Mexazolam

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Condução
O que é
O Mexazolam é uma substância incluída na classe de medicamentos para o Sistema Nervoso Central, sub-grupo dos psicofármacos, ansiolíticos, sedativos e hipnóticos, benzodiazepinas.
Usos comuns
O Mexazolam está indicado no tratamento da ansiedade associada ou não a estados psiconeuróticos.

As benzodiazepinas só estão indicadas quando estas situações são graves, incapacitantes ou originam um marcado estado de sofrimento.
Tipo
Molécula pequena.
História
Sem informação.
Indicações
Está indicado no tratamento da ansiedade associada ou não a estados psiconeuróticos.
Classificação CFT

02.09.01 : Ansiolíticos, sedativos e hipnóticos

Mecanismo De Ação
O Mexazolam é uma benzodiazepina. Em regra, as benzodiazepinas atuam como depressores do sistema nervoso central produzindo desde sedação ligeira a hipnose e coma, dependendo da dose, em todos os níveis de depressão.

Os locais e os mecanismos de ação não estão ainda completamente definidos. Verificou-se que as benzodiazepinas influenciam a neurotransmissão mediada pelo ácido gama-aminobutírico (GABA), através da estimulação de recetores específicos.
A ligação a esses recetores pode ser modulada quer pelo GABA quer pelo ião cloro.

Efeitos sedativos: demonstrou-se em ratinhos, ratos, hamsters e macacos que o Mexazolam provoca uma maior inibição do comportamento de conflito, violência, agressão e excitação que o diazepam.

Os estudos em gatos e coelhos sugerem que estes efeitos sedativos podem resultar da ação do fármaco no sistema límbico, incluindo a amígdala e o hipotálamo.

Efeitos anticonvulsivos: demonstrou-se em ratinhos, ratos e macacos que o Mexazolam provoca um maior efeito inibidor das convulsões induzidas pelo megimide e pentetrazol que o diazepam.

Efeitos relaxantes musculares: o Mexazolam inibiu a rigidez descerebrada e deprimiu a atividade dos neurónios motores gama em gatos.

Influência na função motora: demonstrou-se em ratinhos, ratos e cães que a influência do Mexazolam na função motora (por exemplo, inibição da atividade motora espontânea, efeito relaxante muscular, efeito inibidor do reflexo de manutenção em pé e efeito atáxico), é limitada.
Posologia Orientativa
A dose deve ser individualizada segundo a gravidade dos sintomas e a idade do doente.

Adultos: em média 1,0 a 3,0 mg por dia, preferencialmente divididos em 3 tomas.

Idosos: não ultrapassar a dose de 1,5 mg por dia.
Administração
O tratamento da ansiedade deve ser tão curto quanto possível. O doente deve ser observado periodicamente, reavaliando-se a necessidade de continuar o tratamento, especialmente se está assintomático.

A duração total do tratamento não deve exceder oito a doze semanas incluindo o período de descontinuação. Nalguns casos pode ser necessário prolongar o período de tratamento para além do tempo máximo recomendado. Se assim for, tal não deve acontecer sem uma consulta prévia por um especialista.

Em todos os casos o tratamento deve começar com a dose mínima recomendada.

O doente deve ser vigiado regularmente no início do tratamento a fim de diminuir a dose ou a frequência da administração em caso de ser necessário para prevenir uma sobredosagem devido a acumulação.
Contraindicações
Miastenia gravis, hipersensibilidade às benzodiazepinas, insuficiência respiratória grave, síndrome de apneia do sono e insuficiência hepática grave.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Os efeitos indesejáveis das benzodiazepinas são, quase sempre, uma extensão das suas ações farmacológicas e incluem sonolência diurna, embotamento afetivo, redução do estado de alerta, confusão, fadiga, cefaleias, sensação de cabeça vazia, fraqueza muscular, ataxia ou diplopia.

Com o Mexazolam, ocorreram raramente (<0,1%) alterações dos movimentos linguais, hipotensão, sensação de cabeça vazia, naúseas, vómitos, anorexia, desconforto gástrico, dor gástrica, dor abdominal, diarreia, sintomas de hipersensibilidade (por exemplo, erupções cutâneas), diminuição da líbido, elevação da fosfatase alcalina, anemia e leucopenia.

Com pouca frequência (0,1 - 5%) ocorreram sonolência, vertigens, tonturas, cefaleias, ataxia, boca seca, fraqueza, elevação das transaminases glutamicoxalocética e glutamicopirúvica e elevação da gama-glutamiltranspeptidase.

Os efeitos indesejáveis ocorrem habitualmente nos primeiros dias de tratamento e normalmente desaparecem com a continuação da terapêutica.

Amnésia:
Amnésia anterógrada pode ocorrer quando se usam doses terapêuticas de benzodiazepinas aumentando o risco quando se elevam as doses. Os efeitos amnésicos podem estar associados a comportamentos inapropriados.

Depressão:
Uma depressão pré-existente pode tornar-se evidente durante o uso de benzodiazepinas.

Reações psiquiátricas e paradoxais:
Reações tais como inquietação, agitação, irritabilidade, agressividade, ilusões, fúria, pesadelos, alucinações, psicoses, comportamento inapropriado e outros efeitos adversos comportamentais podem ocorrer e ser particularmente graves com as benzodiazepinas.
Estas reações têm maior probabilidade de ocorrer em crianças e idosos.

Dependência:
O uso deste medicamento, mesmo em doses terapêuticas, pode levar ao desenvolvimento de dependência física: a interrupção da terapêutica pode resultar em fenómenos de privação ou rebound.
Pode ocorrer dependência psíquica. Tem sido referida o abuso na utilização de benzodiazepinas.
Advertências

Sem informação.

Precauções Gerais
Dependência:
O uso de benzodiazepinas pode conduzir ao desenvolvimento de dependência psíquica e física para estes fármacos. O risco de dependência aumenta com a dose e duração do tratamento; é também maior nos doentes com história de toxicodependência ou alcoolismo.

Uma vez estabelecida a dependência física, a interrupção abrupta do tratamento será acompanhada de sintomas de privação. Estes podem consistir em cefaleias, dores musculares, ansiedade extrema, tensão, inquietação, confusão e irritabilidade.

Nos casos graves os seguintes sintomas podem ocorrer: desrealização, despersonalização, hiperacusia, adormecimento e formigueiros das extremidades, hipersensibilidade à luz, ruído e contacto físico, alucinações ou ataque epiléptico.

Rebound da ansiedade:
Um síndrome transitório, em que os sintomas que conduziram ao tratamento com uma benzodiazepina reaparecem sob uma forma agravada, pode ocorrer na suspensão do tratamento. Pode ser acompanhado de outras reações incluindo alterações do humor, ansiedade ou perturbações do sono e inquietação.

Uma vez que o risco dos fenómenos de privação/fenómenos rebound é maior após uma interrupção brusca do tratamento, recomenda-se que a dose seja diminuida gradualmente.

Duração do tratamento:
A duração do tratamento deve ser tão curta quanto possível dependendo da indicação, mas não deve exceder 8 a 12 semanas no caso de ansiedade, incluindo o período de descontinuação. O prolongamento do tratamento para além destes períodos não deve ser feito sem uma reavaliação da situação.

Quando se inicia o tratamento pode ser útil informar o doente que ele terá uma duração limitada, explicando-lhe precisamente como se procederá à diminuição progressiva da dose.
É também importante que o doente seja informado sobre a possibilidade de ocorrência do fenómeno rebound, minimizando assim a ansiedade se tais sintomas ocorrerem quando se procede à descontinuação do fármaco.

Quando se utiliza uma benzodiazepina de longa duração de ação como o Mexazolam, não se deve mudar para uma benzodiazepina de curta duração, uma vez que tal atitude poderia conduzir ao aparecimento de sintomas de privação.

Amnésia:
As benzodiazepinas podem induzir amnésia anterógrada. Tal acontece com mais frequência várias horas após ingerir o produto e assim, para diminuir o risco, os doentes devem assegurar a possibilidade de ter um período ininterrupto de sono de 7-8 horas.

Reações paradoxais e psiquiátricas:
Quando se usam benzodiazepinas podem ocorrer inquietação, agitação, irritabilidade, agressividade, ilusões, fúria, pesadelos, alucinações, psicoses, comportamentos inapropriados e outros efeitos adversos comportamentais.

Se tal ocorrer a medicação deve ser suspensa. Estas reações têm maior probabilidade de ocorrer em crianças e idosos.

Com Mexazolam ocorreram reações paradoxais em doentes esquizofrénicos.

Grupos específicos de doentes:
Os idosos devem receber uma dose menor. Uma dose menor é também recomendada aos doentes com insuficiência respiratória crónica, pelo risco de depressão respiratória.

As benzodiazepinas não estão indicadas no tratamento de doentes com insuficiência hepática grave uma vez que podem precipitar encefalopatia.

As benzodiazepinas não são recomendadas para o tratamento primário da doença psicótica.

As benzodiazepinas não devem ser usadas isoladamente para tratar a depressão ou ansiedade associada à depressão (podem precipitar o suicídio nestes doentes).

As benzodiazepinas devem ser usadas com extrema precaução nos doentes com história de toxicodependência ou alcoolismo.

O Mexazolam deve ser usado com muita precaução nos doentes com alterações das funções cardíacas, renal ou hepática, e nos doentes com lesão cerebral orgânica.
Cuidados com a Dieta
Não ingerir álcool.
Terapêutica Interrompida
No caso de omissão de uma ou mais doses não tomar a dose se decorrer mais de uma hora. Nunca duplicar a dose.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.

O produto deve ser conservado ao abrigo da luz.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Não recomendado/Evitar

Mexazolam + Álcool

Observações: N.D.
Interações: Não recomendado: A ingestão concomitante de álcool: O efeito sedativo pode ser potenciado quando o mexazolam é usado em combinação com o álcool, afectando a capacidade de conduzir ou utilizar máquinas. - Álcool
Usar com precaução

Mexazolam + Depressores do SNC

Observações: N.D.
Interações: Ter precaução: Na combinação com depressores do SNC: O agravamento do efeito depressor central pode ocorrer quando se usa este medicamento em simultâneo com antipsicóticos (neurolépticos), hipnóticos, ansiolíticos/sedativos, fármacos antidepressivos, analgésicos narcóticos, fármacos antiepiléticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos. - Depressores do SNC
Usar com precaução

Mexazolam + Neurolépticos

Observações: N.D.
Interações: Ter precaução: Na combinação com depressores do SNC: O agravamento do efeito depressor central pode ocorrer quando se usa este medicamento em simultâneo com antipsicóticos (neurolépticos), hipnóticos, ansiolíticos/sedativos, fármacos antidepressivos, analgésicos narcóticos, fármacos antiepiléticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos. - Neurolépticos
Usar com precaução

Mexazolam + Hipnóticos

Observações: N.D.
Interações: Ter precaução: Na combinação com depressores do SNC: O agravamento do efeito depressor central pode ocorrer quando se usa este medicamento em simultâneo com antipsicóticos (neurolépticos), hipnóticos, ansiolíticos/sedativos, fármacos antidepressivos, analgésicos narcóticos, fármacos antiepiléticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos. - Hipnóticos
Usar com precaução

Mexazolam + Ansiolíticos

Observações: N.D.
Interações: Ter precaução: Na combinação com depressores do SNC: O agravamento do efeito depressor central pode ocorrer quando se usa este medicamento em simultâneo com antipsicóticos (neurolépticos), hipnóticos, ansiolíticos/sedativos, fármacos antidepressivos, analgésicos narcóticos, fármacos antiepiléticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos. - Ansiolíticos
Usar com precaução

Mexazolam + Antidepressores

Observações: N.D.
Interações: Ter precaução: Na combinação com depressores do SNC: O agravamento do efeito depressor central pode ocorrer quando se usa este medicamento em simultâneo com antipsicóticos (neurolépticos), hipnóticos, ansiolíticos/sedativos, fármacos antidepressivos, analgésicos narcóticos, fármacos antiepiléticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos. - Antidepressores
Usar com precaução

Mexazolam + Narcóticos

Observações: N.D.
Interações: Ter precaução: Na combinação com depressores do SNC: O agravamento do efeito depressor central pode ocorrer quando se usa este medicamento em simultâneo com antipsicóticos (neurolépticos), hipnóticos, ansiolíticos/sedativos, fármacos antidepressivos, analgésicos narcóticos, fármacos antiepiléticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos. No caso dos analgésicos narcóticos pode também ocorrer um agravamento da euforia, conduzindo a um aumento da dependência física. - Narcóticos
Usar com precaução

Mexazolam + Antiepilépticos (AEs)

Observações: N.D.
Interações: Ter precaução: Na combinação com depressores do SNC: O agravamento do efeito depressor central pode ocorrer quando se usa este medicamento em simultâneo com antipsicóticos (neurolépticos), hipnóticos, ansiolíticos/sedativos, fármacos antidepressivos, analgésicos narcóticos, fármacos antiepiléticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos. - Antiepilépticos (AEs)
Usar com precaução

Mexazolam + Anestésicos

Observações: N.D.
Interações: Ter precaução: Na combinação com depressores do SNC: O agravamento do efeito depressor central pode ocorrer quando se usa este medicamento em simultâneo com antipsicóticos (neurolépticos), hipnóticos, ansiolíticos/sedativos, fármacos antidepressivos, analgésicos narcóticos, fármacos antiepiléticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos. - Anestésicos
Usar com precaução

Mexazolam + Antihistamínicos

Observações: N.D.
Interações: Ter precaução: Na combinação com depressores do SNC: O agravamento do efeito depressor central pode ocorrer quando se usa este medicamento em simultâneo com antipsicóticos (neurolépticos), hipnóticos, ansiolíticos/sedativos, fármacos antidepressivos, analgésicos narcóticos, fármacos antiepiléticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos. - Antihistamínicos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Mexazolam + Cloropromazina

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que potenciaram o efeito do mexazolam: Cloropromazina, haloperidol, diazepam, ciproheptadina, aminopirina, fenobarbital, etanol, sulpiride, triclorometiazida e alfa-metildopa. - Cloropromazina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Mexazolam + Haloperidol

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que potenciaram o efeito do mexazolam: Cloropromazina, haloperidol, diazepam, ciproheptadina, aminopirina, fenobarbital, etanol, sulpiride, triclorometiazida e alfa-metildopa. - Haloperidol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Mexazolam + Diazepam

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que potenciaram o efeito do mexazolam: Cloropromazina, haloperidol, diazepam, ciproheptadina, aminopirina, fenobarbital, etanol, sulpiride, triclorometiazida e alfa-metildopa. - Diazepam
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Mexazolam + Cipro-heptadina

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que potenciaram o efeito do mexazolam: Cloropromazina, haloperidol, diazepam, ciproheptadina, aminopirina, fenobarbital, etanol, sulpiride, triclorometiazida e alfa-metildopa. - Cipro-heptadina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Mexazolam + Aminopirina (Aminofenazona)

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que potenciaram o efeito do mexazolam: Cloropromazina, haloperidol, diazepam, ciproheptadina, aminopirina, fenobarbital, etanol, sulpiride, triclorometiazida e alfa-metildopa. - Aminopirina (Aminofenazona)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Mexazolam + Fenobarbital

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que potenciaram o efeito do mexazolam: Cloropromazina, haloperidol, diazepam, ciproheptadina, aminopirina, fenobarbital, etanol, sulpiride, triclorometiazida e alfa-metildopa. - Fenobarbital
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Mexazolam + Etanol

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que potenciaram o efeito do mexazolam: Cloropromazina, haloperidol, diazepam, ciproheptadina, aminopirina, fenobarbital, etanol, sulpiride, triclorometiazida e alfa-metildopa. - Etanol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Mexazolam + Sulpirida

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que potenciaram o efeito do mexazolam: Cloropromazina, haloperidol, diazepam, ciproheptadina, aminopirina, fenobarbital, etanol, sulpiride, triclorometiazida e alfa-metildopa. - Sulpirida
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Mexazolam + Triclorometiazida

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que potenciaram o efeito do mexazolam: Cloropromazina, haloperidol, diazepam, ciproheptadina, aminopirina, fenobarbital, etanol, sulpiride, triclorometiazida e alfa-metildopa. - Triclorometiazida
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Mexazolam + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que potenciaram o efeito do mexazolam: Cloropromazina, haloperidol, diazepam, ciproheptadina, aminopirina, fenobarbital, etanol, sulpiride, triclorometiazida e alfa-metildopa. - Metildopa
Usar com precaução

Mexazolam + Imipramina

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que antagonizaram o efeito do mexazolam: Imipramina, amitriptilina e clorfeniramina. - Imipramina
Usar com precaução

Mexazolam + Amitriptilina

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que antagonizaram o efeito do mexazolam: Imipramina, amitriptilina e clorfeniramina. - Amitriptilina
Usar com precaução

Mexazolam + Clorofeniramina, clorofenamina, Clorfeniramina ou clorfenamina.

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que antagonizaram o efeito do mexazolam: Imipramina, amitriptilina e clorfeniramina. - Clorofeniramina, clorofenamina, Clorfeniramina ou clorfenamina.
Sem efeito descrito

Mexazolam + Fenitoína

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que não mostraram qualquer interacção com o mexazolam: Difenilhidatoína, escopolamina butilbromido, gerfanato, propranolol e pindolol. - Fenitoína
Sem efeito descrito

Mexazolam + Escopolamina

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que não mostraram qualquer interacção com o mexazolam: Difenilhidatoína, escopolamina butilbromido, gerfanato, propranolol e pindolol. - Escopolamina
Sem efeito descrito

Mexazolam + Propranolol (propanolol)

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que não mostraram qualquer interacção com o mexazolam: Difenilhidatoína, escopolamina butilbromido, gerfanato, propranolol e pindolol. - Propranolol (propanolol)
Sem efeito descrito

Mexazolam + Pindolol

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que não mostraram qualquer interacção com o mexazolam: Difenilhidatoína, escopolamina butilbromido, gerfanato, propranolol e pindolol. - Pindolol
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Mexazolam
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

As benzodiazepinas podem causar malformações congénitas quando administradas durante o primeiro trimestre da gravidez. Se por razões médicas o Mexazolam for administrado tardiamente na gravidez ou durante o parto em doses elevadas, podem surgir no recém-nascido os seguintes efeitos: hipotermia, hipotonia e depressão respiratória moderada.

As crianças filhas de mães que tomaram cronicamente benzodiazepinas durante a gravidez podem ter desenvolvido dependência física encontrando-se assim em risco de apresentar sintomas de privação no período pós-natal.

Uma vez que o Mexazolam pode ser encontrado no leite materno, não deve ser administrado a mulheres a amamentar. Toda a mulher em idade fértil deve contactar o seu médico se tenciona ou suspeita estar grávida.

A sedação, amnésia, alteração da concentração e da função muscular resultantes da administração deste medicamento podem afetar negativamente a capacidade de condução e utilização de máquinas. Se o período de sono for insuficiente, aumenta a probabilidade do estado de alerta se encontrar alterado.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 18 de Setembro de 2020