Fluticasona

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento
O que é
A Fluticasona pertence ao grupo farmacoterapêutico dos medicamentos antiasmáticos.

É utilizado na prevenção das crises de asma porque tem uma potente acção anti-inflamatória nos pulmões: diminui a irritação e a inflamação, facilitando a respiração e previne as crises de asma.

A Fluticasona é utilizada na profilaxia (prevenção) da asma brônquica ligeira, moderada e grave, em adultos e crianças.
Usos comuns
Tratamento profiláctico da asma brônquica ligeira, moderada e grave.
Tratamento de dermatoses inflamatórias.
Tipo
Molécula pequena.
História
Sem informação.
Indicações
Tratamento profiláctico da asma brônquica ligeira, moderada e grave.
Tratamento de dermatoses inflamatórias.
Classificação CFT

05.01.03.01 : Glucocorticóides

13.05 : Corticosteróides de aplicação tópica

14.01.02 : Corticosteróides

Mecanismo De Acção
O propionato de fluticasona administrado por inalação nas doses recomendadas, tem uma potente acção anti-inflamatória glucocorticóide nos pulmões, reduzindo os sintomas e exacerbações da asma.
Posologia Orientativa
Fluticasona suspensão:
Adultos e crianças com idade igual ou superior a 12 anos:
Recomenda-se duas pulverizações em cada narina uma vez por dia (200 mg) preferencialmente de manhã. Em algumas situações podem ser necessárias duas pulverizações em cada narina duas vezes por dia (400 mg).

Fluticasona Creme:
Para os adultos e crianças de idade igual ou superior a 1 ano, aplicar um filme fino de fluticasona nas áreas cutâneas afectadas, uma a duas vezes ao dia.
Administração
A Fluticasona suspensão para pulverização nasal destina-se apenas a administração nasal.

Fluticasona Creme: cutânea.
Contra-Indicações
Contra-indicado se tiver Hipersensibilidade à fluticasona.

As seguintes condições não devem ser tratadas com o creme:
- Infecções cutâneas não tratadas;
- Rosácea;
- Acne vulgar; - Dermatite perioral;
- Prurido perianal e genital;
- Prurido sem inflamação;
- Dermatoses em crianças com menos de 3 meses de idade, incluindo dermatite e erupções causadas pelas fraldas.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Se está a utilizar doses elevadas de Fluticasona pode necessitar de esteróides adicionais em situações de stress, ou durante o internamento hospitalar após um acidente ou lesão grave, ou antes de uma cirurgia.

O tratamento nasal com corticosteróides pode afectar a produção de esteróides no organismo. A probabilidade de tal incidente aumenta com a utilização de doses elevadas durante longos períodos de tempo.

O efeito é tal que as crianças podem crescer mais lentamente que as outras, pelo que crianças sujeitas a tratamento com corticosteróides nasais durante um longo período de tempo deverão ser controladas regularmente pelo Médico em relação à altura.
O médico irá ajudá-lo a prevenir tal situação, precrevendo a dose de esteróide mais baixa capaz de controlar os seus sintomas adequadamente.

Efeitos secundários que ocorrem muito frequentemente (probabilidade de afectar mais de 1 em 10 doentes a tomar Fluticasona)
Epitaxis (sangramento nasal)

Efeitos indesejáveis que ocorrem frequentemente (probabilidade de afectar até 1 em 10 doentes a tomar Fluticasona)
– dores de cabeça
– gosto desagradável na boca e um cheiro desagradável no nariz
– secura e irritação na garganta e das vias nasais e espirros.

Efeitos secundários que ocorrem raramente (afectam menos de 1 em 1000 pessoas a tomar Fluticasona)
– reacção alérgica grave, dando origem ao aparecimento súbito de erupção na pele, inchaço (normalmente da língua, cara ou lábios) ou dificuldade em respirar.
– Broncospasmos (estreitamento das vias respiratórias nos pulmões).

Efeitos secundários que ocorrem muito raramente (afectam menos de 1 em 10000 doentes a tomar Fluticasona)
– Glaucoma (aumento da pressão ocular) e cataratas (névoa do cristalino) foram comunicados após tratamento prolongado.

– Perfuração do septo nasal (a partição no nariz) e ulceração das membranas mucosas do nariz - apesar de esta situação ocorrer em doentes sujeitos a cirurgia nasal prévia.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:A administração de Fluticasona suspensão para pulverização nasal durante a gravidez requer uma avaliação da relação benefício/possível risco.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Quando Fluticasona suspensão para pulverização nasal é utilizado em mulheres em período de aleitamento deve-se efectuar uma avaliação do benefício/possível risco para a mãe e criança.
Precauções Gerais
Tome especial cuidado com Fluticasona Suspensão
– Se alguma vez foi operado ao nariz.
– Se sofre ou sofreu recentemente de alguma infecção da via nasal.
– Se sofre ou sofreu recentemente de algum tipo de infecção que não tenha sido tratada ou de tuberculose ou de herpes ocular.
– Se foi recentemente tratado com esteróides injectáveis ou tomou esteróides orais por um longo período de tempo.

A Fluticasona irá habitualmente controlar a rinite alérgica sazonal (febre dos fenos), contudo se estiver exposto a quantidades excessivas de polén, pode ser necessário terapêutica adicional para controlar outros sintomas como comichão nos olhos. Consulte o médico se tal ocorrer.

Tome especial cuidado com Fluticasona creme:
Se está grávida ou acha que poderá estar grávida, ou se está a amamentar;
Se utilizar este medicamento em áreas extensas do corpo, durante períodos prolongados, sobretudo ao tratar crianças, pois tal poderá aumentar a absorção do produto e o risco de toxicidade;
Se o utilizar no rosto, pois poderá causar alterações atróficas como a perda de espessura da pele;
É importante que não deixe o creme entrar nos olhos;
Se o utilizar em partes cobertas do corpo.
Não utilize este medicamento debaixo de pensos oclusivos; a zona afectada tem de estar em contacto com o ar e não estar coberta por pensos, roupas apertadas ou situações semelhantes.
Nos bebés, uma fralda pode actuar como um penso oclusivo;
Se o médico lhe tiver receitado o creme para psoríase.
Deve consultar regularmente o médico para rever o seu progresso a intervalos regulares; se estiver a utilizar outros produtos (incluindo cosméticos) nas áreas de pele afectadas, dado que estes podem ter um efeito negativo sobre a actividade do medicamento.
Fale com o médico se não tiver a certeza.

Ao utilizar Fluticasona creme em crianças:
Não utilize o medicamento em crianças com menos de 1 ano.
Informe o médico se os sintomas não melhorarem dentro de uma ou duas semanas depois de começar o tratamento.

Assim que o problema de pele tenha melhorado (geralmente dentro de uma a duas semanas) deverá aplicar o creme com menor frequência.
Não se recomenda o uso diário do creme por mais de 4 semanas.
Fluticasona apenas deve ser utilizado em crianças para aliviar a pele inflamada, vermelhidão e comichão causada por dermatite atópica e sob supervisão de um Médico especialista.
Deve consultar um dermatologista antes de utilizar Fluticasona creme noutro tipo de dermatoses em crianças.
Cuidados com a Dieta
Não interfere com alimentos e bebidas.
Terapêutica Interrompida
Fluticasona Suspensão: Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar. Se esqueceu de tomar no momento certo, tome assim que se lembrar. Se estiver muito próximo da toma seguinte, espere, e tome a dose seguinte no horário normal.

Fluticasona Creme: Não utilize uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de utilizar. Caso se esqueça de aplicar o seu creme, aplique a dose correcta quando se lembrar ou, se estiver próximo da aplicação seguinte, espere para aplicar nessa altura.
Cuidados no Armazenamento
Fluticasona Suspensão: Não conservar acima de 25ºC.
Fluticasona Creme: Não conservar acima de 30ºC.

Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Não recomendado/Evitar

Fluticasona Ritonavir

Observações: Em circunstâncias normais, as concentrações plasmáticas de propionato de fluticasona obtidas após inalação são baixas, devido ao marcado efeito de primeira passagem e elevada clearance sistémica mediada pelo citocromo P450 3A4 no intestino e no fígado. Assim, é pouco provável a ocorrência de interacções medicamentosas clinicamente significativas mediadas pelo propionato de fluticasona.
Interacções: Um estudo de interacção medicamentosa em indivíduos saudáveis demonstrou que o ritonavir (um inibidor muito potente do citocromo P450 3A4) pode aumentar consideravelmente as concentrações plasmáticas de propionato de fluticasona, provocando uma redução marcada dos níveis plasmáticos de cortisol. Na utilização pós comercialização, foram referidas interacções medicamentosas clinicamente significativas em doentes a quem foi administrado propionato de fluticasona intranasal ou inalado e ritonavir, resultando na ocorrência de efeitos sistémicos característicos dos corticosteróides, incluindo síndrome de Cushing e depressão suprarrenal. Assim, a utilização concomitante de propionato de fluticasona e ritonavir deve ser evitada, a menos que o potencial benefício para o doente seja superior ao risco de ocorrência dos efeitos indesejáveis sistémicos característicos dos corticosteróides. - Ritonavir
Usar com precaução

Fluticasona Cetoconazol

Observações: Em circunstâncias normais, as concentrações plasmáticas de propionato de fluticasona obtidas após inalação são baixas, devido ao marcado efeito de primeira passagem e elevada clearance sistémica mediada pelo citocromo P450 3A4 no intestino e no fígado. Assim, é pouco provável a ocorrência de interações medicamentosas clinicamente significativas mediadas pelo propionato de fluticasona.
Interacções: Num pequeno estudo realizado em voluntários saudáveis, o cetoconazol, inibidor ligeiramente menos potente do CYP3A, aumentou a exposição do propionato de fluticasona em 150%, após uma única inalação. Isto resultou numa redução maior do cortisol plasmático, quando comparado com o propionato de fluticasona isolado. É expectável que o tratamento concomitante com outros inibidores potentes do CYP3A, como o cetoconazol, aumente a exposição sistémica ao propionato de fluticasona e o risco de efeitos secundários sistémicos. Recomenda-se precaução, devendo evitar-se o tratamento a longo prazo com estes fármacos, se possível. - Cetoconazol
Usar com precaução

Amprenavir Fluticasona

Observações: Foram realizados estudos de interacção com amprenavir como único inibidor da protease.
Interacções: Poderá interagir com Amprenavir, quando administrados concomitantemente. Não se conhece, nem foi investigado, o significado clínico destas possíveis interacções. Portanto, os doentes devem ser monitorizados relativamente a reacções tóxicas associadas a estes medicamentos, quando os mesmos forem administrados em associação com Amprenavir. Propionato de fluticasona (interacção com ritonavir): Num estudo clínico no qual ritonavir cápsulas 100 mg, duas vezes por dia, foi co-administrado com propionato de fluticasona, 50 μg por via nasal (4 vezes por dia), durante 7 dias em indivíduos saudáveis, os níveis plasmáticos de propionato de fluticasona aumentaram significativamente, enquanto que os níveis de cortisol endogeno decresceram 86%, aproximadamente (intervalo de confiança 90%, 82-89%). Pode esperar-se uma exacerbação dos efeitos quando o propionato de fluticasona é inalado. Em doentes em tratamento com ritonavir e propionato de fluticasona, administrado por via inalatória ou nasal, foram notificados efeitos sistémicos dos corticosteróides, incluindo síndrome de Cushing e supressão adrenal. Estes efeitos podem igualmente verificar-se com outros corticosteróides metabolisados via P450 3A, como por exemplo a budesonida. Consequentemente, não se recomenda a administração concomitante de Amprenavir com ritonavir e estes glucocorticóides a não ser que o benefício potencial do tratamento supere o risco dos efeitos sistémicos dos corticosteróides. Deve considerar-se a redução da dose do glucocorticóide com monitorização cuidadosa dos efeitos locais e sistémicos, ou a substituição por um glucocorticóide que não seja substrato do CYP3A4 (por exemplo, a beclometasona). Além disso, no caso de suspensão dos glucocorticóides, a redução progressiva da dose poderá ter de realizar-se por um período de tempo mais longo. Ainda não se conhecem os efeitos da elevada exposição sistémica da fluticasona nos níveis plasmáticos do ritonavir. - Fluticasona
Não recomendado/Evitar

Atazanavir + Cobicistate Fluticasona

Observações: Ensaios de interações de fármacos não foram realizados para o Atazanavir / Cobicistate. Os mecanismos complexos ou não conhecidos de interações de fármacos opõem-se à extrapolação de interações medicamentosas com ritonavir a certas interações medicametosas com o cobicistate. As recomendações dadas mediante o uso concomitante de atazanavir e de outros medicamentos podem diferir consoante o atazanavir é potenciado com o ritonavir ou com o cobicistate. Em particular, o atazanavir potenciado com o cobicistate é mais sensível na indução da CYP3A. É também necessária precaução durante a primeira vez em que é efetuado o tratamento se for alternado o potenciador farmacológico do ritonavir para o cobicistate.
Interacções: Medicamentos que afectam a exposição ao atazanavir/cobicistate: O atazanavir é metabolizado no fígado através da CYP3A4. O cobicistate é um substrato da CYP3A e é metabolizado com menor extensão pela CYP2D6. Uso concomitante não recomendado: A co-administração de Atazanavir / Cobicistate com medicamentos que são potenciadores moderados a fracos da CYP3A podem levar a uma diminuição das concentrações plasmáticas de atazanavir e/ou cobicistate, levando a uma perda do efeito terapêutico e possível desenvolvimento de resistência ao atazanavir. Alguns exemplos incluem, mas não estão limitados à etravirina, à nevirapina, ao efavirenz, ao boceprevir, à fluticasona e ao bosentan. - Fluticasona
Não recomendado/Evitar

Darunavir Fluticasona

Observações: O perfil de interacção do darunavir pode variar dependendo se é utilizado o ritonavir ou o cobicistate como fármacos potenciadores. As recomendações dadas para a utilização concomitante de darunavir e outros medicamentos podem por isso variar dependendo se darunavir é potenciado com ritonavir ou com cobicistate, e é também necessária precaução durante o primeiro tempo de tratamento, se se substituir o fármaco potenciador de ritonavir para cobicistate.
Interacções: Medicamentos que afectam a exposição a darunavir (cobicistate como fármaco potenciador): O darunavir e o cobicistate são metabolizados pelo CYP3A, e a administração concomitante com indutores do CYP3A pode resultar em exposições plasmáticas subterapêuticas ao darunavir. O darunavir potenciado com cobicistate é mais sensível à indução do CYP3A, do que darunavir potenciado com ritonavir: A administração concomitante de darunavir/cobicistate com indutores fracos a moderados do CYP3A (ex.: efavirenz, etravirina, nevirapina, boceprevir, telaprevir, fluticasona e bosentano) não é recomendada. À administração concomitante com inibidores fortes do CYP3A4, aplicam-se as mesmas recomendações independentemente de darunavir ser potenciado com ritonavir ou com cobicistate. CORTICOSTEróideS: Fluticasona, Budesonida: Num ensaio clínico onde foi administrado a indivíduos saudáveis, ritonavir 100 mg cápsulas, duas vezes ao dia, com 50 mg de propionato de fluticasona intranasal, 4 vezes ao dia e durante 7 dias, as concentrações plasmáticas de propionato de fluticasona aumentaram significativamente, enquanto os níveis intrínsecos de cortisol diminuíram aproximadamente 86% (intervalo de confiança de 90%, 82-89%). Quando a fluticasona é inalada, é esperado o aumento dos seus efeitos. Efeitos sistémicos dos corticosteróides, incluindo a síndrome de Cushing ou supressão suprarrenal, foram notificados em doentes a receber ritonavir e fluticasona inalada ou administrada por via intranasal; tal pode ocorrer com outros corticosteróides metabolizados via P450 3A, como por exemplo, a budesonida. Não são ainda conhecidos os efeitos do aumento da exposição sistémica da fluticasona, nos níveis plasmáticos do ritonavir. A administração concomitante de Darunavir potenciado e estes glucocorticoides não é recomendada, exceto se o potencial benefício do tratamento for superior ao risco dos efeitos sistémicos dos corticosteróides. Deve considerar-se a redução de dose destes glucocorticoides, com rigorosa vigilância dos seus efeitos locais e sistémicos ou mudança para um glucocorticoide que não seja substrato do CYP3A (por exemplo a beclometasona). Adicionalmente, em caso de suspensão da terapêutica com glucocorticoide, deve ser efetuada uma redução progressiva de dose, por um período mais prolongado. - Fluticasona
Não recomendado/Evitar

Cobicistate Fluticasona

Observações: n.d.
Interacções: Utilização concomitante não recomendada: A co-administração de Cobicistate com medicamentos que são indutores moderados a fracos do CYP3A pode resultar na diminuição da concentração plasmática de cobicistate e, consequentemente, da potenciação de atazanavir ou darunavir, levando a perda do efeito terapêutico e a possível desenvolvimento de resistência. Alguns exemplos incluem, mas não se limitam à etravirina, efavirenz, nevirapina, boceprevir, telaprevir, fluticasona e bosentano. - Fluticasona
Não recomendado/Evitar

Darunavir + Cobicistate Fluticasona

Observações: Não foram realizados estudos de interacção farmacológica com Darunavir / Cobicistate. Uma vez que Darunavir / Cobicistate contém darunavir e cobicistate, as interações que foram identificadas com darunavir (em associação uma dose baixa de ritonavir) e com cobicistate determinam as interações que podem ocorrer com Darunavir / Cobicistate. Os ensaios de interacção com darunavir/ritonavir e com cobicistate apenas foram realizados em adultos.
Interacções: CORTICOSTEróideS: Budesonida, Fluticasona: Tendo por base considerações teóricas, é expectável que Darunavir / Cobicistate aumente as concentrações plasmáticas destes corticosteróides. (inibição do CYP3A) A administração concomitante de Darunavir / Cobicistate com budesonida ou fluticasona não é recomendada, a não ser que o potencial benefício do tratamento supere o risco de efeitos sistémicos dos corticosteróides. A utilização concomitante de Darunavir / Cobicistate pode aumentar o risco de desenvolvimento de efeitos sistémicos dos corticosteróides, incluindo síndrome de Cushing e supressão adrenal. Recomenda-se monitorização clínica quando Darunavir / Cobicistate é administrado concomitantemente com corticosteróides. - Fluticasona
Usar com precaução

Ombitasvir + Paritaprevir + Ritonavir Fluticasona

Observações: Os estudos de interacção medicamentosa só foram realizados em adultos. Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir foi administrado em doses múltiplas em todos os estudos de interacção medicamentosa, com exceção dos estudos de interacção medicamentosa com carbamazepina, gemfibrozil e cetoconazol.
Interacções: interacções entre Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir e outros medicamentos GLUCOCORTICOIDES (INALATÓRIOS): Fluticasona: Mecanismo: Inibição do CYP3A4 Pelo ritonavir. Administrado com: Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir com ou sem dasabuvir. Não estudado. A utilização concomitante de fluticasona pode aumentar as exposições sistémicas de fluticasona. A utilização concomitante de Ombitasvir/Paritaprevir/Ritonavir e fluticasona, em particular a utilização prolongada, só deve ser iniciada se o potencial benefício do tratamento superar o risco dos efeitos sistémicos dos corticosteróides. - Fluticasona
Não recomendado/Evitar

Fosamprenavir Fluticasona

Observações: n.d.
Interacções: Propionato de fluticasona: O uso concomitante não é recomendado exceto se o potencial benefício do tratamento ultrapasse o risco dos efeitos sistémicos dos corticosteróides. A redução de dose do glucocorticoide com uma monitorização apertada dos efeitos locais e sistémicos ou uma mudança para um glucocorticoide que não seja um substrato do CYP3A4 (por exemplo beclometasona) deve ser considerada. Em caso de interrupção de glucocorticoides deve ser efetuada uma redução de dose progressiva por um período de tempo mais prolongado. - Fluticasona
Contraindicado

Nelfinavir Fluticasona

Observações: n.d.
Interacções: A co-administração é contra-indicada com os seguintes fármacos que são substrato do CYP3A4 e que têm janela terapêutica estreita: Terfenadina, astemizol, cisaprida, amiodarona, quinidina, derivados da ergotamina, pimozida, midazolam oral, triazolam, alfuzosina e sildenafil quando utilizados para tratar a hipertensão arterial pulmonar. Prevê-se que a co-administração de um IP com sildenafil aumente substancialmente a concentração deste e resulte num aumento dos acontecimentos adversos associados ao sildenafil, incluindo hipotensão, alterações da visão e priapismo. Para outros substratos do CYP3A4 pode ser necessário reduzir a dose ou considerar uma alternativa. A co-administração de nelfinavir com propionato de fluticasona pode aumentar as concentrações plasmáticas do propionato de fluticasona. Considerar alternativas que não sejam metabolizadas pelo CYP3A4, como a beclometasona. A utilização concomitante de trazodona e nelfinavir pode aumentar as concentrações plasmáticas da trazodona e deve ser considerada uma dose mais baixa de trazodona. A co-administração de nelfinavir com sinvastatina ou lovastatina pode resultar em aumentos significativos das concentrações plasmáticas de sinvastatina e lovastatina e é contra-indicada. Considerar alternativas que não sejam substractos do CYP3A4 como a pravastatina ou a fluvastatina. Esteroide nasal/inalado: Fluticasona: A utilização concomitante de propionato de fluticasona e nelfinavir pode aumentar as concentrações plasmáticas do propionato de fluticasona. Utilizar com precaução. Considerar alternativas ao uso de propionato de fluticasona que não sejam metabolizadas pelo CYP3A4, tais como a beclometasona, particularmente na utilização a longo-prazo. - Fluticasona
Não recomendado/Evitar

Ritonavir Fluticasona

Observações: n.d.
Interacções: Efeitos do Ritonavir nos Medicamentos Não Antirretrovirais co-administrados: Esteróides: Propionato de fluticasona spray nasal: Em doentes tratados com ritonavir e propionato de fluticasona administrado por via inalatória ou nasal foram notificados efeitos sistémicos dos corticosteróides, incluindo síndrome de Cushing e supressão suprarrenal (os níveis plasmáticos de cortisol estavam diminuídos 86% no estudo referido acima); efeitos semelhantes podem igualmente verificar-se com outros corticosteróides metabolizados pela CYP3A, como por exemplo budesonida. Consequentemente, não se recomenda a administração concomitante de ritonavir administrado como medicamento antirretroviral ou como potenciador farmacocinético a não ser que o potencial benefício supere o risco de efeitos sistémicos dos corticosteróides. Deverá ser considerada uma redução na dose do glucocorticoide com monitorização cuidadosa dos efeitos sistémicos e locais ou a substituição por um glucocorticoide que não seja substrato da CYP3A4 (por ex. beclometasona). Além disso, no caso de suspensão dos glucocorticoides, pode ser necessária redução progressiva da dose por um período de tempo mais longo. - Fluticasona
Não recomendado/Evitar

Saquinavir Fluticasona

Observações: A maioria dos estudos de interacção medicamentosa com saquinavir foi desenvolvida com saquinavir não potenciado ou com saquinavir cápsulas moles não potenciado. Um número reduzido de estudos foi desenvolvido com saquinavir potenciado com ritonavir ou com saquinavir cápsulas moles potenciado com ritonavir. Os dados obtidos a partir dos estudos de interacção medicamentosa realizados com saquinavir não potenciado podem não ser representativos dos efeitos observados com a terapêutica de saquinavir/ritonavir. Adicionalmente, os resultados observados com saquinavir cápsulas moles podem não ser preditivos relativamente à magnitude destas interações com saquinavir/ritonavir.
Interacções: Corticosteróides: Propionato de fluticasona 50 mcg qid, intranasal (ritonavir 100 mg bid) Podem esperar-se efeitos superiores quando o propionato de fluticasona é inalado. Em doentes em tratamento com ritonavir e propionato de fluticasona, administrado por via inalatória ou nasal, foram notificados efeitos sistémicos dos corticosteróides, incluindo síndrome de Cushing e supressão adrenal; estes efeitos podem igualmente verificar-se com outros corticosteróides metabolizados via P450 3A, como por exemplo a budesonida. Não são conhecidos os efeitos da exposição sistémica elevada da fluticasona nos níveis plasmáticos de ritonavir. Não se recomenda a administração concomitante de saquinavir potenciado com propionato de fulticasona e outros corticoesteróides metabolizados via P450 3A (por exemplo a budesonida), a não ser que o benefício potencial do tratamento supere o risco dos efeitos sistémicos dos corticosteróides. Deve considerar-se a redução da dose do glucocorticoide com monitorização cuidadosa dos efeitos locais e sistémicos, ou a substituição por um glucocorticoide que não seja substrato do CYP3A4 (por exemplo a beclometasona). No caso de suspensão dos glucocorticoides, a redução progressiva da dose poderá ter que realizar-se por um período de tempo mais longo. - Fluticasona
Não recomendado/Evitar

Telaprevir Fluticasona

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: CORTICOSTERÓIDES: Inalação/nasal: Fluticasona, budesonida: Não é recomendada a administração concomitante de fluticasona ou budesonida e telaprevir, a menos que o potencial benefício para o doente supere o risco de efeitos indesejáveis sistémicos provocados pelo corticosteróide. - Fluticasona
Não recomendado/Evitar

Tipranavir Fluticasona

Observações: Os estudos de interacção apenas foram realizados em adultos.
Interacções: Propionato de fluticasona Estudo de interacção realizado apenas com ritonavir Num estudo clínico no qual se administraram cápsulas a 100 mg de ritonavir, duas vezes ao dia, juntamente com 50 µg de propionato de fluticasona intranasal (quatro vezes ao dia) durante 7 dias em indivíduos sãos, os níveis plasmáticos de propionato de fluticasona aumentaram significativamente, enquanto os níveis intrínsecos de cortisol diminuíram em cerca de 86% (intervalo de confiança a 90%: 82- 89%). Efeitos superiores poderão ser esperados quando o propionato de fluticasona é inalado. Foram notificados efeitos sistémicos dos corticosteróides, incluindo Síndrome de Cushing e supressão adrenal, em doentes a receber ritonavir e propionato de fluticasona inalado ou por administração intranasal; isto também pode ocorrer com outros corticosteróides metabolizados via P450 3A, por exemplo budesonido. Desconhece-se se a combinação de tipranavir com ritonavir pode causar um maior aumento da exposição à fluticasona. Não se recomenda a administração concomitante de Tipranavir, co-administrado com ritonavir em dose baixa, e estes glucocorticoides, exceto se os benefícios potenciais do tratamento superarem o risco dos efeitos sistémicos dos corticosteróides. Deve considerar-se a redução da dose de glucocorticoide com monitorização rigorosa dos efeitos locais e sistémicos ou, a mudança para um glucocorticoide que não seja substracto do CYP3A4 (por exemplo, beclometasona). Além disso, no caso de suspensão do glucocorticoide poderá ser necessário realizar, por um período de tempo alargado, uma progressiva redução da dose. Não se conhecem os efeitos da exposição sistémica alargada à fluticasona nos níveis plasmáticos do ritonavir. - Fluticasona
Não recomendado/Evitar

Darunavir + Cobicistate + Emtricitabina + Tenofovir alafenamida Fluticasona

Observações: Não foram realizados estudos de interacção farmacológica com este medicamento. As interações que foram identificadas em estudos com componentes individuais de este medicamento, isto é, com darunavir (em associação uma dose baixa de ritonavir), cobicistate, emtricitabina ou tenofovir alafenamida, determinam as interações que podem ocorrer com este medicamento. As interações esperadas entre Darunavir + Cobicistate + Emtricitabina + Tenofovir alafenamida e potenciais medicamentos concomitantes são baseadas em estudos realizados com os componentes deste medicamento, como agentes individuais ou em associação, ou são interações medicamentosas potenciais que podem ocorrer. Os ensaios de interacção com os componentes de este medicamento foram realizados apenas em adultos.
Interacções: CORTICOSTEróideS Budesonida Fluticasona Tendo por base considerações teóricas, é expectável que DRV/COBI aumente as concentrações plasmáticas destes corticosteróides. (inibição do CYP3A) A administração concomitante deste medicamento e budesonida ou fluticasona não é recomendada, a menos que o benefício potencial do tratamento supere o risco dos efeitos secundários sistémicos dos corticosteróides. - Fluticasona
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções da Fluticasona
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

A administração de Fluticasona suspensão para pulverização nasal durante a gravidez requer uma avaliação da relação benefício/possível risco.

Quando Fluticasona suspensão para pulverização nasal é utilizado em mulheres em período de aleitamento deve-se efectuar uma avaliação do benefício/possível risco para a mãe e criança.

Creme: Lave as mãos. Aplique um filme fino de creme e esfregue suavemente até desaparecer completamente. Lave as mãos, a menos que o creme seja utilizado para tratar as suas mãos.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Novembro de 2021