Ribavirina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal
O que é
Ribavirina inibe a multiplicação de muitos tipos de vírus, incluindo o vírus da hepatite C.

Ribavirina não deve ser utilizada sem o interferão alfa-2b, ou seja, a Ribavirina não deve ser utilizada isoladamente.

A ribavirina é um guanosina (ribonucleico) analógico usado para parar a síntese de ARN viral e ARNm viral capping, portanto, é um nucleósido inibidor.

A Ribavirina é um produto químico sintético não encontrado na natureza.
A ribavirina é um pró-fármaco que, quando metabolizado assemelha purina RNA nucleótidos. Nesta forma interfere com o metabolismo de ARN necessárias para a replicação viral.
Usos comuns
Para o tratamento de hepatite C crónica e para o vírus sincicial respiratório (RSV).
Tipo
Molécula pequena.
História
Ribavirin foi patenteado em 1971 e aprovado para uso médico em 1986.
Está na Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial da Saúde, os medicamentos mais seguros e eficazes necessários em um sistema de saúde.

Foi sintetizado pela primeira vez em 1970 pelo ICN Pharmaceuticals, Inc.(mais tarde Valeant Pharmaceuticals International) pelo químico Joseph T.Witkowski, sob a direcção do diretor do laboratório Roland K.

Robins, um químico purina, tinha sido antes, o inventor da purina de grande sucesso analógica alopurinol farmacêutica ).

Ribavirina foi descoberto como parte de uma busca sistemática ICN de antiviral e actividade antitumoral em nucleosídeos sintéticos.

Isto foi inspirado em parte pela descoberta (em 1960) da actividade antiviral de ocorrência natural antibióticos nucleosídeos de purina-like como Showdomicina, coformicina e pirazomicina.

Esses agentes tinham muito toxicidade para ser clinicamente útil (e sua actividade antiviral pode ser incidental), mas serviu de ponto de partida para os químicos farmacêuticos interessados em antivirais e agentes quimioterápicos antimetabólitos.

Em 1972, foi relatado que a ribavirina é activa contra uma grande variedade de vírus de ARN e ADN em cultura e em animais, sem toxicidade indevida.

Ribavirina camundongos protegidos contra a mortalidade de ambas as linhagens A e B da gripe, e ICN originalmente planejado para comercializá-lo como uma droga antigripe.

Resultados em testes em humanos contra a infecção por influenza experimental foram misturados, no entanto, a FDA finalmente não aprovar esta indicação para o uso da ribavirina em seres humanos, causando um choque financeiro grave para ICN.

Embora ICN foi autorizado em 1980 para comercializar a ribavirina, em forma de inalantes, para infecção por VSR em crianças, o mercado dos EUA para esta indicação era pequeno.

No momento em que a ribavirina oral foi finalmente aprovado pelo FDA como parte de um tratamento combinado (com interferon) para a hepatite C, em 1998, as patentes originais ICN sobre ribavirina tinha se expirado, e (não obstante as disputas de patentes subsequentes) ribavirina tinha se tornado essencialmente um genérico drogas.
Indicações
A Ribavirina está indicada no tratamento da hepatite C crónica e só deve ser utilizada no âmbito de um regime terapêutico combinado com o peginterferão alfa-2a ou com o interferão alfa-2a.

Ribavirina não deve ser utilizada em monoterapia.

A combinação de ribavirina com peginterferão alfa-2a ou com interferão alfa-2a está indicada em doentes adultos com positividade do ARN do VHC no soro, incluindo doentes com cirrose compensada.

A combinação com peginterferão alfa-2a está também indicada em doentes co-infetados por VIH, clinicamente estáveis, incluindo doentes com cirrose compensada.

Os regimes combinados estão indicados em doentes não tratados previamente assim como em doentes com resposta prévia à terapêutica com interferão alfa, mas que recidivaram após a paragem do tratamento.
Classificação CFT

01.03.02 : Outros antivíricos

Mecanismo De Acção
A ribavirina é um análogo nucleósido sintético que demonstrou possuir actividade in vitro contra alguns vírus ARN e ADN.

Desconhece-se o mecanismo através do qual o ribavirina em associação com o interferão alfa-2b exerce os seus efeitos relativamente ao VHC.

Foram investigadas em vários ensaios clínicos formulações orais de ribavirina em monoterapia para o tratamento da hepatite C crónica.

Os resultados destas investigações revelaram que o ribavirina em monoterapia não exercia qualquer efeito na eliminação do vírus da hepatite (ARN-VHC) ou na melhoria da histologia hepática após 6 a 12 meses de terapêutica e um período de acompanhamento de 6 meses.
Posologia Orientativa
Ribavirina é usado em combinação com o peginterferão alfa-2a ou com o interferão alfa-2a.

A dose exacta e a duração do tratamento dependem do interferão utilizado.

O médico decidirá qual a dose adequada para si, dependendo do seu peso corporal e do tipo de vírus.

A dose habitual é de:
- 800 mg/dia: tome 2 comprimidos de Ribavirina 200 mg de manhã e 2 comprimido à noite
- 1000 mg/dia: tome 2 comprimidos de Ribavirina 200 mg de manhã e 3 comprimido à noite
- 1200 mg/dia: tome 3 comprimidos de Ribavirina 200 mg de manhã e 3 comprimido à noite
Administração
Os comprimidos revestidos por película de ribavirina são administrados por via oral em duas tomas (de manhã e à noite) com alimentos.

Não mastigue os comprimidos.

Devido ao potencial teratogéneo da ribavirina, os comprimidos não devem ser partidos nem esmagados.
Contra-Indicações
Hipersensibilidade à ribavirina.
Mulheres grávidas. O tratamento com ribavirina só deve ser iniciado após obtenção de um resultado negativo num teste de gravidez realizado imediatamente antes do início da terapêutica.
Mulheres a amamentar.
História prévia de doença cardíaca grave, incluindo doença cardíaca instável ou não-controlada, nos seis meses anteriores.
Disfunção hepática grave ou cirrose descompensada.
Hemoglobinopatias (como por exemplo talassemia, drepanocitose).
O início da terapêutica com peginterferão alfa-2a está contra-indicado em doentes co-infectados por VHC e VIH, com cirrose e uma pontuação de Child-Pugh ≥ 6
Crianças e adolescentes: Existência de, ou antecedentes de perturbação grave do foro psiquiátrico, particularmente depressão grave, ideação suicida ou tentativa de suicídio.
Devido à administração concomitante com o peginterferão alfa-2b ou interferão alfa-2b: Hepatite autoimune ou antecedentes de doença autoimune.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Se algum dos efeitos secundários ocorrer durante o tratamento com Ribavirina e o interferão alfa-2b, deve consultar o médico imediatamente:

Sistema Nervoso Central e Psiquiátrico:
Algumas pessoas ficam deprimidas quando recebem um tratamento de ribavirina em associação com um interferão e em alguns casos tiveram pensamentos sobre ameaçar a vida de outras pessoas, pensamentos suicidas ou comportamento agressivo (por vezes dirigido contra outras pessoas). Alguns doentes cometeram suicídio. Assegure-se que procura cuidados de urgência se nota que está a sentir-se deprimido ou tem pensamentos suicidas ou alterações no seu comportamento. Pode considerar pedir a um membro da família ou amigo chegado para o ajudar a ficar alerta em relação a sinais de depressão ou alterações no seu comportamento.

Crianças e adolescentes são particularmente propensas ao desenvolvimento de depressão quando tratadas com ribavirina e interferão alfa. Contacte imediatamente o seu médico ou procure tratamento de emergência se demonstram quaisquer sintomas de comportamento anormal, sentem-se deprimidas, ou sentem que desejam ferir-se a elas próprias ou aos outros.

Crescimento e desenvolvimento (crianças e adolescentes):
Durante o ano de tratamento com ribavirina combinado com peginterferão alfa-2b ou interferão alfa-2b, algumas crianças e adolescentes não cresceram ou ganharam peso como seria esperado. Algumas crianças não atingiram a altura esperada no período de 1-5 anos após completarem o tratamento.

Consulte imediatamente o médico caso ocorram qualquer dos seguintes efeitos secundários durante o tratamento com Ribavirina em associação com um produto de interferão alfa:

Dor no peito ou tosse persistente; dor intensa no estômago; alterações na maneira como o seu coração bate; fezes negras ou tipo; desmaio; presença de sangue nas fezes ou urina; confusão; perder muito sangue pelo nariz; sentir-se deprimido; febre ou calafrios algumas semanas após o início do tratamento; pensamentos suicidas ou comportamento agressivo; dor na parte inferior ou lateral das costas; tentativa de suicídio; dificuldade ou dor ao urinar; pensamentos sobre ameaçar a vida de outras pessoas; problemas de visão ou audição; sensação de dormência ou formigueiro; erupção ou vermelhidão graves na pele. Dificuldade em dormir, raciocinar ou concentrar-se;

Efeitos secundários notificados muito frequentes:
- diminuição do número de glóbulos vermelhos do sangue (que pode causar fadiga, falta de ar ou tonturas), diminuição de neutrófilos (que o torna mais susceptível a diferentes infecções);
- dificuldade em concentrar-se, sentir-se ansioso ou nervoso, alterações de humor, deprimido ou irritável, sensação de cansaço, dificuldade em adormecer ou em manter-se a dormir; tosse, boca seca, faringite (dor de garganta);
- diarreia, tonturas, febre, sintomas tipo gripe, dor de cabeça, náuseas, arrepios, infecção viral, vómitos, fraqueza;
- perda de apetite, perda de peso, dores de estômago;
pele seca, irritação, dor ou vermelhidão no local da injecção, perda de cabelo, comichão, - dores musculares e ósseas, dor nas articulações, erupção cutânea.

Efeitos secundários notificados frequentes:
- diminuição do número de células de coagulação do sangue chamadas plaquetas, que pode resultar na fácil formação de hematomas e hemorragias espontâneas, diminuição de certos glóbulos brancos do sangue chamados linfócitos que ajudam a combater infecções, diminuição da actividade da glândula da tiróide (o que poderá fazê-lo sentir-se cansado, deprimido, aumentar a sua sensibilidade ao frio e outros sintomas), excesso de açúcar ou ácido úrico (como na gota) no sangue, baixos níveis de cálcio no sangue, anemia grave;
- infecções fúngicas ou bacterianas, choro, agitação, amnésia, perda de memória, nervosismo, comportamento alterado, comportamento agressivo, fúria, sentir-se confuso, falta de interesse, distúrbios mentais, alterações do humor, sonhos invulgares, desejar ferir-se a si próprio, sentir-se com sono, dificuldade em adormecer, desinteresse pelo sexo ou incapacidade para ter relações sexuais, vertigens (sensação de andar-à-roda);
- visão enevoada ou alterada, dor ou infecção ou irritação nos olhos, olhos secos ou chorosos, alterações na audição ou voz, zumbidos nos ouvidos, infecção nos ouvidos, dor nos ouvidos, herpes labial (herpes simplex), alterações no paladar, perda de paladar, hemorragia nas gengivas ou feridas na boca, sensação de queimadura na língua, dor na língua, gengivas inflamadas, problemas nos dentes, enxaqueca, infecções respiratórias, sinusite, sangramento do nariz, tosse seca, respiração rápida ou dificuldade em respirar, nariz entupido ou com corrimento, sede, alterações nos dentes;
- murmúrio cardíaco (alteração dos sons dos batimentos do coração), dor ou disconforto no peito, sentir-se a desmaiar, sensação de mal-estar, afrontamentos, aumento da transpiração, intolerância ao calor e transpiração excessiva, pressão arterial baixa ou elevada, palpitações (batimentos do coração fortes), frequência dos batimentos do coração elevada;
- inchaço, obstipação, indigestão, gases intestinais (flatulência), aumento do apetite, cólon irritado, irritação da próstata, icterícia (pele amarela), fezes moles, dor do lado direito em volta das costelas, fígado aumentado, mal-estar do estômago, necessidade frequente de urinar, urinar mais que o habitual, infecção do tracto urinário, urina alterada;
- período menstrual doloroso, irregular ou ausente, períodos menstruais anormalmente abundantes e prolongados, menstruação dolorosa, problema afectando os ovários ou vagina, dor na mama, problemas de erecção;
- alteração da textura do cabelo, acne, artrite, nódoas negras, eczema (pele inflamada, vermelha, com comichão e secura com possíveis lesões com secreção), urticária, redução ou aumento da sensibilidade ao tato, Afecções nas unhas, espasmos musculares, sensação de dormência ou formigueiro, dor nos membros, dor no local da injecção, dor nas articulações, mãos trémulas, psoríase, mãos e tornozelos tumefactos ou inchados, sensibilidade à luz do sol, erupção cutânea com lesões localizadas formando elevações, vermelhidão da pele ou afecção da pele, cara inchada, glândulas inchadas (nódulos linfáticos inchados), músculos tensos, tumor (não especificado), dificuldade em manter o equilíbrio ao andar, desidratação.

Efeitos secundários notificados pouco frequentes:
- ouvir ou ver imagens que não existem;
- ataque cardíaco, crise de pânico;
- reacção de hipersensibilidade ao medicamento;
- inflamação no pâncreas, dor nos ossos, diabetes mellitus;
- fraqueza nos músculos.

Efeitos secundários notificados raros:
- crises convulsivas;
- pneumonia;
- diabetes, artrite reumatóide, problemas nos rins;
- fezes escuras ou com sangue, dor de barriga intensa;
- sarcoidose (doença caracterizada por febre presistente, perda de peso, dor e inchaço das articulações, lesões na pele e glândulas inchadas);
- vasculite.

Efeitos secundários notificados muito raros:
- suicídio;
- acidentes vasculares cerebrais.

Efeitos secundário de frequência desconhecida:
- pensamentos sobre ameaçar a vida de outras pessoas;
- mania (entusiasmo excessivo ou sem motivo);
- pericardite (inflamação na camada que reveste o coração), derrame pericárdico (acumulação de liquido no espaço entre o pericárdio (camada que reveste o coração) e o próprio coração);
- alteração na cor da língua.

Os seguintes efeitos indesejáveis foram notificados com crianças e adolescentes a tomar ribavirina e interferão alfa-2b:

Efeitos secundários notificados muito frequentes:
- diminuição do número de glóbulos vermelhos do sangue (que pode causar fadiga, falta de ar ou tonturas), diminuição de neutrófilos (que o torna mais susceptível a diferentes infecções); diminuição da actividade da glândula da tiróide (o que poderá fazê-lo sentir-se cansado, deprimido, aumentar a sua sensibilidade ao frio e outros sintomas);
- sentir-se deprimido ou irritável, sensação de mal estar no estômago, sensação de mal-estar, alterações de humor, sensação de cansaço, dificuldade em adormecer ou em manter-se a dormir, infecções virais, fraqueza;
- diarreia, tonturas, febre, sintomas tipo gripe, dor de cabeça, diminuição ou aumento do apetite, perda de peso, diminuição da taxa de crescimento (peso e altura), dor no lado direito das costelas, faringite (dor na garganta), arrepios, dor de estômago e vómitos;
- pele seca, perda de cabelo, irritação, irritação ou vermelhidão no local de injecção, comichão, dores nos músculos, dores musculares, dor nas articulações e músculos, erupção cutânea.

Efeitos secundários notificados frequentes:
- diminuição do número de células de coagulação do sangue chamadas plaquetas (que pode resultar na fácil formação de hematomas e hemorragias espontâneas);
- excesso de triglicéridos no sangue, excesso de acido úrico (como na gota) no sangue, aumento da actividade da glândula da tiróide (o que pode causar nervosismo, intolerância ao calor e transpiração excessiva, perda de peso, palpitações, tremores);
- agitação, raiva, comportamento agressivo, distúrbios comportamentais, dificuldade de concentração, instabilidade emocional, desmaios, sensação de ansiedade e nervosismo, sensação de frio, sentir-se confuso, sentimento de inquietação, sentir-se com sono, falta de atenção ou interesse, alterações de humor, dor, pouca qualidade de sono, sonambulismo, tentativa de suicídio, dificuldades em dormir, desejar ferir-se a si próprio;
- infecções bacterianas, constipação vulgar, infecções fúngicas, visão anormal, olhos secos ou lacrimejantes, infecção do ouvido, dor ou infecção ou irritação nos olhos, alterações do paladar, alterações na voz, herpes labial, tosse, gengivas inflamadas, perda de sangue pelo nariz, irritação no nariz, dor na boca, faringite (dor na garganta), respiração rápida, infecções respiratórias, lábios secos e cortes nos cantos da boca, falta de ar, sinusite, espirros, aftas na boca, dor na língua, nariz entupido ou com corrimento, dor de garganta, dor de dentes, abcesso dentário, distúrbios dentífricos, vertigens (sensação andar-à-roda), fraqueza;
- dores no peito, afrontamentos, palpitações (batimentos do coração fortes), frequência dos batimentos cardíacos elevada;
- função hepática anormal;
- refluxo gástrico, dor nas costas, urinar na cama, obstipação, distúrbios retais ou gastroesofágicos, incontinência, apetite aumentado, inflamação da membrana do estômago e do intestino, mal estar do estômago, fezes moles;
- distúrbios urinários, infecções do tracto urinário;
- período menstrual doloroso, irregular ou ausente, períodos menstruais anormalmente abundantes e prolongados, alterações vaginais, inflamações vaginais, dor nos testículos, desenvolvimento de traços corporais masculinos;
- acne, hematomas, eczema (pele inflamada, vermelha, com comichão e secura com possíveis lesões com secreção), sensibilidade ao toque aumentada ou diminuída, aumento da transpiração, aumento da actividade muscular, músculos tensos, dor ou irritação no local de injecção, dor nos membros, distúrbios nas unhas, sensação de dormência ou formigueiro, pele pálida, erupção cutânea com lesões localizadas formando elevações, mãos trémulas, vermelhidão da pele ou alterações da pele, descoloração da pele, pele sensível à luz do sol, feridas na pele, inchaço devido à acumulação de água em excesso, glândulas inchadas (nódulos linfáticos inchados), tremores, tumor (não especificado).

Efeitos secundários notificados pouco frequentes:
- comportamento anormal, distúrbios emocionais, medo, pesadelos; hemorragia da membrana mucosa que limita a superfície interna das pálpebras, visão turva, sonolência, intolerância à luz, comichão nos olhos, dor facial, gengivas inflamadas;
- desconforto no peito, dificuldade em respirar, infecção pulmonar, desconforto nasal, pneumonia, sibilos respiratórios;
- pressão arterial baixa;
- fígado aumentado;
- menstruação dolorosa;
- comichão na zona anal (ascárides ou lombrigas), erupção cutânea com bolhas (herpes zoster), diminuição da sensibilidade ao toque, músculos torcidos, dor na pele, palidez, descamação da pele, vermelhidão, inchaço.

Em adultos, crianças e adolescentes tem sido também notificada a tentativa de se ferir a si próprio.

Ribavirina em associação com um produto de interferão alfa pode também causar:
- anemia aplástica, aplasia pura da série vermelha (uma situação em que o organismo parou ou reduziu a produção de células sanguíneas vermelhas); esta situação causa anemia grave, cujos sintomas poderão incluir cansaço invulgar e falta de energia;
- delírios, infecção das vias aéreas superiores e inferiores;
- inflamação do pâncreas;
- erupções cutâneas graves que poderão estar associadas a bolhas na boca, nariz, olhos e outras membranas mucosas (eritema polimorfo, síndrome de Stevens Johnson), necrólise epidérmica tóxica (bolhas e descamação na camada superior da pele).

Os efeitos secundários seguintes também foram notificados com a associação de ribavirina e um produto interferão alfa:
- pensamentos invulgares, ver ou ouvir coisas que não estão presentes, estado mental alterado, desorientação;
- angioedema (inchaço das mãos, pés, tornozelos, face, lábios, boca ou garganta que pode causar dificuldade em engolir ou respirar), acidentes vasculares cerebrais;
- síndrome de Vogt-Koyanagi-Harada (uma doença inflamatória autoimune que afecta os olhos, a pele e as membranas dos ouvidos, o cérebro e a medula espinal);
- broncoconstrição e anafilaxia (uma reacção alérgica grave em todo o corpo), tosse persistente;
- problemas nos olhos incluindo lesões na retina, obstrução da artéria da retina, inflamação do nervo óptico, inflamação do olho e manchas algodonosas (depósitos brancos na retina);
- área abdominal aumentada, ardor no coração, dificuldade em defecar ou defecação dolorosa, hematomas;
- reacções de hipersensibilidade aguda incluindo urticária, hematomas, dor intensa num membro, dor na perna ou na coxa, perda de amplitude de movimentos, rigidez, sarcoidose (uma doença caracterizada por febre persistente, perda de peso, dores e inchaço nas articulações, lesões na pele e glândulas inchadas).

Ribavirina e um produto de peginterferão alfa-2b ou interferão alfa também pode causar:
urina escura, turva ou de coloração anormal;
- dificuldade em respirar, mudanças no batimento do coração, dores no peito, dor na zona inferior do braço esquerdo, dor nos maxilares;
- perda de consciência;
- perda de função, decaimento ou perda de capacidade dos músculos faciais, perda da sensibilidade ao toque;
- perda de visão.

Você ou o seu responsável deverão contactar imediatamente o médico se detectar algum destes sintomas.

Se for doente adulto coinfetado com VHC/VIH a receber tratamento com anti-VIH, a inclusão do Ribavirina e do peginterferão alfa-2b pode aumentar o risco de agravar a função do fígado terapêutica antirretroviral de alta actividade (HAART) e aumentar o risco de acidose láctica, falência do fígado e desenvolvimento de alterações no sangue (diminuição do número de glóbulos vermelhos do sangue que transportam o oxigénio, de certos glóbulos brancos que combatem as infecções e de células de coagulação do sangue denominadas plaquetas) (NIRTI).

Em doentes coinfetados pelo VHC/VIH que recebem HAART têm ocorrido os seguintes efeitos secundários adicionais com a associação de ribavirina cápsulas e do peginterferão alfa-2b (não listados anteriormente nos efeitos secundários em adultos):
- diminuição do apetite;
- dores nas costas;
- diminuição dos linfócitos CD4;
- metabolismo da gordura deficiente;
- hepatite;
- dores dos membros;
- candidíase oral (sapinhos);
- várias alterações laboratoriais dos valores do sangue.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Se está grávida não deve tomar Ribavirina.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Se está a amamentar não deve tomar Ribavirina.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Evitar na IH grave.
Insuf. Renal
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Evitar tratamento por via oral.
Precauções Gerais
Procure ajuda médica imediatamente se desenvolver sintomas de uma reacção alérgica grave (tais como dificuldade em respirar, sibilos respiratórios ou urticária) enquanto faz este tratamento.

Crianças e adolescentes que pesem menos de 47 kg:
A utilização de Ribavirina não é recomendada.

Deve informar o médico se você ou a criança por quem está responsável:
- for um adulto que tem ou teve uma perturbação nervosa ou mental grave, confusão, inconsciência, ou teve pensamentos suicidas ou tentativa de suicídio, ou tenha história de abuso de substâncias (p. ex. álcool ou drogas); alguma vez teve depressão ou desenvolveu sintomas associados a depressão (p.ex. sentimentos de tristeza, desânimo, etc.) durante o tratamento com ribavirina;
- for uma mulher em idade fértil;
- for um homem e a sua parceira tiver em idade fértil;
- já teve perturbações cardíacas graves anteriores ou tem doença cardíaca;
- tem mais de 65 anos de idade ou se tem problemas renais;
- tem ou teve alguma doença grave;
- tem problemas na tiróide.

Durante o tratamento com Ribavirina numa terapêutica combinada com um interferão alfa, têm sido notificadas Afecções nos dentes e gengivas, que podem provocar a perda de dentes.

Adicionalmente, foi notificado o aparecimento de boca seca susceptível de danificar os dentes e as membranas mucosas da boca durante o tratamento prolongado com Ribavirina em associação com um interferão alfa.

Deve lavar cuidadosamente os dentes duas vezes por dia e ser submetido a exames dentários regulares.

Adicionalmente, alguns doentes podem vomitar.

Se tiver esta reacção, deve lavar a boca cuidadosamente após o vómito.

Durante o tratamento com Ribavirina em associação com um interferão alfa, os doentes podem ter problemas nos olhos, ou perder a visão raramente.

Se receber ribavirina em associação com um interferão alfa, deve ser submetido a um exame oftalmológico inicial.

Qualquer doente que se queixe de diminuição ou perda de visão deve fazer um exame imediato e completo aos olhos.

Os doentes com Afecções oculares pré-existentes (p. ex. retinopatia diabética ou hipertensiva) devem ser submetidos a exames periódicos aos olhos durante a terapêutica de associação com ribavirina e um interferão alfa.

Os doentes podem ter problemas nos olhos, ou perda de visão em casos raros, com a terapêutica de associação.

A terapêutica de associação com ribavirina e um interferão alfa deve ser descontinuada em doentes que desenvolvam novas ou que sofram agravamento de doenças oculares.
Cuidados com a Dieta
Ribavirina tem ser tomado com alimentos.
Terapêutica Interrompida
Se estiver a autoadministrar o tratamento ou se for o responsável pela criança que está a tomar Ribavirina em combinação com interferão alfa-2b, tome/administre a dose de que se esqueceu logo que possível, no mesmo dia.
Se passou um dia inteiro, consulte o médico para aconselhamento.
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Este medicamento não requer precauções especiais de conservação.

Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Amplo espectro de actividade in vitro, mas com limitada actividade terapêutica. Útil contra os vírus da hepatite C e da febre de Lassa, além de outras febres hemorrágicas, e contra o vírus sincicial respiratório.
Usar com precaução

Estavudina Ribavirina

Observações: Como a estavudina é eliminada por secreção activa nos túbulos renais, são possíveis interações com outros medicamentos com secreção activa. Não foi investigada a influência da estavudina na cinética de fosforilação dos análogos dos nucleosidos, com excepção da zidovudina. A estavudina não inibe as isoformas principais do citocromo P450 CYP1A2, CYP2C9, CYP2C19, CYP2D6 e CYP3A4; consequentemente, não é provável que ocorram interações farmacológicas clinicamente relevantes com medicamentos metabolizados por estas vias. Uma vez que a estavudina não se liga às proteínas, não se espera que afecte a farmacocinética de medicamentos que se ligam às proteínas. Não existem estudos formais de interacção com outros medicamentos. Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: Estudos in vitro indicam que a activação da estavudina é inibida pela Doxorrubicina e ribavirina, mas não por outros medicamentos usados no tratamento da infecção pelo VIH que são igualmente fosforilados (e.g. didanosina, zalcitabina, ganciclovir e foscarnet), pelo que a co-administração de estavudina quer com doxorrubicina ou com ribavirina deverá ser efectuada com precaução. - Ribavirina
Usar com precaução

Interferão alfa-2a Ribavirina

Observações: Como os interferões alfa alteram o metabolismo celular, este medicamento possui potencial para modificar a atividade de outros fármacos. Num pequeno estudo, Interferão alfa-2a demonstrou atuar sobre sistemas enzimáticos microssomais específicos. Desconhece-se a importância clínica destes factos. Os interferões alfa podem afetar o processo metabólico oxidativo; este facto deve ser tido em consideração ao prescrever-se uma terapêutica concomitante com fármacos metabolizados por esta via. Contudo, atualmente não existe disponível informação específica sobre o assunto.
Interacções: Se o interferão alfa-2a for administrado em combinação com a ribavirina em doentes com hepatite C crónica, ver também o Resumo das Características do Medicamento da ribavirina. - Ribavirina
Não recomendado/Evitar

Ribavirina Azatioprina

Observações: Realizaram-se estudos de interacção com a ribavirina em combinação com peginterferão alfa-2a, interferão alfa-2b e antiácidos. As concentrações da ribavirina são similares quando esta é administrada isoladamente ou concomitantemente com interferão alfa-2b ou peginterferão alfa-2a. O potencial para a ocorrência de interações pode persistir durante um período de até 2 meses (5 vezes a semi-vida da ribavirina) após a conclusão da terapêutica com Ribavirina devido à sua longa semi-vida. Os resultados dos estudos in vitro nos quais foram utilizadas preparações de microssomas hepáticos de rato e humanos indicaram não existir metabolismo da ribavirina mediado pelas enzimas do citocromo P450. A ribavirina não inibe as enzimas do citocromo P450. Os estudos de toxicidade não revelaram indícios de indução das enzimas hepáticas pela ribavirina. Por conseguinte, é mínimo o potencial para a ocorrência de interações com as enzimas do citocromo P450.
Interacções: Azatioprina: A ribavirina, tendo um efeito inibitório sobre a inosina monofosfato desidrogenase, pode interferir com o metabolismo da azatioprina, conduzindo, possivelmente, à acumulação do 6- metiltioinosina monofosfato (6-MTIMF) que tem sido associado a mielotoxicidade nos doentes tratados com azatioprina. Deve evitar-se o uso de peginterferão alfa-2a e ribavirina concomitantemente com azatioprina. Em casos individuais, em que o benefício da administração de ribavirina concomitantemente com azatioprina justifique o risco potencial, recomenda-se realizar uma monitorização hematológica rigorosa durante o uso concomitante da azatioprina para identificar sinais de mielotoxicidade, e logo que estes surjam, deve-se parar o tratamento com estes fármacos. - Azatioprina
Não recomendado/Evitar

Lamivudina + Zidovudina Ribavirina

Observações: Os ensaios clínicos demonstraram que não existem interações clinicamente significativas entre a lamivudina e a zidovudina. A zidovudina é principalmente metabolizada pelas enzimas UGT; a administração concomitante de indutores ou inibidores das enzimas UGT pode alterar a exposição à zidovudina. A lamivudina é depurada ao nível renal. A secreção renal ativa da lamivudina na urina é mediada através de transportadores catiónicos orgânicos (OCTs); a administração concomitante de lamivudina com inibidores OCT ou fármacos nefrotóxicos pode aumentar a exposição à lamivudina. A lamivudina e a zidovudina não são significativamente metabolizadas pelas enzimas do citocromo P450 (tais como CYP 3A4, CYP 2C9 ou CYP 2D6) nem inibem ou induzem este sistema enzimático. Assim, o potencial para interações com antirretrovirais inibidores da protease, não nucleosídeos e outros medicamentos metabolizados pelas principais enzimas P450 é baixo. Foram realizados estudos de interacção apenas em adultos.
Interacções: Foi notificada exacerbação da anemia devida à ribavirina quando a zidovudina é parte do regime utilizado para tratar o VIH, embora o mecanismo exato permaneça por esclarecer. O uso concomitante de ribavirina com zidovudina não é recomendado devido a um risco aumentado de anemia. Deve ser considerada a substituição da zidovudina num regime de terapêutica antirretroviral combinada se este já estiver estabelecido. Isto será particularmente importante em doentes com história conhecida de anemia induzida pela zidovudina. - Ribavirina
Sem significado Clínico

Ribavirina Antiácidos

Observações: Realizaram-se estudos de interacção com a ribavirina em combinação com peginterferão alfa-2a, interferão alfa-2b e antiácidos. As concentrações da ribavirina são similares quando esta é administrada isoladamente ou concomitantemente com interferão alfa-2b ou peginterferão alfa-2a. O potencial para a ocorrência de interações pode persistir durante um período de até 2 meses (5 vezes a semi-vida da ribavirina) após a conclusão da terapêutica com Ribavirina devido à sua longa semi-vida. Os resultados dos estudos in vitro nos quais foram utilizadas preparações de microssomas hepáticos de rato e humanos indicaram não existir metabolismo da ribavirina mediado pelas enzimas do citocromo P450. A ribavirina não inibe as enzimas do citocromo P450. Os estudos de toxicidade não revelaram indícios de indução das enzimas hepáticas pela ribavirina. Por conseguinte, é mínimo o potencial para a ocorrência de interações com as enzimas do citocromo P450.
Interacções: Antiácidos: A biodisponibilidade de 600 mg de ribavirina diminuiu com a co-administração de um antiácido contendo magnésio, alumínio e simeticone; a AUCtf diminuiu em 14%. É possível que a biodisponibilidade diminuída, neste estudo, se tenha devido ao atraso no trânsito da ribavirina ou à alteração do pH. Esta interacção não é considerada clinicamente relevante. - Antiácidos
Usar com precaução

Ribavirina Análogos nucleósidos

Observações: Realizaram-se estudos de interacção com a ribavirina em combinação com peginterferão alfa-2a, interferão alfa-2b e antiácidos. As concentrações da ribavirina são similares quando esta é administrada isoladamente ou concomitantemente com interferão alfa-2b ou peginterferão alfa-2a. O potencial para a ocorrência de interações pode persistir durante um período de até 2 meses (5 vezes a semi-vida da ribavirina) após a conclusão da terapêutica com Ribavirina devido à sua longa semi-vida. Os resultados dos estudos in vitro nos quais foram utilizadas preparações de microssomas hepáticos de rato e humanos indicaram não existir metabolismo da ribavirina mediado pelas enzimas do citocromo P450. A ribavirina não inibe as enzimas do citocromo P450. Os estudos de toxicidade não revelaram indícios de indução das enzimas hepáticas pela ribavirina. Por conseguinte, é mínimo o potencial para a ocorrência de interações com as enzimas do citocromo P450.
Interacções: Análogos dos nucleósidos: A ribavirina mostrou inibir in vitro a fosforilação da zidovudina e da estavudina. Desconhece-se o significado clínico destes dados. No entanto, estes dados in vitro levantam a possibilidade de que a utilização concomitante de Ribavirina com zidovudina ou com estavudina possa conduzir ao aumento da virémia do VIH. Por conseguinte, recomenda-se a monitorização frequente das concentrações plasmáticas do ARN do VIH em doentes em terapêutica com Ribavirina e um dos fármacos anteriormente referidos. Se o nível de ARN do VIH aumentar, a utilização de Ribavirina concomitantemente com inibidores da transcriptase reversa deve ser revista. - Análogos nucleósidos
Não recomendado/Evitar

Ribavirina Didanosina

Observações: Realizaram-se estudos de interacção com a ribavirina em combinação com peginterferão alfa-2a, interferão alfa-2b e antiácidos. As concentrações da ribavirina são similares quando esta é administrada isoladamente ou concomitantemente com interferão alfa-2b ou peginterferão alfa-2a. O potencial para a ocorrência de interações pode persistir durante um período de até 2 meses (5 vezes a semi-vida da ribavirina) após a conclusão da terapêutica com Ribavirina devido à sua longa semi-vida. Os resultados dos estudos in vitro nos quais foram utilizadas preparações de microssomas hepáticos de rato e humanos indicaram não existir metabolismo da ribavirina mediado pelas enzimas do citocromo P450. A ribavirina não inibe as enzimas do citocromo P450. Os estudos de toxicidade não revelaram indícios de indução das enzimas hepáticas pela ribavirina. Por conseguinte, é mínimo o potencial para a ocorrência de interações com as enzimas do citocromo P450.
Interacções: Didanosina (ddI): A co-administração de ribavirina e didanosina não é recomendada. In vitro, a exposição à didanosina ou ao seu metabólito activo (5´-trifosfato de dideoxiadenosina) está aumentada, quando a didanosina é co-administrada com a ribavirina. Foram notificados casos de insuficiência hepática fatal, assim como neuropatia periférica, pancreatite e hiperlactacidemia/acidose láctica sintomática, com a utilização da ribavirina. - Didanosina
Usar com precaução

Ribavirina Abacavir

Observações: Realizaram-se estudos de interacção com a ribavirina em combinação com peginterferão alfa-2a, interferão alfa-2b e antiácidos. As concentrações da ribavirina são similares quando esta é administrada isoladamente ou concomitantemente com interferão alfa-2b ou peginterferão alfa-2a. O potencial para a ocorrência de interações pode persistir durante um período de até 2 meses (5 vezes a semi-vida da ribavirina) após a conclusão da terapêutica com Ribavirina devido à sua longa semi-vida. Os resultados dos estudos in vitro nos quais foram utilizadas preparações de microssomas hepáticos de rato e humanos indicaram não existir metabolismo da ribavirina mediado pelas enzimas do citocromo P450. A ribavirina não inibe as enzimas do citocromo P450. Os estudos de toxicidade não revelaram indícios de indução das enzimas hepáticas pela ribavirina. Por conseguinte, é mínimo o potencial para a ocorrência de interações com as enzimas do citocromo P450.
Interacções: Análogos nucleósidos: A utilização de análogos nucleósidos, em monoterapia ou em associação com outros nucleósidos, tem originado acidose láctica. Farmacologicamente, a ribavirina aumenta os metabólitos fosforilados dos nucleósidos purina in vitro. Esta actividade pode potenciar o risco de acidose láctica induzida pelos análogos dos nucleósidos purina (p.ex. didanosina ou abacavir). - Abacavir
Não recomendado/Evitar

Ribavirina Zidovudina

Observações: Realizaram-se estudos de interacção com a ribavirina em combinação com peginterferão alfa-2a, interferão alfa-2b e antiácidos. As concentrações da ribavirina são similares quando esta é administrada isoladamente ou concomitantemente com interferão alfa-2b ou peginterferão alfa-2a. O potencial para a ocorrência de interações pode persistir durante um período de até 2 meses (5 vezes a semi-vida da ribavirina) após a conclusão da terapêutica com Ribavirina devido à sua longa semi-vida. Os resultados dos estudos in vitro nos quais foram utilizadas preparações de microssomas hepáticos de rato e humanos indicaram não existir metabolismo da ribavirina mediado pelas enzimas do citocromo P450. A ribavirina não inibe as enzimas do citocromo P450. Os estudos de toxicidade não revelaram indícios de indução das enzimas hepáticas pela ribavirina. Por conseguinte, é mínimo o potencial para a ocorrência de interações com as enzimas do citocromo P450.
Interacções: Análogos dos nucleósidos: A ribavirina mostrou inibir in vitro a fosforilação da zidovudina e da estavudina. Desconhece-se o significado clínico destes dados. No entanto, estes dados in vitro levantam a possibilidade de que a utilização concomitante de Ribavirina com zidovudina ou com estavudina possa conduzir ao aumento da virémia do VIH. Por conseguinte, recomenda-se a monitorização frequente das concentrações plasmáticas do ARN do VIH em doentes em terapêutica com Ribavirina e um dos fármacos anteriormente referidos. Se o nível de ARN do VIH aumentar, a utilização de Ribavirina concomitantemente com inibidores da transcriptase reversa deve ser revista. Doentes co-infetados por VHC e VIH: Não foi observada evidência aparente de interacção medicamentosa em 47 doentes co-infetados por VHC e VIH, que completaram um subestudo farmacocinético de 12 semanas, para avaliar o efeito da ribavirina na fosforilação intracelular de alguns nucleósidos inibidores da transcriptase reversa (lamivudina, zidovudina ou estavudina). No entanto, devido à elevada variabilidade, os intervalos de confiança são muito alargados. A exposição plasmática à ribavirina pareceu não ser afetada pela administração concomitante de nucleósidos inibidores da transcriptase reversa (NITRs). Foi notificada a exacerbação da anemia devida à ribavirina quando a zidovudina é parte do regime de tratamento do VIH, embora o mecanismo exato ainda não seja conhecido. Não é recomendada a utilização concomitante de ribavirina com zidovudina devido ao aumento do risco de anemia. Deve considerar-se a substituição da zidovudina num regime de terapêutica antiretrovírica combinada se este já estiver estabelecido. Tal seria particularmente importante em doentes com história conhecida de anemia induzida por zidovudina. - Zidovudina
Usar com precaução

Ribavirina Estavudina

Observações: Realizaram-se estudos de interacção com a ribavirina em combinação com peginterferão alfa-2a, interferão alfa-2b e antiácidos. As concentrações da ribavirina são similares quando esta é administrada isoladamente ou concomitantemente com interferão alfa-2b ou peginterferão alfa-2a. O potencial para a ocorrência de interações pode persistir durante um período de até 2 meses (5 vezes a semi-vida da ribavirina) após a conclusão da terapêutica com Ribavirina devido à sua longa semi-vida. Os resultados dos estudos in vitro nos quais foram utilizadas preparações de microssomas hepáticos de rato e humanos indicaram não existir metabolismo da ribavirina mediado pelas enzimas do citocromo P450. A ribavirina não inibe as enzimas do citocromo P450. Os estudos de toxicidade não revelaram indícios de indução das enzimas hepáticas pela ribavirina. Por conseguinte, é mínimo o potencial para a ocorrência de interações com as enzimas do citocromo P450.
Interacções: Análogos dos nucleósidos: A ribavirina mostrou inibir in vitro a fosforilação da zidovudina e da estavudina. Desconhece-se o significado clínico destes dados. No entanto, estes dados in vitro levantam a possibilidade de que a utilização concomitante de Ribavirina com zidovudina ou com estavudina possa conduzir ao aumento da virémia do VIH. Por conseguinte, recomenda-se a monitorização frequente das concentrações plasmáticas do ARN do VIH em doentes em terapêutica com Ribavirina e um dos fármacos anteriormente referidos. Se o nível de ARN do VIH aumentar, a utilização de Ribavirina concomitantemente com inibidores da transcriptase reversa deve ser revista. - Estavudina
Não recomendado/Evitar

Peginterferão alfa-2a Ribavirina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: A ribavirina, tendo um efeito inibitório sobre a inosina monofosfato desidrogenase, pode interferir com o metabolismo da azatioprina, conduzindo, possivelmente, à acumulação do 6 - metiltioinosina monofosfato (6 - MTI MF) que tem sido associado a mielotoxicidade nos doentes tratados com azatioprina. Deve evitar-se o uso de peginterferão alfa-2 a e ribavirina concomitantemente com azatioprina. Em casos individuais em que o benefício da administração de ribavirina concomitantemente com azatioprina justifique o risco potencial, recomenda-se realizar uma monitorização hematológica rigorosa durante o uso concomitante da azatioprina para identificar sinais de mielotoxicidade, e logo que estes surjam, deve-se parar o tratamento com estes fármacos. Doentes coinfetados por VHC e VIH: Não foi observada evidência de interacção medicamentosa em 47 doentes coinfetados por VHC e VIH, que completaram um subestudo farmacocinético de 12 semanas, para avaliar o efeito da ribavirina na fosforilação intracelular de alguns nucleósidos inibidores da transcriptase reversa (lamivudina, zidovudina ou e estavudina). No entanto, devido à elevada variabilidade, os intervalos de confiança são muito alargados. A exposição plasmática à ribavirina pareceu não ser afetada pela administração concomitante de análogos dos nucleósidos inibidores da transcriptase reserva (NITRs). A co-administração de ribavirina e didanosina não é recomendada. A exposição à didanosina ou ao seu metabólito activo (5 ́ - trifosfato de dideoxiadenosina) é aumentada, in vitro, quando a didanosina é co-administrada com a ribavirina. Foram notificados casos de insuficiência hepática fatal, assim como neuropatia periférica, pancreatite, e hiperlactacidemia/acidose láctica sintomática, com a adição da ribavirina. Foi notificada a exacerbação da anemia devida à ribavirina quando a zidovudina é parte do regime de tratamento do VIH, embora o mecanismo exato ainda não seja conhecido. Não é recomendada a utilização concomitante de ribavirina com zidovudina devido ao aumento do risco de anemia. Deve considerar-se a substituição da zidovudina num regime de terapêutica antiretrovírica combinada se este já estiver estabelecido. Tal seria particularmente importante em doentes com história conhecida de anemia induzida por zidovudina. - Ribavirina
Sem efeito descrito

Peginterferão alfa-2b Ribavirina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: Terapêutica imunossupressora: Quando administrada em combinação com outras preparações de interferão, o efeito da terapêutica imunossupressora pode ser diminuído em doentes transplantados (rim, medula óssea, etc.). Considera-se que podem ser induzidas reacções de rejeição de enxerto. Num estudo farmacocinético de doses múltiplas não se verificaram interacções farmacocinéticas entre Peginterferão alfa-2b e ribavirina. Coinfeção VHC/VIH 122: Análogos nucleósidos: A utilização de análogos nucleósidos, em monoterapia ou em associação com outros nucleósidos, tem originado acidose láctica. Farmacologicamente, a ribavirina aumenta os metabólitos fosforilados dos nucleósidos purina in vitro. Esta actividade pode potenciar o risco de acidose láctica induzida pelos análogos dos nucleósidos purina (p.ex. didanosina ou abacavir). Não se recomenda a administração concomitante da ribavirina e da didanosina. Têm sido relatados casos de toxicidade mitocondrial, em particular acidose láctica e pancreatite, por vezes fatal (ver o RCM da ribavirina). Têm sido notificados casos de exacerbação de anemia devido a ribavirina quando a zidovudina faz parte do regímen utilizado no tratamento de VIH, contudo o mecanismo exato permanece por esclarecer. Não é recomendado o uso concomitante de ribavirina com zidovudina devido a um aumento do risco de anemia. Deve ser considerada a possibilidade de substituição de zidovudina num tratamento antirretrovírico (ARV) combinado, se este regímen já estiver estabelecido. Esta medida seria particularmente importante em doentes com antecedentes de anemia induzida por zidovudina. - Ribavirina
Sem efeito descrito

Elvitegravir + Cobicistate + Emtricitabina + Tenofovir Ribavirina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: Estudos realizados com outros medicamentos: Com base em estudos de interacções medicamentosas realizados com os componentes deste medicamento, não se observaram nem são de prever interacções medicamentosas clinicamente significativas entre os componentes de Elvitegravir / Cobicistate / Emtricitabina / Tenofovir e os seguintes fármacos: Entecavir, famciclovir, famotidina, omeprazol e ribavirina. - Ribavirina
Não recomendado/Evitar

Didanosina Ribavirina

Observações: n.d.
Interacções: A administração concomitante da didanosina com medicamentos que causam neuropatia periférica ou pancreatite pode aumentar o risco destas toxicidades, pelo que os doentes em terapêutica com estes medicamentos devem ser cuidadosamente vigiados. A ribavirina, com base em dados in vitro, aumenta os níveis intracelulares de didanosina trifosforilada. Foram notificadas insuficiência hepática fatal, bem como neuropatia periférica, pancreatite e hiperlactacidemia/ acidose láctica sintomática nos doentes a receber didanosina e ribavirina com ou sem estavudina. Não é recomendada a administração concomitante de ribavirina e didanosina. - Ribavirina
Usar com precaução

Zalcitabina Ribavirina

Observações: n.d.
Interacções: Fármacos com potencial para causar neuropatia periférica: Zalcitabina deve ser utilizado com cuidado nos doentes a receber outros medicamentos com potencial para causar neuropatia periférica. Os fármacos que têm sido associados à ocorrência de neuropatia periférica incluem os análogos dos nucleósidos anti-retrovíricos, cloranfenicol, cisplatina, dapsona, dissulfiram, etionamida, glutetimida, ouro, hidralazina, iodoquinol, isoniazida, metronidazol, nitrofurantoína, fenitoína, ribavirina e vincristina. Fármacos como a anfotericina, o foscarnet e os aminoglicosidos podem aumentar o risco de desenvolvimento de neuropatia periférica ou outros efeitos adversos associados ao Zalcitabina, por interferência com a clearance renal da zalcitabina (o que aumenta a exposição sistémica). Os doentes para quem é necessário utilizar um destes fármacos com Zalcitabina, devem ser sujeitos a monitorização clínica e laboratorial frequente, com ajuste da dose se se detectar alguma alteração significativa na função renal. Ribavirina: Em condições in vitro e quando combinada com a ribavirina, a zalcitabina apresentou uma diminuição da actividade anti-retrovírica. - Ribavirina
Sem efeito descrito

Efavirenz + Emtricitabina + Tenofovir Ribavirina

Observações: As interacções que foram identificadas com Efavirenz, Emtricitabina e Tenofovir individualmente podem ocorrer com esta associação. Os estudos de interacção com estes medicamentos só foram realizados em adultos.
Interacções: Estudos conduzidos com outros medicamentos: Não se observaram interacções farmacocinéticas clinicamente significativas quando o tenofovir disoproxil fumarato foi co-administrado com emtricitabina, nelfinavir ou ribavirina. - Ribavirina
Sem efeito descrito

Maraviroc Ribavirina

Observações: n.d.
Interacções: ANTIVÍRICOS: Fármacos para o VHC: O interferão peguilado e a ribavirina não foram estudados, não se esperam interacções. Maraviroc 300 mg duas vezes por dia e interferão peguilato ou ribavirina podem ser co-administrados sem ajuste da dose. - Ribavirina
Sem efeito descrito

Rilpivirina Ribavirina

Observações: A rilpivirina é um inibidor in vitro do transportador MATE-2K com um IC50 < 2,7 nM. As implicações clínicas deste achado são atualmente desconhecidas.
Interacções: interacções E RECOMENDAÇÕES POSOLÓGICAS COM OUTROS MEDICAMENTOS ANTI-INFECIOSOS: Outros Agentes Antivirais: Ribavirina: Não foi estudado. Não são esperadas interacções medicamentosas clinicamente relevantes. Não é necessário qualquer ajuste da dose. - Ribavirina
Sem significado Clínico

Tenofovir Ribavirina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: Estudos realizados com outros medicamentos: Não se observaram quaisquer interacções farmacocinéticas clinicamente significativas quando o tenofovir disoproxil foi co-administrado com emtricitabina, lamivudina, indinavir, efavirenz, nelfinavir, saquinavir (potenciado com ritonavir), metadona, ribavirina, rifampicina, tacrolimus ou o contraceptivo hormonal norgestimato/etinilestradiol. - Ribavirina
Sem efeito descrito

Dolutegravir + Rilpivirina Ribavirina

Observações: n.d.
Interacções: Substâncias activas antivíricas Ribavirina/Dolutegravir: Não é necessário ajuste de dose. Ribavirina/Rilpivirina: Não é necessário ajuste de dose. - Ribavirina
Sem efeito descrito

Doravirina + Lamivudina + Tenofovir Ribavirina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: Agentes Antivíricos para a Hepatite C Ribavirina: Não é necessário ajuste posológico. - Ribavirina
Contraindicado

Lamivudina + Nevirapina + Zidovudina Ribavirina

Observações: n.d.
Interacções: Ribavirina (inalação oral): A zidovudina pode aumentar o efeito adverso / tóxico da ribavirina (inalação oral). Especificamente, o risco / gravidade de anemia pode ser aumentado. Gerenciamento: Devido ao risco significativamente aumentado de anemia, considere um monitoramento ainda mais próximo da anemia do que o recomendado rotineiramente. Terapias alternativas devem ser consideradas quando clinicamente possível, principalmente para pacientes com outros fatores de risco. Considere modificação da terapia Ribavirina (sistémica): A zidovudina pode aumentar o efeito adverso / tóxico da ribavirina (sistêmica). Especificamente, o risco / gravidade de anemia pode ser aumentado. Gerenciamento: Devido ao risco significativamente aumentado de anemia, considere um monitoramento ainda mais próximo da anemia do que o recomendado rotineiramente para a ribavirina. Terapias alternativas devem ser consideradas quando clinicamente possível, principalmente para pacientes com outros fatores de risco. Considere modificação da terapia - Ribavirina
Usar com precaução

Drospirenona + Estetrol Ribavirina

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: Interacções farmacodinâmicas A utilização concomitante com os medicamentos para o VHC contendo ombitasvir/paritaprevir/ritonavir e dasabuvir, associado ou não a ribavirina, pode aumentar o risco de aumentos da ALT em mulheres a utilizar medicamentos contendo etinilestradiol, como os CHC. As mulheres a utilizar medicamentos contendo outros estrogénios, diferentes do etinilestradiol, tiveram uma taxa de aumento de ALT semelhante à das que não receberam qualquer estrogénio; no entanto, devido ao número limitado de mulheres a tomar estes outros estrogénios, recomenda-se precaução na administração concomitante com o regime terapêutico combinado ombitasvir/paritaprevir/ritonavir e dasabuvir associado ou não a ribavirina. - Ribavirina
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções da Ribavirina
Informe o Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Se está grávida não deve tomar Ribavirina.

A Ribavirina pode causar muitos danos no feto.

Ambos doentes masculino e feminino devem tomar precauções especiais na sua actividade sexual se existir a possibilidade de ocorrer uma gravidez:
Mulher ou jovem em idade fértil: Deve ter um teste de gravidez negativo antes do tratamento, mensalmente durante o tratamento e até ao 4º mês após interrupção do tratamento.
Deve falar deste assunto com o médico.

Homem: Não tenha sexo com uma mulher grávida excepto se utilizar preservativo.

Isto reduz a possibilidade da ribavirina passar para o organismo da mulher.

Se a sua parceira não está grávida mas está em idade fértil, ela deve efectuar um teste de gravidez mensalmente durante o tratamento e até ao 7º mês após interrupção do tratamento.

Quer o homem quer a sua parceira deverão utilizar um contraceptivo eficaz durante o tempo que estiver a tomar Ribavirina aurobindo e até ao 7º mês após interrupção do tratamento.

Deve falar este assunto com o médico.

Se está a amamentar não deve tomar Ribavirina.
Interrompa a amamentação antes de iniciar a administração de Ribavirina.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Novembro de 2021