Fosamprenavir

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento Uso Hospitalar DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
O Fosamprenavir é um profármaco do amprenavir, um inibidor de protease do vírus da imunodeficiência humana (HIV).
Usos comuns
O Fosamprenavir é usado em combinação com outros medicamentos para o tratamento de pacientes que estão infetados com o vírus da imunodeficiência humana (HIV), vírus que causa a síndrome da imunodeficiência adquirida (SIDA).

Psoríase: opções de tratamento para controle dos seus sintomas.
O Fosamprenavir pode desacelerar a destruição do sistema imune causada pelo HIV. Isto pode ajudar a retardar os problemas normalmente relacionados com a SIDA ou evitar que a doença ocorra.

No entanto, o Fosamprenavir não irá curar ou prevenir a infeção pelo HIV, e isso não vai impedi-lo de disseminar o vírus a outras pessoas.

Os pacientes que tomem o Fosamprenavir podem continuar a ter outros problemas geralmente relacionados com a SIDA ou doença do HIV.

O Fosamprenavir está disponível apenas sob prescrição médica.
Tipo
pequena molécula
História
O Fosamprenavir foi aptovado pela FDA a 20 de outubro de 2003, enquanto que a EMA o aprovou em 12 de julho de 2004.
Indicações
Fosamprenavir está indicado para tratamento de infeções pelo VIH-1 em associação com doses baixas de ritonavir e outros fármacos antirretrovirais.

O Fosamprenavir é um profármaco do amprenavir.
Classificação CFT
01.03.01.01     Inibidores da protease
Mecanismo De Ação
Fosamprenavir é um profármaco que é rapidamente hidrolisado em amprenavir por fosfatases celulares do epitélio intestinal, uma vez absorvida.

O amprenavir é um inibidor de protease HIV-1. Durante a replicação do HIV, a protease de HIV divide-se em produtos polipeptídicos dos genes virais Gag e Gag-Pol para formar as proteínas estruturais do núcleo do virião e enzimas virais essenciais.

O amprenavir interfere com este processo através da ligação ao local ativo da protease do HIV-1, impedindo desse modo o processamento da Gag viral e Gag-Pol precursores de poliproteína, o que resulta na formação de partículas virais imaturas, não infecciosas.
Posologia Orientativa
Adultos - Via oral: 700 mg, 2 vezes/dia a administrar concomitantemente com ritonavir-100 mg, 2 vezes/dia e outros fármacos antirretrovíricos.

Crianças - Não recomendada a sua utilização em crianças e adolescentes de idade inferior a 17 anos.
Administração
Via oral, com ou sem alimentos.
Contraindicações
O Fosamprenavir está contraindicado em:

– Gravidez e aleitamento.
– Doença hepática.
– Doença renal.
– História de alergias.
– Diabetes.
– Hemofilia.
Doentes medicados com fármacos metabolizados pelo CYP3A4, nomeadamente terfenadina, astemizol, cisaprida, diazepam, triazolam, flurazepam, midazolam, ergotamina e análogos e rifampicina (a co-administração do amprenavir com estes fármacos constitui mesmo uma contraindicação absoluta).

Não administrar concomitantemente com outros medicamentos contendo amprenavir
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Náuseas, vómitos, dores abdominais e diarreia. Parestesias. Erupções cutâneas que
podem ser graves. Alterações do humor e alterações do sono. Cefaleias e fadiga.
Lipodistrofia. Elevação das enzimas hepáticas, glicemia e lípidos sanguíneos. Rabdomiolise. Aumento da tendência para hemorragias nos doentes hemofílicos.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Toxicidade em estudos animais; o produtor recomenda, mas apenas se o benefício for superior ao risco. Evidência fetal em animais, mas a necessidade pode justificar o risco.
Aleitamento
Aleitamento:O aleitamento não é recomendado na infecção por VIH.
Precauções Gerais
Os doentes devem ser alertados de que o tratamento, ou qualquer outra terapêutica antirretroviral corrente, não cura a infeção VIH, podendo continuar a desenvolver infeções oportunistas e outras complicações da infeção VIH.

As terapêuticas antirretrovirais correntes, não demonstraram prevenir o risco de transmissão do VIH a outros indivíduos por contacto sexual ou transmissão sanguínea.

Devem manter-se as precauções adequadas.
Fosamprenavir com ritonavir deve ser utilizado com precaução e em doses reduzidas em adultos com compromisso hepático ligeiro, moderado ou grave.

Os doentes com hepatite B ou C crónica e tratados com terapêutica de associação antirretroviral têm um risco acrescido de reações adversas hepáticas graves e potencialmente fatais.

No caso de terapêutica antivírica para a hepatite B ou C concomitante.
Os doentes com disfunção hepática pré-existente, incluindo hepatite crónica ativa, apresentam um aumento da frequência de anomalias da função hepática durante a terapêutica de associação antirretroviral e devem ser monitorizados de acordo com a prática padronizada.

Se se verificar agravamento da doença hepática, deverá ser considerada a interrupção ou descontinuação do tratamento nestes doentes.
Cuidados com a Dieta
Evitar o álcool, especialmente com a solução oral, uma vez que contém o propileno-glicol que compete com o álcool para o metabolismo do álcool desidrogenase.

Tome com ou sem alimentos, evitando no entanto as refeições ricas em lipídios.
A vitamina E aumenta a biodisponibilidade do Fosamprenavir.
Terapêutica Interrompida
Caso se esqueça de tomar uma dose, deve tomá-la assim que se lembrar e continuar o seu tratamento como anteriormente.
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.
Não necessita de quaisquer condições especiais de armazenamento.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Dextrometorfano + Quinidina + Fosamprenavir

Observações: N.D.
Interações: A quinidina é metabolizada pela CYP3A4. É de esperar que a administração concomitante de medicamentos que inibem a CYP3A4 aumente os níveis plasmáticos da quinidina, o que pode aumentar o risco relativamente ao prolongamento do intervalo QTc. Durante o tratamento com o este medicamento, os inibidores fortes e moderados da CYP3A4 devem ser evitados. Estes incluem, entre outros, atazanavir, claritromicina, indinavir, itraconazol, cetoconazol, nefazodona, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, telitromicina, amprenavir, aprepitante, diltiazem, eritromicina, fluconazol, fosamprenavir, sumo de toranja e verapamilo. Caso se considere necessário o tratamento concomitante com inibidores fortes ou moderados da CYP3A4, recomenda-se que seja realizada uma avaliação eletrocardiográfica (ECG) do intervalo QT antes da administração do Dextrometorfano + Quinidina e, subsequentemente, num(em) ponto(s) temporal(is) adequado(s).

Tolvaptano + Fosamprenavir

Observações: N.D.
Interações: Efeito de outros medicamentos na farmacocinética de tolvaptano: Inibidores do CYP3A: O uso concomitante de medicamentos que são inibidores moderados (por exemplo, amprenavir, aprepitante, atazanavir, ciprofloxacina, crizotinib, darunavir/ritonavir, diltiazem, eritromicina, fluconazol, fosamprenavir, imatinib, verapamil) ou fortes (por exemplo, itraconazol, cetoconazol, ritonavir, claritromicina) do CYP3A aumenta a exposição a tolvaptano. A coadministração de tolvaptano e cetoconazol resultou num aumento de 440% da área sob a curva da concentração-tempo (AUC) e num aumento de 248% da concentração plasmática máxima observada (C max ) para o tolvaptano. A coadministração de tolvaptano com sumo de toranja, um inibidor moderado a forte do CYP3A, produziu uma duplicação das concentrações máximas de tolvaptano (Cmax ). A redução da dose de tolvaptano é recomendada para os doentes enquanto estiverem a tomar inibidores moderados ou fortes do CYP3A. Os doentes a tomar inibidores moderados ou fortes do CYP3A têm de ser controlados com prudência, em particular se os inibidores forem tomados com frequência superior a uma vez por dia.

Fosamprenavir + Ritonavir

Observações: N.D.
Interações: Quando o fosamprenavir e ritonavir são administrados concomitantemente o perfil de interação metabólica do ritonavir pode ser predominante porque o ritonavir é um inibidor mais potente do CYP3A4. Portanto, deve ser consultada a informação completa sobre a prescrição de ritonavir antes de se iniciar a terapêutica com Fosamprenavir e ritonavir. O ritonavir também inibe o CYP2D6 mas numa extensão menor que o CYP3A4. O ritonavir induz o CYP3A4, CYP1A2, CYP2C9 e a transferase glucuronosilo. Adicionalmente, ambos amprenavir, o metabolito ativo de fosamprenavir, e ritonavir, são principalmente metabolisados no fígado pe la enzima CYP3A4. Portanto, todos os medicamentos que partilhem esta via metabólica ou que alterem a atividade da CYP3A4 podem alterar a farmacocinética do amprenavir e ritonavir. Do mesmo modo, a administração de fosamprenavir e ritonavir pode também alterar a farmacocinética de outras substâncias ativas que partilhem esta via metabólica.

Fosamprenavir + Outros medicamentos

Observações: N.D.
Interações: Quando o fosamprenavir e ritonavir são administrados concomitantemente o perfil de interação metabólica do ritonavir pode ser predominante porque o ritonavir é um inibidor mais potente do CYP3A4. Portanto, deve ser consultada a informação completa sobre a prescrição de ritonavir antes de se iniciar a terapêutica com Fosamprenavir e ritonavir. O ritonavir também inibe o CYP2D6 mas numa extensão menor que o CYP3A4. O ritonavir induz o CYP3A4, CYP1A2, CYP2C9 e a transferase glucuronosilo. Adicionalmente, ambos amprenavir, o metabolito ativo de fosamprenavir, e ritonavir, são principalmente metabolisados no fígado pe la enzima CYP3A4. Portanto, todos os medicamentos que partilhem esta via metabólica ou que alterem a atividade da CYP3A4 podem alterar a farmacocinética do amprenavir e ritonavir. Do mesmo modo, a administração de fosamprenavir e ritonavir pode também alterar a farmacocinética de outras substâncias ativas que partilhem esta via metabólica.

Fosamprenavir + Efavirenz

Observações: N.D.
Interações: Efavirenz e Nevirapina: Não é necessário nenhum ajuste de dose.

Efavirenz + Fosamprenavir

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: ANTI-INFECCIOSOS: Antiretrovirais Inibidores da Protease (IP): Fosamprenavir/ritonavir/ Efavirenz: (700 mg duas vezes ao dia/100 mg duas vezes ao dia/600 mg uma vez ao dia). Interação farmacocinética sem significado clínico. Não é necessário ajuste posológico de qualquer um destes medicamentos. Ver também a informação do ritonavir a seguir. Fosamprenavir/Nelfinavir/ Efavirenz: Interação não estudada. Não é necessário ajuste posológico de qualquer um destes medicamentos. Fosamprenavir/Saquinavir/ Efavirenz: Interação não estudada. Não recomendada, uma vez que se espera que a exposição a ambos os PIs sofra uma diminuição significativa.

Fosamprenavir + Nevirapina

Observações: N.D.
Interações: Efavirenz e Nevirapina: Não é necessário nenhum ajuste de dose.

Fosamprenavir + Etravirina

Observações: N.D.
Interações: Etravirina: Fosamprenavir pode requerer ajuste de dose (utilizando suspensão oral).

Fosamprenavir + Abacavir

Observações: N.D.
Interações: Abacavir, Lamivudina e Zidovudina: Não é necessário nenhum ajuste de dose.

Fosamprenavir + Lamivudina

Observações: N.D.
Interações: Abacavir, Lamivudina e Zidovudina: Não é necessário nenhum ajuste de dose.

Fosamprenavir + Zidovudina

Observações: N.D.
Interações: Abacavir, Lamivudina e Zidovudina: Não é necessário nenhum ajuste de dose.

Rilpivirina + Fosamprenavir

Observações: A rilpivirina é um inibidor in vitro do transportador MATE-2K com um IC50 < 2,7 nM. As implicações clínicas deste achado são atualmente desconhecidas.
Interações: INTERAÇÕES E RECOMENDAÇÕES POSOLÓGICAS COM OUTROS MEDICAMENTOS ANTI-INFECIOSOS: Antirretrovirais: IPs do VIH – administrados concomitantemente com uma dose baixa de ritonavir: Outros IPs potenciados (atazanavir/ritonavir, fosamprenavir/ritonavir, saquinavir/ritonavir, tipranavir/ritonavir): (inibição das enzimas CYP3A) Não foi estudado. A utilização concomitante de Rilpivirina com inibidores da protease potenciados com ritonavir causa um aumento das concentrações plasmáticas de rilpivirina, mas não é necessário qualquer ajuste da dose. IPs do VIH – sem a administração concomitante de uma dose baixa de ritonavir: IPs não potenciados (atazanavir, fosamprenavir, indinavir, nelfinavir): Não foi estudado. É esperado um aumento da exposição à rilpivirina. (inibição das enzimas CYP3A) Não é necessário qualquer ajuste da dose.

Fosamprenavir + Didanosina

Observações: N.D.
Interações: Didanosina: Não é necessário separação de dose ou ajuste de dose.

Fosamprenavir + Tenofovir

Observações: N.D.
Interações: Tenofovir: Não é necessário nenhum ajuste de dose.

Fosamprenavir + Lopinavir + Ritonavir

Observações: N.D.
Interações: Lopinavir/ritonavir: O uso concomitante não é recomendado.

Fosamprenavir + Raltegravir

Observações: N.D.
Interações: Raltegravir: O uso concomitante não é recomendado. Reduções significativas da exposição e da Cmin observadas para ambos amprenavir e raltegravir (especialmente em condições sem jejum) podem resultar em falência virológica nos doentes.

Fosamprenavir + Dolutegravir

Observações: N.D.
Interações: Dolutegravir: Não se recomenda nenhum ajuste de dose de fosamprenavir ou dolutegra vir com base nas relações exposição - resposta observadas a partir dos dados clínicos. É necessária precaução e recomenda-se monitorização rigorosa quando esta combinação é administrada a doentes resistentes a inibidores da integrase.

Fosamprenavir + Maraviroc

Observações: N.D.
Interações: Maraviroc: O uso concomitante não é recomendado. Reduções significativas da Cmin do amprenavir observadas podem resultar resultar em falência virológica nos doentes.

Fosamprenavir + Telaprevir

Observações: N.D.
Interações: Telaprevir: Não recomendado.

Fosamprenavir + Boceprevir

Observações: N.D.
Interações: Boceprevir: Não recomendado.

Fosamprenavir + Amiodarona

Observações: N.D.
Interações: Amiodarona, Bepridil, Quinidina, Flecainida, Propafenona: Contraindicado. Potencial para reações graves e/ou capazes de colocar a vida em risco como arritmias cardíacas.

Fosamprenavir + Bepridilo

Observações: N.D.
Interações: Amiodarona, Bepridil, Quinidina, Flecainida, Propafenona: Contraindicado. Potencial para reações graves e/ou capazes de colocar a vida em risco como arritmias cardíacas.

Fosamprenavir + Quinidina

Observações: N.D.
Interações: Amiodarona, Bepridil, Quinidina, Flecainida, Propafenona: Contraindicado. Potencial para reações graves e/ou capazes de colocar a vida em risco como arritmias cardíacas.

Fosamprenavir + Flecainida

Observações: N.D.
Interações: Amiodarona, Bepridil, Quinidina, Flecainida, Propafenona: Contraindicado. Potencial para reações graves e/ou capazes de colocar a vida em risco como arritmias cardíacas.

Fosamprenavir + Propafenona

Observações: N.D.
Interações: Amiodarona, Bepridil, Quinidina, Flecainida, Propafenona: Contraindicado. Potencial para reações graves e/ou capazes de colocar a vida em risco como arritmias cardíacas.

Fosamprenavir + Mesilato de di-hidroergotamina

Observações: N.D.
Interações: Dihidroergotamina, Ergotamina, Ergonovina, Metilergonovina: Contraindicado. Potencial para reações graves e/ou capazes de colocar a vida em risco como toxicidade aguda da ergotina, caracterizada por um vasoespasmo periférico e isquémia das extremidades e outros tecidos.

Fosamprenavir + Ergotamina

Observações: N.D.
Interações: Dihidroergotamina, Ergotamina, Ergonovina, Metilergonovina: Contraindicado. Potencial para reações graves e/ou capazes de colocar a vida em risco como toxicidade aguda da ergotina, caracterizada por um vasoespasmo periférico e isquémia das extremidades e outros tecidos.

Fosamprenavir + Ergonovina (ergometrina)

Observações: N.D.
Interações: Dihidroergotamina, Ergotamina, Ergonovina, Metilergonovina: Contraindicado. Potencial para reações graves e/ou capazes de colocar a vida em risco como toxicidade aguda da ergotina, caracterizada por um vasoespasmo periférico e isquémia das extremidades e outros tecidos.

Ibrutinib + Fosamprenavir

Observações: N.D.
Interações: Inibidores moderados do CYP3A4: Simulações que utilizam condições de jejum sugerem que inibidores moderados do CYP3A4, tais como o diltiazem, a eritromicina e o voriconazol, podem aumentar a AUC de ibrutinib num fator de 5-9. Os inibidores moderados do CYP3A4 (ex. voriconazol, eritromicina, amprenavir, aprepitant, atazanavir, ciprofloxacina, crizotinib, darunavir/ritonavir, diltiazem, fluconazol, fosamprenavir, imatinib, verapamilo, amiodarona, dronedarona) devem ser evitados. Se for necessário utilizar um inibidor moderado do CYP3A4, a dose de Ibrutinib deve ser reduzida para 140 mg (uma cápsula) ao longo da duração do tratamento com o inibidor. Os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados quanto a toxicidade e as orientações para modificação da dose devem ser seguidas, conforme necessário.

Fosamprenavir + Metilergometrina

Observações: N.D.
Interações: Dihidroergotamina, Ergotamina, Ergonovina, Metilergonovina: Contraindicado. Potencial para reações graves e/ou capazes de colocar a vida em risco como toxicidade aguda da ergotina, caracterizada por um vasoespasmo periférico e isquémia das extremidades e outros tecidos.

Fosamprenavir + Cisaprida

Observações: N.D.
Interações: Cisaprida: Contraindicado. Potencial para reações graves e/ou capazes de colocar a vida em ri sco como arritmias cardíacas.

Dapoxetina + Fosamprenavir

Observações: N.D.
Interações: Inibidores moderados do CYP3A4: O tratamento concomitante com inibidores moderados do CYP3A4 (por ex. eritromicina, claritromicina, fluconazol, amprenavir, fosamprenavir, aprepitante, verapamilo, diltiazem) pode também provocar um aumento significativo da exposição da dapoxetina e desmetildapoxetina, especialmente em metabolizadores fracos do CYP2D6. Se a dapoxetina for associada a um destes medicamentos, a dose máxima da dapoxetina deve ser 30 mg. Estas duas medidas aplicam-se a todos os doentes exceto aqueles que sejam metabolizadores extensos por geno- ou fenotipagem. Nos doentes que sejam metabolizadores extensos do CYP2D6 e em que a dapoxetina seja associada a um inibidor potente do CYP3A4, é aconselhada uma dose máxima de 30 mg e é necessária precaução se for administrada 60 mg de dapoxetina concomitantemente com um inibidor moderado do CYP3A4.

Fosamprenavir + Astemizol

Observações: N.D.
Interações: Astemizol, Terfenadina: Contraindicado. Potencial para reações gr aves e/ou capazes de colocar a vida em risco como arritmias cardíacas.

Fosamprenavir + Terfenadina

Observações: N.D.
Interações: Astemizol, Terfenadina: Contraindicado. Potencial para reações gr aves e/ou capazes de colocar a vida em risco como arritmias cardíacas.

Fosamprenavir + Pimozida

Observações: N.D.
Interações: Pimozida: Contraindicado. Potencial para reações graves e/ou capazes de colocar a vida em risco como arritmias cardíacas.

Fosamprenavir + Quetiapina

Observações: N.D.
Interações: Quetiapina: A administração concomitante de Fosamprenavir e quetiapina está contraindicada, uma vez que pode aumentar a toxicidade relacionada com a quetiapina. O aumento das concentrações plasmáticas de quetiapina pode levar a coma.

Halofantrina + Fosamprenavir

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que possam provocar torsades de pointes: Antiarrítmicos de classe IA (por exemplo quinidina, hidroquinidina, disopiramida), antiarrítmicos de classe III (por exemplo amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida), alguns neurolépticos (por exemplo tioridazina, cloropromazina, levomepormazina, trifluoperazina, ciamemazina, sulpirida, amisilprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, droperidol, sultoprida), antiparasíticos (lumefantrina, pentamidina), bepridil, cisaprida, difemanil, eritromicina IV, metadona, mizolastina, veraliprida, vincamicina IV. A interacção com a mefloquina demonstrou prolongar ainda mais o intervalo QTc. Risco aumentado de disrritmias ventriculares, especialmente torsades de pointes. Medicamentos passíveis de provocar torsade de pointes não anti-infecciosos devem ser interrompidos, mas se tal não for possível, o intervalo QTc deve ser controlado antes do início do tratamento e o ECG deve ser monitorizado durante o tratamento. Inibidores da protease (amprenavir, atazanavir, fosamprenavir, indinavir, lopinavir, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, tipranavir): risco aumentado de disrritmias ventrículares, especialmente torsades de pointes.

Fosamprenavir + Claritromicina

Observações: N.D.
Interações: Claritromicina: Utilizar com precaução.

Fosamprenavir + Eritromicina

Observações: N.D.
Interações: Eritromicina: Utilizar com precaução.

Fosamprenavir + Rifabutina

Observações: N.D.
Interações: Rifabutina: O aumento da 25 - O - desacetilrifabutina (metabolito ativo) pode potencialmente levar a um aumento dos eventos adversos relacionados com a rifabutina, especialmente uveíte. Uma diminuição de 75% da dose normal de rifabutina (i.e. para 150 mg em dias alternados) é recomendada. Reduções adicionais de dose podem ser necessárias.

Fosamprenavir + Rifampicina

Observações: N.D.
Interações: Rifampicina: Contraindicado. A diminuição da AUC do amprenavir pode resultar em falência virulógica e no desenvolvimento de resistências. Durante tentativas de ultrapassar a exposição diminuída com um aumento da dose de outros inibidores de protease potenciados com ritonavir foi observada uma alta frequência de reações hepáticas.

Fosamprenavir + Cetoconazol

Observações: N.D.
Interações: Cetoconazol e Itraconazol: Doses elevadas (>200 mg por dia) de cetoconazole ou itraconazole não são recomendadas.

Fosamprenavir + Itraconazol

Observações: N.D.
Interações: Cetoconazol e Itraconazol: Doses elevadas (>200 mg por dia) de cetoconazole ou itraconazole não são recomendadas.

Fosamprenavir + Ranitidina

Observações: N.D.
Interações: Ranitidina e Esomeprazole: Não são necessários ajustes de dose com antiácidos, inibidores da bomba de protões ou antagonistas do recetor da histamina H2.

Fosamprenavir + Esomeprazol

Observações: N.D.
Interações: Ranitidina e Esomeprazole: Não são necessários ajustes de dose com antiácidos, inibidores da bomba de protões ou antagonistas do recetor da histamina H2.

Fosamprenavir + Fenitoína

Observações: N.D.
Interações: Fenitoína: É recomendado que as concentrações plasmáticas da fenitoína sejam monitorizadas e que a dose de fenitoína seja aumentada se apropriado.

Fosamprenavir + Fenobarbital

Observações: N.D.
Interações: Fenobarbital e Carbamazepina: Utilizar com precaução.

Fosamprenavir + Carbamazepina

Observações: N.D.
Interações: Fenobarbital e Carbamazepina: Utilizar com precaução.

Fosamprenavir + Lidocaína

Observações: N.D.
Interações: Lidocaína: O uso concomitante não é recomendado. Pode provocar reações adversas graves.

Fosamprenavir + Halofantrina

Observações: N.D.
Interações: Halofantrina: O uso concomitante não é recomendado. Pode provocar reações adversas graves.

Fosamprenavir + Sildenafil

Observações: N.D.
Interações: Sildenafil, Vardenafil e Tadalafil: O uso concomitante não é recomendado. Pode resultar num aumento das reações adversas associadas ao inibidor de PDE5, incluindo hipotensão, alterações visuais e priapismo (recorrer à informação de prescrição do inibidor da PDE5). Os doentes devem ser advertidos sobre estes possíveis efeitos secundários quando utilizam inibidores da PDE5 com Fosamprenavir/ritonavir. É contraindicada a administração concomitante de Fosamprenavir com dose baixa de ritonavir com sildenafil utilizado para o tratamento da hipertensão arterial pulmonar.

Fosamprenavir + Tadalafil

Observações: N.D.
Interações: Sildenafil, Vardenafil e Tadalafil: O uso concomitante não é recomendado. Pode resultar num aumento das reações adversas associadas ao inibidor de PDE5, incluindo hipotensão, alterações visuais e priapismo (recorrer à informação de prescrição do inibidor da PDE5). Os doentes devem ser advertidos sobre estes possíveis efeitos secundários quando utilizam inibidores da PDE5 com Fosamprenavir/ritonavir. É contraindicada a administração concomitante de Fosamprenavir com dose baixa de ritonavir com sildenafil utilizado para o tratamento da hipertensão arterial pulmonar.

Ácido acetilsalisílico + Atorvastatina + Ramipril + Fosamprenavir

Observações: N.D.
Interações: Fosamprenavir 700 mg BID/Ritonavir 100 mg BID, 14 dias Atorvastatina 10 mg OD durante 4 dias Fosamprenavir 1400 mg BID, 14 dias Atorvastatina 10 mg OD durante 4 dias Não existem recomendações específicas. Em doses de atorvastatina superiores a 20 mg, recomenda-se a monitorização clínica destes doentes.

Fosamprenavir + Vardenafil

Observações: N.D.
Interações: Sildenafil, Vardenafil e Tadalafil: O uso concomitante não é recomendado. Pode resultar num aumento das reações adversas associadas ao inibidor de PDE5, incluindo hipotensão, alterações visuais e priapismo (recorrer à informação de prescrição do inibidor da PDE5). Os doentes devem ser advertidos sobre estes possíveis efeitos secundários quando utilizam inibidores da PDE5 com Fosamprenavir/ritonavir. É contraindicada a administração concomitante de Fosamprenavir com dose baixa de ritonavir com sildenafil utilizado para o tratamento da hipertensão arterial pulmonar.

Fosamprenavir + Fluticasona

Observações: N.D.
Interações: Propionato de fluticasona: O uso concomitante não é recomendado exceto se o potencial benefício do tratamento ultrapasse o risco dos efeitos sistémicos dos corticosteroides. A redução de dose do glucocorticoide com uma monitorização apertada dos efeitos locais e sistémicos ou uma mudança para um glucocorticoide que não seja um substrato do CYP3A4 (por exemplo beclometasona) deve ser considerada. Em caso de interrupção de glucocorticoides deve ser efetuada uma redução de dose progressiva por um período de tempo mais prolongado.

Fosamprenavir + Alfuzosina

Observações: N.D.
Interações: Alfuzosina: É contraindicada a administração concomitante de FOSAMPRENAVIR/ritonavir com alfuzosina.

Fosamprenavir + Hipericão

Observações: N.D.
Interações: Hipericão (Hypericum perforatum): Preparações à base de plantas contendo hipericão não devem ser combinadas com Fosamprenavir. Se um doente já estiver a tomar hipericão, verifique níveis de amprenavir, ritonavir, ARN VIH e interrompa o hipericão. Os níveis de amprenavir e ritonavir podem aumentar aquando da interrupção de hipericão. O efeito indutor persiste pelo menos durante 2 semanas após a interrupção do tratamento com hipericão.

Fosamprenavir + Lovastatina

Observações: N.D.
Interações: Lovastatina e Sinvastatina: Contraindicado. Concentrações aumentadas de inibidores da HMG - CoA reductase podem provocar miopatias, incluindo rabdomiólise. A pravastatina ou a fluvastatina são recomendadas uma vez que o seu metabolismo não é dependente do CYP3A4 e não são esperadas interações com os inibidores da protease.

Fosamprenavir + Sinvastatina

Observações: N.D.
Interações: Lovastatina e Sinvastatina: Contraindicado. Concentrações aumentadas de inibidores da HMG - CoA reductase podem provocar miopatias, incluindo rabdomiólise. A pravastatina ou a fluvastatina são recomendadas uma vez que o seu metabolismo não é dependente do CYP3A4 e não são esperadas interações com os inibidores da protease.

Fosamprenavir + Atorvastatina

Observações: N.D.
Interações: Atorvastatina: Doses de atorvastatina não superiores a 20 mg por dia devem ser administradas com monitorização apertada da toxicidade da atorvastatina.

Maraviroc + Fosamprenavir

Observações: n.d.
Interações: ANTI-INFECCIOSOS: Antirretrovirais: Inibidores da Protease do VIH (IPs): Fosamprenavir/ritonavir 700 mg/100 mg BID: (maraviroc 300 mg BID) A utilização concomitante não é recomendada. As reduções significativas na Cmin de amprenavir observadas podem resultar em falência virológica nos doentes. A utilização concomitante de maraviroc e fosamprenavir/ritonavir não é recomendada.

Fosamprenavir + Ciclosporina

Observações: N.D.
Interações: Ciclosporina, Rapamicina e Tacrolimus: É recomendada uma monitorização frequente dos níveis das concentrações terapêuticas do imunossupressor até que estes estabilizem.

Fosamprenavir + Sirolímus

Observações: N.D.
Interações: Ciclosporina, Rapamicina e Tacrolimus: É recomendada uma monitorização frequente dos níveis das concentrações terapêuticas do imunossupressor até que estes estabilizem.

Cobimetinib + Fosamprenavir

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos. Efeitos do cobimetinib nos sistemas transportadores de fármacos: Estudos in vitro demonstraram que o cobimetinib não é um substrato dos transportadores de captação hepáticos OATP1B1, OATP1B3 e OCT1, sendo, contudo, um inibidor fraco destes transportadores. A relevância clínica festes resultados não foi investigada.
Interações: Efeitos de outros medicamentos em cobimetinib: Inibidores moderados do CYP3A: Deve ter-se precaução caso o cobimetinib seja coadministrado com inibidores moderados do CYP3A4. Os inibidores moderados do CYP3A4 incluem, mas não se limitam a, amiodarona, eritromicina, fluconazol, miconazol, diltiazem, verapamilo, delavirdina, amprenavir, fosamprenavir, imatinib. Quando o cobimetinib é coadministrado com um inibidor moderado do CYP3A, os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados quanto à segurança.

Fosamprenavir + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Ciclosporina, Rapamicina e Tacrolimus: É recomendada uma monitorização frequente dos níveis das concentrações terapêuticas do imunossupressor até que estes estabilizem.
 Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Fosamprenavir + Midazolam

Observações: N.D.
Interações: Midazolam: Fosamprenavir/ritonavir não deve ser coadministrado com midazolan administrado por via oral, enquanto que se aconselha precaução na coadministração de Fosamprenavir/ritonavir com midazolan por via parentérica. Se Fosamprenavir/ritonavir for coadministrado com midazolan por via parentérica, tal deve ser efetuado numa Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) ou instalações similares que assegurem uma monitorização clínica apertada e acompanhamento médico apropriado para o caso de ocorrer depressão respiratória e/ou sedação prolongada. Deve ser considerado um ajuste de dose do midazolam, especialmente se for administrada mais do que uma dose isolada.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Antiarrítmicos + Fosamprenavir

Observações: Aumentam a depressão do miocárdio quando são administrados com outros AA. Aumentam o risco de arritmias ventriculares quando são dados com AA que prolongam o intervalo QT
Interações: Amiodarona: aumento do risco de arritmias ventriculares em uso concomitante com: - Fosamprenavir

Fosamprenavir + Desipramina

Observações: N.D.
Interações: Desipramina e Nortriptilina: Recomenda-se uma monitorização apertada dos efeitos terapêuticos e dos efeitos adversos dos antidepressivos tricíclicos.

Fosamprenavir + Nortriptilina

Observações: N.D.
Interações: Desipramina e Nortriptilina: Recomenda-se uma monitorização apertada dos efeitos terapêuticos e dos efeitos adversos dos antidepressivos tricíclicos.

Fosamprenavir + Metadona

Observações: N.D.
Interações: Metadona: Não se espera que a diminuição da (R - ) metadona (enantiómero ativo) seja clinicamente significativa. Como precaução, os doentes devem ser monitorizados para deteção do síndrome de abstinência.

Fosamprenavir + Varfarina

Observações: N.D.
Interações: Varfarina e Outros anticoagulantes orais: É recomendada uma monitorização reforçada do Rácio Internacional Normalizado.

Fosamprenavir + Anticoagulantes orais

Observações: N.D.
Interações: Varfarina e Outros anticoagulantes orais: É recomendada uma monitorização reforçada do Rácio Internacional Normalizado.

Fosamprenavir + Etinilestradiol + Noretisterona

Observações: N.D.
Interações: Etinilestradiol 0,035 mg /noretisterona 0,5 mg uma vez por dia: São recomendados métodos alternativos não hormonais de contraceção para mulheres em idade fértil.

Fosamprenavir + Paroxetina

Observações: N.D.
Interações: Paroxetina: A titulação da dose de paroxetina baseada na avaliação clínica da resposta ao tratamento com antidepressivos é recomendada. Doentes a tomar uma dose estável de paroxetina que comecem tratamento com Fosamprenavir e ritonavir devem ser monitorizados quanto à resposta terapêutica do tratamento com antidepressivos.

Eliglustato + Fosamprenavir

Observações: N.D.
Interações: Inibidores da CYP3A: Em metabolizadores intermédios (MI) e extensivos (ME): Após doses repetidas de 84 mg de eliglustato duas vezes por dia em doentes não-MF, a administração concomitante de doses repetidas de 400 mg de cetoconazol, um inibidor potente da CYP3A, uma vez por dia, resultou num aumento da Cmax e da AUC0-12 do eliglustato, de 3,8 e 4,3 vezes, respetivamente; Serão de esperar efeitos semelhantes com outros inibidores potentes da CYP3A (p.ex., claritromicina, cetoconazol, itraconazol, cobicistat, indinavir, lopinavir, ritonavir, saquinavir, telaprevir, tipranavir, posaconazol, voriconazol, telitromicina, conivaptan, boceprevir). Em MI e ME, deve proceder-se com cuidado relativamente aos inibidores potentes da CYP3A. Para uma dosagem de 84 mg duas vezes por dia com eliglustato em doentes não-MFs, é de prever que a utilização concomitante de inibidores moderados da CYP3A (p.ex., eritromicina, ciprofloxacina, fluconazol, diltiazem, verapamilo, aprepitant, atazanavir, darunavir, fosamprenavir, imatinib, cimetidina) iria aumentar aproximadamente até 3 vezes a exposição ao eliglustato. Em MIs e MEs, deve proceder-se com cuidado relativamente aos inibidores moderados da CYP3A. Para uma dosagem de 84 mg uma vez por dia com eliglustato em MF, é de prever que a utilização concomitante de inibidores moderados da CYP3A (p.ex., eritromicina, ciprofloxacina, fluconazol, diltiazem, verapamilo, aprepitant, atazanavir, darunavir, fosamprenavir, imatinib, cimetidina) iria aumentar a Cmax e a AUC0-24 do eliglustato em 2,4 e 3,0 vezes, respetivamente. É contraindicada a utilização de inibidores moderados da CYP3A em MF.

Telaprevir + Fosamprenavir

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: MEDICAMENTOS ANTIVÍRICOS-VIH: INIBIDORES DA PROTEASE DO VIH (IPs): Fosamprenavir/ritonavir: Não se recomenda a administração concomitante de darunavir/ritonavir com telaprevir.

Posaconazol + Fosamprenavir

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Efeitos de outros medicamentos sobre posaconazol: Fosamprenavir: A associação de fosamprenavir com posaconazol pode resultar numa redução da concentração plasmática de posaconazol. Caso a administração concomitante seja necessária, recomenda-se monitorização apertada face ao aparecimento de infeções fúngicas. A administração de doses repetidas de fosamprenavir (700 mg duas vezes por dia x 10 dias) diminuiu a Cmax e a AUC de posaconazol suspensão oral (200 mg uma vez por dia no 1º dia, 200 mg duas vezes por dia no 2º dia e 400 mg duas vezes por dia x 8 dias) em 21% e 23%, respetivamente. Desconhece-se o efeito de posaconazol nos níveis de fosamprenavir, quando o fosamprenavir é administrado com ritonavir.

Avanafil + Fosamprenavir

Observações: N.D.
Interações: Efeitos de outras substâncias no avanafil: O avanafil é um substrato da CYP3A4 e é predominantemente metabolizado por esta enzima. Alguns estudos demonstraram que os medicamentos que inibem a CYP3A4 podem aumentar a exposição ao avanafil. Inibidores da CYP3A4: O cetoconazol (400mg por dia), um inibidor seletivo e altamente potente da CYP3A4, aumentou a Cmax e a exposição (AUC) do avanafil 50 mg em dose única em 3 vezes e 14 vezes, respetivamente, e prolongou a semivida do avanafil para cerca de 9horas. O ritonavir (600 mg duas vezes por dia), um inibidor altamente potente da CYP3A4, que também inibe a CYP2C9, aumentou a Cmax e a AUC do avanafil 50 mg em dose única em cerca de 2 vezes e 13 vezes, e prolongou a semivida do avanafil para cerca de 9horas. Será de esperar que outros inibidores fortes da CYP3A4 (por exemplo, itraconazol, voriconazol, claritromicina, nefazodona, saquinavir, nelfinavir, indinavir, atazanavir e telitromicina) tenham efeitos semelhantes. Consequentemente, a administração concomitante do avanafil com inibidores potentes da CYP3A4 é contraindicada. A eritromicina (500 mg duas vezes por dia), um inibidor moderado da CYP3A4, aumentou a Cmax e a AUC do avanafil 200 mg em dose única em cerca de 2 vezes e 3 vezes, respetivamente, e prolongou a semivida do avanafil para cerca de 8 horas. Será de esperar que outros inibidores moderados da CYP3A4 (por exemplo, amprenavir, aprepitante, diltiazem, fluconazol, fosamprenavir e verapamilo) tenham efeitos semelhantes. Consequentemente, nos doentes a tomar simultaneamente inibidores moderados da CYP3A4, a dose máxima recomendada do avanafil é de 100 mg, uma vez a cada 48 horas, no máximo. Apesar de não terem sido estudadas interações específicas, outros inibidores da CYP3A4, incluindo sumo de toranja, aumentarão provavelmente a exposição ao avanafil. Os doentes devem ser informados de que é necessário evitar a ingestão de sumo de toranja nas 24 horas que antecedem a toma do avanafil.

Efavirenz + Emtricitabina + Tenofovir + Fosamprenavir

Observações: As interações que foram identificadas com Efavirenz, Emtricitabina e Tenofovir individualmente podem ocorrer com esta associação. Os estudos de interação com estes medicamentos só foram realizados em adultos.
Interações: ANTI-INFECCIOSOS: Antivirais para o VIH Inibidores da protease Fosamprenavir/ritonavir/Efavirenz: (700 mg b.i.d./100 mg b.i.d./600 mg q.d.). Ausência de interações farmacocinéticas clinicamente significativas. Fosamprenavir/ritonavir/ Emtricitabina: Interação não estudada. Fosamprenavir/ritonavir/Tenofovir disoproxil fumarato: Interação não estudada. Efavirenz / Emtricitabina / Tenofovir e fosamprenavir/ritonavir podem ser coadministrados sem ajuste da dose. Estudos conduzidos com outros medicamentos: Não se observaram quaisquer interações farmacocinéticas clinicamente significativas quando efavirenz foi administrado com azitromicina, cetirizina, fosamprenavir/ritonavir, lorazepam, nelfinavir, zidovudina, antiácidos de hidróxido de alumínio/magnésio, famotidina ou fluconazol.

Saquinavir + Fosamprenavir

Observações: A maioria dos estudos de interação medicamentosa com saquinavir foi desenvolvida com saquinavir não potenciado ou com saquinavir cápsulas moles não potenciado. Um número reduzido de estudos foi desenvolvido com saquinavir potenciado com ritonavir ou com saquinavir cápsulas moles potenciado com ritonavir. Os dados obtidos a partir dos estudos de interação medicamentosa realizados com saquinavir não potenciado podem não ser representativos dos efeitos observados com a terapêutica de saquinavir/ritonavir. Adicionalmente, os resultados observados com saquinavir cápsulas moles podem não ser preditivos relativamente à magnitude destas interações com saquinavir/ritonavir.
Interações: Fármacos antirretrovíricos Inibidores da protease do VIH (IP): Fosamprenavir 700 mg bid (saquinavir/ritonavir 1000/100 mg bid) Não é necessário ajuste de dose para o saquinavir/ritonavir.

Everolímus + Fosamprenavir

Observações: O everolímus é um substrato da CYP3A4, e também é um substrato e inibidor modera do da gp-P. Por esta razão, a absorção e eliminação subsequente do everolímus pode ser influenciada por produtos que afetem a CYP3A4 e/ou a gp - P. In vitro, o everolímus é um inibidor competitivo da CYP3A4 e um inibidor misto da CYP2D6.
Interações: Inibidores moderados da CYP3A4/gp-P: Fluconazol, Diltiazem, Dronedarona, Amprenavir, fosamprenavir: Não estudada. É esperado um aumento na exposição. Seja prudente quando a co-administração de inibidores moderados da CYP3A4 ou da gp - P não puder ser evitada. Se for necessário co-administrar um inibidor moderado da CYP3A4 ou da gp - P, pode ser considerada uma redução de dose para 5 mg por dia ou 2, 5 mg por dia. No entanto, não existem dados clínicos com este ajuste de dose. Devido à variabilidade entre sujeitos os ajustes de dose recomendados podem não ser ó timos para todos os indivíduo s, pelo que é recomendada a monitorização atenta dos efeitos secundários. Se o inibidor moderado for interrompido, considerar um período de lavagem de pelo menos 2 a 3 dias (tempo de eliminação médio para os inibidores moderados usados mais frequentemente) antes de retomar a dose de na dose utilizada antes do início da co-administração.

Dabrafenib + Fosamprenavir

Observações: O dabrafenib é um indutor enzimático e aumenta a síntese das enzimas metabolizadoras de fármacos incluindo CYP3A4, CYP2Cs e CYP2B6 e pode aumentar a síntese dos transportadores. Tal resulta em níveis plasmáticos reduzidos dos medicamentos metabolizados por estas enzimas e pode afetar alguns medicamentos transportados. A redução nas concentrações plasmáticas pode levar a perda ou a redução dos efeitos clínicos destes medicamentos. Também existe um risco aumentado de formação de metabolitos ativos destes medicamentos. As enzimas que podem ser induzidas incluem CYP3A no fígado e no intestino, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, e UGTs (enzimas conjugadas pelo glucoronido). A proteína de transporte gp-P pode também ser induzida assim como outros transportadores, por ex. MRP-2, BC RP e OATP1B1/1B3. In vitro, o dabrafenib produziu aumentos dependentes da dose no CYP2B6 e CYP3A4. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Efeitos de dabrafenib noutros medicamentos: O dabrafenib é um indutor enzimático e aumenta a síntese das enzimas metabolizadoras de fármacos incluindo CYP3A4, CYP2Cs e CYP2B6 e pode aumentar a síntese dos transportadores. Tal resulta em níveis plasmáticos reduzidos dos medicamentos metabolizados por estas enzimas e pode afetar alguns medicamentos transportados. A redução nas concentrações plasmáticas pode levar a perda ou a redução dos efeitos clínicos destes medicamentos. Também existe um risco aumentado de formação de metabolitos ativos destes medicamentos. As enzimas que podem ser induzidas incluem CYP3A no fígado e no intestino, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, e UGTs (enzimas conjugadas pelo glucoronido). A proteína de transporte gp-P pode também ser induzida assim como outros transportadores, por ex. MRP-2, BC RP e OATP1B1/1B3. In vitro, o dabrafenib produziu aumentos dependentes da dose no CYP2B6 e CYP3A4. Num estudo clínico de interação medicamentosa, a Cmax e AUC do midazolam oral (um substrato do CYP3A4) diminuiu 61% e 74% respetivamente com a coadministração de doses repetidas de dabrafenib utilizando uma formulação com uma biodisponibilidade mais baixa do que a formulação de dabrafenib. A administração de 150 mg de dabrafenib duas vezes por dia e varfarina resultou numa diminuição da AUC de S-e R-varfarina em 37% e 33% em comparação com a administração de varfarina em monoterapia. A Cmax de S-e R-varfarina aumentou 18% e 19%. São esperadas interações com muitos medicamentos eliminados através do metabolismo ou transporte ativo. Se o seu efeito terapêutico for de grande importância para o doente, e os ajustes posológicos não forem facilmente realizáveis com base na monitorização da eficácia ou concentrações plasmáticas, estes medicamentos devem ser evitados ou utilizados com precaução. Suspeita-se que o risco de lesão hepática após a administração de paracetamol é superior nos doentes tratados concomitantemente com indutores enzimáticos. Espera-se que o número de medicamentos afetados seja grande; embora a magnitude da interação possa variar. Os grupos de medicamentos que podem ser afetados incluem, mas não estão limitados a: - Analgésicos (por ex. fentanilo, metadona) - Antibióticos (por ex., claritromicina, doxiciclina) - Agentes anticancerígenos (por ex., cabazitaxel) - Anticoagulantes (por ex. acenocumarol, varfarina) - Antiepiléticos (por ex., carbamazepina, fenitoína, primidona, ácido valpróico) - Antipsicóticos (por ex., haloperidol) - Bloqueadores dos canais de cálcio (por ex., diltiazem, felodipina, nicardipina, nifedipina, verapamil) - Glicosidos cardíacos (por ex., digoxina) - Corticosteroides (por ex., dexametasona, metilprednisolona) - Antivíricos para o VIH (por ex., amprenavir, atazanavir, darunavir, delavirdina, efavirenz, fosamprenavir, indinavir, lopinavir, nelfinavir, saquinavir, tipranavir) - Contracetivos hormonais - Hipnóticos (por ex., diazepam, midazolam, zolpidem) - Imunossupressores (por ex., ciclosporina, tacrolimus, sirolímus) - Estatinas metabolizadas pelo CYP3A4 (por ex., atorvastatina, sinvastatina) É provável que o início da indução ocorra após 3 dias de administração repetida com dabrafenib. Aquando da descontinuação de dabrafenib, o equilibro da indução é gradual, as concentrações dos CYP3A4, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9 e CYP2C19, UDP-glucuronosil transferases (UGT) e substratos transportadores podem aumentar e os doentes devem ser monitorizados para toxicidade e a posologia destes agentes pode necessitar de ser ajustada. In vitro, o dabrafenib é um inibidor do mecanismo do CYP3A4. Como tal, a inibição transitória do CYP3A4 pode ser vista durante os primeiros dias do tratamento.

Nevirapina + Fosamprenavir

Observações: n.d.
Interações: ANTIRRETROVIRAIS: Inibidores da protease (IP): Fosamprenavir 1400 mg duas vezes por dia Não se recomenda a administração concomitante de fosamprenavir e Nevirapina se fosamprenavir não for administrado concomitantemente com ritonavir. Fosamprenavir/ritonavir 700/100 mg duas vezes Fosamprenavir/ritonavir e Nevirapina por dia podem ser coadministrados sem ajuste de dose.

Rifabutina + Fosamprenavir

Observações: n.d.
Interações: ANTIVíRICOS: Fosamprenavir/ritonavir: Efeito na rifabutina: ↑64% na AUC** Efeito no fármaco coadministrado: ↑32% na AUC e ↑36% Cmax, sem efeito na Cvale (amprenavir) É recomendada uma redução de 75% da dose de rifabutina (para 150 mg dia sim dia não ou 3 vezes por semana) quando combinada com fosamprenavir. AUC - área sob a concentrações vs. Curva do tempo Cmax – Concentrações sérica máxima ** - fármaco mais o metabolito ativo

Guanfacina + Fosamprenavir

Observações: N.D.
Interações: Inibidores das CYP3A4 e CYP3A5: Devem tomar-se precauções quando Guanfacina é administrado a doentes que estão a tomar cetoconazol e outros inibidores moderados e potentes das CYP3A4/5, sendo proposta uma diminuição da dose de Guanfacina no intervalo de doses recomendado. A coadministração de Guanfacina com inibidores moderados e potentes das CYP3A4/5 eleva as concentrações plasmáticas de guanfacina e aumenta o risco de reações adversas como hipotensão, bradicardia e sedação. Verificou-se um aumento considerável da taxa e extensão da exposição da guanfacina quando administrada com cetoconazol; as concentrações plasmáticas máximas (Cmax) e a exposição (AUC) da guanfacina aumentaram respetivamente 2 e 3 vezes. Outros inibidores das CYP3A4/5 podem ter um efeito comparável; ver a seguir para uma lista de exemplos de inibidores moderados e potentes das CYP3A4/5, embora esta lista não seja definitiva. Inibidores moderados das CYP3A4/5: Aprepitant, Atazanavir, Ciprofloxacina, Crizotinib, Diltiazem, Eritromicina, Fluconazol, Fosamprenavir, Imatinib, Verapamil, Sumo de toranja. Inibidores potentes das CYP3A4/5: Boceprevir, Cloranfenicol, Claritromicina, Indinavir, Itraconazol, Cetoconazol, Posaconazol, Ritonavir, Saquinavir, Telaprevir, Telitromicina.

Bosutinib + Fosamprenavir

Observações: N.D.
Interações: Inibidores da CYP3A: A utilização concomitante de bosutinib com inibidores potentes (por exemplo, ritonavir, indinavir, nelfinavir, saquinavir, cetoconazol, itraconazol, voriconazol, posaconazol, troleandomicina, claritromicina, telitromicina, boceprevir, telaprevir, mibefradil, nefazodona, conivaptan, produtos à base de toranja incluindo sumo de toranja) ou moderados (por exemplo, fluconazol, darunavir, eritromicina, diltiazem, dronedarona, atazanavir, aprepitant, amprenavir, fosamprenavir, imatinib, verapamil, tofisopam, ciprofloxacina) da CYP3A deve ser evitada, devido à ocorrência de um aumento na concentração plasmática do bosutinib. Deve-se ter cuidado no caso de uma utilização concomitante de inibidores ligeiros da CYP3A com bosutinib. Se possível, recomenda-se um medicamento concomitante alternativo sem ou com um mínimo de potencial de inibição da enzima CYP3A. Se for necessário administrar um inibidor potente ou moderado da CYP3A durante o tratamento com Bosutinib, deve-se considerar a interrupção da terapêutica com Bosutinib ou uma redução da dose de Bosutinib. Num estudo realizado com 24 indivíduos saudáveis a quem foram administradas cinco doses diárias de 400 mg de cetoconazol concomitantemente com uma única dose de 100 mg de bosutinib em jejum, o cetoconazol aumentou a Cmax do bosutinib em 5,2 vezes e a AUC do bosutinib no plasma em 8,6 vezes, em comparação com a administração isolada de bosutinib.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ritonavir + Fosamprenavir

Observações: n.d.
Interações: Interações Medicamentosas: Ritonavir com Inibidores da Protease: Fosamprenavir: Ritonavir aumentou os níveis séricos de amprenavir (de fosamprenavir) como resultado da inibição da CYP3A4. O fosamprenavir deve ser administrado com ritonavir para assegurar o seu efeito terapêutico. Os estudos clínicos confirmaram a segurança e eficácia do fosamprenavir 700 mg, duas vezes ao dia, com ritonavir 100 mg, duas vezes ao dia. Não foram estudadas doses de ritonavir superiores a 100 mg, duas vezes ao dia, com fosamprenavir.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico
Aconselhe o Doente a ler o folheto informativo do medicamento antes de iniciar a terapia e com cada retoma de tratamento.

– Avisar o Paciente de que este fármaco não deve ser usado isoladamente, mas é combinado com outros agentes antivirais, e não mudar a dose ou parar de tomar qualquer um dos agentes antivirais a não ser aconselhado pelo Médico.

– Aconselhar os Pacientes adultos a tomar comprimidos independentemente dos alimentos, no entanto, os adultos devem tomar a suspensão oral sem alimentos.

– Aconselhar os Cuidadores a administrar a suspensão oral às crianças, com alimentos.

– Alertar o Paciente para que se uma dose for omitida por mais de 4 horas, deve esperar e tomar a dose seguinte no horário normal. Se uma dose for omitida por menos de 4 horas, aconselhar o Paciente a tomar a dose de imediato e, em seguida, tomar a próxima na horário regular. Avisar o paciente de que, se uma dose for ignorada, não dobrar a dose, mas deve continuar com a programação normal.

– Instruir o Paciente para relatar imediatamente a ocorrência de diarreia persistente, náuseas, vómitos, exantema, ou qualquer sintoma incomum ao Prestador de Cuidados de Saúde.

– Informar o Paciente de que o fármaco não elimina completamente o vírus HIV e, portanto, não reduz o risco de transmissão do HIV a terceiros. Aconselhar o Paciente a tomar as precauções apropriadas.

– Avisar o Paciente de que o medicamento não é a cura para a infeção pelo HIV e que as doenças associadas com a infeção pelo HIV ( incluindo infeções oportunistas) podem permanecer. Instruir o Paciente a manter-se sob os cuidados do Médico.

– Instrua os Pacientes com diabetes a monitorizar a glicemia mais frequentemente quando a toma do fármaco é iniciada ou a dose é alterada e informar o Prestador de Cuidados de Saúde de mudanças significativas que ocorram nas leituras.

– Recomendar aos Doentes que informem o Prestador de Cuidados de Saúde, se tiverem alergia às sulfa.

– Informar os Pacientes que a redistribuição ou acúmulo de gordura corporal podem ocorrer.

– Instrua os Pacientes que receberam a suspensão oral para agitar o produto vigorosamente antes de cada utilização.

– Indicar aos Pacientes que a refrigeração da suspensão oral pode melhorar o sabor.

– Aconselhar as mães infetadas pelo HIV a não amamentar, para evitar o risco de transmissão do HIV ao bebé.

– Instrua os Pacientes que tomam contracetivos hormonais para usarem medidas contracetivas alternativas durante o tratamento com Fosamprenavir porque os níveis hormonais podem ser alterados.

– Avisar os Pacientes para não tomarem qualquer prescrição ou medicamentos OTC, preparações à base de plantas (especialmente erva de São João), ou suplementos alimentares sem consultar o Médico.

– Aconselhar os Pacientes que tomam inibidores da PDE5 que podem ter risco acrescido de reações adversas associadas ao inibidor da PDE5, incluindo hipotensão, priapismo, e alterações visuais e de comunicar imediatamente quaisquer sintomas ao seu Médico.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017