Griseofulvina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência na Condução DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
Um antibiótico antifúngico.

A griseofulvina pode ser administrado por via oral para o tratamento de infeções por tinea.
Usos comuns
Griseofulvina pertence ao grupo de medicamentos chamados antifúngicos.

É usado para tratar infeções por fungos do corpo, pés, virilha e coxas, couro cabeludo, pele, unhas e dos pés.

Griseofulvina pode ser feita isoladamente ou utilizados juntamente com os medicamentos que são aplicadas à pele de infeções por fungos.

Utilização de griseofulvina para a prevenção da infeção por fungos não foi estabelecida.

Griseofulvina está disponível apenas com prescrição médica.
Tipo
pequena molécula
História
É produzida por cultura de algumas estirpes do fungo Penicillium griseofulvum, a partir do qual foi isolada em 1939.
Indicações
Infeções da pele, couro cabeludo e unhas causadas por Dermatophytes ou Sporotrychum schenckii que não responderam à terapêutica convencional.
Classificação CFT
n.d.     n.d.
Mecanismo De Ação
Griseofulvina é fungistática, no entanto, o mecanismo exato pelo qual ela inibe o crescimento de dermatófitos não é clara.

É pensada para inibir a mitose celular fúngica e síntese de ácidos nuclear.

Também se liga e interfere com a função de eixo e os microtúbulos citoplásmicos por ligação a alfa e beta-tubulina.

Liga-se à queratina nas células humanas, em seguida, uma vez que ela atinja o local de ação de fungos, que se liga aos microtubos fúngicas alterando, assim, o processo de fungos da mitose.
Posologia Orientativa
Adultos - Via oral: 500 mg/dia em dose única ou repartida (de 8 em 8 ou de 12 em 12 horas); 1 g/dia nas infeções graves.

Crianças - Via oral: 10 mg/Kg/dia em dose única ou repartida (de 8 em 8 ou de 12 em 12 horas).
Administração
Via oral. Aumenta a absorção quando usada por via oral com alimentos ricos em lipídeos. Evitar a exposição ao sol (risco de fotossensibilidade) e a utilização de álcool (risco de reação tipo dissulfiram).
Contraindicações
Gravidez e aleitamento. IH. Porfíria. Lupus eritematoso sistémico.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Náuseas, vómitos e diarreia. Cefaleias. Agranulocitose e leucopenia. Erupções cutâneas e fotossensibilidade.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: C - Não há estudos adequados em mulheres. Em experiências animais ocorreram alguns efeitos colaterais no feto, mas o benefício do produto pode justificar o risco potencial durante a gravidez.
Conducao
Conducao:Aconselhar paciente que o medicamento pode causar tonturas e ter cuidado ao conduzir.
Precauções Gerais
É muito importante que o seu médico acompanhe o tratamento em visitas regulares para certificar-se de que a griseofulvina está a funcionar corretamente e para verificar se há efeitos indesejáveis.

Se os sintomas não melhorarem ou se piorarem, consulte o seu médico.

Pode precisar de tomar griseofulvina por várias semanas ou meses antes de sua infeção fica melhor.

Usar griseofulvina enquanto estiver grávida pode causar efeitos indesejáveis ​​graves no recém-nascido.

Informe o seu médico imediatamente se pensa que está grávida ou se planeia engravidar enquanto estiver a tomar griseofulvina.

Reações cutâneas graves pode ocorrer com griseofulvina.

Suspenda o uso de griseofulvina e fale com o seu médico imediatamente se tiver bolhas, descamação ou pele solta, lesões vermelhas na pele; acne grave ou erupção cutânea; feridas ou úlceras na pele, febre ou arrepios, enquanto estiver a tomar griseofulvina.

Suspenda o uso de griseofulvina e fale com o seu médico imediatamente se tiver dor ou sensibilidade na parte superior do estômago, fezes claras, urina escura, perda de apetite, náuseas, cansaço ou fraqueza incomum, olhos ou pele amarelada. Estes podem ser sintomas de um problema grave de fígado.

A griseofulvina tem sido demonstrado causar tumores hepáticos e da tiroide em certos animais.

Devem ser discutidos todos os riscos e benefícios de tomar griseofulvina.

As pílulas anticoncecionais que contêm estrógeno podem não ser tão eficazes quando tomadas em conjunto com a griseofulvina. Podem ocorrer gravidezes não planeadas.

Para não engravidar, use outra forma de controle de natalidade por até mais 1 mês após o seu último tratamento com griseofulvina.

Outras formas de controle de natalidade incluem preservativos, diafragmas, espumas contracetivas ou geleias.

A griseofulvina pode aumentar os efeitos do álcool.

Se for tomado com álcool também pode causar batimento cardíaco rápido, rubor, aumento da transpiração ou vermelhidão da face.

Se tiver estes sintomas, não beba bebidas alcoólicas enquanto estiver a tomar griseofulvina, a menos que tenha falado primeiro com o médico.

A griseofulvina pode causar tonturas, sonolência ou menos alerta do que o normal, em algumas pessoas.

Certifique-se que sabe como reage a griseofulvina antes de conduzir, utilizar máquinas ou fazer outras coisas que podem ser perigosas caso tenha tonturas ou não esteja em estado de alerta. Se estas reações são especialmente incómodas, verifique com seu médico.

A griseofulvina pode causar pele mais sensível à luz solar do que é normalmente.

A exposição à luz solar, mesmo que por breves períodos de tempo, pode causar uma erupção cutânea, comichão, vermelhidão ou outra descoloração da pele ou uma queimadura grave.

Quando começar a tomar griseofulvina:

– Mantenha-se afastado da luz solar direta, especialmente entre as 10:00 e 15:00 horas, se possível.

– Usar vestuário de proteção, incluindo um chapéu.

Além disso, usar óculos de sol.

– Aplicar um produto protetor solar que tem um fator de proteção da pele (FPS) de pelo menos 15.

Alguns pacientes podem necessitar de um produto com um número FPS mais elevado, especialmente se tiverem pele clara.

Se tem alguma dúvida sobre isso, consulte o seu médico.

– Aplique um batom com proteção solar de SPF de pelo menos 15 para proteger lábios.

– Não utilize lâmpadas ultravioleta ou solários.

Se tiver uma reação grave ao sol, fale com seu médico.

Não tome outros medicamentos que não tenham sido falados com o seu médico.

Isso inclui medicamentos de prescrição obrigatória, medicamentos de venda livre e suplementos vitamínicos.
Cuidados com a Dieta
Evite o álcool.
Tome este medicamento com uma refeição rica em gordura, alimentos gordurosos aumentam a biodisponibilidade.
Terapêutica Interrompida
Tome a dose assim que se lembrar.

Não tome a dose esquecida se for quase hora da sua próxima dose.

Não tome medicamento extra para compensar a dose esquecida.
Cuidados no Armazenamento
Guarde o medicamento num recipiente fechado à temperatura ambiente, longe do calor, humidade e luz direta.

Evite congelamento.

Manter fora do alcance das crianças.

Não guarde medicamentos desatualizados ou medicamento não mais necessários.

Pergunte ao seu profissional de saúde como se deve descartar de qualquer medicamento que não use.

Armazenar entre 2° a 30°C.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Dermatófitos como Mycrosporum canis, Mycrosporum audovini, Epidermophyton floccosum, Tricophyton schoenleinii, T. verrucosum, T. rubrum e T. mentagrophytes.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Etinilestradiol + Levonorgestrel + Griseofulvina

Observações: Interações medicamentosas entre Contracetivos orais e outros medicamentos podem originar uma hemorragia de disrupção e/ou falha contraceptiva.
Interações: Metabolismo hepático: Podem ocorrer interações com substâncias que induzem as enzimas microssomais o que pode resultar numa depuração aumentada de hormonas sexuais (por ex. fenitoína, barbitúricos, primidona, carbamazepina, rifampicina, e possivelmente também oxcarbazepina, topiramato, felbamato, Griseofulvina e produtos contendo Erva de São João ou hipericão). Também a protease VIH (por ex. ritonavir) e inibidores não-nucleósidos da transcriptase reversa (por ex. nevirapina), e combinações dos dois, têm sido reportados como afectando potencialmente o metabolismo hepático.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Estradiol + Levonorgestrel + Griseofulvina

Observações: Nota: A informação de prescrição de quaisquer medicações concomitantes deve ser sempre consultada para identificar interações potenciais.
Interações: Outras substâncias activas que se suspeita serem capazes de reduzir a eficácia dos COCs incluem a oxcarbazepina, o topiramato, a griseofulvina e o ritonavir. O mecanismo de acção parece ter por base as propriedades indutoras das enzimas hepáticas destas substâncias activas. Geralmente só se observa indução máxima das enzimas 2-3 semanas após o início do tratamento, mas pode então persistir durante pelo menos 4 semanas após a cessação do tratamento.

Liraglutido + Griseofulvina

Observações: In vitro, liraglutido apresentou um potencial muito reduzido para envolvimento em interações farmacocinéticas com outras substâncias ativas relacionadas com o citocromo P450 e a ligação às proteínas plasmáticas. O pequeno atraso do esvaziamento gástrico com liraglutido poderá influenciar a absorção de medicamentos administrados concomitantemente por via oral. Os estudos de interação não mostraram qualquer atraso clinicamente relevante da absorção, pelo que não é necessário o ajuste da dose. Alguns doentes tratados com liraglutido comunicaram pelo menos um episódio de diarreia aguda. A diarreia pode afetar a absorção de medicamentos administrados concomitantemente por via oral.
Interações: O liraglutido não alterou a exposição geral de griseofulvina na sequência da administração de uma dose única de griseofulvina 500 mg. A Cmax de griseofulvina foi aumentada em 37% enquanto o tmax médio não foi alterado. Não são necessários ajustes de dose de griseofulvina e outros componentes com baixa solubilidade e alta permeabilidade.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Fenobarbital + Griseofulvina

Observações: Para além das interações acima mencionadas, está descrito que muitos outros fármacos podem alterar a resposta aos barbitúricos ou ver a sua própria resposta alterada. Por isso deve haver precaução sempre que se adiciona ou retira um fármaco de um regime terapêutico que contém fenobarbital, tendo sempre em consideração a possibilidade de ser necessário efectuar ajustes de doses.
Interações: O fenobarbital pode diminuir as concentrações de griseofulvina, provavelmente por alterar a sua absorção. Se for necessária a terapêutica concomitante, parece que a administração da griseofulvina dividida em 3 doses pode melhorar a sua absorção.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Levonorgestrel + Griseofulvina

Observações: N.D.
Interações: O metabolismo do levonorgestrel é aumentado pela utilização concomitante de enzimas hepáticas: anticonvulsivantes (fenobarbital, fenitoína, primidona, carbamazepina); rifabutina; rifampicina; griseofulvina, ritonavir, Hypericum perforatum (hipericão ou Erva de S. João). A eficácia de Levonorgestrel pode ser reduzida em caso de administração concomitante destas substâncias ativas.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Dienogest + Etinilestradiol + Griseofulvina

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos. As interações do etinilestradiol e o dienogest, com outros medicamentos podem aumentar ou diminuir ou ambas, as concentrações séricas das hormonas esteroides. A redução das concentrações séricas de etinilestradiol/dienogest pode levar a um aumento das hemorragias intercorrentes e dos distúrbios menstruais e reduzir a eficácia do contracetivo do Dienogest / Etinilestradiol; o aumento de etinilestradiol/dienogest nos níveis séricos pode levar a um aumento de incidência e aumento da expressão de efeitos secundários.
Interações: Os seguintes medicamentos podem diminuir as concentrações séricas das hormonas esteroides contidas no Dienogest / Etinilestradiol: - todos os agentes que aumentam o risco de motilidade gastrointestinal, tais como a metoclopramida, - Medicamentos indutores, as enzimas microssomais hepáticas, tais como a rifampicina, rifabutina, barbitúricos, anticonvulsivantes (como barbexaclona, carbamazepina, oxcarbazepina, fenitoína, primidona, topiramato e felbamato), griseofulvina, modafinil, Erva de São João (Hypericum perforatum). Foi notificado que tanto os inibidores da protease do VIH (por exemplo, ritonavir) como os inibidores não-nucleósidos da transcriptase reversa (por exemplo, nevirapina), bem como a combinação de ambos, podem influenciar o metabolismo hepático. - Certos antibióticos (por exemplo, ampicilina, tetraciclina) em algumas mulheres, possivelmente através de uma redução da circulação entero-hepática dos estrogénios. Deve ser utilizado um método não hormonal contracetivo adicional quando existir terapia concomitante com estes medicamentos e a toma de Dienogest / Etinilestradiol, durante o tratamento e nos primeiros 7 dias. As mulheres a fazerem um tratamento a curto prazo (até uma semana) com um medicamento dos grupos acima referidos, ou com qualquer uma das substâncias ativas para além da rifampicina devem utilizar temporariamente um método de barreira juntamente com as COCs, ou seja, durante o período de tempo de administração concomitante, bem como durante 14 dias após a descontinuação do mesmo. As mulheres tratadas com rifampicina devem utilizar para além do COC um método de barreira adicional durante o período de tempo de administração da rifampicina, assim como durante 28 dias após a sua descontinuação. Em mulheres com tratamento crónico com fármacos indutores das enzimas hepáticas, recomenda-se a utilização de outro método contracetivo não hormonal fiável. Se existir utilização concomitante de medicamentos com essas substâncias durante o último comprimido da embalagem deve iniciar-se imediatamente o novo blister após o último comprimido do primeiro blister sem fazer o habitual intervalo sem toma de comprimidos. Se for necessário um tratamento a longo prazo com estes medicamentos, deve-se utilizar de preferência métodos contracetivos não hormonais.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Etinilestradiol + Norelgestromina + Griseofulvina

Observações: As interações entre contracetivos orais e outros medicamentos podem conduzir a hemorragias intra cíclicas e/ou falência do contracetivo.
Interações: Metabolismo hepático: Podem ocorrer interações medicamentosas com medicamentos que induzem a atividade das enzimas hepáticas, o que pode resultar num aumento da depuração das hormonas sexuais (por exemplo: fenobarbital, primidona, rifampicina, rifabutina, bosentano, (fos)aprepitant, alguns anti-epileticos (por exemplo: carbamazepina, a cetato de eslicarbazepina, felbamato, oxcarbazepina, fenitoína, rufinamida, topiramato) e alguns medicamentos para a infeção pelo VIH (nelfinavir, ritonavir, nevirapina, efavirenz e possivelmente também, griseofulvina e preparações à base de plantas contendo hipericão (Hypericum perforatum). A indução enzimática máxima é, geralmente, observada em 10 dias, mas pode ser mantida durante pelo menos 4 semanas após cessação da terapia. As mulheres em tratamento de curto prazo com qualquer das classes terapêuticas ou substâncias ativas individuais supracitadas que induzem as enzimas hepáticas (exceto a rifampicina), devem utilizar, temporariamente, um método de barreira para além de Etinilestradiol + Norelgestromina, durante o período da administração concomitante e durante 7 dias após a sua descontinuação. No caso das mulheres em terapêutica prolongada com qualquer uma das classes terapêuticas supracitadas, é recomendada a utilização de outro método de contraceção não hormonal fiável. As mulheres em tratamento com antibióticos (exceto a rifampicina) devem utilizar o método de barreira até 7 dias após a descontinuação. Se a administração concomitante de medicamentos se prolongar para além do final do período de utilização correspondente a uma semana, deve aplicar-se o próximo sistema transdérmico, sem o habitual intervalo livre de sistema transdérmico.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Norgestrel + Valerato de estradiol + Griseofulvina

Observações: A contracepção hormonal deve ser interrompida quando a THS é iniciada e a doente deve ser aconselhada a tomar medidas contraceptivas não-hormonais, se necessário.
Interações: Interações medicamentosas: Tratamento prolongado com fármacos indutores das enzimas hepáticas (por ex. diversos anticonvulsivantes e antimicrobianos) pode aumentar a depuração das hormonas sexuais e pode reduzir a eficácia clínica. Estas propriedades indutoras das enzimas hepáticas têm sido atribuídas às hidantoínas, barbituratos, primidona, carbamazepina e rifampicina, sendo também suspeitas para a oxcarbazepina, topiramato, felbamato e griseofulvina. A indução enzimática máxima geralmente não se verifica antes das 2-3 semanas, mas poderá permanecer durante, pelo menos, 4 semanas após a interrupção da terapêutica farmacológica.

Etinilestradiol + Norgestimato + Griseofulvina

Observações: Aconselha-se que os médicos consultem a rotulagem dos medicamentos utilizados concomitantemente, para obter mais informações acerca das interações com contracetivos hormonais e da possível necessidade de ajustar as dosagens.
Interações: Indutores das enzimas hepáticas: Produtos ou medicamentos à base de plantas que induzem as enzimas, especialmente o CYP3A4, podem diminuir as concentrações plasmáticas das hormonas contracetivas e podem diminuir a sua eficácia e/ ou aumentar a hemorragia intercorrente. Exemplos incluem: barbitúricos bosentano carbamazepina felbamato hidantoínas primidona griseofulvina alguns inibidores da protease VIH (por ex., ritonavir) modafinil alguns inibidores não nucleósidos da transcriptase reversa (por ex., nevirapina) oxcarbazepina fenitoína rifampicina e rifabutina hipericão topiramato Mulheres a utilizar medicamentos indutores das enzimas hepáticas devem utilizar temporariamente um método contracetivo de barreira para além de Etinilestradiol / Norgestimato durante o tempo da administração do medicamento concomitante e durante 28 dias após a sua descontinuação.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloromadinona + Etinilestradiol + Griseofulvina

Observações: A interação do etinilestradiol, com outros medicamentos, pode aumentar ou reduzir as concentrações séricas de etinilestradiol. Em caso de necessidade de tratamento prolongado com essas subtâncias ativas, devem ser utilizados métodos contracetivos não hormonais. Concentrações séricas reduzidas de etinilestradiol podem aumentar as hemorragias intracíclicas e as perturbações dos ciclos, e reduzir a eficácia contracetiva de Cloromadinona / Etinilestradiol; concentrações séricas aumentadas de etinilestradiol podem aumentar a frequência e a gravidade dos efeitos indesejáveis.
Interações: Os seguintes medicamentos/substâncias ativas podem resuzir as concentrações séricas de etinilestradiol: Todas as substâncias que aumentem a motilidade gastrointestinal (por exemplo metoclopramida) ou reduzem a absorção (por exemplo carvão ativado) Substâncias que indutoras de enzimas microssomais hepáticas, tais como rifampicina, rifabutina, barbitúricos, antiepiléticos (por exemplo carbamazepina, fenitoína e topiramato), griseofulvina, barbexalona, primidona, modafinil, alguns inibidores da protease (por exemplo ritonavir) e erva de São João. Certos antibióticos (por exemplo ampicilina, tetraciclina) em algumas mulheres, provavelmente devido à diminuição da circulação entero-hepática por ação dos estrogénios. No tratamento concomitante destes medicamentos/substâncias ativas com Cloromadinona / Etinilestradiol devem ser utilizados métodos contracetivos adicionais durante o tratamento e após os primeiros 7 dias. Com substâncias ativas que reduzam os níveis séricos de etinilestradiol por indução das enzimas microssomais hepáticas devem ser utilizados métodos contracetivos adicionais durante 28 dias após a suspensão da medicação.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Desogestrel + Griseofulvina

Observações: As interações entre os contracetivos hormonais e outros medicamentos podem conduzir a hemorragias intracíclicas e/ou falência contracetiva. Os contracetivos hormonais podem interferir com o metabolismo de outros medicamentos. Por este motivo, as concentrações plasmáticas e tecidulares destes podem estar aumentadas ou diminuídas. Nota: A informação sobre a prescrição da medicação concomitante deve ser consultada de forma a identificar potenciais interações.
Interações: Podem ocorrer interações com medicamentos indutores das enzimas microssomais, o que poderá resultar na depuração aumentada das hormonas sexuais (tais como: hidantoínas (por exemplo, fenitoína), barbitúricos (por exemplo, fenobarbital), primidona, carbamazepina, rifampicina e, possivelmente também com oxcarbazepina, topiramato, rifabutina, felbamato, ritonavir, nelfinavir, griseofulvina e produtos contendo hipericão (Hipericum perforatum)). A indução máxima enzimática não é detetada durante 2 a 3 semanas, mas pode manter-se, pelo menos, durante 4 semanas após a interrupção do tratamento. As mulheres que estejam a ser tratadas com qualquer um destes medicamentos devem, temporariamente, utilizar um método contracetivo de barreira adicional em conjunto com Desogestrel. Se o medicamento utilizado for indutor das enzimas microssomais hepáticas, o método de barreira deve ser usado durante o tempo de uso concomitante do medicamento e até 28 dias após a sua descontinuação. Para mulheres que façam terapêutica de longo prazo com medicamentos indutores das enzimas hepáticas, deve ser considerado um método contracetivo não hormonal.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Estriol + Griseofulvina

Observações: N.D.
Interações: Na prática clínica, não foram registados casos de interação entre o Estriol e outros medicamentos. Embora os dados sejam limitados, podem ocorrer interações entre Estriol e outros medicamentos. Foram descritas as seguintes interações com o uso de contracetivos orais combinados, que podem ser também relevantes para o Estriol. O metabolismo dos estrogénios pode estar aumentado pelo uso concomitante de indutores das enzimas metabolizadoras de fármacos, especialmente das enzimas do citocromo P450, tais como anticonvulsivantes, (por ex. hidantoínas, barbitúricos, carbamazepina), anti-infecciosos (por ex. griseofulvina, rifamicina, os antirretrovirais neviparina e efavirenz) e preparações herbais à base de ervas contendo a erva de S. João (Hypericum perforatum).

Mitotano + Griseofulvina

Observações: N.D.
Interações: Substâncias metabolizadas através do citocromo P450: O mitotano revelou exercer um efeito indutor sobre as enzimas do citocromo P450. Por isso, as concentrações plasmáticas das substâncias metabolizadas via citocromo P450 podem ser modificadas. Na ausência de informações sobre as iso-6 enzimas P450 específicas envolvidas, dever-se-á atuar com precaução ao prescrever simultaneamente substâncias ativas metabolizadas por esta via, tais como, entre outros, anticonvulsivantes, rifabutina, rifampicina, griseofulvina e hipericão ( Hypericum perforatum ). Particularmente, o mitotano tem demonstrado exercer um efeito indutivo sobre o citocromo 3A4. Portanto, as concentrações plasmáticas das substâncias metabolizadas através do citocromo 3A4 podem ser alteradas. A prescrição em simultâneo de substâncias ativas metabolizadas por esta via como, por exemplo, entre outras, sunitinib e midazolam, deve ser feita com precaução.

Desogestrel + Etinilestradiol + Griseofulvina

Observações: N.D.
Interações: As interações medicamentosas que resultam num aumento da depuração das hormonas sexuais podem originar hemorragias de disrupção e falhas na eficácia contracetiva. Esta situação foi identificada com as hidantoínas, os barbitúricos, a primidona, a carbamazepina e a rifampicina; também se suspeita que possa ocorrer com a oxcarbazepina, o topiramato, o felbamato, a griseofulvina, e a nevirapina. O mecanismo desta interação parece basear-se nas propriedades de indução das enzimas hepáticas destes medicamentos. Geralmente observa-se uma indução máxima das enzimas apenas 2-3 semanas após o início do tratamento, mas que pode persistir durante pelo menos 4 semanas após o final do tratamento. As mulheres sujeitas a um tratamento de curto prazo (até uma semana) com qualquer um dos grupos de medicamentos acima mencionados ou com os medicamentos individuais, devem utilizar temporariamente um método contracetivo de barreira juntamente com os COC, ou seja, durante o período de tempo em que o medicamento e os COC são utilizados em simultâneo, bem como durante os primeiros 7 dias após a suspensão do medicamento
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Estrogéneos + Griseofulvina

Observações: Metabolismo induzível; A circulação entero-hepática do estrogénio pode ser interrompida por alteração da flora intestinal (p.ex: por antibióticos)
Interações: Griseofulvina: possível inibição da eficácia do contraceptivo oral; mecanismo desconhecido - Griseofulvina

Drospirenona + Etinilestradiol + Griseofulvina

Observações: Os principais metabolitos de drospirenona no plasma humano são criados sem envolvimento do sistema citocromo P450. Desta forma, é pouco provável que os inibidores deste sistema enzimático influenciem o metabolismo da drospirenona.
Interações: As interações entre os contracetivos orais e outros medicamentos podem conduzir a hemorragia de disrupção e/ou insucesso do contracetivo. Foram comunicadas as seguintes interações na literatura. Esta situação foi estabelecida com hidantoínas, barbitúricos, primidona, carbamazepina e rifampicina; suspeita-se também da oxcarbazepina, topiramato, felbamato, ritonavir, griseofulvina e do hipericão ou Erva de S. João (Hypericum perforatum). O mecanismo desta interacção parece basear-se nas propriedades indutoras de enzimas hepáticas destas substâncias activas. A indução enzimática máxima não é, normalmente, observada durante 2-3 semanas, mas pode, depois, ser mantida durante pelo menos 4 semanas após a cessação da terapêutica com o medicamento. As mulheres em tratamento de curto prazo (até uma semana) com qualquer uma das classes de medicamentos ou substâncias activas individuais acima mencionadas devem utilizar, temporariamente, um método de barreira para além dos COC, ou seja, durante o período de administração concomitante dos medicamentos e durante 7 dias após a sua descontinuação.

Etonogestrel + Griseofulvina

Observações: N.D.
Interações: Influência de outros medicamentos sobre Etonogestrel: As interações entre contracetivos hormonais e outros medicamentos poderão originar hemorragia menstrual e /ou falência contracetiva. As seguintes interações têm sido referidas na literatura (principalmente com contracetivos combinados, mas também ocasionalmente com contracetivos apenas com progestagénio). Metabolismo hepático: Podem ocorrer interações com medicamentos indutores das enzimas hepáticas, especificamente enzimas do citocromo P450, as quais podem resultar na depuração aumentada de hormonas sexuais (por exemplo, fenitoína, fenobarbital, primidona, bosentano, carbamazepina, rifampicina) e medicação para o tratamento do VIH (por exemplo, ritonavir, nelfinavir, nevirapina, efavirenz) e, possivelmente, também a oxcarbazepina, topiramato, felbamato, griseofulvina e produtos medicinais à base de erva de S. João (Hypericum perforatum). Tratamento: As mulheres a fazer tratamento com qualquer um dos medicamentos acima mencionados, devem usar um método contracetivo não hormonal em adição ao Etonogestrel. Com medicamentos indutores das enzimas hepáticas, o método contracetivo não hormonal deve ser utilizado durante o tempo da administração concomitante e nos 28 dias após a sua suspensão. Em caso de tratamento a longo prazo com medicamentos indutores das enzimas hepáticas, é recomendada a remoção do implante e a utilização de um método contracetivo que não seja afetado por esta interação medicamentosa.

Doxilamina + Dicloverina + Piridoxina + Griseofulvina

Observações: N.D.
Interações: O Succinato de doxilamina interfere com acidificantes, alcalinizantes, álcool, anestésicos, tranquilizantes, brometos, fenotiazinas, reserpina, barbitúricos, anfetaminas, colinérgicos e anticolinérgicos, corticosteróides, hormonas sexuais, difenilhidantoína, griseofulvina, beta-bloqueantes, betazol, IMAO, simpaticomiméticos, parassimpaticolíticos, dilatadores coronários e procarbazina.

Padeliporfina + Griseofulvina

Observações: n.d.
Interações: Fotossensibilizadores Os medicamentos que têm potenciais efeitos fotossensibilizadores [tais como tetraciclinas, sulfonamidas, quinolonas, fenotiazinas, agentes hipoglicemiantes (sulfonilureias), diuréticos tiazídicos, griseofulvina ou amiodarona] devem ser interrompidos pelo menos 10 dias antes do procedimento com Padeliporfina e durante pelo menos 3 dias após o procedimento, ou substituídos por outros tratamentos sem propriedades fotossensibilizadoras. Se não for possível interromper um medicamento fotossensibilizador (como a amiodarona), o doente deve ser informado de que poderá ocorrer sensibilidade aumentada à luz solar e de que poderá ser necessário proteger-se da exposição à luz solar direta durante um período mais prolongado.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Porfímero sódico + Griseofulvina

Observações: Não foram realizados estudos formais com o Porfímero sódico e outros fármacos.
Interações: No entanto, é possível que a utilização concomitante de outros agentes fotossensibilizadores (p.ex. tetraciclinas, sulfonamidas, fenotiazinas, agentes hipoglicemiantes de sulfonilureia, diuréticos tiazídicos e griseofulvina) possa aumentar a reacção de fotossensibilidade.

Insulina degludec + Liraglutido + Griseofulvina

Observações: Não foram realizados estudos de interação com Insulina degludec/Liraglutido. Os dados in vitro sugerem que o potencial para as interações medicamentosas farmacocinéticas relacionadas com a interação de CYP e a ligação às proteínas é reduzido para o liraglutido e a insulina degludec. O pequeno atraso do esvaziamento gástrico com liraglutido poderá influenciar a absorção de medicamentos administrados concomitantemente por via oral. Os estudos de interação não mostraram qualquer atraso clinicamente relevante da absorção.
Interações: O liraglutido não alterou a exposição geral de griseofulvina na sequência da administração de uma dose única de griseofulvina de 500 mg. A Cmax de griseofulvina foi aumentada em 37% enquanto o tmax 7 médio não foi alterado. Não são necessários ajustes de dose de griseofulvina e outros componentes com baixa solubilidade e alta permeabilidade.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Barbexaclona + Griseofulvina

Observações: N.D.
Interações: Pode ocorrer uma redução do efeito dos medicamentos administrados simultaneamente, principalmente derivados cumarínicos, griseofulvina, contraceptivos orais, guanetidina e glicocorticóides.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Doxilamina + Piridoxina + Griseofulvina

Observações: Não foram efetuados estudos de interação com Doxilamina + Piridoxina.
Interações: Conhecem-se interações entre os anti-histamínicos da classe da etanolamina e os seguintes medicamentos: - Medicamentos fotossensibilizantes: A utilização concomitante de anti-histamínicos e outros medicamentos fotossensibilizantes como a amiodarona, quinidina, imipramina, doxepina, amitriptilina, griseofulvina, clorfeniramina, piroxicam, furosemida, captopril, entre outros, pode causar efeitos fotossensibilizantes aditivos.

Fluindiona + Griseofulvina

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precauções de utilização: Griseofulvina: Diminuir o efeito do anticoagulante oral, aumentando o seu metabolismo hepático pela griseofulvina. Monitorização mais frequente do INR. Ajustar a dosagem de anticoagulante oral durante o tratamento com griseofulvina e 8 dias depois de sua interrupção.

Verteporfina + Griseofulvina

Observações: Não foram realizados estudos de interação em seres humanos.
Interações: Outros agentes fotossensibilizantes: A utilização concomitante de outros medicamentos fotossensibilizantes (por exemplo, tetraciclinas, sulfonamidas, fenotiazinas, sulfonilureia, medicamentos hipoglicemiantes, diuréticos tiazídicos e griseofulvina) pode aumentar o risco de reações de fotossensibilização. Deve, portanto, ter-se precaução quando se utiliza Verteporfina concomitantemente com outros medicamentos fotosensibilizantes.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ciproterona + Etinilestradiol + Griseofulvina

Observações: Interações medicamentosas entre combinações estrogénio-progestagénio como o Ciproterona / Etinilestradiol e outros medicamentos podem originar uma hemorragia de disrupção e/ou falha contracetiva.
Interações: Podem ocorrer interações com substâncias que induzem as enzimas microssomais o que pode resultar numa depuração aumentada de hormonas sexuais (por ex. fenitoína, barbitúricos, primidona, carbamazepina, rifampicina, e possivelmente também oxcarbazepina, topiramato, felbamato, griseofluvina e produtos contendo Erva de São João ou hipericão).

Etinilestradiol + Etonogestrel + Griseofulvina

Observações: N.D.
Interações: Interações com outros medicamentos As interações entre contracetivos hormonais e outros medicamentos podem originar hemorragias intracíclicas e/ou falência contracetiva. Foram descritas na literatura as seguintes interações: Metabolismo hepático: Podem ocorrer interações com medicamentos indutores das enzimas microssomais, o que pode resultar numa depuração aumentada das hormonas sexuais (por exemplo, fenitoína, fenobarbital, primidona, carbamazepina, rifampicina e, possivelmente, também a oxcarbazepina, topiramato, felbamato, ritonavir, griseofulvina e produtos contendo hipericão [Hypericum perforatum]). As mulheres que estejam a fazer tratamento com qualquer um destes fármacos deverão usar, temporariamente, um método de barreira. Durante o tempo de uso concomitante com fármacos indutores das enzimas microssomais hepáticas e 28 dias após a sua suspensão, deverá ser usado um método de barreira.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ciproterona + Valerato de estradiol + Griseofulvina

Observações: A contracepção hormonal deve ser interrompida quando a THS é iniciada e a doente deve ser aconselhada a tomar medidas contraceptivas não-hormonais, se necessário.
Interações: Interações medicamentosas: Tratamento prolongado com fármacos indutores das enzimas hepáticas (por ex. diversos anticonvulsivantes e antimicrobianos) pode aumentar a depuração das hormonas sexuais e pode reduzir a eficácia clínica. Estas propriedades indutoras das enzimas hepáticas têm sido atribuídas às hidantoínas, barbituratos, primidona, carbamazepina e rifampicina, sendo também suspeitas para a oxcarbazepina, topiramato, felbamato e griseofulvina. A indução enzimática máxima geralmente não se verifica antes das 2-3 semanas, mas poderá permanecer durante, pelo menos, 4 semanas após a interrupção da terapêutica farmacológica.
 Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Varfarina + Griseofulvina

Observações: n.d.
Interações: Os compostos que reconhecidamente diminuem os efeitos da varfarina ou que habitualmente são referidos como exercendo esse efeito são: Acetomenaftona, álcool (ingestão crónica), aminoglutetimida, azatioprina, barbitúricos, carbamazepina, contracetivos orais, dicloroalfenazona, espironolactona, etclorvinol, fitomenadiona (vitamina K1), glutetimida, griseofulvina, mercaptopurina, primidona, rifampicina.

Etinilestradiol + Gestodeno + Griseofulvina

Observações: N.D.
Interações: As interações medicamentosas que resultam num aumento da depuração das hormonas sexuais podem provocar hemorragias de privação e insucesso contracetivo. Isto foi estabelecido com as hidantoínas, os barbitúricos, a primidona, a carbamazepina e a rifampicina; também se suspeita da oxcarbazepina, do topiramato, da griseofulvina, do felbamato e do ritonavir. O mecanismo responsável por esta interacção parece ter por base as propriedades indutoras das enzimas hepáticas destes medicamentos. Geralmente só se observa indução máxima das enzimas 2-3 semanas após o início do tratamento, mas pode persistir durante pelo menos 4 semanas após o fim do tratamento. O mecanismo desta acção ainda não foi elucidado. As mulheres a fazerem um tratamento a curto prazo com qualquer um dos grupos acima mencionados ou com medicamentos individuais, devem utilizar temporariamente um método de barreira juntamente com as pílulas contraceptivas, ou seja, durante o período de tempo em que tanto o medicamento em causa como as pílulas contraceptivas são tomadas, bem como durante 7 dias após a descontinuação do mesmo. Se a toma concomitante de outro medicamento se prolongar para além do número de comprimidos na embalagem de pílulas contraceptivas, a mulher deve iniciar a embalagem seguinte sem fazer o período habitual sem comprimidos. As utentes a longo prazo destes medicamentos que induzem as enzimas hepáticas devem ser aconselhadas a utilizarem outras medidas contraceptivas.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Dienogest + Griseofulvina

Observações: Com base em estudos de inibição in vitro, é pouco provável uma interacção clinicamente relevante do dienogest com o metabolismo mediado pelas enzimas do citocromo P450 de outros medicamentos. Nota: A informação de prescrição da medicação concomitante deverá ser consultada para identificar potenciais interações.
Interações: Podem ocorrer interações com fármacos (por ex., fenitoína, barbitúricos, primidona, carbamazepina, rifampicina e, possivelmente, também a oxcarbazepina, topiramato, felbamato, griseofulvina, nevirapina e produtos contendo hipericão (Hypericum perforatum)) que induzem enzimas microssómicas (por ex., enzimas do citocromo P450), o que pode resultar numa depuração aumentada de hormonas sexuais. Geralmente, a indução enzimática máxima não é observada durante 2 a 3 semanas, no entanto, poderá depois manter-se durante pelo menos 4 semanas após ter terminado a terapêutica.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico
Aconselhar o paciente para inspecionar a pele para detetar sinais de melhora da infeção ou reinfeção.

Explique importância da boa higiene, principalmente para as áreas afetadas.

Informar o paciente que os efeitos benéficos do medicamento podem não ser observáveis por semanas a meses.

Instruir paciente para relatar estes sintomas ao médico: febre, dor de garganta, erupção cutânea.

Alertar o paciente para evitar a ingestão de bebidas alcoólicas ou outros depressores do SNC.

Aconselhar paciente que o medicamento pode causar tonturas e ter cuidado ao conduzir ou executar outras tarefas que requeiram agilidade mental.

Alertar o paciente para evitar a exposição à luz solar e usar protetor solar ou usar roupas de proteção para evitar reações de fotossensibilidade.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017