Nebivolol

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução
O que é
Nebivolol é um fármaco cardiovascular pertencente ao grupo dos agentes beta bloqueadores selectivos.

Isto significa que o fármaco actua principalmente no sistema cardiovascular.


O tratamento com Nebivolol previne o aumento de pulsação e controla a força do bombeamento cardíaco.

Exerce igualmente uma acção vasodilatadora nos vasos sanguíneos que contribui para baixar a tensão arterial.
Usos comuns
Nebivolol é utilizado:
- No tratamento da tensão arterial elevada (hipertensão).


- No tratamento da insuficiência cardíaca crónica, ligeira e moderada, em doentes com idade igual ou superior a 70 anos.
Tipo
Molécula pequena.
História
A Mylan Laboratories obteve o licenciamento para os EUA e Canadá dos direitos do nebivolol da Janssen Pharmaceutica NV em 2001.

Nebivolol está registado e comercializado com sucesso em mais de 50 países, incluindo os Estados Unidos, onde é comercializado sob a marca Bystolic da Mylan Laboratories e Forest Laboratories.

Nebivolol é fabricado pela Forest Laboratories.
Indicações
Hipertensão:
Tratamento da hipertensão essencial.

Insuficiência cardíaca crónica (ICC):
Tratamento da insuficiência cardíaca crónica estável, ligeira e moderada, em
associação com as terapêuticas padronizadas nos doentes idosos com idade igual ou superior a 70 anos.
Classificação CFT

03.04.04.02.01 : Seletivos cardíacos

Mecanismo De Ação
O nebivolol é um racemato de dois enantiómeros, SRRR-nebivolol (ou d-nebivolol) e RSSS-nebivolol (ou l-nebivolol).

É um fármaco que alia duas actividades farmacológicas:
- é um antagonista beta-receptor competitivo e selectivo: este efeito é atribuído ao enantiómero SRRR (d-enantiómero).


- tem propriedades vasodilatadoras ligeiras, devidas a uma interacção com a via L-arginina/monóxido de azoto.


- Doses únicas e repetidas de nebivolol reduzem a frequência cardíaca e a pressão arterial em repouso e durante exercício, tanto em indivíduos normotensos como em doentes hipertensos.

O efeito anti-hipertensor é mantido durante o tratamento crónico.


- Em doses terapêuticas o nebivolol é desprovido de antagonismo alfa-adrenérgico.


- Durante o tratamento agudo e crónico com nebivolol em doentes hipertensos a resistência vascular sistémica é diminuída.

Apesar da redução da frequência cardíaca, a redução do débito cardíaco durante o repouso e o exercício pode ser limitada devido a um aumento do volume de ejeção.

A relevância clínica destas diferenças hemodinâmicas, quando comparadas com outros antagonistas dos receptores beta1, não está completamente estabelecida.


Em doentes hipertensos, o nebivolol aumenta a resposta vascular mediada pelo NO à acetilcolina (ACh) que é reduzida em doentes com disfunção endotelial.


Num ensaio clínico de mortalidade-morbilidade, controlado com placebo, conduzido em 2128 doentes com idade ≥ 70 anos (média de idades 75,2 anos) com insuficiência cardíaca crónica estável com ou sem diminuição da fracção de ejeção do ventrículo esquerdo (LVEF médio: 36 ±12,3%, com a seguinte distribuição: LVEF inferior a 35% em 56% dos doentes, LVEF entre 35% e 45% em 25% dos doentes e LVEF superior a 45% em 19% dos doentes), controlados durante um período médio de 20 meses, o nebivolol, no topo da terapêutica padrão, prolongou significantemente o tempo de ocorrência de mortes ou hospitalizações por motivos cardiovasculares (objectivo primário para a eficácia) com uma redução de 14% do risco relativo (redução absoluta: 4,2%).

Esta redução do risco ocorreu após 6 meses de tratamento e manteve-se durante todo o período do tratamento (duração média: 18 meses).

O efeito do nebivolol foi independente da idade, sexo, ou fracção de ejeção do ventrículo esquerdo da população em estudo.

O benefício em todas as causas de mortalidade não alcançou significância estatística comparativamente ao placebo (redução absoluta: 2,3%).


Nos doentes medicados com nebivolol observou-se uma diminuição da morte súbita (4,1% vs 6,6%, redução relativa de 38%).


- Experiências "in vitro" e "in vivo" em animais mostraram que o nebivolol não tem actividade simpaticomimética intrínseca.


- Experiências "in vitro" e "in vivo" em animais mostraram que em doses farmacológicas o nebivolol não apresenta acção estabilizadora da membrana.


- Em voluntários saudáveis, o nebivolol não tem efeito significativo sobre a capacidade máxima de exercício ou o tempo de resistência ao exercício.
Posologia Orientativa
Hipertensão

Adultos: A dose diária é um comprimido (5 mg).

Doentes com insuficiência renal
Nos doentes com insuficiência renal, a dose inicial recomendada é 2,5 mg por dia. Se necessário, a dose diária pode ser aumentada até 5 mg

Doentes idosos
Nos doentes com mais de 65 anos, a dose inicial recomendada é de 2,5 mg por dia.
Se necessário a dose diária pode ser aumentada para 5 mg. Contudo, face à experiência diminuta em doentes com idade superior a 75 anos, devem ser tomadas precauções com monitorização rigorosa destes doentes.
Administração
A dose diária prescrita deve ser tomada de preferência sempre à mesma hora do dia.

Os comprimidos devem ser engolidos com uma quantidade suficiente de liquido (por ex. 1/2 copo com água) com ou sem alimentos.


A redução da pressão arterial é evidente após 1-2 semanas de tratamento.


Ocasionalmente o efeito óptimo só é atingido ao fim de 4 semanas.
Contraindicações
- Hipersensibilidade ao Nebivolol
- Insuficiência hepática ou função hepática diminuída
- Gravidez e lactação
- Insuficiência cardíaca aguda, choque cardiogénico ou episódios de descompensação da insuficiência cardíaca a requerer terapêutica inotrópica por via i.v..

Adicionalmente, tal como outros agentes beta-bloqueadores, Nebivolol está contra-indicado nas seguintes situações:
- Doença do nódulo sinusal, incluindo o bloqueio sino-auricular
- Bloqueio cardíaco do segundo e terceiro grau (sem pacemaker)
- História de broncospasmo e asma brônquica
- Feocromocitoma não tratado
- Acidose metabólica
- Bradicardia (frequência cardíaca < 60 b.p.m. antes do início do tratamento)
- Hipotensão (pressão arterial sistólica < 90 mmHg)
- Perturbações circulatórias periféricas graves
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Se alguma das situações seguintes ocorrer, páre de tomar Nebivolol e contacte de imediato o seu médico ou o hospital mais próximo: Aperto no peito e dificuldade em respirar.

Estes efeitos secundários são raros mas graves. Pode necessitar de cuidados médicos imediatos.

Efeitos secundários muito frequentes (afectam mais do que 1 doente em 10) incluem: tonturas frequência cardíaca baixa

Efeitos secundários frequentes (afectam 1 a 10 doentes em 100) incluem: Cefaleias
Alterações no modo como o seu coração trabalha, que podem ser observadas durante a realização de exames cardíacos
Formigueiro ou sensação de picadas de agulhas e sensação de sufoco.
dificuldade em respirar
desmaios quando se põe em pé
obstipação, sensação de enjoos (náuseas) ou diarreia
cansaço
retenção de líquidos (edema)
intolerância ao Nebivolol

Efeitos secundários pouco frequentes (afectam 1 a 10 doentes em 1.000) incluem:
pesadelos
depressão
problemas de visão, secura ocular
insuficiência cardíaca que pode causar dificuldade em respirar, inchaço dos pés e das
pernas revido a uma acumulação de líquidos.
Falha de batimentos cardíacos
Sensação de sufoco
Pressão sanguínea baixa
Dificuldade em caminhar, incluindo fraqueza e claudicação
indigestão, flatulência (acumulação de gases), sensação de enjoo (vómitos)
rashes, comichão e vermelhidão da pele
impossibilidade de conseguir ou manter uma erecção

Efeitos secundários muito raros (afectam 1 a 10 doentes em 10.000) incluem:
alucinações (ver, ouvir ou sentir coisas que na realidade não existem)
problemas de saúde mental
confusão
desmaios
dedos dos pés e das mãos frios e com uma descoloração azulada da pele (fenómeno de Raynaud)
reacções alérgicas graves que causam inchaço da face, lábios, boca ou garganta, que pode causar dificuldades em engolir ou respirar.
Agravamento da sua psoríase, ou rash cutâneo semelhante a psoríase (placas espessas de pele avermelhada, frequentemente com escamas prateadas)
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Ver Bloqueadores adrenérgicos beta. Risco fetal desconhecido, por falta de estudos alargados.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Presente no leite. Ver Bloqueadores adrenérgicos beta.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Evitar.
Insuf. Renal
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Ver Bloqueadores adrenérgicos beta.
Condução
Condução
Condução:Podem ocorrer ocasionalmente tonturas e cansaço como efeitos adversos do Nebivolol. Tome isto em consideração quando conduzir.
Precauções Gerais
Anestesia:
- A manutenção do bloqueio beta reduz o risco de arritmias durante a indução e intubação.

Quando se decide interromper um bloqueio beta na preparação para uma cirurgia, a terapêutica com um antagonista beta-adrenérgico deve ser interrompida pelo menos 24 horas antes.


Devem ser tomadas precauções no uso de certos fármacos anestésicos que causem depressão do miocárdio, tais como ciclopropano, éter ou tricloroetileno.


O doente pode ser protegido contra reacções vagais por administração intravenosa de atropina.


Cardiovascular:
- Em geral, os antagonistas beta-adrenérgicos não devem ser administrados a doentes com insuficiência cardíaca congestiva não tratada, a não ser que a sua situação tenha sido estabilizada.


- Nos doentes com doença cardíaca isquémica, o tratamento com um antagonista beta-adrenérgico deve ser interrompido gradualmente, isto é, durante 1 - 2 semanas.

Se for necessária uma terapêutica de substituição esta deverá ser iniciada ao mesmo tempo para evitar exacerbação de angina de peito.


- Os antagonistas beta-adrenérgicos podem induzir bradicardia: se a frequência cardíaca diminuir para menos de 50-55 pulsações por minuto em descanso e/ou o doente apresentar sintomas específicos de bradicardia, a posologia deve ser reduzida.


- Os antagonistas beta-adrenérgicos devem ser usados com precaução:
- em doentes com perturbações circulatórias periféricas (doença ou síndroma de Raynaud, claudicação intermitente) porque pode ocorrer agravamento dessas perturbações;
- em doentes com bloqueio cardíaco do primeiro grau, devido ao efeito negativo dos beta-bloqueadores sobre o tempo de condução;
- em doentes com angina de Prinzmetal devida a vasoconstrição da artéria coronária mediada pelo receptor alfa: os antagonistas beta-adrenérgicos podem aumentar o número e a duração dos ataques anginosos.


A associação de nebivolol com antagonistas dos canais de cálcio do tipo verapamil e diltiazem, com medicamentos antiarrítmicos de classe I e com medicamentos anti-hipertensores de acção central não é geralmente recomendada.


Metabólico / Endocrinológico:
- Nebivolol não interfere com os níveis de glucose em doentes diabéticos.


Contudo, deve usar-se com precaução em doentes diabéticos, porque o nebivolol pode mascarar certos sintomas de hipoglicemia (taquicardia, palpitações).


Os beta-bloqueadores podem mascarar os sintomas de taquicardia no hipertiroidismo.

A suspensão abrupta pode intensificar os sintomas.


Respiratório:
- Em doentes com doenças pulmonares obstructivas crónicas, os antagonistas beta-adrenérgicos devem ser usados com precaução, porque a constrição das vias respiratórias pode ser agravada.


Outros:
- Doentes com história de psoríase só devem tomar antagonistas beta-adrenérgicos após cuidadosa ponderação.


- Os antagonistas beta-adrenérgicos podem aumentar a sensibilidade aos alergenos e a gravidade das reacções anafilácticas.


O início do tratamento da insuficiência cardíaca crónica com nebivolol necessita de uma monitorização regular.

A descontinuação do tratamento não deve ser feita abruptamente a não ser que claramente indicada.
Cuidados com a Dieta
Pode ser tomado com alimentos e bebidas
Terapêutica Interrompida
Se se esqueceu de tomar o seu medicamento um dia, continue com a medicação no dia seguinte à hora habitual.

Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Este medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Antiarrítmicos

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antiarrítmicos de classe I (quinidina, hidroquinidina, cibenzolina, flecaínida, disopiramida, lidocaína, mexiletina, propafenona): O efeito no tempo da condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. Associações que devem ser utilizadas com precaução: Antiarrítmicos de classe III (Amiodarona): O efeito no tempo da condução aurículo-ventricular pode ser potenciado. - Antiarrítmicos
Usar com precaução

Panobinostate + Nebivolol

Observações: N.D.
Interações: Agentes cuja concentração plasmática pode ser aumentada pelo panobinostate: Panobinostate aumentou a Cmax e a AUC de dextrometorfano (um substrato da CYP2D6) em 1,8 e 1,6 vezes, respectivamente e não se pode excluir que o efeito possa ser maior num substrato da CYP2D6 mais sensível. Evitar a utilização de panobinostate em doentes que estejam a tomar substratos da CYP2D6 com janela terapêutica estreita (incluindo, mas não limitado a, pimozida). Quando Panobinostate é co-administrado com substratos da CYP2D6 sensíveis (p.ex. atomoxetina, dextrometorfano, metoprolol, nebivolol, perfenazina e pimozida) titular a dose individualmente dos substratos da CYPP2D6 com base na tolerabilidade individual e monitorizar os doentes frequentemente para identificação de reações adversas. - Nebivolol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Halofantrina + Nebivolol

Observações: N.D.
Interações: Beta-bloqueantes na insuficiência cardíaca (bisoprolol, carvedilol, metoprolol, nebivolol): Risco aumentado de disrritmias ventrículares, especialmente torsades de pointes. É recomendada monitorização clínica,biológica e electrocardiográfica. - Nebivolol
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Quinidina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antiarrítmicos de classe I (quinidina, hidroquinidina, cibenzolina, flecaínida, disopiramida, lidocaína, mexiletina, propafenona): O efeito no tempo da condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. interacções farmacocinéticas: Uma vez que o metabolismo do nebivolol envolve a isoenzima CYP2D6, a co-administração de substâncias inibidoras desta enzima, nomeadamente a paroxetina, fluoxetina, tioridazina e quinidina podem levar a um aumento dos níveis plasmáticos de nebivolol associado a um risco acrescido de bradicardia excessiva e de efeitos adversos. - Quinidina
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Hidroquinidina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antiarrítmicos de classe I (quinidina, hidroquinidina, cibenzolina, flecaínida, disopiramida, lidocaína, mexiletina, propafenona): O efeito no tempo da condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. - Hidroquinidina
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Cibenzolina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antiarrítmicos de classe I (quinidina, hidroquinidina, cibenzolina, flecaínida, disopiramida, lidocaína, mexiletina, propafenona): O efeito no tempo da condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. - Cibenzolina
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Flecainida

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antiarrítmicos de classe I (quinidina, hidroquinidina, cibenzolina, flecaínida, disopiramida, lidocaína, mexiletina, propafenona): O efeito no tempo da condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. - Flecainida
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Lidocaína

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antiarrítmicos de classe I (quinidina, hidroquinidina, cibenzolina, flecaínida, disopiramida, lidocaína, mexiletina, propafenona): O efeito no tempo da condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. - Lidocaína
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Disopiramida

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antiarrítmicos de classe I (quinidina, hidroquinidina, cibenzolina, flecaínida, disopiramida, lidocaína, mexiletina, propafenona): O efeito no tempo da condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. - Disopiramida
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Mexiletina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antiarrítmicos de classe I (quinidina, hidroquinidina, cibenzolina, flecaínida, disopiramida, lidocaína, mexiletina, propafenona): O efeito no tempo da condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. - Mexiletina
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Propafenona

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antiarrítmicos de classe I (quinidina, hidroquinidina, cibenzolina, flecaínida, disopiramida, lidocaína, mexiletina, propafenona): O efeito no tempo da condução aurículo-ventricular pode ser potenciado e o efeito inotrópico negativo aumentado. - Propafenona
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio)

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antagonistas dos canais de cálcio tipo verapamil/diltiazem: Influência negativa na contractilidade e condução aurículo-ventricular. A administração intravenosa de verapamil em doentes tratados com beta-bloqueadores pode levar a uma hipotensão profunda e bloqueio aurículo-ventricular. Associações a ser consideradas: Antagonistas do cálcio do tipo di-hidropiridina (Amlodipina, felodipina, lacidipina, nifedipina, nicardipina, nimodipina, nitrendipina): O uso concomitante pode aumentar o risco de hipotensão, e não pode ser excluido um aumento do risco de uma posterior deterioração da bomba ventricular em doentes com insuficiência cardíaca. - Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio)
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Verapamilo

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antagonistas dos canais de cálcio tipo verapamil/diltiazem: Influência negativa na contractilidade e condução aurículo-ventricular. A administração intravenosa de verapamil em doentes tratados com beta-bloqueadores pode levar a uma hipotensão profunda e bloqueio aurículo-ventricular. - Verapamilo
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Diltiazem

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antagonistas dos canais de cálcio tipo verapamil/diltiazem: Influência negativa na contractilidade e condução aurículo-ventricular. A administração intravenosa de verapamil em doentes tratados com beta-bloqueadores pode levar a uma hipotensão profunda e bloqueio aurículo-ventricular. - Diltiazem
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Antihipertensores

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antihipertensores de acção central (clonidina, guanfacina, moxonidina, metildopa, rilmenidina): O uso concomitante de medicamentos antihipertensores de acção central pode agravar a insuficiência cardíaca devido a uma diminuição do tónus simpático central (redução da frequência cardíaca e débito cardíaco, vasodilatação). A suspensão abrupta, principalmente se for anterior à descontinuação do beta-bloqueador, pode aumentar o risco de hipertensão reactiva. - Antihipertensores
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Clonidina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antihipertensores de acção central (clonidina, guanfacina, moxonidina, metildopa, rilmenidina): O uso concomitante de medicamentos antihipertensores de acção central pode agravar a insuficiência cardíaca devido a uma diminuição do tónus simpático central (redução da frequência cardíaca e débito cardíaco, vasodilatação). A suspensão abrupta, principalmente se for anterior à descontinuação do beta-bloqueador, pode aumentar o risco de hipertensão reactiva. - Clonidina
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Guanfacina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antihipertensores de acção central (clonidina, guanfacina, moxonidina, metildopa, rilmenidina): O uso concomitante de medicamentos antihipertensores de acção central pode agravar a insuficiência cardíaca devido a uma diminuição do tónus simpático central (redução da frequência cardíaca e débito cardíaco, vasodilatação). A suspensão abrupta, principalmente se for anterior à descontinuação do beta-bloqueador, pode aumentar o risco de hipertensão reactiva. - Guanfacina
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Moxonidina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antihipertensores de acção central (clonidina, guanfacina, moxonidina, metildopa, rilmenidina): O uso concomitante de medicamentos antihipertensores de acção central pode agravar a insuficiência cardíaca devido a uma diminuição do tónus simpático central (redução da frequência cardíaca e débito cardíaco, vasodilatação). A suspensão abrupta, principalmente se for anterior à descontinuação do beta-bloqueador, pode aumentar o risco de hipertensão reactiva. - Moxonidina
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Metildopa

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antihipertensores de acção central (clonidina, guanfacina, moxonidina, metildopa, rilmenidina): O uso concomitante de medicamentos antihipertensores de acção central pode agravar a insuficiência cardíaca devido a uma diminuição do tónus simpático central (redução da frequência cardíaca e débito cardíaco, vasodilatação). A suspensão abrupta, principalmente se for anterior à descontinuação do beta-bloqueador, pode aumentar o risco de hipertensão reactiva. - Metildopa
Não recomendado/Evitar

Nebivolol + Rilmenidina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antihipertensores de acção central (clonidina, guanfacina, moxonidina, metildopa, rilmenidina): O uso concomitante de medicamentos antihipertensores de acção central pode agravar a insuficiência cardíaca devido a uma diminuição do tónus simpático central (redução da frequência cardíaca e débito cardíaco, vasodilatação). A suspensão abrupta, principalmente se for anterior à descontinuação do beta-bloqueador, pode aumentar o risco de hipertensão reactiva. - Rilmenidina
Usar com precaução

Nebivolol + Amiodarona

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações que devem ser utilizadas com precaução: Antiarrítmicos de classe III (Amiodarona): O efeito no tempo da condução aurículo-ventricular pode ser potenciado. - Amiodarona
Usar com precaução

Nebivolol + Anestésicos halogenados

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações que devem ser utilizadas com precaução: Anestésicos-halogenados voláteis: O uso concomitante de antagonistas beta-adrenérgicos e de fármacos anestésicos pode reduzir a taquicardia reflexa e aumentar o risco de hipotensão. Como regra geral evitar a interrupção brusca do tratamento com o beta-bloqueador. O anestesista deve ser informado sempre que o doente estiver a tomar Nebivolol. - Anestésicos halogenados
Usar com precaução

Nebivolol + Insulinas

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações que devem ser utilizadas com precaução: Insulina e antidiabéticos orais: Embora o nebivolol não afecte os níveis de glucose, o uso concomitante pode mascarar certos sintomas de hipoglicemia (palpitações, taquicardia). - Insulinas
Usar com precaução

Nebivolol + Antidiabéticos Orais

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações que devem ser utilizadas com precaução: Insulina e antidiabéticos orais: Embora o nebivolol não afecte os níveis de glucose, o uso concomitante pode mascarar certos sintomas de hipoglicemia (palpitações, taquicardia). - Antidiabéticos Orais
Usar com precaução

Nebivolol + Baclofeno

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações que devem ser utilizadas com precaução: Baclofeno (antiespástico), amifostina (adjuvante antineoplásico): É provável que a utilização concomitante com antihipertensores aumente a redução da pressão arterial, pelo que a posologia da medicação anti-hipertensiva deve ser ajustada em conformidade. - Baclofeno
Usar com precaução

Nebivolol + Amifostina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações que devem ser utilizadas com precaução: Baclofeno (antiespástico), amifostina (adjuvante antineoplásico): É provável que a utilização concomitante com antihipertensores aumente a redução da pressão arterial, pelo que a posologia da medicação anti-hipertensiva deve ser ajustada em conformidade. - Amifostina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nebivolol + Glicósideos digitálicos

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações a ser consideradas: Glicosidos digitálicos: O uso concomitante pode aumentar o tempo da condução aurículo-ventricular. Ensaios clínicos com nebivolol não mostraram evidência clínica de interacção. O nebivolol não influencia a cinética da digoxina. - Glicósideos digitálicos
Sem efeito descrito

Nebivolol + Digoxina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações a ser consideradas: Glicosidos digitálicos: O uso concomitante pode aumentar o tempo da condução aurículo-ventricular. Ensaios clínicos com nebivolol não mostraram evidência clínica de interacção. O nebivolol não influencia a cinética da digoxina. - Digoxina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nebivolol + Amlodipina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações a ser consideradas: Antagonistas do cálcio do tipo di-hidropiridina (Amlodipina, felodipina, lacidipina, nifedipina, nicardipina, nimodipina, nitrendipina): O uso concomitante pode aumentar o risco de hipotensão, e não pode ser excluido um aumento do risco de uma posterior deterioração da bomba ventricular em doentes com insuficiência cardíaca. - Amlodipina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nebivolol + Felodipina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações a ser consideradas: Antagonistas do cálcio do tipo di-hidropiridina (Amlodipina, felodipina, lacidipina, nifedipina, nicardipina, nimodipina, nitrendipina): O uso concomitante pode aumentar o risco de hipotensão, e não pode ser excluido um aumento do risco de uma posterior deterioração da bomba ventricular em doentes com insuficiência cardíaca. - Felodipina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nebivolol + Lacidipina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações a ser consideradas: Antagonistas do cálcio do tipo di-hidropiridina (Amlodipina, felodipina, lacidipina, nifedipina, nicardipina, nimodipina, nitrendipina): O uso concomitante pode aumentar o risco de hipotensão, e não pode ser excluido um aumento do risco de uma posterior deterioração da bomba ventricular em doentes com insuficiência cardíaca. - Lacidipina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nebivolol + Nifedipina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações a ser consideradas: Antagonistas do cálcio do tipo di-hidropiridina (Amlodipina, felodipina, lacidipina, nifedipina, nicardipina, nimodipina, nitrendipina): O uso concomitante pode aumentar o risco de hipotensão, e não pode ser excluido um aumento do risco de uma posterior deterioração da bomba ventricular em doentes com insuficiência cardíaca. - Nifedipina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nebivolol + Nicardipina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações a ser consideradas: Antagonistas do cálcio do tipo di-hidropiridina (Amlodipina, felodipina, lacidipina, nifedipina, nicardipina, nimodipina, nitrendipina): O uso concomitante pode aumentar o risco de hipotensão, e não pode ser excluido um aumento do risco de uma posterior deterioração da bomba ventricular em doentes com insuficiência cardíaca. interacções farmacocinéticas: A associação de nebivolol com nicardipina aumenta ligeiramente os níveis plasmáticos de ambos os fármacos, sem alterar o efeito clínico. - Nicardipina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nebivolol + Nimodipina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações a ser consideradas: Antagonistas do cálcio do tipo di-hidropiridina (Amlodipina, felodipina, lacidipina, nifedipina, nicardipina, nimodipina, nitrendipina): O uso concomitante pode aumentar o risco de hipotensão, e não pode ser excluido um aumento do risco de uma posterior deterioração da bomba ventricular em doentes com insuficiência cardíaca. - Nimodipina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nebivolol + Nitrendipina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações a ser consideradas: Antagonistas do cálcio do tipo di-hidropiridina (Amlodipina, felodipina, lacidipina, nifedipina, nicardipina, nimodipina, nitrendipina): O uso concomitante pode aumentar o risco de hipotensão, e não pode ser excluido um aumento do risco de uma posterior deterioração da bomba ventricular em doentes com insuficiência cardíaca. - Nitrendipina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nebivolol + Antipsicóticos

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações a ser consideradas: Antipsicóticos, antidepressivos (tricíclicos, barbitúricos e fenotiazinas): O uso concomitante pode potenciar o efeito hipotensor dos beta-bloqueadores (efeito aditivo). - Antipsicóticos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nebivolol + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações a ser consideradas: Antipsicóticos, antidepressivos (tricíclicos, barbitúricos e fenotiazinas): O uso concomitante pode potenciar o efeito hipotensor dos beta-bloqueadores (efeito aditivo). - Antidepressores (Tricíclicos)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nebivolol + Barbitúricos

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações a ser consideradas: Antipsicóticos, antidepressivos (tricíclicos, barbitúricos e fenotiazinas): O uso concomitante pode potenciar o efeito hipotensor dos beta-bloqueadores (efeito aditivo). - Barbitúricos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nebivolol + Fenotiazidas (fenotiazinas)

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações a ser consideradas: Antipsicóticos, antidepressivos (tricíclicos, barbitúricos e fenotiazinas): O uso concomitante pode potenciar o efeito hipotensor dos beta-bloqueadores (efeito aditivo). - Fenotiazidas (fenotiazinas)
Sem efeito descrito

Nebivolol + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações a ser consideradas: Medicamentos anti-inflamatórios não esteróides (AINEs): Não produzem efeito na diminuição da pressão arterial produzida pelo nebivolol. - Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)
Usar com precaução

Nebivolol + Simpaticomiméticos

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacodinâmicas: As interacções seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações a ser consideradas: Agentes simpaticomiméticos: O uso concomitante pode neutralizar o efeito dos antagonistas beta-adrenérgicos. Os agentes beta-adrenérgicos podem conduzir a uma actividade alfa-adrenérgica não oposta dos agentes simpaticomiméticos com efeitos alfa e beta-adrenérgicos (risco de hipertensão, bradicardia grave e bloqueio cardíaco). - Simpaticomiméticos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nebivolol + Paroxetina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacocinéticas: Uma vez que o metabolismo do nebivolol envolve a isoenzima CYP2D6, a co-administração de substâncias inibidoras desta enzima, nomeadamente a paroxetina, fluoxetina, tioridazina e quinidina podem levar a um aumento dos níveis plasmáticos de nebivolol associado a um risco acrescido de bradicardia excessiva e de efeitos adversos. - Paroxetina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nebivolol + Fluoxetina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacocinéticas: Uma vez que o metabolismo do nebivolol envolve a isoenzima CYP2D6, a co-administração de substâncias inibidoras desta enzima, nomeadamente a paroxetina, fluoxetina, tioridazina e quinidina podem levar a um aumento dos níveis plasmáticos de nebivolol associado a um risco acrescido de bradicardia excessiva e de efeitos adversos. - Fluoxetina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nebivolol + Tioridazina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacocinéticas: Uma vez que o metabolismo do nebivolol envolve a isoenzima CYP2D6, a co-administração de substâncias inibidoras desta enzima, nomeadamente a paroxetina, fluoxetina, tioridazina e quinidina podem levar a um aumento dos níveis plasmáticos de nebivolol associado a um risco acrescido de bradicardia excessiva e de efeitos adversos. - Tioridazina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nebivolol + Cimetidina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacocinéticas: A co-administração de cimetidina aumenta os níveis plasmáticos de nebivolol, sem alterar o efeito clínico. - Cimetidina
Sem efeito descrito

Nebivolol + Ranitidina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacocinéticas: A co-administração de ranitidina não afecta a farmacocinética do nebivolol. - Ranitidina
Sem efeito descrito

Nebivolol + Antiácidos

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacocinéticas: Desde que Nebivolol seja tomado com a refeição e os antiácidos entre as refeições, ambos os tratamentos podem ser prescritos simultaneamente. - Antiácidos
Sem efeito descrito

Nebivolol + Álcool

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacocinéticas: A co-administração de álcool, furosemida ou hidroclorotiazida não afectou a farmacocinética do nebivolol. - Álcool
Sem efeito descrito

Nebivolol + Furosemida

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacocinéticas: A co-administração de álcool, furosemida ou hidroclorotiazida não afectou a farmacocinética do nebivolol. - Furosemida
Sem efeito descrito

Nebivolol + Hidroclorotiazida

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacocinéticas: A co-administração de álcool, furosemida ou hidroclorotiazida não afectou a farmacocinética do nebivolol. - Hidroclorotiazida
Sem efeito descrito

Nebivolol + Varfarina

Observações: n.d.
Interações: interacções farmacocinéticas: O nebivolol não tem efeito sobre a farmacocinética e a farmacodinamia da varfarina. - Varfarina
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Nebivolol
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Há um risco do feto ser afectado. Assim sendo não tome Nebivolol durante a gravidez.

Não tome Nebivolol durante o aleitamento.

Podem ocorrer ocasionalmente tonturas e cansaço como efeitos adversos do Nebivolol.

Tome isto em consideração quando conduzir um carro ou usar máquinas.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 26 de Novembro de 2020