Norfloxacina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
Norfloxacina é um antibiótico da classe das fluoroquinolonas sintéticas (fluoroquinolonas de 2ª geração) com amplo espectro de actividade antibacteriana contra a maioria das bactérias gram-negativas e gram-positivas usado para infeções do trato urinário.
Usos comuns
A Norfloxacina está indicada no tratamento das seguintes situações:
- Infeções urinárias.
- Inflamação no estômago e intestinos, denominada gastroenterite, causada por certos tipos de bactérias.
- Gonorreia.
- Febre tifoide.

A Norfloxacina está ainda indicada para prevenir alguma infeção que possa ocorrer quando:
- existe um baixo número de glóbulos brancos no sangue, aumentando a suscetibilidade a infeções causadas por bactérias que normalmente se encontram nos intestinos.

- em visita a determinados locais, haja exposição a bactérias responsáveis pela inflamação do estômago e intestinos (gastroenterite – diarreia do viajante).

O que são infeções urinárias?
As infeções do sistema urinário podem afetar uma ou várias partes deste sistema. São causadas pela presença e desenvolvimento de bactérias no sistema urinário.

Estas bactérias vêm muitas vezes dos intestinos, onde são necessárias para o seu funcionamento normal. Invadem o aparelho urinário, entrando através da uretra.

Podem ocorrer tanto no homem como na mulher. No caso da mulher, a infeção mais vulgar envolve a bexiga e chama-se cistite. No homem, infeção pode envolver a próstata e chama-se prostatite.

As bactérias responsáveis por estas infeções podem mesmo infetar os rins, pelo que estas
infeções devem ser tratadas, a fim de evitar o envolvimento dos rins.

Os sintomas de uma infeção urinária podem incluir uma necessidade urgente e frequente de urinar, em pequenas quantidades, e um ardor doloroso durante o ato de urinar.

O que é a gonorreia?
A gonorreia é uma infeção que pode ocorrer tanto no homem como na mulher, e é geralmente contraída durante as relações sexuais.

Esta infeção pode envolver a uretra, o colo do útero, o reto ou a garganta. Os sintomas de uma infeção na uretra podem incluir uma sensação de ardor durante o ato de urinar e/ou corrimento amarelo esverdeado. Os sintomas podem ser ligeiros a graves.

É muito importante que se trate este tipo de infeção, já que pode originar complicações graves, tais como infeção das trompas.
Tipo
pequena molécula
História
Desde a sua criação em 1946, a Sociedade Japonesa de Quimioterapia ( JSC ) tem sido e, atualmente, está envolvido no desenvolvimento de agentes antibacterianos sintéticos de ácido nalidíxico e ácido pipemídico, levando a novas quinolonas.

O trabalho subsequente levou ao nascimento de uma nova era com a introdução de norfloxacina como o primeiro novo quinolonas no Japão em 1984 e, em seguida, em muitos outros países em todo o mundo.

Desde a descoberta da norfloxacina (1980 ), cerca de 10.000 novos análogos têm sido descritos.

Norfloxacina foi patenteado pela primeira vez em 1979.

Kyorin concedido Merck & Company, Inc., uma licença exclusiva ( em alguns países, incluindo os Estados Unidos ), para importar e distribuir Norfloxacin sob a marca Noroxin.

Os EUA Food and Drug Administration (FDA) aprovou Noroxin para distribuição nos Estados Unidos em 31 de outubro de 1986.

Desde a aprovação da Noroxin em 1986, tem havido inúmeros upgrades para as seções de aviso de bulas, bem como restrições recentes colocadas sobre o uso de Noroxin no tratamento de infecções do trato urinário ( ITU).
Indicações
A Norfloxacina é um agente antibacteriano de largo espetro indicado para:
O tratamento de:
- Infeções do trato urinário superior e inferior, complicadas e não complicadas, agudas ou crónicas.

Nestas infeções incluem-se cistites, pielites, cistopielites, prostatites crónicas, epididimites e infeções urinárias associadas a cirurgia urológica, bexiga neurogénica e nefrolitíase causadas por bactérias sensíveis a Norfloxacina.

- Gastroenterites bacterianas agudas causadas por organismos sensíveis.

- Uretrite gonocócica, faringite, proctite ou cervicite, causadas por Neisseria gonorrhoeae produtora ou não de penicilinase.

- Febre tifoide.

As infeções causadas por organismos resistentes a vários outros fármacos têm sido tratadas com sucesso com as doses habituais de Norfloxacina.

A profilaxia de:
- Sépsis em doentes com acentuada neutropenia (definida como uma contagem de neutrófilos igual ou inferior a 100/mm3 por uma semana ou mais).

Norfloxacina suprime a flora intestinal aeróbia endógena que pode causar sépsis em doentes com neutropenia (por exemplo, doentes com leucemia sob tratamento quimioterápico).

- Gastroenterite bacteriana (diarreia do viajante).
Classificação CFT
01.01.10     Quinolonas 15.01.01     Antibacterianos
Mecanismo De Ação
A norfloxacina é agente antibacteriano do grupo dos ácidos quinolona-carboxílicos para administração oral.


Microbiologia
A Norfloxacina possui um largo espectro de atividade antibacteriana contra agentes patogénicos aeróbios Gram-positivos e Gram-negativos.

O átomo de flúor na posição 6 proporciona uma potência aumentada bactérias Gram-negativas e o radical piperazínico na posição 7 é responsável pela atividade anti-Pseudomonas.

Norfloxacina inibe a síntese do ácido desoxirribonucleico das bactérias e é bactericida.

A nível molecular, em células de E.

coli, foram reconhecidos três tipos de atuação:
- Inibição do enrolamento do ADN dependente do ATP e catalisada pela girase do ADN;
- Inibição do relaxamento do ADN enrolado;
- Promoção da cisão do ADN em dupla banda.



A resistência à norfloxacina devida a mutação espontânea é de ocorrência rara (da ordem de 10-9 a 10-12).

As resistências microbianas desenvolveram-se em menos de 1% dos doentes tratados com norfloxacina.


Os microrganismos que desenvolveram maior resistência foram:
Pseudomonas aeruginosa
Klebsiella pneumoniae
Acinetobacter spp.


Enterococcus
Staphylococcus aureus resistente à meticilina

Graças à sua estrutura específica, a Norfloxacina é geralmente ativa contra microrganismos resistentes a outros ácidos orgânicos, como os ácidos nalidíxico, oxolínico e pipemídico, a cinoxacina e a flumequina.

Os microrganismos resistentes in vitro à norfloxacina são também resistentes a estes ácidos orgânicos.

Estudos preliminares sugerem que microrganismos resistentes à norfloxacina são também geralmente resistentes à pefloxacina, ofloxacina, ciprofloxacina e enoxacina.

Não há resistência cruzada entre a norfloxacina e agentes antibacterianos não aparentados estruturalmente, como as penicilinas, as cefalosporinas, as tetraciclinas, os macrólidos, os aminociclitóis e as sulfamidas, as 2,4-diaminopirimidinas ou suas combinações (por exemplo, o cotrimoxazol).
Posologia Orientativa
Infeções urinárias
A dose habitual para tratamento de infeções urinárias não complicadas (por exemplo, cistites) e provocadas por alguns microrganismos (Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae e Proteus mirabilis) é de 1 comprimido de 400 mg, duas vezes por dia, durante três dias.

Se a infeção urinária reaparecer, o seu médico poderá receitar-lhe Norfloxacina Cinfa para um tratamento que poderá durar até doze semanas.

No caso de infeções urinárias provocadas por outros agentes, a dose recomendada é de 400 mg, 2 vezes por dia, durante 7 a 10 dias.


Em infeções urinárias complicadas, a dose recomendada é de 400 mg, 2 vezes por dia, durante 10 a 21 dias.


No caso da prostatite crónica, a duração de tratamento recomendada é de quatro semanas.


É muito importante que siga as instruções do seu médico, principalmente no que se refere à duração do tratamento, para eliminar completamente a sua infeção.

Não altere a posologia nem interrompa o tratamento, mesmo que comece a sentir-se melhor após as primeiras doses.


A dose de norfloxacina máxima diária recomendada é de 800 mg/dia, sendo necessário efectuar análises de controlo à urina para pesquisa da presença de cristais em doentes a fazer posologia com doses superiores à recomendada.


Gastroenterite
A dose habitual para tratamento de uma gastroenterite (inflamação do estômago e intestinos) é de 1 comprimido, duas vezes por dia, durante cinco dias.


Gonorreia
A dose habitualmente recomendada é de 2 comprimidos, tomados de uma só vez.


Febre Tifóide
A dose habitual é de 1 comprimido, três vezes por dia, durante catorze dias.


Prevenção de infeções em doentes com baixo número de glóbulos brancos
A dosagem e duração do tratamento serão determinadas pelo seu médico, conforme o seu caso.


Prevenção de gastroenterite
Para prevenir infeções bacterianas do estômago ou dos intestinos, no caso de viajar para locais onde há forte possibilidade de ocorrer infeção do estômago (gastroenterite), recomenda-se normalmente 1 comprimido de Norfloxacina Cinfa por dia.

O tratamento preventivo deverá começar 24 horas antes de chegar ao local e continuar até 48 horas após saída das áreas onde essa infeção bacteriana é possível.
Administração
Tomar Norfloxacina sempre de acordo com as indicações do médico.

A Norfloxacina pode ser tomada com um copo de água 1 hora antes ou 2 horas depois de uma refeição ou ingestão de leite.


A Norfloxacina não deve ser tomada com suplementos de ferro ou com multivitamínicos que contenham sucralfato.

Estes medicamentos só deverão ser tomados 2 horas depois de ter tomado Norfloxacina.
Contraindicações
Hipersensibilidade à Norfloxacina, ou a antibacterianos relacionados quimicamente com as quinolonas antibacterianas.

História de lesões tendinosas induzidas por quinolonas.

Não deve ser utilizada antes dos 18 anos de idade.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Norfloxacina é geralmente bem tolerado.
A incidência global de efeitos indesejáveis relacionados com o medicamento foi de aproximadamente 3% em ensaios clínicos realizados a nível mundial e envolvendo 2346 doentes.

Os efeitos indesejáveis mais comuns (menos de 3%, mas ocorrendo em mais de 0,1% dos doentes) foram reacções gastrointestinais, neuropsiquiátricas e cutâneas, e incluíram náuseas, cefaleias, tonturas, exantema, pirose, dores abdominais e cólicas, e diarreia.

Em casos muito raros (menos de 0,1%), têm sido referidos outros efeitos indesejáveis:
anorexia, perturbação do sono, depressão, ansiedade/nervosismo, irritabilidade, euforia, desorientação, alucinações, zumbidos e epífora.

Raramente foram observados valores anormais análises efectuadas durante ensaios clínicos; contudo, foram referidos os seguintes, com uma incidência inferior a 0,3%: leucopenia, eosinofilia, neutropenia, trombocitopenia, elevação de ALAT (SGTP) e de ASAT (SGOT).

Desde que o fármaco foi introduzido no mercado, foram descritos ainda os seguintes efeitos indesejáveis:
Reacções de hipersensibilidade
Reacções de hipersensibilidade, incluindo anafilaxia, nefrite intersticial, edema angioneurótico, vasculite, urticária, artrite, mialgias e artralgias.

Afecções dos tecidos cutâneos e subcutâneos
Fotossensibilidade
Síndrome de Stevens-Johnson
Epidermólise tóxica
Dermatite exfoliativa
Eritema multiforme
Prurido

Doenças gastrointestinais
Colite pseudomembranosa
Pancreatite (rara)
Hepatite, icterícia, incluindo icterícia colestática e elevação dos testes da função hepática

Cardiopatias
Frequência desconhecida: arritmia ventricular e torsades de pointes (notificadas predominantemente em doentes com factores de risco para prolongamento do intervalo QT), intervalo QT prolongado no ECG.


Afecções musculoesqueléticas e dos tecidos conjuntivos
Tendinite
Roturas de tendão
Possível exacerbação da miastenia grave
Elevação da creatinina cinase

Doenças do sistema nervoso e perturbações do foro psiquiátrico
Polineuropatia, incluindo síndrome de Guillain-Barré
Confusão
Parestesia

Distúrbios psíquicos, incluindo reacções psicóticas
Tremores
Convulsões
Mioclonia

Doenças do sangue e do sistema linfático
Anemia hemolítica associada por deficiência em desidrogenase fosfato-6-glicose.

Aparelho geniturinário
Candidíase vaginal
Advertências
Gravidez
Gravidez:O uso está contra-indicado no 1º trimestre; Ver Quinolonas. Evidência fetal em animais, mas a necessidade pode justificar o risco. Trimestre: 1º
Aleitamento
Aleitamento:Não deve ser usado durante o aleitamento.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Ver Quinolonas.
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Reduzir dose em 50% para Cl cr < 30 ml/minuto.
Conducao
Conducao:Norfloxacina poderá provocar tonturas e vertigens em alguns doentes, pelo que se deverá primeiro avaliar até que ponto o medicamento é bem tolerado pelo doente antes de conduzir.
Precauções Gerais
Tal como outros ácidos orgânicos, a Norfloxacina deve ser utilizada com precaução em indivíduos com história de convulsões ou fatores conhecidos que predisponham a convulsões.

Foram raramente relatadas convulsões em doentes sob tratamento com Norfloxacina, não tendo, contudo, sido estabelecida uma relação causal com Norfloxacina.


Observaram-se reações de fotossensibilidade em doentes expostos à luz solar excessiva enquanto estavam a receber medicamentos desta classe.

Deve evitar-se a luz solar excessiva.

O tratamento deve ser interrompido se ocorrer fotossensibilidade.


Associada à terapêutica com fluoroquinolonas ocorreram tendinites e ruturas de tendão (particularmente do tendão de Aquiles).

Estas reações foram particularmente notadas em doentes idosos e na terapêutica concomitante com corticosteroides.

Aos primeiros sinais de dor ou inflamação o tratamento deve ser interrompido e o membro afetado mantido em repouso.

Se os sintomas envolverem o tendão de Aquiles devem ser tomadas medidas que assegurem que não ocorra rutura de ambos tendões (por exemplo, ambos devem ser suportados com um apoio ortopédico adequado).


Foram registadas reações hemolíticas raras em doentes com anomalias latentes ou reais na atividade da desidrogenase fosfato-6-glicose sob administração de quinolonas antibacterianas, incluindo Norfloxacina.


As quinolonas, incluindo a norfloxacina, podem exacerbar os sinais de miastenia grave e conduzir a fraqueza dos músculos respiratórios, com risco de vida.

Deve usar-se de precaução quando se utilizam quinolonas, incluindo a Norfloxacina, em doentes com miastenia grave.



Prolongamento do intervalo QT
Deve-se ter precaução quando se usam fluoroquinolonas, incluindo a Norfloxacina, em doentes com fatores de risco conhecidos por prolongar o intervalo QT, tais
como:
- síndrome do QT longo congénito.


- uso concomitante de medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT (ex.


antiarrítmicos de classe I e III, antidepressivos tricíclicos, macrólidos ou antipsicóticos).


- alterações eletrolíticas não corrigidas (ex.

hipocalemia, hipomagnesemia).


- doença cardíaca (ex. insuficiência cardíaca, enfarte do miocárdio, bradicardia)

Idosos e mulheres podem ser mais sensíveis aos medicamentos conhecidos por
prolongarem o intervalo QT.

Como tal, deve ter-se precaução quando se usam
fluoroquinolonas, incluindo Norfloxacina, nestas populações.



Insuficiência Renal
Norfloxacina é adequado para o tratamento de doentes com insuficiência renal.


Contudo, uma vez que a Norfloxacina é excretada principalmente pelos rins, os níveis urinários podem ser seriamente afetados pela insuficiência renal.



Alterações da visão
Se verificar qualquer alteração na visão ou outras perturbações oculares, deve encaminhar imediatamente o doente para uma consulta de oftalmologia.



Crianças
A segurança e a eficácia da Norfloxacina nas crianças não foi ainda estabelecida,
pelo que não deve ser utilizada antes dos 18 anos de idade.


Norfloxacina contém lactose.

Doentes com problemas hereditários raros de intolerância à galactose, deficiência de lactase ou má absorção de glucose-galactose não devem tomar este medicamento.


Norfloxacina contém óleo de rícino hidrogenado.

Pode causar distúrbios no estômago e diarreia.
Cuidados com a Dieta
A Norfloxacina não deve ser tomada com suplementos de ferro ou com multivitamínicos que contenham sucralfato.

Tomar com um copo de água 1 hora antes ou 2 horas depois de uma refeição ou ingestão de leite.
Terapêutica Interrompida
Tente tomar Norfloxacina 400 mg Comprimidos conforme receitado pelo seu médico, ou assim que se lembrar.

No entanto, se estiver quase na hora de tomar a próxima dose, não o faça.

Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.

Volte a tomar os comprimidos dentro do horário previsto.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Não são necessárias precauções especiais de conservação.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
A maioria das Enterobacteriaceae sp. é sensível, assim como outros Gram-negativos, entre eles, Shigella sp., Salmonella sp., Neisseria sp., Campylobacter sp., Vibrio sp. e Aeromonas sp. Ativo contra Pseudomonas aeruginosa, mas outras Pseudomonas são menos sensíveis. Ativo contra Ureaplasma urealyticum, Mycoplasma hominis e Chlamydia trachomatis. Pouco ativo contra Enterococcus faecalis; pouca ou nenhuma atividade contra bactérias anaeróbias.
 Risco Moderado

Sucralfato + Norfloxacina

Observações: N.D.
Interações: Estudos em animais mostraram que a administração simultânea de sucralfato com tetraciclina, fenitoína, digoxina, cimetidina, ranitidina, ciprofloxacina, norfloxacina e teofilina originou uma redução estatisticamente significativa na biodisponibilidade destes agentes. O mecanismo destas interações é de natureza não sistémica, resultante da ligação do sucralfato ao fármaco administrado concomitantemente, no tracto gastrointestinal. A biodisponibilidade destes fármacos poderá ser restabelecida fazendo a sua administração duas horas antes da toma de Sucralfato.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Norfloxacina + Probenecida

Observações: N.D.
Interações: A co-administração de probenecide não modifica as concentrações séricas de norfloxacina, mas diminui a excreção urinária do fármaco.

Norfloxacina + Nitrofurantoína

Observações: N.D.
Interações: Tal como com outros ácidos orgânicos antibacterianos, foi demonstrado in vitro antagonismo entre a Norfloxacina e a nitrofurantoína.

Norfloxacina + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: Foram referidos níveis plasmáticos elevados de teofilina com o uso concomitante de quinolonas. Houve raras referências de efeitos colaterais relacionados com a teofilina em doentes a fazerem terapêutica concomitante com norfloxacina e teofilina. Portanto, deverá ser considerada a necessidade de vigiar os níveis plasmáticos de teofilina e de ajustar a posologia da teofilina. A norfloxacina inibe o CYP1A2 o que pode determinar o aumento das concentrações séricas de outras substâncias administradas concomitantemente e também metabolizadas por esta enzima (por exemplo, teofilina, clozapina, tacrina, ropinirol, tizanidina). Os doentes que tomam estas substâncias concomitantemente com a norfloxacina deverão ser cuidadosamente vigiados relativamente aos sinais clínicos de sobredosagem, podendo revelar-se necessária a monitorização sérica, especialmente no caso da teofilina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Norfloxacina + Ciclosporina

Observações: N.D.
Interações: Foram referidos níveis séricos elevados de ciclosporina com o uso concomitante de norfloxacina. Portanto, deverão ser vigiados os níveis séricos de ciclosporina e fazer-se os ajustamentos posológicos adequados quando estes dois medicamentos forem administrados concomitantemente.

Norfloxacina + Varfarina

Observações: N.D.
Interações: As quinolonas, incluindo a norfloxacina, podem realçar os efeitos do anticoagulante oral varfarina ou dos seus derivados. Quando estes produtos são administrados concomitantemente, os testes do tempo de protrombina ou outros sobre a coagulação devem ser vigiados de perto.

Norfloxacina + Medicamentos que prolongam o intervalo QT

Observações: N.D.
Interações: Norfloxacina, tal como outras fluoroquinolonas, deve ser utilizada com precaução em doentes que usem concomitantemente outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT (ex. Antiarrítmicos de classe I e III, antidepressivos tricíclicos, macrólidos, antipsicóticos).
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Magaldrato + Norfloxacina

Observações: N.D.
Interações: Em particular, tem sido observada uma redução substancial da absorção de tetraciclinas e dos derivados da quinolona (ciprofloxacina, ofloxacina e norfloxacina) durante a utilização de antiácidos.

Norfloxacina + Antiarrítmicos

Observações: N.D.
Interações: Norfloxacina, tal como outras fluoroquinolonas, deve ser utilizada com precaução em doentes que usem concomitantemente outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT (ex. Antiarrítmicos de classe I e III, antidepressivos tricíclicos, macrólidos, antipsicóticos).

Norfloxacina + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: N.D.
Interações: Norfloxacina, tal como outras fluoroquinolonas, deve ser utilizada com precaução em doentes que usem concomitantemente outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT (ex. Antiarrítmicos de classe I e III, antidepressivos tricíclicos, macrólidos, antipsicóticos).

Norfloxacina + Macrólidos

Observações: N.D.
Interações: Norfloxacina, tal como outras fluoroquinolonas, deve ser utilizada com precaução em doentes que usem concomitantemente outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT (ex. Antiarrítmicos de classe I e III, antidepressivos tricíclicos, macrólidos, antipsicóticos).

Norfloxacina + Antipsicóticos

Observações: N.D.
Interações: Norfloxacina, tal como outras fluoroquinolonas, deve ser utilizada com precaução em doentes que usem concomitantemente outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT (ex. Antiarrítmicos de classe I e III, antidepressivos tricíclicos, macrólidos, antipsicóticos).

Norfloxacina + Glibenclamida

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante de quinolonas, incluindo a norfloxacina, com gliburide (sulfonilureia), tem resultado, em raras ocasiões, em hipoglicemia grave. Deste modo, recomenda-se a monitorização dos níveis séricos de glucose quando os dois fármacos são administrados concomitantemente.

Norfloxacina + Ferro

Observações: N.D.
Interações: Produtos multivitamínicos, produtos contendo ferro ou zinco, antiácidos ou sucralfato não devem ser administrados concomitantemente ou dentro das 2 horas seguintes à administração de norfloxacina, porque podem interferir com a absorção, resultando em níveis mais baixos de norfloxacina no soro e na urina.

Norfloxacina + Zinco

Observações: N.D.
Interações: Produtos multivitamínicos, produtos contendo ferro ou zinco, antiácidos ou sucralfato não devem ser administrados concomitantemente ou dentro das 2 horas seguintes à administração de norfloxacina, porque podem interferir com a absorção, resultando em níveis mais baixos de norfloxacina no soro e na urina.

Norfloxacina + Antiácidos

Observações: N.D.
Interações: Produtos multivitamínicos, produtos contendo ferro ou zinco, antiácidos ou sucralfato não devem ser administrados concomitantemente ou dentro das 2 horas seguintes à administração de norfloxacina, porque podem interferir com a absorção, resultando em níveis mais baixos de norfloxacina no soro e na urina.

Norfloxacina + Sucralfato

Observações: N.D.
Interações: Produtos multivitamínicos, produtos contendo ferro ou zinco, antiácidos ou sucralfato não devem ser administrados concomitantemente ou dentro das 2 horas seguintes à administração de norfloxacina, porque podem interferir com a absorção, resultando em níveis mais baixos de norfloxacina no soro e na urina.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Norfloxacina + Cafeína

Observações: N.D.
Interações: Algumas quinolonas, incluindo a norfloxacina, mostraram também interferir com metabolismo da cafeína, o que pode levar a uma diminuição da depuração da cafeína e a um prolongamento da sua semi-vida plasmática.

Norfloxacina + Corticosteroides

Observações: N.D.
Interações: O uso concomitante com terapêutica de corticosteróides pode resultar numa maior incidência de tendinites e rupturas de tendão.

Norfloxacina + Fenbufeno

Observações: N.D.
Interações: Dados obtidos animais mostraram que as quinolonas em combinação com o fenbufeno podem provocar convulsões. Por isso, deve ser evitada a administração concomitante de quinolonas e fenbufeno.

Norfloxacina + Clozapina

Observações: N.D.
Interações: A norfloxacina inibe o CYP1A2 o que pode determinar o aumento das concentrações séricas de outras substâncias administradas concomitantemente e também metabolizadas por esta enzima (por exemplo, teofilina, clozapina, tacrina, ropinirol, tizanidina). Os doentes que tomam estas substâncias concomitantemente com a norfloxacina deverão ser cuidadosamente vigiados relativamente aos sinais clínicos de sobredosagem, podendo revelar-se necessária a monitorização sérica, especialmente no caso da teofilina.

Norfloxacina + Tacrina

Observações: N.D.
Interações: A norfloxacina inibe o CYP1A2 o que pode determinar o aumento das concentrações séricas de outras substâncias administradas concomitantemente e também metabolizadas por esta enzima (por exemplo, teofilina, clozapina, tacrina, ropinirol, tizanidina). Os doentes que tomam estas substâncias concomitantemente com a norfloxacina deverão ser cuidadosamente vigiados relativamente aos sinais clínicos de sobredosagem, podendo revelar-se necessária a monitorização sérica, especialmente no caso da teofilina.

Norfloxacina + Ropinirol

Observações: N.D.
Interações: A norfloxacina inibe o CYP1A2 o que pode determinar o aumento das concentrações séricas de outras substâncias administradas concomitantemente e também metabolizadas por esta enzima (por exemplo, teofilina, clozapina, tacrina, ropinirol, tizanidina). Os doentes que tomam estas substâncias concomitantemente com a norfloxacina deverão ser cuidadosamente vigiados relativamente aos sinais clínicos de sobredosagem, podendo revelar-se necessária a monitorização sérica, especialmente no caso da teofilina.

Norfloxacina + Tizanidina

Observações: N.D.
Interações: A norfloxacina inibe o CYP1A2 o que pode determinar o aumento das concentrações séricas de outras substâncias administradas concomitantemente e também metabolizadas por esta enzima (por exemplo, teofilina, clozapina, tacrina, ropinirol, tizanidina). Os doentes que tomam estas substâncias concomitantemente com a norfloxacina deverão ser cuidadosamente vigiados relativamente aos sinais clínicos de sobredosagem, podendo revelar-se necessária a monitorização sérica, especialmente no caso da teofilina.

Ácido fólico + Ferro + Norfloxacina

Observações: N.D.
Interações: O sulfato ferroso interfere com a absorção das quinolonas (ciprofloxacina, norfloxacina, ofloxacina) levando a diminuição das concentrações séricas e urinárias destes antibióticos. Portanto estes medicamentos devem ser tomados com um intervalo de 2 horas.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Quinolonas + Norfloxacina

Observações: Susceptíveis à inibição da absorção gastrintestinal; Algumas quinolonas inibem o CYP1A2.
Interações: Cafeína: ciprofloxacina, enoxacina, ácido pipemídico e, em menor extensão, a norfloxacina inibem o metabolismo da cafeína - Norfloxacina
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfato ferroso + Norfloxacina

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante das preparações orais de ferro pode interferir com a absorção oral de algumas quinolonas (ciprofloxacina, norfloxacina, ofloxacina) resultando em redução nas concentrações séricas e urinárias das mesmas. Por isso, as preparações orais de ferro não devem ser administradas concomitantemente ou no período de duas horas após uma dose oral de quinolona.

Prednisolona + Norfloxacina

Observações: N.D.
Interações: Existe também a possibilidade de interacção da prednisolona com as quinolonas (como ofloxacina, norfloxacina e ciprofloxacina, entre outras).

Sulfato ferroso + Glicina + Norfloxacina

Observações: N.D.
Interações: A associação deve ser evitada. As seguintes associações podem requerer o ajuste da dose: O ferro inibe a absorção de muitos medicamentos por quelação. O intervalo entre a administração do Sulfato ferroso / Glicina e dos medicamentos abaixo mencionados deve ser o mais alargado possível. Fluoroquinolonas: Quando os sais de ferro são co-administrados com fluoroquinolonas, a absorção destas últimas é significativamente prejudicada. A absorção de norfloxacina, levofloxacina, ciprofloxacina, gatifloxacina e ofloxacina é inibida pelo ferro entre 30 a 90%. As fluoroquinolonas devem ser administradas pelo menos 2 horas antes ou 4 horas após a toma de Sulfato ferroso / Glicina.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ferritina + Norfloxacina

Observações: A absorção do ferro é inibida pela ingestão de ovos ou leite. Café ou chá consumidos durante uma refeição ou uma hora após uma refeição podem inibir significativamente a absorção do ferro. Não foi determinado o seu significado clínico.
Interações: A administração concomitante das preparações orais de ferro pode interferir com a absorção oral de algumas quinolonas (ciprofloxacina, norfloxacina, ofloxacina) resultando em redução nas concentrações séricas e urinárias das mesmas. Por isso, as preparações orais de ferro não devem ser administradas concomitantemente ou no período de duas horas após uma dose oral de quinolona.

Ferro + Norfloxacina

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante das preparações orais de ferro pode interferir com a absorção oral de algumas quinolonas (ciprofloxacina, norfloxacina, ofloxacina) resultando em redução nas concentrações séricas e urinárias das mesmas. Por isso, as preparações orais de ferro não devem ser administradas concomitantemente ou no período de duas horas após uma dose oral de quinolona.

Micofenolato de mofetil + Norfloxacina

Observações: N.D.
Interações: Norfloxacina e metronidazol: Em voluntários saudáveis, não se observou interacção significativa quando Micofenolato de Mofetil foi administrado concomitantemente com norfloxacina e metronidazol separadamente. No entanto, a associação de norfloxacina com metronidazol diminuiu a exposição ao AMF em aproximadamente 30%, após dose única de Micofenolato de Mofetil.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Gluconato férrico e sódico + Norfloxacina

Observações: A absorção do ferro é inibida pela ingestão de ovos ou leite. Café ou chá consumidos durante uma refeição ou uma hora após uma refeição podem inibir significativamente a absorção do ferro. Não foi determinado o seu significado clínico.
Interações: A administração concomitante das preparações orais de ferro pode interferir com a absorção oral de algumas quinolonas (ciprofloxacina, norfloxacina, ofloxacina) resultando em redução nas concentrações séricas e urinárias das mesmas. Por isso, as preparações orais de ferro não devem ser administradas concomitantemente ou no período de duas horas após uma dose oral de quinolona.

Fluindiona + Norfloxacina

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precauções de utilização: Fluoroquinolonas (ofloxacina, pefloxacina, enoxacina, lomefloxacina, a moxifloxacina, ciprofloxacina, levofloxacina, norfloxacina): Efeito aumentado de anticoagulantes orais e risco de hemorragia. Monitorização mais frequente do INR. Se ajustar a dosagem de anticoagulante oral durante o tratamento com fluoroquinolonas e após a sua interrupção.

Tizanidina + Norfloxacina

Observações: N.D.
Interações: Inibidores CYP: A co-administração de tizanidina com outros inibidores do CYP1A2 tais como alguns antiarritmicos (amiodarona, mexiletina, propafenona), cimetidina, algumas fluoroquinolonas (enoxacina, pefloxacina, norfloxacina), rofecoxib, contracetivos orais e ticlopidina não são recomendados.

Acetato de cálcio + Carbonato de magnésio + Norfloxacina

Observações: N.D.
Interações: Acetato de cálcio / Carbonato de magnésio afeta a absorção das tetraciclinas, doxiciclina, bifosfonatos, fluoretos, algumas quinolonas (inibidoras da girase) como a ciprofloxacina e a norfloxacina, algumas cefalosporinas, como a cefpodoxima e cefuroxima, cetoconazol, preparações de estramustina, anticolinérgicos, zinco, ácidos urso e quenodesoxicólicos e halofandrina.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Nitrofurantoína + Norfloxacina

Observações: N.D.
Interações: A nitrofurantoína pode antagonizar o efeito antimicrobiano da norfloxacina nas vias urinárias.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Deve-se ter precaução quando a Norfloxacina é administrada a mães que amamentam.

Norfloxacina poderá provocar tonturas e vertigens em alguns doentes, pelo que se deverá primeiro avaliar até que ponto o medicamento é bem tolerado pelo doente antes de conduzir, trabalhar com máquinas ou iniciar outras actividades que exijam vigília mental e coordenação.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017