Fenfluramina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Dopping
O que é
Fenfluramina é um fármaco que tem sido utilizado no tratamento da obesidade.

Fenfluramina compreende a mistura racémica de dois enantiómeros: o dextrofenfluramina e levofenfluramina.

Funciona através do aumento da descarga do neurotransmissor serotonina no cérebro inibindo a sua recaptação; esta ação é exercida sobre o cérebro e o hipotálamo, interferindo no mecanismo fisiológico que regula o apetite, produzindo saciedade.

A substância foi retirada do mercado nos Estados Unidos e na maioria dos países do mundo em 1997, depois de ter sido provado que causava prejuízo às válvulas do coração e hipertensão pulmonar, a fim de que as autoridades de saúde consideraram que os riscos do seu uso não superam os potenciais benefícios.

Dopping: Substância probida - Portaria n.º 411/2015, de 26 de novembro - Aprova a Lista de Substâncias e Métodos Proibidos para 2016 e revoga a Portaria n.º 270/2014, de 22 de dezembro.
Usos comuns
Utilizado para tratar a obesidade, fenfluramina diminui a ingestão calórica, aumentando os níveis de serotonina em sinapses do cérebro.

Fenfluramina atua como um inibidor da recaptação da serotonina.

Também provoca a liberação de serotonina dos sinaptossomas.

Isto por sua vez aumenta a transmissão da serotonina no centro da alimentação do cérebro que suprime o apetite.
Tipo
pequena molécula
História
Fenfluramina foi introduzida no mercado dos EUA em 1973.

O medicamento foi retirado do mercado dos EUA em 1997, depois de relatos de doença valvar cardíaca e hipertensão pulmonar, incluindo uma condição conhecida como fibrose cardíaca.

Após a retirada da fenfluramina EUA, também foi retirado de outros mercados ao redor do mundo.

Foi banido na Índia, em 1998.
Indicações
Para o tratamento da obesidade exógena como um complemento de curto prazo (algumas semanas), num regime de redução de peso baseado em restrição calórica.
Classificação CFT
n.d.     n.d.
Mecanismo De Ação
Fenfluramina liga-se a bomba de recaptação de serotonina.

Isso faz com que cause inibição de recaptação da serotonina e libertação de serotonina.

O aumento dos níveis de serotonina conduz a uma maior ativação do recetor da serotonina, que por sua vez leva ao aumento da transmissão serotoninérgica nos centros de comportamento alimentar localizado no hipotálamo.

Isto suprime o apetite por carboidratos.
Posologia Orientativa
Sem informação.
Administração
Sem informação.
Contraindicações
Hipersensibilidade à substância ativa.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Sem informação.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: C - Não há estudos adequados em mulheres. Em experiências animais ocorreram alguns efeitos colaterais no feto, mas o benefício do produto pode justificar o risco potencial durante a gravidez.
Dopping
Dopping:Dopping: Estimulantes não específicos. Substância probida - Portaria n.º 411/2015, de 26 de novembro - Aprova a Lista de Substâncias e Métodos Proibidos para 2016 e revoga a Portaria n.º 270/2014, de 22 de dezembro.
Precauções Gerais
Sem informação.
Cuidados com a Dieta
Usando fenfluramina juntamente com o etanol pode aumentar o risco de efeitos secundários cardiovasculares, tais como o aumento da frequência cardíaca, dor no peito, ou as alterações da pressão arterial.
Terapêutica Interrompida
Não utilize uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Glibenclamida + Fenfluramina

Observações: N.D.
Interações: Reacções hipoglicémicas devidas à potenciação da acção da Glibenclamida podem ocorrer com a administração simultânea das seguintes substâncias: Anabolizantes, bezafibrato, biguanidas, bloqueadores beta, clofibrato, cloranfenicol, derivados cumarínicos, fenfluramina, fenilbutazona, feniramidol, fluoxetina, fosfamídios, guanetidina, inibidores da ECA, inibidores da MAO, miconazol, PAS, pentoxifilina (em doses elevadas por via parentérica), probenecida, reserpina, salicilatos, sulfimpirazona, sulfonamidas, tetraciclinas, tritoqualina.

Cloreto de cálcio + Cloreto de potássio + Cloreto de sódio + Lactato de sódio + Fenfluramina

Observações: População pediátrica: Não existem características especiais.
Interações: A administração desta associação de acordo com as indicações e contraindicações recomendadas não eleva as concentrações plasmáticas dos eletrólitos que a solução contém. Em caso de aumento da concentração de qualquer eletrólito devido a outras causas as seguintes interações devem ser consideradas. Relacionadas com LACTATO: A administração de bicarbonato ou de um precursor do bicarbonato tal como o lactato conduz à alcalinização da urina com depuração renal aumentada de medicamentos acídicos (p.ex. ácido salicílico). A semivida de medicamentos básicos – em especial de simpaticomiméticos (p.ex. efedrina, pseudoefedrina) e de estimulantes (p.ex. sulfato de dexanfetamina, cloridrato de fenfluramina) será prolongada se forem administradas em simultâneo soluções contendo lactato.

Glisentida (glipentida) + Fenfluramina

Observações: N.D.
Interações: Fenfluramina parece aumentar a absorção de glucose pelo músculo esquelético, o que pode apresentar uma acção hipoglicémica intrínseca. Existe um riscode potenciar tanto os efeitos terapêuticos de sulfonilureias, com o consequente risco de hipoglicemia, por isso, é aconselhável para evitar a associação.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Glimepirida + Fenfluramina

Observações: N.D.
Interações: Pode ocorrer uma potenciação do efeito hipoglicemiante e portanto, em alguns casos, hipoglicemia quando um dos seguintes medicamentos é administrado em simultâneo com glimepirida, por exemplo: - fenilbutazona, azapropazona e oxifenobutazona; - insulina e produtos antidiabéticos orais, tal como a metformina; - ácido p-amino-salicílico; - esteroides anabolizantes e hormonas sexuais masculinas; - cloranfenicol, algumas sulfonamidas de ação longa, tetraciclinas, antibióticos da classe das quinolonas e claritromicina; - anticoagulantes cumarínicos; - fenfluramina; - disopiramida; - fibratos; - inibidores da ECA; - fluoxetina, inibidores da MAO; - alopurinol, probenecida, sulfinpirazona; - simpaticolíticos; - ciclofosfamida, trofosfamida e ifosfamidas; - miconazol, fluconazol; - pentoxifilina (doses elevadas por via parentérica); - tritoqualina.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Glimepirida + Pioglitazona + Fenfluramina

Observações: Não existem estudos formais de interação para o Glimepirida / Pioglitazona, contudo, a utilização concomitante das substâncias ativas em doentes em utilização clínica não teve como resultado interações inesperadas. As informações disponíveis são sobre as substâncias ativas individualmente (pioglitazona e glimepirida).
Interações: GLIMEPIRIDA: Potenciação do efeito hipoglicemiante e como tal, em alguns casos, poderá ocorrer hipoglicemia quando uma das seguintes substâncias ativas é tomada, por exemplo: Fenilbutazona, azapropazona e oxifenbutazona; Insulina e outros produtos orais antidiabéticos; Metformina; Salicilatos e ácido p-amino salicílico; Esteróides anabolizantes e hormonas sexuais masculinas; Cloranfenicol; Claritromicina; Anticoagulantes cumarínicos; Disopiramida; Fenfluramina; Fibratos; Inibidores da ECA; Fluoxetina; Alopurinol; Simpatolíticos; Ciclo-, tro e ifosfamidas; Sulfinpirazona; Determinadas sulfonamidas de ação prolongada; tetraciclinas; Inibidores da MAO; Antibióticos que contêm quinolonas; Probenecida; Miconazol; Pentoxifilina (dose elevada, via parentérica); Tritoqualina; Fluconazol.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tolazamida + Fenfluramina

Observações: N.D.
Interações: Inibidores da enzima conversora da angiotensina (por exemplo, enalapril), anticoagulantes (por exemplo, varfarina), antifúngicos azóis (por exemplo, miconazol, cetoconazol), cloranfenicol, clofibrato, fenfluramina, insulina, inibidores da monoamina oxidase (por exemplo, fenelzina) (Por exemplo, ibuprofeno), fenilbutazona, probenecida, antibióticos quinolona (por exemplo, ciprofloxacina), salicilatos (por exemplo, aspirina) ou sulfonamidas (por exemplo, sulfametoxazol) porque o risco de baixo nível de açúcar no sangue pode ser aumentado.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Glimepirida + Rosiglitazona + Fenfluramina

Observações: Não existem estudos formais de interacção para este medicamento, no entanto o uso concomitante das substâncias activas em doentes em estudos clínicos e na sua vasta utilização clínica não originou interações inesperadas. Anformação disponível é acerca das substâncias activas individualmente (rosiglitazona e glimepirida).
Interações: GLIMEPIRIDA: Com base na experiência com glimepirida e outras sulfonilureias, deverão ser mencionadas as seguintes interações. Potenciação do efeito de redução de glucose no sangue, pelo que em alguns casos poderá ocorrer hipoglicemia quando um dos seguintes fármacos é administrado, por exemplo: Fenilbutazona, azapropazona e oxifenbutazona, sulfinpirazona, insulina e medicamentos antidiabéticos, algumas sulfamidas de longa duração, metformina, tetraciclinas, salicilatos e ácido p-amino-salicílico, inibidores da MAO, esteróides anabolizantes e hormonas masculinas, antibióticos quinolonas, cloranfenicol, probenecide, anticoagulantes cumarínicos, miconazol, fenfluramina, pentoxifilina (dose parentérica elevada), fibratos, tritoqualina, inibidores da ECA, fluconazol, fluoxetina, alopurinol, simpaticolíticos, ciclo-, tro- e ifosfamidas.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos

Não use mais do que a dose recomendada de fenfluramina, e evitar atividades que exigem vigilância mental, tais como dirigir ou operar máquinas perigosas até saber como o medicamento o afecta.

É importante informar o seu médico sobre todos os outros medicamentos que usa, incluindo vitaminas e ervas.

Não deixe de utilizar qualquer medicamento sem primeiro falar com o seu médico.

Dopping: Estimulantes não específicos. Substância probida - Portaria n.º 411/2015, de 26 de novembro - Aprova a Lista de Substâncias e Métodos Proibidos para 2016 e revoga a Portaria n.º 270/2014, de 22 de dezembro.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017