Rasagilina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
Rasagilina é um inibidor irreversível da monoamina-oxidase e é utilizado como uma monoterapia no início da doença de Parkinson ou como terapia adjuvante em casos mais avançados.
Usos comuns
Sem informação.
Tipo
pequena molécula
História
A Rasagalina foi desenvolvida para o tratamento da doença de Parkinson pela Teva Pharmaceuticals, embora a Lundbeck tivesse obtido os direitos de comercialização da rasagilina na Europa.

Verificou-se ser eficaz não apenas no tratamento da doença de Parkinson, mas que também possuir propriedades neuroprotectoras e anti-apoptóticos.

Devido às preocupações sobre metabolitos neurotóxicos da selegilina, rasagilina foi desenvolvido como um inibidor da MAO-B seletivo alternativo, que é livre de metabolitos neurotóxicos.
Indicações
Para o tratamento dos sinais e sintomas da doença de Parkinson idiopática como monoterapia e como tratamento adjuvante a levodopa.
Classificação CFT
02.05.02     Dopaminomiméticos
Mecanismo De Ação
Os mecanismos exatos de ação dos rasagilina é desconhecida.

Acredita-se que um mecanismo para ser relacionado com a sua atividade inibidora de MAO-B, o que provoca um aumento nos níveis extracelulares de dopamina no estriado.

O elevado nível de dopamina e subsequente aumento da atividade dopaminérgica parecem mediar os efeitos benéficos da rasagilina observados em modelos de disfunção motora dopaminérgica.
Posologia Orientativa
Dose adulta usual para a doença de Parkinson:
Monoterapia: 1 mg por via oral uma vez ao dia.

A terapia adjuvante (em combinação com levodopa): 0,5 mg por via oral uma vez ao dia.

Se uma resposta clínica suficiente não for atingida, a dose pode ser aumentada para 1 mg por via oral diariamente.
Administração
Sem informação.
Contraindicações
Não use rasagilina se:
– é alérgico a qualquer ingrediente em rasagilina.
– tem problemas hepáticos moderados a graves.
– estiver a tomar fluoxetina ou tomou nos últimos 5 semanas.
– estiver a tomar bupropiona, linezolida, um inibidor da recaptação de noradrenalina (por exemplo, atomoxetina), um inibidor seletivo da recaptação de serotonina (ISRS) (por exemplo, paroxetina), um inibidor de serotonina-norepinefrina (IRSN) (por exemplo, venlafaxina, duloxetina), selegilina ou outro IMAO (por exemplo, fenelzina), erva de São João, trazodona, ou vilazodone ou se tiver tomado qualquer um destes medicamentos nos últimos 14 dias.

– estiver a tomar ciclobenzaprina, dextrometorfano, meperidina, metadona, propoxifeno, a sibutramina, tetrabenazine, um antidepressivo tetracíclicos (por exemplo, a mirtazapina), tramadol ou antidepressivos tricíclicos (por exemplo, amitriptilina).

Contacte o seu médico ou profissional de saúde imediatamente se algum destes se aplicar a si.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Obtenha ajuda médica de emergência se tiver algum destes sinais de reação alérgica: urticária, dificuldade em respirar, inchaço do rosto, lábios, língua ou garganta.

Suspenda o uso de rasagilina e chame seu médico imediatamente se tiver um efeito colateral grave, tais como:
- Pressão perigosamente alta arterial (cefaleias, visão turva, zumbido nos ouvidos, ansiedade, confusão, dor no peito, falta de ar, batimentos cardíacos irregulares, convulsões);
- Dormência súbita ou fraqueza (especialmente em um lado do corpo), problemas com a fala ou equilíbrio;
- Pensamentos incomuns ou comportamento,
- Agitação, alucinações, febre, ritmo cardíaco acelerado, reflexos hiperativos, náuseas, vómitos, diarreia, perda de coordenação, desmaio;
- Tremores, espasmos musculares ou rigidez, ou
- Sensação de desmaio.

Efeitos secundários menos graves podem incluir:
- Dor nas articulações;
- Dor de cabeça leve, humor deprimido;
- Tonturas, sensação de tontura;
- Perda de cabelo;
- Erupção cutânea leve;
- Dormência ou sensação de formigueiro;
- Boca seca, perda de apetite;
- Constipação, diarreia, dor ou distúrbios de estômago, vómitos, perda de peso;
- Impotência, perda de interesse em sexo ou dificuldade para ter um orgasmo;
- Sonhos estranhos, ou
- Sintomas de gripe.

Esta não é uma lista completa dos efeitos secundários e outros podem ocorrer.

Peça aconselhamento médico sobre os efeitos secundários.
Advertências
Gravidez
Gravidez:A segurança não está estabelecida; o produtor recomenda precaução. Risco fetal desconhecido, por falta de estudos alargados.
Aleitamento
Aleitamento:O produtor recomenda precaução; pode suprimir a lactação.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Evitar.
Precauções Gerais
Se sentir sinais e sintomas de pressão arterial elevada, deve procurar atenção médica imediata.

Sinais e sintomas incluem dor de cabeça severa, visão turva ou distúrbios visuais, dificuldade de raciocínio, estupor ou coma, convulsões, dor no peito, náuseas ou vómitos inexplicáveis ou sinais e sintomas de um acidente vascular cerebral.

Não deve usar qualquer um dos seguintes medicamentos enquanto estiver a tomar rasagilina ou por 2 semanas após a interrupção da rasagilina:
– agentes analgésicos (metadona, propoxifeno, tramadol)
– produtos contendo efedrina frios, fenilefrina, fenilpropanolamina, pseudoefedrina
– A ciclobenzaprina
– inibidores da MAO
– Meperidina
– Mirtazapina

Deve informar o seu médico antes de fazer qualquer cirurgia que requer anestesia geral.
Rasagilina deve ser interrompida pelo menos 14 dias antes da cirurgia.

Alguns estudos têm demonstrado que os pacientes com doença de Parkinson podem ter um risco maior de desenvolver cancro de pele.
Portanto, é muito importante que consulte um dermatologista para verificar se está a desenvolver melanomas.
O paciente ou cuidador também deve verificar regularmente a existência de melanomas.

Se está a tomar rasagilina com levodopa, pode ocorrer aumento da discinesia (por exemplo, espasmos, torção, movimentos repetitivos sem controle de língua, lábios, rosto, braços ou pernas) e pressão arterial baixa postural (por exemplo, calafrios, suores frios, confusão, tonturas, desmaios ou tonturas quando se passa da posição deitada ou sentada).
Cuidados com a Dieta
Alguns medicamentos não devem ser tomados próximo da hora de ingestão de alimentos ou tomados com certo tipo de alimentos, pois podem ocorrer interações.

Ingerir álcool ou fumar tabaco com certos medicamentos também podem causar interações. As seguintes interações foram selecionadas com base no seu significado potencial e não são necessariamente com tudo incluído.

Usar rasagilina com qualquer um dos seguintes geralmente não é recomendado, mas pode ser inevitável em alguns casos. Se usado em conjunto, o seu médico pode alterar a dose ou a quantidade de rasagilina que está a tomar ou dar-lhe instruções especiais sobre o uso de alimentos, álcool ou tabaco.
- Alimentos contendo tiramina

Evite álcool e cafeína.
Terapêutica Interrompida
Tome a dose assim que se lembrar. Não tome a dose esquecida se for quase hora da sua próxima dose. Não tome medicamento extra para compensar a dose esquecida.
Cuidados no Armazenamento
Guarde o medicamento num recipiente fechado à temperatura ambiente, longe do calor, humidade e luz direta. Evite congelamento.
Guarde-o em 15° a 30°C.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Vortioxetina + Rasagilina

Observações: A vortioxetina é extensamente metabolizada no fígado, principalmente por oxidação catalisada pelo CYP2D6, e numa menor extensão pelo CYP3A4/5 e CYP2C9.
Interações: Potencial de outros medicamentos para afetar a vortioxetina: Inibidor irreversível seletivo da MAO-B (selegilina, rasagilina): Apesar de ser esperado um risco mais baixo de Síndrome Serotoninérgica com inibidores da MAO-B seletivos do que com inibidores da MAO-A, a combinação de vortioxetina com inibidores irreversíveis da MAO-B, como a selegilina ou a rasagilina deve ser administrada com precaução. Se forem usados concomitantemente, é necessária uma monitorização apertada relativamente à Síndrome Serotoninérgica.

Levodopa + Benserazida + Rasagilina

Observações: N.D.
Interações: Inibidores seletivos da MAO-B, como a selegilina e rasagilina, e inibidores seletivos da MAO-A, como a moclobemida, podem ser prescritos em doentes tratados com Levodopa / Benserazida. Para manter a eficácia e tolerabilidade do Levodopa / Benserazida, recomenda-se proceder ao reajustamento de dose segundo as necessidades individuais do doente.

Rasagilina + Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)

Observações: N.D.
Interações: Existe um número de interações conhecidas entre os inibidores da MAO não seletivos e outros medicamentos. A rasagilina não pode ser administrada com outros inibidores da MAO (incluindo medicamentos ou produtos naturais sem prescrição, por ex. hipericão) pois pode haver risco de inibição da MAO não seletiva o que pode levar a crises hipertensivas. Relativamente ao uso concomitante de rasagilina com inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs)/ inibidores seletivos da recaptação da serotonina-norepinefrina (ISRNs) em ensaios clínicos. Foram relatadas reações adversas graves com o uso concomitante de ISRSs, ISRNs, antidepressivos tricíclicos e tetracíclicos e inibidores da MAO. Assim, tendo em consideração a atividade inibitória da MAO da rasagilina, os antidepressivos devem ser administrados com precaução.

Rasagilina + Hipericão

Observações: N.D.
Interações: Existe um número de interações conhecidas entre os inibidores da MAO não seletivos e outros medicamentos. A rasagilina não pode ser administrada com outros inibidores da MAO (incluindo medicamentos ou produtos naturais sem prescrição, por ex. hipericão) pois pode haver risco de inibição da MAO não seletiva o que pode levar a crises hipertensivas.

Rasagilina + Petidina

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas reações adversas graves com o uso concomitante de petidina e inibidores da MAO incluindo também outro inibidor seletivo da MAO-B. A administração concomitante de rasagilina e petidina está contraindicada.

Rasagilina + Simpaticomiméticos

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas interações medicamentosas com inibidores da MAO no uso concomitante de fármacos simpaticomiméticos. Assim, tendo em consideração a atividade inibitória da MAO da rasagilina, o uso concomitante de rasagilina e simpaticomiméticos, tais como os incluídos em descongestionantes nasais e orais, ou medicamentos usados no tratamento da constipação contendo efedrina ou pseudoefedrina, não é recomendado.

Rasagilina + Pseudoefedrina

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas interações medicamentosas com inibidores da MAO no uso concomitante de fármacos simpaticomiméticos. Assim, tendo em consideração a atividade inibitória da MAO da rasagilina, o uso concomitante de rasagilina e simpaticomiméticos, tais como os incluídos em descongestionantes nasais e orais, ou medicamentos usados no tratamento da constipação contendo efedrina ou pseudoefedrina, não é recomendado.

Rasagilina + Efedrina

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas interações medicamentosas com inibidores da MAO no uso concomitante de fármacos simpaticomiméticos. Assim, tendo em consideração a atividade inibitória da MAO da rasagilina, o uso concomitante de rasagilina e simpaticomiméticos, tais como os incluídos em descongestionantes nasais e orais, ou medicamentos usados no tratamento da constipação contendo efedrina ou pseudoefedrina, não é recomendado.

Rasagilina + Dextrometorfano

Observações: N.D.
Interações: Têm sido relatadas interações medicamentosas com a administração concomitante de dextrometorfano e inibidores não seletivos da MAO. Desta forma, e tendo em consideração a atividade inibitória da MAO da rasagilina, a administração concomitante de rasagilina e dextrometorfano não é recomendada.

Rasagilina + Fluoxetina

Observações: N.D.
Interações: O uso concomitante de rasagilina e fluoxetina ou fluvoxamina deve ser evitado.

Rasagilina + Fluvoxamina

Observações: N.D.
Interações: O uso concomitante de rasagilina e fluoxetina ou fluvoxamina deve ser evitado.
 Potencialmente Grave

Rasagilina + Inibidores Selectivos da Recaptação da Serotonina (ISRS) (SSRIs)

Observações: N.D.
Interações: Relativamente ao uso concomitante de rasagilina com inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs)/ inibidores seletivos da recaptação da serotonina-norepinefrina (ISRNs) em ensaios clínicos. Foram relatadas reações adversas graves com o uso concomitante de ISRSs, ISRNs, antidepressivos tricíclicos e tetracíclicos e inibidores da MAO. Assim, tendo em consideração a atividade inibitória da MAO da rasagilina, os antidepressivos devem ser administrados com precaução.
 Potencialmente Grave

Rasagilina + Inibidores seletivos da recaptação da serotonina-norepinefrina (ISRSNs)

Observações: N.D.
Interações: Relativamente ao uso concomitante de rasagilina com inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs)/ inibidores seletivos da recaptação da serotonina-norepinefrina (ISRNs) em ensaios clínicos. Foram relatadas reações adversas graves com o uso concomitante de ISRSs, ISRNs, antidepressivos tricíclicos e tetracíclicos e inibidores da MAO. Assim, tendo em consideração a atividade inibitória da MAO da rasagilina, os antidepressivos devem ser administrados com precaução.
 Potencialmente Grave

Rasagilina + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: N.D.
Interações: Relativamente ao uso concomitante de rasagilina com inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs)/ inibidores seletivos da recaptação da serotonina-norepinefrina (ISRNs) em ensaios clínicos. Foram relatadas reações adversas graves com o uso concomitante de ISRSs, ISRNs, antidepressivos tricíclicos e tetracíclicos e inibidores da MAO. Assim, tendo em consideração a atividade inibitória da MAO da rasagilina, os antidepressivos devem ser administrados com precaução.

Rasagilina + Levodopa

Observações: N.D.
Interações: Nos doentes de Parkinson, que fazem levodopa em tratamento prolongado como terapia adjuvante, não houve efeito clinicamente significativo do tratamento com levodopa na depuração da rasagilina.

Rasagilina + Ciprofloxacina

Observações: N.D.
Interações: Estudos de metabolismo in vitro indicaram o citocromo P450 1A2 (CYP1A2) como a principal enzima responsável pelo metabolismo da rasagilina. A coadministração da rasagilina e ciprofloxacina (um inibidor do CYP1A2) aumentou 83% a AUC da rasagilina. A coadministração da rasagilina e teofilina (um substrato do CYP1A2) não afetou a farmacocinética de qualquer das substâncias. Assim, inibidores potentes do CYP1A2 podem alterar os níveis plasmáticos da rasagilina e devem ser administrados com precaução. Em doentes fumadores, há risco dos níveis plasmáticos de rasagilina poderem diminuir, devido à indução da enzima metabolizadora CYP1A2.

Rasagilina + Inibidores do CYP1A2

Observações: N.D.
Interações: Estudos de metabolismo in vitro indicaram o citocromo P450 1A2 (CYP1A2) como a principal enzima responsável pelo metabolismo da rasagilina. A coadministração da rasagilina e ciprofloxacina (um inibidor do CYP1A2) aumentou 83% a AUC da rasagilina. A coadministração da rasagilina e teofilina (um substrato do CYP1A2) não afetou a farmacocinética de qualquer das substâncias. Assim, inibidores potentes do CYP1A2 podem alterar os níveis plasmáticos da rasagilina e devem ser administrados com precaução. Em doentes fumadores, há risco dos níveis plasmáticos de rasagilina poderem diminuir, devido à indução da enzima metabolizadora CYP1A2.

Rasagilina + Substratos do CYP1A2

Observações: N.D.
Interações: Estudos de metabolismo in vitro indicaram o citocromo P450 1A2 (CYP1A2) como a principal enzima responsável pelo metabolismo da rasagilina. A coadministração da rasagilina e ciprofloxacina (um inibidor do CYP1A2) aumentou 83% a AUC da rasagilina. A coadministração da rasagilina e teofilina (um substrato do CYP1A2) não afetou a farmacocinética de qualquer das substâncias. Assim, inibidores potentes do CYP1A2 podem alterar os níveis plasmáticos da rasagilina e devem ser administrados com precaução. Em doentes fumadores, há risco dos níveis plasmáticos de rasagilina poderem diminuir, devido à indução da enzima metabolizadora CYP1A2. Estudos in vitro demonstraram que a rasagilina numa concentração de 1μ g/ml (equivalente a um nível que é 160 vezes a média da C max ~ 5,9-8,5 ng/ml nos doentes de Parkinson após 1 mg de rasagilina em doses múltiplas) não inibiu as isoenzimas do citocromo P450 CYP1A2, CYP2A6, CYP2C9, CYP2C19, CYP2D6, CYP2E1, CYP3A4 e CYP4A. Estes resultados indicam que é pouco provável que as concentrações terapêuticas da rasagilina causem interferência clinicamente significativa com substratos destas enzimas.

Rasagilina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Estudos de metabolismo in vitro indicaram o citocromo P450 1A2 (CYP1A2) como a principal enzima responsável pelo metabolismo da rasagilina. A coadministração da rasagilina e ciprofloxacina (um inibidor do CYP1A2) aumentou 83% a AUC da rasagilina. A coadministração da rasagilina e teofilina (um substrato do CYP1A2) não afetou a farmacocinética de qualquer das substâncias. Assim, inibidores potentes do CYP1A2 podem alterar os níveis plasmáticos da rasagilina e devem ser administrados com precaução. Em doentes fumadores, há risco dos níveis plasmáticos de rasagilina poderem diminuir, devido à indução da enzima metabolizadora CYP1A2.

Rasagilina + Tabaco (fumadores, Tabagismo)

Observações: N.D.
Interações: Estudos de metabolismo in vitro indicaram o citocromo P450 1A2 (CYP1A2) como a principal enzima responsável pelo metabolismo da rasagilina. A coadministração da rasagilina e ciprofloxacina (um inibidor do CYP1A2) aumentou 83% a AUC da rasagilina. A coadministração da rasagilina e teofilina (um substrato do CYP1A2) não afetou a farmacocinética de qualquer das substâncias. Assim, inibidores potentes do CYP1A2 podem alterar os níveis plasmáticos da rasagilina e devem ser administrados com precaução. Em doentes fumadores, há risco dos níveis plasmáticos de rasagilina poderem diminuir, devido à indução da enzima metabolizadora CYP1A2.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Rasagilina + Entacapona

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante de rasagilina e entacapona aumentou a depuração oral da rasagilina em 28%.

Rasagilina + Substratos do CYP2A6

Observações: N.D.
Interações: Estudos in vitro demonstraram que a rasagilina numa concentração de 1μ g/ml (equivalente a um nível que é 160 vezes a média da C max ~ 5,9-8,5 ng/ml nos doentes de Parkinson após 1 mg de rasagilina em doses múltiplas) não inibiu as isoenzimas do citocromo P450 CYP1A2, CYP2A6, CYP2C9, CYP2C19, CYP2D6, CYP2E1, CYP3A4 e CYP4A. Estes resultados indicam que é pouco provável que as concentrações terapêuticas da rasagilina causem interferência clinicamente significativa com substratos destas enzimas.

Rasagilina + Substratos do CYP2C9

Observações: N.D.
Interações: Estudos in vitro demonstraram que a rasagilina numa concentração de 1μ g/ml (equivalente a um nível que é 160 vezes a média da C max ~ 5,9-8,5 ng/ml nos doentes de Parkinson após 1 mg de rasagilina em doses múltiplas) não inibiu as isoenzimas do citocromo P450 CYP1A2, CYP2A6, CYP2C9, CYP2C19, CYP2D6, CYP2E1, CYP3A4 e CYP4A. Estes resultados indicam que é pouco provável que as concentrações terapêuticas da rasagilina causem interferência clinicamente significativa com substratos destas enzimas.

Rasagilina + Substratos do CYP2C19

Observações: N.D.
Interações: Estudos in vitro demonstraram que a rasagilina numa concentração de 1μ g/ml (equivalente a um nível que é 160 vezes a média da C max ~ 5,9-8,5 ng/ml nos doentes de Parkinson após 1 mg de rasagilina em doses múltiplas) não inibiu as isoenzimas do citocromo P450 CYP1A2, CYP2A6, CYP2C9, CYP2C19, CYP2D6, CYP2E1, CYP3A4 e CYP4A. Estes resultados indicam que é pouco provável que as concentrações terapêuticas da rasagilina causem interferência clinicamente significativa com substratos destas enzimas.

Rasagilina + Substratos do CYP2D6

Observações: N.D.
Interações: Estudos in vitro demonstraram que a rasagilina numa concentração de 1μ g/ml (equivalente a um nível que é 160 vezes a média da C max ~ 5,9-8,5 ng/ml nos doentes de Parkinson após 1 mg de rasagilina em doses múltiplas) não inibiu as isoenzimas do citocromo P450 CYP1A2, CYP2A6, CYP2C9, CYP2C19, CYP2D6, CYP2E1, CYP3A4 e CYP4A. Estes resultados indicam que é pouco provável que as concentrações terapêuticas da rasagilina causem interferência clinicamente significativa com substratos destas enzimas.

Rasagilina + Substratos do CYP2E1

Observações: N.D.
Interações: Estudos in vitro demonstraram que a rasagilina numa concentração de 1μ g/ml (equivalente a um nível que é 160 vezes a média da C max ~ 5,9-8,5 ng/ml nos doentes de Parkinson após 1 mg de rasagilina em doses múltiplas) não inibiu as isoenzimas do citocromo P450 CYP1A2, CYP2A6, CYP2C9, CYP2C19, CYP2D6, CYP2E1, CYP3A4 e CYP4A. Estes resultados indicam que é pouco provável que as concentrações terapêuticas da rasagilina causem interferência clinicamente significativa com substratos destas enzimas.

Rasagilina + Substratos do CYP3A4

Observações: N.D.
Interações: Estudos in vitro demonstraram que a rasagilina numa concentração de 1μ g/ml (equivalente a um nível que é 160 vezes a média da C max ~ 5,9-8,5 ng/ml nos doentes de Parkinson após 1 mg de rasagilina em doses múltiplas) não inibiu as isoenzimas do citocromo P450 CYP1A2, CYP2A6, CYP2C9, CYP2C19, CYP2D6, CYP2E1, CYP3A4 e CYP4A. Estes resultados indicam que é pouco provável que as concentrações terapêuticas da rasagilina causem interferência clinicamente significativa com substratos destas enzimas.

Rasagilina + Tiramina

Observações: N.D.
Interações: Interação tiramina/rasagilina: Resultados de 5 estudos de estimulação com tiramina (em voluntários e doentes de Parkinson), juntamente com resultados de monitorizações de pressão arterial, efetuadas em ambulatório, após as refeições (de 464 doentes tratados com 0,5 ou 1 mg/dia de rasagilina ou placebo como terapia adjuvante de levodopa durante 6 meses sem restrições de tiramina), e o facto de não haver interações de tiramina/rasagilina reportadas em estudos clínicos efetuados sem restrições de tiramina, indicam que a rasagilina pode ser usada com segurança sem restrições de tiramina na dieta.

Etcorvinol + Rasagilina

Observações: N.D.
Interações: Usando etclorvinol com qualquer um dos seguintes medicamentos normalmente não é recomendada, mas pode não ser necessária em alguns casos. Se ambos os medicamentos são prescritos em conjunto, o médico pode alterar a dose. - Adinazolam - Alfentanil - Alprazolam - Amobarbital - Anileridina - Aprobarbital - Brofaromina - Bromazepam - Brotizolam - Buprenorfina - Butabarbital - Butalbital - Carbinoxamina - Carisoprodol - Clorodiazepóxido - Clorzoxazona - Clobazam - Clonazepam - Clorazepato - Clorgilina - Codeína - Dantroleno - Diazepam - Estazolam - Fentanilo - Flunitrazepam - Flurazepam - Furazolidona - Halazepam - Hidrocodona - Hidromorfona - Iproniazida - Isocarboxazida - Cetazolam - Lazabemida - Levorfanol - Linezolida - lorazepam - lormetazepam - Meclizina - Medazepam - meperidina - mefenesina - meprobamato - metaxalone - metadona - Metocarbamol - Metoexital - Midazolam - Moclobemida - Morfina - Nialamida - Nitrazepam - Nordazepam - Oxazepam - Oxicodona - Oximorfona - Pargilina - Pentobarbital - Fenelzina - Fenobarbital - Prazepam - Primidona - Procarbazina - Propoxifeno - Quazepam - Rasagilina - Remifentanil - Secobarbital - Selegilina - Sufentanil - Suvorexanto - Tapentadol - Temazepam - Tiopental - Toloxatona - Tranilcipromina - Triazolam - Zolpidem
Aconselhe os pacientes a evitar certos alimentos (por exemplo, queijo envelhecido) contendo uma quantidade muito grande de tiramina.

Instrua os pacientes sobre os sinais e sintomas de marcada elevação da pressão arterial, que pode representar uma emergência hipertensiva.

Recomendar aos doentes para contactar imediatamente o seu médico se ocorrer dor de cabeça severa ou outros sintomas atípicos ou incomuns que pode ser causado por crise hipertensiva.

Aconselhe os pacientes a tomar a medicação conforme prescrito.

Aconselhar os pacientes que se uma dose for omitida a tomar a próxima dose à hora habitual no dia seguinte.

Aconselhar os pacientes que eles podem desenvolver hipotensão ortostática e que pode ocorrer com mais frequência durante o início do tratamento ou com um aumento da dose.

Alertar os pacientes sobre o levantar-se rapidamente depois de uma posição sentada ou deitada.

Alertar os pacientes para a possibilidade de aumentos de pressão arterial e informá-los de que a exacerbação da hipertensão podem ocorrer.

Informar os pacientes que as alucinações outro comportamento do tipo psicóticos, e impulsos intensos (por exemplo, jogos de azar, impulsos sexuais) podem ocorrer.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017