Nortriptilina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Condução DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica) DCI/Medicamento Psicofármaco
O que é
Cloridrato de Nortriptilina é um medicamento antidepressivo tricíclico que Inibe a ação dos neurotransmissores Histamina, Serotonina e Acetilcolina.

Aumenta o efeito vasoconstritor da Noradrenalina, mas bloqueia a resposta vasoconstritora da Feniletilamina.

Estudos sugerem que a Nortriptilina interfere no transporte, na liberação e no armazenamento das Catecolaminas.

Nortriptilina é o principal metabólico da amitriptilina.
Usos comuns
Nortriptilina é usado para tratar a depressão.

Pensa-se que atuam aumentando a actividade de serotonina no cérebro.

Nortriptilina é um antidepressivo tricíclico.

Nortriptilina só está disponível com prescrição médica.
Tipo
pequena molécula
História
Sem informação.
Indicações
Depressão, especialmente quando a inibição, a apatia e a falta de iniciativa, são sintomas da doença, nomeadamente: depressões endógenas de tipo unipolar ou bipolar; depressões catagénicas; depressões da menopausa e depressões mascaradas.

O Nortriptilina também se mostrou eficaz em casos de disforia, depressões alcoólicas, depressões reacionais e neuroses depressivas.
Classificação CFT
02.09.03     Antidepressores
Mecanismo De Ação
Os antidepressivos tricíclicos inibem o mecanismo da membrana bombeadora responsável pela captação da noradrenalina e serotonina para os neurónios adrenérgicos e serotoninérgicos.

Acredita-se que esta interferência com os mecanismos de captação, esteja subjacente à acção dos antidepressivos.

A nortriptilina é o metabolito principal da amitriptilina.

Enquanto que a amitriptilina bloqueia a captação da serotonina e noradrenalina nas terminações nervosas pré-sinápticas de um modo equitativo, a nortriptilina é um inibidor mais potente da captação da noradrenalina do que da serotonina.


As propriedades anticolinérgicas e sedativas são menos pronunciadas que as da amitriptilina, enquanto que, por outro lado, as propriedades de estimulação central são mais acentuadas.

A actividade antihistaminérgica é superior à da difenidramina e tal como outros tricíclicos, a nortriptilina potencia o efeito das catecolaminas.
Posologia Orientativa
Utilização em crianças e adolescentes com idade inferior a 18 anos:
Não deve ser administrado para o tratamento de depressão em crianças e adolescentes com idade inferior a 18 anos.


Adultos (idade superior a 18 anos):
O tratamento inicia-se com um comprimido de 50 mg/dia administrado de manhã ou um comprimido de 25 mg, duas a três vezes por dia, aumentando-se gradualmente a dose, se necessário, de 25 em 25 mg ou de 50 em 50 mg até se atingir a dosagem de 100-150 mg/diários, ou seja; 50 mg 2 ou 3 vezes diariamente (a determinar pelo médico).


Em casos raros, o médico poderá aumentar a dose até 200 mg/dia.


Idosos (> 60 anos):
Começa-se com doses de 25 mg numa toma única de manhã, aumentando-se gradualmente até 150 mg diários, se o seu médico achar necessário.


As melhorias surgem normalmente ao fim de 15 dias de tratamento.

Se o médico achar conveniente, poderá reduzir-lhe a dose de modo a manter o controlo dos sintomas.
Administração
Os comprimidos revestidos devem ser engolidos, sem mastigar, com um copo cheio de água e de preferência durante as refeições.
Contraindicações
- Hipersensibilidade à nortriptilina;

- Fase de recuperação imediatamente após o enfarte do miocárdio;

- Defeitos na condução cardíaca;

- Intoxicação opiácea, barbitúrica e alcoólica aguda;

- Não deve ser administrado concomitantemente, ou no espaço de duas semanas após a cessação do tratamento, com os I.M.A.O.


- Há registos de crises hiperpiréticas, convulsões e mortes nos casos em que os antidepressivos tricíclicos foram usados nestas associações.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Nortriptilina é geralmente bem tolerado.

No entanto, no início do tratamento podem ocorrer os seguintes efeitos indesejáveis que são de natureza ligeira e transitória, sendo os mais frequentes: secura da boca, alterações intestinais, visão desfocada, dores de cabeça, tremores e fadiga.


Em casos raros ou com doses elevadas podem surgir ocasionalmente, baixa de tensão arterial ao levantar da posição deitada, retenção urinária, transpiração, alterações da capacidade sexual, alterações do ritmo cardíaco, convulsões, delírio, paragem intestinal e icterícia.

Se verificar algum destes efeitos graves deve imediatamente deixar de tomar o medicamento e contactar o seu médico.


Foi observado um risco aumentado de fracturas ósseas em doentes a tomar este tipo de medicamento.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Ver Antidepressores tricíclicos. Evidência fetal em animais, mas a necessidade pode justificar o risco. Trimestre: 1º
Aleitamento
Aleitamento:Ver Antidepressores (tricíclicos e afins).
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Ver Antidepressores.
Conducao
Conducao:Altera a capacidade de condução.
Precauções Gerais
População pediátrica:
Utilização em crianças e adolescentes com idade inferior a 18 anos:
Nortriptilina não deve ser administrada para o tratamento da depressão em crianças e adolescentes com idade inferior a 18 anos.

Não foi demonstrada eficácia dos antidepressivos tricíclicos em estudos com doentes deste grupo etário com depressão.


Os estudos com outros grupos de antidepressivos, nomeadamente os Inibidores Selectivos da Recaptação da Serotonina, demostraram que estes medicamentos estavam relacionados com ideação suicida, auto-agressividade e hostilidadade.

O risco de ocorrência destas reacções não pode ser excluído para a Nortriptilina.


Adicionalmente, Nortriptilina está associada ao risco de eventos adversos cardiovasculares em todos os grupos etários.


Para além do exposto, não existem ainda disponíveis dados de segurança de utilização a longo prazo em crianças e adolescentes no que concerne ao crescimento, maturação e desenvolvimento cognitivo e comportamental.


Há registos de que os antidepressivos tricíclicos, particularmente quando administrados em doses elevadas podem dar origem a arritmias, taquicardia sinusal e ao prolongamento do tempo de condução.

Há necessidade de se instituir uma vigilância clínica rigorosa quando se administram tricíclicos a doentes hipertiroideus ou doentes que recebem tratamento para a tiróide, dado que se pode desenvolver uma arritmia cardíaca.


Doentes com antecedentes epilépticos devem ser observados cuidadosamente no início do tratamento, uma vez que os antidepressivos tricíclicos podem diminuir o limiar convulsivo.


Os diabéticos devem ser observados cuidadosamente no início do tratamento, dado haver registos tanto de aumento como de diminuição dos níveis de glucose no sangue.


Devido ao efeito anti-muscarínico dos antidepressivos tricíclicos, o fármaco deve ser usado com precaução em doentes com história de retenção urinária.

Em doentes com a rara condição de câmara anterior do olho, rasa, e ângulo de câmara reduzido, podem suceder crises agudas de glaucoma devido à dilatação da pupila.


A depressão está associada ao aumento do risco de ideação suicida auto-agressividade e suicídio (pensamentos/comportamentos relacionados com o suicídio).

O risco prevalece até que ocorra remissão significativa dos sintomas.

Como durante as primeiras semanas ou mais de tratamento pode não se verificar qualquer melhoria, os doentes deverão ter uma vigilância mais rigorosa até que essa melhoria ocorra.

De acordo com a prática clínica, em geral o risco de suicídio pode aumentar nas fases inicias da recuperação.


Outros distúrbios psiquiátricos para os quais Nortriptilina é prescrito podem estar associados ao aumento do risco de ideação/comportamentos relacionados com o suicídio.

Adicionalmente, estas situações podem ser co-mórbidas com os distúrbios depressivos major.

Consequentemente, no tratamento de doentes com outros distúrbios psiquiátricos deverão ser tomadas as mesmas precauções que aquando da terapêutica de doentes com distúrbios depressivos major.


Os doentes com história de pensamento/comportamentos relacionados com o suicídio, que apresentem um grau significativo destes sintomas antes do inicio do tratamento, apresentam também um maior risco de ideação suicida ou de tentativa de suicídio, devendo por este motivo ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento.

Uma meta-análise de estudos clínicos controlados com placebo em adultos com distúrbios psiquiátricos demonstrou um aumento do risco de comportamentos relacionados com o suicídio em doentes com menos de 25 anos a tomar antidepressivos aos doentes a tomar placebo.

A terapêutica medicamentosa deverá ser acompanhada de uma monitorização rigorosa em particular nos doentes de menor risco especialmente na fase inicial do tratamento ou na sequência de alterações posológicas.


Os doentes, e os prestadores de cuidados de saúde, devem ser alertados para a necessidade de monitorização relativamente a qualquer agravamento da sua situação clínica, pensamentos/comportamentos relacionados com o suicídio e para procurar assistência médica imediatamente caso estes ocorram.


Após a administração prolongada, a interrupção abrupta do tratamento pode originar náusea, dores de cabeça e mal-estar, não sendo, no entanto, indicadores de habituação.
Cuidados com a Dieta
A Nortriptilina pode também potenciar o efeito sedativo do álcool.

Tomar os comprimidos de preferência durante as refeições.
Terapêutica Interrompida
Se se esquecer de tomar uma dose, poderá tomá-la se o esquecimento for de uma ou duas horas; se tiver passado mais tempo, salte a dose esquecida e continue a tomar a dose normal na próxima toma.

Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Não conservar acima de 25º C.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Fluconazol + Nortriptilina

Observações: O fluconazol é um potente inibidor do citocromo P450 (CYP) isoenzima 2C9 e um inibidor moderado do CYP3A4. O fluconazol é também um inibidor da isoenzima CYP2C19. Adicionalmente às interações observadas/documentadas abaixo indicadas, existe um risco de aumento da concentração plasmática de outros compostos metabolizados pelo CYP2C9 e CYP3A4 coadministrados com fluconazol. Deste modo, deve-se ter precaução quando se utilizam estas associações e os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados. O efeito inibidor da enzima pelo fluconazol persiste 4-5 dias após a descontinuação do tratamento com fluconazol devido à sua longa semivida.
Interações: A utilização concomitante dos seguintes fámacos leva a precauções e ajustes de dose: O efeito de fluconazol noutros fármacos: Amitriptilina, nortriptilina: O fluconazol aumenta o efeito da amitriptilina e nortriptilina. A 5-nortriptilina e/ou S-amitriptilina podem ser medidas no início da terapêutica combinada e após uma semana. Se necessário, devem ajustar-se as doses de amitriptilina/nortriptilina.

Ritonavir + Nortriptilina

Observações: n.d.
Interações: Efeitos do Ritonavir nos Medicamentos Não Antirretrovirais Coadministrados: Antidepressivos: Amitriptilina, fluoxetina, imipramina, nortriptilina, paroxetina, sertralina: É possível que ritonavir administrado como medicamento antirretroviraliniba a CYP2D6, pelo que se prevê que aumente as concentrações de desipramina, imipramina, amitriptilina, nortriptilina, fluoxetina, paroxetina ou sertralina. Recomenda-se monitorização cuidadosa dos efeitos terapêuticos e efeitos adversos quando estes medicamentos são administrados concomitantemente com doses antirretroviraisde ritonavir.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Dextrometorfano + Quinidina + Nortriptilina

Observações: N.D.
Interações: A quinidina é um inibidor potente da CYP2D6. Por conseguinte, o tratamento com este medicamento poderá resultar em níveis plasmáticos elevados e na acumulação de medicamentos administrados de forma concomitante que são sujeitos a um metabolismo exaustivo pela CYP2D6. Os substratos da CYP2D6 incluem determinados bloqueadores beta, como metoprolol, antipsicóticos como haloperidol, perfenazina e aripiprazol, antidepressivos como nortriptilina, imipramina, amitriptilina e desipramina, o tamoxifeno quimioterapêutico e a atomoxetina, um inibidor da transportador da noradrenalina.

Nortriptilina + Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)

Observações: N.d.
Interações: A nortriptilina não deverá ser dada concomitantemente com, ou no espaço de duas semanas após a cessação dos inibidores das monoaminoxidases. Crises hiperpiréticas convulsões e morte têm ocorrido quando os antidepressivos tricíclicos foram usados nestas associações.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nortriptilina + Álcool

Observações: N.d.
Interações: Os antidepressivos tricíclicos podem potenciar o efeito sedativo do álcool e os efeitos de barbitúricos e outros depressivos do S.N.C.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nortriptilina + Barbitúricos

Observações: N.d.
Interações: Os antidepressivos tricíclicos podem potenciar o efeito sedativo do álcool e os efeitos de barbitúricos e outros depressivos do S.N.C. Os barbitúricos e outros indutores enzimáticos tais como os antiepiléticos, aumentam o metabolismo dos antidepressivos tricíclicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nortriptilina + Depressores do SNC

Observações: N.d.
Interações: Os antidepressivos tricíclicos podem potenciar o efeito sedativo do álcool e os efeitos de barbitúricos e outros depressivos do S.N.C.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nortriptilina + Betanidina

Observações: N.d.
Interações: O efeito antihipertensivo da betanidina, clonidina, debrisoquina e guanina pode ser reduzido.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nortriptilina + Clonidina

Observações: N.d.
Interações: O efeito antihipertensivo da betanidina, clonidina, debrisoquina e guanina pode ser reduzido.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nortriptilina + Debrisoquina

Observações: N.d.
Interações: O efeito antihipertensivo da betanidina, clonidina, debrisoquina e guanina pode ser reduzido.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nortriptilina + Guanina

Observações: N.d.
Interações: O efeito antihipertensivo da betanidina, clonidina, debrisoquina e guanina pode ser reduzido.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nortriptilina + Levodopa

Observações: N.d.
Interações: O efeito da levodopa pode ser reduzido e o risco de arritmias agravado.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nortriptilina + Antiepilépticos (AEs)

Observações: N.d.
Interações: Os barbitúricos e outros indutores enzimáticos tais como os antiepiléticos, aumentam o metabolismo dos antidepressivos tricíclicos.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nortriptilina + Cimetidina

Observações: N.d.
Interações: A cimetidina e o metilfenilato reduzem o metabolismo dos antidepressivos tricíclicos.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nortriptilina + Metilfenidato

Observações: N.d.
Interações: A cimetidina e o metilfenilato reduzem o metabolismo dos antidepressivos tricíclicos.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Nortriptilina + Neurolépticos

Observações: N.d.
Interações: Os antidepressivos tricíclicos e os neurolépticos inibem mutuamente o metabolismo um do outro.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nortriptilina + Anestésicos gerais

Observações: N.d.
Interações: Os anestésicos gerais, dados durante a terapêutica com os antidepressivos triciclícos podem aumentar o risco de arritmias e hipotensão.

Nortriptilina + Anestésicos locais

Observações: N.d.
Interações: É recomendado, quando possível, que os antidepressivos triciclícos sejam suprimidos alguns dias antes de uma intervenção cirúrgica. Os anestésicos locais contendo vasoconstritores devem ser usados com muita precaução.

Nortriptilina + Vasoconstritores

Observações: N.d.
Interações: É recomendado, quando possível, que os antidepressivos triciclícos sejam suprimidos alguns dias antes de uma intervenção cirúrgica. Os anestésicos locais contendo vasoconstritores devem ser usados com muita precaução.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nortriptilina + Adrenalina

Observações: N.d.
Interações: Os efeitos dos agentes simpaticomiméticos de acção directa como a adrenalina, a noradrenalina, e a isoprenalina, são acentuados.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nortriptilina + Noradrenalina

Observações: N.d.
Interações: Os efeitos dos agentes simpaticomiméticos de acção directa como a adrenalina, a noradrenalina, e a isoprenalina, são acentuados.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nortriptilina + Isoprenalina

Observações: N.d.
Interações: Os efeitos dos agentes simpaticomiméticos de acção directa como a adrenalina, a noradrenalina, e a isoprenalina, são acentuados.

Escitalopram + Nortriptilina

Observações: N.D.
Interações: Efeito do escitalopram na farmacocinética de outros medicamentos: Escitalopram é um inibidor da enzima CYP2D6. Recomenda-se precaução durante a administração concomitante de escitalopram com medicamentos que são metabolizados principalmente por esta enzima e que têm um índice terapêutico estreito, p.ex., flecaínida, propafenona e metoprolol (quando utilizados na insuficiência cardíaca) ou com alguns medicamentos com acção sobre o SNC que são metabolizados principalmente pela CYP2D6, p.ex., antidepressores como a desipramina, clomipramina e nortriptilina ou antipsicóticos como a risperidona, tioridazina e haloperidol. Poderão ser necessários ajustes posológicos. A administração concomitante com desipramina ou metoprolol resultou em ambos os casos na duplicação dos níveis plasmáticos destes dois substratos da CYP2D6. Estudos in vitro demonstraram que o escitalopram pode também causar uma inibição fraca da CYP2C19. Recomenda-se precaução com a utilização concomitante de medicamentos que são metabolizados pela CYP2C19.

Darunavir + Cobicistate + Nortriptilina

Observações: Não foram realizados estudos de interação farmacológica com Darunavir / Cobicistate. Uma vez que Darunavir / Cobicistate contém darunavir e cobicistate, as interações que foram identificadas com darunavir (em associação uma dose baixa de ritonavir) e com cobicistate determinam as interações que podem ocorrer com Darunavir / Cobicistate. Os ensaios de interação com darunavir/ritonavir e com cobicistate apenas foram realizados em adultos.
Interações: ANTIDEPRESSIVOS: Amitriptilina, Desipramina, Imipramina, Nortriptilina, Trazodona: Tendo por base considerações teóricas, é expectável que Darunavir / Cobicistate aumente as concentrações plasmáticas destes antidepressivos. (inibição do CYP2D6 e/ou CYP3A) Recomenda-se monitorização clínica e pode ser necessário ajuste de dose do antidepressivo caso estes antidepressivos sejam utilizados com Darunavir / Cobicistate.

Paroxetina + Nortriptilina

Observações: n.d.
Interações: Potência inibitória da paroxetina sobre o CYP2D6: Tal como com outros antidepressivos, incluindo outros ISRS, a paroxetina inibe a enzima CYP2D6 do citocromo P450 hepático. A inibição da CYP2D6 pode provocar o aumento das concentrações plasmáticas de fármacos metabolizados por esta enzima administrados concomitantemente. Estes incluem alguns antidepressivos tricíclicos (por exemplo: clomipramina, nortriptilina e desipramina), neurolépticos do grupo da fenotiazina (por exemplo: perfenazina e tioridazina), risperidona, alguns antiarrítmicos Tipo 1c (por exemplo: propafenona e flecainida) e metoprolol. Não se recomenda a utilização de paroxetina em combinação com metoprolol quando usado na insuficiência cardíaca, devido à estreita margem terapêutica do metoprolol nesta indicação.

Fosamprenavir + Nortriptilina

Observações: N.D.
Interações: Desipramina e Nortriptilina: Recomenda-se uma monitorização apertada dos efeitos terapêuticos e dos efeitos adversos dos antidepressivos tricíclicos.

Cinacalcet + Nortriptilina

Observações: Cinacalcet é metabolizado em parte pela enzima CYP3A4. Dados in vitro indicam que o cinacalcet é em parte metabolizado pela CYP1A2. Cinacalcet é um potente inibidor da CYP2D6.
Interações: Podem ser necessários ajustes de doses de medicações concomitantes quando Cinacalcet é administrado com medicamentos com janela terapêutica estreita, ajustados individualmente, que são predominantemente metabolisados pela CYP2D6 (ex. flecainida, propafenona, metoprolol, desipramina, nortriptilina, clomipramina).
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nimodipina + Nortriptilina

Observações: N.D.
Interações: Fármacos que afetam a nimodipina: Nortriptilina: A administração concomitante, no estado de equilíbrio, de nimodipina e nortriptilina resulta numa ligeira diminuição da exposição à nimodipina sem que sejam afetadas as concentrações plasmáticas de nortriptilina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Eliglustato + Nortriptilina

Observações: N.D.
Interações: Substratos da CYP2D6: Após uma dose única de 50 mg de metoprolol, um substrato da CYP2D6, a administração concomitante de doses repetidas de 127 mg de eliglustato duas vezes por dia resultou num aumento de 1,5 e 2,1 vezes da Cmax e da AUC do metoprolol, respetivamente. Podem ser necessárias doses inferiores de medicamentos que são substratos da CYP2D6. Estes incluem determinados antidepressivos (antidepressivos tricíclicos, p.ex. nortriptilina, amitriptilina, imipramina e desipramina, fenotiazinas, dextrometorfano e atomoxetina).

Furazolidona + Nortriptilina

Observações: N.D.
Interações: Não se recomenda a utilização de furazolidona com qualquer um dos seguintes medicamentos. - Amitriptilina - Apraclonidina - Atomoxetina - Benzefetamina - Brimonidina - Bupropiona - Carbamazepina - Carbidopa - Carbinoxamina - Citalopram - Clomipramina - Ciclobenzaprina - Cipro-heptadina - Desipramina - Desvenlafaxina - Dexmetilfenidato - Dextroanfetamina - Anfepramona (Dietilpropiona) - Doxilamina - Entacapona - Escitalopram - Femoxetina - Fluoxetina - Fluvoxamina - Guanedrel - Guanetidina - Hidroxitriptofano - Imipramina - Isocarboxazida - Levodopa - Levacetilmetadol - Levomilnacipran - Maprotilina - Mazindol - Metadona - Metanfetamina - Metildopa - Metilfenidato - Milnaciprano - Mirtazapina - Nefazodona - Nefopam - Nortriptilina - Opipramol - Paroxetina - Fendimetrazina - Fenmetrazina - Fentermina - Fenilalanina - Pseudoefedrina - Reserpina - Safinamida - Selegilina - Sertralina - Sibutramina - Sumatriptano - Tapentadol - Tetrabenazina - Tranilcipromina - Trazodona - Trimipramina - Triptofano - Venlafaxina - Vilazodona - Vortioxetina - Zimeldina

Duloxetina + Nortriptilina

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da duloxetina sobre outros medicamentos: Medicamentos metabolizados pelo CYP2D6: A duloxetina é um inibidor moderado do CYP2D6. Quando se administrou uma dose de 60 mg de duloxetina duas vezes por dia com uma dose única de desipramina, um substrato do CYP2D6, a AUC da desipramina aumentou 3 vezes. A coadministração de duloxetina (40 mg duas vezes por dia) aumentou em 71%, a AUC no estado estacionário da tolterodina (2 mg duas vezes por dia), mas não afetou a farmacocinética do seu metabolito ativo 5-hidroxil, não sendo por isso necessário ajuste posológico. Recomenda-se precaução nos casos em que se verifique a administração concomitante de Duloxetina com medicamentos predominantemente metabolizados pelo CYP2D6 (risperidona e antidepressivos tricíclicos, tais como, a nortriptilina, amitriptilina e imipramina), particularmente se tiverem uma estreita margem terapêutica (tais como a flecainida, a propafenona e o metoprolol).

Darunavir + Cobicistate + Emtricitabina + Tenofovir alafenamida + Nortriptilina

Observações: Não foram realizados estudos de interação farmacológica com este medicamento. As interações que foram identificadas em estudos com componentes individuais de este medicamento, isto é, com darunavir (em associação uma dose baixa de ritonavir), cobicistate, emtricitabina ou tenofovir alafenamida, determinam as interações que podem ocorrer com este medicamento. As interações esperadas entre Darunavir + Cobicistate + Emtricitabina + Tenofovir alafenamida e potenciais medicamentos concomitantes são baseadas em estudos realizados com os componentes deste medicamento, como agentes individuais ou em associação, ou são interações medicamentosas potenciais que podem ocorrer. Os ensaios de interação com os componentes de este medicamento foram realizados apenas em adultos.
Interações: ANTIDEPRESSIVOS Amitriptilina Desipramina Imipramina Nortriptilina Trazodona Tendo por base considerações teóricas, é expectável que DRV/COBI aumente as concentrações plasmáticas destes antidepressivos. (inibição do CYP2D6 e/ou CYP3A) Recomenda-se monitorização clínica e pode ser necessário ajuste de dose do antidepressivo, caso estes antidepressivos sejam utilizados com este medicamento.

Darunavir + Nortriptilina

Observações: O perfil de interação do darunavir pode variar dependendo se é utilizado o ritonavir ou o cobicistate como fármacos potenciadores. As recomendações dadas para a utilização concomitante de darunavir e outros medicamentos podem por isso variar dependendo se darunavir é potenciado com ritonavir ou com cobicistate, e é também necessária precaução durante o primeiro tempo de tratamento, se se substituir o fármaco potenciador de ritonavir para cobicistate.
Interações: ANTIDEPRESSIVOS: Amitriptilina, Desipramina, Imipramina, Nortriptilina, Trazodona: A utilização concomitante de Darunavir potenciado, com estes antidepressivos pode aumentar as concentrações do antidepressivo. (inibição CYP2D6 e/ou da CYP3A). Recomenda-se monitorização clínica e pode ser necessário ajuste de dose do antidepressivo caso estes antidepressivos sejam utilizados com Darunavir potenciado.

Amprenavir + Nortriptilina

Observações: Foram realizados estudos de interacção com amprenavir como único inibidor da protease.
Interações: Poderá interagir com Amprenavir, quando administrados concomitantemente. Não se conhece, nem foi investigado, o significado clínico destas possíveis interações. Portanto, os doentes devem ser monitorizados relativamente a reacções tóxicas associadas a estes medicamentos, quando os mesmos forem administrados em associação com Amprenavir. Recomenda-se monitorização cuidadosa dos efeitos terapêuticos e reacções adversas dos antidepressivos tricíclicos (por ex. desipramina e nortriptilina) quando administrados concomitantemente com Amprenavir.
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.


Não deve ser administrado durante a gravidez a não ser por expressa indicação do médico.


Salvo indicação médica em contrário, se engravidar durante o tratamento, deve reduzir gradualmente a dosagem até suspender o tratamento.

Em qualquer dos casos, o medicamento deve ser totalmente suspenso até 14 dias antes do dia calculado para o parto.



A administração deste medicamento em doentes cardiovasculares, doentes com hipertiroidismo (alteração da tiróide), doentes com história de retenção urinária, doentes epilépticos, requer uma rigorosa vigilância por parte do seu médico.

Se sofrer de alguma destas patologias lembre-se de informar o seu médico porque pode
ser necessário ajustar-se a dose.



Os doentes tratados com este medicamento devem ter precaução ao conduzir veículos e ao utilizar máquinas, pelo facto de este medicamento lhes poder diminuir a capacidade de reacção.

Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017