Salicilato de glicol + Mentol

DCI com Advertência na Gravidez
O que é
Anti-inflamatórios não esteroides (AINE) para uso tópico.
Usos comuns
Tratamento sintomático de:
- Traumatismos ortopédicos fechados (contusões, luxações, distensões);
- Dores reumatismais.
Tipo
Sem informação.
História
Sem informação.
Indicações
Os AINEs para uso tópico constituem um grupo heterogéneo que inclui os salicilatos (particularmente o salicilato de metilo e o de dietilamina) e vários dos mencionados nos subgrupos antecedentes.

Estes medicamentos têm por vezes composição complexa, incluindo-se na sua fórmula rubefacientes ou revulsivos, anestésicos locais, heparinoides, mentol, cânfora.

Uns são de uso meramente tradicional, enquanto que para outros existe alguma evidência da sua utilidade clínica.

Uso tópico.

São escassos os ensaios clínicos controlados destinados a avaliar o uso tópico dos AINEs.

Teoricamente os lipossolúveis seriam preferíveis por permearem melhor a barreira cutânea (melhor biodisponibilidade transcutânea).

Há no entanto documentação, para muitos dos AINEs comercializados, da obtenção de concentrações eficazes nos tecidos inflamados subjacentes ao local da aplicação e mesmo na sinóvia e líquido sinovial de articulações (por exemplo no joelho).

Não deve ser esquecido que se o objetivo do uso tópico é o de evitar efeitos sistémicos dos AINEs, este deve ser ponderado na usual relação custo/benefício.

Por outras palavras, a boa tolerabilidade só é importante se se acompanhar de eficácia terapêutica.

O efeito placebo e mesmo o alívio antiálgico provocado pela massagem durante a aplicação não devem ser ignorados (efeito de "encerramento do portão da dor" por convergência de estímulos na região medular de processamento da dor).
Classificação CFT
n.d.     n.d.
Mecanismo De Ação
O mecanismo de ação dos salicilatos, responsável pelo efeito anti-inflamatório, é baseado na inibição competitiva da enzima cicloxigenase na síntese, a partir do ácido araquidónico, das prostaglandinas, mediadores da inflamação.

O salicilato de 2-hidroxietilo, pela sua ação queratolítica, facilita a absorção cutânea das substâncias ativas do medicamento.

O mentol apresenta um efeito local anestésico.

Atua sobre os recetores da temperatura (distribuídos por todo o corpo), responsáveis pela sensação de frescura.

O mentol pode também contribuir para uma melhor absorção das outras substâncias ativas do creme por apresentar um efeito de dilatação dos vasos sanguíneos.
Posologia Orientativa
A posologia deve ser sempre a indicada pelo médico.
Administração
Sem informação.
Contraindicações
Os AINEs para uso tópico constituem um grupo heterogéneo que inclui os salicilatos (particularmente o salicilato de metilo e o de dietilamina) e vários dos mencionados nos subgrupos antecedentes. Estes medicamentos têm por vezes composição complexa, incluindo-se na sua fórmula rubefacientes ou revulsivos, anestésicos locais, heparinóides, mentol, cânfora. Uns são de uso meramente tradicional, enquanto que para outros existe alguma evidência da sua utilidade clínica.
Uso tópico.
São escassos os ensaios clínicos controlados destinados a avaliar o uso tópico dos AINEs.
Teoricamente os lipossolúveis seriam preferíveis por permearem melhor a barreira cutânea (melhor biodisponibilidade transcutânea). Há no entanto documentação, para muitos dos AINEs comercializados, da obtenção de concentrações eficazes nos tecidos inflamados subjacentes ao local da aplicação e mesmo na sinóvia e líquido sinovial de articulações (por exemplo no joelho).
Não deve ser esquecido que se o objectivo do uso tópico é o de evitar efeitos sistémicos dos AINEs, este deve ser ponderado na usual relação custo/benefício. Por outras palavras, a boa tolerabilidade só é importante se se acompanhar de eficácia terapêutica.
O efeito placebo e mesmo o alívio antiálgico provocado pela massagem durante a aplicação não devem ser ignorados (efeito de "encerramento do portão da dor" por convergência de estímulos na região medular de processamento da dor).
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Os AINEs para uso tópico constituem um grupo heterogéneo que inclui os salicilatos (particularmente o salicilato de metilo e o de dietilamina) e vários dos mencionados nos subgrupos antecedentes. Estes medicamentos têm por vezes composição complexa, incluindo-se na sua fórmula rubefacientes ou revulsivos, anestésicos locais, heparinóides, mentol, cânfora. Uns são de uso meramente tradicional, enquanto que para outros existe alguma evidência da sua utilidade clínica.
Uso tópico.
São escassos os ensaios clínicos controlados destinados a avaliar o uso tópico dos AINEs.
Teoricamente os lipossolúveis seriam preferíveis por permearem melhor a barreira cutânea (melhor biodisponibilidade transcutânea). Há no entanto documentação, para muitos dos AINEs comercializados, da obtenção de concentrações eficazes nos tecidos inflamados subjacentes ao local da aplicação e mesmo na sinóvia e líquido sinovial de articulações (por exemplo no joelho).
Não deve ser esquecido que se o objectivo do uso tópico é o de evitar efeitos sistémicos dos AINEs, este deve ser ponderado na usual relação custo/benefício. Por outras palavras, a boa tolerabilidade só é importante se se acompanhar de eficácia terapêutica.
O efeito placebo e mesmo o alívio antiálgico provocado pela massagem durante a aplicação não devem ser ignorados (efeito de "encerramento do portão da dor" por convergência de estímulos na região medular de processamento da dor).
Advertências
Gravidez
Gravidez:Não administrar durante a gravidez.
Precauções Gerais
Só deve ser aplicado sobre a pele intacta. Não deve ser aplicado em feridas abertas.
Evitar o contacto do medicamento com as mucosas, por ex. olhos, nariz e boca.

O creme não deve ser utilizado em áreas extensas em doentes com insuficiência renal e deve ser administrado com precaução em indivíduos com asma e hipersensibilidade conhecida aos AINE's.

Nas crianças pequenas e grávidas não deve ser aplicado em áreas extensas e a duração do tratamento deve ser a mais curta possível.

Na medida em que existe a possibilidade de absorção cutânea não é possível excluir a ocorrência de efeitos sistémicos.

O risco de efeitos adversos depende, entre outros fatores, da superfície exposta, quantidade aplicada e tempo de exposição.

Segurança cutânea dos AINE’s: têm sido muito raramente notificadas reações cutâneas graves, algumas das quais fatais, incluindo dermatite esfoliativa, síndroma de Steven-Johnson e necrólise epidérmica tóxica associada à administração de AINE's.

Deve ser interrompido aos primeiros sinais de exantema, lesões mucosas ou outras manifestações de hipersensibilidade.

Creme contém álcool cetoestearílico o qual pode causar reações cutâneas locais (por exemplo dermatite de contacto).
Cuidados com a Dieta
Não aplicável.
Terapêutica Interrompida
Não utilize uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de utilizar.
Cuidados no Armazenamento
Conservar a temperatura inferior a 25°C.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Salicilato de glicol + Mentol + Metotrexato

Observações: N.D.
Interações: Salicilato de glicol / Mentol podem interagir com o metotrexato e a sulfonilureia. Os doentes tratados com estes medicamentos só devem aplicar o Creme sob vigilância médica.

Salicilato de glicol + Mentol + Sulfonilureias

Observações: N.D.
Interações: Salicilato de glicol / Mentol podem interagir com o metotrexato e a sulfonilureia. Os doentes tratados com estes medicamentos só devem aplicar o Creme sob vigilância médica.

Salicilato de glicol + Mentol + Antagonistas da vitamina K

Observações: N.D.
Interações: Em doentes medicados com antagonistas da vitamina K, varfarina, não se pode excluir um potencial efeito do ácido salicílico no aumento da anticoagulação, pelo que o INR deve ser monitorizado.

Salicilato de glicol + Mentol + Varfarina

Observações: N.D.
Interações: Em doentes medicados com antagonistas da vitamina K, varfarina, não se pode excluir um potencial efeito do ácido salicílico no aumento da anticoagulação, pelo que o INR deve ser monitorizado.

Salicilato de glicol + Mentol + Ácido salicílico

Observações: N.D.
Interações: Em doentes medicados com antagonistas da vitamina K, varfarina, não se pode excluir um potencial efeito do ácido salicílico no aumento da anticoagulação, pelo que o INR deve ser monitorizado.
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 10 de Março de 2016