Metildopa

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
Metildopa é um pró-fármaco anti-hipertensivo.

Promove estimulação alfa-adrenérgica do sistema nervoso central, e assim diminui a resistência vascular, não influindo muito no débito cardíaco e nem na frequência.

A enzima dopa decarboxilase (DDC) cataliza a quebra da metildopa em 3,4-diidroxifenilacetona e amónia, através do intermediário alfametildopamina.
Usos comuns
Metildopa é usada para tratar a hipertensão (pressão arterial elevada).
Tipo
pequena molécula
História
Quando metildopa foi introduzida pela primeira vez, foi o pilar do tratamento anti-hipertensivo, mas o seu uso tem diminuído por conta de efeitos colaterais adversos relativamente graves, com o aumento do uso de outros agentes mais seguros e toleráveis​​, como bloqueadores alfa, beta-bloqueadores e bloqueadores dos canais de cálcio.

No entanto, uma das indicações ainda atuais da metildopa é no tratamento da hipertensão induzida pela gravidez (HIG), uma vez que é relativamente seguro na gravidez em comparação com muitos outros anti-hipertensivos, que podem afetar o feto.
Indicações
A Metildopa é utilizada no tratamento clínico da hipertensão (ou pressão sanguínea alta).

Hipertensão gestacional (ou hipertensão induzida pela gravidez) e pré-eclâmpsia.
Classificação CFT
03.04.04.03     Agonistas alfa 2 centrais
Mecanismo De Ação
Embora o mecanismo de ação ainda não ser demonstrado de forma conclusiva, o efeito hipotensor resultante é muito provavelmente devido à ação da droga sobre o SNC.

Metildopa é convertido para o metabolito, alfa-metilnorepinefrina, no SNC, onde estimula os recetores alfa-adrenérgicos centrais inibitórios, que conduz a uma redução no tónus simpático, na resistência periférica total e a pressão arterial.

Redução da atividade da renina no plasma, bem como a inibição da norepinefrina central e periférico e a produção de serotonina pode também contribuir para o efeito anti-hipertensivo da droga, embora isso não seja um importante mecanismo de ação.

Isso é feito por meio da inibição da descarboxilação do dihidroxifenilalanina (dopa), o precursor da noradrenalina e de 5-hidroxitriptofano (5-HTP), o precursor da serotonina no sistema nervoso central e na maioria dos tecidos periféricos.
Posologia Orientativa
Via oral: 250 mg, 2 ou 3 vezes/dia, nos primeiros dias.

As doses podem ser aumentadas até ao máximo de 3 g/dia.

O interesse da metildopa no tratamento da hipertensão tem vindo a decrescer nos últimos anos.

Dado o seu perfil de toxicidade só raramente se justifica a sua utilização.
Administração
Via oral; sem informação com relação à alimentação.
Contraindicações
IH. Evitar na gravidez.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Sonolência, sedação, depressão, fadiga.

Secura de boca, congestão nasal, cefaleias.

Bradicardia, retenção hidrossalina.

Disfunção hepática.

Leucopenia, trombocitopenia, anemia hemolítica.

Positividade do teste de Coombs.

Síndrome semelhante a lúpus eritematoso disseminado.

Raramente pode provocar miocardite, pancreatite, fibrose retroperitoneal.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Morte perinatal, baixo peso ao nascimento, perda fetal aumentada. Risco fetal desconhecido, por falta de estudos alargados. Trimestre: 1º, 2º e 3º
Aleitamento
Aleitamento:Presente no leite em quantidades muito pequenas para ser perigoso.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Evitar na IH activa.
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Iniciar terapêutica com doses baixas (sensibilidade aumentada aos efeitos hipotensor e sedativo).
Conducao
Conducao:Risco de hipotensão; pode alterar a capacidade de condução.
Precauções Gerais
Metildopa pode causar sonolência ou vertigens.

Estes efeitos podem ser piores se ingerir com álcool ou certos medicamentos.

Use metildopa com cautela.

Não conduzir ou realizar outras tarefas possivelmente inseguras até que saiba como reage a ele.

Não beber álcool ou usar medicamentos que podem causar sonolência (por exemplo, soníferos, relaxantes musculares), enquanto estiver a usar metildopa, que pode adicionar aos seus efeitos.

Pergunte ao seu farmacêutico se tiver dúvidas sobre quais os medicamentos que podem causar sonolência.

Informe o seu médico ou dentista que toma metildopa antes de receber qualquer assistência médica ou odontológica, atendimento de emergência ou cirurgia.

Exames laboratoriais, incluindo hemograma e provas de função hepática, pode ser executada enquanto usa metildopa.

Estes testes podem ser usados ​​para monitorizar sua condição ou a verificação de efeitos secundários.

Certifique-se de que não falha nenhuma consulta médica e de laboratório.

Use metildopa com cautela em idosos, pois eles podem ser mais sensíveis aos seus efeitos.

A metildopa não deve ser utilizado em crianças, segurança e eficácia em crianças não foram confirmados.

Gravidez e Aleitamento: Se engravidar, contacte o seu médico.

Vai precisar de discutir os benefícios e riscos do uso de metildopa enquanto estiver grávida.

Metildopa é encontrado no leite materno.

Se é ou estará a amamentar enquanto estiver a utilizar metildopa, fale com seu médico.

Discutir os possíveis riscos para o bebé.
Cuidados com a Dieta
Evite o álcool.

Evite alcaçuz natural.

Aumentar a ingestão de magnésio, ácido fólico, vitamina B6, B12, e/ou considerar tomar um multivitamínico.

Pode tomar vitamina D.

Não tomar ferro, zinco ou flúor dentro de 2 horas de tomar este medicamento.

Tome, independentemente das refeições.
Terapêutica Interrompida
Tome a dose assim que se lembrar.

Não tome a dose esquecida se for quase hora da sua próxima dose.

Não tome medicamento extra para compensar a dose esquecida.
Cuidados no Armazenamento
Armazenar à temperatura ambiente longe da humidade, calor e luz.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Tolcapona + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Não foi avaliado o efeito da tolcapona na farmacocinética de outros fármacos metabolizados pela COMT, tais como a metildopa, dobutamina, apomorfina, adrenalina e isoprenalina. O médico prescritor deve estar vigilante quanto a reacções adversas causados pelo suposto aumento dos níveis plasmáticos destes fármacos quando se combinam com Tolcapona.

Aliscireno + Hidroclorotiazida + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Metildopa: Foram notificados casos pontuais de anemia hemolítica que ocorreram com a utilização concomitante de hidroclorotiazida e metildopa.

Bisoprolol + Perindopril + Metildopa

Observações: Num estudo de interação conduzido em voluntários sãos, não foram observadas interações entre o bisoprolol e o perindopril.
Interações: Utilização concomitante não recomendada: Relacionada com o BISOPROLOL: Fármacos antihipertensores de ação central tais como a clonidina e outros (ex: metildopa, moxonodina, rilmenidina): O uso concomitante de fármacos antihipertensores. de ação central pode provocar um agravamento da insuficiência cardíaca por diminuição do tónus simpático central (diminuição da frequência e do debito cardíaco, vasodilatação). A interrupção abrupta, particularmente antes da sub-titulação da terapêutica com betabloqueador, pode aumentar o risco de hipertensão por efeito “rebound”.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clomipramina + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Interações relacionadas com a farmacodinâmica: Bloqueadores adrenérgicos neurais: Clomipramina pode diminuir ou abolir os efeitos anti-hipertensivos da guanetidina, betanidina, reserpina, clonidina ou alfa-metildopa. Os doentes requerendo co-medicação para a hipertensão devem ser, consequentemente, submetidos a tratamento com um tipo diferente de agentes antihipertensores (por exemplo, vasodilatadores ou bloqueadores beta).

Quinapril + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Outros antihipertensores: Os beta-bloqueantes, a metildopa, e os diuréticos podem potenciar o efeito anti-hipertensivo do quinapril, e devem ser utilizados somente sob cuidadosa vigilância clínica. Num estudo de dose única, a administração concomitante de propranolol evidenciou não afetar a farmacocinética do quinapril.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nifedipina + Metildopa

Observações: n.d.
Interações: Efeitos da nifedipina sobre outros medicamentos: A nifedipina pode aumentar o efeito hipotensor de antihipertensivos administrados concomitantemente, como por exemplo: Diuréticos β-bloqueadores Inibidores da ECA Antagonistas dos recetores da angiotensina 1(AT1) Outros antagonistas do cálcio Agentes bloqueadores α -adrenérgicos Inibidores da PDE5 α -metildopa Quando a nifedipina é administrada concomitantemente com β -bloqueadores, o doente deve ser cuidadosamente monitorizado, visto que pode igualmente ocorrer uma deterioração da insuficiência cardíaca em casos isolados.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Azilsartan medoxomil + Clorotalidona + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Clorotalidona: Os diuréticos potenciam a ação dos derivados curare e dos agentes anti-hipertensivos (por ex. guanetidina, metildopa, bloqueadores beta, vasodilatadores, antagonistas do cálcio, inibidores da ECA e ARAs). O efeito hipocaliemico da clorotalidona pode ser potenciado por corticosteroides, ACTH, agonistas β2, anfotericina e carbenoloxona.

Ramipril + Hidroclorotiazida + Metildopa

Observações: n.d.
Interações: Precauções de utilização: Metildopa: Possibilidade de ocorrência de hemólise.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido fólico + Ferro + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: O sulfato ferroso reduz a absorção, afecta o metabolismo da metildopa, e pode reduzir o seu efeito hipotensor.

Nebivolol + Metildopa

Observações: n.d.
Interações: Interações farmacodinâmicas: As interações seguintes são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antihipertensores de acção central (clonidina, guanfacina, moxonidina, metildopa, rilmenidina): O uso concomitante de medicamentos antihipertensores de acção central pode agravar a insuficiência cardíaca devido a uma diminuição do tónus simpático central (redução da frequência cardíaca e débito cardíaco, vasodilatação). A suspensão abrupta, principalmente se for anterior à descontinuação do beta-bloqueador, pode aumentar o risco de hipertensão reactiva.

Olmesartan medoxomilo + Hidroclorotiazida + Metildopa

Observações: n.d.
Interações: Interações potenciais relacionadas com HIDROCLOROTIAZIDA: Uso concomitante com precaução: Metildopa: Há registo de casos isolados de anemia hemolítica com o uso concomitante de hidroclorotiazida e metildopa.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Desloratadina + Pseudoefedrina + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: SULFATO de PSEUDOEFEDRINA: Os medicamentos simpaticomiméticos reduzem o efeito anti-hipertensor da Į metildopa, mecamilamina, reserpina, alcaloides do veratrum e guanetidina.

Maprotilina + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante de beta-bloqueantes, que sejam inibidores da CYP2D6, tais como o propranolol, podem causar um aumento dos níveis plasmáticos de maprotilina. Em tais casos, os níveis plasmáticos devem ser monitorizados e a posologia deverá ser ajustada em conformidadade. Maprotilina pode diminuir ou abolir os efeitos antihipertensivos dos fármacos neuronais adrenérgicos, nomeadamente da guanetidina, betanidina, reserpina, clonidina e alfa-metildopa. Os doentes que requerem terapêutica concomitante da hipertensão deverão ser tratados com antihipertensivos de tipo diferente (por exemplo, diuréticos, vasodilatadores ou beta-bloqueantes que não sofram uma biotransformação acentuada). A interrupção súbita do tratamento com Maprotilina pode também provocar hipotensão grave.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Antagonistas dos Receptores da Angiotensina II (ARA II) + Metildopa

Observações: Por aumento do risco de hipercaliemia
Interações: Aumentam o efeito hipotensor quando associados a ARA II - Metildopa
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Mexazolam + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interações: Fármacos que potenciaram o efeito do mexazolam: Cloropromazina, haloperidol, diazepam, ciproheptadina, aminopirina, fenobarbital, etanol, sulpiride, triclorometiazida e alfa-metildopa.

Valsartan + Hidroclorotiazida + Metildopa

Observações: n.d.
Interações: Interações relacionadas com HIDROCLOROTIAZIDA: Utilização concomitante com precaução: Metildopa: Foram notificados casos pontuais de anemia hemolítica em doentes que receberam tratamento concomitante de metildopa e hidroclorotiazida.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cetirizina + Pseudoefedrina + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: PSEUDOEFEDRINA: As aminas simpaticomiméticas podem reduzir os efeitos antihipertensores dos bloqueadores beta-adrenérgicos e dos medicamentos que interfiram com a actividade simpática, tais como a metildopa, guanetidina e reserpina.

Oxitriptano + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: A metildopa e o metisergide, bloqueiam a descarboxilação periférica do Oxitriptano, pelo que se deve ter em atenção, a administração a doentes em tratamento com os farmacos mencionados.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cianocobalamina (57Co) + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: O uso de fármacos como aminoglicosídeos ou metildopa diminui os níveis de cianocobalamina, aumentando o risco de deficiência nesta vitamina.

Mianserina + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Mianserina não tem interação com a betanidina, clonidina, metildopa, guanetidina ou propanolol (quer isolado quer em associação com a hidralazina). No entanto, é aconselhável vigiar a pressão arterial dos doentes que se encontram a fazer tratamento concomitante com antihipertensores.

Nebivolol + Hidroclorotiazida + Metildopa

Observações: n.d.
Interações: Interações farmacodinâmicas: NEBIVOLOL: As seguintes interações são as geralmente aplicáveis aos antagonistas beta-adrenérgicos. Associações não recomendadas: Antihipertensores de ação central (clonidina, guanfacina, moxonidina, metildopa, rilmenidina): O uso concomitante de medicamentos antihipertensores de ação central pode agravar a insuficiência cardíaca devido a uma diminuição do tónus simpático central (redução da frequência cardíaca e débito cardíaco, vasodilatação). A suspensão abrupta, principalmente se for anterior à descontinuação do β-bloqueador, pode aumentar o risco de hipertensão recidiva.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cianocobalamina (Cobalamina, Vitamina B12) + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: O uso de fármacos como aminoglicosídeos ou metildopa diminui os níveis de cianocobalamina, aumentando o risco de deficiência nesta vitamina.

Sulfato ferroso + Glicina + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: A associação deve ser evitada. As seguintes associações podem requerer o ajuste da dose: O ferro inibe a absorção de muitos medicamentos por quelação. O intervalo entre a administração do Sulfato ferroso / Glicina e dos medicamentos abaixo mencionados deve ser o mais alargado possível. Metildopa (Forma L): Quando o sulfato ferroso foi administrado simultaneamente, ou 1 h ou 2 h antes da metildopa, a biodisponibilidade da metildopa foi reduzida em 83%, 55% e 42%, respectivamente. O intervalo entre as administrações destes compostos deve ser tão alargado quanto possível.

Carvedilol + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: O tratamento concomitante com reserpina, guanetidina, metildopa, guanfacina e inibidores da monoamina oxidase (com exceção dos inibidores MAO-B) pode levar a uma redução adicional da frequência cardíaca. É recomendada monitorização dos sinais vitais de hipotensão.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Citrato de gálio (67Ga) + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: A biodistribuição de gálio (67Ga) poderá ser afectada por uma grande variedade de substâncias farmacológicas nomeadamente citotóxicos, imunossupressores (incluindo esteróides), meios de contraste radiológico, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos, metoclopramida, reserpina, metildopa, contracetivos orais e estilbestrol.

Amlodipina + Valsartan + Hidroclorotiazida + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Requerida PRECAUÇÃO com a utilização concomitante: HIDROCLOROTIAZIDA: Metildopa: Foram notificados casos pontuais de anemia hemolítica que ocorreram com a utilização concomitante de hidroclorotiazida e metildopa. Outros medicamentos antihipertensores: As tiazidas potenciam a ação antihipertensora de outros medicamentos antihipertensores (ex. guanetidina, metildopa, betabloqueadores, vasodilatadores, bloqueadores dos canais de cálcio, IECAs, antagonistas dos recetores da angiotensina II e inibidores diretos da renina.

Entacapona + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: A experiência da utilização clínica de entacapona com vários medicamentos, incluindo inibidores da MAO-A, antidepressivos tricíclicos, inibidores da recaptação de noradrenalina tais como desipramina, maprotilina e venlafaxina e medicamentos que sejam metabolizados pela COMT (p.ex., compostos que contêm um grupo catecol: rimiterol, isoprenalina, adrenalina, noradrenalina, dopamina, dobutamina, alfa-metildopa, apomorfina e paroxetina) é ainda limitada. Deve-se ter precaução quando estes medicamentos são utilizados concomitantemente com a entacapona.

Propranolol + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Associações a utilizar com precaução, com as quais pode ser necessário ajuste posológico: Antihipertensores de ação central (clonidina, moxonidina, metildopa): A utilização concomitante de antihipertensores com ação central pode agravar a insuficiência cardíaca através de uma diminuição do tónus simpático central (diminuição da frequência e débito cardíacos, vasodilatação). A interrupção abrupta, especialmente se anterior à descontinuação do bloqueador beta, pode aumentar o risco de “hipertensão por reativação (rebound)”.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Doxilamina + Piridoxina + Metildopa

Observações: Não foram efetuados estudos de interação com Doxilamina + Piridoxina.
Interações: Conhecem-se interações entre os anti-histamínicos da classe da etanolamina e os seguintes medicamentos: - Fármacos anti-hipertensores com efeito sedativo no SNC (especialmente a alfa-metildopa): o efeito sedativo pode ser potenciado quando administrados em simultâneo com os anti-histamínicos.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Haloperidol + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Efeitos de haloperidol sobre outros fármacos Está também descrito um aumento dos efeitos a nível do sistema nervoso central quando se administra em associação com metildopa.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Imipramina + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Bloqueadores neuronais adrenérgicos: Imipramina pode diminuir ou anular os efeitos anti-hipertensivos da guanetidina, betanidina, reserpina, clonidina e α-metildopa. Aos doentes que necessitem de comedicação para a hipertensão devem, portanto, ser prescritos anti-hipertensivos de um tipo diferente (por ex. diuréticos, vasodilatadores ou β-bloqueantes).

Nimodipina + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Efeitos da nimodipina sobre outros fármacos: Fármacos antihipertensores: A nimodipina pode potenciar o efeito hipotensor de antihipertensores administrados concomitantemente, tais como: - diuréticos, - bloqueadores beta, - IECAS, - antagonistas A1, - outros bloqueadores da entrada do cálcio, - agentes bloqueadores α-adrenérgicos, - inibidores PDE5, - α-metildopa. No entanto, se uma combinação deste tipo for inevitável, é necessária uma monitorização particularmente cuidadosa do doente. A administração intravenosa simultânea de bloqueadores beta pode levar à potenciação mútua da ação inotrópica negativa podendo ir até insuficiência cardíaca descompensada. A função renal pode deteriorar-se se forem administrados simultaneamente fármacos nefrotóxicos (ex.: aminoglicosídeos, cefalosporinas, furosemida), e em casos em que os doentes têm já uma função renal debilitada. Nestes casos, a função renal deve ser monitorizada cuidadosamente, e em caso de deterioração deve ser considerada a interrupção do tratamento.

Proteínosuccinilato de ferro + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Os derivados de ferro podem diminuir a absorção das Tetraciclinas, devendo evitar-se a sua administração concomitante, também com medicamentos contendo, metildopa, quinolonas, peninilamina e agentes tiroideus.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clorotalidona + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Os diuréticos potenciam a acção dos derivados do curare e dos fármacos antihipertensores (por exemplo, guanetidina, metildopa, bloqueadores-beta, vasodilatadores, antagonistas do cálcio, inibidores da ECA).

Furazolidona + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Não se recomenda a utilização de furazolidona com qualquer um dos seguintes medicamentos. - Amitriptilina - Apraclonidina - Atomoxetina - Benzefetamina - Brimonidina - Bupropiona - Carbamazepina - Carbidopa - Carbinoxamina - Citalopram - Clomipramina - Ciclobenzaprina - Cipro-heptadina - Desipramina - Desvenlafaxina - Dexmetilfenidato - Dextroanfetamina - Anfepramona (Dietilpropiona) - Doxilamina - Entacapona - Escitalopram - Femoxetina - Fluoxetina - Fluvoxamina - Guanedrel - Guanetidina - Hidroxitriptofano - Imipramina - Isocarboxazida - Levodopa - Levacetilmetadol - Levomilnacipran - Maprotilina - Mazindol - Metadona - Metanfetamina - Metildopa - Metilfenidato - Milnaciprano - Mirtazapina - Nefazodona - Nefopam - Nortriptilina - Opipramol - Paroxetina - Fendimetrazina - Fenmetrazina - Fentermina - Fenilalanina - Pseudoefedrina - Reserpina - Safinamida - Selegilina - Sertralina - Sibutramina - Sumatriptano - Tapentadol - Tetrabenazina - Tranilcipromina - Trazodona - Trimipramina - Triptofano - Venlafaxina - Vilazodona - Vortioxetina - Zimeldina

Lítio + Metildopa

Observações: n.d.
Interações: - Carbamazepina pode conduzir a vertigens, sonolência, confusão e sintomas cerebelosos, tais como ataxia. - Metildopa. - Derivados triptânicos e/ou antidepressivos serotoninérgicos, tais como SSRIs (ex. fluoxetina e fluvoxamina) podem provocar o sindroma serotoninérgico*, o que requer descontinuação imediata do tratamento. * Síndrome serotoninérgico: O síndrome serotoninérgico é uma reacção farmacológica adversa potencialmente fatal ao medicamento, provocada por um excesso de serotonina (ex. por sobredosagem ou por utilização concomitante com outros medicamentos serotoninérgicos) e que pode exigir hospitalização ou mesmo provocar morte. Os sintomas podem ser: - alterações ao estado mental (agitação, confusão, hipomania, eventualmente coma); - alterações neuromusculares (mioclonias, tremores, hiperreflexia, rigidez, acatisia); - hiperatividade autonómica (hipo ou hipertensão, taquicardia, calafrios, hipertermia, sudação); - sintomas gastrointestinais (diarreia) O respeito escrupuloso das doses recomendadas é um fator essencial para prevenir a ocorrência deste síndrome.

Perfenazina + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Em contrapartida, o uso concomitante de fenotiazina com metildopa e agentes bloqueadores dos receptores beta-adrenérgicos, para controlo da hipertensão, pode dar origem a efeitos hipotensores aditivos. As fenotiazinas devem ser administradas com cuidado nos doentes tratados com estes fármacos, a fim de evitar uma hipotensão excessiva.

Bisoprolol + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Aplica-se a todas as indicações: Medicamentos antihipertensores com ação central, como a clonidina e outros (p.ex., metildopa, moxonodina, rilmenidina): A utilização concomitante de antihipertensores com ação central pode agravar a insuficiência cardíaca pela diminuição do tónus simpático central (diminuição da frequência e débito cardíacos, vasodilatação). A interrupção abrupta, especialmente se anterior à descontinuação do bloqueador beta, pode aumentar o risco de “hipertensão por reativação (rebound)”.

Carvedilol + Ivabradina + Metildopa

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Fármacos depletores das catecolaminas:. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados concomitantemente com bloqueadores-beta (como o carvedilol) e fármacos depletores das catecolaminas [por ex. reserpina, guanetidina, metildopa, guanfacina e inibidores da monoamino-oxidases (exceto inibidores da MAO-B)] devem ser seguidos para deteção de sinais de hipotensão e/ou bradicardia graves.

Aliscireno + Amlodipina + Hidroclorotiazida + Metildopa

Observações: A análise farmacocinética populacional de doentes com hipertensão não revelou quaisquer alterações clinicamente relevantes durante a exposição no estado de equilíbrio (AUC) e Cmax de aliscireno, amlodipina e hidroclorotiazida comparativamente com as terapêuticas duplas correspondentes.
Interações: Precauções com utilização concomitante: Metildopa: Foram notificados casos pontuais de anemia hemolítica que ocorreram com a utilização concomitante de hidroclorotiazida e metildopa.

Amitriptilina + Perfenazina + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Em contrapartida, o uso concomitante de fenotiazina com metildopa e agentes bloqueadores dos receptores beta-adrenérgicos, para controlo da hipertensão, pode dar origem a efeitos hipotensores aditivos. As fenotiazinas devem ser administradas com cuidado nos doentes tratados com estes fármacos, a fim de evitar uma hipotensão excessiva.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Zotepina + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Teoricamente os efeitos da alfa-metildopa, guanetidina e da clonidina podem ser reduzidos.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Pseudoefedrina + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Guanetidina, reserpina e metildopa: O efeito da pseudoefedrina pode ser diminuído.

Pirlindol + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante de Pirlindol com antihipertensores (metildopa, guanetidina, reserpina) poderá potenciar o efeito destes, pelo que se desaconselha a sua associação.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Outros agentes anti-hipertensivos: Os diuréticos potencializam a ação dos fármacos anti-hipertensivos (por ex., guanetidina, metildopa, betabloqueadores, vasodilatadores, bloqueadores do canal de cálcio e inibidores da ECA, bloqueadores dos receptores da angiotensina e inibidores diretos da renina).
 Sem significado Clínico

Benazepril + Hidroclorotiazida + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Metildopa: Casos isolados de hemólise pela formação de anticorpos contra o componente activo hidroclorotiazida.

Losartan + Hidroclorotiazida + Metildopa

Observações: n.d.
Interações: HIDROCLOROTIAZIDA: Quando administrados concomitantemente, os seguintes fármacos podem interferir com os medicamentos diuréticos tiazídicos. Metildopa: Houve notificações isoladas de anemia hemolítica com a utilização concomitante de hidroclorotiazida e metildopa.

Bisoprolol + Hidroclorotiazida + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Associações NÃO RECOMENDADAS: Fármacos antihipertensores com ação central (como por exemplo clonidina, metildopa, moxonodina, rilmenidina): O uso concomitante de medicamentos antihipertensores com ação central pode conduzir a uma redução da frequência e output cardíacos, bem como a vasodilatação. A interrupção abrupta, especialmente se anterior à descontinuação do bloqueador dos recetores adrenérgicos beta, pode aumentar o risco de "hipertensão rebound". Associações a UTILIZAR COM CUIDADO: Metildopa: Em casos isolados, foi descrita hemólise devida à formação de anticorpos à hidroclorotiazida.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metoprolol + Metildopa

Observações: Metoprolol é um substrato do CYP2D6. Os fármacos que inibem esta enzima podem aumentar a concentração plasmática de metoprolol.
Interações: Anti-hipertensivos de ação central (clonidina, guanfacina, moxonidina, metildopa, rilmenidina): A retirada abrupta, particularmente antes da interrupção de um beta-bloqueador, pode aumentar o risco de "hipertensão rebound".

Pseudoefedrina + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: A pseudoefedrina pode parcialmente inverter a acção hipotensiva de fármacos que interferem com a actividade simpaticomimética incluindo o bretilium, betanidina, guanetidina, debrisoquina, metildopa, agentes bloqueadores alfa e beta-adrenérgicos.

Amlodipina + Olmesartan medoxomilo + Hidroclorotiazida + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Interações potenciais relacionadas com HIDROCLOROTIAZIDA: Uso concomitante que requer precaução: Metildopa: Existem notificações isoladas de anemia hemolítica com o uso concomitante de hidroclorotiazida e metildopa.

Hidroclorotiazida + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: Metildopa: Foram notificados casos pontuais de anemia hemolítica que ocorreram com a utilização concomitante de hidroclorotiazida e metildopa.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sotalol + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: O efeito cronotrópico negativo e o efeito dromotrópico do cloridrato de sotalol, podem ser potenciados pela administração concomitante com reserpina, clonidina, alfa-metildopa, guanfacina ou glicósidos cardíacos.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol + Fenilefrina + Guaifenesina + Metildopa

Observações: n.d.
Interações: FENILEFRINA: A fenilefrina pode reduzir a eficácia dos beta-bloqueantes e de outros fármacos antihipertensores. (por ex. debrisoquina, guanetidina, reserpina, metildopa). O risco de hipertensão e de outros efeitos secundários cardiovasculares pode estar aumentado.

Pseudoefedrina + Triprolidina + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: A pseudoefedrina poderá eliminar parcialmente o efeito hipotensor de fármacos como a betanidina, a guanetidina, a debrisoquina, metildopa, β -bloqueadores e reserpina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Carbonato de lítio + Metildopa

Observações: N.D.
Interações: A coadministração dos seguintes medicamentos pode aumentar os riscos de neurotoxicidade: Metildopa.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico
Use metildopa como indicado pelo seu médico.

Verifique o rótulo do medicamento para instruções de dosagem exatas.

- Tome metildopa por via oral com ou sem alimentos.

- Não tomar sais de ferro dentro de 3 horas antes ou 2 horas depois de tomar metildopa.

- Se se esquecer de uma dose de metildopa, tome-a assim que possível.

Se estiver quase altura da sua próxima dose, ignore a dose esquecida e voltar ao seu esquema posológico regular.

Não tome duas doses de uma só vez.

Pergunte ao seu médico qualquer dúvida que possa ter sobre como usar metildopa.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017