Doxepina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Condução
O que é
Doxepina é um antidepressivo tricíclico benzodiazepínico (tranquilizante) que frequentemente é usado pelos dermatologistas para tratar alguns problemas de pele como: (prurido, dermatite atópica, urticária ao frio ou crónica e dermatose).

Isso é possível graças ao seu poderoso efeito anti-histamínico (que modula o antagonismo dos receptores H1e H2 da histamina) provocando uma melhoria em muitos tipos de alergia.

O seu uso extra-oficial é como analgésico para certas dores crónicas ou neuropáticas, sendo muito útil também para enxaqueca e cefaleia tensional (comum na fibromialgia).

O mecanismo de ação da Doxepina "presume" que existe uma influência sobre a atividade adrenérgica em nível sináptico, evitando a recaptura da noradrenalina pelas terminações nervosas.

Possui também ação anti-muscarínica que reduz ou inibe a secreção gástrica (pode ser uma sugestão para o tratamento da úlcera péptica).

A Doxepina tem acentuada propriedade sedativa que serve de ajuda para casos de insónia ou manutenção do sono.

A Doxepina é conhecida por vários nomes comerciais como Aponal, a formulação original desenvolvida por Boehringer-Mannheim, do grupo Roche; Adapine, Adapin, Doxal (Orion), Deptran, Sinquan e Sinequan (Pfizer).
Usos comuns
Doxepina é utilizada para tratar os sintomas de depressão e / ou ansiedade associada com o alcoolismo, doenças psiquiátricas, condições ou maníaco-depressivos.
Tipo
pequena molécula
História
Sem informação.
Indicações
Síndromes depressivas isoladas ou associadas com ansiedade.

Psiconeurose.

Distúrbios do sono.

Psicopatias.

Pruridos leves, síndromes pruriginosas.
Classificação CFT

N.D.

Mecanismo De Ação
É um antidepressivo tricíclico derivado dos dibenzozepínicos.

O mecanismo de ação seria devido, em parte à sua influência sobre a atividade adrenérgica em nível sináptico, evitando a recaptura da noradrenalina pelas terminações nervosas.

Estudos em animais sugerem que possui efeitos anticolinérgicos, serotoninérgicos e anti-histamínicos sobre a musculatura lisa.

A doxepina exerce efeito antipruriginoso devido a sua união sobre receptores histaminérgicos H 1, inibindo sua ativação.

A absorção por via gastrintestinal é boa; metaboliza-se no fígado originando um metabólito farmacologicamente ativo, a desmetildoxepina.

Após glicuronidação, tanto o fármaco original como os metabólitos são eliminados por via renal.

A doxepina distribui-se amplamente pelos tecidos, incluindo pulmão, coração, cérebro e fígado.

Atravessa as barreiras hematoencefálica e placentária, além de ser eliminada pelo leite materno.
Posologia Orientativa
Adultos: via oral inicialmente 25 mg três vezes ao dia; pode-se aumentar, se necessário, até 50 mg três vezes ao dia.

Em pacientes deprimidos severamente, podem ser necessárias doses superiores a 300 mg/dia.

Idosos: como para adultos, com uma dose inicial que pode variar de 10 a 50 mg/dia.
Administração
Via oral.
Contraindicações
Hipersensibilidade à Doxepina ou a alguma dibenzazepina, glaucoma de ângulo fechado, tendência à retenção urinária e durante a lactação.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
As mais frequentemente observadas são: sonolência, secura de mucosas, sede, cefaleia, fadiga, vertigem, alterações emocionais e distúrbios do paladar.

Mais ocasionalmente registraram-se náuseas, ansiedade, febre, parestesias.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: C - Não há estudos adequados em mulheres. Em experiências animais ocorreram alguns efeitos colaterais no feto, mas o benefício do produto pode justificar o risco potencial durante a gravidez.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Recomenda-se não administrar durante a lactação.
Condução
Condução
Condução:Recomenda-se não conduzir veículos nem utilizar máquinas perigosas durante o tratamento, devido à sonolência produzida pela doxepina.
Precauções Gerais
A presença de outros problemas médicos pode afetar o uso deste medicamento.

Certifique-se de informar o médico se você tiver quaisquer outros problemas médicos, especialmente:

- O transtorno bipolar (doença mental com a alternância de episódios de mania e depressão), ou risco ou
- Glaucoma, de ângulo estreito, não tratada ou
- Retenção urinária (dificuldade para urinar), ou o risco de não-deve ser utilizado em doentes com estas condições.
- Problemas respiratórios ou
- A apnéia do sono (a respiração pára durante o sono), Uso grave com cautela.

Pode fazer essas condições piorar.

- Use com cautela na doença hepática.

Os efeitos podem ser aumentados por causa da remoção mais lenta do medicamento a partir do corpo.


Cuidados com a Dieta
Evitar consumo de álcool, pois este pode potenciar o efeito depressor da doxepina.
Terapêutica Interrompida
Não utilize uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Conservar em recipientes bem fechados e ao abrigo da luz.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Doxilamina + Piridoxina + Doxepina

Observações: Não foram efetuados estudos de interação com Doxilamina + Piridoxina.
Interações: Conhecem-se interações entre os anti-histamínicos da classe da etanolamina e os seguintes medicamentos: - Medicamentos fotossensibilizantes: A utilização concomitante de anti-histamínicos e outros medicamentos fotossensibilizantes como a amiodarona, quinidina, imipramina, doxepina, amitriptilina, griseofulvina, clorfeniramina, piroxicam, furosemida, captopril, entre outros, pode causar efeitos fotossensibilizantes aditivos.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ranolazina + Doxepina

Observações: N.D.
Interações: Existe um risco teórico de o tratamento concomitante com ranolazina e outros fármacos que se saiba prolongarem o intervalo QTc poder originar uma interação farmacodinâmica e aumentar o possível risco de arritmias ventriculares. Como exemplos de tais fármacos, podemos referir certos antihistamínicos (p.ex. terfenadina, astemizol, mizolastina), certos antiarrítmicos (p.ex. quinidina, disopiramida, procainamida), a eritromicina e os antidepressivos tricíclicos (p.ex. imipramina, doxepina, amitriptilina).
Usar com precaução

Naltrexona + Doxepina

Observações: N.D.
Interações: Associações a ter em consideração: Barbitúricos, benzodiazepinas, ansiolíticos que não benzodiazepinas (i.e. meprobamato), hipnóticos, antidepressivos sedativos (amitriptilina, doxepina, mianserina, trimipramina), antihistamínicos H1 sedativos, neurolépticos (droperidol). A interação com outros psicofármacos (ex., dissulfiram, amitriptilina, doxepina, lítio, clozapina, benzodiazepinas) não foi investigada.
Usar com precaução

Morfina + Doxepina

Observações: N.D.
Interações: Deve ter-se em atenção o facto de vários medicamentos e substâncias poderem adicionar os seus efeitos depressores do sistema nervoso central e contribuírem para a diminuição da vigília. Tratam-se dos derivados da morfina (analgésicos, antitússicos e tratamentos de substituição), neurolépticos, barbitúricos, benzodiazepinas, outros ansiolíticos além das benzodiazepinas (por exemplo meprobamato), hipnóticos, antidepressores sedativos (amitriptilina, doxepina, mianserina, Mirtazapina, trimipramina), anti-histamínicos H1 sedativos, antihipertensores centrais, baclofeno e talidomida.
Usar com precaução

Paracetamol + Feniramina + Ácido ascórbico + Doxepina

Observações: N.D.
Interações: Associações em que devem ser tomadas precauções: Outros medicamentos sedativos (devido à presença de feniramina): derivados da morfina (analgésicos, antitússicos e tratamentos de substituição, neurolépticos, barbitúricos, benzodiazepinas, outros ansiolíticos que não as benzodiazepinas (por exemplo meprobamato), hipnóticos, sedativos antidepressivos (amitriptilina, doxepina, mianserina, mirtazapina, trimipramina, anti-histamínicos sedativos H1, anti-hipertensivos de ação central, talidomida e baclofeno. Pode aumentar uma depressão central. A diminuição da vigilância pode tornar perigosas a condução de veículos e utilização de máquinas.
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações da Doxepina
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Não administrar doxepina durante a gestação, salvo nos casos em que o benefício para a mãe supere o risco potencial para o feto.

Recomenda-se não administrar durante a lactação.

Recomenda-se não conduzir veículos nem utilizar máquinas perigosas durante o tratamento, devido à sonolência produzida pela doxepina.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 31 de Outubro de 2019