Óxido nítrico

DCI com Advertência na Gravidez Uso Hospitalar DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
O óxido nítrico ou o monóxido de azoto é um composto químico com a fórmula química NO.

Este gás é uma molécula sinalizadora no corpo de mamíferos, incluindo seres humanos e é um intermediário muito importante na indústria química.

Ele também é um poluente tóxico do ar produzido por motores de automóveis e fábricas.

O óxido nítrico (NO) não deve ser confundido com o óxido nitroso (N2O), um anestésico geral, ou com dióxido de azoto (NO2), que é um outro poluente do ar, venenoso.

A molécula de óxido nítrico é um radical livre, o que é relevante para a compreensão de sua alta reatividade.

Ela reage com o ozono no ar para formar dióxido de azoto, sinalizadas por o aparecimento da cor castanha-avermelhada.
Usos comuns
- Recém-nascidos com insuficiência respiratória associada a alta pressão sanguínea nos pulmões, situação conhecida por insuficiência respiratória hipóxica.

Quando inalada, esta mistura de gás pode melhorar o fluxo de sangue através dos pulmões, o que pode contribuir para aumentar a quantidade de oxigénio que chega ao sangue do bebé.

- Recém-nascidos, bebés, crianças e adolescentes, com idades entre 0 e 17 anos, e adultos com hipertensão pulmonar associada a cirurgia cardíaca.

Esta mistura de gás pode melhorar a função cardíaca e aumentar o fluxo sanguíneo através dos pulmões, o que pode contribuir par aumentar a quantidade de oxigénio que chega ao sangue.
Tipo
pequena molécula
História
Sem informação.
Indicações
Para o tratamento de recém-nascidos com 34 semanas de gestação, com insuficiência respiratória hipóxica associada a evidência clínica ou ecocardiográfica de hipertensão pulmonar, para melhorar a oxigenação e reduzir a necessidade de oxigenação extracorporal através de membrana.

Como parte do tratamento da hipertensão pulmonar peri- e pós-operatória, em adultos e recém-nascidos, crianças de tenra idade, crianças mais velhas e adolescentes, com idades entre os 0 e os 17 anos, associada a cirurgia cardíaca, a fim de diminuir seletivamente a pressão arterial pulmonar e melhorar a função ventricular direita e a oxigenação.
Classificação CFT
20.04     Gases medicinais
Mecanismo De Ação
O óxido nítrico é um composto produzido por muitas células do organismo.

Relaxa o músculo vascular liso através da sua ligação à fração heme da guanilato ciclase da matriz citoplásmica, ativando a guanilato ciclase e aumentando os níveis de 3’,5’-monofosfato cíclico de guanosina, que origina depois a vasodilatação.

Quando inalado, o óxido nítrico produz seletivamente uma vasodilatação pulmonar.

Parece aumentar a pressão parcial do oxigénio arterial (PaO2), através da dilatação dos vasos pulmonares nas regiões melhor ventiladas dos pulmões, redistribuindo o fluxo de sangue pulmonar das áreas pulmonares com ritmos baixos de ventilação/perfusão (V/Q) para regiões com ritmos de ventilação/perfusão normais.

A hipertensão pulmonar persistente do recém-nascido (HPPRN) manifesta-se como um defeito do desenvolvimento primário, ou como uma condição secundária a outras doenças, tais como a síndrome de aspiração de mecónio (SAM), pneumonia, sepsis, doença da membrana hialina, hérnia diafragmática congénita (HDC) e hipoplasia pulmonar.

Nestes estados, a resistência vascular pulmonar (RVP) é elevada, resultando numa hipoxémia secundária ao shunt direito-esquerdo através do canal arterial e foramen ovale patente.

Nos recém-nascidos com HPPRN, pode melhorar a oxigenação (conforme indicado pelos aumentos significativos da PaO2).

A eficácia foi estudada em recém-nascidos de termo e quase termo, com insuficiência respiratória hipóxica resultante de uma variedade de etiologias.
Posologia Orientativa
O seu médico decidirá a dose correta de Óxido nítrico e administrará nos pulmões através de um sistema concebido para libertar este gás.

Este sistema de libertação assegurará que é libertada a quantidade correta de óxido nítrico, através da diluição deste medicamento numa mistura de oxigénio/ar, imediatamente antes da administração.

Para segurança do paciente, os sistemas destinados à administração de Óxido nítrico estão equipados com dispositivos que medem constantemente a quantidade de óxido nítrico, de oxigénio e de dióxido de azoto (um químico que se forma quando o óxido nítrico e o oxigénio se misturam) e chegam aos pulmões.

O seu médico decidirá durante quanto tempo irá durar o tratamento.

Deve ser administrado numa dose de 10 a 20 ppm (partes por milhão, de gás inalado) (dose máxima de 20 ppm nas crianças e de 40 ppm nos adultos).

Deverá procurar encontrar a dose mínima eficaz.

O tratamento é geralmente necessário durante cerca de 4 dias nos recém-nascidos com insuficiência pulmonar associada a pressão pulmonar elevada.

Nas crianças e adultos com pressão pulmonar elevada, associada a cirurgia cardíaca, é geralmente administrado durante 24 a 48 horas.

No entanto, a terapêutica com poderá prolongar-se por mais tempo.
Administração
Sem informação.
Contraindicações
Não utilize:

- Se tiver alergia (hipersensibilidade) ao óxido nítrico.
- Se tiver qualquer anomalia circulatória cardíaca.
Não deve ser utilizado em bebés prematuros cuja idade gestacional seja menor que 34 semanas.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
A ocorrência de efeitos secundários associados à terapêutica com Óxido nítrico é muito comum (afeta mais do que 1 utilizador em cada 10).

Estes incluem:

– Baixa contagem de plaquetas

Os efeitos secundários frequentes (afetam mais do que 1 utilizador em cada 100) associados à terapêutica com Óxido nítrico incluem: pressão sanguínea baixa, falta de ar nos pulmões ou colapso dos pulmões.

– Os efeitos secundários que podem ser observados, mas cuja frequência se desconhece (a frequência não pode ser estimada a partir dos dados disponíveis) são:

– Bradicardia (baixa frequência cardíaca) ou quantidade demasiado baixa de oxigénio no sangue (dessaturação do oxigénio/hipoxémia), devido a interrupção demasiado rápida do tratamento.

– Dores de cabeça, tonturas, garganta seca ou dificuldade respiratória após a exposição acidental do ar ambiente ao óxido nítrico (p. ex.fuga do equipamento ou cilindro).

O pessoal deve ser informado diretamente no caso de alguém sentir dores de cabeça quando se encontra na proximidade do seu filho enquanto este recebe Óxido nítrico.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Não administrar durante a gravidez
Precauções Gerais
O óxido nítrico inalado pode nem sempre ser eficaz, pelo que podem ser consideradas necessárias para si ou para o seu filho outros tratamentos.

O óxido nítrico inalado pode influenciar a capacidade de transporte de oxigénio pelo sangue.

Esta situação pode ser controlada através da colheita e análise de amostras de sangue e, se necessário, a dose de óxido nítrico inalado deverá ser reduzida.

O óxido nítrico pode reagir com o oxigénio, formando dióxido de nitrogénio, que pode causar irritação das vias respiratórias.

O médico deverá proceder ao controlo do dióxido de nitrogénio e, no caso de os valores estarem elevados, o tratamento com este medicamento deverá ser ajustada, diminuindo em conformidade.

O óxido nítrico inalado pode ter influência, embora ligeira, sobre as plaquetas (componentes que contribuem para a coagulação do sangue), devendo ser dada especial atenção a quaisquer sinais de sangramento (hemorragia) e/ou hematoma.

Se observar quaisquer sinais ou sintomas que possam estar associados a hemorragia, deve informar de imediato o médico.

Não foi comprovado qualquer efeito do óxido nítrico inalado nos recém-nascidos com malformação do diafragma incompleto, deficiência designada por “hérnia diafragmática congénita”.

Nos recém-nascidos com malformações cardíacas específicas, a que os médicos chamam “deficiências cardíacas congénitas”, o óxido nítrico inalado pode causar um agravamento da função circulatória.

Crianças: Não deve ser utilizado em bebés prematuros cuja idade gestacional seja menor que 34 semanas.
Cuidados com a Dieta
Não aplicável.
Terapêutica Interrompida
Não aplicável.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Óxido nítrico + Nitroglicerina

Observações: Não foram realizados estudos formais de interação medicamentosa. Com base nos dados disponíveis, não se pode excluir uma interação clinicamente significativa com outros medicamentos utilizados no tratamento da insuficiência respiratória hipóxica.
Interações: Pode existir um efeito aditivo com Óxido nítrico no risco de desenvolvimento de meta-hemoglobinémia com substâncias dadoras de óxido nítrico, incluindo o nitroprusseto de sódio e a nitroglicerina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Óxido nítrico + Nitroprussiato de Sódio

Observações: Não foram realizados estudos formais de interação medicamentosa. Com base nos dados disponíveis, não se pode excluir uma interação clinicamente significativa com outros medicamentos utilizados no tratamento da insuficiência respiratória hipóxica.
Interações: Pode existir um efeito aditivo com Óxido nítrico no risco de desenvolvimento de meta-hemoglobinémia com substâncias dadoras de óxido nítrico, incluindo o nitroprusseto de sódio e a nitroglicerina.

Óxido nítrico + Tolazolina

Observações: Não foram realizados estudos formais de interação medicamentosa. Com base nos dados disponíveis, não se pode excluir uma interação clinicamente significativa com outros medicamentos utilizados no tratamento da insuficiência respiratória hipóxica.
Interações: Óxido nítrico foi administrado com segurança com tolazolina, dopamina, dobutamina, esteroides, ventilação surfactante e de alta frequência.

Óxido nítrico + Dopamina

Observações: Não foram realizados estudos formais de interação medicamentosa. Com base nos dados disponíveis, não se pode excluir uma interação clinicamente significativa com outros medicamentos utilizados no tratamento da insuficiência respiratória hipóxica.
Interações: Óxido nítrico foi administrado com segurança com tolazolina, dopamina, dobutamina, esteroides, ventilação surfactante e de alta frequência.

Óxido nítrico + Esteróides

Observações: Não foram realizados estudos formais de interação medicamentosa. Com base nos dados disponíveis, não se pode excluir uma interação clinicamente significativa com outros medicamentos utilizados no tratamento da insuficiência respiratória hipóxica.
Interações: Óxido nítrico foi administrado com segurança com tolazolina, dopamina, dobutamina, esteroides, ventilação surfactante e de alta frequência.

Óxido nítrico + Vasodilatadores

Observações: Não foram realizados estudos formais de interação medicamentosa. Com base nos dados disponíveis, não se pode excluir uma interação clinicamente significativa com outros medicamentos utilizados no tratamento da insuficiência respiratória hipóxica.
Interações: O uso concomitante de outros vasodilatadores (por exemplo, sildenafil) não está extensivamente estudado. Os dados disponíveis sugerem efeitos adicionais na circulação central, pressão arterial pulmonar e desempenho ventricular direito. O uso concomitante de óxido nítrico inalado e outros vasodilatadores com ação sobre os sistemas da guanosina monofosfato cíclica (cGMP) ou adenosina monofosfato cíclica (cAMP) deve ser cuidadosamente avaliado. Existe um maior risco de formação de meta-hemoglobina se fármacos com uma tendência conhecida para aumentarem as concentrações de meta-hemoglobina forem administrados concomitantemente com óxido nítrico (por exemplo, os alquilnitratos e as sulfonamidas). Portanto, as substâncias que, reconhecidamente, causam um aumento dos níveis de meta -hemoglobina, devem ser utilizadas com precaução durante a terapêutica com óxido nítrico inalado.

Óxido nítrico + Sildenafil

Observações: Não foram realizados estudos formais de interação medicamentosa. Com base nos dados disponíveis, não se pode excluir uma interação clinicamente significativa com outros medicamentos utilizados no tratamento da insuficiência respiratória hipóxica.
Interações: O uso concomitante de outros vasodilatadores (por exemplo, sildenafil) não está extensivamente estudado. Os dados disponíveis sugerem efeitos adicionais na circulação central, pressão arterial pulmonar e desempenho ventricular direito. O uso concomitante de óxido nítrico inalado e outros vasodilatadores com ação sobre os sistemas da guanosina monofosfato cíclica (cGMP) ou adenosina monofosfato cíclica (cAMP) deve ser cuidadosamente avaliado. Existe um maior risco de formação de meta-hemoglobina se fármacos com uma tendência conhecida para aumentarem as concentrações de meta-hemoglobina forem administrados concomitantemente com óxido nítrico (por exemplo, os alquilnitratos e as sulfonamidas). Portanto, as substâncias que, reconhecidamente, causam um aumento dos níveis de meta -hemoglobina, devem ser utilizadas com precaução durante a terapêutica com óxido nítrico inalado.

Óxido nítrico + Sulfonamidas

Observações: Não foram realizados estudos formais de interação medicamentosa. Com base nos dados disponíveis, não se pode excluir uma interação clinicamente significativa com outros medicamentos utilizados no tratamento da insuficiência respiratória hipóxica.
Interações: O uso concomitante de outros vasodilatadores (por exemplo, sildenafil) não está extensivamente estudado. Os dados disponíveis sugerem efeitos adicionais na circulação central, pressão arterial pulmonar e desempenho ventricular direito. O uso concomitante de óxido nítrico inalado e outros vasodilatadores com ação sobre os sistemas da guanosina monofosfato cíclica (cGMP) ou adenosina monofosfato cíclica (cAMP) deve ser cuidadosamente avaliado. Existe um maior risco de formação de meta-hemoglobina se fármacos com uma tendência conhecida para aumentarem as concentrações de meta-hemoglobina forem administrados concomitantemente com óxido nítrico (por exemplo, os alquilnitratos e as sulfonamidas). Portanto, as substâncias que, reconhecidamente, causam um aumento dos níveis de meta -hemoglobina, devem ser utilizadas com precaução durante a terapêutica com óxido nítrico inalado.

Óxido nítrico + Prilocaína

Observações: Não foram realizados estudos formais de interação medicamentosa. Com base nos dados disponíveis, não se pode excluir uma interação clinicamente significativa com outros medicamentos utilizados no tratamento da insuficiência respiratória hipóxica.
Interações: A prilocaína, administrada como formulação oral, parentérica ou tópica, pode provocar meta-hemoglobinémia. Deve ser utilizada com precaução quando Óxido nítrico é administrado ao mesmo tempo que fármacos contendo prilocaína.

Óxido nítrico + Oxigénio

Observações: Não foram realizados estudos formais de interação medicamentosa. Com base nos dados disponíveis, não se pode excluir uma interação clinicamente significativa com outros medicamentos utilizados no tratamento da insuficiência respiratória hipóxica.
Interações: Na presença de oxigénio, o óxido nítrico é rapidamente oxidado, originando derivados que são tóxicos para o epitélio brônquico e para a membrana alvéolo-capilar.

Óxido nítrico + Azoto

Observações: Não foram realizados estudos formais de interação medicamentosa. Com base nos dados disponíveis, não se pode excluir uma interação clinicamente significativa com outros medicamentos utilizados no tratamento da insuficiência respiratória hipóxica.
Interações: O dióxido de azoto (NO2 ) é a principal substância formada e pode causar inflamação e danos nas vias respiratórias. Existem igualmente dados animais que sugerem uma maior suscetibilidade às infeções das vias respiratórias, após exposição a baixos níveis de NO2. Durante o tratamento com óxido nítrico, a concentração de NO2 deve ser < 0,5 ppm na gama posológica < 20 ppm de óxido nítrico. Se, em qualquer altura, a concentração de NO2 exceder 1 ppm, a dose de óxido nítrico deve ser imediatamente reduzida.

Cianocobalamina (57Co) + Óxido nítrico

Observações: N.D.
Interações: Os gás anestésico e óxido nitroso produzem oxidação irreversível da cobalamina (I) activa - na forma reduzida - em metionina e têm o mesmo efeito que administrando a cobalamina após esta estar reduzida. A acção tóxica do óxido nitroso não é superada pelas injecções de cobalamina mas pode ser atenuada pelo ácido folínico. Anestesia prolongada com óxido nitroso (superior a 4 horas) está, invariavelmente, acompanhada de hemopoiese megaloblástica a qual está auto-limitada uma vez termine a inalação do óxido nitroso. Inalações intermitentes, a longo prazo, em pessoas que se tenham tornado adictas ao seu uso (frequentemente dentistas), leva à neuropatia da cobalamina. Isto também ocorre em pacientes que tenham sido expostos ao óxido nitroso durante meses para lhes fazerem tratamentos dolorosos, como extensão de membros contraídos feita por fisioterapeutas.

Parecoxib + Óxido nítrico

Observações: O parecoxib é rapidamente hidrolisado no metabolito activo, valdecoxib. Os doentes sob terapêutica com anticoagulantes orais deverão ser monitorizados cuidadosamente em relação ao tempo de protrombina INR, em especial nos primeiros dias de tratamento com parecoxib ou quando a dose de parecoxib é alterada. No ser humano, estudos demonstraram que o metabolismo do valdecoxib é predominantemente mediado pela via das isoenzimas CYP3A4 e 2C9. O efeito da indução enzimática não foi estudado. Não foram realizados estudos formais de interações com Anestésicos inalados.
Interações: Em estudos de cirurgia, em que se administrou parecoxib no período pré-operatório, não se observou evidência de interacção farmacodinâmica nos doentes em que foi administrado parecoxib e agentes anestésicos inalados, óxido nítrico e isoflurano.

Cianocobalamina (Cobalamina, Vitamina B12) + Óxido nítrico

Observações: N.D.
Interações: Os gás anestésico e óxido nitroso produzem oxidação irreversível da cobalamina (I) activa - na forma reduzida - em metionina e têm o mesmo efeito que administrando a cobalamina após esta estar reduzida. A acção tóxica do óxido nitroso não é superada pelas injecções de cobalamina mas pode ser atenuada pelo ácido folínico. Anestesia prolongada com óxido nitroso (superior a 4 horas) está, invariavelmente, acompanhada de hemopoiese megaloblástica a qual está auto-limitada uma vez termine a inalação do óxido nitroso. Inalações intermitentes, a longo prazo, em pessoas que se tenham tornado adictas ao seu uso (frequentemente dentistas), leva à neuropatia da cobalamina. Isto também ocorre em pacientes que tenham sido expostos ao óxido nitroso durante meses para lhes fazerem tratamentos dolorosos, como extensão de membros contraídos feita por fisioterapeutas.

Riociguat + Óxido nítrico

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Nitratos: Num estudo clínico, a dose mais elevada deste medicamento (comprimidos de 2,5 mg três vezes por dia) potenciou o efeito de diminuição da pressão arterial da nitroglicerina sublingual (0,4 mg), tomada 4 e 8 horas após a ingestão. Portanto, a coadministração deste medicamento com nitratos ou dadores de óxido nítrico (como o nitrito de amilo) em qualquer forma é contraindicada.

Treprostinilo + Óxido nítrico

Observações: N.D.
Interações: Antiagregantes plaquetários incluindo AINEs e anticoagulantes: Treprostinilo pode inibir a função plaquetária. A administração concomitante de Treprostinilo com antiagregantes plaquetários, incluindo AINEs, dadores de óxido nítrico ou anticoagulantes poderá aumentar o risco de hemorragias. Deverá manter-se uma vigilância clínica apertada nos doentes que estejam a tomar anticoagulantes, em conformidade com as recomendações da prática médica convencional para a monitorização destes tratamentos. Deve evitar-se a utilização concomitante de outros inibidores plaquetários em doentes a tomar anticoagulantes. A perfusão subcutânea contínua de treprostinilo não teve efeito sobre a farmacodinâmica e a farmacocinética de uma dose única (25 mg) de varfarina. Não há dados disponíveis sobre as interações potenciais que fazem aumentar o risco de hemorragia, caso o treprostinilo seja prescrito em conjunção com dadores de óxido nítrico.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sevoflurano + Óxido nítrico

Observações: N.D.
Interações: Óxido Nitroso: Tal como com outros anestésicos inalatórios halogenados, a CAM do sevoflurano diminui quando é administrado em combinação com óxido nitroso. A CAM equivalente é reduzida aproximadamente em 50% nos adultos e aproximadamente em 25% em doentes pediátricos.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017