração de sevoflurano administrada a partir de um vaporizador deve ser conhecida de forma exata.

Dado que os anestésicos inalatórios diferem nas suas propriedades físicas, devem ser usados vaporizadores especificamente calibrados para o sevoflurano.

A administração da anestesia geral tem de ser individualizada com base na resposta do doente.

A hipotensão e a depressão respiratória aumentam à medida que a anestesia é mais profunda.

Durante a manutenção da anestesia, o aumento da concentração de sevoflurano resulta em diminuições da pressão sanguínea dependentes da dose.

Uma redução excessiva da pressão sanguínea pode estar relacionada com a profundidade da anestesia e em tais circunstâncias pode ser corrigida por diminuição da concentração de sevoflurano inspirado.

Devido à insolubilidade do sevoflurano no sangue, podem ocorrer alterações hemodinâmicas mais rapidamente do que com outros anestésicos voláteis.

A recuperação da anestesia geral deve ser cuidadosamente avaliada antes de permitir que os doentes deixem a unidade de cuidados pós-anestesia.

Deve-se ter um cuidado especial ao selecionar a dosagem para doentes hipovolémicos, hipotensos, debilitados ou doutro modo hemodinamicamente comprometidos, por exemplo, devido a medicação concomitante.

Deve-se ter prudência na anestesia obstétrica devido ao efeito relaxante do sevoflurano no útero e aumento das hemorragias uterinas.

Doentes com exposição repetida a hidrocarbonetos halogenados, incluindo sevoflurano, dentro de um intervalo relativamente curto, pode ter um risco aumentado de lesão hepática.

Como com todos os anestésicos, a manutenção da estabilidade hemodinâmica é importante para evitar a isquémia do miocárdio em doentes com doenças das coronárias.

Hipertermia maligna: Em indivíduos suscetíveis, os anestésicos inalatórios potentes podem desencadear um estado hipermetabólico do músculo-esquelético, levando a uma necessidade aumentada de oxigénio e à síndrome clínica conhecida como hipertermia maligna.

Foram notificados casos raros de hipertermia maligna com a utilização de sevoflurano.

A síndrome clínica manifesta-se por hipercapnia e pode incluir rigidez muscular, taquicardia, taquipneia, cianose, arritmias e/ou pressão sanguínea instável.

Alguns destes sinais inespecíficos podem também aparecer durante a anestesia ligeira, hipoxia aguda, hipercapnia e hipovolemia.

Tem sido notificado desfecho fatal de hipertermia maligna com sevoflurano.

O tratamento inclui a suspensão dos fármacos responsáveis (por exemplo, sevoflurano), a administração intravenosa de dantroleno sódico e a aplicação de terapia de suporte.

A insuficiência renal pode aparecer mais tarde, e a produção de urina deve ser monitorizada e mantida, se possível.

O uso de anestésicos inalatórios foi associado a raros aumentos nos níveis séricos de potássio que resultam em arritmias cardíacas e morte em doentes pediátricos durante o período pós-operatório.

Os doentes com doença neuromuscular latente ou manifesta, especialmente com distrofia muscular de Duchenne, parecem estar mais vulneráveis.

O uso concomitante de succinilcolina foi associado à maioria, mas não há totalidade dos casos.

Estes doentes também manifestaram aumentos importantes nos níveis séricos de creatinaquinase e, nalguns casos, alterações na urina consistentes com mioglobinúria.

Apesar da semelhança na apresentação para hipertermia maligna, nenhum destes doentes apresentou sinais ou sintomas de rigidez muscular ou estado hipermetabólico.

Recomenda-se uma intervenção precoce e agressiva para tratar a hipercaliemia e as arritmias resistentes, assim como avaliação subsequente de doença neuromuscular latente.

Foram recebidas notificações isoladas de prolongamento do intervalo QT, muito raramente associado a torsades de pointes (fatais, em casos excecionais).

Deve ser tida precaução ao administrar sevoflurano a doentes suscetíveis.

Foram notificados casos isolados de arritmia ventricular em doentes pediátricos com doença de Pompe.

Deve ser tida precaução na administração da anestesia geral, incluindo sevoflurano, em doentes com patologia mitocondrial.

Os movimentos distónicos, que desaparecem sem tratamento, são observados em crianças que receberam sevoflurano para indução de anestesia.

A sua relação com o sevoflurano é incerta.

O despertar é geralmente rápido após a anestesia com sevoflurano; portanto, os doentes podem vir a necessitar de um alívio precoce das dores no pós-operatório.

Foram notificados, da experiência pós comercialização, casos muito raros de disfunção hepática pós-operatória ligeira, moderada ou grave ou de hepatite (com ou sem icterícia).

Deve ser feita uma avaliação clínica quando o sevoflurano é utilizado em doentes com problemas hepáticos subjacentes ou naqueles que estão a receber tratamentos com medicamentos conhecidos por provocar disfunção hepática.

Em doentes que sofreram lesão hepática, icterícia, febre inexplicada ou eosinofilia após a administração de outros anestésicos de inalação, recomenda-se evitar a administração de sevoflurano, se for possível a anestesia com medicamentos intravenosos ou de anestesia regional.

Embora a recuperação da consciência ocorra geralmente dentro de minutos, após a administração de sevoflurano, o impacto sobre a função intelectual por dois ou três dias após a anestesia não foi estudado.

Tal como acontece com outros anestésicos, pequenas alterações no humor podem persistir por vários dias após a administração.

Substituição do absorvente de CO2 seco A reação exotérmica entre o sevoflurano e a cal absorvente de CO2 é reforçada quando a cal absorvente de CO2 está seca, por exemplo, após um período mais extenso com corrente de gás seco sobre o recipiente com cal absorvente de CO2.

Foram assinalados casos raros de calor extremo, fumo e/ou fogo espontâneo no vaporizador de anestesia durante a utilização de sevoflurano juntamente com cal absorvente seca, especialmente aqueles que contêm hidróxido de potássio.

Um aumento demorado inesperado da concentração de sevoflurano inspirado ou uma diminuição inesperada na concentração de sevoflurano inspirado, comparados com o valor definido pelo vaporizador, podem constituir um sinal de sobreaquecimento do recipiente de cal absorvente de CO2.

Quando os absorventes de CO2 secam, pode ocorrer uma reação exotérmica, degradação aumentada de sevoflurano e produção de produtos de degradação, como acontece após um período prolongado de fluxo de gás seco através dos canisters do absorvente de CO2.

Foram detetados produtos de degradação do sevoflurano (metanol, formaldeído, monóxido de carbono e Compostos A, B, C e D) no circuito respiratório de um aparelho de anestesia experimental utilizando absorventes de CO2 secos e concentrações máximas de sevoflurano (8%) por períodos de tempo prolongados (≥2 horas).

As concentrações de formaldeído observadas no circuito respiratório da anestesia (usando absorventes contendo hidróxido de sódio) foram consistentes com os níveis que se sabe causarem irritação respiratória ligeira.

Desconhece-se a relevância clínica dos produtos de degradação observados neste modelo experimental extremo.

Se o médico responsável suspeitar que a cal absorvente de CO2 esteja seca, esta deve ser substituída antes da administração de sevoflurano.

O indicador colorido presente na maioria das cais absorventes de CO2 não muda necessariamente de cor quando seco.

Portanto, a ausência de indicação de mudança de cor não deve ser considerada como um sinal seguro de hidratação suficiente.

O absorvente de CO2 deve ser substituído regularmente, independentemente do indicador colorido.

Compromisso renal Sevoflurano deve ser administrado com precaução a doentes com compromisso renal (creatinina sérica ≥1,5 mg/dl ou 135 micromol/l); a função renal deve ser monitorizada no pós-operatório.

Lesão renal
Embora sejam limitados os dados de estudos clínicos controlados a baixas velocidades, os resultados provenientes de estudos em doentes e animais sugerem que existe um potencial para lesão renal, que se presume ser devido ao Composto A.

Estudos em animais e humanos demonstram que o sevoflurano administrado para mais do que 2 horas a CAM e a taxas de fluxo de gás fresco de <2 L/min pode ser associada com proteinúria e glicosúria.

Não foi estabelecido o nível de exposição ao Composto A no qual é expectável a ocorrência de nefrotoxicidade clínica.

Considere todos os fatores que levam à exposição ao Composto A nos seres humanos, especialmente a duração da exposição, a taxa de fluxo de gás fresco e a concentração de sevoflurano.

A concentração de sevoflurano inspirado e o fluxo de gás fresco devem ser ajustados para minimizar a exposição ao Composto A.

A exposição ao sevoflurano não deve exceder 2 horas a CAM a taxas de fluxo de 1 a <2 L/min.

Não são recomendadas taxas de fluxo de gás fresco <1 L/min.

Neurocirurgia Em doentes com risco de aumento da pressão intracraniana (PIC), o sevoflurano deve ser cuidadosamente administrado, juntamente com procedimentos de redução da PIC, como a hiperventilação.

Convulsões
Casos raros de convulsões têm sido relatados em associação com o uso de sevoflurano.

O uso de sevoflurano tem sido associado à ocorrência de convulsões em crianças e adultos jovens, assim como em adultos idosos com ou sem fatores de risco predisponentes.

É necessária uma avaliação clínica antes do uso do sevoflurano em doentes com risco de convulsões.

Em crianças, a profundidade da anestesia deve ser limitada.

A eletroencefalografia (EEG) pode permitir a otimização da dose de sevoflurano e ajudar a evitar o desenvolvimento da atividade convulsiva em doentes com predisposição para convulsões .

População pediátrica A utilização de sevoflurano foi associada a crises epiléticas (convulsões).

Muitos ocorreram em crianças e adultos jovens a partir dos 2 meses de idade, a maioria dos quais não tinham fatores de risco predisponentes Deve ser feito uma avaliação clínica na utilização do sevoflurano em doentes que possam ter risco de convulsões.

O rápido despertar em crianças pode evocar brevemente um estado de agitação e dificultar a cooperação (em cerca de 25% das crianças anestesiadas).

Síndrome de Down Em crianças com síndrome de Down, foi notificada uma prevalência e grau de bradicardia significativamente maior, durante e após indução com sevoflurano.
Cuidados com a Dieta
Não interfere com alimentos e bebidas.
Terapêutica Interrompida
Este medicamento é administrado em meio hospitalar.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.


O medicamento não necessita de precauções especiais de conservação
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Sem efeito descrito

Sevoflurano + Depressores do SNC

Observações: N.D.
Interações: Sevoflurano mostrou ser seguro e eficaz quando administrado concomitantemente com uma grande variedade de fármacos habitualmente usados em cirurgia, tais como fármacos para o sistema nervoso central, fármacos para o sistema nervoso autónomo, relaxantes musculares, anti-infecciosos incluindo aminoglicosídeos, hormonas e substitutos sintéticos, derivados do sangue e cardiovasculares, incluindo epinefrina. - Depressores do SNC
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de mivacúrio + Sevoflurano

Observações: N.D.
Interações: O bloqueio neuromuscular produzido pelo mivacúrio pode ser potenciado pela utilização concomitante de anestésicos inalados como o enflurano, isoflurano, sevoflurano e halotano. - Sevoflurano
Usar com precaução

Sevoflurano + Relaxantes musculares

Observações: N.D.
Interações: Sevoflurano mostrou ser seguro e eficaz quando administrado concomitantemente com uma grande variedade de fármacos habitualmente usados em cirurgia, tais como fármacos para o sistema nervoso central, fármacos para o sistema nervoso autónomo, relaxantes musculares, anti-infecciosos incluindo aminoglicosídeos, hormonas e substitutos sintéticos, derivados do sangue e cardiovasculares, incluindo epinefrina. Bloqueadores Neuromusculares: Como acontece com outros anestésicos inalatórios, o sevoflurano afeta tanto a intensidade quanto a duração do bloqueio neuromuscular pelos relaxantes musculares não-despolarizantes. Quando usado para suplementar a anestesia com alfentanil-N2O, o Sevoflurano potencia o bloqueio neuromuscular induzido com pancurónio, vecurónio ou atracurium. Os ajustes da dose para estes relaxantes musculares, quando administrados com sevoflurano, são semelhantes aos necessários com isoflurano. Não foi estudado o efeito do sevoflurano na succinilcolina e a duração do bloqueio neuromuscular despolarizante. A redução da dose de bloqueadores neuromusculares durante a indução da anestesia pode resultar em atraso no início das condições adequadas para intubação endotraqueal ou relaxamento muscular inadequado porque a potenciação dos bloqueadores neuromusculares é observada alguns minutos após o início da administração de sevoflurano. Entre os fármacos não-despolarizantes, foram estudadas as interações com vecurónio, pancurónio e atracurium. Na ausência de normas orientadoras específicas: - para intubação endotraqueal, não reduzir a dose de relaxantes musculares não-despolarizantes; e - durante a manutenção da anestesia, a dose de relaxantes musculares não-despolarizantes pode estar diminuída relativamente à observada durante a anestesia com N2O/opióides. A administração de doses suplementares de relaxantes musculares deverá ser orientada pela resposta à estimulação nervosa. - Relaxantes musculares
Sem efeito descrito

Sevoflurano + Anti-infecciosos

Observações: N.D.
Interações: Sevoflurano mostrou ser seguro e eficaz quando administrado concomitantemente com uma grande variedade de fármacos habitualmente usados em cirurgia, tais como fármacos para o sistema nervoso central, fármacos para o sistema nervoso autónomo, relaxantes musculares, anti-infecciosos incluindo aminoglicosídeos, hormonas e substitutos sintéticos, derivados do sangue e cardiovasculares, incluindo epinefrina. - Anti-infecciosos
Sem efeito descrito

Sevoflurano + Aminoglicosídeos

Observações: N.D.
Interações: Sevoflurano mostrou ser seguro e eficaz quando administrado concomitantemente com uma grande variedade de fármacos habitualmente usados em cirurgia, tais como fármacos para o sistema nervoso central, fármacos para o sistema nervoso autónomo, relaxantes musculares, anti-infecciosos incluindo aminoglicosídeos, hormonas e substitutos sintéticos, derivados do sangue e cardiovasculares, incluindo epinefrina. - Aminoglicosídeos
Sem efeito descrito

Sevoflurano + Adrenalina (epinefrina)

Observações: N.D.
Interações: Sevoflurano mostrou ser seguro e eficaz quando administrado concomitantemente com uma grande variedade de fármacos habitualmente usados em cirurgia, tais como fármacos para o sistema nervoso central, fármacos para o sistema nervoso autónomo, relaxantes musculares, anti-infecciosos incluindo aminoglicosídeos, hormonas e substitutos sintéticos, derivados do sangue e cardiovasculares, incluindo epinefrina. Epinefrina/Adrenalina: O sevoflurano é similar ao isoflurano na sensibilização do miocárdio ao efeito arritmogénico da adrenalina administrada por via exógena. A dose limite de adrenalina que produz arritmias ventriculares múltiplas foi determinada como de 5 microgramas por kg. - Adrenalina (epinefrina)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sevoflurano + Óxido nítrico

Observações: N.D.
Interações: Óxido Nitroso: Tal como com outros anestésicos inalatórios halogenados, a CAM do sevoflurano diminui quando é administrado em combinação com óxido nitroso. A CAM equivalente é reduzida aproximadamente em 50% nos adultos e aproximadamente em 25% em doentes pediátricos. - Óxido nítrico
Usar com precaução

Sevoflurano + Bloqueadores neuromusculares

Observações: N.D.
Interações: Bloqueadores Neuromusculares: Como acontece com outros anestésicos inalatórios, o sevoflurano afeta tanto a intensidade quanto a duração do bloqueio neuromuscular pelos relaxantes musculares não-despolarizantes. Quando usado para suplementar a anestesia com alfentanil-N2O, o Sevoflurano potencia o bloqueio neuromuscular induzido com pancurónio, vecurónio ou atracurium. Os ajustes da dose para estes relaxantes musculares, quando administrados com sevoflurano, são semelhantes aos necessários com isoflurano. Não foi estudado o efeito do sevoflurano na succinilcolina e a duração do bloqueio neuromuscular despolarizante. A redução da dose de bloqueadores neuromusculares durante a indução da anestesia pode resultar em atraso no início das condições adequadas para intubação endotraqueal ou relaxamento muscular inadequado porque a potenciação dos bloqueadores neuromusculares é observada alguns minutos após o início da administração de sevoflurano. Entre os fármacos não-despolarizantes, foram estudadas as interações com vecurónio, pancurónio e atracurium. - Bloqueadores neuromusculares
Usar com precaução

Sevoflurano + Brometo de pancurónio

Observações: N.D.
Interações: Bloqueadores Neuromusculares: Como acontece com outros anestésicos inalatórios, o sevoflurano afeta tanto a intensidade quanto a duração do bloqueio neuromuscular pelos relaxantes musculares não-despolarizantes. Quando usado para suplementar a anestesia com alfentanil-N2O, o Sevoflurano potencia o bloqueio neuromuscular induzido com pancurónio, vecurónio ou atracurium. Os ajustes da dose para estes relaxantes musculares, quando administrados com sevoflurano, são semelhantes aos necessários com isoflurano. Não foi estudado o efeito do sevoflurano na succinilcolina e a duração do bloqueio neuromuscular despolarizante. A redução da dose de bloqueadores neuromusculares durante a indução da anestesia pode resultar em atraso no início das condições adequadas para intubação endotraqueal ou relaxamento muscular inadequado porque a potenciação dos bloqueadores neuromusculares é observada alguns minutos após o início da administração de sevoflurano. Entre os fármacos não-despolarizantes, foram estudadas as interações com vecurónio, pancurónio e atracurium. - Brometo de pancurónio
Usar com precaução

Sevoflurano + Brometo de vecurónio

Observações: N.D.
Interações: Bloqueadores Neuromusculares: Como acontece com outros anestésicos inalatórios, o sevoflurano afeta tanto a intensidade quanto a duração do bloqueio neuromuscular pelos relaxantes musculares não-despolarizantes. Quando usado para suplementar a anestesia com alfentanil-N2O, o Sevoflurano potencia o bloqueio neuromuscular induzido com pancurónio, vecurónio ou atracurium. Os ajustes da dose para estes relaxantes musculares, quando administrados com sevoflurano, são semelhantes aos necessários com isoflurano. Não foi estudado o efeito do sevoflurano na succinilcolina e a duração do bloqueio neuromuscular despolarizante. A redução da dose de bloqueadores neuromusculares durante a indução da anestesia pode resultar em atraso no início das condições adequadas para intubação endotraqueal ou relaxamento muscular inadequado porque a potenciação dos bloqueadores neuromusculares é observada alguns minutos após o início da administração de sevoflurano. Entre os fármacos não-despolarizantes, foram estudadas as interações com vecurónio, pancurónio e atracurium. - Brometo de vecurónio
Usar com precaução

Sevoflurano + Besilato de atracúrio

Observações: N.D.
Interações: Bloqueadores Neuromusculares: Como acontece com outros anestésicos inalatórios, o sevoflurano afeta tanto a intensidade quanto a duração do bloqueio neuromuscular pelos relaxantes musculares não-despolarizantes. Quando usado para suplementar a anestesia com alfentanil-N2O, o Sevoflurano potencia o bloqueio neuromuscular induzido com pancurónio, vecurónio ou atracurium. Os ajustes da dose para estes relaxantes musculares, quando administrados com sevoflurano, são semelhantes aos necessários com isoflurano. Não foi estudado o efeito do sevoflurano na succinilcolina e a duração do bloqueio neuromuscular despolarizante. A redução da dose de bloqueadores neuromusculares durante a indução da anestesia pode resultar em atraso no início das condições adequadas para intubação endotraqueal ou relaxamento muscular inadequado porque a potenciação dos bloqueadores neuromusculares é observada alguns minutos após o início da administração de sevoflurano. Entre os fármacos não-despolarizantes, foram estudadas as interações com vecurónio, pancurónio e atracurium. - Besilato de atracúrio
Usar com precaução

Sevoflurano + Cloreto de suxametónio

Observações: N.D.
Interações: Bloqueadores Neuromusculares: Como acontece com outros anestésicos inalatórios, o sevoflurano afeta tanto a intensidade quanto a duração do bloqueio neuromuscular pelos relaxantes musculares não-despolarizantes. Quando usado para suplementar a anestesia com alfentanil-N2O, o Sevoflurano potencia o bloqueio neuromuscular induzido com pancurónio, vecurónio ou atracurium. Os ajustes da dose para estes relaxantes musculares, quando administrados com sevoflurano, são semelhantes aos necessários com isoflurano. Não foi estudado o efeito do sevoflurano na succinilcolina e a duração do bloqueio neuromuscular despolarizante. A redução da dose de bloqueadores neuromusculares durante a indução da anestesia pode resultar em atraso no início das condições adequadas para intubação endotraqueal ou relaxamento muscular inadequado porque a potenciação dos bloqueadores neuromusculares é observada alguns minutos após o início da administração de sevoflurano. Entre os fármacos não-despolarizantes, foram estudadas as interações com vecurónio, pancurónio e atracurium. - Cloreto de suxametónio
Usar com precaução

Sevoflurano + Opiáceos

Observações: N.D.
Interações: Na ausência de normas orientadoras específicas: - para intubação endotraqueal, não reduzir a dose de relaxantes musculares não-despolarizantes; e - durante a manutenção da anestesia, a dose de relaxantes musculares não-despolarizantes pode estar diminuída relativamente à observada durante a anestesia com N2O/opióides. A administração de doses suplementares de relaxantes musculares deverá ser orientada pela resposta à estimulação nervosa. Benzodiazepinas e Opióides: É de esperar que as benzodiazepinas e os opiáceos diminuam a CAM do sevoflurano da mesma maneira do que outros anestésicos inalatórios. A administração de sevoflurano é compatível com as benzodiazepinas e opióides habitualmente usados na prática cirúrgica. Opióides como alfentanilo e sufentanilo, quando associados a sevoflurano, podem originar uma diminuição sinérgica na frequência cardíaca, pressão arterial e frequência respiratória. - Opiáceos
Usar com precaução

Sevoflurano + Protóxido de azoto

Observações: N.D.
Interações: Na ausência de normas orientadoras específicas: - para intubação endotraqueal, não reduzir a dose de relaxantes musculares não-despolarizantes; e - durante a manutenção da anestesia, a dose de relaxantes musculares não-despolarizantes pode estar diminuída relativamente à observada durante a anestesia com N2O/opióides. A administração de doses suplementares de relaxantes musculares deverá ser orientada pela resposta à estimulação nervosa. - Protóxido de azoto
Usar com precaução

Sevoflurano + Benzodiazepinas

Observações: N.D.
Interações: Benzodiazepinas e Opióides: É de esperar que as benzodiazepinas e os opiáceos diminuam a CAM do sevoflurano da mesma maneira do que outros anestésicos inalatórios. A administração de sevoflurano é compatível com as benzodiazepinas e opióides habitualmente usados na prática cirúrgica. Opióides como alfentanilo e sufentanilo, quando associados a sevoflurano, podem originar uma diminuição sinérgica na frequência cardíaca, pressão arterial e frequência respiratória. - Benzodiazepinas
Usar com precaução

Sevoflurano + Alfentanilo

Observações: N.D.
Interações: Benzodiazepinas e Opióides: É de esperar que as benzodiazepinas e os opiáceos diminuam a CAM do sevoflurano da mesma maneira do que outros anestésicos inalatórios. A administração de sevoflurano é compatível com as benzodiazepinas e opióides habitualmente usados na prática cirúrgica. Opióides como alfentanilo e sufentanilo, quando associados a sevoflurano, podem originar uma diminuição sinérgica na frequência cardíaca, pressão arterial e frequência respiratória. - Alfentanilo
Usar com precaução

Sevoflurano + Sufentanilo

Observações: N.D.
Interações: Benzodiazepinas e Opióides: É de esperar que as benzodiazepinas e os opiáceos diminuam a CAM do sevoflurano da mesma maneira do que outros anestésicos inalatórios. A administração de sevoflurano é compatível com as benzodiazepinas e opióides habitualmente usados na prática cirúrgica. Opióides como alfentanilo e sufentanilo, quando associados a sevoflurano, podem originar uma diminuição sinérgica na frequência cardíaca, pressão arterial e frequência respiratória. - Sufentanilo
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sevoflurano + Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)

Observações: N.D.
Interações: Betabloqueadores: O sevoflurano pode aumentar os efeitos ionotrópicos, cronotrópicos e dromotrópicos negativos dos bloqueadores beta através do bloqueio dos mecanismos de compensação cardiovascular. - Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sevoflurano + Indutores da CYP2E1

Observações: N.D.
Interações: Indutores da CYP2E1: Os medicamentos e compostos que aumentam a atividade da isoenzima CYP2E1 do citocromo P450, como a isoniazida e o álcool, podem aumentar o metabolismo do sevoflurano e levar a aumentos significativos nas concentrações plasmáticas de flúor. O uso concomitante do sevoflurano e isoniazida pode potenciar os efeitos hepatotóxicos da isoniazida. - Indutores da CYP2E1
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sevoflurano + Isoniazida

Observações: N.D.
Interações: Indutores da CYP2E1: Os medicamentos e compostos que aumentam a atividade da isoenzima CYP2E1 do citocromo P450, como a isoniazida e o álcool, podem aumentar o metabolismo do sevoflurano e levar a aumentos significativos nas concentrações plasmáticas de flúor. O uso concomitante do sevoflurano e isoniazida pode potenciar os efeitos hepatotóxicos da isoniazida. - Isoniazida
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sevoflurano + Álcool

Observações: N.D.
Interações: Indutores da CYP2E1: Os medicamentos e compostos que aumentam a atividade da isoenzima CYP2E1 do citocromo P450, como a isoniazida e o álcool, podem aumentar o metabolismo do sevoflurano e levar a aumentos significativos nas concentrações plasmáticas de flúor. O uso concomitante do sevoflurano e isoniazida pode potenciar os efeitos hepatotóxicos da isoniazida. - Álcool
Usar com precaução

Sevoflurano + Simpaticomiméticos

Observações: N.D.
Interações: Simpaticomiméticos de ação indireta: Existe um risco de episódios agudos de hipertensão com a utilização concomitante de sevoflurano e medicamentos simpaticomiméticos indiretos (anfetaminas, efedrina). - Simpaticomiméticos
Usar com precaução

Sevoflurano + Efedrina

Observações: N.D.
Interações: Simpaticomiméticos de ação indireta: Existe um risco de episódios agudos de hipertensão com a utilização concomitante de sevoflurano e medicamentos simpaticomiméticos indiretos (anfetaminas, efedrina). - Efedrina
Usar com precaução

Sevoflurano + Anfetaminas

Observações: N.D.
Interações: Simpaticomiméticos de ação indireta: Existe um risco de episódios agudos de hipertensão com a utilização concomitante de sevoflurano e medicamentos simpaticomiméticos indiretos (anfetaminas, efedrina). - Anfetaminas
Usar com precaução

Sevoflurano + Verapamilo

Observações: N.D.
Interações: Verapamilo: Foi observada disfunção de condução atrioventricular quando foram administrados simultaneamente verapamilo e sevoflurano. - Verapamilo
Usar com precaução

Sevoflurano + Hipericão (Erva de S. João)

Observações: N.D.
Interações: Hipericão: Hipotensão grave e aparecimento retardado de anestesia com anestésicos inalatórios halogenados, foram relatados em doentes tratados a longo prazo com hipericão. - Hipericão (Erva de S. João)
Sem efeito descrito

Sevoflurano + Barbitúricos

Observações: N.D.
Interações: Barbitúricos: A administração de sevoflurano é compatível com os barbitúricos habitualmente usados na prática cirúrgica. - Barbitúricos
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Sevoflurano
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Sevoflurano só deverá ser usado durante a gravidez se absolutamente necessário.

Devido a efeitos farmacológicos, o sevoflurano tem um efeito relaxante no útero.

Um estudo clínico na interrupção da gravidez assinalou um aumento das hemorragias uterinas.

Deve-se ter cuidado na administração de sevoflurano a mulheres a amamentar.

O Sevoflurano influencia gravemente a sua capacidade para conduzir veículos e utilizar máquinas.

Os doentes devem ser prevenidos de que durante algum tempo após a anestesia geral, poderá observar-se interferência na realização de tarefas que requeiram alerta mental, como a condução de veículos ou o uso de máquinas.

Os doentes não devem conduzir após a anestesia com sevoflurano durante um período de tempo determinado pelo anestesista.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 08 de Setembro de 2020