Grelina

DCI com Advertência no Dopping
O que é
Hormona de crescimento (GH) e os seus fatores de libertação

A Grelina é conhecida como o "hormona da fome"; ou mesmo "hormona da satisfação".

É produzida principalmente pelo estômago, mas também pelas células epsilon do pâncreas e pelo hipotálamo, núcleo arqueado; ou mesmo pelo intestino.

Quando o estômago fica vazio, intensifica a secreção da grelina, a hormona atua no cérebro dando a sensação de fome; quanto mais elevado for a produção, resultando em concentrações altas no sangue, maior será a sensação de forme.

Quando nos alimentamos, a secreção da grelina diminui e a sensação da fome passa.

A Grelina também tem um papel importante no aprendizado, na memória e na adaptação a novos ambientes.

Dopping: Substância probida - Portaria n.º 411/2015, de 26 de novembro - Aprova a Lista de Substâncias e Métodos Proibidos para 2016 e revoga a Portaria n.º 270/2014, de 22 de dezembro.
Usos comuns
A grelina é um peptídeo que tem diversas funções na regulação do apetite e sensação de fome.

A sua secreção começa quando o estômago se encontra vazio, despoletando o nosso apetite.

Quando ingerimos alimentos, os níveis de grelina baixam, gerando uma sensação de saciedade.

Contudo, em indivíduos obesos este mecanismo encontra-se manipulado por uma deficiência no processamento do glucagon.

Esta é também uma hormona que assinala ao corpo a necessidade de produzir menos grelina, levando assim à saciedade, mas no caso de indivíduos obesos ela não possui qualquer efeito, levando a que perder peso seja mais difícil.

Por outras palavras, indivíduos onde o glucagon não atua corretamente têm mais dificuldades em perder peso, pois têm mais dificuldades em controlar o apetite.

Em condições normais, no entanto, a grelina é um regulador do peso corporal, pois os seus níveis aumentam quando conseguimos perder peso e diminuem quando o ganhamos.

Neste momento entra em ação outra hormona, a leptina, que é produzida em quantidades maiores quando acumulamos gordura, ajudando o nosso corpo a controlar o apetite e a perder peso.

No entanto, tal como há indivíduos com deficiências no metabolismo da grelina, também os há com deficiências na produção de leptina: apesar de acumularem peso, a hormona não é produzida em quantidades suficientes para o cérebro compreender que deve controlar o nosso apetite.

Para quem procura perder peso, o mecanismo de ação da grelina e leptina pode acabar por induzir um aumento irresistível do apetite quando encetamos uma dieta pobre em calorias, que reduz a ingestão de gorduras e por isso faz baixar a produção de leptina.

A fome pode ser tanta que muitos de nós acabaremos por ceder à tentação e arruinar os esforços dietéticos de semanas!

Não há muito a fazer para controlar o mecanismo de ação da grelina sem cedermos a ele: não há realmente fármacos ou remédios milagrosos.

A única coisa que nos pode ajudar é o nosso próprio bom senso (e muita auto-disciplina) e a vontade de perder peso.

E para não cedermos à ação da grelina, devemos não ceder à tentação de perder peso demasiado depressa.

Quando restringimos demasiado a ingestão calórica, exacerbamos a resposta da grelina.

Pelo contrário, ao perder peso de forma mais lenta, sem cortes drásticos, as hormonas não serão tão afetadas, pelo que o apetite suscitado será menor e mais fácil de resistir.

Como regra geral, podemos dizer que menos de 1200 calorias por dia criarão problemas não só através de um apetite exagerado, mas igualmente de massa muscular perdida.

Por outro lado, temos de tentar perder peso com uma dieta que favoreça a sensação de saciedade, de modo ao apetite não regressar tão depressa.

Isso significa uma dieta rica em fibras e hidratos de carbono, mas pobre em gordura.

Para si, que quer perder peso, aumentar o teor de fibras na alimentação significa comer as mesmas quantidades de alimentos, sentindo-se saciada, sem no entanto consumir calorias em demasia.

Porque as fibras não têm valor calórico.

Embora a fauna microbiana do nosso intestino possa digerir alguns tipos de fibras, produzindo ácidos gordos aproveitáveis pelo corpo, um valor de referência é que ingerimos apenas 1,5 calorias por grama de fibra.

Ao mesmo tempo, as fibras solúveis atraem água e formam um gel que atrasa a digestão (prolongando a sensação de saciedade) e tem uma ação contra a absorção de gordura e colesterol.

Estas fibras encontram-se em frutas como laranja, morangos, aveia, maçã, mirtilos, mas também na cenoura, aipo, pepino, lentilha e diversos tipos de nozes.
Tipo
Sem informação.
História
Foi descoberta por investigadores japoneses em 1999, mas foram os cientistas britânicos que associaram esta hormona à sensação da fome e, por consequência, um estimulante de apetite.
Indicações
A grelina é um peptídeo que tem diversas funções na regulação do apetite e sensação de fome. A sua secreção começa quando o estômago se encontra vazio, despoletando o nosso apetite. Quando ingerimos alimentos, os níveis de grelina baixam, gerando uma sensação de saciedade.
Classificação CFT

N.D.

Mecanismo De Ação
Sem informação.
Posologia Orientativa
Conforme prescrição médica.
Administração
Sem informação.
Contraindicações
Hipersensibilidade à Grelina.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Sem informação.
Advertências

Sem informação.

Precauções Gerais
Sem informação.
Cuidados com a Dieta
Sem informação.
Terapêutica Interrompida
Sem informação.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Sem Resultados
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Dopping: Substância probida - Portaria n.º 411/2015, de 26 de novembro - Aprova a Lista de Substâncias e Métodos Proibidos para 2016 e revoga a Portaria n.º 270/2014, de 22 de dezembro.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 18 de Setembro de 2020