Milnaciprano

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Condução
O que é
O Milnaciprano é um antidepressivo relativamente recente e que apresenta a propriedade de inibir a recaptação da serotonina e da noradrenalina de forma equivalente.

Comparado à Imipramina, apresenta a mesma eficácia antidepressiva e aparentemente é superior aos inibidores da recaptação da Serotonina.

As principais vantagens deste antidepressivo devem-se aos menores efeitos anticolinérgicos e a segurança para pacientes cardiopatas devido à baixa influência no ritmo cardíaco.

O Milnociprano não apresenta afinidade pelos recetores muscarínicos, dopamínicos e histamínicos proporcionando poucos efeitos colaterais e não sedando o paciente.

Os efeitos colaterais dessa medicação são leves e costumam ceder dentro de uma a três semanas, sendo dificilmente intolerável pelo paciente.

Os efeitos mais comuns são vertigem, sudorese, sensação de calor repentina, ansiedade.

Náuseas, vómitos, boca seca e constipação também podem ocorrer, embora em menor frequência.

Apresenta baixa toxicidade de overdose.
Usos comuns
Tratamento das crises de depressão major, compreendendo as formas graves nos doentes hospitalizados.
Tipo
Molécula pequena.
História
Milnacipran foi aprovado para o tratamento de episódios depressivos major na França em dezembro de 1996. É actualmente comercializado (como Ixel) para esta indicação em mais de 45 países em todo o mundo, incluindo vários países europeus, como a Alemanha, Áustria, Bulgária, Finlândia, França, Portugal e Rússia. Também está disponível no Japão (como Toledomin) e México (como Dalcipran).

Cypress Bioscience comprou os direitos exclusivos para a aprovação e comercialização do medicamento para qualquer finalidade, nos Estados Unidos e no Canadá, em 2003, a partir do fabricante Laboratoires Pierre Fabre.

Em janeiro de 2009, os EUA Food and Drug Administration (FDA) aprovou milnacipran (sob a marca Savella) apenas para o tratamento da fibromialgia, tornando-se o terceiro medicamento aprovado para esta finalidade, nos Estados Unidos.

Em julho e novembro de 2009, a Agência Europeia de Medicamentos recusou autorização de comercialização de um produto milnacipran (sob a marca Impulsor) para o tratamento da fibromialgia.
Indicações
Tratamento das crises de depressão major, compreendendo as formas graves nos doentes hospitalizados.
Classificação CFT

02.09.03 : Antidepressores

Mecanismo De Ação
O milnaciprano é um duplo inibidor da recaptação da norepinefrina e da serotonina (5 HT).

Ao contrário da maioria dos antidepressivos tricíclicos, o milnaciprano não possui afinidade para os recetores alfa-1 adrenérgicos e H1 histaminérgicos.

Estudos de ligação sugerem que o milnaciprano não possui afinidade significativa para os recetores colinérgicos (muscarínicos).

Além disso, o milnaciprano é também desprovido de afinidade para os recetores dopaminérgicos D1 e D2, da benzodiazepina e recetores opioides.


No homem:
- em doses terapêuticas, as concentraçõesplasmáticas observadas encontram-se consistentemente a níveis correspondentes a 50% a 90% de inibição da recaptação da norepinefrina e da serotonina.


- os efeitos farmacológicos observados nos sistemas gastrointestinal e genito-urinário parecem estar relacionados com a inibição da recaptação da norepinefrina que pode exercer um efeito antagonista sobre a acetilcolina (efeito anticolinérgico indireto).


- o milnaciprano não induz nenhuma alteração clínica significativa sobre a repolarização ou condução cardíaca.


- não afeta a função cognitiva e possui pouco efeito sedativo.


- as alterações do sono melhoram em doentes deprimidos tratados com milnaciprano.


O tempo de latência para adormecer reduz-se, assim como o número de despertares noturnos, aumentando a latência para o início do sono paradoxal.


Aumenta a duração total do sono.


A eficácia do milnaciprano foi comparável à dos antidepressivos tricíclicos e SSRIs e considerada inferior à da clomipramina.
Posologia Orientativa
A dose diária recomendada é de 100 mg dividida em duas tomas de 50 mg.
Administração
Via oral.

Tomar de manhã e à noite de preferência durante as refeições.

Tomar a cápsula com um copo de água.
Contraindicações
Este medicamento nunca deve ser utilizado nos seguintes casos:
- hipersensibilidade conhecida ao Milnaciprano;
- associação com inibidores não selectivos da M.A.O, inibidores selectivos da MAO-B, digitálicos e agonistas da 5HT1D (sumatriptano...);
- aleitamento.

Geralmente, este medicamento não deve ser utilizado nos seguintes casos:
- em associação com a epinefrina e a norepinefrina pela via parentérica, clonidina e compostos relacionados e inibidores selectivos da MAO-A;
- hipertrofia prostática e outras alterações geniturinárias;
- gravidez.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Os efeitos indesejáveis observados durante o tratamento com Milnacipran ocorrem principalmente durante a primeira semana ou as duas primeiras semanas de tratamento, regredindo posteriormente, simultaneamente com a melhoria do episódio depressivo.


Estes efeitos são geralmente ligeiros e só raramente conduzem à interrupção do tratamento.


Os efeitos adversos mais frequentemente referidos com o tratamento isolado ou em associação com outros agentes psicotrópicos, durante os ensaios clínicos, e que ocorreram com menor frequência nos doentes tratados com placebo são vertigens, sudação excessiva, ansiedade, acessos de calor e disúria.


Os efeitos adversos referidos com menor frequência foram náuseas, vómitos, secura da boca, obstipação, tremor, palpitação, agitação, dor de cabeça, urticária, rash, por vezes máculo-papular, eritematoso e prurido.


É de referir que os doentes com história de doença cardiovascular ou de tratamento cardíaco simultâneo podem apresentar uma maior incidência de efeitos adversos cardiovasculares (p.e., hipertensão, hipotensão, hipotensão postural, taquicardia e palpitações).


Foram notificados casos de ideação/comportamento suicida notificados durante o tratamento com milnacipran ou imediatamente após a sua descontinuação.


Em raros casos, pode ocorrer o seguinte:
- uma síndrome serotoninérgica, quando em associação com outros fármacos
- aumento moderado das transaminases;
- retenção urinária
- convulsões particularmente em doentes com antecedentes de epilepsia
- dor testicular, alterações da ejaculação.


Em casos excepcionais, pode ocorrer o seguinte:
- hiponatremia
- equimoses e outras hemorragias mucosas ou cutâneas

Além disso, alguns efeitos adversos estão relacionados com a natureza da doença depressiva:
- eliminação da inibição psicomotora, com risco de suicídio,
- alteração de humor, com episódios de mania,
- reactivação de um delírio em doentes psicóticos,
- sintomas paroxísticos de ansiedade (com antidepressivos psicoestimulantes).


Foram notificados casos de ideação/comportamento suicida notificados durante o tratamento com milnacipran ou imediatamente após a sua descontinuação
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Só deve ser usada durante a gravidez se o benefício for claramente superior ao potencial risco (não demonstrado) de teratogenicidade. Ver Antidepressores. Risco fetal desconhecido, por falta de estudos alargados.
Condução
Condução
Condução:Altera significativamente a capacidade de condução.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:A utilização deste medicamento está contra-indicada durante o aleitamento.
Precauções Gerais
Suicídio/ideação suicida/agravamento da situação clínica
A depressão está associada ao aumento do risco de ideação suicida, autoagressividade e suicídio (pensamentos/comportamentos relacionados com o suicídio).

O risco prevalece até que ocorra remissão significativa dos sintomas.

Como durante as primeiras semanas ou mais de tratamento pode não se verificar qualquer melhoria, os doentes deverão ter uma vigilância mais rigorosa até que essa melhoria ocorra.

De acordo com a prática clínica, em geral o risco de suicídio pode aumentar nas fases iniciais da recuperação.


Os doentes com história de pensamentos/comportamentos relacionados com o suicídio, que apresentem um grau significativo destes sintomas antes do início do tratamento, apresentam também um maior risco de ideação suicida ou de tentativa de suicídio, devendo por este motivo ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento.

Uma meta-análise de estudos clínicos controlados com placebo em adulto com distúrbios psiquiátricos demonstrou um aumento do risco de comportamentos relacionados com o suicídio em doentes com menos de 25 anos a tomar antidepressivos comparativamente aos doentes a tomar placebo.

A terapêutica medicamentosa deverá ser acompanhada de uma monitorização rigorosa em particular nos doentes de maior risco especialmente na fase inicial do tratamento ou na sequência de alterações posológicas.


Os doentes, e os prestadores de cuidado de saúde, devem ser alertados para a necessidade de monitorização relativamente a qualquer agravamento da sua situação clínica, pensamentos/comportamentos relacionados com o suicídio e para procurar assistência médica imediatamente caso estes ocorram.



População pediátrica
Milnaciprano não deve ser utilizado no tratamento de crianças e adolescentes com idade inferior a 18 anos.

Foram observados com maior frequência comportamentos relacionados com o suicídio (tentativa de suicídio, ideação suicida) e hostilidade (predominantemente agressão, comportamento de oposição e cólera) em ensaios clínicos com crianças e adolescentes que se encontravam a tomar antidepressivos, em comparação com os que se encontravam a tomar placebo.

Se, não obstante, com base na necessidade clínica, a decisão de tratamento for tomada, o doente deve ser rigorosamente monitorizado em relação ao aparecimento de sintomas suicidas.

Não estão disponíveis dados de segurança a longo prazo em crianças e adolescentes no que se refere ao crescimento, à maturação e ao desenvolvimento cognitivo e comportamental.



Precauções de utilização
Os doentes com insónia ou nervosismo no início do tratamento poderão necessitar de tratamento sintomático transitório.


Se o doente sofrer de hipomania, o tratamento com milnaciprano deve ser descontinuado, sendo prescrito, na maioria dos casos, um agente antipsicótico sedativo.

Embora não tenha sido referida nenhuma interação com o álcool, recomenda-se evitar a sua ingestão, tal como com qualquer medicação psicotrópica.


A exposição sistémica ao milnaciprano aumentou 20%, quando associado à levomepromazina, em voluntários saudáveis.

Poderá suspeitar-se de um aumento superior ao utilizar a associação destes fármacos, em doentes idosos ou com alteração da função renal.


O milnaciprano deve ser prescrito com precaução nos seguintes casos:
- em doentes com insuficiência renal:
A posologia deve ser reduzida, devido ao prolongamento da semivida de eliminação.


- em doentes com história de obstrução urinária, principalmente em doentes com hipertrofia prostática e outras alteraçõesgeniturinárias.

Devido ao componente noradrenérgico do mecanismo de ação do milnaciprano, é necessário monitorizar as alterações da micção;
- em doentes com hipertensão ou doença cardíaca:
Recomenda-se a monitorização da pressão arterial e da frequência cardíaca no início do tratamento, seguida de aumentos periódicos da dose ao longo do tratamento com milnaciprano para todos os doentes e, mais atentamente, em doentes com risco cardiovascular conhecido;
- em doentes com glaucoma de ângulo fechado;
- em doentes com epilepsia ou com antecedentes de epilepsia:
O milnaciprano deve ser usado com precaução e deve ser descontinuado se o doente desenvolver uma crise.


Verificaram-se casos de hiponatremia em doentes tratados com inibidores da recaptação da serotonina, possivelmente devido à síndrome de secreção de hormona antidiurética inapropriada.


Aconselha-se precaução no idoso, em doentes a tomar diuréticos ou outros tratamentos conhecidos por induzirem hiponatremia, em doentes com cirrose ou com má nutrição.


Foram referidos casos de hemorragias, por vezes graves, com a utilização de inibidores da recaptação da serotonina.

Deverá haver precaução em doentes tratados simultaneamente com anticoagulantes orais, medicamentos que atuem sobre a função plaquetária, p.ex, AINEs e ácido acetilsalicílico, ou outros medicamentos que possam aumentar o risco hemorrágico.

Também deverá haver precaução em doentes com
antecedentes de anomalias hemorrágicas.
Cuidados com a Dieta
A utilização de bebidas alcoólicas ou de medicamentos contendo álcool está desaconselhada.
Terapêutica Interrompida
Não tome uma dose a dobrar para compensar a dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Não conservar acima de 30ºC.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Contraindicado

Milnaciprano + Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)

Observações: N.D.
Interações: Associações Contraindicadas: Com inibidores não selectivos da MAO (iproniazida): Risco de síndrome serotoninérgica*. Deverá respeitar-se um intervalo de duas semanas entre a interrupção do tratamento com inibidor da MAO e o início do tratamento com Milnaciprano, e, pelo menos uma semana, entre o fim do tratamento com Milnaciprano e o início do tratamento com um inibidor da MAO. Podem ocorrer os seguintes sintomas: - psiquiátricos (agitação, confusão, hipomania, possibilidade de coma), - motores (mioclonia, tremor, hiperreflexia, rigidez, hiperactividade), - vegetativos (hipo ou hipertensão, taquicardia, arrepeios, hipertermia, sudação), - gastrointestinais (diarreia) O cumprimento rigoroso da posologia prescrita é um factor essencial na prevenção do início desta síndrome. Com inibidores selectivos da MAO-B (selegilina): Risco de hipertensão paroxística. Deverá respeitar-se um intervalo de duas semanas entre a interrupção do tratamento com o inibidor selectivo da MAO-B e o início do tratamento com Milnacipran, e pelo menos uma semana entre o fim do tratamento com Milnacipran e o início do tratamento com o inibidor da MAO-B. Associações desaconselhadas: Com inibidores selectivos da MAO-A (moclobemide, toloxatone): Risco de desenvolvimento de síndrome serotoninérgica * (ver acima) Caso esta associação não possa ser evitada, monitorizar o doente muito cuidadosamente. Iniciar a associação com a menor dose recomendada. * Síndrome serotoninérgica: Alguns casos de sobredosagem de fármacos ou certos tratamentos (lítio) podem provocar uma síndrome serotoninérgica que requer interrupção imediata do tratamento com Milnacipran. A síndrome serotoninérgica consiste no desenvolvimento simultâneo ou sequencial (por vezes repentino) de um grupo de sintomas que podem conduzir à hospitalização ou mesmo causar a morte. - Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)
Não recomendado/Evitar

Furazolidona + Milnaciprano

Observações: N.D.
Interações: Não se recomenda a utilização de furazolidona com qualquer um dos seguintes medicamentos. - Amitriptilina - Apraclonidina - Atomoxetina - Benzefetamina - Brimonidina - Bupropiona - Carbamazepina - Carbidopa - Carbinoxamina - Citalopram - Clomipramina - Ciclobenzaprina - Cipro-heptadina - Desipramina - Desvenlafaxina - Dexmetilfenidato - Dextroanfetamina - Anfepramona (Dietilpropiona) - Doxilamina - Entacapona - Escitalopram - Femoxetina - Fluoxetina - Fluvoxamina - Guanedrel - Guanetidina - Hidroxitriptofano - Imipramina - Isocarboxazida - Levodopa - Levacetilmetadol - Levomilnacipran - Maprotilina - Mazindol - Metadona - Metanfetamina - Metildopa - Metilfenidato - Milnaciprano - Mirtazapina - Nefazodona - Nefopam - Nortriptilina - Opipramol - Paroxetina - Fendimetrazina - Fenmetrazina - Fentermina - Fenilalanina - Pseudoefedrina - Reserpina - Safinamida - Selegilina - Sertralina - Sibutramina - Sumatriptano - Tapentadol - Tetrabenazina - Tranilcipromina - Trazodona - Trimipramina - Triptofano - Venlafaxina - Vilazodona - Vortioxetina - Zimeldina - Milnaciprano
Usar com precaução

Mepivacaína + Noradrenalina + Milnaciprano

Observações: A administração concomitante deste anestésico com os produtos seguintes requer uma vigilância rigorosa do estado clínico e biológico do doente.
Interações: Associações que exigem precauções de utilização: Antidepressores serotoninérgicos-noradrenérgicos (designados por minalcipran e venlafaxina): Hipertensão paroxística com possibilidade de perturbações do ritmo (inibição da entrada da noradrenalina na fibra simpática). Precauções de utilização: Limitar a dose administrada, por exemplo, menos de 0,1 mg de noradrenalina em 10 minutos ou 0,3 mg em uma hora no adulto. - Milnaciprano
Contraindicado

Milnaciprano + Selegilina

Observações: N.D.
Interações: Associações Contraindicadas: Com inibidores selectivos da MAO-B (selegilina): Risco de hipertensão paroxística. Deverá respeitar-se um intervalo de duas semanas entre a interrupção do tratamento com o inibidor selectivo da MAO-B e o início do tratamento com Milnacipran, e pelo menos uma semana entre o fim do tratamento com Milnacipran e o início do tratamento com o inibidor da MAO-B. - Selegilina
Contraindicado

Milnaciprano + Agonistas 5-HT1 da serotonina

Observações: N.D.
Interações: Associações Contraindicadas: Com agonistas 5 HT1D (sumatriptano...): Por extrapolação com os inibidores selectivos da recaptação da serotonina. Risco de hipertensão, vasoconstrição da artéria coronária por efeitos serotoninérgicos aditivos. Esperar uma semana entre o fim do tratamento com Milnacipran e o início do tratamento com agonistas 5 HT1D. - Agonistas 5-HT1 da serotonina
Contraindicado

Milnaciprano + Sumatriptano

Observações: N.D.
Interações: Associações Contraindicadas: Com agonistas 5 HT1D (sumatriptano...): Por extrapolação com os inibidores selectivos da recaptação da serotonina. Risco de hipertensão, vasoconstrição da artéria coronária por efeitos serotoninérgicos aditivos. Esperar uma semana entre o fim do tratamento com Milnacipran e o início do tratamento com agonistas 5 HT1D. - Sumatriptano
Contraindicado

Milnaciprano + Glicósideos digitálicos

Observações: N.D.
Interações: Associações Contraindicadas: Com digitálicos (digoxina...): Risco de potenciação dos efeitos hemodinâmicos, em particular pela via parentérica. - Glicósideos digitálicos
Contraindicado

Milnaciprano + Digoxina

Observações: N.D.
Interações: Associações Contraindicadas: Com digitálicos (digoxina...): Risco de potenciação dos efeitos hemodinâmicos, em particular pela via parentérica. - Digoxina
Não recomendado/Evitar

Milnaciprano + Adrenalina (epinefrina)

Observações: N.D.
Interações: Associações desaconselhadas: Com epinefrina, norepinefrina (alfa e beta Simpaticomiméticos): Em caso de acção sistémica pela via parentérica. Hipertensão paroxística com possível arritmia (inibição da entrada de epinefrina ou norepinefrina na fibra do grande simpático). Associações que requerem precaução de utilização: Com epinefrina, norepinefrina (alfa e beta simpatomiméticos): Quando se pretende acção hemostática por injecção subcutânea ou gengival: Hipertensão paroxística com possível arritmia (inibição da entrada de epinefrina ou norepinefrina na fibra do grande simpático). Limitar a toma, por exemplo, a menos que 0,1 mg de epinefrina em 10 minutos ou 0,3 mg numa hora, em adultos. - Adrenalina (epinefrina)
Não recomendado/Evitar

Milnaciprano + Noradrenalina (Norepinefrina)

Observações: N.D.
Interações: Associações desaconselhadas: Com epinefrina, norepinefrina (alfa e beta Simpaticomiméticos): Em caso de acção sistémica pela via parentérica. Hipertensão paroxística com possível arritmia (inibição da entrada de epinefrina ou norepinefrina na fibra do grande simpático). Associações que requerem precaução de utilização: Com epinefrina, norepinefrina (alfa e beta simpatomiméticos): Quando se pretende acção hemostática por injecção subcutânea ou gengival: Hipertensão paroxística com possível arritmia (inibição da entrada de epinefrina ou norepinefrina na fibra do grande simpático). Limitar a toma, por exemplo, a menos que 0,1 mg de epinefrina em 10 minutos ou 0,3 mg numa hora, em adultos. - Noradrenalina (Norepinefrina)
Não recomendado/Evitar

Milnaciprano + Clonidina

Observações: N.D.
Interações: Associações desaconselhadas: Com clonidina e produtos relacionados (referido com desipramina e imipramina): Inibição do efeito antihipertensor da clonidina (antagonismo com receptores adrenérgicos). - Clonidina
Não recomendado/Evitar

Milnaciprano + Desipramina

Observações: N.D.
Interações: Associações desaconselhadas: Com clonidina e produtos relacionados (referido com desipramina e imipramina): Inibição do efeito antihipertensor da clonidina (antagonismo com receptores adrenérgicos). - Desipramina
Não recomendado/Evitar

Milnaciprano + Imipramina

Observações: N.D.
Interações: Associações desaconselhadas: Com clonidina e produtos relacionados (referido com desipramina e imipramina): Inibição do efeito antihipertensor da clonidina (antagonismo com receptores adrenérgicos). - Imipramina
Não recomendado/Evitar

Milnaciprano + Moclobemida

Observações: N.D.
Interações: Associações desaconselhadas: Com inibidores selectivos da MAO-A (moclobemide, toloxatone): Risco de desenvolvimento de síndrome serotoninérgica * Caso esta associação não possa ser evitada, monitorizar o doente muito cuidadosamente. Iniciar a associação com a menor dose recomendada. * Síndrome serotoninérgica: Alguns casos de sobredosagem de fármacos ou certos tratamentos (lítio) podem provocar uma síndrome serotoninérgica que requer interrupção imediata do tratamento com Milnacipran. A síndrome serotoninérgica consiste no desenvolvimento simultâneo ou sequencial (por vezes repentino) de um grupo de sintomas que podem conduzir à hospitalização ou mesmo causar a morte. - Moclobemida
Não recomendado/Evitar

Milnaciprano + Toloxatona

Observações: N.D.
Interações: Associações desaconselhadas: Com inibidores selectivos da MAO-A (moclobemide, toloxatone): Risco de desenvolvimento de síndrome serotoninérgica * Caso esta associação não possa ser evitada, monitorizar o doente muito cuidadosamente. Iniciar a associação com a menor dose recomendada. * Síndrome serotoninérgica: Alguns casos de sobredosagem de fármacos ou certos tratamentos (lítio) podem provocar uma síndrome serotoninérgica que requer interrupção imediata do tratamento com Milnacipran. A síndrome serotoninérgica consiste no desenvolvimento simultâneo ou sequencial (por vezes repentino) de um grupo de sintomas que podem conduzir à hospitalização ou mesmo causar a morte. - Toloxatona
Usar com precaução

Milnaciprano + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução de utilização: Com lítio: Risco de desenvolvimento de síndrome serotoninérgica* (ver acima). Realizar regularmente a monitorização clínica do doente. - Lítio
Não recomendado/Evitar

Efedrina + Milnaciprano

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Antidepressivos noradrenérgicos-serotoninérgicos (minalcipran, venlafaxina): Hipertensão paroxismal com possibilidade de arritmia (inibição da entrada de adrenalina ou noradrenalina em fibras simpáticas). - Milnaciprano
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Milnaciprano
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Como medida de precaução, é preferível não administrar milnaciprano durante a gravidez.

A utilização deste medicamento está contra-indicada durante o aleitamento.

Chama-se a atenção, principalmente dos condutores de veículos e dos utilizadores de máquinas, para os eventuais riscos de vertigens, especialmente no início do tratamento.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 08 de Setembro de 2020