Ondansetrom

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Condução
O que é
Ondansetrom (ou ondansetrona) é uma substância activa de medicamentos, que possui actividade antiemética.

É uma serotonina tipo 3, antagonista competitivo.

É eficaz no tratamento de náuseas e vómitos causados ​​pela quimioterapia droga citotóxica, incluindo cisplatina, e relatou propriedades ansiolíticas e neurolépticos.
Usos comuns
Prevenção de náuseas (sensação de enjoo) e vómitos causados por quimioterapia ou radioterapia do cancro em adultos e em crianças com idade igual ou superior a 6 meses.
Prevenção de náuseas e vómitos após cirurgia em adultos e em crianças com idade igual ou superior a 1 mês.
Tipo
Molécula pequena.
História
Ondansetron foi patenteado em 1984 e aprovado para uso médico em 1990.
Está na Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial de Saúde.

O ondansetrom foi desenvolvido por volta de 1984 pelos cientistas que trabalham nos laboratórios da Glaxo em Londres.
Indicações
Ondansetrom está indicado no controlo de náuseas e vómitos induzidos pela quimioterapia citotóxica e pela radioterapia.
Está também indicado na prevenção e tratamento de náuseas e vómitos do pós-operatório.
Classificação CFT

02.07 : Antieméticos e antivertiginosos

Mecanismo De Ação
O ondansetrom é um antagonista potente e altamente selectivo dos receptores 5HT3.
Não se conhece o mecanismo de acção exacto no controlo das náuseas e dos vómitos.

Os agentes quimioterapêuticos e a radioterapia podem provocar a libertação de 5-HT no intestino delgado, iniciando o reflexo do vómito por activação dos receptores 5HT3, da via vagal aferente. O ondansetrom bloqueia o início deste reflexo. A activação da via vagal aferente pode provocar também a libertação de 5-HT na área postrema, localizada na base do 4º ventrículo, podendo também provocar emése através de um mecanismo central.
Assim, o efeito do ondansetrom no controlo de náuseas e vómitos induzidos pela quimioterapia citotóxica e radioterapia deve-se, provavelmente, ao antagonismo dos receptores 5-HT3 nos neurónios localizados tanto no sistema nervoso central como no periférico.
Não se conhecem os mecanismos de acção do ondansetrom nas náuseas e vómitos no pós-operatório, no entanto, é possível que haja vias comuns com o mecanismo dos vómitos e náuseas induzidos pela quimioterapia citotóxica.
Estudos fármaco-psicologicos, em voluntários, o ondansetrom não mostrou efeito sedativo.
O papel do ondansetrom na emese induzida por opiáceos não está estabelecido.
Posologia Orientativa
Conforme prescrição médica.
Administração
Vias Oral, IV, IM.

Ondansetrom é normalmente administrado por um enfermeiro ou médico. A dose que lhe foi prescrita depende do tratamento a que está a ser submetido.
Contraindicações
Hipersensibilidade ao ondansetrom ou a outros antagonistas selectivos dos receptores 5HT3 (por exemplo, granissetrom, dolassetrom).
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Doenças do sistema nervoso
Raras (> 1/10000, <1/1000), foram reportados casos de alterações nos movimentos involuntários, tais como reacções extra piramidais, como crises oculogíricas/reacções distónicas sem evidência definitiva de sequelas clínicas persistentes e foram raramente observadas convulsões embora nenhum mecanismo farmacológico conhecido possa atribuir ao ondansetrom a origem destes efeitos.

Cardiopatias
Raras (> 1/10000, <1/1000), Pré-cordialgia com ou sem depressão do segmento ST, arritmias cardíacas, hipotensão e bradicardia.

Doenças gastrointestinais:
Frequentes ( > 1/100, <1/10), O Ondansetrom é conhecido por aumentar o tempo do trânsito no intestino grosso, podendo originar obstipação em alguns doentes.

Afecções hepatobiliares
Ocasionalmente pode ser observado o aumento assintomático dos testes da função hepática.

Afecções dos tecidos cutâneos e subcutâneos
Ocasionalmente, podem ocorrer reacções de hipersensibilidade no local de administração (por ex. rash, urticária, prurido), estendendo-se por vezes ao longo da veia de administração.

Perturbações gerais e alterações no local de administração
Frequentes ( > 1/100, <1/10), Cefaleias, sensação de rubor e de calor e soluços.
Raras (> 1/10000, <1/1000) perturbações visuais transitórias (por ex. visão turva) e tonturas durante uma administração intravenosa rápida de ondansetrom.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Usar apenas se o benefício potencial for superior aos riscos. Ausência de risco fetal, demonstrada em experimentação animal ou em estudos humanos.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Evitar; não há informação útil.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Não exceder 8 mg/dia na IH grave.
Condução
Condução
Condução:Não altera a capacidade de condução.
Precauções Gerais
Foram relatadas reacções de hipersensibilidade em doentes hipersensíveis a outros antagonistas selectivos dos receptores 5HT3.
Como o ondansetrom é conhecido por aumentar o tempo de trânsito no intestino grosso, doentes com sinais de obstrução intestinal subaguda devem ser monitorizados após a administração.
Devido à pouca experiência até à data sobre o uso de Ondansetrom em doentes cardíacos, é necessário tomar precauções na co-administração com anestésicos em doentes com arritmias ou doenças cardíacas condutivas ou ainda em doentes tratados com agentes antiarritmicos ou ß-bloqueantes.

Este medicamento não deve ser utilizado em crianças com menos de dois anos uma vez que a experiência nestes doentes é limitada.

Em doentes submetidos a cirurgia adenotonsilar, a prevenção das náuseas e vómitos com Ondansetrom pode mascarar hemorragias. Logo estes doentes devem ser cuidadosamente vigiados após a administração do ondansetrom.

Deve informar o médico de que está a utilizar ondansetrom se este começar a tratá-lo com um dos seguintes medicamentos:
Fenitoína (utilizada para tratar a epilepsia e as arritmias cardíacas)
Carbamazepina (utilizada para tratar a epilepsia e a dor nevrálgica)
Rifampicina (um antibiótico)
Tramadol (utilizado para tratar a dor após uma intervenção cirúrgica)

O efeito do ondansetrom pode ser diminuído se tomar fenitoína, carbamazepina ou rifampicina. O efeito analgésico de tramadol pode ser diminuído se tomar ondansetrom.
Cuidados com a Dieta
Pode utilizar Ondansetrom independentemente dos alimentos e bebidas.
Terapêutica Interrompida
Este medicamento é administrado em meio hospitalar.
Cuidados no Armazenamento
Este medicamento é armazenado em meio hospitalar.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tramadol + Dexcetoprofeno + Ondansetrom

Observações: N.D.
Interacções: O efeito de alívio da dor de tramadol pode ser reduzida, e o comprimento de tempo que actua pode ser reduzido, se também tomar medicamentos que contenham ondansetrom (para as náuseas). - Ondansetrom
Sem efeito descrito

Bussulfano + Ondansetrom

Observações: N.D.
Interacções: Não se observou qualquer interacção quando o bussulfano foi utilizado em combinação com o fluconazole (agente antifúngico) ou com os antieméticos 5-HT3, tais como o ondasetron ou o granisetron. - Ondansetrom
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Pixantrona + Ondansetrom

Observações: Não foram notificadas interações medicamentosas nos participantes e não foram realizados estudos de interações medicamentosas em seres humanos. Estudos in vitro com as isoformas humanas mais habituais do citocromo P450 (incluindo CYP1A2, 2B6, 2C8, 2C9, 2C19, 2D6 e 3A4) mostraram uma possível inibição do tipo mista do CYP1A2 e CYP2C8 que pode ter relevância clínica. Não se observaram outras interações significativas clinicamente relevantes com os CYPP450.
Interacções: Amitriptilina, haloperidol, clozapina, ondansetrom e propranolol são metabolizados pelo CYP1A2 e, por conseguinte, existe uma preocupação teórica de que a administração concomitante do Pixantrona possa aumentar os níveis sanguíneos deste medicamento. - Ondansetrom
Sem efeito descrito

Ondansetrom + Álcool

Observações: O ondansetrom é metabolizado por várias enzimas hepáticas do citocromo P-450: CYP3A4, CYP2D6 e CYP1A2. Devido à multiplicidade de enzimas metabólicas capazes de metabolizar o ondansetrom, a inibição enzimática ou a diminuição da actividade de uma enzima (ex., deficiência genética de CYP2D6) é normalmente compensada por outras enzimas e não deve produzir alterações significativas ou apenas uma alteração mínima da depuração total ou das necessidades posológicas de ondansetrom. A utilização de ondansetrom com medicamentos que prolongam o intervalo QT pode causar um prolongamento adicional de QT.
Interacções: Não há evidência de que o ondansetrom induza ou iniba o metabolismo de outros medicamentos frequentemente co-administrados com ele. Estudos específicos demonstraram que não existem interacções farmacocinéticas quando o ondansetrom é administrado com álcool, temazepam, furosemida, propofol, alfentanil ou tiopental. - Álcool
Sem efeito descrito

Ondansetrom + Temazepam

Observações: O ondansetrom é metabolizado por várias enzimas hepáticas do citocromo P-450: CYP3A4, CYP2D6 e CYP1A2. Devido à multiplicidade de enzimas metabólicas capazes de metabolizar o ondansetrom, a inibição enzimática ou a diminuição da actividade de uma enzima (ex., deficiência genética de CYP2D6) é normalmente compensada por outras enzimas e não deve produzir alterações significativas ou apenas uma alteração mínima da depuração total ou das necessidades posológicas de ondansetrom. A utilização de ondansetrom com medicamentos que prolongam o intervalo QT pode causar um prolongamento adicional de QT.
Interacções: Não há evidência de que o ondansetrom induza ou iniba o metabolismo de outros medicamentos frequentemente co-administrados com ele. Estudos específicos demonstraram que não existem interacções farmacocinéticas quando o ondansetrom é administrado com álcool, temazepam, furosemida, propofol, alfentanil ou tiopental. - Temazepam
Sem efeito descrito

Ondansetrom + Furosemida

Observações: O ondansetrom é metabolizado por várias enzimas hepáticas do citocromo P-450: CYP3A4, CYP2D6 e CYP1A2. Devido à multiplicidade de enzimas metabólicas capazes de metabolizar o ondansetrom, a inibição enzimática ou a diminuição da actividade de uma enzima (ex., deficiência genética de CYP2D6) é normalmente compensada por outras enzimas e não deve produzir alterações significativas ou apenas uma alteração mínima da depuração total ou das necessidades posológicas de ondansetrom. A utilização de ondansetrom com medicamentos que prolongam o intervalo QT pode causar um prolongamento adicional de QT.
Interacções: Não há evidência de que o ondansetrom induza ou iniba o metabolismo de outros medicamentos frequentemente co-administrados com ele. Estudos específicos demonstraram que não existem interacções farmacocinéticas quando o ondansetrom é administrado com álcool, temazepam, furosemida, propofol, alfentanil ou tiopental. - Furosemida
Sem efeito descrito

Ondansetrom + Propofol

Observações: O ondansetrom é metabolizado por várias enzimas hepáticas do citocromo P-450: CYP3A4, CYP2D6 e CYP1A2. Devido à multiplicidade de enzimas metabólicas capazes de metabolizar o ondansetrom, a inibição enzimática ou a diminuição da actividade de uma enzima (ex., deficiência genética de CYP2D6) é normalmente compensada por outras enzimas e não deve produzir alterações significativas ou apenas uma alteração mínima da depuração total ou das necessidades posológicas de ondansetrom. A utilização de ondansetrom com medicamentos que prolongam o intervalo QT pode causar um prolongamento adicional de QT.
Interacções: Não há evidência de que o ondansetrom induza ou iniba o metabolismo de outros medicamentos frequentemente co-administrados com ele. Estudos específicos demonstraram que não existem interacções farmacocinéticas quando o ondansetrom é administrado com álcool, temazepam, furosemida, propofol, alfentanil ou tiopental. - Propofol
Sem efeito descrito

Ondansetrom + Alfentanilo

Observações: O ondansetrom é metabolizado por várias enzimas hepáticas do citocromo P-450: CYP3A4, CYP2D6 e CYP1A2. Devido à multiplicidade de enzimas metabólicas capazes de metabolizar o ondansetrom, a inibição enzimática ou a diminuição da actividade de uma enzima (ex., deficiência genética de CYP2D6) é normalmente compensada por outras enzimas e não deve produzir alterações significativas ou apenas uma alteração mínima da depuração total ou das necessidades posológicas de ondansetrom. A utilização de ondansetrom com medicamentos que prolongam o intervalo QT pode causar um prolongamento adicional de QT.
Interacções: Não há evidência de que o ondansetrom induza ou iniba o metabolismo de outros medicamentos frequentemente co-administrados com ele. Estudos específicos demonstraram que não existem interacções farmacocinéticas quando o ondansetrom é administrado com álcool, temazepam, furosemida, propofol, alfentanil ou tiopental. - Alfentanilo
Sem efeito descrito

Ondansetrom + Tiopental sódico

Observações: O ondansetrom é metabolizado por várias enzimas hepáticas do citocromo P-450: CYP3A4, CYP2D6 e CYP1A2. Devido à multiplicidade de enzimas metabólicas capazes de metabolizar o ondansetrom, a inibição enzimática ou a diminuição da actividade de uma enzima (ex., deficiência genética de CYP2D6) é normalmente compensada por outras enzimas e não deve produzir alterações significativas ou apenas uma alteração mínima da depuração total ou das necessidades posológicas de ondansetrom. A utilização de ondansetrom com medicamentos que prolongam o intervalo QT pode causar um prolongamento adicional de QT.
Interacções: Não há evidência de que o ondansetrom induza ou iniba o metabolismo de outros medicamentos frequentemente co-administrados com ele. Estudos específicos demonstraram que não existem interacções farmacocinéticas quando o ondansetrom é administrado com álcool, temazepam, furosemida, propofol, alfentanil ou tiopental. - Tiopental sódico
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ondansetrom + Tramadol

Observações: O ondansetrom é metabolizado por várias enzimas hepáticas do citocromo P-450: CYP3A4, CYP2D6 e CYP1A2. Devido à multiplicidade de enzimas metabólicas capazes de metabolizar o ondansetrom, a inibição enzimática ou a diminuição da actividade de uma enzima (ex., deficiência genética de CYP2D6) é normalmente compensada por outras enzimas e não deve produzir alterações significativas ou apenas uma alteração mínima da depuração total ou das necessidades posológicas de ondansetrom. A utilização de ondansetrom com medicamentos que prolongam o intervalo QT pode causar um prolongamento adicional de QT.
Interacções: Dados obtidos de pequenos estudos indicam que o ondansetrom pode diminuir o efeito analgésico do tramadol. - Tramadol
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Ondansetrom + Fenitoína

Observações: O ondansetrom é metabolizado por várias enzimas hepáticas do citocromo P-450: CYP3A4, CYP2D6 e CYP1A2. Devido à multiplicidade de enzimas metabólicas capazes de metabolizar o ondansetrom, a inibição enzimática ou a diminuição da actividade de uma enzima (ex., deficiência genética de CYP2D6) é normalmente compensada por outras enzimas e não deve produzir alterações significativas ou apenas uma alteração mínima da depuração total ou das necessidades posológicas de ondansetrom. A utilização de ondansetrom com medicamentos que prolongam o intervalo QT pode causar um prolongamento adicional de QT.
Interacções: Em doentes tratados com indutores potentes da CYP3A4 (isto é, fenitoína, carbamazepina e rifampicina), a depuração oral de ondansetrom aumentou e as suas concentrações sanguíneas diminuíram. - Fenitoína
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Ondansetrom + Carbamazepina

Observações: O ondansetrom é metabolizado por várias enzimas hepáticas do citocromo P-450: CYP3A4, CYP2D6 e CYP1A2. Devido à multiplicidade de enzimas metabólicas capazes de metabolizar o ondansetrom, a inibição enzimática ou a diminuição da actividade de uma enzima (ex., deficiência genética de CYP2D6) é normalmente compensada por outras enzimas e não deve produzir alterações significativas ou apenas uma alteração mínima da depuração total ou das necessidades posológicas de ondansetrom. A utilização de ondansetrom com medicamentos que prolongam o intervalo QT pode causar um prolongamento adicional de QT.
Interacções: Em doentes tratados com indutores potentes da CYP3A4 (isto é, fenitoína, carbamazepina e rifampicina), a depuração oral de ondansetrom aumentou e as suas concentrações sanguíneas diminuíram. - Carbamazepina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Ondansetrom + Rifampicina

Observações: O ondansetrom é metabolizado por várias enzimas hepáticas do citocromo P-450: CYP3A4, CYP2D6 e CYP1A2. Devido à multiplicidade de enzimas metabólicas capazes de metabolizar o ondansetrom, a inibição enzimática ou a diminuição da actividade de uma enzima (ex., deficiência genética de CYP2D6) é normalmente compensada por outras enzimas e não deve produzir alterações significativas ou apenas uma alteração mínima da depuração total ou das necessidades posológicas de ondansetrom. A utilização de ondansetrom com medicamentos que prolongam o intervalo QT pode causar um prolongamento adicional de QT.
Interacções: Em doentes tratados com indutores potentes da CYP3A4 (isto é, fenitoína, carbamazepina e rifampicina), a depuração oral de ondansetrom aumentou e as suas concentrações sanguíneas diminuíram. - Rifampicina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ondansetrom + Cardiotóxicos

Observações: O ondansetrom é metabolizado por várias enzimas hepáticas do citocromo P-450: CYP3A4, CYP2D6 e CYP1A2. Devido à multiplicidade de enzimas metabólicas capazes de metabolizar o ondansetrom, a inibição enzimática ou a diminuição da actividade de uma enzima (ex., deficiência genética de CYP2D6) é normalmente compensada por outras enzimas e não deve produzir alterações significativas ou apenas uma alteração mínima da depuração total ou das necessidades posológicas de ondansetrom. A utilização de ondansetrom com medicamentos que prolongam o intervalo QT pode causar um prolongamento adicional de QT.
Interacções: A utilização concomitante de ondansetrom com medicamentos cardiotóxicos (ex., antraciclinas) pode aumentar o risco de arritmias. - Cardiotóxicos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ondansetrom + Antraciclinas

Observações: O ondansetrom é metabolizado por várias enzimas hepáticas do citocromo P-450: CYP3A4, CYP2D6 e CYP1A2. Devido à multiplicidade de enzimas metabólicas capazes de metabolizar o ondansetrom, a inibição enzimática ou a diminuição da actividade de uma enzima (ex., deficiência genética de CYP2D6) é normalmente compensada por outras enzimas e não deve produzir alterações significativas ou apenas uma alteração mínima da depuração total ou das necessidades posológicas de ondansetrom. A utilização de ondansetrom com medicamentos que prolongam o intervalo QT pode causar um prolongamento adicional de QT.
Interacções: A utilização concomitante de ondansetrom com medicamentos cardiotóxicos (ex., antraciclinas) pode aumentar o risco de arritmias. - Antraciclinas
Sem efeito descrito

Temozolomida + Ondansetrom

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interacções: Com base numa análise farmacocinética da população nos ensaios de fase II, a depuração de TMZ não foi alterada pela administração concomitante de dexametasona, procloroperazina, fenitoína, carbamazepina, ondansetrom, antagonistas dos receptores H2 ou fenobarbital. - Ondansetrom
Sem efeito descrito

Topotecano + Ondansetrom

Observações: Não foram efetuados estudos de interação farmacocinética in vivo no ser humano. O topotecano não inibe as enzimas P450 humanas.
Interacções: Num estudo populacional, a administração intravenosa concomitante de granissetrom, ondansetrom, morfina ou corticosteróides não pareceu ter um efeito significativo na farmacocinética do topotecano total (formas ativa e inativa). - Ondansetrom
Sem significado Clínico

Aprepitant + Ondansetrom

Observações: O aprepitant é um substrato e um inibidor, dependente da dose e um indutor do CYP3A4. O aprepitant é também um indutor do CYP2C9. Durante o tratamento, o aprepitant na dose única de 40 mg recomendada para a náusea e vómito no pós-operatório resulta numa inibição fraca do CYP3A4. Após o tratamento, o Aprepitant causa uma indução ligeira transitória do CYP2C9, CYP3A4 e da glucuronidação. O aprepitant também foi estudado em doses superiores. Durante o tratamento da náusea e vómito induzidos pela quimioterapia (NVIQ), o aprepitant no esquema terapêutico de 3 dias de 125 mg/80 mg é um inibidor moderado do CYP3A4. O aprepitant não parece interagir com a glicoproteína-P transportadora, tal como demonstrado pela ausência de interacção entre o aprepitant por via oral com a digoxina.
Interacções: Antagonistas da 5-HT3: Nos estudos clínicos de interacção medicamentosa, o aprepitant não teve efeitos clinicamente importantes na farmacocinética do ondansetrom, do granisetron ou do hidrodolasetron (o metabolito activo do dolasetron). - Ondansetrom
Sem significado Clínico

Rolapitant + Ondansetrom

Observações: N.D.
Interacções: Ondansetron Rolapitant não revelou efeitos significativos sobre a farmacocinética de ondansetron intravenoso quando administrado concomitantemente com uma dose única de 180 mg de rolapitant no mesmo dia. - Ondansetrom
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ciclofosfamida + Ondansetrom

Observações: A coadministração planeada ou a administração sequencial de outras substâncias ou tratamentos que podem aumentar os efeitos semelhantes ou a gravidade da toxicidade (através de interacções farmacodinâmicas ou farmacocinéticas) exigem uma avaliação individual cuidada dos benefícios e dos riscos esperados. Os doentes que recebem tais combinações devem ser monitorizados cuidadosamente quanto a sinais de toxicidade para permitir uma intervenção atempada. Os doentes em tratamento com ciclofosfamida e agentes que reduzem a sua ativação devem ser monitorizados quanto a uma possível redução da eficácia terapêutica e a necessidade de um ajuste de dose.
Interacções: interacções que afetam a farmacocinética da ciclofosfamida e dos seus metabolitos - A reduzida ativação da ciclofosfamida pode alterar a eficácia do tratamento com ciclofosfamida. Ondansetron Tem sido notificado que a interacção farmacocinética entre o ondansetron e doses elevadas de ciclofosfamida resultou na diminuição da AUC da ciclofosfamida. - Ondansetrom
Usar com precaução

Panobinostate + Ondansetrom

Observações: N.D.
Interacções: interacções farmacodinâmicas esperadas: Medicamentos antieméticos com um risco conhecido de prolongamento do intervalo QT tais como dolasetrom, granissetrom, ondansetrom e tropissetrom devem ser usados com precaução. - Ondansetrom
Não recomendado/Evitar

Vandetanib + Ondansetrom

Observações: N.D.
Interacções: interacções farmacodinâmicas: Combinações não recomendadas: Os resultados de um estudo de interacção farmacodinâmica e farmacocinética indicam que a administração concomitante com ondansetrom em voluntários saudáveis parece ter pouco efeito na farmacocinética de vandetanib, mas tem um pequeno efeito aditivo de aproximadamente 10 ms, no prolongamento do intervalo QTc. Assim, não se recomenda a administração concomitante de vandetanib com ondansetrom. Se ondansetrom é administrado com vandetanib, é necessário monitorização cuidadosa dos eletrólitos séricos e ECGs e uma gestão agressiva de quaisquer anormalidades. - Ondansetrom
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tramadol + Ondansetrom

Observações: N.D.
Interacções: Ondansetrom: O efeito analgésico do tramadol é em parte mediado pela inibição da recaptação de norepinefrina e aumento da libertação de serotonina (5-HT). Em estudos realizados, a aplicação pré ou pós-operatória do antagonista antiémetico 5-HT3 ondansetron aumentou a necessidade do tramadol em doentes com dor pós-operatória. - Ondansetrom
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tramadol + Paracetamol + Ondansetrom

Observações: N.D.
Interacções: Num número limitado de estudos, a utilização do antagonista de receptores 5-HT3, o anti-emético ondansetrom, no período pré-operatório e pós-operatório, provocou uma necessidade aumentada do tramadol em doentes com dor no pós-operatório. - Ondansetrom
Sem efeito descrito

Fosaprepitant + Ondansetrom

Observações: Quando administrado por via intravenosa o fosaprepitant é rapidamente convertido em aprepitant. As interações medicamentosas decorrentes da administração de intravenosa de fosaprepitant são passíveis de ocorrer com substâncias ativas que interagem com o aprepitant administrado por via oral. A informação seguinte resultou de dados obtidos com o aprepitant por via oral e de estudos realizados com fosaprepitant por via intravenosa coadministrados com dexametasona, midazolam ou diltiazem. O fosaprepitant 150 mg, em dose única, é um inibidor fraco do CYP3A4. O fosaprepitant não parece interagir com a glicoproteína-P transportadora, tal como demonstrado pela ausência de interacção entre o aprepitant por via oral com a digoxina. Antevê-se que, quando comparado com a administração de aprepitant oral, o fosaprepitant provoque indução menor ou não superior do CYP2C9, do CYP3A4 e da glucuronidação. Não há dados sobre os efeitos no CYP2C8 e CYP2C19.
Interacções: Efeito do aprepitant na farmacocinética de outras substâncias ativas: Antagonistas da 5-HT3: Não foram realizados estudos de interacção de antagonistas da 5-HT3 e fosaprepitant 150 mg, no entanto, nos estudos clínicos de interacção, o regime oral de aprepitant não teve efeitos clinicamente importantes na farmacocinética do ondansetrom, do granisetron ou do hidrodolasetron (o metabolito activo do dolasetron). Deste modo, não há evidência de interacção com a administração de Fosaprepitant 150 mg e antagonistas da 5-HT3. - Ondansetrom
Não recomendado/Evitar

Ribociclib + Ondansetrom

Observações: n.d.
Interacções: interacções previstas Medicamentos antiarrítmicos e outros medicamentos que podem prolongar o intervalo QT: A co-administração de Ribociclib com medicamentos com potencial conhecido para prolongar o intervalo QT tais como medicamentos antiarrítmicos (incluindo, mas não limitado a, amiodarona, disopiramida, procainamida, quinidina e sotalol), e outros medicamentos que são conhecidos por prolongar o intervalo QT (incluindo, mas não limitado a, cloroquina, halofantrina, claritromicina, haloperidol, metadona, moxifloxacina, bepridil, pimozide ondansetron via intravenosa) deve ser evitada. - Ondansetrom
Usar com precaução

Rifampicina + Trimetoprim + Ondansetrom

Observações: n.d.
Interacções: interacção com a enzima citocromo P-450: levando em consideração que a rifampicina possui propriedades indutoras de certas enzimas do citocromo P-450, a administração concomitante de Rifampicina / Trimetoprim com outros medicamentos que são metabolizados por essas enzimas do citocromo P-450 pode acelerar o metabolismo e reduzir a actividade desses medicamentos. Portanto, deve ser usado com cautela quando Rifampicina / Trimetoprim é prescrito com medicamentos metabolizados pelo citocromo P-450. Para manter níveis terapêuticos adequados no sangue, a dosagem do medicamento metabolizado por essas enzimas pode exigir um ajuste da dose, tanto no início quanto no final do tratamento concomitante com Rifampicina / Trimetoprim. Exemplos de drogas metabolizadas pelas enzimas do citocromo P-450 são: anticonvulsivantes (por exemplo, fenitoína), antiarrítmicos (por exemplo, disopiramida, mexiletina, quinidina, propafenona, tocainida), estrógenos (por exemplo, tamoxifeno, toremifeno), antipsicóticos (por por exemplo, haloperidol), anticoagulantes orais (por exemplo, varfarina), antifúngicos (por exemplo, fluconazol, itraconazol, cetoconazol), medicamentos antirretrovirais (por exemplo, zidovudina, saquinavir, indinavir, efavirenz), barbitúricos, bloqueadores beta-adrenérgicos, benzodiazepínicos por exemplo, diazepam), medicamentos relacionados à benzodiazepina (por exemplo, zopiclona, zolpidem), bloqueadores dos canais de cálcio (por exemplo, diltiazem, nifedipina, verapamil), cloranfenicol, claritromicina, corticosteróides, glicosídeos cardíacos, clofibrato, contraceptivos hormonais, dapsona, doxiciclina, estrogénios, fluoroquinolonas, gestrinona, agentes hipoglicémicos orais (sulfonilureias), agentes imunossupressores (por exemplo, ciclosporina, tacrolimus), irinotecano, levotiroxina, losartan, analgésicos narcóticos, metadona, praziquantel, progestinas, quinina, riluzol, receptor antagonista seletivo de 5-HT3 (por exemplo, ondansetrona) estatinas metabolizadas pelo CYP 3A4, telitromicina, teofilina, tiazolidonas (por exemplo, rosiglitazona), antidepressivos tricíclicos (por exemplo, amitriptilina, nortriptilina). - Ondansetrom
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções do Ondansetrom
Informe o médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

A utilização de Ondansetrom durante a gravidez não é recomendada.
Se estiver grávida, especialmente durante o primeiro trimestre da gravidez, só deverá utilizar ondansetrom se o médico assistente tiver efectuado uma avaliação cuidadosa da relação entre benefício e risco.

O ondansetrom em Ondansetrom pode passar para o leite materno. Portanto, as mães medicadas com ondansetrom não devem amamentar os bebés.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 09 de Julho de 2021