Procainamida

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Condução
O que é
Procainamida afeta a forma como o coração bate.

A Procainamida é utilizada para ajudar a manter o coração batendo normalmente em pessoas com certos distúrbios do ritmo cardíaco dos ventrículos (câmaras inferiores do coração que permitem que o sangue flua para fora do coração).

Procainamida também pode ser usado para fins aqui não mencionados.
Usos comuns
Tratamento de certos ritmos cardíacos anormais.

Procainamida é um anti-arrítmico.

Funciona estabilizando o ritmo cardíaco em condições em que o coração está a bater demasiado rápido ou em um ritmo irregular (efeito anti-arrítmico).
Tipo
Sem informação.
História
Sem informação.
Indicações
Arritmias ventriculares: tratamento de arritmias ventriculares documentadas (taquicardia ventricular sustentada como) fatais.

A via parentérica é particularmente adequada para a anestesia de arritmias.
Classificação CFT
n.d.     n.d.
Mecanismo De Ação
Bloqueia os canais de sódio activos nos miócitos condutores, ou seja bloqueia mais os canais recentemente activos (impedindo batimentos imediatamente seguidos).

Bloqueia em grau menor os canais de potássio.

Tem efeitos anti-muscarinicos (receptor muscarínico do sistema parassimpático) no coração.
Posologia Orientativa
A administração intramuscular pode ser usado como uma alternativa para a via oral para pacientes com arritmias menos ameaçador, mas que são náuseas ou vômitos, que são ordenados para receber nada por via oral no pré-operatório, ou que podem ter problemas de má absorção.

IM: Uma dose inicial de 50 mg por kg de peso corporal.

Deve ser dividida em doses fracionadas de um oitavo a um quarto a ser injetada por via intramuscular a cada três a seis horas até que a terapia oral é possível.


Para o tratamento de arritmias associadas com a anestesia ou a intervenção cirúrgica, a dose sugerida é de 100 a 500 mg, por via intramuscular.



VIA ORAL:
Adultos com função renal normal, uma dose diária total inicial oral de até 50 mg / kg de peso corporal
Administração
Via IM e IV: Procainamida é geralmente administrado em meio hospitalar.


Via oral: Tome este medicamento por boca com ou sem alimentos.
Não esmague ou mastigue comprimidos de libertação prolongada.
Contraindicações
se é alérgico a qualquer ingrediente em procainamide

se já teve uma reacção alérgica grave (por exemplo, erupção cutânea grave, urticária, dificuldade em respirar, tonturas) para um anestésico local (por exemplo, a procaína)

se tem blocos ao coração, lupus, ou certos ritmos cardíacos anormais graves (por exemplo, torsades de pointes)

se eestiver a tomar astemizol, cisaprida, dofetilida, uma fenotiazina (por exemplo, clorpromazina), um inibidor da fosfodiesterase tipo 5 (por exemplo, sildenafil), terfenadina, ou ziprasidona
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Dor, inchaço ou vermelhidão no local da injecção.


Procure ajuda médica imediatamente se algum destes efeitos secundários graves ocorrem:
Reacções alérgicas graves (rash, urticária, coceira, dificuldade em respirar, aperto no peito, inchaço da boca, face, lábios ou língua); erupção no rosto em forma de borboleta; dor no peito; urina escura; depressão; diarréia; tonturas ou vertigens; desmaio; rápido, lento, ou batimentos cardíacos irregulares; febre, arrepios, ou dor de garganta; alucinações; perda de apetite; humor ou mentais mudanças; feridas ou irritação na boca; dor muscular ou fraqueza; náuseas; fezes claras; convulsões; dor de barriga; cansaço grave ou persistente; falta de ar; inchaço nas articulações ou concurso; hematomas ou hemorragias inesperadas; cansaço ou fraqueza invulgares; vômitos; sibilância; amarelecimento da pele ou olhos.



Advertências
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: C - Não há estudos adequados em mulheres. Em experiências animais ocorreram alguns efeitos colaterais no feto, mas o benefício do produto pode justificar o risco potencial durante a gravidez.
Aleitamento
Aleitamento:Procainamida é excretada no leite materno.
Conducao
Conducao:Não conduzir até saber como reage à procainamida.
Precauções Gerais
Tomar procainamida, por um período de tempo prolongado pode levar ao desenvolvimento de anticorpos no sangue que são, por vezes associados com doenças auto-imunes tais como lúpus.

Se tiver erupção em forma de borboleta nas articulações rosto, inchados ou concurso, febre inexplicável, ou cansaço grave ou persistente, convulsões ou alterações mentais ou do humor, contacte o médico.


Procainamida só deve ser usado para tratar arritmias que ameaçam a vida.

Tem sido associado com um aumento do risco de morte, quando usada para tratar batimentos cardíacos irregulares não ameaçadora da vida.


Procainamida pode causar (supressão da medula óssea, baixa de plaquetas no sangue ou de células brancas do sangue, anemia) problemas sanguíneos graves e às vezes fatais.

Estes efeitos secundários ocorreram na maioria das vezes durante as primeiras 12 semanas de tratamento.

Os testes de laboratório, tais como as contagens de células de sangue completo, pode ser realizada semanalmente durante os primeiros 3 meses de terapia e depois periodicamente para monitorizar esses efeitos colaterais.

Se você tiver febre, calafrios, dor de garganta, feridas na boca ou irritação, ou hematomas ou hemorragias, contacte o médico imediatamente.

O risco pode ser maior se já tem problemas de medula óssea ou de sangue.



Cuidados com a Dieta
Beber álcool pode diminuir a eficácia da procainamida.
Terapêutica Interrompida
Não utilize uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
A procainamida é geralmente manipulados e armazenados por um prestador de cuidados de saúde.


Mantenha procainamida fora do alcance de crianças e longe de animais de estimação.

Armazenar a 20 a 25° C.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Triamcinolona + Procainamida

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Medicamentos que prolongam o intervalo QT ou induzem torsades de pointes: O tratamento concomitante com Triamcinolona e agentes antiarrítmicos de classe Ia, como disopiramida, quinidina e procainamida, ou outros medicamentos antiarrítmicos de classe II, como amiodarona, bepridilo e sotalol, não é recomendado.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Captopril + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Alopurinol, procainamida, citostáticos ou fármacos imunossupressores: A administração concomitante com inibidores da ECA pode conduzir a um risco aumentado de leucopenia, especialmente quando os inibidores da ECA são utilizados em doses superiores às recomendadas.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Beclometasona + Formoterol + Procainamida

Observações: O dipropionato de beclometasona sofre um metabolismo rápido via enzimas estearase sem envolvimento do sistema citocrómio P450.
Interações: O tratamento concomitante com quinidina, disopiramida, procainamida, fenotiazinas, anti-histamínicos, inibidores da monoaminoxidase e antidepressivos tricíclicos pode prolongar o intervalo QTc e aumentar o risco de arritmias ventriculares.

Memantina + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Devido aos efeitos farmacológicos e ao mecanismo de ação da memantina, poderão ocorrer as seguintes interações: Outras substâncias ativas, como a cimetidina, ranitidina, procaínamida, quinidina, quinina e nicotina, que utilizam o mesmo sistema de transporte renal de catiões que a amantadina, também poderão interagir com a memantina, conduzindo a um risco potencial de aumento dos seus níveis séricos.

Ceritinib + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Em estudos clínicos, observou-se prolongamento do intervalo QT com ceritinib. Assim, ceritinib deve ser utilizado com precaução em doentes que têm ou podem desenvolver prolongamento do intervalo QT, incluindo os doentes que tomam medicamentos antiarrítmicos tais como antiarrítmicos de classe I (p. ex. quinidina, procainamida, disopiramida) ou antiarrítmicos de classe III ( p.ex. amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida) ou outros medicamentos que possam provocar prolongamento do intervalo QT tais como astemizol, domperidona, droperidol, cloroquina, halofantrina, claritromicina, haloperidol, metadona, cisaprida e moxifloxacina. Recomenda-se a monitorização do intervalo QT em caso de associações destes medicamentos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinapril + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Alopurinol, citostáticos e imunossupressores, corticosteroides sistémicos ou procainamida: A administração concomitante com IECA’s pode levar a um aumento do risco de leucopénia.

Pimozida + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: A pimozida é principalmente metabolizada pela via enzimática do citocromo P450, subtipo 3A4 (CYP 3A4) e mais discretamente pelo subtipo CYP2D6. Dados in vitro mostram que, especialmente os inibidores potentes do sistema enzimático CYP3A4, como os antimicóticos azóis, inibidores da protease antiviral, antibióticos macrólidos e nefazodona, inibem o metabolismo da pimozida, resultando num aumento acentuado dos seus níveis plasmáticos. Dados in vitro sugerem também, que a quinidina diminui o metabolismo da pimozida, dependente do CYP2D6. A elevação dos níveis plasmáticos de pimozida pode aumentar o risco de prolongamento do intervalo QT. A utilização concomitante com fármacos inibidores do citocromo P450 CYP3A4 ou CYP2D6 está contraindicada. O uso concomitante de pimozida com fármacos conhecidos por provocarem o prolongamento do intervalo QT também está contraindicado. Os exemplos incluem: - certos antiarrítmicos de Classe IA (quinidina, disopiramida e procainamida) e de Classe III (amiodarona e sotalol), - antidepressivos tricíclicos (amitriptilina), - alguns antidepressivos tetraciclicos (maprotilina), - outros antipsicóticos (fenotiazinas e o sertindol), - certos anti-histaminicos (astemizol e terfenadina), - cisaprida, bepridilo, halofantrina e esparfloxacina. Esta lista é apenas indicativa e não exaustiva.

Ramipril + Hidroclorotiazida + Procainamida

Observações: n.d.
Interações: Precauções de utilização: Alopurinol, Imunossupressores, corticosteróides, procainamida, citostáticos e outras substâncias que podem alterar o hemograma. Existe uma maior probabilidade de reacções hematológicas.

Bosutinib + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos antiarrítmicos e outras substâncias que podem prolongar o QT: Bosutinib deve ser utilizado com precaução em doentes que têm ou podem desenvolver prolongamento de QT, incluindo aqueles que tomam medicamentos antiarrítmicos como, por exemplo, amiodarona, disopiramida, procainamida, quinidina e sotalol ou outros medicamentos que possam provocar o prolongamento de QT, tais como cloroquina, halofantrina, claritromicina, domperidona, haloperidol, metadona e moxifloxacina.

Enalapril + Nitrendipina + Procainamida

Observações: O sumo de toranja inibe o metabolismo oxidativo da nitrendipina. A sua ingestão simultânea com sumo de toranja aumenta a concentração plasmática de nitrendipina, o que pode aumentar o efeito hipotensor do medicamento.
Interações: Procainamida pode provocar leucopenia.

Droperidol + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Utilização concomitante contraindicada: Os medicamentos que se sabe causarem Torsades de Pointes através do prolongamento do intervalo QT não deverão ser administrados concomitantemente com o droperidol. Os exemplos incluem: - Antiarrítmicos de Classe IA, como por exemplo, quinidina, disopiramida, procainamida - Antiarrítmicos de Classe III, como por exemplo, amiodarona, sotalol - antibióticos do grupo dos macrólidos, como por exemplo, eritromicina, claritromicina - antibióticos do grupo das fluoroquinolonas, como por exemplo, esparfloxacina - antihistamínicos, como por exemplo, astemizol, terfenadina - certos antipsicóticos, como por exemplo, clorpromazina, haloperidol, pimozida, tioridazina - agentes antimaláricos, como por exemplo, cloroquina, halofantrina - cisaprida, domperidona, metadona, pentamidina.

Beclometasona + Formoterol + Brometo de glicopirrónio + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas Relacionadas com o FORMOTEROL O tratamento concomitante com quinidina, disopiramida, procainamida, anti-histamínicos, inibidores da monoamina oxidase, antidepressivos tricíclicos e fenotiazinas pode prolongar o intervalo QT e aumentar o risco de arritmias ventriculares. Além disso, a L-dopa, L-tiroxina, oxitocina e o álcool podem alterar a tolerância cardíaca para com os simpaticomiméticos beta2.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Na administração simultânea de fármacos que são igualmente excretados por secreção renal activa (por ex. procainamida, amantadina), existe a possibilidade de uma inibição competitiva, a qual poderá conduzir a um aumento da concentração plasmática de um ou de ambos os fármacos.

Panobinostate + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas esperadas: Prolongamento do intervalo QT: Com base nos dados clínicos e pré-clínicos, panobinostate tem o potencial de prolongar o intervalo QT. O uso concomitante de medicamentos antiarrítmicos (incluindo, mas não limitado a, amiodarona, disopiramida, procainamida, quinidina e sotalol) e outras substâncias conhecidas por prolongarem o intervalo QT (incluindo, mas não limitado a, cloroquina, halofantrina, claritromicina, metadona, moxifloxacina, bepridilo e pimozida) não é recomendado.

Mepiramina (Pirilamina) + Procainamida

Observações: N:D:
Interações: Álcool, antidepressivos cíclicos, anti-hipertensivos com efeitos depressores sobre o sistema nervoso cental, outros depressores do sistema nervoso central, sulfato de magnésio parenteral, maprotilina, trazodona, amantadina, antimuscarínicos ou outros medicamentos com ação antimuscarínica, haloperidol, ipratrópio, fenotiazinas, procainamida, apomorfina, IMAO, medicamentos ototóxicos (cisplatino, paromomicina, salicilatos, vancomicina), medicamentos fotossensibilizadores.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Captopril + Hidroclorotiazida + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: CAPTOPRIL: Alopurinol, procainamida, citostáticos ou fármacos imunossupressores: A administração concomitante com inibidores ECA pode conduzir a um risco aumentado de leucopenia, especialmente quando os últimos são usados em doses mais altas do que as doses recomendadas.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Formoterol + Procainamida

Observações: Não foram realizados estudos de interação específicos com formoterol.
Interações: Existe o risco teórico que o tratamento concomitante com outros medicamentos conhecidos por prolongar o intervalo QTc possam originar uma interação farmcodinâmica com formoterol e aumentar o possível risco de arritmias ventriculares. Os exemplos destes medicamentos incluem alguns anti-histamínicos (p. ex., terfenadina, astemizol, mizolastina), alguns antiarrítmicos (p. ex., quinidina, disopiramida, procainamida), eritromicina e antidepressivos tricíclicos.

Perindopril + Indapamida + Procainamida

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante que requer alguns cuidados: Alopurinol, citostáticos ou imunossupressores, corticosteroides sistémicos ou procainamida: administração concomitante com IECAs pode aumentar o risco de leucopenia.

Neostigmina + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Fármacos que têm o potencial de agravar a Miastenia Gravis (quinino, cloroquina, hidroxicloroquina, quinidina, procainamida, propafenona, lítio e beta-bloqueantes), podem reduzir a eficácia da neostigmina. Nestes casos, pode haver necessidade de aumentar a dose de neostigmina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Trandolapril + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: A utilização concomitante de inibidores ECA com alopurinol, citostáticos, ou com agentes imunossupressores, corticosteroides sistémicos ou procainamida, pode aumentar o risco de leucopenia.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de mivacúrio + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Tal como todos os outros bloqueadores neuromusculares não-despolarizantes, a extensão e/ou duração de um bloqueio neuromuscular não-despolarizante pode ser aumentada e as necessidades de perfusão podem ser reduzidas por interação com: Fármacos antiarrítmicos: propranolol, bloqueadores dos canais de cálcio, lidocaína, procainamida e quinidina Determinados fármacos podem raramente agravar ou revelar situações de miastenia gravis latente, ou mesmo induzir um síndrome miasténico com aumento da sensibilidade ao Cloreto de mivacúrio. Estes fármacos incluem antibióticos vários, bloqueadores beta (propranolol, oxprenolol), fármacos antiarrítmicos (procainamida, quinidina), fármacos antirreumáticos (cloroquina, D- penicilamina), trimetofano, clorpromazina, esteroides, fenitoína e lítio.

Nilotinib + Procainamida

Observações: O nilotinib é principalmente metabolizado no fígado e é também substrato para a bomba de efluxo multifármacos, glicoproteína-P (gp-P). Assim, a absorção e subsequente eliminação do nilotinib absorvido sistemicamente podem ser influenciadas por substâncias que afetem a CYP3A4 e/ou a gp-P.
Interações: Substâncias que podem ter a sua concentração sistémica alterada pelo nilotinib: Medicamentos antiarrítmicos e outras substâncias que possam prolongar o intervalo QT: O nilotinib deve ser usado com precaução em doentes que tenham ou possam desenvolver prolongamento do intervalo QT, incluindo doentes a tomar medicamentos antiarrítmicos, tais como amiodarona, disopiramida, procainamida, quinidina e sotalol ou outros medicamentos que possam levar a um prolongamento do intervalo QT, tais como cloroquina, halofantrina, claritromicina, haloperidol, metadona e moxifloxacina.

Crizotinib + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacocinéticas: O crizotinib é um inibidor in vitro de OCT1 e OCT2. Portanto, o crizotinib pode ter o potencial para aumentar as concentrações plasmáticas dos medicamentos coadministrados que são substratos de OCT1 ou OCT2 (por exemplo, metformina, procainamida).

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida + Procainamida

Observações: n.d.
Interações: Relacionados com perindopril Uso concomitante que requer alguns cuidados: Alopurinol, citostáticos ou agentes imunossupressores, corticosteroides sistémicos ou procainamida: Administração concomitante com inibidores do ECA pode aumentar o risco de leucopenia.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ranitidina + Procainamida

Observações: A ranitidina pode afectar a absorção, metabolismo ou a eliminação renal de outros medicamentos. A farmacocinética alterada do medicamento afectado, pode levar a um ajuste da dose do mesmo ou à descontinuação do tratamento.
Interações: As interações podem ocorrer devido a vários mecanismos tais como: Competição para a secreção tubular renal: Dado que a ranitidina é parcialmente eliminada por secreção activa pelo sistema de transporte catiónico (OCT) no rim, ela pode afectar a depuração de outros medicamentos eliminados por esta via. Elevadas doses de ranitidina (ex. tais como doses utilizadas no tratamento do sindroma Zollinger-Elisson) podem reduzir a eliminação de procainamida e de N-acetilprocainamida o que resulta num nível plasmático aumentado destes medicamentos. O efeito do álcool pode aumentar com a ingestão de ranitidina.

Trandolapril + Verapamilo + Procainamida

Observações: n.d.
Interações: Associações com precauções de utilização: Alopurinol, citostáticos ou imunossupressores, corticóides sistémicos ou procainamida: A administração simultânea com inibidores ECA pode aumentar o risco de leucopenia.

Amissulprida + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Medicamentos que podem induzir o prolongamento QT e torsades de pointes: - Agentes Antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida. - Agentes Antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. - Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Levodopa: antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Benazepril + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Alopurinol, procainamida, citostáticos, agentes imunossupressores, corticosteroides sistémicos e outros medicamentos que alterem o sistema sanguíneo: Aumento do risco de reacções hematológicas, especialmente leucocitose, leucopénia.

Zofenopril + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precauções de uso: Alopurinol, procainamida, citostáticos ou imunossupressores: Aumento do risco de reacções de hipersensibilidade quando os inibidores da ECA são usados concomitantemente. Os dados de outros inibidores da ECA indicam um risco aumentado de Leucopénia quando usados concomitantemente. Citostáticos ou imunossupressores, corticosteróides sistémicos ou procainamida: A administração concomitante com inibidores da ECA pode levar a um risco aumentado de leucopénia.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Besilato de atracúrio + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Do mesmo modo que outros agentes de bloqueio neuromuscular não despolarizantes, a magnitude e/ou duração do bloqueio neuromuscular despolarizante do Besilato de Atracúrio pode aumentar como resultado da interacção com: Fármacos antiarrítmicos: Propranolol, bloqueadores dos canais de cálcio, lidocaína, procainamida e quinidina. Raramente, certos fármacos podem agravar ou expor a miastenia gravis latente ou mesmo induzir um síndrome miasténico. O aumento da sensibilidade ao Besilato de Atracúrio pode ser uma consequência deste desenvolvimento. Estes fármacos incluem vários antibióticos, beta-bloqueadores (propranolol, oxprenolol), fármacos antiarrítmicos (procaínamida, quinidina), fármacos anti-reumáticos (cloroquina, D-penicilamina), trimetafano, clorpromazina, esteróides, fenitoína e lítio.

Doxilamina + Dicloverina + Piridoxina + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: O Cloridrato de diciclomina (dicloverina) interfere com os fármacos simpático e parassimpaticomiméticos, acidificantes e alcalinizantes, antidepressores tricíclicos, corticosteróides, guanetidina, reserpina, histamina, IMAO, nitratos e nitritos, procainamida, quinidina, tranquilizantes fenotiazínicos e haloperidol.

Triptorrelina + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Uma vez que a privação androgénica pode prolongar o intervalo QT, a utilização concomitante de triptorrelina com medicamentos que se sabe prolongarem o intervalo QT ou com medicamentos indutores de "torsade de pointes", como os antiarrítmicos de classe IA (por exemplo a quinidina ou a procainamida) ou de classe III (por exemplo amiodarona e sotalol), deverá ser cuidadosamente avaliada.

Pasireotido + Procainamida

Observações: n.d.
Interações: Interações farmacodinâmicas previstas: Medicamentos que prolongam o intervalo QT: O pasireotido deve ser utilizado com precaução em doentes que estão a tomar concomitantemente medicamentos que prolongam o intervalo QT, tais como antiarrítmicos de classe Ia (por exemplo, quinidina, procainamida, disopiramida), antiarrítmicos de classe III (por exemplo amiodarona, dronedarona, sotalol, dofetilida, ibutilida), determinados antibacterianos ( eritromicina endovenosa, injeção de pentamidina, claritromicina, moxifloxacina), determinados antipsicóticos (por exemplo cloropromazina, tioridazina, flufenazina, pimozida, haloperidol, tiaprida, amissulprida, sertindol, metadona ), determinados antihistamínicos (por exemplo, terfenadina, astemizol, mizolastina), antimaláricos (por exemplo, cloroquina, halofantrina, lumefantrina) determinados antifúngicos (cetoconazol, exceto no champô).

Cloreto de potássio + Cloreto de sódio + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: O efeito farmacológico dos glicósidos digitálicos (digoxina e metildigoxina) e dos medicamentos antiarrítmicos (tais como a quinidina, hidroquinidina e procaínamida) pode ser alterado em função das concentrações de potássio no sangue.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lisinopril + Hidroclorotiazida + Procainamida

Observações: n.d.
Interações: Citostáticos, agentes imunossupressores, procainamida: A administração concomitante com inibidores da ECA pode conduzir a um aumento do risco de leucopenia.

Felodipina + Ramipril + Procainamida

Observações: A felodipina é um substrato do CYP3A4. Os dados de ensaios clínicos têm demonstrado que o duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) através do uso combinado de inibidores da ECA, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno está associado a uma maior frequência de acontecimentos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia e função renal diminuída (incluindo insuficiência renal aguda) em comparação com o uso de um único fármaco com ação no SRAA.
Interações: Alopurinol, imunossupressores, corticosteroides, procainamida, citostáticos e outras substâncias que podem alterar o hemograma: Probabilidades aumentadas de reações hematológicas.

Ácido acetilsalisílico + Atorvastatina + Ramipril + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Precauções de utilização: Alopurinol, imunossupressores, corticosteroides, procainamida, citostáticos e outras substâncias que podem alterar o hemograma: maior probabilidade de reações hematológicas.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ranolazina + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Existe um risco teórico de o tratamento concomitante com ranolazina e outros fármacos que se saiba prolongarem o intervalo QTc poder originar uma interação farmacodinâmica e aumentar o possível risco de arritmias ventriculares. Como exemplos de tais fármacos, podemos referir certos antihistamínicos (p.ex. terfenadina, astemizol, mizolastina), certos antiarrítmicos (p.ex. quinidina, disopiramida, procainamida), a eritromicina e os antidepressivos tricíclicos (p.ex. imipramina, doxepina, amitriptilina).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Besilato de cisatracúrio + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Efeito aumentado: Por anestésicos, tais como enflurano, isoflurano, halotano e cetamina, por outros bloqueadores neuromusculares não despolarizantes ou por outros medicamentos como antibióticos (incluindo aminoglicosidos, polimixinas, espectinomicina, tetraciclinas, lincomicina e clindamicina), por antiarrítmicos (incluindo propranolol, bloqueadores do canal do cálcio, lignocaína, procainamida e quinidina), por diuréticos (incluindo furosemida e possivelmente tiazidas, manitol e acetazolamida), por sais de magnésio e lítio e por bloqueadores ganglionares (trimetafano, hexametónio). Raramente, alguns fármacos poderão agravar ou expor miastenia grave latente ou mesmo induzir a síndrome miasténica; uma sensibilidade aumentada a bloqueadores neuromusculares não despolarizantes seria uma consequência de tal desenvolvimento. Estes fármacos incluem vários antibióticos, bloqueadores beta (propranolol, oxprenolol), antiarrítmicos (procainamida, quinidina), fármacos antirreumatismais (cloroquina, D- penicilamina), trimetafano, clorpromazina, esteroides, fenitoína e lítio.

Moexipril + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Precauções para o uso: Alopurinol, agentes citostáticos ou imunossupressores, corticosteróides sistémicos ou procainamida: A administração concomitante com Moexipril pode conduzir a um risco aumentado para a leucopénia.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Perindopril + Indapamida + Amlodipina + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Uso concomitante a considerar: PERINDOPRIL: Alopurinol, fármacos imunossupressores ou citostáticos, corticosteroides sistémicos ou procainamida: A administração concomitante com IECAs pode conduzir a um risco acrescido de leucopenia.

Ribociclib + Procainamida

Observações: n.d.
Interações: Interações previstas Medicamentos antiarrítmicos e outros medicamentos que podem prolongar o intervalo QT: A coadministração de Ribociclib com medicamentos com potencial conhecido para prolongar o intervalo QT tais como medicamentos antiarrítmicos (incluindo, mas não limitado a, amiodarona, disopiramida, procainamida, quinidina e sotalol), e outros medicamentos que são conhecidos por prolongar o intervalo QT (incluindo, mas não limitado a, cloroquina, halofantrina, claritromicina, haloperidol, metadona, moxifloxacina, bepridil, pimozid e ondansetron via intravenosa) deve ser evitada.

Fluticasona + Formoterol + Procainamida

Observações: Não foram realizados estudos formais de interação com o Fluticasona / Formoterol.
Interações: Tal como os outros agonistas β2, o fumarato de formoterol deve ser administrado com extrema precaução em doentes tratados com antidepressivos tricíclicos ou com inibidores da monoamino oxidase, mesmo durante o período imediato de duas semanas após a sua interrupção, ou com outros fármacos que reconhecidamente prolongam o intervalo QTc, tais como antipsicóticos (incluindo as fenotiazinas), quinidina, disopiramida, procainamida e antihistamínicos.

Ramipril + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Precauções de utilização: Alopurinol, imunosupressores, corticosteroides, procainamida, citostáticos e outras substâncias que possam alterar o hemograma: Existe uma maior probabilidade de reações hematológicas.

Cloreto de potássio + Cloreto de sódio + Glucose + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Interações relacionadas com a presença de potássio: O efeito farmacológico dos digitálicos glicosídeos (digoxina e metildigoxina) e agentes antiarrítmicos (tais como a quinidina, hidroquinidina, procainamida) podem ser alterados como consequência dos níveis de potássio no sangue: Digitálicos: A hipercalémia reduz a ação terapêutica destes fármacos enquanto a hipocalémia pode causar toxicidade por digitálicos. Agentes antiarrítmicos: A hipercalémia aumenta os seus efeitos antiarrítmicos e a hipocalémia reduz a sua eficácia.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Benazepril + Hidroclorotiazida + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Alopurinol, agentes citostáticos, imunossupressores, corticóides sistémicos, procainamida: Redução do número de leucócitos no sangue, leucopenia.

Risperidona + Procainamida

Observações: n.d.
Interações: Como com outros antipsicóticos, aconselha-se precaução quando a risperidona é prescrita com medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por exemplo antiarrítmicos de classe Ia (ex., quinidina, disopiramida, procainamida), antiarrítmicos de classe III (ex., amiodarona, sotalol), antidepressores tricíclicos (ou seja, a amitriptilina), antidepressores tetracíclicos (ou seja, a maprotilina), alguns anti-histamínicos, outros antipsicóticos, alguns antimaláricos (ex., quinina e mefloquina), e com medicamentos que causam desequilíbrios eletrolíticos (hipocaliemia, hipomagnesiemia), bradicardia, ou com medicamentos que inibem o metabolismo hepático da risperidona.

Telitromicina + Procainamida

Observações: Os estudos de interação foram apenas realizados em adultos.
Interações: Efeito do Telitromicina nos outros medicamentos: Deve tomar-se precaução quando o Telitromicina é administrado com outros medicamentos com potencial para prolongar o intervalo QT. Estes incluem antiarrítmicos de Classe IA (ex., quinidina, procainamida, disopiramida) e antiarrítmicos de Classe III (ex., dofetilida, amiodarona), citalopram, antidepressivos tricíclicos, metadona, alguns psicotrópicos (ex. fenotiazidas), fuoroquinolonas (ex. moxifloxacina), alguns antifúngicos (ex. fluconazol, pentamidina), e alguns medicamentos antivirais (ex., telaprevir).

Ramipril + Amlodipina + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Associadas ao ramipril Precauções de utilização Alopurinol, imunosupressores, corticosteróides, procainamida, citostáticos e outras substâncias que possam alterar o hemograma: Aumento da probabilidade de ocorrência de reações hematológicas.

Feniramina + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Álcool, depressores do sistema nervoso central, amantadina, outros anti-histamínicos, antimuscarínicos e outros medicamentos com ação antimuscarínica, haloperidol, fenotiazinas, procainamida, ipratrópio, medicamentos ototóxicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Budesonida + Formoterol + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: O tratamento concomitante com quinidina, disopiramida, procainamida, fenotiazinas, anti-histamínicos (terfenadina), inibidores da monoaminoxidase e antidepressivos tricíclicos pode prolongar o intervalo QT e aumentar o risco de arritmias ventriculares.

Oxibutinina + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: A potenciação dos efeitos da oxibutinina, com bloqueio colinérgico excessivo, pode sobrevir em caso de associação com alcaloide de beladona, anticolinérgicos de síntese ou de semi síntese (por exemplo, antiespasmódicos ou antiparkinsónicos), fenotiazinas, amantadina, butirofenonas, levodopa, antidepressivos tricíclicos, quinidina, antihistamínicos, disopiramida, procaínamida ou cetoconazol (potente inibidor do CYP3A4); a associação de oxibutinina com estes fármacos deve ser feita com prudência.

Tetrabenazina + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: A Tetrabenazina deve ser utilizada com precaução com medicamentos conhecidos por prolongar o intervalo QTc, incluindo medicamentos antipsicóticos (por exemplo, clorpromazina, tioridazina), antibióticos (por exemplo, gatifloxacina, moxifloxacina) e medicamentos antiarrítmicos das classes IA e III (ex.: quinidina, procainamida, amiodarona, sotalol).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Enalapril + Lercanidipina + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: MALEATO DE ENALAPRIL: Associações a ter em conta: Alopurinol, citostáticos ou agentes imunossupressores, corticosteroides sistémicos ou procainamida: A administração concomitante com inibidores da ECA podem levar a um aumento do risco de leucopenia.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

- Antiarrítmicos (por exemplo, amiodarona, quinidina), anticolinérgicos (por exemplo, hiosciamina), arsénio, astemizol, cisaprida, dofetilida, droperidol, H2 antagonistas (por exemplo, cimetidina), antibióticos cetólidos (por exemplo, telitromicina), antibióticos macrolídeos (por exemplo, eritromicina), fenotiazinas (por exemplo, clorpromazina), os inibidores da fosfodiesterase tipo 5 (por exemplo, sildenafil), pimozida, quinolonas (por exemplo, ciprof loxacina), antagonistas do receptor de serotonina (por exemplo, dolasetron), terfenadina), trimetoprim, ou ziprasidona porque o risco de efeitos colaterais, incluindo batimento cardíaco irregular, pode ser aumentada.

- Os bloqueadores neuromusculares (por exemplo, succinilcolina) porque as ações ou efeitos secundários podem ser aumentados por pela procainamida.

Se ficar grávida, discuta com o médico os benefícios e riscos do uso de procainamida durante a gravidez.

Procainamida é excretada no leite materno.

Não amamentar enquanto estiver a tomar procainamida.

Procainamida pode causar tonturas e visão turva.

Não conduzir, utilizar máquinas, ou fazer qualquer outra coisa que possa ser perigosa até saber como reage à procainamida.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017