Estrogénios conjugados

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática
O que é
Estrogénios conjugados, uma mistura de sais solúveis em água de ésteres de sulfato de estrona, equilina, 17-di-α, e outros esteróides relacionados, podem ser derivadas de urina equina grávida ou inhame e de soja.

Os estrogénios são importantes no desenvolvimento e manutenção do sistema reprodutor feminino e características sexuais secundárias.
Usos comuns
Para o tratamento de sintomas vasomotores moderados a graves associados à menopausa, vaginite atrófica, osteoporose, hipoestrogenismo devido a hipogonadismo, castração, falha primária de ovário, cancro de mama (para tratamento paliativo apenas), e carcinoma andrógeno-dependente avançado da próstata (para tratamento paliativo apenas).
Tipo
Sem informação.
História
Sem informação.
Indicações
Tratamento de sintomas moderados a graves associados à menopausa, tratamento de sintomas moderados a graves de atrofia vulvar e vaginal associada à menopausa (apenas 0,3 mg).
Classificação CFT

08.05.01.01 : Tratamento de substituição

Mecanismo De Acção
Os estrogénios entram nas células de tecidos sensíveis (por exemplo, órgãos femininos, seios, do hipotálamo, pituitária), onde interagem com um receptor de proteína, aumentando subsequentemente a taxa de síntese de DNA, RNA, e algumas proteínas.

Os estrogénios diminuem a secreção da hormona libertadora de gonadotrofinas pelo hipotálamo, reduzindo a secreção do hormona folículo-estimulante (FSH) e a hormona luteinizante (LH) pela hipófise.
Posologia Orientativa
Dose adulta usual para a vaginite atrófica:
O tratamento da vaginite atrófica e craurosis vulvar:
– Estrogénios conjugados, aplicação tópica: a administração cíclica de 0,5 a 2 g por via intravaginal (diariamente durante 21 dias, em seguida, fora por 7 dias).

– Estrogénios conjugados sintéticos tópicos A: 1 grama, via intravaginal diariamente durante uma semana, seguido de 1 grama via intravaginal, duas vezes por semana.

Dose adulta usual para os sintomas pós-menopausa:
Tratamento de moderada a grave dispareunia, um sintoma de atrofia vulvo-vaginal, devido à menopausa: Estrogénios conjugados tópico: a administração duas vezes por semana de 0,5 g por via intravaginal, por exemplo, segunda-feira e quinta-feira.

Estrogénios conjugados sintéticos tópicos A: 1 grama intravaginal diariamente durante uma semana, seguido de 1 grama por via intravaginal, duas vezes por semana.
Administração
A via oral é preferível para as mulheres com hipercolesterolemia; já em pacientes com altos níveis de triglicerídeos, essa via deve ser evitada, dando-se preferência para a via transdérmica.

Para a Paciente hipertensa ou com risco de fenómenos trombóticos, é preferível a via parenteral (transdérmica, percutânea, nasal, subcutânea e vaginal).

Aplicam-se os adesivos preferencialmente no abdómen e nas nádegas, fazendo rodízio entre os locais de aplicação, mas evitando as mamas.

A via vaginal é utilizada para pacientes com queixas exclusivamente urogenitais.
Contra-Indicações
Não use Estrogénios conjugados se:
– é alérgico aos Estrogénios conjugados
– já teve uma reacção grave (por exemplo, inchaço das mãos, rosto, lábios, olhos, garganta, ou língua; dificuldade para engolir ou respirar; rouquidão) depois de tomar
– estiver grávida ou pensa que pode estar
– tem ou suspeita ter cancro de mama ou outro cancro estrogénio-dependente, ou tem um historial de cancro de mama
– tem um histórico de problemas hepáticos ou doença hepática
– tem hemorragia vaginal anormal de causa desconhecida
– tem coágulos sanguíneos activos (por exemplo, das pernas ou nos pulmões), uma história de coágulos de sangue, ou uma condição que pode aumentar o risco de coágulos sanguíneos
– teve um acidente vascular cerebral ou ataque cardíaco.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Obtenha ajuda médica de emergência se tiver algum destes sinais de reacção alérgica: urticária; dificuldade em respirar, inchaço do rosto, lábios, língua ou garganta.

Suspenda o uso de Estrogénios conjugados vaginais e contacte o Médico imediatamente se tem um efeito colateral grave, tais como:
– dor no peito ou sensação de peso, dor que se estende para o braço ou ombros, náusea, suores, mal-estar geral;
– dormência ou fraqueza repentina, especialmente em um lado do corpo;
– dor de cabeça súbita e grave, confusão, problemas com a visão, linguagem, ou o equilíbrio;
– dor em em uma ou ambas as pernas, inchaço, calor, vermelhidão;
– hemorragia vaginal anormal;
– enxaquecas;
– dor, inchaço ou sensibilidade no estômago;
– confusão, problemas de memória ou concentração;
– icterícia (amarelecimento da pele ou olhos);
– inchaço das mãos, tornozelos ou pés; ou
– um nódulo na mama.

Efeitos secundários menos graves podem incluir:
– náusea leve, vómitos, inchaço, dores de estômago;
– dor na mama, sensibilidade ou inchaço;
– sardas ou escurecimento da pele facial;
– aumento do crescimento de cabelo, perda de cabelo do couro cabeludo;
– mudanças no peso ou apetite;
– problemas com as lentes de contacto;
– comichão ou corrimento vaginal;
– mudanças nos períodos menstruais, diminuição do desejo sexual, ou
– dor de cabeça, nervosismo, tontura, sensação de cansaço.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Não use durante a gravidez.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Ver Contraceptivos orais.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:O uso não é recomendado durante a amamentação. A administração diminui a quantidade e a qualidade do leite materno.
Precauções Gerais
– A adição de uma progestina quando uma mulher não foi sujeita a histerectomia.
Estudos sobre a adição de uma progestina, durante 10 ou mais dias de um ciclo de administração de estrogénio, ou diariamente com estrogénio em regime contínuo, relataram uma incidência de hiperplasia do endométrio mais reduzida do que seria por tratamento induzido com estrogénios isolados. A hiperplasia endometrial pode ser um precursor do cancro endometrial.

Existem, no entanto, possíveis riscos que podem ser associados com o uso de progestina com estrogénios em comparação com regimes de estrogénio isolado. Estes incluem um possível aumento do risco de cancro da mama, efeitos adversos sobre o metabolismo de lipoproteínas (por exemplo, diminuição do HDL, elevando LDL) e diminuição da tolerância à glicose.

– Pressão arterial elevada.
Num pequeno número de casos relatados, aumentos substanciais na pressão arterial têm sido atribuídos a reacções idiossincráticas aos estrogénios. Num ensaio clínico alargado, randomizado, controlado por placebo, não foi encontrado um efeito generalizado da terapia com estrogénio sobre a pressão arterial. A pressão arterial deve ser monitorizada em intervalos regulares com o uso de estrogénio.

– A hipertrigliceridemia.
Em pacientes com hipertrigliceridemia pré-existente, a terapêutica com estrogénios pode estar associada com elevações de triglicéridos no plasma que conduzem à pancreatite e outras complicações.
No estudo HOPE, o aumento percentual médio do valor basal de triglicérides séricos após um ano de tratamento com Estrogénios 0,625 mg/2,5 mg, 0,45 mg/1,5 mg e 0,3 mg mg/1,5 comparados com placebo foi de 32,8, 24,8, 23,3, e 10,7, respectivamente.

Após dois anos de tratamento, a percentagem média de alterações foi de 33,0, 17,1, 21,6, e 5,5, respectivamente.

– Insuficiência da função hepática e antecedentes de icterícia.
Os estrogénios podem ser mal metabolizada em Pacientes com insuficiência hepática.

Para os Pacientes com história de icterícia associada ao uso de estrogénio no passado ou com grávidas, o cuidado deve ser exercido e, no caso de reincidência, a medicação deve ser interrompida.

– Hipotireoidismo.
A administração de estrogénio leva ao aumento dos níveis da globulina de ligação da tiróide (TBG). Doentes com função tiroidiana normal podem compensar o aumento da TBG, produzindo mais hormona da tiróide, mantendo assim as concentrações séricas T4 e T3 na faixa normal.

Pacientes dependentes de terapia de reposição hormonal da tiróide, que também estão a receber estrógenos, podem necessitar de doses de sua terapia de reposição da tiróide aumentada.

Estes pacientes devem ter sua função tiroidiana monitorizadas a fim de manter os seus níveis de hormonas tireoidianos livres, numa faixa aceitável.

– A retenção de líquidos.
Porque os estrógenos / progestágenos podem causar algum grau de retenção de líquidos, os Pacientes com condições que possam ser influenciadas por esse factor, como disfunção cardíaca ou renal, merecem observação cuidadosa quando os Estrógenos são prescritos.

– A hipocalcemia.
Os estrogénios devem ser usados com precaução em indivíduos com hipocalcemia severa.

– O cancro do ovário.
O Estrogénio mais progestina, em estudo prévio do WHI, foi relatado que após um acompanhamento médio de 5,6 anos, o risco relativo de cancro de ovário para estrogénio e progestina versus placebo foi de 1,58 (95% intervalo de confiança 0,77-3,24), mas não foi estatisticamente significativo. O risco absoluto de estrogénio mais progestina versus placebo foi de 4,2 contra 2,7 casos por 10 000 mulheres-ano.

Em alguns estudos epidemiológicos, a utilização de produtos só com estrogénio, em particular, durante dez ou mais anos, tem sido associada a um risco aumentado de cancro do ovário.

Outros estudos epidemiológicos não encontraram estas associações.

– A exacerbação da endometriose.

– A endometriose pode ser exacerbada com a administração da terapia com estrogénio.

– A exacerbação de outras condições.
Terapia com estrogénio pode causar uma exacerbação de asma, diabetes mellitus, epilepsia, enxaqueca, porfiria, lúpus eritematoso sistémico, e hemangiomas hepáticos e deve ser usado com precaução em mulheres com estas condições.
Cuidados com a Dieta
Sem informação.
Terapêutica Interrompida
Use a dose logo que se lembrar. Saltar para a dose seguinte se for quase hora da próxima toma.
Não use medicamento extra para compensar a dose esquecida.
Cuidados no Armazenamento
Guarde os comprimidos em temperatura ambiente controlada de 20° a 25° C.

Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sultamicilina Estrogénios conjugados

Observações: n.d.
Interacções: A administração de ampicilina em mulheres grávidas leva a uma diminuição das concentrações plasmáticas dos estrogénios conjugados. - Estrogénios conjugados
Sem efeito descrito

Pilocarpina Estrogénios conjugados

Observações: n.d.
Interacções: Enquanto não se realizarem estudos formais de interacções medicamentosas, foram utilizados os seguintes medicamentos concomitantemente em pelo menos 10% dos doentes num ou em ambos os estudos de eficácia na síndrome de Sjögren: Ácido acetilsalicílico, lágrimas artificiais, cálcio, estrogénios conjugados, sulfato de hidroxicloroquina, ibuprofeno, levotiroxina de sódio, acetato de medroxiprogesterona, metotrexato, multivitaminas, naproxeno, omeprazol, paracetamol e prednisolona. Não existiram notificações de toxicidade farmacológica durante qualquer estudo de eficácia. - Estrogénios conjugados
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções dos Estrogénios conjugados
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Não use durante a gravidez.

O uso não é recomendado durante a amamentação. A administração diminui a quantidade e a qualidade do leite materno.

Não fume enquanto estiver a usar esta medicação. Fumar pode aumentar o risco de coágulos de sangue, derrame ou ataque cardíaco causado por estrogénios conjugados.

As Paciente devem usar métodos adequados de auto-exame da mama e deve realizá-los mensalmente.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Novembro de 2021