Lítio

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica) DCI/Medicamento Psicofármaco
O que é
Lítio ou sais de lítio.

O lítio pertence a um grupo de medicamentos designados de estabilizadores de humor.

Funciona ao estabilizar os níveis de químicos no cérebro conhecidos por afetarem o humor.

O lítio é utilizado no tratamento do transtorno bipolar.

Os sais de lítio também podem auxiliar para casos de diagnósticos relacionados como transtorno esquizoafetivo e depressão nervosa.

A parte ativa destes sais é o íon do lítio Li+.

O lítio pode aumentar o risco de desenvolvimento da anomalia de Ebstein em récem-nascidos de mulheres que utilizaram o medicamento durante o primeiro trimestre de gravidez.

O lítio também tem sido pesquisado como uma possibilidade de tratamento de Cefaleias em salvas ((CES) (do inglês Cluster Headache - CH), conhecida como dor de cabeça suicida).





Usos comuns
- Mania (sentir-se extremamente excitado, hiper-reativo e facilmente irritável ou distraído);
- Hipomania (parecido com Mania, mas menos grave);
- Períodos repetidos de depressão, em que o tratamento com outros medicamentos não tenha resultado;
- Comportamento agressivo ou automutilador
Também é utilizado para prevenir a depressão bipolar, onde as mudanças de humor oscilam entre o muito excitado (mania) ou muito baixo (depressão).



Tipo
Molécula pequena.
História
A petalita (LiAlSi4O10) foi descoberta em 1800 pelo político e químico brasileiro José Bonifácio de Andrada e Silva em uma mina na ilha de Utö, na Suécia.

Porém, a partir de 1817, Johan August Arfwedson trabalhando no laboratório de química de Jöns Jakob Berzelius, detectou a presença de um elemento durante a sua análise do mineral de petalita.

Este elemento formava compostos similares ao do sódio e do potássio, embora o carboneto de lítio e o hidróxido de sódio sejam menos solúveis e mais alcalinos.

Berzelius deu o nome ao material alcalino "lithion/lithina", da palavra grega λιθoς (lithos, que significa "pedra"), para apresentar sua descoberta como um mineral sólido, como oposição ao potássio, que foi descoberto nas algas e o sódio que foi conhecido parcialmente pela sua grande abundância no sangue animal .

Ele nomeou o material exógeno de "lithium".

Arfwedson depois demonstrou que este elemento químico estava presente nos minerais de espodumena e a lepidolita.

Em 1818 Christian G. Gmelin foi o primeiro a observar que os sais de lítio formavam uma coloração vermelho brilhante na chama.

De qualquer maneira, ambos tentavam e falhavam ao isolar o lítio em seu estado puro.

Em 1821, W.T. Brande e Sir Humphry Davy obtiveram o elemento isolado via eletrólise de óxido de lítio, processo que foi utilizado anteriormente para isolar o potássio e o sódio.

Brande também descreveu bastante os sais de lítio, como o cloreto e, estimou que o óxido de lítio compõe cerca de 55% do metal, e que o peso atômico do lítio seria aproximadamente de 9,8 g/mol (valor atual ~6,94 g/mol).

Em 1855, grandes quantidades de lítio foram produzidas a partir da eletrólise de cloreto de lítio por Robert Bunsen e Augustus Matthiessen.

A descoberta deu início a produção comercial de lítio em 1923, iniciada pela a empresa alemã "Metallgesellschaft AG" que começou a produção a partir dos sais de cloreto de lítio e cloreto de potássio fundidos num processo que é utilizado até hoje.

A produção e a utilização do lítio foram submetidas a drásticas mudanças na história.

A primeira aplicação em larga escala foi na produção de graxas de lítio nos motores de aeronaves e similares na Segunda Guerra Mundial.

As graxas de lítio é justificado devido a seu alto ponto de fusão se comparado com outras graxas alcalinas e por ser menos corrosiva do que as graxas de cálcio.

O pequeno mercado dos sabões de lítio e de graxas lubrificantes permanecem pela necessidade das operações de mineração nos Estados Unidos.

A demanda por lítio aumentou drasticamente durante a Guerra Fria (1946-1991) com a produção dos desenhos de arma nuclear.

Tanto o Lítio-6 e o Lítio-7 produzem o trítio quando irradiados por nêutrons e também são utilizados tanto para a obtenção de trítio como também na produção de combustível de sólidos de fusão utilizado dentro das bombas de hidrogênio na forma de deutério de lítio.

O Estados Unidos da América veio a produz o lítio a partir dos anos de 1950 até meados da década de 1980.

No fim, o estoque de lítio foi de aproximadamente de 42 toneladas de hidróxido de lítio.

Este elemento foi utilizado tanto para reduzir a temperatura de fusão do vidro e para melhorar a fundição do óxido de alumínio quando utilizado o processo de Hall-Héroult.

Estas aplicações predominavam no mercado de lítio durante meados da década de 1990.

Depois do fim da corrida nuclear houve o declínio da demanda e a vendas dos estoques no departamento de Energia no mercado aberto reduziram o preço.

Além disso, várias empresas começaram a extrair lítio das salmouras por ser um método menos custoso do que a extração de minas abertas ou subterrâneas.

Essas minas que não eram mais competitivas foram fechadas ou se reestruturam para a extração de outros materiais, com exceção das minas de pegmatito do qual a mineração é viável.

Por exemplo, as minas de Kings Mountain, na Carolina do Norte foram fechadas no início do século XXI.


A partir do início do século XXI, com o surgimento da demanda das baterias iônicas de lítio, as novas companhias tem expandido a extração de salmoura para atender as indústrias deste setor.

Por causa disso, desde 2007, o mercado de lítio tem como seu maior consumidor as indústrias de baterias iônicas de lítio.
Indicações
Tratamento agudo e profilático dos episódios maníacos e hipomaníacos das doenças bipolares.


Tratamento profilático das recorrências das doenças bipolares e da depressão unipolar recorrente.

O lítio também pode ser utilizado na depressão resistente.


Controlo do comportamento agressivo e automutilador.



Classificação CFT
02.09.04     Lítio
Mecanismo De Ação
O lítio é um metal alcalino disponível para utilização médica utilizado sob a forma de carbonato ou citrato.

O seu exato mecanismo de ação no tratamento do distúrbio bipolar não é conhecido.

Como com muitos outros fármacos bem conhecidos, o lítio tem um papel terapêutico baseado na observação empírica da sua eficácia clínica.

Contudo, existe alguma evidência experimental de que o lítio pode modular as respostas neuronais e hormonais através da sua interação com o segundo mensageiro (sistema do AMP cíclico e fosfoinositídico).

Assim, julga-se que o aumento da atividade serotoninérgica pode ser responsável pela sua eficácia clínica na depressão e que as interações colinérgicas e dopaminérgicas podem estar relacionadas com os efeitos antimaníacos.
Posologia Orientativa
A dose inicial pode variar entre os 200 mg e os 400 mg, sendo que será o médico a indicar a dose correta tendo por base a monitorização dos níveis de lítio no sangue.

Adultos com mais de 70 Kg:
A dose inicial situa-se entre os 400 mg a 1200 mg por dia.

Idosos e adultos com menos de 50 Kg:
- a dose inicial situa-se entre os 200 mg e os 400 mg por dia;
- o médico pode decidir alterar a dose em 200 mg a 400 mg a cada 3 a 5 dias.
O aumento da dose é habitual, mas não o faça a não ser por indicação do médico;
- a dose máxima vai depender dos níveis de lítio no seu sangue e da doença.

Administração
- o medicamento é para administração oral;
- engula o comprimido inteiro;
- Não o mastigue ou esmage;
- o comprimido pode ser divido em doses iguais;
- tome este medicamento sempre à mesma hora, todos os dias;
- não altere a dose sem falar com o seu médico antes.

Contraindicações
- Hipersensibilidade ao Lítio;
- Insuficiência renal grave;
- Insuficiência cardíaca;
- Doença de Addison;
- Aleitamento;
- Síndroma de Brugada ou antecedentes familiares de síndroma de Brugada.



Efeitos Indesejáveis/Adversos
Os efeitos indesejáveis estão relacionados com os níveis séricos de lítio e são pouco frequentes a concentrações superiores a 1,0 mmol/L.

As reações adversas geralmente cedem a uma redução temporária ou à descontinuação do tratamento com lítio.

Efeitos gastrointestinais ligeiros tais como náuseas, desconforto geral e vertigens podem aparecer no início do tratamento mas, geralmente, desaparecem passados alguns dias.

Podem persistir ligeiros tremores finos das mãos, poliúria e uma sensação de sede ligeira.

Doenças do sangue e do sistema linfático: Leucocitose

Doenças endócrinas: Efeitos indesejáveis de longo termo podem incluir distúrbios da função tiroideia tais como bócio eutiroideio e/ou hipotiroidismo.

Raramente, pode também ocorrer hipertiroidismo.

Também foram notificados casos de hipercalcémia, hipermagnesémia e hiperparatiroidismo.

Doenças do metabolismo e da nutrição: Aumento de peso

Perturbações do foro psiquiátrico: Confusão, delírios

Doenças do sistema nervoso: Tremores, especialmente tremor fino das mãos, disartria, mioclonias, hipertensão benigna intracraneana.

Vertigens, alterações de consciência, reflexos anormais, convulsões, distúrbios extrapiramidais, encefalopatia, síndrome cerebelar (normalmente reversível), nistagmo.

Estes sintomas podem resultar em queda.

Pode ocorrer neuropatia periférica em tratamentos a longo prazo e é geralmente reversível com a interrupção do lítio.


Cardiopatias: Arritmias, principalmente bradicardia, disfunção do nódulo sinusal, alterações eletrocardiográficas tais como aplanamento reversível ou inversão da onda T e prolongamento do segmento QT, cardiomiopatia, bloqueio auriculo-ventricular.


Doenças gastrointestinais: Desconforto abdominal, alterações do paladar, náuseas, vómitos, diarreia, hipersecreção salivar, xerostomia.


Afeções dos tecidos cutâneos e sub-cutâneos: Acne ou erupções acneiformes, agravamento ou ocorrência de psoríase, erupções alérgicas, alopecia, úlceras cutâneas.

Afeções musculoesqueléticas e dos tecidos conjuntivos: Fraqueza muscular.

Doenças renais e urinárias: Polidipsia e/ou poliúria, diabetes insipidus nefrogénica, têm sido notificados.

Estas são normalmente reversíveis assim que o tratamento com lítio é descontinuado.

O tratamento prolongado com lítio pode originar alterações histológicas renais permanentes, formação de quistos renais e compromisso da função renal.

Níveis séricos de lítio elevados, incluindo episódios de toxicidade aguda por lítio, podem agravar estas alterações.

Foram notificados casos de síndrome nefrótico.

Perturbações gerais e alterações no local de administração: Edema periférico.

Advertências
Aleitamento
Aleitamento:Vigiar por possível intoxicação; baixa incidência de efeitos adversos, mas a ingestão continuada pode aumentá-la; o bom controlo da litiémia materna reduz os riscos.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Vigiar possível intoxicação.
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Reduzir dose e monitorizar concentrações séricas na IR ligeira; evitar na IR moderada e grave.
Gravidez
Gravidez:Evitar, se possível (risco de malformações, incluindo malformações cardíacas - anomalia de Ebstein); possibilidade de bócio neonatal e hipotiroidismo; toxicidade neonatal do lítio - letargia e falta de coordenação entre a sucção e a deglutição; necessidade de aumentar a dosagem no 2º e 3° trimestres (após o parto voltar rapidamente ao normal); recomenda-se um controlo apertado da litiémia (risco de toxicidade no RN). Evidência fetal em animais, mas a necessidade pode justificar o risco. Trimestre: 1º, 2º e 3º
Conducao
Conducao:Não altera significativamente a capacidade de condução.
Precauções Gerais
- Geral
Quando se equaciona a terapêutica com lítio deve confirmar-se se os doentes estão a receber lítio em qualquer outra forma.

Se for o caso, deverão verificar-se os níveis séricos antes de iniciar o tratamento com este medicamento.

A dose mínima eficaz de lítio deverá ser sempre a utilizada.

O médico deve avisar os doentes sob tratamento de longa duração com lítio dos sintomas de uma sobredosagem iminente.

Ao primeiro sinal de toxicidade, o doente deve consultar um médico e os níveis de lítio devem ser verificados.

- Recomendações de monitorização

Antes de se iniciar um tratamento com lítio, deverão ser avaliadas as funções renal, cardíaca e tiroideia.

Os doentes devem ser eutiroideus antes do início do tratamento com lítio.

O tratamento com lítio está contraindicado em doentes com insuficiência renal e cardíaca grave.

As funções renal, cardíaca e tiroideia devem ser reavaliadas regularmente.

Para recomendações sobre monitorização de níveis séricos de lítio.

- Insuficiência renal
Uma vez que o lítio é excretado primeiramente pela via renal, a acumulação significativa de lítio pode ocorrer em doentes com insuficiência renal.

Neste sentido, se doentes com insuficiência ligeira a moderada estão a ser tratados com lítio, os níveis séricos deste devem ser rigorosamente monitorizados e a dose ajustada de forma correspondente.

Caso não seja possível monitorizar cuidadosamente e de forma muito regular os níveis séricos de lítio e de creatinina, o lítio não deverá ser prescrito a esta população.

O lítio está contraindicado em doentes com insuficiência renal grave.

Os doentes também devem ser avisados que deverão comunicar ao médico qualquer desenvolvimento de poliúria ou polidipsia.

No caso de doentes que venham a desenvolver poliúria e/ou polidipsia, a função renal deverá ser monitorizada, para além dos testes de rotina aos níveis séricos de lítio.

- Balanço eletrolítico/fluídos:
Se ocorrerem episódios de náuseas, vómitos, diarreia, sudação em excesso e ou outras condições que levem à depleção de sal/água (incluindo dieta severa) a dose de lítio deve ser cuidadosamente monitorizada e ajustes de dose devem ser feitos em caso de necessidade.

Devem ser tomadas precauções de forma a garantir que a dieta e a ingestão de líquidos são normais, de modo a manter um equilíbrio eletrolítico estável.

Isto é especialmente importantes períodos de tempo e ambientes profissionais muito quentes.

Doenças infeciosas tais como constipações, gripes, gastroenterites e infeções urinárias podem alterar o equilíbrio hidroelectrolítico e, consequentemente, os níveis séricos de lítio.

No caso de infeções intercorrentes a descontinuação do tratamento deve ser considerado.

- Risco de convulsões:
O risco de convulsões pode estar aumentado em caso de coadministração de lítio com medicamentos conhecidos por baixarem o limiar convulsivante, ou em doentes epiléticos.

- Hipertensão intracraneana benigna:
Têm sido notificados casos de hipertensão intracraneana benigna.

Os doentes devem ser alertados para notificar a ocorrência de cefaleias e/ou distúrbios visuais persistentes.

- Prolongamento do intervalo QT:
Como medida preventiva, o lítio deverá ser evitado em doentes com síndrome congénito de QT longo e deverá ser-se cuidadoso em doentes com fatores de risco para prolongamento do intervalo QT (ex. hipocalemia não corrigida e bradicardia) e em doentes com administração concomitante de medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT.

- Síndrome Brugada:
O lítio pode agravar ou mascarar a síndrome de Brugada, uma doença hereditária relacionada com o canal de sódio cardíaco com alterações eletrocardiográficas características (bloqueio do ramo direito e elevação do segmento ST nas derivações precordiais direitas) que podem conduzir a paragem cardíaca ou morte súbita.

O Lítio não deve ser administrado a doentes com síndrome Brugada ou com antecedentes familiares de síndrome Brugada.

Deverão ser tomadas precauções em doentes com antecedentes familiares de paragem cardíaca ou de morte súbita.

- População Idosa

Os doentes idosos são particularmente suscetíveis a toxicidade por lítio, e podem apresentar reações adversas com concentrações séricas normalmente toleradas por doentes jovens.

Também se recomenda precaução uma vez que a excreção de lítio nos idosos pode estar diminuída, devido à possibilidade da diminuição da função renal relacionada com a idade.

- População pediátrica
Não se recomenda a utilização em crianças.
Cuidados com a Dieta
A quantidade do que ingere de alimentos e bebidas é muito importante uma vez que pode afetar os níveis de lítio no seu sangue.


- Beba a mesma quantidade de líquidos, todos os dias, enquanto estiver a tomar este medicamento.

Em ambientes quentes ou caso esteja desidratado, pode necessitar de beber mais líquidos.


- Tenha uma dieta equilibrada enquanto estiver a tomar lítio.

Não altere a dieta sem falar com o seu médico previamente.



Terapêutica Interrompida
Caso se tenha esquecido de tomar a dose à hora habitual, tome-o assim que se lembrar
e depois retome as tomas conforme o habitual.


Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.

Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Não conservar acima de 25ºC.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Banana-da-terra ou banana-comprida + Lítio

Observações: Os pacientes que tomam lítio ou carbamazepina devem evitar a co-administração de banana. Pacientes que tomam lítio ou carbamazepina devem consultar o seu médico antes de usar produtos à base de plantas.
Interações: N.D.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Guaraná + Lítio

Observações: Devido ao elevado teor de cafeína, guaraná poderá potencialmente interagir com o lítio, clozapina e teofilina.
Interações: Indicações/Ações terapêuticas: astenia e como estimulante do Sistema Nervoso Central. Padronização/Marcador: trimetilxantinas (Cafeína) [dose diária: 15 a 70 mg de cafeína].

Interações medicamentosas: Potencia a ação de analgésicos e, quando administrado com anticoagulantes, poderá inibir a agregação de plaquetas aumentando o risco de sangramento.

Bendroflumetiazida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: A bendroflumetiazida inibe a eliminação tubular de lítio, resultando num aumento da concentração plasmática de lítio e no risco de toxicidade. As concentrações plasmáticas de lítio devem ser monitorizadas quando estes fármacos são administrados em simultâneo.

Captopril + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Aumentos reversíveis nas concentrações séricas de lítio e toxicidade foram referidos durante a administração concomitante de lítio com inibidores da ECA. O uso concomitante de diuréticos tiazídicos pode aumentar o risco de toxicidade pelo lítio e potenciar o risco já existente de toxicidade pelo lítio com inibidores da ECA. A utilização do captopril com lítio não é recomendada, mas se a associação for considerada necessária, deve ser realizada a monitorização cuidadosa dos níveis séricos de lítio.

Lipegfilgrastim + Lítio

Observações: N.D.
Interações: O potencial de interação com o lítio, que também promove a libertação de neutrófilos, não foi especificamente investigada. Não existe evidência de que esta interação possa ser nociva.

Azilsartan medoxomil + Clorotalidona + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Utilização concomitante não recomendada: Lítio: Durante a administração concomitante de lítio com inibidores da enzima de conversão da angiotensina foram referidos aumentos reversíveis nas concentrações séricas de lítio e toxicidade. Pode ocorrer um efeito semelhante com antagonistas dos recetores da angiotensina II. A depuração renal do lítio é reduzida pelos diuréticos, como a clorotalidona, aumentando o risco de toxicidade do lítio. Devido à falta de experiência com a utilização concomitante de Azilsartan medoxomil / Clortalidona e lítio, não se recomenda esta associação. Caso a associação seja necessária, deve considerar-se a monitorização dos níveis séricos do lítio durante a utilização do Azilsartan medoxomil / Clortalidona.

Telmisartan + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Utilizações concomitantes não recomendadas: Lítio: Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio e toxicidade, durante a administração concomitante de lítio com inibidores da enzima de conversão da angiotensina e com antagonistas do recetor da angiotensina II, incluindo o telmisartan. Caso esta associação prove ser necessária, recomenda-se a monitorização cuidadosa dos níveis séricos de lítio.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cilazapril + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Interações relacionadas principalmente com o CILAZAPRIL: Lítio: Foram notificadas toxicidade e aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio durante a administração concomitante de lítio e inibidores da ECA. A utilização concomitante de diuréticos tiazídicos pode aumentar o risco de toxicidade do lítio e agravar o já existente risco aumentado de toxicidade do lítio com inibidores da ECA. A utilização de cilazapril com lítio não é recomendada, mas caso a associação seja necessária, deve ser realizada a monitorização cuidadosa dos níveis séricos do lítio.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Insulina glulisina + Lítio

Observações: Não foram realizados estudos sobre interações farmacocinéticas. Baseado num conhecimento empírico de medicamentos semelhantes, as interações farmacocinéticas clinicamente relevantes são improváveis. Um número variado de substâncias afetam o metabolismo da glucose e pode haver necessidade de um ajuste da posologia da insulina glulisina e em particular de uma monitorização apertada.
Interações: Os bloqueadores beta, clonidina, sais de lítio ou o álcool podem tanto potenciar como diminuir o efeito hipoglicemiante da insulina.

Quinapril + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: Registaram-se aumentos nos níveis séricos de lítio e sintomas de toxicidade por lítio nos doentes tratados simultaneamente com lítio e inibidores da ECA devido ao efeito de perda de sódio induzido por estes agentes. Recomenda-se precaução na administração concomitante destes fármacos e o controlo frequente dos níveis séricos de lítio. Quando se administra também um diurético, o risco de toxicidade por lítio pode aumentar.

Tenoxicam + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: Uma vez que o Tenoxicam pode reduzir a depuração renal do lítio, a administração concomitante pode elevar os níveis plasmáticos e a toxicidade do lítio. Devem controlar-se cuidadosamente os níveis plasmáticos do lítio.

Perindopril + Indapamida + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Comuns ao PERINDOPRIL e INDAPAMIDA: Uso concomitante não recomendado: Lítio: Foram notificadas durante a administração concomitante de lítio com IECAs, aumentos reversíveis nas concentrações séricas de lítio, e toxicidade. O uso concomitante de diuréticos tiazídicos com IECAs pode aumentar ainda mais os níveis de lítio e provocar toxicidade. Não é recomendado o uso do perindopril associado à indapamida com lítio, mas se a associação for necessária deve monitorizar-se rigorosamente os níveis séricos do lítio no soro.

Enalapril + Nitrendipina + Lítio

Observações: O sumo de toranja inibe o metabolismo oxidativo da nitrendipina. A sua ingestão simultânea com sumo de toranja aumenta a concentração plasmática de nitrendipina, o que pode aumentar o efeito hipotensor do medicamento.
Interações: Não se recomenda a associação de enalapril e lítio, devido ao risco de um aumento significativo dos níveis séricos de lítio, com neurotoxicidade grave. Se se administrarem concomitantemente sais de lítio, as concentrações séricas de lítio deverão ser rigorosamente monitorizadas.

Ácido acetilsalicílico + Paracetamol + Cafeína + Lítio

Observações: Não existem interações de segurança relevantes entre o ácido acetilsalicílico e o paracetamol.
Interações: Cafeína e Lítio: A interrupção do consumo de cafeína aumenta os níveis séricos de lítio, uma vez que a depuração renal do lítio pode estar aumentada pela cafeína. Desta forma, quando se interrompe o consumo de cafeína, pode ser necessário reduzir a dose de lítio. O uso concomitante não é por isso recomendado.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Paracetamol + Mepiramina + Cafeína + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Paracetamol / Mepiramina / Cafeína pode aumentar ou diminuir o efeito sedativo central de alguns medicamentos, tais como analgésicos, tranquilizantes e lítio.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Proglumetacina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante de lítio e fármacos anti-inflamatórios não esteróides leva a um aumento dos níveis plasmáticos do lítio.

Ramipril + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Precauções de utilização: Sais de lítio: Os inibidores da ECA podem diminuir a excreção de lítio, tendo como consequência o aumento da toxicidade do lítio. Os níveis séricos de lítio devem ser monitorizados. O uso concomitante de diuréticos tiazídicos pode aumentar o risco de toxicidade do lítio e intensificar a toxicidade do lítio já aumentada pelos inibidores da ECA. Consequentemente não é recomendada a administração da associação de ramipril e hidroclorotiazida concomitantemente com lítio.

Telmisartan + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Lítio: Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio e toxicidade durante a administração concomitante de lítio com inibidores da enzima de conversão da angiotensina. Também foram notificados casos raros com os antagonistas dos recetores da angiotensina II (incluindo telmisartan / hidroclorotiazida). A administração concomitante de lítio e Telmisartan / Hidroclorotiazida não é recomendada. No caso de esta associação ser considerada essencial, aconselha-se a monitorização cuidadosa dos níveis séricos de lítio durante a administração concomitante.

Indapamida + Amlodipina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Associações não recomendadas: Lítio: Aumento da litiemia com sintomas de sobredosagem, tal como numa dieta sem sal (diminuição da excreção urinária do lítio). Contudo, se a utilização dos diuréticos for necessária, deve efectuar-se uma monitorização cuidadosa da litiemia e adaptar a dose.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cisplatina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Foi verificada uma redução dos níveis sanguíneos de lítio em alguns casos após o tratamento com cisplatina combinada com bleomicina e etoposido. Recomenda-se, assim, a monitorização dos níveis de lítio.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clozapina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A utilização concomitante de lítio com outros agentes activos sobre o SNC pode aumentar o risco de desenvolvimento do Síndrome maligno do neuroléptico (SMN). Lítio: O uso concomitante pode aumentar o risco de desenvolvimento de Síndrome maligno do neuroléptico (SMN). Observar sinais ou sintomas de SMN.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Manitol + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio O manitol aumenta a excreção urinária de lítio. Portanto as concentrações séricas de lítio devem ser monitorizadas em doentes que recebem terapêuticas que contém lítio.

Ácido fólico + Cianocobalamina + Iodo + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Sais de lítio: A administração concomitante de sais de lítio e sais de potássio pode produzir hipotiroidismo, pelo que esta associação deve ser evitada. No entanto, se esta associação for necessária, pode-se co-administrar a hormona da tiróide para tratar os sintomas.

Furosemida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A excreção do lítio é reduzida pela furosemida, levando a um aumento do efeito cardiotóxico e neurotóxico do lítio.
 Sem significado Clínico

Pegfilgrastim + Lítio

Observações: N.D.
Interações: O potencial de interação com o lítio, que também promove a libertação de neutrófilos, não foi especificamente investigada. Não existe evidência de que esta interação possa ser nociva.

Lisinopril + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio, bem como de toxicidade, durante a administração concomitante de lítio e inibidores da ECA. O uso concomitante de diuréticos tiazídicos poderá aumentar o risco de toxicidade do lítio e potenciar a toxicidade já aumentada do lítio por acção dos inibidores da ECA. O uso concomitante de lisinopril e lítio não é recomendado, mas caso esta associação terapêutica se revele necessária, dever-se-á proceder à monitorização cuidadosa dos níveis séricos do lítio.

Fosinopril + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: foram relatados aumentos dos níveis séricos de lítio e sintomas da sua toxicidade nos doentes que receberam inibidores da ECA e/ou fármacos diuréticos durante o tratamento com lítio. A administração concomitante de lítio e Fosinopril / Hidroclorotiazida requer precaução e é recomendado o controlo frequente das concentrações séricas do lítio.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Brometo de pancurónio + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Aumento do efeito: Antibióticos: Aminoglicosídeos, lincosamidas e polimixinas, penicilinas; Diuréticos: Quinidina, quinina, sais de magnésio, inibidores dos canais de cálcio, sais de lítio, anestésicos locais (lidocaína IV, bupivacaína epidural), fenitoína ou agentes bloqueadores β. A recuperação do bloqueio, no pós-operatório, foi observada após a administração de: aminoglicosídeos, lincosamidas, polimixinas e penicilinas, quinidina, quinina e sais de magnésio.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Hidroclorotiazida + Triamtereno + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Há um risco acrescido de toxicidade do lítio, quando este é administrado concomitantemente com diuréticos, dado que estes reduzem a sua depuração renal.

Quinapril + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: De um modo geral, não deve ser administrado com diuréticos. Os diuréticos reduzem a depuração renal de lítio e comportam um risco acrescido de toxicidade por lítio. Registaram-se aumentos nos níveis séricos de lítio e sintomas de toxicidade por lítio em doentes tratados simultaneamente com lítio e inibidores da ECA devido ao efeito de perda de sódio induzido por estes agentes. Com Quinapril / Hidroclorotiazida, o risco de toxicidade por lítio pode aumentar. Recomenda-se precaução na administração de Quinapril / Hidroclorotiazida, bem como a monitorização frequente dos níveis séricos de lítio.

Bisoprolol + Perindopril + Lítio

Observações: Num estudo de interação conduzido em voluntários sãos, não foram observadas interações entre o bisoprolol e o perindopril.
Interações: Relacionada com o PERINDOPRIL: Lítio: Foram notificados durante a administração concomitante de lítio e IECAs aumentos reversíveis das concentrações séricas do lítio e toxicidade. O uso de perindopril com lítio não é recomendado, mas se a combinação for necessária, deve ser feita uma cuidadosa monitorização dos níveis séricos do lítio.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bicarbonato de sódio + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Os produtos contendo bicarbonato são incompatíveis com certos fármacos devido à sua natureza alcalina. A alcalinização da urina por precursores de bicarbonato origina um aumento da depuração renal de fármacos ácidos tais como: Salicilatos e barbituratos; Tetraciclinas, especialmente a doxiciclina. Lítio.

Clomipramina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Interações relacionadas com a farmacodinâmica: Agentes serotoninérgicos: A Síndrome da Serotonina pode ocorrer possivelmente quando a clomipramina é administrada com co-medicação serotonérgica tais como inibidores selectivos da recaptação da serotonina (ISRS’s), inibidores da recaptação de serotonina e noradrenérgica (IRSNa’s), antidepressivos tricíclicos ou lítio. Para a fluoxetina, é aconselhado um período de washout de duas a três semanas antes e após o tratamento com fluoxetina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Metronidazol + Lítio

Observações: N.D.
Interações: O metronidazol pode aumentar a concentração plasmática de lítio.

Amlodipina + Valsartan + Lítio

Observações: Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com Amlodipina / Valsartan e outros medicamentos.
Interações: Interações associadas ao VALSARTAN: Utilização concomitante não recomendada: Lítio: Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio e toxicidade durante a administração concomitante de lítio com inibidores da enzima de conversão da angiotensina ou antagonistas dos recetores da angiotensina II, incluindo valsartan. Assim, durante o uso concomitante é recomendada a monitorização cuidadosa das concentrações séricas de lítio. Se for utilizado também um diurético, o risco de toxicidade por lítio pode ser presumivelmente potenciado com Amlodipina / Valsartan.

Atorvastatina + Perindopril + Amlodipina + Lítio

Observações: Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com Atorvastatina / Perindopril / Amlodipina e outros medicamentos, embora alguns estudos tenham sido realizados com atorvastatina, perindopril e amlodipina separadamente.
Interações: Utilização concomitante NÃO RECOMENDADA: PERINDOPRIL: Lítio: Foram notificados durante a administração concomitante de lítio e IECAs aumentos reversíveis das concentrações séricas e toxicidade. A associação de Atorvastatina / Perindopril / Amlodipina com lítio não é recomendada, mas se a associação for necessária, deve ser feita uma cuidadosa monitorização dos níveis séricos do lítio.

Fluoxetina + Lítio

Observações: Estudos de interacção só foram efectuados em adultos.
Interações: Combinações que requerem precauções na utilização: Lítio e triptofano: Têm sido registados casos de síndrome da serotonina quando os ISRS são administrados com lítio ou triptofano e, por conseguinte, a utilização concomitante de fluoxetina com estes fármacos deve ser feita com precaução. Quando a fluoxetina é utilizada em combinação com lítio, é necessária uma monitorização clínica mais cuidada e frequente.

Plantago ovata (sementes) + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A absorção após ingestão simultânea de outras substâncias, como minerais (p.e. cálcio, ferro, lítio, zinco), vitaminas (B12) e derivados da cumarina, pode ser retardada.

Eprosartan + Lítio

Observações: Foi demonstrado in vitro que o eprosartan não inibe as isoenzimas CYP1A, 2A6, 2C9/8, 2C19, 2D6, 2E e 3A do citocromo P450 humano.
Interações: Foi reportada toxicidade e um aumento reversível nas concentrações séricas de lítio, durante a terapêutica concomitante com preparações de lítio e inibidores da ECA. Não se pode excluir a possibilidade de um efeito similar com o eprosartan, pelo que se recomenda uma monitorização cuidadosa dos níveis séricos de lítio durante o uso concomitante.

Vortioxetina + Lítio

Observações: A vortioxetina é extensamente metabolizada no fígado, principalmente por oxidação catalisada pelo CYP2D6, e numa menor extensão pelo CYP3A4/5 e CYP2C9.
Interações: Potencial da vortioxetina para afetar outros medicamentos: Lítio, triptofano: Não foi observado nenhum efeito clinicamente relevante durante a exposição ao lítio no estado de equilíbrio após coadministração com doses múltiplas de vortioxetina em indivíduos saudáveis. No entanto, ocorreram notificações de potenciação de efeitos quando antidepressivos com efeito serotoninérgico foram administrados juntamente com lítio ou triptofano; deste modo, o uso concomitante de vortioxetina com estes medicamentos deve ser feito com precaução.

Eprosartan + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Interações potenciais relacionadas com o EPROSARTAN e com a HIDROCLOROTIAZIDA: Administração concomitante não recomendada: Lítio: Aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio e da sua toxicidade têm sido notificados durante a administração concomitante de lítio com inibidores da enzima de conversão da angiotensina. Muito raramente foram notificados casos envolvendo bloqueadores dos receptores da angiotensina II. Em adição, as tiazidas reduzem a depuração renal do lítio e consequentemente o risco de toxicidade pelo lítio está aumentado. Assim sendo, a administração de Eprosartan / Hidroclorotiazida e lítio não é recomendada. Se esta associação se revelar indispensável é recomendada a monitorização cuidadosa dos níveis séricos de lítio durante o tratamento.

Mirtazapina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Adicionalmente, tal como com os ISRS, a administração concomitante de outras substâncias ativas serotoninérgicas (L-triptofano, triptanos, tramadol, linezolida, ISRS, venlafaxina, lítio e preparações à base de hipericão - Hypericum perforatum (pode levar a uma incidência de efeitos associados à serotonina (síndrome serotoninérgica). Deverá ser aconselhada precaução e é necessária uma monitorização clínica apertada quando estas substâncias ativas são administradas em combinação com a mirtazapina. Interações farmacocinéticas: Os estudos de interação não indicaram qualquer efeito farmacocinético relevante na administração concomitante de mirtazapina com paroxetina, amitriptilina, risperidona e lítio.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bicarbonato de sódio + Ácido cítrico + Simeticone + Lítio

Observações: Alguns medicamentos podem interagir com bicarbonato de sódio/ácido cítrico/simeticone.
Interações: A sua eficácia pode ser diminuída em bicarbonato de sódio / ácido cítrico / simeticone.

Azilsartan medoxomilo + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Durante a administração concomitante de lítio com inibidores da enzima de conversão da angiotensina foram referidos aumentos reversíveis nas concentrações séricas de lítio e toxicidade. Pode ocorrer um efeito semelhante com antagonistas dos receptores da angiotensina II. Devido à falta de experiência com a utilização concomitante de azilsartan medoxomilo e lítio, não se recomenda esta associação. Caso a associação seja necessária, recomenda-se a monitorização cuidadosa dos níveis séricos do lítio.

Citalopram + Lítio

Observações: Interações farmacocinéticas: A biotransformação do citalopram para desmetilcitalopram é mediada pelas isoenzimas do sistema citocromo P450 CYP2C19 (aproximadamente 38%), CYP3A4 (aproximadamente 31%) e CYP2D6 (aproximadamente 31%). O facto do citalopram ser metabolizado por mais de um CYP significa que a inibição da sua biotransformação é menos provável, uma vez que a inibição de uma enzima pode ser compensada por outra. Consequentemente, a administração concomitante de citalopram com outros medicamentos na prática clínica tem uma probabilidade muito baixa de originar interações farmacocinéticas medicamentosas.
Interações: Medicamentos serotoninérgicos: Lítio e triptofano: Não foram encontradas interações farmacocinéticas em estudos clínicos nos quais o citalopram foi administrado concomitantemente com lítio. No entanto, há notificações de efeitos aumentados quando os ISRSs foram administrados com lítio ou triptofano e, portanto, a utilização concomitante do citalopram com estes medicamentos deve ser realizada com precaução. A rotina de monitorização dos níveis de lítio deve ser continuada, como habitual. Influência do citalopram na farmacocinética de outros medicamentos: Lítio e triptofano: Não há nenhuma interação farmacocinética entre o lítio e o citalopram. Contudo, houve relatos de efeitos serotoninérgicos aumentados quando os ISRS foram administrados em associação com lítio ou triptofano. É aconselhada precaução durante a utilização simultânea de citalopram com estas substâncias ativas. A monitorização habitual dos níveis de lítio deverá ser continuada como habitualmente.

Lisinopril + Amlodipina + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Interações relacionadas com o LISINOPRIL: Lítio: Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio e toxicidade durante a administração concomitante de lítio com inibidores da ECA. A utilização concomitante de diuréticos tiazídicos pode aumentar o risco de toxicidade do lítio e intensificar a sua toxicidade, já aumentada pelos inibidores da ECA. A utilização de lisinopril com lítio não é recomendada, mas se esta associação provar ser necessária, deverá efetuar-se a monitorização cuidadosa dos níveis séricos do lítio.

Iodeto (131I) de sódio + Lítio

Observações: N.D.
Interações: São conhecidos muitos fármacos que interagem com o iodo radioactivo. Podem fazê-lo através de uma série de mecanismos, afectando a ligação a proteínas, a farmacocinética ou influenciando os efeitos dinâmicos do iodo marcado. É portanto necessário considerar todos os fármacos tomados pelo doente e analisar que medicamentos é necessário interromper antes da administração do iodeto de sódio [131I]. Por exemplo, os anti-tiroideus, carbimazole (ou outros derivados do imidazole, como o propiltiouracilo), salicilatos, esteróides, nitroprussiato de sódio, sulfobromoftaleína, perclorato, ou outros medicamentos (anticoagulantes, antihistamínicos, antiparasitários, penicilinas, sulfonamidas, tolbutamida, tiopentona) são retirados durante 1 semana; a fenilbutazona por 1-2 semanas, expectorantes, vitaminas por 2 semanas; preparações naturais ou sintéticas da tiróide (tiroxina de sódio, liotironina de sódio, extracto de tiróide) por 2-3 semanas; amiodarona, benzodiazepinas, lítio por 4 semanas, iodetos tópicos por 1-9 meses; e para meios de contraste intravenosos, colecistográficos orais, meios de contraste contendo iodo por períodos até 1 ano,

Captopril + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: ASSOCIAÇÃO CAPTOPRIL/HIDROCLOROTIAZIDA Lítio: Aumentos reversíveis nas concentrações séricas de lítio e toxicidade foram referidos durante a administração concomitante de lítio com inibidores ECA. O uso concomitante de diuréticos tiazídicos pode aumentar o risco de toxicidade pelo lítio e potenciar o risco já aumentado de toxicidade pelo lítio com inibidores ECA. Consequentemente, não é recomendada a associação de captopril e hidroclorotiazida com lítio e, caso esta associação seja necessária, deve fazer-se a monitorização cuidadosa dos níveis séricos do lítio.

Escitalopram + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Associações que exigem precauções de utilização: Lítio, triptofano: Foi notificado aumento dos efeitos quando os ISRS foram administrados juntamente com lítio ou triptofano; portanto, a utilização concomitante de ISRS com estes medicamentos deve ser efectuada com precaução.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Trandolapril + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: Trandolapril pode reduzir a excreção do lítio.

Venlafaxina + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Síndrome serotoninérgica: Tal como com outros agentes serotoninérgicos, durante o tratamento com a venlafaxina pode ocorrer uma síndrome serotoninérgica, especialmente com a administração concomitante de outros fármacos que possam afectar o sistema neurotransmissor serotoninérgico (incluindo triptanos, ISRSs, IRSNs, lítio, sibutramina, tramadol ou hipericão [Hypericum perforatum]), com fármacos que possam diminuir o metabolismo da serotonina (incluindo IMAOs), ou com precursores da serotonina (tal como suplementos de triptofano). Se a administração concomitante de venlafaxina com um ISRS, um IRSN ou com receptores agonistas da serotonina (triptano) estiver indicada, aconselha-se a observação cuidadosa do doente, especialmente durante o início do tratamento e durante os aumentos da dose. A administração concomitante de venlafaxina com precursores da serotonina (tal como suplementos de triptofano) não é recomendada. Efeitos da venlafaxina sobre outros medicamentos: Lítio: Pode ocorrer síndrome serotoninérgica com a administração concomitante de venlafaxina e lítio.

Amlodipina + Valsartan + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Utilização concomitante NÃO RECOMENDADA: VALSARTAN e HIDROCLOROTIAZIDA: Lítio: Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio e toxicidade durante a administração concomitante de lítio com inibidores da ECA, antagonistas dos recetores da angiotensina II, incluindo valsartan ou tiazidas. Dado que a depuração renal do lítio é reduzida pelas tiazidas, o risco de toxicidade por lítio pode ser presumivelmente potenciado com Amlodipina / Valsartan / Hidroclorotiazida. Assim, durante o uso concomitante é recomendada a monitorização cuidadosa das concentrações séricas de lítio.

Dapoxetina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos/produtos à base de plantas com efeitos serotoninérgicos: Tal como com outros ISRS, a administração concomitante com medicamentos/produtos à base de plantas serotoninérgicos [incluindo IMAO, L-triptofano, triptanos, tramadol, linezolida, ISRS, IRSN, lítio e preparações de Erva de São João (Hypericum perforatum)] poderá levar a uma incidência de efeitos associados com a serotonina. Dapoxetina não deverá ser utilizado em associação com outros ISRS, IMAO ou outros medicamentos/produtos à base de plantas serotoninérgicos nem nos 14 dias após suspender o tratamento com estes medicamentos/produtos à base de plantas. De um modo semelhante, estes medicamentos/produtos à base de plantas não deverão ser administrados nos 7 dias após Dapoxetina ter sido suspenso.

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Comuns ao perindopril e indapamida Uso concomitante não recomendado: Lítio: Foram notificadas durante a administração concomitante de lítio com inibidores da ECA, aumentos reversíveis nas concentrações séricas de lítio e da sua toxicidade. O uso concomitante de diuréticos tiazídicos com inibidores da ECA pode aumentar ainda mais os níveis de lítio e potenciar o risco de toxicidade por lítio. Não é recomendado o uso do perindopril associado à indapamida com lítio, mas se a associação for necessária deve-se monitorizar rigorosamente os níveis séricos de lítio.

Ácido acetilsalisílico + Atorvastatina + Ramipril + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Os AINEs diminuem a eliminação do lítio, aumentando os níveis plasmáticos de lítio, os quais podem atingir valores tóxicos. Não se recomenda a utilização concomitante de lítio com AINEs. Se esta associação for necessária, a concentração plasmática de lítio deve ser cuidadosamente monitorizada durante o início, ajuste e interrupção do tratamento. Precauções de utilização: Sais de lítio: Os inibidores da ECA podem diminuir a excreção de lítio e, consequentemente, a toxicidade do lítio pode aumentar. O nível de lítio deve ser monitorizado.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bicarbonato de sódio + Carbonato de cálcio + Carbonato de magnésio + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A excreção urinária de lítio e salicilatos (ex: aspirina e outros) pode aumentar devido a um aumento do pH urinário resultante da administração de antiácidos contendo cálcio e magnésio. Tal poderá resultar numa diminuição da eficácia do lítio e dos salicilatos. Deste modo, deverá monitorizar qualquer redução na eficácia do lítio e dos salicilatos após o início da terapêutica com este medicamento e qualquer possível toxicidade do lítio e dos salicilatos após suspensão da terapêutica com Bicarbonato de sódio / Carbonato de cálcio / Carbonato de magnésio.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Desmopressina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A glibenclamida e o lítio podem diminuir o efeito anti-diurético.

Polistireno sulfonato de cálcio + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Usar com precaução: Lítio: Possível diminuição da absorção do lítio.

Amlodipina + Candesartan + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio e da toxicidade durante a administração concomitante de lítio com inibidores da ECA. Pode ocorrer um efeito semelhante com os ARAIIs. Não é recomendada a utilização de candesartan com lítio. Caso a associação seja necessária, é recomendada monitorização cuidadosa dos níveis séricos do lítio.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Antagonistas dos Receptores da Angiotensina II (ARA II) + Lítio

Observações: Por aumento do risco de hipercaliemia
Interações: Os ARA II: Reduzem a excreção de Lítio - Lítio

Neostigmina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Fármacos que têm o potencial de agravar a Miastenia Gravis (quinino, cloroquina, hidroxicloroquina, quinidina, procainamida, propafenona, lítio e beta-bloqueantes), podem reduzir a eficácia da neostigmina. Nestes casos, pode haver necessidade de aumentar a dose de neostigmina.

Ziprasidona + Lítio

Observações: Não existem estudos realizados em crianças sobre a interação da ziprasidona com outros medicamentos.
Interações: Efeito da ziprasidona noutros fármacos: Lítio: A administração simultânea de ziprasidona não alterou a farmacocinética do lítio. Uma vez que a ziprasidona e o lítio estão associados a alterações da condução cardíaca, a sua combinação pode representar um risco de interação farmacodinâmica, incluindo arritmias. Os dados referentes à utilização concomitante com os estabilizadores de humor carbamazepina e valproato são limitados. Os dados referentes à utilização concomitante com os estabilizadores de humor carbamazepina e valproato são limitados.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Atenolol + Clorotalidona + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Devidas ao CLOROTALIDONA: A clorotalidona pode reduzir a depuração renal do lítio provocando um aumento nas suas concentrações séricas. Portanto, podem ser necessários ajustes da dose de lítio.

Sulfato de magnésio + Sulfato de potássio + Sulfato de sódio + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Utilizar com precaução em doentes medicados com bloqueadores dos canais de cálcio, diuréticos, lítio ou medicação que possa afetar os níveis de electrólitos. Também é recomendável precaução quando se tomam medicamentos que se sabe prolongarem o intervalo QT. O efeito esperado é diarreia e as medicações orais concomitantes administradas no intervalo de 1 a 3 horas do início do tratamento e até o final do processo de limpeza podem ser eliminadas do trato gastrointestinal, não sendo a medicação absorvida de forma adequada.

Parecoxib + Lítio

Observações: O parecoxib é rapidamente hidrolisado no metabolito activo, valdecoxib. Os doentes sob terapêutica com anticoagulantes orais deverão ser monitorizados cuidadosamente em relação ao tempo de protrombina INR, em especial nos primeiros dias de tratamento com parecoxib ou quando a dose de parecoxib é alterada. No ser humano, estudos demonstraram que o metabolismo do valdecoxib é predominantemente mediado pela via das isoenzimas CYP3A4 e 2C9. O efeito da indução enzimática não foi estudado. Não foram realizados estudos formais de interações com Anestésicos inalados.
Interações: A administração concomitante do valdecoxib e do lítio originou diminuição significativa na depuração sérica (25%) e na depuração renal (30%) do lítio, com uma exposição sérica superior em 34%, comparativamente ao lítio isolado. Nos doentes a receber lítio, a concentração sérica do lítio deve ser cuidadosamente monitorizada quando o tratamento com parecoxib é iniciado ou alterado.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Propifenazona + Cafeína + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A cafeína também pode antagonizar os efeitos dos barbitúricos, antihistamínicos e aumentar a excreção urinária do lítio, diminuindo o seu efeito terapêutico.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Brometo de rocurónio + Lítio

Observações: Não foram realizados estudos de interação formais. As interações mencionadas anteriormente para os doentes adultos e as suas advertências e precauções especiais de utilização devem ser igualmente tidas em conta no caso de doentes pediátricos.
Interações: Aumento de Efeito: Diuréticos, quinidina e o seu isómero quinina, protamina, agentes bloqueadores adrenérgicos, sais de magnésio, bloqueadores dos canais de cálcio e sais de lítio e anestésicos locais (lidocaína i.v. e bupivacaína epidural) e administração aguda de fenitoína ou de agentes beta-bloqueadores.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Nabumetona + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A nabumetona diminui a depuração renal do lítio podendo originar toxicidade por lítio.

Flupentixol + Lítio

Observações: Fármacos conhecidos por causarem distúrbios eletrolíticos como as tiazidas (hipocalemia) e fármacos conhecidos por aumentarem a concentração plasmática de decanoato de flupentixol devem ser também utilizados com precaução dado que podem aumentar o risco de prolongamento QT e arritmias malignas.
Interações: A utilização concomitante de neurolépticos e de lítio aumenta o risco de neurotoxicidade. Requer precaução de utilização. Devem ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio).
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Etodolac + Lítio

Observações: Dada a forte ligação dos AINEs às proteínas plasmáticas pode haver necessidade de alterar a dose de outros medicamentos com forte ligação às proteínas plasmáticas.
Interações: Diminuição da eliminação do lítio.

Sacubitril + Valsartan + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Interações que requerem precauções: Lítio: Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio e toxicidade durante a administração concomitante de lítio com inibidores da ECA ou antagonistas dos recetores da angiotensina II. Não foram investigadas interações entre Sacubitril / Valsartan e lítio. Portanto, esta associação não é recomendada. Caso a associação seja necessária, recomenda-se monitorização cuidadosa dos níveis séricos de lítio. Se for utilizado também um diurético, o risco de toxicidade por lítio pode ser presumivelmente potenciado.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido acetilsalicílico + Ácido cítrico + Bicarbonato de sódio + Lítio

Observações: N.D.
Interações: São intensificados os efeitos de: - as concentrações plasmáticas da digoxina, barbitúricos e lítio
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de mivacúrio + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Tal como todos os outros bloqueadores neuromusculares não-despolarizantes, a extensão e/ou duração de um bloqueio neuromuscular não-despolarizante pode ser aumentada e as necessidades de perfusão podem ser reduzidas por interação com: Sais de lítio Determinados fármacos podem raramente agravar ou revelar situações de miastenia gravis latente, ou mesmo induzir um síndrome miasténico com aumento da sensibilidade ao Cloreto de mivacúrio. Estes fármacos incluem antibióticos vários, bloqueadores beta (propranolol, oxprenolol), fármacos antiarrítmicos (procainamida, quinidina), fármacos antirreumáticos (cloroquina, D- penicilamina), trimetofano, clorpromazina, esteroides, fenitoína e lítio.

Polistireno sulfonato de sódio + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A utilizar com precaução: Lítio: Possível diminuição da absorção do lítio.

Amlodipina + Olmesartan medoxomilo + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Interações potenciais relacionadas com o componente olmesartan medoxomilo: Uso concomitante não recomendado: Lítio: Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas e da toxicidade do lítio durante a administração concomitante de lítio com inibidores da enzima de conversão da angiotensina e, raramente, com antagonistas da angiotensina II. Por conseguinte, não é recomendada a utilização concomitante de Amlodipina / Olmesartan medoxomilo e lítio. Se a utilização concomitante de Amlodipina / Olmesartan medoxomilo e lítio for necessária, recomenda-se uma monitorização cuidadosa dos níveis séricos de lítio.
 Sem significado Clínico

Flufenazina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: Foi relatada, raramente, neurotoxicidade quando o lítio é utilizado concomitantemente com a flufenazina.

Lornoxicam + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Administração de lornoxicam em simultâneo com: Lítio: Os AINEs inibem a eliminação renal do lítio, pelo que a concentração sérica desta substância poderá ultrapassar os limites de toxicidade. Assim, os níveis séricos do lítio devem ser vigiados, especialmente no início, no ajuste e na interrupção do tratamento.

Zofenopril + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precauções de uso: Lítio: Aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio e toxicidade foram referidos durante a administração concomitante de lítio com inibidores da ECA. O uso concomitante de diuréticos tiazídicos pode aumentar o risco de toxicidade por lítio e potenciar o risco já aumentado de toxicidade do lítio com inibidores da ECA. Por este motivo, o zofenopril não é recomendado em associação com lítio e monitorização cuidadosa dos níveis séricos de lítio devem ser realizadas se o uso concomitante for necessário.

Trandolapril + Verapamilo + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Associações com precauções de utilização: Lítio: Existem dados indicativos, quer de aumento, quer de redução dos efeitos do lítio quando administrado simultaneamente com verapamilo. Administração concomitante de inibidor ECA e lítio pode reduzir a excreção deste último. Os níveis séricos de lítio devem ser vigiados frequentemente.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Digoxina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Os fármacos que causam hipocaliemia ou deficiências intracelulares de potássio podem provocar sensibilidade aumentada à Digoxina; estes incluem alguns diuréticos, sais de lítio, corticosteróides e carbenoxolona.

Lisinopril + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Lítio: Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio, bem como de toxicidade, durante a administração concomitante de lítio e inibidores da ECA. Os agentes diuréticos e os inibidores da ECA reduzem a depuração renal de lítio e representam um elevado risco de toxicidade do lítio. A combinação de lisinopril e de hidroclorotiazida com lítio não é recomendada, mas se for demonstrada necessidade na combinação, deverá ser efetuada uma cuidadosa vigilância dos níveis séricos de lítio.

Paroxetina + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Fármacos serotoninérgicos: Tal como com outros ISRS, a administração concomitante com fármacos serotoninérgicos (incluindo IMAOs, L-triptofano, triptanos, tramadol, linezolida, ISRS, lítio e preparações de Erva de São João – Hypericum perfuratum) pode levar à incidência de efeitos associados à 5-hidroxitriptamina (síndrome serotoninérgico). Quando estes fármacos são utilizados em combinação com paroxetina deverão ser tomadas precauções, sendo requerida uma monitorização clínica rigorosa.

Atomoxetina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Existe a possibilidade de um risco aumentado do prolongamento do intervalo QT, quando se administra atomoxetina com outros fármacos que prolongam o intervalo QT (tais como neurolépticos, antiarrítmicos da classe IA e III, moxifloxacina, eritromicina, mefloquina, metadona, antidepressivos tricíclicos, lítio ou cisaprida), fármacos que provocam um desequilíbrio eletrolítico (tais como os diuréticos tiazídicos) e fármacos que inibem o CYP2D6. A ocorrência de convulsões é um potencial risco com atomoxetina. Aconselha-se precaução no uso concomitante de fármacos conhecidos por diminuírem o limiar convulsivante (tais como antidepressivos tricíclicos ou SSRIs, neurolépticos, fenotiazinas ou butirofenona, mefloquina, cloroquina, bupropriona ou tramadol). Além disso, aconselha-se precaução quando se interromper o tratamento concomitante com benzodiazepinas devido ao potencial para convulsões por suspensão.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Etofenamato + Lítio

Observações: N.D.
Interações: O seu uso simultâneo com o lítio pode aumentar a toxicidade deste.

Perindopril + Indapamida + Amlodipina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Uso concomitante não recomendado: PERINDOPRIL / INDAPAMIDA: Lítio: Foram notificados durante a administração concomitante de lítio com IECAs aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio e toxicidade. A associação de lítio à associação de perindopril com indapamida, não é recomendada, mas no caso da associação ser necessária, deve ser feita uma cuidadosa monitorização dos níveis séricos do lítio.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Fumarato de dimetilo + Lítio

Observações: Nos Humanos, o fumarato de dimetilo é extensivamente metabolizado pelas estearases antes de atingir a circulação sistémica e verifica-se metabolismo adicional através do ciclo de ácido tricarboxílico, sem envolvimento do sistema do citocromo P450 (CYP). Não foram identificados riscos potenciais de interação medicamentosa em estudos de inibição e de indução de CYP in vitro, num estudo de p-glicoproteína, nem em estudos de ligação às proteínas do fumarato de dimetilo e fumarato de monometilo (um metabolito primário do fumarato de dimetilo). Os estudos de interação apenas foram realizados em adultos.
Interações: A terapêutica concomitante com medicamentos nefrotóxicos (como aminoglicosídeos, diuréticos, AINEs ou lítio) pode aumentar o potencial de reações adversas renais (por exemplo, proteinúria) em doentes a tomarem Fumarato de dimetilo.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Topiramato + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Outras interações medicamentosas: Lítio: Em voluntários saudáveis, observou-se uma diminuição (18% em relação à AUC) da exposição sistémica do lítio durante a administração concomitante com topiramato na dose de 200 mg/dia. Em doentes com doença bipolar, a farmacocinética do lítio não foi afectada durante o tratamento com topiramato em doses de 200 mg/dia; contudo, observou-se um aumento da exposição sistémica (26% em relação à AUC) após doses de topiramato até 600 mg/dia. Os níveis de lítio devem ser monitorizados quando co-administrado com topiramato.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Insulina humana + Insulina isofânica + Lítio

Observações: Algumas substâncias afetam o metabolismo da glucose e podem requerer um ajuste da dose da insulina humana.
Interações: Os beta-bloqueadores, clonidina, sais de lítio ou bebidas alcoólicas tanto podem potenciar como atenuar o efeito hipoglicemiante da insulina.

Xipamida + Lítio

Observações: n.d.
Interações: As seguintes associações não são recomendadas: Lítio: No caso de terapêutica concomitante com lítio, a cardiotoxicidade e efeitos neurotóxicos do lítio serão intensificados. Se o tratamento diurético for inevitável é necessária uma monitorização adequada dos níveis de lítio e um ajuste da dose.

Aripiprazol + Lítio

Observações: Deverá ter-se precaução se o aripiprazol for administrado concomitantemente com medicamentos que se sabe que causam intervalo QT prolongado ou desequilíbrio eletrolítico.
Interações: Não houve alterações clinicamente significativas nas concentrações de aripiprazol quando o valproato ou o lítio foram administrados concomitantemente com o aripiprazol. Quando o aripiprazol foi administrado concomitantemente com valproato, lítio ou lamotrigina, não houve alteração clinicamente importante nas concentrações de valproato, lítio ou lamotrigina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Benazepril + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: Aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio com efeitos cardio e neurotóxicológicos aumentados do lítio.

Candesartan + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Foram notificados aumentos reversíveis nas concentrações séricas do lítio e da toxicidade durante a administração concomitante de lítio com IECAs. Pode ocorrer um efeito semelhante com os ARAIIs. Não se recomenda o uso de candesartan com lítio. Caso a associação seja necessária, recomenda-se a monitorização cuidadosa dos níveis séricos do lítio.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Secnidazol + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: os níveis plasmáticos de lítio podem ser aumentados.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido mefenâmico + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Os anti-inflamatórios não esteroides, incluindo o ácido mefenâmico, podem aumentar os níveis plasmáticos do lítio e reduzir a sua depuração renal. Os doentes sob terapêutica concomitante com lítio e ácido mefenâmico deverão ser cuidadosamente seguidos para deteção de sinais de toxicidade pelo lítio.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Lítio

Observações: O ibuprofeno é um substrato do CYP2C9.
Interações: Os AINE podem diminuir a depuração renal do lítio com resultante aumento dos níveis plasmáticos e toxicidade. Caso se prescreva Ibuprofeno a um doente a fazer terapêutica com lítio, deverá ser feita uma monitorização apertada dos níveis de lítio.

Losartan + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio e toxicidade, durante a administração concomitante de lítio e inibidores ECA. Foram também notificados casos muito raros com antagonistas dos receptores da angiotensina II. A co-administração de lítio e losartan deve ser utilizada com precaução. Caso esta associação terapêutica se revele essencial, recomenda-se a monitorização dos níveis séricos do lítio durante a utilização concomitante.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A associação de lítio e Cloropromazina pode estar na origem de neurotoxicidade (estados de confusão, hipertonia, reflexos exacerbados) e de aumento dos níveis séricos do lítio.

Nebivolol + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Interações farmacodinâmicas: HIDROCLOROTIAZIDA: Potenciais interações relacionadas com a hidroclorotiazida: Associação não recomendada: Lítio: A depuração renal do lítio é reduzida pelas tiazidas, pelo que, consequentemente, o risco de toxicidade do lítio pode aumentar quando usado em concomitância com a hidroclorotiazida. Portanto, não se recomenda o uso de Nebivolol / Hidroclorotiazida em associação com o lítio. Se o uso desta associação for necessário, recomenda-se uma monitorização cuidadosa dos níveis séricos do lítio.

Amlodipina + Olmesartan medoxomilo + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Interações potenciais relacionadas com a combinação: Uso concomitante não recomendado: Lítio: Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas e da toxicidade do lítio durante a administração concomitante de lítio com inibidores da enzima de conversão da angiotensina e, raramente, com antagonistas dos recetores da angiotensina II. Além disso, a depuração renal do lítio é reduzida pelas tiazidas e consequentemente pode aumentar o risco de toxicidade por lítio. Por conseguinte, não é recomendada a utilização concomitante de Amlodipina / Olmesartan medoxomilo / Hidroclorotiazida e lítio. Se a utilização concomitante for necessária recomenda-se uma monitorização cuidadosa dos níveis séricos de lítio.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paracetamol + Bromofeniramina + Cafeína + Ácido ascórbico + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Esta associação pode potenciar o efeito de medicamentos depressores do sistema nervoso central (por exemplo: analgésicos e tranquilizantes; lítio) e do álcool, podendo o contrário também acontecer.

Triptófano + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Pode haver uma interacção entre o L-triptofano e o Lítio.

Imidapril + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: Aumento da concentração de lítio, potencialmente até níveis tóxicos (excreção renal de lítio diminuída) A administração concomitante de imidapril com lítio não está recomendada, mas se a associação se manifestar como necessária, devem ser cuidadosamente monitorizados os níveis de lítio sérico.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Aceclofenac + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Tal como outros AINEs, o aceclofenac pode aumentar as concentrações plasmáticas de lítio e de digoxina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Antiarrítmicos + Lítio

Observações: Aumentam a depressão do miocárdio quando são administrados com outros AA. Aumentam o risco de arritmias ventriculares quando são dados com AA que prolongam o intervalo QT
Interações: Amiodarona: aumento do risco de arritmias ventriculares em uso concomitante com: - Lítio
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Besilato de atracúrio + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Do mesmo modo que outros agentes de bloqueio neuromuscular não despolarizantes, a magnitude e/ou duração do bloqueio neuromuscular despolarizante do Besilato de Atracúrio pode aumentar como resultado da interacção com: Sais de lítio. Raramente, certos fármacos podem agravar ou expor a miastenia gravis latente ou mesmo induzir um síndrome miasténico. O aumento da sensibilidade ao Besilato de Atracúrio pode ser uma consequência deste desenvolvimento. Estes fármacos incluem vários antibióticos, beta-bloqueadores (propranolol, oxprenolol), fármacos antiarrítmicos (procaínamida, quinidina), fármacos antirreumáticos (cloroquina, D-penicilamina), trimetafano, clorpromazina, esteróides, fenitoína e lítio.

Lumiracoxib + Lítio

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos. Com base nos estudos in vitro, não é expectável que as interações envolvendo ligação às proteínas plasmáticas tenham efeitos clinicamente relevantes no que concerne o lumiracoxib ou fármacos administrados concomitantemente.
Interações: Os AINEs provocaram aumento dos níveis plasmáticos de lítio e redução na depuração renal do lítio. Portanto, recomenda-se observação cuidadosa dos doentes em relação a sinais de toxicidade do lítio, aquando da administração concomitante de lumiracoxib e lítio.

Olanzapina + Lítio

Observações: Só foram efectuados estudos de interacção em adultos. Interações potenciais que afectam a olanzapina: Dado que a olanzapina é metabolizada pela CYP1A2, as substâncias que podem induzir ou inibir dum modo específico esta isoenzima podem afectar a farmacocinética da olanzapina.
Interações: A olanzapina não mostrou qualquer interacção quando co-administrada com lítio ou biperideno.

Agomelatina + Lítio

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Nos ensaios clínicos de fase I não existiu evidência de interação farmacocinética ou farmacodinâmica com medicamentos que possam ser prescritos concomitantemente com agomelatina na população alvo: benzodiazepinas, lítio e paroxetina, fluconazol e teofilina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Brometo de vecurónio + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Aumento do efeito: Antibióticos: Aminoglicosidos, lincosamida e antibióticos polipeptidicos, antibióticos acilaminopenicílinicos Diuréticos, quinidina, sais de magnésio, bloqueadores dos canais de cálcio, sais de lítio, cimetidina, lidocaína e administração aguda de fenitoína ou agentes β-bloqueadores.

Cetoprofeno + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Uso não recomendado. Risco de elevação dos níveis plasmáticos, podendo chegar a níveis tóxicos devido à diminuição da excreção renal do lítio. Quando necessário, os níveis plasmáticos do lítio deverão ser monitorizados regularmente e a dosagem ajustada durante e após a terapia com AINEs.

Felodipina + Ramipril + Lítio

Observações: A felodipina é um substrato do CYP3A4. Os dados de ensaios clínicos têm demonstrado que o duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) através do uso combinado de inibidores da ECA, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno está associado a uma maior frequência de acontecimentos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia e função renal diminuída (incluindo insuficiência renal aguda) em comparação com o uso de um único fármaco com ação no SRAA.
Interações: A excreção de lítio pode ser reduzida pelos inibidores da ECA, levando a toxicidade do lítio. Portanto, os níveis de lítio devem ser monitorizados.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurbiprofeno + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Os AINE podem diminuir a eliminação do lítio.

Amissulprida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado.

Nimesulida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Tem sido referido que os fármacos anti-inflamatórios não esteroides diminuem a depuração do lítio, com a consequente elevação dos níveis plasmáticos e toxicidade do lítio. Se Nimesulida for prescrito a um doente submetido a tratamento com lítio, os níveis do lítio deverão ser cuidadosamente monitorizados.
 Potencialmente Grave

Diclofenac + Lítio

Observações: N.D.
Interações: As interações potencialmente perigosas ocorrem com: Lítio: Se utilizado concomitantemente, o diclofenac pode aumentar as concentrações plasmáticas do lítio. Recomenda-se a monitorização dos níveis séricos de lítio.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Acemetacina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Podem aumentar as concentrações plasmáticas de lítio, da digoxina e do metotrexato.

Losartan + Amlodipina + Lítio

Observações: Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com o Losartan / Amlodipina e outros medicamentos. Não foram realizados estudos de interação medicamentosa na população pediátrica.
Interações: Interações relacionadas com o losartan Têm sido notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio e toxicidade, durante a administração concomitante de lítio e inibidores da ECA. Têm sido também notificados casos muito raros com antagonistas dos recetores da angiotensina II. A coadministração de lítio e losartan deve ser efetuada com precaução. Caso esta associação terapêutica se revele essencial, recomenda-se a monitorização dos níveis séricos do lítio durante a utilização concomitante.

Baclofeno + Lítio

Observações: Os fármacos ou medicamentos que têm um impacto significativo na função renal poderão reduzir a excreção do baclofeno levando a efeitos tóxicos.
Interações: A utilização concomitante de baclofeno por via oral e lítio resultou no agravamento dos sintomas hipercinéticos. Deste modo, deve ter-se precaução quando baclofeno é utilizado concomitantemente com lítio.

Dexcetoprofeno + Lítio

Observações: As seguintes interações aplicam-se a medicamentos anti-inflamatórios não-esteroides (AINEs) em geral.
Interações: Não aconselhável a associação com Lítio (descrito para vários AINEs): Os AINEs podem elevar os níveis sanguíneos do lítio, que podem atingir valores tóxicos (diminuição da excreção renal do lítio). Este parâmetro requer por isso monitorização durante o início, ajustamento e descontinuação do tratamento com dexcetoprofeno.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Irbesartan + Lítio

Observações: O irbesartan é principalmente metabolizado pelo CYP2C9 e em menor extensão pela glucuronidação.
Interações: Durante a administração concomitante de lítio com inibidores da enzima de conversão da angiotensina foram referidos aumentos reversíveis nas concentrações séricas de lítio e toxicidade. Até ao momento foram notificados, muito raramente, efeitos semelhantes com o irbesartan. Consequentemente, não se recomenda esta associação. Caso a associação seja necessária, recomenda-se a monitorização cuidadosa dos níveis séricos do lítio.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lítio + Diuréticos tiazídicos (Tiazidas)

Observações: n.d.
Interações: As concentrações séricas de lítio podem aumentar no caso de se administrar concomitantemente um dos seguintes medicamentos. Quando apropriado deverá ajustar-se a dose de lítio ou interromper o tratamento concomitante. Diuréticos do grupo das tiazidas podem reduzir a depuração renal do lítio e potencialmente provocar intoxicação por lítio. No caso de ser necessário prescrever uma tiazida, a dose inicial de lítio deverá ser previamente reduzida. Os diuréticos de ansa parecem ter menos probabilidade de aumentar os níveis de lítio.

Torasemida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Efeito de outros medicamentos sobre a torasemida: Lítio: Sabe-se que outros diuréticos reduzem a eliminação renal de lítio, induzindo um elevado risco de toxicidade, de modo que a coadministração de lítio e diuréticos, a ser prescrita, deve ser efectuada com grande precaução. A coadministração de lítio e torasemida não foi estudada.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lítio + Diuréticos da ansa

Observações: n.d.
Interações: As concentrações séricas de lítio podem aumentar no caso de se administrar concomitantemente um dos seguintes medicamentos. Quando apropriado deverá ajustar-se a dose de lítio ou interromper o tratamento concomitante. Diuréticos do grupo das tiazidas podem reduzir a depuração renal do lítio e potencialmente provocar intoxicação por lítio. No caso de ser necessário prescrever uma tiazida, a dose inicial de lítio deverá ser previamente reduzida. Os diuréticos de ansa parecem ter menos probabilidade de aumentar os níveis de lítio.

Lítio + Esteróides

Observações: n.d.
Interações: - Outros medicamentos que afetem o equilíbrio eletrolítico, como por exemplo os esteroides, podem alterar a excreção de lítio e, portanto, deverão ser evitados. - Anti-inflamatórios não esteróides (incluindo os inibidores da ciclo-oxigenase (COX)2). - Inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA's). - Antagonistas dos recetores da angiotensina II. - Metronidazol pode reduzir a depuração renal do lítio.

Lítio + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: n.d.
Interações: - Outros medicamentos que afetem o equilíbrio eletrolítico, como por exemplo os esteroides, podem alterar a excreção de lítio e, portanto, deverão ser evitados. - Anti-inflamatórios não esteróides (incluindo os inibidores da ciclo-oxigenase (COX)2). - Inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA's). - Antagonistas dos recetores da angiotensina II. - Metronidazol pode reduzir a depuração renal do lítio.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Piretanida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A excreção do lítio por via renal pode ser reduzida, o que pode acarretar aumento dos seus efeitos cardiotóxicos e neurotóxicos.

Lítio + Inibidores da cicloxigenase (COX)

Observações: n.d.
Interações: - Outros medicamentos que afetem o equilíbrio eletrolítico, como por exemplo os esteroides, podem alterar a excreção de lítio e, portanto, deverão ser evitados. - Anti-inflamatórios não esteróides (incluindo os inibidores da ciclo-oxigenase (COX)2). - Inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA's). - Antagonistas dos recetores da angiotensina II. - Metronidazol pode reduzir a depuração renal do lítio.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ispagula (tegumento) + Ispagula (semente) + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Tal como com todos os fármacos que contêm agentes expansores do volume fecal, Ispagula (tegumento)/Ispagula (semente) pode atrasar ou reduzir a absorção de outros fármacos administrados concomitantemente como minerais (p. ex.: ferro, lítio, cálcio e zinco), vitaminas (vitamina B12), glicosidos cardíacos e cumarinicos. Por este motivo, recomenda-se que seja adotado um intervalo de ½ - 1 hora antes e após a administração de outros medicamentos.

Lítio + Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECAS)

Observações: n.d.
Interações: - Outros medicamentos que afetem o equilíbrio eletrolítico, como por exemplo os esteroides, podem alterar a excreção de lítio e, portanto, deverão ser evitados. - Anti-inflamatórios não esteróides (incluindo os inibidores da ciclo-oxigenase (COX)2). - Inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA's). - Antagonistas dos recetores da angiotensina II. - Metronidazol pode reduzir a depuração renal do lítio.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Etoricoxib + Lítio

Observações: Com base em estudos in vitro, não é de se esperar que o etoricoxib iniba os citocromos P450 (CYP) 1A2, 2C9, 2C19, 2D6, 2E1 ou 3A4. Num estudo com indivíduos saudáveis, a administração diária de etoricoxib 120 mg não alterou a atividade hepática da CYP3A4, conforme avaliado pelo teste respiratório da eritromicina. A via principal do metabolismo do etoricoxib depende das enzimas CYP. A CYP3A4 parece contribuir para o metabolismo do etoricoxib in vivo. Estudos in vitro indicam que a CYP2D6, CYP2C9, CYP1A2 e CYP2C19 também conseguem catalisar a via metabólica principal, mas os seus papéis quantitativos não foram estudados in vivo.
Interações: Os AINEs diminuem a excreção renal do lítio e, portanto, aumentam os níveis plasmáticos do lítio. Se necessário, monitorize cuidadosamente o lítio no sangue e ajuste a posologia do lítio enquanto se estiver a tomar a associação e quando o AINE for retirado.

Lítio + Antagonistas dos Receptores da Angiotensina II (ARA II)

Observações: n.d.
Interações: - Outros medicamentos que afetem o equilíbrio eletrolítico, como por exemplo os esteroides, podem alterar a excreção de lítio e, portanto, deverão ser evitados. - Anti-inflamatórios não esteróides (incluindo os inibidores da ciclo-oxigenase (COX)2). - Inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA's). - Antagonistas dos recetores da angiotensina II. - Metronidazol pode reduzir a depuração renal do lítio.

Lítio + Metronidazol

Observações: n.d.
Interações: - Outros medicamentos que afetem o equilíbrio eletrolítico, como por exemplo os esteroides, podem alterar a excreção de lítio e, portanto, deverão ser evitados. - Anti-inflamatórios não esteróides (incluindo os inibidores da ciclo-oxigenase (COX)2). - Inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA's). - Antagonistas dos recetores da angiotensina II. - Metronidazol pode reduzir a depuração renal do lítio.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lítio + Diuréticos

Observações: n.d.
Interações: Os níveis séricos de lítio podem diminuir devido ao aumento da depuração do lítio no caso de administração concomitante de um dos seguintes fármacos: - Diuréticos osmóticos e inibidores da anidrase carbónica - Xantinas (teofilina, cafeína) - Bicarbonato de sódio - Calcitonina
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lítio + Inibidores da Anidrase Carbónica

Observações: n.d.
Interações: Os níveis séricos de lítio podem diminuir devido ao aumento da depuração do lítio no caso de administração concomitante de um dos seguintes fármacos: - Diuréticos osmóticos e inibidores da anidrase carbónica - Xantinas (teofilina, cafeína) - Bicarbonato de sódio - Calcitonina

Sulpirida + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Associações não recomendadas: Medicamentos indutores de hipocaliémia: Diuréticos espoliadores de potássio, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticoides, tetracosactidos. Deverá corrigir-se a hipocaliémia. Fármacos antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida. Fármacos antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. Outros medicamentos tais como pimozide, sultopride, haloperidol; antidepressivos imipramínicos; lítio, bepridil, cisapride, tioridazina, metadona, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Associações a ter em atenção: Lítio: O lítio aumenta o risco de reacções adversas extrapiramidais. Recomenda-se a descontinuação de ambos os medicamentos aos primeiros sinais de neurotoxicidade.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lítio + XANTINAS (Derivados da Metilxantina)

Observações: n.d.
Interações: Os níveis séricos de lítio podem diminuir devido ao aumento da depuração do lítio no caso de administração concomitante de um dos seguintes fármacos: - Diuréticos osmóticos e inibidores da anidrase carbónica - Xantinas (teofilina, cafeína) - Bicarbonato de sódio - Calcitonina

Moexipril + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Precauções para o uso: Lítio: A administração concomitante de Moexipril com lítio pode reduzir a sua excreção. Os níveis séricos de lítio devem ser monitorizados frequentemente.

Haloperidol + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Outras formas de interação Em casos raros, foram descritos os seguintes sintomas durante o uso concomitante de lítio e haloperidol: encefalopatia, sintomas extrapiramidais, discinésia tardia, síndrome maligna dos neurolépticos, patologia do tronco cerebral, síndrome cerebral agudo e coma. A maioria destes sintomas foi reversível. Não está ainda esclarecido se este quadro representa uma entidade clínica distinta. Assim, em doentes medicados simultaneamente com lítio e Haloperidol, aconselha-se a interrupção imediata do tratamento se tais sintomas surgirem.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lítio + Cafeína

Observações: n.d.
Interações: Os níveis séricos de lítio podem diminuir devido ao aumento da depuração do lítio no caso de administração concomitante de um dos seguintes fármacos: - Diuréticos osmóticos e inibidores da anidrase carbónica - Xantinas (teofilina, cafeína) - Bicarbonato de sódio - Calcitonina

Irbesartan + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: Durante a administração concomitante de lítio com inibidores da enzima de conversão da angiotensina foram referidos aumentos reversíveis nas concentrações séricas de lítio e toxicidade. Até ao momento foram notificados, muito raramente, efeitos similares com o irbesartan. Para além disso a depuração renal do lítio é reduzida pelas tiazidas, pelo que o risco de toxicidade pelo lítio pode ser aumentado com a combinação de irbesartan e hidroclorotiazida. Consequentemente, não se recomenda a associação de lítio e Irbesartan / Hidroclorotiazida. Caso a associação seja necessária, recomenda-se a monitorização cuidadosa dos níveis séricos do lítio.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lítio + Teofilina

Observações: n.d.
Interações: Os níveis séricos de lítio podem diminuir devido ao aumento da depuração do lítio no caso de administração concomitante de um dos seguintes fármacos: - Diuréticos osmóticos e inibidores da anidrase carbónica - Xantinas (teofilina, cafeína) - Bicarbonato de sódio - Calcitonina Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos que baixam o limiar convulsivante, tais como, antidepressivos tricíclicos, antipsicóticos, anestésicos, teofilina.

Gentamicina + Indometacina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio (descrito para o diclofenac, o cetoprofeno, a indometacina, a fenilbutazona, o piroxicam): aumento da litémia podendo atingir valores tóxicos, por diminuição da excreção renal do lítio. Se a associação não puder ser evitada, vigiar rigorosamente a litémia e adaptar a posologia do lítio durante associação e após a paragem dos AINE.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lítio + Bicarbonato de sódio

Observações: n.d.
Interações: Os níveis séricos de lítio podem diminuir devido ao aumento da depuração do lítio no caso de administração concomitante de um dos seguintes fármacos: - Diuréticos osmóticos e inibidores da anidrase carbónica - Xantinas (teofilina, cafeína) - Bicarbonato de sódio - Calcitonina
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lítio + Calcitonina de salmão

Observações: n.d.
Interações: Os níveis séricos de lítio podem diminuir devido ao aumento da depuração do lítio no caso de administração concomitante de um dos seguintes fármacos: - Diuréticos osmóticos e inibidores da anidrase carbónica - Xantinas (teofilina, cafeína) - Bicarbonato de sódio - Calcitonina
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lítio + Calcitonina humana

Observações: n.d.
Interações: Os níveis séricos de lítio podem diminuir devido ao aumento da depuração do lítio no caso de administração concomitante de um dos seguintes fármacos: - Diuréticos osmóticos e inibidores da anidrase carbónica - Xantinas (teofilina, cafeína) - Bicarbonato de sódio - Calcitonina
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Verapamilo + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Lítio Aumento da neurotoxicidade do lítio.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lítio + Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio)

Observações: n.d.
Interações: A coadministração dos seguintes medicamentos pode aumentar os riscos de neurotoxicidade: - Os bloqueadores dos canais de cálcio podem conduzir a neurotoxicidade, tais como ataxia, confusão e sonolência. As concentrações de lítio podem estar aumentadas.

Aliscireno + Amlodipina + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: A análise farmacocinética populacional de doentes com hipertensão não revelou quaisquer alterações clinicamente relevantes durante a exposição no estado de equilíbrio (AUC) e Cmax de aliscireno, amlodipina e hidroclorotiazida comparativamente com as terapêuticas duplas correspondentes.
Interações: Não recomendado: Lítio: A depuração renal do lítio é diminuída pelas tiazidas, pelo que o risco de toxicidade do lítio pode ser aumentado pela hidroclorotiazida. A administração concomitante de lítio e hidroclorotiazida não é recomendada. Se esta associação for realmente necessária, recomenda-se a monitorização cuidadosa dos níveis de lítio sérico durante o uso concomitante.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clorotalidona + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Uma vez que os diuréticos aumentam os níveis sanguíneos de lítio, este deverá ser monitorizado em doentes submetidos a terapêutica com lítio que estejam simultaneamente a tomar Clorotalidona. Nos casos em que o lítio induz poliúria, os diuréticos podem exercer um efeito anti-diurético paradoxal.

Lítio + Antipsicóticos

Observações: n.d.
Interações: - Os antipsicóticos tais como o haloperidol, tioridazina, flufenazina, clorpromazina, e clozapina podem conduzir, em casos raros, a neurotoxicidade grave, com sintomas como confusão, desorientação, letargia, tremor, sintomas extrapiramidais e mioclonias. Em alguns casos foi notificado aumento dos níveis de lítio. A administração concomitante de antipsicóticos e lítio pode aumentar o risco de Síndrome Maligno dos Neurolépticos, que pode ser fatal. Ao primeiro sinal de neurotoxicidade a descontinuação de ambos os medicamentos é recomendada. Outros: Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por ex., Antiarrítmicos das classes IA (ex. quinidina, disopiramida) ou III (ex. amiodarona), cisaprida, antibióticos tais como a eritromicina, antipsicóticos como a tioridazina ou amissulprida. Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos que baixam o limiar convulsivante, tais como, antidepressivos tricíclicos, antipsicóticos, anestésicos, teofilina.

Lítio + Haloperidol

Observações: n.d.
Interações: - Os antipsicóticos tais como o haloperidol, tioridazina, flufenazina, clorpromazina, e clozapina podem conduzir, em casos raros, a neurotoxicidade grave, com sintomas como confusão, desorientação, letargia, tremor, sintomas extrapiramidais e mioclonias. Em alguns casos foi notificado aumento dos níveis de lítio. A administração concomitante de antipsicóticos e lítio pode aumentar o risco de Síndrome Maligno dos Neurolépticos, que pode ser fatal. Ao primeiro sinal de neurotoxicidade a descontinuação de ambos os medicamentos é recomendada.

Lítio + Tioridazina

Observações: n.d.
Interações: - Os antipsicóticos tais como o haloperidol, tioridazina, flufenazina, clorpromazina, e clozapina podem conduzir, em casos raros, a neurotoxicidade grave, com sintomas como confusão, desorientação, letargia, tremor, sintomas extrapiramidais e mioclonias. Em alguns casos foi notificado aumento dos níveis de lítio. A administração concomitante de antipsicóticos e lítio pode aumentar o risco de Síndrome Maligno dos Neurolépticos, que pode ser fatal. Ao primeiro sinal de neurotoxicidade a descontinuação de ambos os medicamentos é recomendada. Outros: Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por ex., Antiarrítmicos das classes IA (ex. quinidina, disopiramida) ou III (ex. amiodarona), cisaprida, antibióticos tais como a eritromicina, antipsicóticos como a tioridazina ou amissulprida.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Besilato de cisatracúrio + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Efeito aumentado: Por anestésicos, tais como enflurano, isoflurano, halotano e cetamina, por outros bloqueadores neuromusculares não despolarizantes ou por outros medicamentos como antibióticos (incluindo aminoglicosidos, polimixinas, espectinomicina, tetraciclinas, lincomicina e clindamicina), por antiarrítmicos (incluindo propranolol, bloqueadores do canal do cálcio, lignocaína, procainamida e quinidina), por diuréticos (incluindo furosemida e possivelmente tiazidas, manitol e acetazolamida), por sais de magnésio e lítio e por bloqueadores ganglionares (trimetafano, hexametónio). Raramente, alguns fármacos poderão agravar ou expor miastenia grave latente ou mesmo induzir a síndrome miasténica; uma sensibilidade aumentada a bloqueadores neuromusculares não despolarizantes seria uma consequência de tal desenvolvimento. Estes fármacos incluem vários antibióticos, bloqueadores beta (propranolol, oxprenolol), antiarrítmicos (procainamida, quinidina), fármacos antirreumatismais (cloroquina, D- penicilamina), trimetafano, clorpromazina, esteroides, fenitoína e lítio.

Lítio + Flufenazina

Observações: n.d.
Interações: - Os antipsicóticos tais como o haloperidol, tioridazina, flufenazina, clorpromazina, e clozapina podem conduzir, em casos raros, a neurotoxicidade grave, com sintomas como confusão, desorientação, letargia, tremor, sintomas extrapiramidais e mioclonias. Em alguns casos foi notificado aumento dos níveis de lítio. A administração concomitante de antipsicóticos e lítio pode aumentar o risco de Síndrome Maligno dos Neurolépticos, que pode ser fatal. Ao primeiro sinal de neurotoxicidade a descontinuação de ambos os medicamentos é recomendada.

Lítio + Clorpromazina

Observações: n.d.
Interações: - Os antipsicóticos tais como o haloperidol, tioridazina, flufenazina, clorpromazina, e clozapina podem conduzir, em casos raros, a neurotoxicidade grave, com sintomas como confusão, desorientação, letargia, tremor, sintomas extrapiramidais e mioclonias. Em alguns casos foi notificado aumento dos níveis de lítio. A administração concomitante de antipsicóticos e lítio pode aumentar o risco de Síndrome Maligno dos Neurolépticos, que pode ser fatal. Ao primeiro sinal de neurotoxicidade a descontinuação de ambos os medicamentos é recomendada.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Paracetamol + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de ibuprofeno com outros medicamentos: • O ibuprofeno pode diminuir a depuração renal e aumentar a concentração plasmática de lítio. Este produto pode interferir com alguns medicamentos, incluindo: • lítio, um medicamento usado para tratar alguns tipos de depressão

Lítio + Clozapina

Observações: n.d.
Interações: - Os antipsicóticos tais como o haloperidol, tioridazina, flufenazina, clorpromazina, e clozapina podem conduzir, em casos raros, a neurotoxicidade grave, com sintomas como confusão, desorientação, letargia, tremor, sintomas extrapiramidais e mioclonias. Em alguns casos foi notificado aumento dos níveis de lítio. A administração concomitante de antipsicóticos e lítio pode aumentar o risco de Síndrome Maligno dos Neurolépticos, que pode ser fatal. Ao primeiro sinal de neurotoxicidade a descontinuação de ambos os medicamentos é recomendada.

Lítio + Carbamazepina

Observações: n.d.
Interações: - Carbamazepina pode conduzir a vertigens, sonolência, confusão e sintomas cerebelosos, tais como ataxia. - Metildopa. - Derivados triptânicos e/ou antidepressivos serotoninérgicos, tais como SSRIs (ex. fluoxetina e fluvoxamina) podem provocar o sindroma serotoninérgico*, o que requer descontinuação imediata do tratamento. * Síndrome serotoninérgico: O síndrome serotoninérgico é uma reacção farmacológica adversa potencialmente fatal ao medicamento, provocada por um excesso de serotonina (ex. por sobredosagem ou por utilização concomitante com outros medicamentos serotoninérgicos) e que pode exigir hospitalização ou mesmo provocar morte. Os sintomas podem ser: - alterações ao estado mental (agitação, confusão, hipomania, eventualmente coma); - alterações neuromusculares (mioclonias, tremores, hiperreflexia, rigidez, acatisia); - hiperatividade autonómica (hipo ou hipertensão, taquicardia, calafrios, hipertermia, sudação); - sintomas gastrointestinais (diarreia) O respeito escrupuloso das doses recomendadas é um fator essencial para prevenir a ocorrência deste síndrome.

Cetoprofeno + Omeprazol + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Ligadas ao componente CETOPROFENO: Utilização concomitante não recomendada: Lítio: Elevação dos níveis de lítio no sangue que pode atingir níveis tóxicos (através da redução da excreção renal do lítio). Se necessário, os níveis sanguíneos de lítio devem ser monitorizados e a dose de lítio ajustada durante o tratamento combinado e após interrupção dos AINEs.

Lítio + Metildopa

Observações: n.d.
Interações: - Carbamazepina pode conduzir a vertigens, sonolência, confusão e sintomas cerebelosos, tais como ataxia. - Metildopa. - Derivados triptânicos e/ou antidepressivos serotoninérgicos, tais como SSRIs (ex. fluoxetina e fluvoxamina) podem provocar o sindroma serotoninérgico*, o que requer descontinuação imediata do tratamento. * Síndrome serotoninérgico: O síndrome serotoninérgico é uma reacção farmacológica adversa potencialmente fatal ao medicamento, provocada por um excesso de serotonina (ex. por sobredosagem ou por utilização concomitante com outros medicamentos serotoninérgicos) e que pode exigir hospitalização ou mesmo provocar morte. Os sintomas podem ser: - alterações ao estado mental (agitação, confusão, hipomania, eventualmente coma); - alterações neuromusculares (mioclonias, tremores, hiperreflexia, rigidez, acatisia); - hiperatividade autonómica (hipo ou hipertensão, taquicardia, calafrios, hipertermia, sudação); - sintomas gastrointestinais (diarreia) O respeito escrupuloso das doses recomendadas é um fator essencial para prevenir a ocorrência deste síndrome.

Lítio + Triptanos

Observações: n.d.
Interações: - Carbamazepina pode conduzir a vertigens, sonolência, confusão e sintomas cerebelosos, tais como ataxia. - Metildopa. - Derivados triptânicos e/ou antidepressivos serotoninérgicos, tais como SSRIs (ex. fluoxetina e fluvoxamina) podem provocar o sindroma serotoninérgico*, o que requer descontinuação imediata do tratamento. * Síndrome serotoninérgico: O síndrome serotoninérgico é uma reacção farmacológica adversa potencialmente fatal ao medicamento, provocada por um excesso de serotonina (ex. por sobredosagem ou por utilização concomitante com outros medicamentos serotoninérgicos) e que pode exigir hospitalização ou mesmo provocar morte. Os sintomas podem ser: - alterações ao estado mental (agitação, confusão, hipomania, eventualmente coma); - alterações neuromusculares (mioclonias, tremores, hiperreflexia, rigidez, acatisia); - hiperatividade autonómica (hipo ou hipertensão, taquicardia, calafrios, hipertermia, sudação); - sintomas gastrointestinais (diarreia) O respeito escrupuloso das doses recomendadas é um fator essencial para prevenir a ocorrência deste síndrome.

Rosuvastatina + Valsartan + Lítio

Observações: Não foram efetuados estudos de interação com Rosuvastatina / Valsartan e outros medicamentos. Os estudos de interação só foram realizados em adultos. A extensão das interações na população pediátrica não é conhecida.
Interações: Uso concomitante não recomendado: Lítio: Foram relatados aumentos reversíveis das concentrações séricas do lítio e da toxicidade durante o uso concomitante de inibidores da ECA. Devido à falta de experiência com a utilização concomitante de valsartan e lítio, esta associação não é recomendada. Caso esta associação seja necessária, recomenda-se a monitorização cuidadosa dos níveis séricos de lítio.

Lítio + Inibidores Selectivos da Recaptação da Serotonina (ISRS) (SSRIs)

Observações: n.d.
Interações: - Carbamazepina pode conduzir a vertigens, sonolência, confusão e sintomas cerebelosos, tais como ataxia. - Metildopa. - Derivados triptânicos e/ou antidepressivos serotoninérgicos, tais como SSRIs (ex. fluoxetina e fluvoxamina) podem provocar o sindroma serotoninérgico*, o que requer descontinuação imediata do tratamento. * Síndrome serotoninérgico: O síndrome serotoninérgico é uma reacção farmacológica adversa potencialmente fatal ao medicamento, provocada por um excesso de serotonina (ex. por sobredosagem ou por utilização concomitante com outros medicamentos serotoninérgicos) e que pode exigir hospitalização ou mesmo provocar morte. Os sintomas podem ser: - alterações ao estado mental (agitação, confusão, hipomania, eventualmente coma); - alterações neuromusculares (mioclonias, tremores, hiperreflexia, rigidez, acatisia); - hiperatividade autonómica (hipo ou hipertensão, taquicardia, calafrios, hipertermia, sudação); - sintomas gastrointestinais (diarreia) O respeito escrupuloso das doses recomendadas é um fator essencial para prevenir a ocorrência deste síndrome.

Candesartan + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas do lítio e da toxicidade durante administração concomitante de lítio com Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECA) ou hidroclorotiazida. Foi também notificado um efeito semelhante com os ARAIIs. Não se recomenda o uso de candesartan e hidroclorotiazida com lítio. Caso a associação seja necessária, recomenda-se monitorização cuidadosa dos níveis séricos do lítio.

Lítio + Fluoxetina

Observações: n.d.
Interações: - Carbamazepina pode conduzir a vertigens, sonolência, confusão e sintomas cerebelosos, tais como ataxia. - Metildopa. - Derivados triptânicos e/ou antidepressivos serotoninérgicos, tais como SSRIs (ex. fluoxetina e fluvoxamina) podem provocar o sindroma serotoninérgico*, o que requer descontinuação imediata do tratamento. * Síndrome serotoninérgico: O síndrome serotoninérgico é uma reacção farmacológica adversa potencialmente fatal ao medicamento, provocada por um excesso de serotonina (ex. por sobredosagem ou por utilização concomitante com outros medicamentos serotoninérgicos) e que pode exigir hospitalização ou mesmo provocar morte. Os sintomas podem ser: - alterações ao estado mental (agitação, confusão, hipomania, eventualmente coma); - alterações neuromusculares (mioclonias, tremores, hiperreflexia, rigidez, acatisia); - hiperatividade autonómica (hipo ou hipertensão, taquicardia, calafrios, hipertermia, sudação); - sintomas gastrointestinais (diarreia) O respeito escrupuloso das doses recomendadas é um fator essencial para prevenir a ocorrência deste síndrome.

Lítio + Fluvoxamina

Observações: n.d.
Interações: - Carbamazepina pode conduzir a vertigens, sonolência, confusão e sintomas cerebelosos, tais como ataxia. - Metildopa. - Derivados triptânicos e/ou antidepressivos serotoninérgicos, tais como SSRIs (ex. fluoxetina e fluvoxamina) podem provocar o sindroma serotoninérgico*, o que requer descontinuação imediata do tratamento. * Síndrome serotoninérgico: O síndrome serotoninérgico é uma reacção farmacológica adversa potencialmente fatal ao medicamento, provocada por um excesso de serotonina (ex. por sobredosagem ou por utilização concomitante com outros medicamentos serotoninérgicos) e que pode exigir hospitalização ou mesmo provocar morte. Os sintomas podem ser: - alterações ao estado mental (agitação, confusão, hipomania, eventualmente coma); - alterações neuromusculares (mioclonias, tremores, hiperreflexia, rigidez, acatisia); - hiperatividade autonómica (hipo ou hipertensão, taquicardia, calafrios, hipertermia, sudação); - sintomas gastrointestinais (diarreia) O respeito escrupuloso das doses recomendadas é um fator essencial para prevenir a ocorrência deste síndrome.

Lítio + Medicamentos que prolongam o intervalo QT

Observações: n.d.
Interações: Outros: Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por ex., Antiarrítmicos das classes IA (ex. quinidina, disopiramida) ou III (ex. amiodarona), cisaprida, antibióticos tais como a eritromicina, antipsicóticos como a tioridazina ou amissulprida.

Losartan + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: n.d.
Interações: LOSARTAN: Tal como outros medicamentos que afectam a excreção do sódio, a excreção do lítio pode ser reduzida. Logo, os níveis de lítio devem ser cuidadosamente monitorizados se os sais de lítio forem co-administrados com os antagonistas dos receptores da angiotensina II. HIDROCLOROTIAZIDA: Quando administrados concomitantemente, os seguintes fármacos podem interferir com os medicamentos diuréticos tiazídicos. Lítio: Os medicamentos diuréticos reduzem a depuração renal do lítio e acrescentam um elevado risco de toxicidade por lítio, não é recomendado o uso simultâneo.

Lítio + Antiarrítmicos

Observações: n.d.
Interações: Outros: Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por ex., Antiarrítmicos das classes IA (ex. quinidina, disopiramida) ou III (ex. amiodarona), cisaprida, antibióticos tais como a eritromicina, antipsicóticos como a tioridazina ou amissulprida.

Naltrexona + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Associações a ter em consideração: A interação com outros psicofármacos (ex., dissulfiram, amitriptilina, doxepina, lítio, clozapina, benzodiazepinas) não foi investigada.

Lítio + Quinidina

Observações: n.d.
Interações: Outros: Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por ex., Antiarrítmicos das classes IA (ex. quinidina, disopiramida) ou III (ex. amiodarona), cisaprida, antibióticos tais como a eritromicina, antipsicóticos como a tioridazina ou amissulprida.

Ácido niflúmico + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Associações desaconselhadas: Aumento dos níveis séricos de lítio, podendo atingir concentrações tóxicas, devido à diminuição da excreção renal do lítio.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Diclofenac + Misoprostol + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Os níveis plasmáticos da digoxina e do lítio em estado estacionário podem estar aumentados e os níveis de cetoconazol podem estar diminuídos.

Lítio + Disopiramida

Observações: n.d.
Interações: Outros: Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por ex., Antiarrítmicos das classes IA (ex. quinidina, disopiramida) ou III (ex. amiodarona), cisaprida, antibióticos tais como a eritromicina, antipsicóticos como a tioridazina ou amissulprida.

Filgrastim + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Como o lítio promove a libertação de neutrófilos, é provável que possa potenciar o efeito do filgrastim. Apesar desta interação não ter sido formalmente investigada, não existe qualquer evidência de que tal interação possa ser prejudicial.

Lítio + Amiodarona

Observações: n.d.
Interações: Outros: Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por ex., Antiarrítmicos das classes IA (ex. quinidina, disopiramida) ou III (ex. amiodarona), cisaprida, antibióticos tais como a eritromicina, antipsicóticos como a tioridazina ou amissulprida.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Benazepril + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: Aumento das concentrações séricas de lítio (vigilância regular!)

Lítio + Cisaprida

Observações: n.d.
Interações: Outros: Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por ex., Antiarrítmicos das classes IA (ex. quinidina, disopiramida) ou III (ex. amiodarona), cisaprida, antibióticos tais como a eritromicina, antipsicóticos como a tioridazina ou amissulprida.

Lítio + Antibióticos

Observações: n.d.
Interações: Outros: Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por ex., Antiarrítmicos das classes IA (ex. quinidina, disopiramida) ou III (ex. amiodarona), cisaprida, antibióticos tais como a eritromicina, antipsicóticos como a tioridazina ou amissulprida.

Diltiazem + Lítio

Observações: N.D.
Interações: COMBINAÇÕES QUE REQUEREM PRECAUÇÃO: Lítio: Risco de aumento da neurotoxicidade induzida pelo lítio.

Lítio + Eritromicina

Observações: n.d.
Interações: Outros: Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por ex., Antiarrítmicos das classes IA (ex. quinidina, disopiramida) ou III (ex. amiodarona), cisaprida, antibióticos tais como a eritromicina, antipsicóticos como a tioridazina ou amissulprida.

Lítio + Amissulprida

Observações: n.d.
Interações: Outros: Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por ex., Antiarrítmicos das classes IA (ex. quinidina, disopiramida) ou III (ex. amiodarona), cisaprida, antibióticos tais como a eritromicina, antipsicóticos como a tioridazina ou amissulprida.

Dexibuprofeno + Lítio

Observações: A informação desta secção é baseada na experiência já existente com o ibuprofeno racémico e com outros AINEs. Em geral, os AINEs devem ser usados com precaução, quando são administrados simultaneamente com outros fármacos que podem aumentar o risco de ulceração gastrointestinal, ou de hemorragia gastrointestinal, ou de insuficiência renal.
Interações: Uso concomitante não recomendado: Lítio: Os AINEs podem aumentar os níveis plasmáticos do lítio, pela redução da sua depuração renal. A associação não é recomendada. Deve ser realizada frequentemente a monitorização do lítio caso a combinação seja necessária. Deve ser considerada a possibilidade de redução da dose de lítio.

Lítio + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: n.d.
Interações: Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos que baixam o limiar convulsivante, tais como, antidepressivos tricíclicos, antipsicóticos, anestésicos, teofilina.

Lítio + Anestésicos

Observações: n.d.
Interações: Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos que baixam o limiar convulsivante, tais como, antidepressivos tricíclicos, antipsicóticos, anestésicos, teofilina.

Altizida + Espironolactona + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A dose de lítio deve ser ajustada quando administrado concomitantemente com Altizida / Espironolactona. Os diuréticos tiazídicos reduzem a eliminação renal e aumentam o risco de toxicidade deste fármaco.

Enalapril + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: Foram registados aumentos reversíveis nas concentrações séricas de lítio e toxicidade durante a administração concomitante de lítio e inibidores da ECA. A utilização simultânea de diuréticos tiazídicos com os inibidores da ECA pode levar a aumento adicional dos valores de lítio e potenciar o risco de toxicidade do lítio. Não é recomendada a utilização de enalapril com lítio, mas se a sua associação for considerada necessária, deve realizar-se uma monitorização cuidadosa dos valores séricos de lítio.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Oxcarbazepina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A associação de lítio e oxcarbarzepina pode provocar neurotoxicidade aumentada.

Ramipril + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Precauções de utilização: Sais de lítio: Os inibidores da ECA podem diminuir a excreção de lítio, tendo como consequência o aumento da toxicidade do lítio. Os níveis séricos de lítio devem ser monitorizados.

Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: a depuração renal do lítio é diminuída pelas tiazidas, pelo que o risco de toxicidade do lítio pode ser aumentado pela hidroclorotiazida. A administração concomitante de lítio e hidroclorotiazida não é recomendada. Se esta associação for realmente necessária, recomenda-se a monitorização cuidadosa dos níveis de lítio sérico durante o uso concomitante.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Insulina glargina + Lítio

Observações: Algumas substâncias afetam o metabolismo da glucose, o que pode implicar a necessidade de ajuste de dose da insulina glargina.
Interações: Os beta-bloqueadores, a clonidina, os sais de lítio ou o álcool tanto podem potenciar como atenuar o efeito hipoglicemiante da insulina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Fenbufeno + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A toma concomitante de AINE e lítio pode fazer aumentar os níveis séricos deste último, devendo ser monitorizado o valor sérico do lítio no início, durante e após descontinuação da administração de AINE.

Patirómero + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A administração concomitante de Patirómero não afetou, porém, a biodisponibilidade, conforme medida pela área sob a curva (AUC), de amlodipina, cinacalcet, clopidogrel, furosemida, lítio, metoprolol, trimetoprim, verapamilo e varfarina.

Lurasidona + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacocinéticas: Potencial da lurasidona para afetar outros medicamentos: A administração concomitante de lurasidona com lítio indicou que o lítio teve efeitos clinicamente negligenciáveis sobre a farmacocinética de lurasidona, portanto, não é necessário nenhum ajuste da dose da lurasidona quando administrada concomitantemente com lítio. A lurasidona não tem impacto sobre as concentrações de lítio.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Clortalidona + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Em consequência da administração concomitante dos seguintes medicamentos podem ocorrer interações com Clortalidona: Lítio: Os diuréticos aumentam o nível de lítio no sangue; portanto, esse nível deve ser monitorizado em pacientes sob terapia concomitante de Clortalidona com lítio. Onde o tratamento com lítio induziu poliúria, os diuréticos podem exercer um efeito antidiurético paradoxal.

Fosfato dissódico + Fosfato monossódico + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Utilizar com precaução em doentes medicados com antagonistas dos canais de cálcio, diuréticos, lítio ou com outros medicamentos que podem afectar os níveis de electrólitos, dado que pode ocorrer hiperfosfatemia, hipocalcemia, hipocaliemia, desidratação hipernatrémica e acidose.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Naproxeno + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Verificou-se inibição da depuração renal do lítio, levando ao aumento da concentração plasmática de lítio.

Sertralina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Precauções especiais: Lítio: Num ensaio clínico controlado com placebo, efectuado em voluntários saudáveis, a co-administração de sertralina e lítio não alterou a farmacocinética do lítio, embora tenha resultado num aumento do tremor relativamente ao placebo, indicando, assim, a existência de uma possível interacção farmacodinâmica. Os doentes devem ser adequadamente monitorizados aquando da co-administração de sertralina e lítio.

Valpromida + Lítio

Observações: Porque o principal metabolito da valpromida é o valproato, produzem-se as mesmas interações que com o valproato.
Interações: Valpromida não tem efeito nos níveis séricos do lítio.

Celecoxib + Lítio

Observações: O celecoxib é um inibidor do CYP2D6.
Interações: Em voluntários saudáveis, a administração concomitante de celecoxib 200 mg duas vezes ao dia e de lítio 450 mg, duas vezes ao dia, originou um aumento médio de 16% na Cmax e de 18% na AUC de lítio. Desta forma, os doentes a tomar lítio devem ser cuidadosamente monitorizados sempre que iniciem ou terminem o tratamento com celecoxib.

Zotepina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Não foram realizadas estudos específicos de interação clínica com anticonvulsivantes ou lítio.

Enalapril + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Habitualmente não se deve administrar lítio com diuréticos ou com IECA’s, dado que estes reduzem a depuração renal do lítio e aumentam o perigo de intoxicação pelo lítio. Deve consultar-se a literatura interna da embalagem das precauções com lítio antes da utilização destes produtos.

Reboxetina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A utilização concomitante de reboxetina com outros antidepressores (tricíclicos, inibidores da monoaminoxidase, ISRS e lítio) não foi avaliada nos ensaios clínicos.

Perindopril + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas e toxicidade do lítio durante a administração concomitante de lítio e IECAs. A utilização de perindopril com lítio não é recomendada, mas se a associação for necessária, deve ser feita uma cuidadosa monitorização dos níveis séricos do lítio.

Paliperidona + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Não foram realizados estudos de interação entre o Paliperidona e o lítio. No entanto, é improvável que ocorra uma interação farmacocinética.

Olmesartan medoxomilo + Lítio

Observações: Os estudos de interação foram apenas realizados em adultos.
Interações: Efeitos do olmesartan medoxomilo noutros fármacos: Lítio: Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas e da toxicidade do lítio durante a administração concomitante de lítio com inibidores da enzima de conversão da angiotensina e com antagonistas da angiotensina II. Por conseguinte, não é recomendada a utilização concomitante de olmesartan medoxomilo e lítio. Se a utilização concomitante for necessária é recomendada uma monitorização cuidadosa dos níveis séricos de lítio.

Bisoprolol + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Associações NÃO RECOMENDADAS: Lítio: O Bisoprolol / Hidroclorotiazida pode intensificar o efeito cardiotóxico e neurotóxico do lítio, causados pela diminuição da excreção de lítio.

Olmesartan medoxomilo + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Interações potenciais relacionadas quer com OLMESARTAN MEDOXOMILO quer com HIDROCLOROTIAZIDA: Uso concomitante não recomendado: Lítio: Foram referidos aumentos reversíveis das concentrações séricas e da toxicidade do lítio durante a administração concomitante de lítio com inibidores da enzima de conversão da angiotensina e, raramente, com antagonistas dos recetores da angiotensina II. Além disso, a depuração renal do lítio é reduzida pelas tiazidas e consequentemente pode aumentar o risco de toxicidade por lítio. Por conseguinte, não é recomendada a utilização concomitante de Olmesartan + Hidroclorotiazida e lítio. Se a utilização concomitante for necessária recomenda-se uma monitorização cuidadosa dos níveis séricos de lítio.

Risperidona + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Potencial para Risperidona afetar outros medicamentos: Risperidona não demonstrou possuir um efeito clinicamente relevante na farmacocinética do lítio, valproato, digoxina ou topiramato.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Piroxicam + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A ligação do piroxicam às proteínas é muito elevada e por isso é de admitir que este medicamento desloque outros fármacos ligados às proteínas. A administração de piroxicam a doentes medicados simultaneamente com fármacos de elevada fixação às proteínas exige uma monitorização apertada por parte do médico quanto a eventuais alterações posológicas. Há referências de que os AINEs, incluindo o piroxicam, aumentam os níveis plasmáticos do lítio no estado estacionário. Recomenda-se que estes níveis sejam monitorizados quando a terapêutica pelo piroxicam é iniciada, ajustada ou interrompida.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cetorolac + Lítio

Observações: O cetorolac tem uma elevada ligação às proteínas plasmáticas humanas (média de 99,2%) e a ligação não depende da concentração. Não existe evidência em estudos humanos ou animais que cetorolac induza ou iniba as enzimas hepáticas capazes de o metabolizar a ele ou a outros fármacos. Como tal, não se espera que Cetorolac altere a farmacocinética de outros fármacos devido a mecanismos de indução ou inibição enzimática.
Interações: Foi relatada inibição da depuração de lítio renal, que leva a um aumento da concentração plasmática de lítio, com alguns fármacos inibidores da síntese das prostaglandinas. Foram relatados alguns casos de aumento das concentrações plasmáticas de lítio durante a terapia com cetorolac.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Insulina zinco protamina + Lítio

Observações: A insulina não afeta outros medicamentos. No entanto, é importante estar ciente de que muitos medicamentos podem afetar os níveis de glicose no sangue e pode, portanto, alterar as suas necessidades de insulina. Por esta razão, as pessoas com diabetes devem sempre procurar o conselho de seu médico ou farmacêutico antes de tomar quaisquer novos medicamentos ou interromper as já existentes.
Interações: Os seguintes medicamentos podem aumentar os níveis de glicose no sangue: Lítio
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Oxibutinina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Pelo contrário, a oxibutinina pode diminuir o grau de absorção da lidocaína, do paracetamol, do lítio, das aminopenicilinas, da tetraciclina, da fenilbutazona, do sulfametoxazol, do cotrimoxazol e das preparações de libertação lenta.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ácido tiaprofénico + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Podem aumentar as concentrações plasmáticas de lítio, da digoxina e do metotrexato.

Indapamida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Associações que não são recomendadas: Lítio: Lítio plasmático aumentado com sinais de sobredosagem, como com uma dieta sem sal (excreção urinária de lítio diminuída). Contudo, se a utilização de diuréticos for necessária, é exigida uma cuidadosa monitorização do lítio plasmático e ajuste da dose.

Naproxeno + Esomeprazol + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Utilização concomitante com precaução: Lítio: Os AINEs originam níveis de lítio elevados no plasma e redução na depuração renal do lítio. Estes efeitos foram atribuídos à inibição da síntese renal das prostaglandinas pelo AINE. Assim, quando AINEs e lítio são administrados concomitantemente, os doentes devem ser observados cuidadosamente para sinais de toxicidade com lítio.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ibuprofeno + Pseudoefedrina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: A administração concomitante de Ibuprofeno / Pseudoefedrina com formulações contendo lítio pode aumentar o nível sérico destes medicamentos. A verificação do nível sérico do lítio não é normalmente necessária em caso de administração correta (no máximo durante 5 dias).

Picossulfato de sódio + Lítio

Observações: N.D.
Interações: O desequilíbrio electrolítico pode conduzir a uma sensibilidade aumentada aos glicosídeos cardíacos ou a um risco aumentado de toxicidade provocada pelo lítio.

Valsartan + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Não é recomendada utilização concomitante: Lítio: Foram descritos aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio e da toxicidade durante a utilização concomitante de inibidores da ECA. Devido à falta de experiência com a utilização concomitante de valsartan e lítio, esta associação não é recomendada. Caso esta associação seja necessária, recomenda-se a monitorização cuidadosa dos níveis séricos de lítio.

Enalapril + Lercanidipina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: MALEATO DE ENALAPRIL: Associações não recomendadas: Lítio: Foram relatados casos de aumentos de concentração de lítio e efeitos tóxicos durante a administração concomitante de lítio com os inibidores da ECA. O uso concomitante de diuréticos tiazídicos pode aumentar as concentrações de lítio e consequentemente aumentar o risco de toxicidade de lítio com os inibidores da ECA. O uso de enalapril com o lítio não é recomendado, mas se a associação for necessária, deve ser feita uma monitorização cuidadosa dos níveis de lítio.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Insulina glargina + Lixisenatido + Lítio

Observações: Não foram realizados estudos de interação com Insulina glargina + Lixisenatido. A informação fornecida a seguir baseia-se em estudos com os componentes individuais. Algumas substâncias afetam o metabolismo da glicose e podem exigir o ajuste posológico de Insulina glargina + Lixisenatido
Interações: Os bloqueadores beta, clonidina, sais de lítio ou álcool tanto podem potenciar como atenuar o efeito hipoglicemiante da insulina. A pentamidina pode causar hipoglicemia, que pode, em alguns casos, ser seguida de hiperglicemia. Além disso, sob a influência de medicamentos simpaticolíticos, tais como bloqueadores beta, clonidina, guanetidina e reserpina, os sinais da contrarregulação adrenérgica podem estar reduzidos ou ausentes.

Ramipril + Amlodipina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Associadas ao ramipril Precauções de utilização Sais de lítio: Os inibidores da ECA podem diminuir a excreção de lítio, resultando num aumento da toxicidade do lítio. Os níveis séricos de lítio devem ser monitorizados.
 Sem significado Clínico

Lamotrigina + Lítio

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Efeitos de outros medicamentos na glucuronidação da LAMOTRIGINA Medicamentos que não inibem ou induzem significativamente a glucuronidação da lamotrigina: Oxcarbazepina; Felbamato; Gabapentina; Levetiracetam; Pregabalina; Topiramato; Zonisamida; Lítio; Bupropiom; Olanzapina. Interações envolvendo outros agentes psicoativos: A farmacocinética do lítio, após administração de 2 g de gluconato de lítio anidro, duas vezes por dia, durante 6 dias, a 20 voluntários saudáveis, não foi alterada pela administração concomitante de 100 mg/dia de lamotrigina.

Zuclopentixol + Lítio

Observações: N.D.
Interações: O aumento do intervalo QT relacionado com o tratamento com antipsicóticos pode ser exacerbado pela coadministração de outros fármacos conhecidos por prolongarem significativamente o intervalo QT. A coadministração de tais fármacos deve ser evitada. As classes relevantes incluem: - antiarrítmicos de classe Ia e III (ex. quinidina, amiodarona, sotalol, dofetilida) - alguns antipsicóticos (ex. tioridazina) - alguns macrólidos (ex. eritromicina) - alguns anti-histamínicos (ex. terfenadina, astemizole) - alguns antibióticos do grupo das quinolonas (ex. gatifloxacina, moxifloxacina) A lista acima discriminada não é exaustiva, devendo ser evitados outros fármacos conhecidos por aumentarem significativamente o intervalo QT (ex.: cisaprida, lítio).
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Certos fármacos podem aumentar ou prolongar os efeitos neuromusculares do suxametónio por mecanismos não relacionados com a actividade das colinesterases plasmáticas, nomeadamente sais de magnésio, lítio, quinina, cloroquina, aminoglicosídeos, clindamicina, fármacos antiarrítmicos.

Atorvastatina + Perindopril + Lítio

Observações: Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com este medicamento e outros medicamentos, embora alguns estudos tenham sido realizados com atorvastatina e perindopril separadamente. Os dados de estudos clínicos demonstram que o duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) através da utilização combinada de IECAs, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno está associado ao aumento da frequência de eventos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia, diminuição da função renal (incluindo insuficiência renal aguda) comparativamente com a utilização de um único medicamento que atua no SRAA.
Interações: Utilização concomitante não recomendada: Perindopril Lítio Foram notificados durante a administração concomitante de lítio e IECAs aumentos reversíveis das concentrações séricas e toxicidade. A associação de Atorvastatina + Perindopril com lítio não é recomendada, mas se a associação for necessária, deve ser feita uma cuidadosa monitorização dos níveis séricos do lítio.

Eplerenona + Lítio

Observações: Estudos in vitro indicam que a eplerenona não é um inibidor das isoenzimas CYP1A2, CYP2C19, CYP2C9, CYP2D6 ou CYP3A4. A eplerenona não é um substrato nem um inibidor da glicoproteína-P.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Lítio: Não foram realizados estudos de interacção medicamentosa entre a eplerenona e o lítio. No entanto, foi relatada a ocorrência de toxicidade por lítio em doentes a receber lítio concomitantemente com diuréticos e inibidores da ECA. A co-administração da eplerenona com lítio deve ser evitada. Caso esta combinação seja necessária, devem-se monitorizar as concentrações plasmáticas de lítio.

Tramadol + Dexcetoprofeno + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Não é recomendado com Lítio, utilizado no tratamento de certos transtornos do humor.

Subcitrato de bismuto potássico + Metronidazol + Tetraciclina + Lítio

Observações: Não foram realizados estudos formais de interação com esta associação. Antes do tratamento, deve ser verificada a necessidade de outra medicação concomitante em doentes que estejam a tomar este medicamento. Apesar de não ter sido detetada qualquer interação específica com a associação, os doentes que tomem um grande número de medicamentos concomitantes têm geralmente um risco mais elevado de sofrerem efeitos indesejáveis e, por conseguinte, devem ser tratados com cuidado.
Interações: Interações com o metronidazol: Lítio: Baseado em poucos casos, o metronidazol pode precipitar sinais de toxicidade com lítio em doentes tratados com doses elevadas de lítio. Recomenda-se uma monitorização cuidadosa dos níveis de lítio nestes doentes.

Perindopril + Amlodipina + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Ligadas ao PERINDOPRIL: Uso concomitante não recomendado: Lítio: Foram notificados durante a administração concomitante de lítio e IECAs aumentos reversíveis das concentrações séricas e toxicidade (neurotoxicidade grave). A associação de perindopril com lítio não é recomendada. Se a associação for necessária, deve ser feita uma cuidadosa monitorização dos níveis séricos do lítio.

Meloxicam + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Interações Farmacocinéticas: (Efeito do meloxicam na farmacocinética de outros fármacos): Lítio: Foi relatado que os AINEs aumentam os níveis séricos de lítio (através da diminuição da excreção renal do lítio), que podem atingir valores tóxicos. O uso concomitante de lítio e de AINEs não é recomendado. Se esta combinação for necessária, as concentrações plasmáticas de lítio devem ser rigorosamente monitorizadas durante o início, os ajustes e retirada do tratamento com meloxicam.

Valsartan + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Interações relacionadas tanto com valsartan como com hidroclorotiazida: Utilização concomitante não recomendada: Lítio: Foram relatados aumentos reversíveis das concentrações séricas do lítio e da toxicidade durante o uso concomitante de inibidores da ECA e tiazidas, incluindo hidroclorotiazida. Devido à falta de experiência com a utilização concomitante de valsartan e lítio, esta associação não é recomendada. Caso esta associação seja necessária, recomenda-se a monitorização cuidadosa dos níveis séricos de lítio.

Cilazapril + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: Foram notificados toxicidade e aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio durante a administração concomitante de lítio e inibidores da ECA. A utilização concomitante de diuréticos tiazídicos pode aumentar o risco de toxicidade do lítio e agravar o já existente risco aumentado de toxicidade do lítio com inibidores da ECA. A utilização de cilazapril com lítio não é recomendada, mas caso a associação seja necessária, deve ser realizada a monitorização cuidadosa dos níveis séricos do lítio.

Aliscireno + Hidroclorotiazida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: A depuração renal do lítio é diminuída pelas tiazidas, pelo que o risco de toxicidade do lítio pode ser aumentado pela hidroclorotiazida. A administração concomitante de lítio e hidroclorotiazida não é recomendada. Se esta associação for realmente necessária, recomenda-se a monitorização cuidadosa dos níveis de lítio sérico durante o uso concomitante.

Amlodipina + Telmisartan + Lítio

Observações: Os efeitos hipotensores da amlodipina são aditivos a efeitos de outros medicamentos com propriedades hipotensoras
Interações: Utilizações concomitantes não recomendadas: Foram notificados aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio e toxicidade, durante a administração concomitante de lítio com inibidores da enzima conversora da angiotensina e com antagonistas do recetor da angiotensina II, incluindo o telmisartan. Caso esta associação seja necessária, recomenda-se a monitorização rigorosa dos níveis séricos de lítio.

Fosinopril + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: Foram relatados níveis séricos de lítio aumentados e risco de toxicidade pelo lítio em doentes a receber, concomitantemente, IECAs e lítio. Fosinopril e o lítio devem ser co-administrados com precaução, e é recomendada a monitorização frequente dos níveis séricos de lítio.

Melperona + Lítio

Observações: N.D.
Interações: A utilização concomitante de antipsicóticos atípicos e de lítio aumenta o risco de neurotoxicidade. Recomenda-se precaução no caso de tratamento concomitante com outros fármacos que possam prolongar o intervalo QT, tais como os antipsicóticos atípicos, antiarrítmicos das Classes 1A e III, moxifloxacina, eritromicina, metadona, mefloquina, antidepressivos tricíclicos, lítio ou cisaprida.

Quetiapina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: A farmacocinética do lítio não foi alterada quando coadministrado com quetiapina.

Hidroclorotiazida + Amilorida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: No caso de uma terapêutica com lítio é reforçado o efeito cardio e neurotóxico do lítio. Interações com amilorida: Lítio: Geralmente deve ser tomada precaução quando o lítio e diuréticos são utilizados concomitantemente uma vez que o a perda de sódio pode reduzir a depuração renal de lítio e aumentar os níveis de lítio sérico, os quais podem levar a toxicidade pelo lítio. Não há casos relatados ou estudos clínicos que documentem uma interacção entre o lítio e o amiloride. De facto, dos dados animais, existe o potencial para o amiloride aumentar a depuração de lítio, e pode diminuir os níve is de lítio requerendo dosagens de lítio aumentadas. Um diurético similar, o triamtereno, foi descrito por aumentar a excreção do lítio resultando numa diminuição da efectividade do lítio. Interações com hidroclorotiazida: Lítio: O uso concomitante de lítio e diuréticos tiazídicos resulta em elevados níveis séricos de lítio devido à reabsorção dos iões sódio e lítio no tubulo renal proximal. Apesar da terapia conjunta ser útil em casos de poliúria por lítio ou diabetes insipidus nefrogénicos induzidos por lítio, o uso concomitante destes fármacos deve ser evitado. A toxicidade pelo lítio envolve fraqueza, tremor, sede excessiva e confusão.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Floctafenina + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Anticoagulantes, sulfonilureias, sulfonamidas, fenitoína, lítio, metotrexato: Floctafenina, tal como outros medicamentos anti-inflamatórios, liga-se largamente à albumina sérica, esta sua característica pode levar a interações (deslocamento dos locais de ligação com proteínas) com esses medicamentos, cuja co-administração, portanto, requer cautela.

Fluvoxamina + Lítio

Observações: n.d.
Interações: Interações farmacodinâmicas: A fluvoxamina tem sido usada em combinação com lítio no tratamento de doentes com depressão grave resistente aos fármacos. Contudo, o lítio (e possivelmente o triptofano) potencia os efeitos serotoninérgicos da fluvoxamina. A combinação deve ser usada com precaução em doentes com depressão grave resistente aos fármacos.

Milnaciprano + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução de utilização: Com lítio: Risco de desenvolvimento de síndrome serotoninérgica* (ver acima). Realizar regularmente a monitorização clínica do doente.
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

O tratamento com lítio não deve ser administrado a mulheres grávidas, especialmente
durante o primeiro trimestre de gravidez, a não ser que seja considerado essencial, pois pode ser prejudicial para o feto.


É conveniente que as mulheres sob tratamento com lítio adotem métodos contracetivos adequados.

Se for considerado essencial manter o tratamento com o lítio durante a gravidez,
dever-se-á monitorizar cuidadosamente os níveis séricos de lítio uma vez que a função renal se altera gradualmente durante a gravidez e subitamente na altura do parto.

Será necessário proceder ao ajuste de dose.

Recomenda-se que o lítio seja descontinuado perto do parto e reiniciado alguns dias após o mesmo.

Os recém-nascidos podem apresentar sintomas de intoxicação por lítio incluindo músculos flácidos ou hipotonia.

Recomenda-se uma observação clínica cuidadosa do recém-nascido exposto ao lítio durante a gravidez, podendo ser necessário monitorizar os níveis de lítio.

O lítio não deverá ser administrado durante a amamentação.

Dado que o lítio pode reduzir a capacidade de reação e considerando o padrão de efeitos indesejáveis do lítio, os doentes devem ser alertados para possíveis riscos quando a conduzir ou a utilizar máquinas.


Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017