Quinapril + Hidroclorotiazida

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
A combinação de quinapril e hidroclorotiazida é usada para tratar a pressão arterial elevada (hipertensão).

A pressão arterial elevada aumenta a carga de trabalho do coração e artérias.

Se continuar por um longo tempo, o coração e as artérias podem não funcionar corretamente.

Isto pode danificar os vasos sanguíneos do cérebro, coração, rins e, resultando num acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca, ou insuficiência renal.

A hipertensão pode também aumentar o risco de ataques cardíacos.

Esses problemas podem ser menos provável de ocorrer se a pressão arterial está controlada.

O quinapril é uma enzima conversora da angiotensina (ECA).

Funciona através do bloqueio de uma substância no organismo que provoca constrição dos vasos sanguíneos.

Como resultado, o quinapril relaxa os vasos sanguíneos.

Isto reduz a pressão arterial e aumenta o suprimento de sangue e oxigénio para o coração.

A hidroclorotiazida é um diurético (comprimido de água).

A hidroclorotiazida reduz a quantidade de água no corpo, aumentando o fluxo de urina, que ajuda a reduzir a pressão arterial.

Quinapril e hidroclorotiazida está disponível apenas com prescrição do seu médico.
Usos comuns
Quinapril e Hidroclorotiazida comprimidos são indicados para o tratamento da hipertensão.

Esta combinação fixa não é indicado para o tratamento inicial da hipertensão.
Tipo
Sem informação.
História
Sem informação.
Indicações
O Quinapril/Hidroclorotiazida está indicado no tratamento da hipertensão arterial em doentes que não responderam adequadamente ao tratamento com quinapril ou com um diurético administrado isoladamente.

Tal como acontece com todas as associações fixas, este medicamento não está indicado como terapêutica inicial da hipertensão arterial.
Classificação CFT
03.04.02.01     Inibidores da enzima de conversão da angiotensina
Mecanismo De Ação
Quinapril é rapidamente desesterificado em quinaprilato (diácido de quinapril, o metabolito principal) que, em estudos realizados no homem e em animais, é um potente inibidor da enzima de conversão da angiotensina (IECA).

A enzima de conversão da angiotensina é uma peptidildipeptidase que cataliza a conversão da angiotensina I na vasoconstritora angiotensina II que, por sua vez, está envolvida no controlo e na função vasculares através de vários mecanismos, incluindo a estimulação da secreção de aldosterona pelo córtex suprarrenal.

No homem e em animais, o modo de ação do quinapril consiste em inibir a atividade da ECA circulante e da ECA tecidular, diminuindo assim a atividade vasopressora e a secreção de aldosterona.

A supressão do feed-back negativo da angiotensina II sobre a secreção de renina potencia a atividade da renina plasmática.

Apesar de, presumivelmente, o principal mecanismo do efeito anti-hipertensivo residir no sistema renina-angiotensina-aldosterona, quinapril tem ações anti-hipertensivas mesmo em doentes hipertensos com níveis baixos de renina.

A monoterapia com quinapril foi eficazmente anti-hipertensiva em todas as raças estudadas, apesar de ter sido menos eficaz nos indivíduos de raça negra (habitualmente, um grupo com predomínio de níveis baixos de renina) comparativamente a outras raças.

A enzima de conversão da angiotensina é idêntica à cininase II, uma enzima que degrada a bradicinina, um péptido vasodilatador potente; ainda não se sabe se o efeito terapêutico do quinapril é afetado por níveis aumentados de bradicinina.

Nos estudos realizados em animais, demonstrou-se que o efeito anti-hipertensivo do quinapril é mais prolongado que o seu efeito inibidor sobre a ECA circulante, mas que a inibição da ECA tecidular está mais estreitamente correlacionada com a duração do seu efeito anti-hipertensivo.

A administração de 10 - 80 mg de quinapril nos doentes com hipertensão ligeira a grave resulta na redução da pressão sanguínea, em posição sentada e de pé, com efeitos mínimos na frequência cardíaca.

A atividade anti-hipertensora inicia-se dentro de 1 hora e os efeitos máximos são habitualmente obtidos 2-4 horas depois da administração da dose.

Em alguns doentes, a obtenção dos efeitos máximos de redução na pressão sanguínea pode requerer duas semanas de tratamento.

Com as doses recomendadas, os efeitos anti-hipertensores mantêm-se, na maioria dos doentes, durante as 24 horas do intervalo posológico e persistem durante o tratamento prolongado.

Os estudos hemodinâmicos nos doentes hipertensos indicam que a redução da pressão sanguínea, induzida pelo quinapril, é acompanhada por uma redução na resistência periférica vascular total e na resistência vascular renal, com diminuta ou mesmo nenhuma alteração da frequência cardíaca, índice cardíaco, fluxo sanguíneo renal, taxa de filtração glomerular ou fração de filtração.

O mecanismo subjacente à atividade anti-hipertensora dos diuréticos ainda não é conhecido.

Durante a administração crónica, a resistência vascular periférica diminui, o que pode ser secundário às alterações do equilíbrio do sódio.

A hidroclorotiazida é um diurético que atua diretamente sobre o rim, aumentando a excreção de sódio e cloretos, bem como do volume de água que os acompanha.

A hidroclorotiazida também aumenta a excreção de potássio e bicarbonato, mas reduz a excreção de cálcio.

O tratamento crónico com hidroclorotiazida aumenta duas a seis vezes a atividade da renina plasmática (ARP).

Após administração oral de hidroclorotiazida, a diurese inicia-se dentro de duas horas, atinge o pico em cerca de quatro horas, e prolonga-se por cerca de seis a doze horas.

A hidroclorotiazida é excretada, na sua forma inalterada, pelo rim.

Quando se monitorizaram os níveis plasmáticos durante pelo menos 24 horas, observou-se que a semivida plasmática varia entre 4 e 15 horas.

Pelo menos 61% da dose oral é eliminada como fármaco inalterado em 24 horas.

A hidroclorotiazida atravessa a barreira placentar mas não a barreira hematoencefálica.

O tratamento concomitante com diuréticos tiazídicos permite um efeito redutor da pressão sanguínea superior ao observado com qualquer agente em administração separada.
Posologia Orientativa
Nos doentes sem diuréticos, quer tenham sido ou não tratados com quinapril isoladamente, a dose inicial recomendada de Quinapril / Hidroclorotiazida é de 10/6,25 mg.


A dose habitual de manutenção corresponde a 20/12,5 mg.


Alguns doentes receberam doses até 40/25 mg por dia.


Nos doentes com diuréticos, a dose inicial recomendada de quinapril é de 5 mg para minimizar o risco de uma excessiva redução da pressão sanguínea.
Administração
Via oral.
Contraindicações
Quinapril / Hidroclorotiazida está contraindicado em doentes com:

- Hipersensibilidade ao Quinapril e à Hidroclorotiazida

- História de angioedema associado a tratamento prévio com inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECAs).

- História hereditária/ idiopática de edema angioneurótico.

- Obstrução do fluxo dinâmico do ventrículo esquerdo.

- Anúria ou disfunção renal grave.

- Hipersensibilidade aoutros fármacos derivados das sulfonamidas.

- Estado gestacional de 2º e 3º trimestres

Não administrar aliscireno com Acuretic e, doentes com diabetes.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Pare imediatamente de tomar e procure de imediato ajuda médica se sentir alguns dos sintomas seguintes. Apesar de serem muito raros, podem ser graves:

- Reação alérgica grave (anafilóide) ao medicamento com inchaço da cara, língua e garganta que pode provocar dificuldades respiratórias (angioedema).

- Dor abdominal grave que provoca náuseas (angioedema intestinal).

- Ataque cardíaco (os sintomas podem incluir dor no peito, aperto no peito, diminuição da respiração e dificuldade em respirar), com aumento do ritmo cardíaco.

- Perda de força nos braços e pernas ou dificuldade em falar podem ser sintomas de AVC.

- Erupção cutânea intensa incluindo urticária, comichão grave, bolhas, descamação e inchaço da pele, inflamação das membranas mucosas (Sindroma de Stevens Johnson).

Fale com o seu médico imediatamente se sentir algum dos sintomas seguintes depois de tomar este medicamento. Apesar de serem muito raros, podem ser graves:

- Sensação de desmaio, particularmente quando está em pé; isto pode significar que a sua tensão arterial está muito baixa (hipotensão). Ocorre com maior frequência se estiver a tomar ao mesmo tempo medicamentos diuréticos ou outros medicamentos para a tensão arterial, álcool ou se estiver desidratado ou em diálise.

- Dor de garganta grave ou úlceras graves na boca, particularmente se sofrer de problemas renais ou doença do colagénio vascular. Pode não ter quantidade suficiente de células brancas no sangue (neutropenia/agranulocitose) que poderá aumentar o risco de infeção ou febre.

- Dor no peito (angina), sensação de aperto no peito, diminuição da respiração, dificuldade em respirar, batimento cardíacos fortes e irregulares (palpitações).

- Dor abdominal e dor de costas acompanhadas de indisposição (pancreatite).

- Amarelecimento da pele e dos olhos (icterícia).

Os seguintes efeitos secundários foram notificados em doentes tratados com este medicamento:

Efeitos secundários frequentes (afetam menos de 1 em cada 10 pessoas):
- bronquite, infeção do trato respiratório superior, faringite, rinite

- aumento dos níveis de potássio no sangue (hipercaliemia), gota (dor, sensibilidade, rubor, calor e inchaço das articulações), aumento do nível de ácido úrico no sangue

- insónia

- tonturas, dor de cabeça, sonolência

- angina de peito (dor no peito que pode irradiar para outras partes do corpo, sensação de angústia, normalmente com suores frios, palidez, náuseas e dispneia), aumento dos batimentos cardíacos (taquicardia), palpitações

- vasodilatação (alargamento dos vasos sanguíneos)

- tosse

- dor abdominal, diarreia, digestão difícil, enjoo, vómitos

- dor nas costas, dores musculares,

- dor no peito, falta de forças, fadiga

- aumento da creatinina no sangue, aumento da ureia sérica.

Efeitos secundários pouco frequentes (afetam menos de 1 em cada 100 pessoas):
- infeção viral, infeção do trato urinário inferior, sinusite

- compromisso da tolerância à glucose

- confusão, depressão, nervosismo

- entorpecimento ou formigueiro nos dedos das mãos ou dos pés (parestesia), acidente isquémico transitório (os sintomas incluem fraqueza de um lado do corpo, perturbações visuais e fala arrastada, duram alguns minutos ou horas), síncope (perda momentânea de consciência), disgeusia.

- ambliopia (perda de visão)

- zumbido, vertigem

- enfarte do miocárdio (sintomas podem ser dor no peito, sensação de aperto de coração, sensação de falta de ar)

- hipotensão,

- dificuldade em respirar (dispneia), garganta seca

- flatulência, boca seca

- queda de cabelo, sensibilidade da pele à luz, comichão, erupção cutânea, aumento da transpiração, angioedema

- dores nas articulações

- alteração do funcionamento dos rins, perda de proteínas na urina (proteinuria)

- disfunção eréctil
- febre, edema generalizado ou periférico (retenção de líquidos no corpo)

Efeitos secundários raros (afetam menos de 1 em cada 1000 pessoas):

- alteração do equilíbrio

- inflamação dos pulmões que pode provocar falta de ar, tosse e aumento da temperatura, obstrução das vias aereas superiores por angioedema

- prisão de ventre, inflamação da língua

- alterações da pele, inflamação dos vasos sanguíneos, dermatite psoriática

Efeitos secundários muito raros (afetam menos de 1 em cada 10.000 pessoas):

- visão turva

- obstrução do intestino, angioedema do intestino delgado

- urticária

Outros efeitos secundários:
- diminuição do número de células brancas (agranulocitose e neutropenia), plaquetas (trombocitopenia) ou células vermelhas no sangue (anemia), eosinofilia

- reação alérgica grave

- acidente cerebrovascular

- arritmia (alteração ritmo cardíaco)

- diminuição da tensão arterial, especialmente quando se passa de uma posição horizontal para vertical(hipotensãoortostática)

- estreitamento das vias respiratórias nos pulmões (broncospasmo).

- pancreatite

- inflamação do fígado (hepatite), coloração amarelada da pele (icterícia)

- eritema multiforme, dermatite esfoliativa, aparecimento de bolhas com líquido seroso (pênfigo), comichão, erupção cutânea, síndroma de Stevens Johnson, necrólise epidérmica tóxica

- lupus eritematoso sistémico

- nefrite tubulointersticial

- serosite

- aumento dos valores de colesterol e triglicerídeos

- diminuição do hematócrito, aumento da taxa de sedimentação dos leucócitos, aumento dos níveis das enzimas do fígado e da bilirrubina sérica, aumento dos anticorpos mononucleares

Foram notificados casos de anemia hemolítica em doentes com deficiência congénita em G-6-PD.

Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não indicados neste folheto, fale com o seu médico ou farmacêutico.
Advertências
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Associação não indicada para o tratamento de doentes com IR moderada a grave (tiazidas ineficazes para Cl cr < 30 ml/min).
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: D - Há evidências de risco em fetos humanos. Só usar se o benefício justificar o risco potencial. Em situação de risco de vida ou em caso de doenças graves para as quais não se possa utilizar drogas mais seguras, ou se estas drogas não forem eficazes.
Aleitamento
Aleitamento:Utilização durante o aleitamento não é recomendada.
Precauções Gerais
Fale com o seu médico ou farmacêutico antes de tomar este medicamento.

Se sentir alguns dos sintomas seguintes e se ainda não tiver falado com o seu médico, deve contactar o seu médico antes de tomar Quinapril + Hidroclorotiazida, pois este medicamento pode não ser adequado para si:

- Se tem estenose da aorta (estreitamento do vaso sanguíneo principal do coração).
- Se tem doença renal ou faz hemodiálise.
- Se tem doença do fígado.
- Se tem alguma doença do coração.
- Se é idoso.
- Se tem doença do colagénio vascular (depósitos de colagénio nos vasos sanguíneos)
- Se faz ou vai fazer aferese das LDL (eliminação do colesterol do sangue através de um aparelho).
- Se sofre de alergia ou asma.
- Se está a fazer ou vai fazer um tratamento se dessensibilização, para reduzir os efeitos da alergia a abelhas ou vespas.
- Se está grávida ou a planear engravidar.
- Se está a amamentar ou vai começar a amamentar.
- Se tem diabetes ou gota
- Se tem lupús eritematoso sistémico ou outra condição alérgica que provoque dores articulares
- Se está a tomar outros medicamentos, como por exemplo lítio e aliscireno.
- Se é alérgico à lactose.
Cuidados com a Dieta
Pode ser tomado com ou sem alimentos.
Terapêutica Interrompida
Tente tomar diariamente o medicamento conforme indicado pelo seu médico.


No entanto, se se esqueceu de tomar uma dose de Quinapril+Hidroclorotiazida, deverá tomá-la assim que se lembrar.

Contudo, se faltar pouco tempo para a próxima toma, não tome a dose esquecida.


Não tome uma dose a dobrar para compensar a dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Conservar a temperatura inferior a 25ºC.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Hidroclorotiazida + Tetraciclina

Observações: N.D.
Interações: Tetraciclina e outros medicamentos que interagem com magnésio: A administração concomitante de tetraciclina e quinapril reduziu a absorção da tetraciclina em cerca de 28% a 37% nos indivíduos expostos. A redução observada deve-se à presença de carbonato de magnésio como excipiente na composição de quinapril. Em caso de prescrição concomitante de quinapril e tetraciclina, a interacção deve ser ponderada.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Hidroclorotiazida + Magnésio

Observações: N.D.
Interações: Tetraciclina e outros medicamentos que interagem com magnésio: A administração concomitante de tetraciclina e quinapril reduziu a absorção da tetraciclina em cerca de 28% a 37% nos indivíduos expostos. A redução observada deve-se à presença de carbonato de magnésio como excipiente na composição de quinapril. Em caso de prescrição concomitante de quinapril e tetraciclina, a interacção deve ser ponderada.

Quinapril + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: De um modo geral, não deve ser administrado com diuréticos. Os diuréticos reduzem a depuração renal de lítio e comportam um risco acrescido de toxicidade por lítio. Registaram-se aumentos nos níveis séricos de lítio e sintomas de toxicidade por lítio em doentes tratados simultaneamente com lítio e inibidores da ECA devido ao efeito de perda de sódio induzido por estes agentes. Com Quinapril / Hidroclorotiazida, o risco de toxicidade por lítio pode aumentar. Recomenda-se precaução na administração de Quinapril / Hidroclorotiazida, bem como a monitorização frequente dos níveis séricos de lítio.

Quinapril + Hidroclorotiazida + Propranolol

Observações: N.D.
Interações: Outros agentes: Não se registaram interações farmacocinéticas clinicamente importantes quando se administrou quinapril em associação a Propranolol, hidroclorotiazida, digoxina ou cimetidina. O efeito anticoagulante de uma dose única de varfarina (medida pelo tempo de protrombina) não foi significativamente alterado pela administração combinada de quinapril, duas vezes ao dia. Quando administrados em concomitância, as seguintes drogas podem interagir com diuréticos tiazídicos.

Quinapril + Hidroclorotiazida + Hidroclorotiazida

Observações: N.D.
Interações: Outros agentes: Não se registaram interações farmacocinéticas clinicamente importantes quando se administrou quinapril em associação a Propranolol, hidroclorotiazida, digoxina ou cimetidina. O efeito anticoagulante de uma dose única de varfarina (medida pelo tempo de protrombina) não foi significativamente alterado pela administração combinada de quinapril, duas vezes ao dia. Quando administrados em concomitância, as seguintes drogas podem interagir com diuréticos tiazídicos.

Quinapril + Hidroclorotiazida + Digoxina

Observações: N.D.
Interações: Outros agentes: Não se registaram interações farmacocinéticas clinicamente importantes quando se administrou quinapril em associação a Propranolol, hidroclorotiazida, digoxina ou cimetidina. O efeito anticoagulante de uma dose única de varfarina (medida pelo tempo de protrombina) não foi significativamente alterado pela administração combinada de quinapril, duas vezes ao dia. Quando administrados em concomitância, as seguintes drogas podem interagir com diuréticos tiazídicos.

Quinapril + Hidroclorotiazida + Cimetidina

Observações: N.D.
Interações: Outros agentes: Não se registaram interações farmacocinéticas clinicamente importantes quando se administrou quinapril em associação a Propranolol, hidroclorotiazida, digoxina ou cimetidina. O efeito anticoagulante de uma dose única de varfarina (medida pelo tempo de protrombina) não foi significativamente alterado pela administração combinada de quinapril, duas vezes ao dia. Quando administrados em concomitância, as seguintes drogas podem interagir com diuréticos tiazídicos.

Quinapril + Hidroclorotiazida + Varfarina

Observações: N.D.
Interações: Outros agentes: Não se registaram interações farmacocinéticas clinicamente importantes quando se administrou quinapril em associação a Propranolol, hidroclorotiazida, digoxina ou cimetidina. O efeito anticoagulante de uma dose única de varfarina (medida pelo tempo de protrombina) não foi significativamente alterado pela administração combinada de quinapril, duas vezes ao dia. Quando administrados em concomitância, as seguintes drogas podem interagir com diuréticos tiazídicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Hidroclorotiazida + Álcool

Observações: N.D.
Interações: Álcool, barbitúricos ou narcóticos: Pode ocorrer potenciação da hipotensão ortostática.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Hidroclorotiazida + Barbitúricos

Observações: N.D.
Interações: Álcool, barbitúricos ou narcóticos: Pode ocorrer potenciação da hipotensão ortostática.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Hidroclorotiazida + Narcóticos

Observações: N.D.
Interações: Álcool, barbitúricos ou narcóticos: Pode ocorrer potenciação da hipotensão ortostática.

Quinapril + Hidroclorotiazida + Antidiabéticos Orais

Observações: N.D.
Interações: Fármacos antidiabéticos (hipoglicemiantes orais e insulina): Pode ser necessário ajustar a dose do fármaco antidiabético.

Quinapril + Hidroclorotiazida + Hipoglicemiantes

Observações: N.D.
Interações: Fármacos antidiabéticos (hipoglicemiantes orais e insulina): Pode ser necessário ajustar a dose do fármaco antidiabético.

Quinapril + Hidroclorotiazida + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Fármacos antidiabéticos (hipoglicemiantes orais e insulina): Pode ser necessário ajustar a dose do fármaco antidiabético.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Hidroclorotiazida + Antihipertensores

Observações: N.D.
Interações: Outros antihipertensores: Efeito aditivo ou potenciação.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Hidroclorotiazida + Corticosteroides

Observações: N.D.
Interações: Corticosteróides, ACTH: Intensificação da depleção de electrólitos, em particular hipocaliemia.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Hidroclorotiazida + Hormona adrenocorticotrófica (ACTH)

Observações: N.D.
Interações: Corticosteróides, ACTH: Intensificação da depleção de electrólitos, em particular hipocaliemia.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Hidroclorotiazida + Noradrenalina

Observações: N.D.
Interações: Aminas pressoras (por ex. norepinefrina): Possível diminuição da resposta a aminas pressoras, o que não é suficiente para excluir o seu uso.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Hidroclorotiazida + Vasopressores

Observações: N.D.
Interações: Aminas pressoras (por ex. norepinefrina): Possível diminuição da resposta a aminas pressoras, o que não é suficiente para excluir o seu uso.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Hidroclorotiazida + Tubocurarina

Observações: N.D.
Interações: Relaxantes do músculo esquelético, não despolarizantes (por ex. tubocurarina): Possível aumento da capacidade de resposta ao relaxante muscular.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Hidroclorotiazida + Relaxantes musculares

Observações: N.D.
Interações: Relaxantes do músculo esquelético, não despolarizantes (por ex. tubocurarina): Possível aumento da capacidade de resposta ao relaxante muscular.

Quinapril + Hidroclorotiazida + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: N.D.
Interações: Anti-inflamatórios não esteróides: Em alguns doentes, a administração de um anti-inflamatório não esteróide pode reduzir os efeitos diuréticos, natriuréticos e antihipertensores dos diuréticos de ansa, diuréticos poupadores de potássio e diuréticos tiazídicos. Portanto, nos casos de administração concomitante de Quinapril / Hidroclorotiazida e anti- inflamatórios, os doentes devem ser cuidadosamente observados para determinar se obtêm o desejado efeito do Quinapril / Hidroclorotiazida.

Quinapril + Hidroclorotiazida + Suplementos de potássio

Observações: N.D.
Interações: Agentes promotores do potássio sérico: O quinapril como Inibidor da Enzima de Conversão da Angiotensina tende a baixar os valores da aldosterona, que por sua vez, resulta numa retenção de potássio. Devido a este facto, estando indicado o tratamento concomitante de quinapril e suplementos de potássio ou substitutos do sal que contenham potássio, recomenda-se precaução no seu uso e monitorização adequada do potássio sérico. Como Quinapril / Hidroclorotiazida contém um diurético, não se aconselha a adjunção de diuréticos poupadores de potássio.

Quinapril + Hidroclorotiazida + Potássio

Observações: N.D.
Interações: Agentes promotores do potássio sérico: O quinapril como Inibidor da Enzima de Conversão da Angiotensina tende a baixar os valores da aldosterona, que por sua vez, resulta numa retenção de potássio. Devido a este facto, estando indicado o tratamento concomitante de quinapril e suplementos de potássio ou substitutos do sal que contenham potássio, recomenda-se precaução no seu uso e monitorização adequada do potássio sérico. Como Quinapril / Hidroclorotiazida contém um diurético, não se aconselha a adjunção de diuréticos poupadores de potássio.

Quinapril + Hidroclorotiazida + Diuréticos poupadores de potássio

Observações: N.D.
Interações: Agentes promotores do potássio sérico: O quinapril como Inibidor da Enzima de Conversão da Angiotensina tende a baixar os valores da aldosterona, que por sua vez, resulta numa retenção de potássio. Devido a este facto, estando indicado o tratamento concomitante de quinapril e suplementos de potássio ou substitutos do sal que contenham potássio, recomenda-se precaução no seu uso e monitorização adequada do potássio sérico. Como Quinapril / Hidroclorotiazida contém um diurético, não se aconselha a adjunção de diuréticos poupadores de potássio.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Hidroclorotiazida + Colestiramina

Observações: N.D.
Interações: Resinas de troca aniónica: A absorção da hidroclorotiazida diminui na presença de resinas de troca aniónica, como a colestiramina e o colestipol. Dose únicas das resinas fixam a hidroclorotiazida e reduzem a sua absorção pelo tracto gastrointestinal em, respectivamente, 85% e 43%.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Hidroclorotiazida + Colestipol

Observações: N.D.
Interações: Resinas de troca aniónica: A absorção da hidroclorotiazida diminui na presença de resinas de troca aniónica, como a colestiramina e o colestipol. Dose únicas das resinas fixam a hidroclorotiazida e reduzem a sua absorção pelo tracto gastrointestinal em, respectivamente, 85% e 43%.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

A utilização de IECAs não é recomendado durante o primeiro trimestre de gravidez.

A utilização de IECAs está contraindicada durante os segundo e terceiro trimenstres de gravidez.

Utilização durante o aleitamento não é recomendada.

Principalmente no início do tratamento com quinapril, a capacidade de conduzir ou utilizar máquinas poderá estar diminuída.

Pode sentir-se confuso ou cansado.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017