Flurazepam

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução
O que é
O Flurazepam é um benzodiazepínico, de ação semelhante ao Valium.

O Flurazepam afeta substâncias químicas no cérebro que podem tornar-se desequilibradoras e causar problemas de insónia.

O Flurazepam é usado para tratar os sintomas de insónia, tais como dificuldades para adormecer ou manter o sono.

O Flurazepam também pode ser usado para fins aqui não mencionados.
Usos comuns
O Flurazepam é usado para tratar a insónia (problema com o sono); ajuda a adormecer mais rapidamente e dormir durante a noite.

O Flurazepam é um benzodiazepínico.

As benzodiazepinas pertencem ao grupo de medicamentos chamados depressores do sistema nervoso central (SNC), que são medicamentos que retardam o funcionamento do sistema nervoso.

O Flurazepam só está disponível sob prescrição médica.
Tipo
Molécula pequena.
História
Sem informação.
Indicações
– Todos os tipos de insónia caracterizada por dificuldade em adormecer, despertar muito frequente durante a noite ou muito cedo pela manhã.

– Insónia recorrente e em situações clínicas, agudas ou crónicas, que requerem um sono repousado.

As benzodiazepinas só estão indicadas quando a doença é grave, incapacitante ou o doente está sujeito a uma grande tensão.
Classificação CFT

02.09.01 : Ansiolíticos, sedativos e hipnóticos

Mecanismo De Ação
O Flurazepam liga-se a um local alostérico sobre os receptores GABA-A.

Potencia a ação de ligação de GABA nos recetores GABA-A através da abertura do canal de cloreto no recetor, causando o influxo de cloreto e a hiperpolarização.
Posologia Orientativa
Adultos:
A dose deve ser individualizada para obter o efeito terapêutico ideal para cada doente.

A dose diária recomendada no adulto é de 1 cápsula de 30 mg ao deitar.

O tratamento deve começar com a dose mínima de 15 mg por dia ao deitar e estabelecer a dose óptima de acordo com as respostas individuais.
Não deve ser excedida a dose máxima de 30 mg por dia.

Idosos:
Nas pessoas idosas ou debilitadas recomenda-se iniciar o tratamento com 15 mg ao deitar e estabelecer a dose óptima de acordo com as respostas individuais.
Administração
Via oral, ao deitar.
Contraindicações
– Hipersensibilidade à substância ativa (flurazepam), a outras benzodiazepinas ou;
– Miastenia gravis;
– Insuficiência respiratória grave;
– Síndroma de apneia no sono;
– Insuficiência hepática grave;
– está contraindicado durante a gravidez.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Sonolência e descordenação motora, alterações gastrintestinais, obstipação, diarreia, vómitos e alterações do apetite; alterações visuais e irregularidades cardiovasculares; alteração da memória a curto prazo, confusão, depressão, vertigem.

O uso prolongado pode causar dependência e síndrome de abstinência quando a medicação é interrompida.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Ver Benzodiazepinas; alguns fármacos do grupo podem causar anomalias fetais. Nocivo para o feto; o risco ultrapassa o benefício e, portanto, está contraindicado na gravidez. Trimestre: 1º
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Ver Benzodiazepinas.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Ver Benzodiazepinas.
Insuf. Renal
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Ver Ansiolíticos e Hipnóticos.
Condução
Condução
Condução:Altera significativamente a capacidade de condução.
Precauções Gerais
É muito importante que o médico verifique o seu progresso em visitas regulares para se certificar de que o Flurazepam está funcionando corretamente e para verificar se há efeitos indesejáveis.

O uso de Flurazepam enquanto estiver grávida pode prejudicar o feto. Utilize uma forma eficaz de controle de natalidade para não ficar grávida. Se acha que engravidou durante o uso Flurazepam, informe o médico imediatamente.

O Flurazepam pode causar um tipo grave de reação alérgica chamada de anafilaxia. a anafilaxia pode ser fatal e exige atenção médica imediata.

Pare de tomar Flurazepam e chame seu Médico imediatamente se tem prurido, urticária, rouquidão, dificuldade para respirar, dificuldade em engolir, ou qualquer inchaço das mãos, rosto ou na boca, enquanto estiver a usar Flurazepam.

O Flurazepam irá adicionar aos efeitos do álcool e outros depressores do SNC (medicamentos que retardam o sistema nervoso, podendo causar sonolência).

Alguns exemplos de depressores do SNC são os anti-histamínicos ou medicamentos para a febre dos fenos, outras alergias ou constipações, sedativos, tranquilizantes, ou medicamentos para o sono, medicamentos de prescrição para a dor ou narcóticos; barbitúricos (usados ​​para convulsões); relaxantes musculares; ou anestésicos (medicamentos entorpecentes), incluindo alguns anestésicos dentários.

Este efeito pode durar alguns dias depois de parar de tomar Flurazepam. Fale com seu Médico antes de tomar qualquer um dos atrás referidos, enquanto estiver a usar Flurazepam.

O Flurazepam pode causar em algumas pessoas, especialmente idosos, sonolência, tonturas, vertigens, descontrolo motor, instabilidade, ou menos alerta do que normalmente.

Mesmo que Flurazepam seja tomado ao deitar, pode levar algumas pessoas a se sentir sonolentas ou menos alerta na manhã seguinte.

Além disso, Flurazepam pode causar visão dupla ou outros problemas de visão.

Certifique-se que sabe como reagir aos efeitos de Flurazepam antes de conduzir, utilizar máquinas, ou executar tarefas que possam ser perigosas se não estiver alerta ou capaz de pensar ou ver.

Se desenvolver quaisquer pensamentos e comportamentos incomuns ou estranhos ao tomar Flurazepam, não se esqueça de informar o médico.

Algumas mudanças que ocorreram em pessoas que tomam Flurazepam são como os observados em pessoas que alcoólatras.

Outras alterações podem ser confusão, agravamento da depressão, alucinações (ver ouvir ou sentir coisas inexistentes), pensamentos suicidas e excitação incomum, nervosismo, ou irritabilidade.

O Flurazepam pode causar comportamentos relacionados com o sono, como dirigir um carro (sono-condução), a pé (sonambulismo), ter relações sexuais, fazer chamadas telefónicas, ou preparar e comer alimentos enquanto está a dormir ou não totalmente acordado. Se ocorrerem estes comportamentos, informe o médico de imediato.

Não pare de tomar Flurazepam sem consultar o médico primeiro. o médico pode querer reduzir gradualmente a quantidade que está a usar antes de parar completamente.

Isto pode ajudar a evitar um agravamento do seu estado e reduzir a possibilidade de sintomas de abstinência, como convulsões, alucinações, dores de estômago ou cãibras musculares, tremores, ou comportamento incomum.

Se sua condição não melhorar dentro de 7 a 10 dias, ou se piorar, consulte o médico.
Cuidados com a Dieta
Evite o álcool.
Tome, independentemente das refeições.
Terapêutica Interrompida
No caso de se esquecer de tomar uma dose, pode tomá-la se o esquecimento for de uma ou duas horas.
No entanto se só se lembrar no próximo dia de manhã, salte a dose esquecida e continue a tomar a dose normal ao deitar. Não deve tomar doses duplas.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.
Não conservar acima de 25ºC.
Conservar ao abrigo da luz e da humidade.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Inibidores da bomba de protões (IBP) + Flurazepam

Observações: A redução da acidez gástrica pode alterar a absorção de fármacos para os quais a acidez gástrica afecta a biodisponibilidade; Todos são metabolizados pelo cit. P450, incluindo o CYP2C19 e o CYP3A4; São raras as interacções clinicamente significativas.
Interações: Potenciam os efeitos por inibição do metabolismo: - Flurazepam - Flurazepam
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Depressores do SNC

Observações: N.D.
Interações: As benzodiazepinas, incluindo o flurazepam, produzem efeitos aditivos depressores no SNC quando administradas com outros fármacos que atuam no SNC tais como barbituratos, antipsicóticos, sedativos/hipnóticos, ansiolíticos, antidepressivos, analgésicos narcóticos, antihistamínicos sedativos, anticonvulsivantes, anestésicos, antihipertensivos e bloqueadores beta (recetores). - Depressores do SNC
Não recomendado/Evitar

Etcorvinol + Flurazepam

Observações: N.D.
Interações: Usando etclorvinol com qualquer um dos seguintes medicamentos normalmente não é recomendada, mas pode não ser necessária em alguns casos. Se ambos os medicamentos são prescritos em conjunto, o médico pode alterar a dose. - Adinazolam - Alfentanil - Alprazolam - Amobarbital - Anileridina - Aprobarbital - Brofaromina - Bromazepam - Brotizolam - Buprenorfina - Butabarbital - Butalbital - Carbinoxamina - Carisoprodol - Clorodiazepóxido - Clorzoxazona - Clobazam - Clonazepam - Clorazepato - Clorgilina - Codeína - Dantroleno - Diazepam - Estazolam - Fentanilo - Flunitrazepam - Flurazepam - Furazolidona - Halazepam - Hidrocodona - Hidromorfona - Iproniazida - Isocarboxazida - Cetazolam - Lazabemida - Levorfanol - Linezolida - lorazepam - lormetazepam - Meclizina - Medazepam - meperidina - mefenesina - meprobamato - metaxalone - metadona - Metocarbamol - Metoexital - Midazolam - Moclobemida - Morfina - Nialamida - Nitrazepam - Nordazepam - Oxazepam - Oxicodona - Oximorfona - Pargilina - Pentobarbital - Fenelzina - Fenobarbital - Prazepam - Primidona - Procarbazina - Propoxifeno - Quazepam - Rasagilina - Remifentanil - Secobarbital - Selegilina - Sufentanil - Suvorexanto - Tapentadol - Temazepam - Tiopental - Toloxatona - Tranilcipromina - Triazolam - Zolpidem - Flurazepam
Usar com precaução

Cetoprofeno + Omeprazol + Flurazepam

Observações: N.D.
Interações: Ligadas ao componente OMEPRAZOL: Combinações que podem ser administradas com precaução: Medicamentos metabolizados pelo citocromo P450: O Omeprazol é metabolizdo no fígado através do citocromo P450 (principalmente CYP 2C19, S-mefenitoína hidroxilase) e inibe enzimas da sub família CYP2C (CYP 2C19 e CYP 2C9) e pode retardar a eliminação de outras substâncias activas metabolizadas por estes enzimas. Isto foi observado para a fenitoína, varfarina e benzodiazepinas como o diazepam, triazolam e flurazepam. Recomenda-se a monitorização periódica dos doentes tratados com varfarina ou fenitoína, podendo ser necessário a redução da dose. Outras substâncias activas que podem ser afectadas são hexabarbital, citalopram, imipramina e clomipramina. O Omeprazol pode inibir o metabolismo hepático do disulfiram sendo possível a ocorrência de alguns casos de rigidez muscular. - Flurazepam
Usar com precaução

Darunavir + Flurazepam

Observações: O perfil de interação do darunavir pode variar dependendo se é utilizado o ritonavir ou o cobicistate como fármacos potenciadores. As recomendações dadas para a utilização concomitante de darunavir e outros medicamentos podem por isso variar dependendo se darunavir é potenciado com ritonavir ou com cobicistate, e é também necessária precaução durante o primeiro tempo de tratamento, se se substituir o fármaco potenciador de ritonavir para cobicistate.
Interações: SEDATIVOS/HIPNÓTICOS: Buspirona, Clorazepato, Diazepam, Estazolam, Flurazepam, Midazolam (parentérico), Zolpidem: Não foi estudado. Os sedativos /hipnóticos são extensivamente metabolizados pelo CYP3A. A coadministração com Darunavir potenciado pode causar um aumento significativo na concentração destes medicamentos. Se midazolam parentérico é coadministrado com Darunavir potenciado, pode causar um grande aumento na concentração desta benzodiazepina. Os dados da utilização concomitante de midazolam parentérico com outros inibidores da protease sugerem um possível aumento de 3- 4 vezes nos níveis plasmáticos de midazolam. Recomenda-se monitorização clínica quando Darunavir potenciado é administrado concomitantemente com estes sedativos/hipnóticos, devendo ser considerada uma dose mais baixa destes sedativos/hipnóticos. Se o midazolam parentérico for administrado concomitantemente com Darunavir potenciado, tal deve ser realizado numa unidade de cuidados intensivos ou em condições equivalentes, que assegurem monitorização clínica rigorosa e atenção médica apropriada em caso de depressão respiratória e/ou sedação prolongada. Deve considerar-se um ajuste da dose de midazolam, especialmente se for administrada mais do que uma dose única de midazolam. - Flurazepam
Usar com precaução

Darunavir + Cobicistate + Flurazepam

Observações: Não foram realizados estudos de interação farmacológica com Darunavir / Cobicistate. Uma vez que Darunavir / Cobicistate contém darunavir e cobicistate, as interações que foram identificadas com darunavir (em associação uma dose baixa de ritonavir) e com cobicistate determinam as interações que podem ocorrer com Darunavir / Cobicistate. Os ensaios de interação com darunavir/ritonavir e com cobicistate apenas foram realizados em adultos.
Interações: SEDATIVOS/HIPNÓTICOS: Buspirona, Clorazepato, Diazepam, Estazolam, Flurazepam, Midazolam (parentérico), Zolpidem: Tendo por base considerações teóricas, é expectável que Darunavir / Cobicistate aumente as concentrações plasmáticas destes sedativos/ Darunavir / Cobicistate (inibição do CYP3A) Recomenda-se monitorização clínica quando Darunavir / Cobicistate é administrado concomitantemente com estes sedativos/hipnóticos, devendo ser considerada uma dose mais baixa destes sedativos/hipnóticos. Recomenda-se precaução na administração concomitante de Darunavir / Cobicistate e midazolam parentérico. - Flurazepam
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Barbitúricos

Observações: N.D.
Interações: As benzodiazepinas, incluindo o flurazepam, produzem efeitos aditivos depressores no SNC quando administradas com outros fármacos que atuam no SNC tais como barbituratos, antipsicóticos, sedativos/hipnóticos, ansiolíticos, antidepressivos, analgésicos narcóticos, antihistamínicos sedativos, anticonvulsivantes, anestésicos, antihipertensivos e bloqueadores beta (recetores). Quando o Flurazepam é utilizado conjuntamente com fármacos antiepiléticos, os efeitos adversos e toxicidade podem ser mais evidentes, particularmente com hidantoína ou barbituratos ou combinações incluindo estes produtos. Isto requer um cuidado extra no ajuste da dose na fase inicial de tratamento. - Barbitúricos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Antipsicóticos

Observações: N.D.
Interações: As benzodiazepinas, incluindo o flurazepam, produzem efeitos aditivos depressores no SNC quando administradas com outros fármacos que atuam no SNC tais como barbituratos, antipsicóticos, sedativos/hipnóticos, ansiolíticos, antidepressivos, analgésicos narcóticos, antihistamínicos sedativos, anticonvulsivantes, anestésicos, antihipertensivos e bloqueadores beta (recetores). - Antipsicóticos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Sedativos

Observações: N.D.
Interações: As benzodiazepinas, incluindo o flurazepam, produzem efeitos aditivos depressores no SNC quando administradas com outros fármacos que atuam no SNC tais como barbituratos, antipsicóticos, sedativos/hipnóticos, ansiolíticos, antidepressivos, analgésicos narcóticos, antihistamínicos sedativos, anticonvulsivantes, anestésicos, antihipertensivos e bloqueadores beta (recetores). - Sedativos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Hipnóticos

Observações: N.D.
Interações: As benzodiazepinas, incluindo o flurazepam, produzem efeitos aditivos depressores no SNC quando administradas com outros fármacos que atuam no SNC tais como barbituratos, antipsicóticos, sedativos/hipnóticos, ansiolíticos, antidepressivos, analgésicos narcóticos, antihistamínicos sedativos, anticonvulsivantes, anestésicos, antihipertensivos e bloqueadores beta (recetores). - Hipnóticos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Ansiolíticos

Observações: N.D.
Interações: As benzodiazepinas, incluindo o flurazepam, produzem efeitos aditivos depressores no SNC quando administradas com outros fármacos que atuam no SNC tais como barbituratos, antipsicóticos, sedativos/hipnóticos, ansiolíticos, antidepressivos, analgésicos narcóticos, antihistamínicos sedativos, anticonvulsivantes, anestésicos, antihipertensivos e bloqueadores beta (recetores). - Ansiolíticos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Antidepressores

Observações: N.D.
Interações: As benzodiazepinas, incluindo o flurazepam, produzem efeitos aditivos depressores no SNC quando administradas com outros fármacos que atuam no SNC tais como barbituratos, antipsicóticos, sedativos/hipnóticos, ansiolíticos, antidepressivos, analgésicos narcóticos, antihistamínicos sedativos, anticonvulsivantes, anestésicos, antihipertensivos e bloqueadores beta (recetores). - Antidepressores
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Narcóticos

Observações: N.D.
Interações: As benzodiazepinas, incluindo o flurazepam, produzem efeitos aditivos depressores no SNC quando administradas com outros fármacos que atuam no SNC tais como barbituratos, antipsicóticos, sedativos/hipnóticos, ansiolíticos, antidepressivos, analgésicos narcóticos, antihistamínicos sedativos, anticonvulsivantes, anestésicos, antihipertensivos e bloqueadores beta (recetores). No caso de analgésicos narcóticos, pode também ocorrer potenciação da euforia o que conduz a um aumento da dependência psicológica. Os idosos requerem uma supervisão especial. - Narcóticos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Antihistamínicos

Observações: N.D.
Interações: As benzodiazepinas, incluindo o flurazepam, produzem efeitos aditivos depressores no SNC quando administradas com outros fármacos que atuam no SNC tais como barbituratos, antipsicóticos, sedativos/hipnóticos, ansiolíticos, antidepressivos, analgésicos narcóticos, antihistamínicos sedativos, anticonvulsivantes, anestésicos, antihipertensivos e bloqueadores beta (recetores). - Antihistamínicos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Anticonvulsivantes

Observações: N.D.
Interações: As benzodiazepinas, incluindo o flurazepam, produzem efeitos aditivos depressores no SNC quando administradas com outros fármacos que atuam no SNC tais como barbituratos, antipsicóticos, sedativos/hipnóticos, ansiolíticos, antidepressivos, analgésicos narcóticos, antihistamínicos sedativos, anticonvulsivantes, anestésicos, antihipertensivos e bloqueadores beta (recetores). - Anticonvulsivantes
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Anestésicos

Observações: N.D.
Interações: As benzodiazepinas, incluindo o flurazepam, produzem efeitos aditivos depressores no SNC quando administradas com outros fármacos que atuam no SNC tais como barbituratos, antipsicóticos, sedativos/hipnóticos, ansiolíticos, antidepressivos, analgésicos narcóticos, antihistamínicos sedativos, anticonvulsivantes, anestésicos, antihipertensivos e bloqueadores beta (recetores). - Anestésicos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Antihipertensores

Observações: N.D.
Interações: As benzodiazepinas, incluindo o flurazepam, produzem efeitos aditivos depressores no SNC quando administradas com outros fármacos que atuam no SNC tais como barbituratos, antipsicóticos, sedativos/hipnóticos, ansiolíticos, antidepressivos, analgésicos narcóticos, antihistamínicos sedativos, anticonvulsivantes, anestésicos, antihipertensivos e bloqueadores beta (recetores). - Antihipertensores
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)

Observações: N.D.
Interações: As benzodiazepinas, incluindo o flurazepam, produzem efeitos aditivos depressores no SNC quando administradas com outros fármacos que atuam no SNC tais como barbituratos, antipsicóticos, sedativos/hipnóticos, ansiolíticos, antidepressivos, analgésicos narcóticos, antihistamínicos sedativos, anticonvulsivantes, anestésicos, antihipertensivos e bloqueadores beta (recetores). - Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Teofilina

Observações: N.D.
Interações: A administração de teofilina ou aminofilina pode reduzir os efeitos sedativos das benzodiazepinas. - Teofilina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Aminofilina

Observações: N.D.
Interações: A administração de teofilina ou aminofilina pode reduzir os efeitos sedativos das benzodiazepinas. - Aminofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Antiepilépticos (AEs)

Observações: N.D.
Interações: Quando o Flurazepam é utilizado conjuntamente com fármacos antiepiléticos, os efeitos adversos e toxicidade podem ser mais evidentes, particularmente com hidantoína ou barbituratos ou combinações incluindo estes produtos. Isto requer um cuidado extra no ajuste da dose na fase inicial de tratamento. - Antiepilépticos (AEs)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Hidantoínas

Observações: N.D.
Interações: Quando o Flurazepam é utilizado conjuntamente com fármacos antiepiléticos, os efeitos adversos e toxicidade podem ser mais evidentes, particularmente com hidantoína ou barbituratos ou combinações incluindo estes produtos. Isto requer um cuidado extra no ajuste da dose na fase inicial de tratamento. - Hidantoínas
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Relaxantes musculares

Observações: N.D.
Interações: A ingestão concomitante com relaxantes musculares pode aumentar o efeito relaxante do flurazepam. - Relaxantes musculares
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Cimetidina

Observações: N.D.
Interações: Inibidores conhecidos das enzimas hepáticas particularmente a cimetidina, omeprazol e dissulfuram, mostraram reduzir a depuração das benzodiazepinas e podem potenciar a sua ação. - Cimetidina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Omeprazol

Observações: N.D.
Interações: Inibidores conhecidos das enzimas hepáticas particularmente a cimetidina, omeprazol e dissulfuram, mostraram reduzir a depuração das benzodiazepinas e podem potenciar a sua ação. - Omeprazol
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Dissulfiram

Observações: N.D.
Interações: Inibidores conhecidos das enzimas hepáticas particularmente a cimetidina, omeprazol e dissulfuram, mostraram reduzir a depuração das benzodiazepinas e podem potenciar a sua ação. - Dissulfiram
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Flurazepam + Rifampicina

Observações: N.D.
Interações: Conhecidos indutores das enzimas hepáticas, ex: rifampicina podem aumentar a depuração das benzodiazepinas. - Rifampicina
Não recomendado/Evitar

Flurazepam + Álcool

Observações: N.D.
Interações: A ingestão concomitante de álcool deve ser evitada. O efeito do Flurazepam pode ser modificado e potenciado duma forma imprevisível se o produto for usado em associação com álcool. Isto afeta a capacidade de conduzir e utilizar máquinas. - Álcool
Não recomendado/Evitar

Indinavir + Flurazepam

Observações: n.d.
Interações: Adicionalmente, indinavir com ritonavir não deve ser administrado com alfuzosina, meperidina, piroxicam, propoxifeno, bepridilo, encainida, flecainida, propafenona, quinidina, ácido fusídico, clozapina, clorazepato, diazepam, estazolam e flurazepam. - Flurazepam
Contraindicado

Ritonavir + Flurazepam

Observações: n.d.
Interações: Efeitos do Ritonavir nos Medicamentos Não Antirretrovirais Coadministrados: Sedativos/hipnóticos: Clorazepato, diazepam, estazolam, flurazepam, midazolam por via oral e parentérica e triazolam: É possível que a coadministração de ritonavir resulte em concentrações plasmáticas aumentadas de clorazepato, diazepam, estazolam e flurazepam, pelo que é contraindicada. Midazolam é extensamente metabolizado pelo CYP3A4. A coadministração com Ritonavir pode causar um grande aumento na concentração desta benzodiazepina. Não se realizou nenhum estudo de interação medicamentosa para a coadministração de Ritonavir com benzodiazepinas. Com base em informação referente outros inibidores da CYP3A4, espera-se que as concentrações plasmáticas do midazolam aumentem significativamente quando o midazolam é administrado por via oral. Por conseguinte, Ritonavir não deve ser coadministrado com midazolam administrado por via oral, no entanto deve usar-se de precaução ao coadministrar Ritonavir com midazolam administrado por via parentérica. A informação relativa ao uso concomitante de midazolam administrado por via parentérica com outros inibidores da protease sugere um possível aumento de 3-4 vezes nos níveis plasmáticos de midazolam. Se Ritonavir for coadministrado com midazolam administrado por via parentérica, a administração deverá ser feita numa unidade de cuidados intensivos (UCI) ou em local semelhante, de modo a garantir uma monitorização clínica rigorosa e gestão médica adequado em caso de depressão respiratória e/ou sedação prolongada. Deve ser considerado o ajuste da dose de midazolam, especialmente se for administrada mais do que uma dose única de midazolam. - Flurazepam
Usar com precaução

Saquinavir + Flurazepam

Observações: A maioria dos estudos de interação medicamentosa com saquinavir foi desenvolvida com saquinavir não potenciado ou com saquinavir cápsulas moles não potenciado. Um número reduzido de estudos foi desenvolvido com saquinavir potenciado com ritonavir ou com saquinavir cápsulas moles potenciado com ritonavir. Os dados obtidos a partir dos estudos de interação medicamentosa realizados com saquinavir não potenciado podem não ser representativos dos efeitos observados com a terapêutica de saquinavir/ritonavir. Adicionalmente, os resultados observados com saquinavir cápsulas moles podem não ser preditivos relativamente à magnitude destas interações com saquinavir/ritonavir.
Interações: Benzodiazepinas: Alprazolam; Clorazepato; Diazepam; Flurazepam (saquinavir/ritonavir) As concentrações destes medicamentos podem ser aumentadas quando coadministrados com saquinavir/ritonavir. É necessária a monitorização cuidada dos doentes relativamente aos efeitos sedativos. Pode ser necessária a diminuição da dose da benzodiazepina. - Flurazepam
Usar com precaução

Darunavir + Cobicistate + Emtricitabina + Tenofovir alafenamida + Flurazepam

Observações: Não foram realizados estudos de interação farmacológica com este medicamento. As interações que foram identificadas em estudos com componentes individuais de este medicamento, isto é, com darunavir (em associação uma dose baixa de ritonavir), cobicistate, emtricitabina ou tenofovir alafenamida, determinam as interações que podem ocorrer com este medicamento. As interações esperadas entre Darunavir + Cobicistate + Emtricitabina + Tenofovir alafenamida e potenciais medicamentos concomitantes são baseadas em estudos realizados com os componentes deste medicamento, como agentes individuais ou em associação, ou são interações medicamentosas potenciais que podem ocorrer. Os ensaios de interação com os componentes de este medicamento foram realizados apenas em adultos.
Interações: SEDATIVOS/HIPNÓTICOS Buspirona Clorazepato Diazepam Estazolam Flurazepam Midazolam (parentérico) Zolpidem Tendo por base considerações teóricas, é expectável que DRV/COB aumente as concentrações plasmáticas destes sedativos/hipnóticos. (inibição do CYP3A) Recomenda-se monitorização clínica quando este medicamento é administrado concomitantemente com estes sedativos/hipnóticos, devendo ser considerada uma dose mais baixa destes sedativos/hipnóticos. Recomenda-se precaução na administração concomitante de este medicamento e midazolam parentérico. Se este medicamento for administrado concomitantemente com midazolam por via parentérica, tal deve ser realizado numa unidade de cuidados intensivos ou em condições equivalentes, que assegurem monitorização clínica rigorosa e atenção médica apropriada em caso de depressão respiratória e/ou sedação prolongada. Deve-se considerar um ajuste da dose de midazolam, especialmente se for administrada mais do que uma dose única de midazolam. - Flurazepam
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Flurazepam
Avisar a Paciente que este medicamento não deve ser tomado durante a gravidez ou quando a gravidez é possível.

Aconselhar a Paciente a usar forma confiável de controle de natalidade, enquanto tomar este medicamento.

– Diga à Paciente a tomar medicamento com um copo cheio de água na hora de dormir.

– Enfatizar importância de não ultrapassar a dose recomendada.

Se os sintomas não melhorarem dentro de 2 a 3 dias de iniciar a terapia de drogas, ou se a tolerância se desenvolve, notificar prestador de cuidados de saúde.

– Diga Paciente não parar de tomar medicamento abruptamente, para evitar sintomas de abstinência.

Explique que o sono noturno pode ser perturbado por 1 a 2 noites após a descontinuação gradual.

– Instruir o Paciente para monitorizar o peso e denunciar qualquer ganho ou perda excessivo.

– Aconselhar o Paciente para relatar os seguintes sintomas ao médico: palpitações ou dor torácica, sinais de sangramento, dor abdominal, icterícia, falta de ar, erupção cutânea, confusão, tonturas, náuseas, vómitos.

– Instruir o Paciente para tomar goles de água com frequência, chupar pedaços de gelo ou rebuçados sem açúcar, ou mascar pastilhas sem açúcar se ocorrer boca seca.

– Aconselhar o Paciente a evitar a ingestão de bebidas alcoólicas ou outros depressores do SNC.

– Avisar o Paciente de que o fármaco pode causar sonolência e ter cuidado ao dirigir ou executar outras tarefas que requeiram agilidade mental.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 08 de Setembro de 2020