Obinutuzumab

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Condução DCI/Medicamento sujeito a Monitorização Adicional
O que é
Obinutuzumab (chamado afutuzumab até 2009) é um anticorpo monoclonal humanizado, originada por Glycart Biotechnology AG e desenvolvido pela Biogen Idec, Chugai Pharmaceutical Co., e Hoffmann-La Roche Inc. para o tratamento de linfoma. Obinutuzumab atua como um imunomodulador.

Obinutuzumab pertence a um grupo de medicamentos chamados “anticorpos monoclonais”. Os anticorpos atuam ligando-se a alvos específicos no seu organismo
Usos comuns
Este medicamento é usado em conjunto com outro medicamento para o cancro chamado clorambucilo para tratar a leucemia linfocítica crónica (LLC).
A LLC é um cancro do sangue que afeta um tipo de glóbulos brancos chamado “linfócitos B”. Os linfócitos B afetados multiplicam-se demasiado depressa e vivem demasiado tempo. Isto significa que há um número exagerado destas células em circulação no seu sangue. A LLC também pode fazer com que os gânglios linfáticos aumentem de tamanho. Estes gânglios fazem parte de uma rede de vasos linfáticos que percorrem o seu organismo transportando um líquido aguado, transparente, chamado “linfa”.
Este medicamento é usado em adultos:
• que ainda não receberam nenhum tratamento, e
• que têm outros problemas de saúde que tornam improvável que tolerem uma dose completa de outro medicamento para o cancro chamado fludarabina.
Tipo
biotecnologia
História
Obinutuzumab foi aprovado sob o nome comercial Gazyva pelo FDA dos EUA em 2013, para o tratamento de leucemia linfocítica crónica em combinação com quimioterapia em pacientes virgens de tratamento. Os doentes tratados com Gazyva teve sobrevida média de 23 meses antes da morte ou progressão da doença, em comparação com 11,1 meses para pacientes em quimioterapia.
Indicações
Este medicamento em associação com clorambucilo é indicado no tratamento de doentes adultos com leucemia linfocítica crónica (LLC), não tratados previamente e com comorbilidades que tornem inadequado o tratamento baseado em fludarabina de dose total.
Classificação CFT
n.d.     n.d.
Mecanismo De Ação
Obinutuzumab é um anticorpo monoclonal anti-CD20 de Tipo II, do isotipo IgG1, recombinante, humanizado, obtido por glicoengenharia.

O obinutuzumab dirige-se especificamente à ansa extracelular do antigénio transmembranar CD20, na superfície dos linfócitos pré-B e B maduros, não malignos e malignos, mas não nas células hematopoiéticas indiferenciadas, nas pró-células B, células plasmáticas normais ou outros tecidos normais.

A glicoengenharia da porção Fc do obinutuzumab resulta numa maior afinidade para os recetores Fcɣ RIII nas células imunitárias efetoras, como as células natural killer (NK), macrófagos e monócitos, comparativamente com os anticorpos não submetidos a glicoengenharia.

Em estudos não clínicos, o obinutuzumab induz a morte celular direta e medeia a citotoxicidade celular dependente dos anticorpos (ADCC) e a fagocitose celular dependente de anticorpo (ADCP) através do recrutamento de células efetoras imunitárias Fcɣ RIII positivas.

Além disso, in vivo, o obinutuzumab medeia, em pequena extensão, a citoxicidade dependente do complemento (CDC).

Comparativamente com anticorpos de tipo I, o obinutuzumab, um anticorpo de tipo II, caracteriza-se pelo aumento da indução da morte celular direta com uma redução concomitante da CDC a uma dose equivalente. O obinituzumab, como anticorpo obtido por glicoengenharia, caracteriza-se pelo aumento da ADCC comparativamente a anticorpos não obtidos por glicoengenharia a uma dose equivalente.

Em modelos animais, o obinutuzumab medeia uma potente depleção de células B e eficácia antitumoral.

No ensaio clínico principal, BO21004/CLL11, 91% (40 em 44) dos doentes avaliáveis, tratados com este medicamento, encontravam-se em depleção de células B (definida como contagem de células B CD19+ <0,07x109/l) no final do período de tratamento e permaneceram em depleção durante os primeiros 6 meses de seguimento.

Observou-se a recuperação de células B em 12-18 meses de seguimento em 35% (14 em 40) dos doentes sem progressão da doença e em 13% (5 em 40) dos doentes com doença progressiva
Posologia Orientativa
Vai receber 6 ciclos de tratamento deste medicamento.
Cada ciclo tem a duração de 28 dias.
No Dia 1 do primeiro ciclo, receberá 100 mg deste medicamento, muito lentamente, e o seu médico vai vigiá-lo atentamente.
Se não tiver nenhuma reação durante a perfusão, vai poder receber o resto da sua primeira dose (900 mg) no mesmo dia.
No entanto, se tiver alguma reação vai receber o resto da primeira dose no Dia 2. Apresenta-se de seguida o esquema habitual.

O seu primeiro ciclo:
• Dia 1 – 100 mg
• Dia 2 ou Dia 1 (continuado) – 900 mg
• Dia 8 – 1000 mg
• Dia 15 – 1000 mg
Os seus ciclos seguintes 2, 3, 4, 5 e 6:
• Dia 1 – 1000 mg.
Administração
Via intravenosa.
Deve ser administrado como uma perfusão intravenosa através de um sistema de perfusão individualizado após diluição.
As perfusões de não devem ser administradas como injeção intravenosa rápida ou bólus.
Contraindicações
Hipersensibilidade ao Obinutuzumab.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Reações à perfusão (muito frequentes – que podem afetar mais de 1 em 10 pessoas):
se desenvolver algum destes sintomas nas 24 horas seguintes à perfusão, informe imediatamente o seu médico ou enfermeiro:
Mais frequentemente notificados:
• dores de cabeça
• fe bre, rubor ou arrepios
• enjoo, vómitos
• falta de ar
• tensão arterial alta ou baixa
• batimentos cardíacos muito rápidos
• diarreia.
Menos frequentemente notificados:
• sibilos, dificuldade respiratória, aperto no peito ou irritação na garganta
• inchaço da garganta e vias respiratórias
• batimento cardíaco irregular.
Se desenvolver algum dos sintomas atrás referidos, informe imediatamente o seu médico ou enfermeiro.
Leucoencefalopatia multifocal progressiva (LMP)
A leucoencefalopatia multifocal progressiva (LMP) é uma infeção cerebral muito rara e que coloca a vida em risco, que foi notificada com este medicamento.
Informe imediatamente o seu médico ou enfermeiro se tiver
• perda de memória
• dificuldade em comunicar
• dificuldade em andar
• perda da visão
Se já tiver algum destes sintomas antes do tratamento com este medicamento, informe imediatamente o seu médico se sentir alguma alteração nesses sintomas. Pode precisar de tratamento médico.
Infeções
Pode apanhar infeções mais facilmente depois do tratamento com este medicamento.
Muitas vezes trata-se de constipações, mas foram registados casos de infeções mais graves. Registou-se o reaparecimento da hepatite B, uma doença de fígado, em doentes que tinham tido hepatite B anteriormente.
Informe imediatamente o seu médico se tiver algum sintoma de infeção após o tratamento com este medicamento, como por exemplo
• febre
• tosse
• dores de garganta
• ardor ao urinar
• sensação de fraqueza ou de mal estar geral.
Outros efeitos secundários incluem:
Muito frequentes (que podem afetar mais de 1 em 10 pessoas)
• febre
• diarreia
• nas análises de sangue:
• níveis baixos de neutrófilos (um tipo de glóbulos brancos)
• níveis baixos de plaquetas (um tipo de célula sanguínea que ajuda o seu sangue a coagular)
• anemia (níveis baixos de glóbulos vermelhos)
Frequentes (podem afetar mais de 1 em 10 pessoas)
• infeção do aparelho urinário
• feridas
• corrimento nasal
• inflamação do nariz e/ou garganta
• tosse
• dor articular ou nas costas
• dor muscular e dor óssea no peito
• aumento de peso
• ritmo cardíaco irregular (fibrilhação auricular)
• queda de cabelo
• cancro da pele (carcinoma espinhocelular)
• prisão de ventre
• nas análises de sangue:
• níveis baixos de linfócitos (um tipo de glóbulo branco)
• níveis baixos de todos os tipos de glóbulos brancos (combinados)
• aumento do potássio, fosfato ou ácido úrico – que podem causar problemas de rins (associados à síndrome de lise tumoral)
Advertências
Gravidez
Gravidez:Não administrar durante a gravidez
Aleitamento
Aleitamento:Não amamente durante o tratamento com este medicamento e durante os 18 meses seguintes ao seu último tratamento.
Conducao
Conducao:Os doentes que sofram sintomas relacionados com a perfusão devem ser aconselhados a não conduzir até ao desaparecimento dos sintoma.
Precauções Gerais
Fale com o seu médico ou enfermeiro antes do tratamento com este medicamento se:
• tem ou teve no passado, uma infeção prolongada ou repetida
• já alguma vez tomou medicamentos com efeito no seu sistema imunitário (como quimioterapia ou imunossupressores)
• se está a fazer tratamento para a tensão arterial elevada ou medicamentos para tornar o sangue mais líquido – o seu médico pode ter que alterar a forma como os toma
• alguma vez teve uma doença de coração
• alguma vez teve problemas neurológicos (perda da memória, dificuldades de movimento ou sensoriais, problemas de visão)
• alguma vez teve problemas respiratórios ou pulmonares
• já teve uma doença do fígado chamada hepatite B
• tem uma vacina em atraso ou pode precisar de ser vacinado num futuro próximo.

Reações à perfusão
As reações à perfusão podem ocorrer durante a perfusão ou em qualquer altura nas 24 horas seguintes à perfusão.
Se desenvolver reações à perfusão, pode precisar de tratamento adicional ou a perfusão pode ter que ser abrandada ou parada. A infusão poderá prosseguir depois dos sintomas se resolverem ou abrandarem. É menos provável que estas reações ocorram durante a segunda perfusão e seguintes. O seu médico pode decidir não continuar o tratamento com este medicamento se tiver uma reação à perfusão muito intensa.
Antes de cada perfusão deste medicamento, vai receber medicação que ajuda a diminuir possíveis reações à perfusão ou uma complicação que potencialmente coloca a vida em risco, conhecida por síndrome de lise tumoral, que é causada por alterações químicas no sangue resultantes da degradação das células cancerosas que foram destruídas.

Leucoencefalopatia multifocal progressiva (LMP)
A leucoencefalopatia multifocal progressiva (LMP) é uma infeção cerebral muito rara e potencialmente fatal que foi comunicada com este medicamento.

Informe imediatamente o seu médico ou enfermeiro se tiver perda de memória, dificuldade em comunicar, dificuldade em andar ou se perder a visão. Se já tinha algum destes sintomas antes do tratamento com este medicamento, informe imediatamente o seu médico se sentir alguma alteração nesses sintomas. Pode precisar de tratamento médico.

Este medicamento não deve ser dado a crianças ou jovens com idad e inferior a 18 anos, porque não existe informação sobre o uso nestes grupos etários



De modo a melhorar a rastreabilidade dos medicamentos biológicos, o nome comercial do produto administrado deve ser claramente registado (ou mencionado) no processo do doente.
Cuidados com a Dieta
Como é administrado por via intravenosa (numa veia), não são necessárias restrições relativas à comida ou bebidas
Terapêutica Interrompida
Para que o tratamento contra o cancro seja completamente eficaz é muito importante que cumpra o esquema de administração. Desta forma, se falhar um tratamento remarque-o logo que possível.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Conservar no frigorífico (2°C-8°C).
Não congelar.
Manter o frasco para injetáveis dentro da embalagem exterior para proteger da luz.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Obinutuzumab + Vacinas vivas

Observações: Não foram realizados estudos de interação. Interações farmacocinéticas: Obinutuzumab não é um substrato, inibidor ou indutor do citocromo P450 (CYP450), das enzimas uridina difosfato glucuroniltransferase (UGT) e de transportadores como a glicoproteína P. Por conseguinte, não se espera a ocorrência de interação farmacocinética com medicamentos que se sabe serem metabolizados por estes sistemas enzimáticos.
Interações: Não se recomenda a vacinação com vacinas com agente viral vivo durante o tratamento e até à recuperação das células B devido ao efeito imunossupressor do obinutuzumab.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Obinutuzumab + Clorambucilo

Observações: Não foram realizados estudos de interação. Interações farmacocinéticas: Obinutuzumab não é um substrato, inibidor ou indutor do citocromo P450 (CYP450), das enzimas uridina difosfato glucuroniltransferase (UGT) e de transportadores como a glicoproteína P. Por conseguinte, não se espera a ocorrência de interação farmacocinética com medicamentos que se sabe serem metabolizados por estes sistemas enzimáticos.
Interações: A associação de obinutuzumab com clorambucilo pode aumentar a neutropenia.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico
Informe o seu médico ou enfermeiro se estiver a tomar, tiver tomado recentemente ou se vier a tomar algum outro medicamento. Isto inclui os medicamentos à base de plantas e outros que pode obter sem receita médica.

Se puder engravidar, tem de usar um método contracetivo fiável durante o tratamento com este medicamento e durante os 18 meses seguintes ao seu último tratamento.

Tem de informar o seu médico ou enfermeiro se estiver grávida, se pensa que está grávida ou se tenciona engravidar. O seu médico vai ponderar os benefícios para si com os riscos para o seu bebé, de tomar este medicamento durante a gravidez.

Se engravidar durante o tratamento com este medicamento, informe o seu médico ou enfermeiro logo que possível, uma vez queo tratamento com este medicamento pode ter implicações na su a saúde e na do seu bebé.

Não amamente durante o tratamento com este medicamento e durante os 18 meses seguintes ao seu último tratamento.

Os doentes que sofram sintomas relacionados com a perfusão devem ser aconselhados a não conduzir nem utilizar máquinas até ao desaparecimento dos sintoma.

Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017